Você está na página 1de 63

2.4.

2 INTERPRETAÇÃO DA EQUAÇÃO DE EULER

É possível dar uma explicação intuitiva para a equação de Euler. Considere o seguinte
problema: se reduzirmos Ct por uma pequena quantidade de dCt, quanto maior deve ser
Ct + 1 para compensar totalmente isso enquanto deixa Vt inalterado? Supomos que o
consumo além do período t + 1 permaneça inalterado. Esse problema pode ser resolvido
considerando apenas dois períodos: t e t + 1. Assim, deixamos:

Vt = U(Ct) + βU(Ct+1).

Tomando o diferencial total de Vt, e lembrando que Vt permanece constante, implica que:

0 = dVt = dUt + βdUt+1 = U’(ct)dct + βU’(ct+1) dct+1,

Onde dct+1 é a pequena mudança em ct+1 causada pela redução de ct. Já que estamos
reduzindo ct, temos dct < 0. A perda de utilidade no período t é, portanto, U’(ct)dct. Para
que Vt seja constante, isso deve ser compensado pelo ganho descontado na utilidade
βU’(ct+1) dct+1. Portanto, precisamos aumentar ct+1 por:

Como a restrição de recursos deve ser satisfeita em todos os períodos, nos períodos t e
t+1, nós temos que:
Como kt é dado e além do período t + 1 estamos restringindo o estoque de capital a
permanecer inalterado, somente o estoque de capital no período t + 1 pode ser diferente
de antes. Assim, dkt = dkt+2 = 0 . As restrições de recursos para os períodos t e t + 1
podem, portanto, ser reescritas como:

Estas duas equações podem ser reduzidas a uma equação, eliminando dkt + 1 para dar
outra conexão entre dct e dct+1, ou seja,

Isso pode ser interpretado da seguinte maneira. A saída que não é mais consumida no
período t é investida e aumenta a produção no período t + 1 por –F’(Kt+1)dct. Tudo isso
pode ser consumido no período t +1. E como não desejamos aumentar o estoque de capital
além do período t +1, o aumento não-depreciado no estoque de capital, (1 - δ) dct, também
pode ser consumido no período t + 1. Isso dá o aumento total no consumo em período t
+1 indicado na equação (2.14). A utilidade reduzida deste consumo extra, medida no
período t, é:
Para manter Vt constante, isso deve ser igual à perda de utilidade no período t. portanto:

O cancelamento de dct de ambos os lados e a divisão por U (ct) fornece a equação de


Euler (2.12).

2.4.3 Fronteira de Possibilidade de Produção Intertemporal (IPPF)


(2.4.3 Intertemporal Production Possibility Frontier)

A fronteira de possibilidade de produção está associada a uma função de produção que


possui mais de um tipo de saída e uma ou mais entradas. Ele mede a combinação máxima
de cada tipo de produção que pode ser produzida usando uma quantidade fixa do (s) fator
(es). O resultado é uma função côncava no espaço de produção das quantidades
produzidas. A fronteira de possibilidade de produção intertemporal (IPPF) está associada
a produção em diferentes pontos do tempo e é derivada da restrição de recursos da
economia. Isto dá uma segunda relação entre ct e ct+1. É obtido combinando as restrições
de recursos para os períodos t e t + 1 para eliminar kt+1. O resultado é a restrição de
recursos intertemporais de dois períodos (ou IPPF):

Isso fornece uma relação côncava entre ct e ct + 1. A inclinação de uma tangente ao IPPF
é:

Como observado anteriormente, esta é também a inclinação da curva de indiferença no


ponto em que é tangente à restrição de recursos. Assim, o IPPF também toca a curva de
indiferença nesse ponto. E como:

a tangente ao IPPF nivela-se à medida que a ct diminui, implicando que o IPPF é uma
função côncava. Usamos esse resultado na discussão abaixo.
2.4.4 Representação Gráfica da Solução
(2.4.4 Graphical Representation of the Solution)

A solução para o problema de dois períodos é representada na figura 2.4. A linha curva
superior é a curva de indiferença que troca o consumo hoje para consumo amanhã,
deixando o Vt inalterado. A tangente é à restrição de recursos. A linha curva inferior
representa o trade-off entre o consumo de hoje e o consumo de amanhã do ponto de vista
da produção, ou seja, é o IPPF. Ele toca a curva de indiferença no ponto de tangência com
a restrição orçamentária. Esta solução surge como nas equações de equilíbrio (2.13) e
(2.14), e (2.16) devem ser satisfeitas simultaneamente para que:

O produto marginal líquido F’(Kt+1) −δ = rt+1 pode ser interpretado como a taxa real
implícita de retorno sobre o capital após permitir a depreciação. Um aumento no rt+1
devido, por exemplo, a um choque tecnológico que aumenta o produto marginal do capital
no período t +1 torna a restrição de recursos mais acentuada e resulta em um aumento em
Vt, ct e ct + 1.

2.4.5 Solução de Equilíbrio Estático


(2.4.5 Static Equilibrium Solution)

Agora retornamos à solução ótima completa e consideramos suas propriedades de


equilíbrio de longo prazo. O equilíbrio de longo prazo é uma solução estática, implicando
que, na ausência de choques no sistema macroeconômico, o consumo e o estoque de
capital serão constantes ao longo do tempo. Assim, ct = c∗, kt = k∗, Δct = 0 e Δkt = 0 para
todo t. Em equilíbrio estático, a equação de Euler pode ser escrita como:

Implica que:

A solução é, portanto, diferente daquela para a regra de ouro, onde F’(K) = δ. A figura
2.1 é substituída pela figura 2.5. Isso mostra que o nível ideal de capital é menor do que
a regra de ouro. A razão para isto é que o utilitário futuro é descontado na taxa θ > 0.
As implicações para o consumo podem ser vistas nas figuras 2.5 e 2.6. Na figura 2.5, a
solução é obtida onde a inclinação da tangente para a função de produção é δ + θ. Como
a tangente deve ser mais acentuada do que a regra de ouro, isso implica que o nível ótimo
de capital deve ser menor. A Figura 2.6 mostra que isso implica também um nível mais
baixo de consumo. Assim, c* < c# e k* < k #. Mostramos que descontar o futuro resulta
em menor consumo. Isso pode parecer uma boa razão para não descontar o futuro. Para
ver qual é o benefício do desconto, devemos analisar a dinâmica e a estabilidade dessa
solução.
1) Um exemplo

Suppose that utility is the power function:


Pode ser mostrado que σ = −cU’’/ U’ é o coeficiente de aversão ao risco relativo e que

é uma relação exata. Suponha também que a função de produção é Cobb-Douglas para
que

Então a equação de Euler (2.12) é:

Portanto o nível de capital no steady-state é:

E o steady-state do consumo é:
2.4.6 Dinâmica da Solução Ótima
(2.4.6 Dynamics of the Optimal Solution)

A análise dinâmica que precisamos usa um diagrama de fases. Isto é baseado na figura
2.7. Para construir o diagrama de fases, devemos primeiro considerar as duas equações
que descrevem a solução ótima em cada ponto no tempo. Estas são a equação de Euler e
a restrição de recursos. Por conveniência, eles são reproduzidos aqui:
Uma complicação é que ambas as equações são não-lineares. Consideramos, portanto,
uma solução local (ou seja, uma solução que se mantém na vizinhança do equilíbrio)
obtida através da linearização da equação de Euler, tomando uma expansão em série de
Taylor de U (ct+1) sobre ct. Isto dá:

Consequentemente:

e:

Assim, temos duas equações que determinam as mudanças no consumo e


capital: equações (2.17) e (2.18).
Estas equações confirmam a solução de equilíbrio estático quando ct = c∗ e
Kt = k∗, temos Δct+1 = 0, Δkt+1 = 0 e F’(k*) = δ + θ. Da equação (2.18) notamos que
quando k > k∗ temos F’(k) <F’(k∗) e, portanto, F’(k) + 1 − δ < F’(k) + 1 - δ. Segue-se que
se k = k∗ temos Δc = 0, ou seja, o consumo é constante, e se k > k∗ então Δc < 0, ou seja,
o consumo deve estar diminuindo. Por um argumento semelhante, se k < k∗ então Δc > 0
e o consumo estiver aumentando. Portanto, . Isso é representado na
figura 2.8:

O comportamento dinâmico do capital é determinado pela equação (2.17). Quando


. Isso é mostrado na figura 2.9. Acima da
curva, o consumo mais o investimento líquido de longo prazo excede a produção. O
capital. O estoque de capital deve, portanto, diminuir para acomodar o nível excessivo de
consumo. Abaixo da curva, há produção suficiente após o consumo para permitir que o
capital se acumule.
Combinando as figuras 2.8 e 2.9, aparece a figura 2.10, o diagrama de fases que
precisamos. Observe que isso se aplica no caso geral não linear e não é uma aproximação
local. A linha SS até B é conhecida como caminho da sela ou coletor estável. Apenas
pontos nesta linha são atingíveis. Isto não é tão restritivo como possa parecer, a
localização da sela é determinada pela economia, isto é, os parâmetros do modelo, e
poderia em princípio estar num número infinito de lugares dependendo dos valores
particulares dos parâmetros.
As setas denotam o comportamento dinâmico de ct e kt. Isso depende de qual das
quatro regiões possíveis a economia está. Para o nordeste, mas na linha SS, o consumo é
excessivo e o estoque de capital é tão grande que o produto marginal do capital é menor
que δ + θ. Isso não é sustentável e, portanto, tanto o consumo quanto o estoque de capital
devem diminuir. Isso é indicado pela seta na SS. O oposto é verdadeiro em SS na região
sudoeste. Aqui consumo e capital precisam aumentar. Como as outras duas regiões não
são atingíveis, elas podem ser ignoradas. A economia, portanto, alcança o equilíbrio no
ponto B, movendo-se ao longo da sela até esse ponto. Em B, não há necessidade de mais
mudanças no consumo e no capital, e a economia está em equilíbrio. Se a economia fosse
capaz de estar fora da linha SS - o que não é e não pode ser - a dinâmica garantiria que
ela não atingisse o equilíbrio. Quando há duas regiões de estabilidade e duas de
instabilidade como essa, a solução é chamada de equilíbrio de sela.

2.5 Dinâmica do Ciclo Real de Negócios


(2.5 Real-Business-Cycle Dynamics)

2.5.1 The Business Cycle (O ciclo de negócios)

Na prática, uma economia é continuamente perturbada pelo seu equilíbrio de


longo prazo por choques. Esses choques podem ser temporários ou permanentes,
antecipados ou imprevistos. Dependendo do tipo de choque, a posição de equilíbrio da
economia pode permanecer inalterada ou pode alterar-se; e o ajuste ideal de volta ao
equilíbrio pode ser instantâneo ou lento. O caminho seguido pela economia durante seu
ajuste de volta ao equilíbrio é comumente chamado de ciclo de negócios, mesmo que o
caminho não seja um ciclo verdadeiro. Embora a economia não esteja em equilíbrio de
longo prazo durante o ajuste, ela está se comportando de maneira ideal durante o ajuste
de volta ao equilíbrio de longo prazo. Com efeito, está atingindo uma seqüência de
equilíbrios temporários, cada um dos quais é ótimo naquele momento.
O objetivo tradicional da política de estabilização é acelerar o retorno ao
equilíbrio. Isso é mais relevante quando as imperfeições do mercado devido, por exemplo,
à concorrência monopolista e às inflexibilidades de preço causaram uma perda de produto
e, portanto, bem-estar econômico, do que em nosso modelo básico, onde não há mercados
explícitos nem imperfeições de mercado. Voltamos a estas questões nos capítulos 9 e 13.
A teoria dos ciclos reais de negócios enfoca o efeito sobre a economia de um tipo
particular de choque: um choque de tecnologia (produtividade). Já temos um modelo
capaz de analisar isso. A análise anterior assumiu que a economia é não-estocástica. De
acordo com essa hipótese, presumimos que o choque tecnológico é conhecido por toda a
economia no momento em que ocorre. Um choque tecnológico desloca a função de
produção para cima. Assim, para cada valor do estoque de capital k há um aumento no
produto y e, portanto, no produto marginal do capital F '(k). Consideramos os choques
tecnológicos permanentes e temporários.

