Você está na página 1de 21

1

6. OSCILADORES
6.1 – INTRODUÇÃO
Um oscilador é um sistema que transforma energia contínua em energia alternada sem
necessidade de qualquer excitação (sinal) exterior. Tal como todos os sistemas de conversão,
funciona com um rendimento inferior a 100%, por razões físicas. O sinal de saída, variável no
tempo, caracteriza-se por um espectro contendo a frequência fundamental f
0
, harmónicas e
espúrias nomeadamente em torno daquelas. Estas podem ter um valor de potência maior ou
menor consoante o tipo de circuito utilizado. Para se concentrar a maior percentagem de energia
na frequência f
0
, há necessidade de utilizar um circuito com um elevado factor de qualidade Q
0
.
Ao ligar-se a alimentação de um oscilador, o elevado factor de qualidade permite que só a
frequência pretendida f
0
, por certo contida no ruído de entrada, seja amplificada e por
consequência as oscilações arranquem.
Embora o arranque das oscilações seja em sinal fraco, quando estas aparecem, são crescentes
até que as propriedades do circuito em sinal forte as limitem. Um oscilador é sempre, numa certa
perspectiva, um circuito não linear em que tem de haver um mecanismo qualquer de limitação
das oscilações. Um oscilador é um circuito constituído por:
• Um circuito não linear de resistência negativa com ganho de potência. O elemento activo
pode ser um díodo, um transístor ou uma válvula;
• Um circuito linear estabilizador com um elevado factor de qualidade, Q, e com
características muito estáveis em função da temperatura e do tempo;
• um circuito limitador que impõe as condições de sinal forte.
6.2 - ESTUDO TEÓRICO DE OSCILADORES
6.2.1 – Condição de oscilação generalizada a dispositivos de N portos
Um oscilador pode ser considerado como a combinação de um multiporto activo e uma
rede passiva [6.1] e [6.2], como se representa na figura 6.1.
Caracterizando os blocos pelas respectivas matrizes de parâmetros S, obtém-se:
1
1
1
]
1

¸

1
1
1
]
1

¸

·
1
1
1
]
1

¸

NLn
1 NL
NLnn 1 NLn
12 NL 11 NL
NLn
1 NL
a
.
a
S . S
.
S
. .
. S
b
.
b
(6.1)
2
1
1
1
]
1

¸

1
1
1
]
1

¸

·
1
1
1
]
1

¸

Cn
1 C
Cnn 1 Cn
12 C 11 C
Cn
1 C
a
.
a
S . S
.
S
. .
. S
b
.
b
(6.2)
Para que o sistema constitua um oscilador, os dois blocos têm que estar com os n portos
ligados em correspondência numérica, de forma a:
[b
C
]=[a
NL
] (6.3)
e
[b
NL
]=[a
C
] (6.4)
Multiporto
activo
[S
NL
]
a
NL1
b
NL1
a
NLn
b
NLn
Rede
passiva
[S
C
]
a
C1
b
C1
a
Cn
b
Cn
Figura 6.1 – Multiporto constituintes de um oscilador
De (6.3) e (6.4) chega-se à relação:
[a
C
]=[S
NL
].[S
C
].[a
C
], (6.5)
ou
{[S
NL
].[S
C
]-[I]}.[a
C
]=0,
onde I é a matriz identidade.
Como [a
C
]≠0
[M]=[S
NL
].[S
C
]-[I] (6.5)
é uma matriz singular, ou seja:
Det[M]≠0 (6.6)
Esta expressão representa a condição de oscilação generalizada de um oscilador com um
dispositivo de n portos. Como a matriz de parâmetros S é definida para sinais fracos, existe
oscilação se para:
3
Arg {Det {[S
NL
].[S
C
]-[I]}}=0 (6.7)
se tem
|Det{[S
NL
] ].[S
C
]-[I]}|>0 (6.8)
As oscilações são crescentes até as não linearidades do circuito determinarem o ponto de
estabilidade, i.e. até [S
NL
] se modificar de forma a verificar-se Det[M]=0. Se o dispositivo activo
e a rede passiva forem definidos pelas respectivas matrizes Z ou Y, a condição será,
respectivamente:
Det {[Z
NL
]+[Z
C
]}=∆Z=0 (6.9)
Det {[Y
NL
]+[Y
C
]}=∆Y=0 (6.10)
De notar que ∆ é o determinante do circuito total, parte não linear (activa) e linear (passiva). Em
condições estáveis:
∆(jω
0
,A
10
…,A
n0
)=R

+jX

=0 (6.10a)
sendo A
0
, …, A
n0
as amplitudes das variáveis independentes nos portos 1…n, no ponto de
oscilação, e ω
0
a frequência do oscilador.
Em termos de coeficiente de reflexão, num dos portos de ligação da rede activa à passiva,
as condições de oscilação correspondem a:

NL
|.|ρ
C
|=1 (6.11)
arg{ρ
NL
}+arg{ρ
C
}=0 (6.12)
em que ρ
NL
e ρ
C
são, respectivamente, os coeficientes de reflexão dos portos de interligação da
rede não linear (rede activa) e linear (rede passiva), respectivamente (fig. 6.1).
Imag.
Z
C
(ω)
-Z
NL
(A)
Real
P
Figura 6.2 - Interpretação gráfica da condição de oscilação
4
As impedâncias Z
NL
e Z
C
são essencialmente função da amplitude e da frequência,
respectivamente, pois são relativas a um dispositivo não linear e a uma rede passiva. Na realidade
Z
NL
também é função da frequência, embora se possa considerar independente numa primeira
aproximação. Representando graficamente -Z
NL
(A) e Z
C
(ω), a intersecção das duas curvas (ponto
P da figura 6.2) corresponde precisamente ao ponto de oscilação do sistema em regime
permanente (Z
NL
+Z
C
=0). Também se poderia representar graficamente as variações dos
coeficientes de reflexão, ou do determinante do sistema, com o mesmo resultado.
6.2.2 - Estabilidade e condição de ruído mínimo
Entende-se por estabilidade de um oscilador a capacidade que este tem de voltar a um
dado estado de oscilação depois de uma pequena perturbação o ter desviado desse estado. A
condição de estabilidade, pode ser resumida pela condição seguinte [6.3]:
0
A
X R X
A
R
A
n
1 i i i
0 i
> ∑

,
_

¸
¸


ω ∂


ω ∂



·
∆ ∆ ∆ ∆
(6.13)
Esta condição de estabilidade é um invariante do oscilador. A desigualdade (6.13) em
termos gráficos, implica um ângulo Ψ, definido na fig. 6.3, compreendido entre 0 e π radianos.
Imag.
∆(ω,V
i
)
∆(ω,V
10
)
Real
Ψ
Figura 6.3 - Representação gráfica da condição de estabilidade
Pode-se ainda definir o coeficiente dinâmico normalizado S
n
dado por:
¹
¹
¹
;
¹
¹
¹
¹
'
¹

,
_

¸
¸
ω ∂

+
,
_

¸
¸
ω ∂

¹
¹
¹
;
¹
¹
¹
¹
'
¹

,
_

¸
¸


∑ +

,
_

¸
¸



,
_

¸
¸


ω ∂


ω ∂



·
∆ ∆ ∆
·

·
·
∆ ∆ ∆ ∆
2 2
2
i
n
1 i
0 i
2
i
n
1 i
0 i
n
1 i i i
10
n
X R
.
A
X
A
A
R
A
A
X R X
A
R
A
S (6.14)
5
Este coeficiente é positivo quando o ponto de oscilação é estável, e igual a 1 quando os ruídos de
AM e FM são mínimos.
Pelas expressões matemáticas do ruído AM e FM, deduzidas por Kurokawa [6.4],
conclui-se que quando o ângulo Ψ formado pelas curvas da figura 6.3, no ponto de intersecção, é
de 90º, não há correlação entre aqueles ruídos o que leva à situação de ruído mínimo.
6.2.3 - Condições de arranque
Neste ponto aborda-se de forma qualitativa o processo de arranque das oscilações. Tal
como foi referido, no momento inicial não há senão ruído de baixo nível no circuito,
apresentando o ganho o seu valor mais elevado. Só o sinal com frequência para o qual o oscilador
foi projectado, e presente no ruído, é fortemente amplificado devido à selectividade da malha de
realimentação. Com o aumento da amplitude do sinal, o ganho vai decrescendo à medida que se
atinge o nível para o qual as não linearidades do circuito se fazem sentir. Esta variação do ganho
observa-se até o sistema atingir o seu ponto de equilíbrio. Simultaneamente com a diminuição do
ganho há um estreitamento da largura de banda do espectro do oscilador, o que provoca um
aumento da densidade de potência do sinal à frequência pretendida [6.5].
Ganho
instantâneo em
malha fechada
Densidade de
potência de
sinal
Ganho em t
1
Ganho em t
2
Largura de banda em
regime permanente
Largura de banda em t
2
Largura de banda em t
1
Frequência
Frequência
1
Ganho em regime
permanente
Figura 6.4 - Variações do ganho em malha fechada e largura de banda
6
Na fig. 6.4 representam-se as variações do ganho de retorno e largura de banda na fase de
arranque (t
1
<t
2
). Todo o sinal fora da banda é atenuado. Este estreitamento da banda é semelhante
à resposta global de um amplificador com vários andares de banda estreita: o sinal é cada vez
mais concentrado numa banda cada vez mais estreita.
Do ponto de vista das impedâncias e de acordo com (6.7) e (6.8), este processo de
arranque implica as seguintes condições em sinais fracos:
|Re(Z
NL
)|≥Re(Z
C
) e Im(Z
C
)=-Im(Z
NL
) (6.15)
Na fig. 6.5 representa-se a variação do valor da parte real da impedância Z
NL
e Z
C
, em função da
potência de saída, e o ponto de funcionamento permanente P.
Re[Z
C
];
-Re[Z
NL
]
Re[Z
C
]
-Re[Z
NL
(P
O
)]
P
osc
Pot. de saída
P
Figura 6.5 - Variação da parte real das impedâncias
Há autores [6.7] que utilizam a relação |Re[Z
NL
]|>1,2.Re[Z
C
], puramente empírica, para
garantir o arranque das oscilações.
Fazendo a análise com os factores de reflexão ρ
NL
e ρ
C
as condições de arranque obtêm-se
de (6.14):

