Você está na página 1de 17

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Aula 04 Deformabilidade
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Aula 04
Deformabilidade
do Concreto
Self-healing concrete – Michigan University - USA
Professor : Marcos Honorato
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Considerações iniciais A
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Considerações iniciais
A estrutura interna do concreto exerce grande influência tanto na resistência mecânica como
na deformabilidade das peças de concreto armado.
A estrutura interna do concreto resulta bastante heterogênea: adquire a forma de retículos
espaciais de cimento endurecido, de grãos de agregados graúdo e miúdo de várias dimensões
e formas, envoltos por grande quantidade de poros e capilares portadores de água que não
entrou em reação química, e, ainda, vapor de água e ar. Fisicamente, o concreto representa
um material capilar poroso, sem continuidade da massa, no qual se acham presentes os três
estados de agregação – sólido, líquido e gasoso.
Sólidos: agregados envolvidos pela matriz de pasta
Líquidos: água livre + produtos solubilizados
Gases: poros com ar + produtos da hidratação e outros
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
2

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Estrutura interna do
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Estrutura interna do concreto
Nos concretos, o volume de agregado graúdo é da ordem de 70% do volume total
do co creto e durecido. A estrutura i ter a do co creto pode e tão ser i
agi ada
como sendo formada pelo agregado graúdo envolvido pela matriz de argamassa. A
argamassa é constituída pelo cimento hidráulico, agregado miúdo e água.
Agregado graúdo envolvido pela matriz de argamassa
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
3
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Estrutura interna do
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Estrutura interna do concreto
No estudo da deformabilidade do concreto, porém, precisa ser considerada a
heterogeneidade da matriz de argamassa. A argamassa é constituída principalmente
pelo agregado miúdo envolvido pela matriz de pasta de cimento.
Agregado miúdo envolvido pela matriz de pasta de cimento
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
4

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Estrutura interna do
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Estrutura interna do concreto
As propriedades referentes à deformabilidade do concreto decorrem essencialmente
da co stituição dessa atriz , cuja heteroge eidade é co dicio ada pelas reações
de hidratação do cimento.
Detalhe microscópio do concreto endurecido
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
5
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Retração e Expansão
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Retração e Expansão
Denomina-se retração à redução de volume que ocorre no concreto, mesmo na ausência de
tensões mecânicas e de variações de temperatura. Embora seja mais comum a redução de
volume, também pode ocorrer o fenômeno inverso, de expansão quando o elemento estrutural
estiver em presença de água. A Figura abaixo mostra o progresso da retração com a idade,
onde se nota que ela é maior no início, depois tende assintoticamente a um valor final.
A Figura mostra também o progresso da
expansão com a idade, no caso de
elementos estruturais submersos. Nota-
se que, no início, ocorre retração.
Somente depois que as tensões
causadas pelo fluxo de água no sentido
oposto sobrepujam as tensões de
retração é que ocorre expansão.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
6

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Causas da Retração
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Causas da Retração e da Expansão
Nas elementos estruturais de concreto curados ao ar livre, existem basicamente três causas
distintas da retração: a retração química provocada pela contração da água não evaporável
que vai sendo combinada com o cimento durante todo o processo de endurecimento, a
retração decorrente da evaporação parcial da água capilar que permanece no concreto após o
seu endurecimento e a eventual retração por carbonatação dos produtos decorrentes da
hidratação do cimento.
Fatores que influem na retração:
a) composição química do cimento - Os cimentos mais resistentes e os de endurecimento
mais rápido apresentam maior retração.
b) quantidade de cimento - A retração também aumenta com a quantidade de cimento,
fundamentalmente por causa da retração química.
c) água de amassamento - Quanto maior a relação água/cimento (a/c), maior será o
número de capilares, resultando portanto maior retração.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
7
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Fatores que influem
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Fatores que influem na retração:
d) finura do cimento e das partículas dos agregados - Quanto mais fino o grão maior é
sua superfície específica, necessitando assim maior quantidade de água de amassamento; além
disso, mais finos serão os capilares. Resultam portanto capilares mais numerosos e mais finos,
aumentando a retração.
e) umidade ambiente - O aumento da umidade ambiente dificulta a evaporação, diminuindo
a retração. Pode até provocar expansão, no caso de peças imersas em água.
f) espessuras dos elementos -A retração aumenta com a diminuição da espessura do
elemento, por ser maior a superfície de contato com o ambiente em relação ao volume da
peça, possibilitando maior evaporação.
g) temperatura do ambiente - O aumento de temperatura favorece a evaporação ,
aumentando a retração.
h) idade do concreto - O aumento da resistência do concreto com o tempo dificulta a
retração.
i ) quantidade de armadura - As barras da armadura se contrapõem à retração, sendo uma
das soluções empregadas para minorar os seus efeitos.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
8