2.5.2 Permanent Technology Shocks (Choques permanentes de tecnologia)

Um choque tecnológico positivo aumenta o produto marginal do capital. Isto é


representado na figura 2.11 como uma mudança de F’0 para F’1. Como δ + θ é
inalterado, o nível ótimo de equilíbrio do capital aumenta de k*0 para k*1.
A dinâmica exata deste aumento e o efeito no consumo é mostrado na figura 2.12.
Um choque tecnológico positivo altera a curva que relaciona o consumo ao estoque de
capital para cima. O equilíbrio original estava em A, o novo equilíbrio está em B, e o
caminho da sela agora passa por B. Como a economia deve estar sempre no caminho da
sela, como a economia vai de A para B? O estoque de capital é inicialmente k*0 e leva
um período antes que ele possa mudar. À medida que o aumento da produtividade
aumenta a produção no período t, e o estoque de capital é fixo, o consumo aumentará no
período t para que a economia passe de A para C, que está na nova sela. Haverá também
investimento extra no período t. No período t + 1, esse investimento terá causado um
aumento no estoque de capital, o que produzirá um aumento adicional na produção e no
consumo.
No período t + 1, portanto, a economia começa a se mover ao longo do caminho
da sela - em passos geometricamente declinantes - até alcançar o novo equilíbrio em B.
Assim, um choque tecnológico positivo e permanente aumenta tanto o consumo quanto o
capital, mas no primeiro período - a curto prazo - apenas o consumo aumenta.

2.5.3 Temporary Technology Shocks (Choques de Tecnologia Temporária)


Se o choque tecnológico positivo durar apenas um período, então não haverá
mudança nos níveis de equilíbrio de consumo e capital a longo prazo. O aumento da
produção no período t é, portanto, consumido e nenhum investimento líquido ocorre. No
período t + 1, o nível de equilíbrio original de consumo é restaurado. Se o choque for
negativo, o consumo diminuirá.
Isso também pode ser interpretado como aproximadamente o que acontece quando
há um choque de suprimento temporário. A dinâmica do ciclo de negócios pode ser
explicada de maneira semelhante, embora em uma recessão profunda geralmente haja
tempo para que o estoque de capital também mude. À medida que a economia sai da
recessão, o nível do estoque de capital é restaurado.

2.5.4 The Stability and Dynamics of the Golden Rule Revisited (Estabilidade
e Dinâmica da Regra de Ouro Revisitada)

Compreensão adicional da estabilidade e dinâmica da solução da regra de ouro


pode agora ser obtida. O equilíbrio da regra de ouro ocorre no ponto A da figura 2.10.
Deve ser lembrado que a regra de ouro não desconsidera o futuro e, portanto, define
implicitamente θ = 0. Como resultado, a linha vertical que divide as regiões leste e oeste
passa agora por A, que é um ponto de equilíbrio.
O modelo apropriado para a regra de ouro pode ser considerado como usando uma
versão modificada da equação de Euler (2.12) na qual as funções de utilidade marginal
são omitidas. A equação de Euler, portanto, torna-se F’(K) = δ, na qual não há dinâmica
alguma. Essa equação determina kt. A outra equação é a restrição de recursos, equação
(2.17), e isso determina ct. Assim, as únicas dinâmicas no modelo são aquelas associadas
à equação (2.17), e elas dizem respeito ao estoque de capital.
Em todos os pontos da linha curva da figura 2.10 - exceto o ponto {c#, k #} - temos
Δkt+1 < 0. No ponto {c#, k #} temos Δkt+1 = 0. Este ponto é, portanto, um equilíbrio, mas,
como vimos, não é um equilíbrio estável porque atingir o consumo máximo em cada
ponto do tempo requer a absorção de todos os choques positivos através de maior
consumo e de todos os choques negativos consumindo o estoque de capital, o que reduz
o consumo futuro. Assim, após um choque negativo, a economia é incapaz de recuperar
o equilíbrio se continuar a consumir conforme exigido pela regra de ouro.
A falta de estabilidade da solução da regra de ouro pode ser atribuída à
impaciência da economia. Ao negociar o consumo hoje contra o consumo no futuro, e
descontando o consumo futuro, a solução ótima é um equilíbrio estável.
Consideramos agora duas extensões para o modelo básico que envolvem trabalho
e investimento.

2.6 Labor in the Basic Model (Trabalho no Modelo Básico)

No modelo básico, o trabalho não é incluído explicitamente. Implicitamente, foi


assumido que os agregados familiares estão envolvidos na produção e gastam uma
determinada quantidade fixa de tempo a trabalhar. Em uma extensão do modelo básico,
permitimos que as pessoas escolham entre trabalho e lazer, e quanto tempo gastam em
cada uma delas. Supõe-se que apenas o lazer forneça utilidade diretamente; o trabalho
fornece utilidade indiretamente, gerando renda para consumo. Isso nos permite derivar
uma função de oferta de trabalho e uma taxa salarial implícita. Na prática, as pessoas
geralmente podem escolher se querem ou não trabalhar, mas têm liberdade limitada no
número de horas que podem escolher. Nós tomamos este ponto no capítulo 4.
Suponha que a quantidade total de tempo disponível para todas as atividades seja
normalizada para uma unidade - na verdade, foi assumido no modelo básico considerado
até o momento que a mão-de-obra é a unidade inteira. Agora, presumimos que as famílias
têm uma escolha entre trabalho e lazer lt, onde nt + lt = 1. Assim, com efeito, no modelo
básico, nt = 1. Agora permitimos que nt seja escolhido por famílias.
Assumimos que os domicílios recebem utilidade do consumo e do lazer e,
portanto, reescrevemos a função de utilidade instantânea como U (ct,lt), onde as derivadas
parciais Uc> 0, Ul> 0, Ucc menor e igual a 0 e Ull menor e igual a 0. Em outras palavras,
existe uma utilidade marginal positiva, mas decrescente, tanto para o consumo quanto
para o lazer. Por conveniência, assumimos que Ucl = 0, que exclui a substituição entre
consumo e lazer. Também assumimos que o trabalho é um segundo fator de produção, de
modo que a função de produção se torna F (kt, nt), com Fk> 0, Fkk menor e igual a 0,
Fn> 0, Fnn menor e igual a 0, Fkn maior e igual0, limk → ∞ Fk = ∞, limk → 0 Fk = 0,
liml → ∞ Fn = ∞ e liml → 0 Fn = 0, que são as condições de nada.
A economia maximiza a utilidade com desconto sujeita à restrição de recursos
nacionais:

e a restrição trabalhista nt + lt = 1. Com freqüência, será mais conveniente substituir lt


por 1 - nt, mas, por uma questão de clareza, aqui introduzimos a restrição trabalhista
explicitamente.
O Lagrangeano é:

Das condições de primeira ordem para consumo e capital, obtemos as mesmas


soluções que para o modelo básico. A equação de Euler de consumo para s = 1 é como
antes:
Eliminar λt + s e μt + s das condições de primeira ordem para consumo, lazer e
emprego dá, para s = 0,

Isso tem a seguinte interpretação. Considere desistir de dlt = −dnt <0 unidades de
lazer. A perda de utilidade é Ul,tdlt <0, que é o lado esquerdo da equação (2.30). Isso é
compensado por um aumento na utilidade devido à produção extra de Fn,t dnt = −Fn,t dlt.
Quando consumido, cada unidade de saída fornece um Uc,t extra em utilidade,
implicando um aumento total na utilidade de −Uc,tFn,t dlt> 0, que é o lado direito da
equação (2.30) quando dlt = −1 .
A solução de longo prazo é obtida seqüencialmente. No equilíbrio de estado
estacionário, a solução de longo prazo para o capital é obtida:

onde β = 1 / (1 + θ). A solução de longo prazo para consumo é então obtida da


restrição de recursos. Até agora, isso é o mesmo que para o modelo básico. Dados c e k,
resolvemos para lt e nt a partir da equação (2.30) e da restrição de mão-de-obra. As
soluções de curto prazo para ct e kt são as mesmas de antes. As dinâmicas de curto prazo
para lt são semelhantes às de ct.
Podemos agora obter expressões para a taxa de salário e a taxa total de retorno ao
capital, que estão implícitas no modelo, mas não foram definidas explicitamente. Se a
função de produção é uma função homogênea do grau um (implicando que a função de
produção tem retornos constantes de escala), então podemos mostrar que 1.

Lembrando que o nível geral de preços é a unidade, a equação (2.31) diz que o valor
total da produção é compartilhado entre trabalho e capital. O primeiro termo do lado
direito é a parte do trabalho e o segundo é a parte do capital. Se a mão-de-obra receber
seu produto marginal, então essa também é a taxa de salário implícita, ou seja, Fn, t =
wt, com cada unidade de trabalho tendo um custo (recebendo um retorno) igual à taxa
de salário. Da mesma forma, se o capital é pago com seu produto marginal (líquido),
então Fk, t - δ = rt é o retorno sobre o capital. Assim, Fn, t e Fk, t −δ são o salário
implícito e a taxa de retorno ao capital no modelo básico.
Consequentemente, podemos escrever a equação (2.31) como:

Segue-se que o salário real também pode ser expresso como:

No estado estacionário, quando rt = θ, estes se tornam:

Como observado anteriormente, o trabalho não foi incluído explicitamente no modelo


básico. Mas se assumirmos que nt = 1, então, com efeito, o trabalho foi incluído
implicitamente. O salário real implícito é então:

Em equilíbrio temos:

Resumindo, descobrimos que quando permitimos que as pessoas escolham quanto devem
trabalhar e determinamos explicitamente a taxa de salário e a taxa de retorno ao capital,
as soluções para consumo e capital são praticamente inalteradas em relação às do modelo
básico. Isto sugere que, quando apropriado e conveniente, podemos continuar a omitir o
trabalho explicitamente da análise, sabendo que está presente implicitamente. Além disso,
a taxa salarial e a taxa de retorno ao capital, embora não estejam incluídas explicitamente,
também são definidas implicitamente.

2.7 Investment

O investimento está incluído explicitamente no modelo básico, mas a ênfase está no


estoque de capital, não no investimento. Assumimos anteriormente que não há custos para
a instalação de novo capital. Consideramos agora o investimento e a acumulação de
capital quando há custos de instalação. Embora nos concentremos na teoria q do
investimento de Tobin (1969) (ver também Hayashi 1982), que tem o efeito de complicar
o comportamento dinâmico da economia, há outras maneiras de explicar os efeitos do
investimento no comportamento dinâmico. Uma alternativa examinada abaixo é supor
que leva tempo para instalar novos investimentos. Esta é a abordagem adotada por
Kydland e Prescott (1982) e eles chamaram de “tempo para construir”.

