Você está na página 1de 1

Data 12 de julho Prof.: Cssio Scarpinella Bueno MANDADO DE SEGURANA Art. 5, LXIX, CF.

Mandado de segurana individual - direito lquido e certo: prova pr-constituda Smula 625, STF: Controvrsia sobre matria de direito no impede concesso de mandado de segurana. - no amparado por habeas data e habeas corpus: residual - legalidade ou abuso de poder: - praticada por autoridade pblica ou agente de pessoa jurdica no exerccios de atribuies do Poder Pblico Smula 333, STJ: cabe MS contra ato praticado em licitao promovida por sociedade de economia mista. Para o prof. O mandado de segurana na CF no cabe pelo servio e sim pelo agente. Art. 5, LXX, CF. Mandado de segurana coletivo A Lei 12.016/09 disciplina o Mandado de segurana que expressamente revogou a Lei 1533/51. Apesar de ser uma lei nova, ela reproduz muitos artigos da lei anterior e possui muitas falhas. (uma nova lei velha). O mandado de segurana no merecia uma lei com essa! Cabe MS para trancar processo legislativo? O art. 1, 3 da Lei do MS trata da possibilidade de um indivduo ingressar com MS defendendo interesses individuais homogneos. Smula 101, STF: o MS no substitui a ao popular QUEM RU EM MS? H UM LITISCONSRCIO PASSIVO NECESSRIO ENTRE A AUTORIDADE COATORA E A PESSOA JURDICA? A maioria da doutrina diz que no h, que somente a pessoa jurdica r. No entanto, o prof. com uma viso minoritria a lei acabou estabelecendo um litisconsrcio passivo necessrio, como possvel ver nos artigos 6, 7 e 9. (Para ele deve ser somente a PJ, diante da prpria dificuldade de identificar a autoridade coatora e esta representa a prpria PJ, mas a lei estabelece as duas.) O art. 6, caput, trata de autoridade e pessoa jurdica. A autoridade coatora definidora de competncia. H litisconsrcio passivo de todas as pessoas que se beneficiam do ato.