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Deformações causadas por
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Deformações causadas por ações externas
As deformações em elementos estruturais de concreto são efeitos causados pelas ações
atuantes, por exemplo: as ações relativas às forças atuantes nas estruturas, como as
gravitacionais e as forças atuantes relativas ao uso da estrutura.
As deformações podem ser consideradas de dois tipos:
a- deformação imediata – que são as observadas quando se aplica a força, correspondendo
ao comportamento do concreto relativo a um sólido verdadeiro;
b- fluência – que corresponde ao acréscimo de deformação com o passar do tempo se a força
causadora da fluência for mantida .
Ocorrem também os fenômenos da relaxação que é a diminuição da tensão atuante no
elemento estrutural quando submetido a deformação constante e as deformações recuperáveis
e a residual.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
9
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Deformações causadas por
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Deformações causadas por ações externas
DEFORMAÇÃO IMEDIATA:
A deformação imediata é causada pela acomodação dos cristais que formam o material. Os
vazios entre os agregados também permitem uma maior acomodação interna; assim um
material que contenha baixo índice de vazios é menos deformável e módulo de elasticidade é
alto, neste caso o material é frágil.
FLUÊNCIA:
Considerando o exemplo de um pilar com força aplicada no centro de sua seção transversal a
,
acomodação dos cristais gera forças de compressão na água capilar, aumentando o volume de
água que sai do elemento estrutural por evaporação. Se a força permanecer aplicada, os
meniscos caminham para capilares cada vez mais finos, aumentando a tensão capilar e
provocando deformação lenta (fluência)
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
10

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Deformações causadas por
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Deformações causadas por ações externas
Os efeitos da fluência (deformações) são mais intensos aos se aplicar a ação, tendendo para
um valor limite ao longo do tempo.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
11
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Deformações recuperáveis e
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Deformações recuperáveis e deformação residual
Considerando um elemento estrutural submetido a uma força axial de compressão, que gere
uma tensão constante σ c , em um instante t 0 , se em um instante posterior t esta força deixar de
ser aplicada a deformação que era crescente diminui bruscamente até uma deformação relativa
a recuperação elástica instantânea, e as deformações ao longo do tempo continuam a diminuir
em virtude da deformação elástica retardada até a um valor da deformação chamado de
deformação residual.
ε ce deformação elástica instantânea;
ε cd deformação elástica recuperável ou
deformação elástica retardada;
ε cf fluência permanente.
A deformação por fluência final pode ser
calculada pela expressão:
ε cc = ε cd + ε cf
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
12

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Critérios para cálculo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Critérios para cálculo da retração e da fluência
Os critérios para quantificar a retração e a fluência de elementos estruturais em concreto são
os indicados na NBR6118:2003, como a seguir se expõem.
De Acordo com o ANEXO A da NBR 6118:2003 :
Quando não há impedimento à livre deformação do concreto, e a ele é aplicada, no tempo t 0 ,
uma tensão constante no intervalo t – t 0 , sua deformação total, no tempo t, vale:
onde:
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
13
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Idade e espessura
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Idade e espessura fictícias
Idade fictícia do concreto
A idade a considerar é a idade fictícia (α t
)
,
em dias
,
quando o endurecimento se faz à temperatura
ef
ambiente de 20ºC e, nos demais casos, quando não houver cura a vapor, a idade a considerar é a idade
fictícia dada por:
onde:
t é a idade fictícia, em dias;
α é o coeficiente dependente da velocidade de endurecimento do cimento; na falta de dados experimentais
permite-se o emprego dos valores constantes da tabela A.2;
T i é a temperatura média diária do ambiente, em graus Celsius;
∆t ef,i é o período, em dias, durante o qual a temperatura média diária do ambiente, T i , pode ser admitida
constante.
NOTA - Essa expressão não se aplica à cura a vapor.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
14

