Você está na página 1de 14

CONTABILIDADE GERAL

AFRF -2005 - Enunciado para a resolução das questões 01 a 08.

Com as informações referentes aos períodos contábeis de 2000/2002 da


Cia. FIRMAMENTO, fornecidas a seguir:

I. Balanços Patrimoniais de 2000/2001 e o balancete de verificação


referente a operações, do exercício de 2002, já registradas até 31.12.2002

ATIVOS 2000 2001 BALANCETE DE


VERIFICAÇÃO
31.12.2002
Disponibilidades 1.500 3.500 31.000
Duplicatas a Receber 224.000 210.000 257.500
(-) PDD (2.000) (4.000) (5.000)
Estoques 25.000 30.000 70.000
Participações Societárias
Cia. SOL 0 80.000 80.000
Cia. LUA 0 150.000 150.000
Cia. ESTRELA 1.500 1.500 1.500
Terrenos 60.000 60.000 180.000
Veículos 40.000 40.000 40.000
Edificações 20.000 20.000 20.000
Obras em Andamento 54.000 150.000
Depreciação Acumulada (10.000) (20.000) (30.000)
CMV 170.000
Despesas Administrativas 0 0 70.000
Devedores Duvidosos 0 0 5.000
Despesas Financeiras 0 0 40.000
Depreciação 0 0 10.000
TOTAL DO ATIVO + DESPESAS 360.000 625.000 1.240.000
Fornecedor 25.000 40.000 56.000
Contas a Pagar 15.000 22.000 80.000
Impostos, Contribuições e Participação 11.000 26.000 0
a Pagar
Dividendos a Pagar 25.000 35.000 0
Empréstimos e Financiamentos 40.000 60.000 200.000
Capital 200.000 400.000 430.000
Reserva Legal 4.000 12.000 12.000
Reservas de Lucros 30.000 10.000 0
Lucros/`Prejuízos Acumulados 10.000 20.000 0
Vendas 0 0 460.000
Reversão de PDD 0 0 2.000
TOTAL DO PASSIVO + 360.000 625.000 1.240.000
PAT.LIQUIDO+RECEITAS

II. A empresa provisiona, ao final do exercício, o valor de 86.100, que


corresponde a 30% do lucro contábil, para o pagamento dos Impostos,
contribuições e participações incidentes sobre o lucro apurado. Distribui
ainda dividendos à base de 20% do total dos lucros líquidos, destinando
ainda parte desses lucros à base de 5% para Reserva Legal e de 20% para
Reservas de Lucros.
III. Nos exercícios de 2000 e 2001, a empresa registrou Custos de
Mercadorias Vendidas no valor de 120.000 e 145.000, respectivamente.
IV. A conta Empréstimos e Financiamentos refere-se a uma operação
financeira realizada em dezembro de 2000, vencível em 10 anos, com
carência de 5 anos e juros de 0,5% pagos no final de cada mês.

V. Dados sobre as Participações Societárias:

INFORMAÇÕES SOBRE AS INVESTIDAS


DADOS DOS % DE PL FINAL TOTAL PL REAVALIAÇÃ DIVIDENDOS
INVESTIMEN PARTICIPAÇÃ EM AJUSTADO O DE ATIVOS DISTRIBUIDO
SO EM O 31.12.20x1 EM EFETUADOS S AO FINAL
PARTICIPAÇ 31.12.20x2 POR DE 2002
ÕES ANTES DA INVESTIDAS
SOCIETÁRIA DISTRIBUIÇA EM
S O DOS 21.12.20x2
DIVIDENDOS
E DA
REAVALIAÇÃ
O DE ATIVOS
PELAS
INVESTIDAS
Cia. SOL 40% das Ações 200.000 370.000 100.000 20.000
Ordinárias
Cia. LUA 80% do Capital 187.500 287.500 0 30.000
Total
Cia. 2% das Ações 75.000 300.000 50.000 100.000
ESTRELA Preferenciais

Obs: em 31.12.2002 ocorreu na Cia.Sol uma integralização de capital em


dinheiro de 75.000

01- Observando os valores inscritos no Patrimônio Líquido, é verdadeiro


afirmar que,

a) em 2001, os sócios integralizaram o Capital Social com subscrição de


ações no valor de 80.000.
b) nos exercícios de 2000 e 2001, não foram utilizados saldos de reservas
para aumentar capital.
c) no exercício de 2001, a empresa deu prejuízo e não efetuou a
distribuição do lucro.
d) em 2002 a empresa aumentou seu capital com subscrição de sócios.
e) em 2000, a participação do capital próprio na composição das fontes de
recursos é de 68%.

