Você está na página 1de 22

01 - PRIMEIRA LIÇÃO

(Luiz Campelo)

Quem chega nesta casa


Aos pés do Santo Cruzeiro
Recebe a primeira ordem
De aqui ser verdadeiro
Aos primores revelados
Nesta casa da Verdade
Vão se acumulando os fardos
Da responsabilidade

Mas os olhos vão crescendo


Diante o brilho do salão
E todos vão se esquecendo
De sua primeira lição
Vão se achando graduados
Querem de qualquer maneira
Armar as penas do pavão
Já na primeira fileira

Vão se achando no direito


De arrumar o seu irmão
Vão todos inflando o peito
A derramar a preleção
Mas ninguém se preocupe
Com onde isso vai dar
O pavão fica dando volta
E o passarinho vai voar

Esta advertência é séria


Mas parece brincadeira
Os trabalhos vão passando
Lembre de qualquer maneira
Tua hora está chegando
E tu não sabes pra onde ir
O mapa estou te dando
Trate de se corrigir

2 - NA BEIRA DO RIO
(Yone Marques)

Estou sentado aqui na beira deste rio


Vou meditando e vendo a vida passar
Vamos singrando e descendo a correnteza
Sendo levados pelo rio até o mar

Lá no começo um fio de água pequenino


Que foi brincando entre as pedras da mata
Celebra a vida este dom da natureza
Que vai crescendo até o canto da cascata

Desceu a serra e serpenteia na planície


Já é um rio calmo e cheio de vigor
O seu traçado se aproxima da velhice
Que nos irriga em seu generoso amor
Estou sentado aqui na beira deste rio
Vou relembrando tudo que a vida me deu
Tantos amores que se foram ali descendo
Pelos caminhos que o Destino escolheu

Eu bem velhinho aqui saúdo esta corrente


De bons amigos abençoados pela Graça
À juventude ofereço este presente
Estar ciente que na vida tudo passa

3 - LINHAGEM
(Pad. Alfredo)

É com Jesus, com esta força maior


Das Estrelas, da Lua
Que trago aqui o Comando do Sol
Este Reinado venho anunciar
A Nova Era que está pra chegar

Eu chacoalho este meu maracá


Por aqui e por lá
Muito ainda eu vou chacoalhar
Enquanto esta corrente não se firmar
Enquanto esta corrente não se firmar

É na união e na calma também


Se arrepender pra obter
A chave de Nova Jerusalém
Que os Tempos já estão chegando
Há muito tempo que venho avisando

Eu chacoalho este meu maracá


Por aqui e por lá
Muito ainda eu vou chacoalhar
Enquanto esta corrente não se firmar
Enquanto esta corrente não se firmar

4 - BORDOADA
(Raimundinha)

Sigo a minha caminhada


De espada na mão
Sei que vou acompanhado
Com o meu São João

Vou levando bordoada


E incompreensão
Mas o que vai me proteger
É saber dar o perdão

Vou caminhando entre flores


Apesar de alguns irmãos
Vou me livrar dos terrores
Com as armas do coração

Sei que meu caminho é reto


E meu escudo é de Luz
Tenho esta Santa Doutrina
Do meu Pai que é Jesus

5 - A CHAVE

Quando a minha hora for chegada meu Pai


Virá com sua chave me entregar o que fui
Lembranças do caminho vão me alcançar
Espero ver a minha luz em seu altar, meu Pai

Os irmãos com quem meu coração se ligou


Os irmãos a quem a minha luz faltou
Longa fila das almas que eu encontrei
Me aguardam no portão da ante-sala de meu Rei

Vou limpando, quero hoje e sempre me limpar


Quero estar no coração de meu irmão
Pois a chave que abre a porta do meu Pai
É amar, se humilhar e pedir perdão

6 - A BANDA DO CLARO

O meu Mestre me falou


Com seu cajado na mão
Se tu pisas de mansinho
Vais receber a lição

O meu Mestre me falou


Sobre eu ser verdadeiro
Com amor no coração
Brilha a Luz neste terreiro

Deixa quem quiser falar


Se tu amas a missão
Aos surtados vais curar
Se os consideras irmãos

O meu Mestre me falou:


Tu trabalhas para o claro
Com verdade tu avanças
Com rancor Eu mesmo paro

O meu Mestre me falou


Os que trabalham para o escuro
Muito vão te atrapalhar
Quero ver se estás maduro

Seja o claro, seja o escuro


É tu quem escolhe a banda
Viva o Reinado do Sol
Viva o Daime, viva a Umbanda

7 - BATISMO
(Marilyn)
Eu peço a meu Mestre
Não me deixe tombar
Vou mergulhar nesta força
Que o Mestre me dá

Sigo cantando os hinos


Neste lindo salão
Renovando os votos
Em meu São João

Vou pular a fogueira


Vou me libertar
Nesta noite de festa
Que o Mestre me dá

Linda festa junina


Da transformação
Mergulho e me batizo
Com meu São

8 - AMOR
(Marquinhos)

Diante da Luz
Do Santo Cruzeiro
Prometi a este amor
Zelá-lo por inteiro
Diante de Deus
Do Pai Verdadeiro
E do meu Jesus
O Rei do mundo inteiro

Esta graça divina


De ter no coração
Formando uma corrente
De tantos irmãos
Eu não sei se mereço
Mas sempre lhe peço
Ter amor transbordando
No meu coração

Aprofundando o Mistério
De estar sempre ligado
Com o irmão da frente
De trás e do lado
Eu não sei se mereço
Um dia compreender
O amor que me liga
A Seu santo Poder

Descendo a cachoeira
Sou pedrinha rolante
Aparando as arestas
Vou virar diamante
O Padrinho dizia
Nós todos somos Um
Vou zelar o Amor
Que nos dá Mãe Oxum

9 - NÃO QUERO MAIS CHORAR


(Bibi)

O,o,o ...

São as caboclas de Yemanjá


Que vem fazer a romaria
Trazendo a força da limpeza
Na casa de Santa Maria

Oh! Minha Mãe vou despachar


Este trabalho que Vós dá
É alfazema, é o cristal
E é o sal que vem do mar

Saúdo a minha Grande Mãe


Que tenho a ordem de louvar
Quero ser filho bem direito
E sei que o caminho é estreito

É chama branca, é chama azul


São Suas águas a me lavar
Me dê a paz, ó Grande Mãe
Que eu não quero mais chorar

O,o,o ...

10 - UMA CASA PRÓPRIA


(Caboclo Tupinambá)

Quando coloquei uma estrela em meu peito


Foi o meu Mestre quem me convidou
Eu passo a vida alegre e satisfeito
Hoje eu faço parte desta Escola do Amor

É a Escola da Rainha quem me ensina


A aliar o Amor à Disciplina
E quem não sabe a escola a que me filio
É a do Compromisso com o Pai e com o Filho

O Santo Daime é o Sol da minha vida


E a Umbanda é sua filha querida
Se tenho Shiva mandando a transformação
Também tenho a fogueira do meu grande São João

É Juramidam quem me ordena este trabalho


Se eu falar mal é com Ele que eu falho
Os meus caboclos lhe rendem obediência
E têm uma casa própria pra estudar essa ciência
11 - RODA DE HARMONIA

Os caboclos desta banda


Que juntos vêm trabalhar
Nesta roda de harmonia
Os aparelhos doutrinar

No silêncio e reverência
Vamos todos escutar
Quem não serve nesta banda
A força vai expulsar

Estes corações nublados


Que estão a duvidar
Que procurem outra casa
Onde possam se curar

Mas quem reconhece a força


E este poder de luz
Pede axé a este terreiro
Comandado por Jesus

Na porteira tenho guarda


Que não deixa o mal entrar
E o meu Ogum guerreiro
Pra esta casa sustentar

Peço força às Mães d'Água


E às caboclinhas do Mar
O axé da machadinha
Que vem nos equilibrar

A flecha do conhecimento
Para a mente expandir
De mãos com meus pretos velhos
Muito longe eu possa ir

Por fim vou limpando a casa


Com a Linha das Crianças
Saio limpo e satisfeito
Carregado de esperança

12 – CLAREIA

Tanto pedi, mas não zelei


Implorei, mas não dei atenção
Que os presentes foram chegando
E esparramando pelo chão

Clareia, clareia
Clareia o meu coração
Para eu andar por este caminho
De lamparina na mão
A vida é breve pra se distrair
Quem quer dormir vai ficar na ilusão
Ou eu conquisto as minhas medalhas
Com as minhas próprias mãos

