Você está na página 1de 16

Análise Circ.

Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

Eletrotécnica – TEXTO Nº 3
ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS EM CA

1. ELEMENTOS BÁSICOS IDEAIS EM CA

n RESISTOR IDEAL

v(t ) = R ⋅ i (t ) Propriedade Básica

Domínio do Tempo Domínio da Freqüência


i(t) I Im
+ I = I ef ∠δ = ∠δ
+ 2
i (t ) = I m cos(ω t + δ )
+ +
v(t) R Ri(t) V R RI
V
_ v(t ) = R ⋅ i (t ) = _ V = Vef ∠δ = m ∠δ =
2
= R ⋅ I m cos(ω t + δ ) = Im
= R⋅ ∠δ = R ⋅ I ef ∠δ =
= Vm cos(ω t + δ ) 2
v(t ) = R ⋅ i (t ) V = R⋅I = R⋅I

Tensão

Corrente Corrente em fase


com a tensão

V (ω )
V (ω ) = R ⋅ I (ω ) Z (ω ) = =R
I (ω )

IMPEDÂNCIA Resistência
1 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

o INDUTOR IDEAL

di (t )
v(t ) = L ⋅ Propriedade Básica
dt

Domínio do Tempo Domínio da Freqüência

i(t) I Im
I = I ef ∠δ = ∠δ
+ i (t ) = I m cos(ω t + δ ) +
2
+ +
di (t )
v(t) L L⋅ V L jω L ⋅ I
dt
_ _
_ v(t ) = L ⋅ [ −ω I m sen( ωt + δ ) ] = _ V = Vef ∠δ + 90D =
Vm
∠δ + 90D =
= ω L ⋅ I m cos( ωt + δ + 90°) = 2
= Vm cos( ωt + δ + 90°)
ω L ⋅ Im I
= ∠δ + 90D = jω L ⋅ m ∠δ =
di (t )
v(t ) = L ⋅ V = jω L ⋅ I 2 2
dt = jω L ⋅ I ef ∠δ = jω L ⋅ I

Tensão

Corrente
Corrente atrasada 90°
em relação à tensão

di (t ) Laplace
v(t ) = L ⋅ ⎯⎯⎯⎯→ V ( s ) = sL ⋅ I ( s )
dt
Fazendo s = j ω vem que
V (ω )
V (ω ) = jω L ⋅ I (ω ) Z (ω ) = = jω L = j X L
I (ω )

IMPEDÂNCIA Reatância Indutiva


2 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

p CAPACITOR IDEAL

q(t ) ∫ i(t ) dt 1
C∫
C= = ⇒ v(t ) = i(t ) dt Propriedade Básica
v(t ) v(t )

Domínio do Tempo Domínio da Freqüência


Im
i (t ) = I m cos(ω t + δ ) I = I ef ∠δ = ∠δ
i(t) I 2
+ +
+ +
v(t) C vC(t) 1 ⎡ I m sen( ωt + δ ) ⎤ V C VC
v(t ) = ⋅ Vm
_
C ⎢⎣ ω ⎥= _ V = Vef ∠δ − 90D = ∠δ − 90D =
⎦ 2
_ 1 _
= ⋅ [ I sen( ωt + δ )] = =
1 Im
⋅ ∠δ − 90D =
ωC m ωC 2
1 1 1
C∫
v(t ) = i(t ) dt = ⋅ I cos( ωt + δ − 90°) = V =−j ⋅I =−j
1
⋅ I ef ∠δ = − j
1
⋅I
ωC m ωC ωC ωC
= Vm cos( ωt + δ − 90°)

Tensão

Corrente
Corrente adiantada 90°
em relação à tensão

1 Laplace 1
C∫
v(t ) = i (t ) dt ⎯⎯⎯⎯→ V ( s ) = ⋅ I (s)
sC
Fazendo s = j ω vem que

1 V (ω ) ⎛ 1 ⎞
V (ω ) = − j ⋅ I (ω ) Z (ω ) = = j⎜− ⎟ = j XC
ωC I (ω ) ⎝ ω C ⎠
IMPEDÂNCIA Reatância Capacitiva
3 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

2. ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS EM RPS

n IMPEDÂNCIA
Chama-se impedância a relação entre os fasores tensão e corrente,
tomados em um determinado ponto de um circuito elétrico.