Resolução

Alternativa A
O Capital Social da empresa de 2000 para 2001 aumentou R$ 200.000. No
entanto não nos é possível afirmar, com os dados disponíveis, se houve
uma subscrição com novas ações.
Isto seria possível se o exercício apresenta-se a Demonstração das
Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL).

Alternativa B

Vide o comentário acima precisaremos das DMPL para verificar este fato

Alternativa C

Observa no Passivo Circulante que em 2001 houve um aumento na conta


Dividendos a Pagar o que indica uma distribuição de lucros no exercício.

Alternativa D

Realmente o Capital da empresa aumentou em 2002 R$ 30.000, mas para


afirmamos que houve subscrição de novas ações precisaríamos da DMPL

Alternativa E

Participação do Capital Próprio

Patrimônio Liquido = 244.000 = 68%


Ativo 360.000

Alternativa E está correta


02- Com relação aos dividendos distribuídos por suas investidas, a Cia.
Firmamento, quando da apuração de seu resultado do exercício de 2002,
deve dar o seguinte tratamento contábil:

a) recolher como receitas não-operacionais o valor de 20.000.


b) registrar como receita de dividendos o valor de 8.000.
c) lançar a crédito de Participações Societárias o valor de 32.000.
d) debitar Participações Societárias no valor de 34.000.
e) creditar como Outras Receitas Operacionais o valor de 10.000.

Resolução

Os Investimentos realizados nas empresas Cia. SOL e Cia. LUA são


relevantes e realizados em Coligadas ou Controladas, portanto, deverão
ser avaliadas pelo MEP. Então

Participação Cia. SOL = 40%


Participação Cia. LUA = 80%

Dividendo distribuído Cia. SOL = 20.000 X 40% = 8.000


Dividendo distribuído Cia. LUA = 30.000 X 80% = 24.000
32.000

Débito = Dividendos a Receber


Crédito = Participações Societárias 32.000

Alternativa C está correta


O Investimento realizado na Cia. Estrela não é um investimento realizado
em uma empresa Coligada/Controlada (A Participação é de apenas 2%),
portanto este investimento é avaliado pelo custo de aquisição. Na
distribuição de dividendos deste investimento a investidora efetua o
seguinte lançamento:

D - Dividendos a Receber
C - Receita de Dividendos R$ 2.000

03 - Na apuração do resultado do exercício de 2002 da Cia Firmamento, o


valor registrado a crédito na conta Reserva Legal deve ser:

a) 9.005
b) 10.045
c) 9.505
d) 9.045
e) 9.845

Resolução: Verifique a informação II fornecdida nos dados da questão.

Primeiro vamos calcular o Lucro Liquido do Exercício. Lembrando que a


Reserva Legal é 5% do Lucro Liquido

Lucro Contábil ou Lucro Antes IR/CS = 100%


(-) Contribuição Social =
(-) Provisão p/IR = ( 30%)
(-) Participações =
= Lucro Líquido do Exercício = 70%

A questão informa que a somatória desses valores representa R$ 86.100


então:

86.100 -------- 30%


X ------------ 70%
X= 200.900 (Lucro Líquido) x 5% = 10.045

Alternativa B

04- Em 2001, o valor das compras de mercadorias efetuadas foi de:

a) 170.000.
b) 140.000.
c) 120.000.
d) 150.000.
e) 210.000.

Resolução: Verifique a informação III fornecida nos dados da questão.

