Você está na página 1de 3

Urbanismo e Mobilidade - algumas definições

ALGUMAS DEFINIÇÕES:
Arrendamento - Contrato pelo qual uma das partes concede à outra o
gozo temporário de um alojamento, no todo ou em parte, mediante
retribuição (renda).
Edifício - Construção independente, coberta, limitada por paredes
exteriores ou paredes meias que vão das fundações à cobertura,
destinada a servir de habitação (com um ou mais fogos/alojamentos) ou
outros fins.
Fogo/Alojamento familiar clássico - Local distinto e independente,
constituído por uma divisão ou conjunto de divisões e seus anexos, num
edifício de carácter permanente ou uma parte distinta do edifício (do
ponto de vista estrutural), que, considerando a maneira como foi
construído, reconstruído, ampliado ou transformado, se destina a servir
de habitação, normalmente, apenas de uma família/agregado
doméstico privado. Deve ter uma entrada independente que dê acesso
(quer directamente, quer através de um jardim ou um terreno) a uma
via ou a uma passagem comum no interior do edifício (escada, corredor
ou galeria, etc.). As divisões isoladas, manifestamente construídas,
ampliadas ou transformadas para fazer parte do fogo/alojamento
familiar clássico são consideradas como parte integrante do mesmo.
Tipologia de arrendamento do edifício - Considera-se a possibilidade de
o alojamento estar arrendado (mobilado ou não pelo senhorio),
subarrendado ou noutra situação (cedido, porteiros, etc.).
Regime de Propriedade do Alojamento - Tipologia de entidades
proprietárias do alojamento. Os alojamentos poderão ser propriedade
dos seus ocupantes ou de outras entidades: particulares/empresas
privadas, Estado ou instituições públicas autónomas, empresas públicas,
autarquias locais, caixas e outras instituições sem fins lucrativos ou
cooperativas de habitação.

OS PRIMEIROS PASSOS A DAR PARA TERMOS A NOSSA CASA

Terreno – espaço imóvel onde se pretende implantar a sua casa tendo


em atenção a sua localização e envolventes.

Projecto – Começa aqui a primeira fase da obra, o ante-projecto;


inicialmente só na imaginação, procurando harmonizar os diferentes
temas construtivos com a causa espiritual que os cria. O projectista
forma-se assim uma imagem esquemática da casa e do seu ambiente,
que se materializa ao conceder a planta e o alçado. Este processo
imaginativo geralmente num croqui a carvão ou em algumas silhuetas de
papel recortado que ao leigo, parecerão supérfluas, mas nas quais o
profissional vê logo o objecto com «corpo» que lhe permitirá, através
de várias afinações, chegar a uma expressão correcta do edifício que
projecta. Seguidamente, vem a elaboração do “PROJECTO”, as
entrevistas com os técnicos de cálculos de resistência, de canalizações,
aquecimento, electricidade, etc, que ajudam a determinar todos os
elementos da construção.

Caderno de Encargos – É neste Caderno que todo o tipo de material,


técnica, método, tempo, que vai ser aplicado na obra está descrito,
tendo mesmo além das quantidades os preços, para que o dono da obra
saiba o quanto lhe vai custar os trabalhos a realizar.

Licença de Construção – Após aprovação dos projectos pela entidade


competente, é o documento que autoriza o início das obras.

Pedido de Vistoria – É a verificação feita pela entidade competente, na


qual verifica se todo o projecto foi cumprido conforme a autorização
dada para o inicio das obras, e se se cumpriu o projecto.

Licença de Utilização – Após a vistoria, e a autorização passada pela


entidade competente, para que o imóvel possa ser habitado.

Ficha Técnica da Habitação (B.I.) – Ficha onde toda a história da


construção fica escrita e assinada pelo responsável técnico e dono da
obra, como por exemplo: os materiais (azulejos, pavimentos, loiças
sanitárias, torneiras, tintas, identificando-se as fabricas e produtores
para servirem de garantia), as áreas, o que poderá ou não valorizar o
imóvel.

Titular do Prédio ou Fracção – Por titular do prédio (imóvel ou fracção)


entende-se o proprietário, usufrutuário ou superficiário e, no caso de
proprietário resolúvel, quem tiver o uso ou fruição do prédio.

Prédio Novo – Trata-se de prédio não inscrito na matriz, em que a


participação para efeitos de inscrição na matriz foi feita dentro do
prazo legal.

Prédio Melhorado/Modificado - Trata-se de prédio já inscrito na matriz,


que foi melhorado/modificado sem alteração do número de fogos ou
andares.

Prédio Melhorado/Modificado/Reconstruído – Trata-se de prédio já


inscrito na matriz, que foi melhorado/modificado ou reconstruído, com
alteração do número de fogos ou andares, dando origem a um novo
artigo.

Número de Pisos – É o número de pisos acima e abaixo do solo, que o


edifício integra.

Tipologia/Nº de Divisões – A tipologia do edifício (T0;T1;T2:etc;) ou o


número de divisões do prédio (1,2,3,etc – nº divisões = nº de quartos,
salas; não inclui casas de banho, cozinhas e arrecadações).

Área Total do Terreno – É a superfície total do terreno, medida pelo seu


perímetro exterior, incluindo as áreas de implantação e descoberta.

Área de Terreno Integrante da Fracção – É a área descoberta do terreno


que, não sendo comum aos outros proprietários das fracções, integra
uma determinada fracção autónoma, andar ou fracção.

Área de Implantação do Prédio – É a área situada dentro do perímetro


de fixação das edificações no solo medida pela parte exterior.

Área Bruta de Construção – É a área total de construção, representada


pelo somatório da área bruta privativa e das áreas brutas dependentes.

Área Bruta Dependente – A área bruta dependente são as áreas cobertas


de uso exclusivo, ainda que constituam partes comuns, mesmo que
situadas no exterior do edifício ou da fracção, cujas utilizações são
acessórias relativamente ao uso a que se destina o edifício ou fracção,
considerando-se, para esse efeito, locais acessórios, as garagens e
parqueamentos, as arrecadações, as instalações para animais, os sótãos
ou caves acessíveis, desde que não integrados na área bruta privativa, e
ainda outros locais privativos de função distinta das anteriores.

Área Bruta Privativa – A área bruta privativa é a superfície total, medida


pelo perímetro exterior e eixos das paredes ou outros elementos
separadoras do edifício ou da fracção e inclui varandas privativas, caves
e sótãos privativos com utilização idêntica à do edifício ou da fracção.