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Aula 04 Professor
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
15
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Espessura fictícia da
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Espessura fictícia da peça:
Define-se como espessura fictícia o seguinte valor:
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
16

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Fluência do Concreto
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Fluência do Concreto
a) Generalidades
A deformação por fluência do concreto (ε cc ) compõe-se de duas partes, uma rápida e outra
lenta. A fluência rápida (ε cca ) é irreversível e ocorre durante as primeiras 24h após a aplicação
da força que a originou. A fluência lenta é por sua vez composta por duas outras parcelas: a
deformação lenta irreversível (ε ccf ) e a deformação lenta reversível (ε ccd ). Portanto:
Onde:
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
17
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Hipóteses Para o
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Hipóteses
Para o cálculo dos efeitos da fluência, quando as tensões no concreto são as de serviço,
admitem-se as seguintes hipóteses:
a) a deformação por fluência ε cc varia linearmente com a tensão aplicada;
b) para acréscimos de tensão aplicados em instantes distintos, os respectivos efeitos de
fluência se superpõem;
c) a deformação rápida produz deformações constantes ao longo do tempo; os valores do
coeficiente φ a são função da relação entre a resistência do concreto no momento da aplicação
da carga e a sua resistência final;
d) o coeficiente de deformação lenta
reversível φ d depende apenas da
duração do
carregamento; o seu valor final e o seu desenvolvimento ao longo do tempo são
independentes da idade do concreto no momento da aplicação da carga;
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
18

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado e) o coeficiente
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
e) o coeficiente de deformação lenta irreversível φ f depende de:
- umidade relativa do ambiente (U);
- consistência do concreto no lançamento;
- espessura fictícia da peça h fic (ver A.2.4);
- idade fictícia do concreto (ver A.2.4) no instante (t 0 ) da aplicação da carga;
- idade fictícia do concreto no instante considerado (t);
f) para o mesmo concreto, as curvas de
deformação lenta irreversível em função do
tempo, correspondentes a diferentes idades do
concreto no momento do carregamento, são
obtidas, umas em relação às outras, por
deslocamento paralelo ao eixo das deformações,
conforme a figura A.1.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
19
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Valor da fluência
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Valor da fluência
No instante t a deformação relativa à fluência é calculada pela expressão:
com E c28 calculado, para j = 28 dias, pela expressão:
O coeficiente de fluência φ (t,t0) , válido também para a tração, é dado por:
sendo:
t é a idade fictícia do concreto no instante considerado, em dias;
t 0 é a idade fictícia do concreto ao ser feito o carregamento único, em dias;
t 0i é a idade fictícia do concreto ao ser feito o carregamento, em dias;
φ a é o coeficiente de fluência rápida, determinado pela expressão:
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
20

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Onde: é a
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Onde: é a função de crescimento da resistência do concreto com a idade, e calculada,
segundo a NBR 6118:2003, pela expressão seguinte em função da idade do concreto
(item12.3):
sendo β 1 calculada por:
adotando-se:
s
= 0,38 para concreto de cimento CP III e CP IV;
s
= 0,25 para concreto de cimento CP I e CP II;
s
= 0,20 para concreto de cimento CP V - ARI;
t
é a idade efetiva do concreto, em dias.
Essa verificação precisa ser feita aos t dias, para as forças aplicadas até essa data.
A expressão que relaciona as resistências características aos 28 dias (f ck ) e aos j dias (f ckj ) pode
ser escrita como:
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
21
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado ou seja: pois,
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
ou seja:
pois, as resistências são proporcionais independente de serem os valores característicos.
Os valores de β 1 nos tempos t 0 e t ∞ podem ser calculados por:
E, portanto, dividindo membro a membro essas duas expressões, tem-se:
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
22