Valor das compras em 2001, vamos extrair da formula CMV=EI+C-EF

CMV 2001 = 145.000


EI = 25.000
EF 2001 = 30.000

CMV = EI+C-EF
145.000=25.000+X - 30.000
X=150.000
Alternativa D

05 - Analisando a variação do CCL - Capital Circulante Líquido da empresa,


pode-se afirmar que o valor do CCL

a) de 2002 é menor do que o apurado em 2000.


b) de 2001 é maior do que o apurado em 2000.
c) de 2000 é menor do que o apurado em 2002.
d) de 2002 é maior do que o apurado em 2001.
e) de 2001 é menor do que o apurado em 2002.

Ativo Circulante 2000 Passivo Circulante


2000

Disponibilidade = 1500
Fornecedores = 25.000
Duplicatas a Receber = 224.000 Contas a
Pagar = 15.000
PDD = (2.000) Impostos,
Part. a Pagar = 11.000
Estoques = 25.000 Dividendos
a Pagar = 25.000
Total = 248.500
Total = 76.000

CCL = AC - PC
CCL 2.000 = 248.500 - 76.000
CCL 2000 = 172.500

Ativo Circulante 2001 Passivo Circulante


2001

Disponibilidade = 3.500
Fornecedores = 40.000
Duplicatas a Receber = 210.000 Contas a
Pagar = 22.000
PDD = (4.000) Impostos,
Part. a Pagar = 26.000
Estoques = 30.000 Dividendos
a Pagar = 35.000
Total = 239.500
Total = 123.000

CCL 2001 = 239.500 - 123.000


CCL 2001 = 116.500

Ativo Circulante 2002 Passivo Circulante


2002

Disponibilidade = 1.000
Fornecedores = 56.000
Duplicatas a Receber = 257.500 Contas a
Pagar = 80.000
PDD = (5.000) Impostos,
Part. a Pagar = 86.100
Estoques = 70.000 Dividendos
a Pagar = 40.180
Dividendos a Receber= 34.000
Total = 262.280
Total = 123.000

CCL 2002 = 357.500 - 262.280


CCL 2002 = 95.220

Disponibilidades em 2002 – R$1000,00 - O exercício informa sobre uma


integralização de capital na Cia. Sol de $ 75.000 x 40%(Participação Firmamento)
= $ 30.000.( 31.000- 30.000) . Inacreditável esta!!!

Dividendos a Receber em 2002 - veja a resolução da questão 2

Impostos, Contribuições e Participações a Pagar 2002 - Verifique a informação II


do exercício

Dividendos a Pagar 2002 - O Lucro Líquido do Exercício foi R$ 200.900


(veja resolução da questão 3) então:

200.900 x 20% = 40.180

A ESAF não considerou no cálculo do Dividendo mínimo obrigatório a


constituição da Reserva Legal do exercício. Inacreditável!!!

Empréstimos e Financiamentos Veja a informação IV, trata-se de um


Empréstimos de Longo Prazo, portanto classificado no Exigível a Longo Prazo.
Os aumentos no saldo da conta de um ano para outro podem tratar-se de dividas
de curto ou longo prazo ?

Alternativa correta A

Resumo da Opera:

Questão confusa que nada acrescenta ao aprendizado do candidato.

06 - Em 2001, o valor total pago aos fornecedores foi de:

a) 130.000.
b) 145.000.
c) 140.000.
d) 150.000.
e) 135.000.

Resolução

Saldo Inicial de Fornecedores = 25.000


(+) Compras de 2001 = 150.000
(-) Saldo Final de Fornecedores = (40.000)
Total Pago em 2001 = 135.000
O valor das compras de 2001 encontra-se calculado na questão 04.

Alternativa E está correta

07 - O Índice de Imobilização da empresa, em 2002, é:

a) 1,64.
b) 1,16.
c) 1,35.
d) 1,20.
e) 1,83.