V
Z= = R+ j X
I
Como V e I são dois fasores (representados por números complexos),
então a impedância também é um número complexo, embora não
possua característica de fasor (não gira com velocidade angular ω
uma vez que tanto V quanto I giram, e desta forma são estacionários,
um em relação ao outro). Desta forma pode-se representar Z por uma
parte real (uma resistência) e uma parte imaginária (uma reatância,
que pode ser indutiva ou capacitiva, dependendo da predominância
dos elementos do circuito elétrico).
No item anterior foram mostradas as seguintes relações entre a
tensão nos terminais e a corrente nos elementos básicos ideais de
circuitos em CA:
_
+ R·I
V
Resistor Ideal I R V = R⋅I Z= =R
I
+
V
_
j XL·I_
+
V
Indutor Ideal
I
V = j XL ⋅ I Z= = j XL
I
+
V
_
_ j XC ·I
_
+
Capacitor Ideal V
I V = − j XC ⋅ I Z= = − j XC
+
I
V
_
4 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

Os elementos básicos ideais podem ser combinados de forma a


formar circuitos elétricos mais complexos.

o CIRCUITO RL SÉRIE EM RPS


O circuito RL série é formado pela associação série de um resistor
ideal e um indutor ideal, como mostra a figura abaixo, onde se
considera uma fonte de tensão ideal senoidal dada por Em cos ωt ,
representada pelo fasor E = Em 2 ∠0° .
I R

VR
+
⎧n=3 ⎧ r = n − 1 = 2 ( MTN )
E VL j XL ⎨ ⇒ ⎨
_ ⎩ e = 3 ⎩ c = e − r = 1 ( MCM )

O Método das Correntes de Malha é o mais indicado para a resolução


este circuito. Assim

E − VR − VL = 0
ou seja

E = VR + VL = R I + j X L I
ou ainda

E = (R + j XL ) I
Desta forma

E E
I= =
R + j XL Z
5 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

O denominador da equação anterior é uma impedância que possui


uma parte real positiva associada ao resistor ideal e uma parte
imaginária também positiva associada ao indutor ideal. Utilizando
notação polar vem que

E E ∠0° E
I= = = ∠ − θ Z = I ∠θ I
Z Z ∠θ Z Z
onde

⎧ Z = R2 + X 2
⎪ L

⎨ ⎛ XL ⎞
θ
⎪ Z = arctg ⎜ ⎟
⎩ ⎝ R ⎠
A figura abaixo mostra a impedância Z (notar que θZ é positivo) e os
fasores V e I (notar que θI é negativo) para este circuito elétrico.

XL Z V
ω
θI = – θZ
θZ
I
R ω
Para se obter a corrente i(t) basta lembrar da relação entre fasor e
onda senoidal no tempo, ou seja

E
i (t ) = I m cos(ωt + θ I ) = 2 cos (ωt − θ Z ) =
Z
Em
= cos (ωt − θ Z )
R +X 2 2
L

6 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

EXEMPLO
Considere o circuito RL anterior, mostrado novamente abaixo, com
R = 50 Ω, L = 0,1 H, f = 60 Hz e V = 120∠0° V. Pede-se calcular para
este circuito sua impedância total e a corrente.
I R
SOLUÇÃO:
+
A reatância indutiva do indutor vai ser dada E
j XL
por _
ω = 2π f = 377 rad / s
X L = ω L = 37, 7 Ω

A impedância do circuito RL vai ser


Z = R + j X L = ( 50 + j37,7 ) Ω
⎛ 37, 7 ⎞
= 502 + 37,7 2 ∠ arctg ⎜ ⎟=
⎝ 50 ⎠
= 62,6∠37°Ω

A corrente vai ser dada por


E 120∠0°
I= = = 1,916∠ − 37° A
Z 62, 2∠37°
A onda de corrente no tempo vai ser

i (t ) = 2 ⋅ 1,916cos(377t − 37°)

7 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

p CIRCUITO RC SÉRIE EM RPS


O circuito RC série é formado pela associação série de um resistor
ideal e de um capacitor ideal, como mostra a figura abaixo, onde se
considera uma fonte de tensão ideal senoidal dada por Em cos ωt ,
representada pelo fasor E = Em 2 ∠0° .
I R

VR
+
⎧n=3 ⎧ r = n − 1 = 2 ( MTN )
E VC -j XC ⎨ ⇒ ⎨
_ ⎩ e = 3 ⎩ c = e − r = 1 ( MCM )

O Método das Correntes de Malha é novamente o mais indicado para


a resolução este circuito. Assim

E − VR − VC = 0
ou seja

E = VR + VC = R I − j X C I
ou ainda

E = (R − j XC ) I
Desta forma

E E
I= =
R − j XC Z

8 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

O denominador da equação anterior é uma impedância que possui


uma parte real positiva associada ao resistor ideal e uma parte
imaginária negativa associada ao capacitor ideal.

