Você está na página 1de 9

2334 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A N.

o 85 — 10 de Abril de 2003

MINISTÉRIO DA ECONOMIA Ainda no contexto do presente diploma, estabele-


cem-se os requisitos relativos ao licenciamento de esta-
belecimentos industriais a instalar em áreas de loca-
Decreto-Lei n.o 69/2003 lização empresarial.
de 10 de Abril
Por outro lado, abandona-se a classificação dos esta-
belecimentos por classes e a indexação destas à Clas-
O objectivo fundamental da instituição do licencia- sificação das Actividades Económicas (CAE), bem como
mento industrial assenta na necessidade de assegurar a classificação por classes constante do anexo III do
a compatibilização da protecção do interesse colectivo Decreto Regulamentar n.o 61/91, de 27 de Novembro,
com a prossecução dos interesses da iniciativa privada, optando-se pela definição de regimes de licenciamento
traduzida tanto na salvaguarda das condições indispen- com diferentes graus de exigência, em função dos riscos
sáveis à melhoria da qualidade de vida das populações, potenciais que a actividade comporta e da aplicabilidade
como na procura das melhores condições de desenvol- de legislação específica nos vários domínios do exercício
vimento empresarial. da actividade industrial.
Tendo já então em vista a prossecução de tais objec- Tem-se em vista, igualmente, proceder ao aprofunda-
tivos, o Decreto-Lei n.o 109/91, de 15 de Março, alterado mento do papel da entidade coordenadora, como inter-
pelo Decreto-Lei n.o 282/93, de 17 de Agosto, instituiu
um novo quadro legal disciplinador do exercício da acti- locutor único no âmbito do sistema de licenciamento
vidade industrial. Do mesmo modo, o Decreto-Lei industrial, enquanto instrumento integrado de preven-
n.o 427/91, de 31 de Outubro, reconhecendo a impor- ção e controlo de riscos industriais, conferindo-lhe carac-
tância dos produtos da pesca no conjunto da economia terísticas tendentes à promoção do desenvolvimento sus-
nacional, veio autonomizar o licenciamento dos esta- tentável e da responsabilidade social das empresas.
belecimentos industriais com actuação naquela área, Neste contexto, assume particular relevância o princípio
regulando o seu procedimento administrativo e esta- da abordagem integrada da protecção do ambiente, assente
belecendo as suas normas técnicas em decreto regu- nas melhores técnicas disponíveis e em processos produ-
lamentar próprio. tivos mais eficientes em termos energéticos e adequadas
A experiência decorrente da vigência do actual qua- condições de segurança, higiene e saúde no trabalho,
dro legal, por um lado, e o conjunto de novas con- incluindo a adopção de sistemas de gestão, enquanto fer-
dicionantes regulamentares no domínio da prevenção ramentas essenciais ao tratamento adequado daquelas
e controlo dos impactes resultantes das actividades componentes pelas empresas industriais.
industriais, designadamente em matéria de condições O presente diploma pretende instituir um quadro
de trabalho, saúde e ambiente, bem como ainda os novos legal que constitua um factor de adaptação das acti-
enquadramentos em matéria de descentralização admi- vidades industriais às mutações da envolvente empre-
nistrativa, por outro, aconselham, porém, a revisão dos sarial, num contexto de maior transparência e de par-
instrumentos legais que configuram actualmente o sis- ceria entre a Administração e os agentes económicos.
tema de licenciamento industrial, integrando num único Procura evitar-se, por outro lado, a criação de roturas
regime de licenciamento o conjunto das actividades de no enquadramento legal em que as empresas industriais têm
carácter industrial, incluindo a indústria transformadora vindo a exercer a sua actividade, introduzindo simultanea-
da pesca, em terra. mente no sistema mecanismos de flexibilidade que melhor
Visa-se, em particular, e na sequência do compro- permitam dar resposta às realidades do tecido industrial.
misso assumido pelo Governo na Resolução do Con- Foram ouvidas a Associação Nacional de Municípios
selho de Ministros n.o 103/2002, de 26 de Julho, que Portugueses e as associações representativas dos sec-
aprovou o Programa para a Estabilidade e o Cresci- tores envolvidos.
mento da Economia, aprofundar a simplificação e des- Assim:
burocratização de procedimentos, a adopção de pro- Nos termos da alínea a) do n.o 1 do artigo 198.o da
cessos de licenciamento mais expeditos, incluindo a Constituição, o Governo decreta o seguinte:
criação da figura da entidade acreditada, nomeadamente
para efeitos de verificação da conformidade do projecto,
do responsável técnico pelo projecto e do gestor do CAPÍTULO I
processo no âmbito do sistema de licenciamento, asse- Disposições gerais
gurando assim a adaptação às novas realidades, por
forma a incrementar a qualidade e eficiência da inter- Artigo 1.o
venção pública neste domínio. Objecto
Nos termos da Lei n.o 159/99, de 14 de Setembro, O presente diploma estabelece as normas discipli-
consagram-se no presente regime disciplinador do exer- nadoras do exercício da actividade industrial com o
cício da actividade industrial as atribuições e compe- objectivo da prevenção dos riscos e inconvenientes resul-
tências que, no âmbito do licenciamento industrial, são tantes da exploração dos estabelecimentos industriais,
transferidas para as autarquias locais. visando salvaguardar a saúde pública e dos trabalha-
Pretende-se, igualmente, dar um novo enquadra- dores, a segurança de pessoas e bens, a higiene e segu-
mento às condições de localização dos estabelecimentos rança dos locais de trabalho, a qualidade do ambiente
industriais e à sua autorização, atribuindo-se um novo e um correcto ordenamento do território, num quadro
e coerente papel às câmaras municipais e ao actual qua- de desenvolvimento sustentável e de responsabilidade
dro dos instrumentos de ordenamento do território para social das empresas.
simplificação das autorizações de localização. Neste sen-
tido, o presente diploma e o respectivo diploma regu- Artigo 2.o
lamentar não impõem regras específicas de localização, Definições
entendendo-se que estas regras são estabelecidas pelos Para efeitos do presente diploma e respectivos diplo-
instrumentos de ordenamento do território e pelas enti-
dades responsáveis pela gestão dos parques ou zonas mas regulamentares, entende-se por:
previstas para a instalação de estabelecimentos indus- a) «Actividade industrial» qualquer actividade incluída
triais, incluindo as áreas de localização empresarial. na Classificação Portuguesa das Actividades
N.o 85 — 10 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A 2335

