Você está na página 1de 16
2ª FASE OAB Disciplina: Direito Penal Prof. Rogério Cury 1 MATERIAL DE APOIO – MONITORIA

2ª FASE OAB Disciplina: Direito Penal Prof. Rogério Cury

1

MATERIAL DE APOIO – MONITORIA

Índice

I. ANOTAÇÃO DE AULA

II. LOUSAS

I. Anotação de Aula

1. Execução Penal (Lei 7.210/84)

Para que haja execução no Brasil é bom que haja uma sentença penal, que poderá ser

condenatória (pena) ou absolutória imprópria (medida de segurança).

1.2- Princípios da Execução Penal

“JU/CO/PE/PU

AM/I/DU/LE”

a) Princípio da jurisdicionalidade (jurisdicionalização) da execução: os atos na execução penal são

basicamente do judiciário, que será da Vara de Execução Penal/criminal (VEC).

Obs. Alguns atos da pena ou de medida de segurança serão administrativos, praticado pelo diretor do

estabelecimento prisional.

a.1) Competência: o juízo é definido diante do local que se encontra o preso. Para definir

competência na execução penal não importa o local do crime e infração penal, o que importa é local

onde aquele indivíduo se encontra cumprindo a penal o medida de segurança.

“Aonde o preso vai a execução vai atrás”

Para saber da competência se é da justiça federal ou estadual, é preciso analisar a natureza do

estabelecimento prisional, onde o indivíduo cumpre a pena ou medida de segurança. Se for presídio

federal será um juiz federal se for estadual será de um juiz de direito do local do estabelecimento.

2

b) Princípio do Contraditório (Art. 5º, LV, CF)

c) Princípio Personalização da execução (individualização/personalidade): artigo 5º da CF estabelece

que a pena não passará da pessoa do condenado.

d) Princípio da Publicidade da execução: em regra são públicos, mas alguns deles de maneira

excepcional tramitam em segredo de justiça.

e) Princípio da ampla defesa: diante da execução penal terá direito a defesa técnica (advogado) e de

autodefesa. Se não houver essa ampla defesa ele não poderá ter direitos subtraídos, haverá nulidade absoluta por cerceamento de defesa.

f) Princípio

desigualdades.

da igualdade: os iguais na medida de suas igualdades

e os desiguais

em suas

g) Princípio do duplo grau de jurisdição durante a execução penal: decisões a execução penal cabe

recurso, o recurso durante a execução penal é agravo em execução.

h) Princípio da legalidade: teremos diante a execução penal tramita na legalidade. Será feito pelo

juiz, MP e da defensoria pública.

1.3- Progressão de Regime

Ele parte de um regime prisional pior para a melhor, sendo vedado ainda a progressão em saltos (Súmula 491 do STJ).

a) Requisitos:

- tempo de cumprimento de pena: a regra o individuo tem que cumprir 1/6 da pena efetivamente imposta (art. 112 da LEP e súmula 715 do STF). Exceção: crimes hediondos e para os equiparados, se o individuo é primário deve cumprir 2/5 da pena efetivamente imposta, mas se ele for reincidente de cumprir 3/5 da pena efetivamente imposta.

Obs. Para quem cometeu crimes hediondos ou equiparados antes da entrada em vigor da lei 11.464/07, que foi a lei que criou os 2/5 e 3/5. (Súmula 471 do STJ e Súmula Vinculante 26).

- comportamento carcerário do individuo (bom comportamento carcerário): será atestado pelo diretor do estabelecimento prisional.

3

Obs. O condenado por crime contra a administração pública, só poderá ter a progressão se demonstrar a reparação do dano causado pelo delito ou a devolução do produto do crime (art. 33, §4º do CPC).

1.4- Livramento Condicional

É a liberdade para aquele que está cumprindo pena, recebendo um liberdade antecipada importando a ele com algumas obrigações que ele cumpra até que ele cumpra toda a pena. Sob pena de revogação.

a) Requisitos (art. 83, I, CP e 131 e seguintes da LEP):

a.1) - + 1/3 da pena imposta

- não reincidente em crime dolosa;

- bons antecedentes criminais.

a.2) + ½ pena imposta reincidente em crime doloso (condenação, com trânsito em julgado, crime doloso o sujeito vem a

praticar novo crime doloso e é condenado), passado 5 anos do efetivo cumprimento ou extinta pena,

o individuo será primário.

a.3) 2/3 pena imposta crime hediondo ou equiparado.

Obs. Caso o indivíduo seja reincidente específico (condenado em trânsito em julgado, por crime hediondo ou equiparado e é condenado) em crime hediondo ou equiparado, não haverá a possibilidade de livramento condicional.

a.4) Regra geral (aplica para as três hipóteses acima)

- comportamento satisfatório durante a execução da pena;

- bom desempenho no trabalho que lhe foi atribuído;

- aptidão para prover a própria subsistência;

- reparação do dano causado pelo delito ou a demonstração da impossibilidade de fazê-lo.

