Você está na página 1de 1

RIZÓBIOS

Os rizóbios fazem uma coisa que poucos seres vivos conseguem fazer. Eles
aproveitam o nitrogênio gasoso do ar e o armazenam na forma de amino-
ácidos e outros compostos nitrogenados. Os amino-ácidos formam todas
as proteínas e são muito importantes para o crescimento dos seres vivos.
Por isso plantas e animais precisam de nitrogênio. Só que não conseguem
usar o nitrogênio gasoso do ar. Somente os rizóbios e algumas outras
poucas espécies de bactérias conseguem esse feito.
As leguminosas resolveram o problema fazendo uma sociedade muito
proveitosa com bactérias conhecidas como rizóbios. Mais do que uma
sociedade. Uma simbiose.
Simbiose é uma palavra muito interessante. É formada de duas partes:
SIM que significa junto e BIOS que significa vida. Então simbiose
significa: VIDA EM CONJUNTO. E é isso mesmo que acontece. A
leguminosa protege os rizóbios dentro dos nódulos formados em suas
raízes e os rizóbios transferem compostos nitrogenados para a planta. Os
nódulos radiculares são como pequenas fábricas de nitrogênio nas raízes
das leguminosas.
Dentro dos nódulos, os rizóbios ficam protegidos de predadores, recebem
água e nutrientes. A planta divide com eles, os carboidratos fabricados
pela fotossíntese que os rizóbios usam para obter energia. Assim, os
rizóbios não precisam se preocupar com sua sobrevivência e têm energia
para trabalhar despreocupados. Em troca, o rizóbio fornece o nitrogênio
fixado que a leguminosa, rapidamente usa para produzir amino-ácidos e
proteínas. Com tanto nitrogênio disponível, a leguminosa cresce muito
verde mesmo nos solos pobres.
Os agricultores sabem disso e usam as leguminosas como adubo verde para
suas plantações.

Texto: Maria Cristina Prata Neves


Desenhos: adaptação de Alcir B. de Almeida sobre
desenho de André Rumjanek (acervo da Embrapa Agrobiologia)

Rizóbio

Nódulos
radiculares