Económicas, nos termos a definir em diploma dimensão, do número de trabalhadores, do equi-


regulamentar; pamento ou de outros factores de produção;
b) «Actividade industrial temporária» actividade n) «Estudo de impacte ambiental (EIA)» docu-
exercida durante um período de tempo não mento elaborado pelo proponente no âmbito
superior a três anos, destinada à execução de do procedimento de avaliação de impacte
um fim específico pontual, implantada ou não ambiental, com uma descrição sumária do pro-
sobre uma estrutura móvel, e que não se inclua jecto, a identificação e avaliação das consequên-
nos regimes específicos de avaliação do impacte cias prováveis, positivas e negativas, que a rea-
ambiental, prevenção e controlo integrados da lização do projecto poderá ter no ambiente, a
poluição, bem como de controlo dos perigos evolução previsível da situação de facto sem a
associados a acidentes graves que envolvam realização do projecto, as medidas de gestão
substâncias perigosas; ambiental destinadas a evitar, minimizar ou
c) «Área de localização empresarial (ALE)» zona compensar os impactes negativos esperados e
territorialmente delimitada e licenciada para a um resumo não técnico destas informações;
instalação de determinado tipo de actividades o) «Gestor do processo» técnico designado pela
industriais, podendo ainda integrar actividades entidade coordenadora para efeitos de verifi-
comerciais e de serviços, administrada por uma cação da instrução do pedido de licença de ins-
sociedade gestora; talação ou alteração e acompanhamento das
d) «Área de servidão militar» área sujeita a uma ser- várias etapas do processo de licenciamento,
vidão militar, nos termos da legislação aplicável; constituindo-se como interlocutor privilegiado
e) «Declaração de aceitação do relatório de segu- do industrial;
rança» decisão da autoridade competente rela- p) «Licença ambiental» decisão escrita que visa
tiva a projectos sujeitos ao regime previsto no garantir a prevenção e o controlo integrados
Decreto-Lei n.o 164/2001, de 23 de Maio; da poluição proveniente das instalações abran-
f) «Declaração de impacte ambiental» decisão gidas pelo Decreto-Lei n.o 194/2000, de 21 de
emitida no âmbito da avaliação de impacte Agosto, estabelecendo as medidas destinadas a
ambiental sobre a viabilidade da execução dos evitar ou, se tal não for possível, a reduzir as
projectos sujeitos ao regime previsto no Decre- emissões para o ar, para a água e para o solo,
to-Lei n.o 69/2000, de 3 de Maio; a produção de resíduos e a poluição sonora,
g) «Desenvolvimento sustentável» desenvolvimento constituindo condição necessária do licencia-
que satisfaz as necessidades do presente, sem mento ou autorização dessas instalações, nos
comprometer a capacidade das gerações futuras termos do mesmo diploma;
de satisfazerem as suas próprias necessidades; q) «Licença de exploração industrial» decisão escrita
h) «Eco-eficiência» estratégia de actuação condu- relativa à autorização ou aprovação de explo-
cente ao fornecimento de bens e serviços com- ração dos estabelecimentos industriais emitida
petitivos que satisfaçam as necessidades humanas
pela entidade coordenadora;
e que, em simultâneo e progressivamente, redu-
r) «Licença de instalação ou alteração» decisão
zam os impactes ambientais e a intensidade de
recursos ao longo do ciclo de vida dos produtos escrita relativa à autorização para instalar ou
para um nível de conformidade com a capacidade alterar um estabelecimento industrial, emitida
receptora do planeta em sintonia com o objectivo pela entidade coordenadora;
do desenvolvimento sustentável; s) «Melhores técnicas disponíveis» técnicas utili-
i) «Entidade acreditada» entidade reconhecida for- zadas no processo produtivo, bem como a forma
malmente pelo organismo nacional de acreditação, como uma instalação é projectada, construída,
no âmbito do Sistema Português da Qualidade, explorada, conservada e desactivada, desenvol-
com competência para realizar actividades espe- vidas a uma escala industrial num dado sector,
cíficas que lhe são atribuídas ou delegadas pelas em condições técnica e economicamente viáveis,
entidades com atribuições no âmbito do presente que permitam alcançar um nível elevado de
diploma, nomeadamente para a avaliação da con- segurança, de protecção do ambiente e de efi-
formidade com a legislação aplicável do projecto ciência energética, como resultado do exercício
industrial a submeter a licenciamento e para a das actividades industriais;
avaliação da conformidade das instalações com t) «Industrial» pessoa singular ou colectiva que
o projecto aprovado; pretenda explorar ou seja responsável pela
j) «Entidade coordenadora» entidade do Minis- exploração de um estabelecimento industrial ou
tério da Economia ou do Ministério da Agri- que nele exerça em seu próprio nome actividade
cultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, a industrial;
câmara municipal ou a sociedade gestora de u) «Instalação industrial» unidade técnica dentro
ALE, a quem compete a coordenação plena do de um estabelecimento industrial na qual é
processo de licenciamento, de instalação ou de desenvolvida uma ou mais actividades indus-
alteração e da exploração de um estabeleci- triais, ou quaisquer outras actividades directa-
mento industrial; mente associadas, que tenham uma relação téc-
l) «Entidade fiscalizadora» entidade a quem com- nica com as actividades exercidas;
pete a fiscalização do cumprimento das regras v) «Interlocutor e responsável técnico do projecto»
disciplinadoras do exercício de actividade pessoa ou entidade designada pelo industrial para
industrial; efeitos de demonstração de que o projecto se
m) «Estabelecimento industrial» totalidade da área encontra em conformidade com a legislação apli-
coberta e não coberta sob responsabilidade do cável e para o relacionamento com a entidade
industrial onde seja exercida uma ou mais acti- coordenadora e as demais entidades intervenien-
vidades industriais, independentemente da sua tes no processo de licenciamento industrial;
2336 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A N.o 85 — 10 de Abril de 2003