NL
|.|ρ
C
|>1, e arg{ρ
NL
}+arg{ρ
C
}=0 (6.16)
em que ρ
NL
é o coeficiente de reflexão do bloco não linear e ρ
C
o da rede ressonante.
Apesar da utilização deste critério (6.16) estar bastante generalizado para a análise do
arranque dos osciladores, ele não é rigoroso em todos os casos. Considerando os circuitos (A) e
(B) da fig. 6.6 e analisando-os pelos métodos tradicionais conclui-se que o circuito (A) tem os
seus pólos no semi-plano complexo esquerdo enquanto o (B) os tem no semi-plano complexo
direito. Por consequência o circuito (A) é estável e o (B) instável.
7
60Ω
(A) (B)
ρ
NL ρ
C
ρ
NL
60Ω
-70Ω
ρ
C
-70Ω
Figura 6.6 - Circuitos para análise dos factores de reflexão
Os módulos dos coeficientes de reflexão ρ
NL
e ρ
C
são, respectivamente, 6 e 0,091 à
frequência de ressonância e tendo como referência 50Ω. Pelo critério (6.16) concluir-se que
ambos os circuitos são estáveis, o que é errado no caso (B). Este facto leva a admitir que a
condição estabelecida em (6.16) não é universal. Para a utilização de um critério mais preciso foi
proposto por J ackson [6.7] a aplicação do critério de Nyquist, escrito em termos das quantidades
normalmente utilizadas em microondas. Com este critério perde-se a informação da frequência,
mas ganha-se rigor na informação da instabilidade.
A função de transferência genérica de um sistema com realimentação, é:
i o
X
) s ( H ) s ( G 1
) s ( G
X
+
· (6.17)
em que X são as amplitudes genéricas dos sinais de entrada e de saída, G(s) a função da rede de
acção e H(s) a da rede de realimentação. O critério de Nyquist estabelece que para um sistema
estável com uma função de transferência em malha aberta, GH(s), o sistema em malha fechada é
instável se o ponto +1 é circundado pelo menos uma vez, na representação polar de GH(jω), com
−∞<ω<∞.
Z
NL
ρ
NL ρ
C
Z
C
V
+
V
-
V
i
~
Figura 6.7 - Sistema genérico de microondas
8
Um sistema de microondas, como o representado na fig. 6.7, pode ser descrito por uma
expressão semelhante a (6.17). V
I
é uma onda de entrada emitida por uma fonte ideal através de
um acoplador, V
+
pode ser considerada a onda de saída. Da fig. 6.7 tem-se:
V
+

NL
(V
i
+V
+
)=ρ
NL
V
I

NL
ρ
C
V
+
(6.18)
donde a função do sistema se pode escrever na forma
i
C NL
NL
V
) s ( ) s ( 1
) s (
V
ρ ρ +
ρ
·
+
(6.18a)
Assumindo que ρ
NL
representa um dispositivo potencialmente instável, o sistema será instável se
o ponto +1 for circundado pelo menos uma vez pela representação polar de ρ
NL

C
(jω) com
−∞<ω<∞. Isto quer dizer que os pólos da função (6.18a) situam-se no semi-plano complexo
direito.
A fig. 6.8 é a representação polar dos coeficientes de reflexão dos circuitos da fig. 6.6,
onde se verifica uma antevisão correcta da estabilidade do circuito (A) e da instabilidade do
circuito (B).
180º
90º

