Você está na página 1de 1

Fábio - Direito internacional - 2a prova - Temas

Pelo Livro do Portela (livro texto oficial da disciplina)


- cap 4. - sujeitos de D. Internacional público
- cap.5 - sujeitos de D. Internacional público ( a partir de 9 - Imunidade)
- caps. 6 e 7 (órgãos estatais nas relações internacionais / organizações internacionais)
-caps. 8, 9 e 10 - Conferir se entram. (nacionalidade / cond. jurídica de estrangeiro / resp. internacional)

Pelo livro da OAB


- cap 1 - sujeitos de D. Internacional público
- cap 3. - 3.12.3 e cap. 14 - Imunidades
- cap. 1 - 1.4, cap. 2 - 2.9 - organizações internacionais
- cap 7. - 7.5 - Relações internacionais e demais caps anteriores
- cap. 10 - nacionalidade
- cap. 11 - condição jurídica de estrangeiro

3.12.3 Imunidades de jurisdição e privilégios por prerrogativas de função


Segundo já abordado, o TPI considera irrelevante a qualidade de oficial ou a existência de imunidade ou
prerrogativas em função do cargo ocupado (arts. 27 e 28) para processo e julgamento no âmbito da Corte.
Por outro lado, a Constituição Federal Brasileira consagra tais imunidades e prerrogativas ao Presidente da
República, aos Ministros de Estado, a Deputados e Senadores, entre outros. Também em relação a essas
questões não há conflito entre os mencionados diplomas, porquanto se entende que os crimes de
competência do TPI (genocídio, crime de guerra, crime contra a humanidade e crime de agressão) são os de
maior gravidade com alcance internacional. Logo, os dispositivos do Estatuto de Roma seriam a garantia de
que os infratores não usariam de suas prerrogativas para escapar do processo e julgamento perante a
Corte. E, nessas condições, o Estatuto traria, na verdade, um acréscimo à Constituição Federal brasileira, no
sentido de que reafirmaria o princípio da dignidade humana ao obstar a impunidade dos autores de crimes
que constituam ameaça à paz, à segurança internacional e aos direitos fundamentais da humanidade.