Você está na página 1de 2

Björnberg, Alf.

On aeolian harmony in contemporary popular music

 A harmonia é geralmente tida como parâmetro secundário, ou de menor


importância na cultura do Rock, uma vez que são mais valorizados o ritmo, a
melodia e o timbre;
 Esse tipo de comportamento se deve, dentre outros fatores, a tradição oral-
eletrônica desenvolvida no rock como meio de transmissão do conhecimento;
 A harmonia no rock é menos estrita em relação a harmonia funcional do que o
jazz pré 1960, por exemplo, sendo descrita muitas vezes como modal;
 O uso do termo harmonia modal vem da utilização de tríades maiores, que são
usualmente derivadas da melodia, como meio de colorir determinadas notas,
gerando assim uma sucessão de acordes sem função definida. Outro caso é o
uso de acordes pertencentes a um mesmo modo, como também é o caso do jazz
modal;
 Existem algumas diferenças entre o rock modal e o jazz modal, uma vez que o
jazz se vale de estruturas quartais para gerar harmonia e a melodia é baseada no
modo de uma maneira direta, no rock o uso de tríades é muito mais comum e o
modo está implícito na sucessão de acordes, portanto o uso desse tipo de
harmonização gera sucessões específicas que caracterizam o modo, diferindo
assim das progressões com função definida, sendo muitas vezes similar ao efeito
usado pelo jazz modal;
 Aeolian Harmony é o termo adotado nesse artigo para designar a harmonia que
surge no rock nos anos 70/80 (visto que o artigo data de 1984), uma vez que esse
tipo de harmonização conta com tríades pertencentes a escala eólia, gerando
assim sucessões que caracterizam esse modo;
 A base desse tipo de harmonização é tonal, mas diferencia-se do tonalismo em
vários aspectos como a ausência do V7 como dominante, o uso da progressão i –
bVI – bVII, que é característica do modo eólio, além da progressão i – iv – v,
criando a atmosfera necessária para o modo eólio;
 Esse tipo de harmonização é utilizado geralmente em ostinatos destinados a
criação da aqui chamada “Aeolian Harmonic Field”;
 A cadência é mantida com o uso do v, no entanto a resolução não é tonal devido
a ausência da leading note no v;
 O rock com progressões modais não é raro nos anos 60, uma vez que esse se
deriva do blues, que é de tradição modal, a partir da pentatônica menor e da
escala blues, consequentemente a blue note se encontra intrínseca a esse tipo de
escala;
 A blue note é encontrada no bIII e no bVII, contando com a escala temperada,
uma vez que essa estilização se torna mais latente na música instrumental do que
na vocal;
 O uso do termo Aeolian Harmony acarreta alguns problemas quando chegamos a
esse ponto, uma vez que o fato de analisar somente um parâmetro, nesse caso o
harmônico, pode levantar questionamentos, uma vez que esse uso é
acompanhado por diversas inovações como novas técnicas instrumentais e de
mixagem por exemplo;
 A harmonia geralmente não se encontra em primeiro plano de subjetividade na
música, uma vez que esta se propõe a criar o ambiente necessário para a
expressividade da melodia, visto sua derivação da melodia em si, portanto a
Aeolian Harmony é apenas uma generalização de uma parte movimento completo
que cria a expressão musical;
 O uso desse tipo de harmonização é aliado com letras falando sobre mitologia,
história e estados de premonição ou suspense, além de medo/ fascinação com o
futuro tecnológico, uma vez que esse tipo de atmosfera é associada a esses
assuntos, criando assim um ethos associado a essa harmonização eólia;
 O uso desse tipo de harmonização pode sugerir uma mudança de modo de vida
devido a industrialização, sendo portanto aliado a mudança de ideologias e da
afetação de diversos grupos sociais heterogêneos;
 Sendo assim, esse tipo de interferência pode ser analizado como o conflito entre
a ideologia dominante e a realidade como é experienciada;