270º
ρ
NL

C
(A)
ρ
NL

C
(B)
1 2 3
ω
0
Figura 6.8 - Representação polar dos coeficientes de reflexão
6.3 - RUÍDO NOS OSCILADORES
Nos osciladores com transístores de efeito de campo os dois principais tipos de ruído são:
o ruído de 1/f (baixa frequência) e o ruído térmico às frequências mais elevadas.
9
Estes tipos de ruído criam flutuações no sinal por dois processos:
− Por conversão (mistura): o sinal do oscilador é modulado pelo ruído devido às não
linearidades do transístor. Deste modo a sua influência é predominante na proximidade da
portadora (frequência de oscilação).
− Por adição: a contribuição do ruído é directa somando-se ao sinal. Em geral, na proximidade
da portadora é mais baixo do que o ruído de conversão.
O sinal ideal de um oscilador pode ser representado pela relação:
( )
t j
0
0
e . A Re ) t ( x
ω
· (6.19)
Na realidade existem diversas fontes de ruído que perturbam o funcionamento do sistema
e o sinal correspondente é:
( )
)) t ( t ( j
0
0
e ). t ( a 1 ( A Re ) t ( x
φ ∆ + ω
∆ + · (6.20)
sendo ∆a(t) e ∆φ(t) grandezas aleatórias que correspondem, respectivamente, às flutuações de
amplitude e fase do sinal. Na hipótese de flutuações aleatórias e estacionárias, o espectro de ruído
de um oscilador é caracterizado por duas grandezas espectrais:
− a densidade espectral de ruído de amplitude: S
A
(t);
− a densidade espectral de ruído de fase: S
φ
(f) (a densidade espectral de ruído de frequência
também utilizada é deduzida a partir de S
φ
(f)).
Como em baixa frequência o ruído de 1/f é superior ao térmico, que é suposto branco, junto à
portadora o ruído é essencialmente ruído de 1/f convertido.
Para ilustrar o espectro do ruído de fase de um oscilador apresenta-se o gráfico da fig. 6.9.
S
φ
(f)
conversão de ruído térmico
ruído aditivo
f
0
f
α
f
β
Distância à portadora (f
0
)
conversão de ruído 1/f
Figura 6.9 - Representação do espectro do ruído de fase típico
10
6.5 - OSCILADORES COMANDADOS POR TENSÃO
Para se proceder à sintonia ou estabilizar a frequência de osciladores é corrente o recurso
a osciladores comandados por tensão (VCO - Voltage Control Oscillators). A frequência poderá
deste modo ser alterada electronicamente em malha aberta ou malha fechada. Neste último caso a
situação mais usual é a sua integração numa malha de captura de fase (PLL - phase lock loop).
Normalmente a tensão de comando altera a reactância de um ou mais componentes e, por
consequência, o ponto de equilíbrio do sistema.
Idealmente a variação de frequência não deveria ser acompanhada por variação da
potência de saída. Na prática há sempre pelo menos uma ligeira variação, porque a variação da
reactância é sempre acompanhada por uma alteração da resistência que afecta a potência do sinal
de saída. Existem vários tipos de VCO [6.7], sendo os mais simples aqueles que utilizam a
variação da própria tensão de alimentação do dispositivo para alterar a frequência. São muito
pouco usados porque têm a grande desvantagem da potência de saída ser bastante variável.
Outro tipo de osciladores são os sintonizados com YIG
1
. A esfera YIG é aplicada no
circuito oscilador e proporciona uma sintonia eléctrica de alto factor de qualidade (Q), a partir do
momento em que lhe é aplicado um campo magnético. O YIG é controlado por corrente porque a
frequência de ressonância é linearmente dependente da intensidade do campo magnético e este é
dependente da corrente de polarização.
O tipo de VCO mais utilizado é sintonizado com um díodo varicap. A reactância deste
dispositivo é função, normalmente não linear, da tensão que lhe está aplicada, permitindo alterar
a frequência do circuito oscilador. Ao contrário dos osciladores simples pode-se dizer que tem
uma rede ressonante activa.
No projecto de um VCO a primeira opção a fazer é escolher entre as alternativas
apresentadas nos parágrafos anteriores. Esta escolha é, como normalmente acontece, função da
aplicação. Pretendendo-se, na maioria dos casos, uma potência de saída constante a escolha fica
restrita aos YTO
2
ou aos sintonizados por díodo varicap. A diferença fundamental entre ele é o
nível de ruído e a velocidade de resposta. Os YTO são mais lentos na variação de frequência mas
menos ruidosos. Hoje em dia a utilização de VCOs com díodos varicap está mais generalizada
por ser uma solução económica e também porque já há dispositivos, com zonas de variação da

