P. 1
Jogos

Jogos

|Views: 301|Likes:
Publicado porluanaalmon

More info:

Published by: luanaalmon on May 02, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/17/2014

pdf

text

original

Mancala (do árabe naqaala - "mover") é na verdade a denominação genérica de aproximadamente 200 jogos diferente.

Originário da África, onde teria surgido por volta do ano 2.000 antes de Cristo (para alguns o jogo tem mais de 7.000 anos), é jogado a ctualmente em inúmeros países africanos, mas já extrapolou as fronteiras deste continente. Um autor de nome De Voogt (citado por Lino de Macedo e outros, em seu livro "Aprender com Jogos" - Ed. Artmed - 2000) afirma que o jogo teria duas vertentes: uma asi ática, mais simples e jogado principalmente por mulheres e crianças; e a vertente africana, com regras mais complexas e variadas, jogada principalmente por homens. De Voogt afirma que algumas versões da mancala seriam mais complexas que o xadrez, já que se neste uma peça é movida por vez, na mancala, em todas as suas versões, são movidas diversas peças de cada vez, modificando constantemente a configuração do tabuleiro. Trata-se de um jogo com profundas raízes filosóficas. É jogado, habitualmente, com pequenas pedras ou com sementes. A movimentação das peças tem um sentido de "semeadura" e "colheita". Cada jogador é obrigado a recolher sementes (que neste momento não pertencem a nenhum dos jogadores), e com elas semeá-las suas casas do tabuleiro, mas também as casas do adversário. Seguindo as regras, em dado momento o jogador faz a "colheita" de sementes, que passam a ser suas. Ganha quem mais sementes tiver no final do jogo. É um jogo em que não há sorte envolvida, mas exclusivamente raciocínio lógico e mate mático. Geralmente é disputado por duas pessoas, mas existem variantes para até seis pessoas. No mesmo livro mencionado acima, são colocadas como características comuns dos jogos de Mancala, segundo Odeley: a) São jogados por duas pessoas, uma em frente à outra, com o tabuleiro longitudinalmente colocados entre elas; ( esta característica não é absoluta, na medida em que existem variações para mais de dois jogadores ) b)Antes de começar o jogo, o mesmo número de sementes é distribuído em cada uma das cavidades do tabuleiro; c) Os jogadores se alternam para jogar, distribuindo as sementes da cavidade escolhida, uma a uma, no sentido ant i-horário, nas cavidades subsequ entes; d) Sempre há captura de sementes, sendo a forma de captura diferente, dependendo do jogo em questão e) A partida termina quando restam muito poucas sementes para o jogo continuas ou quando resta apenas uma semente em cada lado; f) Ganha quem tem o maior número de sementes; g) As estratégias do jogo envolvem movimentos calculados, que exigem m uita

concentração, antecipação e esforço intelectual; O tabuleiro pode ser extremamente simples (como buracos no chão), podem ser toscamente esculpidos em madeira ou finamente trabalhados. Diz -se que antigos Marajás indianos, jogavam em tabuleiros decorad os, usando como peças, pedras preciosas. O tabuleiro ao lado foi feito por um artesão de Campos do Jordão, de nome Donizete (0xx12 3664.9460) que num pedaço de madeira nobre, entalhou um tabulei ro para mim. De forma propositada, pedi que o tabuleiro fosse rústico, em homenagem as origens simples do jogo. O resultado encontra-se ao lado. Como peças, comprei "cascalho" de pedras coloridas. O resultado ficou bem legal... Já o tabuleiro ao lado foi feito pelo artesão Zampa. Vale observar-se o delicado trabalho de marchetaria. O desenho formado lembra desenhos africanos e as divisões de um campo agrícola. As casas, não são redondas, tendo o formato de um "meio cilindro", o que facilita o ato de pegar-se as pedras. Estou usando efectivamente "pedras" para jogar. O resultado ficou muito bonito. O tabuleiro ao lado é de fabricação do Septimio. Na distante Belém do Pará, ele vem produzindo belas peças de aço e de madeira. Neste caso, o tabuleiro é de aço inox e as peças são pequenas pedras coloridas. A fim de quebrar um pouco a "frieza" do aço, sugeri a ele que inclua, ao invés de pedras, sementes de plantas amazónicas. Ele acolheu a sugestão, afirmando que vai fazê -lo. Do ponto de vista da funcionalidade, o tabuleiro tem o tamanho ideal, e as casas tem o formato certo, permitindo a rápida colheita das peças.

Algumas tribos jogam a mancala tão somente durante o dia, deixando o tabuleiro para fora de casa a noite, para que os deuses também possam jogar e, assim, com sua intervenção, favorecer as colheitas. Outras tribos não jogam mancala a noite, pois acreditam que nesta hora, espíritos de outro mundo

