Você está na página 1de 31
VALEC Engenharia, Construgses e Ferrovias S.A. NORMA GERAL AMBIENTAL - LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERAGAO DO PASSIVO AMBIENTAL Visa orientar e especificar as ag6des que devem ser obedecidas com a finalidade de detectar, cadastrar, indicar solugées corretivas do Passivo Ambiental gerado pelas Ferrovias. NGL-5.03.01-16.011 Aprovado 24/07/2018 VALEG tsentaria, construgsos a NE crerrevias'S.A. LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL NORMA GERAL AMBIENTAL emia, [Ramsar [Gme [Srradorrvvwcorese (neeSosorreon | rem _| Sumério 7 1 MOTIVACAO. 2 OBIETO 3. ASPECTOS LEGAIS .. 4 DIRETRIZES 5 METODOS E RECURSOS. 5.1 Cadastramento do Passivo Ambiental 5.2. Classificagao dos Problemas. 5.3 Prioridades de Recuperacio Ambi 5.4 Projetos— Tipo 54.1. Adverténcia..... 5.4.2 Retaludamento...cnncun 5.43 Aterro de Sustentagao (figura 3) 5.44 Estabilizagdo de Bota-fora (figura 4) . 54.5 Dissipadores de Energia... 5.4.6 Solo Cimento Ensacado (figura 6)... 54.7 Gabives (figura 7)... . 5.4.8 Cortinas Cravadas (figura 8) ee soe 10 5.4.9 Impermeabilizagao Asfaltica u 5.4.10 Tela Metilica (figura 9)... ao 5.4.11 Protegto Vegetal. 5.4.12 Estabilizagao de Vogorocas.. 5.4.13 Recuperago de Areas de Empréstimos e de Extragdo de Materiais de Construgiio. $.5 RECUESOS eee passa 6 PERIODO DE VALIDADE E CRONOGRAMA DE EXECUCAO. 7 ORGAOS INTERVENIENTES E RESPONSABILIDADES . 8 CUSTOS eee naa 9 BIBLIOGRAFIA 15 10 VIGENCIA .....0 3 VALEG Esennasia, construgses NORMA GERAL AMBIENTAL eFerroviae SA LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL Fipede Dea ‘UnaassReonaat Yipee‘ Paces cases Page NORMA GERAL SUAMBDIPLAN _|DIREX.__|staozor7i6z01238__|NGLSo3.016011 | 36e31 1 MOTIVACAO ‘Tanto as construgdes como a conservacio da via permanente, como as manutencdes do material rodante podem gerar impactos sobre o meio ambiente através de acidentes ou, mesmo, de uma atuagao simplesmente despreocupada em relag&o aos fatores que o afetam Por outro lado, a existéncia das ferrovias como empreendimentos a céu aberto as deixam expostas & atuago dos fatores climaticos que, agindo em conjunto e tendo como principal agente a precipitagao pluviométrica intensa, deterioram tanto os dispositivos de protesao dos taludes (vegetacao, cortinas atirantadas, muros de arrimo, e assim por diante), como os de drenagem superficial e subterranea, bueiros e até pontes, pondo a nu o solo que fica desprotegido e passa, pela erosdo acelerada, a contribuir para a perda do capital investido na propria estrada de ferro e para 0 assoreamento dos cursos d”4gua situados a jusante Como qualquer outro passivo contabil, o passivo ambiental também deve ser administrado e contabilizado, pois ele se constitui em dividas para com a natureza, que & bem publico protegid até em nossa constituigo. Esta geréncia do passivo de ordem ambiental é meta da VALEC, garantindo e honrando o lema que utiliza: “VALEC: desenvolvimento sustentavel para o BRASIL”. 2 OBJETO Esta norma destina-se a orientar especificar as agdes que devem ser obedecidas com a finalidade de detectar, cadastrar, indicar solugdes corretivas do Passivo Ambiental gerado pelas Ferrovias cujas concessdes sto de responsabilidade da VALEC, bem como orgar as solug6es preconizadas e priorizar as ages de recuperagaio. levantamento do passivo ambiental ¢ 0 célculo de sua avaliacdo financeira (orgamento) devem ser repetidos anualmente, com a finalidade de: + Programar os servigos do ano seguinte; + Comparar os valores encontrados ano a ano para avaliar a eficécia do sistema gerencial; + Acompanhar a evolugio dos resultados obtidos com as obras ¢ servigos efetuados, permitindo a selegio dos modos mais eficazes. 3. ASPECTOS LEGAIS A necessidade de estabelecer rotinas de Gerenciamento do Passive Ambiental, deriva da aplicagao dos Prinofpios da Precauedo € do Poluidor-Pagador (ou da Responsabilizago), que orientam o Direito Ambiental brasileiro. Com efeito, constata-se que os principios do Direito Ambiental adotados pela Constituigdo Federal, tiveram forte influéncia da doutrina alema. Neste sentido, pode-se dizer que o direito do ambiente é caracterizado por trés prinefpios fundamentais: 0 principio da prevencao (vorsorge prinzip), 0 prinefpio do poluidor- pagador ou prinefpio da responsabilizagio (verursacher prinzip) € o principio da cooperagdo ou da participaco (koopegrotions prinzip). Nao obstante a importancia de todos os principios do Direito Ambiental, é preciso destacar que o Principio a Precauco se constitui no principal norteador das polfticas ambientais, & medida que este se reporta & fungao primordial de evitar os riscos ¢ a ocorréncia dos danos ambientais. Entretanto, a efetivagzo do referido Principio pressup6e a aplicacdo do Principio do poluidor pagador, porque ha de se considerar que os danos ambientais verificados devem, necessariamente, ter seus autores identificados, a fim de responsabilizé-los pelos seus atos. © artigo 225, § 10, inciso IV da Constituigao Federal expressa que: “Todos tém direito a0 meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial a sadia qualidade de vida, impondo- se ao Poder Piiblico e a coletividade o dever de preserva-lo para as presentes e futuras gerapBes.” E no “§ 1o— Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Piiblico:... IV ~ Exigir, na forma da lei, para instalago de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradacdo do meio ambiente, estudo prévio do impacto ambiental. — y VALEG see gir rvanannro ana EaictnERNGn0DOPSSSNO ANESTAL | Remee ae Se a a Convém, a titulo de esclarecimento do conceito do prinefpio da precaugao, citar Derani: “Precaugao cuidado. O principio da precaucao esta ligado aos conceitos de afastamento de petigo e seguranga das geragdes futuras, como também de sustentabilidade ambiental das atividades humanes. Este princfpio é a tradugdo da busca da protepdo da existéncia humana, seja pela protecdo de seu ambiente como pelo asseguramento da integridade da vida humana. A partir desta premissa, deve-se também considerar nao s6 © risco eminente de uma determinada atividade, como também os riscos futuros decorrentes de empreendimentos humanos, 0s quais nossa compreenséo ¢ 0 atual estégio de desenvolvimento da cigncia jamais conseguem captar em toda densidade [...]