x) «Responsabilidade social da empresa» integra- g) Adoptar as medidas necessárias para evitar ris-
ção voluntária de preocupações sociais e cos em matéria de segurança e poluição, por
ambientais por parte da empresa nas suas ope- forma que o local de exploração seja colocado
rações e na sua interacção com outras partes em estado aceitável na altura da desactivação
interessadas e comunidades locais; definitiva do estabelecimento industrial.
z) «Sistema de gestão ambiental» parte de um sis-
tema global de gestão, que inclui estrutura orga- 3 — Sempre que seja detectada alguma anomalia no
nizacional, actividades de planeamento, respon- funcionamento do estabelecimento, o industrial deve
sabilidades, práticas, procedimentos, processos tomar as medidas adequadas para corrigir a situação
e recursos para melhoria contínua do desem- e, se necessário, proceder à suspensão da exploração,
penho ambiental; devendo imediatamente comunicar esse facto à entidade
aa) «Sistema de gestão de segurança e saúde do coordenadora.
trabalho» Parte de um sistema global de gestão Artigo 5.o
que possibilita a gestão dos riscos para a segu-
Seguro de responsabilidade civil
rança e saúde do trabalho relacionados com as
actividades da organização, compreendendo a As entidades que exerçam actividades industriais que
estrutura operacional, as actividades de planea- envolvam maior grau de risco potencial devem celebrar
mento, as responsabilidades, as práticas, os pro- um contrato de seguro de responsabilidade civil que
cedimentos, os processos e os recursos para cubra os riscos decorrentes da sua actividade, nos termos
desenvolver e implementar as condições de a definir em diploma regulamentar específico.
segurança e saúde no trabalho;
bb) «Sociedade gestora de ALE» sociedade comer- Artigo 6.o
cial de capitais privados, públicos ou mistos res-
ponsável pelo integral cumprimento da licença Reclamações
da ALE, bem como pelo licenciamento e super- 1 — A reclamação fundamentada relativa à instala-
visão das actividades nela exercidas e ainda pelo ção, alteração, exploração e desactivação de qualquer
funcionamento e manutenção das infra-estru- estabelecimento industrial é apresentada junto da enti-
turas, serviços e instalações comuns; dade coordenadora ou da entidade a quem caiba a sal-
cc) «Zona portuária» zona sob jurisdição das admi- vaguarda dos direitos e interesses em causa, que a trans-
nistrações portuárias, do Instituto Portuário e mitirá à entidade coordenadora acompanhada de um
dos Transportes Marítimos (IPTM) ou de outras parecer fundamentado.
entidades que igualmente detenham jurisdição 2 — A entidade coordenadora, perante a reclamação,
sobre aquelas. dará dela conhecimento ao industrial, sendo que, no
Artigo 3.o caso de estabelecimento localizado em ALE, a respec-
Regulamentação tiva sociedade gestora dará conhecimento à direcção
As normas técnicas necessárias à regulamentação do regional da economia territorialmente competente e, se
presente diploma são aprovadas por decreto regula- for caso disso, aos serviços competentes do Ministério
mentar. da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas.
Artigo 4.o 3 — A entidade coordenadora tomará as providências
necessárias, nomeadamente através de vistorias para
Segurança, prevenção e controlo de riscos
análise e decisão das reclamações, envolvendo ou con-
1 — O industrial deve exercer a sua actividade de sultando, sempre que tal se justifique, as entidades a
acordo com as disposições legais e regulamentares apli- quem caiba a salvaguarda dos direitos e interesses em
cáveis e adoptar medidas de prevenção e controlo no causa.
sentido de eliminar ou reduzir os riscos susceptíveis de 4 — A entidade coordenadora dará conhecimento ao
afectar as pessoas e bens, garantindo as condições hígio- industrial, ao reclamante e às entidades consultadas da
-sanitárias, de trabalho e de ambiente, minimizando as decisão tomada, sendo que, no caso de estabelecimento
consequências de eventuais acidentes. a localizar em ALE, a respectiva sociedade gestora dará
2 — O industrial, em cumprimento do disposto no conhecimento à direcção regional da economia terri-
número anterior, deve respeitar, designadamente, as torialmente competente e, se for caso disso, aos serviços
seguintes regras e princípios: competentes do Ministério da Agricultura, Desenvol-
a) Adoptar as melhores técnicas disponíveis e prin- vimento Rural e Pescas.
cípios de eco-eficiência; 5 — As vistorias mencionadas no n.o 3 podem ser soli-
b) Utilizar racionalmente a energia; citadas à entidade coordenadora por qualquer entidade
c) Proceder à identificação dos perigos, à análise a quem caiba a salvaguarda dos interesses em causa.
e à avaliação dos riscos, atendendo, na gestão
da segurança e saúde no trabalho, aos princípios Artigo 7.o
gerais de prevenção aplicáveis;
Articulação com medidas voluntárias
d) Adoptar as medidas de prevenção de riscos de
acidentes e limitação dos seus efeitos; 1 — Sempre que a indústria, através das suas estru-
e) Adoptar sistemas de gestão ambiental e da segu- turas empresariais representativas ou a título individual,
rança e saúde do trabalho adequados ao tipo e as autoridades competentes celebrem acordos, con-
de actividade e riscos inerentes, incluindo a ela- tratos ou qualquer outro tipo de colaboração em
boração de plano de emergência do estabele- matérias relevantes, face ao âmbito dos objectivos con-
cimento, quando aplicável; signados no presente diploma, os mesmos deverão arti-
f) Adoptar as medidas hígio-sanitárias legalmente cular-se com o processo de licenciamento industrial.
estabelecidas para o tipo de actividade, por 2 — Compete à entidade coordenadora acompanhar
forma a assegurar a saúde pública; o cumprimento do disposto no número anterior, sem
N.o 85 — 10 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A 2337