1
YIG é a abreviatura de Ytrium-Iron-Garnet (Y
3
Fe
5
O
12
) um cristal magnético usualmente com a forma de uma esfera
2
YTO é a abreviatura deYtrium-Tunable-Oscillator
11
capacidade em função da tensão, praticamente lineares. Neste capítulo só é estudado este tipo de
VCO por ser o mais utilizado.
O díodo varicap deve ser escolhido com algum critério de modo a poder-se tirar o
máximo rendimento de VCO. Para o demonstrar recorre-se ao seguinte exemplo. Considerem-se
dois díodos varicap com as seguintes características capacitivas:
1) 100pF a 4pF
2) 2pF a 0,4pF
O díodo varicap 1) tem uma razão de capacidade de 25 enquanto que o 2) tem 5.
Pretendo-se um VCO com a frequência central a 10Ghz a reactância do varicap 1) varia de 0,16Ω
a 3,98Ω, e a do 2) varia de 8,0Ω a 39,8Ω. Neste caso a escolha acertada deve ser o 2) porque a
ordem de grandeza dos valores da reactância são semelhantes aos dos restantes elementos do
circuito, o que permite uma maior variação na frequência.
Se o VCO for para 1GHz a reactância do 1) varia de 1,6Ω a 39,8Ω e a do 2) de 80Ω a
398Ω. Agora a melhor escolha seria o 1), pelas mesmas razões.
A metodologia de projecto, à partida, pode ser semelhante à utilizada para os osciladores
monocromáticos. No entanto, é aconselhável a simulação nas frequências extremas pretendidas
para verificar se, com a topologia escolhida, a gama de variação necessária para os valores dos
componentes é compatível com os objectivos pretendidos. Outro dos aspectos a analisar, caso a
caso, é a colocação do elemento de reactância variável (díodo varicap). Dependendo da
tecnologia utilizada e/ou da banda desejada, pode não ser possível só com um díodo alcançar o
objectivo pretendido. Infelizmente, não há nenhuma regra nem procedimento para a definição da
melhor topologia. Somente a experiência e a sensibilidade do projectista pode levar aos melhores
circuitos. Na figura 6.10 apresentam-se de uma forma genérica, as seis configurações básicas
mais comuns para circuitos VCOs com TECMES [6.8].
Como exemplo de aplicação refere-se o trabalho apresentado em [6.9] onde se relatam os
resultados do estudo do funcionamento de dois tipos de circuitos para VCO com TECMES:
− realimentação série, com um condensador na fonte, a saída no dreno e um varicap na porta
(4);
− realimentação série, com uma bobina no dreno, a saída na fonte e um varicap na porta (6);
12
Fonte comum Porta comum Dreno comum
1
4
3
6 5 S D
2 D S
Figura 6.10 - Configurações básicas mais comuns para circuitos VCOs com TECMES
Ambos os circuito mostraram desempenhos semelhantes. No entanto, o primeiro mostrou-
se mais simples de ajustar em baixas frequências (3GHz<f<5GHz) e o segundo em frequências
mais elevadas (12GHz<f<16GHz).
Num oscilador sintonizado por um varicap é a susceptância apresentada pelo dispositivo
activo e circuitos associados que limitam em primeira análise, a banda de sintonia pelo que é
muito importante a escolha da topologia.
Considere-se a admitância do transístor e circuitos associados, Y=G(ω)+jB(ω), presente
aos terminais do díodo varicap e, representada na fig. 6.11, em que G(ω) e B(ω) <0.
R
carga
Y=G(ω)+jB(ω)
Transístor
+
rede
passiva
Figura 6.11 - Representação geral de um oscilador sintonizado por um díodo varicap
A gama de variação de frequência do VCO é limitada às frequências que verificam as
igualdades:
C
min

max
=-B(ω
max
) e C
max

min
=-B(ω
min
)
13
Para se aumentar a banda de funcionamento, com a mesma relação de capacidades do
díodo, torna-se necessário diminuir a relação B(ω
min
)/B(ω
max
). Colocando uma bobina, tal como
se mostra na fig. 6.12, a relação de susceptância passa a ser:
max C
max
min C
min
max T
min T
L
1
) ( B
L
1
) ( B
) ( B
) ( B
ω
+ ω
ω
+ ω
·
ω
ω
(6.21)
R
carga
Transístor
+
rede
passiva
L
C
Figura 6.12 - Esquema do oscilador com a bobina adicional L
C
Na fig. 6.13 representa-se a curva da variação de -B(ω), -B
T
(ω) e as curvas correspondentes à
susceptância de C
min
.ω e C
max
.ω, sendo C
min
e C
max
os valores extremos da capacidade do díodo
varicap. Conforme se verifica na figura, a banda (f
1max
-f
1min
) correspondente ao sistema sem a
bobina L
C
é bastante menor que a banda (f
2max
-f
2min
) relativa ao sistema já incluindo a bobina.
Susceptância
C
min
ω
C
max
ω
f
1min
f
2min
f
1max
f
2max
ω
-B(ω)
-B(ω)-(1/L
C
ω)
Figura 6.13 - Gráfico com as curvas de variação da susceptância
Na prática o valor da indutância tem de ser optimizado porque existe sempre uma
indutância em série (L
V
) com a capacidade do díodo varicap. As expressões (6.22) [6.9] levam-
nos a um valor da bobina L
C
, a colocar em paralelo, que poderá servir de partida para a
optimização.
14
0
Q P P
1
L
2
C

− t
· (6.22)
com
¹
;
¹
¹
'
¹

ω
ω
+
ω
ω
·
V H T
H
L T
L
L
1
) ( X ) ( X
.
2
1
P (6.22a)
H
max L
L
H
H T
max L
L T
H
V H T L T
H L
) ( X ) ( X
.
L
1
) ( X ). ( X
.
Q
ω
ρ ω