2.7.1 q-Theory

No modelo básico, o foco era obter os níveis ótimos de consumo e o estoque de capital.
Como a mudança no estoque de capital é igual ao investimento bruto líquido de
depreciação, isso também implica uma teoria do investimento líquido. Vimos que,
seguindo uma mudança permanente no nível de equilíbrio de longo prazo do capital, é
ótimo se o nível real de capital se ajustar ao seu novo equilíbrio ao longo do tempo ao
longo do caminho. O caminho de ajuste para o capital implica um nível ótimo de
investimento a cada período. Este nível ótimo de investimento será diferente a cada
período até que o novo nível de equilíbrio geral de longo prazo seja atingido. Neste ponto,
o investimento está apenas substituindo o capital depreciado. Embora o capital leve algum
tempo para se ajustar ao seu novo nível estacionário, o investimento no modelo básico se
ajusta instantaneamente ao nível ideal para cada período. Na prática, no entanto, devido
aos custos de instalação, é normalmente para ajustar o investimento mais lentamente.
Como resultado, o comportamento dinâmico do capital reflete ambos os processos de
ajuste.
Para ilustrar, suponha que o novo investimento impõe um custo adicional de recursos de
1/2φ (it / kt) para cada unidade de investimento, onde φ> 0. Em outras palavras, o custo
de uma unidade de investimento depende de quão grande ela é em relação ao tamanho do
estoque de capital existente. Escolhemos esta forma funcional particular devido à sua
conveniência matemática e à consequente facilidade de interpretar os resultados. A
restrição de recursos voltada para a economia agora se torna não-linear nela e kt e é dada
por
onde, por simplicidade, voltamos ao pressuposto de que o capital é o único fator de
produção e ignoramos o lazer. Como nosso principal interesse aqui é o investimento, não
combinamos a restrição de recursos com a equação de acumulação de capital, mas os
tratamos como duas restrições separadas.
O Lagrangiano para maximizar o valor presente da utilidade é, portanto,

As condições de primeira ordem são

A condição de primeira ordem para investimento implica que

onde a relação dos multiplicadores de Lagrange

chama-se q de Tobin Daqui resulta que o investimento terá lugar no período t + s


fornecido qt + s> 1.
q pode ser interpretado da seguinte forma. Uma unidade extra de capital eleva a produção
e, portanto, o consumo e a utilidade, e λ é o benefício marginal em termos da utilidade de
sacrificar uma unidade de consumo atual para ter uma unidade extra de investimento e,
portanto, o capital extra. Da mesma forma, μ é o benefício marginal em termos de
utilidade de uma unidade extra de investimento. Assim, q mede o benefício do
investimento por unidade de benefício do capital. Expressando utilidade em termos de
unidades de produção, q também pode ser interpretado como a razão entre o valor de
mercado de uma unidade de investimento e seu custo.
Combinando as três condições de primeira ordem, obtemos o seguinte não-linear
relação dinâmica quando s = 1:

Esta equação junto com as equações (2.32) - (2.34) e a equação do capitalacomulado


formam um sistema de quatro equações dinâmicas não-lineares que podemos resolver
para as variáveis de decisão ct, kt, it e qt.

2.7.1.1 Solução de Longo Prazo

No longo prazo de estado estacionário, temos Δct = Δkt = Δit = Δqt = 0. No longo prazo,
a equação de acumulação de capital e a equação (2.33) implicam que

Portanto, o valor de longo prazo de q é

O nível de longo prazo do estoque de capital é obtido a partir da solução de equação de


estado estacionário (2.35). A partir de β = 1 / (1 + θ), e usando a solução de longo prazo
para q, a equação (2.35) pode ser escrita como

Na ausência de custos de instalação, φ = 0 e, portanto, qt = 1 e Fk = θ + δ, que é o mesmo


resultado obtido no modelo básico de economia fechada. Da figura 2.5, para o Fk maior
igual a θ + δ, um nível mais baixo de capital é necessário, implicando que os custos de
instalação reduzem o nível ótimo de longo prazo do estoque de capital e, portanto,
também os níveis ótimos de longo prazo de consumo e investimento. Isso ocorre porque
os custos de instalação reduzem os recursos disponíveis para consumo e investimento.

2.7.1.2 Dinâmica de Curta Duração

A introdução de custos de instalação afeta o comportamento dinâmico de curto prazo da


economia, bem como sua solução de longo prazo. Para entender melhor os efeitos dos
custos de instalação no comportamento dinâmico, analisamos uma aproximação à
equação (2.35) obtida assumindo que o consumo está em seu nível estacionário e usando
uma aproximação linear para o termo quadrático em qt + 1 sobre q, seu nível de estado
estacionário dado pela equação (2.36). Como resultado, somos capazes de aproximar a
equação (2.35) pela equação voltada para o futuro.
Usando o nível de estado estacionário de Fk, t + 1 dado pela equação (2.37), esta equação
pode ser reescrita em termos de desvios do equilíbrio de longo prazo como

Resolvendo isso, a solução para qt é

Uma interpretação adicional de qt pode agora ser fornecida. É o valor presente da


produção extra produzida pela realização de mais uma unidade de investimento. Quanto
maior isso, mais investimento será realizado no período t. Como o preço de uma unidade
de investimento é um, qt-1 é o aumento do valor implícito da empresa.
Na prática, a medição do qt apresenta um problema. Embora qt possa ser interpretado
como a razão entre o valor de mercado de uma unidade de investimento e seu custo, é
frequentemente estimado pela razão entre o valor de mercado de uma empresa e seu valor
contábil. Isso implica usar o valor médio do investimento atual e passado em vez do valor
marginal do novo investimento.
Considere em seguida a interação dinâmica entre kt e qt. Duas equações capturam isso.
A primeira é a equação (2.38). O segundo é obtido usando (2.33) para eliminá-lo da
equação de acumulação de capital para dar

Portanto, temos duas equações não lineares:

Estes podem ser linearmente aproximados sobre os níveis estacionários de kt e qt como


Onde k é o nível de estado estacionário de kt. Assim, como Fkk <0, no estado
estacionário kt é negativamente relacionado ao qt através de

2.7.1.3 O efeito de um aumento de produtividade

O comportamento dinâmico de kt e qt pode ser ilustrado considerando o efeito de um


aumento permanente na produtividade de capital. Na figura 2.13 a linha Δq = 0 representa
a relação de longo prazo entre kt e qt dada pela equação (2.41). este foi derivado da
equação (2.39), definindo Δkt + 1 = Δqt + 1 = 0. A linha Δk = 0 dá o nível de equilíbrio
de longo prazo de kt e é obtido a partir da equação (2.40) definindo Δkt + 1 = 0. Antes do
aumento de produtividade, essas duas linhas se cruzam em A. Note que neste equilíbrio
inicial qt = 1. Seguindo a produtividade aumentar há um aumento "salto" em qt de modo
que qt> 1. Isso induz uma aumento do investimento acima de seu nível de reposição
normal δk. Inicialmente, o kt permanece inalterado e assim a economia se move para o
ponto B. Novo investimento aumenta o capital social a cada período até que a economia
atinja seu novo equilíbrio de longo prazo em C, movendo-se ao longo do caminho da sela
de B. Neste ponto qt é restaurado para seu nível de equilíbrio de longo prazo de um e o
estoque de capital de equilíbrio, a produção, e consumo são permanentemente maiores.
2.7.2 Hora de construir
Uma maneira alternativa de reformular o modelo básico que resulta em a dinâmica é supor
que leva tempo para instalar novos investimentos. Kydland e Prescott (1982) foi o
primeiro a incorporar essa ideia a partir do investimento neoclássico teoria em seu modelo
macroeconômico de DGE em ciclo real (ver também Altug 1989).
Levar em conta os efeitos de tempo para construir resulta em uma reespecificação do
capital equação de acumulação (2.2). Considere duas maneiras de fazer isso. Suponha,
primeiro, que as despesas de investimento registradas no tempo t são o resultado de
decisões investir ist feito anteriormente. Além disso, suponha que uma proporção ϕi de
de investimento registrado no período t é investimento começa feito no período t - i, então
podemos escrever

Se houver um atraso na instalação, os valores iniciais de ϕi podem ser zero; e se a


defasagem é finita, então i = 0 para entao i> J> 0. A equação de acumulação de capital
(2.2) permanece inalterada. Agora, realizamos a otimização da utilidade com desconto
em relação a ela e ist, bem como o consumo e o capital sujeitos à restrição extra, equação
(2.42). Esta é a abordagem de Kydland e Prescott.
Uma formulação alternativa possível é assumir que uma proporção ϕi de investimento
realizado no período t está instalada e pronta para uso como parte do estoque de capital
pelo período t + i. A equação (2.2) pode, portanto, ser reescrita como

Quando A forma da função de atraso distribuído refletirá os custos de


instalação. Uma modificação disso é incorporar a depreciação em ϕi e assumir que ela
reflete a proporção do investimento realizado no período t que contribui para o capital
produtivo no período t + i. A equação (2.43) pode então ser reescrita com δ = 0. Como
resultado, usando a identidade de renda nacional (2.1) e a função de produção, a restrição
de recursos da economia se torna

Nós podemos agora maximizar sujeito à equação (2.44).


2.8 Conclusões
Nesta conta altamente simplificada da macroeconomia, desenvolvemos um esqueleto
modelo que fornece a estrutura básica que será construída no restante do livro. O próprio
framework precisará de pouca mudança, mas mais detalhes serão requeridos.
As principais características da macroeconomia que representamos são a economia
objetivo (suas preferências), a restrição de recursos enfrentada pela economia (que é
derivada da função de produção, a equação de acumulação de capital e a identidade de
renda nacional) e a dotação da economia (seu estoque de capital inicial). Mostramos que
as questões centrais são intertemporais: consumir hoje ou no futuro, e maximizar o
consumo a cada período ou levar em consideração o consumo futuro. O consumo no
futuro é aumentado consumindo menos hoje e economizando o excedente de hoje e
investindo-o em capital adicional para produzir e, portanto, consumir mais no futuro.
Tentando maximizar o consumo de hoje sem considerar o consumo futuro, ou a
preservação da capacidade de produzir no futuro, é mostrado para desestabilizar a
economia, deixando-a vulnerável a choques de produção negativos.
Descobrimos que a dinâmica do modelo básico deriva de apenas duas fontes: a função de
utilidade intertemporal e a presença da mudança nos estoques na restrição de recursos.
Uma questão importante na macroeconomia é a medida em que o comportamento
dinâmico da macroeconomia pode ser atribuído a esses dois fatores, ou se a contabilização
de ciclos de negócios requer recursos adicionais.
Nós estendemos o modelo básico de duas maneiras. Uma delas permitiu flexibilidade às
pessoas na escolha entre trabalho e lazer. Fomos então capazes de derivar uma função de
oferta de trabalho e obter uma medida implícita da taxa de salário. Descobrimos que as
soluções para consumo e capital eram praticamente inalteradas em relação às do modelo
básico. Isso sugere que, quando apropriado e conveniente, podemos continuar omitindo
o trabalho explicitamente, reconhecendo que ele está presente implicitamente.
A segunda extensão foi para levar em conta o custo de instalação de capital. Como
resultado, conseguimos derivar a função de investimento. Na ausência de custos de
instalação de capital, o investimento ocorre instantaneamente, embora seja necessário
tempo para o capital se ajustar ao nível desejado. A introdução de custos de instalação
para novos investimentos tem o efeito de atrasar a conclusão de novos investimentos e de
retardar ainda mais o ajuste do estoque de capital. Tendo considerado a teoria do
investimento que se eleva a partir da presença de custos de instalação de capital e notou
a complexidade extra, ela remete à análise do comportamento de curto prazo da
economia; para simplificar, assumiremos daqui em diante que não há custos de instalação
de capital.
O modelo básico fornece uma análise centralizada da economia. No capítulo 4,
descentralizamos as decisões de famílias e empresas e introduzimos bens e mercados de
trabalho para coordenar suas decisões.
Para uma discussão mais aprofundada do modelo básico, ver Blanchard e Fischer (1989)
e Intriligator (1971).
CAP. 4