Resolução

Índice de Imobilizado = Ativo Permanente


Patrimônio Líquido

Ativo Permanente Patrimônio Líquido

Cia. Sol 180.000 Capital


430.000
Cia. Lua 206.000 Reserva
Legal 22.045 (12.000 + 10.045)
Cia. Estrela 1.500 Reserva de Lucros
40.180 (200.900 x 20%)
Terrenos 180.000 Reserva
Reavaliação 40.000
Veículos 40.000 Lucros
Acumulados 110.495
Edificações 20.000 Total
642.720
Depreciações Acumuladas (30.000)
Obras em Andamento (150.000)
Total 747.500

Índice Imobilização = 747.500 = 1,16


642.720

Alternativa B

Cia. Sol - PL 31.12.2002 = 450.000 (370 + 100-20)


X 40%
180.000

Cia. Estrela - OL 31.12.2002 = 257.500 (287,5 -30)


X 80%
206.000

08 - Pode-se afirmar que a participação do capital de terceiros Em:

a) 2001 é de 0,48.
b) 2000 é de 0,98.
c) 2001 é de 0,83.
d) 2002 é de 0,72.
e) 2000 é de 0,46.

Resolução
Participação Capital de Terceiros = Passivo Exigível
Patrimônio Líquido

Ano 2000 = 116.000 = 0,48


244.000

Ano 2001 = 183.000 = 0,41


442.000

Ano 2002 = 462.280 = 0,72


642.720

Alternativa D

Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos – apresenta como


resultado ajustado um prejuízo de 10.000. Os valores ajustados no
resultado eram os seguintes itens:

Despesa anual de Depreciação 3.000


Resultado de Equivalência Patrimonial Operacional (5.000)
Ganhos de Capital na alienação de Imobilizado (15.000)
Variação Cambial Passiva 2.000

Tomando por base esses dados, responder as questões 09 e 10.

09- O Resultado Operacional obtido pela empresa em dezembro de 2000


foi:

a) um lucro de 25.000.
b) um prejuízo de 25.000.
c) um prejuízo de 15.000.
d) um lucro de 15.000.
e) um prejuízo de 10.000.

Resolução

A questão fornece o prejuízo ajustado para efeito da elaboração da DOAR.


Lembrando que para ajuste do resultado partimos do Lucro Liquido do
Exercício. Então:

Lucro Líquido do Exercício = X


(+) Despesas que não afetaram o CCL
Depreciação = 3.000
Variação Cambial Passiva = 2.000
(-) Receitas que não afetaram CCL =
Resultado Equivalência = (5.000)
Ganhos Capital Imobilizado = (15.000)
(=) Prejuízo Ajustado = (10.000)

O Lucro Líquido do Exercício então foi de R$ 5.000

Lucro Líquido do Exercício = 5.000


(-) Resultados Não Operacionais
Ganho de Capital no Imobilizado = (15.000)
Prejuízo Operacional = (10.000)
Alternativa E

10 - A verificação de um ajuste de Variação Cambial Passiva no resultado,


identificado na DOAR de 2000, indica que no exercício ocorreu um
lançamento de:

a) atualização de saldo devedor em passivos de longo prazo.


b) débito em conta de exigíveis a longo prazo.
c) atualizações monetárias de itens do Capital Circulante Líquido.
d) crédito em operações de financiamentos do passivo circulante.
e) registro de novos empréstimos contraídos pela empresa.

Para atualizarmos uma divida em moeda estrangeira efetuamos o seguinte


lançamento:

Variação Cambial Passiva


a Empréstimos Bancários

Desta forma estamos atualizando um saldo devedor que temos junto a


instituição financeira

Alternativa A
11 - Na ocorrência de descontinuidade operacional de bens reavaliados,
uma empresa deve:

a) alterar o critério de avaliação para o registro pelo valor original,


mantendo as respectivas reservas de reavaliação e a provisão dos tributos
incidentes sobre a reavaliação.
b) modificar o critério de avaliação para o registro pelo valor original,
estornando-se a parcela da reavaliação incluída no ativo, as respectivas
reservas de reavaliação e a provisão dos tributos incidentes sobre a
reavaliação.
c) realizar toda a reserva de reavaliação, mantendo o ativo pelo valor
original e efetuando o recolhimento dos tributos incidentes sobre a
reavaliação.
d) alterar o critério de avaliação para o registro pelo valor original,
estornando-se a parcela da reavaliação incluída no ativo, as respectivas
reservas de reavaliação e recolhendo os tributos incidentes sobre a
reavaliação.
e) manter o critério de reavaliação, estornando-se as respectivas reservas
de reavaliação e a provisão dos
tributos incidentes sobre a reavaliação.