prejuízo das competências próprias das entidades às se encontrar decorrido o prazo necessário para
quais caiba a tutela do objecto do acordo ou contrato. a produção do respectivo deferimento tácito,
nos termos previstos no mesmo diploma, nos
Artigo 8.o casos aplicáveis;
b) Notificação ou relatório de segurança, de acordo
Cadastro industrial
com o disposto no Decreto-Lei n.o 164/2001,
1 — A informação disponibilizada no âmbito do pro- de 23 de Maio, nos casos aplicáveis;
cesso de licenciamento industrial será objecto de tra- c) Pedido de licença ambiental, nos termos do
tamento adequado, tendo em vista a elaboração de Decreto-Lei n.o 194/2000, de 21 de Agosto, nos
cadastro industrial, nos termos a definir em diploma casos aplicáveis;
regulamentar específico. d) Pedido de autorização prévia, nos termos do
2 — Para efeitos da elaboração do cadastro industrial Decreto-Lei n.o 239/97, de 9 de Setembro, e
referida no número anterior, a transmissão do estabe- da Portaria n.o 961/98, de 10 de Novembro, para
lecimento industrial, bem como a suspensão ou cessação operações de gestão de resíduos sujeitas a licen-
do exercício de actividade industrial, deve ser comu- ciamento industrial e não abrangidas pelo
nicada à entidade coordenadora, nos termos a definir Decreto-Lei n.o 194/2000, de 21 de Agosto;
em diploma regulamentar. e) Pedido de atribuição do número de controlo
veterinário para os estabelecimentos onde se
efectuam operações de manipulação, prepara-
CAPÍTULO II ção e transformação de produtos de origem ani-
Licenciamento mal, nos termos da legislação aplicável.
Artigo 9.o 3 — A declaração de impacte ambiental referida na alí-
Obrigatoriedade de licenciamento
nea a) do número anterior é substituída pelo estudo de
impacte ambiental previsto no Decreto-Lei n.o 69/2000,
A instalação, alteração e exploração de estabeleci- de 3 de Maio, caso o industrial opte por dar início ao
mentos industriais ficam sujeitas a licenciamento indus- procedimento ali previsto em simultâneo com o processo
trial, cujo processo é coordenado pela respectiva enti- de licenciamento a que se refere o presente artigo.
dade coordenadora, a qual é, para este efeito, a única 4 — No caso de o estabelecimento industrial estar
entidade interlocutora do industrial. sujeito a autorização de localização, nos termos a definir
em diploma regulamentar, o pedido de licenciamento só
Artigo 10.o poderá ser considerado devidamente instruído com a jun-
ção da respectiva certidão de autorização de localização.
Regimes de licenciamento
5 — A entidade coordenadora solicita parecer, nas
Para efeitos de definição do respectivo regime de situações definidas em diploma regulamentar, às enti-
licenciamento, os estabelecimentos industriais são clas- dades com atribuições, no âmbito do licenciamento
sificados de tipo 1 a 4, sendo tal classificação definida industrial, nas áreas do ambiente, hígio-sanitárias, da
por ordem decrescente do grau de risco potencial para saúde e da higiene e segurança no trabalho.
a pessoa humana e para o ambiente, inerente ao seu 6 — A não recepção do parecer das entidades con-
exercício, nos termos a definir em diploma regula- sultadas dentro dos prazos fixados em diploma regu-
mentar. lamentar é considerada como parecer favorável, nos ter-
Artigo 11.o mos e com os limites a definir no mesmo diploma.
7 — Sempre que existam pareceres divergentes emi-
Entidade coordenadora competente tidos pelas várias entidades intervenientes na apreciação
1 — A identificação da entidade coordenadora com- do projecto, cabe à entidade coordenadora promover
petente relativamente a cada regime de licenciamento as acções necessárias com vista à concertação das posi-
constará de diploma regulamentar, sem prejuízo do dis- ções assumidas, salvaguardando o respeito pelas regras
posto nos números seguintes. hígio-sanitárias, de saúde, de higiene, de segurança no
2 — No caso de estabelecimentos industriais situados trabalho e de ambiente.
em ALE, a entidade coordenadora do processo de licen- 8 — A licença de instalação ou de alteração de esta-
ciamento é a respectiva sociedade gestora. belecimento industrial é emitida pela entidade coorde-
3 — No caso de um estabelecimento industrial de nadora e integra obrigatoriamente as condições e exi-
tipo 4, a entidade coordenadora do processo de licen- gências impostas pelas entidades a que se referem os
ciamento é a câmara municipal da respectiva área de n.os 5 e 6.
localização. Artigo 13.o
Artigo 12.o Licença ou autorização de obras e de utilização
Licenciamento de instalação ou alteração
1 — A licença ou autorização de obras para cons-
trução, ampliação ou alteração de um estabelecimento
1 — O pedido de licenciamento de instalação ou alte- industrial pode ser emitida pela câmara municipal res-
ração de estabelecimento industrial é apresentado à enti- pectiva, desde que o industrial demonstre ter apresentado
dade coordenadora, devidamente instruído nos termos o pedido de licenciamento de instalação ou alteração
definidos no presente diploma e em diploma regulamentar. de estabelecimento industrial devidamente instruído
2 — No caso de o estabelecimento estar sujeito aos à entidade coordenadora, com excepção dos estabele-
regimes específicos a seguir mencionados, o pedido de cimentos industriais abrangidos pelos Decretos-Leis
licenciamento só se considera devidamente instruído n.os 69/2000, de 3 de Maio, e 194/2000, de 21 de Agosto,
para efeitos do número anterior, com a junção dos que terão de cumprir exigências processuais adicionais,
seguintes elementos: nos termos a definir em diploma regulamentar.
a) Declaração de impacte ambiental favorável, 2 — A licença ou autorização de utilização fica, todavia,
emitida nos termos do Decreto-Lei n.o 69/2000, dependente da apresentação, pelo industrial, de cópia da
de 3 de Maio, ou documento comprovativo de licença de instalação ou de alteração do estabelecimento.
2338 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A N.o 85 — 10 de Abril de 2003

