Você está na página 1de 191

DriveIT Accionamentos CA de Baixa Tensão

Manual do Utilizador

Accionamento ACS550-01 (0.75…90 kW)


Accionamento ACS550-U1 (1…150 HP)
2 Manual do Utilizador do ACS550

Manuais do ACS550
MANUAIS GERAIS

ACS550-01/U1 Manual do Utilizador (0.75…90 kW) /


(1…150 HP)
• Segurança
• Instalação
• Arranque
• Diagnósticos
• Manutenção
• Dados técnicos
ACS550-02/U2 Manual do Utilizador (110…355 kW) /
(150…550 HP)
• Segurança
• Instalação
• Arranque
• Diagnósticos
• Manutenção
• Dados técnicos
ACS550 Manual Técnico de Referências
• Descrição Detalhada do Produto
– Decrição técnica do produto incluíndo desenhos
dimensionais
– Informação sobre montagem em armário incluíndo
perdas de potência
– Software e controlo incluíndo descrições completas
dos parâmetros
– Interfaces do utilizador e ligações de controlo
– Descrições completas das opções
– Peças
– Etc.
• Guias Práticos de Engenharia
– Guias de engenharia PID & PFC
– Instruções sobre dimensionamento e tamanho
– Informação sobre diagnósticos e manutenção
– Etc.

MANUAIS OPCIONAIS
(Adaptadores de Fieldbus, Módulos de Extensão E/S etc.,
manuais entregues com equipamento opcional)

Módulo de Extensão de Saída a Relé


• Instalação
• Arranque
• Diagnósticos
• Dados técnicos
Manual do Utilizador do ACS550 3

Segurança

Aviso! O accionamento CA de velocidade variável tipo ACS550 deve ser


instalado UNICAMENTE por um electricista qualificado.
Aviso! Mesmo quando o motor está parado existem tensões perigosas nos
terminais do circuito de alimentação U1, V1, W1 e U2, V2, W2 e, dependendo
do tamanho de chassi, UDC+ e UDC-, ou BRK+ e BRK-.
Aviso! Existem tensões perigosas quando o equipamento está ligado à tensão
de alimentação. Aguarde pelo menos 5 minutos depois de desligar a
alimentação (para que os circuitos intermédios dos condensadores
descarreguem) antes de retirar a tampa.
Aviso! Mesmo quando a alimentação é desligada dos terminais de entrada do
ACS550, podem existir tensões perigosas (de fontes externas) nos terminais
de saída a relé R01…R03.
Aviso! Quando os terminais de controlo de dois ou mais accionamentos são
ligados em paralelo, a tensão auxiliar para estas ligações de controlo deve ser
uma única fonte, que pode ser ou uma das unidades ou uma alimentação
externa.
Aviso! O ACS550-01/U1 não pode ser reparado no terreno. Nunca tente reparar
uma unidade avariada; contacte a ABB local para a sua substituição.
Aviso! O ACS550 arranca automaticamente depois de uma interrupção da
tensão de entrada se o comando de operação externo estiver ligado.
Aviso! O dissipador pode atingir uma temperatura elevada. Veja o capítulo
"Dados técnicos" na página 174.
Aviso! Se o accionamento for utilizado numa rede de neutro isolado, retire os
parafusos em EM1 e EM3 (Tamanho de chassi R1…R4), ou F1 e F2 (Tamanho
de chassi R5 ou R6). Veja os esquemas na página 22 e na página 23
respectivamente.

Nota! Para mais informações técnicas, contacte a ABB local ou o fornecedor do


equipamento.

Segurança
4 Manual do Utilizador do ACS550

Uso dos avisos e das notas


Existem ao longo deste manual dois tipos de instruções de segurança:
• Notas que chamam à atenção para um facto ou condição particular, ou que
informam sobre um assunto.
• Avisos que alertam sobre as condições que podem resultar em ferimentos graves
ou morte e/ou danos para o equipamento. Também explicam como evitar o
perigo. São usados os seguintes símbolos de aviso:
Aviso de tensão perigosa alerta sobre situações em que o nível elevado de tensão
pode provocar danos fisicos e/ou danificar o equipamento.
Aviso geral alerta sobre situações que podem provocar ferimentos físicos e/ou
danificar o equipamento por outros meios que não sejam eléctricos.

Segurança
Manual do Utilizador do ACS550 5

Índice

Segurança
Uso dos avisos e das notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

Índice

Instalação
Esquema de instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Preparação para a instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Identificação do accionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Etiquetas da unidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Tipo de código . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Gamas e Tamanho de chassi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Compatibilidade do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Ferramentas necessárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Ambiente e armário indicados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Local de montagem adequado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Cabos e Considerações EMC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Instruções EMC (Europa, Austrália, e Nova Zelândia) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Marcação CE (pendente na data de publicação) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Marcação C-Tick (pendente na data de publicação) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Instruções sobre a cablagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Cabo de entrada de alimentação (Rede) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Harmónicas da corrente de linha. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Cabos do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Requisitos mínimos (CE & C-Tick) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Recomendação para esquemas condutores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Blindagens do cabo de motor eficazes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Norma para Cabos de Motor Classe A EN61800-3 e AS/NZS 2064, 1997 16
Cabos de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Recomendações gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Cabos analógicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Cabos digitais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Cabo de controlo da consola. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Instalação do accionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Desempacotar a unidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Preparação do local de instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Retirar a tampa frontal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
IP 21 / UL Tipo 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
IP 54 / UL Tipo 12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Montagem do accionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
IP 21 / UL Tipo 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
IP 54 / UL Tipo 12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Instalação dos cabos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Kit de conduta/bucins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

Índice
6 Manual do Utilizador do ACS550

Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Diagramas de ligação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Ligação de armários IP 21 / UL tipo 1 com cabos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Ligação de armários IP 21 / UL Tipo 1 com conduta. . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Ligação de armários IP 54 / UL tipo 12 com cabos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Ligação de armários IP 54 / UL Tipo 12 com conduta. . . . . . . . . . . . . . . . 27
Ligações de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Travagem opcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Redes de neutro isolado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Ligações de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Comunicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Lista de verificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Re-instalação da tampa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
IP 21 / UL Tipo 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
IP 54 / UL Tipo 12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Ligação da alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Arranque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Dados do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Macros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Ajuste – Parâmetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Ajuste de falhas e alarmes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Arranque
Consolas de operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Consola de operação com assistente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Conteúdos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Controlos/Resumo do ecrã . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Modo de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Informação de estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
O accionamento em operação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Outros modos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Acesso ao Menu Principal e outros Modos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Modo Parâmetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Modo Assistente de Arranque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Modo Parâmetros Alterados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Modo Backup de Parâmetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Modo Relógio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Modo Configuração E/S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Consola de operação básica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Conteúdos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Controlos/Resumo do ecrã . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Modo de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Informação de Estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
O accionamento em operação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Modo Referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Modo Parâmetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Modo Backup de Parâmetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Códigos de alarme (Consola de operação básica) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

Índice
Manual do Utilizador do ACS550 7

Macros de Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Macro de aplicação: Standard ABB (Fábrica) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Macro de aplicação: 3-fios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Macro de aplicação: Alternar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Macro de aplicação: Potenciómetro do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Macro de aplicação: Manual-Auto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Macro aplicação: Controlo PID . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Macro de aplicação: PFC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Macro aplicação: Controlo de binário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Lista completa de parâmetros do ACS550 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Descrição completa dos parâmetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Grupo 99: Dados iniciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Grupo 01: Dados operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Grupo 03: Sinais actuais FB . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Grupo 04: Histórico falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Grupo 10: Comando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Grupo 11: Sel referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
Grupo 12: Veloc constantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Grupo 13: Ent analógicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Grupo 14: Saídas relé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Grupo 15: Saídas analógicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Grupo 16: Controlos sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Grupo 20: Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Grupo 21: Arrancar/Parar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Grupo 22: Acel/Desaceleração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Grupo 23: Ctrl velocidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
Grupo 24: Controlo binário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Grupo 25: Velocid críticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Grupo 26: Controlo motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
Grupo 29: Activar manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Grupo 30: Funções falha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Grupo 31: Rearme automático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Grupo 32: Supervisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
Grupo 33: Informação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
Grupo 34: Painel/Var proc . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
Grupo 35: Med temp motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
Grupo 36: Funções Temporiz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
Grupo 40: Processo PID Conj1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Grupo 41: Processo PID Conj2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
Grupo 42: Ajuste PID/Externo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Grupo 51: Mód comun externo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
Grupo 52: Painel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
Grupo 53: Protocolo EFB . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
Grupo 81: Controlo PFC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
Grupo 98: Opções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
Comunicação em série standard . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Introdução ao Modbus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Activação do Portocolo Modbus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Ajustes da comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Perda de comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148

Índice
8 Manual do Utilizador do ACS550

Contadores de diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148


Locais de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
Controlo de relés . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Esquema do espaço de referência do Modbus do ACS550 . . . . . . . . . . . 149
Perfis de comunicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Endereço Modbus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Mapa 0xxxx – Bobinas Modbus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Mapa 1xxxx – Entradas discretas Modbus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
Mapa 3xxxx – Entradas Modbus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
Mapa de Registo 4xxxx . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
A PALAV CTRL e a PALAV ESTADO – Perfil standard (Accion. ABB). . 155
Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
Valores actuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
Códigos de excepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

Diagnósticos
Ecrãs de diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Falhas - Vermelho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Alarmes – Verdes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
Correcção de falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
Lista de falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
Rearme de falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
LED vermelho intermitente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
LED vermelho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
Histórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
Correcção de alarmes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
Listagem de alarmes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168

Manutenção
Intervalos de manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
Dissipador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
Substituição do ventilador principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
Chassis R1…R4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
Chassis R5 e R6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
Substituição do armário interno do ventilador de refrigeração . . . . . . . . . . . . 172
Chassis R1 a R4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
Chassis R5 e R6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
Condensadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Consola de operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Bateria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173

Dados técnicos
Gamas de corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
Accionamentos nas gamas de, 380…480 Volts . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
Accionamentos nas gamas de, 208…240 Volts . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
Símbolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
Tamanho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
Desclassificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176

Índice
Manual do Utilizador do ACS550 9

Desclassificação de temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176


Desclassificação de altitude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
Desclassificação de fornecimento monofásico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
Desclassificação da frequência de comutação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
Potência de entrada (Alimentação) Cabos e Fusíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
Fusíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
Fusíveis para accionamentos de, 208…240 Volts . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
Cabos de entrada (Rede) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
Terminais de cabos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
Ligação da potência de entrada (Rede) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
Ligação do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
Ligação de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
Rendimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
Arrefecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
Fluxo de ar, accionamentos 380…480 Volts. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
Dimensões e pesos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
Unidades com armário IP 21 / UL Tipo 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
Dimensões exteriores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
Dimensões de montagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
Peso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
Unidades com armário IP 54 / Tipo 12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
Dimensões exteriores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
Dimensões de montagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
Peso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
Graus de protecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
Condições ambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
Materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
Normas aplicáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
Marcações UL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
Limites de vulnerabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189

Índice
10 Manual do Utilizador do ACS550

Instalação

Leia atentamente estas instruções de instalação antes de prosseguir. A não


observância destas instruções pode causar ferimentos físicos ou morte e/ou
danos no equipamento.

Aviso! Antes de começar leia o capítulo "Segurança" na página 3.

Esquema de instalação
A instalação do accionamento CA de velocidade variável tipo ACS550 segue o
esquema abaixo. Os passos devem ser dados na ordem indicada. No lado direito de
cada passo é feita referência a informação mais detalhada necessária à correcta
instalação da unidade.
Tarefa Veja
PREPARE a instalação "Preparação para a instalação" na página 11.

DESEMPACOTE a unidade "Desempacotar a unidade" na página 19.

PREPARE o local da instalação "Preparação do local de instalação" na página 19.

RETIRE a tampa frontal "Retirar a tampa frontal" na página 19.

INSTALE a unidade "Montagem do accionamento" na página 20.

INSTALE os cabos "Instalação dos cabos" na página 21.

VERIFIQUE a instalação "Lista de verificação" na página 31.

RE-INSTALE a tampa "Re-instalação da tampa" na página 31.

LIGUE a alimentação "Ligação da alimentação" na página 32.

ARRANQUE "Arranque" na página 32.

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 11

Preparação para a instalação

Identificação do accionamento
Etiquetas da unidade
Para determinar o tipo de accionamento que está a instalar, deve verificar:
• A chapa do número de série na parte superior da placa de montagem entre os
furos de montagem.

ACS550-01-08A8-4
U1 3~ 380...480 V
I2N / I2hd 8.8 A / 6.9 A
Ser. no. *2030700001*
PN/Phd 4 / 3 kW

• A chapa de características colocada no dissipador – no lado direito da tampa da


unidade.

Input U1 3~ 380...480 V
I1N 8.8 A
f1 48...63 Hz
Output U2 3~ 0...U1V
I2N / I2hd 8.8 A / 6.9 A
f2 0...500 Hz Ser. no. *2030700001*

Motor PN/Phd 4 / 3 kW
ACS550-01-08A8-4

Tipo de código
Use o esquema seguinte para identificar o tipo de código de cada chapa.
ACS550-U1-08A8-4+...

Accionamento CA – produto da série 550

Construção (região específica)


U1 = Unidade e peças específicas para instalação nos EUA e conformidade NEMA
01 = Unidade e peças expecíficas para instalação e conformidade IEC

Gama de corrente de saída


Para mais detalhes consulte a tabela de gamas de corrente.

Gama de tensão
2 = 208…240 VCA
4 = 380…480 VCA

Classe de protecção do armário


Sem especificação = IP 21 / UL tipo 1
B056 = IP 54 / UL tipo 12

Gamas e Tamanho de chassi


A tabela no capítulo "Gamas de corrente" na página 174 lista as especificações
técnicas, e identifica o tamanho de chassi, uma vez que algumas instruções neste
documento variam, dependendo do tamanho de chassi do accionamento. Para ler a
tabela, necessita da informação da “Gama de corrente de entrada” da chapa de
características. Também, e quando utilizar a tabela Gamas de corrente, note que a
mesma está dividida em duas secções baseadas na “Gama de tensão” da unidade.

Instalação
12 Manual do Utilizador do ACS550

Compatibilidade do motor
O motor, o accionamento, e a potência de alimentação devem ser compatíveis:
Especificação do
Verifique Referência
motor
Tipo do motor motor de indução trifásico –
Corrente nominal O valor do motor está entre • Chapa de características no accionamento,
esta gama: 0.2…2.0 *I2hd entrada para Saída I2hd
(I2hd = corrente do ou
accionamento em uso • Chapa de características no accionamento e
pesado) tabela de gamas em “Dados Técnicos” na
página 174.
Frequência nominal 10…500 Hz –
Gama de tensão O motor é compatível com 208…240 V (para ACS550-X1-XXXX-2) ou
a gama de tensão do 380…480 V (para ACS550-X1-XXXX-4)
ACS550.

Ferramentas necessárias
Para instalar o ACS550 necessita do seguinte material:
• Chaves de parafusos (apropriadas para o material de montagem usado)
• Alicate de descarnar cabos
• Fita métrica
• Broca
• Material de montagem: parafusos ou porcas e parafusos, quatro de cada. O tipo
de material depende da superfície de montagem e do tamanho do chassis:
Tamanho do Material de
chassi montagem
R1…R4 M5 #10
R5 M6 1/4 in
R6 M8 5/16 in

Ambiente e armário indicados


Confirme se o local cumpre com os requisitos ambientais. Para prevenir danos
posteriores à instalação, armazene e transporte o accionamento de acordo com os
requisitos ambientais especificados para armazenamento e transporte. Veja
"Condições ambientais" na página 187.
Confirme se o armário é o apropriado, baseado no nível de contaminação do local:
• Armário IP 21 / UL tipo 1. O local deve estar livre de poeiras, gases corrosivos ou
liquidos, e contaminantes conductivos tais como condensação, poeira de carvão,
e partículas metálicas.
• Armário IP 54 / UL tipo 12. Este armário fornece protecção contra poeiras e
sprays ou salpicos de água de todas as direcções.

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 13

Local de montagem adequado


Confirme se o local de montagem cumpre com os seguintes requisitos:
• O accionamento deve ser montado verticalmente numa superfície sólida e lisa, e
num ambiente de acordo com o descrito acima.
• O espaço minimo necessário para o accionamento são as dimensões exteriores
(veja "Dimensões exteriores" nas páginas 184 e 186), acrescido do espaço
necessário à volta da unidade para fluxo de ar (veja "Arrefecimento" na página
181).
• A distância entre o motor e o accionamento está limitada ao comprimento
máximo do cabo do motor. Veja "Ligação do motor" na página 180.
• O local de montagem deve suportar o peso do accionamento. Veja “Pesos” na
página 184.

Cabos e Considerações EMC


Determine os requisitos electro-magnéticos (EMC) pelos códigos de local. Em
resumo:
• Siga os códigos locais para dimensionamento de cabos.
• Mantenha estas quatro classes de cabo separadas: cabos de entrada da
alimentação, cabos do motor, cabos de controlo/comunicações, e cabos das
unidades de travagem.
• Consulte "Cabos do motor" na página 15 sobre o limite do comprimento do cabo
do motor imposto pelos possíveis requisitos EMC (CE ou C-Tick).
• Consulte as especificações/recomendações em:
"Potência de entrada (Alimentação) Cabos e Fusíveis" na página 177,
“ Terminais de cabo” na página 180,
“ Ligação da potência de entrada (Rede) na página 180, e
"Ligação do motor" na página 180.

Instruções EMC (Europa, Austrália, e Nova Zelândia)


Esta secção descreve os requisitos de conformidade EMC (na Europa, Austrália, e
Nova Zelândia). Sobre instalações nos Estados Unidos e outros locais como
requisitos EMC especiais, consulte "Cabos de controlo" na página 17.

Marcação CE (pendente na data de publicação)


Existe uma marcação CE no accionamento CA tipo ACS550 para atestar que a
unidade segue as condições das Directivas Europeias de Baixa Tensão e EMC
(Directiva 73/23/EEC, emendada pela 93/68/EEC e a Directiva 89/336/EEC,
emendada pela 93/68/EEC).
A Directiva EMC define os requisitos de imunidade e emissões de equipamento
eléctrico usados no Espaço Económico Europeu. A norma EN 61800-3 dos
produtos standard EMC cobre os requisitos estabelecidos para conversores de
frequência, tais como o ACS550. Os conversores de frequência ACS550 seguem os
requisitos apresentados na EN 61800-3 para distribuição restringida de Ambiente
de Classe II e Ambiente de Classe I.

Instalação
14 Manual do Utilizador do ACS550

O produto standard EN 61800-3 (Sistemas de accionamento por alimentação


eléctrica de velocidade ajustável - Parte 3: standard de produto EMC incluíndo
métodos de teste específico) define Ambiente de Classe I como um ambiente que
inclui divisões domésticas. Também inclui estruturas ligadas directamente a uma
rede de alimentação de baixa tensão sem transformadores intermédios que
forneçam edifícios usados para fins domésticos.
O Ambiente de Classe II inclui todas as estruturas que não estejam directamente
ligadas à rede de alimentação de baixa tensão que alimenta edifícios usados para
fins domésticos.

Marcação C-Tick (pendente na data de publicação)


É colocada uma marcação C-tick nos accionamentos CA tipo ACS550 para atestar
que a unidade cumpre as disposições das Normas Regulamentares Australianas Nr.
294, 1996, Nota de Radiocomunicação (Etiquetagem de Concordância - Emissões
Acidentais) e Acto de Radiocomunicação, 1989, e as Regulamentações de
Radiocomunicação, 1993, da Nova Zelândia.
As regulamentações definem os requisitos essenciais para emissões de
equipamentos eléctricos usadas na Austrália e na Nova Zelândia. O standard AS/
NZS 2064, 1997, sobre os limites e métodos de medição das características dos
distúrbios electrónicos de equipamento de rádiofrequência industrial, cientifico e
médico (ISM), cobre os requisitos detalhados para accionamentos trifásicos, tais
como o ACS550.
O ACS550 cumpre com os limites para equipamento da classe A estabelecidos pela
norma AS/NZS 2064, 1997. O equipamento Classe A é apropriado para uso em
estruturas que não estejam directamente ligadas à rede de alimentação de baixa
tensão para edifícios usados para fins domésticos. Este é válido se:
• O motor e os cabos de controlo forem seleccionados conforme o especificado.
• As regras de instalação deste manual forem seguidas.

Instruções sobre a cablagem


Mantenha os condutores individuais sem blindagem entre os bucins de fixação e os
terminais o mais curtos possível. Passe os cabos de controlo distantes dos cabos
de potência.

Cabo de entrada de alimentação (Rede)


Para o cabo de entrada de alimentação é recomendado um cabo de quatro
condutores (três fases e um terra). Não é necessária blindagem. Dimensione os
cabos e os fusíveis de acordo com a corrente de entrada. Siga os códigos locais
para dimensionar os cabos e os fusíveis.
Os ligadores de entrada de potência estão localizados na parte inferior da unidade.
A passagem de cabo inferior deve ser feita de forma a que a distância para os lados
do accionamento seja pelo menos de 20 cm (8 in) para evitar radiação excessiva no
cabo de potência. No caso de cabo blindado, torça a blindagem dos cabos numa só
e faça a ligação ao terminal PE. (ou ao terminal PE do filtro de entrada, se
presente.)

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 15

Harmónicas da corrente de linha


O ACS550 é um equipamento profissional para ser usado em empresas ou
indústrias, e não foi concebido para venda ao público em geral. Estão disponíveis
sob pedido os níveis de harmónicas de corrente debaixo de condições de cargas
nominais.

Cabos do motor
Requisitos mínimos (CE & C-Tick)
O cabo do motor deve ser um condutor de três fases com um condutor PE
concêntrico ou um cabo de quatro condutores com blindagem concêntrica, sendo,
no entanto, sempre recomendado um condutor PE simétricamente construído. A
figura abaixo representa o requisito minimo da blindagem do cabo do motor (por
exemplo, Cabos MCMK, NK).
Blindagem de cobre Espiral de fita de Isolamento interior
Revestimento cobre
isolante

Núcleo do cabo

* Os filtros interiores desenhados para o ACS550 não podem ser usados numa rede de neutro isolado
ou de elevada impedância de terra.

Recomendação para esquemas condutores


As figuras seguintes comparam esquemas de dispositivos condutores para cabos
de motor.
Recomendado (CE & C-Tick) Permitido (CE & C-Tick)
Cabo simétrico e blindado: condutores de três É necessário um condutor PE separado se a
fases e um concêntrico ou em alternativa condutividade da blindagem do cabo for
condutor PE simétricamente construído, e <50% da condutividade dos condutores de
blindagem fase.
Blindagem Blindagem
Condutor
PE e
blindagem
PE

Blindagem
Não permitido para os cabos de motor
(CE & C-Tick)
Um sistema de quatro condutores: três
condutores de fase e um condutor de protecção,
sem blindagem. Permitido para os cabos de motor com
PE uma secção transversal de condutor de
fase até 10 mm2.

Instalação
16 Manual do Utilizador do ACS550

Blindagens do cabo de motor eficazes


A regra geral para a eficácia da blindagem do cabo de motor é: quanto melhor e
mais apertada for a blindagem do cabo, mais baixo é o nível de emissão. A figura
seguinte apresenta um exemplo de uma construção eficaz (por exemplo, Cabos
Ölflex-Servo-FD 780 CP, Lappkabel ou MCCMK, NK).
Revestimento isolante Isolamento interior L2

L1
L3
Blindagem de cobre

Se usar cabo sem um condutor PE separado, fixe a blindagem do cabo ao cerra


cabos do accionamento, torça a blindagem numa só e faça a ligação ao terminal
marcado com (no canto inferior direito do accionamento).
No lado do motor o cabo blindado deve ser ligado à terra. Os fios da blindagem
devem ser torcidos e ligados ao terminal PE do motor.
Norma para Cabos de Motor Classe A EN61800-3 e AS/NZS 2064, 1997
Para cumprir com os requisitos da norma EN61800-3, Ambiente de Classe I e II,
Distribuição Restrita, e a AS/NZS 2064, 1997, requisitos Classe A, os cabos de
motor:
• com comprimento menor ou igual a 30 m (100 ft) não necessitam de filtro RFI.
• com comprimento maior que 30 m (100 ft) devem ser limitados de acordo com o
especificado na tabela abaixo. Siga as instruções na embalagem do filtro para
todas as ligações com cabo blindado.
Frequência (Parâmetro 2606)
Tipo de
Filtro 1 ou 4 kHz (1 ou 4) 8 kHz (8)
accionamento
Comprimento máximo do cabo do motor
ACS550-x1-03A3-4 ACS400-IF11-3 100 m –
(330 ft)
ACS550-x1-04A7-4
ACS550-x1-05A4-4
ACS550-x1-06A9-4
ACS550-x1-08A8-4
ACS550-x1-012A-4
ACS550-x1-016A-4 ACS400-IF21-3 100 m 100 m
(330 ft) (330 ft)
ACS550-x1-023A-4
ACS550-x1-031A-4 ACS400-IF31-3 100 m 100 m
(330 ft) (330 ft)
ACS550-x1-038A-4
ACS550-x1-044A-4 ACS400-IF41-3 100 m 100 m
(330 ft) (330 ft)
ACS550-x1-059A-4
ACS550-x1-072A-4

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 17

Aviso! Não use filtros numa rede flutuante ou de elevada impedância ligada à
terra.

• devem ter uma blindagem eficaz como descrito em "Blindagens do cabo de


motor eficazes" na página 16.
• devem ser ligadas à terra, no lado do motor, com cabo EMC. Numa ligação à
terra a blindagem do cabo deve fazer contacto em toda a superfície do cabo.

Cabos de controlo
Recomendações gerais
Use cabos blindados, para gamas de temperatura a 60 °C (140 °F) ou superiores:
• Cabos de controlo devem ser cabos de cobre multipar entrançado e blindado.

Blindagem dupla Blindagem simples


Exemplo: JAMAK da Draka Cabos NK Exemplo: NOMAK da Draka Cabos NK

• A blindagem deve ser torcida num único fio que não deve ser mais comprido que
cinco vezes a sua largura e ligado ao terminal X1-1 (para cabos de E/S digitais e
analógicos) ou ao X1-28 ou X1-32 (para cabos RS485).
Passe os cabos de controlo de forma a minimizar a radiação para o cabo:
• Passe o mais distante possível dos cabos de entrada de potência e dos cabos do
motor (pelo menos 20 cm (8 in)).
• No local onde os cabos de controlo cruzam com os cabos de potência, assegure-
se de que os mesmos fazem um ângulo o mais aproximado possível dos 90°.
• Deixe pelo menos uma distância de 20 cm (8 in) dos lados do accionamento.
Seja cuidadoso ao misturar tipos de sinal no mesmo cabo:
• Não misture sinais de entrada digitais e analógicos no mesmo cabo.
• Os sinais controlados por relé devem passar em pares entrançados
(especialmente se a tensão for > 48 V). Os sinais controlados por relé com
tensão inferior a 48 V podem ser passados nos mesmos cabos que os sinais de
entrada digital.

Nota! Nunca misture sinais de 24 VCC e de 115/230 VCA no mesmo cabo.

Cabos analógicos
Recomendações para passagem de sinais analógicos:
• Use cabo de blindagem dupla, par entrançado
• Use um par com blindagem individual para cada sinal.
• Não use um retorno comum para sinais analógicos diferentes.

Instalação
18 Manual do Utilizador do ACS550

Cabos digitais
Recomendações para passagem de sinais digitais:
• O cabo de blindagem dupla é a melhor alternativa, embora o cabo de blindagem
simples também possa ser usado.
Cabo de controlo da consola
Se a consola de operação estiver ligada ao accionamento através de um cabo, use
unicamente cabo ethernet Patch Categoria 5.

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 19

Instalação do accionamento

Aviso! Antes de instalar o ACS550, assegure-se que a alimentação de entrada


está desligada.

Desempacotar a unidade
1. Desempacotar o accionamento.
2. Verifique se não existem sinais de danos e avise o fornecedor se encontrar
componentes danificados.
3. Certifique-se de que o modelo que recebeu corresponde ao que encomendou.

Preparação do local de instalação


O ACS550 só deve ser instalado em local que preencha
todos os requisitos definidos em "Preparação para a
instalação" na página 11.
1. Marque a posição dos furos de montagem. 1
2. Faça os furos. X0002

Nota! Os tamanhos de chassi R3 e R4 tem quatro furos no topo. Use só dois. Se


possível, use os dois furos exteriores (para permitir espaço para retirar o ventilador
para manutenção).

Nota! Os accionamentos ACS400 podem ser substituídos usando os furos originais


de montagem. Para os tamanhos de chassi R1 e R2, os furos de montagem são
idênticos. Para os tamanhos de chassi R3 e R4, os furos de montagem interiores no
topo do ACS550 correspondem aos do ACS400.

Retirar a tampa frontal


IP 21 / UL Tipo 1 3

1. Retire a consola de operação.


2
2. Desaperte o parafuso de fixação no topo.
3. Puxe próximo do topo para retirar a tampa.

IP2000

Instalação
20 Manual do Utilizador do ACS550

IP 54 / UL Tipo 12
1. Se tiver tampa: Retire os parafusos (2) que
seguram a placa no lugar. 1
2
2. Se tiver tampa: Deslize e retire a tampa.
3. Desaperte os parafusos de fixação à volta da
tampa.
4. Retire a tampa.

4
FM
Montagem do accionamento 1
IP 21 / UL Tipo 1
1. Posicione o ACS550 nos furos de montagem e
aparafuse a unidade nos quatro cantos.

Nota! Levante o ACS550 pelo chassi metálico.


2
2. Localidades de língua não inglesa: Cole uma
etiqueta na língua apropriada por cima do aviso
existente no topo do módulo.
IP 54 / UL Tipo 12 IP2002

Nos armários IP54 / UL Tipo 12, são necessárias anilhas de borracha para os furos
de acesso às ranhuras de montagem do accionamento.
1. É necessário, para pode aceder, retirar as 2
anilhas de borracha. Retire as anilhas pela parte
de trás do accionamento.
2. Posicione o ACS550 nos furos de montagem e
aparafuse a unidade nos quatro cantos. 1, 3

Nota! Levante o ACS550 pelo chassi metálico.

3. Re-instale as anilhas de borracha.


4. Em locais de língua não inglesa: adicione um
autocolante de aviso na língua local por cima do
aviso existente no topo do módulo. FM

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 21

Instalação dos cabos


Kit de conduta/bucins
Para a instalação de accionamentos com armário IP 21 / UL Tipo 1 é necessário um
kit de conduta/bucins com o seguinte material:
• conduta/caixa de bucins
• cinco (5) cerra cabos (só para o ACS550-01)
• parafusos
• tampa
O kit está incluído na entrega em armários IP 21 / UL tipo 1.
Resumo
Durante a instalação eléctrica deve observar o seguinte:
• Existem quatro conjuntos de instruções de ligação – um conjunto para cada
combinação de tipo de armário (IP 21 / UL tipo 1 e IP 54 / UL tipo 12), e tipo de
ligação (conduta ou cabo). Assegure-se que selecciona o procedimento
apropriado.
• Em "Diagramas de ligação" na página 21 são apresentados os pontos de ligação
no accionamento.
• "Ligações de potência" na página 28 apresenta instruções específicas para
ligação da potência. Use em combinação com o procedimento geral apropriado.
• "Ligações de controlo" na página 28 apresenta instruções específicas sobre
ligação do controlo. Use em combinação com o procedimento geral apropriado
• "Travagem opcional" na página 28, e "Redes de neutro isolado" na página 28
apresentam instruções específicas para uso conforme apropriado
• “Terminais de cabo” na página 180 lista os binários de aperto recomendados.
• Onde aplicável, observe as recomendações EMC. Por exemplo, ligue à terra
adequadamente a blindagem dos cabos.
Diagramas de ligação
O esquema de ligação dos terminais é idêntico para todos os tamanhos de chassi
(R1…R6). A única diferença significativa é nos terminais de potência e de terra nos
tamanhos de chassi R5 e R6. Os esquemas seguintes mostram o:
• Esquema dos terminais para o tamanho de chassi R3, que, em geral, é aplicável
a todos os tamanhos de chassi excepto aos acima indicados.
• Esquema dos terminais de potência e de terra nos tamanhos de chassi R5 e R6.

Instalação
22 Manual do Utilizador do ACS550

Este diagrama apresenta o tamanho de chassi R3. Outros chassis tem esquemas idênticos.

J1 – Interruptores DIP para


entradas analógicas
J1
AI1: (posição de tensão)
ON

AI2:(posição de corrente)
ON

Ligador do painel

X1 - Entradas e saídas analógicas


(e Saída Aux.Tensão 10 V)
LED Potência (Verde)
LED Falha (Vermelho)
X1 – Entradas digitais
(e Saída Aux.Tensão 24 V)

X1 – Saídas a Relé

J2/J5 – Interruptores DIP Módulo Opcional 1


para terminais RS485
J2 J5 J2 J5 X1 – Comunicações
(RS485)
ON ON
ON ON
Módulo opcional 2
posição off posição on

Ent. potência Saída potência para


(U1, V1, W1) o motor (U2, V2, W2)
Tam de chassis
R5/R6 diferente
Veja na EM3
próxima página. EM1
GND
PE

X0003

Travagem opcional
Tam Etiquetas do
Opções de travagem
Chassis terminal
R1, R2 BRK+, BRK- Resistência de travagem
R3, R4 UDC+, UDC- • Unidade de travagem
• Resistência e chopper

Aviso! Em redes de neutro isolado retire os parafusos EM1 e EM3.

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 23

R5 R6

F2

F1

F2

PE GND
X0011
GND

Ent. potência Saída de potência para o motor


(U1, V1, W1) (U2, V2, W2) F1

Travagem opcional
Tam Etiquetas do
Opções de travagem
Chassis terminal
R5, R6 UDC+, UDC- • Unidade de
travagem
• Chopper e
resistência

X0013
PE GND
Ent. potência Saída de potência para o motor
(U1, V1, W1) (U2, V2, W2)

Aviso! Em redes de neutro isolado retire os parafusos F1 e F2.

Instalação
24 Manual do Utilizador do ACS550

Ligação de armários IP 21 / UL tipo 1 com cabos


1. Faça os furos apropriados na caixa conduta/
bucins. (Veja "Kit de conduta/bucins" acima.)
2
2. Instale os cerra cabos para os cabos de
potência/motor. 1 X0004

3. No cabo de entrada de potência, descarne o 6


cabo para conduzir os fios individualmente.
7
4. No cabo do motor, descarne o cabo para
expor a blindagem de cobre para que este 6
4
possa ser torcido num fio. Mantenha este fio 3
curto para minimizar a radiação do ruído.
8
IP2001
5. Conduza ambos os cabos através dos cerra
cabos. 8
6. Descarne e ligue os fios de potência/motor, e
ligue o cabo de terra aos terminais do
accionamento. Veja "Ligações de potência"
na página 28.
7. Ligue o fio torcido da blindagem do cabo do X0005

motor.
8. Instale a caixa conduta/bucin e aperte os cerra cabos.
9. Instale o bucin(s) para o cabo(s) de controlo.
(Os cabos de potência/motor não são
apresentados na figura.)
10. Descarne o cabo de controlo e torça a
blindagem de cobre num só fio. 9
X0006
11. Conduza o cabo(s) de controlo através dos
bucins e aperte-o(s).
12
12. Ligue o fio torcido da blindagem de cobre
para a E/S digital e analógica em X1-1. 14

13. Ligue o fio torcido da blindagem de terra para


os cabos RS485 em X1-28 ou X1-32.
14. Descarne e ligue os cabos de controlo
individuais aos terminais do accionamento.
Veja "Ligações de controlo" na página 28.
11
15. Instale a tampa da caixa conduta/bucin
(1 parafuso).
IP2003

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 25

Ligação de armários IP 21 / UL Tipo 1 com conduta


1. Faça os furos apropriados na caixa conduta/
bucins. (Veja "Kit de conduta/bucins" acima.)
2. Instale os bucins condutores (não
fornecidos).

2 X0007

3. Instale a caixa conduta/bucin.


4. Ligue as condutas à caixa. 3

X0005

5. Conduza os cabos de entrada de potência e


7
do motor através das condutas.
6. Descarne os fios.
7
7. Ligue os cabos de potência, motor, e terra
aos terminais do accionamento. Veja 5
"Ligações de potência" na página 28.
4 IP2004

8. Conduza o cabo de controlo através da


conduta.
10
9. Descarne o cabo de controlo e torça a
blindagem de cobre num único fio. 12
10. Ligue o fio da blindagem de cobre para
cabos de E/S digitais e analógicos a X1-1.
11. Ligue o fio torcido da blindagem de terra para
os cabos RS485 em X1-28 ou X1-32.
8
12. Descarne e ligue os cabos de controlo
individuais aos terminais do accionamento.
Veja "Ligações de controlo" na página 28.
13. Instale a tampa da caixa conduta/bucin
(1 parafuso).
IP2005

Instalação
26 Manual do Utilizador do ACS550

Ligação de armários IP 54 / UL tipo 12 com cabos


1. Corte os selos do cabo como necessário para
potência, motor e cabos de controlo. (Os
selos do cabo tem forma de cone de borracha
e encontram-se no fundo da unidade.)

1 IP5003

2. No cabo de entrada de potência, descarne a


blindagem afastado o suficiente para
5
conduzir os fios individualmente.
3. No cabo do motor, descarne a blindagem 2
3
afastado o suficiente para expôr a blindagem 4 4
do fio de cobre para que possa ser torcida.
Mantenha o fio torcido curto para minimizar a
radiação de ruído.
4. Conduza ambos os cabos através das IP5004
condutas e aperte as condutas.
5. Descarne e ligue os cabos de potência/motor,
e o cabo de terra aos terminais do accionamento. Veja "Ligações de potência" na
página 28.
6. Ligue a blindagem do cabo do motor.
7. Descarne a blindagem do cabo de controlo e
torça a blindagem de cobre.
8. Conduza o(s) cabo(s) de controlo através
da(s) conduta(s) e aperte a(s) condutas.
9. Ligue o fio da blindagem de cobre dos cabos 9…11
de E/S digitais e analógicos a X1-1.
10. Ligue o fio da blindagem dos cabos RS485 a
X1-28 ou X1-32.
11. Descarne e ligue os cabos de controlo
individuais aos terminais do accionamento.
Veja "Ligações de controlo" na página 28. 8

12. Instale a tampa da caixa conduta/bucin


(1 parafuso).
IP5005

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 27

Ligação de armários IP 54 / UL Tipo 12 com conduta


1. Retire a placa de condutora.
1
2. Retire os selos do cabo no local de instalação
da conduta. (Os selos do cabo tem forma de
cone de borracha e encontram-se no fundo
da unidade.)

2 IP5003

3. Para cada conduta, instale ligadores de


condutas (não fornecidos).

3
IP5006
4. Conduza os cabos de potência através da
conduta. 7

5. Conduza o cabo do motor através da


conduta.
6. Descarne os cabos.
4
5
7. Ligue os cabos de potência/motor, e o cabo
de terra aos terminais do accionamento. Veja IP5007
"Ligações de potência" na página 28.
8. Conduza o cabo de controlo através da
conduta.
9. Descarne a blindagem do cabo de controlo e
torça a blindagem. 10…12
10. Ligue o fio da blindagem de cobre para
cabos de E/S digitais e analógicos a X1-1.
11. Ligue o fio da blindagem para os cabos
RS485 a X1-28 ou X1-32.
12. Descarne e ligue os cabos de controlo
individuais aos terminais do accionamento.
Veja "Ligações de controlo" na página 28.
13. Instale a tampa da caixa conduta/bucin
(1 parafuso). 8
IP5008

Instalação
28 Manual do Utilizador do ACS550

Ligações de potência

Aviso! Certifique-se que o motor é compatível para usar com o ACS550. O


ACS550 deve ser instalado por um profissional qualificado de acordo com o
definido em "Preparação para a instalação" na página 11. Em caso de dúvida,
contacte a ABB local.

• Consulte a tabela seguinte para efectuar as ligações de potência. Se apropriado,


veja também as instruções para travagem e redes de neutro isolado.
Terminal Chassi Descrição
U1, V1, W1* Entrada de alimentação trifásica “Ligação da potência de entrada (Rede)” na página
180.
PE Terra de protecção Siga as regras sobre dimensionamento de cabo.
U2, V2, W2 Saída de potência para o motor "Ligação do motor" na página 180.

* O ACS550 -x1-xxxx-2 (série 208…240V) pode ser usado em alimentação monofásica, se a


desclassificação da corrente de saída for 50%. Em tensão de alimentação monofásica ligue a
alimentação a U1 e W1.
Travagem opcional
• Para unidades com travagem auxiliar, instale um dos seguintes, dependendo do
tamanho do chassi:
Chassi Terminal Descrição Travagem auxiliar
R1, R2 BRK+, BRK- Resistência de travagem Resistência de travagem
R3, R4, R5, R6 UDC+, UDC- Bus CC • Unidade de travagem ou
• Chopper e resistência

Redes de neutro isolado


Para redes de neutro isolado (também conhecidas com IT, sem terra, ou redes de
impedância elevada):
• Desligue o filtro RFI interior retirando os parafusos EM1 e EM3 (chassi R1…R4,
veja 22), ou os parafusos F1 e F2 (chassi R5…R6, veja 16).
• Se existirem requisitos EMC, verifique a emissão excessiva para redes vizinhas
de baixa tensão. Em alguns casos, é suficiente a supressão natural dos cabos e
dos transformadores. Na dúvida, use um transformador de alimentação com
blindagem estática entre os enrolamentos primário e secundário.
• NÃO instale um filtro exterior, como os listados na tabela de filtros na página 16.
A utilização de um filtro RFI liga à terra a entrada de potência através dos filtros
dos condensadores, o que pode ser perigoso e danificar a unidade.

Ligações de controlo
Para terminar as ligações de controlo, use as:
• Tabelas seguintes
• "Macros de Aplicação" na página 49
• "Descrição completa dos parâmetros" na página 69
• Cabos recomendados em "Cabos de controlo" na página 17

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 29

X1 Descrição do Hardware
1 SCR Terminal para blindagem do cabo de sinal. (Ligado internamente à terra do chassi.)
2 EA1 Canal 1 de entrada analógica, programável. Por defeito2 = referência de
frequência. Resolução 0.1%, precisão ±1%.
J1:EA1 DESLIGADO: 0…10 V (Ri = 312 kΩ)

ON ON
J1:EA1 LIGADO: 0…20 mA (Ri = 100 Ω)
3 AGND Circuito de entrada analógica comum. (Ligado internamente ao terra do chassi.
através de 1 MΩ)
E/S analógicas

4 +10 V Referência de saída de tensão 10 V/10 mA para potenciómetro de entrada


analógica, precisão ±2%.
5 EA2 Canal 2 de entrada analógica, programável. Por defeito2 = não usado. Resolução
0.1%, precisão ±1%.
J1:EA1 DESLIGADO: 0…10 V (Ri = 312 kΩ)

ON ON
J1:EA1 LIGADO: 0…20 mA (Ri = 100 Ω)
6 AGND Circuito de entrada analógica comum. (Ligado internamente ao terra do chassi.
através de 1 MΩ)
7 SA1 Saída analógica, programável. Por defeito2 = frequência. 0…20 mA (carga <
500 Ω)
8 SA2 Saída analógica, programável.. Por defeito2 = corrente. 0…20 mA (carga < 500 Ω)
9 AGND Circuito de saída analógica comum (Ligada internamente ao terra do chassi através
de 1 MΩ)
10 +24V Saída de tensão auxiliar 24 VCC / 250 mA (referência para GND). Protegido contra
curto circuito.
11 GND Saída de tensão auxiliar comum. (Ligada internamente como flutuante.)
12 DCOM Entrada digital comum. Para activar uma entrada digital, devem existir ≥+10 V
Entradas digitias1

(ou ≤-10 V) entre a entrada e o DCOM. Os 24 V podem ser fornecidos pelo


ACS550 (X1-10) ou por uma fonte externa de 12…24 V de cada polaridade.
13 ED1 Entrada digital 1, programável. Por defeito2 = arranque/paragem.
14 ED2 Entrada digital 2, programável. Por defeito2 = directo/inverso.
15 ED3 Entrada digital 3, programável. Por defeito2 = sel veloc constante (código).
16 ED4 Entrada digital 4, programável. Por defeito2 = sel veloc constante (código).
17 ED5 Entrada digital 5, programável. Por defeito2 = selecção de par rampa (código).
18 ED6 Entrada digital 6, programável. Por defeito2 = não usado
19 SR1C Saída a relé 1, programável. Por defeito2 = Pronto
20 SR1A Máximo: 250 VCA / 30 VCC, 2 A
Minimo: 500 mW (12 V, 10 mA)
21 SR1B
Saída a relé 2, programável. Por defeito2 = Em funcionamento
Saídas a relé

22 SR2C
23 SR2A Máximo: 250 VCA / 30 VCC, 2 A
Minimo: 500 mW (12 V, 10 mA)
24 SR2B
25 SR3C Saída a relé 3, programável. Por defeito2 = Falha
26 SR3A Máximo: 250 VCA / 30 VCC, 2 A
Minimo: 500 mW (12 V, 10 mA)
27 SR3B
1
Impedância da entrada digital 1.5 kΩ. A tensão máxima para as entradas digitais é 30 V.
2
Os valores por defeito dependem da macro usada. Os valores especificados são para a macro por
defeito. Veja "Macros de Aplicação" na página 49.

Instalação
30 Manual do Utilizador do ACS550

Nota! Os terminais 3, 6, e 9 estão ao mesmo potencial.

Nota! Por razões de segurança o relé em falha sinaliza uma “falha” quando o
ACS550 é desligado.

Pode ligar os terminais de entrada digital numa configuração PNP ou NPN.


Ligação PNP Ligação NPN
X1 X1
10 +24V 10 +24V
11 GND 11 GND
12 DCOM 12 DCOM
13 ED1 13 ED1
14 ED2 14 ED2
15 ED3 15 ED3
16 ED4 16 ED4
17 ED5 17 ED5
18 ED6 18 ED6

Comunicações
Os terminais 28…32 são para comunicações modbus RS485. Use cabos blindados.
Não ligue à terra em nenhum ponto a rede RS485. Ligue à terra todos os
dispositivos da rede usando os terminais de terra correspondentes.
Como é normal, a ligação à terra de cabos não deve de forma nenhuma formar
malhas fechadas, e todos os dispositivos devem ser ligados à terra comum.
Termine a rede RS485 usando resistências 120 Ω em ambos os lados da rede. Use
o interruptor DIP para ligar ou desligar as resistências. Veja o diagrama e a tabela
seguinte.
Terminal Terminal
da estação Estação Estação da estação

X1 Identificação Descrição do hardware1


28 Blindagem RS485 Aplicação multidrop Interface RS485
Outros dispositivos modbus J2 J5 J2 J5
29 B 28 SCR
SCR
30 A 29 B
B ON ON
A 30 A
31 AGND ON ON
GND 31 AGND
32 Blindagem 32 SCR desligado ligado
B Terminal Bus
A
GND
SCR
1 Sobre descrições funcionais, veja "Comunicação em série standard" na página 147.

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 31

Lista de verificação
Antes de ligar a alimentação, efectue as seguintes verificações.
Verifique
O local de instalação está conforme o especificado para o accionamento.
O accionamento foi montado de uma forma segura.
O espaço à volta do accionamento está de acordo com o especificado sobre arrefecimento.
O motor e o equipamento accionado estão prontos para arrancar.
Para redes de neutro isolado: O filtro RFI interno está desligado
O accionamento está devidamente ligado à terra.
A tensão de alimentação está conforme a tensão nominal de entrada do accionamento.
As ligações de entrada de potência em U1, V1, e W1 estão ligadas e apertadas conforme o
especificado.
Os fusíveis de entrada de potência (rede) estão instalados.
As ligações do motor em U2, V2, e W2 estão ligadas e apertadas conforme o especificado.
O cabo do motor foi passado longe dos outros cabos.
NÃO estão presentes no cabo do motor condensadores do factor de potência.
As ligações de controlo estão ligadas e apertadas de acordo com o especificado.
NÃO foram esquecidas ferramentas ou outros objectos (tal como poeiras das furações) dentro
do accionamento.
NÃO está ligada uma fonte alternativa de potência para o motor (tal como uma ligação bypass)
– não foi aplicada tensão à saída do accionamento.

Re-instalação da tampa
1
IP 21 / UL Tipo 1
1. Alinhe a tampa e coloque-a.
2. Aperte o parafuso de fixação. 2

3. Re-instale a consola de operação.

IP2009

Instalação
32 Manual do Utilizador do ACS550

IP 54 / UL Tipo 12
1. Alinhe a tampa e coloque-a no lugar.
4
2. Aperte os parafusos de fixação à volta da 3
tampa.
3. Coloque a placa no topo da tampa.
4. Instale os dois parafusos que fixam a placa.
5. Re-instale a consola de operação.
5
Nota! O ecrã da consola de operação deve ser
6
fechado para cumprir com os requisitos IP 54/
UL tipo 12.
1
6. Opcional: Adicione um fecho (não fornecido)
para proteger o ecrã da consola de operação. 2 FM

Ligação da alimentação
Não ligue a tensão de alimentação antes de voltar a colocar a tampa frontal.

Aviso! O ACS550 arranca automaticamente, se o comando externo de


arranque estiver ligado.

1. Aplique a tensão de alimentação de entrada.


Quando se aplica potência ao ACS550, o LED verde acende.

Nota! Antes de aumentar a velocidade do motor, verifique se o motor está a


funcionar no sentido desejado.

Arranque
O ACS550 tem um conjunto de parâmetros de fábrica que são suficientes para
muitas situações. No entanto, relembre as seguintes situações. Execute os
procedimentos associados conforme apropriado.
Dados do motor
Os dados do motor na chapa de características do motor podem ser diferentes dos
programados na fábrica no ACS550. O accionamento fornece um controlo mais
preciso e uma melhor protecção térmica se introduzir os dados da chapa de
características.
1. Retire os seguintes dados da chapa de características do motor:
• Tensão
• Corrente nominal do motor
• Frequência nominal
• Velocidade nominal

Instalação
Manual do Utilizador do ACS550 33

• Potência nominal
2. Edite os parâmetros 9905…9909 nos valores correctos.
• A Consola de Operação com Assistente: O Assistente de Arranque conduz o
operador através da entrada de dados (veja página 38).
• A Consola de Operação Básica: Consulte "Modo Parâmetros" na página 44,
sobre as instruções de edição de parâmetros.
Macros

Nota! A selecção da macro apropriada deve fazer parte do esquema origial do


sistema, uma vez que as ligações efectuadas em "Ligações de controlo" na página
28 dependem da macro usada.

1. Consulte as descrições da macro em "Macros de Aplicação" na página 49. Use a


macro que melhor se adaptar às necessiadades do sistema.
2. Edite o parâmetro 9902 para seleccionar a macro apropriada.
• Consola de Operação com Assistente – Use um dos seguintes:
– Use o Assistente de Arranque, que exibe a selecção de macros
imediatamente após o arranque do motor.
– Consulte "Modo Parâmetros" na página 37, sobre as instruções de edição de
parâmetros.
– Consola de Operação Básica: Consulte "Modo Parâmetros" na página 44,
sobre as instruções de edição de parâmetros.
Ajuste – Parâmetros
O sistema pode beneficiar de ajuste e/ou de um ou mais dispositivos especiais do
ACS550.
1. Consulte as descrições dos parâmetros em "Descrição completa dos parâmetros"
com início na página 69. Active as opções e os valores de ajuste dos parâmetros
apropriados para o sistema.
2. Edite os parâmetros como adequado.
Ajuste de falhas e alarmes
O ACS550 pode detectar uma grande variedade de problemas potenciais do
sistema. Por exemplo, a operação incial do sistema pode gerar falhas ou alarmes
que indiquem problemas de arranque.
1. Existe um relatório numerado de falhas e de alarmes na consola de operação.
Anote o número reportado
2. Consulte a descrição fornecida no relatório de falha/alarme:
• Use as listagens de falha e alarme nas páginas 163 e 168 respectivamente, ou
• Prima a chave de ajuda (só para a Consola de Operação com Assistente)
enquanto a falha ou alarme é exibida.
3. Ajuste o sistema ou os parâmetros como apropriado.