ω
ω
ω
ρ ω

ω
ω

ω ω
ω ω
· (6.22b)
min C
C
max
max
· ρ (6.22c)
L
V
é a indutância série (parasita) com a capacidade do díodo; X
T
é a reactância total do conjunto
díodo varicap mais bobina série L
V
; ω
L
é a frequência mínima e ω
L
é a frequência máxima.
Principalmente em osciladores com transístores de feito de campo e para frequências
relativamente baixas, o valor necessário para L
C
pode ser incompatível com a utilização de
tecnologias monolíticas (principalmente nas de Silício), devido ao forte carácter capacitivo
daqueles dispositivos.
PROJ ECTO DE OSCILADORES
O método que vai ser descrito baseia-se na aproximação de considerar que no dispositivo
activo, descrito pela sua matriz de dispersão [S], só o módulo de S
21
3
se altera, em sinais fortes e
essa alteração é obtida a partir de uma fórmula empírica. É de esperar que para não linearidades
fracas isto aconteça porque a transcondutância do transístor (y
21
) será o primeiro elemento a ser
afectado pelo aumento da amplitude da tensão de base ou de porta.
Potência adicionada
Considere-se o diporto da figura 6.14 caracterizado à frequência f
0
pelos seus parâmetros
Y de sinais fortes dependentes da tensão V
1
. Define-se potência adicionada (P
AD
) como a
potência gerada pelo diporto:

3
Se o dispositivo for descrito pela sua matriz dos yy será só o módulo de y
21
que varia.
15
V
2
[Y(V
1
)]
Y
C
I
1
V
1
P
IN
P
OUT
Figura 6.14 - Diporto não linear carregado
P
AD
=P
OUT
-P
IN
(6.23)
A qual se pode calcular para um dado V
1
fixo em função do ganho de tensão A
V
=V
2
/V
1
[6.10]:

,
_

¸
¸
+ + + − ·
V 12 11
2
V 22
*
V 21
2
1 AD
A Y Y A Y A Y Re V P (6.24)
O ganho de tensão que maximiza P
AD
, para uma dada tensão V
1
, e por conseguinte para um dado
conjunto de parâmetros Y, é dado por:
) Y Re( 2
Y Y
A 0
A
P
22
21
*
12
Vopt
V
AD
+
− · ⇒ ·


(6.25)
Este ganho é obtido com uma admitância de carga
22
*
12 21
22 21
Copt
Y
Y Y
) Y Re( Y 2
Y −
+
· (6.26)
a que corresponde uma admitância de entrada igual a
) Y Re( 2
Y Y Y
Y Y
22
2
12 12 21
11 INopt
+
− · (6.27)
Note-se que, se o diporto tiver fraca retroacção, Y
12
≈0, então Y
Copt
=Y
22
*
que é a condição
de adaptação conjugada na saída.
Condição de máxima eficiência
Como P
AD
=f(A
V
, V
1
), para calcular o máximo absoluto de (6.24) basta achar o valor de
V
1
que com A
V
=A
Vopt
maximiza P
AD
.
Pode mostrar-se [6.10] que a seguinte fórmula empírica é válida
16
1
1
]
1

¸

,
_

¸
¸
− − ·
SAT
IN 0
SAT OUT
P
P G
exp 1 P P (6.28)
em que P
SAT
é a potência de saturação na saída e G
0
é o ganho para a máxima eficiência (G
ME
)
em sinais fracos. O G
ME
de um diporto [6.11] é o seu ganho de potência quando a potência
adicionada é máxima, ou seja, quando A
V
=A
Vopt
ou Y
C
=Y
Copt
. Então de (6.26) tem-se:

,
_

¸
¸


· ·
·
1
y
y
K 2
1
y
y
P
P
G
12
21
2
12
21
A A
IN
OUT
ME
Vopt V
(6.29)
onde K é o factor de estabilidade de Linvill. A maximização de (6.24) em ordem a V
1
(A
V
=A
Vopt
)
obriga-nos a conhecer a dependência dos parâmetros Y com V
1
. Substituindo (6.28) em (6.23) e
derivando, obtém-se:
1
P
P G
exp
P
G
P
P
P
SAT
IN 0
SAT
0
SAT
IN
AD

1
1
]
1

¸

,
_

¸
¸
− ·


(6.30)
Igualando a zero (6.30) calcula-se a potência de entrada P
IN
(ou V
1
) que nas condições de
A
V
=A
Vopt
maximiza P
AD
:
0
) 0
SAT max IN
G
G ln(
P P · (6.31)
Nestas condições pode calcular-se o G
ME
que é dado por:
) G ln(
1 G
P
P
G
0
0
IN
OUT
max ME

· · (6.32)
Esta fórmula permite, devido à expressão (6.28), obter o ganho de máxima eficiência
óptimo em sinais fortes, a partir dos parâmetros Y de sinais fracos. A expressão também pode ser
deduzida em termos dos parâmetros S