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Retomando a expressão
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Retomando a expressão do coeficiente de Fluência, ainda temos:
φ f∞ = φ 1c . φ 2c é o valor final do coeficiente de deformação lenta irreversível;
φ 1c é o coeficiente dependente da umidade relativa do ambiente U, em porcentagem, e da
consistência do concreto dada pela Tabela A.1.
φ 2c é o coeficiente dependente da espessura fictícia h fic da peça, definida em 8.4:
h fic é a espessura fictícia, em centímetros (A.2.4);
φ d∞ é o valor final do coeficiente de deformação lenta reversível que é considerado igual a 0,4;
β d (t) é o coeficiente relativo à deformação lenta reversível função do tempo (t – t 0 ) decorrido
após o carregamento.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
23
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado β f (t)
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
β f (t) ou β f (t 0 ) é o coeficiente relativo à deformação lenta irreversível, função da idade do
concreto (ver figura A.2);
h é a espessura fictícia, em metros, para valores de h fora do intervalo (0,05≤h≤1,6),
adotam-se os extremos correspondentes;
t é o tempo, em dias (t≥3).
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
24

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Aula 04 Professor
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
25
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Retração do concreto
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Retração do concreto
Hipóteses básicas:
O valor da retração do concreto depende da:
a) umidade relativa do ambiente;
b) consistência do concreto no lançamento;
Valor da retração:
Entre os instantes t 0 e t a retração é dada por:
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
26

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Aula 04 Professor
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
27
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Aula 04 Professor
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
28

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado h é a
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
h é a espessura fictícia, em metros, para valores
de h fora do intervalo (0,05≤h≤1,6), adotam-se
os extremos correspondentes;
t é o tempo, em dias (t≥3).
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
29
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Aula 04 Professor
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
30

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Deformações na armadura
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Deformações na armadura
Quando a armadura é solicitada em situação análoga à descrita em A.2.1, sua deformação vale:
Quando a livre deformação por fluência é impedida, em situação análoga à descrita em A.2.5
para o concreto, a deformação total pode ser calculada por:
sendo:
∆σ s (t, t 0 ) é a variação total de tensão na armadura, no intervalo (t, t 0 ).
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
31
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Deformação total do
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Deformação total do concreto
Quando há variação de tensão ao longo do intervalo, induzida por ações externas ou agentes de
diferentes propriedades reológicas (incluindo-se armadura, concretos de diferentes idades, etc),
a deformação total no concreto pode ser calculada por:
em que os três primeiros termos representam a deformação não impedida e a integral, os
efeitos da variação de tensões ocorridas no intervalo.
Permite-se substituir essa expressão por:
Nas expressões de ε c (t):
∆σ c (t, t 0 ) é a variação total de tensão no concreto, no intervalo (t, t 0 );
α é o coeficiente característico que tem valor variável conforme o caso.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
32

31/08/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado Deformação total do
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
Deformação total do concreto
Nos outros casos usuais pode-se considerar α = 0,8, mantendo E c (t 0 ) ≠ E c28 sempre que
significativo.
Essa aproximação tem a vantagem de tratar φ como uma única função, sem separar φ a , φ f , e
φ d .
É possível separar φ a , φ f , e φ d ., mas para isso é necessário aplicar a expressão integral ao
problema em estudo.
A expressão simplificada não se aplica nesse caso.
Especial atenção deve ser dada aos casos em que as fundações são deformáveis ou parte da
estrutura não apresenta deformação lenta, como o caso de tirantes metálicos.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
33
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de Engenharia Civil Estruturas de Concreto Armado EXERCÍCIO PROPOSTO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Curso de Engenharia Civil
Estruturas de Concreto Armado
EXERCÍCIO PROPOSTO
Considerando que uma barra de concreto simples (sem barras de armadura e cimento CPIII) e
de dimensões h x = 30cm e h y = 60cm e comprimento de 500cm é submetida aos 28 dias, a
uma força normal centrada de compressão com módulo de N k =2000kN e que o concreto é
C30 e apresentou na concretagem abatimento de 5cm, no local onde o elemento está
posicionado a umidade relativa do ar é de 70%, a temperatura ambiente é de 25 graus Celsius
e que somente as face laterais estão expostas ao meio ambiente, pedem-se calcular:
a - a retração ocorrida aos 28 dias e aos 388 dias;
b - a deformação imediata, verificada na aplicação da força aos 28 dias;
c - a fluência após 360 dias da aplicação da força;
d - a deformação total (retração + deformação imediata + fluência), desde a concretagem até
360 dias após a aplicação da força, e a porcentagem de cada uma das três parcelas de
deformação.
Aula 04
Professor : Marcos Honorato
34