Instalação
34 Manual do Utilizador do ACS550

Arranque

O arranque configura o accionamento. Este processo ajusta os parâmetros que


definem como o accionamento opera e comunica. Dependendo dos requisitos de
controlo e de comunicação, o processo de arranque pode necessitar de um ou de
todos dos seguintes:
• O assistente de arranque (necessita da Consola de Operação do Assistente)
conduz o utilizador através da configuração de defeito. O assistente de arranque
opera automaticamente o primeiro arranque, ou pode ser acedido em qualquer
altura através do menu principal.
• Podem ser seleccionadas macros de aplicação para definir configurações
alternativas e comuns, usando os ajustes pré-definidos. Veja "Macros de
Aplicação" na página 49.
• Ajustes adicionais podem ser efectuados usando a consola de operação para
seleccionar e ajustar manualmente parâmetros individuais. Veja "Descrição
completa dos parâmetros" na página 69.

Consolas de operação
Use uma consola de operação painel para controlar o ACS550, para ler dados de
estado, e para ajustar parâmetros. O ACS550 funciona com qualquer um dos dois
tipos diferentes de consola de operação:
• Consola de Operação com Assistente – Este painel (descrito abaixo) inclui
assistentes pré-programados para automatizar os ajustes mais comuns dos
parâmetros.
• Consola de Operação Básica – Este painel (descrito numa secção posterior)
fornece as ferramentas básicas para introduzir os valores dos parâmetros.

Consola de operação com assistente

Conteúdos
Os conteúdos da consola de operação com assistente do ACS550 são:
• Consola de operação alfanumérica com ecrã LCD
• Selecção de língua para o ecrã
• Pode ser efectuada ou desligada a qualquer altura uma ligação ao accionamento.
• Assistente de arranque para facilitar o comissionamento do accionamento
• Função de cópia - Os parâmetros podem ser copiados para a memória da Consola
de Operação para serem transferidos mais tarde para outros accionamentos, ou
para serem guardados como registo de um determinado sistema
• Conteúdos de ajuda

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 35

Controlos/Resumo do ecrã
A tabela seguinte resume as funções das teclas de função e os ecrãs da Consola de
Operação com Assistente.

Ecrã LCD – Dividido em três grandes áreas:


• Linha superior – variável, dependendo do modo de operação. Veja,
"Informação de estado" na página 35.
• Centro – variável, em geral, exibe valores de parâmetros, menus ou
listas.
• Linha inferior – exibe a função actual das duas teclas soft, e o relógio se
actvado.

Tecla soft 2 – Várias funções,


Tecla soft 1– Várias funções, definidas definidas pelo texto no canto inferior
pelo texto no canto inferior esquerdo direito do ecrã LCD.
do ecrã LCD. LOC 400RPM
1200 RPM Abaixo –
Acima – 12.4 A • Percorre um menu ou lista exibida
• Percorre um menu ou lista exibida 405 dm3/s na área central do ecrã LCD
na área central do ecrã LCD. DIR 12:45 MENU
• Diminui um valor se for
• Aumenta um valor se for seleccionado um parâmetro.
seleccionado um parâmetro. • Diminui a referência se o canto
• Aumenta a referência se o canto superior direito estiver assinalado
superior direito estiver assinalado (em modo video invertido).
(em modo video invertido).

Ajuda – Exibe informação sensível


LOC/REM – Manter pressionado para quando a tecla é pressionada. A
alternar entre o controlo local e informação exibida no ecrã descreve
remoto do accionamento. o item na área central.

Parar – Pára o accionamento

Arrancar – Arranca o accionamento.

Modo de controlo
Use o modo de controlo para ler informação sobre o estado e operação do
accionamento. Para alcançar o modo de controlo, pressione EXIT até que o ecrã
LCD exiba a informação de estado conforme descrito abaixo.
Informação de estado
Superior. A linha superior do ecrã LCD exibe a informação básica de estado do
accionamento.
• LOC – indica que o controlo do accionamento é local, ou seja, a partir da consola
de operação.
• REM – indica que o controlo do accionamento é remoto, como tal, por E/S
básicas (X1) ou fieldbus.
• – indica o sentido de rotação do motor e do accionamento como se segue:
Ecrã da consola de operação Significado
Seta rotativa (sentido dos ponteiros do • O accionamento está a operar no ponto definido
relógio ou sentido contrário do relógio) • O sentido do veio é directo ou inverso

Arranque
36 Manual do Utilizador do ACS550

Ecrã da consola de operação Significado


Seta rotativa intermitente O accionamento não está a operar no ponto
definido
Seta imóvel O accionamento está parado.

• Superior direito – exibe a referência activa.


Centro. Usando o Grupo de parâmetros 34, o centro do ecrã LCD pode ser
configurado para exibir:
• Valores de até 3 parâmetros
Por defeito, o ecrã exibe três parâmetros. Os valores
por defeito dependem do valor do parâmetro 9904
MODO CTRL MOTOR. Por exemplo, se 9904 = 1, o ecrã
exibe os parâmetros 0102 (VELOCIDADE), 0104
(CORRENTE), 0105 (BINÁRIO).
• Use os parâmetros 3401, 3408 e 3415 para seleccionar parâmetros (do Grupo 1)
para o ecrã. A introdução do “parâmetro” 0100 resulta num ecrã onde não é
exibido nenhum parâmetro. Por exemplo, se 3401=0100 e 3415 = 0100, então só
o parâmetro especificado por 3408 aparece no ecrã da Consola de Operação.
• Pode também escalar cada parâmetro no ecrã. Por exemplo, use os parâmetros
3402... 3405 para escalar o parâmetro especificado por 3401. Para, por exemplo,
converter a velocidade do motor na velocidade de transporte.
• Uma barra gráfica em vez do valor do parâmetro.
– Introduza um valor negativo nas unidades dos
parâmetros (3405, 3412, ou 3418) para alterar o
ecrã de parâmetros para uma barra gráfica.
Inferior. O fundo do ecrã LCD exibe:
• Cantos inferiores – exibem as funções atribuídas às
duas teclas soft.
• Meio inferior – exibe a hora actual (se configurado para exibir a hora).
O accionamento em operação
LOC/REM – A primeira vez que o accionamento é ligado, é em modo de controlo
remoto (REM), e é controlado pelo Bloco Terminal de Controlo X1.
Para mudar para controlo local (LOC) e controlar o accionamento usando a consola
de operação, mantenha pressionada a tecla LOCREM até que seja exibido primeiro,
CONTROLO LOCAL, e depois, LOCAL, MANTER OPER:
• Liberte a tecla enquanto é exibido CONTROLO LOCAL para ajustar a referência
do painel para a referência externa actual. O accionamento pára.
• Liberte a tecla quando é exibido LOCAL, MANTER OPER, para copiar o estado
actual de operação/paragem e a referência de E/S do utilizador.
Para voltar a controlo remoto (REM) mantenha pressionada a tecla LOC
REM até que
seja exibido CONTROLO REMOTO.
Arrancar/Parar – Para arrancar e parar o accionamento pressione as teclas START
e STOP.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 37

Sentido do veio – Para mudar o sentido de rotação do veio pressione DIR (o


parâmetro 1003 deve ser ajustado para 3 (PEDIDO)).
Referência – Para modificar a referência (só possível se o canto superior direito do
ecrã estiver em modo de video invertido) pressione as teclas UP ou DOWN (as
referências mudam imediatamente).
A referência pode ser modificada quando em controlo local (LOC), e pode ser
parametrizada (usando o Grupo 11: SEL REFERÊNCIAS) para também permitir
modificações quando em controlo remoto (REM).

Outros modos
Além do modo de Controlo, o assistente da consola de operação tem:
• Outros modos de operação disponíveis através do menu principal.
• Um modo de falha que é activado com falhas. O modo de falhas inclui um modo
de assistente de falhas.
Acesso ao Menu Principal e outros Modos
Para aceder ao menu principal:
1. Pressione EXIT, o tempo necessário, para andar para trás nos menus ou listas
associadas a um modo particular. Continue até se encontrar novamente no modo de
Controlo.
2. Pressione MENU a partir do modo de Controlo.
Neste ponto, o ecrã central é uma lista de outros modos,
e no canto superior direito aparece o texto “Menu
principal”
3. Use as teclas UP/DOWN para seleccionar o modo
desejado.
4. Pressione ENTER para introduzir o modo assinalado (modo de video invertido).
As secções seguintes descrevem cada um dos outros modos.

Modo Parâmetros
Use este modo para visualizar e para editar os valores
dos parâmetros:
1. Seleccione PARÂMETROS no menú principal.

2. Pressione UP/DOWN para assinalar o grupo adequado


de parâmetros, e depois pressione SEL.

Arranque
38 Manual do Utilizador do ACS550

3. Pressione UP/DOWN para assinalar o parâmetro


adequado num grupo.

NOTA! O valor normal do parâmetro aparece abaixo do


parâmetro assinalado.

4. Pressione EDITAR.
5. Pressione UP/DOWN para passar para o valor do parâmetro pretendido.

Nota! Para ver o valor por defeito do parâmetro: no mesmo modo, prima UP/DOWN
simultâneamente.

• Pressione SALVAR para guardar o valor modificado


ou CANCELAR para deixar o modo de ajuste.
Qualquer modificação não guardada é cancelada.
• Pressione SAIR para voltar à listagem dos grupos de
parâmetros, e depois para voltar ao menú principal.

Modo Assistente de Arranque


Quando o accionamento é ligado pela primeira vez, o assistente de arranque
conduz o utilizador para o ajuste de alguns parâmetros básicos. Por exemplo, no
primeiro arranque, o accionamento sugere automaticamente a introdução da
primeira tarefa, Selecção de Língua.
O assistente de arranque está dividido em tarefas. Pode activar as tarefas uma após
a outra, conforme o asssitente de arranque sugere, ou independentemente. (Não é
necessário que utilize o assistente, pode em vez disso, usar o modo parâmetros
para ajustar os parâmetros do accionamento).
A ordem das tarefas apresentada pelo assistente de arranque depende das
entradas que o utilizador efectuar. A lista na tabela seguinte é apenas um exemplo.
Nome da tarefa Descrição
Selecção da língua Selecciona a língua usada no ecrã da consola de operação
Ajuste do motor Carrega os dados e a identificação do motor
Aplicação Selecciona uma macro de aplicação
Módulos opcionais Activa os módulos opcionais, se houver algum instalado no accionamento.
Controlo veloc EXT1 • Selecciona a fonte da referência de velocidade
• Define os limites de referência
• Define os limites de velocidade (ou frequência)
• Define os tempos de aceleração e desaceleração
• Ajusta o chopper de travagem se activado
Controlo veloc EXT2 • Define a fonte da referência de velocidade
• Define os limites de referência
Controlo binário • Selecciona a fonte da referência de binário
• Define os limites de referência
• Define os tempos de rampa de binário

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 39

Controlo PID • Selecciona a fonte para a referência de processo


• Define os limites de referência
• Define os limites de velocidade (referência)
• Define a fonte e os limites para o valor actual de processo
Ctrl Arranque/ • Selecciona ou EXT1 ou EXT2
Paragem • Define o controlo do sentido
• Define os modos de arranque e paragem
• Selecciona o uso do sinal Permissão Func
Protecções Define os limites de binário e de corrente
Sinais de saída Selecciona os sinais indicados através das saídas a relé SR1, SR2, SR3 e
as saídas a relé opcionais (se instaladas).
Selecciona os sinais idicados através das saídas analógicas SA1 e SA2.
Define o valor minimo, máximo, escala e inversão.

1. Seleccione ASSISTENTES no Menú Principal.


2. Pressione UP/DOWN para seleccionar o ASSISTENTE DE ARRANQUE.

Nota! Em vez do Assistente de Arranque, pode seleccionar um Assistente para


tarefas individuais, como por exemplo Sinais de Saída.

3. Execute as entradas ou as selecções como apropriado.


4. Pressione SALVAR para guardar os ajustes, ou SAIR para repor os ajustes para os
valores originais.

Modo Parâmetros Alterados


Use o modo Parâmetros Alterados para visualizar (e editar) uma listagem de todos
os parâmetros que foram alterados dos valores por defeito definidos na fábrica:
1. Seleccione PAR ALTERAD no menú principal.
O ecrã exibe todos os parâmetros que foram alterados.
2. Pressione ENTER.
3. Pressione UP/DOWN para seleccionar um parâmetro alterado.
Conforme cada parâmetro é seleccionado, o seu valor aparece.
4. Pressione EDITAR para editar o valor do parâmetro.
5. Pressione UP/DOWN para seleccionar um novo valor / editar o valor do parâmetro.
(Pressionando ambas as teclas ao mesmo tempo ajuste o parâmetro para o valor
por defeito.)
6. Pressione SALVAR para guardar o novo valor do parâmetro. (Se o novo valor for o
valor por defeito, o parâmetro não voltará a aparecer na listagem de parâmetros
alterados.)

Modo Backup de Parâmetros


A Consola de Operação com Assistente pode armazenar um conjunto completo de
parâmetros do accionamento. Se forem definidos dois conjuntos de parâmetros,
serão ambos copiados e transferidos quando usar este dispositivo.

Arranque
40 Manual do Utilizador do ACS550

O modo Backup de Parâmetros tem três funções:


• Carregar para a Consola – Copia todos os parâmetros do accionamento para a
consola de operação. Isto inclui um segundo conjunto de parâmetros (se definido) e
parâmetros internos tais como os que são gerados em IDENT MOTOR. A memória
da consola de operação é não-volátil e não depende da bateria da consola de
operação.
• Restaurar Todos (Descarregar Todos para o Accionamento) – Restaura o(s)
conjunto(s) de parâmetros da consola de operação para o accionamento. Use esta
opção para restaurar um accionamento, ou para configurar accionamentos
idênticos.

Nota! A função Restaurar contém todos os parâmetros para o accionamento, incluindo


os parâmetros do motor. Use unicamente esta função para restaurar um
accionamento, ou para transferir parâmetros para sistemas que sejam idênticos aos
do sistema original.

• Descarregar Aplicação – Copia parcialmente conjunto(s) de parâmetros da consola


de operação para o accionamento. O conjunto parcial não inclui os parâmetros
internos do motor, os parâmetros 9905…9909, 1605, 1607, 5201, ou qualquer
parâmetro do Grupo 51. Use esta opção para transferir parâmetros para sistemas
que usem configurações similares – não é necessário que os tamanhos do motor e
do accionamento sejam os mesmos.
1. Seleccione COPIAR no menú principal.
2. Pressione UP/DOWN para seleccionar a opção pretendida.
3. Pressione SALVAR.
O conjunto de parâmetros é transferido conforme indicado. Durante a transferência, o
ecrã exibe o estado da transferência como uma percentagem.
4. Pressione SAIR para sair para o modo Controlo.

Modo Relógio
Use o modo Relógio para:
• Activar/ desactivar a função Relógio.
• Ajustar a data e a hora.
• Seleccionar o formato.
1. Seleccione RELÓGIO no menú principal.
2. Pressione UP/DOWN para seleccionar a opção pretendida.
3. Pressione EDITAR.
4. Pressione UP/DOWN para seleccionar o ajuste pretendido.
5. Pressione SALVAR para guardar o ajuste.

Modo Configuração E/S


Use o modo Config E/S para verificar (e editar) a configuração em qualquer terminal
de E/S.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 41

1. Seleccione CONFIG E/S no menú principal.


2. Pressione UP/DOWN para seleccionar o grupo de E/S pretendido, por exemplo,
entradas digitais.
3. Pressione ENTER.
4. Pressione UP/DOWN para seleccionar um item em particular, por exemplo ED1.
Após uma breve pausa, o ecrã exibe o ajuste actual da selecção.
5. Pressione EDITAR.
6. Pressione UP/DOWN para seleccionar um novo ajuste.
7. Pressione SALVAR para guardar.

Arranque
42 Manual do Utilizador do ACS550
Consola de operação básica

Conteúdos
Os conteúdos da consola de operação básica são:
• Consola de operação numérica com ecrã LCD.
• Pode ser ligada ou desligada do accionamento a qualquer momento.
• Função de cópia – Os parâmetros podem ser copiados para a memória da
consola de operação para transferência posterior para outros accionamentos, ou
para diário de um sistema particular.

Controlos/Resumo do ecrã
A tabela seguinte resume as funções das teclas de função e os ecrãs da Consola de
Operação Básica.

Ecrã LCD – Dividido em cinco áreas:


• Superior esquerda – identifica o local de controlo, local (LOC) ou remoto
(REM) "Informação de estado"
• Superior direita – identifica as unidades de valor dos parâmetros
• Centro – variável, no geral, exibe valores de parâmetros, menús ou listas.
Também exibe um código para erros da consola de operação.
• Inferior esquerda – “SAÍDA” no modo de controlo, ou “MENU” quando em
selecção de modos alternativos.
• Inferior direita – sentido de rotação do motor, e indica quando um valor
pode ser editado ( SET ).

Tecla MENU/ENTER – Entra mais


profundamente no nível do menú. No
nível mais baixo do menú, guarda o
Tecla EXIT/RESET – Sai para o REM A valor do ecrã como um novo ajuste.
próximo nível superior do menú. Não
guarda valores alterados.
OUTPUT
1.1 FWD Abaixo –
Acima – • Percorre um menu ou lista para
EXIT/ MENU/ baixo.
• Percorre um menu ou lista para RESET ENTER
cima. • Aumenta um valor se for
seleccionado um parâmetro.
• Aumenta um valor se for
seleccionado um parâmetro. • Diminui a referência quando em
modo Referência de Operação.
• Diminui a referência quando em
modo Referência de Operação.
Tecla DIR – Altera o sentido de
LOC/REM – Alterna entre o controlo rotação do motor.
local e o remoto do accionamento.

STOP – Pára o accionamento START – Arranca o accionmanto.


FM

Modo de controlo
Use o modo de controlo para ler informação sobre o estado e para operar o
accionamento. Para alcançar o modo de controlo, pressione EXIT/RESET até que o
ecrã exiba a informação de estado conforme descrito abaixo.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 43

Informação de Estado
Quando a consola de operação básica está em modo de controlo:
• A linha superior esquerda exibe o local de controlo:
REM A
– LOC – indica que o controlo do accionamento é
local, isto é, a partir da consola de operação.
OUTPUT
1.1
FWD
– REM – indica que o controlo do accionamento é
remoto, por E/S básica (X1) ou fieldbus.
• O centro do ecrã é o valor dos parâmetros do Grupo 1. Podem estar acessíveis
até três valores de parâmetros (pressione UP ou DOWN para percorrer os
parâmetros disponíveis).
– Por defeito, o ecrã inclui três parâmetros. Os parâmetros particulares
dependem do valor do parâmetro 9904 MODO CTRL MOTOR. Por exemplo, se
9904 = 1, o ecrã exibe os parâmetros 0102 (VELOCIDADE), 0104 (CORRENTE),
0105 (BINÁRIO).
– Use os parâmetros 3401, 3408 e 3415 para seleccionar parâmetros (do Grupo
1) para o ecrã. A introdução do “parâmetro” 0100 resulta num ecrã onde não é
exibido nenhum parâmetro. Por exemplo, se 3401=0100 e 3415 = 0100, então
só o parâmetro especificado por 3408 aparece no ecrã da Consola de
Operação.
– Pode também escalar cada parâmetro no ecrã. Por exemplo, use os
parâmetros 3402... 3405 para escalar o parâmetro especificado por 3401.
Para, por exemplo, converter a velocidade do motor em velocidade de
transporte.
• A linha superior direita exibe as unidades de valor do parâmetro.
• A linha inferior esquerda exibe SAIDA.
• A linha inferior direita exibe o sentido de rotação do motor. O texto exibido (FWD
ou REV) é:
– Fixo quando o motor está a rodar na velocidade.
– A piscar lentamente quando o motor está parado.
– A piscar rapidamente quando o motor está em aceleração.
O accionamento em operação
LOC/REM – A primeira vez que o accionamento é ligado, é em modo de controlo
remoto (REM), e é controlado pelo Bloco Terminal de Controlo X1.
Para mudar para controlo local (LOC) e controlar o accionamento usando a consola
de operação, pressione a tecla LOC
REM . Se:

• Pressionar e libertar a tecla ( o ecrã pisca “LoC”) pára o accionamento. Use o


Modo Referência para ajustar a referência de controlo local.
• Mantenha a tecla pressionada durante 2 segundos (liberte quando o ecrã mudar
de “LoC” para “LoC r”) e o accionamento retoma o funcionamento anterior. O
accionamento copia os valores remotos actuais do estado run/stop e referência,
e usa-os como comandos iniciais de controlo local.
Para voltar a controlo remoto (REM) pressione LOC
REM .

Arranque
44 Manual do Utilizador do ACS550

Arrancar/Parar – Para arrancar e parar o accionmaneto pressione as teclas START


e STOP.
Sentido de rotação – Para alterar o sentido de rotação pressione DIR (o
parâmetro 1003 deve ser ajustado para 3 (PEDIDO)).
Referência – Veja abaixo "Modo Referência".

Modo Referência
Use o Modo Referência para ajustar a referência de velocidade ou frequência.
Normalmente o controlo desta referência só é possível quando o accionamento está
em controlo Local (LOC). No entanto, o accionamento pode ser ajustado (usando o
Grupo 11: SEL REFERÊNCIAS) para também permitir a modificação da referência
quando o accionamento estiver em controlo remoto (REM).
1. A partir do modo Saída, pressione MENU/ENTER.
O ecrã exibe um dos seguintes modos alternativos:
• reF (Referência)
• PAr (Parâmetro)
• CoPY (Cópia)
2. Use as setas UP ou DOWN para percorrer “reF” (Modo Referência).
3. Pressione MENU/ENTER.
O ecrã exibe o valor da referência actual com SET debaixo do valor.

Nota! Normalmente, o ajuste de referência só é possível em controlo LOC, mas os


ajustes do Grupo 11, permitem ajustes de referência em controlo REM. O ecrã SET
indica quando é possível o ajuste na consola de operação.

4. Use as setas UP ou DOWN para passar para o valor de parâmetro pretendido.


5. Pressione EXIT/RESET para voltar para o modo Saída.

Modo Parâmetros
Use o Modo Parâmetros para ajustar os valores dos parâmetros.
1. Em modo de Saída, pressione MENU/ENTER.
O ecrã exibe um dos seguintes modos alternativos:
• reF (Referência)
• PAr (Parâmetro)
• CoPY (Cópia)
2. Use as setas UP ou DOWN para percorrer “PAr” (Modo Parâmetros).
3. Pressione MENU/ENTER.
O ecrã exibe um dos grupos de parâmetros:
• “01”

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 45

• …
• “99”
4. Use as setas UP ou DOWN para chegar ao grupo pretendido, por exemplo “03”.
5. Pressione MENU/ENTER.
O ecrã exibe um dos parâmetros do grupo seleccionado de parâmetros. Por
exemplo, “0301”.
6. Use as teclas UP ou DOWN para chegar ao parâmetro pretendido.
7. Pressione MENU/ENTER, quer:
• Mantendo pressionado cerca de 2 segundos ou
• Pressionando a tecla duas vezes numa sucessão rápida
O ecrã exibe o valor do parâmetro seleccionado com SET debaixo do valor.

Nota! Uma leve pressão na tecla MENU/ENTER exibe o valor actual do parâmetro
durante cerca de 2 segundos. Durante esta exibição, pressionando novamente a
tecla MENU/ENTER também activa SET.

8. Use as teclas UP ou DOWN para chegar ao parâmetro pretendido.

Nota! Em SET , pressionar simultâneamente as teclas UP e DOWN exibe o valor por


defeito do parâmetro.

9. Em SET , pressionar MENU/ENTER para guardar o valor do parâmetro exibido.

Nota! Se, pelo contrário, pressionar EXIT/RESET o valor do parâmetro original, ou o


último valor guardado, é o valor activo.

10. Pressione EXIT/RESET para voltar para o modo Saída.

Modo Backup de Parâmetros


A Consola de Operação Básica pode armazenar um conjunto completo de
parâmetros do accionamento. Se forem definidos dois conjuntos de parâmetros,
serão ambos copiados e transferidos quando usar este dispositivo.
O modo Backup de Parâmetros tem três funções:
• uL (Carregar) – Copia todos os parâmetros do accionamento para a consola de
operação. Isto inclui um segundo conjunto de parâmetros (se definido) e
parâmetros internos tais como os que são gerados em IDENT MOTOR. A
memória da consola de operação é não-volátil e não depende da bateria da
consola de operação.
• rE A (Restaurar) – Restaura o(s) conjunto(s) de parâmetros da consola de
operação para o accionamento. Use esta opção para restaurar um
accionamento, ou para configurar accionamentos idênticos.

Arranque
46 Manual do Utilizador do ACS550

Nota! A função Restaurar contém todos os parâmetros para o accionamento,


incluindo os parâmetros do motor. Use unicamente esta função para restaurar um
accionamento, ou para transferir parâmetros para sistemas que sejam idênticos aos
do sistema original.

• dL P (Descarregar Parcial) – Copia parcialmente conjunto(s) de parâmetros da


consola de operação para o accionamento. O conjunto parcial não inclui os
parâmetros internos do motor, os parâmetros 9905…9909, 1605, 1607, 5201, ou
qualquer parâmetro do Grupo 51. Use esta opção para transferir parâmetros para
sistemas que usem configurações similares – não é necessário que os tamanhos
do motor e do accionamento sejam os mesmos.
1. Em modo Saída, pressione MENU/ENTER.
O ecrã exibe um dos seguinte modos alternantivos:
• reF (Referência)
• PAr (Parâmetro)
• CoPY (Cópia)
2. Use a seta UP ou DOWN para chegar ao Modo “CoPY” (Cópia).
3. Pressione MENU/ENTER.
O ecrã exibe uma das seguintes opções de cópia:
• uL (Carregar)
• rE A (Restaurar Todos)
• dL P (Descarregar Parcial)
4. Use a seta UP ou DOWN para chegar à opção pretendida.
5. Pressione MENU/ENTER.
O conjunto de parâmetros é transferido conforme indicado. Durante a transferência,
o ecrã exibe o estado da transferência em percentagem.
6. Pressione EXIT/RESET para voltar ao modo Saída.

Códigos de alarme (Consola de operação básica)


A Consola de operação básica indica os alarmes da consola de operação com um
código, A3xxx. A tabela seguinte lista os códigos de alarme e as descrições.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 47

Nota! Os códigos de Falha/Alarme não específicos para a Consola de operação


básica são definidos na secção "Diagnósticos" na página 162

Código Descrição
3001 Falha de comunicação.
3002 Erro de interface da consola de operação com o accionamento. Informe a
ABB local do código de erro.
3003 A consola de operação e o accionamento não são compatíveis.
3010 Falha CRC do diário do parâmetro.
3011 O accionamento é controlado a partir de outra fonte.
3012 O sentido de rotação está bloqueado.
3013 Chave inactiva, arranque não permitido.
3014 Chave inactiva devido a falha do accionamento. Corrigir a falha.
3015 Bloqueio do modo local activado.
3016 Protegido contra edição devido ao arranque do accionamento. Parar o
accionamento antes de efectuar qualquer alteração.
3017 Edição protegida, só de leitura.
3018 Erro de parâmetro.
3019 Não é permitida a introdução de um valor diferente de zero.
3020 Grupo ou parâmetro não existente.
3021 Grupo ou parâmetro não disponível.
3022 Grupo ou parâmetro protegido contra edição.
3023 Não é permitida a modificação em funcionamento. Páre o accionamento
antes de efectuar alguma alteração.
3024 Funcionamento não permitido devido a parâmetro bloqueado.
3025 Erro de parâmetro.

3026 Valor do parâmetro errado.


3027
3028
3029 Acesso à memória não-volátil não “permitido”\\.
3030 Valor do parâmetro errado.
3031 Pedido inválido.
3032 Erro de parâmetro.
3033 O accionamento não está pronto para download.
3040 Disco de backup vazio.
3041 Ficheiro de backup muito grande.
3042 Backup não encontrado.
3043 Não permitido arranque forçado.
3050 Upload interrompido.

Arranque
48 Manual do Utilizador do ACS550

Código Descrição
3051 Erro de upload.
3052 Erro de upload desconhecido.
3060 Download interrompido
3061 O accionamento não está pronto para download.
3062 Erro de download desconhecido.
3070 Erro de escrita para a memória da consola de operação.
3071 Erro de leitura da memória da consola de operação.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 49

Macros de Aplicação
As macros alteram um grupo de parâmetros para novos valores pré-definidos. Use
as macros para minimizar a necessidade de editar manualmente os parâmetros.
Seleccionar uma macro ajusta todas as outras macros para os seus valores de
defeito, excepto:
• Grupo 99: Parâmetros de dados de arranque
• o BLOQUEIO PARAM 1602
• o GRAVAR PARAM 1607
• Grupos 50…52 parâmetros de comunicação em série
Depois de seleccionar uma macro, podem ser efectuadas manualmente alterações
adicionais de parâmetros usando a consola de operação.
As macros de aplicação são ajustes de parâmetros pré-definidos conseguidos pelo
ajuste do valor do parâmetro 9902 MACRO APLIC. Por defeto, 1, Standard ABB, é a
macro pronta.
As secções seguintes descrevem cada uma das macros de aplicação e apresentam
um exemplo de ligação para cada macro.

Arranque
50 Manual do Utilizador do ACS550

Macro de aplicação: Standard ABB (Fábrica)


Esta macro fornece uma configuração tipica de E/S de 2-fios, com três (3)
velocidades constantes. Esta é a macro por defeito. Os valores do parâmetro são os
valores por defeito definidos na "Lista completa de parâmetros do ACS550" na
página 58.
Exemplo de ligação:
X1 1 SCR Blindagem do cabo de sinal
2 EA1 Referência externa de frequência 1: 0…10 V
3 AGND Circuito comum de entrada analógica
4 10V Referência de tensão 10 VCC
5 EA2 Não usado
6 AGND Circuito comum de entrada analógica
7 SA1 Saída de frequência: 0…20 mA
8 SA2 Saída de corrente: 0…20 mA
9 AGND Circuito comum de saída analógica

10 24V Saída de tensão auxiliar +24 VCC


11 GND Comum para sinais de retorno ED.
12 DCOM1 Entrada digital comum para todos
13 ED1 Arranque/Paragem: Activar para arrancar
14 ED2 Dir/Inv: Activar para inverter o sentido de rotação
15 ED3 Selecção de velocidade constante2
16 ED4 Selecção de velocidade constante2
17 ED5 Selecção de par de rampa: Activar para sel o 2º par de rampa de ac/des
18 ED6 Não usado
Nota 1. A referência externa é usada
19 SR1C Saída a relé 1, programável como referência de velocidade, se o
20 SR1A Operação por defeito: modo de controlo vectorial for
21 SR1B Pronto =>19 ligado a 21 seleccionado
22 SR2C Saída a relé 2, programável Nota 2. Código:
23 SR2A Operação por defeito: 0 = aberto, 1 = ligado
24 SR2B Operação =>22 ligado a 24
25 SR3C Saída a relé 3, programável ED3 ED4 Saída
26 SR3A Operação por defeito: 0 0 Referência através de EA1
27 SR3B Falha =>25 ligado a 26 1 0 VELOC CONSTANTE 1 (1202)
0 1 VELOC CONSTANTE 2 (1203)
1 1 VELOC CONSTANTE 3 (1204)

Sinais de entrada Sinais de saída Ajuste do Jumper


• Referência analógica (EA1) • Saída analógica SA1: Frequência
• Arranque, paragem e sentido • Saída analógica SA2: Corrente J1
(ED1,2) EA1: 0…10 V
ON

• Saída a relé 1: Pronto


• Selecção da veloc constante EA2: 0(4)…20 mA
ON

• Saída a relé 2: Operação


(ED3,4)
• Saída a relé 3: Falha
• Sel de par de rampa (1 ou 2) (ED5)

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 51

Macro de aplicação: 3-fios


Esta macro é usada quando o accionamento é controlado através de botões
momentâneos, e fornece três (3) velocidades constantes. Para activar, ajuste o
valor do parâmetro 9902 para 2 (3-FIOS).
Nota! Quando a entrada de paragem (ED2) é desactivada (sem entrada), as teclas
start/stop da consola de operação são desactivadas.
Exemplo de ligação:
X1 1 SCR Blindagem do cabo de sinal
2 EA1 Referência externa de frequência 1: 0…10 V
3 AGND Circuito comum de entrada analógica
4 10V Referência de tensão 10 VCC
5 EA2 Não usado
6 AGND Circuito comum de entrada analógica
7 SA1 Saída de velocidade do motor: 0…20 mA
8 SA2 Saída de corrente: 0…20 mA
9 AGND Circuito comum de entrada analógica

10 24V Saída de tensão auxiliar +24 VCC


11 GND Comum para sinais de retorno ED.
12 DCOM1 Entrada digital comum para todos
13 ED1 Arranque: Activação momentânea com ED2 que activa arranca o accionamento
14 ED2 Paragem: Desactivação momentânea pára o accionamento.
15 ED3 Dir/Inv: Activa o sentido de rotação inverso.
16 ED4 Selecção de velocidade constante1
17 ED5 Selecção de velocidade constante1
18 ED6 Não usado

19 SR1C Saída a relé 1, programável


20 SR1A Operação por defeito:
Nota 1. Código:
21 SR1B Pronto =>19 ligado a 21
0 = aberto, 1 = ligado
22 SR2C Saída a relé 2, programável
23 SR2A Operação por defeito: ED4 ED5 Saída
24 SR2B Operação =>22 ligado a 24 0 0 Referência através de EA1
25 SR3C Saída a relé 3, programável 1 0 VELOC CONSTANTE 1 (1202)
26 SR3A Operação por defeito: 0 1 VELOC CONSTANTE 2 (1203)
27 SR3B Falha =>25 ligado a 26 1 1 VELOC CONSTANTE 3 (1204)

Sinais de entrada Sinais de saída Ajuste do Jumper


• Referência analógica (EA1) • Saída anal SA1: Velocidade
• Arranque, paragem e sentido • Saída anal SA2: Corrente J1
(ED1,2,3) EA1: 0…10 V
ON

• Saída a relé 1: Pronto


• Sel da veloc constante (ED4, 5) EA2: 0(4)…20 mA
ON

• Saída a relé 2: Operação


• Saída a relé 3: Falha

Arranque
52 Manual do Utilizador do ACS550

Macro de aplicação: Alternar


Esta macro fornece uma configuração E/S adaptada a uma sequência de sinais de
controlo ED usado quando se altera o sentido de rotação do accionamento. Para
activar, ajuste o valor do parâmetro 9902 para 3 (ALTERNAR).
Exemplo de ligação:
X1 1 SCR Blindagem do cabo de sinal
2 EA1 Referência externa de frequência 1: 0…10 V
3 AGND Circuito comum de entrada analógica
4 10V Referência de tensão 10 VCC
5 EA2 Não usado
6 AGND Circuito comum de entrada analógica
7 SA1 Saída de velocidade do motor: 0…20 mA
8 SA2 Saída de corrente: 0…20 mA
9 AGND Circuito comum de entrada analógica

10 24V Saída de tensão auxiliar +24 VCC


11 GND Comum para sinais de retorno ED.
12 DCOM1 Entrada digital comum para todos
13 ED1 Arranque directo: Se o estado de ED1 for igual a ED2, o accionamento pára
14 ED2 Arranque sentido inverso
15 ED3 Selecção de velocidade constante1
16 ED4 Selecção de velocidade constante1
17 ED5 Selecção de par de rampa: Activa a sel do 2º par de rampa de ac/des
18 ED6 Permissão Func: Desactivar para parar o accionamento

19 SR1C Saída a relé 1, programável


20 SR1A Operação por defeito: Nota 1. Código:
21 SR1B Pronto =>19 ligado a 21 0 = aberto, 1 = ligado
22 SR2C Saída a relé 2, programável
23 SR2A Operação por defeito: ED4 ED5 Output
24 SR2B Operação =>22 ligado a 24 0 0 Referência através de EA1
25 SR3C 1 0 VELOC CONSTANTE 1 (1202)
Saída a relé 3, programável
26 SR3A Operação por defeito: 0 1 VELOC CONSTANTE 2 (1203)
27 SR3B Falha =>25 ligado a 26 1 1 VELOC CONSTANTE 3 (1204)

Sinais de entrada Sinais de saída Ajuste do Jumper


• Referência analógica (EA1) • Saída analógica SA1:
• Arranque, paragem e sentido Velocidade J1
(ED1,2) • Saída analógica SA2: Corrente EA1: 0…10 V
ON

• Sel da veloc constante (ED3,4) • Saída a relé 1: Pronto EA2: 0(4)…20 mA


ON

• Sel para de rampa 1/2 (ED5) • Saída a relé 2: Operação


• Permissão Func (ED6) • Saída a relé 3: Falha

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 53

Macro de aplicação: Potenciómetro do motor


Esta macro fornece um interface económico para comando por PLCs que variam a
velocidade do accionamento usando apenas sinais digitais. Para activar, ajuste o
valor do parâmetro 9902 para 4 (POT MOTOR).
Exemplo de ligação:
X1 1 SCR Blindagem do cabo de sinal
2 EA1 Referência externa de frequência 1: 0…10 V
3 AGND Circuito comum de entrada analógica
4 10V Referência de tensão 10 VCC
5 EA2 Não usado
6 AGND Circuito comum de entrada analógica
7 SA1 Saída de velocidade do motor: 0…20 mA
8 SA2 Saída de corrente: 0…20 mA
9 AGND Circuito comum de entrada analógica

10 24V Saída de tensão auxiliar +24 VCC


11 GND Comum para sinais de retorno ED.
12 DCOM1 Entrada digital comum para todos
13 ED1 Arranque/paragem: Activar para arrancar o accionamento
14 ED2 Directo/inverso: Activar para inverter o sentido de rotação.
15 ED3 Referência acima: Activar para aumentar a referência1.
16 ED4 Referência abaixo: Activar para diminuir a referência1.
17 ED5 Velocidade constante 1: 1202
18 ED6 Permissão Func: Desactivar para parar o accionamento
19 SR1C Saída a relé 1, programável Nota 1. Para ED3 e ED4:
20 SR1A Operação por defeito: • Se ambas estiverem activas ou
21 SR1B Pronto =>19 ligado a 21 inactivas a referência de velocidade é
inalterável.
22 SR2C Saída a relé 2, programável
• A referência de velocidade existente é
23 SR2A Operação por defeito: guardada durante a paragem ou baixa
24 SR2B Operação =>22 ligado a 24 potência.
25 SR3C Saída a relé 1, programável • A referência de velocidade externa
26 SR3A Operação por defeito: (EA1) não é usada (excepto como
27 SR3B Falha =>25 ligado a 26 ponto de arranque durante o primeiro
arranque).
Sinais de entrada Sinais de saída Ajuste do Jumper
• Refererência analógica (EA1) • Saída analógica SA1:
• Arranque, paragem e sentido Velocidade J1
(ED1,2) • Saída analógica SA2: Corrente EA1: 0…10 V
ON

• Referência acima/abaixo (ED3,4) • Saída a relé 1: Pronto EA2: 0(4)…20 mA


ON

• Selecção de vel constante (ED5) • Saída a relé 2: Operação


• Permissão Func (ED6) • Saída a relé 3: Falha

Arranque
54 Manual do Utilizador do ACS550

Macro de aplicação: Manual-Auto


Esta macro fornece uma configuração de E/S normalmente usada em aplicações
AVAC. Para activar, ajuste o valor do parâmetro 9902 para 5 (MAN/AUTO).

Nota! O parâmetro 2108 INIBE ARRANQUE deve manter o valor por defeito, 0
(DESLIGADO).

Exemplo de ligação:
X1 Blindagem do cabo de sinal
1 SCR
2 EA1 Referência externa 1: 0…10 V (Controlo manual)
3 AGND Circuito comum de entrada analógica
4 10V Referência de tensão 10 VCC
5 EA2 Referência externa 2: 0…20 mA (Controlo automático)
6 AGND Circuito comum de entrada analógica
7 SA1 Saída de velocidade do motor: 0…20 mA
8 SA2 Saída de corrente: 0…20 mA
9 AGND Circuito comum de entrada analógica

10 24V Saída de tensão auxiliar +24 VCC


11 GND Comum para sinais de retorno ED.
12 DCOM1 Entrada digital comum para todos
13 ED1 Arrancar/Parar (Manual): Activar para arrancar o accionamento
14 ED2 Directo/Inverso (Manual): Activar para inverter o sentido de rotação.
15 ED3 Selecção EXT1/EXT2: Activar para seleccionar controlo automático
16 ED4 Permissão Func: Desactivar para parar o accionamento
17 ED5 Directo/Inverso (Auto): Activar para inverter o sentido de rotação.
18 ED6 Arrancar/Parar (Auto): Activar para arracar o accionamento.
19 SR1C Saída a relé 1, programável
20 SR1A Operação por defeito:
21 SR1B Pronto =>19 ligado a 21
22 SR2C Saída a relé 2, programável
23 SR2A Operação por defeito:
24 SR2B Operação =>22 ligado a 24
25 SR3C Saída a relé 3, programável
26 SR3A Operação por defeito:
27 SR3B Falha =>25 ligado a 26

Sinais de entrada Sinais de saída Ajuste do Jumper


• Duas referências analógicas • Saída analógica SA1:
(EA1,2) Velocidade J1
• Arrancar/parar – manual/auto • Saída analógica SA2: EA1: 0…10 V
ON

(ED1, 6) Corrente EA2: 0(4)…20 mA


ON

• Sentido – manual/auto (ED2, 5) • Saída a relé 1: Pronto


• Selecção do local de controlo • Saída a relé 2: Operação
(ED3) • Saída a relé 3: Falha
• Permissão Func (ED4)

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 55

Macro aplicação: Controlo PID


Esta macro fornece ajustes de parâmetros para sistemas de controlo de malha
fechada tais como controlo de pressão, controlo de fluxo, etc. Para activar, ajuste o
valor do parâmetro 9902 para 6 (CTRL PID).

Nota! O parâmetro 2108 INIBE ARRANQUE deve manter o valor por defeito, 0
(DESLIGADO).

Exemplo de
X1 ligação:
X1 1 SCR Blindagem do cabo de sinal
2 EA1 Ref. externa 1 (Manual) ou Ref. ext 2 (PID): 0…10 V1
3 AGND Circuito comum de ent analógica
Nota 1.
4 10V Referência de tensão 10 VCC Manual: 0…10V => ref. velocidade
5 EA2 Sinal actual (PID): 0…20 mA
PID: 0…10V => 0…100% setpoint PID
6 AGND Circuito comum de ent analógica
7 SA1 Saída corrente do motor: 0…20 mA
8 SA2 Saída de corrente: 0…20 mA
9 AGND Circuito comum de entrada analógica

10 24V Saída de tensão auxiliar +24 VCC


11 GND Comum para sinais de retorno ED.
12 DCOM1 Entrada digital comum para todos
13 ED1 Arranque/Paragem (Manual): Activar para arrancar o accionamento
14 ED2 Selecção EXT1/EXT2: Activar para seleccionar o controlo PID
15 ED3 Selecção veloc constante 1: (Não usado no controlo PID)2
16 ED4 Selecção veloc constante 2: (Não usado no controlo PID)2
17 ED5 Permissão Func: Desactivar para parar o accionamento
18 ED6 Arranque/Paragem (PID): Activar para arrancar o accionamento

19 SR1C Saída a relé 1, programável


20 SR1A Operação por defeito: Nota 2. Código:
21 SR1B Pronto =>19 ligado a 21 0 = aberto, 1 = ligado
22 SR2C Saída a relé 2, programável ED3 ED4 Saída
23 SR2A Operação por defeito: 0 0 Ref. através de EA1
24 SR2B Operação =>22 ligado a 24
1 0 VEL CONSTANTE 1 (1202)
25 SR3C Saída a relé 3, programável 0 1 VEL CONSTANTE 2 (1203)
26 SR3A Operação por defeito: 1 1 VEL CONSTANTE 3 (1204)
27 SR3B Falha =>25 ligado a 26

Sinais de entrada Sinais de saída Ajuste do Jumper


• Referência analógica (EA1) • Saída analógica SA1:
• Valor actual (EA2) Velocidade J1
• Saída analógica SA2: EA1: 0…10 V
ON

• Arrancar/parar – manual/PID
(ED1, 6) Corrente EA2: 0(4)…20 mA
ON

• Selecção EXT1/EXT2 (ED2) • Saída a relé 1: Pronto


• Sel veloc constante (ED3, 4) • Saída a relé 2: Operação
• Permissão Func (ED5) • Saída a relé 3: Falha

Arranque
56 Manual do Utilizador do ACS550

Macro de aplicação: PFC


Esta macro fornece ajustes de parâmetros para aplicações (PFC) para controlo de
bombas e ventiladores. Para activar, ajuste o valor do parâmetro 9902 para 7
(CONTROLO PFC).
Nota! O parâmetro 2108 INIBE ARRANQUE deve manter o valor por defeito, 0
(DESLIGADO).
Exemplo de ligação:
X1 1 SCR Blindagem do cabo de sinal
2 EA1 Ref. externa 1 (Manual) ou Ref. ext 2 (PID/PFC): 0…10 V1
3 AGND Circuito comum de ent analógica Nota 1.
4 10V Referência de tensão 10 VCC Manual: 0…10V => 0…50 Hz
5 EA2 Sinal actual (PID): 0…20 mA PID/PFC: 0…10V => 0…100%
6 AGND Circuito comum de ent analógica setpoint PID
7 SA1 Saída corrente do motor: 0…20 mA
8 SA2 Actual 1 (valor actual do controlador PI): 0(4)…20 mA
9 AGND Circuito comum de ent analógica

10 24V Saída de tensão auxiliar +24 VCC


11 GND Comum para sinais de retorno ED.
12 DCOM1 Entrada digital comum para todos
13 ED1 Arranque/Paragem (Manual): Activar para arrancar o accionamento
14 ED2 Permissão Func: Desactivar sempre para parar o accionamento
15 ED3 Selecção EXT1/EXT2: Activar para seleccionar o controlo PID
16 ED4 Interlock: Desactivar sempre para parar o accionamento.
17 ED5 Interlock: Desactivar para parar o motor de velocidade constante.
18 ED6 Arranque/Paragem (PFC): Activar para arrancar o accionamento.

19 SR1C Saída a relé 1, programável


20 SR1A Operação por defeito:
21 SR1B Falha =>19 ligado a 20
22 SR2C Saída a relé 2, programável
23 SR2A Operação por defeito:
24 SR2B Regulação da velocidade do motor ligado=>22 ligado a 24
25 SR3C Saída a relé 3, programável
26 SR3A Operação por defeito:
27 SR3B Motor auxiliar ligado=>25 ligado a 27

Sinais de entrada Sinais de saída Ajuste do Jumper


• Ref. analógica e actual (EA1,2) • Saída analógica SA1: Freq.
• Arrancar/parar – manual/PFC • Saída analógica SA2: Actual 1 J1
(ED1, 6) EA1: 0…10 V
ON

• Saída a relé 1: Em funcion.