,
_

¸
¸


·
1
S
S
K 2
1
S
S
G
12
21
2
12
21
ME
(6.33)
17
onde K é o factor de estabilidade definido no capítulo 3 e ∆ o determinante da matiz S.
O método de caracterização empírica de um diporto por parâmetros S de sinais fortes
resume-se aos seguintes procedimentos:
1 -Calcular G
0
pela expressão (6.33) a partir dos parâmetros S de sinais fracos, que normalmente
são fornecidos pelo fabricante.
2 -Através da expressão (6.32) calcula-se o valor de G
Memax
.
3 -Fazendo G
ME
=G
Memax
, da expressão (6.33) pode-se calcular o |S
21
| de sinais fortes para P
Inmax
invertendo a fórmula.
Os restantes parâmetros S de sinais fortes são idênticos aos de sinais fracos.
Para determinar as tensões e correntes na entrada e saída do diporto nas condições de G
Memax
,
tem de se calcular, em primeiro lugar, V
1max
a partir de (6.27) e de (6.31). Para o cálculo de P
SAT
,
pode-se usar, o valor do ponto de compressão a -1dB.
P
OUT
P
SAT
P
OUTx
x
P
INx
P
IN
G
0
G
max
x
P
INx
P
IN
Figura 6.14 - Gráficos de , a) P
OUT
(P
IN
), b) G
ME
(P
IN
)
Na figura 6.14 estão representadas a curva P
OUT
(P
IN
) definida pela fórmula (6.28) e a curva de
G
ME
(P
IN
), que é dada por:

1
1
]
1

¸

,
_

¸
¸
− − ·
SAT
IN 0
IN
SAT
ME
P
P . G
exp 1 .
P
P
G (6.34)
O fabricante costuma fornecer o valor de P
OUTx
, pelo que a partir de (6.28) como P
Inx
.G
MEx
=P
OUTx
obtém-se a equação
1
P
P . x
exp 1 .
P
P
SAT
OUTx
OUTx
SAT
·
1
1
]
1

¸

,
_

¸
¸
− − (6.35)
18
em que x=G
0
/G
Mex
=10
0,1
. Resolvendo esta equação não linear com um método iterativo obtém-se
P
SAT
. Convém frisar que, como as fórmulas (6.24) a (6.35) pressupõem que estamos com
Y
C
=Y
COPT
(para cada V
1
ou P
IN
), o ponto de compressão também devia ser metido nestas
condições.
Osciladores de máxima instabilidade
Considere um transístor carregado por uma carga Z
C
e sem realimentação. A condição de
oscilação R<0, pode ser expressa em função do factor de reflexão de entrada em que |ρ
e
|>1. De
facto, se para qualquer valor de carga o módulo do factor de reflexão de entrada fôr inferior à
unidade, não é possível pôr esse transístor a oscilar. Como já se viu no capítulo 3 tal acontece
quando o transístor é incondicionalmente estável. Na prática, teremos portanto de escolher um
dispositivo que, à frequência a que se pretende obter a oscilação, tenha K<1. (ver capítulo 3).
Transístor
[S]
Z
C |ρ
e
| >1
ρ
e
ρ
C
Figura 6.15 - Factor de reflexão de entrada do oscilador: condição de oscilação
Tendo escolhido um transístor, o primeiro passo do projecto consiste em desenhar na
Carta de Smith o lugar geométrico do factor de reflexão na carga (ρ
C
) que conduz a |ρ
e
|=1 (que
como se viu no capítulo 3 é uma circunferência) e determinar a zona de instabilidade na carta. É
nessa zona que se vai escolher ρ
C
ao contrário do que se fazia no projecto de amplificadores.
No segundo passo, determina-se o valor do factor de reflexão de gerador (ρ
g
) que o
transístor deve ver na entrada. Para tal pode-se usar a configuração da figura 6.16 e comparando
com a figura 6.1 vem de 6.11 e 6.12
e
g
1
ρ
· ρ (6.36)
19
Transístor
com a carga
Z
C
Z
g