Clareia, clareia
Clareia o meu despertar
Vou levantar com a minha espada
E a consciência conquistar

13 - MARIAZINHA
(Luciana)

Vim pular as sete ondas


Caboclinhas de Yemanjá
Aye eu, O do ce yaba
Aye eu, O do ce ya

O meu nome é Mariazinha


Sou filhinha de Olorum
Aye eu, O do ce yaba
Aye eu, O do ce ya

Vim trazer minhas amiguinhas


E as priminhas de Oxum
Aye eu, O do ce yaba
Aye eu, O do ce ya

Venho brincando do céu


Pra trazer esta mensagem
É brincando que eu trabalho
Pra dar conta da viagem

14 - VOSSA INSTRUÇÃO
(Cleydson)

É por ter amor, é por ter amor


É por ter amor ao Cristo Redentor
Que eu me inscrevo neste batalhão
Me comprometo com esta missão
E me preparo junto aos meus Guias
Pra transformação

É por ter amor, é por ter amor


É por ter amor ao Cristo Redentor
Que eu recebo no meu coração
E me entrego a esta miração
Para poder vir colher as flores
De Vossa instrução

15 - NAMASTE
(Minakshi)

Tanto tempo aqui nesta Doutrina


Estou pronto para começar
E seguindo o caminho do Mestre
Vou bailando e aprendendo a cantar

Tomo Daime e me confraternizo


Tropeçando e aprendendo a amar
Olho a todos aqui nesta corrente
Não tem nenhum que eu não possa olhar

Que alegria, estes seres divinos


Tem a Luz de poder me aceitar
Afinal eles são a irmandade
Os do céu e os que estão a bailar

Este Buda que vive em minha alma


Reconhece os que estão a brilhar
Nesta roda de seres divinos
São meninos a se iluminar

16 – EWA

E foi das matas de meu Pai Oxóssi


Que eu vi sair os guerreiros do Sará
Okê Aro, meu Pai, Okê Aro, meu Rei
Estes caboclos trazem força para curar

Ê, ê, Ewa. Ê, ê, ê, ô.
Eu danço para a roda de cura
Aqui nas matas dança o Rei do amor

Meu Sete Flechas, minha Mãe Jurema


Currupipipiraguá e suas forças do ar
Que se congraçam hoje na floresta
E trazem a cura para a nossa festa

Ê, ê, Ewa. Ê, ê, ê, ô.
Eu tenho as folhas da sua cura
Que o meu Pai Oxóssi consagrou

17 - DIVERSÃO DO MESTRE

Se você quer saber


Qual é a diversão do Mestre
A diversão do Mestre
Vou contar pra você

É cantar e bailar
E se alegrar
Se alegrar
Para o Mestre te ver

Um pra lá, um pra cá


Um pra lá, um pra cá
E bater palma pra dor espantar
18 - FILHO DO SOL

Pensei que essa gira não ia acabar


Pedi para todos os meus guias me ajudar
Eu sei que sou filho da Força Maior
Do Mar, da Floresta, do Vento
Eu sou Filho do Sol

Nas ondas recebi os recados de Yemanjá


Soltar e ser leve para balançar
Aquele que na vida se cristalizar
Mais dia, menos dia na vida vai quebrar

Girei como as folhas que a mata ofertou


Ao vento neste gesto de entrega e de amor
O Tempo, pai de todo conhecimento
Nos diz: Se entrega para ser feliz

19 - TUPINAMBÁ É CABOCLO

Tupinambá é caboclo (3x)


Vem de uma estrela o caboclo (3x)

Águia Dourada é caboclo


Vem de uma estrela o caboclo

Espuma Branca é cabocla


Yemanjá é uma estrela

Estrela do mar vem brilhando


São as caboclas chegando
É Yemanjá reinando

20 - A LEI DO RETORNO
(Ricardo Pessoa)

Vou entrar no balanço


Eu não posso negar
É o Tempo que chega
Para nos mostrar

Para nos mostrar


O Grande Professor
Se eu escolho a luz
Ou se fico com a dor

Eu balanço, eu balanço
Para me equilibrar
Vou ficando quietinho
Eu não sou falador