Resolução

De acordo com a Deliberação CVM 183/95 em havendo descontinuidade


operacional dos bens reavaliados deve-se modificar o critério de avaliação
para o registro pelo valor original, estornando-se a parcela da reavaliação
incluída no ativo, as respectivas reservas de reavaliação e a provisão dos
tributos incidentes sobre a reavaliação.

ALTERNATIVA B

12 - Uma empresa com Patrimônio Líquido Negativo deve evidenciar esse


valor:
a) após o Capital Social no Grupo de Patrimônio Líquido como conta
devedora.
b) após a conta Financiamentos como um Exigível a Longo Prazo em uma
conta devedora.
c) após a conta de Despesas pré-operacionais, como um Ativo Diferido em
uma conta credora.
d) após o ativo diferido em Grupo de Passivo a Descoberto como conta
credora.
e) após a conta de Empréstimos a Receber, como um Realizável a Longo
Prazo em uma conta credora.

Resolução

Questão Anulada. Inicialmente a ESAF apresentou como alternativa correta a


letra D em atendimento a Resolução CFC 847/99 item 3.2.2.13, que dizia o
seguinte: “No caso do patrimônio liquido ser negativo, será demonstrado após o
ativo diferido, só que com saldo devedor”.
Posteriormente o CFC através da Resolução CFC 1049/05 revogou o item
3.2.2.13 da Resolução CFC 847/99 e em seu item 3.2.2.1 - C estabeleceu o
seguinte:
O Patrimônio Líquido compreende os recursos próprios da Entidade, e seu
valor é a diferença positiva entre o valor do Ativo e o valor do Passivo.
Quando o valor do Passivo for maior que o valor do Ativo, o resultado é
denominado Passivo a Descoberto. Portanto a expressão Patrimônio
Líquido deve ser substituída por Passivo a Descoberto.
Portanto, permanece o estabelecido pela lei 6404/76 em seu artigo 178
que determina que o Patrimônio Líquido deve ser apresentado após o
Passivo Circulante, o Passivo Exigível a Longo Prazo e o Resultado de
Exercícios Futuros.

13 - Em conformidade com a legislação societária e para que se beneficie


da dedutibilidade do valor do imposto de renda, devem as empresas de
capital aberto contabilizar o pagamento dos juros sobre o capital próprio
como:

a) dividendos pagos, estornando para receita financeira na demonstração


de resultados.
b) destinação da conta de reserva de capital, revertendo o valor para
resultado do exercício.
c) despesas financeiras, revertendo o valor na última linha da
demonstração de resultados.
d) conta redutora do capital social, por tratar-se de remuneração para o
acionista do capital emprestado.
e) destinação de lucros acumulados sem transitar pela demonstração de
resultados.

Resolução

Essa questão tem como fundamento a deliberação CVM 207/96 itens VIII e
IX que estabelecem:
Item VIII – Caso a companhia opte, para fins de atendimento ás
disposições tributárias, por contabilizar os juros sobre o capital próprio
pagos/creditados ou recebidos/auferidos como despesa ou receita
financeira, deverá proceder a reversão desses valores, nos registros
mercantis, de forma a que o lucro liquido ou o prejuízo do exercício seja
apurado nos termos desta deliberação.
Item IX – A reversão, de que trata o item anterior, poderá ser evidenciada
na ultima linha da demonstração do resultado antes do saldo da conta do
lucro liquido do exercício.