. (1997, p. 167).” Dessa forma, 0 principio da precausio implica uma aco antecipatéria & ocorréncia do dano ambiental, 0 que garante a plena eficdcia das medidas ambientais selecionadas. Neste sentido, Milaré assevera que "Precaugao € substantivo do verbo precaver-se (do latim prae = antes e cavere = tomar cuidado), e sugere cuidados antecipados, cautela para que uma atitude ou ago nao venha resultar em efeitos indesejaveis." No direito positivo brasileiro, o principio da precaugao tem seu fundamento na Lei de Politica Nacional do Meio Ambiente (Lei 6.938, de 31/08/1981), mais precisamente no artigo 4, I e IV, da referida lei, que expressa a necessidade de haver um equilibrio entre o desenvolvimento econémico ¢ a utilizacio, de forma racional, dos recursos naturais, inserindo também a avaliagdo do impacto ambiental. Salienta-se, que os referidos princfpios da precaugio ¢ da responsabilizagao foram expressamente incorporados no ordenamento juridico brasileiro através do artigo 225, § lo, V, da Constituigéo Federal e, também, através da Lei de Crimes Ambientais (lei 9.605/1998, art. 54, § 30). 4 DIRETRIZES Passivos Ambientais sio 0s efeitos externos negativos (ou seja, as externalidades com prejufzo) gerados pela existéncia e/ou operagéo da Ferrovia, portanto, sto prejuizos gerados pelas Ferrovias de responsabilidade da VALEC e que incidem sobre terceiros. Como exemplos de Passivo Ambiental da Ferrovia — sem esgota I6 - podem ser citados: + Desigues de drenagens de obras de arte correntes da Ferrovia que, por qualquer motivo, causem instalaco de processos erosivos e ravinamentos em areas de terceiros; + Instabilidade de taludes de cortes e de aterros, que atinjam ou ameacem atingir propriedades de terceiros; + Assoreamentos de elementos de drenagem, naturais ou ndo, causados por processos erosivos instalados na faixa de dominio e que se estendem, ou que ameagam se estender para propriedades de terceiros; + Alagamentos gerados pelo dimensionamento insuficiente de obras de arte; + Terrenos utilizados para instalacao de acampamentos, areas industriais e outras de apoio as Obras de Implantacdo da Ferrovia, no recuperadas ou com recuperagao néo consolidada, propiciando 0 surgimento de erosdes superficiais, ravinamentos ¢ conscquentes assoreamentos em regides lindeiras. Neste mesmo sentido, ¢ importante registrar que a natureza, ou o meio ambiente, tem de ser tratado como “terceiro”, pois nao se trata de uma propriedade da ferroviaee sim um bem puiblico. O fato de sua propriedade ser difusa entre todos os membros da sociedade nao dé a Ferrovia, ou as suas instalagGes de apoio, o direito de poluir ow dilapidar impunemente. E por isto que mesmo que nao sejam identificados “terceiros”, qualquer perda, ou ameaca de perda de qualidade dos Recursos Naturais deve ser incluida na conta do Passivo Ambiental e ser gerenciada junto com este, pois € parte dele. Evidentemente, podem existir processos idénticos gerados por terceiros sobre a estrada. So passivos ambientais que também devem ser tratados no ambito da Ferrovia, como forma de evitar prejuizos maiores. Entretanto, os custos da intervengao devem ser recuperados pela cobranga dos responsaveis pela gera do passivo, mesmo que seja necessério 0 uso da via judicial. VALEG =sennaria, construzses NORMA GERAL AMBIENTAL (Ferroviae S.A LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERAGAO DO PASSIVO AMBIENTAL Tee Donen: UncassReperavel—‘awomso Roo ceaae, Fier NORMA GERAL SUAMBIDIPLAN —_|DIREX | stacz.o17ise620123¢ _|NGLSo3.0116011 | Sees 5 METODOS E RECURSOS 5.1, Cadastramento do Passive Ambiental © cadastramento do passivo ambiental compreende a anélise e registro de problemas ocorrentes internamente 4 faixa de dominio em evolugio para areas adjacentes ¢ vice — versa. Para realizé-lo deverd ser usado o formulério sugerido na tabela 1 Preenchimento do formulério: (1) Cabegalho: autoexplicativo; (2) Localizagio: refere-se ao quilometro da ferrovia onde o problema foi detectado; (3) Lado: Direito ou Esquerdo, observado no sentido crescente da quilometragem, ou Ambos; (4) indicar se 0 problema esta a Montante da estrada, ou a Jusante dela ou Ambos; (5) Discriminagao do problema: indicagdo priméria do problema, (eroso-ER, escorregamento -ES, recalque -RE, et.); (6) Classificacao do Problema: complementa a discriminacao, conforme as tabelas 2 até 6 (erosio em sulcos, escorregamento por compactagao deficiente, recalque por problema de fundacao, outro); a informago também pode ser registrada pelos niimeros, conforme mostrados nas tabelas 1 até 7; (7) Material: registrara os materiais predominantes no local da ocorréncia, classificados de acordo com a Especificacao da VALEC: 80 — ES — 000F — 17 - 7003 CORTES. (8) Vegetacao: informara 0 tipo de cobertura vegetal pastagem; capoeira, mata, floresta plantada, frutiferas, agricultura, outra; (8) Presenca de Agua: informagdo a ser anotada se a presenga da agua (seja superficial, seja subterrénea) influir no problema detectado ou na solusdo a ser indicada; (9) Outras Indicagées: preenchimento apenas se o cadastrador observar fendmenos associados; (10) Gravidade: o problema seré enquadrado segundo esti estabelecido na tabela 7; (11-A) Ages Ambientais Recomendadas: apresentagdo da solugao indicada, com croquis, deserisao, dimensdes aproximadas ¢ quantidades de obras ¢ servigos. Para isto poderdo ser usados os projetos-tipo anexados a presente norma, desde que sejam considerados suficientes para ‘compensar passivo que estiver em andlise; (J1-B) Podem ser complementadas por Agdes Ambientais Complementares: onde devem ser descritas as ages complementares que sdo julgadas necessérias e que nao se refiram as obras, de correedo (por exemplo: “remogao de invasores da faixa de dominio”; ou “ampliaedo de buciros de estrada de rodagem a jusante”; ou providenciar treinamento contra incéndios para ‘05 moradores lindeiros”, ou outra); (12) Orgamento: quantidades estimadas e pregos unitérios dos servigos; (13) Recomenda-se que seja sempre providenciada uma Documentago Fotogrifica, que poder ser colada no verso de cada uma das fichas. VALE Ensentaria, construgses ‘NORMA GERAL AMBIENTAL ce Forrovine S.A. LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL Fp Doane (ssaieRemenenes —_‘[aposyio | Pesaro les Taine NORWMA GERAL SUAMBDIPLAN _[DIREX’ _|staozor7tem01238 _|NGLSo301-16011 | 6de31 TABELA 1 Frente ‘Segmento: km ao km Regio: () Plana () Ondulada ( ) Montanhosa () Escarpada Localizagéo Discriminagao km.) do Problema Megetagap Lado? Classificagao Presenga D?E?A? do Problema de agua? Montante? ; Outras Jusante? Material tees Indicagées Verso Gravidade ‘Operacéo Faia de Regiéo Dominio lindeira ‘Agdes Ambientais Recomendadas ‘Orgamento Documentario Fotografic [ VALEG Ersrsatn,conrosos NORMA GERAL AMBIENTAL LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERAGAO DO PASSIVO AMBIENTAL (Fervovias Se NORMA GERAL __|SUAMBIDIPLAN [ema DIREX cass: Fear 51402.0171162012-88 _[NGLSosot-t6011 | 7031 5.2 Classificagao dos Problemas ‘Nas tabelas de nimeros 2 até 6 estio apresentados e codificados os problemas que ocorrem normalmente na Ferrovia Norte — Sul. A codificagdo tem por objetivo agilizar o levantamento de campo e 0 processamento dos dados. TABELA 2 Problemas em Cortes (04) associada a obras, de drenagem Erosdes (ER) Escorregamentos (ES) pees ael | (13) de estruturas (01) em sulcos residuais (02) diferenciada (07) devido a inclinagao (14) por descalgamento (03) longitudinal em acentuada plataforma (08) a0 longo de estruturas residuais (08) no contato Rolamentos de (19) ravinamento (20) erosao interna Blocos (RB) (05) ravinamento solofrocha (1) por satura (iS) _rolamentos : 1 evolugto de Desagregagao coe Ia de blocos Superficial (DS) (12) em corpo de talus (06) desagregacao ‘superficial TABELA3 Problemas em Aterros Erosées (ER) Escorregamentos (ES) Recalques (RE) (16) em sulcos (21) por problemas de (17) longitudinal em fundagao (25) por problemas de plataforma (22) por problemas no fundagao (18) associada a obras de corpo do aterro (28) por mé compactacao drenagem (23) sobre OAC. (24) por fala nos sistemas (28) por falha nos sistemas de drenagem e de drenagem e protecao superficial protego (cobertura) de corpo do aterro (27) sobre OAC superficial TABELA 4 Problemas em areas de uso para apoio as obras, Erosées (ER) Escorregamentos (ES) (28) em sulcos, no talude (80) diferenciada, no talude (31) ravinamento, no talude (82) em suleos, no terreno (83) ravinamento, no terreno (34) devido a inclinagao acentuada (35) ao longo de estruturas residuais (36) no contato solo rocha (37) por saturagao (38) por evolugao de erosao VALEG Exgertarin constrossos NORMA GERAL AMBIENTAL LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL NORMA GERAL, (UazateReporoiet —_[apovento SUAMBIDIPLAN _|DIREX 51402.01711672012-38 ‘Salas Fas NGLSca01-16.011 | sce3t TABELA 5 Problemas em areas de bota — foras Erosées ( ER) Escorregamentos ( ES ) (29) em sulcos, no talude | 0) em sulcos, na plataforma | (41) eroséo interna (42) ravinamento, no talude (43) ravinamento, na plataforma (44) por problemas de fundago (45) por deficiéncia na compactagao TABELA 6 Ocorréncias de Assoreamentos Ocorréncias de Alagamentos (46) por problemas em corte (47) por problemas em aterro (48) por problemas em areas de uso para apoio as obras (60) por problemas em OAC (61) por problemas em OAE (62) por faiha no sistema de drenagem (53) por bloqueio de linhas de drenagem (49) por problemas em bota-foras 5.3. Prioridades de Recuperacao Ambiental (54) em areas de uso para apoio as obras A ordem de prioridade para os servigos de recuperacdo ambiental deve ser feita obedecendo a tabela 7, partindo da menor para a maior prioridade numérica estabelecida. Podem ser estabelecidas inversdes de prioridades nos seguintes casos: ‘Surgimento de passivos de grandes dimensGes, com cardter catastréfico; + Associar a corregdo de passivos de menor prioridade que se localizem proximos de outros de maior prioridade, visando reduzir custos de mobilizagio e de administragao do conjunto de obras servigos. + Em quaisquer casos, as invers6es de prioridades deverdo ser justificadas, com a documentagio correspondente arquivada junto com os registros da Gesto do Passivo Ambiental. TABELA7 Gravidade da Situacio Gerada pela Ocorréncia do Passive Cadastrado Em relagio a Regiao Em relacSo 4 Operacio Em relacao a Faixa Lindeira Ferroviaria de Dominio Fiore [mere | Pitde? [neice ‘| Pine [ ive Tee priosdases | mines | icicaaea | meets | prices | Popa Fores potencial ‘Sem 4 ‘Sem ‘Nao oe VALE. Ersernaria, construgsee NORMA GERAL AMBIENTAL fe Ferroviae S.A. LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL Feo Donner UndaisRemerasa—‘awomsis [Peo cong ara INORMA GERAL SUAMBIDIPLAN —_[DIREX _|staozor7tremo1238__|NGL-So3.0116011 | 96e3 5.4 Projetos — Tipo 5.4.1 Adverténcia Os projetos-tipo apresentados a seguir podem ser adotados diretamente pelas equipes de conservagao das Ferrovias, bastando atribuir-Ihes as dimens6es especificas caso a caso. O conjunto apresentado néo abrange a totalidade das solugdes para os problemas que surgiréo ao longo da vida itil da ferrovia e, em especial, no envolvem os problemas mais complexos de estabilidade (mecanica dos solos e das rochas), os quais exigem projetos especificos para cada local. Entre tais solugGes especiais esto os muros de arrimo, as cortinas atirantadas, as micro-estacas, os drenos horizontais e as injegSes de cimento, por exemplo.. 