• Permissão Func (ED2) EA2: 0(4)…20 mA
ON

• S. a relé 2: Falha (-1)


• Sel EXT1/EXT2 (ED3) • S. a relé 3: Motor aux: LIGADO
• Interlock (ED4, 5)

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 57

Macro aplicação: Controlo de binário


Esta macro fornece ajustes de parâmetros para aplicações que necessitam de
controlo de binário do motor. O controlo também pode ser alterado para controlo de
velocidade. Para activar, ajuste o valor do parâmetro 9902 para 8 (CTRL BINÁRIO).
Exemplo de ligação:
X1 1 SCR Blindagem do cabo de sinal
2 EA1 Referência externa de velocidade 1: 0…10 V
3 AGND Circuito comum de entrada analógica
4 10V Referência de tensão 10 VCC
5 EA2 Referência externa de binário: 4…20 mA
6 AGND Circuito comum de entrada analógica
7 SA1 Saída de velocidade do motor: 0…20 mA
8 SA2 Saída de corrente: 0…20 mA
9 AGND Circuito comum de entrada analógica

10 24V Saída de tensão auxiliar +24 VCC


11 GND Comum para sinais de retorno ED.
12 DCOM1 Entrada digital comum para todos
13 ED1 Arrancar/Parar: Activar para arrancar o accionamento.
14 ED2 Directo/inverso: Activar para inverter o sentido de rotação.1
15 ED3 Controlo velocidade/binário: Activar para seleccionar controlo de binário
16 ED4 Velocidade constante 1: 1202
17 ED5 Selecção de par de rampa: Activa a sel do 2º par de rampa de ac/des
18 ED6 Permissão Func: Desactivar sempre para parar o accionamento
19 SR1C Saída a relé 1, programável
20 SR1A Operação por defeito:
21 SR1B Pronto =>19 ligado a 21
22 SR2C Saída a relé 2, programável Nota 1.
23 SR2A Operação por defeito: • Inverte o sentido de rotação no
24 SR2B Operação =>22 ligado a 24 controlo de velocidade.
25 SR3C Saída a relé 3, programável • Inverte o sentido de rotação no
26 SR3A Operação por defeito: controlo de binário.
27 SR3B Falha =>25 ligado a 26

Sinais de entrada Sinais de saída Ajuste do Jumper


• Duas ref analógicas (EA1, 2) • Saída analógica SA1: Veloc
• Arranque/paragem e sentido de • Saída analógica SA2: Corrente J1
rotação (ED1, 2) EA1: 0…10 V
ON

• Saída a relé 1: Pronto


• Controlo de velocidade/binário EA2: 0(4)…20 mA
ON

• Saída a relé 2: Operação


(ED3)
• Saída a relé 3: Falha
• Selecção de velocidade constante
(ED4)
• Sel o par de rampa 1/2 (ED5)
• Permissão Func (ED6)

Arranque
58 Manual do Utilizador do ACS550

Lista completa de parâmetros do ACS550


A tabela seguinte lista todos os parâmetros. As abreviações usadas na tabela são:
• S = Parâmetros que só podem ser modificados quando o accionamento está
parado.
• Utilizador = Espaço para introdução dos valores de parâmetros pretendidos.
Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S
Grupo 99: Dados Iniciais
9901 LÍNGUA 0…10 1 0
9902 MACRO APLIC -3…8 1 1 9
9904 MODO CTRL MOTOR 1=VECTOR: VELOC, 2=VECTOR: BINÁRIO, 1 3 9
3=ESCALAR: VELOC
9905 TENSÃO NOM MOTOR 115…345 V 1V 230 V 9
200…600 V / 1V 400 V / 9
US: 230…690 V US: 460 V
9906 CORR NOM MOTOR 0.2*I2hd…2.0*I2hd 0.1 A 1.0*I2hd 9
9907 FREQ NOM MOTOR 10.0…500 Hz 0.1 Hz 50 Hz / 9
US: 60 Hz
9908 VELOC NOM MOTOR 50…18000 rpm 1 rpm 1440 rpm / 9
US: 1750 rpm
9909 POT NOM MOTOR 0.2…2.0*Phd 0.1 kW / 1.0 * Phd 9
US: 0.1 HP
9910 IDENT MOTOR 0 = DESLIGADO, 1= LIGADO 1 0 9
Grupo 01: Dados Operação
0102 VELOCIDADE 0…30000 rpm 1 rpm -
0103 FREQ SAÍDA 0.0…500.0 Hz 0.1 Hz -
0104 CORRENTE 0…2.0*I2hd 0.1 A -
0105 BINÁRIO -200…200% 0.1% -
0106 POTÊNCIA -2.0…2.0*Phd 0.1 kW -
0107 TENSÃO BUS CC 0…2.5*VdN 1V -
0109 TENSÃO SAÍDA 0…2.0*VdN 1V -
0110 TEMP ACCION 0…150 °C 0.1 °C -
0111 REF 1 EXTERNA 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz -
0112 REF 2 EXTERNA 0…100% (0…600% para binário) 0.1% -
0113 LOCAL CTRL 0 = local, 1 = ext1, 2 = ext2 1 -
0114 TEMPO OPER (R) 0…9999 h 1h 0h
0115 CONTADOR KWH (R) 0…9999 kWh 1 kWh -
0116 SAÍDA BLOCO APLIC 0…100% (0…600% para binário) 0.1% -
0118 ESTADO ED 1-3 000…111 (0…7 décimal) 1 -
0119 ESTADO ED 4-6 000…111 (0…7 décimal) 1 -
0120 EA1 0…100% 0.1% -
0121 EA2 0…100% 0.1% -
0122 ESTADO SR 1-3 000…111 (0…7 décimal) 1 -
0123 ESTADO SR 4-6 000…111 (0…7 décimal) 1 -
0124 SA1 0…20 mA 0.1 mA -
0125 SA2 0…20 mA 0.1 mA -
0126 SAÍDA PID 1 -1000…1000% 0.1% -

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 59

Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S


0127 SAÍDA PID 2 -100…100% 0.1% -
0128 SETPOINT PID 1 Unidade e escala definidas pelo par. - -
4006/4106 e 4007/4107
0129 SETPOINT PID 2 Unidade e escala definidas pelo par.
4206 e 4207
0130 FEEDBACK PID 1 Unidade e escala definidas pelo par. - -
4006/4106 e 4007/4107
0131 FEEDBACK PID 2 Unidade e escala definidas pelo par. - -
4206 e 4207
0132 DESVIO PID 1 Unidade e escala definidas pelo par. - -
4006/4106 e 4007/4107
0133 DESVIO PID 2 Unidade e escala definidas pelo par. - -
4206 e 4207
0134 PALAV COM SR 0…65535 1 0
0135 VALOR COM 1 -32768…+32767 1 0
0136 VALOR COM 2 -32768…+32767 1 0
0137 VAR PROC 1 - 1
0138 VAR PROC 2 - 1
0139 VAR PROC 3 - 1
0140 TEMPO OPER 0…499.99 kh 0.01 kh 0 kh
0141 CONTADOR MWH 0…9999 MWh 1 MWh -
0142 CONT ROTAÇÕES 0…65535 1 0
0143 AC NO TEMPO (EL) Dias 1 dia 0
0144 AC NO TEMPO (BX) hh.mm.ss 1 = 2s 0
0145 TEMP MOTOR -10...200 °C/ 0...5000 Ohm / 0…1 1 0
Grupo 03: Sinais Actuais FB
0301 PALAV COM FB 1 - - -
0302 PALAV COM FB 2 - - -
0303 PALAV EST FB 1 - - -
0304 PALAV EST FB 2 - 1 0
0305 PALAVRA FALHA 1 - 1 0
0306 PALAVRA FALHA 2 - 1 0
0307 PALAVRA FALHA 3 - 1 0
0308 PALAV ALARME 1 - 1 0
0309 PALAV ALARME 2 - 1 0
Grupo 04: Histórico falhas
0401 ÚLTIMA FALHA Código de falha 1 0
(a consola exibe como texto)
0402 TEMPO FALHA 1 Data dd.mm.yy / 1 0
tempo de arranque em dias
0403 TEMPO FALHA 2 Tempo hh.mm.ss 2s 0
0404 VELOC NA FALHA - 1 rpm 0
0405 FREQ NA FALHA - 0.1 Hz 0
0406 TENS NA FALHA - 0.1 V 0
0407 CORR NA FALHA - 0.1 A 0
0408 BIN NA FALHA - 0.1% 0
0409 ESTADO NA FALHA - 1 0

Arranque
60 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S


0410 ED1-3 NA FALHA 000…111 (0…7 décimal) 1 0
0411 ED4-6 NA FALHA 000…111 (0…7 décimal) 1 0
0412 FALHA ANT 1 como Par. 0401 1 0
0413 FALHA ANT 2 como Par. 0401 1 0
Grupo 10: Comando
1001 COMANDO EXT1 0…14 1 2 9
1002 COMANDO EXT2 0…14 1 0 9
1003 SENTIDO 1…3 1 3 9
Grupo 11: Sel referências
1101 SEL REF TECLADO 1…2 1 1
1102 SEL EXT1/EXT2 -6…12 1 0 9
1103 SELEC REF1 0…17 1 1 9
1104 MIN REF1 0…500 Hz / 0…30000 rpm 0.1 Hz / 1 rpm 0 Hz / 0 rpm
1105 MAX REF1 0…500 Hz / 0…30000 rpm 0.1 Hz / 1 rpm 50 Hz / 1500 rpm
US: 60 Hz / 1800 rpm
1106 SELEC REF2 0…19 1 2 9
1107 MIN REF2 0…100% (0…600% para binário) 0.1% 0%
1108 MAX REF2 0…100% (0…600% para binário) 0.1% 100%
Grupo 12: Veloc constantes
1201 SEL VEL CONST -14 …18 1 9 9
1202 VEL CONST 1 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 300 rpm / 5 Hz
US: 360 rpm / 6 Hz
1203 VEL CONST 2 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 600 rpm / 10 Hz
US: 720 rpm / 12 Hz
1204 VEL CONST 3 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 900 rpm / 15 Hz
US: 1080 rpm / 18 Hz
1205 VEL CONST 4 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 1200 rpm /20 Hz
US: 1440 rpm / 24 Hz
1206 VEL CONST 5 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 1500 rpm / 25 Hz
US: 1800 rpm / 30 Hz
1207 VEL CONST 6 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 2400 rpm / 40 Hz
US: 2880 rpm / 48 Hz
1208 VEL CONST 7 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 3000 rpm / 50 Hz
US: 3600 rpm / 60 Hz
1209 SEL MODO TEMP 1…2 1 2 9
Grupo 13: Ent analógIcas
1301 EA1 MINIMO 0…100% 0.1% 0%
1302 EA1 MÁXIMO 0…100% 0.1% 100%
1303 FILTRO EA1 0…10 s 0.1 s 0.1 s
1304 EA2 MINIMO 0…100% 0.1% 0%
1305 EA2 MÁXIMO 0…100% 0.1% 100%
1306 FILTRO EA2 0…10 s 0.1 s 0.1 s
Grupo 14: Saídas relé
1401 SAÍDA RELÉ 1 0…40 1 1
1402 SAÍDA RELÉ 2 0…40 1 2
1403 SAÍDA RELÉ 3 0…40 1 3

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 61

Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S


1404 ATRASO LIG SR1 0…3600 s 0.1 s 0s
1405 ATRASO DESL SR1 0…3600 s 0.1 s 0s
1406 ATRASO LIG SR2 0…3600 s 0.1 s 0s
1407 ATRASO DESL SR2 0…3600 s 0.1 s 0s
1408 ATRASO LIG SR3 0…3600 s 0.1 s 0s
1409 ATRASO DESL SR3 0…3600 s 0.1 s 0s
1410 SAÍDA RELÉ 4 0…40 1 0
1411 SAÍDA RELÉ 5 0…40 1 0
1412 SAÍDA RELÉ 6 0…40 1 0
1413 ATRASO LIG SR4 0…3600 s 0.1 s 0s
1414 ATRASO DESL SR4 0…3600 s 0.1 s 0s
1415 ATRASO LIG SR5 0…3600 s 0.1 s 0s
1416 ATRASO DESL SR5 0…3600 s 0.1 s 0s
1417 ATRASO LIG SR6 0…3600 s 0.1 s 0s
1418 ATRASO DESL SR6 0…3600 s 0.1 s 0s
Grupo 15: Saídas analógicas
1501 CONTEÚDO SA1 99...199 1 103
1502 CONTEÚDO MIN SA1 - - definido pelo par. 0103
1503 CONTEÚDO MAX SA1 - - definido pelo par. 0103
1504 SA1 MINIMO 0.0…20.0 mA 0.1 mA 0 mA
1505 SA1 MAXIMO 0.0…20.0 mA 0.1 mA 20.0 mA
1506 FILTRO SA1 0…10 s 0.1 s 0.1 s
1507 CONTEÚDO SA2 99…199 1 104
1508 CONTEÚDO MIN SA2 - - definido pelo par. 0104
1509 CONTEÚDO MAX SA2 - - definido pelo par. 0104
1510 SA2 MINIMO 0.0…20.0 mA 0.1 mA 0 mA
1511 SA2 MÁXIMO 0.0…20.0 mA 0.1 mA 20.0 mA
1512 FILTRO SA2 0…10 s 0.1 s 0.1 s
Grupo 16: Controlos sistema
1601 PERMISSÃO FUNC 0…7, -1…-6 1 0 9
1602 BLOQUEIO PARAM 0…2 1 1
1603 PASSWORD 0…65535 1 0
1604 SEL REARME FALHA 0…8, -1…-6 1 0
1605 ALT PARAM UTIL 0…6, -1…-6 1 0
1606 BLOQUEIO LOCAL 0…8, -1…-6 1 0
1607 GRAVAR PARAM 0 = Feito, 1 = Guardar 1 0
Grupo 20: Limites
2001 VELOC MINIMA -30000…30000 rpm 1 rpm 0 rpm 9
2002 VELOC MÁXIMA 0…30000 rpm 1 rpm 1500 rpm / 9
US: 1800 rpm
2003 CORRENTE MAX 0… 1.8 * I2hd 0.1 A 1.8 * I2hd 9
2005 CTRL SOBRETENSÃO 0 = Inactivo, 1 = Activo 1 1
2006 CTRL SUBTENSÃO 0 = Inactivo, 1 = Activo 1 1
2007 FREQ MINIMA -500…500 Hz 0.1 Hz 0 Hz 9
2008 FREQ MÁXIMA 0…500 Hz 0.1 Hz 50 Hz / US: 60 Hz 9

Arranque
62 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S


2013 SEL BINÁRIO MIN 0…7, -1…-6 1 0
2014 SEL BINÁRIO MAX 0…7, -1…-6 1 0
2015 BINÁRIO MIN 1 -600.0%…0% 0.1% -300.0%
2016 BINÁRIO MIN 2 -600.0%…0% 0.1% -300.0%
2017 BINÁRIO MAX 1 0%…600.0% 0.1% 300.0%
2018 BINÁRIO MAX 2 0%…600.0% 0.1% 300.0%
Grupo 21: Arrancar/Parar
2101 FUNÇÃO ARRANQUE 1…5 1 1 9
2102 FUNÇÃO PARAGEM 1 = Livre, 2 = rampa 1 1
2103 TEMPO MAGN CC 0…10 s 0.01 s 0.3 s
2104 PARAGEM CC 0, 2 - 0 9
2105 VEL PARAG CC 0…3000 rpm 1 rpm 5 rpm
2106 REF CORRENTE CC 0%…100% 1% 30%
2107 TEMPO TRAV CC 0…250 s 0.1 s 0s
2108 INIBE ARRANQUE 0 = desligado, 1 = ligado 1 0 9
2109 SEL PARAG EMERG 0…6, -1…-6 1 0
2110 CORR REFORC BIN 0…300% 1 100%
Grupo 22: Acel/Desaceleração
2201 SEL AC/DES 1/2 0…6, -1…-6 1 5
2202 TEMPO ACEL 1 0.0…1800 s 0.1 s 5s
2203 TEMPO DESACEL 1 0.0…1800 s 0.1 s 5s
2204 FORMA RAMPA 1 0=linear; 0.1...1000.0 s 0.1 s 0.0 s
2205 TEMPO ACEL 2 0.0…1800 s 0.1 s 60 s
2206 TEMPO DESACEL 2 0.0…1800 s 0.1 s 60 s
2207 FORMA RAMPA 2 0=linear; 0.1...1000.0 s 0.1 s 0.0 s
2208 TMP DESAC EMERG 0.0…1800 s 0.1 s 1.0 s
2209 ENT RAMPA 0 0…6, -1…-6 1 0
Grupo 23: Ctrl velocidade
2301 GANHO PROP 0.00…200.0 0.01 10
2302 TEMPO INTEG 0…600.00 s 0.01 s 2.5
2303 TEMPO DERIV 0…10000 ms 1 ms 0
2304 COMPENS ACEL 0…600.00 s 0.01 s 0
2305 FUNÇÃO AUTOM 0…1 1 0 (DESLIGADO)
Grupo 24: Controlo binário
2401 RAMPA BINÁRIO AL 0.00…120.00 s 0.01 s 0
2402 RAMPA BINÁRIO BX 0.00…120.00 s 0.01 s 0
Grupo 25: Velocid críticas
2501 SEL VELOC CRIT 0 = DESLIGADO, 1 = LIGADO 1 0
2502 VELOC CRIT 1 BX 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 0 rpm / 0 Hz
2503 VELOC CRIT 1 AL 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 0 rpm / 0 Hz
2504 VELOC CRIT 2 BX 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 0 rpm / 0 Hz
2505 VELOC CRIT 2 AL 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 0 rpm / 0 Hz
2506 VELOC CRIT 3 BX 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 0 rpm / 0 Hz
2507 VELOC CRIT 3 AL 0…30000 rpm / 0…500 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 0 rpm / 0 Hz

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 63

Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S


Grupo 26: Controlo motor
2601 OPT FLUXO ACTIVO 0…1 1 0
2602 FLUXO TRAVAGEM 0…1 1 1 (LIGADO)
2603 TENS COMP IR 0…100 V 1 50
2604 FREQ COMP IR 0…100% 1 50
2605 U/F RATIO 1 = LINEAR, 2 = QUADRÁTICO 1 1
2606 FREQ COMUTAÇÃO 1,4,8 kHz - 4 kHz
2607 CTRL FREQ COMUTA 0 = DESLIGADO, 1 = LIGADO - 1
2608 COMPENSA ESCORR 0…200% 1 0
Grupo 29: Activar manutenção
2901 DISP VENT ARREF 0.0…6553.5 kh 0.1 kh 20.0 kh
2902 VENT ARREF ACT 0.0…6553.5 kh 0.1 kh 0.0 kh
2903 CONTAD DISP 0…65535 MRev 1 MRev 32000 MRev
2904 CONTAD ACT 0…65535 MRev 1 MRev 0 MRev
2905 DISP TMP FUNC 0.0…6553.5 kh 0.1 kh 40.0 kh
2906 TMP FUNC ACT 0.0…6553.5 kh 0.1 kh 0.0 kh
2907 DISP UTIL MWH 0.0…6553.5 MWh 0.1 MWh 0.0 MWh
2901 ACT UTIL MWH 0.0…6553.5 MWh 0.1 MWh 0.0 MWh
Grupo 30: Funções falha
3001 FUNÇÃO EA<MIN 0…3 1 0
3002 ERR COM PAINEL 1…3 1 1
3003 FALHA EXTERNA 1 0…6, -1…-6 1 0
3004 FALHA EXTERNA 2 0…6, -1…-6 1 0
3005 PROT TERM MOT 0 = NÃO SEL, 1 = FALHA, 2 = AVISO 1 1 (FALHA)
3006 TEMPO TERM MOT 256…9999 s 1 500 s
3007 CURVA CARGA MOT 50…150% 1 100%
3008 CARGA VEL ZERO 25…150% 1 70%
3009 FREQ ENFRAQ CAMP 1…250 Hz 1 35 Hz
3010 FUNC BLOQUEIO 0…2 1 0 (NÃO SEL)
3011 FREQ BLOQUEIO 0.5…50 Hz 0.1 Hz 20 Hz
3012 TEMPO BLOQUEIO 10…400 s 1s 20 s
3013 FUNC SUBCARGA 0 = NÃO SEL, 1 = FALHA, 2 = AVISO - 0 (NÃO SEL)
3014 TEMPO SUBCARGA 10…400 s 1s 20 s
3015 CURVA SUBCARGA 1…5 1 1
3017 FALHA TERRA 0…1 1 1
3018 FUNC FALHA COM 0…3 1 0
3019 TEMPO FALHA COM 0…60.0 s 0.1 s 3.0 s
3021 LIMITE FALHA EA1 0…100% 0.1% 0%
3022 LIMITE FALHA EA2 0…100% 0.1% 0%
Grupo 31: Rearme automático
3101 NR TENTATIVAS 0…5 1 0
3102 TEMPO TENTATIVAS 1.0…600.0 s 0.1 s 30 s
3103 ATRASO 0.0…120.0 s 0.1 s 0s
3104 RA SOBRECORRENT 0 = Inactivo, 1 = Activo 1 0
3105 RA SOBRETENS 0 = Inactivo, 1 = Activo 1 0

Arranque
64 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S


3106 RA SUBTENSÃO 0 = Inactivo, 1 = Activo 1 0
3107 RA EA<MIN 0 = Inactivo, 1 = Activo 1 0
3108 RA FALHA EXTERNA 0 = Inactivo, 1 = Activo 1 0
Grupo 32: Supervisão
3201 PARAM SUPERV 1 101…199 1 103
3202 LIM BX SUPERV1 - - 0
3203 LIM AL SUPERV1 - - 0
3204 PARAM SUPERV 2 101…199 1 103
3205 LIM BX SUPERV2 - - 0
3206 LIM AL SUPERV2 - - 0
3207 PARAM SUPERV 3 101…199 1 103
3208 LIM BX SUPERV3 - - 0
3209 LIM AL SUPERV3 - - 0
Grupo 33: Informação
3301 VERSÃO FW 0000...FFFF hex 1 Versão de Firmware
3302 VERSÃO LP 0000...FFFF hex 1 0
3303 DATA TESTE yy.ww 1 0
3304 GAMA ACCION - - -
Grupo 34: Painel/Var proc
3401 PARAM SINAL 1 100...199 1 103
3402 SINAL 1 MIN - 1 -
3403 SINAL 1 MAX - 1 -
3404 FORM DECIM SAÍD1 0…7 1 -
3405 UNID SAÍDA1 -128...127 1 .
3406 SAÍDA 1 MIN - 1 -
3407 SAÍDA 1 MAX - 1 -
3408 PARAM SINAL 2 100...199 1 104
3409 SINAL 2 MIN - 1 -
3410 SINAL 2 MAX - 1 -
3411 FORM DECIM SAÍD2 0…7 1 -
3412 UNID SAÍDA2 -128...127 1 .
3413 SAÍDA 2 MIN - 1 -
3414 SAÍDA 2 MAX - 1 -
3415 PARAM SINAL 3 100...199 1 105
3416 SINAL 3 MIN - 1 -
3417 SINAL 3 MAX - 1 -
3418 FORM DECIM SAÍD3 0…7 1 -
3419 UNID SAÍDA3 -128…127 1 .
3420 SAÍDA 3 MIN - 1 -
3421 SAÍDA 3 MAX - 1 -
Grupo 35: Med temp motor
3501 TIPO SENSOR 0…6 1 0
3502 SEL ENTRADA 1…8 1 1
3503 LIMITE ALARME -10...200 °C / 0...5000 Ohm / 0…1 1 110 °C / 1500 Ohm / 0
3504 LIMITE FALHA -10...200 °C / 0...5000 Ohm / 0…1 1 130 °C / 4000 Ohm / 0

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 65

Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S


Grupo 36: Funções temporiz
3601 CONTAD ACTIVOS -6…7 1 0
3602 TEMPO ARRANQ 1 00:00:00…23:59:58 2s 00:00:00
3603 TEMPO PARAGEM 1 00:00:00…23:59:58 2s 00:00:00
3604 DIA ARRANQUE 1 1…7 1 1
3605 DIA PARAGEM 1 1…7 1 1
3606 TEMPO ARRANQ 2 00:00:00…23:59:58 2s 00:00:00
3607 TEMPO PARAGEM 2 00:00:00…23:59:58 2s 00:00:00
3608 DIA ARRANQUE 2 1…7 1 1
3609 DIA PARAGEM 2 1…7 1 1
3610 TEMPO ARRANQ 3 00:00:00…23:59:58 2s 00:00:00
3611 TEMPO PARAGEM 3 00:00:00…23:59:58 2s 00:00:00
3612 DIA ARRANQUE 3 1…7 1 1
3613 DIA PARAGEM 3 1…7 1 1
3614 TEMPO ARRANQ 4 00:00:00…23:59:58 2s 00:00:00
3615 TEMPO PARAGEM 4 00:00:00…23:59:58 2s 00:00:00
3616 DIA ARRANQUE 4 1…7 1 1
3617 DIA PARAGEM 4 1…7 1 1
3622 SEL REFORÇO -6…6 1 0
3623 TEMP REFORÇO 00:00:00…23:59:58 2s 00:00:00
3624 SRC FUNC TEMP 1…4 0…31 1 0

3628
Grupo 40: Processo PID Conj1
4001 GANHO 0.1…100 0.1 1.0
4002 TEMPO INTEG 0.0s = NÃO SEL, 0.1…600 s 0.1 s 60 s
4003 TEMPO DERIV 0…10 s 0.1 s 0s
4004 FILTRO DERIV PID 0…10 s 0.1 s 1s
4005 INV VALOR ERRO 0 = sim, 1 = não - 0
4006 UNIDADE 0…31 - 4
4007 FORMATO DECIMAL 0…4 1 1
4008 0% VALOR Unidade e escala definidas pelo par. 1 0.0%
4006 e 4007
4009 100% VALOR Unidade e escala definidas pelo par. 1 100%
4006 e 4007
4010 SEL SETPOINT 0…19 1 1 9
4011 SETPOINT INTERNO Unidade e escala definidas pelo par. 1 40.0%
4006 e 4007
4012 SETPOINT MIN -500.0%…500.0% 0.1% 0%
4013 SETPOINT MAX -500.0%…500.0% 0.1% 100%
4014 SEL FEEDBACK 1…9 - 1
4015 MULTI FEEDBACK -32.768…32.767 (0 = não usado) 0.001 0
4016 ENTRADA ACT1 1…2 - 2 9
4017 ENTRADA ACT2 1…2 - 2 9
4018 MINIMO ACT1 -1000…1000% 1% 0%
4019 MÁXIMO ACT1 -1000…1000% 1% 100%

Arranque
66 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S


4020 MINIMO ACT2 -1000…1000% 1% 0%
4021 MAXIMO ACT2 -1000…1000% 1% 100%
4022 SEL DORMIR 0…7, -1…-6 - 0
4023 NIVEL DORMIR PID 0…7200 rpm / 0.0…120 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 0 Hz
4024 ATR DORMIR PID 0.0…3600 s 0.1 s 60 s
4025 DESVIO ACORDAR Unidade e escala definidas pelo par. 1 -
4006 e 4007
4026 ATRADO ACORDAR 0…60 s 0.01 s 0.50 s
4027 ACTIV PARAM PID1 -6…11 1 0
Grupo 41: Processo PID Conj2
4101 GANHO 0.1…100 0.1 1.0
4102 TEMPO INTEG 0.0s = NÃO SEL, 0.1…600 s 0.1 s 60 s
4103 TEMPO DERIV 0…10 s 0.1 s 0s
4104 FILTRO DERIV PID 0…10 s 0.1 s 1s
4105 INV VALOR ERRO 0 = não, 1 = sim - 0
4106 UNIDADE 0…31 - 4
4107 FORMATO DECIMAL 0…4 1 1
4108 0% VALOR Unidade e escala definidas pelo par. 1 0.0%
4106 e 4107
4109 100% VALOR Unidade e escala definidas pelo par. 1 100%
4106 e 4107
4110 SEL SETPOINT 0…19 1 1 9
4111 SETPOINT INTERNO Unidade e escala definidas pelo par. 1 40.0%
4106 e 4107
4112 SETPOINT MIN -500.0%…500.0% 0.1% 0%
4113 SETPOINT MAX -500.0%…500.0% 0.1% 100%
4114 SEL FEEDBACK 1…9 - 1
4115 MULTI FEEDBACK -32.768…32.767 (0 = não usado) 0.001 0
4116 ENTRADA ACT1 1…5 - 2 9
4117 ENTRADA ACT2 1…5 - 2 9
4118 MINIMO ACT1 -1000…1000% 1% 0%
4119 MÁXIMO ACT1 -1000…1000% 1% 100%
4120 MINIMO ACT2 -1000…1000% 1% 0%
4121 MÁXIMO ACT2 -1000…1000% 1% 100%
4122 SEL DORMIR 0…7, -1…-6 - 0
4123 NIVEL DORMIR PID 0…7200 rpm / 0.0…120 Hz 1 rpm / 0.1 Hz 0 Hz
4124 ATR DORMIR PID 0.0…3600 s 0.1 s 60 s
4125 DESVIO ACORDAR Unidade e escala definidas pelo par. - -
4106 e 4107
4126 ATRASO ACORDAR 0…60 s 0.01 s 0.50 s
Grupo 42: Ajuste PID/Externo
4201 GANHO 0.1…100 0.1 1.0
4202 TEMPO INTEG 0.0s = NÃO SEL, 0.1…600 s 0.1 s 60 s
4203 TEMPO DERIV 0…10 s 0.1 s 0s
4204 FILTRO DERIV PID 0…10 s 0.1 s 1s
4205 INV VALOR ERRO 0 = não, 1 = sim - 0

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 67

Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S


4206 UNIDADE 0…31 - 4
4207 FORMATO DECIMAL 0…4 1 1
4208 0% VALOR Unidade e escala definidas pelo par. 1 0%
4206 e 4207
4209 100% VALOR Unidade e escala definidas pelo par. 1 100%
4206 e 4207
4210 SEL SETPOINT 0…19 1 1 9
4211 SETPOINT INTERNO Unidade e escala definidas pelo par. 1 40.0%
4206 e 4207
4212 SETPOINT MIN -500.0%…500.0% 0.1% 0%
4213 SETPOINT MAX -500.0%…500.0% 0.1% 100%
4214 SEL FEEDBACK 1…9 - 1
4215 MULTI FEEDBACK -32.768…32.767 (0 = não usado) 0.001 0
4216 ENTRADA ACT1 1…5 - 2 9
4217 ENTRADA ACT2 1…5 - 2 9
4218 MINIMO ACT1 -1000…1000% 1% 0%
4219 MÁXIMO ACT1 -1000…1000% 1% 100%
4220 MINIMO ACT2 -1000…1000% 1% 0%
4221 MÁXIMO ACT2 -1000…1000% 1% 100%
4228 ACTIVAR -6…12 - 0
4229 OFFSET 0.0…100.0% 0.1% 0
4230 MODO TRIM 0…2 1 0
4231 ESCALA TRIM -100.0%…100.0% 0.1% 100.0%
4232 CORRIGIR SRC 1…2 1 1 (REF PID2)
Grupo 51: Mód comun externo
5101 TIPO FBA - 1 0
5102 … PAR 2…26 FBA 0...65535 1 0
5126
5127 REFRESC PAR FBA 0 = feito, 1 = actualizar 1 0
5128 FIC CPI REV FW 0...0xFFFF 1 0
5129 ID FIC CONFIG 0...0xFFFF 1 0
5130 FIC REV CONFIG 0...0xFFFF 1 0
5131 ESTADO FBA 0…6 1 0
5132 VER FW CPI FBA 0...0xFFFF 1 0
5133 VER FW APL FBA 0...0xFFFF 1 0
Grupo 52: Painel
5201 ID ESTAÇÃO 1…247 1 1
5202 TAXA TRANSMISSÃO 9.6, 19.2, 38.4, 57.6, 115.2 kbits/s - 9.6 kbits/s
5203 PARIDADE 0…3 1 0
5204 MENSAGENS OK 0…65535 1 -
5205 ERROS PARIDADE 0…65535 1 -
5206 ERROS ESTRUT 0…65535 1 -
5207 SOBRCARG BUFFER 0…65535 1 -
5208 ERROS CRC 0…65535 1 -
Grupo 53: Protocolo EFB
5301 ID PROTOCOLO EFB 0...0xFFFF 1 0

Arranque
68 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Nome Gama Resolução Defeito Utiliz S


5302 ID ESTAÇÃO EFB 0…65535 1 1 9
5303 TAXA TRANSM EFB 1.2, 2.4, 4.8, 9.6, 19.2, 38.4, 57.6 kbits/s - 9.6 kbits/s
5304 PARIDADE EFB 0...3 0
5305 CTRL PERFIL EFB 0 = Accionamentos ABB, 1 0
1 = Accionamentos ACS550
5306 MENSAGENS EFB OK 0…65535 1 0
5307 ERROS CRC EFB 0…65535 1 0
5308 ERROS UART EFB 0…65535 1 0
5309 ESTADO EFB 0…65535 1 0
5310 PAR 10 EFB 0…65535 1 0 (NÃO SEL)
5311 PAR 11 EFB 0…65535 1 0 (NÃO SEL)
5312 PAR 12 EFB 0…65535 1 0 (NÃO SEL)
5313 PAR 13 EFB 0…65535 1 0 (NÃO SEL)
5314 PAR 14 EFB 0…65535 1 0 (NÃO SEL)
5315 PAR 15 EFB 0…65535 1 0 (NÃO SEL)
5316 PAR 16 EFB 0…65535 1 0 (NÃO SEL)
5317 PAR 17 EFB 0…65535 1 0 (NÃO SEL)
5318 PAR 18 - 20 EFB 0…65535 1 0
...
5320
Grupo 81: Controlo PFC
8103 REFER PASSO1 0.0…100% 0.1% 0%
8104 REFER PASSO2 0.0…100% 0.1% 0%
8105 REFER PASSO3 0.0…100% 0.1% 0%
8109 FREQ ARRANQ 1 0.0…500 Hz 0.1 Hz 50Hz / US:60 Hz
8110 FREQ ARRANQ 2 0.0…500 Hz 0.1 Hz 50 Hz/ US:60 Hz
8111 FREQ ARRANQ 3 0.0…500 Hz 0.1 Hz 50 Hz/ US:60 Hz
8112 FREQ BAIXA 1 0.0…500 Hz 0.1 Hz 25 Hz/ US:30 Hz
8113 FREQ BAIXA 2 0.0…500 Hz 0.1 Hz 25 Hz/ US:30 Hz
8114 FREQ BAIXA 3 0.0…500 Hz 0.1 Hz 25 Hz/ US:30 Hz
8115 ATR ARR MOT AUX 0.0…3600 s 0.1 s; 1 s 5s
8116 ATR PAR MOT AUX 0.0…3600 s 0.1 s; 1 s 3s
8117 NR MOT AUXIL 0…3 1 1 9
8118 INTERV COMUT 0.0…336 h 0.1 h 0.0 h (NÃO SEL) 9
8119 NIVEL COMUT 0.0…100.0% 0.1% 50%
8120 ENCRAVAMENTOS 0…6 1 4 9
8121 CTRL REG BYPASS 0…1 1 0 (NÃO)
8122 ATR INICIO PFC 0…10 s 0.01 s 0.5 s
8123 PERMISSÃO PFC 0…1 - 0 9
8124 ACEL EM PARAG AUX 0.0...1800 s 0.1 s 0.0 s (NÃO SEL)
8125 DESAC EM ARR AUX 0.0...1800 s 0.1 s 0.0 s (NÃO SEL)
8126 COMUTAÇÃO TEMP 0…4 1 0
Grupo 98: Opções
9802 SEL PROT COM 0, 1, 4 1 0 9

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 69

Descrição completa dos parâmetros


Esta secção descreve os sinais actuais e os parâmetros do ACS550.

Grupo 99: Dados iniciais


Este grupo define os dados de arranque necessários para:
• Ajustar o accionamento.
• Introduzir a informação do motor.
Cód Descrição
9901 LÍNGUA
Selecciona a língua do ecrã.

0 = ENGLISH 1 = ENGLISH (AM) 2 = DEUTSCH 3 = ITALIANO 4 = ESPAÑOL


5 = PORTUGUES 6 = NEDERLANDS 7 = FRANCAIS 8 = DANSK 9 = SUOMI
10 = SVENSKA

9902 MACRO APLIC


Selecciona uma macro de aplicação. As macros de aplicação editam automaticamente os parâmetros para
configurar o ACS550 para uma determinada aplicação.

1 = STANDARD ABB 2 = 3-FIOS 3 = ALTERNAR 4 = POT MOTOR 5 = MANUAL/AUTO


6 = CONTROLO PID 7 = CONTROLO PFC 8 = CTRL BINÁRIO 9 = CARGA UTIL S1 10 = GUARD UTIL S1
11 = CARGA UTIL S2 12 = GUARD UTIL S2

9904 MODO CTRL MOTOR


Selecciona o modo de controlo do motor.
1 = VECTOR: VELOCIDADE – modo de controlo vectorial sem sensor.
• A referência 1 é a referência de velocidade em rpm.
• A referência 2 é a referência de velocidade em % (100% é a velocidade máxima absoluta, igual ao valor do
parâmetro 2002 VELOC MÁXIMA, ou 2001 VELOC MINIMA se o valor absoluto da velocidade minima for maior que a
velocidade máxima).
2 = VECTOR: BINÁRIO
• A referência 1 é a referência de velocidade em rpm.
• A referência 2 é a referência de binário em % (100% é o binário nominal.)
3 = ESCALAR: VELOCIDADE – modo de controlo escalar.
• A referência 1 é a referência de frequência em Hz.
• A referência 2 é a referência de frequência em % (100% é a frequência absoluta máxima, igual ao valor do
parâmetro 2008 FREQ MÁXIMA, ou 2007 FREQ MINIMA se o valor absoluto da velocidade minima for maior que a
velocidade máxima).
9905 TENSÃO NOM MOTOR
Tensão de saída
Define a tensão nominal do motor.
• Deve igualar o valor da chapa de características do motor.
• Define a tensão máx. de saída do accionamento fornecida ao motor.
• O ACS550 não pode fornecer ao motor uma tensão superior à P 9905
tensão de alimentação.
9906 CORR NOM MOTOR
Define a corrente nominal do motor. Freq.
• Deve igualar o valor da chapa de características do motor. saída
• Gama permitida: (0.2…2.0) · I2hn (onde I2hn é corrente do P 9907
accionamento).
9907 FREQ NOM MOTOR
Define a frequência nominal do motor.
• Gama: 10…500 Hz (normalmente 50 ou 60 Hz)
• Define a frequência à qual a tensão nominal iguala a TENSÃO NOM
MOTOR.
• Ponto de enfraquecimento de campo = Freq Nom * Tensão Alim /
Tensão Nom Motor

Arranque
70 Manual do Utilizador do ACS550

9908 VELOC NOM MOTOR


Define a velocidade nominal do motor.
• Deve igualar o valor da chapa de características do motor.
9909 POT NOM MOTOR
Define a potência nominal do motor.
• Deve igualar o valor da chapa de características do motor.
9910 IDENT MOTOR Para efectuar a Ident Motor:
Este parâmetro controla o processo de calibração chamado Ident 1. Retire carga do motor (ou então reduza a
Motor. Durante o processo, o accionamento funciona de forma a carga para um valor próximo de zero).
identificar as suas características, optimizando o controlo e gerando 2. Verifique se a operação do motor é
um modelo de motor. Este modelo de motor é especialmente eficiente segura:
quando: • A função opera automaticamente o
• O ponto de operação é próximo da velocidade zero. motor em sentido directo – confirme se a
• A operação requer uma gama de binário acima do binário nominal do operação em sentido directo é segura.
motor, ao longo de uma vasta gama de velocidade, e sem qualquer • A função opera automaticamente o
feedback de medição de velocidade (ex:. sem encoder de impulsos). motor a 50…80% da velocidade nominal
Se não for efectuado a Ident Motor, o accionamento usa um modelo de – confirme se a operação a estas
motor menos detalhado gerado durante o primeiro arranque. O modelo velocidades é segura.
do “Primeiro Arranque” é actualizado automaticamente* depois de 3. Verifique os seguintes parâmetros (se
qualquer parâmetro do motor ser alterado. Para actualizar o modelo, o alterados dos ajustes de fábrica):
accionamento magnetiza o motor durante 10 a 15 segundos à • 2001 VELOC MIN < 0
velocidade zero. • 2002 VELOC MAX > 80% da velocidade
*A criação do modelo do “Primeiro Arranque“ necessita ou de 9904 = 1 nominal do motor.
(VECTOR: VELOC), ou 9904 = 3 (ESCALAR: VELOC) e 2101 = 3 (ROT • 2003 CORRENTE MAX > 100% do valor
ESCALAR) ou 5 (ROT + REF BIN).
I2hd.
Nota: Os modelos de motor funcionam com parâmetros internos e • O binário máximo (parâmetros 2014,
parâmetros definidos pelo utilizador. Ao criar um modelo o 2017 e/ou 2018) > 50%.
accionamento não altera qualquer parâmetro definido pelo utilizador. 4. Na consola de operação, seleccione:
• Parâmetros
0 = SEM ID RUN – Desactiva o processo de criação da Ident Motor. (Não • Grupo 99
desactiva a operação de um modelo de motor.) • Parâmetro 9910
1 = STANDARD – Activa a Ident Motor no próximo comando de arranque. • Ajuste o valor para 1 e pressione Enter –
Depois de completo, este valor muda automaticamente para 0. O ecrã exibe um aviso.
• Pressione START – O ecrã exibe o
progresso da função.
Nota! Pressionando PARAR, ou removendo
o sinal de activação de função pára o ID
run. Neste caso necessita de repetir a
Ident Motor para criar um modelo de
motor.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 71

Grupo 01: Dados operação


Este grupo contém os dados de operação do accionamento, incluindo os sinais
actuais. O accionamento define os valores para os sinais actuais, baseado em
medições ou cálculos. O utilizador não consegue ver estes valores.
Cód Descrição
0102 VELOCIDADE
Velocidade calculada do motor (rpm).
0103 FREQ SAÍDA
Frequência (Hz) aplicada ao motor. (Exibida também no ecrã do Painel.)
0104 CORRENTE
Corrente do motor, conforme medida pelo ACS550. (Exibida também no ecrã do Painel.)
0105 BINÁRIO
Binário de saída. Valor calculado de binário no veio do motor em % do binário nominal do motor.
0106 POTÊNCIA
Potência do motor medida em kW.
0107 TENSÃO BUS CC
Tensão bus CC em VCC medida pelo ACS550.
0109 TENSÃO SAÍDA
Tensão aplicada ao motor.
0110 TEMP ACCION
Temperatura do dissipador do accionamento em Centígrados.
0111 REF 1 EXTERNA
Referência externa, REF1, em rpm ou Hz – unidades determinadas pelo parâmetro 9904.
0112 REF 2 EXTERNA
Referência externa, REF2, em %.
0113 LOCAL CTRL
Local de controlo activo. As alternativas são:
0 = LOCAL
1 = EXT1
2 = EXT2
0114 TEMPO OPER (R)
Tempo de operação total do accionamento em horas (h).
• Pode ser reposta premindo simultâneamente as teclas UP e DOWN no modo de definição de parâmetros.
0115 CONTADOR KWH (R)
Potência total consumida pelo accionamento em kilowatts horas.
• Pode ser reposta premindo simultâneamente as teclas UP e DOWN no modo de definição de parâmetros.
0116 SAÍDA BLOCO APLIC
Sinal de saída do bloco de aplicação. O valor é do:
• Controlo PFC, se o controlo PFC estiver activo, ou
• Parâmetro 0112 REF 2 EXTERNA.
0118 ESTADO ED1-3
Estado das três entradas digitais.
• O estado é apresentado como um número binário.
• 1 indica se a entrada está activada.
• 0 indica se a entrada está desactivada.
0119 ESTADO ED4-6 ED 1 ED 2 ED 3
Estado das três entradas digitais.
• Veja parâmetro 0118 ESTADO ED1-3.
0120 EA1
Valor relativo da entrada analógica 1 em %.

Arranque
72 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
0121 EA2
Valor relativo da entrada analógica 2 em %.
0122 ESTADO SR1-3
Estado das três saídas a relé.
• 1 indica que o relé esté energizado.
• 0 indica que o relé não está energizado.
ESTADO RELÉ 1
0123 ESTADO SR4-6 ESTADO RELÉ 2
Estado das três saídas a relé.. Veja parâmetro 0122. ESTADO RELÉ 3

0124 SA1
Valor da saída analógica 1 em miliamperes.
0125 SA2
Valor da saída analógica 2 em miliamperes.
0126 SAÍDA PID 1
Valor da saída do Controlador PID 1 em %.
0127 SAÍDA PID 2
Valor da saída do Controlador PID 2 em %.
0128 SETPOINT PID 1
Sinal de ponto de ajuste do controlador PID 1.
• Unidades e escala definidas pelos parâmetros PID.
0129 SETPOINT PID 2
Sinal de ponto de ajuste do controlador PID 2.
• Unidades e escala definidas pelos parâmetros PID.
0130 FEEDBACK PID 1
Sinal de feedback do controlador PID 1.
• Unidades e escala definidas pelos parâmetros PID..
0131 FEEDBACK PID 2
Sinal de feedback do controlador PID 2.
• Unidades e escala definidas pelos parâmetros PID.
0132 DESVIO PID 1
Diferença entre o valor de referência e o valor actual do controlador PID 1.
• Unidades e escala definidas pelos parâmetros PID.
0133 DESVIO PID 2
Diferença entre o valor de referência e o valor actual do controlador PID 2.
• Unidades e escala definidas pelos parâmetros PID.
0134 PALAV COM SR
Local de dados livre que pode ser usado para uma ligação em série.
• Usado para controlo de saída a relé.
• Veja parâmetro 1401.
0135 VALOR COM 1
Local de dados livre que pode ser usado para uma ligação em série.
0136 VALOR COM 2
Local de dados livre que pode ser usado para uma ligação em série.
0137 VAR PROC 1
Variável de processo 1
• Definido pelos parâmetros no Grupo 34: Ecrã do Painel / Variáveis do Processo.
0138 VAR PROC 2
Variável de processo 2
• Definido pelos parâmetros no Grupo 34: Ecrã do Painel / Variáveis do Processo.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 73

Cód Descrição
0139 VAR PROC 3
Variável de processo 3
• Definido pelos parâmetros no Grupo 34: Ecrã do Painel / Variáveis do Processo.
0140 TEMPO OPER
Tempo total de operação do accionamento em milhares de horas (kh).
0141 CONTADOR MWH
Potência total consumida do accionamento em megawatts horas. Não pode ser reposto.
0142 CONT ROTAÇÕES
Rotações totais do accionamento em milhões de rotações.
0143 AC NO TEMPO (EL)
Tempo de potência total do accionamento em dias.
0144 AC NO TEMPO (BX)
Tempo de potência do accionamento em unidades de tempo de 2 segundos (30 unidades de tempo = 60 segundos).
0145 TEMP MOTOR
Temperatura do motor em graus centigrados / resistência PTC em Ohms.
• Aplicável unicamente se o sensor de temperatura do motor estiver ajustado. Veja o parâmetro 3501.

Arranque
74 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 03: Sinais actuais FB


Este grupo monitoriza as comunicações por fieldbus.
Cód Descrição
0301 PALAV COM FB 1
Cópia de leitura da Palavra de Bit # 0301, PALAV COM FB 1 0302, PALAV COM FB 2
Comando de Fieldbus 1. 0 PARAR Reservado
• O comando por fieldbus é o meio de
1 ARRANCAR Reservado
controlo principal do accionamento a
partir do controlador fieldbus. O 2 INVERSO Reservado
comando consiste em duas Palavras 3 LOCAL Reservado
de Comando. Instruções binárias de
Palavras de Comando modificam o 4 RESET Reservado
estado do accionamento. 5 EXT2 Reservado
• Para controlar o accionamento,
6 FUNC_INACTIVO Reservado
usando Palavras de Comando, deve
activar um local externo (EXT1 ou 7 MODOSTP_R Reservado
EXT2) e ajustar para COM. (Veja os 8 MODOSTP_EM Reservado
parâmetros 1001 e 1002.)
• O ecrã da consola de operação exibe 9 MODOSTP_C Reservado
a palavra hex. Por exemplo, todos os 10 RAMPA_2 Reservado
zeros e um 1 no Bit 0 são exibidos
11 RAMPA_OUT_0 REF_CONST
como 0001. Todos os zeros e um 1
no Bit 15 são exibidos como 8000. 12 PARAG_RAMPA REF_AVE
0302 PALAV COM FB 2 13 RAMPA_IN_0 LINK_ON
Cópia de leitura da Palavra de 14 RREQ_LOCALLOC REQ_STARTINH
Comando de Fieldbus 2.
15 LIMBIN2 INTERLOCK_OFF
• Veja o parâmetro 0301.
0303 PALAV EST FB 1
Cópia de leitura da Palav de Estado 1. Bit # 0303, PALAV EST FB 1 0304, PALAV EST FB 2
• O accionamento envia ao controlador 0 PRONTO ALARME
fieldbus informação sobre o estado.
1 ACTIVO REQ_MANUT
O estado é constituído por duas
Palavras de Estado. 2 ARRANCAR BLOQDIR
• O ecrã da consola de operação exibe 3 FUNCION LOCALLOCK
a palavra hex. Por exemplo, todos os
zeros e um 1 no Bit 0 são exibidos 4 VELOC_ZERO MODO_CTL
como 0001. Todos os zeros e um 1 5 ACELERAR Reservado
no Bit 15 são exibidos como 8000.
6 DESACELERAR Reservado
0304 PALAV EST FB 2
7 EM_SETPOINT Reservado
Cópia de leitura da Palav de Estado 2.
• Veja o parâmetro 0303. 8 LIMITE Reservado
9 SUPERVISÃO Reservado
10 REV_REF CTL_REQ
11 REV_ACT REF1_REQ
12 PAINEL_LOCAL REF2_REQ
13 FIELDBUS_LOCAL REF2EXT_REQ
14 EXT2_ACT STARTINH_ACK
15 FALHA OFF_ILCK_ACK

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 75

0305 PALAVRA FALHA 1


Cópia de leitura da Palavra de Falha 1. Bit # 0305,FAULT WORD 1 0306, FAULT WORD 2 0307, FAULT WORD 3
• Quando a falha está activa, o bit
0 SOBRECORR SUBCARGA EFB 1
correspondente à falha activa é
activado nas Palavras de Falha. 1 SOBRETENS CC FALHA TERM EFB 2
• Cada falha tem um bit exclusivo 2 DEV SOBTEMP OPEX LINK EFB 3
dentro das Palavras de Falha.
• Veja "Lista de falhas" na página 163 3 CURTO CIRC OPEX PWR Reservado
sobre as descrições das falhas. 4 SOBRECARGA MED CORRENT Reservado
• O ecrã da consola de operação exibe
5 SUBTENSÃO CC FASE ALIM Reservado
a palavra hex. Por exemplo, todos os
zeros e um 1 no Bit 0 são exibidos 6 PERDA EA1 Reservado Reservado
como 0001. Todos os zeros e um 1 7 PERDA EA2 SOBREVELOC Reservado
no Bit 15 são exibidos como 8000.
8 SOBRETEMP MOT PICO TENS CC Reservado
0306 PALAVRA FALHA 2
9 PERDA PAINEL ID ACCION Reservado
Cópia de leitura da Palavra de Falha 2.
• Veja o parâmetro 0305. 10 FALHA ID RUN FICH CONFIG Reservado
0307 PALAVRA FALHA 3 11 BLOQ MOTOR ERRO SERIE 1 Erro Sistema
Cópia de leitura da Palavra de Falha 3. 12 Reservado FICH COM EFB Erro Sistema
• Veja o parâmetro 0305.
13 FAL EXT 1 TRIP FORÇA Erro Sistema
14 FAL EXT 1 FASE MOTOR Erro Hardware
15 FALHA TERRA LIG SAIDA Falha ajuste de param

0308 PALAVRA ALARME 1


• Quando o alarme está activo, o bit Bit # 0308, ALARM WORD 1 0309, ALARM WORD 2
correspondente ao alarme activo é
activado nas Palavras de Alarme. 0 Reservado Reservado / OFFBUTTON 0*
• Cada alarme tem um bit exclusivo 1 DORMIR PID
dentro das Palavras de Alarme.
2 IDENT MOTOR
• Os bits mantém-se activos até que a
palavra alarme seja reposta. (Repõe- 3 BLOQDIR Reservado
se o alarme escrevendo zero na 4 COM E/S
palavra.)
• O ecrã da consola de operação exibe 5 PERDA EA1
a palavra hex. Por exemplo, todos os 6 PERDA EA2
zeros e um 1 no Bit 0 são exibidos
7 PANEL LOSS
como 0001. Todos os zeros e um 1
no Bit 15 são exibidos como 8000. 8 Reservado
0309 PALAVRA ALARME 2 9 SOBRETEMP MOT
Veja o parâmetro 0308. 10 SUBCARGA
11 BLOQ MOTOR
12 AUTOREARM
13 COMUT AUTOM
14 INTERLOCK PFC
15 Reservado PERDA BP
* Só se aplica a accionamentos HVCA.

Arranque
76 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 04: Histórico falhas


Este grupo guarda o histórico recente das falhas registadas no accionamento.
Cód Descrição
0401 ÚLTIMA FALHA
0 = Limpa o histórico da falha (no painel = SEM REGISTO).
n = Código da última falha registada.
0402 TEMPO FALHA 1
Dia no qual ocorreu a última falha. Como:
• Data – se o relógio estiver a funcionar em tempo real.
• Número de dias a seguir à alimentação – se o relógio não estiver a ser usado, ou não tiver sido ajustado.
0403 TEMPO FALHA 2
Hora em que ocorreu a última falha. Como:
• Tempo real, em formato hh:mm:ss – se o relógio estiver a funcionar.
• A hora desde a última alimentação (menos o total de dias registados em 0402), em formato hh:mm:ss – se o
relógio não estiver a ser usado, ou não tiver sido ajustado.
0404 VELOC NA FALHA
Velocidade do motor (rpm) quando se registou a última falha.
0405 FREQ NA FALHA
Frequência (Hz) quando se registou a última falha.
0406 TENS NA FALHA
Tensão bus CC (V) quando se registou a última falha.
0407 CORR NA FALHA
Corrente do motor (A) quando se registou a última falha.
0408 BIN NA FALHA
Binário do motor (%) quando se registou a última falha.
0409 ESTADO NA FALHA
Estado do accionamento (palavra código hex) quando se registou a última falha.
0410 ED1-3 NA FALHA
Estado das entradas digitais 1…3 quando se registou a última falha.
0411 ED4-6 NA FALHA
Estado das entradas digitais 4…6 quando se registou a última falha.
0412 FALHA ANT 1
Código de falha da segunda última falha. Só de leitura.
0413 FALHA ANT 2
Código de falha da terceira última falha. Só de leitura.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 77

Grupo 10: Comando


• Este grupo define as fontes externas (EXT1, e EXT2) para os comandos que
actuam no arranque, paragem e sentido de rotação.
• Fixa o sentido ou activa o controlo do sentido de rotação.
• Para optar entre os dois locais externos, use o próximo grupo (parâmetro 1102).
Cód Descrição
1001 COMANDO EXT1
Define o local de controlo externo 1 (EXT1) – a configuração dos comandos de arranque, paragem e sentido.
0 = NÃO SEL – Sem fonte externa de arranque, paragem e sentido.
1 = ED1 – Arranque/Paragem dois-fios.
• Arranque/Paragem através da entrada digital ED1 (ED1 activa = Arrancar; ED1 desactivada = Parar).
• O parâmetro 1003 define o sentido. A selecção de 1003 = 3 (PEDIDO) é igual a 1003 = 1 (DIRECTO).
2 = ED1, 2 – Arranque/Paragem, Sentido dois-fios.
• Arranque/Paragem através da entrada digital ED1 (ED1 activa = Arrancar; ED1 desactivada = Parar).
• Controlo de sentido (necessita do parâmetro 1003 = 3 (PEDIDO) através da entrada digital ED2
(ED2 activa = Inverso; desactivada = Directo).
3 = ED1P, 2P – Arranque/Paragem três-fios.
• Comandos de Arranque/Paragem através de botoneiras normalmente abertas (o P representa “pulsar”).
• Arranque através das botoneiras ligadas à entrada digital ED1. Para arrancar o accionamento, a entrada digital
ED2 deve ser activada antes de pressionar ED1.
• Ligue diversas teclas em paralelo.
• Paragem através das botoneiras normalmente fechadas ligadas à entrada digital ED2.
• Ligue diversas botoneiras de paragem em série.
• O parâmetro 1003 define o sentido de rotação. A selecção de 1003 = 3 (PEDIDO) é igual a 1003 = 1 (DIRECTO).
4 = ED1P, 2P, 3 – Arranque/Paragem três-fios.
• Comandos de Arranque/Paragem através de botoneiras, conforme descrito para ED1P, 2P, 3.
• Controlo de sentido (necessita do parâmetro 1003 = 3 (PEDIDO) através da entrada digital ED3
(ED3 activa = Inverso; desactivada = Directo).
5 = ED1P, 2P, 3P – Arranque Directo, Arranque Inverso, e Paragem.
• Comandos de Arranque e Sentido dados em simultâneo com duas botoneiras separadas (o P representa
“pulsar”).
• O comando de Arranque Directo através da botoneira normalmente aberta ligada à entrada digital ED1. Para
arrancar o accionamento, a entrada digital ED3 deve ser activada ao pressionar ED1.
• O comando de Arranque Inverso através da botoneira normalmente aberta ligada à entrada digital ED2. Para
arrancar o accionamento, a entrada digital ED3 deve ser activada antes de pressionar ED2.
• Ligue diversas botoneiras de arranque em paralelo.
• Paragem através das botoneiras normalmente fechadas ligadas à entrada digital ED3.
• Ligue diversas botoneiras de paragem em série.
• Necessita do parâmetro 1003 = 3 (PEDIDO).
6 = ED6 – Arranque/Paragem dois-fios.
• Arranque/Paragem através da entrada digital ED6 (ED6 activa = Arrancar; ED6 desactivada = Parar).
• O parâmetro 1003 define o sentido. A selecção de 1003 = 3 (PEDIDO) é igual a 1003 = 1 (DIRECTO)
7 = ED6, 5 – Arranque/Paragem, Sentido dois-fios.
• Arranque/Paragem através da entrada digital ED6 (ED6 activa = Arrancar; ED6 desactivada = Parar).
• O controlo do sentido (necessita do parâmetro 1003 = 3 (PEDIDO)) através da entrada digital ED5.
(ED5 activa = Inverso; desactivada = Directo).
8 = TECLADO – Consola de Operação.
• Comandos de Arranque/Paragem e Sentido através da consola de operação quando a EXT1 está activa.
• Controlo do sentido necessita do parâmetro 1003 = 3 (PEDIDO).
9 = ED1F, 2R – Comandos Arrancar/Parar/Sentido através das combinações de ED1 e ED2.
• Arranque directo = ED1 activada e ED2 desactivada.
• Arranque inverso = ED1 desactivada e ED2 activada.
• Parar = ED1 e ED2 ambas activadas, ou desactivadas.
• Necessita do parâmetro 1003 = 3 (PEDIDO).
10 = COM – Atribui a Palav Comando de fieldbus como fonte de comando de arranque/paragem e sentido.
• Os bits 0,1, 2 da Palav Comando 1 (parâmetro 0301) activam o comando de arranque/paragem e sentido.
• Para instruções mais detalhadas veja o manual de utilizador de Fieldbus.
11 = FUNÇÕES TEMP 1 – Atribui o controlo a Comando às Funções Temp 1 ( Func Temp activada = ARRANQUE; Func
Temp desactivada = PARAR). Veja o Grupo 36, FUNÇÕES TEMP.
12....14 = FUNÇÕES TEMP 2...4 – Atribui o controlo a Comando às Funções Temp 2. Veja Funções Temp 1 acima.

