Você está na página 1de 23

LUCIANO PIRES

MEU EVEREST
REALIZANDO UM SONHO NO TETO DO MUNDO

6a edição
REVISTA E
ATUALIZADA
10 ANOS DA VIAGEM
Sumário
Prefácio ....................................................................... 17
10 anos da viagem ...................................................... 19
Introdução .................................................................. 21
CAPÍTULO 1
A febre do Everest ...................................................... 23
CAPÍTULO 2
A preparação .............................................................. 31
CAPÍTULO 3
On the road ................................................................ 57
CAPÍTULO 4
Eu estava no Nepal! .................................................... 69
CAPÍTULO 5
Adrenalina no vôo para Lukla.................................... 81
Capítulo 6
Encontrando meu sonho em Pahkding ..................... 93
Capítulo 7
Me arrastando para chegar em Namche .................... 99
Capítulo 8
Namche Bazar ......................................................... 109
CAPÍTULO 9
Éca! ........................................................................... 117
CAPÍTULO 10
Tyangboche: deslumbre aos pés do Ama Dablan .... 125
CAPÍTULO 11
Desolação em Dingboche ........................................ 133
CAPÍTULO 12
Dzugla: esse lugar tem nome? ................................. 145
CAPÍTULO 13
Os mortos do Everest: Lobuche .............................. 149
CAPÍTULO 14
Afundando na neve em Gorak Shep ....................... 161
CAPÍTULO 15
O Campo Base do Everest ........................................ 167
CAPÍTULO 16
Sozinho no Kala Pattar ............................................. 183
CAPÍTULO 17
Cegueira da neve em Pheriche ................................ 193
CAPÍTULO 18
O abominável Homem das Neves ............................ 197
CAPÍTULO 19
Dor de dente em Tyangboche.................................. 201
CAPÍTULO 20
Rock’n Roll em Namche .......................................... 205
CAPÍTULO 21
Oito horas até Lukla ................................................ 211
CAPÍTULO 22
Voltando para casa ................................................... 221
CAPÍTULO 23
Sem rodas ................................................................. 237
CAPÍTULO 24
Fim ........................................................................... 241
EPÍLOGO
10 anos depois... ....................................................... 275
Dicas de leitura sobre o Everest .............................. 327
“queO que o Everest nos dá é um estado de consciência
é muito difícil de explicar a qualquer pessoa que
não tenha tido a mesma experiência.

(Alicia Calleros)
Para Denise, Daniel e Gabriela.
Pelo amor e incentivo que me levaram a conquistar o meu Everest.
Luciano, no Kala Pattar, com seu Everest ao fundo.
Prefácio

Por que o meu Everest? Porque existem vários Everests.


Pode ser aquele maciço de pedra, considerado o ponto mais alto
do planeta, com seus 8.850 metros.
Pode ser aquela montanha mística que embalou os sonhos de mi-
lhares de aventureiros, fazendo a fama de alguns e a desgraça de outros.
Pode ser aquele ícone que atrai milhares de turistas de todo o
mundo e impulsiona a indústria turística, principal fonte de recursos
do Nepal.
Pode ser aquele ponto geográfico que separa a China do Nepal
e que reina soberano sobre as rotas de fuga dos tibetanos que tentam
buscar um futuro melhor do “ lado de cá”.
Pode ser o monte nevado que encanta a todos nos pôsteres e nos
cartões postais
E pode ser o meu Everest.
O meu Everest não é apenas uma montanha.
É um sonho. Uma visão. Uma viagem.
Tem começo, meio e fim. É a história que conto neste livro.
O meu Everest é diferente de qualquer outro. Ele é  feito de
uma montanha, de um país distante, de expectativas, de medos, de de-
safios, de constatações, de deslumbramentos, de sensações muito pró-
prias, que vão variar a cada pessoa.
Cada um terá o seu Everest.
Tentei contar a história do meu, da forma mais despojada possí-
vel. Do mesmo jeito que qualquer pessoa comum faria.
Qual meu propósito? Um relato de viagem? Um guia para os inte-
ressados? Uma crônica? Acho que tudo isso, mas principalmente, o de-
sejo de dividir com outras pessoas comuns uma experiência incomum.
Com prazer, descobri que o exercício de preparar o site www.
meueverest.com.br e depois escrever este livro tem sido a forma de pro-
longar minha aventura muito além dos 15 ou 20 dias em que perma-
neci no Nepal.

prefácio 17
Rever uma, duas, três, dez vezes cada foto.
Recordar os fatos e os detalhes.
Pesquisar na literatura os nomes e as datas.
Experimentar as reações das pessoas que tomam contato com mi-
nha experiência no Himalaia tem me dado um prazer quase tão grande
quanto a viagem em si.
Um prazer que não se encerra neste livro.
Um prazer que vou carregar comigo pelo resto da vida.
Bem-vindo ao meu Everest.