A economia descentralizada (The


Decentralized Economy)

Até agora, consideramos um modelo estilizado da economia em que um único


agente econômico toma todas as decisões: consumo, poupança, lazer, trabalho,
investimento e acumulação de capital. Uma interpretação alternativa que demos a
Este modelo foi que um planejador central estava fazendo todas essas decisões para cada
pessoa na economia e estava tomando a mesma decisão para todos, para que
havia, na verdade, um único agregado familiar (ou pessoa) ou, mais geralmente,
agente econômico. Nesta interpretação, não há necessidade de um mercado
estrutura como todas as decisões são automaticamente coordenadas.
Agora, generalizamos esse modelo introduzindo uma distinção entre as famílias
e firmas. Famílias tomarão decisões de consumo, elas terão
empresas (e, portanto, receberão receita de dividendos das empresas), elas fornecerão
trabalho para as empresas, e eles vão economizar na forma de ativos financeiros.
Empresas agem
como os agentes das famílias. Eles fazem produção, investimento e emprego
decisões, determinar o tamanho do estoque de capital, emprestar das famílias para
financiar o investimento, pagar salários aos agregados familiares e distribuir os
agregados familiares sob a forma de dividendos. Ao separar as decisões das famílias
e firmas, introduzimos várias variáveis econômicas adicionais. Em ordem
para coordenar as decisões separadas de famílias e empresas, também precisamos
introduzir mercado de produtos, trabalho e capital.
Como resultado de fazer essas mudanças, o modelo está se tornando mais reconhecível
como um sistema macroeconômico. O modelo também está se tornando
consideravelmente
mais complexo. Para simplificar a análise, atrasamos a consideração de questões
trabalhistas. Primeiro
nós consideramos as decisões domésticas sobre consumo e poupança, levando a
de trabalho como fixo. Em seguida, tornamos a decisão de trabalho / lazer endógena.
Em seguida, derivamos as decisões da empresa sobre investimento, acumulação de
capital, dívida
finanças e, depois disso, emprego. Então mostramos como os mercados se coordenam
as decisões separadas de famílias e empresas para trazer equilíbrio geral
na economia. No processo, exigimos mercados para bens, mão-de-obra, estoques,
e títulos. Achamos que o comportamento da economia descentralizada quando em geral
equilíbrio é notavelmente similar àquele do representante-agente básico
modelo discutido anteriormente.

4.2 Consumption
4.2.1 The Consumption Decision

Assume-se que o agregado familiar representativo procura maximizar o valor presente da


utilidade:

sujeito a sua restrição orçamentária:

onde, como antes, ct é consumo, U (ct) é utilidade instantânea (U’t> 0 e U’’t menor e
igual a 0), o fator de desconto é 0 < β = 1 / (1 + θ) < 1. e o estoque (líquido) de ativos
financeiros no início do período t; se at > 0 então as famílias são emprestadores líquidos,
e se at < 0 são devedores líquidos. rt é a taxa de juros sobre ativos financeiros durante o
período t e é paga no início do período, e xt é a renda familiar, que é assumida como
exógena para o presente. Neste ponto, não precisamos especificar o que é at e xt.
Posteriormente, na ausência do governo, mostramos que at é apenas dívida corporativa e
xt é a receita de dividendos da propriedade das empresas. Todas essas variáveis
continuam sendo especificadas em termos reais.
No início do período, o estoque de ativos financeiros (e capital firme, que não é uma
variável escolhida pelas famílias) é dado. Assim, as famílias devem escolher {ct, em + 1}
no período t, {ct + 1, em + 2} no período t + 1 e assim por diante. Isso equivale a escolher
o caminho completo de consumo, ou seja, o consumo atual e todo o consumo futuro, {ct,
ct + 1, ct + 2,. . . }. As principais mudanças em comparação com o modelo básico,
portanto, são a substituição do estoque de capital pelo estoque de ativos financeiros, a
introdução da taxa de juros explicitamente e a substituição da restrição de recursos
nacionais pela restrição orçamentária familiar.
A solução para este problema pode ser obtida, como antes, usando o método dos
multiplicadores de Lagrange. O Lagrangiano é definido como:

As condições de primeira ordem são:

juntamente com a restrição orçamentária.


Resolver as condições de primeira ordem para s = 1 para eliminar λt + s fornece a equação
de Euler:

A equação (4.4) é idêntica à equação de Euler derivada para o modelo básico se rt + 1 =


F’ (Kt + 1) - δ. É por isso que anteriormente interpretamos o produto marginal líquido do
capital, F’ (Kt + 1) - δ, como a taxa de juros real.

4.2.2 The Intertemporal Budget Constraint (A restrição orçamentária intertemporal)


O problema do agregado familiar pode ser expresso de outro modo. Isso usa a restrição
orçamentária intertemporal, que é derivada das restrições orçamentárias de um período
eliminando sucessivamente em at+1, at+2, at+3, . . . . As restrições orçamentárias nos
períodos t e t + 1 são:

Combinando estes para eliminar a t + 1 dá a restrição orçamentária intertemporal de dois


períodos:

Isso pode ser reescrito como:

Substituições adicionais de em at+2, at+3, . . .dar a riqueza da casa como:

Assim, a riqueza pode ser medida em termos de sua fonte como o valor presente da renda
atual e futura mais os ativos financeiros iniciais - equação (4.8) - ou em termos de seu uso
como valor presente do consumo atual e futuro mais o valor descontado de ativos
financeiros terminais - equação (4.7). Tomando o limite da riqueza como n → ∞ dá a
restrição orçamentária intertemporal infinita. A riqueza é finita desde que a condição de
transversalidade se mantenha.

Para auxiliar a compreensão do papel da condição de transversalidade aqui, considere a


implicação de ter recursos finitos no tempo t + n. Se consumido isso daria utilidade
descontada de βnat + nU’ (ct + n). Se o horizonte temporal fosse t + n, então, na ausência
de um motivo de legado, não seria ótimo possuir ativos no período t + n. Em vez disso,
todos eles devem ser consumidos. Assim, como n → ∞, temos a condição de otimalidade
extra que

Como U’(Ct + n) é positivo para ct + n finito, isso implica que limn → ∞ βnat + n = 0. E
como

no estado estacionário, obtemos a condição (4.9). Quando a taxa de juros é constante


(igual a r), a riqueza pode ser escrita como:

Uma forma alternativa de expressar o problema do agregado familiar seria maximizar a


Vt (equação (4.1)) sujeita à restrição da riqueza (equação (4.10)). Isso envolveria, então,
um único multiplicador de Lagrange.

4.2.3 Interpreting the Euler Equation

Uma interpretação semelhante à proposta no capítulo 2 pode ser dada à equação de Euler.
Mais uma vez reduzimos o problema para dois períodos, e então consideramos a redução
de ct por uma pequena quantidade de dct e perguntamos quanto maior ct + 1 deve ser para
compensar totalmente isso, ou seja, para deixar Vt inalterado. Assim nós deixamos:

Diferenciando Vt, e lembrando que Vt permanece constante, implica que:


Onde dct+1 é a pequena mudança em ct+1 causada pela redução de ct. Já que estamos
reduzindo ct, temos dct < 0. A perda de utilidade no período t é, portanto, U’(ct)dct. Para
que Vt seja constante, isso deve ser compensado pelo ganho descontado na utilidade
βU’(ct+1) dct+1. Portanto, precisamos aumentar ct+1 por:

Tudo isso é o mesmo que para o modelo centralizado. Agora usamos a restrição
orçamentária intertemporal de dois períodos, equação (4.5). Assumindo que a taxa de
juros, a renda e as posições dos ativos em at e at+ 2 não sejam alteradas, a restrição
orçamentária intertemporal implica que
Assim, a redução da utilidade no período t devido à redução do consumo e aumento da
poupança, é compensada pelo aumento descontínuo da utilidade no período t + 1 criado
pela receita de juros gerada pela poupança adicional, βU’(( ct + 1) [1 + rt + 1] dct + 1.
Somente por conveniência, consideramos o caso em que a taxa de juros é uma constante
igual a r na representação da solução na figura 4.1. O valor máximo de ct ocorre quando
ct + 1 = 0 e consumimos toda a receita do próximo período tomando emprestado hoje e
reembolsando o empréstimo com a receita do próximo período. O valor máximo de ct +
1 ocorre quando ct = 0 e nós salvamos toda a receita do período atual. Assim, a partir das
equações (4.5) e (4.6),

Estes determinam os pontos nos quais a restrição orçamentária toca os dois eixos. A
inclinação da restrição orçamentária é - (1 + r). A solução ideal ocorre quando a restrição
orçamentária é tangente à curva de indiferença mais alta possível.
Um aumento na receita no período t ou t +1 desloca a restrição orçamentária para a direita
e resulta em valores mais altos de ct, ct + 1 e Vt.
Um aumento na taxa de juros (de r0 para r1) torna a restrição orçamentária mais alta,
como mostra a figura 4.2. Também afeta os valores máximos de ct e ct + 1. Se at = 0,
então há uma diminuição no valor máximo de ct (de c ∗ t, 0para c ∗ t, 1) porque o montante
que pode ser emprestado em renda futura cai; e há um aumento no valor máximo de ct +
1, porque os juros ganhos pela economia aumentam. O resultado é uma substituição
intertemporal do consumo em que ct cai e ct + 1 aumenta. O efeito sobre Vt é ambíguo:
o ponto de tangência da restrição orçamentária pode estar na mesma curva de indiferença,
um para a esquerda (implicando uma perda de utilidade com desconto), ou um para a
direita (implicando um ganho na utilidade com desconto).
Quando em <0, obtemos o mesmo resultado, exceto que Vt é inequivocamente reduzido.
Quando at> 0, max ct + 1 ainda aumenta, e se xt + 1 / (1 + r) <(1 + r)at,
então o max ct agora aumenta. Isso resultaria em ct, ct + 1 e Vt mais altos; este caso é
representado na figura 4.2. Na prática, como a maior parte da riqueza das famílias é sob
a forma de direitos de pensão, e isto é suficientemente longe no futuro para ser fortemente
descontado, as famílias provavelmente se comportam no curto prazo como se fossem
devedoras líquidas (ou seja, com at <0 ). Concluímos, portanto, que na prática um
aumento em r provavelmente fará com que ct caia e ct + 1 suba.