Artigo 14.o a Direcção-Geral da Energia ou as direcções


Licença de exploração industrial regionais do Ministério da Economia, sem pre-
1 — Verificada, mediante vistoria, a conformidade da juízo das competências próprias destas;
instalação ou alteração do estabelecimento industrial com b) À Direcção-Geral de Fiscalização e Controlo
as normas legais e regulamentares aplicáveis, a entidade da Qualidade Alimentar, sempre que a entidade
coordenadora emitirá a licença de exploração industrial. coordenadora seja do âmbito do Ministério da
2 — As condições de exploração dos estabelecimentos Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas,
industriais estão sujeitas a reavaliação, mediante vis- sem prejuízo das competências próprias desta;
c) À câmara municipal da área de localização do esta-
toria, com a consequente actualização da respectiva belecimento industrial, sempre que seja esta a enti-
licença de exploração industrial. dade coordenadora do respectivo licenciamento.
3 — Nos termos a definir em diploma regulamentar,
a exploração de um estabelecimento industrial pode ini- 2 — As entidades intervenientes no processo de licen-
ciar-se antes da emissão da respectiva licença de explo- ciamento, sem prejuízo das competências próprias,
ração, desde que o industrial tenha previamente reque- poderão sempre que seja necessário solicitar à entidade
rido à entidade coordenadora a realização da vistoria coordenadora a adopção de medidas a impor ao indus-
referida no n.o 1 do presente artigo. trial para prevenir riscos e inconvenientes susceptíveis
4 — Exceptua-se do disposto no número anterior: de afectar as pessoas e os bens, as condições de trabalho
e o ambiente, bem como as normas hígio-sanitárias.
a) A exploração de estabelecimentos industriais 3 — O industrial deve facultar à entidade coordena-
abrangidos pelo disposto no artigo 16.o do dora e às entidades fiscalizadoras a entrada nas suas
Decreto-Lei n.o 164/2001, de 23 de Maio, a qual instalações, bem como fornecer-lhes as informações e
só pode iniciar-se desde que emitida a decla- os apoios que por aquelas lhe sejam, fundamentada-
ração de aceitação do relatório de segurança mente, solicitados.
referida n.o 2 do artigo 21.o do mesmo diploma; 4 — Quando, no decurso de uma acção de fiscali-
b) A exploração de estabelecimentos industriais zação, qualquer das entidades fiscalizadoras detectar
abrangidos pelo disposto no Decreto-Lei incumprimento às medidas por elas prescritas, deve
n.o 239/97, de 9 de Setembro, a qual só pode desencadear as acções adequadas, nomeadamente atra-
iniciar-se após a emissão da autorização a que vés do levantamento do competente auto de notícia,
se refere o artigo 8.o do referido diploma; dando de tal facto conhecimento à entidade coor-
c) A exploração de qualquer estabelecimento indus- denadora.
trial onde se exerça uma actividade agro-alimentar Artigo 18.o
que utilize matéria-prima de origem animal, a qual Medidas cautelares
só pode iniciar-se, após vistoria pelas entidades
intervenientes no processo de licenciamento, Sempre que seja detectada uma situação de perigo
depois de atribuído o número de controlo vete- grave para a saúde pública, para a segurança de pessoas
rinário pela Direcção-Geral de Veterinária e emi- e bens, para a higiene e segurança dos locais de trabalho
tida a licença de exploração pela entidade coor- ou para o ambiente, a entidade coordenadora e as
denadora. demais entidades fiscalizadoras devem, individual ou
Artigo 15.o colectivamente, tomar de imediato as providências ade-
Arquivo dos elementos de licenciamento quadas para eliminar a situação de perigo, podendo vir
O industrial deve possuir em arquivo nas instalações a ser determinada a suspensão de actividade, ou o encer-
do estabelecimento industrial um processo devidamente ramento preventivo do estabelecimento, no todo ou em
organizado e actualizado referente ao licenciamento parte, bem como a apreensão de todo ou parte do equi-
industrial, devendo nele incluir todos os elementos rele- pamento, mediante selagem, por um prazo máximo de
vantes, e disponibilizá-lo sempre que solicitado pelas seis meses.
entidades com competências de fiscalização. Artigo 19.o
Interrupção do fornecimento de energia eléctrica
Artigo 16.o As entidades coordenadoras podem notificar a enti-
Recurso hierárquico dade distribuidora de energia eléctrica para interromper
O recurso hierárquico necessário das decisões pro- o fornecimento desta a qualquer estabelecimento indus-
feridas ao abrigo do presente decreto-lei, com excepção trial, sempre que se verifique:
das relativas ao processo de contra-ordenação, tem a) Oposição às medidas cautelares previstas no
efeito suspensivo, podendo, no entanto, a entidade para artigo anterior;
quem se recorre atribuir-lhe efeito meramente devo- b) Quebra de selos apostos no equipamento;
lutivo, quando considere que a sua não execução ime- c) Reiterado incumprimento das medidas, condi-
diata causa grave prejuízo ao interesse público. ções ou orientações impostas para a exploração.

CAPÍTULO III Artigo 20.o


Fiscalização e medidas cautelares Cessação das medidas cautelares

Artigo 17.o 1 — A cessação das medidas cautelares previstas no


Fiscalização
artigo 18.o será determinada, a requerimento do inte-
ressado, após vistoria ao estabelecimento a realizar pela
1 — A fiscalização do cumprimento das disposições entidade coordenadora e demais entidades intervenien-
legais e regulamentares sobre o exercício da actividade tes, no decorrer da qual se demonstre terem cessado
industrial incumbe: as situações que lhes deram causa, sem prejuízo do pros-
a) À Inspecção-Geral das Actividades Económi- seguimento dos processos criminais e de contra-orde-
cas, sempre que a entidade coordenadora seja nação já iniciados.
N.o 85 — 10 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A 2339

