Você está na página 1de 14

ESTERNO

CINESIOLOGIA DO
OMBRO
Profa.. Bianca Callegari
Profa

1
2
Vídeo 1

Vídeo 2

Vídeo 3

Complexo articular do ombro

Primeiro grupo:
Articulação escapulo-umeral: entre a cavidade glenóide e a cabeça do úmero.
Articulação subdeltoideana: todo movimento na articulação acima leva ao
movimento desta. Engloba a superfície da extremidade superior do úmero e a
bainha dos músculos periarticulares, contando uma bolsa serosa subdeltoideana
que promove o deslizamento.

Segundo grupo:
Articulação escapulo-torácica: tem seu movimento ligado ao movimento das
duas articulações a seguir. Engloba dois espaços de deslizamento, o primeiro
entre a escápula (coberta pelo músculo subescapular) e o músculo serrátil
anterior, e o segundo entre o serrátil anterior e as constelas e músculos
intercostais.
Articulação acrômio-clavicular: entre acrômio e clavícula, como diz o próprio
nome.
Articulação esterno-costo-clavicular: engloba as três estruturas.

ARTICULAÇÃO ESTERNOCLAVICULAR ARTICULAÇÃO ESTERNOCLAVICULAR

 3 graus de liberdade

 Elevação, abaixamento, protração,


retração, rotação axial

 Todo movimento funcional do


ombro envolve algum movimento da
clavícula na articulação
esternoclavicular

3
ARTICULAÇÃO ESTERNOCLAVICULAR ARTICULAÇÃO ESTERNOCLAVICULAR
ELEVAÇÃO E ABAIXAMENTO PROTRAÇÃO E RETRAÇÃO

 45° de elevação e 10° de abaixamento  15 a 30° de protração e retração

 Estão associados com movimentos  Estão associados com movimentos


escapulares semelhantes escapulares semelhantes

 Elevação: clavícula convexa rola pra  protração: clavícula côncava rola e


cima e desliza pra baixo na concavidade desliza anteriormente sobre a face
do esterno convexa do esterno
 lig costoclavicular estirado  lig capsular posterior e
costoclavicular estirados
 Abaixamento: clavícula convexa rola
pra baixo e desliza pra cima na  retração: clavícula côncava rola e
concavidade do esterno desliza posteriormente na concavidade
 lig interclavicular estirado do esterno
 lig capsular anterior e
costoclavicular estirados

ARTICULAÇÃO ESTERNOCLAVICULAR ARTICULAÇÃO ACRÔMIOCLAVICULAR

ROTAÇÃO AXIAL (LONGITUDINAL)

 Rotação posterior de 40-50°

 Estão associados com movimentos de


flexão e abdução do ombro

 retorno do braço ao lado do corpo –


clavícula gira de volta à posição original

ARTICULAÇÃO ACRÔMIOCLAVICULAR ARTICULAÇÃO ACRÔMIOCLAVICULAR


ROTAÇÃO PARA CIMA E PARA BAIXO

 Rotação p/ cima – escápula em


 Presença de disco articular rotação para cima e para fora

 Contribui para a rotação completa


 Articulação plana ou deslizante para cima da ‘escapulotorácica’

 Lig. capsular superior – reforçado pelos músculos deltóide e  Rotação para baixo – escápula de volta
trapézio superior à posição anatômica

 Lig. coracoacromial fornece estabilidade adicional à articulação

4
ARTICULAÇÃO ACRÔMIOCLAVICULAR ARTICULAÇÃO ESCÁPULO-TORÁCICA
AJUSTES NOS PLANOS HORIZONTAL E SAGITAL

 Plano horizontal – leva a margem  ‘Falsa articulação’


medial da escápula para longe e em
direção à face lateral do tórax  ponto de contato entre face
anterior da escápula e a parede
 Plano sagital – leva o â inferior a póstero-lateral do tórax
inclinar para longe ou em direção ao
tórax  Resultado direto dos movimentos
da esternoclavicular e
 Ajustes entre 10 a 30° acrômioclavicular