4.2.4 The Consumption Function (A Função de Consumo)

Quais fatores afetam o comportamento do consumo? Já mostramos que o consumo no


período t aumenta se a renda ou os ativos líquidos aumentarem, e é provável que diminua
se a taxa de juros aumentar. Examinamos agora o comportamento do consumo em mais
detalhes. Consideramos a função de consumo tradicional - o comportamento do consumo
no período t - juntamente com o comportamento futuro do consumo ao longo do caminho
ótimo da economia.
Primeiro, examinamos o comportamento do consumo no caminho ótimo. Exatamente o
que isso significa ficará claro. Primeiro tomamos uma aproximação linear às equações de
Euler, (2.12) e (2.12). Usando uma expansão da série de Taylor de primeira ordem de
U’(ct + 1) sobre ct obtemos
onde σ = −cU’’ / U’ é o coeficiente de aversão ao risco relativo (CRRA). Em geral, o
CRRA variará no tempo, mas, novamente por conveniência, consideramos o caso onde
ele é constante. Resolvendo (2.12) e (4.14) obtemos a taxa futura de crescimento do
consumo ao longo do caminho ótimo

Assim, se rt + 1 = θ, o consumo ótimo no futuro permanecerá no valor do período t. Neste


caso, as famílias estão dispostas a poupar até que a taxa de retorno da poupança seja igual
à taxa de desconto de tempo θ. Esta é a solução de equilíbrio geral de longo prazo. Para
taxas de juros abaixo de θ, as famílias preferem consumir do que economizar. No curto
prazo, a taxa de juros normalmente será diferente de θ. Se rt + 1> θ, o consumo estará
crescendo ao longo do caminho ótimo, mas isso não será sustentado devido à taxa de
retorno à queda da economia. Isso é resultado da diminuição do produto marginal do
capital.
O consumo no período t - a função de consumo - é obtido pela combinação da equação
(4.15) com a restrição orçamentária intertemporal (4.7). Novamente, por conveniência,
assumimos que a taxa de juros é a constante r. A generalização para uma taxa de juros
variável no tempo é direta. Também assumimos que r = θ, seu valor de estado
estacionário, quando o consumo ótimo no futuro permanece em seu valor t de período.
Isso nos permite substituir ct + s (s> 0) na equação (4.10) por ct para obter

A equação (4.16) implica que o consumo no período t é proporcional à riqueza. Esta


solução para o ct está voltada para o futuro. Implica que uma mudança antecipada no
rendimento no futuro terá um efeito imediato no consumo atual. No equilíbrio geral, a
renda é determinada pelo capital, portanto, essa solução é semelhante à do modelo básico.
Essa solução tem sido chamada de “hipótese do ciclo de vida” por razões que serão
explicadas mais adiante (ver Modigliani e Brumberg, 1954; Modigliani, 1970). Também
foi chamada de “hipótese de renda permanente”, pois o termo de valor presente na renda
pode ser interpretado como a quantidade de riqueza que pode ser usada a cada período
sem alterar a riqueza (ver Friedman 1957). Implica também que os aumentos temporários
da riqueza devem ser poupados e as quedas temporárias devem ser compensadas por
empréstimos.
No caso especial em que xt + s = xt (s maior e igual a0), a função de consumo, equação
(4.16), torna-se

Assim, ct é igual ao total da renda atual, ou seja, a receita de poupança, rato, mais renda
de outras fontes, xt. A equação (4.17) pode ser interpretada como a função familiar de
consumo keynesiano. Notamos que isso implica que as propensões marginais e médias a
consumir são unidade.
Agora temos uma descrição completa do consumo. O caminho ideal determina como o
consumo se comportará no futuro em relação ao consumo atual. A função de consumo
determina o consumo atual e, portanto, onde o caminho ideal está localizado. A mesma
informação está contida nas funções de consumo para os períodos t, t + 1, t + 2, . . . ..
Portanto, juntos, eles são uma representação equivalente ao consumo atual e ao caminho
ótimo.

4.2.5 Permanent and Temporary Shocks

Em nossa discussão sobre os efeitos sobre o consumo de mudanças na renda e nas taxas
de juros, não fizemos nenhuma distinção entre as mudanças serem permanentes ou
temporárias. É vital fazer essa distinção, pois os resultados são bem diferentes. As
implicações políticas disso são de grande importância. Primeiramente, consideramos
choques para recebermos.

4.2.5.1 Income (Renda)

Se, por conveniência, assumimos que a taxa real de juros é constante, então, em geral, o
consumo é determinado pela equação (4.16). Uma mudança permanente na renda no
período t afetará xt, xt + 1, xt + 2,. . . . Se, novamente por conveniência, assumimos que
xt + s = xt (s maior e igual a 0), então podemos analisar o efeito de uma mudança em x.
Neste caso, a função de consumo simplifica para se tornar a equação (4.17). Segue-se que
tanto as propensões marginais quanto as médias a consumir após uma mudança
permanente na renda são unidade, ou seja, nada do aumento da renda é economizado.
Uma mudança permanente na renda é o estado predominante para uma economia que está
crescendo no tempo.
Uma mudança temporária na renda é analisada usando a equação (4.16). Nós
reescrevemos a equação como

Segue-se que uma mudança em xt (mas não em xt + 1, xt + 2, ...) tem uma propensão
marginal a consumir apenas de r / (1 + r). Assim, a maior parte do aumento em xt é salvo
em vez de consumido. Também notamos que um aumento esperado em xt + 1 também
fará com que o ct aumente, mas a propensão marginal a consumir de xt + 1 é r / (1 + r)2,
que é menor devido ao desconto de receita no período t + 1 por 1 / (1 + r). O efeito sobre
o consumo de um choque permanente na renda é a soma descontada dos efeitos de renda
futuros atuais e esperados.
Assim, a propensão marginal da unidade keynesiana assume implicitamente que a
mudança na renda é permanente, não temporária. A importância desta distinção para a
política é clara. Uma mudança de política (como um corte temporário no imposto de
renda) que é projetado para afetar a renda apenas temporariamente terá pouco efeito sobre
o consumo.

4.2.5.2 Interest Rates (taxa de juros)

Primeiro, lembramos que a taxa de juros rt é a taxa de juros real. Uma mudança
permanente nas taxas de juros reais implica que rt, rt + 1, rt + 2,. . . todos aumentam. Isso
pode ser analisado usando a equação (4.17) e tratado como um aumento em r. O efeito
sobre o consumo depende se o agregado familiar tem activos líquidos ou dívidas líquidas
(ou seja, se a> 0 ou a <0). Se a> 0, então a receita de juros - e, portanto, a receita total - é
aumentada permanentemente. A propensão marginal a consumir deste aumento é a
unidade, uma vez que nenhuma das receitas de juros adicionais é poupada. Mas se a <0,
os pagamentos do serviço da dívida aumentam permanentemente e a renda total diminui.
O consumo, portanto, cairá.
Um aumento temporário nas taxas de juros será tratado pelas famílias como se fosse uma
mudança temporária na renda. Por exemplo, a equação (2.1) mostra que um aumento na
rt afeta apenas os ganhos de juros atuais (ou pagamentos de serviços da dívida). Assim, a
maior parte da receita adicional de juros é economizada, não consumida. Em contraste,
um aumento esperado em rt + 1 exige que usemos a equação (4.15). Ela afeta o consumo,
causando uma substituição do consumo ao longo do tempo (ou seja, uma substituição
intertemporal). Isso foi analisado anteriormente. Lembramos que a resposta do consumo
depende se é positiva ou negativa. Se for negativo e, portanto, o domicílio for um devedor
líquido, haverá uma redução inequívoca em ct e um aumento em ct + 1. Assim, mais uma
vez, há uma diferença importante entre uma mudança permanente e uma temporária.
Na prática, as taxas de juros reais tendem a flutuar sobre uma média aproximadamente
constante. Isso implica que um aumento permanente nas taxas de juros reais é improvável.
Na melhor das hipóteses, pode ser uma maneira conveniente de analisar uma mudança
nas taxas de juros que, acredita-se, perdurará por muitos períodos. O aumento sustentado
dos retornos do mercado de ações nos anos 90 é um exemplo possível. Isso continuou por
tanto tempo que as famílias podem ter tratado isso como mais ou menos permanente. Isso
pode explicar por que a taxa de poupança caiu durante esse período e por que o consumo
não diminuiu quando o mercado acionário caiu. Talvez os consumidores considerassem
que a queda no mercado de ações seria temporária e tentaram manter seu nível de
consumo. Além de casos relativamente raros como este, normalmente será mais útil,
especialmente para a análise de políticas, tratar a análise de uma mudança nas taxas de
juros reais como temporária e supor que o efeito de um aumento nas taxas de juros reais
será para reduzir o consumo atual.

4.2.5.3 Anticipated and Unanticipated Shocks to Income (hoques Antecipados e Não


Previstos no Resultado)

Como o consumo depende da riqueza, e a riqueza é prospectiva, mudanças futuras


imprevistas na renda e nas taxas de juros não terão efeito sobre o consumo atual. Mas
mudanças antecipadas no tempo t afetarão o consumo atual. A distinção entre mudanças
futuras antecipadas e imprevistas na renda ajuda a explicar uma confusão que prevaleceu
por algum tempo na literatura.
Foi alegado que (4.15) era uma função de consumo rival da equação (4.16). Como a
equação (4.15) parecia sugerir que o consumo não seria afetado pela renda, era visto como
uma teoria inferior. Por exemplo, se rt + 1 = r = θ, então a equação (4.15) implica que

que não envolve renda explicitamente; ct + 1 é determinado apenas pelo conhecimento


de ct.
Para entender por que essa interpretação está incorreta, considere o efeito sobre o
consumo de um aumento permanente, mas imprevisto, da renda no período t + 1. Assim,
há um aumento em xt + 1, xt + 2,. . . . Tomando a primeira diferença de equação (4.17) e
observando que o estoque de ativos é inalterado, a função de consumo para o período t +
1 pode ser escrita
Se a renda permanecer inalterada (xt + 1 = xt), o consumo também seria inalterado e
satisfaria a equação (4.18). Mas se xt + 1> xt, então ct + 1> ct. Assim, o consumo no
período t +1 respondeu ao aumento imprevisto da renda no período t + 1. Da equação
(4.16), se o aumento em xt + 1 tivesse sido antecipado no período t, então o ct também
teria mudado. Como resultado, o conhecimento de ct seria suficiente para determinar ct
+ 1 como na equação (4.18), e não haveria informação adicional possuída pela renda.
Isso ilustra as limitações de se trabalhar com a suposição de uma previsão perfeita quando,
estritamente, devemos permitir a incerteza sobre o futuro. Assim, devemos escrever a
equação (4.18) como

onde Et é a expectativa condicionada à informação disponível até e incluindo o período


t. Se as expectativas são racionais, então o erro de expectativa

é imprevisível a partir de informações datadas no tempo t, ou seja, Etet + 1 = 0. Isso


implicaria que o consumo é um processo de martingale. (No caso especial em que vart
(Δct + 1) é constante, o processo de martingale recebe o nome mais familiar de um passeio
aleatório.) A equação (4.19) foi derivada primeiro por Hall (1978).
Nós mostramos, portanto, que a equação (4.18) não é uma teoria alternativa do consumo,
mas é uma descrição do comportamento futuro antecipado do consumo em relação ao
consumo de hoje. O consumo atual é dado pela função de consumo, equação (4.16) ou,
quando se espera que a renda seja constante, pela equação (4.17). Uma descrição
completa do consumo requer a equação (4.16) e a equação (4.18). A equação (4.18) não
é, portanto, uma função de consumo rival para a equação (4.17).
A figura 4.3 ilustra o argumento. Nós plotamos o comportamento do consumo (log) em
relação ao tempo. Tem duas características: sua inclinação e sua localização. Considere
o segmento inferior. O movimento de consumo ao longo deste segmento é determinado a
partir da equação de Euler; está em uma taxa constante. A localização do segmento (isto
é, seu nível) é determinada pela função de consumo. Suponha que, depois de algum
tempo, haja um choque positivo permanente no consumo, talvez devido a um aumento na
renda. Isso fará com que o consumo pule para o segmento superior. O consumo então
seguirá esse segmento, continuando a crescer na mesma proporção de antes, porque a
equação de Euler não é afetada pelo salto. Em contraste, um choque positivo temporário
no consumo faria com que o consumo subisse um pouco acima do segmento inferior antes
de retornar a ele e então continuando ao longo da antiga taxa de crescimento, como
mostrado pela linha pontilhada. E se o aumento permanente da receita tivesse sido
antecipado, o consumo teria começado a aumentar naquele momento. A trajetória do
consumo ficaria então acima do segmento inferior da figura 4.3 a partir da data em que a
mudança de rendimento era antecipada e se uniria ao segmento superior suavemente
quando o aumento da renda ocorresse.