Arranque
78 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
1002 COMANDO EXT2
Define o local de controlo externo 2 (EXT2) – configuração do comando de arranque, paragem e sentido.
• Veja o parâmetro 1001 COMANDO EXT1 acima.
1003 SENTIDO
Define o controlo do sentido de rotação do motor.
1 = DIRECTO – Rotação fixa no sentido directo.
2 = INVERSO – Rotação fixa no sentido inverso.
3 = PEDIDO – O sentido de rotação pode ser alterado por comando.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 79

Grupo 11: Sel referências


Este grupo define:
• Como o accionamento opta entre fontes de comando.
• Características e fontes para a REF1 e a REF2.
Cód Descrição
1101 SEL REF TECLADO
Selecciona a referência controlada por modo de controlo local.
1 = REF1 (Hz/rpm) – O tipo de referência depende do parâmetro 9904 MODO CTRL MOTOR.
• Referência de velocidade (rpm) se 9904 = 1 (VECTOR: VELOC) ou 2 (VECTOR: BINÁRIO).
• Referência de frequência (Hz) se 9904 = 3 (VECTOR: ESCALAR).
2 = REF2 (%)
1102 SEL EXT1/EXT2
Define a fonte para seleccionar entre os dois locais de controlo externo EXT1 ou EXT2 e a fonte para o comando de
Arranque/Paragem/Sentido e sinais de referência.
0 = EXT1 – Selecciona o local de controlo externo 1 (EXT1).
• Veja o parâmetro 1001 COMANDO EXT1 para as definições do Arranque/Paragem/Sentido de EXT1.
• Veja o parâmetro 1103 SELEC REF1 para as definições da referência de EXT1.
1 = ED1 – Atribui o controlo a EXT1 ou EXT2 baseado no estado de ED1 (ED1 activa=EXT2; ED1 desactivada = EXT1).
2...6 = ED2...ED6 – Atribui o controlo a EXT1 ou EXT2 baseado no estado da entrada digital. Veja ED1 acima.
7 = EXT2 – Selecciona o local de controlo externo 2 (EXT2).
• Veja o parâmetro 1002 COMANDO EXT2 para as definições do Arranque/Paragem/Sentido de EXT2.
• Veja o parâmetro 1106 SELEC REF2 para as definições da referência de EXT2.
8 = COM – Atribui o controlo do accionamento através do local de controlo externo EXT1 ou EXT2 baseado na palavra
de controlo de fieldbus.
• O bit 5 da Palav de Comando 1 (parâmetro 0301) define o local de controlo externo activo (EXT1 ou EXT2).
• Para instruções mais detalhadas veja o manual de utilizador de Fieldbus.
9 = FUNÇÕES TEMP 1 – Atribui o controlo a EXT1 ou EXT2 baseado no estado de Funções Temp ( Func Temp activado
= EXT2; Func Temp desactivado = EXT1). Veja o Grupo 36, FUNÇÕES TEMP.
10....12 = FUNÇÕES TEMP 2...4 – Atribui o controlo a EXT1 ou EXT2 baseado no estado de Funções Temp. Veja
Funções Temp 1 acima
-1 = ED1(INV) – Atribui o controlo a EXT1 ou EXT2 baseado no estado de ED1 (ED1 activa = EXT1; ED1 desactivada =
EXT2).
-2...-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Atribui o controlo a EXT1 ou EXT2 baseado no estado da entrada digital seleccionada.
Veja ED1(INV) acima.
1103 SELEC REF1
REF EXT 1 MAX
Selecciona a fonte do sinal para a referência externa REF1.
0 = TECLADO – Define a consola de operação como fonte de
referência.
1 = EA1 – Define a entrada analógica 1 (EA1) como fonte de REF EXT 1 MIN
referência.
2 = EA2 – Define a entrada analógica 2 (EA2) como fonte de - REF EXT 1 MIN
referência. 10 V /
3 = EA1/JOYST – Define a entrada analógica 1 (EA1), 20 mA
configurada para operação com joystick, como fonte de - REF EXT 1 MAX
referência.
• O sinal de entrada minimo opera o accionamento à 2 V / 4 mA
0 V / 0 mA
referência máxima no sentido inverso. Para definir o REF EXT 1 MIN
minimo use o parâmetro 1104. -2 % +2 %
• O sinal de entrada máximo opera o accionamento à - REF EXT 1 MIN
referência máxima no sentido directo. Para definir o
máximo use o parâmetro 1105. Histerese 4 % da Escala Total
• Requer o parâmetro 1003=3 (PEDIDO).
Aviso! Devido ao valor inferior dos comandos da gama de referência em operação inversa, não use 0 V
como valor inferior. Ao fazê-lo significa que se o sinal de controlo se perde (que é uma entrada de 0 V) o
resultado é operação inversa. Em vez disso, use o seguinte ajuste para que a perda da entrada analógica
dispare uma falha, e pare o accionamento:
• Ajuste o parâmetro 1301 EA1 MINIMO (1304 EA2 MINIMO) a 20% (2 V ou 4 mA).
• Ajuste o parâmetro 3021 LIMITE FALHA EA1 para um valor 5% ou superior.
• Ajuste o parâmetro 3001 FUNÇÃO EA<MIN para1 (FALHA).

Arranque
80 Manual do Utilizador do ACS550

4 = EA2/JOYST – Define a entrada analógica 2 (EA2), configurada para operação com joystick, como fonte de
referência.
• Veja a descrição acima (EA1/JOYST).
5 = ED3U,4D(R6) – Define a entrada digital como fonte de referência de velocidade (controlo potenciómetro do
motor).
• A entrada digital ED3 aumenta a velocidade (o U representa “up”).
• A entrada digital ED4 diminui a velocidade (o D representa “down”).
• O comando de Paragem repõe a referência para zero (o R representa “reset”).
• O parâmetro 2205 TEMPO ACEL 2 controla a gama de alteração do sinal de referência.
6 = ED3U,4D – Igual ao anterior (ED3U,4D(R)), excepto:
• O comando de Paragem não repõe a referência para zero. A referência é guardada.
• Quando o accionamento arranca, o motor acelera (com a rampa de aceleração seleccionada) até à referência
guardada.
7 = ED5U,6D – Igual ao anterior (ED3U,4D), excepto que ED5 e ED6 são as entradas digitais usadas.
8 = COM – Define o fieldbus como fonte de referência.
9 = COM+EA1 – Define a combinação do fieldbus e da entrada analógica 1 (EA1) como fonte de referência. Veja
abaixo a Correcção da Referência da Entrada Analógica.
10 = COM*EA1 – Define a combinação do fieldbus e da entrada analógica 1 (EA1) como fonte de referência. Veja
abaixo a Correcção da Referência da Entrada Analógica.
11 = ED3U, 4D(RNC) – Igual a ED3U,4D(R) acima, excepto que:
• Alterar a fonte de controlo (EXT1 para EXT2, EXT2 para EXT1, LOC para REM) não copia a referência.
12 = ED3U,4D(NC) – Igual a ED3U,4D acima, excepto que:
• Alterar a fonte de controlo (EXT1 para EXT2, EXT2 para EXT1, LOC para REM) não copia a referência.
13 = ED5U,6D(NC) – Igual a ED3U,4D acima, excepto que:
• Alterar a fonte de controlo (EXT1 para EXT2, EXT2 para EXT1, LOC para REM) não copia a referência.
14 = EA1+EA2 – Define a combinação da entrada analógica 1 (EA1) e entrada analógica 2 (EA2) como fonte de
referência. Veja abaixo a Correcção da Referência da Entrada Analógica.
15 = EA1*EA2 – Define a combinação da entrada analógica 1 (EA1) e entrada analógica 2 (EA2) como fonte de
referência. Veja abaixo a Correcção da Referência da Entrada Analógica.
16 = EA1-EA2 – Define a combinação da entrada analógica 1 (EA1) e entrada analógica 2 (EA2) como fonte de
referência. Veja abaixo a Correcção da Referência da Entrada Analógica.
17 = EA1/EA2 – Define a combinação da entrada analógica 1 (EA1) e entrada analógica 2 (EA2) como fonte de
referência. Veja abaixo a Correcção da Referência da Entrada Analógica.
Correcção da Referência da Entrada Analógica
Para os valores do parâmetro 9, 10, e 14…17 use a fórmula da tabela seguinte.
Ajuste A referência EA é calculada como se segue:
Valor
C+B C valor + (B valor - 50% do valor de referência)
C*B C valor * (B valor / 50% do valor de referência)
C-B (C valor + 50% do valor de referência)- B valor
C/B (C valor * 50% do valor de referência) / B valor
Onde:
• C = Valor principal de referência 120
( = COM para os valores 9, 10 e 17 (/)
= EA1 para os valores 14…17). 100
• B = Referência de correcção
( = EA1 para os valores 9, 10 e 80
= EA2 para valores 14…17). 9, 14 (+)
60
Exemplo:
A figura apresenta as curvas da fonte de referência dos ajustes 40 10, 15 (*)
dos valores 9, 10, e14…17, onde:
• C = 25%. 20
• P 4012 PTO AJUSTE MIN = 0. 16 (-)
• P 4013 PTO AJUSTE MAX = 0. 0
0 100% B
• B varia ao longo do eixo horizontal.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 81

1104 MIN REF1 Ref. ext


Define o minimo para a referência externa 1.
• O sinal minimo da entrada analógica (como
percentagem do sinal completo em volts ou amps) P 1105
corresponde a MIN REF1 em Hz/rpm. (MAX)
• O parâmetro 1301 EA1 MINIMO ou 1304 EA2 MINIMO
ajusta o sinal minimo da entrada analógica.
• Estes parâmetros (referência e ajustes analógicos
min. e max.) fornecem ajuste offset e escala para
referência. P 1104 Sinal entrada
1105 MAX REF1 (MIN) analógica
Define o máximo para a referência externa 1. P 1301 P 1302
• O sinal máximo da entrada analógica (como ou 1304 ou 1305
percentagem do sinal completo em volts ou amps)
corresponde a MAX REF1 em Hz/rpm.
• O parâmetro 1302 EA1 MÁXIMO ou 1305 EA2 Ref. ext
MÁXIMO ajusta o sinal máximo da entrada analógica.
P 1104
(MIN)

P 1105
(MAX)
Sinal entrada

P 1301 P 1302 analógica


ou 1304 ou 1305
1106 SELEC REF2
Selecciona a fonte do sinal para a referência externa REF2.
0...17 – Igual ao parâmetro 1103 SELEC REF1.
19 = SAI PID1 – A referência é tirada da saída PID1. Veja os Grupos 40 e 41.
Se usado PFC
19=PID1 SELEC LIMITE
REF2 PFC
MAX (1107, 1108)

1...17 MIN (1107, 1108)

1107 MIN REF2


Define o minimo para a referência externa 2.
• O sinal minimo da entrada analógica (em volts ou amps) corresponde a MIN REF2 em %.
• O parâmetro 1301 EA1 MINIMO ou 1304 EA2 MINIMO ajusta o sinal minimo da entrada analógica.
• Este parâmetro ajusta a referência minima de frequência.
• O valor é uma percentagem da:
- frequência ou da velocidade máxima.
- referência máxima do processo.
- binário nominal.
1108 MAX REF2
Define o máximo para a referência externa 2.
• O sinal máximo da entrada analógica (em volts ou amps) corresponde a MAX REF2 em Hz.
• O parâmetro 1302 EA1 MÁXIMO ou 1305 EA2 MÁXIMO ajusta o sinal máximo da entrada analógica.
• O valor é uma percentagem da:
- frequência ou da velocidade máxima.
- referência máxima do processo.
- binário nominal.

Arranque
82 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 12: Veloc constantes


Este grupo define um conjunto de velocidades constantes. Em geral:
• Pode programar até 7 velocidades constantes, de 0…500 Hz ou 0…30000 rpm.
• Os valores devem ser positivos (Não use valores negativos para veloc const).
• As selecções de velocidade constante são ignoradas se:
– o controlo de binário está activo, ou
– a referência do processo PID é seguida, ou
– o accionamento está em modo de controlo local, ou
– o PFC (Controlo de Bombas-Ventilação) está activo

Nota! O parâmetro 1208 VELOC CONST 7 também funciona como a chamada


velocidade de falha que pode ser activada se o sinal de controlo se perder. Consulte
o parâmetro 3001 FUNÇÃO EA<MIN e o parâmetro 3002 ERR COM PAINEL.

Cód Descrição
1201 SEL VEL CONST
Define as entradas digitais usadas para seleccionar as Velocidades Constantes. Consulte a introdução.
0 = NÃO SEL – Inibe a função de velocidade constante.
1 = ED1 – Selecciona a Velocidade Constante 1 com a entrada digital ED1.
• Entrada digital activada = Velocidade Constante 1 activada.
2...6 = ED2...ED6 – Selecciona a Velocidade Constante 1 com a entrada digital ED2…ED6. Veja acima.
7 = ED1,2 – Selecciona uma de três Velocidades Constantes (1…3) usando ED1 e ED2.
• Usa duas entradas digitais, conforme definido abaixo (0 = ED desactivada, 1 = ED activada):
ED1 ED2 Função
0 0 Sem velocidade constante
1 0 Velocidade constante 1 (1202)
0 1 Velocidade constante 2 (1203)
1 1 Velocidade constante 3 (1204)
• Pode ser ajustada como velocidade de falha, a qual é activada se o sinal de controlo for perdido. Consulte o
parâmetro 3001 FUNÇÃO EA<MIN e parâmetro 3002 ERR COM PAINEL.
8 = ED2,3 – Selecciona uma de três Velocidades Constantes (1…3) usando ED2 e ED3.
• Para o código veja acima (ED1,2).
9 = ED3,4 – Selecciona uma de três Velocidades Constantes (1…3) usando ED3 e ED4.
• Para o código veja acima (ED1,2).
10 = ED4,5 – Selecciona uma de três Velocidades Constantes (1…3) usando ED4 e ED5.
• Para o código veja acima (ED1,2).
11 = ED5,6 – Selecciona uma de três Velocidades Constantes (1…3) usando ED5 e ED6.
• Para o código veja acima (ED1,2).
12 = ED1,2,3 – Selecciona uma de sete Velocidades Constantes (1…7) usando ED1, ED2 e ED3.
• Usa três entradas digitais, conforme definido abaixo (0 = ED desactivada, 1 = ED activada):
ED1 ED2 ED3 Função
0 0 0 Sem velocidade constante
1 0 0 Velocidade constante 1 (1202)
0 1 0 Velocidade constante 2 (1203)
1 1 0 Velocidade constante 3 (1204)
0 0 1 Velocidade constante 4 (1205)
1 0 1 Velocidade constante 5 (1206)
0 1 1 Velocidade constante 6 (1207)
1 1 1 Velocidade constante 7 (1208)

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 83

Cód Descrição
13 = ED3,4,5 – Selecciona uma de sete Velocidades Constantes (1…7) usando ED3, ED4 e ED5.
• Para o código veja acima (ED1,2,3).
14 = ED4,5,6 – Selecciona uma de sete Velocidades Constantes (1…7) usando ED5, ED6 e ED7.
• Para o código veja acima (ED1,2,3).
15...18 = FUNÇÃO TEMP 1...4 – Selecciona a Velocidades Constante 1 quando a Função Temp está activa. Veja o
Grupo 36 FUNÇÕES TEMP.
-1 = ED1(INV) – Selecciona a Velocidade Constante 1 com a entrada digital ED1.
• Operação inversa: entrada digital desactivada = Velocidade Constante 1 activada.
-2...- 6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Selecciona a Velocidade Constante 1 com a entrada digital. Veja acima.-7 =
ED1,2(INV) – Selecciona uma de três Velocidades Constantes (1…3) usando ED1 e ED2.
• A operação inversa usa duas entradas digitais, conforme definido abaixo (0 = ED desactivada, 1 = ED activada):
ED1 ED2 Função
1 1 Sem velocidade constante
0 1 Velocidade constante 1 (1202)
1 0 Velocidade constante 2 (1203)
0 0 Velocidade constante 3 (1204)
-8 = ED2,3(INV) – Selecciona uma de três Velocidades Constantes (1…3) usando ED2 e ED3.
• Para o código veja acima (ED1,2(INV)).
-9 = ED3,4(INV) – Selecciona uma de três Velocidades Constantes (1…3) usando ED3 e ED4.
• Para o código veja acima (ED1,2(INV)).
-10 = ED4,5(INV) – Selecciona uma de três Velocidades Constantes (1…3) usando ED4 e ED5.
• Para o código veja acima (ED1,2(INV)).
-11 = ED5,6(INV) – Selecciona uma de três Velocidades Constantes (1…3) usando ED5 e ED6.
• Para o código veja acima (ED1,2(INV)).
-12 = ED1,2,3(INV) – Selecciona uma de sete Velocidades Constantes (1…3) usando ED1, ED2 e ED3.
• A operação inversa usa duas entradas digitais, conforme definido abaixo (0 = ED desactivada, 1 = ED activada):
ED1 ED2 ED3 Função
1 1 1 Sem velocidade constante
0 1 1 Velocidade constante 1 (1202)
1 0 1 Velocidade constante 2 (1203)
0 0 1 Velocidade constante 3 (1204)
1 1 0 Velocidade constante 4 (1205)
0 1 0 Velocidade constante 5 (1206)
1 0 0 Velocidade constante 6 (1207)
0 0 0 Velocidade constante 7 (1208)
-13 = ED3,4,5(INV) – Selecciona uma de sete Velocidades Constantes (1…3) usando ED3, ED4 e ED5.
• Para o código veja acima (ED1,2,3(INV)).
-14 = ED4,5,6(INV) – Selecciona uma de sete Velocidades Constantes (1…3) usando ED4, ED5 e ED6.
• Para o código veja acima (ED1,2,3(INV)).
1202 VEL CONST 1
Define o valor para a Velocidade Constante 1.
• A gama e as unidades dependem do parâmetro 9904 MODO CTRL MOTOR.
• Gama: 0…30000 rpm quando 9904 = 1 (VECTOR: VELOC) ou 2 (VECTOR: BINÁRIO).
• Gama: 0…500 Hz quando 9904 = 3 (ESCALAR: VELOC).
1203 VEL CONST 2…VEL CONST 7
… Cada um define um valor para uma Velocidade Constante. Veja acima VEL CONST 1.
1208
1209 SEL MODO TEMP
Define modo da velocidade constante, activada pelo temporizador. O temporizador pode ser usado para activar a
velocidade constante 1 ou para alternar entre 2 velocidades seleccionáveis: velocidades constantes 1 e 2.

Arranque
84 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 13: Ent analógicas


Este grupo define os limites e a filtragem para as entradas analógicas.
Cód Descrição
1301 EA1 MINIMO
Define o valor minimo da entrada analógica.
• Define o valor como percentagem da gama completa de sinal analógico. Veja o exemplo abaixo.
• O sinal analógico minimo corresponde a 1104 MIN REF1 ou 1107 MIN REF2.
• A EA MINIMO não pode ser maior que a EA MÁXIMO.
• Estes parâmetros (referência e os ajustes analógicos min. e max.) fornecem a escala e o o ajuste offset para a
referência.
• Veja a figura no parâmetro 1104.
Exemplo. Para definir o valor minimo da entrada analógica para 4 mA:
• Configure a entrada analógica para 0…20 mA sinal de corrente..
• Calcule o minimo (4 mA) como percentagem da gama completa (20 mA) = 4 mA / 20 mA * 100% = 20%
1302 EA1 MAXIMO
Define o valor máximo da entrada analógica.
• Define o valor como percentagem da gama completa de sinal analógico.
• O sinal analógico máximo corresponde a 1105 MAX REF1 ou 1108 MAX REF2.
• Veja a figura no parâmetro 1104.
1303 FILTRO EA1 Sinal sem filtro
[%]
Define a constante de tempo do filtro para a entrada analógica 1
(EA1).
• O sinal com filtro alcança 63% da alteração dentro do tempo 100
especificado.
63
Sinal com filtro

t
Constante de tempo
1304 EA2 MINIMO
Define o valor minimo da entrada analógica.
• Veja EA1 MINIMO acima.
1305 EA2 MAXIMO
Define o valor máximo da entrada analógica.
• Veja EA1 MAXIMO acima.
1306 FILTRO EA2
Define a constante de tempo do filtro para a entrada analógica 2 (EA2).
• Veja FILTRO EA1 acima.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 85

Grupo 14: Saídas relé


Este grupo define a condição que activa cada saída a relé.
Cód Descrição
1401 SAÍDA RELÉ 1
Define o evento ou condição que activa o relé 1 – o que significa saída a relé 1.
0 = NÃO SEL – O relé não é usado ou está desligado.
1 = PRONTO – Energiza o relé quando o accionamento está pronto para funcionar. Necessita:
• Do sinal de Permissão Func presente.
• Que não existam falhas.
• Que a tensão de alimentação esteja dentro da gama.
• Que o comando de Paragem de Emergência não esteja ligado.
2 = FUNC – Energiza o relé quando o accionamento está em funcionamento.
3 = FALHA (-1) – Energiza o relé quando é aplicada potência. Desliga quando a falha ocorre.
4 = FALHA – Energiza o relé quando a falha está activa.
5 = ALARME – Energiza o relé quando um alarme está activo.
6 = INVERSO – Energiza relé quando o motor roda em sentido inverso.
7 = ARRANQUE – Energiza o relé quando o accionamento recebe um comando de arranque (mesmo que o sinal de
Permissão Func não esteja presente). Desliga o relé quando o accionamento recebe um comando de paragem ou
quando ocorrer uma falha.
8= SOBRE SUPRV1 – Energiza o relé quando o primeiro parâmetro supervisionado (3201) exceder o limite (3203).
• Veja o "Grupo 32: Supervisão" na página 109.
9 = SUB SUPRV1– Energiza o relé quando o primeiro parâmetro supervisionado (3201) estiver abaixo do limite (3202).
• Veja o "Grupo 32: Supervisão" na página 109.
10 = SOBRE SUPRV2 – Energiza o relé quando o segundo parâmetro supervisionado (3204) exceder o limite (3206).
• Veja o "Grupo 32: Supervisão" na página 109.
11 = SUB SUPRV2 – Energiza o relé quando o segundo parâmetro supervisionado (3204) estiver abaixo do limite
(3205). Veja o "Grupo 32: Supervisão" na página 109.
12 =SOBRE SUPRV3 – Energiza o relé quando o terceiro parâmetro supervisionado (3207) exceder o limite (3209).
• Veja o "Grupo 32: Supervisão" na página 109.
13 =SUB SUPRV3 – Energiza o relé quando o terceiro parâmetro supervisionado (3207) estiver abaixo do limite
(3208). Veja o "Grupo 32: Supervisão" na página 109.
14 = NO PTO AJUST – Energiza o relé quando a saída de frequência for igual à referência de saída.
15 = FALHA (RST) – Energiza o relé quando o accionamento estiver em condição de falha e rearmar após o atraso de
auto-rearme programado.
• Veja o parâmetro 3103 ATRASO.
16 = FAL/ALARME – Energiza o relé quando ocorre uma falha ou alarme.
17 = CTRL EXT– Energiza o relé quando é seleccionado o controlo externo.
18 = SEL REF 2 – Energiza o relé quando a EXT2 é seleccionada.
19 = FREQ CONST – Energiza o relé quando é seleccionada uma velocidade constante.
20 = PERDA REF – Energiza o relé quando ou a referência ou o local de controlo activo são perdidos.
21 = SOBRECORRENTE – Energiza o relé quando ocorre uma falha ou alarme de sobrecorrente.
22 = SOBRETENSÃO – Energiza o relé quando ocorre uma falha ou alarme de sobretensão.
23 = TEMP ACCION– Energiza o relé quando occore uma falha ou alarme de sobretemperatura.
24 = SUBTENSÃO – Energiza o relé quando ocorre uma falha ou alarme de subtensão.
25 = PERDA EA1 – Energiza o relé quando o sinal EA1 é perdido.
26 = PERDA EA2 – Energiza o relé quando o sinal EA2 é perdido.
27 = TEMP MOTOR – Energiza o relé quando ocorre um alarme ou falha de sobretemperatura no motor.
28 = BLOQUEIO – Energiza o relé quando existe um alarme ou falha de travagem.
29 = SUBCARGA – Energiza o relé quando ocorre um alarme ou falha de subcarga.
30 = DORMIR PID – Energiza o relé quando a função DORMIR PID está activa.
31 = PFC – Use o relé para Arrancar/Parar o motor em controlo PFC (Veja Grupo 81: Controlo PFC).
• Use esta opção só com o controlo PFC.
• A selecção é activada / desactivada quando o accionamento não está a funcionar.
32 = COMUTA AUTO – Energiza o relé quando é efectuada uma operação de alteração automática PFC.
• Use esta opção só com o controlo PFC
33 = FLUX PRONTO – Energiza o relé quando o motor é magnetizado e capaz de fornecer binário nominal (o motor
alcançou o binário nominal por magnetização).
34 = UTIL S2 – Energiza o relé quando o parâmetro UTIL CONJ2 está activo.

Arranque
86 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
35 = COM – Energiza o relé baseado na entrada de comunicação por fieldbus.
• O fieldbus grava o código binário no parâmetro 0134 que pode energizar o relé 1…relé 6 de acordo com o
seguinte:
Par. 0132 Binário SR6 SR5 SR4 SR3 SR2 SR1
0 000000 0 0 0 0 0 0
1 000001 0 0 0 0 0 1
2 000010 0 0 0 0 1 0
3 000011 0 0 0 0 1 1
4 000100 0 0 0 1 0 0
5...62 ... ... ... ... ... ... ...
63 111111 1 1 1 1 1 1

• 0 = Desliga relé, 1 = Energiza relé.


36 = COM(-1) – Energiza o relé baseado na entrada de comunicação por fieldbus.
• O fieldbus escreve o código do binário no parâmetro 0134 que pode energizar o relé 1…relé 6 de acordo com o
seguinte:
Par. 0132 Binário SR6 SR5 SR4 SR3 SR2 SR1
0 000000 1 1 1 1 1 1
1 000001 1 1 1 1 1 0
2 000010 1 1 1 1 0 1
3 000011 1 1 1 1 0 0
4 000100 1 1 1 0 1 1
5...62 ... ... ... ... ... ... ...
63 111111 0 0 0 0 0 0
• 0 = Desliga relé, 1 = Energiza relé.
37 = FUNC TEMP 1 – Energiza o relé quando a Função Temp 1 está activa. Veja o Grupo 36, FUNÇÕES TEMP.
38...40 = FUNC TEMP 1 – Energiza o relé quando a Função Temp 1 está activa. Veja acima Func Temp 1.
1402 SAÍDA RELE 2
Define o evento ou condição que activa o relé 2 – o que significa saída a relé 2.
• Veja 1401 SAÍDA RELÉ 1.
1403 SAÍDA RELE 3
Define o evento ou condição que activa o relé 3– o que significa saída a relé 3.
• Veja 1401 SAÍDA RELÉ 1.
1404 ATRASO LIG SR 1
Define o atraso de ligação para o relé 1. Controlo evento
• Os atrasos ligado/desligado são ignorados quando a saída a relé
1401 é definida para PFC.
1405 ATRASO DESL SR1 Estado relé
Define o atraso de desligar para o relé 1.
• Os atrasos ligado/desligado são ignorados quando a saída a relé 1404 EM ATRASO 1405 SEM ATRASO
1401 é definida para PFC.
1406 ATRASO LIG SR2
Define o atraso de ligação para o relé 2.
• Veja ATRASO LIG SR1.
1407 ATRASO DESL SR2
Define o atraso de corte para o relé 2.
• Veja ATRASO DESLIG SR1.
1408 ATRASO LIG SR3
Define o atraso de ligação para o relé 3.
• Veja ATRASO LIG SR1.
1409 ATRASO DESL SR3
Atraso de corte para o relé 3.
• Veja ATRASO DESLIG SR1.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 87

Cód Descrição
1410 SAIDA RELE 4…6
… Define o evento ou condição que activa o relé 4…6 – o que significa saída a relé 4…6.
1412 • Veja 1401 SAÍDA RELÉ 1.
1413 ATRASO LIG SR4
Define o atraso de ligação para o relé 4.
• Veja ATRASO LIG SR1.
1414 ATRASO DESL SR4
Define o atraso de corte para o relé 4.
• Veja ATRASO DESLIG SR1.
1415 ATRASO LIG SR5
Define o atraso de ligação para o relé 5.
• Veja ATRASO LIG SR1.
1416 ATRASO DESL SR5
Define o atraso de corte para o relé 5.
• Veja ATRASO DESLIG SR1.
1417 ATRASO LIG SR6
Define o atraso de ligação para o relé 6.
• Veja ATRASO LIG SR1.
1418 ATRASO DESL SR6
Define o atraso de corte para o relé 6.
• Veja ATRASO DESLIG SR1.

Arranque
88 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 15: Saídas analógicas


Este grupo define as saídas analógicas do accionamento (sinal de corrente). As
saídas analógicas podem ser:
• Qualquer parâmetro do Grupo de dados de operação (Grupo 01).
• Limitadas a valores minimos e máximos de saída de corrente.
• Escaladas (e/ou invertidas) pela definição dos valores minimos e máximos da
fonte do parâmetro (ou conteúdo). A definição de um valor máximo (parâmetro
1503 ou 1509) é inferior ao conteúdo do valor minimo (parâmetro 1502 ou 1508)
resulta numa saída invertida.
• Filtrado.
Cód Descrição
1501 CONTEUDO SA1
Define o conteúdo da saída analógica SA1.
99 = EXCITE PTC– Fornece uma fonte de corrente para o sensor tipo PTC. Saída = 1.6 mA. Veja o Grupo 35.
100 = EXCITE PT100 – Fornece uma fonte de corrente para o sensor tipo Pt100. Saída = 9.1 mA. Veja o Grupo 35.
101...145 – A saída corresponde a um parâmetro no Grupo de Dados de operação (Grupo 01).
• parâmetro definido pelo valor (valor 102 = parâmetro 0102)
1502 CONTEUDO MIN SA1 SA (mA)
Define o valor minimo do conteúdo. P 1505 /
• O conteúdo é o parâmetro seleccionado pelo parâmetro 1501. P 1511
• O valor minimo significa o conteúdo minimo que será
convertido numa saída analógica.
• Estes parâmetros (conteúdo e ajustes de corrente min. e max.)
fornecem uma escala e ajuste offset para a saída. Veja a figura.
1503 CONTEUDO MAX SA1 P 1504 /
P 1510 CONT SA
Define o valor máximo do conteúdo.
• O conteúdo é o parâmetro seleccionado pelo par. 1501. P 1502 / 1508
• O valor máximo significa o conteúdo máximo que será P 1503 / 1509
convertido numa saída analógica. SA (mA)
P 1505 /
1504 SA1 MINIMO P 1511
Define a corrente minima de saída.
1505 SA1 MAXIMO
Define a corrente máxima de saída.
1506 FILTRO SA1
P 1504 /
Define a constante de tempo de filtro para SA1. P 1510
• O sinal filtrado alcança 63% de uma alteração dentro do tempo CONT SA
especificado
• Veja a figura no parâmetro 1303. P 1502 / 1508
P 1503 / 1509
1507 CONTEUDO SA2
Define o conteúdo da saída analógica SA2. Veja acima CONTEUDO SA1.
1508 CONTEUDO MIN SA2
Define o valor minimo do conteúdo. Veja acima CONTEUDO MIN SA1.
1509 CONTEUDO MAX SA2
Define o valor máximo do conteúdo. Veja acima CONTEUDO MAX SA1.
1510 SA2 MINIMO
Define a corrente minima de saída. Veja acima SA1 MINIMO.
1511 SA2 MAXIMO
Define a corrente máxima de saída. Veja acima SA1 MAXIMO.
1512 FILTRO SA2
Define a constante de tempo de filtro para SA2. Veja acima FILTRO SA1.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 89

Grupo 16: Controlos sistema


Este grupo define a variedade de níveis de bloqueio, rearmes e permissões do
sistema.
Cód Descrição
1601 PERMISSÃO FUNC
Selecciona a fonte do sinal de permissão de funcionamento.
0 = NÃO SEL – Permite que o accionamento arranque sem sinal externo de permissão de funcionamento.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como sinal de permissão de funcionamento.
• Esta entrada digital deve ser activada para permissão de funcionamento.
• Se a tensão cair e desactivar a entrada digital, o accionamento pára por inércia e não arranca até que o sinal de
permissão de funcionamento rearme.
2...6 = ED2…ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como sinal de permissão de funcionamento.
• Veja acima ED1.
7 = COM – Define a Palav Comando de fieldbus como fonte de sinal de permissão de funcionamento.
• O Bit 6 da Palav Comando 1 (parâmetro 0301) activa o sinal de Permissão Func.
• Veja o manual do utilizador de fieldbus para instruções detalhadas.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como sinal de permissão de funcionamento.
• Esta entrada digital deve ser desactivada para permissão de funcionamento.
• Se esta entrada digital está activa, o accionamento pára por inércia e não arranca até que o sinal de permissão
de funcionamento rearme.
• -2…-6 = ED2(INV)…ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como sinal de permissão de
funcionamento
• Veja acima ED1(INV).
1602 BLOQUEIO PARAM
Determina se a consola de operação pode mudar os valores do parâmetro.
• Este bloqueio não limita as alterações do parâmetro efectuadas pelas macros.
• Este bloqueio não limita as alterações do parâmetro gravadas pelas entradas de fieldbus.
0 = FECHADO – Não pode usar a consola de operação para alterar os valores do parâmetro.
• O bloqueio pode ser aberto através de uma password válida para o parâmetro 1603.
1 = ABERTO – Pode usar a consola de operação para alterar os valores do parâmetro.
2 = N GUARDADO - Pode usar a consola de operação para alterar os valores do parâmetro, que não podem ser
guardados na memória permanente.
• Defina o parâmetro 1607 GRAVAR PARAM para 1 (GUARDAR) para guardar as alterações dos valores do parâmetro
para a memória.
1603 PASSWORD
A introdução da password correcta retira o bloqueio do parâmetro.
• Veja acima o parâmetro 1602.
• O código 358 retira o bloqueio.
• Esta entrada é reposta automaticamente para 0.
1604 SEL REARME FALHA
Selecciona a fonte para o sinal de rearme de falha. O sinal rearma o accionamento após um disparo de falha se a
causa da falha já não existir.
0 = TECLADO – Define a consola de operação como única fonte de rearme de falha.
• O rearme de falha é sempre possível com a consola de operação.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como fonte de rearme de falha.
• A activação da entrada digital rearma o accionamento.
2...6 = ED2…ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como fonte de rearme de falha.
• Veja acima ED1.
7 = ARRANQUE/PARAGEM – Define o comando de Paragem como fonte de rearme de falha.
• Não use esta opção quando os comandos de arranque, paragem e sentido forem fornecidos através de
comunicação por fielbus.
8 = COM – Define o fieldbus como fonte de rearme de falha.
• A Palav Comando é fornecida através de comunicação por fieldbus.
• O bit 4 da Palav Comando 1 (parâmetro 0301) rearma o accionamento.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como fonte de rearme de falha.
• A desactivação da entrada digital rearma o accionamento.
-2...-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como fonte de rearme de falha.
• Veja acima ED1(INV).

Arranque
90 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
1605 ALT PARAM UTILIZ
Define o controlo para alteração do Conjunto de Parâmetros do Utilizador.
• Veja parâmetro 9902 (MACRO APLICAÇÃO).
• O accionamento deve ser parado para alterar o Conjunto de Parâmetros do Utilizador.
• Durante a alteração, o accionamento não arranca.
Nota: Guarde sempre o Conj de Parâmetros Utiliz depois de alterar quaisquer definições de parâmetros ou depois
de efectuar uma identificação do motor.
• Sempre que a alimentação é ciclíca, ou o parâmetro 9902 (MACRO APLICAÇÃO) é modificado, o accionamento
carrega as últimas definições guardadas. Qualquer alteração no Conjunto de Parâmetros do Utilizador não
guardada é perdida.
Nota: O valor deste parâmetro (1605) não está incluído no Conjunto de Parâmetros do Utilizador, e não modifica se
o Conjunto de Parâmetros do Utilizador for modificado.
Nota: Pode usar uma saída a relé para supervisionar a selecção do Conjunto de Parâmetros do Utilizador 2.
• Veja o parâmetro 1401.
0 = NÃO SEL – Define a consola de operação (usando o parâmetro 9902) como único controlo para alteração do
Conjunto de Parâmetros do Utilizador
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como controlo para alteração do Conjunto de Parâmetros do Utilizador.
• O accionamento carrega o Conj 1 de Parâmetros do Utilizador quando a ED está activa.
• O accionamento carrega o Conj 2 de Parâmetros do Utilizador quando a ED está inactiva.
• O Conj de Parâmetros do Utilizador só é modificado quando o accionamento está parado.
2…6 = ED2…ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como controlo para alteração das definições do parâmetro
do utilizador. Veja acima ED1.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como controlo para alteração das definições do parâmetro do
utilizador.
• O accionamento carrega o Conj 1 de Parâmetros do Utilizador quando a ED está inactiva.
• O accionamento carrega o Conj 2 de Parâmetros do Utilizador quando a ED está activa.
• O Conj Parâmetro do Utilizador só é modificado quando o accionamento está parado
-2…-6 = ED2(INV)…ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como controlo para alteração do
Conjunto de Parâmetros do Utilizador. Veja acima ED1(INV).
1606 BLOQUEIO LOCAL
Define o controlo para uso do modo LOC. O modo LOC permite o controlo do accionamento a partir da consola de
operação.
• Quando BLOQUEIO LOCAL está activo, a consola de operação não pode mudar para modo LOC.
0 = NÃO SEL – Inibe o bloqueio. A consola de operação pode seleccionar LOC e controlar o accionamento.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como controlo para definição do bloqueio local.
• A activação da entrada digital bloqueia o controlo local.
• A desactivação da entrada digital permite a selecção de LOC.
2...6 = ED2…ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como controlo para definição do bloqueio local.
• Veja acima ED1.
7 = LIG – Define o bloqueio. A consola de operação não pode seleccionar LOC, e não pode controlar o
accionamento.
8 = COM – Define o bit 14 da Palav Comando 1 como controlo para definição do bloqueio local.
• A Palav Comando é fornecida através da comunicação por fieldbus.
• A Palav Comando é 0301.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como controlo para definição do bloqueio local.
• A desactivação da entrada digital bloqueia o controlo local.
• A activação da entrada digital permite a selecção de LOC.
-2...-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como controlo para definição do bloqueio
local. Veja acima ED1(INV).
1607 GRAVAR PARAM
Guarda todos os parâmetros alterados na memória permanente.
• Os parâmetros alterados através de fieldbus não são automaticamente guardados na memória permanente. Para
guardar, deve usar este parâmetro.
• Se 1602 BLOQUEIO PARAM = 2 (N GUARDADO), os parâmetros alterados a partir da consola de operação não são
guardados. Para guardar, deve usar este parâmetro.
• Se 1602 BLOQUEIO PARAM = 1 (ABERTO), os parâmetros alterados a partir da consola de operação são guardados
imediatamente na memória permanente.
0 = FEITO – O valor altera automaticamente quando todos os parâmetros são guardados.
1 = SALVAR – Guarda todos os parâmetros alterados na memória permanente.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 91

Grupo 20: Limites


Este grupo define os limites minimos e máximos a seguir durante o accionamento
do motor – velocidade, frequência, corrente, binário, etc.
Cód Descrição
2001 VELOC MINIMA Velocid 2001 valor é < 0
Define a velocidade minima (rpm) permitida. P 2002
• Um valor de velocidade minima positivo (ou zero) define duas
gamas, uma positiva e uma negativa.
• Um valor de velocidade minima negativa define uma gama de Gama de veloc permitida
0 Tempo
velocidade.
• Veja a figura.
P 2001

Velocid 2001 valor é > 0


2002 VELOC MAXIMA P 2002
Define a velocidade máxima (rpm) permitida.
Gama de veloc permitida
P 2001
0 Tempo
-(P 2001)
Gama de veloc permitida
-(P 2002)

2003 CORRENTE MAX


Define a corrente de saída máxima (A) fornecida pelo accionamento ao motor.
2005 CTRL SOBRETENSÃO
Liga e desliga o controlador de sobretensão CC.
• A rápida desaceleração de uma carga de elevada inércia provoca o aumento de tensão no barramento CC até ao
limite de controlo de sobretensão. Para impedir que a tensão CC exceda o limite de disparo, o controlador de
sobretensão diminui automaticamente o binário de travagem aumentando a frequência de saída
0 = INACTIVO – Controlador inactivo.
1 = ACTIVO – Controlador activo.
Aviso! Se um chopper ou uma resistência de travagem estiver ligado ao accionamento, este valor do
parâmetro deve ser definido para 0 para assegurar o correcto funcionamento do chopper.
2006 CTRL SUBTENSÃO
Liga e desliga o controlador de sobretensão CC:
• Se a tensão do barramento CC cair devido à perda de alimentação, o controlador de subtensão diminui a
velocidade do motor de modo a manter a tensão do barramento CC acima do limite inferior.
• Quando a velocidade do motor diminui, a inércia da carga provoca a realimentação do accionamento, mantendo o
barramento CC carregado, e impedindo um disparo de subtensão.
• O controlador de subtensão CC aumenta as perdas de potência em sistemas de inércia elevada, tais como um
centrífugador ou um ventilador.
0 = INACTIVO – Controlador inactivo.
1 = ACTIVO – Activa o controlador sem tempo de operação minimo ou máximo.

Arranque
92 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
2007 FREQ MINIMA Freq 2007 valor é < 0
Define o limite minimo para a saída de frequência do P 2008
accionamento.
• Um valor de velocidade minima positivo ou zero define duas
gamas, uma positiva e uma negativa. Freq de veloc permitida
0 Tempo
• Um valor de velocidade minima negativa define uma gama de
velocidade.
• Veja a figura. P 2007
Nota! Mantenha FREQ MINIMA < FREQ MÁXIMA
2008 FREQ MAXIMA
Freq 2007 valor é > 0
Define o limite máximo para a saída de frequência do
accionamento. P 2008
Freq de veloc permitida
P 2007
0 Tempo
-(P 2007)
Freq de veloc permitida
-(P 2008)

2013 SEL BINÁRIO MIN


Define o controlo da selecção entre os dois limites de binário minimos (2015 BINÁRIO MIN 1 e 2016 BINÁRIO MIN 2).
0 = BINÁRIO MIN 1 – Selecciona 2015 BINÁRIO MIN 1 como limite minimo usado.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como controlo para selecção do limite minimo usado.
• A activação da entrada digital selecciona o valor BINÁRIO MIN 2.
• A desactivação da entrada digital selecciona o valor BINÁRIO MIN 1
2…6 = ED2…ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como controlo para selecção do limite minimo usado.
• Veja acima ED1.
7 = COM – Define o bit 15 da Palav Comando 1 como controlo para selecção do limite minimo usado.
• A Palav Comando é fornecida através da comunicação por fieldbus.
• A Palav Comando é o parâmetro 0301.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como controlo para selecção do limite minimo usado.
• A activação da entrada digital selecciona o valor BINÁRIO MIN 1.
• A desactivação da entrada digital selecciona o valor BINÁRIO MIN 2
-2…-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como controlo para selecção do limite
minimo usado.
• Veja acima ED1(INV).
2014 SEL BINÁRIO MAX
Define o controlo da selecção entre os dois limites de binário máximos (2017 BINÁRIO MAX 1 e 2018 BINÁRIO MAX 2).
0 = BINÁRIO MAX 1 – Selecciona 2017 BINÁRIO MAX 1 como limite máximo usado.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como controlo para selecção do limite máximo usado.
• A activação da entrada digital selecciona o valor BINÁRIO MAX 2.
• A desactivação da entrada digital selecciona o valor BINÁRIO MAX 1.
2…6 = ED2…ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como controlo para selecção do limite máximo usado.
• Veja acima ED1.
7 = COM – Define o bit 15 da Palav Comando 1 como controlo para selecção do limite máximo usado.
• A Palav Comando é fornecida através da comunicação por fieldbus.
• A Palav Comando é o parâmetro 0301.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como controlo para selecção do limite máximo usado.
• A activação da entrada digital selecciona o valor BINÁRIO MAX 1.
• A desactivação da entrada digital selecciona o valor BINÁRIO MAX 2
-2…-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como controlo para selecção do limite
máximo usado.
• Veja acima ED1(INV).
2015 BINÁRIO MIN 1
Define o primeiro limite minimo para binário (%). O valor é uma percentagem do binário nominal do motor.
2016 BINÁRIO MIN 2
Define o segundo limite minimo para binário (%). O valor é uma percentagem do binário nominal do motor.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 93

Cód Descrição
2017 BINÁRIO MAX 1
Define o primeiro limite máximo para binário (%). O valor é uma percentagem do binário nominal do motor.
2018 BINÁRIO MAX 2
Define o segundo limite máximo para binário (%). O valor é uma percentagem do binário nominal do motor.

Arranque
94 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 21: Arrancar/Parar


Este grupo define a forma de arranque e paragem do motor. O ACS550 suporta
diversos modos de arranque e de paragem.
Cód Descrição
2101 FUNÇÃO ARRANQUE
Selecciona o método de arranque do motor.
1 = AUTO – Selecciona o modo de arranque automático.
• Modos de controlo VECTOR: Arranque óptimo na maioria dos casos. Função arranque em rotação para um eixo
rotativo e arranque à velocidade zero.
• ESCALAR: modo VELOC: Arranque imediato a partir de uma frequência zero.
2 = MAGN CC – Selecciona o modo de arranque por Magnetização CC.
Nota! Este modo não pode arrancar um motor em rotação.
Nota! O accionamento arranca quando o tempo de pré-magnetização definido (param. 2103) tenha passado,
mesmo que a magnetização do motor não esteja finalizada.
• Modos de controlo VECTOR: Magnetiza o motor dentro do tempo determinado pelo parâmetro 2103 TEMPO MAGN
CC usando corrente CC. O controlo normal é libertado exactamente após o tempo de magnetização. Esta
selecção garante o binário mais elevado possível.
• ESCALAR: modo VELOC: Magnetiza o motor dentro do tempo determinado pelo parâmetro 2103 TEMPO MAGN CC
usando corrente CC. O controlo normal é libertado exactamente após o tempo de magnetização.
3 = ROT ESCALAR – Selecciona o modo de arranque em rotação.
• Modos de controlo VECTOR: Não aplicável.
• ESCALAR: modo VELOC: O accionamento selecciona automaticamente a frequência de saída correcta para
arrancar um motor em rotação. Útil se o motor já estiver a rodar o accionamento que arranca suavemente à
frequência actual.
4 = REFORÇO BIN – Selecciona o modo automático de reforço de binário (ESCALAR: só em modo VELOC).
• Pode ser necessário em accionamentos com elevado binário de arranque.
• O reforço de binário só é aplicado no arranque, terminando quando a frequência de saída excede 20 Hz ou
quando a saída de frequência é igual à referência.
• No inicio o motor magnetiza dentro do tempo determinado pelo parâmetro 2103 TEMPO MAGN CC usando corrente
CC.
• Veja o parâmetro 2110 CORR REF BINÁRIO.
5 = ROT + REF BIN – Selecciona o arranque em rotação e o modo de reforço de binário (ESCALAR: só em modo VELOC).
• A rotina de arranque em rotação é efectuada primeiro e o motor é magnetizado. Se a velocidade encontrada for
zero, o reforço de binário é executado.
2102 FUNÇÃO PARAGEM
Selecciona o método de paragem do motor.
1 = INÉRCIA – Selecciona a paragem por atrito. O motor pára por inércia.
2 = RAMPA – Selecciona usando uma rampa de desaceleração
• A desaceleração em rampa é definida por 2203 TEMPO DESACEL1 ou 2206 TEMPO DESACEL2 (a que estiver activa).
2103 TEMPO MAGN CC
Define o tempo de pré-magnetização para o modo de arranque Magnetização CC.
• Use parâmetro 2101 para seleccionar o modo de arranque.
• Depois do comando de arranque, o accionamento pré-magnetiza o motor durante o tempo definido, e depois
arranca o motor.
• Ajusta o tempo de pré-magnetização durante o tempo necessário para permitir a magnetização completa do
motor. Demasiado tempo aquece o motor em excesso.
2104 CTL CORR CC
Selecciona se a corrente CC é usada para travagem.
0 = NÃO SEL – Desactiva o funcionamento da corrente CC.
2 = TRAVAG CC – Activa a injecção de travagem CC depois da modulação ter parado.
• Se o parâmetro 2102 FUNÇÃO PARAGEM for 1 (INÉRCIA), o travagem é aplicada depois do arranque ser removido.
• Se o parâmetro 2102 FUNÇÃO PARAGEM for 2 (RAMPA), a travagem é aplicada depois da rampa.
2106 CORRENTE CC
Define a referência de controlo de corrente CC como uma percentagem do parâmetro 9906 ( CORR NOM MOTOR).
2107 TEMPO TRAV CC
Define o tempo de travagem CC depois da modulação ter acabado, se o parâmetro 2104 é 2 (TRAVAGEM CC).