5.4.2 Retaludamento retaludamento sera indicado apés estudos geotéenicos que viabilizem sua execugdo compreendendo: + Reduedo da inclinagao do talude original ou reconformasao de taludes erodidos/escorregados: remogo de parte do material do talude original objetivando alteragdo no estado das tenses em ago no macigo (Figura 1); + Criagdo de banquetas: permite a reducdo da inclinagao do talude original, proporeionando melhoria na estabilidade (Figura 2), + A implantagdo de drenagem e de protepo superficial é essencial nas obras de retaludamento, pois reduzem a infiltrago no terreno e conduzem as éguas de superficie e dispositivos adequados & sua dissipacao. 5.4.3. Aterro de Sustentaco (figura 3) Consiste no confinamento da superficie de ruptura pela execugdo de aterro na base do escorregamento, de acordo com as seguintes etapas construtivas: + Preparacdo da superficie de contato entre o talude original e o aterro de sustentagao através da execucdo de degraus; * Execugdio de colchao drenante na drea da base do aterro; + Execugdio do aterro; + Implantagao de sistema de drenagem superficial (canaletas, descidas d'égua, ete.) + Implantagdo de cobertura vegetal. 5.44 Estabilizagéo de Bota-fora (figura 4) A pratica comum de execusao de bota-foras tem sido a de transportar os excessos de material até a boca dos cortes, ou pouco além, depositando-o sem qualquer compactacdo, muitas vezes sobre talvegues. A erosao do material depositado é frequentemente répida, levando ao assoreamento da rede de drenagem natural, que perde a capacidade de vaza0, reduz o potencial do uso de varzeas assoreadas por solo mineral, mata a vegetagio existente, polui os mananciais e até impede a sobrevivéncia de algumas espécies aquiticas, ao mesmo tempo em que pode criar condigGes para a proliferagio de vetores indesejéveis. Recomendagdes para recuperaeao de bota-foras em degradacao: + Reconformar os taludes do bota-fora usando as recomendagées do item 5.4.2. — figuras | ¢ 2; + Construir dique de contengo, com material compactado, no entomo do bota- fora; + Implantar sistema de drenagem superficial (canaletas, descidas d'é + Implantar cobertura vegetal em toda a superficie do bota-fora, VALEC Fnsertera, construgses NORMA GERAL AMBIENTAL ererroviae SA LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL NORMA GER DiREX —_|staozot7it62012-38 _|NGL-Sc301-16011 | s0¢e32 NORMA GERAL 5.4.5 Dissipadores de Energia Os enrocamentos de pedra de mao argamassada (Fig. 5) deverdo ser implantados como dissipadores de energia nos deségues dos sistemas de drenagem superficial e profunda que apresentarem o surgimento de processos erosivos. O proceso executivo compreenderd: + Escavaco manual ou mecdnica do terreno na extremidade de jusante do dispositivo cujo fluxo deverd ter sua energia dissipada, atendendo as dimensdes de projeto; + Compactagao manual ou mecénica da superficie resultante apés escavagio; + Preenchimento da escavacdo com argamassa até a metade da altura do dissipador (entre 5 e 7 cm) e + Imediata colocacdo das pedras-de-mao, executando de modo a sobrar o menor niimero de vazios possivel e, ao mesmo tempo, gerar uma superficie muito irregular com as pedras; + O diametro médio da pedra-de-mao deve se situar na faixa de 10 a 15 em; + Sempre evitar escavacbes excessivas que posteriormente requeiram complementag&o com solo local, aso que gera possiveis pontos frégeis. 5.4.6 Solo Cimento Ensacado (figura 6) Pode ser utilizado tanto na proteso superficial de taludes, como na fungi de muros de peso, atuando muitas vezes nas duas fungdes, como, por exemplo, quando aplicado na obturagio de erosbes em taludes. O solo cimento € acondicionado em sacos de aniagem ou de geossintéticos para facilitar © proceso construtivo. Quando a mistura solo-cimento se solidifica, os sacos deixam de ser necessérios em termos es (figura 7) Os gabi6es s4o utilizados para protecdo superficial de encostas, protegao de margens de rios ¢ também como muros de peso. Compreendem estruturas drenantes ¢ relativamente deformaveis, 0 que permite 0 seu uuso no caso de fundagdes que apresentam deformagGes maiores. Devido & sua simplicidade construtiva, os muros de gabi6es vém sendo muito utilizados como contengao de aterros e de encostas em obras de menor porte. Para aumentar a vida ditil devem ser tomados cuidados especiais, visando evitar a corrosio dos arames constituintes das "gaiolas” ou sua depredagdo, através do revestimento dos fios de arame com PVC ou da argamassa mento da superficie externa Os gabides dividem-se em trés tipos, a saber: + Gabides saco - Sao constituidos por uma tinica tela de rede que forma um cilindro, aberto em uma extremidade (tipo saco) ou do lado (tipo bolsa); + Colchdes Reno - Os colchdes tipo reno, sto gabides cuja caracteristica é a reduzida espessura (0,15m x 0,20m, ou 0,30m) e so formados por uma rede metélica de malha hexagonal que, geralmente, tem malhas menores que aquela utilizada na fabricacao dos gabives; + Gabides Caixa - Os gabides tipo caixa sto elementos com a forma de prisma retangular constituidos por uma rede metélica de malha hexagonal. 