 intensificam a qualidade e quantidade  movimentos do ombro


de movimento na ‘escápulo-torácica’ dependem crucialmente da
escápulo-torácica

ARTICULAÇÃO ESCÁPULO-TORÁCICA ARTICULAÇÃO ESCÁPULO-TORÁCICA


ELEVAÇÃO E ABAIXAMENTO PROTRAÇÃO E RETRAÇÃO

ARTICULAÇÃO GLENOUMERAL ARTICULAÇÃO GLENOUMERAL

 Cápsula fibrosa dilatável e


ajustável

 Ampla mobilidade

 Manguito rotador e ligg


capsulares fundem-se na cápsula
fibrosa

 Máxima estabilidade para


articulação

 cabeça longa do bíceps – auxilia


na estabilidade
Ligg glenoumerais

5
Movimentos do ombro

Articulação mais móvel do corpo humano.


Vídeo 4 Movimenta-se em três planos e três eixos:

Eixo transversal: contido no plano frontal


Movimentos de flexão e extensão, executados no plano sagital

Eixo antero-posterior: contido no plano sagital


Vídeo 5 Movimentos de adução e abdução, efetuados no plano frontal

Eixo vertical: intersecção dos planos frontal e sagital


Movimentos flexão e extensão horizontal.

Há ainda os movimentos de rotação interna e externa, que acontecem em torno do eixo


longitudinal do úmero, que pode estar contido em qualquer um dos planos.

Flexão e extensão Adução

Extensão: ADM 45 a 50º Posição de referência: membros superiores pendidos ao longo do corpo, palmas das mãos
Flexão: ADM 180º - grande amplitude. voltadas para o tronco. É impossível de ser realizada no plano frontal pela presença do
tronco. Deve ser acompanhada de pequena extensão (ADM muito pequena), ou flexão
(ADM 30 a 45º).

Abdução
Rotação
Posição de referência: membros superiores pendidos ao longo do corpo, palmas das mãos
voltadas para o tronco. Posição de referência: estipula-se a flexão de cotovelo no plano sagital. Isso torna a
ADM 180º mensuração de ADM mais precisa, pois isola a rotação do ombro, da prono- supinação
Acontece em três estágios: do antebraço.
•0 a 60º - unicamente na articulação escapulo-umeral Rotação interna – 100 a 110º de ADM, sendo necessário passar o antebraço atrás do
•60 a 120º - participação da articulação escapulo-torácica tronco.
•120 a 180º - inclinação do tronco do lado oposto. Rotação externa – 80º de ADM.
A abdução é realizada freqüentemente associada a uma leve flexão, como nos movimentos de
levar a mão na nuca ou a boca

6
Movimentos da cintura escapular no plano horizontal Associação de movimentos do ombro

Anteposição
Retroposição

Pentear-se e levar a mão à nuca Colocar um casaco

Posição funcional: 45º de flexão do ombro, 45º de abdução e rotação interna de 30 a 40º
(cotovelo fletido). É a posição de imobilização do ombro nas fraturas de diáfise do úmero,
pois corresponde a posição de estado de equilíbrio dos músculos periarticulares do ombro.

Vídeo 6

Cápsula
A cápsula articular é uma capa de tecido fibroso que envolve as articulações Gleno-umeral: entre a cavidade glenóide e o úmero, possui três feixes (superior, médio e
promovendo reforço e estabilidade. No caso do ombro a cápsula é frouxa devido as suas inferior), formando de um Z.
grandes ADMs, e acompanha-se de reforços ligamentares. oFeixes médio e inferior: limitam a abdução.
oTrês feixes: limitam a rotação externa.
Ligamentos
Coraco-umeral: liga o processo coracóide à tuberosidade maior do úmero, e à
tuberosidade menor, estando assim dividido em dois feixes.
oO feixe inserido na tuberosidade maior limita a flexão
oO feixe inserido na tuberosidade menor limita a extensão