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 95

Cód Descrição
2108 INIBE ARRANQUE
Controlo da função de Inibição de arranque. A função de Inibição de arranque ignora um comando pendente de
arranque em qualquer uma das seguintes situações (é necessário um novo comando de arranque):
• A falha é rearmada.
• A Permissão Func (parâmetro 1601) for activada enquanto o comando de arranque está activo.
• O modo muda de local para remoto.
• O modo muda de remoto para local.
• O controlo alterna de EXT1 para EXT2.
• O controlo alterna de EXT2 para EXT1.
0 = DESLIGADO – Desliga a função de inibição de arranque.
1 = LIGADO – Liga a função de inibição de arranque.
2109 SEL PARAG EMERG
Define o controlo do comando de paragem de Emergência. Quando activada:
• A paragem de Emergência desacelera o motor usando a rampa de paragem de emergência (parâmetro 2208 TMP
DESACEL EMER).
• Necessita de um comando de paragem externo e da remoção do comando de paragem de emergência antes de o
accionamento ser arrancado.
0 = NÃO SEL – Desliga a função de paragem de Emergência através das entradas digitais.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como controlo para o comando de paragem de Emergência.
• A activação da entrada digital emite um comando de paragem de Emergência.
• A desactivação da entrada digital remove um comando de paragem de Emergência.
2...6 = ED2…ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como controlo para o comando de paragem de Emergência.
• Veja acima ED1.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como controlo para o comando de paragem de Emergência.
• A desactivação da entrada digital emite um comando de paragem de Emergência.
• A activação da entrada digital remove um comando de paragem de Emergência.
-2...-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como controlo para o comando de
paragem de Emergência.
• Veja acima ED1 (INV).
2110 CORR REFORC BIN
Define a corrente máxima fornecida durante o reforço de binário.
• Veja o parâmetro 2101 FUNÇÃO ARRANQUE.

Arranque
96 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 22: Acel/Desaceleração


Este grupo define as rampas que controlam a taxa de aceleração e desaceleração.
Define estas rampas como um par, uma para acelerar e uma para desacelerar. Pode
definir dois pares de rampa e usar uma entrada digital para seleccionar ou uma ou
outra do par.
Cód Descrição
2201 SEL AC/DES 1/2
Define o controlo para a selecção das rampas de aceleração/desaceleração.
• As rampas são definidas em pares, uma para aceleração e outra para desaceleração.
• Ver abaixo as definições dos parâmetros da rampa.
0 = NÃO SEL – Inibe a selecção, é usado o primeiro par de rampa.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como selecção do controlo do par de rampa.
• A activação da entrada digital seleciona o par de rampa 2
• A desactivação da entrada digital seleciona o par de rampa 1.
2...6 = ED2…ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como selecção do controlo do par de rampa.
• Veja acima ED1.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como selecção do controlo do par de rampa.
• A desactivação da entrada digital seleciona o par de rampa 2
• A activação da entrada digital seleciona o par de rampa 1.
-2...-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como selecção do controlo do par de
rampa.
• Veja acima ED1(INV).
2202 TEMPO ACEL 1
FREQ Linear
Define o tempo de aceleração de zero à frequência máxima para o par de rampa 1. MAX
Veja A na figura.
• O tempo de aceleração também depende de 2204 FORMA RAMPA.
• Veja 2008 FREQ MAXIMA.
2203 TEMPO DESACEL 1 B (=0)
Define o tempo de desaceleração da frequência máxima a zero para o par de
T
rampa 1.
• O tempo de desaceleração também depende de 2204 FORMA RAMPA.
• Veja 2008 FREQ MAXIMA. FREQ Curva-S
MAX
2204 FORMA RAMPA 1
Selecciona a forma da rampa de aceleração/desaceleração para o par de rampa 1.
Veja B na figura.
• A forma é definida como uma rampa, excepto se o tempo adicional for
especificado aqui para alcançar a frequência máxima. Um tempo mais longo
B
fornece uma transição mais suave a cada ponta da inclinação. A forma T
transforma-se numa curva-S. A
• Regra geral: 1/5 é uma relação apropriada entre o tempo da forma da rampa e o
A = 2202 TEMPO ACEL
tempo de aceleração da rampa.
0.0 = LINEAR – Especifica as rampas de aceleração/desaceleração para o par de B = 2204 FORMA RAMPA
rampa 1.
0.1...1000.0 = CURVA-S – Especifica a Curva-S das rampas de aceleração/
desaceleração para o par de rampa 1.
2205 TEMPO ACEL 2
Define o tempo (s) de aceleração de zero à frequência máxima do par de rampa 2. Veja 2002 TEMPO ACEL1.
2206 TEMPO DESACEL 2
Define o tempo de desaceleração da frequência máxima para 0 para o par de rampa2. Veja 2003 TEMPO DESACEL 1.
2207 FORMA RAMPA 2
Selecciona a forma da rampa de aceleração/desaceleração para o par de rampa 2. Veja 2004 FORMA RAMPA 1.
2208 TMP DESAC EMERG
Define o tempo de desaceleração da frequência máxima para zero numa emergência.
• Veja o parâmetro 2109 SEL PARAG EMERG.
• A rampa é linear.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 97

Cód Descrição
2209 ENT RAMPA 0
Define o controlo para forçar a entrada da rampa para 0.
0 = NÃO SEL
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como controlo para forçar a entrada da rampa para 0.
• A activação da entrada entrada digital força a entrada da rampa para 0. A saída da rampa cai para 0 de acordo
com o tempo de rampa usado no momento, após o qual permanece em 0.
• A desactivação da entrada digital: a rampa retoma a operação normal.
2...6 = ED2…ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como controlo para forçar a entrada da rampa para 0.
• Veja acima ED1.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como controlo para forçar a entrada da rampa para 0.
• A desactivação da entrada entrada digital força a entrada da rampa para 0.
• A activação da entrada digital: a rampa retoma a operação normal.
-2...-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como controlo para forçar a função de
gerador de entrada para 0.
• Veja acima ED1(INV).

Arranque
98 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 23: Ctrl velocidade


Este grupo define as variáveis usadas para a operação de controlo de velocidade.
Cód Descrição
2301 GANHO PROP
Ganho = Kp = 1
Define o ganho relativo para o controlador de TI = Tempo integração =0
velocidade. TD= Tempo derivação = 0
• Valores elevados podem provocar oscilação %
de velocidade. Valor erro
• A figura apresenta a saída do controlador de
velocidade depois de um erro (o erro Saída controlador
Saída
mantêm-se constante). controlador= e = Valor erro
Nota! Pode usar o parâmetro 2305, FUNC Kp * e
AUTOM para definir automaticamente o ganho
t
proporcional.

2302 TEMPO INTEG Saída controlador


%
Define o tempo de integração para o
controlador de velocidade. Ganho = Kp = 1
• O tempo de integração define a taxa à qual a TI =Tempo integração > 0
saída do controlador muda para um valor de Kp * e TD=Tempo derivação = 0
erro constante.
• Valores inferiores de tempos de integração
corrigem rapidamente erros contínuos.
• O controlo torna-se instável se o tempo de
integração for muito curto. Kp * e e = Valor erro
• A figura apresenta a saída do controlador de
velocidade depois de um erro (o erro t
mantêm-se constante).
Nota! Pode usar o parâmetro 2305, FUNC AUTOM TI
para definir automaticamente o tempo de
integração.
2303 TEMPO DERIV
Define o tempo de derivação do controlador de velocidade.
• A acção de derivação aumenta a saída do controlador se o valor do erro mudar.
• Quanto mais longo o tempo de derivação, maior é o reforço da saída do controlador de velocidade durante a
alteração.
• Se o tempo de derivação for definido para zero, o controlador funciona como controlador PI, e em qualquer outro
caso, como controlador PID.
A figura abaixo apresenta a saída do controlador de velocidade depois de um erro quando o erro se mantêm
constante.
%

Saída controlador
∆e
Kp * TD *
Ts Kp * e
Valor erro

Ganho = Kp = 1
TI = Tempo integração > 0 Kp * e e = Valor erro
TD= Tempo derivação > 0
Ts= Amostra de período de tempo = 2 ms t
∆e = Valor de erro de alteração entre duas
amostras TI

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 99

Cód Descrição
2304 COMPENS ACEL
Define o tempo de derivação para a compensação de aceleração.
• Adicionando um derivativo da referência à saída do controlador de velocidade compensa a inércia durante a
aceleração.
• 2303 TEMPO DERIV descreve o princípio da acção derivativa.
• Regra geral: Ajuste este parâmetro entre 50 e 100% da soma das constantes de tempo mecânico para o motor e
a máquina accionada.
• A figura apresenta as respostas de velocidade quando uma carga de elevada inércia é acelerada ao longo da
rampa.
Sem compensação de aceleração Compensação de aceleração

% %

Referência de velocidade
Velocidade actual

t t

2305 ACTIVAR AUTOAJST


Inicia o ajuste automático do controlador de velocidade.
0 = DESLIGADO – Desactiva o processo de criação do Func Autom. (Não desactiva o funcionamento das definições
do Func Autom.)
1 = LIGADO – Activa o Func Autom do controlador de velocidade. Passa automaticamente para DESLIGADO.
Procedimento:
Nota! A carga do motor deve estar ligada.
• Opere o motor a uma velocidade constante a 20 a 40% da velocidade nominal.
• Mude o parâmetro 2305 Func Autom para LIGADO.
O accionamento:
• Acelera o motor.
• Calcula os valores de ganho proporcional e de tempo de integração.
• Altera os parâmetros 2301 e 2302 para estes valores.
• Repõe 2305 para DESLIGADO.

Arranque
100 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 24: Controlo binário


Este grupo define as variáveis usadas para a operação de controlo de binário.
Cód Descrição
2401 RAMPA BINÁRIO AL
Define a rampa descendente da referência de binário – O tempo minimo para a referência aumentar de zero para o
binário nominal do motor.
2402 RAMPA BINÁRIO BX
Define a rampa ascendente da referência de binário – O tempo minimo para a referência diminuir do binário nominal
do motor para zero.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 101

Grupo 25: Velocid críticas


Este grupo define até três velocidades críticas ou gamas de velocidade que devem
ser evitadas devido a, por exemplo, problemas de ressonância mecânica a certas
velocidades.
Cód Descrição
2501 SEL VELOC CRIT fsaída
Define a função de controlo das velocidades críticas. A função
de velocidade crítica evita gamas de velocidade específicas.
0 = DESLIGADO – Desliga a função de velocidades críticas 52
1 = LIGADO – Liga a função de velocidades críticas 46
.Exemplo: Para evitar velocidades às quais um sistema de
ventilação vibra fortemente: 23
• Determine as gamas de velocidade problemáticas. Assuma 18
que as mesmas se encontram entre 18…23 Hz e 46…52 Hz.
• Defina 2501 SEL VELOC CRIT = 1.
• Set 2502 VELOC CRIT1 BX = 18 Hz. fREF (Hz)
• Set 2503 VELOC CRIT1 AL = 23 Hz. f1L f1H f2L f2H
• Set 2504 VELOC CRIT2 BX = 46 Hz. 18 23 46 52
• Set 2505 VELOC CRIT2 AL = 52 Hz.
2502 VELOC CRIT 1 BX
Define o limite minimo para a gama de velocidade crítica 1.
• Este valor deve ser inferior ou igual a 2503 VELOC CRIT 1 AL.
• As unidades são rpm, excepto se 9904 MODO CTRL MOTOR = 3 (ESCALAR: VELOCIDADE), onde a unidades são Hz.
2503 VELOC CRIT 1 AL
Define o limite máximo para a gama de velocidade crítica 1.
• Este valor deve ser superior ou igual a 2502 VELOC CRIT 1 BX.
• As unidades são rpm, excepto se 9904 MODO CTRL MOTOR = 3 (ESCALAR: VELOCIDADE), onde a unidades são Hz.
2504 VELOC CRIT 2 BX
Define o limite minimo para a gama de velocidade crítica 2.
• Veja o parâmetro 2502.
2505 VELOC CRIT 2 AL
Define o limite máximo para a gama de velocidade crítica 2.
• Veja o parâmetro 2503.
2506 VELOC CRIT 3 BX
Define o limite minimo para a gama de velocidade crítica 3.
• Veja o parâmetro 2502.
2507 VELOC CRIT 3 AL
Define o limite máximo para a gama de velocidade crítica 3.
• Veja o parâmetro 2503.

Arranque
102 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 26: Controlo motor

Cód Descrição
2601 OPT FLUXO ACTIVO
Altera a magnitude do fluxo dependendo da carga actual. A Optimização de Fluxo pode reduzir o consumo total de
energia e de ruído, e deve ser activada em accionamentos que funcionam normalmente abaixo da carga nominal.
0 = Desactiva o dispositivo.
1 = Activa o dispositivo.
2602 FLUXO TRAVAGEM Binário
Efectua uma desaceleração mais rápida do motor Travagem (%) Pot. nom. do motor
quando necessário aumentando o nível de 120% 1 2.2 kW
magnetização, em vez de limitar a rampa de Sem Fluxo de Travagem
2 15 kW
desaceleração. Aumentando o fluxo no motor, a energia 3 37 kW
do sistema mecânico é alterada para energia térmica no 80 4 75 kW
motor. 1 5 250 kW
0 = Desactiva o dispositivo.
40 3
1 = Activa o dispositivo. 4
2 5
.
0
5 10 20 30 40 50
f (Hz)
120% Com Fluxo de Travagem

80
1

40 2
4 3
5
0
5 10 20 30 40 50
f (Hz)
2603 TENS COMP IR Compensação IR
Define a tensão de compensação IR usada para 0 Hz. • Quando activa, a compensação IR fornece reforço de
• Necessita do parâmetro 9904 MODO CTRL MOTOR = 3 tensão extra ao motor a baixas velocidades. Use a
(ESCALAR: VELOC). compensação IR, por exemplo, em aplicações que
• Mantenha a compensação IR o mais baixa possível necessitem de elevado torque de travagem.
para prevenir o sobreaquecimento. Tensão
• Os valores típicos da compensação IR: Motor

Unidades 400 V A
PN (kW) 3 7.5 15 37 132 A = Compensação IR
comp IR (V) 21 18 15 10 4 B = Sem compens
P 2603
2604 FREQ COMP IR f (Hz)
Define a frequência à qual a compensação IR é 0 V (em B
% da frequência do motor).
P 2604
2605 U/f RATIO
Selecciona a forma para a razão U/f (tensão para frequência) abaixo do ponto de enfraquecimento de campo.
1 = LINEAR – Preferível para aplicações de binário constante.
2 = QUADRÁTICO – Preferível para aplicações de bombagem e ventilação centrígufa. (Quadrático é mais silencioso
para a maior parte das frequências de operação.)
2606 FREQ COMUTAÇÃO
Define a frequência de comutação do accionamento.
• Frequências de comutação elevadas significam menos ruído.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 103

Cód Descrição
2607 CTRL FREQ COMUTA Limite da comutação de frequência
A frequência de comutação pode ser reduzida se a temperatura
interna do ACS550 subir acima de 90 °C. Veja a figura. Esta 8 kHz
função permite a frequência de comutação o mais elevada
possível para ser usada baseada nas condições de operação.
Frequências de comutação mais elevadas resultam em ruídos 4 kHz
acústicos menores. Temperatura
0 = DESLIGADO – A função está desligada. ACS550
1 = LIGADO – A frequência de comutação está limitada de acordo
com a figura. 90 °C 100 °C
2608 COMPENSA ESCORR
Define o ganho para a compensação de escorregamento (in %).
• Um motor de gaiola de esquilo tem um escorregamento em carga. O aumento da frequência quando o binário do
motor aumenta compensa o escorregamento.
• Necessita do parâmetro 9904 MODO CTRL MOTOR = 3 ( ESCALAR: VELOC).
0 = Sem compensação de escorregamento.
1…200 = Aumento da compensação de escorregamento. 100% significa uma compensação completa de
escorregamento.

Arranque
104 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 29: Activar manutenção


Este grupo contém níveis de utilização e pontos de disparo. Quando a utilização
alcança o ponto de disparo definido, é emitido um sinal de aviso na consola de
operação a requisitar manutenção.
Cód Descrição
2901 DISP VENT ARREF
Define o ponto de disparo do contador do ventilador de arrefecimento do accionamento.
• 0.0 = Inactivo
2902 VENT ARREF ACT
Define o valor actual do contador do ventilador de arrefecimento do accionamento
• O parâmetro é reposto com o valor 0.0.
2903 CONTADOR DISP
Define o ponto de disparo para o contador de rotações efectuadas pelo motor.
• 0.0 = inactivo
2904 CONTAD ACT
Define o valor actual do contador de rotações efectuadas pelo motor.
• O parâmetro é reposto com o valor 0.
2905 DISP TMP FUNC
Define o ponto de disparo do contador de tempo de funcionamento do accionamento.
• 0.0 = inactivo
2906 TMP FUNC ACT
Define o valor actual do contador de tempo de funcionamento do accionamento
• O parâmetro é reposto com o valor 0.0.
2907 DISP UTIL MWh
Define o ponto de disparo do contador de potência acumulada consumida pelo accionamento (em megawatt horas).
• 0.0 = inactivo
2908 ACT UTIL MWh
Define o valor actual do contador de potência acumulada consumida pelo accionamento (em megawatt horas).
• O parâmetro é reposto com o valor 0.0.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 105

Grupo 30: Funções falha


Este grupo define situações que o accionamento deve reconhecer como falhas
potenciais e define como o accionamento deve responder se a falha é detectada.
Cód Descrição
3001 FUNÇÃO EA<MIN
Define a resposta do accionamento se o sinal da entrada analógica (EA) cair abaixo dos limites de falha e EA é
usada na cadeia de referência).
• 3021 LIMITE FALHA EA1 e 3022 LIMITE FALHA EA2 definem os limites minimos
0 = NÃO SEL – Sem resposta.
1 = FALHA – Exibe uma falha (7, PERDA EA1 OU 8, PERDA EA2) e o accionamento pára por atrito.
2 = VEL CONST 7 – Exibe um aviso (2006, PERDA EA1 ou 2007, PERDA EA2) e define a velocidade usando 1208 VELOC
CONST 7.
3 = ULT VELOC – Exibe um aviso (2006, PERDA EA1 ou 2007, PERDA EA2) e define a velocidade usando o último nível
de operação. Este valor é a velocidade média durante os últimos 10 segundos.
Aviso! Se seleccionar a VELOC CONST 7 ou a ÚLTIMA VELOCIDADE, certifique-se que a operação contínua é
segura quando o sinal de entrada analógica é perdido.
3002 ERR COM PAINEL
Define a resposta do accionamento a um erro de comunicação da consola de operação.
1 = FALHA – Exibe uma falha (10, PERDA PAINEL) e o accionamento pára por inércia.
2 = VEL CONST 7 – Exibe um aviso (2008, PERDA PAINEL) e ajusta a velocidade usando 1208 VELOC CONST 7.
3 = ULT VELOC – Exibe um aviso (2008, PERDA PAINEL) e ajusta a velocidade usando o último nível de operação. Este
valor é a velocidade média durante os últimos 10 segundos.
Aviso! Se seleccionar a VELOC CONST 7 ou a ÚLTIMA VELOCIDADE, certifique-se que a operação contínua é
segura quando o sinal de entrada analógica é perdido.
3003 FALHA EXTERNA 1
Define o sinal de entrada da Falha Externa1 e a resposta do accionamento a uma falha externa.
0 = NÃO SEL – O sinal de Falha Externa não é usado.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como entrada da falha externa.
• A activação da entrada digital indica uma falha. O accionamento exibe a falha (14, FALHA EXTERNA 1) e pára por
atrito.
2...6 = ED2…ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como entrada da falha externa.
• Veja acima ED1.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como entrada da falha externa.
• A desactivação da entrada digital indica uma falha. O accionamento exibe a falha (14, FALHA EXTERNA 1) e pára
por atrito.
-2...-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como entrada da falha externa.
• Veja acima ED1(INV).
3004 FALHA EXTERNA 2
Define o sinal de entrada da Falha Externa 2 e a resposta do accionamento a uma falha externa.
• Veja acima o parâmetro 3003.
3005 PROT TERM MOTOR
Define a resposta do accionamento ao sobreaquecimento do motor.
0 = NÃO SEL – Nenhuma resposta e/ou protecção térmica do motor não preparada.
1 = FALHA – Quando a temperatura calculada do motor excede os 90º C, é exibido um aviso (2010, SOBREAQ MOT).
Quando a temperatura calculada do motor excede os 110º C é exibida uma falha (9, SOBREAQ MOT) e o
accionamento pára por atrito.
2 = AVISO – Quando a temperatura calculada do motor excede os 90º C, é exibido um aviso (2010, SOBREAQ MOT)..
3006 TEMPO TERM MOTOR Carga motor
Define a constante de tempo térmico para a temperatura do
modelo do motor.
• Este é o tempo necessário para o motor alcançar 63% da t
temperatura final em carga constante.
• Sobre protecção térmica de acordo com os requisitos UL para Aum. Temp
motores da classe NEMA, use a regra geral: O TEMPO TER 100%
MOTOR é igual a 35 vezes t6, onde t6 (em segundos) é 63%
especificado pelo fabricante como o tempo que o motor pode
operar em segurança a seis vezes a sua gama de corrente. t
• No tempo térmico para a Classe 10 a curva de disparo é 350 s,
}

P 3006
para a Classe 20 a curva de disparo é 700 s, e para a Classe 30
a curva de disparo é 1050 s.

Arranque
106 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
3007 CURVA CARGA MOT Corrente saída (%) relativa
Define a carga operacional máxima permitida do motor. a 9906 CORR NOM MOTOR
• Quando definida para 100%, a carga máxima permitida é igual ao
valor do parâmetro 9906 CORR NOM MOTOR em Dados Iniciais. 150
• Ajuste o nível da curva de carga se a temperatura ambiente for
diferente do valor nominal.
P 3007 100
3008 CARGA VEL ZERO
Define a corrente maxima permitida à velocidade zero.
• O valor é relativo a 9906 CORR NOM MOTOR. P 3008 50
3009 FREQ ENFRAQ CAMP Freq
Define a frequência de enfraquecimento de campo para a curva de
carga do motor. P 3009
Exemplo: Tempos de disparo da protecção térmica quando os parâmetros 3005 PROT TERM MOTOR, 3006 TEMPO TER
MOT e 3007 CURVA CARGA MOT tem valores por defeito.
IO/IN A
3.5

3.0 60 s
IO = Corrente saída
2.5 90 s IN = Corrente nominal motor
2.0 fO = Frequência saída
180 s fBRK = Freq enfraq. campo
1.5 300 s A = Tempo disparo
600 s
1.0 ∞
0.5
fO/fBRK
0
0 0.2 0.4 0.6 0.8 1.0 1.2
3010 FUNC BLOQUEIO
Este parâmetro define o funcionamento da função Bloqueio. Esta
protecção é activada se o accionamento operar na zona de bloqueio
(ver figura) durante o tempo definido em 3012 TEMPO BLOQUEIO. O
“Limite Utiliz” é definido no Grupo 20 em 2017 BINÁRIO MAX 1, 2018
Bloq
BINÁRIO MAX 2, ou pelo limite na entrada COM.
0 = NÃO SEL – A protecção de Bloqueio não é usada.
1 = FALHA – Quando o accionamento opera na zona de bloqueio
durante o tempo definido por 3012 TEMPO BLOQUEIO: Zona bloqueio
• O accionamento pára por atrito. 95%
• É exibida uma indicação de falha.
Limite
2 = AVISO – Quando o accionamento opera na zona de bloqueio
Utiliz
durante o tempo definido por 3012 TEMPO BLOQUEIO:
• É exibida uma indicação de aviso.
• O aviso desaparece quando o accionamento se encontra fora da
zona de bloqueio definido pelo parâmetro 3012 TEMPO BLOQUEIO. f
3011 FREQ BLOQUEIO 3011
Este parâmetro define o valor da frequência para a função de FREQ BLOQ EL
Bloqueio. Consulte a Figura.
3012 TEMPO BLOQUEIO
Este parâmetro define o valor de tempo para a função de Bloqueio.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 107

Cód Descrição
3013 FUNC SUBCARGA
A remoção da carga do motor pode indicar um defeito no processo. A protecção é activada se:
• O binário do motor cai abaixo da curva de carga seleccionada pelo parâmetro 3015 CURVA SUBCARGA.
• Esta condição tiver durado mais tempo que o definido pelo parâmetro 3014 TEMPO SUBCARGA.
• A frequência de saída for superior a 10% da frequência nominal.
0 = NÃO SEL – A protecção de subcarga não é usada.
1 = FALHA – Quando a protecção é activada o accionamento pára por atrito. É exibida uma indicação de falha.
2 = AVISO – É exibida uma indicação de aviso.
3014 TEMPO SUBCARGA
Limite de tempo para a protecção de subcarga.
3015 CURVA SUBCARGA TM
Este parâmetro disponibiliza cinco curvas (%)
seleccionáveis apresentadas na figura. Tipos de curva
• Se a carga cair abaixo da curva definida por um 80 de subcarga 3
tempo superior ao definido pelo parâmetro 70%
3014, a protecção de subcarga é activada.
• As curvas 1...3 atingem o máximo à frequência 60 2
nominal do motor definida pelo parâmetro 9907
FREQ NOM MOTOR. 50%
• TM = binário nominal do motor. 40 1
• ƒN = frequência nominal do motor. 5
30%

20
4
f
0
ƒN 2.4 * ƒN
3017 FALHA TERRA
Define a resposta do accionamento se for detectada uma falha de terra no motor ou nos cabos do motor.
0 = NÃO – Não responde.
1 = FALHA – Exibe uma falha (16, FALHA TERRA) e o accionamento pára por atrito.
3018 FUNC FALHA COM
Define a resposta do accionamento se a comunicação por fieldbus for perdida.
0 = NÃO SEL – Sem resposta.
1 = FALHA – Exibe uma falha (28, ERRO SÉRIE 1) e o accionamento pára por atrito.
2 = VEL CONST7 – Exibe um aviso (2005, COM E/S) e define a velocidade usando 1208 VEL CONST 7. Este “alarme de
velocidade” permanece activo até que o fieldbus obtenha um novo valor de referência.
3 = ULT VELOC – Exibe um aviso (2005, COM E/S) e define a velocidade usando o último nível de operação. Este valor
é a velocidade média durante os últimos 10 segundos. Este “alarme de velocidade” permanece activo até que o
fieldbus obtenha um novo valor de referência.

Atenção! Se seleccionar a VELOC CONST 7 ou a ÚLTIMA VELOCIDADE, certifique-se que a operação contínua é
segura quando o sinal de entrada analógica é perdido.
3019 TEMPO FALHA COM
Define o tempo da falha de comunicação usado com 3018 FUNC FALHA COM.
• Breves interrupções na comunicação por fieldbus não são tratadas como falhas se forem inferiores ao valor TEMPO
FALHA COM.
3021 LIMITE FALHA EA1
Define o limite de falha para a entrada analógica 1. Veja 3001 FUNÇÃO EA<MIN.
3022 LIMITE FALHA EA2
Define o limite de falha para a entrada analógica 2. Veja 3001 FUNÇÃO EA<MIN.

Arranque
108 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 31: Rearme automático


Este grupo define as condições para os rearmes automáticos. Um rearme
automático ocorre depois de ser detectada uma falha particular. O accionamento
aguarda durante o tempo de atraso definido, e rearma automaticamente. Pode
limitar o número de rearmes num período de tempo específico, e definir rearmes
automáticos para uma variedade de falhas.
Cód Descrição
3101 NR TENTATIVAS Exemplo: Ocorreram três falhas durante o
Define o número de rearmes automáticos permitidos dentro do período tempo de tentativas. A última é rearmada
de ocorrências definido por 3102 TEMPO TENTATIVAS. unicamente se o valor de 3101 NR
• Se o número de rearmes automáticos exceder este limite (dentro do TENTATIVAS for 3 ou mais.
tempo de ocorrência), o accionamento evita rearmes automáticos
adicionais e fica parado. Tempo tentativas
• O arranque depois necessita de um rearme executado com sucesso Tempo
efectuado a partir da consola de operação ou a partir de uma fonte X X X
seleccionda com 1604 SEL REARME FALHA.
3102 TEMPO TENTATIVAS x = Rearme automático
Define o período de tempo usado para contar e limitar o número de
rearmes.
• Veja 3101 NR OCORRENCIAS.
3103 ATRASO
Define o tempo de atraso entre a detecção da falha e a tentativa de rearme do accionamento.
• Se ATRASO = zero, o accionamento rearma imediatamente.
3104 RA SOBRECORRENT
Define o rearme automático do controlo de sobrecorrente.
0 = INACTIVO – Desliga o rearme automático.
1 = ACTIVO – Liga o rearme automático.
• Rearma automaticamente a falha (SOBRECORRENTE) depois do atraso definido por 3103 ATRASO, e o
accionamento retoma a operação normal.
3105 RA SOBRETENS
Define o rearme automático do controlo de sobretensão.
0 = INACTIVO – Desliga o rearme automático.
1 = ACTIVO – Liga o rearme automático.
• Rearma automaticamente a falha (SOBRETENSÃO CC) depois do atraso definido por 3103 ATRASO, e o
accionamento retoma a operação normal.
3106 RA SUBTENSÃO
Define o rearme automático do controlo de subtensão.
0 = INACTIVO – Desliga o rearme automático.
1 = ACTIVO – Liga o rearme automático.
• Rearma automaticamente a falha (SUBTENSÃO CC) depois do atraso definido por 3103 ATRASO, e o accionamento
retoma a operação normal.
3107 RA EA<MIN
Define o rearme automático para o controlo da função da entrada analógica inferior ao valor minimo.
0 = INACTIVO – Desliga o rearme automático.
1 = ACTIVO – Liga o rearme automático.
• Rearma automaticamente a falha (EA<MIN) depois do atraso definido por 3103 ATRASO, e o accionamento retoma
a operação normal.
Aviso! Quando o sinal da entrada analógica é reposto, o accionamento pode arrancar, mesmo após uma
paragem longa. Certifique-se que arranques automáticos, com atrasos longos não causam ferimentos
físicos e/ou danificam o equipamento.
3108 RA FALHA EXTERNA
Define o rearme automático para o controlo de falhas externas.
0 = INACTIVO – Desliga o rearme automático.
1 = ACTIVO – Liga o rearme automático.
• Rearma automaticamente a falha (FALHA EXTERNA 1 ou FALHA EXTERNA 2) depois do atraso definido por 3103
ATRASO, e o accionamento retoma a operação normal.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 109

Grupo 32: Supervisão


Este grupo define a supervisão de até três sinais do Grupo 01, Dados Operação. A
supervisão monitoriza um parâmetro especificado e energiza uma saída a relé se o
parâmetro ultrapassa o limite definido. Use o Grupo 14, Saídas a relé, para definir o
relé e se o relé é activado quando o sinal é muito alto ou muito baixo.
Cód Descrição
3201 PARAM SUPERV 1
Selecciona o primeiro parâmetro supervisionado.
• Deve ser um número de parâmetro do Grupo 01 Dados de
operação.
• Se o parâmetro supervisionado utrapassa o limite, a saída BX ≤ AL
a relé é energizada. Nota!O caso BX ≤ AL representa histerese normal.
• Os limites de supervisão são definidos neste Grupo. Valor do parâmetro supervisionado
• As saídas a relé são definidas no Grupo 14 Saídas a relé
(a definição também especifica qual o limite de supervisão AL (3203)
monitorizado). BX (3202)
BX ≤ AL
t
Supervisione os dados de operação usando saídas a relé,
quando BX≤AL. Caso A
• Caso A = o valor do parâmetro 1401 SAIDA RELÉ 1 (ou 1402
saída RELÉ 2, etc.) é SOBRE SUPRV1 ou SOBRE SUPRV 2. Energizado (1)
Use para monitorização quando/se o sinal supervisionado t
0
exceder o limite dado. O relé permanece activo até o valor
supervisionado cair abaixo do limite inferior. Caso B
• Caso B = o valor do parâmetro 1401 SAIDA RELÉ 1 (ou 1402 Energizado (1)
saída RELÉ 2, etc.) é SUB SUPRV1 ou SUB SUPRV 2. Use t
para monitorização quando/se o sinal supervisionado cair 0
abaixo do limite definido. O relé permanece activo até o
valor supervisionado subir acima do limite superior. BX > AL
BX > AL Nota! O caso BX>AL representa histerese especial
Supervisione os dados de operação usando saídas a relé, com dois limites de supervisão separados.
quando BX>AL. Valor do parâmetro supervisionado Limite activo
Inicialmente o limite mais baixo (AL 3203) está activo, e
permanece activo até que o parâmetro supervisionado BX (3202)
passe acima do limite mais alto (BX 3202), activando esse
limite. Esse limite permanece activo até que o parâmetro AL (3203)
supervisionado passe abaixo do limite mais baixo (AL 3203), t
activando esse limite.
• Caso A = o valor do parâmetro 1401 SAIDA RELÉ 1 (ou 1402 Caso A
SAIDA RELÉ 2, etc.) é SOBRE SUPRV1 ou SOBRE SUPRV 2. Energizado (1)
Inicialmente o relé está desligado. É energizado sempre t
que o parâmetro supervisionado passa acima do limite 0
activo. Caso B
• Caso B = o valor do parâmetro 1401 SAIDA RELÉ 1 (ou 1402
Energizado (1)
SAIDA RELÉ 2, etc.) é SUB SUPRV1 ou SUB SUPRV 2.
t
Inicialmente o relé está energizado. É desligado sempre 0
que o parâmetro supervisionado passa abaixo do limite
activo.
3202 LIM BX SUPERV 1
Define o limite inferior para o primeiro parâmetro
supervisionado. Veja acima 3201 PARAM SUPERV1.
3203 LIM AL SUPERV 1
Define o limite superior para o primeiro parâmetro
supervisionado. Veja acima 3201 PARAM SUPERV1.
3204 PARAM SUPERV 2
Selecciona o segundo parâmetro supervisionado. Veja acima 3201 PARAM SUPERV1.
3205 LIM BX SUPERV 2
Define o limite inferior para o segundo parâmetro supervisionado.. Veja acima 3204 PARAM SUPERV2.

Arranque
110 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
3206 LIM AL SUPERV 2
Define o limite superior para o segundo parâmetro supervisionado. Veja acima 3204 PARAM SUPERV2.
3207 PARAM SUPERV 3
Selecciona o terceiro parâmetro supervisionado. Veja acima 3201 PARAM SUPERV1.
3208 LIM BX SUPERV 3
Define o limite inferior para o terceiro parâmetro supervisionado.. Veja acima 3207 PARAM SUPERV 3.
3209 LIM AL SUPERV 3
Define o limite superior para o terceiro parâmetro supervisionado. Veja acima 3207 PARAM SUPERV3.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 111

Grupo 33: Informação


Este grupo fornece acesso a informação sobre os programas do accionamento:
versões e informação sobre os testes.
Cód Descrição
3301 VERSÃO FW
Contêm a versão de firmware do accionamento.
3302 VERSÃO LP
Contêm a versão de loading package.
3303 DATA TESTE
Contêm a data do teste (aa.ss).
3304 GAMA ACCION
Indica a gama de corrente e de tensão do accionamento. O formato é XXXY, onde:
• XXX = À gama de corrente nominal do accionamento em amperes. Se presente, um “A” indica um ponto décimal
na gama de corrente. Por exemplo XXX = 8A8 indica a gama de corrente nominal de 8.8 Amps.
• Y = À gama de tensão nominal do accionamento, onde Y = 2 indica uma gama de 208…240 Volts, e Y = 4 indica
um gama de 380…480 Volts.

Arranque
112 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 34: Painel/Var proc


Este grupo define o conteúdo do ecrã da consola de operação (área central),
quando a consola de operação está em modo de controlo.
Cód Descrição
3401 PARAM SINAL 1 P 3404 P 3405
Selecciona o primeiro parâmetro (pelo número) exibido na consola de
operação. P 0137
• As características neste Grupo definem o conteúdo do ecrã quando a
consola de operação está em modo de controlo. P 0138
• Qualquer número do parâmetro do Grupo 1 pode ser seleccionado.
• Usando os parâmetros seguintes, o valor exibido pode ser escalado, P 0139
convertido nas unidades convenientes, e/ou exibido como uma barra
gráfica.
• A figura identifica as selecções efectuadas nos parâmetros deste Grupo.
100 = não seleccionado - o primeiro parâmetro não é exibido.
101...199 = Exibe os parâmetros 0101...0199. Se o parâmetro não existir, aparece “n.a.” no ecrã.
3402 SINAL1 MIN
Valor
Define o valor minimo esperado para o primeiro exibido
parâmetro do ecrã.
Use os parâmetros 3402, 3403, 3406, e 3407, por P 3407
exemplo, para converter um parâmetro do Grupo 01, tal
como 0102 VELOC (em rpm) para a velocidade de um
transportador accionado por um motor (em ft/min). Para
essa conversão, a fonte dos valores na figura são os P 3406
valores min. e máx. de velocidade do motor, e os valores
exibidos são os min. e máx. correspondentes da
velocidade do transportador. Use o parâmetro 3405 para P3402 P 3403
seleccionar as unidades apropriadas para o ecrã. Fonte do valor
Nota! A selecção das unidades não converte os valores.
3403 SINAL1 MAX
Define o valor máximo esperado para o primeiro
parâmetro do ecrã.
3404 FORM DECIM SAID1
Valor 3404 Ecrã Gama
Define a localização do ponto decimal para o primeiro parâmetro do
0 +3 -32768…+32767
ecrã.
1 + 3.1 (Atribuída)
• Introduza o número de dígitos desejado à direita do ponto
decimal. 2 + 3.14
• Veja a tabela para o exemplo usando pi (3.14159). 3 + 3.142
4 3 0…65535
5 3.1 (Não atribuída)
6 3.14
7 3.142

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 113

Cód Descrição
3405 UNID SAIDA 1
Selecciona as unidades usadas com o primeiro parâmetro do ecrã.
• Introduza valores positivos no parâmetro 3405 para um ecrã numérico.
• Introduza valores negativos no parâmetro 3405 para um ecrã gráfico.
0 = NÃO SEL 8 = kh 16 = °F 24 = GPM 32 = kHz 40 = m3/m 48 = gal/m 56 = FPS
1=A 9 = °C 17 = hp 25 = PSI 33 = Ohm 41 = kg/s 49 = gal/h 57 = ft/s
2=V 10 = lb ft 18 = MWh 26 = CFM 34 = ppm 42 = kg/m 50 = ft3/s 58 = inH2O
3 = Hz 11 = mA 19 = m/s 27 = ft 35 = pps 43 = kg/h 51 = ft3/m 59 = in wg
4=% 12 = mV 20 = m3/h 28 = MGD 36 = l/s 44 = mbar 52 = ft3/h 60 = ft wg
5=s 13 = kW 21 = dm3/s 29 = inHg 37 = l/min 45 = Pa 53 = lb/s 61 = lbsi
6=h 14 = W 22 = bar 30 = FPM 38 = l/h 46 = GPS 54 = lb/m 62 = ms
7 = rpm 15 = kWh 23 = kPa 31 = kb/s 39 = m3/s 47 = gal/s 55 = lb/h 63 = Mrev

122...127 = Cst
Unidades adicionais com demonstração gráfica:
-123 =Iout -124 = Vout -125 = Fout -126 = Tout -127 = Vdc

3406 SAÍDA 1 MIN


Define o valor minimo exibido para o primeiro parâmetro do ecrã.
3407 SAÍDA 1 MAX
Define o valor máximo exibido para o primeiro parâmetro do ecrã.
3408 PARAM SINAL 2
Selecciona o segundo parâmetro (pelo número) exibido na consola de operação. Veja o parâmetro 3401.
3409 SINAL 2 MIN
Define o valor minimo esperado para o segundo parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3402.
3410 SINAL 2 MAX
Define o valor máximo esperado para o segundo parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3403.
3411 FORM DECIM SAID2
Define a localização do ponto decimal para o segundo parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3404.
3412 UNID SAIDA 2
Selecciona as unidades usadas com o segundo parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3405.
3413 SAÍDA 2 MIN
Define o valor minimo exibido para o segundo parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3406.
3414 SAÍDA 2 MAX
Define o valor máximo exibido para o segundo parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3407.
3415 PARAM SINAL 3
Selecciona o terceiro parâmetro (pelo número) exibido na consola de operação. Veja o parâmetro 3401.
3416 SINAL 3 MIN
Define o valor minimo esperado para o terceiro parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3402.
3417 SINAL 3 MAX
Define o valor máximo esperado para o terceiro parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3403.
3418 FORM DECIM SAID3
Define a localização do ponto decimal para o terceiro parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3404.
3418 UNID SAIDA 3
Selecciona as unidades usadas com o terceiro parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3405.
3420 SAÍDA 3 MIN
Define o valor minimo exibido para o terceiro parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3406.
3421 SAÍDA 3 MAX
Define o valor máximo exibido para o terceiro parâmetro do ecrã. Veja o parâmetro 3407.

Arranque
114 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 35: Med temp motor


Este grupo define a detecção e o reportar de uma potencial falha de
sobreaquecimento do motor, detectada pelo sensor de temperatura. As ligações
tipicas são apresentadas abaixo.
Um sensor
Três sensores
EA1
EA1
Motor Motor AGND
AGND

T
T T T
AO1
AO1
AGND
AGND
10 nF
10 nF

Aviso! A IEC 60664 necessita de isolamento duplo ou reforçado entre as


partes sob tensão e a superfície das partes acessíveis do equipamento
eléctrico que são quer não-condutoras quer condutoras mas que não estão
ligadas à terra.
Para cumprir este requisito, ligue o termistor (e outros componentes
similares) aos terminais de controlo do accionamento usando qualquer uma
das seguintes alternativas:
• Separe o termistor das partes vivas do motor com isolamento duplo
reforçado.
• Proteja todos os circuitos ligados às entradas digitais e analógicas do
accionamento. Proteja contra contacto, e isole de outros circuitos de baixa
tensão com isolamento básico (com características de tensão do mesmo
nível das do circuito principal do accionamento).
• Use um relé termistor externo. O isolamento do relé deve ter características
de tensão do mesmo nível das do circuito principal do accionamento.

A figura abaixo apresenta ligações de termistor alternativas. No lado do motor a


blindagem do cabo deve ser ligada à terra através de um condensador de 10 nF. Se
isto não for possível, deixe a blindagem desligada.
Relé termistor: Termistor (0) ou (1) Termistor (0)
Relé
termistor
Carta OMIO
Carta OMIO
ED6
+24 VCC ED6
+24 VCC
T 10 nF
T Motor
Motor

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 115

Sobre outras falhas, ou para antecipar o sobreaquecimento do motor quando usar


um modelo de motor, veja o Grupo 30: Funções Falha.
Cód Descrição
3501 TIPO SENSOR
Identifica o tipo de sensor de temperatura do motor usado, PT100 (°C) ou PTC (ohms).
Veja os parâmetros 1501 e 1507.
0 = NENHUM
1 = 1 x PT100 – A configuração do sensor usa um sensor PT 100.
• A saída analógica AO1 ou AO2 alimenta corrente constante através do sensor.
• A resistência do sensor aumenta conforme a temperatura do motor aumenta, tal como a tensão no sensor.
• A função de medição de temperatura lê a tensão através da entrada analógica EA1 ou EA2 e converte-a em
graus centígrados.
2 = 2 x PT100 – A configuração do sensor usa dois sensores PT 100.
• A operação é a mesma que acima para 1 x PT100.

3 = 3 x PT100 – A configuração do sensor usa três sensores PT 100. Ohm


• A operação é a mesma que acima para 1 x PT100. 4000
4 = PTC – A configuração do sensor usa um PTC.
• A saída analógica alimenta corrente constante através do sensor. 1330
• A resistência do sensor aumenta rapidamente conforme a temperatura
do motor aumenta sobre a referência de temperatura (Tref) do PTC, 550
bem como a tensão sobre a resistência. A função de medição de
temperatura lê a tensão através da entrada analógica EA1 e converte-a
em ohms. 100
A figura apresenta os valores tipícos de uma resistência de sensor PTC
como função da temperatura de operação do motor.
Temperatura Resistência T
Normal 0 … 1.5 kohm
Excessiva > 4 kohm
5 = TERMISTOR (0) – A configuração do sensor usa um termistor.
• A protecção térmica é activada através de uma entrada analógica. Ligue ou um sensor PTC ou um relé termistor
com fecho normal à entrada digital. O accionamento lê o estado da entrada digital conforme apresentado na
tabela acima.
• Quando a entrada digital for “0” o motor está sobreaquecido.
• Veja as figuras na introdução deste Grupo.
6 = TERMISTOR (1) – A configuração do sensor usa um termistor.
• A protecção térmica é activada através de uma entrada analógica. Ligue um relé termistor com fecho normal à
entrada digital. O accionamento lê o estado da entrada digital conforme apresentado na tabela acima.
• Quando a entrada digital for “1” o motor está sobreaquecido.
• Veja as figuras na introdução deste Grupo.
3502 SEL ENTRADA
Define a entrada analógica usada para o sensor de temperatura.
1 = EA1 - PT100 e PTC.
2 = EA2 - PT100 e PTC
3...8 = ED1...ED6 - Termistor
3503 LIMITE ALARME
Define o limite de alarme para a medição de temperatura do motor.
• Em temperaturas de motor acima deste limite, o accionamento exibe um alarme (2010, SOBRETEMP MOTOR).
Para termistors:
0 = desactivado
1= activado
3504 LIMITE FALHA
Define o limite de falha para a medição de temperatura do motor.
Em temperaturas de motor acima deste limite, o accionamento exibe uma falha (9, SOBRETEMP MOTOR) e pára o
accionamento.
Para termistors:
0 = desactivado
1= activado

Arranque
116 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 36: Funções Temporiz


Este grupo define as funções temporizadas. As funções temporizadas incluem:
• Quatro arranques/paragens diárias
• Quatro arranques/paragens semanais
• Quatro funções temporizadas para junção dos temporizadores seleccionados.
Uma função temporizada pode ser ligada a diversos temporizadores e um
temporizador pode ser um temporizador para diversas funções.

Temp1
3602 Temp1 Diário Str
3603 Temp1 Diário Stp
3604 Temp1 Semanal Str
3605 Temp1 Semanal Stp

Temp1
3606 Temp1 Diário Str Func Temp1
3607 Temp1 Diário Stp 3626 Func Temp1 Src
3608 Temp1 Semanal Str
3609 Temp1 Semanal Stp
Func Temp2
3627 Func Temp2 Src
Temp3
3610 Temp3 Diário Str Func Temp3
3611 Temp3 Diário Stp 3628 Func Temp3 Src
3612 Temp1 Semanal Str
3613 Temp1 Semanal Stp
Func Temp4
3629 Func Temp4 Src
Temp4
3614 Temp4 Diário Str
3615 Temp4 Diário Stp
3616 Temp4 Semanal Str
3617 Temp4 Semanal Stp

Override
3622 Override Sel
3623 Override Time

Um parâmetro pode ser ligado a uma única Função Temp.

Func Temp1 1001 COMANDO EXT1


1002 COMANDO EXT2
3626 Func Temp1 Src 1102 SEL EXT 1/2
1201 SEL VEL CONST
Func Temp2 1401 SAÍDA RELÉ 1…1403 SAÍDA RELÉ 3
3627 Func Temp2 Src 1410 SAÍDA RELÉ 4…1412 SAÍDA RELÉ 6
4027 ACTIV PARAM PID
8126 TMP COMUTAÇÃO

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 117

Cód Descrição
3601 CONTAD ACTIVOS
Selecciona a fonte do sinal de activação do temporizador.
0 = NÃO SEL – Funções Temp desactivadas.
1 = ED1– Define a entrada digital ED1 como fonte do sinal de activação do temporizador.
• A entrada digital deve ser activada para permitir o funcionamento da função de temporização.
2...6 = ED2...ED6 – Define a entrada digital ED2...ED6 como fonte do sinal de activação do temporizador.
7 = ACTIVO – As funções de temporização estão activas.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como sinal activo da função de temporização.
• A entrada digital deve ser desactivada para permitir a activação da função de temporização.
• -2...-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2...ED6 como sinal activo da função de
temporização.
3602 TEMPO ARRANQ 1
Define a hora de arranque diário. 20:30:00
• A hora pode ser definida em períodos de 2 segundos.
• Se o valor do parâmetro for 07:00:00, o temporizador 17:00:00
é activado às 7 a.m.
• A figura apresenta diversos temporizadores nos 15:00:00
diferentes dias da semana. 13:00:00
12:00:00

10:30:00

09:00:00

00:00:00
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
3603 TEMPO PARAGEM 1
Define a hora de paragem diária.
• A hora pode ser definida em períodos de 2 segundos.
• Se o valor do parâmetro for 09:00:00, o temporizador é desactivado às 9 a.m.
3604 DIA ARRANQUE 1
Define o dia da semana de arranque.
1 = Segunda
...
7 = Domingo
• Se o valor do parâmetro for 1, então o temporizador 1 é activado semanalmente a partir de Segunda à meia noite
(00:00:00).
3605 DIA PARAGEM 1
Define o dia da semana de paragem.
1 = Segunda
...
7 = Domingo
• Se o valor do parâmetro for 5, então o temporizador 1 é desactivado semanalmente a partir de Sexta à meia
noite (23:59:58).
3606 TEMPO ARRANQ 2
Define a hora de arranque diário do temporizador 2.
• Veja o parâmetro 3602
3607 TEMPO PARAGEM 2
Define a hora de paragem diária do temporizador 2.
• Veja o parâmetro 3603
3608 DIA ARRANQUE 2
Define o dia da semana de arranque do temporizador 2.
• Veja o parâmetro 3604
3609 DIA PARAGEM 2
Define o dia da semana de paragem do temporizador 2.
• Veja o parâmetro 3605

Arranque
118 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
3610 TEMPO ARRANQ 3
Define o arranque diário do temporizador 3.
• Veja o parâmetro 3602
3611 TEMPO PARAGEM 3
Define a hora de paragem diária do temporizador 3.
• Veja o parâmetro 3603
3612 DIA ARRANQUE 3
Define o dia da semana de arranque do temporizador 3.
• Veja o parâmetro 3604
3613 DIA PARAGEM 3
Define o dia da semana de paragem do temporizador 3.
• Veja o parâmetro 3605
3614 TEMPO ARRANQ 4
Define o arranque diário do temporizador 4.
• Veja o parâmetro 3602
3615 TEMPO PARAGEM 4
Define a hora de paragem diária do temporizador 4.
• Veja o parâmetro 3603
3616 DIA ARRANQUE 4
Define o dia da semana de arranque do temporizador 4.
• Veja o parâmetro 3604
3617 DIA PARAGEM 4
Define o dia da semana de paragem do temporizador 4.
• Veja o parâmetro 3605
3622 SEL REFORÇO
Selecciona a fonte para o sinal de reforço.
0 = NÃO SEL – O sinal de override é desactivado.
1 = ED1 – Define ED1 como fonte de sinal de reforço.
2...6 = ED2...ED6 – Define ED2...ED6 como fonte de sinal de reforço.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como sinal de reforço.
-2...-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2...ED6 como fonte de sinal de reforço.
3623 TEMP REFORÇO
Define o tempo de reforço LIGADO. O tempo começa quando
a selecção de sinal de reforço é activada. A gama do Reforço activo
parâmetro é 01:30:00, então o reforço é activado durante 1
hora e 30 minutos após a activação da ED.

