P. 1
Eletronica Digital 1

Eletronica Digital 1

|Views: 356|Likes:
Publicado porSidney Pereira

More info:

Published by: Sidney Pereira on Aug 02, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/03/2013

pdf

text

original

7.1 MULTIPLEX

Usado para enviar informações contidas em vários canais (fios), a um só canal (fio).

I0

Canais de I1 S Saída da Informação
Informação multiplexada
de Entrada I2
....
IN

...........

Entradas de Seleção (endereçamento) ? escolhe qual canal de informação de
entrada será conectada à saída.

Circuito elementar analógico que efetua uma multiplexação: chave de 1 polo x n posições

I0 entradas de seleção
I1 S
I2
I3

IN

MUX

31

Circuito lógico básico de um multiplex de 2 canais

Entrada de Seleção Saída Multiplexada

A

S

0

I0

1

I1

7.1.1 - Projeto e funcionamento de um Multiplex de 4 canais

a) Relaciona-se as entradas de seleção com a informação de entrada que deve ser conectada à
saída. Monta-se uma tabela da verdade com as entradas de seleção e as respectivas informações
que devem ter na saída.
Para as 4 entradas que serão conectadas à saída, necessita-se de 2 variáveis de seleção (2N

).

Variáveis de seleção Saída

A

B

S

0

0

I0

0

1

I1

1

0

I2

1

1

I3

b) Monta-se o circuito multiplex que executa a função lógica.

32

I0

I1 S

I2

I3

A B

7.1.2 - Multiplex de 16 canais

I0

S

I15

A B C D

7.1.3 - Ampliação da capacidade de um Sistema Multiplex

A partir de circuitos multiplex de baixa capacidade, podem-se obter outros multiplex de maior
capacidade.

Exemplo 1: Multiplex de 4 canais a partir de Multiplex de 2 canais

I0

S0

I1

S

I2

S1

I3

B A

MUX de
4 canais

MUX de
16 canais

MUX-2

MUX-2

MUX-2

33

Exemplo 2: Multiplex de 16 canais usando Multiplex de 8 canais

I0

S0

I7 S

I0

S1

I7

B C D A

7.1.4 - Endereçamento seqüencial num Sistema Multiplex

I0

S

I7

7.1.5 - Utilização de Multiplex na construção de Circuitos Combinacionais

Inicialmente, obtém-se a tabela da verdade do circuito lógico que se deseja. Na seqüência, as saídas
do circuito combinacional devem ser injetadas nos canais de entrada de informação do Multiplex. E
ainda, as entradas do circuito combinacional definem o endereçamento da informação no circuito
Multiplex.
A grande vantagem é a facilidade de esquematização de circuitos combinacionais para um elevado
número de variáveis.

Exemplo: Implementar a lógica da tabela da verdade abaixo utilizando circuito multiplex.

A B C S1 S2

0 0 0 0 0
0 0 1 1 0
0 1 0 1 0
0 1 1 0 1
1 0 0 1 0
1 0 1 0 1
1 1 0 0 1
1 1 1 1 1

MUX-8

MUX-8

MUX-8

MUX-8

Contador 0-7

34

1

S1

S2

0

A B C

7.2 DEMULTIPLEX

Usado para enviar informações vindas de um só canal (fio) para vários canais (fios). Efetua a
função inversa do Multiplex.

S0

Entrada de S1 Canais de Saída
Informação E de Informações
S2
....
SN

...........

Entradas de Seleção (endereçamento) ? escolhe qual canal de informação de
saída será conectada à entrada.

Circuito elementar analógico que efetua uma demultiplexação: chave de 1 polo x n posições

entradas de seleção S0
S1
E S2
S3

SN

MUX-8

MUX-8

DEMUX

35

Circuito lógico básico de um Demultiplex de 2 canais

Entrada de Seleção Canais de Informação

A

S0

S1

0

E

0

1

0

E

7.2.1 - Projeto e funcionamento de um Demultiplex de 4 canais

a) Relaciona-se as entradas de seleção com o canal de saída da informação que deve ser conectada
à entrada. Monta-se uma tabela da verdade com as entradas de seleção e os respectivos canais
de informação, que serão conectados à entrada.
Para as 4 saídas que serão conectadas à entrada, necessita-se de 2 variáveis de seleção (2N

).

Variáveis de seleção

Canais de saída

A

B

S0

S1

S2

S3

0

0

E

0

0

0

0

1

0

E

0

0

1

0

0

0

E

0

1

1

0

0

0

E

b) Monta-se o circuito demultiplex que executa a função lógica.

36

S0

E S1

S2

S3

A B

7.2.2 - Ampliação da capacidade de um Sistema Demultiplex

A partir de circuitos demultiplex de baixa capacidade, podem-se obter outros demultiplex de maior
capacidade.