virão jogar também, levando então a alma dos jogadores embora. No Suriname, o Awari, uma das variantes do mancala, é jogada na véspera de um enterro, para distrair o morto. Depois do enterro, o tabuleiro é jogado fora. É jogado indiscriminadamente por homen s, mulheres, crianças, ricos e pobres. Mas nunca a dinheiro, já que seria uma de suas regras éticas (não escritas) que a mancala é jogada para se saber quem é o melhor e não para se obter ganhos financeiros. Uma lenda interessante: uma das versões de manca la é o Oware, ou nam nam, ou aminiam, considerado o jogo Nacional de Gana. O nome significa "ele casa". A lenda diz que um casal de jovens iniciou uma partida do jogo e, por estar este demorando, resolveram casar -se a fim de poder terminar a partida sem interrupções... Daí o nome. É um excelente jogo para o desenvolvimento da capacidade matemática das crianças, bem como para noções de proporção e estratégia. Sua simplicidade faz com que seja um jogo muito popular que, lentamente, começa a ocupar seu lugar e ntre os apreciadores de jogo do mundo. Um exemplo interessante, é este tabuleiro da colecção da "Origem". O tabuleiro em forma de peixe, foi feito obviamente por alguém ligado ao mar e a pesca. Folheando o livro o "Aprender com jogos - situações e problemas", já citado, os autores deram a ideia de se fazer o tabuleiro com caixa de ovos. Especialmente para crianças é uma ideia muito interessante: elas "constroem" o tabuleiro e depois jogam com ele ... Neste mesmo livro são analisadas as possibilidades educacionais do jogo, já que o jogador "...Ao decidir enfrentar o desafio, ele envolve -se num contexto em que coordenar suas acções e planeá-las, antecipando a consequência de cada uma delas, são condições essenciais para vencer". Outras denominações da mancala:

Adi ² Daomé Andot - Sudão, especialmente pela tribo Bega - é jogado no chão, com excrementos secos de camelo Aware, Awalé, Awari - Alto Volta, Suriname Ayo ² Nigéria Baulé - Costa do Marfim, Filipinas e Ilhas Sonda Jodu Kakua - Gana, Nigéria Kalah ² Argélia Oware - Gana - era jogado especialmente pelos famosos Ashanti Tantam - Apachi

Walu, Adji e Ti ² Brasil Wari - Sudão, Gâmbia, Senegal, Haiti
Depois de muito tempo, a cabei criando "vergonha na cara" e estou colocando na página as regras para as seguintes versões de mancala: Trata-se de um único arquivo, extraído da colecção "Os melhores jogos do mundo", em formato "pdf". para baixar, clique no link abaixo:

Andot Awelé Jodu Kakua Kalah Oware

REGRAS PARA MANCALA O Ouri
Um projecto interessante, é a divulgação de uma das variantes do mancala, o "Ouri", em Portugal. Troquei algumas mensagens com as simpaticíssimas TERESA SANTOS e ANA FRAGA, que estão com um proje cto para divulgação do jogo em escolas daquele país. Elas gentilmente permitiram que eu disponibilizasse aqui as REGRAS do "Ouri", que é a versão do mancala jogada em Cabo Verde. Foto do livro "O Ouri - Um jogo Cabo Verdiano e sua prática em Portugal". Um projecto interessante, é a divulgação de uma das variantes do mancala, o "Ouri", em Portugal. Troquei algumas mensagens com as simpaticíssimas TERESA SANTOS e ANA FRAGA, que estão com um proje cto para divulgação do jogo em escolas daquele país. Elas gentilmente permitiram que eu disponibilizasse aqui as REGRAS do "Ouri", que é a versão do mancala j ogada em Cabo Verde. Quem quiser conhecer o site, o endereço é http://ouri.ccems.pt/

Tchuka
Este jogo, se não é uma variação da mancala tradicional, é muito parecido com ela. Trata-se na verdade de um quebra -cabeças de origem siberiana. Veio descrito na edição de janeiro/1990 da revista Superinteressante, por Luiz Dal Monte Neto.

O tabuleiro (que como a mancala pode ser até buracos no chã o) deve ter 5 buracos, sendo que o último buraco deve ser maior e deve ficar a direita dos demais. Este buraco é a "Ruma". Em cada buraco, com excepção da ruma, devem ser colocadas 2 peças. Como na mancala, o jogador deve colher todas as peças de um buraco e semeá-las pelos demais buracos, inclusive na "ruma". Se ainda existirem peças a serem semeadas, estas voltam a ser distribuídas a partir do buraco da esquerda. A partir daí, são três as situações possíveis: 1) A última peça semeada cai na "ruma". O jogador deve então escolher outro buraco, colher as peças e voltar a semeá -las. 2) A última peça cai numa casa ocupada. O jogador deve colher as peças dessa casa e reiniciar a semeadura. 3) A última peça cai numa casa vazia. O jogador perdeu, devendo redistribuir as peças e reiniciar o jogo. Só existe uma solução possível, que deve ser atingida em 10 movimentos.

Yoté
É um jogo de origem africana, para dois jogadores. Foi descrito na mesma edição da Superinteressante acima mencionada. Interessante notar que a movimentação das peças é, inicialmente, como no "Moinho", ou seja, as peças estão fora do tabuleiro e vão sendo gradativamente colocadas neste, e a tomada das peças é feita como no "Jogo de Damas". Aparentado do mancala, o tabuleiro de "Yoté" tem 30 bura cos, divididos em 5 filas de 6 buracos cada. Cada jogador deve ter 12 peças de cores ou formatos diferentes, de modo a serem facilmente diferenciadas. O jogo é iniciado com todas a peças fora do tabuleiro. Cada jogador coloca uma peça no tabuleiro. A parti r deste instante, alternadamente, os jogadores podem optar por colocar uma nova peça, ou mover uma que já esteja no tabuleiro. A movimentação se dá sempre para uma casa adjacente, horizontal ou verticalmente. Nunca diagonalmente.A tomada de peças do adversário, ocorre como no jogo de damas, ou sejam saltando -se sobre uma peça do adversário, que esteja num buraco adjacente, caindo sempre em um buraco vago. A tomada só ocorre na horizontal ou vertical, nunca na diagonal. Além da peça tomada, o jogador pode ti rar uma outra peça do adversário a sua livre escolha. Aquele que ficar sem peças, ou com peças bloqueadas de modo a não poder mover-se, perde o jogo.O empate é possível, bastando que não tenham os jogadores peças suficientes para forçar a vitória.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->