7
O tendão intra articular da porção longa do bíceps
Conóide: entre a clavícula e o vértice do processo coracóide.
oLimita o movimento de abertura do ângulo entre a clavícula e a escápula.
Insere-se interiormente na articulação gleno-umeral e impede a luxação inferior da cabeça
oLimita a rotação axial na articulação acrômio-clavicular
do úmero, juntamente com outros músculos, principalmente durante a contração do bíceps
Trapezóide: entre a clavícula e o segmento horizontal do processo coracóide.
durante o levantamento de um objeto pesado. O tendão da porção longa do bíceps coloca a
oLimita o movimento de fechamento do ângulo entre a clavícula e a escápula.
cabeça do úmero dentro da cavidade glenóide, tanto na flexão quanto na abdução.
oLimita a rotação axial na articulação acrômio-clavicular

Translação vertical da escápula (abaixamento e elevação): necessariamente acompanha


Movimentos da escápula uma pequena báscula.

A escápula está localizada num plano oblíquo, formando com o plano frontal um ângulo
de 30º. Está disposta entre a 2º e 7º costela.

• Deslocamento lateral da escápula (adução e abdução): quando a escápula se desloca no


sentido da linha média, ela tende a entrar no plano frontal aumentando o ângulo da escápula
com a clavícula, ao contrário, quando a escápula se desloca para longe da linha média, ela
tende a orientar-se no plano sagital, diminuindo o ângulo.
Báscula da escápula: rotação da escápula no seu plano, para baixo (com direcionamento
da glenóide para baixo) ou para cima (direcionamento da glenóide para cima). ADM 60º.

Músculos da região do Ombro Escápula ao tronco


 Da escápula ao tronco [6] - Serrátil Anterior, Trapézio,
Rombóide Maior e Menor, Peitoral Menor, Subclávio, e
Elevador da Escápula
Escápula..
 Posteriormente- Trapézio, Rombóide Maior e Menor, e
Posteriormente-
Elevador da Escápula
Escápula..
 Da escápula ao úmero [9] - Deltóide, Supra-
Supra-espinhoso, Infra
Infra--
espinhoso, Redondo Menor, Subescapular, Redondo Maior,  Anteriormente - Peitoral Menor, Subclávio, Serrátil
Córacobraquial,, Bíceps e Tríceps.
Córacobraquial Tríceps. Anterior..
Anterior

 Do tronco ao úmero [2] – Grande Dorsal, Peitoral Maior

8
TRAPÉZIO ROMBÓIDES MAIOR E MENOR
O: Fibras superiores: protuberância occipital, processos espinhosos C1 a C7. O: Processos espinhosos de C7 a T5.
Fibras médias: processos espinhosos T1 a T5. I: Borda medial da escápula, da espinha à borda
Fibras inferiores: processos espinhosos T6 a T12. inferior.
I: Fibras superiores: 1/3 clavícula e acrômio. A: elevação, adução e rotação da escápula, e fixa o
Fibras médias: lábio superior da espinha da escápula. ângulo inferior da escápula contra as costelas.
Fibras inferiores: borda caudal da espinha da escápula.
A: Adução e rotação para cima da escápula.

LEVANTADOR DA ESCÁPULA SERRÁTIL ANTERIOR


O: Tubérculos posteriores dos processos
transversos de C1 a C4. O: Digitação na face externa das 8 primeiras costelas.
I: Borda medial da escápula, do ângulo superior à I: (Face costal) ângulo superior, borda medial e ângulo inferior da escápula.
espinha. A: Porção superior: puxa a escápula p/ frente e abdução.
A: Elevação, adução e rotação p/ baixo da Porção inferior: rotação da escápula p/ cima (ocorre na flexão e abdução).
escápula.