Activação ED

Tempo reforço

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 119

Cód Descrição
3626 SRC FUNC TEMP 1
Reúne todos os temporizadores numa função de temporização.
0 = NÃO SEL – Não foram seleccionados temporizadores.
1 = T1 – Temp 1 seleccionado na função de temporização.
2 = T2 – Temp 2 seleccionado na função de temporização.
3 = T2 + T1 – Temp 1 e 2 seleccionados na função de temporização.
4 = T3 – Temp 3 seleccionado na função de temporização.
5 = T3 + T1 – Temp 1 e 3 seleccionados na função de temporização.
6 = T3 + T2 – Temp 2 e 3 seleccionados na função de temporização.
7 = T3 + T2 + T1 – Temp 1, 2 e 3 seleccionados na função de temporização.
8 = T4 – Temp 4 seleccionado na função de temporização.
9 = T4+ T1 – Temp 4 e 1 seleccionados na função de temporização.
10 = T4 + T2 – Temp 4 e 2 seleccionados na função de temporização.
11 = T4 + T2 + T1 – Temp 4,2 e 1 seleccionados na função de temporização.
12 = T4 + T3 – Temp 4 e 3 seleccionados na função de temporização.
13 = T4 + T3 + T1 – Temp 4,3 e 1 seleccionados na função de temporização.
14 = T4 + T3 + T2 – Temp 4,3 e 2 seleccionados na função de temporização.
15 = T4 + T3 + T2 + T1 – Temp 4,3,2 e 1 seleccionados na função de temporização.
16 = REFORÇO (B) – Reforço seleccionado na função de temporização.
17 = B + T1 – Reforço e Temp 1 seleccionados na função de temporização.
18 = B+ T2 – Reforço e Temp 2 seleccionados na função de temporização.
19 = B+ T2 + T1 – Reforço e Temp 1 e 2 seleccionados na função de temporização.
20 = B + T3 – Reforço e Temp 3 seleccionados na função de temporização.
21 = B + T3 + T1 – Reforço e Temp 3 e 1 seleccionados na função de temporização.
22 = B + T3 + T2 – Reforço e Temp 3 e 2 seleccionados na função de temporização.
23 = B + T3 + T2 + T1 – Reforço e Temp 3, 2 e 1 seleccionados na função de temporização.
24 = B + T4 – Reforço e Temp 4 seleccionados na função de temporização.
25 = B + T4 + T1 – Reforço e Temp 4 e Temp 1 seleccionados na função de temporização.
26 = B + T4 + T2 – Reforço e Temp 4 e 2 seleccionados na função de temporização.
27 = B + T4 + T2 + T1 – Reforço e Temp 4, 2 e 1 seleccionados na função de temporização.
28 = B + T4 + T3 – Reforço e Temp 4, 3
29 = B + T4 + T3 +T1 – Reforço e Temp 4, 3 e 1 seleccionados na função de temporização.
30 = B + T4 + T3 + T2 – Override e Temp 4, 3 e 2 seleccionados.
31 = B + T4 + T3 + T2 + T1 – Override e Temp 4, 3, 2 e 1 seleccionados.
3627 SRC FUNC TEMP 2
• Veja o parâmetro 3626.
3628 SRC FUNC TEMP 3
• Veja o parâmetro 3626.
3629 SRC FUNC TEMP 4
• Veja o parâmetro 3626.

Arranque
120 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 40: Processo PID Conj1


Este grupo define o modo de operação do processo de controlo PID para o
accionamento. No modo de controlo PID, o accionamento compara o sinal de
referência (setpoint) com um sinal actual (feedback), e ajusta automaticamente a
velocidade do accionamento para igualar os dois sinais. A diferença entre os dois
sinais é o valor do erro.
Três grupos de parâmetros definem o controlo PID:
• Grupo 40 Processo PID Conj1 define o processo PID Conj 1. Normalmente, é
este conjunto de parâmetros que é usado.
• Grupo 41 Processo PID Conj2 define o processo PID Conj 2.
Os grupos 40 e 41 tem os mesmos parâmetros, excepto para o parâmetro usado
para seleccionar o conj PID (4027).
• Grupo 42 Ext / Trim PID define:
– parâmetros externos de controlo PID ou
– entrada de parâmetros equilibrio para referência de velocidade /frequência.
Cód Descrição
4001 GANHO
Define o ganho do Controlador PID.
• A gama de ajuste é 0.1... 100.
• A 0.1, a saída do Controlador PID altera um décimo a mais que o valor de erro.
• A 100, a saída do Controlador PID altera cem vezes mais que o valor de erro.
Use os valores de ganho proporcional e de tempo de integração para ajustar a resposta do sistema.
• Um valor baixo para o ganho proporcional e um valor elevado de tempo de integração assegura uma operação
estável, mas fornece uma resposta deficiente.
Se o valor de ganho proporcional for muito alto ou o tempo de integração muito curto, o sistema pode tornar-se
instável.
Procedimento:
• Inicialmente, ajuste:
• 4001 GANHO = 0.0.
• 4002 TEMPO INTEGRAÇÃO = 20 segundos.
• Arranque o sistema e veja se o mesmo atinge o ponto de ajuste rapidamente enquanto a operação se mantém
estável. Se não, aumente o GANHO (4001) até que o sinal actual (ou a velocidade do accionamento) oscilem. Pode
ser necessário arrancar e parar o accionamento para causar esta oscilação.
• Reduza o GANHO (4001) até que o accionamento pare de oscilar.
• Ajuste o GANHO (4001) para 0.4 a 0.6 tempos acima do valor.
• Diminua o TEMPO INTEGRAÇÃO (4002) até que o sinal de feedback (ou a velocidade do accionamento) oscilem.
Pode ser necessário arrancar e parar o accionamento para causar esta oscilação.
• Aumente o TEMPO ITEGRAÇÃO (4002) até a oscilação parar.
• Ajuste o TEMPO INTEGRAÇÃO (4002) para 1.15 a 1.5 tempos acima do valor.
• Se o sinal de feedback contém frequência de ruído elevada, aumente o valor do Parâmetro 1303 FILTRO EA1 ou
1306 FILTRO EA2 até que o ruído do sinal seja filtrado.
4002 TEMPO INTEG A
Define o Tempo de integração do Controlador PID.
O tempo de integração é, por definição, o tempo necessário para B
aumentar a saída pelo valor de erro: D (P 4001 = 10)
• O valor de erro é constante e 100%.
• Ganho = 1. C (P 4001 = 1)
• O tempo de integração de 1 segundo nota que uma alteração
de 100% é obtida em 1 segundo. t
0.0 = NÃO SEL – Desliga a integração (I-parte do controlador).
0.1…600.0 = Tempo de integração (segundos). P 4002
Veja 4001 sobre o procedimento de ajuste. A = Erro
B = Valor de erro depois da paragem
C = Saída controlador com ganho = 1
D = Saída controlador com ganho = 10

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 121

Cód Descrição
4003 TEMPO DERIV Valor de erro do processo
Erro
Define o tempo de derivação do Controlador PID.
• Pode adicionar o derivativo do erro à saída do controlador PID. 100%
O derivativo é a taxa da alteração do valor de erro. Por
exemplo, se o valor de erro do processo altera linearmente, o
derivativo é uma constante adicionada à saída do controlador
PID.
• O derivativo é filtrado com um filtro a 1-polo. A constante de
tempo do filtro é definida pelo parâmetro 4004 FILTRO DERIV PID.
0.0 = NÃO SEL – Desliga a parte do derivativo da saída do
0%
controlador PID t
0.1…10.0 = Tempo de derivação (segundos)
Saída PID
Parte-D da saída do controlador
Ganho
P 401

t
P 4003

4004 FILTRO DERIV PID


Define a constante do tempo de filtro para a parte derivativa da saída do controlador PID.
• Antes de adicionar a saída do controlador PID, o derivativo é filtrado com um filtro 1-polo.
• Aumentando o tempo de filtro suaviza o derivativo, reduzindo o ruído.
0.0 = NÃO SEL – Desliga o filtro do derivativo.
0.1…10.0 = Constante de tempo de filtro (segundos).
4005 INV VALOR ERRO
Selecciona ou uma relação normal ou invertida entre o sinal de feedback e a saída do accionamento.
0 = NÃO – Normal, uma diminuição do sinal de feedback aumenta a velocidade do accionamento. Erro = Ref - Fbk
1 = SIM – Invertido, uma diminuição do sinal de feedback diminui a velocidade do accionamento. Erro = Fbk - Ref
4006 UNIDADE
Selecciona a unidade para os valores actuais do controlador PID. (parâmetros PID1 0128, 0130, e 0132).
• Veja o parâmetro 3405 para a lista das unidades disponíveis.
4007 FORMATO DÉCIMAL
4007 Valor Entrada Ecrã
Define a localização do ponto decimal dos valores actuais do controlador
PID. 0 0003 3
• Introduza a localização do ponto decimal a contar da direita da entrada. 1 0031 3.1
• Veja a tabela para um exemplo usando pi (3.14159). 2 0314 3.14
3 3142 3.142

4008 0 % VALOR Unidades (P4006)


Define (juntamente com o parâmetro seguinte) a escala aplicada Escala (P4007) +1000%
aos valores actuais do controlador PID (PID1 parâmetros 0128,
0130, e 0132).
• As unidades e a escala são definidas pelos parâmetros 4006 e P 4009
4007.
4009 100 % VALOR
Define (juntamente com o parâmetro anterior) a escala aplicada P 4008
aos valores actuais do controlador PID.
• As unidades e a escala são definidas pelos parâmetros 4006 e
4007 0% 100%
-1000% Escala interna(%)

Arranque
122 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
4010 SEL SETPOINT
Define a fonte do sinal de referência para o controlador PID.
• O parâmetro não tem significado quando o regulador PID é ultrapassado (veja 8121 CTRL REG BYPASS).
0 = TECLADO – O painel de controlo fornece a referência.
1 = EA1 – A entrada analógica 1 fornece a referência.
2 = EA2 – A entrada analógica 2 fornece a referência.
8 = COM – O fieldbus fornece a referência.
9 = COM + EA1 – Define a combinação do fieldbus e da entrada analógica 1 (EA1) como fonte de referência. Veja
abaixo Correcção de Referência da Entrada Analógica.
10 = COM * EA1 – Define a combinação do fieldbus e da entrada analógica 1 (EA1) como fonte de referência. Veja
abaixo Correcção de Referência da Entrada Analógica.
11 = ED3U, 4D(RNC) – As entradas digitais, actuando como controlo do potenciómetro do motor, fornecem a
referência.
• ED3 aumenta a velocidade (U significa “up”)
• ED4 diminui a referência (o D significa “down”).
• O parâmetro 2205 TEMPO ACEL 2 controla a alteração da gama do sinal de referência.
• R = O Comando Paragem rearma a referência para zero.
• NC = O valor de referência não é copiado.
12 = ED3U, 4D(NC) – Igual a ED3U, 4D(RNC) acima, excepto:
• O comando de Paragem não rearma a referência para zero. No arranque o motor acelera, à gama de aceleração
seleccionada, até à referência guardada.
13 = ED5U, 6D(NC) – Igual a ED3U, 4D(NC) acima, excepto:
• Usa as entradas digitais ED5 e ED6.
14 = EA1 + EA2 – Define a combinação da entrada analógica 1 (EA1) e da entrada analógica 2 (EA2) como fonte de
referência. Veja abaixo Correcção de Referência da Entrada Analógica.
15 = EA1 * EA2 – Define a combinação da entrada analógica 1 (EA1) e da entrada analógica 2 (EA2) como fonte de
referência. Veja abaixo Correcção de Referência da Entrada Analógica.
16 = EA1 - EA2 – Define a combinação da entrada analógica 1 (EA1) e da entrada analógica 2 (EA2) como fonte de
referência. Veja abaixo Correcção de Referência da Entrada Analógica.
17 = EA1/EA2 – Define a combinação da entrada analógica 1 (EA1) e da entrada analógica 2 (EA2) como fonte de
referência. Veja abaixo Correcção de Referência da Entrada Analógica.
19 = INTERNA – Um conjunto de valor constante usando o parâmetro 4011 fornece a referência.
Correcção de Referência da Entrada Analógica
O valor dos parâmetros 9, 10, e 14…17 usam as fórmulas na tabela seguinte.
Valor ajuste A referência EA é calculada como se segue:

C+B valor C + (valor B - 50% do valor de referência)


C*B valor C * (valor B / 50% do valor de referência)
C-B (valor C+ 50% do valor de referência) - valor B
C/B (valor C * 50% do valor de referência) / valor B
Onde:
• C = Representa o valor de referência
( = COM para os valores 9, 10 e 120
= EA1 para os valores 14…17). 17 (/)
• B = Correcção de referência 100
( = EA1 para os valores 9, 10 e
= EA2 para os valores 14…17). 80
Exemplo:
A figura mostra as curvas da fonte de referência 9, 14 (+)
para o valor de ajuste 9, 10, e 14…17, onde: 60
• C = 25%.
• P 4012 PTO AJUSTE MIN = 0. 40 10, 15 (*)
• P 4013 PTO AJUSTE MAX = 0.
• B varia ao longo do eixo horizontal. 20
16 (-)
0
0 100% B

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 123

Cód Descrição
4011 SETPOINT INTERNO
Define um valor constante usado para a referência de processo.
• Unidades e escala são definidas pelos parâmetros 4006 e 4007.
4012 SETPOINT MIN
Define o valor minimo para a fonte do sinal de referência. Veja parâmetro 4010.
4013 SETPOINT MAX
Define o valor máximo para a fonte do sinal de referência. Veja parâmetro 4010.
4014 SEL FEEDBACK
Define o feedback do controlador PID (sinal actual).
• Pode definir uma combinação de dois valores actuais (ACT1 e ACT2) como sinal de feedback.
• Use o parâmetro 4016 para definir a fonte do valor actual 1 (ACT1).
• Use o parâmetro 4017 para definir a fonte do valor actual 2 (ACT2).
1 = ACT1 – Valor actual 1 (ACT1) fornece o sinal de feedback.
2 = ACT1-ACT2 – ACT1 menos ACT2 fornece o sinal de feedback.
3 = ACT1+ACT2 – ACT1 mais ACT2 fornece o sinal de feedback.
4 = ACT1*ACT2 – ACT1 multiplicado por ACT2 fornece o sinal de feedback.
5 = ACT1/ACT2 – ACT1 dividido por ACT2 fornece o sinal de feedback.
6 = MIN (A1, A2) – O menor de ACT1 ou ACT2 fornece o sinal de feedback.
7 = MAX (A1, A2) – O maior de ACT1 ou ACT2 fornece o sinal de feedback.
8 = SQRT (A1-A2) – Raiz quadrada do valor ACT1 menos ACT2 fornece o sinal de feedback.
9 = SQA1 + SQA2 – Raiz quadrada de ACT1 mais a raiz quadrada de ACT2 fornece o sinal de feedback.
4015 MULTI FEEDBACK
Define um multiplicador extra para o valor SEL FEEDBACK definido pelo parâmetro 4014.
• Usado principalmente em aplicações onde o fluxo é calculado pela diferença de pressão.
0 = NÃO USADO.
-32.768…32.767 = Multiplicador aplicado ao sinal definido pelo parâmetro 4014 SEL FEEDBACK.

Exemplo: BK = Multiplicador × A1 – A
4016 ENTRADA ACT1
Define a fonte para o valor actual 1 (ACT1).
0 = EA 1 – Usa a entrada analógica 1 para ACT1.
1 = EA 2 – Usa a entrada analógica 2 para ACT1.
2 = Currente – Usa a corrente para ACT1, escalada para:
• ACT 1 MIN = 0 x corrente nominal
• ACT 1 MAX= 2 x corrente nominal
3 = Binário – Usa o binário para ACT1, escalado para:
• ACT 1 MIN = -2 x binário nominal
• ACT 1 MAX = 2 x binário nominal
4 = Potência – Usa a potência para ACT1, escalada para:
• ACT 1 MIN = -2 x potência nominal
• ACT 1 MAX = 2 x potência nominal
4017 ENTRADA ACT2
Define a fonte para o valor actual 2 (ACT2).
0 = EA 1 – Usa a entrada analógica 1 para ACT2.
1 = EA 2 – Usa a entrada analógica 2 para ACT2.
2 = Corrente – Usa a corrente para ACT2, escalada para:
• ACT 2 MIN = 0 x corrente nominal
• ACT 2 MAX= 2 x corrente nominal
3 = Binário – Usa o binário para ACT1, escalado para:
• ACT 2 MIN = -2 x binário nominal
• ACT 2 MAX = 2 x binário nominal
4 = Potência – Usa a potência para ACT1, escalada para:
• ACT 2 MIN = -2 x potência nominal
• ACT 2 MAX = 2 x potência nominal

Arranque
124 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
4018 MINIMO ACT1
ACT1 (%) A
Define o valor minimo para ACT1.
• Usado com os ajustes min/max da entrada analógica (e.g. 1301 P 4019
EA1 MINIMO, 1302 EA1 MÁXIMO).
• Escala a entradas analógicas usadas como valores actuais.
• Veja a figura: A= Normal; B = Inversão (MINIMO ACT1 > máximo
ACT1) P 4018
4019 MÁXIMO ACT1
Define o valor máximo para ACT1. P 1301 P 1302
• Veja 4018 MINIMO ACT1. Sinal da entrada analógica
4020 MINIMO ACT2
ACT1 (%) B
Define o valor minimo para ACT2.
• Veja 4018 MINIMO ACT1. P 4018
4021 MÁXIMO ACT2
Define o valor máximo para ACT2.
• Veja 4018 MINIMO ACT1.
P 4019

P 1301 P 1302
Sinal da entrada analógica
4022 SEL DORMIR
Define o controlo para a função Dormir PID.
0 = NÃO SEL– Desliga o controlo da função Dormir PID.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como controlo para a função Dormir PID.
• A activação da entrada digital activa a função dormir.
• A desactivação da entrada digital desactiva a função dormir.
2...6 = ED2...ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como controlo para a função Dormir PID.
• Veja acima ED1.
7 = INTERNA – Define a saída de rpm/frequência, a referência do processo, e o valor actual do processo como
controlo para a função Dormir PID. Consulte os parâmetros 4025 NÍVEL ACORDAR e 4023 NIVEL DORMIR PID.
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como controlo para a função Dormir PID.
• A desactivação da entrada digital activa a função dormir.
• A activação da entrada digital desactiva a função dormir.
-2…-6 = ED2(INV)…ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como controlo para a função Dormir PID
• Veja acima ED1(INV).

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 125

Cód Descrição
4023 NIVEL DORMIR PID A
t < P 4024
Define a velocidade/frequência do motor que activa a função
Dormir PID – a velocidade/frequência do motor abaixo deste nível, t > P 4024
durante pelo menos o período de tempo 4024 ATR DORMIR PID
activa a função Dormir PID (parando o accionamento). P 4023
• Necessita de 4022 = 7 INTERNO. t
• Veja a figura: A = Nível de saída PID; B = Feedback processo
PID. B
4024 ATR DORMIR PID P 4026
Define o tempo de atraso para a função Dormir PID – a velocidade/ Setpoint
frequência do motor abaixo de 4023 NIVEL DORMIR PID durante pelo P 4025
menos este período de tempo activa a função Dormir PID (pára o t
accionamento).
• Veja acima 4023 NIVEL DORMIR PID. Paragem
Arranque
4025 DESVIO ACORDAR
Define o desvio do acordar – um desvio do setpoint maior que este
C
valor, durante pelo menos o período de tempo 4026 ATRASO
ACORDAR, arranca o controlador PID.
Setpoint
P 4025 }
4005 = 1
• Os parâmetros 4006 e 4007 definem as unidades e a escala.
• O parâmetro 4005 = 0,
Nível acordar = Setpoint - Desvio acordar.
P 4025 }4005
D
=0
t
• O parâmetro 4005 = 1,
Nível acordar = Setpoint + Desvio acordar.
• O nível acordar pode ser superior ou inferior ao setpoint.
• Veja acima 4023 NIVEL DORMIR PID. E
Veja as figuras:
• C = Nível acordar quando o parâmetro 4005 = 1
• D = Nível acordar quando o parâmetro 4005 = 0 C
• E = O feedback é superior ao nível acordar e a duração é P 4025 P 4026
superior a 4026 ATRASO ACORDAR – função Acordar PID. Setpoint
• F = O feedback é inferior ao nível acordar e a duração é superior P 4025
a 4026 ATRASO ACORDAR – função Acordar PID. D
t
4026 ATRASO ACORDAR
Define o atraso de acordar – um desvio do ponto de ajuste maior P 4026
que 4025 DESVIO ACORDAR, durante pelo menos este período de F
tempo, rearma o controlador PID.
4027 ACTIV PARAM PID1
Define como são efectuadas as selecções entre o Conj 1 PID e Conj 2 PID.
A selecção do conjunto de parâmetros PID. Quando o conjunto 1 é seleccionado, os parâmetros 4001…4026 são
usados. Quando o Conj 2 é seleccionado, os parâmetros 4101…4126 são usados.
0 = SET 1 – O Conj 1 PID (parâmetros 4001…4026) está activo.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como controlo para a selecção do Conj PID.
• A activação da entrada digital selecciona o Conj 2 PID.
• A desactivação da entrada digital selecciona o Conj 1PID.
2...6 = ED2...ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como controlo para a selecção do Conj PID.
• Veja acima ED1.
7 = CONJ 2 – O Conj 2 PID (parâmetros 4101…4126) está activo.
8...11 = FUNC TEMP 1...4 - Define a Func Temp como controlo para a selecção do Conj PID. (Func Temp. desactivada
= Conj PID 1; Func Temp activada = Conj PID 2)
• Veja os parâmetros do Grupo 36: Func Temp
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como controlo para a selecção do Conj PID.
• A activação da entrada digital selecciona o Conj 1 PID.
• A desactivação da entrada digital selecciona o Conj 2 PID.
-2…-6 = ED2(INV)…ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como controlo para a selecção do Conj
PID.
• Veja acima ED1(INV).

Arranque
126 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 41: Processo PID Conj2


Os parâmetros deste grupo pertencem ao Conj 2 PID. A operação dos parâmetros
4101…4126 é análoga ao Conj 1 parâmetros 4001…4026.
O Conj 2 PID pode ser seleccionado pelo parâmetro 4027 ACTIV PARAM PID1.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 127

Grupo 42: Ajuste PID/Externo


Este grupo define os parâmetros usados pelo Ext / Trim PID.
A operação dos parâmetros 4201…4221 é anóloga ao Conj 1 (e Conj 2) parâmetros
4001…4021 (4011…4021). Os parâmetros dos grupos 40 e 41 definem parâmetros
para o processo PID.
Cód Descrição
4228 ACTIVAR
Define a fonte para activação da função externa PID.
• É necessário 4230 MODO TRIM = 0 NÃO SEL.
0 = NÃO SEL – Activa o controlo PID externo.
1 = ED1 – Define a entrada digital ED1 como controlo externo para activação o controlo PID.
• A activação da entrada digital activa o controlo PID externo.
• A desactivação da entrada digital desactiva o controlo PID externo.
2...6 = ED2...ED6 – Define a entrada digital ED2…ED6 como controlo externo para activação o controlo PID.
• Veja acima ED1.
7 = FUNC ACCION – Define o comando de arranque como controlo externo para activação o controlo PID.
• A activação do comando de arranque (o accionamento está a funcionar) activa o controlo PID externo.
8 = LIGADO – Define a alimentação como controlo externo para activação do controlo PID.
• A activação da alimentação ao accionamento activa o controlo PID externo.
9...12 = FUNC TEMP 1...4 - Define a Func Temp como controlo para a activação do controlo PID externo (Func Temp.
activada permite o controlo PID externo)
• Veja os parâmetros do Grupo 36: Func Temp
-1 = ED1(INV) – Define a entrada digital invertida ED1 como controlo externo para activação o controlo PID.
• A activação da entrada digital desactiva o controlo PID externo.
• A desactivação da entrada digital activa o controlo PID externo.
-2...-6 = ED2(INV)...ED6(INV) – Define a entrada digital invertida ED2…ED6 como controlo externo para activação do
controlo PID.
• Veja acima ED1(INV).
4229 OFFSET
Define o offset para saída do PID.
• Quando o PID é activado, a saída inicia a partir deste valor.
• Quando o PID é desactivado, a saída retoma este valor.
• O parâmetro não está activo quando 4230 MODO TRIM não é = 0 (o modo está activo).
4230 MODO TRIM
Selecciona o tipo de equilibrio, se existir. Usando o equilibrio é possível combinar um factor de correcção com a
referência do accionamento.
0 = NÃO SEL – Desactiva a função de equilibrio.
1 = PROPORCIONAL – Adiciona um factor equilibrio que seja proporcional à referência rpm/Hz.
2 = DIRECTO – Adiciona o factor de equilibrio baseado no limite máximo de controlo de circuito fechado.
4231 ESCALA TRIM
Define o multiplicador (como uma percentagem, maior ou menor) usada no modo de equilibrio.

Arranque
128 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
4232 CORRIGIR SRC
Define a referência de equilibrio para a fonte de correcção.
1 = REF EQUIL PID2 – Usa a REF MAX apropriada (Interruptor A ou B):
• 1105 MAX REF 1 quando REF1 está activa (A).
• 1108 MAX REF 2 quando REF2 está activa (B).
2 = SAIDA EQUIL PID2 – Usa a velocidade ou frequência máxima absoluta (Interruptor C):
• 2002 VELOC MAXIMA se 9904 MODO CTRL MOTOR = 1 VELOC ou 2 BINÁRIO.
• 2008 FREQ MAXIMA se 9904 MODO CTRL MOTOR = 3 ESCALAR.
Add
Ref rampa
Ref equilibrada
Interruptor Selecção
(par. 4230) Esc Trim Mul. Mul. +

Ext Max ref 1 (A) off X


X
Ext Max ref 2 (B) propor.
Freq Veloc Abs Directo Selecção
Max (C) (par. 4232)

Ref Equil PID2

Ref PID2 PID 2 Equil PID2 out

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 129

Grupo 51: Mód comun externo


Este grupo define variáveis ajustadas para um módulo externo de comunicação
fieldbus. Consulte a documentação sobre o módulo de comunicação para mais
informação sobre estes parâmetros.
Cód Descrição
5101 TIPO FBA
Exibe o tipo de módulo adaptador de fieldbus ligado.
0 = Módulo não encontrado ou não ligado. Verifique o Manual de Utilizador do Fieldbus, capítulo “Instalação
Mecânica” e verifique se o parâmetro 9802 está definido para 4 = FBA EXT.
1 = PROFIBUS-DP
16 = INTERBUS
21 = LONWORKS
32 = CANOPEN
37 = DEVICENET
64 = MODBUS PLUS
101 = CONTROLNET
128 = ETHERNET
5102 PAR 2…PAR 26 FBA
… Consulte a documentação do módulo de comunicação para mais informações sobre estes parâmetros.
5126
5127 REFRESC PAR FBA
Valida qualquer alteração nas definições do parâmetro de fieldbus.
• Depois de actualizar, o valor muda automaticamente para CONCLUIDO.
5128 FIC CPI REV FIRM
Exibe a revisão de firmware do CPI do ficheiro de configuração do módulo adaptador de fieldbus. O formato é xyz
onde:
• x = número da maior revisão
• y = número da menor revisão
• z = número de correcção
Exemplo: 107 = revisão 1.07
5129 ID FIC CONFIG
Exibe a revisão da identificação do ficheiro de configuração do módulo adaptador de fieldbus.
• A informação sobre o ficheiro de configuração é dependente do programa de aplicação do accionamento.
5130 FIC REV CONFIG
Contém a revisão do ficheiro de configuração do módulo adaptador de fieldbus do accionamento.
Exemplo: 1 = revisão 1
5131 ESTADO FBA
Contém o estado do módulo adaptador.
0 = IDLE – Adaptador não configurado.
1 = EXEC. INIC – O adaptador está a iniciar.
2 = TIME OUT – Ocorreu uma interrupção por ter excedido o tempo de ciclo na comunicação entre o adaptador e o
accionamento.
3 = ERRO CONFIG – Erro de configuração do adaptador.
• O código da maior ou da menor revisão de firmware do adaptador CPI, é diferente do guardado no ficheiro de
configuração do accionamento.
4 = OFF-LINE – O adaptador está fora de rede.
5 = ON-LINE – O adaptador está em rede.
6 = RESET – O adaptador está a efectuar um rearme de hardware.
5132 VER FW CPI FBA
Contém a revisão do programa do módulo CPI. O formato é xyz onde:
• x = número da maior revisão
• y = número da menor revisão
• z = número de correcção
Exemplo: 107 = revisão 1.07

Arranque
130 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
5133 VER FW APL FBA
Contém a revisão do programa de aplicação do módulo. O formato é xyz onde:
• x = número da maior revisão
• y = número da menor revisão
• z = número de correcção
Exemplo: 107 = revisão 1.07

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 131

Grupo 52: Painel


Este grupo apresenta as definições de comunicação necessárias para ligar a porta
da consola de operação ao accionamento. Quando usar a consola de operação
fornecida não necessita de alterar as definições deste grupo.
Neste grupo, as modificações do parâmetro são efectivas no arranque seguinte.
Cód Descrição
5201 ID ESTAÇÃO
Define o endereço do accionamento.
• Não são permitidas em rede duas unidades com o mesmo endereço.
• Gama: 1…247
5202 TAXA TRANSMISSÃO
Define a velocidade de comunicação do accionamento em kbits por segundo (kbits/s).
9.6
19.2
38.4
57.6
115.2
5203 PARIDADE
Define o formato do caractér a ser usado com o painel de comunicação.
0 = 8N1 – Sem paridade, um bit de paragem.
1 = 8N2 – Sem paridade, dois bits de paragem.
2 = 8E1 – Paridade par, um bit de paragem.
3 = 8O1 – Paridade impar, um bit de paragem.
5204 MENSAGENS OK
Contém um contador de mensagens de Modbus válidas recebidas pelo accionamento.
• Durante a operação normal, este número aumenta constantemente.
5205 ERROS PARIDADE
Contém um contador de caracteres com erro de paridade recebido do bus. Para valores elevados, verifique:
• As definições de paridade dos dispositivos ligados no bus – não podem ser diferentes.
• Os níveis de ruído electro-magnético do ambiente – níveis elevados de ruído geram erros.
5206 ERROS ESTRUT
Contém um contador de caracteres com erro no chassi que o bus recebe. Para valores elevados, verifique:
• As definições de paridade dos dispositivos ligados no bus – não podem ser diferentes.
• Os níveis de ruído electro-magnético ambientais – níveis elevados de ruído geram erros.
5207 SOBRCARG BUFFER
Contém um contador de caracteres recebidos que não podem ser colocados no buffer.
• O comprimento da mensagem mais longa para o accionamento é 128 bytes.
• Mensagens recebidas maiores que 128 bytes excedem o buffer. O caracteres em excesso são contados.
5208 ERROS CRC
Contém um contador de mensagens com erro CRC que o accionamento recebe. Para valores elevados, verifique:
• Os níveis de ruído ambientais electro-magnético – ruído elevado gera erros.
• Os cálculos CRC para possíveis erros.

Arranque
132 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 53: Protocolo EFB


Este grupo define as variáveis usadas para um protocolo de comunicação de
fieldbus (EFB) fixo. O protocolo EFB standard no ACS550 é Modbus. Veja
“Comunicação em série standard” na página 145.
Cód Descrição
5301 ID PROTOCOLO EFB
Contém a identificação e a revisão do programa de protocolo.
• param: XXYY, onde xx = protocolo ID, e YY = revisão programa.
5302 ID ESTAÇÃO EFB
Define o endereço de nodo da ligação RS485.
• O endereço de nodo em cada unidade deve ser único.
5303 TAXA TRANSM EFB
Define a velocidade de comunicação da ligação RS485 em kbits por segundo (kbits/s).
1.2 kbits/s
2.4 kbits/s
4.8 kbits/s
9.6 kbits/s
19.2 kbits/s
38.4 kbits/s
57.6 kbits/s
5304 PARIDADE EFB
Define do comprimento dos dados de paridade e dos bits de paragem a serem usados com a comunicação da
ligação RS485.
• Devem ser usadas as mesmas definições em todas as estações da rede.
0 = 8N1 – 8 data bits, Sem paridade, um bit de paragem.
1 = 8N2 – 8 data bits, Sem paridade, dois bits de paragem.
2 = 8E1 – 8 data bits, Paridade par, um bit de paragem.
3 = 8O1 – 8 data bits, Paridade impar, um bit de paragem.
5305 CTRL PERFIL EFB
Selecciona o perfil de comunicação usado pelo protocolo EFB.
0 = ACCION ABB – A operação da Palav Controlo e da Palav Estado está em conformidade com o Perfil de
Accionamentos ABB.
1 = ACS550 - Perfil Alternar 32 bit (unicamente para utilizadores avançados)
5306 MENSAGENS EFB OK
Contém um contador de mensagens válidas recebidas pelo accionamento.
• Durante a operação normal, este contador aumenta constantemente.
5307 ERROS CRC EFB
Contém um contador de mensagens com um erro CRC recebido pelo accionamento. Para contagens elevadas,
verifique:
• Os níveis de ruido electro-magnético ambientais – ruído elevado geram erros.
• Os cálculos CRC para possíveis erros.
5308 ERROS UART EFB
Contém um contador de mensagens com um erro de caractér recebido pelo accionamento.
5309 ESTADO EFB
Contém o estado do protocolo EFB.
0 = IDLE – O protocolo EFB está configurado, mas não recebe qualquer mensagem.
1 = EXEC. INIT – O protocolo EFB está a iniciar.
2 = TIME OUT – Ocorreu um intervalo na comunicação entre o mestre da rede e o protocolo EFB.
3 = ERRO CONFIG – O protocolo EFB tem um erro de configuração.
4 = OFF-LINE – O protocolo EFB recebe mensagens que não são dirigidas a este accionamento.
5 = ON-LINE – O protocolo EFB recebe mensagens dirigidas a este accionamento.
6 = RESET – O protocolo EFB está a efectuar um rearme de hardware.
7 = LISTEN ONLY – O protocolo EFB está em modo de escuta.
5310 PAR 10 EFB
Especifica o parâmetro registado no Diário de Modbus 40005.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 133

Cód Descrição
5311 PAR 11 EFB
Especifica o parâmetro registado no Diário de Modbus 40006.
5312 PAR 12 EFB
Especifica o parâmetro registado no Diário de Modbus 40007.
5313 PAR 13 EFB
Especifica o parâmetro registado no Diário de Modbus 40008.
5314 PAR 14 EFB
Especifica o parâmetro registado no Diário de Modbus 40009.
5315 PAR 15 EFB
Especifica o parâmetro registado no Diário de Modbus 40010.
5316 PAR 16 EFB
Especifica o parâmetro registado no Diário de Modbus 40011.
5317 PAR 17 EFB
Especifica o parâmetro registado no Diário de Modbus 40012.
5318 PAR 18 EFB ... PAR 20 EFB
... Reservado.
5320

Arranque
134 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 81: Controlo PFC


Este grupo define o modo de operação do Controlo Bombas-Ventiladores (PFC). As
maiores características do controlo PFC são:
• O ACS550 controla o motor da bomba nr.1, variando a velocidade do motor para
controlar a capacidade da bomba. Este motor é o motor de regulação de
velocidade.
• As ligações directas alimentam o motor da bomba nr. 2 e da bomba nr.3, etc. O
ACS550 liga e desliga a bomba nr. 2 (e depois a bomba nr. 3, etc.) conforme
necessário. Estes motores são motores auxiliares.
• O controlo PID do ACS550 usa dois sinais: uma referência de processo e um
feedback do valor actual. O controlador PID ajusta a velocidade (frequência) da
primeira bomba para que o valor actual siga a referência de processo.
• Quando o pedido (definido pela referência de processo) excede a capacidade do
primeiro motor (limite de frequência definido pelo utilizador), o controlo PFC
arranca automaticamente uma bomba auxiliar. O PFC também reduz a
velocidade da primeira bomba para compensar a saída total da bomba auxiliar.
Depois, como anteriormente, o controlador PID ajusta a velocidade (frequência)
da primeira bomba para que o valor actual siga a referência do processo. Se o
pedido continuar a aumentar, o PFC adiciona as bombas auxiliares, usando o
mesmo processo.
• Quando o pedido diminui, de tal forma que a velocidade da primeira bomba cai
abaixo do limite minimo (limite de frequência definido pelo utilizador), o controlo
PFC pára automaticamente uma bomba auxiliar. O PFC também aumenta a
velocidade da primeira bomba para compensar a saída em falta da bomba
auxiliar.
• Uma função interlock (quando activa) identifica os motores fora da rede (fora de
serviço), e o controlo PFC salta para o próximo motor disponível na sequência.
• Uma função de Comutação (quando activada e com o interruptor apropriado)
equaliza o tempo de serviço entre os motores da bomba. A Comutação aumenta
periodicamente a posição de cada motor na rotação – o motor de velocidade
regulada transforma-se no motor auxiliar, o primeiro motor auxiliar transforma-se
no motor de velocidade regulada, etc.
Cód Descrição
8103 REFER PASSO 1
Define o valor da percentagem que é adicionado à referência do processo.
• Aplicada unicamente quando pelo menos um motor auxiliar (velocidade constante) está a funcionar.
• O valor por defeito é de 0%.
Exemplo: Um ACS550 opera três bombas paralelas que mantém a pressão da água na conduta.
• 4011 SETPOINT INTERNO define a referência da pressão constante que controla a pressão na conduta.
• A bomba de velocidade regulada opera sózinha a níveis baixos de consumo de água.
• Conforme o consumo de água aumenta, primeiro funciona uma bombra de velocidade constante, depois, a
segunda.
• Conforme o fluxo aumenta, a pressão no lado da saída da conduta cai relativamente à pressão medida no lado da
entrada.
• Quando a primeira bomba auxiliar funciona, a referência aumenta com o parâmetro 8103 PASSO 1 REF.
• Quando ambas as bombas auxiliares funcionam, a referência aumenta com o parâmetro 8103 PASSO REF 1 +
parâmetro 8104 PASSO REF 2.
• Quando três bombas auxiliares funcionam, a referência aumenta com o 8103 PASSO REF 1 + parâmetro 8104
PASSO REF 2 + parâmetro 8105 PASSO REF 3.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 135

Cód Descrição
8104 REFER PASSO 2
Define o valor da percentagem que é adicionado à referência do processo.
• Aplicada unicamente quando pelo menos dois motores auxiliares (velocidade constante) estão a funcionar.
• Veja o parâmetro 8103 PASSO REF1.
8105 REFER PASSO 3
Define o valor da percentagem que é adicionado à referência do processo.
• Aplicada unicamente quando pelo menos três motores auxiliares (velocidade constante) estão a funcionar.
• Veja o parâmetro 8103 PASSO REF1.
8109 FREQ ARRANQ 1
Define o limite de frequência usado no arranque do primeiro motor auxiliar. O primeiro motor auxiliar arranca se:
• Não estiverem motores auxiliares a funcionar.
• A saída de frequência do ACS550 exceder o limite:
f (Hz) P 8115
8109 + 1 Hz.
• A frequência de saída se mantiver acima do limite fMAX
(8109 - 1 Hz) durante pelo menos o tempo de: 8115 ATRASO
ARR AUX.
(P 8109)+1
P 8109
Depois que o primeiro motor auxiliar arranca: A
• A frequência de saída diminui pelo valor =
P 8112
(8109 FREQ ARRANQ 1) - (8112 FREQ BAIXA 1). B A
• De facto, a velocidade de saída do motor regulado cai para fMIN
t
compensar a entrada do motor auxiliar.
Veja a figura, onde:
• A = (8109 FREQ ARRANQ 1) - (8112 FREQ BAIXA 1) C
• B = Aumento da frequência de saída durante o atraso de 1
arranque. t
0
• C = O diagrama que apresenta o estado de funcionamento do
motor auxiliar conforme a frequência aumenta (1 = Ligado).
Nota! O valor de 8109 FREQ ARRANQ 1 deve ser entre:
• 8112 FREQ BAIXA 1
• (2008 FREQ MAXIMA) -1.
8110 FREQ ARRANQ 2
Define o limite de frequência usado no arranque do segundo motor auxiliar.
• Veja 8109 FREQ ARRANQ 1 sobre a descrição completa da operação.
O segundo motor auxiliar arranca se:
• Um motor auxiliar estiver a funcionar.
• A frequência de saída do ACS550 exceder o limite: 8110 + 1.
• A frequência de saída se mantiver acima do limite (8110 - 1 Hz) durante pelo menos o tempo: 8115 ATRASO ARR
MOT AUX.
8111 FREQ ARRANQ 3
Define o limite de frequência usado no arranque do terceiro motor auxiliar.
• Veja 8109 FREQ ARRANQ 1 sobre a descrição completa da operação.
O terceiro motor auxiliar arranca se:
• Dois motores auxiliares estiverem a funcionar.
• A frequência de saída do ACS550 exceder o limite: 8111 + 1 Hz.
• A frequência de saída se mantiver acima do limite (8111 - 1 Hz) durante pelo menos o tempo: 8115 ATRASO ARR
MOT AUX.

Arranque
136 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
8112 FREQ BAIXA 1
Define o limite de frequência usado para parar o primeiro motor auxiliar. O primeiro motor auxiliar pára se:
• O primeiro motor auxiliar estiver a funcionar sózinho.
• A frequência de saída do ACS550 cair abaixo do limite: f (Hz)
8112 - 1.
• A frequência de saída se mantiver abaixo do limite fMAX
(8112 + 1 Hz) durante pelo menos o tempo: 8116 ATRASO PARA
AUX. P 8109
Depois de o primeiro motor auxiliar parar: A
P 8112 A
• A frequência de saída aumenta pelo valor =
(8109 FREQ ARRANQ 1) - (8112 FREQ BAIXA1). (P 8112)-1
• De facto, a velocidade de saída do motor regulado aumenta fMIN
B t
para compensar a perda do motor auxiliar.
Veja a figura, onde: P 8116
• A = (8109 INICIO FREQ 1) - (8112 FREQ BAIXA 1)
• B = Diminuição da frequência de saída durante o atraso de C
paragem.
• C = O diagrama apresenta o estado de funcionamento do 1
t
motor auxiliar conforme a frequência diminui (1 = Ligado). 0
• Linha cinzenta = Apresenta histerese – se o tempo for inverso,
a linha de regresso não será a mesma. Para mais detalhes sobre a linha para arrancar, veja o diagrama 8109
FREQ ARRANQ 1.
Nota! O valor de Frequência Baixa 1 deve ser entre:
• (2007 FREQ MINIMO) +1.
• 8109 FREQ ARRANQ 1
8113 FREQ BAIXA 2
Define o limite de frequência usado para parar o segundo motor auxiliar.
• Veja 8112 FREQ BAIXA 1 sobre a descrição completa da operação.
O segundo motor auxiliar pára se:
• Dois motores auxiliares estiverem a trabalhar.
• A frequência de saída do ACS550 cair abaixo do limite: 8113 - 1Hz.
• A frequência de saída se mantiver abaixo do limite (8113 + 1 Hz) durante pelo menos o tempo: 8116 PARAG MOT
AUX D.
8114 BAIXA FREQ 3
Define o limite de frequência usado para parar o terceiro motor auxiliar.
• Veja 8112 FREQ BAIXA 1 sobre a descrição completa da operação.
O terceiro motor auxiliar pára se:
• Três motores auxiliares estiverem a trabalhar.
• A frequência de saída do ACS550 cair abaixo do limite: 8114 - 1Hz.
• A frequência de saída se mantiver abaixo do limite (8114 + 1 Hz) durante pelo menos o tempo: 8116 ATRASO PARA
AUX.
8115 ATRASO ARR MOT AUX
Define o Atraso de Arranque para os motores auxiliares.
• A frequência de saída deve permanecer acima do limite de frequência de saída (parâmetro 8109, 8110, ou 8111)
para este período de tempo antes do motor auxiliar arrancar.
• Veja 8109 FREQ ARRANQ 1 sobre a descrição completa da operação.
8116 ATRASO PAR MOT AUX
Define o Atraso de Paragem para os motores auxiliares.
• A frequência de saída deve permanecer abaixo do limite de frequência de saída (parâmetro 8112, 8113, ou 8114)
para este período de tempo antes do motor auxiliar parar.
• Veja 8112 FREQ BAIXA 1 sobre a descrição completa da operação.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 137

Cód Descrição
8117 NR MOT AUXIL
Define o número de motores auxiliares.
• Cada motor auxiliar necessita de uma saída a relé, que o accionamento usa para enviar sinais de arranque/
paragem.
• A função Comutação, se usada, necessita de uma saída a relé adicional para o motor de velocidade regulada.
• Segue-se uma descrição sobre as definições das saídas a relé necessárias.
Saídas a relé
Como acima mencionado, cada motor auxiliar necessita de uma saída a relé, que o accionamento usa para enviar
sinais de arranque/paragem. Segue-se uma descrição sobre como o accionamento mantém um registo dos motores
e dos relés.
• O ACS550 fornece as saídas a relé RO1…RO3.
• Um módulo externo de saída a relé pode ser adicionado para fornecer saídas a relé RO4…RO6.
• Os parâmetros 1401…1403 e 1410…1412 definem, respectivamente, como os relés RO1…RO6 são usados – o
valor do parâmetro 31 PFC define um relé como o usado para PFC.
• O ACS550 atribui motores auxiliares a relés por ordem ascendente. Se a função de Comutação está desactivada,
o primeiro motor auxiliar é o ligado ao primeiro relé com o ajuste de parâmetro = 31 PFC, e assim sucessivamente.
Se a função Comutação é usada, as atribuições sucedem-se. Inicialmente, o motor de velocidade regulada é o
ligado ao primeiro relé com o ajuste de parâmetro = 31 PFC, o primeiro motor auxiliar é o ligado ao segundo relé
com o ajuste de parâmetro = 31 PFC, e assim sucessivamente.

Relé Logic
ACS550

ACS550

Modo PFC PFC com modo Comutação

Arranque
138 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
• A tabela abaixo apresenta as atribuições PFC dos relés de saída para algumas definições tipicas (1401…1403 e
1410…1412), onde os ajustes são ou =31 (PFC), ou =X (qualquer um excepto 31), e onde a função Comutação
está desactivada (8118 INTERV COMUT = 0).
Ajuste do parâmetro Atribuição do relé do ACS550
1 1 1 1 1 1 8 Comutação desactivada
4 4 4 4 4 4 1 RO1 RO2 RO3 RO4 RO5 RO6
0 0 0 1 1 1 1
1 2 3 0 1 2 7
31 X X X X X 1 Aux. X X X X X
31 31 X X X X 2 Aux. Aux. X X X X
31 31 31 X X X 3 Aux. Aux. Aux. X X X
X 31 31 X X X 2 X Aux. Aux. X X X
X X X 31 X 31 2 X X X Aux. X Aux.
31 31 X X X X 1 Aux. Aux. X X X X

• = Uma saída a relé adicional para o PFC está a ser usada. Um motor está em modo “dormir” enquanto o outro
está em funcionamento.
• A tabela abaixo apresenta as atribuições PFC dos relés de saída para algumas definições tipicas (1401…1403 e
1410…1412), onde os ajustes são ou =31 (PFC), ou =X (qualquer um excepto 31), e onde a função Comutação
está desactivada (8118 INTERV COMUT= valor > 0).
Ajuste do parâmetro Atribuição do relé do ACS550

1 1 1 1 1 1 8 Comutação EDsabled
4 4 4 4 4 4 1 RO1 RO2 RO3 RO4 RO5 RO6
0 0 0 1 1 1 1
1 2 3 0 1 2 7
31 31 X X X X 1 PFC PFC X X X X
31 31 31 X X X 2 PFC PFC PFC X X X
x 31 31 X X X 1 X PFC PFC X X X
X X X 31 X 31 1 X X X PFC X PFC
31 31 X X X X 0 PFC PFC X X X X

* = Sem motores auxiliares, mas com a função de autoajuste em uso. Em funcionamento


como controlo PID standard.

8118 INTERV COMUT


Controla a operação da função de Comutação e define o Relé lógico
intervalo entre as alterações.
ACS550
• O intervalo de tempo de Comutação aplica-se unicamente
ao tempo durante o qual o motor de velocidade regulada
estiver a funcionar.
• Veja o parâmetro 8119 NIVEL COMUT sobre a função de
Comutação.
• O accionamento pára sempre por atrito quando é efectuada
a Comutação.
• A comutação activa necessita do parâmetro 8120
ENCRAVAMENTOS = valor > 0.
0.0 = NÃO SEL – Desactiva a função de Comutação.
0.1…336 = O intervalo de tempo de operação (período
durante o qual o sinal de arranque está ligado) entre as
alterações automáticas do motor.
Aviso! Quando activada, a função Comutação necessita
de encravamentos (8120 encravamentos = valor > 0)
activos. Durante a Comutação os encravamentos
m
interropem a saída de alimentação do accionamento,
PFC em modo Comutação
evitando danificar os contactos.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 139

Cód Descrição
8119 NIVEL COMUT
Define um limite superior, como percentagem da capacidade de saída, para a lógica de comutação. Quando a saída
do bloco de controlo PID/PFC exede este limite, a comutação é evitada. Use este parâmetro para, por exemplo,
negar a comutação quando o sistema Bomba-Ventilador está a funcionar próximo da capacidade máxima.
Comutação
O objectivo da operação de comutação é igualar o tempo de funcionamento entre os diversos motores usados num
sistema. Em cada operação de comutação:
• Um motor diferente é ligado à saída do ACS550 – o motor de velocidade regulada.
• A ordem de arranque dos outros motores altera.
A função de comutação necessita de:
• Mecanismo de alternância externa para alterar as ligações da saída de alimentação do accionamento.
• Parâmetro 8120 ENCRAVAMENTOS = valor > 0.
A comutação é efectuada quando:
• O tempo de operação desde a comutação anterior alcança o tempo definido por 8118 INTERV COMUT
• A entrada PFC é inferior ao nível definido por este parâmetro, 8119 NIVEL COMUT.
Nota! O ACS550 pára sempre por atrito quando a comutação é efectuada.
Numa comutação, a função Comutação faz tudo do que se Saída PID
segue (veja a figura): A
4PFC
• Inicia a alteração quando o tempo de operação, desde a 100%
última comutação, alcança 8118 INTERV COMUT, e a entrada 2PFC
PFC está abaixo do limite 8119 NIVEL COMUT.
• Pára o motor de velocidade regulada. P 8119
3PFC
• Desliga o contactor do motor de velocidade regulada. 3PFC
• Incrementa a ordem de arranque do contador, para alterar 4PFC
a ordem de arranque dos motores. 2PFC
• Identifica o próximo motor em linha a ter a velocidade
regulada. 1PFC t
• Desliga o contactor do motor acima, se o motor esteve a P 8122
funcionar. Quaisquer outros motores que estejam a
funcionar não são interrompidos. P 8118 P 8118
• Liga o contactor do novo motor de velocidade regulada. O B
mecanismo de comutação liga este motor à saída de A = Area acima 8119 NIVEL COMUT – comutação não
alimentação do ACS550. permitida.
• Atrasa o arranque do motor para o tempo 8122 ATR INICIO B = A comutação ocorre.
PFC. 1PFC, etc. = Saída PID associada com cada motor.
• Arranca o motor de velocidade regulada.
• Identifica o próximo motor de velocidade constante na
rotação.
• Liga o motor acima, mas só se o novo motor de velocidade regulada tiver estado a funcionar (como motor de
velocidade constante) – Este passo mantém em funcionamento um número igual de motores antes e depois da
comutação.
• Continua com a operação PFC normal.
Contador da ordem de arranque Frequência
A operação do contador da ordem de arranque: saída
Sem mot 1 motor 2 motor
• As definições da saída a relé (1401…1403 e 1410…1412)) aux aux aux
estabelecem a sequência inicial do motor. (O número do fMAX
parâmetro mais baixo com o valor 31 (PFC) identifica o relé
ligado a 1PFC, o primeiro motor, e assim sucessivamente.)
• Inicialmente, 1PFC = motor de velocidade regulada, 2PFC = 1º
motor auxiliar, etc.
• A primeira comutação muda a sequência para: 2PFC = motor de
velocidade regulada, 3PFC = 1º motor auxiliar, …, 1PFC =
último motor auxiliar. A área de
• A próxima comutação muda a sequência de novo, e assim Comutação
sucessivamente. é permitida Saída PID
• Se a comutação não puder arrancar um determinado motor
P 8119 100%
porque todos os motores inactivos estão encravados, o
accionamento exibe um alarme (2015, ENCRAVAMENTOS PFC).
• Quando a entrada de alimentação do ACS550 for desligada, o contador mantém a corrente de Comutação das
posições de rotação na memória permanente. Quando a alimentação é reposta, a rotação de Comutação inicia na
posição guardada em memória.
• Se a configuração do relé PFC for alterada (ou se o valor PFC activo for alterado), a rotação é reposta. (Veja
acima o primeiro ponto.)