Utilizando notação polar vem que

E E ∠0° E
I= = = ∠ − θ Z = I ∠θ I
Z Z ∠θ Z Z
onde

⎧ Z = R2 + X 2
⎪ C

⎨ ⎛ −XC ⎞
θ
⎪ Z = arctg ⎜ ⎟
⎩ ⎝ R ⎠
A figura abaixo mostra a impedância Z (notar que θZ é negativo) e os
fasores V e I (notar que θI é positivo) para este circuito elétrico.
R
ω
θZ
I
-XC θI = – θZ
Z
ω
V
Para se obter a corrente i(t) basta lembrar da relação entre fasor e
onda senoidal no tempo, ou seja

E
i (t ) = I m cos(ωt + θ I ) = 2 cos (ωt − θ Z ) =
Z
Em
= cos (ωt − θ Z )
R +X 2 2
C

9 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

EXEMPLO
Substituindo o indutor ideal do circuito RL anterior por um capacitor
de 24 µF, pede-se calcular para este I R
circuito sua impedância total e a corrente.

SOLUÇÃO: +
E -j XC
_
A reatância capacitiva do capacitor vai ser
dada por

ω = 2π f = 377 rad / s
1 1
XC = = = 110,522 Ω
ωC 377 ⋅ 24 × 10−6
A impedância do circuito RC vai ser

Z = R − j X C = ( 50 − j110,522 ) Ω
⎛ 110,522 ⎞
= 502 + 110,5222 ∠ − arctg ⎜ ⎟=
⎝ 50 ⎠
= 121,3∠ − 65,7°Ω

A corrente vai ser dada por


E 120∠0°
I= = = 0,99∠65,7° A
Z 121,3∠ − 65,7°
A onda de corrente no tempo vai ser

i (t ) = 2 ⋅ 0,99cos(377t + 65,7°)

10 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

q CIRCUITO RLC SÉRIE EM RPS


O circuito RLC série é formado pela associação série de um resistor
ideal, de um indutor ideal e de um capacitor ideal, como mostra a
figura abaixo, onde também se considera uma fonte de tensão ideal
senoidal dada por Em cos ωt , representada pelo fasor E = Em 2 ∠0° .
I R

VR
+
E ⎧n=4 ⎧ r = n − 1 = 3 ( MTN )
_
VC -j XC
⎨ ⇒ ⎨
VL ⎩e=4 ⎩ c = e − r = 1 ( MCM )

j XL

O Método das Correntes de Malha é novamente o mais indicado para


a resolução este circuito. Assim

E − VR − VC − VL = 0
ou seja

E = VR + VC + VL = R I − j X C I + j X L I
ou ainda

E = R + j ( X L − XC ) I
Desta forma

E E
I= =
R + j ( X L − XC ) Z

11 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

O denominador da equação anterior é uma impedância que possui


uma parte real positiva associada ao resistor ideal e uma parte
imaginária que pode ser positiva, negativa, ou nula, dependendo dos
valores de XL e XC. Se XL > XC diz-se que o circuito é
predominantemente indutivo e a corrente I vai estar atrasada em
relação à tensão E. Por outro lado, se XL < XC diz-se que o circuito é
predominantemente capacitivo e a corrente I vai estar adiantada em
relação à tensão E. Por último, se XL = XC diz-se que o circuito está
em ressonância para a freqüência ω. Neste caso a corrente I vai estar
em fase com a tensão aplicada e vai ter valor máximo.

Utilizando notação polar vem que

E E ∠0° E
I= = = ∠ − θ Z = I ∠θ I
Z Z ∠θ Z Z
onde


( L C)
2
⎪⎪ Z = R 2
+ X − X
⎨ X − XC ⎞
⎪ θ Z = arctg ⎜⎛ L ⎟
⎪⎩ ⎝ R ⎠
Para se obter a corrente i(t) basta lembrar da relação entre fasor e
onda senoidal no tempo, ou seja

E
i (t ) = I m cos(ωt + θ I ) = 2 cos (ωt − θ Z ) =
Z
Em
= cos (ωt − θ Z )
R +X
2 2
C

12 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

EXEMPLO
Adicionando o indutor ideal do circuito RL I R
original em série com o circuito RC
anterior, pede-se calcular para este +
circuito sua impedância total e a corrente.
E -j XC
_
SOLUÇÃO:

A reatância total do indutor em série com o j XL


capacitor vai ser dada por

ω = 2π f = 377 rad / s
X T = X L − X C = 37, 7 − 110,5 = −72,8 Ω

A impedância do circuito RC vai ser


Z = R + j X T = ( 50 − j 72,8) Ω
⎛ −72,8 ⎞
= 502 + 72,82 ∠ arctg ⎜ ⎟=
⎝ 50 ⎠
= 88,3∠ − 55,5°Ω