5.4.8 Cortinas Cravadas (figura 8) Sto cortinas metilicas formadas com a cravagio de estacas-prancha, verticalmente ao terreno, frequentemente utilizadas em obras provisérias ou emergenciais. Podem ser continuas, compond NORMA GERAL AMBIENTAL LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL ‘iets Repost —‘Yaprungio ‘Process ‘ales Fagin SUAMBIDIPLAN _|oIREX | sr4ozo17116z0129e _|NGL-So3.0r-t6011 | 11¢es NORMA GERAL estruturas planas ou curves, ou podem ser descontinuas, quando a execuclo se dé por estacas cravadas distantes entre si, sendo este espaco preenchido por painéis de concreto armado. 5.4.9 Impermeabilizacio Asfiltica E um processo que apresenta bastante eficiéncia na protegdo superficial de taludes a erosio ¢ infiltragses, compreendendo aplicagdo de camada de asfalto diluido (emulsio ou a quente) por rega ou preferencialmente, por asperstio. Como inconvenientes apresenta pouca resisténcia 4 insolacdo © 0 mau aspecto visual, devendo ser evitado em locais onde se deseja manter ou recompor a harmonia paisagfstica. Entretanto, pode ser usado em emergéncias, pois a oxidacio do asfalto gera residuos que sto metabolizados pela vegetaga 5.4.10 Tela Metilica (figura 9) Consiste na utilizagao de tela metalica fixada a superficie do talude por meio de chumbadores, em locais onde existe a possibilidade de queda de pequenos blocos de rocha, com o consequente descalcamento instabilizagao das areas sobrejacentes. A tela deve estar protegida contra corrosio, principalmente quando instalada em meio agressivo. Para tanto, ¢ usual o emprego de telas com fios galvanizados ou, ‘modernamente, também envoltos por capas plisticas. 5.4.11 Protecdo Vegetal Agdes Prévias. Qualquer que seja 0 processo de protecdo vegetal seré indispensavel que a drea esteja Grenada e preparada para receber o plantio. Assim, antes de proceder ao plantio, deverd ser providenciada a andlise agrondmica do solo, a qual permitira especificar as necessidades de calagens e adubagbes. Caso ainda estejam disponiveis, 05 estoques de solo vegetal enriquecido com os restos organicos da limpeza do terreno (“mulching”) deverdo ser recuperados e espalhados sobre as superficies que devem ser revegetadas, pé escarificadas, e logo depois de incorporados através da mistura com o uso de grades de discos. Processos de Obtencio da Protegio Vegetal. Deve ser obedecida, também, a Norma Ambiental VALEC NGL-5.03.01-16,003 — Recuperacao de Areas Degradadas. + Grama em Leivas (ou Placas) — em virtude dos custos altos (se comparados aos da hidrossemeadura, p.ex.), usam-se coberturas com placas nos casos em que se dispie de facilidades de aquisigao e quando existe necessidade de cobertura imediata de terrenos fridveis ou nao consolidados; + Plantio de Grama em Mudas — usado em casos de terrenos planos ou de pouca declividade; + Semeadura e Hidrossemeadura - em qualquer tipo de terreno, com inclinagdes de até 45° (ou 1:1); + Arborizacao - O plantio de drvores e arbustos deverd ser executado de acordo com as necessidades de cada espécie, conforme recomendado pelos fornecedores; + Plantio com cordées de sustentagdio (Figura 10) - Este processo garante a sustentacdo do plantio em taludes mais longos ¢ com inclinagao acentuada, pois evita 0 escoamento das aguas superficiais por grandes extensdes. Compreende a seguinte sequencia de construgai © Regularizagio topografica, correso do pH e adubagio da superficie a estabilizar, adigo de solo organico; © Cravagdio de estacas de sustentagéo; © Execugdo do cordio de sustentac&o (malha de gravetos trangados, fixados com arame); © Plantio com sementes e/ou mudas. + Plantio Escalonado (Figura 11) - Este processo garante a sustentaco do plantio em taludes com inclinago acentuada, através da construgio de degraus. Compreende a seguinte sequencia de construgao: \ 7 ai NORMA GERAL AMBIENTAL. VALEG srecntaris, construgses eFerroviae S.A. LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL “ps eo Doneer ‘nssseRemonene [ipo [Pecans ‘een Fine NORMA GERAL SUAMBIDIPLAN _|oIREX | si4o2.01711601238 __INGL-5.3.01-16011 | s2de31 © Recorte dos degraus, cravagao das estacas verticais e trancamento dos espelhos com bambu, reso com arame; © Preenchimento dos espagos entre o terreno € 0s espelhos € regularizagdo topografica; (© Corregao do pH e adubacdo da superficie dos degraus, incluindo a adigao de solo organico, se ainda houver estoques; © Plantio com sementes e/ou mudas. 5.4.12 Estabilizacao de Vocorocas As vororocas sd0 o resultado de processos erosivos muito répidos, as vezes instalados em pouces horas de ‘uma tinica chuva mais intensa, sendo sua estabilizacdo, ao contrério, um processo dificil, caro e longo, exigindo dedicapao das equipes de conservac4o da estrada durante muito tempo. Embora o desencadeamento do processo de formagao da vogoroca normalmente esteja associado & descarga inadequada de um tinico dispositive de drenagem, os processos de estabilizagao exigem 0 controle da velocidade de toda a 4gua que flui para a vogoroca, seja ela de corrimento superficial, seja do lengol subterraneo, ou mesmo, de vazamentos / descargas dos servigos piblicos urbanos de gua e esgoto, pois, iniciado o processo, todas as fontes passam a contribuir com a destruicao. A recuperacao das reas atingidas por uma vororoca envolve os seguintes passos: + Reconstrugdo das obras que deram origem & vogoroca, com recondugao da descarga correspondente até 0 fundo do talvegue, a jusante da vogoroca, ou em locais seguros de outros