2 — No caso de interrupção do fornecimento de ener- dade fica dependente de autorização expressa da autoridade
gia eléctrica, este deverá ser restabelecido mediante competente, a qual não pode ser concedida enquanto não
pedido da entidade coordenadora à entidade distribui- se verificar que o estabelecimento reúne todos os requisitos
dora de energia eléctrica. para manutenção da sua licença de exploração.
3 — Sempre que o proprietário ou detentor legítimo 3 — As sanções acessórias previstas nas alíneas a),
do equipamento apreendido requeira a sua desselagem, b) e c) do n.o 1, quando aplicadas a estabelecimentos
demonstrando documentalmente o propósito de pro- industriais dos tipos 1 e 2, são publicitadas pela auto-
ceder à sua alienação em condições que garantam que ridade que aplicou a coima, a expensas do infractor.
o destino que lhe vai ser dado não é susceptível de
originar novas infracções ao presente diploma, a enti- Artigo 23.o
dade coordenadora deve autorizar essa desselagem, Competência sancionatória
independentemente de vistoria.
1 — O processamento das contra-ordenações e a aplicação
das coimas e das sanções acessórias competem às entidades
CAPÍTULO IV fiscalizadoras, no âmbito das respectivas atribuições.
2 — Nos casos em que a entidade coordenadora seja
Sanções
a Direcção-Geral da Energia ou as direcções regionais
Artigo 21.o do Ministério da Economia, a instrução dos processos
de contra-ordenação é da competência da Inspecção-Ge-
Contra-ordenações e coimas ral das Actividades Económicas, cabendo à Comissão de
1 — Constitui contra-ordenação, punível com coima Aplicação de Coimas em Matéria Económica e Publi-
cujo montante mínimo é de E 50 a E 100 e máximo cidade a aplicação das coimas e sanções acessórias.
de E 3700 a E 44 000, consoante se trate de pessoas 3 — No caso de a sociedade gestora de ALE, no
singulares ou colectivas, salvo a aplicabilidade de outros âmbito da sua actividade de supervisão, detectar nos
regimes sancionatórios mais gravosos previstos em diplo- estabelecimentos industriais nela localizados quaisquer
mas específicos para as infracções em causa: factos susceptíveis de constituírem infracção ao presente
diploma, comunicará a ocorrência à Inspecção-Geral das
a) A instalação ou alteração de um estabeleci-
Actividades Económicas ou aos serviços competentes
mento industrial sem que tenha sido efectuado do Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural
o pedido referido no n.o 1 do artigo 12.o ou e Pescas, ou ainda à direcção regional do ambiente e
emitida a licença a que se refere o n.o 8 do do ordenamento do território territorialmente compe-
mesmo artigo; tente, para efeitos de instauração, se for caso disso, do
b) O início da exploração de um estabelecimento respectivo processo contra-ordenacional.
industrial em violação do disposto nos n.os 3
e 4 do artigo 14.o; Artigo 24.o
c) A inobservância dos termos e condições legais
Destino da receita das coimas
e regulamentares de exploração do estabeleci-
mento industrial fixados na licença referida no 1 — A afectação do produto das coimas cobradas em
n.o 1 do artigo 14.o, ou aquando da sua rea- aplicação do presente diploma faz-se da seguinte forma:
valiação, ao abrigo do disposto no n.o 2 do a) 10 % para a entidade que levanta o auto de
mesmo artigo; notícia;
d) A inobservância do disposto n.o 3 do artigo 17.o; b) 30 % para a entidade que procede à instrução
e) A infracção ao disposto no artigo 5.o do processo;
2 — No caso das infracções referidas na alínea a) do c) 60 % para o Estado.
número anterior, os valores mínimos das coimas refe- 2 — Exceptuam-se do disposto no número anterior:
ridas no corpo do mesmo número passam para o dobro.
3 — Constitui contra-ordenação, punível com coima a) As coimas aplicadas em virtude de infracções
cujo montante mínimo é de E 250 e máximo de E 3700, em matéria de higiene e segurança no trabalho
a inobservância das obrigações previstas no n.o 2 do cuja afectação será a seguinte:
artigo 8.o e no artigo 15.o i) 10 % para a entidade que levanta o auto
4 — A negligência é punível. de notícia;
ii) 30 % para a entidade que procede à ins-
Artigo 22.o trução do processo;
iii) 60 % para o Fundo de Acidentes de Tra-
Sanções acessórias
balho, criado pelo Decreto-Lei
1 — Poderão ainda ser aplicadas, simultaneamente n.o 142/99, de 30 de Abril;
com a coima, as seguintes sanções acessórias, em função
da gravidade da infracção e da culpa do agente: b) As coimas aplicadas pelas câmaras municipais,
a) Perda, a favor do Estado, de equipamentos, cuja receita reverte na totalidade para o res-
pectivo município.
máquinas e utensílios utilizados na prática da
infracção;
b) Privação dos direitos a subsídios ou benefícios CAPÍTULO V
outorgados por entidades ou serviços públicos; Taxas
c) Suspensão da licença de exploração;
d) Encerramento do estabelecimento e instalações. Artigo 25.o
2 — As sanções previstas nas alíneas b), c) e d) têm Taxas e despesas de controlo
a duração máxima de dois anos, contados a partir da 1 — É devido o pagamento de uma taxa única, da
decisão condenatória definitiva, e o reinício da activi- responsabilidade do industrial, para cada um dos seguin-
2340 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A N.o 85 — 10 de Abril de 2003

tes actos relativos à instalação, alteração e exploração do industrial são pagas no prazo de 30 dias, mediante
dos estabelecimentos industriais, sem prejuízo do disposto guia a emitir pela entidade coordenadora, sendo devol-
no n.o 3 e das taxas previstas em legislação específica: vido ao industrial um dos exemplares como prova do
pagamento efectuado.
a) Apreciação dos pedidos de licença de instalação 2 — A entidade coordenadora pode estabelecer for-
ou de alteração, os quais incluem a emissão da mas de pagamento das taxas, nomeadamente através
licença ambiental e a declaração de aceitação de meios electrónicos de pagamento.
do relatório de segurança, quando aplicáveis; 3 — Os quantitativos arrecadados serão consignados
b) Vistorias relativas ao processo de licenciamento à satisfação dos encargos dos respectivos serviços com
ou resultantes de qualquer facto imputável ao a execução, desenvolvimento e aperfeiçoamento das
industrial, incluindo a emissão da respectiva acções de controlo do exercício da actividade industrial
licença de exploração industrial; e com recurso aos meios de apoio técnico necessário,
c) Vistorias para verificação das condições do exer- sendo a sua movimentação efectuada nos termos legais.
cício da actividade ou do cumprimento das 4 — Sem prejuízo do número seguinte, as receitas
medidas impostas nas decisões proferidas sobre provenientes da aplicação das taxas de instalação, alte-
as reclamações e os recursos hierárquicos; ração e exploração dos estabelecimentos dos tipos 1,
d) Renovação da licença ambiental; 2 e 3 têm a seguinte distribuição:
e) Vistorias de reexame das condições de explo- a) Até 20 % para cada uma das entidades interve-
ração industrial; nientes, com excepção da entidade coordenadora;
f) Averbamento de transmissão; b) O valor remanescente reverte para a entidade
g) Desselagem de máquinas, aparelhos e demais coordenadora;
equipamentos; c) No caso de serem intervenientes três ou mais
h) Vistorias para verificação do cumprimento das entidades, a entidade coordenadora e a direcção
medidas impostas aquando da desactivação defi- regional do ambiente e ordenamento do ter-
nitiva do estabelecimento industrial. ritório territorialmente competente nunca pode-
rão receber respectivamente menos de 60 % e
2 — Os montantes das taxas previstas no número 20 %, sendo o restante rateado em partes iguais
anterior para actos relativos à instalação, alteração e pelas entidades intervenientes.
exploração dos estabelecimentos industriais dos tipos 1,
2 e 3, são fixados por portaria conjunta dos Ministros 5 — No caso de estabelecimentos industriais de tipo 1
das Finanças, da Economia, da Agricultura, Desenvol- sujeitos a licença ambiental nos termos do Decreto-Lei
vimento Rural e Pescas, da Segurança Social e do Tra- n.o 194/2000, de 21 de Agosto, as receitas provenientes
balho e das Cidades, Ordenamento do Território e da aplicação das taxas de instalação, alteração e explo-
Ambiente, que incluirá as regras para o seu cálculo e ração têm a distribuição prevista no n.o 1 do artigo 40.o
actualização, com base na aplicação de factores mul- do referido diploma.
tiplicativos sobre uma taxa base. 6 — No caso de estabelecimentos industriais de tipo 4,
3 — Os montantes das taxas referidas no n.o 1 para as receitas provenientes da aplicação das taxas de ins-
actos relativos à instalação, alteração e exploração dos talação, alteração e exploração a que se refere a parte
final do n.o 3 do artigo 25.o são distribuídas em partes
estabelecimentos industriais do tipo 4 são fixados pela
iguais pelas entidades intervenientes.
câmara municipal da respectiva área de localização, na 7 — O serviço processador das receitas deve transferir
parte correspondente à sua participação nos actos em para as demais entidades, por transferência bancária
causa, e na portaria referida no número anterior, rela- ou cheque, as respectivas participações na receita, com
tivamente à participação nos mesmos de outras entidades. uma relação discriminada dos processos a que se refe-
4 — Os actos pelos quais seja devido o pagamento rem, até ao dia 10 de cada mês.
de taxas podem ser efectuados após a emissão das guias
respectivas, salvo no que se referirem aos pedidos de
licença de instalação ou de alteração de estabelecimento, Artigo 27.o
para cuja realização deve ser feita, previamente, prova Cobrança coerciva das taxas
do respectivo pagamento.
5 — As despesas a realizar com colheitas de amostras, A cobrança coerciva das dívidas provenientes da falta
ensaios laboratoriais ou quaisquer outras avaliações de pagamento das taxas far-se-á através de processo
necessárias para apreciação das condições do exercício de execução fiscal, servindo de título executivo a certidão
da actividade de um estabelecimento constituem passada pela entidade que prestar os serviços.
encargo das entidades que as tenham promovido, salvo
se decorrerem de obrigações legais ou se se verificar CAPÍTULO VI
inobservância das prescrições técnicas obrigatórias, caso
em que os encargos são suportados pelo industrial. Disposições finais e transitórias
6 — As despesas relacionadas com o corte e resta-
belecimento do fornecimento de energia eléctrica cons- Artigo 28.o
tituem encargo do industrial, sendo os respectivos valo- Alterações ao Decreto-Lei n.o 69/2000, de 3 de Maio
res publicados anualmente pela Entidade Reguladora
dos Serviços Energéticos. Os artigos 13.o e 19.o do Decreto-Lei n.o 69/2000,
de 3 de Maio, passam a ter a seguinte redacção:
Artigo 26.o
Forma de pagamento e repartição das taxas
«Artigo 13.o
[. . .]
1 — As taxas e os quantitativos correspondentes a
despesas feitas pelos serviços que constituam encargo 1—..........................................
N.o 85 — 10 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A 2341