Luciano Pires
luciano@lucianopires.com.br
www.lucianopires.com.br
www.meueverest.com.br

18 meu everest
10 anos da viagem

Bem, lá se vai uma década. Nem parece. Acho que ninguém ja-
mais tirou tanto proveito de uma viagem como eu.
Foram 10 anos com o Everest, especialmente com a palestra O
Meu Everest que nasceu quando lancei este livro. Nunca mais parei de
fazê-la e, a cada apresentação, volto para a viagem de meus sonhos. Sou
um privilegiado. As pessoas pagam para que eu conte a elas as minhas
aventuras, sem saber que eu sou quem mais se diverte.
Bem, a ideia de reeditar este livro comemorando os 10 anos da via-
gem ao Everest me proporcionou a oportunidade de rever o que escrevi e
reparar como o mundo mudou em uma década. Na revisão do livro, me
peguei rindo sozinho diante da perplexidade ao comentar sobre a internet,
que estava nascendo. O que era uma novidade absoluta em 2001, e que
transparece claramente em meu texto, hoje é uma banalidade absoluta.
Também rolei de rir quando vi minha ênfase em recomendar que
os aventureiros levem consigo um CD player, pode? Esse trambolho não
tem mais vez diante de um tocador de mp3.
E ao comentar sobre o equipamento fotográfico? Hoje com as
câmeras digitais ninguém mais tem desculpa para retornar de uma via-
gem sem um material de primeira qualidade.
Mesmo em relação aos equipamentos e preços de passagens ou
ao conforto na trilha, tudo mudou. Aliás, apenas cinco meses depois de
meu retorno, dois aviões e duas torres gêmeas mudaram para sempre a
história da humanidade.
De qualquer modo, decidi deixar no texto as impressões originais,
pois entendi que, assim, este livro cumpre uma outra missão: a de demons-
trar como em 10 anos a tecnologia pode mudar radicalmente nossas vidas.
Ela só não muda uma coisa: o amor pela montanha. Esse só tende a crescer.
Bem vindo ao Meu Everest, 10 anos depois.
E não esqueça: eu estou me divertido mais que você.

Santana de Parnaíba, Abril de 2011.

10 anos da viagem 19
20 meu everest
Introdução

Nasci em Bauru, São Paulo, em 1956. Tive uma infância normal,


de garoto de interior, numa cidade perfeitamente plana. Montanha eu só
vi em Poços de Caldas, ou descendo a Serra do Mar, a caminho de Santos.
Aos 18 anos mudei para a Capital para estudar Comunicação na
Universidade Mackenzie, onde me formei em 1977. Trabalhei como jor-
nalista, como diretor de criação de minha própria agência de propagan-
da e na agência de terceiros até entrar, em 1982, no setor de autopeças,
como executivo da Dana, uma grande empresa global de fabricação de
componentes e sistemas automotivos. Autopeças, para ser menos fresco.
Cresci, casei, tive filhos, virei diretor e um dia resolvi encarar um
sonho: chegar até o Campo
Base do Everest. Um progra-
ma muito em moda, com
aquela besteira do período
sabático, que alguém criou
para dar outro nome às férias
dos executivos estressados.
Não foi meu caso. Nada de
sabático. Talvez um bocado
de estressado, mas sem essa O Dani, a Gabi, eu e a Denise em 2001.
veadagem toda. Foi difícil deixar a família para trás.

Resolvi que ia e fui.


Este livro descreve porque resolvi ir, o que tive de fazer para achar
quem me levasse até lá, como tive de me preparar e como foi a viagem.
Não sou trekker militante, não sou montanhista, muito menos
praticante adepto de esportes radicais. Sou apenas um executivo de uma
multinacional que decidiu experimentar algo novo: um desafio físico e
mental completamente fora dos padrões a que estou acostumado.
Deu certo. E um pouco do que acho importante está aqui.
Talvez, em alguns momentos, eu pareça deslumbrado. Noutros,
incomodado com detalhes aparentemente sem importância. Talvez,

introdução 21
meio convencido. Acontece que sou humano. Igual a você. E todos os
livros que li sobre o Everest foram escritos por gente, digamos, inco-
mum. Aventureiros profissionais, alpinistas, super-homens que pare-
cem não sentir fome, frio, dor de barriga ou cansaço. Eu senti tudo isso.
E escolhi falar das pequenas coisas que me incomodaram, ou que me
deslumbraram, do ponto de vista de uma pessoa comum, igualzinha a
você. Aliás, esta história poderia ter acontecido com você.
O que aprendi? Que nada resiste a um passo de cada vez: peque-
no, devagar, mas constante e sistemático. E que existem outros planetas
dentro do planeta Terra. O Nepal é um deles...

