Você está na página 1de 1

BIOMASSA: UMA ENERGIA BRASILEIRA

Biomassa é ainda um termo pouco conhecido fora dos campos da energia e da


ecologia, mas já faz parte do cotidiano brasileiro. Fonte de energia não polu-
ente, a biomassa nada mais é do que a matéria orgânica, de origem animal ou
vegetal, que pode ser utilizada na produção de energia.
Todos os organismos biológicos que podem ser aproveitados como fontes de
energia são chamados de biomassa. Entre as matérias-primas mais utilizadas
estão a cana-de-açúcar, o eucalipto, o lixo orgânico (que dá origem ao biogás),
resíduos (casca de arroz, casca da soja, bagaço da laranja, entre outros), além
de alguns óleos vegetais (amendoim, soja, dendê).

Em termos mundiais, em 2010 os recursos renováveis representavam 13% da


demanda total de energia primária, sendo 9% proveniente de biomassa e 2,2%
de fonte hídrica e o restante de outras fontes . No Brasil, a proporção da energia
primária total produzida em 2010 foi cerca de 13,7% de origem hídrica, 29,6% de
origem em biomassa e 4,3 de outras renováveis .

SISTEMAS DE COGERAÇÃO DA BIOMASSA

Os sistemas de cogeração que permitem produzir simultaneamente energia


elétrica e calor útil configuram a tecnologia mais racional para a utilização de
combustíveis. Este é o caso das indústrias sucro-alcooleira e de papel e celu-
lose, que além de demandar potência elétrica e térmica, dispõem de com-
bustíveis residuais que se integram de modo favorável ao processo de coger-
ação. A cogeração é usada em grande escala no mundo, inclusive com incenti-
vos de governos e distribuidoras de energia.
A produção elétrica nas usinas de açúcar e álcool, em sistemas de cogeração
que usam o bagaço de cana como combustível, é uma prática tradicional deste
segmento. O que diferencia seu uso é a eficiência com que o potencial do
bagaço é aproveitado.
Além de eliminar o custo adicional de transporte do bagaço, que é um resíduo
volumoso, a geração de energia in loco barateia todo o processo produtivo e
ainda produz o calor necessário para o processamento do açúcar.

1
World Energy Outlook 2009. International Energy Agency.
2
Balanço Energético Nacional 2009. Empresa de Pesquisa Energética.