2 — No caso de projectos sujeitos a licenciamento Artigo 40.o


industrial, a entidade coordenadora do respectivo licen- [. . .]
ciamento procede à remessa do EIA e demais docu-
mentação referida no número anterior à autoridade de 1—..........................................
AIA no prazo de três dias úteis. 2 — No caso de estabelecimentos sujeitos a licencia-
3 — (Anterior n.o 2.) mento industrial, a receita das taxas referidas no número
4 — (Anterior n.o 3.) anterior reverte:
5 — (Anterior n.o 4.) a) 40 % para a autoridade competente para a emis-
6 — (Anterior n.o 5.) são da licença ambiental;
7 — No caso de projectos sujeitos a licenciamento indus- b) 10 % para cada uma das outras entidades inter-
trial, as informações referidas nos n.os 5 e 6 são solicitadas venientes, com excepção da entidade coorde-
ao proponente através da respectiva entidade coordenadora. nadora;
8 — (Anterior n.o 6.) c) O valor remanescente para a entidade coor-
9 — (Anterior n.o 7.) denadora;
10 — (Anterior n.o 8.) d) No caso de serem intervenientes três ou mais
entidades, a entidade coordenadora nunca
Artigo 19.o poderá receber menos de 40 %, sendo o restante
[. . .]
rateado em partes iguais pelas entidades refe-
ridas na alínea b).
1—..........................................
2 — No caso de projectos sujeitos a licenciamento 3 — (Anterior n.o 2.)»
industrial, o prazo referido no número anterior é de
120 dias, sem prejuízo do disposto nos n.os 3 e 4. Artigo 30.o
3 — Sempre que, a requerimento do interessado, a Alterações ao Decreto-Lei n.o 164/2001, de 23 de Maio
instalação de um estabelecimento industrial seja con- É aditado ao Decreto-Lei n.o 164/2001, de 23 de Maio,
siderada, mediante despacho dos ministros responsáveis o artigo 47.o-A, com a seguinte redacção:
pelas áreas da economia e do ambiente, como estru-
turante para a economia nacional, o prazo referido pode
ser reduzido até 80 dias. «Artigo 47.o-A
4 — No caso de estabelecimentos industriais a instalar Estabelecimentos sujeitos a licenciamento industrial
em áreas de localização empresarial e na condição de a Os procedimentos instituídos no presente diploma
actividade industrial a desenvolver integrar o âmbito da aplicam-se aos estabelecimentos sujeitos a licencia-
DIA relativa à área de localização empresarial em causa, mento industrial, com as adaptações constantes das alí-
o prazo referido no n.o 1 poderá ser reduzido, até um neas seguintes:
mínimo de 80 dias, mediante despacho conjunto dos minis- a) Todos os instrumentos de prevenção, controlo
tros responsáveis pelas áreas da economia e do ambiente. e limitação das consequências de acidentes gra-
5 — No caso previsto no n.o 1, a entidade competente ves previstos no presente diploma deverão ser
para o licenciamento ou autorização do projecto deve apresentados pelo industrial à entidade coor-
ter em consideração o EIA apresentado pelo pro- denadora do processo de licenciamento indus-
ponente. trial (entidade coordenadora), que os remeterá
6 — (Anterior n.o 3.) às entidades competentes;
7 — (Anterior n.o 4.)» b) Os pedidos de informações complementares,
aditamentos, reformulações, actualizações ou
Artigo 29.o revisões dos instrumentos de prevenção, con-
Alterações ao Decreto-Lei n.o 194/2000, de 21 de Agosto trolo e limitação das consequências de acidentes
graves são comunicados pelas autoridades com-
Os artigos 21.o e 40.o do Decreto-Lei n.o 194/2000, petentes a que se refere a alínea anterior à enti-
de 21 de Agosto, passam a ter a seguinte redacção: dade coordenadora, que os remeterá ao indus-
trial para os devidos efeitos;
«Artigo 21.o c) A aceitação do relatório de segurança pela enti-
dade competente a que refere o n.o 2 do
[. . .] artigo 17.o é por esta comunicada, de imediato,
1— ......................................... à entidade coordenadora;
d) O prazo de 90 dias a que se refere o preceito
a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . citado na alínea anterior pode ser prorrogado por
b) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . despacho do ministro responsável pela área do
c) Os prazos referidos nas alíneas anteriores podem ambiente, findo o qual terá obrigatoriamente de
ser excepcionalmente reduzidos por despacho do ser produzido acto expresso sobre o relatório de
membro do Governo com competência na área segurança;
do ambiente, que fixará os termos dos mesmos. e) O pedido de informações complementares a que
refere o n.o 1 do artigo 17.o só pode ser efec-
2—.......................................... tuado no prazo de 10 dias úteis, a contar da
3—.......................................... data de recepção do relatório de segurança,
4—.......................................... determinando a suspensão do prazo previsto no
5 — Os prazos previstos no n.o 1 podem ser pror- n.o 2 do artigo 17.o;
rogados por despacho do ministro responsável pela área f) A suspensão a que se refere a alínea anterior
do ambiente, findos os quais a entidade competente não se aplica a quaisquer outros pedidos poste-
tem obrigatoriamente de produzir decisão expressa riores de aditamentos ou informações comple-
sobre a licença ambiental. mentares;
2342 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A N.o 85 — 10 de Abril de 2003