22 meu everest
CAPÍTULO 1

A febre do Everest

Desde moleque, me interessei pelas aventuras dos exploradores


do século passado. E do retrasado. E do anterior. Eu me lembro de que
queria ser paleontólogo quando crescesse. Houve uma época em que eu
comprava tudo quanto era livro sobre o assunto. Devia ter meus doze,
treze anos. Levou algum tempo para descobrir que eu me interessava
mais pelo processo da descoberta dos fósseis do que pelos fósseis em si.
Ficava fascinado com os relatos das expedições ao deserto de Gobi, na
Mongólia. Com as pinturas rupestres nas grutas de Lascaux, na França
e, principalmente, com os exploradores que realizavam as proezas. Não
foi à toa que assisti aos três filmes de Indiana Jones várias vezes. Ele foi
inspirado num dos mais famosos caçadores de fósseis americanos: Roy
Chapman Andrews.
Desenterrando fósseis, como Chapman; buscando a nascente do
Nilo, como Richard Burton; encontrando a tumba de Tutankhamon,

a febre do everest 23
como Howard Carter; a caminho dos Polos Norte e Sul, como Roald
Amundsen; buscando a passagem norte entre os Oceanos Atlântico e
Pacífico, como John Franklin; sendo caçado e caçando leões comedores
de homens na África, como o Coronel H. Patterson; ficando meses pre-
so no gelo da Antártida, como Ernest Shackleton; chegando ao cume
do Everest, como Edmund Hillary e Tenzing Norgay. Não importa onde
nem como. Essas aventuras sempre me fascinaram. Viajei junto com
esses meus heróis pelo mundo todo através de livros, filmes e internet.
Especificamente, o Everest sempre exerceu um fascínio sobre mim.
Igual ao que exerce sobre todo mundo. A montanha mais alta do mundo.
Sempre morrendo gente por lá. Aquele país místico que é o Nepal. Tudo
muito longe, muito caro, muito difícil, muito perigoso, muito...
Por causa desse fascínio pelos exploradores, na minha primeira
viagem aos Estados Unidos em 1984, coloquei no programa de Nova
Iorque o Museu de História Natural e nunca mais deixei de, estando em
Nova Iorque, ir visitá-lo. Lá estão os exploradores que eu sempre admi-
rei, representados por suas histórias, pelos fósseis e artefatos exibidos.
Não consigo descrever, por exemplo, meu estado de excitação,
ansiedade e deslumbramento quando, no começo de 2000, estive lá, vi-
sitando a exposição Endurance, sobre a aventura de Ernest Shackleton
e seu grupo, presos e perdidos no gelo da Antártida por quase dois anos.
Ver in loco os objetos, apreciar as fotos todas... Até hoje me arre-
pio quando lembro do momento em que botei a mão no James Caird, o
bote que levou Shackleton até as Ilhas George e propiciou o salvamen-
to de seus homens...
Para falar a verdade, estou escrevendo no dia 23 de junho de 2001,
enquanto aguardo o embarque para meu voo de volta ao Brasil, no ae-
roporto JFK, em Nova Iorque, onde dei um jeito de ficar um dia após
uma viagem a trabalho só para ir até o Museu Americano de História
Natural.

Pois estava eu pelos Estados Unidos quando fiquei sabendo, em


1997, da exibição de um filme chamado Everest no formato Imax. Eu
nem me lembro se estava a trabalho ou em férias. Sem saber do que se
tratava, mas me interessando pelo tema, fui assistir.