PEITORAL MENOR MÚSCULOS ESCAPULARES


O: 2 A 5º Costela, próximo a união da cartilagem
costal com a costela.
I: Borda medial do processo coracóide.
A:Depressão e abdução da escápula.

SUBCLÁVIO
Adução: Trapézio médio, Elevador da escápula
O: União da cartilagem costal com a 1º costela. e Rombóides.
I: Sulco na face inferior da clavícula.
A: Abaixa a clavícula ( depressão da escápuloa) e
coloca a extremidade interna da clavícula com o
manúbrio esternal (coaptador). Elevação: Elevador da escápula e Rombóides.

Abdução: Serrátil Anterior e Peitoral Menor.

Depressão (abaixa): Peitoral Menor e Subclávio.

9
DELTÓIDE
Escápula ao Úmero O: Espinha da escápula, acrômio e terço
lateral da clavícula.
I: Tuberosidade deltoidiana do úmero.
 Da escápula ao úmero [9] A: Abdução da escapulo-umeral.
Porção clavicular: flexão.
Porção escapular: extensão.
 Deltóide,
 Supra--espinhoso,
Supra
 Infra-- espinhoso,
Infra
 Redondo Menor,
 Subescapular,
 Redondo Maior,
 Córacobraquial,,
Córacobraquial
 Bíceps
 Tríceps..
Tríceps

REDONDO MAIOR
O: Borda lateral da escápula (1/3 inferior).
I: Crista do tubérculo menor do úmero.
SUPRAESPINHOSO A: Rotação interna e adução da escapulo-umeral.
O: Fossa espinhal da escápula.
I: Tubérculo maior do úmero.
A: Abdução e rotação externa da
escapulo-umeral

INFRAESPINHOSO
O: Fossa infraespinhal da escápula.
I: Tubérculo maior do úmero.
A: Rotação externa da escapulo-umeral.

SUBESCAPULAR
REDONDO MENOR
O: Borda lateral da escápula. O: Face costal da escápula.
I: Tubérculo maior do úmero. I: Tubérculo menor do úmero.
A: Rotação externa da escapulo-umeral. A: Rotação interna da escapulo-umeral.

10
Coaptação muscular do ombro

•Transversal: garantem a estabilidade da cabeça umeral dentro da cavidade glenóide:


Manguito rotador:
1.Supraespinhoso,
2.Subescapular,
3.Infraespinhoso,
4.Redondo menor
Tendão da porção longa do bíceps

• Longitudinais: impedem a luxação inferior da cabeça umeral.


1. Porção curta do bíceps
2. Coracobraquial
3. Tríceps
4. Feixes do deltóide
5. Feixe clavicular do peitoral maior

BÍCEPS

O: Porção longa: Tubérculo supraglenoidal


Porção curta: Processo coracóide da escápula.
I: Tuberosidade do rádio e através da aponeurose do
bíceps, na fáscia do antebraço.
A: Flexão do antebraço, supinação e abdução da escapulo-
umeral (porção longa).

Vídeo 7

11
ABDUÇÃO DO BRAÇO
OS TRÊS TEMPOS DA ABDUÇÃO DO BRAÇO

Articulação escapulo-umeral: Deltóide, Supraespinhoso e Bíceps (porção longa).


Articulação escapulo-torácica: Serrátil Anterior e Trapézio Primeiro tempo: 0 a 90º. Acontece na
articulação escapulo-umeral, e termina com o
bloqueio do tubérculo maior na cavidade
glenóide (que é retardado com a rotação externa
ou flexão).
Músculos: Deltóide (1) e Supraespinhoso (2).

Segundo tempo: 90 a 150º. Articulação


escapulo-torácica -rotação para cima (60º),
acompanhada de rotações longitudinais das
articulações esterno-costo-clavicular e acrômio-
clavicular (30º cada uma).
Limitada pela resistência dos músculos adutores
(Grande Dorsal e Peitoral Maior).
Músculos: Trapézio (3 e 4) e Serrátil Anterior
(5).