talvegues, com construgao adicional de dispositivos especiais para dissipagdo de energia (ver item 4.2.5. fig.5); + Desvio das aguas superficiais que se dirigem aos bordos dos barrancos da vogoroca, através de canalizagdes seguras (valetas revestidas), com condugdo das 4guas até o fundo de um talvegue nao atingido pelo fendmeno. A descarga deve ser feita em local especialmente protegido com dissipadores de energia; + Se necessério, realizar a captagdo das aguas subterrineas com barbacds (rebaixando o lengol fretico) e conduc&o por canaletas revestidas, construidas no fundo das vogorocas; © Barbacas sao tubos horizontais curtos, instalados para coletar éguas subterréneas dos macigos, rebaixando o nfvel do lengol freético reduzindo assim a pressao neutra; © O rebaixamento de Lengo! fredtico em taludes também pode ser obtido por aplicacao de drenos sub-horizontais. Os drenos sub-horizontais profundos sao tubos de drenagem, geralmente de PVC rigido com perfuragdes, com didmetros entre 25 ¢ 75mm, instalados em perfuragSes sub- horizontais, visando & captagdo da 4gua de percolacdo interna de aterros ou cortes saturados. ‘Também sZo utilizados na estabilizacdo de massas de télus, e como drenos auxiliares em obras de contengio onde o processo construtivo nao permite a execugdo de barbacas com a utilizagao de filtros de transigao. Os tubos devem ter a extremidade interna obturada (evitando a entrada de material que 0 colmate) € a extremidade externa livre, com pelo menos Im para fora da superficie do terreno ou da estrutura de contengo. O trecho perfuurado dos tubos deve ser envolvido com filtro de geotéxtil ou tela de nylon (ver fig. 12) © As canaletas revestidas devem ser construidas ou ao longo de toda a vogoroca, quando sto pequensas, ou desde a cabeceira da vocoroca atéa primeira barragem permedvel, descrita adiante; © Se a profundidade da vogoroca exigir, deverdo ser construidas descidas d’4gua em degraus, como modo de garantir a dissipagao da energia (ver fig. 13); + Seas vogorocas jé tiverem grandes dimens0es (alturas maiores do que 4m e/ou extensdes superiores 50m), dificilmente sero estabilizadas com o preenchimento da cava. Estes casos devem ser tratados com: \ NORMA GERAL AMIBIENTAL aia, Co a VALEG Sreracn Sere eyanramento aNUALE RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL ices some aia Remsahat swage [ams soa a NommceRa —_|suamaoian [oinex’ —|staazoirrrez0i298 [NGL Sosor-eory | 134031 ‘© Construgao de barragens permeaveis, ao longo e no fundo da vogoroca, que deverto funcionar como dissipadores de energia; © A jusante de cada barragem deverd ser construfda uma bacia de amortecimento para 190 de energia sem causar novas erosbes; ‘© A distancia entre duas barragens sucessivas deve ser estabelecida de modo que o vertedouro de uma barragem sempre fique em cota igual ou superior & cota do pé da barragem anterior, evitando a instalaeao de corredeiras entre as barragens sucessivas; ‘0. Revegetaciio dos bordos dos barrancos com espécies de crescimento répido e enraizamento denso e profundo (bambus e vetiver, por exemplo); © As barragens podem ser construidas com diversos materiais e de diversas maneiras, tais como: ( Barragens em gabides (ver fig. 14); 0 Barragens permedveis de madeira (ver fig. 15); (0 Barragens de massa vegetal (ver fig. 16): © Plantio de espécies definidas em projeto; © Irrigagio; © Acompanhamento e manutengao. 5.4.13 Recuperagao de Areas de Empréstimos e de Extracao de Materiais de Construgao Normalmente, o reespalhamento da camada vegetal (se reservada & época da remocio) e/ou plantio de mudas de drvores e arbustos podem reverter 0 processo de degradacio destas Areas. Deve-se registrar que 08 solos expostos estdo sujeitos a incidéncia direta as Aguas pluviais, tomando-se altamente suscetiveis a erosio, 0 que pode exigir, em alguns casos, a instalacdo de dispositivos de drenagem antes de inicier 0 processo de revegetacko, A recuperagao da érea deve obedecer as seguintes etapas: + Escarificagao da area; + Espalhamento do solo organico; ou, altemativamente, * Correpdo do pH (calagem) e adubacdo; + Gradeamento para homogeneizarao dos solos; + Plantio de espécies definidas em projeto: + Trrigas + Acompanhamento manutengAo, 5.5 Recursos (Os quadros a seguir dimensionam os recursos necessérios para o levantamento anual de trechos ferroviarios da ordem de duzentos (200) km continuos, aproximadamente, tarefa que deve ser realizada durante os periodos de menor pluviosidade (secas) do ano onde se localizam os segmentos a levantar. \ a NORMA GERAL AMBIENTAL VALEC Serre Saree vataMENTo ANAL E RECUTERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL ea nomen Tits Rasa seat [mee cies rae NOSuAGeR ——_[SUAMBDIAN —_[SIREX' | staozorrttezo12ee [Net Sosorseors | sedea era aa en ea s (Coordenador Seti PI 1 Hixmés 05 2 1 Fngenheio Mia 7 Tenis 7 z z Cadista TI 2 [axes 1 2 4 “Topégrafo 7 T_|Hemés 1 2 a “Aunilares ; | xis 2 6 avenge si [eee ae : | Motorist a 2 [ mis 7 z fe To Sie Pet Computador porttil eq igs 2 2 4 Computador de mesa equines 1 2 2 ‘impressoras equim 1 2 2 GPS e Mag, Fotogrifica eq. ines 3 2 6 vefoulos 4X4 Yeielmés 2 2 4 material de eseritério vbaimés 1 2 2 6 PERIODO DE VALIDADE E CRONOGRAMA DE EXECUCAO Esta NGL terd validade durante toda a vida ttil das Ferrovias, desde a fase de projeto até a de conservagao da via permanente, quando o passivo ambiental sera gerenciado e recuperado segundo os programas anuais preparados de acordo com esta NGL. Para que tenbia reflexo nos balangos empresariais, o levantamento do passivo ambiental deve ser anual ¢ permitir a comparagao entre os custos de recuperagao ano a ano. 7 ORGAOS INTERVENIENTES E