e
| >1
ρ
e
ρ
g
Figura 6.16 - Factor de reflexão de entrada do oscilador: condição de oscilação
Tendo determinado ρ
g
e ρ
C
, podemos passar a exemplificar o projecto concreto de um
oscilador.
Exemplo prático:
Nem sempre é fácil encontrar um transístor com |K|<1. No entanto, o HXTR 4101 da HP,
especialmente projectado para a concretização de osciladores apresenta, na sua configuração em
base comum, a 2Ghz, o seguinte conjunto de parâmetros S:
s
11
=0.964∠144° s
21
=1.95∠-59° s
12
=0.039∠120° s
22
=1.068∠-45°
De (3.21) e (3.23) obtem-se:
∆=0.97075∠101.8° e K=-0.83865
confirmando que K<1. Vamos então desenhar na Carta de Smith a circunferência de instabilidade
da carga dada por (3.26) e (3.27):
C
c
=0.71084∠63.9° e R
c
=0.38358
Pode-se verificar que |C
c
|-R
c
>0 e que, portanto, o cículo não contem o centro da Carta de Smith,
sendo a área dentro dele de instabilidade. É dentro desse cículo que vamos escolher ρ
c
, resta
escolher onde.
É natural considerar a priori que a solução seja única uma vez que se pretende obter o
ponto de máxima instabilidade isto é o ponto em que |ρ
e
| é o maior possível mantendo |ρ
c
|<1
(cargas passivas).
Relembrando que
c 22
c 21 12
11 e
S 1
S S
S
ρ −
ρ
+ · ρ
(6.37)
o módulo do factor de reflexão de entrada (ρ
e
) é máximo quando for infinito ou seja quando
ρ
c
=1/s22 e portanto só é possível utilizar este critério se |s22|>1 (pode fazer-se um raciocínio
20
idêntico com |ρ
s
| e s11). Neste caso a malha de entrada fica simplificada pois ao impôr a condição
de oscilação (6.36) obte-se |ρ
g
|=0 pelo que o oscilador não necessita de malha de adaptação de
entrada.
Para outros casos, ou seja casos em que K<1 mas |s11| e |s22| são menores que 1 pode
demonstrar-se ρ
e
se encontra sobre circunferências cujos centros (6.38) e raios (6.39) são função
do valor que se pretende para |ρ
e
|>1, |ρ
e
|=X. Na condição limite |ρ
e
|=1 são iguais às
circunferências de estabilidade da carga (3.26) e (3.27) de finidas no capítulo 3 enquanto na
condição limite |ρ
e
|=∞ R
C
=0 e C
C
=1/s22.
2 2
22
2
2 *
22
*
11
c
X | S | | |
X S S
) X ( C
− ∆
− ∆
· (6.38)
2 2
22
2
21 12
c
X | S | | |
S XS
) X ( R
− ∆
· (6.39)
Nestes casos, em que |s22|<1, a máxima instabilidade que se pode obter é aquela para a qual a
circunferência |ρ
e
|=X é tangencial à Carta de Smith (|C
C
(X)|=R
C
(X)+1 ou R
C
(X)=C
C
(X)+1) em
que X é dado por (6.40):
2
22
2 2 2 2 2
| S | 1
) 11 s )( 22 s 1 ( 21 s 12 s 21 s 12 s
X

− ∆ − − +
·
(6.40)
e o valor de |ρ
c
| que deve ser adoptado é o ponto tangencial à Carta de Smith, isto é
ρ
e
=1∠argC
C
(X) ou ρ
e
=1∠argC
C
(X)+180°. Quanto a ρ
e
, cujo módulo já sabemos ser dado por X,
é calculado por (6.37) e depois aplicada a condição de oscilação (6.36) o que nos permite
dimensionar a malha de entrada.
BIBLIOGRAFIA
[6.1] - J . Obregon, et al., Applications of GaAs MESFETs, Artech House Inc., 1983.
[6.2] - A. P. Khana, J . Obregon, "Microwave Oscillator Analysis", IEEE Trans. On Microwave
Theory and Techniques, vol. MTT-29, nº6, J unho, 1981.
[6.3] - J . Perez, Teoria y Diseno de Osciladores de Microondas Mediante la Aproximation del
Primer Armonico", Tesis Doctoral, ETSI Telecomunication U.P. Madrid, 1983.
21
[6.4] - K. Kurokawa, "Injectio Locking of Microwave Solid-State Oscillators", Proc. IEEE vol.
Nº61, Outubro 1973.
[6.5] - R. Rogers, Low Phase Noise Microwave Oscillator Design, Artech House Inc., 1991.
[6.6] - A. Sweet, MIC MMIC Amplifier and Oscillator Design, Artech House Inc., 1991.
[6.7] - K. J onhson, "Criteria for the Onset of Oscillator Design", IEEE Trans. nn Microwave
Theory and Tech., vol. MTT-40, n
0
3, Março, 1992.
[6.8] - T. Ohira, et al., "MMIC 14GHz VCO and Miller Frequency Divider for Low-Noise Local
Oscillators", IEEE Trans. on Microwave Theory and Tech., vol. MTT-35, n
0
7, pp.657-
652, J ulho, 1987.
[6.9] - E. Kamali, et al.,"New design Approach for Wide Band FET Voltage Controlled
Oscillators", IEEE Trans. on Microwave Theory and Tech., vol. MTT-34, n
0
10, pp.1059-
1063, Outubro, 1986.
[6.10]- K. J onhson.,"Large Signal GaAs MESFET Oscillator Design", IEEE Trans. on
Microwave Theory and Tech., vol. MTT-27, n
0
3, Março, 1979.
[6.11]- K. L. Kotzebue, "Maximally Efficient Gain: A Figure of Merit for Linear Active 2-Ports",
Electronic Letters, vol. 12, n
0
19, Setembro, 1976.