ALTERNATIVA C

14 - No processo produtivo da empresa Desperdício S.A., no mês de julho


de 2005, ocorreram perdas com rebarbas decorrentes do corte de tecidos
da linha de produção. Em virtude da contratação de funcionário sem
experiência houve a perda de 100 itens por mau uso de equipamentos. De
acordo com os conceitos contábeis, devem ser registradas essas perdas:

a) ambas como custo dos produtos vendidos.


b) respectivamente, como despesa operacional e custo.
c) ambas como despesas não-operacionais no resultado.
d) ambas como despesas operacionais no resultado.
e) respectivamente, como custo e despesa operacional.

Resolução

As perdas normais são aquelas que ocorrem ao longo do processo


produtivo da empresa e como tal integram o custo de produção é o caso
das perdas com rebarbas decorrentes do corte de tecidos da linha de
produção colocado na questão.
Perdas Anormais são aquelas imprevistas e que ocorrem em função de
ações imprevisíveis como, por exemplo: inundações, incêndios, mão de
obra não qualificada, etc. Essas perdas são contabilizadas como despesas
operacionais (não integram o custo de produção).

ALTERNATIVA E

15 - A empresa Capita Tudo S.A. decide modificar sua estrutura de capitais,


hoje dependente de recursos de curto prazo, utilizando recursos capitados
por meio de debêntures conversíveis em ações. No ato da emissão das
debêntures mediante recebimento dos recursos, o lançamento de registro
a ser efetuado é:

a) Débito Crédito
Bancos Debêntures Exigível a Longo
Prazo

b) Débito Crédito
Bancos Capital Social

c) Débito Crédito
Debêntures Realizável a Longo Prazo Bancos

d) Débito Crédito
Bancos Debêntures Realizável a
Longo Prazo

e) Débito Crédito
Capital Social Bancos

Resolução
Debêntures são títulos de longo prazo emitidos pela empresas para captar
recursos no mercado. No ato da emissão do titulo o lançamento realizado
é:

Bancos conta Movimento


a Debêntures a Pagar a Longo Prazo.

ALTERNATIVA A

16 - Os procedimentos de controles internos têm sido fundamentais na


prevenção e inibição de desvios, identificação de erros nos processos
contábeis e deterioração ou perdas dos ativos das empresas. Identifique
a seguir o procedimento relativo ao controle dos estoques.

a) Limites de alçada escalonados de acordo com os cargos para aprovação


de vendas.
b) Segregação de funções do departamento de contas a pagar e do gestor
financeiro.
c) Restrições de acesso aos ativos da empresa realizando movimentações
via requisições.
d) Circularização semestral de fornecedores de ativos para confirmação
dos saldos.
e) Inventário físico dos bens patrimoniais da empresa pelo menos uma vez
ao ano.

Resolução

Esta foi a única questão de Auditoria da prova. Um dos pontos fortes de


controle interno é a restrição de acesso aos ativos da empresa (locais
isolados) realizando movimentações através de requisições (a
mercadoria/produto só sai do estoque mediante requisição devidamente
aprovada).

Na alternativa E deve ter entendido a banca que contar fisicamente os


estoques uma única vez por ano não é exatamente um ponto forte de
controle interno mas não posso dizer que seja uma alternativa totalmente
errada.

ALTERNATIVA C

17 - Representa uma origem de recursos que afeta o Capital Circulante


Líquido:

a) aquisição de Máquinas com Financiamentos de Longo Prazo.


b) conversão de Debêntures em ações.
c) integralização de Capital com entrega de Equipamentos.
d) recebimento de Empréstimos Concedidos de Longo Prazo.
e) troca de um Terreno por um Edifício.

Resolução

Capital Circulante Líquido é o Ativo Circulante menos o Passivo Circulante.