24 meu everest
Saí do cinema completamente fascinado pelas imagens, pela mú-
sica, pelo show que é o documentário.
Os caras tinham conseguido levar para o alto do Everest uma pe-
sadíssima câmera e gravado as imagens mais espetaculares da maior
montanha do mundo. Filmado e projetado no sistema Imax, cuja tela
gigantesca coloca as pessoas “dentro” do filme,
o Everest tornou-se um dos mais impressio-
nantes documentários da história do cinema.
Na época, eu quase nada sabia da então recente
tragédia de 10 de maio de 1996, quando vários
alpinistas morreram durante uma tempestade
na montanha. Afinal, alpinista morrendo no
Everest deixou de ser novidade há muito, mui-
to tempo. O documentário falava do assunto,
mas não trazia a dramaticidade da história.
Em 1998 ou 1999, tive a oportunidade de
ler No Ar Rarefeito, do jornalista Jon Krakauer,
que foi um dos sobreviventes daquela tragédia.
O livro passa a agonia e o tormento daqueles
dias e impressiona pela sequência de histórias
de vida e morte que se sucederam em algumas .

horas na montanha mais alta do mundo.


Pouco tempo depois, me vi outra vez em Nova Iorque diante de
outro cinema que passava Everest. Fui ver de novo. Dessa vez, sabendo
de toda história, o filme tomou outra dimensão e eu me apaixonei de
vez pelo tema. Por causa de No Ar Rarefeito, e já contaminado pela fe-
bre do Everest, comprei A Escalada, de Anatoli Boukreev, o guia russo
que foi herói e bandido durante a tragédia. Ele dava sua interpretação
aos fatos.
Mais do que a tragédia em si, o que me fascinava na história era
tentar entender o que levava um sujeito a largar sua família, seu tra-
balho, seu conforto para morrer no alto de uma montanha depois de
comer o pão que o diabo amassou para chegar até lá. E também, a cons-
tatação de que o Everest liquidava até os mais treinados e experientes
alpinistas. Não importando o preparo, os equipamentos, a infra-estru-
tura e os cuidados, a montanha é soberana sobre o destino de quem se
aventura em suas alturas.

a febre do everest 25
Essa mistura de coragem e risco, a região remota... Isso me atraiu,
e comecei a ler tudo o que caía em minhas mãos sobre o assunto. Com
a internet, então, foi uma festa. Li High Exposure, livro que conta a
história de David Breashers, diretor do documentário Everest, respon-
sável por levar aquela câmera até o alto da montanha e que participou
ativamente do salvamento das vítimas daquela tempestade. Esse livro
foi recentemente editado em português.
Li Everest — Mountain with no Mercy, de Broughton Coburn,
espetacular livro que relata a experiência da equipe da Imax durante as
filmagens. É, talvez, o melhor livro que li até hoje sobre o Everest. De-
pois, veio Tudo pelo Everest, de Waldemar Niclewietz. Mais tarde veio
Lost on Everest, the Search for Mallory and Irvine, de Peter Firstbrook,
relatando a busca pelo corpo de George Mallory, legendário alpinista
inglês que desapareceu no Everest em 1924 e cujo corpo foi encontrado
em 1999, mais de 70 anos depois.
Aí, comprei Ghosts of Everest, de Jochen Hemmleb, Larry A.
Johnson e Eric R. Simonson, com o mesmo tema. Espetacular livro re-
latando como, a partir do trabalho teórico de um jovem alemão, uma
equipe descobriu o corpo de George Mallory no Everest. Vale muito
ler esse livro, que já tem edição em português. Em seguida, veio Na Es-
trada do Everest, de Airton Ortiz, que desmistificou as dificuldades do
trekking até o Campo Base. Pô, era desconfortável, perigoso, distante,
mas dava para ir!
Finalmente, veio The Arc contando a história do mapeamento
da Índia e do descobrimento e batismo do Everest. Nessas alturas, sem
trocadilho, eu estava muito por dentro do tema. E ficava naquela do
“um dia vou até lá”.
Pois um dia entrei na internet disposto a descobrir se existiam paco-
tes turísticos que levassem a gente até o Campo Base. Afinal, se havia em-
presas que levavam clientes ao topo do Everest, poderia descobrir alguma
que chegasse até o Campo Base. Achei um monte. Inclusive brasileiras.
Conversei com várias empresas que ofereciam pacotes diferen-
tes, chegando a entrar em contato diretamente com alguns sherpas no
Nepal. Escolhi duas empresas: Mountain Madness e Adventure Con-
sultants. Por coincidência, ou talvez não, empresas que pertenceram a
dois dos mais experientes alpinistas do mundo que morreram naquele
fatídico 10 de maio de 1996 no Everest: Scott Fischer e Rob Hall.