Os ensinos do Mestre
Vêm na forma de Lei
É a Lei do Retorno
Tudo volta, eu sei

Ele nos dá a pedra


Esta Lei é certeira
Quem é puro e sem nódoa
Que atire a primeira

Como sou filho Dele


E a Ele quero chegar
Vou só testemunhando
O que Ele faz pra ensinar

A energia do Mestre
Vem mostrar a que veio
Com amor ou chicote
Vai nos levar para o meio

21 - AS ERVAS QUE DEUS PÔS NA TERRA


(Marcela)

São as ervas que Deus pôs na terra


E em cada folha, uma força do astral
Eu trabalho firmado na Santa Maria
Que é quem nos guia e limpa do mal

Quem de posse deste seguimento


Chama a força deste elemental
Se respeita o poder deste conhecimento
Consagra dentro de um ritual

Vejo bailar as princesas da mata


Flores vivas que brilham do astral
Mamãe Jurema é quem chega ensinando a seus filhos
A disciplina deste vegetal

22 - ESTA ALIANÇA
(Sueli)

Eu peço sempre para Deus me proteger


Com o Seu manto, Seu amor e Seu saber
Águia Dourada abre as portas lá do céu
Conduz a entrada da corte de São Miguel

Se alguma coisa está errada na sessão


Primeiramente Ele traz a preleção
Nos assegura os termos claros da Doutrina
E só então impõe a nós a Disciplina

Eu peço sempre para Deus nos proteger


Com Sua flecha, Sua espada e Seu poder
Oxóssi e Ogum vêm comandar esta aliança
São Sebastião pra equilibrar esta balança
Águia Dourada vem aqui nos revelar
Da parceria com o Rei Tupinambá
Que vem plantar em cada um, uma semente
Esta é a coroa que Ele trás sobre a corrente

23 - UM DEUS BRASILEIRO
(Fernando Aquino)

O Rei Oxóssi é o Rei quem comanda


Os raios que chegam para trabalhar
É o Rei de todos, o Mestre da Umbanda
E traz seus caboclos para ensinar

É o Rei que chega aqui neste terreiro


Vibrando as luzes de um deus brasileiro

Balança as folhas em volta de todos


Alunos queridos
Faróis de Aruanda

Balança as cores, as luzes, os raios


Com Mamãe Jurema
Viva os filhos da Umbanda

24 - ALMA PEREGRINA
(Elias)

Eu sou peregrina, eu sou peregrina


Desde o início dos tempos que venho buscando
De vida em vida, por todos os caminhos
O sopro divino é que vai me levando

Com o irmão da frente, com o irmão de trás


Que belos ensinos o Caminho traz
Da mão que recebo um afago sincero
Aprendo a ser um irmão verdadeiro

A Deus eu entrego o seu julgamento


A cada um por seu merecimento
Se julgo um irmão eu caminho sozinho
Se chegamos juntos, mereço o Caminho

25 - MEU RENASCER

Muitos seres já fui


O que já fui vou dizer
Tenho o vento pra me compreender
Iluminei a imensidão
Com meu rastro de luz
Em meu ser a luz do Sol fiz arder

Na consciência das coisas divinas


Minha alma levita e agradece
Com a água e o fogo e as ervas da mata
Misturei e criei esta prece

Sou poeira de estrela


Nebulosas e areia
Sou as ondas que espumam o mar
Sou brilho do firmamento
Sou eterno e um momento
O meu Pai é quem me faz cantar

Na consciência das coisas divinas


Invoquei a meu Pai ser morada
Das riquezas de Seu Universo e em verso
Ele deu-me a bebida sagrada

Um tapete de cores
Um jardim de mil flores
O meu Pai quem plantou e fez crescer
Tudo eu tenho em minha alma
Que Seu sopro anima
Eu celebro o meu renascer

26 - DISTRIBUO A MINHA LUZ


(Andréia)

Dentro desta caminhada


Deus do Céu é Quem me dá
O poder e a ciência
E a luz para atravessar

Distribuo a minha luz


Deus do Céu é Quem me dá
O poder de dividir
E a ciência de semear

Eu reparto o pão divino


Deus do Céu é Quem me dá
Só a fome do divino
Leva a alma a se elevar

27 - INSTRUÇÃO
(Miriam Maria)

Tomei Daime e segui


Numa longa viagem
Entre nuvens e seres
Do Reino do Amor
Tomei Daime e subi
E nem me despedi
E um ser dentro em mim
Nunca mais retornou