4.3 Savings (poupança)

Estamos considerando o consumo - agora consideramos brevemente a economia.


Assumimos que a taxa de juros é a constante r. As economias são então

Isto tem uma interpretação muito interessante. Isso mostra que a poupança é realizada a
fim de compensar (esperado) futuras quedas no rendimento. Estes podem ser temporários
- por exemplo, devido a períodos de desemprego - ou permanentes - por exemplo, devido
à aposentadoria. Assim, abstraindo de uma economia que está crescendo, a poupança
permite que o consumo seja mantido constante ao longo da vida.

4.4 Life-Cycle Theory (Teoria do Ciclo de Vida)


Nós assumimos até agora que as famílias são idênticas e vivem para sempre. De fato,
devido à finitude das vidas, a idade das famílias é uma das principais causas de diferenças
em seu comportamento. Um agregado familiar jovem, possivelmente com dependentes e
muitos anos de trabalho antes da reforma, terá diferentes padrões de consumo e poupança
em agregados familiares antigos, possivelmente já em reforma. Obviamente, um lar típico
com filhos pequenos terá gastos elevados em relação à renda e, portanto, terá uma baixa
taxa de poupança. Um agregado familiar de meia-idade costuma economizar mais para
gerar uma renda na aposentadoria. Uma casa velha na aposentadoria provavelmente
depende de economias passadas, como uma pensão (contribuída), e de dissolver.
Claramente, a teoria acima não captura todos esses recursos. Ele pode ser facilmente
modificado, no entanto, para refletir o ponto principal de que o consumo e a economia
dependem da idade. Além disso, se a distribuição etária de toda a população for
relativamente estável, então, a uma primeira aproximação, poderemos ignorar a idade ao
analisar o consumo agregado e a economia.

4.4.1 Implications of Life-Cycle Theory (Implicações da Teoria do Ciclo de Vida)

Antes de modificar a teoria, notamos como ela pode ser interpretada para refletir algumas
dessas considerações. O principal resultado é que o consumo é, em geral, uma função da
riqueza (equação (4.16)). Como a riqueza é a soma descontada da renda futura esperada
sobre a vida de uma pessoa, mais os ativos financeiros atuais, pode-se esperar que ela seja
estável ao longo do tempo. Isso implica que o consumo em cada período também seria
estável e seria independente da idade de uma pessoa. Assim, flutuações na renda devido
ao desemprego ou aposentadoria, quando a renda do emprego é zero, não devem, em
teoria, afetar o consumo atual. É por isso que a teoria acima é chamada de teoria do ciclo
de vida; em princípio, leva automaticamente em conta a posição de cada domicílio em
seu ciclo de vida.
A teoria do ciclo de vida faz várias suposições fortes. Em particular, pressupõe que o
futuro pode ser antecipado razoavelmente com precisão. Alternativamente, poderíamos
fazer a forte suposição de que as famílias mantêm ativos cujos pagamentos variam entre
bons e maus momentos, de forma a compensar mudanças inesperadas na renda e, como
resultado, deixar a riqueza inalterada.
Outro pressuposto crítico é que as famílias são capazes de contrair empréstimos para
manter o consumo, mesmo quando os rendimentos correntes e os ativos financeiros são
insuficientes para pagar pelo consumo atual. Na prática, uma proporção possivelmente
substancial de famílias enfrenta uma restrição de endividamento que as impede de fazer
isso.
Consequentemente, seu consumo seria limitado a sua renda atual. Seu consumo tenderia,
portanto, a flutuar com sua renda, em vez de ser suavizado com o tempo, como prevê a
teoria do ciclo de vida. O que evidências empíricas mostram? Figura 4.4 parcelas de renda
disponível (após impostos) contra o consumo total dos Estados Unidos no período de
1947 a 2003. A Figura 4.5 mostra o consumo total, não durável e durável.
A Figura 4.4 sugere que o consumo total é um pouco suavizado, mas ainda oscila. As
flutuações no consumo total não são diferentes daquelas na renda. A Figura 4.5 revela
que as flutuações no consumo total se devem muito mais às variações no consumo durável
do que àquelas no consumo não durável. A Tabela 4.1 apresenta os desvios padrão das
taxas de crescimento.
A tabela revela que o desvio padrão do consumo total é de 66% do rendimento disponível,
mas o desvio padrão das despesas de consumo não duráveis é de 54% do rendimento
disponível. Significativamente, o desvio padrão do consumo não durável é de apenas
3,5% do gasto durável. Concluímos que há evidências de suavização do consumo, mas
apenas de gastos não duráveis. Nem o serviço nem os gastos duráveis parecem ser
suavizados em relação à renda. Observamos, no entanto, que, ao contrário dos gastos não-
duráveis e de serviços, os gastos duráveis não são uma variável de fluxo, mas uma ação;
são os serviços do estoque durável que são um fluxo. Estritamente falando, portanto, a
teoria derivada acima não se aplica aos duráveis. Portanto, reexaminamos a determinação
do consumo durável.

4.4.2 Model of Perpetual Youth (Modelo da Juventude Perpétua)

Uma modificação na teoria do ciclo de vida que reconhece explicitamente a posse finita
da família na vida é a teoria de Blanchard e Fischer (1989) e Yaari (1965) da juventude
perpétua. Cada indivíduo é considerado como tendo uma probabilidade constante de
morte em cada período de ρ, que é independente da idade. A probabilidade de não
morrer em qualquer período é, portanto, 1 − ρ. A probabilidade de morrer em períodos
de s é a probabilidade conjunta de não morrer nos primeiros períodos de s-1
multiplicados pela probabilidade de morrer no período s, ou seja,

Assim, o tempo de vida esperado é

Portanto, no limite como ρ → 0, a vida é infinita, como no modelo básico. Se os recém-


nascidos têm a mesma probabilidade de morrer em cada período, então, para que o
tamanho da população seja constante, os nascimentos devem compensar exatamente as
mortes. Na prática, a expectativa de vida média aumentou ao longo do tempo,
implicando que ρ vem caindo ao longo do tempo.
Como a data da morte é desconhecida, as famílias devem tomar decisões de consumo e
poupança sob incerteza. Devemos, portanto, substituir a utilidade no período t + s pela
utilidade esperada, dado que a família ainda estará viva. A probabilidade de estar vivo
no período t + s é (1 − ρ)s. O valor presente da utilidade esperada é então
onde . Assim, a função objetivo do agregado familiar tem a mesma forma
que anteriormente; apenas a taxa de desconto foi alterada. Notamos que a taxa ótima de
crescimento do consumo é então dada por

Assim, a perspectiva de morte aumenta a taxa mínima de retorno necessária para induzir
a poupança, corta a taxa ideal de crescimento do consumo e aumenta os níveis de
consumo. Uma vez que, na prática, a probabilidade de morte não é constante, mas
aumenta com a idade, podemos esperar um consumo relativamente maior dos agregados
familiares mais velhos, e a perda de recursos líquidos, especialmente entre os agregados
familiares reformados.
Para resumir, podemos, portanto, proceder como antes. Não precisamos mudar a análise
anterior, mas devemos estar cientes de qual interpretação damos à taxa de desconto.

4.5 Nondurable and Durable Consumption (Consumo Não Durável e Durável)

A principal diferença entre não duráveis e duráveis é que a primeira é uma variável de
fluxo, enquanto a segunda é uma ação que fornece um fluxo de serviços em cada
período. Além disso, o estoque de bens duráveis se deprecia ao longo do tempo devido
ao desgaste e à obsolescência. Agora, modificamos nossa análise anterior do consumo
doméstico para incorporar esses recursos. Nesta seção, denotamos o consumo real não-
durável por CT, o estoque de bens duráveis por Dt e o gasto total com investimentos em
bens duráveis por dt. A equação de acumulação para bens duráveis pode ser escrita
como
onde δ é a taxa de depreciação. A restrição orçamentária das famílias é alterada para
refletir o fato de que a residência compra bens não duráveis e duráveis. Agora está
escrito como

onde ptd é o preço dos bens duráveis em relação aos não-duráveis e ptd dt é o gasto total
em bens duráveis medido em termos de preços não duráveis. Assim, a restrição
orçamentária se torna

A utilidade é derivada pelas famílias dos serviços de consumo durável e não durável
através de U (ct, Dt), onde Uc, UD> 0, Ucc, UDD? 0. Isso reflete o fato de que quanto
maior o estoque de bens duráveis, maior o fluxo de serviços de bens duráveis. Se UcD>
0 não duráveis e duráveis são complementares, e se UcD <0 eles são substitutos.
O problema torna-se o de maximizar

A primeira e terceira equações dão a equação usual de Euler, mas agora definida em
termos de consumo não durável:
A equação (4.24) implica que um aumento na taxa real de juros reduz o valor do estoque
de bens duráveis em relação às despesas não duráveis.
No estado estacionário, quando Δct + 1 = ΔDt + 1 = 0, temos rt + 1 = θ.
Conseqüentemente:

e a razão entre gastos com consumo não durável e bens duráveis a longo prazo:

O comportamento de curto prazo é afetado pela defasagem no ajuste do estoque de bens


duráveis. Embora os gastos duradouros e não duráveis possam responder
instantaneamente ao choque do período t, o estoque de bens duráveis é dado no período t
e não pode responder até o período t + 1. Por exemplo, um aumento permanente na renda
do período t causa gastos não duráveis e duráveis. aumento no período t e aumento
permanente de todas as despesas. A resposta relativa de gastos não duráveis a duráveis é
obtida da seguinte forma. A partir das equações (4.20) e (4.23), o gasto com bens duráveis
em relação aos não-duráveis é
O efeito sobre este gasto relativo de um aumento em ct, com Dt dado, é, portanto,
determinado pelo sinal do termo entre colchetes. Se isso for negativo, o gasto relativo de
bens duráveis no período t é maior. Esse resultado parece ser corroborado pela evidência,
que mostra que a volatilidade dos duráveis é maior que a dos não-duráveis.