Arranque
140 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
8120 ENCRAVAMENTOS
Define a operação da função de Encravamentos. Quando a função Encravamentos é activada:
• Um encravamento está activo quando o seu sinal de comando não está presente.
• Um encravamento não está activo quando o seu sinal de comando está presente.
• O ACS550 não arranca se ocorrer um comando de arranque quando o encravamento do motor de velocidade
regulada está activo – o painel de controlo exibe um alarme (2015, ENCRAVAMENTOS PFC).
Ligue cada circuito de encravamento como se segue:
• Ligue um contacto do interruptor de ligado/desligado do motor ao circuito de encravamento – a lógica PFC do
accionamento pode assim reconhecer quando o motor estiver desligado, e arrancar o próximo motor disponível.
• Ligue um contacto do relé térmico do motor (ou outro dispositivo de protecção no circuito do motor) à entrada do
encravamento – a lógica PFC do accionamento pode assim reconhecer quando uma falha do motor for activada e
parar o motor.
0 = NÃO SEL – Desliga a função Encravamentos. Todas as entradas digitais estão disponíveis para outros fins.
• É necessário 8118 INTERV COMUT = 0 (A função Comutação deve estar desligada se a função Encravamentos
estiver desligada.)
1 = ED1 – Liga a função Encravamentos, e atribui uma entrada digital (inicio em ED1) ao sinal de encravamento
para cada relé PFC. Estas atribuições estão definidas na tabela seguinte e dependem de:
• O número dos relés PFC (números de parâmetros 1401…1403 e 1410…1412) com valor = 31 PFC)
• Ao estado da função de Comutação (Desligado se 8118 INTado se 8118 INTERV COMUT = 0, e de outra forma

Nr. de Comutação desligada Comutação ligada


relés PFC (P 8118) (P 8118)
0 ED1: Motor Veloc Reg Não permitido
ED2…ED6: Livre
1 ED1: Motor Veloc Reg ED1: Primeiro relé PFC
ED2: Primeiro relé PFC ED2…ED6: Livre
ED3…ED6: Livre
2 ED1: Motor Veloc Reg ED1: Primeiro relé PFC
ED2: Primeiro relé PFC ED2: Segundo relé PFC
ED3: Segundo relé PFC ED3…ED6: Livre
ED4…ED6: Livre
3 ED1: Motor Veloc Reg ED1: Primeiro relé PFC
ED2: Primeiro relé PFC ED2: Segundo relé PFC
ED3: Segundo relé PFC ED3: Terceiro relé PFC
ED4: Terceiro relé PFC ED4…ED6: Livre
ED5…ED6: Livre
4 ED1: Motor Veloc Reg ED1: Primeiro relé PFC
ED2: Primeiro relé PFC ED2: Segundo relé PFC
ED3: Segundo relé PFC ED3: Terceiro relé PFC
ED4: Terceiro relé PFC ED4: Quarto relé PFC
ED5: Quarto relé PFC ED5…ED6: Livre
ED6: Livre
5 ED1: Motor Veloc Reg ED1: Primeiro relé PFC
ED2: Primeiro relé PFC ED2: Segundo relé PFC
ED3: Segundo relé PFC ED3: Terceiro relé PFC
ED4: Terceiro relé PFC ED4: Quarto relé PFC
ED5: Quarto relé PFC ED5: Quinto relé PFC
ED6: Quinto relé PFC ED6: Livre
6 Não permitido ED1: Primeiro relé PFC
ED2: Segundo relé PFC
ED3: Terceiro relé PFC
ED4: Quarto relé PFC
ED5: Quinto relé PFC
ED6: Sexto relé PFC

ligado).

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 141

Cód Descrição
2 = ED2 – Liga a função Encravamentos, e atribui a entrada digital (inicio em ED2) ao sinal de encravamento para
cada relé PFC. Estas atribuições estão definidas na tabela seguinte e dependem de:
• O número dos relés PFC (números de parâmetros 1401…1403 e 1410…1412) com valor = 31 PFC)
• Ao estado da função de Comutação (Desligado se 8118 INTERV COMUT = 0, e de outra forma ligado)

Nr. de Comutação desligada Comutação ligada


relés PFC (P 8118) (P 8118)
0 ED1: Livre Não permitido
ED2: Motor Veloc Reg
ED3…ED6: Livre
1 ED1: Livre ED1: Livre
ED2: Motor Veloc Reg ED2: Primeiro relé PFC
ED3: Primeiro relé PFC ED3…ED6: Livre
ED4…ED6: Livre
2 ED1: Livre ED1: Livre
ED2: Motor Veloc Reg ED2: Primeiro relé PFC
ED3: Primeiro relé PFC ED3: Segundo relé PFC
ED4: Segundo relé PFC ED4…ED6: Livre
ED5…ED6: Livre
3 ED1: Livre ED1: Livre
ED2: Motor Veloc Reg ED2: Primeiro relé PFC
ED3: Primeiro relé PFC ED3: Segundo relé PFC
ED4: Segundo relé PFC ED4: Terceiro relé PFC
ED5: Terceiro relé PFC ED5…ED6: Livre
ED6: Livre
4 ED1: Livre ED1: Livre
ED2: Motor Veloc Reg ED2: Primeiro relé PFC
ED3: Primeiro relé PFC ED3: Segundo relé PFC
ED4: Segundo relé PFC ED4: Terceiro relé PFC
ED5: Terceiro relé PFC ED5: Quarto relé PFC
ED6: Quarto relé PFC ED6: Livre
5 Não permitido ED1: Livre
ED2: Primeiro relé PFC
ED3: Segundo relé PFC
ED4: Terceiro relé PFC
ED5: Quarto relé PFC
ED6: Quinto relé PFC
6 Não permitido Não permitido

Arranque
142 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
3 = ED3 – Liga a função Encravamentos, e atribui a entrada digital (inicio em ED3) ao sinal de encravamento para
cada relé PFC. Estas atribuições estão definidas na tabela seguinte e dependem de:
• O número dos relés PFC (números de parâmetros 1401…1403 e 1410…1412) com valor = 31 PFC)
• Ao estado da função de Comutação (Desligado se 8118 INTERV COMUT = 0, e de outra forma ligado)

Nr. de Comutação desligada Comutação ligada


relés PFC (P 8118) (P 8118)
0 ED1…ED2: Livre Não permitido
ED3: Motor Veloc Reg
ED4…ED6: Livre
1 ED1…ED2: Livre ED1…ED2: Livre
ED3: Motor Veloc Reg ED3: Primeiro relé PFC
ED4: Primeiro relé PFC ED4…ED6: Livre
ED5…ED6: Livre
2 ED1…ED2: Livre ED1…ED2: Livre
ED3: Motor Veloc Reg ED3: Primeiro relé PFC
ED4: Primeiro relé PFC ED4: Segundo relé PFC
ED5: Segundo relé PFC ED5…ED6: Livre
ED6: Livre
3 ED1…ED2: Livre ED1…ED2: Livre
ED3: Motor Veloc Reg ED3: Primeiro relé PFC
ED4: Primeiro relé PFC ED4: Segundo relé PFC
ED5: Segundo relé PFC ED5: Terceiro relé PFC
ED6: Terceiro relé PFC ED6: Livre
4 Não permitido ED1…ED2: Livre
ED3: Primeiro relé PFC
ED4: Segundo relé PFC
ED5: Terceiro relé PFC
ED6: Quarto relé PFC
5…6 Não permitido Não permitido
4= ED4 – Liga a função Encravamentos, e atribui a entrada digital (inicio em ED4) ao sinal de encravamento para
cada relé PFC. Estas atribuições estão definidas na tabela seguinte e dependem de:
• O número dos relés PFC (números de parâmetros 1401…1403 e 1410…1412) com valor = 31 PFC)
• Ao estado da função de Comutação (Desligado se 8118 INTERV COMUT = 0, e de outra forma ligado).

Nr. de Comutação desligada Comutação ligada


relés PFC (P 8118) (P 8118)
0 ED1…ED3: Livre Não permitido
ED4: Motor Veloc Reg
ED5…ED6: Livre
1 ED1…ED3: Livre ED1…ED3: Livre
ED4: Motor Veloc Reg ED4: Primeiro relé PFC
ED5: Primeiro relé PFC ED5…ED6: Livre
ED6: Livre
2 ED1…ED3: Livre ED1…ED3: Livre
ED4: Motor Veloc Reg ED4: Primeiro relé PFC
ED5: Primeiro relé PFC ED5: Segundo relé PFC
ED6: Segundo relé PFC ED6: Livre
3 Não permitido ED1…ED3: Livre
ED4: Primeiro relé PFC
ED5: Segundo relé PFC
ED6: Terceiro relé PFC
4…6 Não permitido Não permitido

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 143

Cód Descrição
5 = ED5 – Liga a função Encravamentos, e atribui a entrada digital (inicio em ED5) ao sinal de encravamento para
cada relé PFC. Estas atribuições estão definidas na tabela seguinte e dependem de:
• O número dos relés PFC (números de parâmetros 1401…1403 e 1410…1412) com valor = 31 PFC)
• Ao estado da função de Comutação (Desligado se 8118 INTERV COMUT = 0, e de outra forma ligado).

Nr. de Comutação desligada Comutação ligada


relés PFC (P 8118) (P 8118)
0 ED1…ED4: Livre Não permitido
ED5: Motor Veloc Reg
ED6: Livre
1 ED1…ED4: Livre ED1…ED4: Livre
ED5: Motor Veloc Reg ED5: Primeiro relé PFC
ED6: Primeiro relé PFC ED6: Livre
2 Não permitido ED1…ED4: Livre
ED5: Primeiro relé PFC
ED6: Segundo relé PFC
3…6 Não permitido Não permitido
6 = ED6 – Liga a função Encravamentos, e atribui a entrada digital ED6 ao sinal de Encravamentos para o motor de
velocidade regulada.
• Necessita de 8118 INTERV COMUT = 0.

Nr. de relés Comutação desligada Comutação ligada


PFC (P 8118) (P 8118)
0 ED1…ED5: Livre Não permitido
ED6: Motor Veloc Reg
1 Não permitido ED1…ED5: Livre
ED6: Prim relé PFC
2...6 Não permitido Não permitido

Arranque
144 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Descrição
8121 CTRL REG BYPASS
Selecciona o controlo do Regulador by-pass..Quando activo, o controlo do Regulador by-pass fornece um
mecanismo simples de controlo sem regulador PID.
• Use o controlo do Regulador by-pass só em
fOUT
aplicações especiais.
0 = NÃO – Desactiva o controlo do Regulador by-pass. fMAX
O accionamento usa a referência PFC normal: 1106
SELEC REF2.
1 = SIM – Activa o controlo do Regulador by-pass.
• O processo do regulador PID é ultrapassado. P 8110
O valor actual de PID é usado como referência PFC P 8109
(entrada). Normalmente a REF EXT2 é usada como
a referência PFC.
• O accionamento usa o sinal de feedback definido
P 8113
por 4014 SEL FBK (ou 4114) para a referência de
frequência PFC. P 8112
• A figura apresenta a relação entre o sinal de
controlo 4014 SEL FBK (ou 4114) e a frequência do fMAX
motor de velocidade regulada num sistema de três P 4014
motores. A B C (%)
Exemplo: No diagrama abaixo, o fluxo de saída da A = Sem mot auxiliares a funcionar
estação de bombagem é controlado pela medição do
fluxo de entrada (A). B = Um mot auxiliar a funcionar
C = Dois mot auxiliares a funcionar

Meios 3~ 3 Contactores
3
3 ACS550 P1
P2 3
M
P3 3 3~
3 P1 Tubo de saída1
A Tanque de
Esgoto M
3~
P2 Tubo de saída2
Tubo de entrada
M
3~
P3 Tubo de saída3

8122 ATR INICIO PFC


Define o inicio do atraso para os motores de velocidade regulada no sistema. Usando o atraso, o accionamento
funciona como se segue:
• Liga o contactor do motor de velocidade regulada – ligando o motor à saída de alimentação do ACS550.
• Atrasa o arranque do motor durante o tempo 8122 ATR INICIO PFC.
• Arranca o motor de velocidade regulada.
• Arranca os motores auxiliares. Veja o parâmetro 8115 sobre o atraso.
Aviso! Motores equipados com arrancadores de estrela-triângulo necessitam do Atraso Inicio PFC.
• Depois da saída a relé do ACS550 ligar o motor, o arrancador estrela-triângulo necessita ligar a ligação-estrela e
depois a ligação-triângulo antes do accionamento arrancar.
• Por issso, o Atraso Inicio PFC deve ser superior ao tempo de ajuste do arrancador estrela-triângulo.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 145

Cód Descrição
8123 PERMISSÃO PFC
Selecciona o controlo PFC. Quando activo, o controlo PFC:
• Liga ou desliga, os motores auxiliares de velocidade constante conforme a saída aumenta ou diminui. Os
parâmetros 8109 INCICIO FREQ 1 a 8114 BAIXA FREQ 3 definem os pontos de mudança relativamente à frequência
de saída do accionamento.
• Ajusta a saída inferior do motor de velocidade regulada, conforme os motores auxiliares são adicionados, e ajusta
a saída superior do motor de velocidade regulada, conforme os motores auxiliares são retirados da linha.
• Fornece funções de Encravamento, se activado.
• Necessita de 9904 MODO CTRL MOTOR = 3 ESCALAR.
0 = NÃO SEL – Desactiva o controlo PFC.
1 = ACTIVO – Activa o controlo PFC.
8124 ACEL EM PARAG AUX
Define o tempo de aceleração do PFC para uma fOUT
frequência de rampa de zero-a-máximo. Esta rampa de
aceleração PFC: A
• É aplicada ao motor de velocidade regulada, quando B
um motor auxiliar é desligado.
• Substitui a rampa de aceleração definida no Grupo 22:
Acel/Desacel.
• É aplicada só até que a saída do motor regulado P 8125 P 8124
aumente até um valor igual à saída do motor auxiliar t
desligado. Depois a rampa de aceleração definida no
Grupo 22: ACEL/DESACEL é aplicada. Motor
Aux
0 = NÃO SEL.
1
0.1...1800 = Activa esta função usando o valor introduzido t
como tempo de aceleração. 0
8125 DESAC EM ARR AUX • A = motor de velocidade regulada em aceleração
usando Grupo 22 parâmetros (2202 ou 2205).
Define o tempo de desaceleração PFC para uma
• B = motor de velocidade regulada em desaceleração
frequência de rampa de máximo-a-máximo. Esta rampa
usando Grupo 22 parâmetros (2203 ou 2206).
de desaceleração PFC:
• No arranque do motor auxiliar, o motor de velocidade
• É aplicada ao motor de velocidade regulada, quando
regulada desacelera usando 8125 DESACEL EM ARR AUX.
um motor auxiliar é ligado.
• Na paragem do motor auxiliar, o motor de velocidade
• Substitui a rampa de desaceleração definida no Grupo
regulada acelera usando 8124 ACEL EM PAR AUX.
22: Acel/Desacel.
• É aplicada só até que a saída do motor regulado
diminui até um valor igual à saída do motor auxiliar
desligado. Depois a rampa de desaceleração definida
no Grupo 22: ACEL/DESACEL é aplicada.
0 = NÃO SEL.
0.1...1800 = Activa esta função usando o valor introduzido
como tempo de desaceleração.
8126 COMUTAÇÃO TEMP
Define a comutação usando a Func Temp. Veja o parâmetro 8119 NÍVEL COMUTAÇÃO.
0 = NÃO SEL.
1 = Func Temp 1 – Activa a Comutação quando a Func Temp 1 está activa.
2…4 = Func Temp 2…4 – Activa a Comutação quando a Func Temp 2…4 está activa.

Arranque
146 Manual do Utilizador do ACS550

Grupo 98: Opções


Este grupo configura opções e, em particular, permite a comunicação em série com
o accionamento.
Code Description
9802 SEL PROT COM
Selecciona o protocolo de comunicação.
0 = NÃO SEL – Não é seleccionado protocolo de comunicação.
1 = MODBUS STD– O accionamento comunica com um controlador Modbus através da ligação em série RS485 (X1-
terminal comunicação).
• Veja o parâmetro Grupo 53 PROTOCOLO EFB.
4 = FBA EXT – O accionamento comunica através de um módulo adaptador de fieldbus na opção da ranhura 2 do
accionamento.
• Veja também o parâmetro Grupo 51 MODULO COM EXT.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 147

Comunicação em série standard


Esta secção descreve a comunicação em série do ACS550.
• O ACS550 inclui, como standard, comunicação Modbus® na porta RS485
(terminais 28…32).
• Pode ligar outros tipos de fieldbus através de uma ligação especial de um
módulo adaptador de fieldbus à ranhura opcional 2. Para mais informação sobre
as opções de fieldbus, contacte o seu fornecedor.
Quando é usada a comunicação em série, o ACS550 pode:
• Receber todas as informações de controlo do fieldbus, ou
• Ser controlado por uma combinação de controlo por fieldbus e outros locais de
controlo disponíveis, tais como as entradas analógicas e digitais, e a consola de
operação.

Introdução ao Modbus
O protocolo Modbus foi introduzido pela Modicon, Inc. para uso em ambientes
controlados através de controladores programáveis Modicon. Devido ao seu uso e
implementação simplificados, esta linguagem PLC comum foi rapidamente
adoptada como standard para integração numa vasta variedade de controladores e
dispositivos seguidores.
O Modbus é um protocolo de série, assíncrono. As transacções são parte-duplex,e
introduzem um único Mestre que controla um ou mais Seguidores. Enquanto o
RS232 pode ser usado para comunicação ponto-a-ponto entre um único Mestre e
um único Seguidor, uma implementação mais comum introduz uma rede multi-drop
RS485 onde um único Mestre controla diversos Seguidores. O ACS550 introduz o
RS485 para o seu interface físico Modbus.
A especificação Modbus distingue dois modos distintos de transmissão: o ASCII e o
RTU. O ACS550 suporta unicamente o RTU.
O resto deste capítulo assume que o utilizador tem conhecimentos básicos sobre
Protocolo Modbus e sobre a sua aplicação num ambiente controlado. Se necessitar
de informação adicional sobre Modbus, contacte o seu fornecedor ABB para obter
uma cópia do “Modbus Protocol Reference Guide”.

Activação do Portocolo Modbus


De fábrica, o controlo por fieldbus não vem operacional. Para activar o Modbus
standard, ajuste o parâmetro 9802 SEL PROT COM = 1 (MODBUS STD). Depois desta
simples modificação, o ACS550 está pronto a comunicar através da porta RS485
usando as definições de comunicação programadas na fábrica. Neste ponto, pode
ler ou alterar parâmetros usando a comunicação em série.

Ajustes da comunicação
Os ajustes da comunicação definem o número da estação, a velocidade de
comunicação, a verificação de paridade, e o número de bits de paragem. Estes

Arranque
148 Manual do Utilizador do ACS550

ajustes são definidos usando os parâmetros no Grupo 53: Protocolo EFB. Os


ajustes por defeito são apresentados na tabela seguinte.
Canal 1 Ajustes da comunicação
Número da Velocidade de Bit de Bits de Número de
estação comunicação paridade paragem bits de dados
Parâmetro 5302 5303 5304 Nenhum
Ajuste por defeito 1 9600 bps Nenhum 2 8

Para mais informação sobre estes parâmetros, veja "Grupo 53: Protocolo EFB" na
página 132.

Nota! Depois de qualquer alteração aos ajustes de comunicação, o protocolo deve


ser reactivado ou através da reposição da alimentação do accionamento, ou através
da limpeza e reposição da identificação da estação (5302).

Perda de comunicação
Use o Grupo 30: Funções de Falha para configurar o comportamento do ACS550 se
a comunicação for perdida. Os ajustes por defeito são apresentados na tabela
seguinte:
Parâmetro Ajuste por defeito
3018 FUNC FALHA COM = 0 (NÃO SEL) – Sem resposta à perda da comunicação em série.
3019 TEMP FALHA COM = 3 – A perda da comunicação em série deve ser de pelo menos 3
segundos antes da resposta especificada (se definida).

Para mais informação sobre estes parâmetros, veja “Grupo 30: Funções Falha” na
página 105.

Contadores de diagnóstico
O ACS550 inclui três parâmetros (5306, 5307, 5308) que funcionam como
contadores de diagnóstico para usar na depuração do sistema Modbus. Estes
contadores:
• Contam até 65535, e voltam depois ao 0.
• Guardam os valores na memória permanente quando a alimentação é desligada.
• Podem ser repostos ou a partir da consola de operação ou da comunicação em
série repondo o zero no parâmetro.

Locais de controlo
O ACS550 pode receber informação sobre controlo de diversas fontes, includindo
as E/S digitais, as E/S analógicas, a consola de operação, e a comunicação em
série. Para controlar o ACS550 através da porta RS485, deve:
• Ajustar os parâmetros para aceitar comandos de controlo por comunicação em
série (veja "A PALAV CONTROLO e a PALAV ESTADO – Perfil standard (Accion.
ABB)" na secção abaixo) e/ou referências de frequência (veja "Referências" na
secção abaixo).

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 149

• Usando a consola de operação do accionamento, ajuste o ACS550 para controlo


remoto.

Controlo de relés
Pode usar a comunicação em série para controlo de relés conforme descrito abaixo.
• Use os parâmetros no Grupo 14, Saídas a Relé para configurar uma saída a relé
para responder à comunicação em série.
• Controle o(s) relé(s) através do parâmetro 0134 (registro Modbus 40134) ou
através da bobina Modbus apropriada (bobinas Modbus 33…38).
Por exemplo: Para controlar os relés 1 e 2 usando a comunicação em série:
Ajuste os parâmetros 1401 SAÍDA RELÉ 1 e 1402 SAÍDA RELÉ 1 = 35 (COM).
Depois:
• Para ligar o Relé 1, pode:
– Escrever “1” no registo do Modbus 40134, ou
– Forçar a bobina Modbus 33 para Ligado.
• Para ligar o Relé 2, pode:
– Escrever “2” no registo do Modbus 40134, ou
– Forçar a bobina Modbus 34 para Ligado.
• Para ligar o Relé 1 e 2, pode:
– Escrever “3” no registo do Modbus 40134, ou
– Forçar as bobinas Modbus 33 e 34 para Ligado.

Esquema do espaço de referência do Modbus do ACS550


Perfis de comunicação
Através da comunicação Modbus, o ACS550 suporta diversos perfis para
informação sobre controlo e estado. O parâmetro 5305 (PERFIL CTRL EFB) selecciona
o perfil usado.
• ACCION ABB (Standard) – O perfil primário (e de fábrica) é o Perfil Accion ABB,
que normaliza o interface de controlo entre os accionamentos ABB. Este perfil é
baseado no interface PROFIBUS, e é apresentado detalhadamente nas secções
seguintes.
• ACS550 (Alternar) – Um perfil alternado é chamado um Perfil ACS550. Aumenta o
interface de controlo e de estado até 32 bits e é o interface interno entre a
aplicação principal do accionamento e o ambiente envolvente do fieldbus. Este
perfil é destinado unicamente a utilizadores avançados. Este manual não cobre
este Perfil do ACS550 detalhadamente. Contacte o seu fornecedor ABB se
necessitar de mais informações sobre este perfil.
Endereço Modbus
Com o Modbus, cada código de função implica acesso a conjuntos específicos de
referências Modbus. No entanto, o digito de comando não está incluído no campo
do endereço de uma mensagem Modbus.

Arranque
150 Manual do Utilizador do ACS550

Nota: O ACS550 suporta um endereço base-zero na especificação Modbus. O


endereço do registo 40002 é 0001 na mensagem Modbus. Da mesma forma, o
endereço da bobina 33 é 0032 na mensagem Modbus.

Os parâmetros do ACS550 e o “mapa” E/S para o espaço da referência Modbus são


definidos na tabela seguinte.
Conj Referência
ACS550 Códigos de função suportados
Modbus
• Bits de controlo Bobinas (0xxxx) • 01 – Leia estado da bobina
• Saídas a relé • 05 – Force uma única bobina
• 15 – Force diversas bobinas (0x0F Hex)
• Bits de estado Entradas discretas • 02 – Leia o estado da entrada
• Entradas (1xxxx)
discretas
• Entradas Registos de entrada • 04 – Leia os registos de entrada
analógicas (3xxxx)
• PALAV CONTROLO Registos guardados • 03 – Leia os registos 4xxxx
• PALAV ESTADO (4xxxx) • 06 – Ajuste um único registo 4xxxx
• Referências • 16 – Ajuste diversos registos 4xxxx (0x10 Hex)
• Parâmetros • 23 – Leia/escreva registos 4xxxx (0x17 Hex)

As secções seguintes descrevem, detalhadamente, o mapeamento de cada


conjunto de referências Modbus.
Mapa 0xxxx – Bobinas Modbus
O accionamento regista a informação seguinte no conjunto de Modbus 0xxxx
chamado Bobinas Modbus:
• Mapa bit-wise da PALAV CONTROLO (seleccione usando o parâmetro 5305 PERFIL
CTRL EFB). As primeiras 32 bobinas estão reservadas para este fim.

• Estados da saída a relé, numerados sequencialmente a partir da bobina 00033.


A tabela seguinte resume o conjunto de referências 0xxxx:
ACS550
Ref.
Modbus Localização interna Perfil standard (ACCION ABB) Perfil Alternar (ACS550)
(Todos os perfis) 5305 PERFIL CTRL EFB = 0 5305 PERFIL CTRL EFB = 1
00001 PALAV CONTROLO - Bit 0 OFF1* PARAR
00002 PALAV CONTROLO - Bit 1 OFF2* ARRANCAR
00003 PALAV CONTROLO - Bit 2 OFF3* INVERSO
00004 PALAV CONTROLO - Bit 3 ARRANCAR LOCAL
00005 PALAV CONTROLO - Bit 4 N/A RESET
00006 PALAV CONTROLO - Bit 5 PARAG_RAMPA* EXT2
00007 PALAV CONTROLO - Bit 6 RAMPA_EM_ZERO* FUNC_DISABLE
00008 PALAV CONTROLO - Bit 7 RESET MODOSTP_R
00009 PALAV CONTROLO - Bit 8 N/A MODOSTP_EM

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 151

ACS550
Ref.
Modbus Localização interna Perfil standard (ACCION ABB) Perfil Alternar (ACS550)
(Todos os perfis) 5305 PERFIL CTRL EFB = 0 5305 PERFIL CTRL EFB = 1
00010 PALAV CONTROLO - Bit 9 N/A MODOSTP_C
00011 PALAV CONTROLO - Bit 10 N/A RAMPA_2
00012 PALAV CONTROLO - Bit 11 EXT2 RAMPA_OUT_0
00013 PALAV CONTROLO - Bit 12 N/A PARAG_RAMPA
00014 PALAV CONTROLO - Bit 13 N/A RAMPA_IN_0
00015 PALAV CONTROLO - Bit 14 N/A BLOQLOCAL_REQ
00016 PALAV CONTROLO - Bit 15 N/A LIMBIN2
00017… Reservado Reservado Reservado
00032
00033 Saída Relé 1 Saída Relé 1 Saída Relé 1
00034 Saída Relé 2 Saída Relé 2 Saída Relé 2
00035 Saída Relé 3 Saída Relé 3 Saída Relé 3
00036 Saída Relé 4 Saída Relé 4 Saída Relé 4
00037 Saída Relé 5 Saída Relé 5 Saída Relé 5
00038 Saída Relé 6 Saída Relé 6 Saída Relé 6

Nota: * = Activo

Para os registos 0xxxx:


• O estado está sempre legível.
• É permitido forçar o accionamento pela configuração do utilizador para o controlo
por fieldbus.
• Saídas adicionais a relé são adicionadas sequencialmente.
O ACS550 suporta os seguintes códigos de função Modbus para bobinas:
Código de função Descrição
01 Leia o estado da bobina
05 Force uma única bobina
15 (0x0F Hex) Force diversas bobinas

Mapa 1xxxx – Entradas discretas Modbus


O accionamento regista a informação seguinte no conjunto de Modbus 1xxxx
chamado Entradas Discretas Modbus:
• Mapa bit-wise da PALAV CONTROLO (seleccione usando o parâmetro 5305 PERFIL
CTRL EFB). As primeiras 32 bobinas estão reservadas para este fim.

• Entradas discretas de hardware, numeradas sequencialmente a partir da entrada


33.

Arranque
152 Manual do Utilizador do ACS550

A tabela seguinte resume o conjunto de referências 1xxxx:


ACS550
Ref.
Modbus Localização interna Perfil standard (ACCION ABB) Perfil Alternar (ACS550)
(Todos os perfis) 5305 PERFIL CTRL EFB = 0 5305 PERFIL CTRL EFB = 1
10001 PALAV ESTADO - Bit 0 RDY_ON PRONTO
10002 PALAV ESTADO - Bit 1 RDY_RUN ACTIVO
10003 PALAV ESTADO - Bit 2 RDY_REF ARRANCAR
10004 PALAV ESTADO - Bit 3 DISPARO EM FUNCION
10005 PALAV ESTADO - Bit 4 OFF_2_STA* VELOC_ZERO
10006 PALAV ESTADO - Bit 5 OFF_3_STA* ACELERAR
10007 PALAV ESTADO - Bit 6 SWC_ON_INHIB DESACELERAR
10008 PALAV ESTADO - Bit 7 ALARME AT_SETPOINT
10009 PALAV ESTADO - Bit 8 AT_SETPOINT LIMITE
10010 PALAV ESTADO - Bit 9 REMOTO SUPERVISÃO
10011 PALAV ESTADO - Bit 10 ACIMA_LIMITE REV_REF
10012 PALAV ESTADO - Bit 11 EXT2 REV_ACT
10013 PALAV ESTADO - Bit 12 PERMIS_FUNC PAINEL_LOCAL
10014 PALAV ESTADO - Bit 13 N/A FIELDBUS_LOCAL
10015 PALAV ESTADO - Bit 14 N/A EXT2_ACT
10016 PALAV ESTADO - Bit 15 N/A FALHA
10017 PALAV ESTADO - Bit 16 Reservado ALARME
10018 PALAV ESTADO - Bit 17 Reservado MANUT_REQ
10019 PALAV ESTADO - Bit 18 Reservado BLOQDIR
10020 PALAV ESTADO - Bit 19 Reservado BLOQLOCAL
10021 PALAV ESTADO - Bit 20 Reservado MODO_CTL
10022 PALAV ESTADO - Bit 21 Reservado Reservado
10023 PALAV ESTADO - Bit 22 Reservado Reservado
10024 PALAV ESTADO - Bit 23 Reservado Reservado
10025 PALAV ESTADO - Bit 24 Reservado Reservado
10026 PALAV ESTADO - Bit 25 Reservado Reservado
10027 PALAV ESTADO - Bit 26 Reservado REQ_CTL

10028 PALAV ESTADO - Bit 27 Reservado REQ_REF1

10029 PALAV ESTADO - Bit 28 Reservado REQ_REF2

10030 PALAV ESTADO - Bit 29 Reservado REQ_REF2EXT

10031 PALAV ESTADO - Bit 30 Reservado ACK_STARTINH

10032 PALAV ESTADO - Bit 31 Reservado ACK_OFF_ILCK

10033 ED1 ED1 ED1

10034 ED2 ED2 ED2

10035 ED3 ED3 ED3

10036 ED4 ED4 ED4

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 153

ACS550
Ref.
Modbus Localização interna Perfil standard (ACCION ABB) Perfil Alternar (ACS550)
(Todos os perfis) 5305 PERFIL CTRL EFB = 0 5305 PERFIL CTRL EFB = 1
10037 ED5 ED5 ED5

10038 ED6 ED6 ED6

Nota: * = Activo
Para registos 1xxxx:
• Entradas discretas adicionais são adicionadas sequencialmente.
O ACS550 suporta os seguintes códigos de função Modbus para entradas
discretas:
Códigos de função Descrição
02 Leia estado entrada

Mapa 3xxxx – Entradas Modbus


O accionamento regista a informação seguinte no conjunto de Modbus 3xxxx
chamados Registos de Entrada Modbus:
• Qualquer entrada analógica definida pelo utilizador.
A tabela seguinte resume os registos de entrada:
Todos os
Referência
perfis do Notas
Modbus
ACS550
30001 EA1 Este registo relata o nível da Entrada Analógica 1 (0…100%).
30002 EA2 Este registo relata o nível da Entrada Analógica 2 (0…100%).

O ACS550 suporta os seguintes códigos de função Modbus para os registos 3xxxx:


Código de função Descrição
04 Leia o estado da entrada 3xxxx

Mapa de Registo 4xxxx


O accionamento regista os seus parâmetros e outros dados no diário 4xxxx como se
segue:
• Mapa 40001…40099 do controlo do accionamento e dos valores actuais. Estes
registos são descritos na tabela abaixo.
• Mapa 40101…49999 dos parâmetros do accionamento 0101…9999. Regista
endereços inválidos que não correspondam aos parâmetros do accionamento.
Se se tentar ler ou escrever fora dos endereços do parâmetro, o interface
Modbus devolve para o controlador um código de excepção.

Arranque
154 Manual do Utilizador do ACS550

A tabela seguinte resume os registos de cntrolo 4xxxx 40001…40099 (para registos


4xxxx acima de 40099, veja a lista de parâmetros , ex.: 40102 é o parâmetro 0102):
Perfil standard
Registo ACS550 Acesso Notas
Modbus
(ACCION ABB)
40001 PALAV CONTROLO R/W Suportado unicamente se o accionamento for
configurado para usar o Perfil Accion ABB (5305 = 0).
40002 Referência 1 R/W Gama = 0…+20000 (escalada para 0…1105 REF1
MAX),
ou -20000…0 (escala para 1105 REF1 MAX…0).
40003 Referência 2 R/W Gama = 0…+10000 (escala para 0…1108 REF2 MAX),
ou -10000…0 (escala para 1108 REF2 MAX…0).
40004 PERFIL ACCION ABB R Suportado unicamente se o accionamento for
configurado para usar o Perfil Accion ABB (5305 = 0).
40005 Actual 1 R Por defeito, guarda uma cópia de 0103 FREQ SAÍDA.
(seleccionar com Use parâmetro 5310 para seleccionar um valor actual
5310) diferente para este registo.
40006 Actual 2 R Por defeito, guarda uma cópia de 0104 CORRENTE. Use
(seleccionar com parâmetro 5311 para seleccionar um valor actual
5311) diferente para este registo.
40007 Actual 3 R Por defeito, não guarda. Use o parâmetro 5312 para
(seleccionar com seleccionar um valor actual para este registo.
5312)
40008 Actual 4 R Por defeito, não guarda. Use o parâmetro 5313 para
(seleccionar com seleccionar um valor actual para este registo
5313)
40009 Actual 5 R Por defeito, não guarda. Use o parâmetro 5314 para
(seleccionar com seleccionar um valor actual para este registo
5314)
40010 Actual 6 R Por defeito, não guarda. Use o parâmetro 5315 para
(seleccionar com seleccionar um valor actual para este registo
5315)
40011 Actual 7 R Por defeito, não guarda. Use o parâmetro 5316 para
(seleccionar com seleccionar um valor actual para este registo
5316)
40012 Actual 8 R Por defeito, não guarda. Use o parâmetro 5317 para
(seleccionar com seleccionar um valor actual para este registo
5317)
40031 PALAV CTRL LSW R/W Regista directamente a Palavra Menos Significativa do
ACS550 Perfil do ACS550 PALAV CTRL.
Veja parâmetro 0301.
40032 PALAV CTRL MSW R Regista directamente a Palavra Mais Significativa do
ACS550 Perfil do ACS550 PALAV CTRL.
Veja parâmetro 0302.
40033 PALAV ESTADO LSW R Regista directamente a Palavra Menos Significativa do
ACS550 Perfil do ACS550 PALAV ESTADO.
Veja parâmetro 0303.
40034 PALAV ESTADO MSW R Regista directamente a Palavra Mais Significativa do
ACS550 Perfil do ACS550 PALAV ESTADO.
Veja parâmetro 0304.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 155

Excepto onde não seja permitido pelo accionamento, todos os parâmetros estão
disponíveis quer para leitura quer para escrita. O valor correcto dos parâmetros é
verificado assim como o registo de endereços válidos.

Nota! As alterações nos parâmetros feitas através do Modbus standard são sempre
voláteis ex. os valores modificados não são guardados automaticamente na
memória permanente. Use o parâmetro 1607 GUARD PARAM para guardar as
alterações.

O ACS550 suporta os seguintes códigos de função Modbus para registos 4xxxx:


Código de função Descrição
03 Leia os registos 4xxxx
06 Ajuste um único registo 4xxxx
16 (0x10 Hex) Ajuste diversos registos 4xxxx
23 (0x17 Hex) Leia/altere os registos 4xxxx

A PALAV CONTROLO e a PALAV ESTADO – Perfil standard (Accion. ABB)


PALAV CONTROLO. Os conteúdos do endereço do registo 40001 (PALAV
CONTROLO) são o principal meio de controlo do accionamento a partir de um sistema
de fieldbus. A estação de fieldbus mestre envia a PALAV CONTROLO ao
accionamento. O dispositivo alterna entre estados de acordo com as instruções de
bit codificadas na PALAV CONTROLO. O uso da PALAV CONTROLO necessita que:
• O accionamento esteja em controlo remoto (REM).
• O canal de comunicação em série seja definido como fonte para os comandos de
controlo (ajuste usando os parâmetros 1001 COMANDO EXT1, 1002 COMANDO EXT2
e 1102 sel EXT1/EXT2).
• O canal de comunicação em série seja configurado para Parâmetro Modbus
Standard: Parâmetro 9802 SEL PROT COM = 1 (MODBUS STD).
• Parâmetro 5305 CTRL PERFIL EFB = 0 (ACCION ABB)
A tabela seguinte e o diagrama de estada nesta sub-secção descrevem o conteúdo
da PALAV CONTROLO.
40001 PALAV CONTROLO
Bit Valor Estado Comando Notas
0 1 PRONTO PARA
OPERAR

0 EMERGÊNCIA O accionamento pára por atrito de acordo com o parâmetro


DESLIGADA 2203 TEMPO DESACEL 1.
Sequência normal de comando:
• OFF1 activo
• PRONTO PARA LIGAR, a não ser que outros encravamentos
(OFF2, OFF3) estejam activos.

Arranque
156 Manual do Utilizador do ACS550

40001 PALAV CONTROLO


Bit Valor Estado Comando Notas
1 1 EM FUNCIONAMENTO OFF2 inactivo
0 EMERGÊNCIA O accionamento pára.
DESLIGADA Sequência normal de comando:
• OFF2 activo
• ALTERAÇÃO DESACTIVADA
2 1 EM FUNCIONAMENTO OFF3 inactivo
0 PARAGEM DE O accionamento pára por atrito de acordo com o parâmetro
EMERGÊNCIA 2205 TEMPO ACEL 2.
Sequência normal de comando:
• OFF3 activo
• ALTERAÇÃO DESACTIVADA
3 1 FUNCIONAMENTO Introduza FUNC ACTIVO (Note que o sinal de Permissão Func
ACTIVO deve estar presente na entrada digital – veja o parâmetro
1601 PERMISSÃO FUNC).
0 FUNCIONAMENTO Funcionamento inactivo. Introduza FUNC INACTIVO
INACTIVO

4 Não usado
5 1 SAIDA RFG ACTIVA Funcionamento normal.
Introduza RAMPA FUNC GERADOR: ACELERAÇÃO ACTIVA
0 PARAG SAIDA RFG Paragem da rampa (Paragem da saída da Rampa Func
Gerador)
6 1 ENTRAD RFG ACTIVA Funcionamento normal. Introduza EM OPERAÇÃO
0 ENTRAD RFG ZERO Force a entrada da Rampa Func Gerador para zero.
7 0=>1 REARME Rearme de falha (Introduza LIGAÇÃO INACTIVA)
0 EM FUNCIONAMENTO (Continue a operação normal)
8…10 Não usado
11 1 SELEC EXT2 Seleccione o local de controlo externo 2 (EXT2)
0 SELEC EXT1 Seleccione o local de controlo externo 1 (EXT1)
12…15 Não usado

PALAV ESTADO. O conteúdo do endereço do registo 40004 (PALAV ESTADO) é


informação sobre o estado enviado pelo accionamento à estação mestre. A tabela
seguinte e o diagrama de estado mais adiante nesta sub-secção descrevem o
conteúdo da PALAV ESTADO
40004 PALAV ESTADO
Bit Valor Descrição (Corresponde a estados/caixas no diagrama de estado)
0 1 pronto para ser ligado
0 não está pronto para ser ligado
1 1 pronto para funcionar
0 off1 activo
2 1 operação activa
0 Não está pronto (OPERAÇÃO INACTIVA)

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 157

40004 PALAV ESTADO


Bit Valor Descrição (Corresponde a estados/caixas no diagrama de estado)
3 0…1 falha
0 Sem falha
4 1 OFF2 inactivo
0 OFF2 ACTIVO

5 1 OFF3 inactivo
0 OFF3 ACTIVO

6 1 arranque inactivo
0
7 1 O alarme está activo. Veja "Listagem de alarmes" na página 168 sobre a lista de
alarmes relevantes.
0 Sem alarme
8 1 EM FUNCIONAMENTO. O valor actual é igual ao valor de referência (= está dentro
dos limites de tolerância).
0 O valor actual é diferente do valor de referência (= está fora dos limites de
tolerância).
9 1 Local de controlo do accionamento: REMOTO
0 Local de controlo do accionamento: LOCAL
10 1 O valor do primeiro parâmetro supervisionado é igual ou é maior do que o limite
de supervisão. Consulte o Grupo 32: Supervisão.
0 O valor do primeiro parâmetro supervisionado está abaixo do limite de supervisão
11 1 Local de controlo externo 2 (EXT2) seleccionado
0 Local de controlo externo 1 (EXT1) seleccionado
12 1 Sinal de Permissão de Funcionamento recebido
0 Não foi recebido o sinal de Permissão de Funcionamento
13… 15 Não usado

Nota! O funcionamento da PALAV CONTROLO e da PALAV ESTADO estão em


conformidade com o Perfil Accion ABB com excepção de: PALAV CONTROLO bit 10
(REMOTE_CMD) que não é usada pelo ACS550.

Exemplo. Usando a PALAV CONTROLO para arrancar o accionamento:


• Primeiro, os requisitos para usar a PALAV CONTROLO devem ser seguidos. Veja
acima.
• Quando a alimentação é ligada pela primeira vez, o estado do accionamento não
está pronto para ligar. Veja o caminho assinalado com ( ) no diagrama de
estado abaixo.

Arranque
158 Manual do Utilizador do ACS550

• Use a PALAV CONTROLO para percorrer os estados da máquina até chegar ao


estado OPERAÇÃO que significa que o accionamento está a funcionar seguindo a
referência fornecida. Veja a tabela abaixo.
Passo PALAV CONTROLO Valor Descrição
1 CW = 0000 0000 0000 0110 Este valor de CW altera o estado do accionamento de
PRONTO para LIGAR.
bit 15 bit 0
2 Espere pelo menos 100 ms antes de avançar.
3 CW = 0000 0000 0000 0111 Este valor de CW altera o estado do accionamento de
PRONTO para OPERAR
4 CW = 0000 0000 0000 1111 Este valor de CW altera o estado do accionamento para
OPERAÇÃO ACTIVA. O accionamento arranca, mas não acelera.
5 CW = 0000 0000 0010 1111 Este valor de CW liberta a saída da rampa função de gerador
(RFG), e muda o estado do accionamento para RFG:
ACELERAÇÃO ACTIVA.

6 CW = 0000 0000 0110 1111 Este valor de CW liberta a saída da rampa função de gerador
(RFG), e altera o estado do accionamento para OPERAÇÃO. O
accionamento acelera até à referência fornecida e segue a
referência.

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 159

O diagrama de estado abaixo descreve os bits da função de arranque/paragem da


PALAV CONTROLO (CW) e da PALAV ESTADO (SW).
Qualquer estado Qualquer estado Qualquer estado
Parag Emerg Parag Emerg falha
OFF3 (CW Bit2=0) OFF2 (CW Bit1=0)

OFF3 OFF2
(SW Bit5=0) (SW Bit4=0) Falha (SW Bit3=1)
ACTIVA ACTIVA

f=0 / I=0 (CW Bit7=1)*

Qualquer estado
ARRANQUE
OFF1 (CW Bit0=0) ALIM OFF INACTIVO (SW Bit6=1)

f=0 / I=0 Potência ON (CW Bit0=0)

A C D NÃO PRONTO
(SW Bit0=0)
PARA LIGAR

(CW Bit3=0) (CW xxxx xxxx xxxx x110)

OPERAÇÃO PRONTO PARA (SW Bit0=1)


(SW Bit2=0)
INACTIVO LIGAR

(CW xxxx xxxx xxxx x111)

C D PRONTO PARA
(SW Bit1=1)
OPERAR

(CW Bit5=0) (CW Bit3=1 and


SW Bit12=1)

OPERAÇÃO
D (SW Bit2=1)
ACTIVA

A
(CW Bit6=0) (CW Bit5=1)

CHAVE
Estado RFG: ACELERAÇÃO
ACTIVA
CW = PALAV CONTROLO
SW = PALAV ESTADO C
Caminho descrito no exemplo (CW Bit6=1)
I = Param. 0104 CORRENTE
f = Param. 0103 FREQ SAÍDA EM OPERAÇÃO (SW Bit8=1)
RFG = Rampa Função Gerador
D
*Esta transição de estado também ocorre se a falha for rearmada a partir de outra fonte (ex: entrada digital)

di it l i t)

Arranque
160 Manual do Utilizador do ACS550

Referências
As referências são palavras de 16-bit constituídas por um bit de sinal e um inteiro de
15-bit. Uma referência negativa (indicando sentido de rotação inverso) é indicado
pelos dois complementos do valor de referência positivo correspondente.
Referência 1. O conteúdo do registo do endereço 40002 REFERÊNCIA 1 pode ser
usado como referência de frequência, REF1. Os ajustes do parâmetro necessários
são:
• Use 1102 SEL EXT1/EXT2 para identificar a entrada de controlo que selecciona
entre EXT1 e EXT2. Depois a entrada de controlo deve seleccionar EXT1.
• 1103 SEL REF 1 = 8 (COM), 9 (COM + EA1), ou 10 (COM * EA).
Para escalamento com valores positivos: +20000 no registo 40002 é igual ao valor
do parâmetro 1105 MAX REF1, e zero no registo 40002 é igual a um valor zero para
a ref 1. Os diagramas abaixo apresentam quer as situações positivas quer as
negativas. 1104 MIN REF1 não é usado.

Ext ref Valores negativos


P 1105 -20000 0
0
(MAX) Valor
40002
OR
40002
Valor (MAX)
0 P 1105
0 20000
Valores positivos Ext ref

Referência 2. O conteúdo do registo do endereço 40003 REFERÊNCIA 2 pode ser


usado como referência de frequência REF2. Os ajustes do parâmetro necessários
são:
• Use 1102 SEL EXT1/EXT2 para identificar a entrada de controlo que selecciona
entre EXT1 e EXT2. Depois a entrada de controlo deve seleccionar EXT2
• 1106 SEL REF 2 = 8 (COM), 9 (COM + EA1), ou 10 (COM * EA).
Para escalamento com valores positivos: +10000 no registo 40003 é igual ao valor
do parâmetro 1108 MAX REF2, e zero no registo 40003 é igual a um valor zero para
a ref 2. Os diagramas abaixo apresentam quer as situações positivas quer as
negativas. 1107 MIN REF2 não é usado.
Ext ref Valores negativos
P 1108 -10000 0
0
(MAX) Valor
40003
OR
40003
Valor (MAX)
0 P 1108
0 10000
Valores positivos Ext ref

Arranque
Manual do Utilizador do ACS550 161

Valores actuais
Os conteúdos do registo dos endereços 40005…40012 são VALOR ACTUAL e são:
• Especificados usando os parâmetros 5310…5317.
• Valores só de leitura com informação sobre a operação do accionamento.
• Palavras de 16-bit com um bit de sinal e um inteiro de 15-bit.
• Valores negativos quando introduzidos como dois complementos do valor
positivo correspondente.
• Escalados como definido para o parâmetro seleccionado.

Códigos de excepção
Os códigos de excepção são respostas de comunicação em série a partir do
accionamento. O ACS550 suporta os códigos de excepção do Modbus standard
definidos abaixo.
Código
Nome Meio
Excepção
01 FUNÇÃO ILEGAL Comando não suportado
02 DADOS ENDEREÇO Os dados de endereço recebidos não são permitidos. Não é
ILEGAL um parâmetro/grupo definido.
03 DADOS VALOR ILEGAL Um valor incluido no campo do conjunto de dados não é um
valor permitido para o ACS550, por causa de uma das
seguintes razões:
• Fora dos limites min. ou max.
• Parâmetro só de leitura.
• A mensagem é muito longa.
• Alteração de parâmetro não permitida quando o arranque
está activo.
• Alteração do parâmetro não permitida quando é
seleccionada a macro de fábrica.

Arranque
162 Manual do Utilizador do ACS550

Diagnósticos

Aviso! Não efectue nenhuma medição, substituição de peças ou qualquer


outro procedimento de manutenção que não esteja descrito neste manual.
Tais acções anulam a garantia, põem em risco o correcto funcionamento, e
aumentam o tempo de paragem e os custos.

Aviso! Toda a instalação eléctrica e trabalhos de manutenção descritos neste


capítulo devem ser efectuados por pessoal qualificado. Devem ser cumpridas
as Instruções de Segurança nas primeiras páginas deste manual.

Ecrãs de diagnóstico
O accionamento detecta situações de erro e emite um relatório usando:
• O LED verde e vermelho no corpo do accionamento
• O LED de estado na consola de operação (se existir uma consola de operação
ligada ao accionamento)
• O ecrã da consola de operação (se existir uma consola de operação ligada ao
accionamento)
• Os bits do parâmetro Palav Falha e Palav Alarme (parâmetros 0305 a 0309).
Veja "Grupo 03: Sinais actuais FB" na página 74 sobre as definições de bit.
A forma do ecrã depende da gravidade do erro. Pode especificar a gravidade de
muitos dos erros programando o accionamento para:
• Ignorar a situação de erro.
• Reportar a situação como um alarme.
• Reportar a situação como uma falha.

Falhas - Vermelho
O accionamento assinala que foram detectados erros graves, ou falhas, e:
• Activa o LED vermelho no accionamento (o LED está ou fixo ou intermitente).
• Definindo um bit apropriado no parâmetro Palav Falha (0305 a 0307).
• Assinalando no ecrã da consola de operação um código de falha.
• Parando o motor (se estiver ligado).
O código de falha no ecrã da consola de operação é temporário. Ao premir qualquer
uma das seguintes teclas remove a mensagem de falha: MENU, ENTER, botão UP,
ou botão DOWN. A mensagem reaparece depois de alguns segundos se a consola
de operação não for mexida e a falha ainda estiver activa.

Diagnósticos
Manual do Utilizador do ACS550 163

Alarmes – Verdes
Para erros menores, os chamados alarmes, o ecrã diagnóstico é facultativo. Para
estas situações, o accionamento reporta simplesmente a detecção de algo “não
usual”. Nestas situações, o accionamento:
• Pisca o LED verde do accionamento (não aplicável a alarmes provenientes de
erros da consola de operação).
• Define um bit apropriado num parâmetro de Palav Alarme (0308 ou 0309). Veja
"Grupo 03: Sinais actuais FB" na página 74 sobre as definições dos bits.
• Ultrapassa o ecrã da consola de operação com a exibição de um código e/ou
nome de alarme.
As mensagens de alarme desaparecem do ecrã da consola de operação após
alguns segundos. A mensagem volta periodicamente enquanto existir a condição de
alarme.

Correcção de falhas
A acção correctiva recomendada para falhas é:
• Use a tabela "Lista de falhas" abaixo para encontrar e reconhecer a causa do
problema.
• Rearme o accionamento. Veja “Rearme de falhas” na página 166.