Quando eu lembro da Terra


E dos irmãos que deixei
Sempre rezo por eles
Para Deus eu pedi
Um pouco menos de guerra
Um pouco mais tolerância
Que nesta ignorância
Não podemos subir

Vivem se cutucando
E se desconfiando
E a energia vazando
É energia divina
Se é para ser criança
Que seja numa ciranda
Cantando e se alegrando
Como o Mestre nos manda

Tomei Daime nos tempos


Que estive entre vocês
E agora do alto
Envio esta instrução
Vamos ser mais amigos
Tirar o joio do trigo
E fermentar com amor
Este divino Pão

35 - O ZUMBIDO DA ABELHINHA
(Dalmo Ribas)

Eu olho a lua cheia


E me banho em seu brilho
Sou filho das estrelas
E da luz do sol nascente
Eu sou filho do vento
Que me leva de semente
Semeio a Boa Nova
Desta Estrela do Oriente
Relembro o desafio
De viver eternamente

Sou filho da floresta


Eu sou filho das águas
As mágoas nesta festa
Tenho o dom de dissolver
Sentimentos que não prestam
Estão longe do poder
O escuro do sentimento
Só o amor pode vencer
Esta ordem que estou dando
Quero ver obedecer

Eu sou filho do fogo


E de toda natureza
A beleza do meu Pai
É o silêncio que nos grita
No cantar do passarinho
E na fogueira que cripita
No zumbido da abelhinha
Com que o Padrinho cita
O amor que poliniza
Esta corrente bendita

Não vamos culpar o Outro


Pelo nosso sofrimento
O presente da existência
Mora em nosso coração
Nós não vamos dar o Salto
Por procuração
O segredo é a alegria
Pra poder entregar na mão
Do Divino Pai Eterno
Uma alma bem limpinha
Jóia rara e cristalina
Da coroa da Rainha

28 - FECHO O CORPO
(Tatiana)

O meu Mestre é Irineu


Do batalhão de São João
O general é o Rei do Sol
Que ilumina esta sessão

Abro a mente para o astral


Fecho o corpo aqui no chão
Só quem for clarividente
Compreende esta instrução

A luz de Águia Dourada


Abre as asas sobre nós

Solto a voz, eu solto a voz


Deixo o corpo balançar
A serpente vai subir
E a consciência vai baixar

O que me liga aos meus irmãos


É a entrega e a doação
Do infinito em que eu danço
Compreendo este balanço

A luz de Águia Dourada


Abre as asas sobre nós

29 - IMACULADA
(Gabriela)

Oh Divina Luz,
Oh Mãe Criadora
Foi por estas mãos
Que eu vim para esta vida
Sendo aqui no mundo
Sua sucessora
A minha mãe terrestre
Minha mãe querida

Quando eu lhe abraço


E lhe agradeço
É com a Divina Mãe
Que eu me reconecto
Para ser bom filho
Eu pago o Seu preço
Que é seguir na luz
Pelo caminho reto

Quem me deu carinho


E o alimento
Quem me deu consolo
E um bom seguimento
Estando ao meu lado
Em meio ao sofrimento
Mãe de Caridade
Luz do firmamento

Oh minha mãe querida


Do meu coração
Aqui nesta vida
Foste a protetora
A mãe encarnada

30 - MARIA PADILHA
(Plá)
corimba

É ao meu Rei Oxóssi


Das folhas das matas
Que meu povo vem saudar
E ao meu Rei Ogum
Seu antigo companheiro
Que venha pelos caminhos nos guardar

Vou girando a saia


E o corpo
Vim limpar os atrapalhos
Vou passar a tesoura nos enroscos
É no amor e com a verdade
Que eu trabalho

Nos tempos em que visitei


Os campos da escuridão
Aprendi a duras penas
O valor que tem a Luz
Agora essa cigana
Com a ilusão não mais se engana
Faço parte do Exército de Jesus

Joguei meus penduricalhos


Minhas cartas e meus encantos
Desvendei a sua sorte
Com as magias desta filha
Eu quebro as ziquiziras
Com a energia deste canto
E me apresento a esta roda
Meu nome é Maria Padilha

31 - ATÉ MORRER
(João dos Santos)

Foi muita dor, muita aflição e sofrimento


E então São João chegou trazendo o Seu alento
Clareou com sua fé a confusão dos pensamentos
E iluminou este salão com a grande luz do firmamento