g) Em caso de acidente grave, nos termos do ou pelos serviços competentes do Ministério da Agricul-
artigo 29.o, as obrigações de comunicação e infor- tura, Desenvolvimento Rural e Pescas para as câmaras
mação a que o industrial está sujeito são igual- municipais territorialmente competentes, após a conclusão
mente comunicadas à entidade coordenadora; do acto para cuja taxa já foi emitida a respectiva guia
h) As autoridades competentes mencionadas no de pagamento.
artigo 30.o informam a entidade coordenadora Artigo 35.o
das medidas a adoptar pelo industrial no âmbito Processos em curso
das alíneas c) e d) do citado artigo; Aos processos em curso aplica-se, com as necessárias
i) As informações e relatório previstos, respecti-
adaptações, o estabelecido no presente diploma, no res-
vamente, nos n.os 5 e 7 do artigo 38.o são comu-
nicadas à entidade coordenadora.» pectivo diploma regulamentar ou em outra legislação
conexa.
Artigo 31.o Artigo 36.o
Fiscalização
Operações de gestão de resíduos
Até à conclusão das reestruturações orgânicas em
A autorização prévia das operações de gestão de resí- curso nos organismos com competências de fiscalização
duos realizadas no âmbito da actividade industrial é efec- e de aplicação de coimas e de sanções acessórias, nos
tuada nos termos do Decreto-Lei n.o 239/97, de 9 de termos do presente diploma, mantêm-se, no caso do
Setembro, e legislação conexa, com as adaptações resul- Ministério da Economia, as competências actualmente
tantes do presente diploma e suas normas técnicas a atribuídas neste domínio às entidades coordenadoras
aprovar por decreto regulamentar, sendo dispensada a e, no caso do Ministério da Agricultura, Desenvolvi-
apresentação dos elementos de instrução do pedido já mento Rural e Pescas, à Direcção-Geral de Veterinária,
constantes do processo de licenciamento de instalação
à Direcção-Geral de Fiscalização e Controlo da Qua-
ou alteração da actividade industrial.
lidade Alimentar e à Direcção-Geral das Pescas e
Aquicultura.
Artigo 32.o
Artigo 37.o
Regulamentação técnica de actividades industriais
Actual classificação dos estabelecimentos industriais
O exercício de quaisquer actividades industriais A revogação, pelo presente diploma, da classificação
poderá ser objecto de regulamentação específica, con- dos estabelecimentos industriais em classes A, B, C e
tendo as prescrições técnicas e demais condicionalismos, D, actualmente utilizadas para efeitos de localização
de acordo com a sua natureza e riscos próprios, por nos diversos instrumentos de ordenamento do território,
forma a assegurar o respeito pelas regras básicas esta- não impede a instalação ou alteração, nos espaços orde-
belecidas no presente decreto-lei e a realização dos seus nados por estes instrumentos, dos estabelecimentos
objectivos. industriais, independentemente dos seus novos regimes
Artigo 33.o de licenciamento, desde que cumprido o disposto no
Estabelecimentos industriais sem licença de exploração presente diploma e respectivo diploma regulamentar.
1 — Os estabelecimentos industriais existentes à data
de aplicação do presente diploma sem licença de explo- Artigo 38.o
ração industrial ou cujo processo de licenciamento não Norma revogatória
tenha tido seguimento por razões de localização devem São revogados:
regularizar a sua situação, no prazo de dois anos a contar
da data de entrada em vigor do presente diploma, nos a) O Decreto-Lei n.o 109/91, de 15 de Março, alterado
termos previstos em diploma regulamentar. pelo Decreto-Lei n.o 282/93, de 17 de Agosto;
2 — O prazo previsto no número anterior pode ser pror- b) O Decreto-Lei n.o 427/91, de 31 de Outubro;
rogado por portaria conjunta do Ministro da Economia c) O Decreto-Lei n.o 207-A/99, de 9 de Junho;
e dos Ministros da Agricultura, Desenvolvimento Rural d) O artigo 28.o do Decreto-Lei n.o 194/2000, de
e Pescas, da Segurança Social e do Trabalho ou das Cida- 21 de Agosto.
des, Ordenamento do Território e Ambiente, em função
do tipo de actividade industrial exercida pelo estabele- Artigo 39.o
cimento em causa. Entrada em vigor
Artigo 34.o O presente diploma entra em vigor no prazo de 30 dias
Transferência de processos a contar da data da sua publicação.
1 — Os processos de licenciamento de estabelecimen- Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 20
tos industriais em arquivo que, de acordo com o esta- de Dezembro de 2002. — José Manuel Durão Bar-
belecido no presente diploma e respectiva regu- roso — Maria Manuela Dias Ferreira Leite — Maria
lamentação, sejam da responsabilidade das câmaras Celeste Ferreira Lopes Cardona — Carlos Manuel Tavares
municipais são remetidos pelas direcções regionais do da Silva — Armando José Cordeiro Sevinate Pinto — Luís
Ministério da Economia ou pelos serviços competentes Filipe Pereira — António José de Castro Bagão
do Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural Félix — Luís Francisco Valente de Oliveira — Isaltino
e Pescas para as câmaras municipais territorialmente Afonso de Morais.
competentes, no prazo de um ano após a entrada em
vigor do presente diploma. Promulgado em 28 de Março de 2003.
2 — Os pedidos de licenciamento dos estabelecimen- Publique-se.
tos industriais que, de acordo com o estabelecido no O Presidente da República, JORGE SAMPAIO.
presente diploma e sua regulamentação, sejam da res-
ponsabilidade das câmaras municipais são remetidos Referendado em 1 de Abril de 2003.
pelas direcções regionais do Ministério da Economia O Primeiro-Ministro, José Manuel Durão Barroso.