Vamos efetuar os lançamentos referente as alternativas para verificarmos
aquele lançamento que afeta o CCL da empresa.

a) Maquinas (aumento do Permanente)


a Empréstimos de Longo Prazo (aumento do PELP)
b) Debêntures a Pagar a Longo Prazo (diminuição do PELP)
a Capital Social (aumento do PL)

c) Equipamentos (aumento do Permanente)


a Capital a Integralizar (aumento do PL)

d) Caixa ou Bancos (aumento do ativo circulante)


a Empréstimos a Receber Longo Prazo (diminuição do Realizável Longo
Prazo)

Este lançamento afetou o CCL pelo aumento do ativo circulante da


empresa.

e) Edifícios (aumento do Permanente)


a Terrenos (diminuição do Permanente)

ALTERNATIVA D

18 - A empresa Divergências S.A. contabilizou a folha de provisão para


férias do mês de outubro de 2005 com erro. Foram provisionados em
duplicidade o equivalente a 20% dos duodécimos. Considerando que a
apropriação da folha de férias é feita em 30% para custo dos estoques e
70% para despesas administrativas e que de tudo que se fabrica no mês,
se vende 50%, indique qual estorno abaixo representa um ajuste
necessário, uma vez que o referido lançamento só foi constatado na
conciliação feita no mês seguinte.

a) 6% dos 20% dos duodécimos da folha de provisão de férias de outubro


de 2005, contabilizados a maior,
registrados nos estoques devem ser estornados.
b) 70% da folha de provisão de férias de outubro de 2005 devem ser
estornados das despesas administrativas.
c) 14% da folha de provisão de férias de outubro de 2005 devem ser
estornados dos estoques.
d) 30% da folha de provisão de férias de outubro de 2005 devem ser
estornados do custo dos estoques contra a provisão de férias.
e) 3% do total dos duodécimos contabilizados em duplicidade, da folha de
férias de outubro de 2005, devem ser estornados do custo das mercadorias
vendidas, contra a provisão de férias.

Resolução

Foi efetuada uma provisão em duplicidade de 20% dos duodécimos, sendo


que a apropriação da folha é efetuada em 30% para custo dos estoques
então o erro causado nos estoques é de 20% de 30% = 6%.

Como a empresa vende 50% daquilo que fabrica no mês teremos um


estorno no custo do produto vendido de 50% de 6% = 3%.

ALTERNATIVA E

19 - A Empresa Café Torrado S.A. fecha contrato de aluguel de imóvel que


não utiliza mais em seu processo produtivo por 5 anos. A empresa
Antecipa Tudo S.A., a qual pagou antecipadamente o valor de $
3.500.000,00, aceitou constar do contrato, cláusula prevendo a não-
devolução de valores em caso de rescisão antecipada. Dessa forma, esses
valores devem ser registrados na Empresa Café Torrado S.A., proprietária
do imóvel, como:

a) Receita de Aluguéis no Grupo de Resultado de Exercícios Futuros.


b) receitas a apropriar no Passivo Circulante e Exigível a Longo Prazo.
c) receitas não-operacionais na Demonstração de Resultados.
d) despesa Antecipada no Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo.
e) outras receitas operacionais, na Demonstração de Resultados.

Resolução

No grupo Resultado de Exercícios Futuros são contabilizadas as receitas


recebidas antecipadamente desde que essa receita não tenha caráter de
divida.
Na questão consta uma clausula prevendo a não devolução de valores em
caso de rescisão antecipada o que caracteriza uma receita antecipada a ser
contabilizada no REF.

ALTERNATIVA A

20 - Quando da Realização da Reserva de Lucros a Realizar, esta deve ser


revertida para:

a) lucros ou prejuízos acumulados, quando o evento realizar-se


economicamente.
b) lucros ou prejuízos acumulados, quando o evento realizar-se
financeiramente.
c) reserva de capital destinada diretamente para distribuição de
dividendos.
d) resultado do exercício, quando o evento econômico realizar-se
financeiramente.
e) resultado do exercício, quando o evento financeiro realizar-se
economicamente.

Resolução

Um lucro a realizar é um lucro ganho e ainda não recebido pela empresa. A


constituição da reserva de lucros a realizar é feita através do seguinte
lançamento:

Lucros Acumulados
a Reserva de Lucros a Realizar

Quando o lucro for realizado financeiramente a reserva será então


revertida ocasionando o seguinte lançamento:

Reserva de Lucros a Realizar


a Lucros Acumulados

ALTERNATIVA B