Nesta canoa que das matas retirastes


Eu embarquei e foi para nunca mais voltar
Vou com a Rainha da Floresta e sua corte celestial
E meus irmãos aqui da terra e do astral

Meu São João, meu São João, meu São João


Eu quero hoje vos saudar e agradecer
Pelo conforto e direção, pela acolhida e proteção
Sou filho seu deste momento até morrer

32 – NO CAMINHO RETO

Neste dia de alegria


Junto com os meus irmãos
Louvo a Santa Maria
Mais respeito no salão

Vou passando as minhas provas


Recebendo a instrução
O que a Rainha me ensina
É suavizar com meus irmãos

O que é a disciplina
Vou dizer nesta sessão
É ser o dono do aparelho
E não o servo da ilusão

Quem é dono de si mesmo


Já entende a preleção
Segue no caminho reto
Com Ogum e São João

33 – O CHEIRO DA FLORESTA
(Sebastião Menezelo)

Quando bem cedo


Sinto o cheiro da Floresta
Percebo o Mestre
Que está a nos falar
Que Deus habita
Onde habita a Natureza
É na beleza
Que Ele sabe ensinar
Mundo de dores
Peias, tombos, sofrimentos
Falam que o Mestre
É que nos manda o Seu castigo
É para aqueles
Que não tem o entendimento
Trazem consigo
O seu próprio inimigo

Eu venho hoje
Dar este esclarecimento
Que neste mundo
O Mestre é a luz que nos clareia
A dor é o homem
Com seu escurecimento
São os seus erros
Que abrem a porta para a peia

Vou me ligar
Ao que o Mestre nos emana
Pedir perdão
A quem está longe de Sua luz
Nunca julgar
O que é da condição humana
Que ao final
São todos filhos de Jesu

34 – COMO OS REIS MAGOS

Pedi ao Mestre
Sua firmeza e paciência
Para estudar esta ciência
E seguir na construção
Procurando
Elevar meu pensamento
E dar o meu seguimento
Em Sua Santa Direção

Dando a notícia
Desta Estrela do Oriente
Que das noites do deserto
Veio para nos guiar
Daquela tendas
Vindas das noites do tempo
Sua chama ainda hoje
Continua a iluminar

Rendo tributos
Entrego a Ti os meus trabalhos
E Lhe trago oferendas
Para sempre lhe adorar
Como os Reis Magos
Cujos passos seguirei
Lhe ofereço a minha vida
Que sois o maior dos Reis

Incenso, mirra, ouro


São os meus tesouros
Representam os Mistérios
A entregar à manjedoura
Neste altar
Imolo a minha vaidade
E subjugo a vontade
Aos pés da Virgem Criadora

35 - O ZUMBIDO DA ABELHINHA
(Dalmo Ribas)

Eu olho a lua cheia


E me banho em seu brilho
Sou filho das estrelas
E da luz do sol nascente
Eu sou filho do vento
Que me leva de semente
Semeio a Boa Nova
Desta Estrela do Oriente
Relembro o desafio
De viver eternamente

Sou filho da floresta


Eu sou filho das águas
As mágoas nesta festa
Tenho o dom de dissolver
Sentimentos que não prestam
Estão longe do poder
O escuro do sentimento
Só o amor pode vencer
Esta ordem que estou dando
Quero ver obedecer

Eu sou filho do fogo


E de toda natureza
A beleza do meu Pai
É o silêncio que nos grita
No cantar do passarinho
E na fogueira que cripita
No zumbido da abelhinha
Com que o Padrinho cita
O amor que poliniza
Esta corrente bendita

Não vamos culpar o Outro


Pelo nosso sofrimento
O presente da existência
Mora em nosso coração
Nós não vamos dar o Salto
Por procuração
O segredo é a alegria
Pra poder entregar na mão
Do Divino Pai Eterno
Uma alma bem limpinha
Jóia rara e cristalina
Da coroa da Rainha

36 - A TAÇA DIVINA
(Sônia)

Eu vou rezar para você


Aos pés de Mamãe Yemanjá
Eu vou implorar para ela
Que venha lhe ajudar

Oh, Mamãe Consoladora


Que lave nas ondas do mar
Essas mágoas cristalizadoras
Que querem lhe derribar

Se lembre, minha filha querida


O mal tem mil portas pra entrar
Não deixe que a sombra invada
Essa Luz que Eu lhe dei pra zelar

