Você está na página 1de 3
C AMPUS DE S OROCABA Projeto Semestral Cálculo Diferencial e Séries – Professor Cantão! Séries

CAMPUS DE SOROCABA

Projeto Semestral Cálculo Diferencial e Séries – Professor Cantão!

Séries de Fourier

1 Introdução

A série de Fourier (1) recebe este nome como uma homenagem ao matemático francês Jean- Baptiste Joseph Fourier, que extendeu o trabalho de luminares como Euler, d’Alembert e Ber- noulli no estudo das chamadas séries trigonométricas.

a 0 +

n=1

a n cos nx + b n sen nx =

a 0 + a 1 cos x + a 2 cos 2x + a 3 cos 3x + · · ·

(1)

+ b 1 sen x + b 2 sen 2x + b 3 sen 3x + · · ·

Fourier introduziu o uso da série que levaria seu nome no estudo da equação do calor em uma placa metálica na publicação “Mémoire sur la propagation de la chaleur dans les corps solides”, de 1807. Embora esta teoria tenha se desenvolvido no longínquo século XIX, as primeiras idéias relativas à decomposição de funções periódicas em somas de funções oscilatórias mais simples datam de muito antes, do século III antes de Cristo.

2 Determinação dos coeficientes

Assumindo que a série (1) converge e que sua soma resulta em uma função contínua por partes f (x) definida em [π, π], podemos escrever

f(x) = a 0 +

n=1

a n cos nx + b n sen nx

(2)

Para que a função f (x) fique bem caracterizada pela série em (2), é necessário que determinemos

os coeficientes a n e b n em termos de n. No caso de séries de potências do tipo vimos que os coeficientes c n obedeciam c n = f (n) /n!. No caso da série em (2) usaremos integrais 1 :

n=0 c n (x a) n

π f (x) dx = π a 0 dx +

π

= 2πa 0 +

n=1 a n

π

π

π

π

n=1

π

a n cos nx + b n sen nx dx

cos nx dx +

n=1 b n

π

π

sen nx dx

1 Assumindo que a série pode ser integrada termo a termo.

Porém, lembrando que n é inteiro

π

π

cos nx dx = n sen nx π

1

π

= 0,

e

 

π

π

sen nx dx = n cos nx π

1

π

 

Assim

= 0.

 

π

 

π f (x) dx = 2πa 0

 

e portanto

a 0 =

2π

1

π

π f (x) dx

 

(3)

Bloco 1

Para determinar os coeficientes a n e b n para n 1, repita o procedimento acima multipli- cando ambos os lados de (2), primeiro por cos mx e num segundo momento por sen mx.

 

Definição 1: Série de Fourier

Seja f uma função contínua por partes em [π, π]. Então a série de Fourier de f é a série

a 0 +

n=1

a n cos nx + b n sen nx

onde os coeficientes a n e b n são definidos por

a 0 =

2π

1

π

π f (x) dx,

2 π 1 π − π f ( x ) dx , a n = ,

a n =

,

b n =

,

n 1

3 Condições para representação de f (x)

É importante observar que na Definição 1 nós não estamos afirmando que f (x) é igual à sua série de Fourier. Para isto são necessárias certas condições sobre f .

Bloco 2

Determine sobre quais condições a série de Fourier da Definição 1 é de fato igual a f (x).

Bloco 3

Obtenha a série de Fourier para a função de onda quadrada

f(x) = 0

1

se π x < 0

se 0 x < π

y

, f(x + 2π) = f(x)

 
 
 
 
 

1

 
 
 
 
 
 
 
 
     

2π

π

 

π

2π

x

Bloco 4

Ainda com respeito ao Bloco 3, defina s n (x) como a n-ésima soma parcial da série obtida:

s 0 (x) = a 0

s n (x) = a 0 +

n

k=1 a k cos kx + b k sen kx

No mesmo sistema de coordenadas, faça o gráfico de f (x) e S n (x) para n = 1, 3, 5, 10, 20, 30 (um gráfico para cada n). O que você observa quando x é um múltiplo inteiro de π?

4 Funções periódicas quaisquer

Até o momento o foco foram as funções periódicas com período 2π. Naturalmente a série de Fourier por ser generalizada para funções f periódicas com período qualquer.

Bloco 5

Defina a série de Fourier para uma função com período 2L, nos moldes da Definição 1.

Bloco 6

Repita o procedimento dos Blocos 3 e 4 para a função de onda triangular

f (x) = |x|,

1 x 1,

f (x + 2) = f (x)

y

1 −2 0 2
1
−2
0
2

x

5 Aplicações

Bloco 7

Pesquise e apresente uma aplicação das séries de Fourier.

Referências

[1] J. Stewart, Calculus – Early Vectors, Cengage Learning, 2003.