A corrente vai ser dada por


E 120∠0°
I= = = 1,36∠55,5° A
Z 88,3∠ − 55,5°
A onda de corrente no tempo vai ser

i (t ) = 2 ⋅1,36 cos(377t + 55,5°)

13 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

EXEMPLO: Considere o circuito abaixo com Za formada por um


resistor de 50 Ω, Zb formado por um capacitor de 30 µF e Zc formado
por um indutor de 0,15 H em série com um resistor de 20 Ω. Sabendo-
se que a freqüência de serviço deste circuito é 60 Hz e que a
alimentação é de 127 V, pede-se calcular:
(a) as potências complexas absorvidas por cada uma das
impedâncias Za, Zb e Zc;
(b) a potência complexa gerada pela fonte de tensão ideal.
Za Zc
Ia A Ic
Ib
+ ⎧n=2 ⎧ r = n − 1 = 1 ( MTN )
Ea I1 Zb I2 ⎨ ⇒ ⎨
_ ⎩e=3 ⎩ c = e − r = 2 ( MCM )

B
A análise acima mostra que a solução pelo método das tensões de
nós é a mais adequada. No entanto, a título de exemplificar a solução
de circuitos elétricos CA, o circuito acima será resolvido pelos dois
métodos.
SOLUÇÃO PELO MTN
Pelos dados fornecidos no problema tem-se que:
ω = 2π f = 377 rad / s
Z a = 50 = 50∠0°Ω
1 1
Zb = − j X C = − j =−j = − j 88, 42 Ω = 88, 42∠ − 90° Ω
ωC 377 ⋅ 30 × 10−6
Z c = Rc + j X c = 20 + j377 ⋅ 0,15 = ( 20 + j56,55) Ω = 59,98∠70,5° Ω
Considerando o nó B como referência e escrevendo a LKC para o nó
A vem que
I a + Ib + Ic = 0
14 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

Ou seja

VA − Ea VA VA
+ + =0
Za Zb Z c

Substituindo os valores vem que

VA − 127∠0° VA VA
+ + =0
50 88, 42∠ − 90° 59,98∠70,5°

Ou ainda

⎛ 1 1 1 ⎞ 127∠0°
+ + ⋅
⎜ 50 88, 42∠ − 90° 59,98∠70,5° ⎟ A V =
⎝ ⎠ 50

Resultando em

0, 026∠ − 9, 78° ⋅ VA = 2,54∠0°

Desta forma, VA vai ser igual a

VA = 97,933∠9, 78° V

As correntes Ia, Ib e Ic serão iguais a

VA − 127∠0° 97,933∠9, 78° − 127∠0°


Ia = = = 0, 695∠151,37° A
50 50
VA 97,933∠9, 78°
Ib = = = 1,108∠99, 78° A
88, 42∠ − 90° 88, 42∠ − 90°
VA 97,933∠9, 78°
Ic = = = 1, 633∠ − 60, 73° A
59,98∠70,5° 59,98∠70,5°
15 de 16
Análise Circ. Corrente Alternada ® Clever Pereira / UFMG

A potência complexa absorvida por uma impedância Z, na convenção


de carga, é dada por

S = V ⋅ I* = (Z ⋅ I )⋅ I* = Z ⋅ I ⋅ I* = Z ⋅ I
2

Desta forma as potências complexas absorvidas pelas impedâncias


do circuito vão ser iguais a

S a = Z a ⋅ I a = 50∠0°⋅ ( 0, 695 ) = 24,134∠0° VA


2 2

Sb = Z b ⋅ I b = 88, 42∠ − 90° ⋅ (1,108 ) = 108, 473∠ − 90° VA


2 2

Sc = Z c ⋅ I c = 59,98∠70,5°⋅ (1, 633) = 159,895∠70,52° VA


2 2

Ou seja
Sa = 24,134∠0° VA = (24,134 + j 0) VA
Sb = 108, 473∠ − 90° VA = (0 − j 108, 473) VA
Sc = 159,895∠70,52° VA = (53,314 + j150, 742) VA

A potência complexa total consumida pelo circuito vai ser

ST = S a + Sb + S n = ( 77, 448 + j 42, 272 ) VA

A potência complexa fornecida pela fonte vai ser

S = E ⋅ ( − I a ) = 127∠0°⋅ ( −0.695∠151,37° ) =
* *

= 88, 233∠28, 63° VA = ( 77.448 + j 42, 272 ) VA

O leitor pode perceber que a potência complexa fornecida pela fonte


é a soma das potências complexas consumidas pelos elementos do
circuito, obedecendo o princípio de conservação da energia.

16 de 16