Exemplo 1: Demultiplex de 4 canais a partir de Demultiplex de 2 canais

S0

S1

E

S2

S3

A B

Exemplo 2: Demultiplex de 16 canais usando Demultiplex de 8 canais

S0

S7

E

S8

S15

A B C D

DEMUX de
4 canais

DEMUX-2

DEMUX-2

DEMUX-2

DEMUX-8

DEMUX-8

DEMUX-8

37

7.2.3 - Endereçamento seqüencial num Sistema Demultiplex

S0

E

S7

7.3 - MULTIPLEX E DEMULTIPLEX UTILIZADOS NA TRANSMISSÃO DE DADOS

7.3.1 - Formas de transmissão

Transmissão paralela

S0 LT I0
E S

S1 I1
A1 A2

Transmissão série

I0 S LT E S0

I1 S1

A1 A2

7.3.2 - Sistema de transmissão de dados usando mux e demux de 8 canais, com endereçamento
seqüencial

I0 S0

S E

I7 S7

sincronismo

DEMUX-8

Contador 0-7

Transmissor
DEMUX

Receptor
MUX

Transmissor
MUX

Receptor
DEMUX

MUX-8

Contador 0-7

DEMUX-8

Contador 0-7

38

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BIGNELL, J. W. e DONOVAN, R. L.. Eletrônica Digital. Volumes 1 e 2, São Paulo: Makron
Books, 1995
CAPUANO, F. e IDOETA, I.. Elementos de Eletrônica Digital. São Paulo: Érica, 25.a

Edição,

1997.
CAPUANO, Francisco G.. Exercícios de Eletrônica Digital. São Paulo: Érica, 1991.
MELO, Mairton de Oliveira. Eletrônica Digital. São Paulo: Makron Books, 1994.
MALVINO, A. P. e LEACH, D. P.. Eletrônica Digital – Princípios e Aplicações. Volumes 1 e 2,
São Paulo: McGraw-Hill, 1987.
SZAJNBERG, Mordka. Eletrônica Digital. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Ltda,
1988.

39

EXPERIÊNCIA 1 - PORTAS LÓGICAS BÁSICAS

1. Identifique a pinagem dos circuitos integrados e monte em matriz de contatos os seguintes
circuitos digitais:

1.1 - Porta lógica E de 2 e de 3 entradas (7408 e 7411);
1.2 - Porta lógica OU de 2 entradas (7432);
1.3 - Porta lógica Inversora (7404);
1.4 - Porta lógica NÃO-E de 2 e de 4 entradas (7400 e 7420);
1.5 - Porta lógica NÃO-OU de 2 entradas (7432 + 7404);
1.6 - Porta lógica Ou-Exclusivo (7486);
1.7 - Porta lógica Coincidência (7486 + 7404);
1.8 - Bloco lógico Ou-Exclusivo de 4 entradas (7486).

2. Na seqüência, energize os circuitos e simule, via chaves, os valores possíveis para as entradas;
3. Organize e interprete os dados coletados na experimentação. Verifique se os valores
encontrados na saída correspondem à análise teórica do circuito, através da tabela da verdade;
4. Finda a experiência, desmonte os circuitos e reponha o equipamento e componentes aos seus
respectivos lugares;
5. Mantenha sempre limpo e organizado o ambiente de experimentação educativa.

Questões

a) Como obter um circuito que necessita de uma porta lógica X de 3 entradas usando-se apenas
portas lógicas X de 2 entradas?
b) Num circuito que necessita de uma porta lógica Y de 2 entradas, têm-se apenas portas lógicas Y
de 3 entradas. O que fazer com a terceira entrada?
c) Pode-se conectar entre si as saídas de 2 portas lógicas? Explique.

40

EXPERIÊNCIA 2 - PEQUENOS PROJETOS DE CIRCUITOS LÓGICOS

1. Identifique a pinagem dos circuitos integrados e monte em matriz de contatos os seguintes
circuitos digitais:

1.1 - Instalação de um sistema automático para controle de semáforos;

1.2 - Conexão de 3 aparelhos a um amplificador, obedecendo às prioridades:

1a

) CD player; 2a

) Tape playback; 3a

) Radio receptor.

1.3 - Conexão de 4 setores, via intercomunicadores, a central da Secretária, obedecendo às
prioridades:
1a

) Presidente; 2a

) Vice Presidente; 3a

) Engenharia; 4a

) Chefes de Seção.