CORACOBRAQUIAL
OS TRÊS TEMPOS DA ABDUÇÃO DO BRAÇO
O: Processo coracóide da escápula.
I: Terço médio do úmero, medialmente.
A: Flexão da escapulo-umeral.
Terceiro tempo: 150 a 180º. Há a participação da coluna
vertebral. Se o movimento for unilateral, ocorre uma
inclinação lateral, e se for bilateral, ocorre uma
hiperlordose lombar. Em ambos os casos por ação dos
músculos paravertebrais.

Do tronco ao Úmero PEITORAL MAIOR

O: Metade medial da clavícula, esterno, 6 primeiras cartilagenscostais e aponeurose do


músculo oblíquo externo.
I: Tendão único que se insere na crista do tubérculo maior do úmero.
A: Adução da escapulo-umeral. Porção clavicular: flexão.
 Do tronco ao úmero [2]
 Grande Dorsal
 Peitoral Maior

12
OS TRÊS TEMPOS DA FLEXÃO DO BRAÇO OS 3 TEMPOS DA FLEXÃO DO BRAÇO

Primeiro tempo: 0 a 50-60º. Acontece na articulação escapulo-umeral e é limitada pela


tensão do ligamento coraco-umeral, e pela resistência dos músculos Redondo Menor,
Redondo Maior e Infraespinhoso.
Músculos: feixe anterior do Deltóide (1), coracobraquial (2) e feixe superior do Peitoral
Maior (3).

Segundo tempo: 60 a 120º. Articulação escapulo-torácica. Acontece uma rotação para cima
da escápula e rotação axial das articulações esterno-costo-clavicular e acrômio-clavicular, e é
limitada pela resistência dos músculos Grande Dorsal e feixe inferior do Peitoral Maior.
Músculos: Trapézio (4 e 5) e Serrátil Anterior (6).

Terceiro tempo: 120 a 180º. Intervenção da coluna vertebral. Na flexão unilateral há


inclinação lateral, e na bilateral há hiperlordose lombar

GRANDE DORSAL
ROTAÇÃO DO BRAÇO
O: Processos espinhosos das 6 últimas vértebras torácicas, fáscia toracolombar e crista ilíaca.
I: Crista do tubérculo menor do úmero e assoalho do sulco intertubercular. 1º Tempo: Escapulo-umeral.
A: Adução, rotação interna e extensão da escapulo-umeral.
Músculos Responsáveis:
Rotadores internos: Grande Dorsal (1), Redondo
maior (2), Subescapular (3), Peitoral Maior (4).
Rotadores externos: Infraespinhoso (5) e Redondo
Menor (6).

2º Tempo: Escapulo-torácica.

A rotação na articulação escapulo-umeral não é suficiente para suprir a totalidade da rotação


do MS, então é necessário os movimentos de adução e abdução da escápula..
A adução da escápula aumenta a rotação externa e os músculos responsáveis são: Rombóides
e Trapézio.
A abdução da escápula aumenta a rotação interna e os músculos são: Serrátil Anterior e
Peitoral Menor.

TRÍCEPS BRAQUIAL EXTENSÃO DO BRAÇO


O: Porção longa: tubérculo infraglenoidal da escápula.
Porção medial: face posterior do úmero, abaixo do sulco para o n. radial. 1º Tempo: Extensão da escapulo-umeral.
Porção lateral: face posterior do úmero, acima do sulco para o n. radial. Músculos: Redondo Maior (1), Redondo Menor (5), feixe posterior do Deltóide (6)
I: Face posterior do olecrano, da ulna. Grande Dorsal (2) e Tríceps ( porção longa).
A: Extensão da escapulo-umeral (porção longa), e extensão do antebraço.
2º Tempo: Adução da escapulo-torácica (aumenta a ADM da extensão do braço).
Músculos: Rombóide (4) e Trapézio (7).

13
Vídeo 8

14