26 meu everest
Por que as duas? Porque eram as únicas que ofereciam a estadia
no Campo Base. A maioria, inclusive as brasileiras, oferecia visitas, dizia
que dava para enxergar... Mas eu queria dormir lá. Queria saber como
é que devia ser passar uma ou duas noites no Campo Base, numa barraca,
exatamente como fizeram os exploradores de minha infância.
Acabei optando pela Mountain Madness. Um pacote que me cus-
tou quase 3 mil dólares e que incluía tudo, menos a passagem aérea.
Vale a pena dar uma olhada no www.mountainmadness.com. Eu seria o
único estrangeiro na equipe. E acertei tudo com eles em abril de 2000,
para a viagem que aconteceria em abril de 2001.
Uma coisa que é legal mencionar: algumas pessoas experientes
me disseram que, para chegar ao Campo Base, não é preciso comprar
pacote nenhum com empresa alguma. Basta ir para Kathmandu e acer-
tar um guia por lá mesmo. Em vez dos 3 mil dólares, dá para fazer o
programa por 600.
É verdade. Vi isso por lá, de montão. E cruzei com um mundo de
gente fazendo assim. Pois é, mas acontece que sou casado. Tenho dois
filhos. Não sou um aventureiro acostumado a botar a vida em risco.
Tenho de pensar nos meus em primeiro lugar. Por isso, eu queria uma
empresa que me desse segurança, que tivesse experiência e tradição.
Seria meu primeiro trekking. Eu ia começar de cara com o mais
pesado, mais famoso, mais alto, mais mais...
Fiquei com a Mountain Madness.
Eu tremia enquanto lia meu primeiro email, já como cliente vir-
tual deles:

a febre do everest 27
11 de abril de 2000

Bom dia, Luciano,


Estou incluindo o itinerário para o Trek de Suporte ao Everest. Ainda não
definimos as datas para 2001, mas elas devem ser muito próximas das datas de
2000. Eu adoraria ajudá-lo a atingir seu objetivo de visitar o Campo Base do Eve-
rest. Será certamente a viagem da sua vida! Você voará para Kathmandu onde
será recebido por um representante de nosso escritório local. Eles vão transportá-
-lo para o Hotel Sherpa onde você ficará hospedado enquanto estiver em Kath-
mandu. Para reservar seu lugar na viagem você deve preencher a requisição e nos
mandar 500 dólares. A forma de pagamento está no formulário de inscrição, que
você pode baixar de nosso site. O único equipamento que você vai precisar é o de
uso pessoal como mochila, saco de dormir, etc. Quando você se inscrever para a
viagem vamos mandar-lhe um kit de viagem que explica tudo o que você precisa
fazer para se preparar para a sua aventura. Para se preparar fisicamente para a
caminhada você terá que treinar com uma mochila leve, reforçando suas pernas e
costas e aumentando sua capacidade aeróbica. Será uma caminhada cansativa,
com a altitude sendo um dos maiores desafios.
Se houver mais alguma coisa que eu puder fazer f
para ajudá-lo a “fazer acontecer”, me diga.

Patty Flan
Flanagan
Business Man
Manager
Madness Inc
Mountain Madness,
Alas St
4218 SW Alaska
9
Seattle, WA 98116

28 meu everest
Preenchi o termo de adesão. Sentei e fiquei olhando o papel, len-
do, relendo e trilendo. Também olhava para o aparelho de fax, bem
na minha frente. Era só ligar e passar os documentos. Apenas alguns
segundos me separavam da corrida para meu sonho. Foi uma sensa-
ção esquisita. Eu tinha medo e excitação. O estômago estava gelado e
o coração batendo forte. Pensei muito naquele instante, passaram por
minha cabeça os perigos todos e a possibilidade de eu não voltar para
casa inteiro...
Enquanto aquele papel corria pela bobina do fax, meu coração
saía pela boca. Acredite, eu suava frio.
— Pai nosso, que estais no céu...
Pronto. Foi. E daquele momento em diante, eu deixei de ser um
sonhador para ser um aventureiro realizando seus preparativos para ir
ao Everest.
Eu disse E-V-E-R-E-S-T! — Me aguentem!
Logo chegaria a primeira cobrança e, dali para frente, não tinha
mais volta. Aliás, tinha. Mas seria uma covardia.
A passagem aérea acertei com a Domenico Turismo, do meu ami-
go Sérgio.
Um pacote excelente, pela South African Airlines.
São Paulo/Johannesburgo/Bangkok/Kathmandu e volta. Total:
1.440 dólares.
Havia outras formas de ir, mais caras. E, possivelmente, até mais
baratas. Mas eu preferi seguir esse roteiro e aproveitar para conhecer
Bangkok.
Aí, era começar a tratar do corpo e dos equipamentos... Tinha
um ano para isso.

a febre do everest 29

Interesses relacionados