2. Na seqüência, energize os circuitos e simule, via chaves, os valores possíveis para as entradas;

3. Organize e interprete os dados coletados na experimentação. Verifique se os valores encontrados
na saída correspondem à análise teórica do circuito, através da tabela da verdade;

4. Finda a experiência, desmonte os circuitos e reponha o equipamento e componentes aos seus
respectivos lugares;

5. Mantenha sempre limpo e organizado o ambiente de experimentação educativa.

41

EXPERIÊNCIA 3 - CODIFICADORES E DECODIFICADORES

1. Identifique a pinagem dos circuitos integrados e monte em matriz de contatos os seguintes
circuitos digitais:
1.1 - Codificador Decimal/Binário

1.2 - Decodificador para display de 7 segmentos - catodo comum

Vcc f g a b c d e

A1 A2 EL RBO RBI A3 A0 GND

g f cc a b

Display PD560
Catodo comum

e d cc c DP

Decodificador para display de 7 segmentos - catodo comum

9368

16

15

14

13

12

11

10

2

3

4

5

6

1

7

8

9

D

C

B

A

74LS30

S9

S8

S7

S0

S1

S6

S5

S4

S3

S2

74LS20

74LS20

74LS00

42

1.3 - Decodificador para display de 7 segmentos - anodo comum

Vcc f g a b c d e

B C Lamp. RB RB D A GND
Test output input

RB=Supressor de zeros (RbO=0 quando A,B,C,D,RBI=0)

2. Na seqüência, energize os circuitos e simule, via chaves, os valores possíveis para as entradas;
3. Organize e interprete os dados coletados na experimentação. Verifique se os valores encontrados
na saída correspondem à análise teórica do circuito, através da tabela da verdade;
4. Finda a experiência, desmonte os circuitos e reponha o equipamento e componentes aos seus
respectivos lugares;
5. Mantenha sempre limpo e organizado o ambiente de experimentação educativa.

Decodificador BCD para 7 segmentos – anodo comum
7447

1

2

3

6

5

4

8

7

16

15

14

13

12

11

10

9

a

Display
f PD507 b

g

e c

d . DP

f

ac

a

b

g

e

ac

c

d

dp

43

EXPERIÊNCIA 4 –CIRCUITOS ARITMÉTICOS

1. Identifique a pinagem dos circuitos integrados e monte em matriz de contatos os seguintes
circuitos digitais:

1.1 – Somador binário completo de 4 bits (7483)

B4 E4 C4 C0 GND B1 A1 E1

A4A3A2A1C0
+ B4B3B2B1
---------------------
C4E4E3E2E1

A4 E3 A3 B3 Vcc E2 B2 A2

1.2 – Somador/subtrator binário completo de 4 bits (7483 + 7486)

VccSubt
0VSomador

7483

A4
A3
A2
A1
B4
B3
B2
B1

Cin

s4
s3
s2
s1

Cout

2. Na seqüência, energize os circuitos e simule, via chaves, os valores possíveis para as entradas;

Somador Binário Completo de 4 bits

7483

16

15

14

13

12

11

10

2

3

4

5

6

1

7

8

9

44

3. Organize e interprete os dados coletados na experimentação. Verifique se os valores encontrados
na saída correspondem à análise teórica do circuito, através da tabela da verdade;

ENTRADAS

SAÍDAS

Vem 1 Número A

Número B Vai 1

Soma

C0 A4 A3 A2 A1 B4 B3 B2 B1 C4 E4 E3 E2 E1

0

0 0 0 0 0 0 0 0

0

0 0 0 1 0 0 0 1

0

0 0 1 0 0 0 1 0

0

0 0 1 1 0 0 1 1

0

0 1 0 0 0 1 0 0

0

0 1 0 1 0 1 0 1

0

0 1 1 0 0 1 1 0

0

0 1 1 1 0 1 1 1

0

1 0 0 0 1 0 0 0

0

1 0 0 1 1 0 0 1

0

1 0 1 0 1 0 1 0

0

1 0 1 1 1 0 1 1

0

1 1 0 0 1 1 0 0

0

1 1 0 1 1 1 0 1

0

1 1 1 0 1 1 1 0

0

1 1 1 1 1 1 1 1

4. Finda a experiência, desmonte os circuitos e reponha o equipamento e componentes aos seus
respectivos lugares;

5. Mantenha sempre limpo e organizado o ambiente de experimentação educativa.

45

EXPERIÊNCIA 5 - CIRCUITOS MULTIPLEX E DEMULTIPLEX

1. Identifique a pinagem dos circuitos integrados e monte em matriz de contatos os seguintes
circuitos digitais:
1.1 - Demultiplexador de 4 canais com portas lógicas (2x7411, 7404);

1.2 - Multiplexador de 4 canais (74153);

Vcc 2G A 2C3 2C2 2C1 2C0 2Y

1G B 1C3 1C2 1C1 1C0 1Y GND

1.3 - Interconexão do mux e demux de 4 canais.

I0 S E S0
I1 S1
I2 S2
I3 S3
A1 B1 A2 B2

2. Na seqüência, energize os circuitos e simule, via chaves, os valores possíveis para as entradas;
3. Organize e interprete os dados coletados na experimentação. Verifique se os valores
encontrados na saída correspondem à análise teórica do circuito;
4. Desmonte os circuitos e reponha o equipamento e componentes aos seus lugares;
5. Mantenha sempre limpo e organizado o ambiente de experimentação educativa.

16

15

14

13

12

11

10

9

1

2

3

4

5

6

7

MUX-4 (2)

MUX-4 (1)

MUX - 4

DEMUX - 4

8

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->