4.6 Labor Supply (Oferta de Trabalho)

Até agora, nos concentramos nas decisões de consumo e poupança das famílias,
considerando a renda não-monetária como dada. Consideramos agora a decisão de
trabalho do agregado familiar. Este é o primeiro passo para endogeneizar a renda não-
consolidada. Isto será seguido por uma discussão sobre a demanda por mão de obra pelas
empresas e a coordenação dessas decisões no mercado de trabalho.
No modelo básico do capítulo 2, assumimos inicialmente que as famílias trabalham por
um período fixo de tempo. Na extensão do modelo básico, distinguimos entre trabalho e
lazer, permitindo a escolha entre os dois. O salário foi incluído apenas implicitamente.
Agora, assumimos uma taxa de salário explícita. O tempo gasto no emprego nt gera renda
do trabalho e, portanto, contribui para o consumo, mas é à custa do lazer, que também é
considerado desejável para as famílias. O tempo total disponível para as famílias é a
unidade, então nt + lt = 1. Em contraste com a nossa análise prévia do trabalho de parto,
escrevemos agora a função de utilidade instantânea como

e a restrição orçamentária familiar é


onde wt é a taxa de salário real por unidade de tempo de trabalho, xt ainda é tratada como
receita exógena, e rt é a taxa real de juros sobre os ativos líquidos mantidos no início do
período t.

Uma vez determinado o consumo, a oferta de trabalho pode ser derivada disso em função
do consumo e da taxa salarial. O consumo é derivado muito como era antes. Da primeira
e da terceira condições, obtemos a mesma equação de Euler de antes, ou seja, a equação
(2.12), que por conveniência repetimos:

Isso é então combinado com a restrição orçamentária intertemporal associada à nova


restrição orçamentária instantânea (4.25). Assumindo que a taxa de juros é constante,
podemos mostrar que

onde a riqueza é:
Assim, a riqueza inclui a renda do trabalho atual e futura descontada. As equações (4.26)
e (4.28) e a restrição trabalhista são três equações simultâneas em {ct + s, lt + s, nt + s},
das quais os níveis ótimos de consumo e oferta de trabalho podem ser obtidos.
Considere o caso especial em que wt + s = wt e xt + s = xt (s maior e igual a 0). A função
de consumo torna-se então

Assim, ct é mais uma vez igual à renda corrente total, ou seja, a renda do trabalho tanto
quanto da poupança rat e xt. A oferta de trabalho é derivada das equações (4.26) e (4.29).
Para ilustrar, suponha que a utilidade instantânea seja a função de potência separável

Conseqüentemente, dado o TC, um aumento no peso aumentará a oferta de trabalho e,


consequentemente, a renda total do trabalho. No entanto, a partir de (4.28), um aumento
na renda do trabalho aumentará o consumo e, a partir de (4.30), um aumento no consumo
reduzirá a oferta de trabalho. Isto implica que o sinal do efeito líquido de um aumento na
taxa de salário na oferta de trabalho não é determinado. Isto também pode ser mostrado
combinando as equações (4.29) e (4.30) para eliminar o ct e fornecer a função de oferta
de trabalho:
onde o sinal ainda não está claro. No entanto, quanto menor o consumo, maior a
probabilidade de o sinal ser positivo. Em contraste, um aumento em xt, at ou r causará
um aumento inequívoco em ct e, portanto, uma queda na oferta de trabalho.

4.7 Firms

Em seguida, consideramos as decisões da empresa representativa. As empresas tomam


decisões sobre a produção, os fatores de entrada (capital e trabalho) e os preços dos
produtos. Eles também determinam sua estrutura financeira - ou seja, se usam o capital
ou o financiamento da dívida - e a proporção de lucros a serem pagos como dividendos.
Assumimos que a firma representativa busca maximizar o valor presente dos lucros atuais
e futuros por meio de uma escolha adequada de produto, investimento, capital social,
trabalho e financiamento da dívida. Com efeito, estamos assumindo que as empresas
usam dívida, em vez de financiamento de capital, e tomam empréstimos das famílias.
Consequentemente, as dívidas firmes são ativos domésticos.
Primeiro, consideramos o problema na ausência de custos de ajuste do trabalho. Em
seguida, examinamos os efeitos da inclusão de custos trabalhistas de ajuste. Lembramos
que no capítulo 2 consideramos o custo de ajuste de capital no modelo centralizado da
economia.

4.7.1 Labor Demand without Adjustment Costs (Demanda por mão-de-obra sem custos
de ajuste)

O valor presente do fluxo de lucros reais descontados usando uma taxa de juros real
constante é

onde os lucros reais da empresa (receita líquida) no período t são


onde wt é a taxa de salário real, nt é insumo de mão-de-obra, e bt é o estoque de dívida
firme pendente no início do período t, ou seja, bt é dívida corporativa e é detida pelas
famílias. Como ainda estamos trabalhando em termos reais, definimos o nível de preço
como unidade.
A função de produção depende de dois fatores de produção,

A demanda por trabalho é obtida a partir da condição usual de que o produto marginal
do trabalho é igual ao salário real,

e dependerá do estoque de capital. Para um determinado estoque de capital e uma dada


tecnologia, um aumento na taxa salarial reduzirá a demanda por trabalho. A demanda por
capital é derivada de
usando a função inversa F − 1 k, t + 1 (r + δ). Portanto, o investimento bruto é

Consequentemente, um aumento na taxa de juros reduz o investimento. Um aumento no


produto marginal do capital devido, por exemplo, a um choque tecnológico permanente
aumenta o estoque ótimo de capital e investimento. Observamos que esta solução
pressupõe implicitamente que não há defasagens de ajuste no investimento. O
investimento e o estoque de capital alcançam instantaneamente seus níveis ótimos para
cada período. Se houver custos adicionais para investir, como na teoria q de Tobin, as
empresas preferirão dedicar mais tempo para ajustar seu estoque de capital ao nível
desejado de longo prazo. Como vimos no capítulo 2, isso introduz dinâmicas adicionais
nas decisões de investimento e acumulação de capital e, por meio delas, na economia
como um todo.
No curto prazo, a empresa escolhe o estoque de capital para que o produto marginal
líquido do capital seja igual ao custo do financiamento. Este é também o custo de
oportunidade de manter uma ligação. A longo prazo (ou seja, em equilíbrio geral), as
famílias estarão dispostas a poupar até que o retorno à poupança caia na taxa doméstica
de preferência temporal θ. Neste ponto, Fk, t + 1 - δ = θ, o mesmo resultado que obtivemos
para o modelo centralizado básico.
A condição ∂Pt / ∂bt + s = 0 é independente de bt e, portanto, é satisfeita para todos os
valores de bt, incluindo zero. Como qualquer valor de dívida é consistente com a
maximização de lucros, a empresa pode escolher entre usar o financiamento de dívida ou
seus lucros (ou seja, lucros retidos) ao financiar novos investimentos. Esta é uma versão
do teorema de Modigliani-Miller (1958).

4.7.2 Labor Demand with Adjustment Costs (Demanda por mão-de-obra com custos de
ajuste)

Com efeito, assumimos que o trabalho consiste no número de horas trabalhadas por
trabalhador. Uma generalização disso seria decompor o trabalho em número de
trabalhadores e horas de trabalho. As pessoas podem escolher se querem ou não trabalhar
(a decisão de participação) e quantas horas de trabalho. Na prática, a escolha do agregado
familiar pode ser restringida pelas empresas ao trabalho a tempo inteiro, a tempo parcial
e / ou a horas extraordinárias. Assim, são as empresas que dominam o equilíbrio entre o
número de trabalhadores empregados e as horas trabalhadas. O modelo de trabalho
indivisível de Hansen (1985) assume que as horas de trabalho são fixadas pelas empresas
e os indivíduos simplesmente decidem se querem ou não participar da força de trabalho.
Nós modificamos isso assumindo que as famílias podem escolher se querem ou não
trabalhar, mas se elas decidirem participar da força de trabalho, o número de horas é
escolhido pelas empresas.
Como trabalhar mais horas geralmente envolve o pagamento de um salário por hora de
prêmio, e a contratação e demissão acarretam custos adicionais, ao ajustar a mão de obra,
as empresas devem compensar o custo de mudar a força de trabalho para alterar o número
de horas trabalhadas. Intuitivamente, pode ser menos oneroso atender a um aumento
temporário na demanda de mão-de-obra elevando o número de horas trabalhadas,
enquanto pode ser mais barato atender a um aumento permanente da demanda por mão-
de-obra aumentando o número de trabalhadores. Construímos um modelo simples da
empresa que ilustra como alguém pode incorporar essas características do mercado de
trabalho. Por conveniência, abstraímos a decisão de capital e o endividamento firme. Nós
assumimos que a função de produção da empresa é

onde nt é o número de trabalhadores e o número de horas que cada pessoa trabalha, e Fn,
Fh> 0, Fnn, Fhh? 0 e Fnh? 0. Os salários de cada pessoa são W (ht) com W? ? 0, W ?? ?
0 para refletir a necessidade de pagar maiores salários por hora, maior o número de horas
trabalhadas por cada pessoa. Também assumimos que há custos para contratar e demitir.
A mudança na força de trabalho pode ser escrita como

onde vt representa total de novas contratações e qt total de quits. Há custos associados


tanto a contratação de novos funcionários quanto a demissão de trabalhadores existentes.
Se vt = qt não houver mudança na força de trabalho, ainda assim poderá haver custos de
contratação e demissão devido à rotatividade em cada período. Estes podem variar ao
longo do tempo. Por exemplo, durante um boom, mais trabalhadores podem parar para
encontrar um emprego melhor e isso pode resultar em mais contratações para substituí-
los. Por conveniência, no entanto, nós simplesmente assumimos que há um custo para
mudanças na força de trabalho total, se a força de trabalho está aumentando ou
diminuindo, e ignoramos o problema do volume de negócios. Assim, assumimos que a
firma maximiza o valor presente Pt, equação (4.31), onde as receitas líquidas das firmas
no período t são dadas por
O último termo reflete o custo de contratação e demissão durante o período t. Nossa
discussão sobre o volume de negócios poderia ser resolvida permitindo que λ seja maior
quando há muita rotatividade de mão-de-obra na fase de expansão do ciclo de negócios e
menor em recessão quando há menos rotatividade, mas assumimos que λ é constante.

Isso implica que o produto marginal de uma hora extra por trabalhador é igual ao salário
por hora marginal. Notamos que o ajuste é instantâneo na equação (4.32). Dado o número
de trabalhadores, a equação indica o número de horas de trabalho. Se houver apenas um
único salário por hora, então W’t não depende de ht.