Carregue na senda da vida


O Graal sem deixar derramar
Ensinei desde lá do começo
O tropeço ensina a levantar

A doçura é a taça divina


A dureza faz ela trincar
Quantas jóias na beira da estrada
A tristeza não deixa enxergar

37 - AS FOGUEIRAS DE SÃO JOÃO


(Rodrigo/Samuel)

Agora
Agora é o tempo da criança
Aqui
Aqui é sempre o seu lugar
Não cai
Nas armadilhas da matéria
Não teme
O que a vida tem para lhe dar

Ela é
Simplesmente um ser divino
A nossa conexão
Bebe
Da alegria da existência
O amor é a sua resistência
Às neblinas da ilusão

Lembro
Neste momento os pequeninos
Penso
Há quanto tempo abandonei
Hoje
Aonde está aquele menino
Que
Em minha alma era um rei

Trago
As brincadeiras de criança
As fogueiras de São João
Peço,
Eu peço sempre a Jesus Cristo
Que mantenha o fogo aceso
Brilhando em meu coração

38 - LUA BRANCA
(Aparecida)

Um rosto superior
Eu vi na Lua Branca
Despontar por trás do morro
Para vir abrir sua banca
Para vir abrir sua banca
Com o que o Mestre nos ensina
Contido no seu hinário
A iluminar essa Doutrina

A iluminar nossa Doutrina


Com os ensinos do amor
Eu vi no Sete Estrelas
Um rosto superior

39 - PENA DOURADA
(Carol Pires)

Olha a Cabocla da Pena Dourada


Ela chega da mata, Ela vem trabalhando
Assobia, batuca, chacoalha a Cabocla
A corrente da gente Ela chega limpando

Yansã, e Xangô, e os da Linha Dourada


Que limpam e giram a força da corrente
O sol está nascendo no mundo de novo
É o povo saudando a Linha do Oriente

Hare, Hare Om, Oxalá Babá


O atabaque na mata Ela vai chamar
Assobia, batuca, chacoalha a floreira
E exala os perfumes de Pai Oxalá

Salve Pena Dourada, oh, cabocla formosa


E seu sopro divino, seu perfume de rosa
Já sinto os raios e o redemoinho
De Oiá renovando os nossos caminhos
40 - DECIFRA-ME
(Albino)

Vou lhe contar uma história


De um encontro que eu tive nesta caminhada
Era com um ser divino
Que em sua língua propôs uma charada
Como eu era criança
Não tinha resposta, não compreendi nada
E essa lembrança em minha alma
Ficou pulsando por toda a jornada

Decifra-me ou te devoro -
Esse grande Mistério carreguei comigo
Sempre lembrando da porta
Naquela resposta procurei abrigo
Queria fazer a travessia
O enigma, no entanto era meu inimigo
O guardião ali parado dizia:
Responda ou eu mesmo te digo

Intermináveis tropeços
Erros, tentativas de uma solução
A vida seguiu passando
Eu me graduando nesta provação
Os dias que entraram e saíram
Pelas portinhas do meu coração
Até entender que amigos e inimigos
Eram dedos de uma mesma mão

Sigo hoje mais contente


E agradecido por aquele encontro
Desculpas pedi ao meu Mestre
Naquele momento eu não estava pronto
Hoje entendi que o Deus Tempo
Mais uma vez veio me falar
Desperta que o amor é o tesouro
O bem mais precioso que podes levar

O fato, no entanto que o encontro


Sempre culmina em uma despedida
Me traz mais inteiro ao presente
E aberto para dar ao Outro guarida
Quando o Hoje for lembrança
Sempre que o seja alegria vivida
Que as mágoas enterro no tempo
Irmãos eu lhes digo, não temo

41- NAS ASAS DAS BORBOLETAS


(Rafa)

Neste mundo de ilusão


Eu vim foi para estudar
Nos cantos da cachoeira
Da floresta e da beira mar
Nas matas aonde moro
O convite é pra viajar
Nas asas das borboletas
Nos vôos dos manacás

Flor das águas


Rainha prestimosa
Mamãe Oiá, Mamãe sinto
De novo os perfumes das rosas

com repetição nas duas últimas linhas e na estrofe.