RESPONSABILIDADES VALEC. A VALEC é 0 empreendedor e responsavel pela execugdo e manutenedo das obras obedecendo esta NGL, bem como todas as outras que fazem parte dos projetos voltados implantagao e & conservagao da Ferrovias. E 0 érgo contratante e principal fiscal da aplicagio desta NORMA. A VALEC poderd contratar consultores para servigos especializados e de apoio, visando & boa execugdo de seus Planos, Projetos, Obras e Servigos, ¢ eles delegar a responsabilidade de projetar e de acompanhar a execucdo dos servigos, bem como de atestar a conformidade com a qualidade ambiental esperada. IBAMA e Orgios de Licenciamento Ambiental Estaduais. O IBAMA e os organismos estaduais de licenciamento ambiental sao os responsiveis pelas atividades de licenciamento, conforme definidas pela Resolugzo 237/97, e pela fiscalizagao dos atendimentos das condigbes estabelecidas nas licencas concedidas (Licencas Prévia; de Instalacdo ¢ de Operacdo), bem como pelas suas renovarbes. Terceiros Contratados. Projetistas responsavels pelo gerenciamento do Projeto Executivo e do Passivo Ambiental e/ou pelos servigos de supervisto e controle de qualidade das obras; construtoras responséveis pelas obras que geraram os passivos ambientais e construtoras contratadas para os servigos de conservacéo. 8 CUSTOS Os custos dos programas anuais de redugo dos passivos ambientais estardo inclufdos nos orgamentos (quantidades e pregos unitérios) previstos para a conservacao de cada um dos trechos. As obras sero pages segundo as quantidades executadas e os pregos unitérios efetivamente contratados. A implantagio de vegetagao rasteira (gramineas e leguminosas) sera medida em érea (metros quadrados cefetivamente recoberta por vegetacdo Viva; jd as drvores, arvoretas e arbustos serdo medidas: res NORMA GERAL AMBIENTAL Engenharia, VALEC Syren LEVANTAMENTO ANUAL ERECUPERACKO DO PASSIVO AMBIENTAL Tee oe Doane: UessseResporcacl — iewrege [Procene aa Fig NORMA GERAL, SUAMBDIPLAN —_|IREX’ —_|er4ozo17itemot2se _|NGLS.03.01-6011 | 35de31 + Apés o término do plantio, contando o total de espécimes transplantados; + Noventa (90) dias apés 0 plantio, contando apenas os espécimes comprovadamente vivos; + Duzentos ¢ dez (210) dias apés 0 plantio, contando apenas os exemplares comprovadamente estabelecidos através da brotagao. © pagamento sera efetuado em parcelas, de acordo com as medigbes, da seguinte forma: + 40% (quatenta por cento) do prego unitério por muda plantada, contados todos os espécimes plantados, apés 0 plantio; + 40% (quarenta por cento) do prego unitério oferecido por muda plantada, multiplicado pelo total de espécimes vivos, medidos conforme a alinea (b), acima; + 20% (vinte por cento) do prego unitirio oferecido por muda plantada, multiplicado pelo total de espécimes vivos, medidos conforme a alinea (c), retro. © prego unitario para execugdo dos servigos remuneraré a utilizago de equipamentos, veiculos ferramentas, remogdo, transporte replantio dos espécimes, abertura das covas, adubos, defensivos, regas € ‘manutengdo apés 0 plantio, pessoal e mao de obra, encargos ¢ tudo mais necessério 4 completa execugdo dos servigos. 9 BIBLIOGRAFIA ALMEIDA, Luiz Cléudio Carvalho de. Responsabilidade Civil por Danos Ambientais. Disponivel em http:/www.fdc.br/artigos.htm . Acessado em: 15 de outubro de 2009. AYALA, Patrick Araijjo, in: LEITE, Rubens Moraes (Org.). Inovagdes em Direito Ambiental, Florian6polis: Fundagéo Boiteux, 2000. BELLIA, Vitor ~ Introdugao 4 Economia do Meio Ambiente (1996) - Edigdes IBAMA BELLIA, Vitor e Bidone, Edison (1993) — Rodovias, Recursos Naturais e meio Ambiente EGUFF/DNIT; BELLIA, Vitor et alii — Introdugo ao Gerenciamento Ambiental de Estradas (2006),Fundagto Ricardo Franco (IME) / DNIT BRASIL. Constituigao da Repiiblica Federativa do Brasil. 27. ed. Sto Paulo: Saraiva,2001 Lei 6938, de 31 de agosto de 1981. Dispde sobre a Politica Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulagao e aplicacdo e dé outras providéncias. Publicada no Diétio Oficial da Unido em 02/09/1981. ____. Lei 9605/1998 —Lei de Crimes Ambientais ~ publicada no DOU em 12 de fevereiro de 1998, www.planalto.gov.briceivil_03/Leis/L9605.htm consultada em 14 de junho de 2010. COLOMBO, Silvana Brendler ~ O Principio da Precaugao no Direito Ambiental-JUS Navegandi Elaborado em 07.2004. Disponivel em _http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=5879 acessado em 15 de junho de 2010. DERANI, Cristiane. Direito ambiental econdmico. Sao Paulo: Max Limonad, 1997. DNIT/OIKOS (2002) — Levantamento do Passivo Ambiental da BR-101 Nordeste. MACHADO, Paulo Afonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. Sao Paulo: Malheiros, 2001. MILARE, Edes. Direito do ambiente: doutrina, jurisprudéncia, pratica, glossdrio. Sao Paulo: RT, 2000. VALEC/DIREGAO (2001) ~ Levantamento do Passivo Ambiental do trecho Agailandia Porto Franco di ‘ FNS; VALEG frti,comterne LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL, NORMA GERAL AMBIENTAL |SUAMB/DIPLAN Peon lDIREX 61402.01711672012-38 NGLS.03.01-16.011 Pipa a6de3 NORMA GERAL VALECIOIKOS (2001; 2007 € 2010) —Normas Ambientais da VALEC. ‘VALECIOIKOS (2008)— Levantamento do Passivo Ambiental da Ferrovia Norte ~ Sul, Trecho Acaildndia ‘Araguaina, VALECIOIKOS (2009) — EIA e RIMA da Extensto Sul da Ferrovia Norte — Sul. ‘VALECIOIKOS (2010) EIA e RIMA da Ferrovia de Integracto Oeste — Leste. ‘Engenhar i 1s NORMA GERAL AMBIENTAL VALEG Decrees aeruammero Ana a ERS ean RINT a " — INORMA GERAL {SUAMBIDIPLAN DIREX. 