A equação (4.34) mostra que haverá um aumento no número de empregados se o produto


marginal dos trabalhadores exceder seus salários totais hoje ou no futuro. No estado
estacionário, temos Δnt = 0 quando Fn, t = Wt. Esta é a condição de produtividade
marginal usual para o trabalho, ou seja, cada trabalhador recebe seu produto marginal
pelo total de horas trabalhadas.
A equação (4.33) também pode ser escrita em termos do nível de emprego

Isso mostra que o ajuste da empresa ao número de funcionários ocorre ao longo do tempo.
Quanto maior a rotatividade dos trabalhadores, maior é o λ e mais lento é o ajuste do
emprego.
Consideremos agora a resposta de horas e emprego a um aumento permanente da
demanda de mão-de-obra medida por um aumento nos produtos marginais Fnt e Fht. Para
tornar as coisas mais claras, suponha que a função de produção possa ser expressa em
termos de horas-homem como F (ntht). Assim, é necessário um aumento no número de
horas-homem. Observando que , a longo prazo:

Devido à convexidade da função salarial, Por isso, é mais caro aumentar o


número de horas por trabalhador do que aumentar o número de trabalhadores. Assim, a
longo prazo, as horas permanecerão constantes e o emprego aumentará. Mas no curto
prazo, como o emprego leva tempo para se ajustar, haverá um aumento temporário no
número de horas. A resposta das horas e do emprego a um aumento temporário na
demanda de mão de obra depende do custo de contratar e demitir em relação ao custo de
aumentar as horas trabalhadas.

4.8 General Equilibrium in a Decentralized Economy (Equilíbrio Geral em uma


Economia Descentralizada)

O equilíbrio geral é alcançado através de mercados que coordenam as decisões de famílias


e empresas. O mercado de bens coordena as decisões de consumo das famílias e as
decisões de produção e investimento das empresas. O mercado de trabalho coordena a
demanda das empresas por mão-de-obra e a oferta de mão-de-obra das famílias, com a
taxa de salários reais igualando demanda e oferta de trabalho. Os mercados financeiros
coordenam as decisões de poupança das famílias e as necessidades de financiamento das
empresas através da taxa de juros real. O mercado de títulos coordena as economias em
ativos financeiros das famílias e os empréstimos tomados pelas empresas. Na ausência de
considerações de risco, o preço dos títulos é determinado pela equação de sua taxa de
retorno no longo prazo à taxa de preferência temporal das famílias. E o mercado de ações
precifica o capital das empresas de modo que sua taxa de retorno seja a mesma que a dos
títulos.

4.8.1 Consolidating the Household and Firm Budget Constraints (Consolidando as


restrições orçamentárias domésticas e empresariais)

Antes de examinarmos mais detalhadamente o equilíbrio geral, consideramos o que os


resultados até agora implicam para as várias restrições sobre famílias e empresas, e como
elas podem ser combinadas ou consolidadas. Isso nos permite determinar um número das
variáveis definidas acima, como a renda exógena xt, os ativos das famílias em, a dívida
firme bt e os lucros Πt.
A identidade do rendimento nacional é
A restrição orçamentária familiar é

Isso inclui renda do trabalho, renda exógena e receita de juros. Combinando estes com a
equação de acumulação de capital

Como os ativos financeiros das famílias são dívidas das empresas, em = bt. Essa é a
condição para o equilíbrio no mercado de títulos. (Se as empresas não emitem dívida,
então em = 0.) Segue-se então que xt = Πt. Consequentemente, em vez de ser exógeno,
como foi assumido até agora, mostramos que xt é o lucro distribuído da empresa, sendo
os lucros distribuídos na forma de dividendos.
onde kt - bt pode ser interpretado como o valor líquido da empresa.
Da equação (4.38), o valor líquido da empresa pode ser reescrito como a equação da
diferença prospectiva

mantém, implicando que o valor líquido descontado da empresa tende a zero. Assim, o
valor da empresa é o valor descontado dos lucros atuais e futuros. Se os lucros são
constantes e iguais a Π, isso simplifica

Em outras palavras, o valor líquido da empresa, k - b, é igual ao valor presente dos lucros,
Π / r.
Se todos os lucros forem distribuídos como dividendos e não forem retidos para financiar
o investimento, então k - b também será igual ao valor presente do total de pagamentos
de dividendos. Dividindo k - b e Π / r por ns, t, o número de ações existentes no tempo t,
dá a fórmula padrão para o valor de uma ação, ou seja, o valor presente dos lucros futuros
atuais e esperados (comumente chamados ganhos) por compartilhamento. Se todos os
lucros forem distribuídos como dividendos, e assumindo que os dividendos por ação dt
deverão ser os mesmos no futuro, o valor de uma ação também pode ser escrito como

Assim, dt = r ((kt - bt) / ns, t), implicando que a renda de dividendo é a renda permanente
fornecida pelo valor líquido da empresa. A taxa de retorno ao capital é r = Fk - δ, o produto
marginal líquido do capital. r é também a taxa de retorno aos títulos e, como vimos, a
longo prazo isso equivale a θ, a taxa de preferência temporal das famílias, o que limita
sua disposição de economizar, ou seja, emprestar às empresas. Os mercados financeiros,
portanto, igualam a taxa de retorno de todas as formas de capital e determinam os fluxos
de renda dos ativos. Posteriormente, no capítulo 10, examinamos outros aspectos da
determinação dos preços e retornos de ativos, como considerações de risco e o conceito
de não arbitragem.
Se alguns lucros são retidos para investimento, então o valor de uma ação também
dependerá do valor líquido descontado da empresa em algum ponto T> t no futuro e pode
ser escrito

Se assumirmos que todos os lucros são eventualmente distribuídos como dividendos,


então, como T → ∞, a equação (4.40) reduz a equação (4.39).

4.8.2 The Labor Market (O mercado de trabalho)

Resumindo os custos de ajustamento do mercado de trabalho e uma função salarial não-


linear, a demanda e a oferta de trabalho são determinadas, respectivamente,

Os salários reais se ajustam para liberar o mercado para que

Esta é uma solução de equilíbrio parcial para o trabalho como produto marginal do
trabalho e as duas utilidades marginais dependerão, em geral, de outras variáveis
endógenas, ou seja, variáveis que também são determinadas dentro da economia.
A solução completa de equilíbrio geral requer que cada variável endógena seja
determinada em termos das variáveis exógenas. Isso pode ser mais claro se empregarmos
formas funcionais específicas. Se, por exemplo, a função de produção é Cobb-Douglas
com retornos constantes de escala, então
onde kt é dado no tempo t. Se a função de utilidade é aquela considerada anteriormente,

então a oferta de trabalho é

Assim, a oferta de trabalho depende de uma variável endógena, ct. A quantidade de


equilíbrio do trabalho é

O salário real de equilíbrio pode ser derivado disso. Não tem uma solução fechada, mas
depende de ct e kt. Se o salário real de equilíbrio é

então a quantidade de equilíbrio do trabalho é


Segue-se também que, em equilíbrio, a renda do trabalho é

4.8.3 The Goods Market (O mercado de bens)

Equilíbrio no mercado de bens requer que a demanda agregada seja igual à oferta
agregada. A demanda agregada é

onde usamos o resultado de que o consumo é proporcional à riqueza, o produto marginal


líquido do capital Fk, t - δ = r e, portanto, kt + 1 é a função inversa de r + δ. Assumindo
uma função de produção de Cobb-Douglas,

Notamos que o ct é proporcional à riqueza e, portanto, poderia ser substituído. O


fornecimento agregado é obtido a partir da função de produção. Por conseguinte, o
equilíbrio do mercado de bens pode ser expresso
O fornecimento agregado é obtido a partir da função de produção. Consequentemente, o
equilíbrio do mercado de bens torna-se

Isso envolve três variáveis: kt, nt e wt. Pode ser resolvido em conjunto com as três
equações

4.9 Comparison with the Centralized Model (Comparação com o Modelo Centralizado)

Podemos resumir as semelhanças entre o modelo centralizado básico e o modelo


descentralizado da seguinte forma. No modelo básico centralizado, o trabalho não foi
incluído explicitamente, embora, na verdade, houvesse uma única unidade de trabalho.
Apesar disso, o estoque de capital é determinado tanto no modelo centralizado básico
quanto no modelo descentralizado do produto marginal do capital, o investimento é
derivado da equação de acumulação de capital e o consumo é obtido a partir da identidade
da renda nacional.
No modelo centralizado, o capital é determinado a partir da condição
Na solução descentralizada é obtida a partir de

Como há apenas uma unidade de trabalho no modelo básico, nt = 1. Assim, ou Fk, t + 1


não depende do trabalho ou, equivalentemente, F’ (kt + 1) inclui trabalho implicitamente.
Além disso, no estado estacionário, r = θ como as famílias continuarão a poupar, e as
empresas continuarão a acumular capital, até que o retorno obtido caia para θ, quando as
famílias não pouparem mais e as empresas deixarão de acumular mais capital. Assim, no
modelo centralizado, existe uma taxa de juros real implícita, que é dada pelo produto
marginal líquido do capital:

Embora não haja taxa salarial explícita no modelo básico, existe uma taxa de salário
implícita. Como há apenas uma unidade de trabalho no modelo básico, a taxa de salário
também é igual ao custo total da mão de obra. A partir de:

e da condição de que o produto marginal do trabalho é o salário real, e também como nt


= 1, obtemos a seguinte expressão para o salário real implícito no modelo básico:

No modelo básico centralizado não há dívidas ou ativos financeiros; existe apenas


capital, que é patrimônio. Uma medida implícita dos lucros no modelo básico pode ser
obtida a partir da definição de lucros no modelo descentralizado. Se definirmos wt como
na equação (4.41), set nt = 1, e bt = 0, então os lucros firmes são:
Conseqüentemente, o valor do estoque de capital (patrimônio líquido) no modelo básico
é:

ou seja, o valor descontado dos lucros atuais e futuros. Se os lucros são denotados pela
constante Π, então:

O consumo é obtido no modelo básico da restrição de recursos:

Quando nt = 1, também é obtido a partir dessa equação no modelo descentralizado.

4.10 Conclusions

Vimos agora como as decisões podem ser descentralizadas e como os mercados,


particularmente os mercados de trabalho e financeiro, coordenam as decisões. Essa
generalização agregou detalhes úteis ao modelo centralizado básico e nos permitiu incluir
outras variáveis, como economia, ativos financeiros, taxa de juros, mão-de-obra e taxa de
salário real, e tornou mais fácil examinar um número das questões em maior
profundidade. A análise também mostrou que os insights essenciais do modelo
centralizado básico permanecem inalterados. Como é frequentemente mais fácil analisar
o equilíbrio geral usando o modelo centralizado básico do que usando um modelo
descentralizado, o que tende a levar a um aumento no detalhe sem alterar as principais
conclusões, quando é conveniente e os resultados são pouco afetados, nós voltar a usar
um modelo centralizado em detrimento de um modelo descentralizado. Além disso,
notamos que a inclusão de mão de obra causou apenas pequenas alterações nos resultados
anteriores; consequentemente, também excluiremos mão de obra quando viável.
O modelo de equilíbrio geral descentralizado fornece uma referência contra a qual
modelos posteriores podem ser comparados. Isso não quer dizer que o modelo seja
apropriado para analisar todas as situações. Ainda não introduzimos governo, dinheiro,
valores nominais ou levamos em conta transações econômicas com o resto do mundo.
Além disso, assumimos que os lares e as empresas têm previsão perfeita e que não há
imperfeições de mercado devidas, por exemplo, ao monopólio do poder ou das fricções.
É a presença dessas características que causa a maioria das complicações na definição da
política monetária e fiscal: controle da inflação e estabilização macroeconômica. Sem
isso, é discutível se a política monetária e fiscal ativa seria necessária.