Lista de falhas

Cód Nome da falha


Descrição e acção correctiva recomendada
Falha no painel
1 SOBRECORRENT Corrente de saída excessiva. Verifique e corrija:
• Carga excessiva do motor.
• Tempo de aceleração insuficiente (parâmetros 2202 TEMPO ACEL 1 e
2205 TEMPO ACEL 2).
• Motor, cabos ou ligações do motor avariados.
2 SOBRETENS CC Tensão CC do circuito intermédio excessiva. Verifique e corrija:
• Sobretensões estáticas ou transitórias na rede de alimentação.
• Tempo de desaceleração insuficiente (parâmetros 2203 TEMPO
DESACEL1 e 2206 TEMPO DESACEL2).
• Chopper de travagem subdimensionado (se presente).
3 SOBRETEMP Temperatura do dissipador do accionamento excessiva. Temperatura
acima ou a 115 °C (239 °F). Verifique e corrija:
• Falha do ventilador.
• Obstruções no fluxo de ar.
• Sujidade ou revestimento de poeira no dissipador.
• Temperatura ambiente excessiva.
• Carga excessiva do motor.
4 CURTO CIRC Corrente em falha. Verifique e corrija:
• Curto-circuito no cabo(s) do motor ou no motor.
• Perturbações na alimentação.

Diagnósticos
164 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Nome da falha


Descrição e acção correctiva recomendada
Falha no painel
5 SOBRECARGA Condição de sobrecarga do inversor. A corrente de saída do accionamento
excede os valores nominais fornecidos em "Gamas de corrente" na página
174 deste manual.
6 SUBTENSÃO CC Tensão CC do circuito intermédio insuficiente. Verifique e corrija:
• Fase em falta na rede de alimentação.
• Fusível queimado.
• Subtensão na rede.
7 PERDA EA1 Perda da entrada analógica 1. Valor da entrada analógica menor que EA1
FALH MIN (3021). Verifique e corrija:
• A fonte e ligação da entrada analógica.
• As definições do parâmetro EA1 FALH MIN (3021) e 3001 FUNÇÃO EA<MIN.
8 PERDA EA2 Perda da entrada analógica 2. Valor da entrada analógica menor que EA2
FALH MIN(3022). Verifique e corrija:
• A fonte e ligação da entrada analógica.
• As definições do parâmetro EA2 FALH MIN (3022) e 3001 FUNÇÃO EA<MIN.
9 SOBRETEMP Motor muito quente, baseado ou na estimativa do accionamento ou no
MOT feedback de temperatura.
• Verifique se o motor está em sobrecarga.
• Ajuste os parâmetros usados pela estimativa (3005…3009).
• Verifique os sensores de temperatura e os parâmetros do Grupo 35.
10 PERDA PAINEL Perda de comunicação do painel, porque:
• O accionamento está em modo de controlo local (o painel de controlo
exibe LOC), ou
• O accionamento está em modo de controlo remoto (REM) e está
parâmetrizado para aceitar comandos de arrancar/parar, sentido ou
referência a partir do painel.
Para corrigir verifique:
• Linhas e ligações de comunicação.
• Parâmetro 3002 ERRO COM PAINEL.
• Parâmetros do Grupo 10: Entradas de comando e o Grupo 11: Sel
Referência (se a operação for REM).
11 FALHA ID RUN A ID Run do motor não foi completado com sucesso. Verifique e corrija:
• As ligações do motor
12 BLOQ MOTOR Bloqueio do motor ou do processo. Verifique e corrija:
• Carga excessiva.
• Potência do motor insuficiente.
• Parâmetros 3010…3012.
13 RESERVADO Não usado.
14 FALHA1 EXT A entrada digital definida para reportar a primeira falha externa está activa.
Veja o parâmetro 3003 FALHA EXTERNA 1.
15 FALHA2 EXT A entrada digital definida para reportar a segunda falha externa está activa.
Veja o parâmetro 3004 FALHA EXTERNA 2.
16 FALHA TERRA Desiquilibrio da carga no sistema de entrada de alimentação.
• Verifique/corrija falhas no motor ou no cabo do motor.
• Verifique se o cabo do motor não excede o comprimento máximo
especificado.

Diagnósticos
Manual do Utilizador do ACS550 165

Cód Nome da falha


Descrição e acção correctiva recomendada
Falha no painel
17 SUBCARGA Carga do motor abaixo do esperado. Verifique e corriga:
• Sem carga.
• Parâmetros 3013 FUNC SUBCARGA…3015 CURVA SUBCARGA.
18 FALHA TERM Falha interna. O termistor de medição da temperatura interna do
accionamento está aberto ou desligado. Contacte a ABB local.
19 OPEX LINK Falha interna. Foi detectado um problema relacionado com a comunicação
entre as cartas OMIO e as OITF. Contacte a ABB local.
20 OPEX PWR Falha interna. Detectado um estado de baixa tensão na carta OITF.
Contacte a ABB local.
21 MED CORR Falha interna. A medição de corrente está fora da gama. Contacte a ABB
local.
22 FASE ALIM Ripple em tensão CC muito elevada. Verifique e corrija:
• Falta de fase na rede.
• Fusível queimado.
23 RESERVADO Não usado
24 SOBREVELOC Velocidade do motor é mais alta que 120% do maior (valor absoluto) de
2001 VELOC MINIMA ou 2002 VELOC MAXIMA. Verifique e corrija:
• Definições dos parâmetros 2001 e 2002.
• Adequabilidade do binário de travagem do motor.
• Aplicabilidade do controlo de binário.
• Chopper e resistência de travagem.
25 RESERVADO Não usado.
26 ID ACCIONAM Falha interna. O bloco de configuração de identificação do accionamento
não é válido. Contacte a ABB local.
27 FICH CONFIG O ficheiro de configuração interno tem um erro. Contacte a ABB.
28 ERRO SERIE 1 A comunicação de fieldbus excedeu o tempo de ciclo. Verifique e corrija:
• Definições da falha (3018 FUNC FALHA COM e 3019 TEMPO FALHA COM).
• Definições da comunicação (Grupo 51 ou 53 conforme apropriado).
• Más ligações e/ou ruído na linha.
29 FICH COM EFB Erro na leitura do ficheiro de configuração para o adaptador de fieldbus.
30 TRIP FORÇA Disparo de falha forçado pelo fieldbus. Veja o Manual de Utilizador do
fieldbus.
31 EFB 1 Código de falha reservado para a aplicação do protocolo EFB. O
significado está dependente do protocolo.
32 EFB 2
33 EFB 3
34 FASE MOTOR Falha no circuito do motor. Perda de uma das fases do motor. Verifique e
corrija:
• Falha do motor.
• Falha do cabo do motor.
• Falha do relé térmico (se usado).
• Falha interna.
35 CABOS SAIDA Erro nos cabos de potência. Verifique e corrija:
• A ligação de entrada de potência à saída do accionamento.
• Falhas de terra.

Diagnósticos
166 Manual do Utilizador do ACS550

Cód Nome da falha


Descrição e acção correctiva recomendada
Falha no painel
101 SERF CORRUPT Erro interno do accionamento. Contacte a ABB e informe o número do erro.
102 SERF IITFILE

103 SERF MACRO

104 SERF EFBPROT

105 SERF BPFILE

201 DSP T1 Erro no sistema. Contacte a ABB e informe o número do erro.


OVERLOAD

202 DSP T2
OVERLOAD

203 DSP T3
OVERLOAD

204 DSP STACK


ERROR

205 DSP REV ERROR

206 OMIO ID ERROR

As falhas que indicam conflitos nos ajustes dos parâmetros são listadas abaixo.
Cód Nome da falha
Descrição e acção correctiva recomendada
Falha no painel
1000 PARAM HZ-RPM Valores dos parâmetros inconsistentes. Verifique um dos seguintes:
• 2001 VELOC MINIMA > 2002 VELOC MAXIMA.
• 2007 FREQ MINIMA > 2008 FREQ MAXIMA.
• 2001 VELOC MINIMA / 9908 VELOC NOM MOTOR fora da gama: -128…128.
• 2002 VELOC MAXIMA / 9908 VELOC NOM MOTOR fora da gama: -128…128.
• 2007 FREQ MINIMA / 9907 FREQ NOM MOTOR fora da gama: -128…128.
• 2008 FREQ MAXIMA / 9907 FREQ NOM MOTOR fora da gama: -128…128.
1001 PAR PFCREFNG Valores dos parâmetros inconsistentes. Verifique o seguinte:
• 2007 FREQ MINIMA é negativa, quando 8123 PERMISSÃO PFC está activa.
1002 PAR PFCIOCNF Valores dos parâmetros inconsistentes. O número dos relés PFC
programados não corresponde à configuração de encravamentos, quando
8123 PERMISSÃO PFC está activa. Verifique a consistência da:
• SAIDA RELE parâmetros 1401…1403, e 1410…1412.
• 8117 NR DE MOT AUX, 8118 INTERV COMUT, e 8120 ENCRAVAMENTOS.
1003 ESCALA EA PAR Valores dos parâmetros inconsistentes. Verifique o seguinte:
• 1301 EA 1 MIN > 1302 EA 1 MAX.
• 1304 EA 2 MIN > 1305 EA 2 MAX.
1004 ESCALA SA PAR Valores dos parâmetros inconsistentes. Verifique o seguinte:
• 1504 SA 1 MIN > 1505 SA 1 MAX.
• 1510 SA 2 MIN > 1511 SA 2 MAX.
1005 PAR PCU 2 Valores dos parâmetros de controlo de potência inconsistentes: kVA
nominal do motor ou potência nominal do motor incorrecta. Verifique o
seguinte:
• 1.1 < (9906 CORR NOM MOTOR * 9905 TENS NOM MOTOR * 1.73 / PN) < 2.6
• Onde: PN = 1000 * 9909 POT NOM MOTOR (se as unidades são kW)
ou PN = 746 * 9909 POT NOM MOTOR (se a unidades são HP, ex: na USA)

Diagnósticos
Manual do Utilizador do ACS550 167

Cód Nome da falha


Descrição e acção correctiva recomendada
Falha no painel
1006 EXT SR PAR Valores dos parâmetros inconsistentes. Verifique o seguinte:
• Módulo de extensão de relé não ligado e
• 1410…1412 SAIDA RELE 4…6 tem valores não-zero.
1007 PAR FBUS Valores dos parâmetros inconsistentes. Verifique e corrija:
• Se um parâmetro está definido para controlo de fieldbus (ex: 1001
COMANDOS EXT1 = 10 (COM)), mas 9802 SEL PROT COM = 0.

1008 MODO PFC PAR Valores dos parâmetros inconsistentes – 9904 MODO CTRL MOTOR deve ser
= 3 (ESCALAR: VELOC), quando 8123 PERMISSÃO PFC está activado.
1009 PAR PCU 1 Valores dos parâmetros de controlo de potência inconsistentes: Frequência
ou velocidade nominal incorrecta. Verifique o seguinte para as duas:
• 1 < (60 * 9907 FREQ NOM MOTOR / 9908 VELOC NOM MOTOR < 16
• 0.8 < 9908 VELOC NOM MOTOR / (120 * 9907 FREQ NOM MOTOR / Polos
motor) < 0.992

Rearme de falhas
O ACS550 pode ser configurado para rearmar automaticamente certas falhas.
Consulte os parâmetros do Grupo 31: Rearme Autom.

Aviso! Se for seleccionada uma fonte externa para comando de arranque que
esteja activa, o ACS550 pode arrancar imediatamente após o rearme de uma
falha.

LED vermelho intermitente


Para rearmar o accionamento das falhas indicadas pelo LED vermelho intermitente:
• Deslique a alimentação durante 5 minutos.
LED vermelho
Para rearmar o accionamento das falhas indicadas pelo LED vermelho (ligado, não
intermitente), corrija o problema e um do seguinte:
• No painel de controlo: Prima RESET
• Desligue a alimentação durante 5 minutos.
Dependendo do valor de 1604, SEL REARME FALHA, o accionamento pode ser
rearmado da seguinte forma:
• Entrada digital
• Comunicação em série
Quando a falha tiver sido removida, o motor pode arrancar.

Histórico
Para consulta, os códigos das três últimas falhas são guardados nos parâmetros
0401, 0412, 0413. Para as falhas mais recentes (identificadas pelo parâmetro
0401), o accionamento guarda informação adicional (nos parâmetros 0402…0411)

Diagnósticos
168 Manual do Utilizador do ACS550

para ajuda na resolução dos problemas. Por exemplo, o parâmetro 0404 guarda a
velocidade do motor no momento da falha.
Para limpar o histórico da falha (todos os parâmetros do Grupo 04, Histórico de
falhas):
1. Usando a consola de operação em Modo Parâmetros, seleccione o parâmetro 0401.
2. Pressione EDITAR (ou ENTER na Consola de operação básica).
3. Pressione UP e Down ao mesmo tempo.
4. Pressione GUARDAR.

Correcção de alarmes
As acções de correcção recomendadas para alarmes são:
• Determine se o Alarme necessita de alguma acção de correcção (a acção nem
sempre é necessária).
• Use "Listagem de alarmes" abaixo para localizar e reconhecer a causa do
problema.

Listagem de alarmes
A tabela seguinte lista os alarmes por código numérico e decreve cada um.
Código
Ecrã Descrição
Alarme
2001 Reservado
2002
2003
2004 BLOQUEIO DIR A alteração de sentido de rotação pretendida não é permitida. Ou:
• Não tente alterar o sentido de rotação do motor, ou
• Altere o parâmetro 1003 SENTIDO que permitam a alteração do
sentido de rotação (se a operação inversa for segura).
2005 COMUN E/S A comunicação fieldbus terminou. Verifique e corrija:
• Ajuste da falha (3018 FUNC FALHA COM e 3019 TEMPO FALHA COME).
• Definições de falha (Grupo 51 ou 53 como apropriado).
• Má ligação e/ou ruído na linha.
2006 EA1 PERDIDA Entrada analógica 1 perdida, ou valor inferior ao minimo definido.
Verifique:
• A fonte de entrada e as ligações
• O parâmetro que define o minimo (3021)
• O parâmetro que define a operação Alarme/Falha (3001)
2007 EA2 PERDIDA Entrada analógica 2 perdida, ou valor inferior ao minimo definido.
Verifique:
• A fonte de entrada e as ligações
• O parâmetro que define o minimo (3022)
• O parâmetro que define a operação Alarme/Falha (3001)????

Diagnósticos
Manual do Utilizador do ACS550 169

Código
Ecrã Descrição
Alarme
2008 PERDA PAINEL Comunicação da consola perdida e ou:
• O accionamento está em modo de controlo local (o ecrã da consola
de operação exibe LOC), ou
• O accionamento está em modo de controlo remoto (REM) e está
parametrizado para aceitar comando de arrancar/parar, sentido de
rotação ou referência a partir da consola de operação.
Para corrigir verifique:
• As linhas de comunicação e as ligações
• O parâmetro 3002 PERDA PAINEL
• Os parâmetros nos grupos 10 ENTRADAS COMANDO e 11 SEL
REFERÊNCIA (se a operação do accionamento for REM).

2009 Reservado
2010 SOBRETEMP MOT O motor está quente, baseado ou na estimativa do accionamento ou
no feedback de temperatura. Este alarme alerta para a possibilidade
de ocorrência de um disparo de falha de Subcarga do motor. Verifique:
• A sobrecarga do motor.
• O ajuste os parâmetros usados para a estimativa (3005…3009).
• Os sensores de temperatura e os parâmetros do Grupo 35.
2011 SUBCARGA A carga do motor é inferior ao esperado. Este alarme alerta para a
possibilidade de ocorrência de um disparo de falha de Subcarga do
motor. Verifique:
• Se as gamas do motor e do accionamento são iguais (o motor NÃO
está subdimensionado para o accionamento)
• Os ajustes dos parâmetros 3013 a 3015
2012 BLOQUEIO MOTOR O motor está a operar na região de bloqueio. Este alarme alerta para
a possibilidade de ocorrência de um disparo de falha de Bloqueio de
Motor.
2013 AUTOREARME Este alarme alerta que o accionamento está próximo de efectuar um
(note 1) rearme automático de falhas, que pode arrancar o motor.
• Para controlar o autorearme, use o grupo de parâmetros 31
REARME AUTOM.
2014 ALTERAUTOM Este alarme alerta que a função de alteração automática PFC está
(note 1) activa.
• Para controlar o PFC, use o grupo de parâmetros 81 CONTROLO
PFC e a "Macro de aplicação: PFC" na página 56.
2015 BLOQUEIO PFC Este alarme alerta que os bloqueios PFC estão activos, o que significa
que o accionamento não pode arrancar o seguinte:
• Qualquer motor (quando é usado Alterautom),
• O motor de velocidade regulada (quando não é usado Alterautom).
2016 Reservado
2017
2018 DORMIR PID Este alarme alerta que a função PID dormir está activa, o que significa
(nota 1) que o motor pode acelerar quando a função PID dormir terminar.
• Para controlar PID dormir, use os parâmetros 4022…4026 ou
4122…4126.

Nota 1. Mesmo quando a saída a relé está configurada para indicar condições de alarme (ex.:
parâmetro 1401 SAÍDA RELÉ 1 = 5 (ALARME) ou 16 (FALHA/ALARME)), este alarme não é indicado pela
saída a relé.

Diagnósticos
170 Manual do Utilizador do ACS550

Manutenção

Aviso! Leia "Segurança" na página 3 antes de efectuar qualquer trabalho de


manutenção no equipamento. O não cumprimento das instruções de
segurança pode causar ferimentos ou morte.

Intervalos de manutenção
Se instalado num ambiente apropriado, o accionamento requer muito pouca
manutenção. Esta tabela lista os intervalos de manutenção de rotina recomendados
pela ABB.
Manutenção Intervalo Instrução
Verificação da temperatura e Dependendo da sujidade do Veja "Dissipador" na página
limpeza do dissipador ambiente (cada 6…12 meses) 170.
Substituição do ventilador de Cada cinco anos Veja "Substituição do ventilador
refrigeração principal principal" na página 171.
Substituição do armário interno Cada três anos. Veja "Substituição do armário
do ventilador de refrigeração interno do ventilador de
(IP 54/UL unidades tipo 12) refrigeração" na página 172.
Substituição dos Cada dez anos Veja "Condensadores" na
condensadores página 173.
(Tamanho R5 e R6)
Substituição da bateria da Cada dez anos Veja “Bateria” na página 173.
Consola de Operação

Dissipador
O dissipador acumula poeira do ar de refrigeração. Um dissipador sujo é menos
eficiente na refrigeração do accionamento, pelo que acontecem falhas de
sobreaquecimento com mais frequência. Num ambiente “normal” (sem poeira, não
limpo) verifique o dissipador anualmente, num ambiente com poeira verifique com
mais frequência.
Limpe o dissipador como se segue (quando necessário):
1. Desligue o accionamento da alimentação.
2. Retire o ventilador de refrigeração (veja a secção "Substituição do ventilador
principal" na pág 171).
3. Sopre ar comprimido limpo (não húmido) do fundo para o topo e use em simultâneo
um aspirador na saída de ar para apanhar a poeira.

Nota: Se existir risco de poeira entrar no equipamento contínuo, efectue a limpeza


num outro local.

4. Substitua o ventilador de refrigeração.


5. Ligue a alimentação.

Manutenção
Manual do Utilizador do ACS550 171

Substituição do ventilador principal

A vida útil do ventilador principal é de cerca de 60,000 horas de funcionamento à


temperatura e à carga máxima do accionamento. A vida útil esperada duplica por cada
quebra de 10 °C (18 °F) na temperatura do ventilador (a temperatura do ventilador é
uma função de temperaturas ambiente e cargas do accionamento).

Pode prever uma falha do ventilador através do aumento do ruído das chumaceiras do
ventilador e pelo aumento gradual da temperatura do ventilador. É recomendada a
substituição do ventilador, se o accionamento operar numa parte critica do processo,
logo que estes sintomas comecem a aparecer. Estão disponíveis na ABB ventiladores de
substituição. Use só peças de reserva especificadas pela ABB

Chassis R1…R4
Para substituir o ventilador: 3
1. Desligue a alimentação do accionamento.
3
2. Retire a tampa do accionamento.
4
3. Para chassis:
• R1, R2: prima os clips de retenção da
2
tampa do ventilador e retire.
• R3, R4: pressione a alavanca no lado
esquerdo do ventilador, rode e retire.
4. Desligue o cabo do ventilador.
5. Instale o ventilador na ordem inversa. X0021

6. Ligue a alimentação.

Manutenção
172 Manual do Utilizador do ACS550

Chassis R5 e R6
Para substituir o ventilador:
Vista inferior (R5)
1. Desligue a alimentação do accionamento.
2. Retire os paraf. que prendem o ventilador.
3
3. Desligue o cabo do ventilador.
2
4. Instale o ventilador na ordem inversa.
5. Ligue a alimentação.

Substituição do armário interno do ventilador X0023

de refrigeração Vista inferior (R6) 3


Os armários IP 54 / UL Tipo 12 tem um
ventilador interno adicional para circulação do
ar no interior do armário.
2

Chassis R1 a R4
X0022
Para substituir o armário interno do ventilador
nos tamanhos de chassis R1 a R4:
1. Desligue a alimentação do accionamento.
4
2. Retire a tampa frontal. 3
3. A estrutura que fixa o ventilador no lugar tem clips de 5
retenção nos quatro cantos. Prima os clips de retenção
para o centro e liberte.
4. Quando os clips estiverem soltos, puxe a estrutura para
cima e retire-a do accionamento.
5. Desligue o cabo do ventilador.
6. Instale o ventilador na ordem inversa, notando que:
• O sentido do fluxo de ar é para cima (verifique a sete FM
indicativa no ventilador).
• A armadura do ventilador é frontal.
• O clip está localizado atrás no canto direito.
• O cabo do ventilador liga a parte frontal do ventilador ao topo do accionamento.

Chassis R5 e R6
Para substituir o armário interno do ventilador nos tamanhos de chassis R5 ou R6:
• Desligue a alimentação do accionamento.
• Retire a tampa frontal.
• Levante o ventilador e desligue o cabo.

Manutenção
Manual do Utilizador do ACS550 173

• Instale o ventilador na ordem inversa.


• Ligue a alimentação.

Condensadores
O circuito intermédio do accionamento utiliza vários condensadores electrolíticos. A
sua vida útil é de 35,000…90,000 horas dependendo da carga do accionamento e
da temperatura ambiente. Baixando a temperatura ambiente pode prolongar a vida
de um condensador.
Não é possível prever falhas do condensador. A falha do condensador é seguida
normalmente por uma falha do fusível de entrada de potência ou por um disparo de
falha. Contacte a ABB se suspeitar de uma falha do condensador.
Estão disponíveis na ABB peças de substituição para os tamanhos de chassis R5 e
R6. Use só peças de reserva especificadas pela ABB.

Consola de operação

Limpeza
Use o pano suave para limpar a consola de operação. Evite panos de limpeza
ásperos que possam riscar o ecrã.

Bateria
Só se utilizam baterias em Consolas de Operação com Assistente com a função de
relógio disponível e activa. A bateria mantém o relógio a funcionar em memória
durante as interrupções de alimentação.
O tempo de vida da bateria é superior a dez anos. Para retirar a bateria, use uma
moeda para rodar o suporte da bateria na parte de trás da consola. Substitua a
bateria por uma do tipo CR2032.

Manutenção
174 Manual do Utilizador do ACS550

Dados técnicos

Gamas de corrente
Pelo código do tipo, a tabela abaixo fornece as características do accionamento CA
de velocidade variável ACS550, incluído:
• Normas IEC
• Normas NEMA (colunas sombreadas)
• Tamanho de chassi

Accionamentos nas gamas de, 380…480 Volts


Os títulos das colunas abreviados são descritos em “Símbolos” na página 172.
Código do tipo Uso normal Uso pesado
Tamanho
ACS550-x1- I2N PN PN I2hd Phd Phd Chassi
veja abaixo A kW HP A kW HP
Tensão de alimentação trifásica, 380…480 V
-03A3-4 3.3 1.1 1.5 2.4 0.75 1 R1
-04A1-4 4.1 1.5 2 3.3 1.1 1.5 R1
-05A4-4 5.4 2.2 Nota 1 4.1 1.5 Nota 1 R1
-06A9-4 6.9 3 3 5.4 2.2 2 R1
-08A8-4 8.8 4 5 6.9 3 3 R1
-012A-4 11.9 5.5 7.5 8.8 4 5 R1
-015A-4 15.4 7.5 10 11.9 5.5 7.5 R2
-023A-4 23 11 15 15.4 7.5 10 R2
-031A-4 31 15 20 23 11 15 R3
-038A-4 38 18.5 25 31 15 20 R3
-044A-4 44 22 30 38 18.5 25 R4
-059A-4 59 30 40 44 22 30 R4
-072A-4 72 37 50 59 30 40 R4
-077A-4 77 Nota 2 60 65 Nota 2 50 R5
-096A-4 96 45 75 77 37 60 R5
-124A-4 124 55 100 96 45 75 R6
-157A-4 157 75 125 124 55 100 R6
-180A-4 180 90 150 156 75 125 R6

1. ACS550-01-05A4-4 não está disponível na série ACS550-U1.


2. ACS550-U1-077A-4 não está disponível na série ACS550-01.

Dados técnicos
Manual do Utilizador do ACS550 175

Accionamentos nas gamas de, 208…240 Volts


Os títulos das colunas abreviados são descritos em “Símbolos” na página 172.
Código do tipo Uso normal Uso pesado
Tamanho
ACS550-x1- I2N PN PN I2hd Phd Phd Chassi
veja abaixo A kW HP A kW HP
Tensão de alimentação trifásica, 208…240 V
-04A6-2 4.6 1.1 1.0 3.5 0.75 0.75 R1
-06A6-2 6.6 1.5 1.5 4.6 1.1 1.0 R1
-07A5-2 7.5 2.2 2.0 6.6 1.5 1.5 R1
-012A-2 11.8 3.0 3.0 7.5 2.2 2.0 R1
-017A-2 16.7 4.0 5.0 11.8 3.0 3.0 R1
-024A-2 24.2 5.5 7.5 16.7 4.0 5.0 R2
-031A-2 30.8 7.5 10.0 24.2 5.5 7.5 R2
-046A-2 46.2 11.0 15.0 30.8 7.5 10.0 R3
-059A-2 59.4 15.0 20.0 46.2 11.0 15.0 R3
-075A-2 74.8 18.5 25.0 59.4 15.0 20.0 R4
-088A-2 88.0 22.0 30.0 74.8 18.5 25.0 R4
-114A-2 114 30.0 40.0 88.0 22.0 30.0 R4
-143A-2 143 37.0 50.0 114 30.0 40.0 R6
-178A-2 178 45.0 60.0 150 37.0 50.0 R6
-221A-2 221 55.0 75.0 178 45.0 60.0 R6
-248A-2 248 75.0 100 192 55.0 75.0 R6

Símbolos
Valores típicos:
Uso normal(10% capacidade de sobrecarga)
I2N corrente de saída em contínuo. É permitida 10% de sobrecarga durante um minuto.
PN potência típica do motor em uso normal. Os valores de potência em Kilowatts aplicam-se à
maioría dos motores de 4-pólos IEC 34. Os valores de potência em Hp aplicam-se à
maioría dos motores de 4-pólos NEMA.
Uso pesado (50% capacidade de sobrecarga)
I2hd corrente de saída em contínuo. É permitida 50% de sobrecarga durante um minuto.
Phd potência típica do motor em uso pesado. Os valores de potência em kilowatts aplicam-se à
maioría dos motores de 4-pólos IEC 34. Os valores de potência em Hp aplicam-se à
maioría dos motores 4-pólos NEMA.

Tamanho
Dentro de uma gama de tensão os valores de corrente são os mesmos
independentemente da tensão de alimentação. Para alcançar a potência nominal do
motor apresentada na tabela, a corrente nominal do accioanmento deve ser mais
elevada ou igual à corrente nominal do motor.
Nota 1: A potência máxima permitida do veio do motor está limitada a 1.5 · Phd. Se
o limite for excedido, o binário e a corrente do motor são automaticamente
restringidos. A função protege a ponte de entrada do accionamento contra
sobrecarga.

Dados técnicos
176 Manual do Utilizador do ACS550

Nota 2: Os valores nominais aplicam-se a temperaturas ambiente de 40 °C


(104 °F).

Desclassificação
A capacidade de carga (corrente e potência) diminui se a altitude do local de
instalação exceder os 1000 metros (3300 ft), ou se a temperatura ambiente exceder
os 40 °C (104 °F) ou se frequência de comutação 8 kHz (parâmetro 2606) for usada.
Desclassificação de temperatura
Na gama de temperatura +40 °C…50 °C (+104 °F…122 °F) a corrente nominal de
saída diminui 1% por cada 1 °C (1.8 °F) acima +40 °C (+104 °F). A corrente de
saída é calculada multiplicando a corrente dada na tabela nominal pelo factor de
desclassificação.
Exemplo Se a temperatura ambiente é 50 °C (+122 °F) o factor de desclassificação
é 100% - 1%/°C x 10 °C = 90% ou 0.90.
A corrente de saída é então 0.90 x I2N ou 0.90 x I2hd.
Desclassificação de altitude
Em altitudes entre 1000…4000 m (3300…13,200 ft) acima do nível do mar, a
desclassificação é 1% por cada 100 m (330 ft). Se o local de instalação for mais
elevado que 2000 m (6600 ft) acima do nível do mar, contacte por favor a ABB local
para mais informações.
Desclassificação de fornecimento monofásico
Em accionamentos da série de 208.... 240 Volts, pode ser usada alimentação
monofásica. Neste caso a desclassificação é 50%.
Desclassificação da frequência de comutação
Se a frequência de comutação 8 kHz (parâmetro 2606) for usada, desclassifique PN/
Phd e I2N/I2hd para 80%.

Dados técnicos
Manual do Utilizador do ACS550 177

Potência de entrada (Alimentação) Cabos e Fusíveis

Fusíveis
Os circuitos de protecção devem ser fornecidos pelo utilizador, dimensionados de acordo
com os códigos eléctricos nacionais e locais. Os fusíveis para protecção do cabo de
alimentação contra curto-circuito recomendados são apresentados abaixo
Fusíveis para accionamentos de 380…480 Volts

Corrente Fusíveis de rede


ACS550-x1-
entrada IEC269 gG UL Classe T
veja abaixo Bussmann tipo
A A A
-03A3-4 3.3 10 10 JJS-10
-04A1-4 4.1
-05A4-4 5.4
-06A9-4 6.9
-08A8-4 8.8 15 JJS-15
-012A-4 11.9 16
-015A-4 15.4 20 JJS-20
-023A-4 23 25 30 JJS-30
-031A-4 31 35 40 JJS-40
-038A-4 38 50 50 JJS-50
-044A-4 44 60 JJS-60
-059A-4 59 63 80 JJS-80
-072A-4 72 80 90 JJS-90
-077A-4 77 100 JJS-100
-096A-4 96 125 125 JJS-125
-124A-4 124 160 175 JJS-175
-157A-4 157 200 200 JJS-200
-180A-4 180 250 250 JJS-250

Dados técnicos
178 Manual do Utilizador do ACS550

Fusíveis para accionamentos de, 208…240 Volts


Fusíveis de rede
ACS550-x1- Corrente entrada
veja abaixo A IEC269 gG UL Classe T
Bussmann tipo
A A
-04A6-2 4.6 10 10 JJS-10
-06A6-2 6.6
-07A5-2 7.5
-012A-2 11.8 16 15 JJS-15
-017A-2 16.7 25 25 JJS-25
-024A-2 24.2 30 JJS-30
-031A-2 30.8 40 40 JJS-40
-046A-2 46.2 63 60 JJS-60
-059A-2 59.4 80 JJS-80
-075A-2 74.8 80 100 JJS-100
-088A-2 88.0 100 110 JJS-110
-114A-2 114 125 150 JJS-150
-143A-2 143 200 200 JJS-200
-178A-2 178 250 250 JJS-250
-221A-2 221 315 300 JJS-300
-248A-2 248 350 JJS-350

Cabos de entrada (Rede)


A tabela abaixo apresenta os tipos de cabo de cobre e de alumínio para as
diferentes correntes de carga. Estas recomendações aplicam-se unicamente às
condições listadas no topo da tabela.
Dimensione os cabos de acordo com os regulamentos de segurança locais, a
tensão de entrada e a corrente de carga apropriada para o accionamento. Em
qualquer caso, o cabo deve ser menor que o limite máximo definido pelo tamanho
do terminal (consulte ”Terminais de cabo” na página 176).
IEC NEC
Baseado em: Baseado em:
• EN 60204-1 e IEC 60364-5-2/2001 • Tabela NEC 310-16 para cabos de cobre
• Isolamento PVC • Isolamento de cabo 90 °C (194 °F)
• Temperatura ambiente 30 °C (86 °F) • Temperatura ambiente 40 °C (104 °F)
• Temperatura de superficie 70 °C (158 °F) • Não mais de três condutores de corrente na
• Cabos com blindagem de cobre concêntrica esteira ou no cabo, ou na ligação à terra
superiores a uma esteira de nove cabos (enterrada directamente).
estendidos lado a lado. • Cabos de cobre com blindagem de cobre
concêntrica
Corrente Corrente
Corrente de
de carga Cabo Cu de carga Cabo Al Tamanho Cabo Cu (AWG/
carga max
max (mm2) max (mm2) kcmil)
(A)
(A) (A)
14 3x1.5 61 3x25 22.8 14

Dados técnicos
Manual do Utilizador do ACS550 179

IEC NEC
Baseado em: Baseado em:
• EN 60204-1 e IEC 60364-5-2/2001 • Tabela NEC 310-16 para cabos de cobre
• Isolamento PVC • Isolamento de cabo 90 °C (194 °F)
• Temperatura ambiente 30 °C (86 °F) • Temperatura ambiente 40 °C (104 °F)
• Temperatura de superficie 70 °C (158 °F) • Não mais de três condutores de corrente na
• Cabos com blindagem de cobre concêntrica esteira ou no cabo, ou na ligação à terra
superiores a uma esteira de nove cabos (enterrada directamente).
estendidos lado a lado. • Cabos de cobre com blindagem de cobre
concêntrica
Corrente Corrente
Corrente de
de carga Cabo Cu de carga Cabo Al Tamanho Cabo Cu (AWG/
carga max
max (mm2) max (mm2) kcmil)
(A)
(A) (A)
20 3x2.5 75 3x35 27.3 12
27 3x4 91 3x50 36.4 10
34 3x6 117 3x70 50.1 8
47 3x10 143 3x95 68.3 6
62 3x16 165 3x120 86.5 4
79 3x25 191 3x150 100 3
98 3x35 218 3x185 118 2
119 3x50 257 3x240 137 1
153 3x70 274 3x (3x50) 155 1/0
186 3x95 285 2x (3x95) 178 2/0
215 3x120 205 3/0
249 3x150 237 4/0
284 3x185 264 250 MCM ou 2 x 1
291 300 MCM ou 2 x 1/0
319 350 MCM ou 2 x 2/0

Dados técnicos
180 Manual do Utilizador do ACS550

Terminais de cabos
Os tamanhos máximos da resistência de travagem, dos cabos de rede e do motor
(por fase), os diâmetros dos cabos e binários de aperto são apresentados abaixo.
U1, V1, W1
U2, V2, W2 Ligação à terra PE Controlo
Tam BRK+, UDC+
Chassi Diâmetro Diâmetro Diâmetro
máximo do Binário máximo do Binário máximo do Binário
cabo cabo cabo
mm2 AWG Nm lb-ft mm2 AWG Nm lb-ft mm2 AWG Nm lb-ft
R1 6 8 1.4 1.0 4 10 1.4 1.0
R2 10 6 1.4 1.0 10 8 1.4 1.0
1.5 16 0.4 0.3
R3 25 3 1.8 1.3 16 6 1.8 1.3
R4 50 1/0 2.0 1.5 35 2 2.0 1.5
R5 70 2/0 15 11.1 70 2/0 15 11.1
R6 185 350 40 29.5 95 4/0 8 5.9
MCM

Ligação da potência de entrada (Rede)


Especificações de ligação da potência de entrada (Rede)
208/220/230/240 VCA trifásico (ou monofásico) +10% -15% para
Tensão (U1) ACS550-x1-xxxx-2
400/415/440/460/480 VCA trifásico +10% -15% para ACS550-x1-xxxx-4
Capacidade de curto A capacidade máxima permitida de corrente de curto-circuito na
circuito alimentação é de 65 kA num segundo desde que o cabo de alimentação
(IEC 629) da unidade esteja protegido com fusíveis apropriados. US: 65,000 AIC.
Frequência 48…63 Hz
Desequilibrio Max. ± 3% da fase nominal à fase de tensão de entrada
Factor de potência 0.98 (à carga nominal)
fundamental (cos phi1)
Gama de temperatura Gama minima 90 °C (194 °F).
do cabo

Ligação do motor
Especificação da ligação do motor
Tensão (U2) 0…U1, trifásica simétrica, Umax no ponto de enfraquecimento de campo
Frequência 0…500 Hz
Resolução de 0.01 Hz
frequência
Corrente Veja a secção Gamas de corrente.
Limite de 1.5 x Phd
potência
Ponto de enfraq 10…500 Hz
de campo

Dados técnicos
Manual do Utilizador do ACS550 181

Especificação da ligação do motor


Frequência de Seleccionável: 1, 4, ou 8 kHz
comutação
Gama de Gama minima 90 °C (194 °F)
temperatura do
cabo
Comprimento máximo do cabo
Tamanho do chassis
fsw = 1 or 4 kHz fsw = 8 kHz
Comprimento
máximo do R1 100 m 50 m
cabo do motor
R2 - R4 200 m 100 m
R5 - R6 300 m 150 m

* Aviso! O uso de um cabo mais comprido que o especificado na tabela


acima pode provocar danos permanentes no accionamento.

Ligação de controlo
Especificações da ligação de controlo
Entradas e saída Veja a tabela "Descrição do Hardware" na página 29.
analógicas
Impedância da entrada digital 1.5 kΩ. A tensão máxima para as entradas
Entradas digitais
digitais é 30V.
• Tensão contacto max.: 30 V CC, 250 V CA
• Corrente /potência contacto max.: 6 A, 30 V CC; 1500 VA, 250 V CA
• Corrente contínua max.: 2 A rms (cos ϕ = 1), 1 A rms (cos ϕ = 0.4)
Relés
(Saídas digitais) • Carga minima: 500 mW (12 V, 10 mA)
• Material de contacto: Prata-niquel (AgN)
• Teste de tensão, isolamento entre as saídas a relé digitais: 2.5 kV rms, 1
minuto
Especificações Veja "Cabos de controlo" na página 17.
do cabo

Rendimento
Aproximadamente 98% ao nível de potência nominal.

Arrefecimento
Especificações de arrefecimento
Método Ventilador interno, direcção de circulação do fundo para cima.
Espaço livre à volta da unidade:
Requisitos • 200 mm (8 in) em cima e em baixo da unidade
• 25 mm (1 in) ao longo de cada lado da unidade.

Dados técnicos
182 Manual do Utilizador do ACS550

Fluxo de ar, accionamentos 380…480 Volts


Informação sobre dissipação de calor e fluxo de ar em unidades de 380…480 Volts
Accionamento Dissipação de calor Fluxo de ar
3
ACS550-x1- Chassis W BTU/Hr m /h ft3/min
-03A3-4 R1 40 137 44 26
-04A1-4 R1 52 177 44 26
-05A4-4 R1 73 249 44 26
-06A9-4 R1 97 331 44 26
-08A8-4 R1 127 433 44 26
-012A-4 R1 172 587 44 26
-015A-4 R2 232 792 88 52
-023A-4 R2 337 1150 88 52
-031A-4 R3 457 1560 134 79
-038A-4 R3 562 1918 134 79
-044A-4 R4 667 2276 280 165
-059A-4 R4 907 3096 280 165
-072A-4 R4 1120 3820 280 165
-077A-4 R5 1295 4420 168 99
-096A-4 R5 1440 4915 168 99
-124A-4 R6 1940 6621 405 238
-157A-4 R6 2310 7884 405 238
-180A-4 R6 2810 9590 405 238

Fluxo de ar, accionamentos 208…240 Volts


Informação sobre dissipação de calor e fluxo de ar em unidades de 208…240 Volts.
Accionamento Dissipação de calor Fluxo de ar
ACS550-x1- Chassis W BTU/Hr m3/h ft3/min
-005A-2 R1 55 189 44 26
-007A-2 R1 73 249 44 26
-008A-2 R1 81 276 44 26
-012A-2 R1 116 404 44 26
-017A-2 R1 161 551 44 26
-024A-2 R2 227 776 88 52
-031A-2 R2 285 373 88 52
-046A-2 R3 420 1434 134 79
-059A-2 R3 536 1829 134 79
-075A-2 R4 671 2290 280 165
-088A-2 R4 786 2685 280 165
-114A-2 R4 1014 3463 280 165

Dados técnicos
Manual do Utilizador do ACS550 183

Accionamento Dissipação de calor Fluxo de ar


3
ACS550-x1- Chassis W BTU/Hr m /h ft3/min
-143A-2 R6 1268 4431 405 238
-178A-2 R6 1575 5379 405 238
-221A-2 R6 1952 6666 405 238
-248A-2 R6 2189 7474 405 238

Dados técnicos
184 Manual do Utilizador do ACS550

Dimensões e pesos
As dimensões e a massa para cada ACS550 depende do tamanho do chassis e do
tipo de armário.
Se não tiver a certeza quanto ao tamanho do chassis, consulte, primeiro o código de
“Tipo” nas etiquetas do accionamento. Depois procure esse código em "Dados
técnicos" na página 174, para determinar o tamanho do chassis. Encontra um
conjunto completo de desenhos dimensionais para os accionamentos ACS550 no
Manual de Técnico de Referência do ACS550.

Unidades com armário IP 21 / UL Tipo 1


Dimensões exteriores
D W

H H2
H3

X0031

IP 21 / UL tipo 1 – Dimensões para cada tamanho de chassi


R1 R2 R3 R4 R5 R6
Ref.
mm in mm in mm in mm in mm in mm in
W 125 4.9 125 4.9 203 8.0 203 8.0 265 10.4 300 11.8
H 330 13.0 430 16.9 490 19.3 596 23.4 602 23.7 700 27.6
H2 315 12.4 415 16.3 478 18.8 583 23.0 578 22.8 698 27.5
H3 369 14.5 469 18.5 583 23.0 689 27.1 739 29.1 880 34.6
D 212 8.3 222 8.7 231 9.1 262 10.3 286 11.3 400 15.8

Dados técnicos
Manual do Utilizador do ACS550 185

Dimensões de montagem
W1
W2

Veja detalhe A

H1

a
c

Veja detalhe B b d
Detalhe A Detalhe B X0032

IP 21 / UL tipo 1 – Dimensões para cada tamanho de chassi


R1 R2 R3 R4 R5 R6
Ref.
mm in mm in mm in mm in mm in mm in
W1* 98.0 3.9 98.0 3.9 160 6.3 160 6.3 238 9.4 263 10.4
W2* -- -- -- -- 98.0 3.9 98.0 3.9 -- -- -- --
H1* 318 12.5 418 16.4 473 18.6 578 22.8 588 23.2 675 26.6
a 5.5 0.2 5.5 0.2 6.5 0.25 6.5 0.25 6.5 0.25 9.0 0.35
b 10.0 0.4 10.0 0.4 13.0 0.5 13.0 0.5 14.0 0.55 14.0 0.55
c 5.5 0.2 5.5 0.2 8.0 0.3 8.0 0.3 8.5 0.3 8.5 0.3
d 5.5 0.2 5.5 0.2 6.5 0.25 6.5 025 6.5 0.25 9.0 0.35

* Dimensão centro a centro.


Peso
IP 21 / UL tipo 1 – Peso para cada tamanho de chassi
R1 R2 R3 R4 R5 R6
kg lb. kg lb. kg lb. kg lb. kg lb. kg lb.
6.1 13.4 8.9 19.5 14.7 32.4 22.8 50.2 37 82 78 176

Dados técnicos
186 Manual do Utilizador do ACS550

Unidades com armário IP 54 / Tipo 12


Dimensões exteriores
W2

H3

W D

IP 54 / UL tipo 12 – Dimensões para cada tamanho de chassi


Ref. R1 R2 R3 R4 R5 R6
mm in mm in mm in mm in mm in mm in
W 215 8.5 215 8.5 257 10.1 257 10.1 369 14.5 410 16.1
W2 225 8.9 225 8.9 267 10.5 267 10.5 369 14.5 410 16.1
H3 441 17.4 541 21.3 604 23.8 723 28.5 776 30.5 924 36.4
D 238 9.37 245 9.6 276 10.9 306 12.0 309 12.2 423 16.6

Dimensões de montagem
As dimensões de montagem são as mesmas que em armários IP 21 / UL Tipo 1.
Veja "Dimensões de montagem" na página 185.
Peso
IP 54 / UL tipo 12 – Peso para cada tamanho de chassi
R1 R2 R3 R4 R5 R6
kg lb. kg lb. kg lb. kg lb. kg lb. kg lb.
Pesot 8.4 18.6 11.5 25.4 18.1 40.0 26.6 58.7 42 93 86 190

Graus de protecção
Armários disponíveis:
• Armário IP 21 / UL tipo 1. O local de instalação deve estar limpo de poeira, gases
corrosivos ou liquidos, e de contaminantes condutivos tais como condensação,
poeira carbónica, e partículas metálicas.
• Armários IP 54 / UL tipo 12. Este armário protege contra poeiras e sprays ligeiros
ou salpicos de água de todas as direcções.

Dados técnicos
Manual do Utilizador do ACS550 187

Comparado com o armário IP 21 / UL tipo 1, o armário IP 54 / UL tipo 12 tem:


• O mesmo revestimento plástico interno como no armário IP 21.
• Uma tampa plástica exterior diferente.
• Um ventilador interno adicional para melhorar o arrefecimento.
• Maiores dimensões.
• A mesma gama (não é necessário desclassificação).

Condições ambientais
A tabela seguinte lista os requisitos ambientais do ACS550.
Requisitos ambientais
Armazenagem e transporte na
Local de instalação
embalagem de protecção
• 0…1000 m (0…3,300 ft)
• 1000…2000 m (3,300…6,600 ft) se
Altitude PN e I2 desclassificam 1% cada 100
m acima de 1000 m (300 ft acima de
3,300 ft)
• -15…40 ºC (5…104 ºF) -40…70 ºC (-40…158 ºF)
Temperatura
ambiente • Max. 50 ºC (122 ºF) se PN e I2
desclassificam até 90%
Humidade < 95% (sem-condensação)
relativa
• Não é permitido pó condutor. Armazenagem
• O ACS550 deve ser instalado em ar • Não é permitido pó condutor.
limpo de acordo com a classificação • Gases quimicos: Classe 1C2
Níveis de do armário.
• Partículas sólidas: Classe 1S2
contaminação • O ar de refrigeração deve ser limpo,
(IEC 721-3-3) livre de materiais corrosivos e de Transporte
poeira electricamente condutora. • Não é permitido pó condutor.
• Gases quimicos: Classe 3C2 • Gases quimicos: Classe 2C2
• Partículas sólidas: Classe 3S2 • Partículas sólidas: Classe 2S2
• Condições mecânicas: Classe 3M4 De acordo com as especificações
Vibração (IEC60721-3-3) ISTA 1A e 1B.
sinusoidal
• 2…9 Hz 0.3 mm (0.01 in)
(IEC 60068-2-6)
• 9…200 Hz 2 m/s2 (6.6 ft/s2)
Choque Não permitido max. 100 m/s2 (330 ft/s2), 11ms (36 fts)
(IEC 68-2-29)
Não permitido • 76 cm (30 in), tamanho chassis R1
• 61cm (24 in), tamanho chassis R2
• 46 cm (18 in), tamanho chassis R3
Queda livre
• 31 cm (12 in), tamanho chassis R4
• 25 cm (10 in), tamanho chassis R5
• 15 cm (6 in), tamanho chassis R6

Dados técnicos
188 Manual do Utilizador do ACS550

Materiais
Especificações dos materiais
• PC/ABS 2.5 mm, cor NCS 1502-Y (RAL 90021 / PMS 420 C e 425 C)
• Chapa de aço revestida com zinco a quente 1.5…2 mm, expessura do
Armário revestimento de 100 micrometros
• Aluminio fundido AlSi
• Aluminio AlSi
Cartão enrrugado (accionamentos e módulos opcionais), polystyrene
Embalagem
expandido. Cobertura plástica da embalagem: PE-LD, faixas PP ou aço.
O accionamento contém matérias primas que devem ser recicladas para
preservação de energia e de recursos naturais. Os materiais da embalagem
respeitam o ambiente e podem ser reciclados. Todas as partes metálicas
podem ser recicladas. Os componentes plásticos podem ser reciclados ou
queimados em circunstâncias controladas, segundo as regulamentações
locais. As partes recicláveis estão todas marcadas com os símbolos de
reciclagem.
Reciclagem
Se a reciclagem não for possível, todos os componentes à excepção dos
condensadores electroliticos e dos circuitos impressos podem ser depositados
em aterro. Os condensadores CC contém electrolito e os circuitos impressos
contém chumbo, ambos considerados na UE como resíduos perigosos. Devem
ser retirados e tratados de acordo com a legislação local.
Para mais informações sobre aspectos ambientais e instruções mais
detalhadas sobre reciclagem, contacte por favor a ABB.

Normas aplicáveis
O accionamento cumpre com as seguintes normas. A concordância com a Directiva
Europeia de Baixa Tensão é verificada de acordo com a norma EN 50178 e
EN 60204-1.
Normas aplicáveis
EN 50178 (1997) Equipamento electrónico para utilização em instalações de potência
EN 60204-1 (1997) Segurança da maquinaria. Equipamento eléctrico das máquinas.
Parte 1: Requisitos eléctricos. Condições para concordância: O
instalador final da máquina é responsável pela instalação de:
• Um dispositivo de paragem de emergência
• Um dispositivo de corte de alimentação
EN 60529: 1991 (IEC 529), Graus de protecção fornecidos pelos armários (código IP)
IEC 60664-1 (1992)
EN 61800-3 (1996) + Padrão de produto EMC incluindo métodos de teste específicos
Emenda A11 (2000)
UL 508C Standard UL sobre segurança, equipamento de conversão de
frequência, segunda edição

Marcações UL
O ACS550 é apropriado para usar num circuito capaz de entregar não mais de
65,000 RMS amperes simétricos, 480 V máximo. O ACS550 tem um dispositivo de
protecção electrónico que cumpre com os requisitos da UL 508C. Quando este
dispositivo é seleccionado e devidamente ajustado, não é necessária protecção
adicional de sobrecarga a menos que estejam ligados ao accionamento mais de um

Dados técnicos
Manual do Utilizador do ACS550 189

motor ou que seja necessária protecção adicional por motivos de segurança. Veja
os parâmetros 3005 (PROT TERM MOT) e 3006 (GAMA TERM MOT).
Os accionamentos são para ser usados em ambientes controlados. Sobre os limites
específicos veja a secção "Condições ambientais" na página 187.
Chopper de travagem - a ABB tem choppers de travagem que, quando aplicados
com resistências de travagem devidamente dimensionadas, permitem ao
accionamento a dissipação de energia regenerativa (normalmente associada com a
desaceleração rápida de um motor).

Limites de vulnerabilidade
O fabricante não é responsável por
• Quaisquer custos resultantes de uma avaria se a instalação, comissionamento,
reparação, alteração ou condições ambiente do accionamento não cumprirem os
requisitos especificados na documentação fornecida com a unidade e outra
documentação relevante.
• Unidades sujeitas a uso indevido, negligência ou acidente
• Unidades alteradas nos materiais ou no projecto pelo comprador.
Em nenhum caso deverá a ABB, os seus fornecedores ou subcontratantes serem
responsáveis por danos especiais, indirectos ou consequentes, perdas ou
penalidades.
Qualquer dúvida relativamente ao seu accionamento ABB, contacte por favor a ABB
local. Os dados técnicos, informação e especificações são válidas à data da
publicação. O fabricante reserva-se o direito de proceder a modificações sem aviso
prévio.

Dados técnicos
3AFE 64783718 REV C / PT
EFECTIVO: Set 5, 2003
Anterior: Junho 3, 2003
ACS550-US-04

ABB, S.A. ABB, S.A.


Estrada Casal do Canas Rua da Aldeia Nova, S/N
Edificio ABB - Alfragide 4455-413 Perafita
2720-092 Amadora PORTUGAL
PORTUGAL
Telefone +351 214 256 239 Telefone +351 229 992 651
Telefax +351 214 256 392 Telefax +351 229 992 696
Internet http://www.abb.com