51402.017116/2012-38 INGL-5.03.01-16.011 176231 Figura 1 - Redugao da Inclinagao ou Reconformagao MOTONTELADORA. COM Figura 2 - H > 5,00 m - Criagao de Banquetas CORTE COM TRATOR DE ESTERA TALUDE ORIGINAL Fusonco Pom) Ba MINISTERIO VALEG Engenharia, Construgses @® vos Transportes e Ferrovias S.A. SCALA BA NAVA 11 - PROJETOS - TIPO JAN /2002 RETAUDAMENTO. VALE Enzentaria, construsses NORMA GERAL AMBIENTAL eFerrovias SA. LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL Figo se Doameae Untes Romerciat —‘[Remvagio | Posse: ciao. oo) NORMA GERAL SUAMBDIPLAN _|DIREX_|sta0zo17ttez01228 _|NGL-S.o3.01-6011 | 18de31 = 5,00m Max Y e % 2 2 g a 3 £ 2 * o g 5 a = Reeser em degra para ‘ompansara deeontn iodo fusonon ror) YAN MINISTERIO VALECG Engenharia, Construgées DOS TRANSPORTES QIKOS : | J NAVA 11 - PROJETOS - TIPO ace san 2002 ATERRO DE SUSTENTAGAO : Engenharia, Construptes MALEC Siatenatse LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL NORMA GERAL AMBIENTAL NORMA GERAL UassteReeooene —‘dipwase [Pean ors Fane SUAMBIDIPLAN —_[DIREX’ | si40z017116m01236 _|NGL-5.03.01-16011 | 196031 ELABORADO POR: 44,2002 Figura 4 - Estabilizagao de Bota-Fora BOTA-FORA Talude Reconformado Implantar drenagem e proceder revegstagao WAN MINISTERIO VALEG Engenharia, Construgses ® bos TRaNsPontes e Ferrovias S.A. NAVA 11 - PROJETOS -TIPO ESTABILIZACAO DE BOTA-FORA Engenharia, onstage NORA GERAL AwimIENTAL VALEC fe" LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL ererrovias SA. Figs de Deamon ‘Dates Ramerseat— [apoapio | Poo Chae re NORMA GERAL SUAMBIDIPLAN _[DIREX_|si40z.or7116r201238 _|NGLS.o301-s60r1 | 20de31 Figura 5 - DISSIPADORES DE ENERGIA APLICAVEIS ’A DE BUEIROS TUBULARES SAIDAS DE DRENAGEM ‘SUBTERRANEAS E DESCIDAS D'AGUA DIMENSGES E CONSUMO MEDIO PARAUMAUNIDADE we [rene Te [Te [ears] oe as EE aes wercacanevmon] oa | vo | - | 20 | oo | oar | 02s oar | 020] CLABORADO FOR) WY MINISTERIO. VALEG Engenharia, Construgoes “@ vos Transportes © Ferrovias SA NAVA 11 - PROJETOS - TIPO. DISSIPADORES DE ENERGIA zea Fai NGL-5.0301-16.011 NORMA GERAL AMBIENTAL LEYANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL 51402.01711672012-38 Peoas lDIREX |SUAMB/DIPLAN Engenharia, Construpses VALEC Tose boner NORMA GERAL, 1O@Ps Tb Ble elke ‘SOLO-CIMENTO ENSACADO. FIGURA 6 rez corona spo TeANeVEREAL SRI ER We cotastine NORMA GERAL AMBIENTAL LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL Engenharia, Construéos eFerrovias S.A VALEC a aadea cea NGLS.03.01-16.011 51402.017916/2012-38 [peo [DIREX |SUAMB/DIPLAN NORMA GERAL GABIOES FIGURA7 ‘MMINISTERIO + *nharia, Construgées: WcclMiiRins __VALEG Sowa ono ‘cunies VALEG rsennaria, construpses NORMA GERAL AMBIENTAL SAEED ererrovias S.A. LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL Nise de Doane ee casas, Pia NORMA GERAL SUAMBIDIPLAN _|DIREX” | er40z.or7i1eiz0r2-38 _|NGL-s.03.01-16011 | 23de31 FIGURA 8 - CORTINAS CRAVADAS ESCORREGAMENTO OCORRIDO PLATAFORMA DAFERROVIA PERFIL, CRAVADO OBRAS CONCLUIDAS musty ror] 7a MINISTERIO VALEG Engenharia, Construgses DOS TRANSPORTES e Ferrovias S.A. OIKOS Date NAVA 11 - PROJETOS - TIPO Jan, /2002, ‘CORTINAS CRAVADAS VALEC Ersconara, construssos ‘NORMA GERAL AMBIENTAL ererrovias S.A. LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL "Fee Donner ‘Useaie Roepe Yapengio’ ‘Paces ‘ales Tiga] NORMA GERAL SUAMBIDIPLAN _|oIREX | sraczo17riezor2se _|NGL-5.03.01-16011 | zedes_| HAW AVS Avan AMV AW ECL Whit TN Bate wan/2002 | ESTACAS DE 11 MPa ‘CONSUMOS MEDIOS PARA UM METRO DE PERFURACAO EM SOLO OU ROCHA MANTA SINTETICA FIO DE NYLON ‘TUBO DE PVC RANHURADO 'ADESIVO PARA PVC unidades em em EiAzoRoO FoR: JN] MINISTERIO VALEG Engenharia, Construgses DOS TRANSPORTES e Ferrovias S.A. Qkos t+ er ESCALA: NAVA 11 - PROJETOS - TIPO FIGURA: wan2o02 | DRENOS SUB-HORIZONTAIS i genta conte NORMA GERAT ANRIENTAL VALEG fixroaarc LEVANTAMIENTO ANUAL EECUPERAGAO DO PASSIVO AMBIENTAL NORMA GERAL SUAMBDIPLAN —_[DIREX’ _[siaaz017it6z01298 _NGLSosors6.or | 24031 fe/8 sled fe 3 sleeaale lak . 8 [ 5 S|} Q Z & 5 Bs 38 ze 3 : : iz 3 ie BF E i 8 PE 8 ‘OnSINIO "a" envieaa na wioy aavOREO g : : : i ‘ys sunouaj@ sooisuag euewa6e3 SSTWA, = NORMA GERAL ANIBIENTAL Engenharia, Conetrupsos a VALEC Srertiac'sa LEYANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL Mpa Doarer ‘DasaieReesane— Yapmgio—‘ Pecera os i NORMA GERAL SUAMBIDIPLAN —_[DIREX” | s1a0zo17i1em01238 _INGLsc3.01-16011 | 28de31_ | Tala STA ele Tae pL vunsis SaQIaVo WW OYSNALNOO 3a sanoIa TB |e enor Te “eagiave Wa OySNaANOD 30 63ND ‘Saimodswai soa. ‘oraqusin "V8 senoiba » sopSnnsveg ovowa6iy DAWA : i 3 VALEG Ensennaria, construcses NORMA GERAL AMBIENTAL oFerroviae S.A. LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL Teese Doar Unc Raarabat —aporagio | Poo cbaae: Pian INORMA GERAL SUAMBIDIPLAN —_|[DIREX _|si4ozor7t16m01238 __|NGL-S.0301-460t1 | 29031 6 5 & 5 $ & <8 2 2 2 | R [3 | E 5 a 3 Srenamitn WV | sos somo ‘suiuoasnvai soa ‘vaow 39 oyivauniod 3087600 Vs so0ms9 —— soginnsueg ‘eueqo6u3 SSTWA Engenharia, Constugden NRA GERAL ANIENTAL VALEC Seow LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL, figs Oommen asia Reeaneacl Yipee ‘| Procere — Fase NORMA GERAL SUAMBDIPLAN —_[DIREX’ | sia0z.o17t1em01228 _|NGLSo301-16011 | s0deat Bins cancer 9b vunols ‘S3QSOU3V ALVANOO Vuvd SIVL303A SNZOVENVE ‘OnaLSINIW. ‘suiuoaswvas soa. "SaGEONA V aLV@NOD Viva SWLSDDA SHDVNVG yesnoins9 sagioasuog uewa6u3 DTA, Engenharia, Conerusee NORMA GERAL AMBIENTAL VALEC titrenac'sa LEVANTAMENTO ANUAL E RECUPERACAO DO PASSIVO AMBIENTAL Fipses oo ‘seas Respir grvagio | Pose cess Fa NORMA GERAL __|SUAMBIDIPLAN _[BiREX' | siacaot7iten0r2a8 _|NGL-so3.o1-t6011 | side3t 10 VIGENCIA @)Executiva ~ DIREX, em sua 1172° Reunitio 4 partir desta data. Esta Norma Geral Ambiental foi aprovada pela Direto Extraordindria, de 24 de Julho de 2018, ¢ entraré em (pbs