Você está na página 1de 2

Nome: Tamer Oliveira

Professora: Carolina Valverde


Saúde do musico
Constrangimentos Ergonômicos em Músicos

Constrangimento é “efeito de reduzir o volume de uma substância por meio de pressão; aperto,
compressão”, no caso o ergonômicos recorrente em músicos, é fator de risco que ocorre na pratica
instrumental, devido as varias horas de estudos, ensaios e trabalhos, segundo o texto “muitas vezes
gera problemas de saúde aos músicos e até mesmo os impede de continuar
trabalhando”. Então para Maxwell, o trabalho do musico deve ser adaptado da melhor maneira
para que o mesmo previna a incidência de problemas tão recorrentes.

Revisão de literatura
A rotina exaustiva de estudos, apresentações, ensaios, movimentos repetitivos, posturas
adotadas, exercícios e apresentações, segundo o texto são fatores que prejudicam a saúde do
musico. Para Maxwell, da mesma maneira que o movimento repetitivo desgasta as maquinas,
não poderia ser de outra forma com os seres humanos.
(…) é bom frisar que eles executam muitos movimentos articulares, exaustivamente
repetidos. Um violinista, por exemplo, passa horas com o pescoço inclinado, braços dobrados e
dedos tensos para poder tocar seu instrumento. Da mesma forma, outros instrumentos
exigem posturas particularizadas de seus seguidores. (SUBTIL, 2009 p.30)
Segue essa revisão com muitos exemplos de pesquisas relacionados à saúde do
musico. Por exemplos o Costa, que segundo o texto relata alguns aspectos culturais que
ocultam o tema saúde do musico, que são elas: a cultura do silencio onde o musico não fala
sobre seus problemas físicos ou psíquicos; e cultura da dedicação, que normaliza a pratica do
desconforto e da dor.
Outra pesquisa citada foi uma realizada no Brasil, sobre o nível de stress físico em
instrumentistas de corda, onde 88% apresenta, algum desconforto e 30% tiveram que
interomper suas atividades por causa de desconfortos, pesquisa realizada, ANDRADE &
FONSECA apud COSTA, 2003.
Maxwell destaca que a produção cientifica desse campo não foi feito apenas pesquisa
quantitativamente, mas destaca outras formas de pesquisa como: assentos ergonômicos para
violonistas; como os músicos percebem problemas osteomusculares relacionados à prática
musical e como os distinguem de dores consideradas normais; dentro outras dentro do
campo. Para ele, todas essas pesquisa só revelam aquilo que já era conhecido pelos músicos,
tocar um instrumento pode ser prejudicial.
Fatores de Risco na Prática Instrumental
São vários fatores que determinam os riscos da prática do instrumento, dentre eles a
forma do instrumento. Cada instrumento tem uma forma peculiar e que ao longo de sua historia
sofreu pouca alteração, por causa artística ou fatores estéticos. Ainda assim, segundo ele não
é possível determinar qual instrumento é mais saudável, ou mais prejudicial, o que vai
depender da predisposição física de cada individuo, mesmo que sua forma tenha uma grande
parcela na culpa dos riscos da saúde do musico.
Outro fator é a qualidade do instrumento, pois cada instrumento tem uma característica e
também ângulos diferentes. Por isso, “um instrumento novo traz novos ângulos de atuação
mecânica, novas tensões musculares, ajustes finos e talvez até preocupações
inconscientes de performance, tudo contribuindo para a geração de sintomas
musculoesqueléticos.”
A técnica, ou modo como cada instrumentista toca
O modo como cada instrumentista toca o seu instrumento, “decorrentes de um
determinado método de aprendizagem ou da própria técnica individual do músico faz com
que se obtenham resultados bastante diferentes em termos de estética musical, mas
também faz com que haja uma maior carga sobre articulações e músculos”. Cabe ao
mesmo pensar o que é mais viável, um melhor resultado técnico e uma sobrecarga, ou mudar
sua técnica garantindo sua integridade física.O Repertório também pode causar danos e riscos.
A educação Musical também é muito importante, pois pode gera bons ou mais hábitos
instrumentais, como ter uma postura mais ergonômica.
Comportamento de Estudo também interfere na relação musico e saúde, mostra-se a
necessidade de aquecimentos, intervalos e atividades que compensem os movimentos.
Fatores Psicológicos, “pressão e expectativa tanto do músico quanto do público,
ansiedade de palco, labilidade emocional, clima de trabalho e concorrência. Aqui se encaixa
também a cultura do silêncio tratada anteriormente, onde o músico sente dores mas não busca
tratamento por ter medo de se prejudicar econômica e profissionalmente.”
Outros Fatores são, envelhecimento, alimentação, carga excessiva de trabalho, álcool, drogas,
fatores ambientais e relacionados a atividades não musicais.

Referências

maxwell
https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/22175/22175_5.PDF
BRANDFONBRENER, Alice G. Musculoskeletal problems of instrumental musicians. Hand Clinics, v.19, n.2, p.231-
239, 2003.
DAUM, Miriam C. Musculoskeletal Problems in Musicians. Center for Safety in the Arts, 1988. Disponível em: <
http://www.uic.edu/sph/glakes/harts1/HARTS_library/musicms.txt> Acesso em: 10 mar. 2012.