2- Agravo em execução

É o único recurso existente na execução penal, é cabível para atacar todas as decisões do juiz da Vara das Execuções Penais.

4

2.1- Exemplo de decisões que cabe o recurso de Agravo.

- progressão ou regressão de regime;

- decisão que defere ou indefere pedido de livramento condicional;

- remição, retirando parte dos dias remidos;

- conversão da pena restritiva de direitos em privativa de liberdade;

- decisão que declarar extinta a punibilidade.

Obs. Artigo 66, Lei 7.210/84 e o artigo 581, XI, XII, XVI, XIX até XXIV da CPP.

2.2- Peça Agravo em Execução (é a mesma peça do recurso em sentido estrito, mudando-se apenas algumas formalidade))

a) 2 petições:

- petição de interposição: endereçada para primeira Instância para o juiz da Vara das execuções penais; prazo de 5 dias (Súmula 700 do STF); pedido de retratação (artigo 589, parágrafo único, do CPP - analogia)

- petição de razões: endereçamento para 2ª Instância (TRF ou TJ); preâmbulo; fatos; direito; pedido.

2.3- Modelo da peça

2 - TÍCIO, foi

(PEÇAS, ANTES DO PROCESSO -

(PEÇAS, DURANTE

PROCESSO - ELIMINADAS) a pena de 4 anos de reclusão e multa, motivo pelo qual não lhe foi concedido o benefício da suspensão condicional da pena. Você

foi contratado para ser o advogado de TÍCIO após a

(EXECUÇÃO PENAL). Durante o processo de execução penal, em uma

única petição houve o requerimento para obtenção de

tendo em vista o preenchimento dos requisitos objetivos e subjetivos (TEMPO CUMPRIMENTO PENA E BOM COMPORTAMENTO CARCERÁRIO) para tanto, além

(“PERDEU” DIAS-REMIDOS), com

basde na entrada em vigor da Lei 12.433/2011, haja vista que meses antes, havia perdido todos os dias remidos em razão do cometimento de falta grave.

Porém,

da

delito pelo delito de roubo, descrito no art. 57

do

ELIMINADAS) após 05 meses de sua prisão.

preso em flagrante

C.P. A

instrução criminal se encerrou

Foi condenado

sentença ter transitado em

progressão de regime,

julgado
julgado

restituição de parte dos dias remidos

seus pedidos foram indeferidos

(PEDIDOS – DURANTE FASE DE

5

EXECUÇÃO PENAL – DECISÃO - INDEFERIMENTO). Questão: Solucione imediatamente o caso de seu cliente, redigindo a devida peça processual.

HÁ PROC. ? SIM HÁ SENTENÇA ? SIM HÁ TRÂNSITO EM JULGADO ? SIM FASE EXECUÇÃO PENAL - HOUVE DECISÃO. AGRAVO EM EXECUÇÃO.

Petição de Interposição.

- Endereçamento:

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DE

EXECUÇÕES CRIMINAIS DA COMARCA DE

, ESTADO DE

Execução

Preâmbulo- Previsão Legal – Art. 197, Lei 7.210/1984. Retratação – art. 589, parágrafo único do CPP.

RAZÕES RECURSAIS.

Endereçamento:

EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE

Preâmbulo.

I- DOS FATOS: não fazer análise pessoal. Não citar doutrina ou jurisprudência.

II- DO DIREITO – TESES.

1- PROGRESSÃO DE REGIME – presenças requisitos legais –Art. 112, Lei 7.210/1984 – tempo de cumprimento de pena e comportam. Carcerário.

6

2- Restituição dias-remidos. Houve modificação no art. 127, Lei 7.210/1984. modificação benéfica e deve retroagir para casos passados. Não há mais a total perda dos dias remidos, mas apenas, no máximo, a perda de 1/3 dos remidos.

II- DO PEDIDO:

Face do que exposto requer o conhecimento e provimento do recurso, para que seja concedido a restituição dos dias remidos e a progressão da pena.

Local e data Advogado/OAB

II. LOUSAS

remidos e a progressão da pena. Local e data Advogado/OAB II. LOUSAS 2ª FASE – Direito

7

7 2ª FASE – Direito Penal – material monitoria

8

8 2ª FASE – Direito Penal – material monitoria

9

9 2ª FASE – Direito Penal – material monitoria

10

10 2ª FASE – Direito Penal – material monitoria

11

11 2ª FASE – Direito Penal – material monitoria

12

12 2ª FASE – Direito Penal – material monitoria

13

13 2ª FASE – Direito Penal – material monitoria

14

14 2ª FASE – Direito Penal – material monitoria

15

15 2ª FASE – Direito Penal – material monitoria

16

16 2ª FASE – Direito Penal – material monitoria