Você está na página 1de 61

SOFTWARES LIVRES PARA PORTADORES DE

NECESSIDADES ESPECIAIS.

Proposta de estudo sobre o tema ’Conhecimento


Científico e desenvolvimento’ escolhido em votação na
disciplina Resolução de Problemas 2 do curso de
Sistemas de informação da Universidade de São Paulo.

Orientador:
Prof. Dr. Fernando Auil

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
ESCOLA DE ARTES CIÊNCIAS E HUMANIDADES
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

São Paulo – SP
Dezembro 2009
Índice

Integrantes ............................................................................................................ 01
2. Resumo ............................................................................................................ 02
3. Introdução .......................................................................................................... 02
4. Hipótese ............................................................................................................ 03
5. Justificativa ........................................................................................................ 03
6. Objetivos............................................................................................................ 03
7. Referencial teórico ............................................................................................. 04
8. Metodologia ....................................................................................................... 05
9. Tutoriais ............................................................................................................ 05
9.1 NVDA ......................................................................................................... 05
9.1.1 Características gerais ............................................................................ 05
9.1.2 Instalação do NVDA ............................................................................ 06
9.1.3 Abrindo o NVDA ................................................................................. 10
9.1.4 Teclas de comandos do NVDA............................................................. 11
9.1.5 Alguns comandos úteis ......................................................................... 11
9.1.6 Acessando o menu do NVDA .............................................................. 12
9.1.6.1 O menu de preferências................................................................. 13
9.1.6.1.1 Opções gerais ........................................................................ 13
9.1.6.1.2 Sintetizador .......................................................................... 14
9.1.6.1.3 Opções de voz ....................................................................... 14
9.1.6.1.4 Opções de teclado ................................................................. 16
9.1.6.1.5 Opções de mouse .................................................................. 17
9.1.6.1.6 Apresentação de objetos ....................................................... 18
9.1.6.1.7 Exibidores virtuais ................................................................ 19
9.1.6.1.8 Formatação de documentos .................................................. 20
9.1.6.2 O menu de ferramentas ................................................................. 22
9.1.6.3 O menu de ajuda .......................................................................... 22
9.1.7 Modos de navegação do NVDA ........................................................... 23
9.1.7.1 Teclado ........................................................................................ 23
9.1.7.1.1 Navegação por foco .............................................................. 23
9.1.7.1.2 Navegação por objetos .......................................................... 24
9.1.7.1.2.1 Comandos para a navegação por objetos ....................... 25
9.1.7.1.3 Navegação por cursor de edição ........................................... 26
9.1.7.2 Mouse .......................................................................................... 26
9.2 DosVox ....................................................................................................... 27
9.2.1 Introdução ............................................................................................ 27
9.2.2 Requisitos para a instalação .................................................................. 28
9.2.3 Processos para a instalação ................................................................... 28
9.2.4 Inicialização ......................................................................................... 34
9.2.5 Teclas funções ...................................................................................... 34
9.2.6 Comandos básicos ................................................................................ 43
9.2.7Multimídia ........................................................................................... 43
9.3 WebAnywhere ............................................................................................. 48
9.3.1 Introdução ............................................................................................ 48
9.3.2 Especificações ..................................................................................... 48
9.3.3 Acessando o webanywhere .................................................................. 49
9.3.3.1 Windows ...................................................................................... 49
9.3.3.2 Mac OS X..................................................................................... 52
9.3.3.3 Ubuntu.......................................................................................... 53
9.3.4 Comandos no teclado ........................................................................... 55
10. Pesquisa institucional ....................................................................................... 56
11. Conclusão ........................................................................................................ 56
12. Referências ...................................................................................................... 57
1

1. Intgrantes

André Cavalcante dos Santos

Bruno Croci de Oliveira

Caio César Lemes Bastos

Dan Shinkai

Daniel Bissoli Moriera

Daniel Pinheiro Barreto


2

2. Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar por meio de pesquisa em organizações não
governamentais e instituições de amparo ao portador de deficiência visual, a utilização de
softwares livres para a inclusão digital. As informações levantadas permitirão saber se os
softwares utilizados suprem as necessidades dos usuários. Serão apresentadas alternativas de
softwares e para os mesmos, serão criados tutoriais detalhados que assim possibilitem a
aprendizagem e manuseio das ferramentas citadas.

3. Introdução

Este trabalho tem como tema central demonstrar como a tecnologia pode auxiliar
pessoas portadoras de necessidades visuais utilizando ferramentas fundamentadas em
softwares para computadores pessoais. A grande evolução retoma os primeiros artefatos
tecnológicos no qual foram a base para a reconfiguração de novos métodos para não limitar
pessoas portadoras de necessidades especiais. A inclusão desses dispositivos alterou o dilema
que se seguiu por décadas na vida dos cegos no qual consistia “no que o cego pode ou não
fazer”, em outras palavras, “é a falta de tecnologia que faz o cego”, Antônio Borges, criador
do DOSVOX.
Atualmente, de acordo com pesquisas feitas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatísticas) em 2000, existem mais de 16 milhões de pessoas portadoras de
deficiência visual no qual freqüentam instituições de ensino.
Uma das grandes barreiras é o acesso a essas tecnologias aos deficientes visuais. Estudos
indicam que há necessidade de formação para que o cego possa usufruir o computador como
ferramenta para o seu cotidiano, pois somente o fato dessas tecnologias estarem próximas não
significa que as pessoas poderão compreendê-la e utilizá-las.
Outro problema decorre da forma no qual será utilizado os softwares de uso específico
para deficientes visuais. Assim como ocorre no mercado, existem softwares definidos como
“Software Livres” no qual não há necessidade de efetuar uma compra ou utilizar uma licença
e softwares pagos. Também devemos levar em consideração em que tipo de plataforma será
utilizado e suas determinadas configurações.
3

4. Hipótese

Os softwares livres são suficientes para suprir as necessidades das pessoas portadoras
de deficiência visual.

5. Justificativa

”Art. 2º. Ao Poder Público e seus órgãos cabe assegurar às pessoas portadoras de
deficiência o pleno exercício de seus direitos básicos, inclusive dos direitos à educação, à
saúde, ao trabalho, ao lazer, à previdência social, ao amparo à infância e à maternidade, e de
outros que, decorrentes da Constituição e das leis, propiciem seu bem-estar pessoal, social e
econômico. MEC. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Especial. LEI
N.º 7.853, de 24 de outubro de 1989”. (MEC/SEESP, 2005) [4].
O direito garantido por leis dos deficientes visuais torna a necessidade de softwares
livres de acessibilidade imprescindível. Como ferramentas para a inclusão digital, tais
softwares devem ser capazes de atender as necessidades de pessoas portadoras de deficiência
visual com eficiência e devem ser financeiramente acessíveis. Softwares proprietários
disponíveis hoje no mercado custam por volta de U$500,00 a U$ 1000,00. Tais preços
inviabilizam qualquer possibilidade de inclusão digital de deficientes visuais. Softwares livres
são capazes de preencher esta lacuna. Comumente taxados de piores, alguns softwares livres
são capazes de impor forte concorrência aos mais firmados softwares comercias em sua
qualidade. Leitores de tela como Orca, NVDA e DosVox firmam-se cada vez mais.

6. Objetivo

O objetivo do nosso trabalho é diagnosticar softwares livres para deficientes visuais,


suas funcionalidades e sua eficiência. Os softwares escolhidos para a análise são:
WEBANYWHERE [10], NVDA [6] e o DOXVOS [7]. Citaremos outros tipos de software de
caráter privado, como o VIRTUAL VISION [9] e o JAWS [5].
Uma vez diagnosticado, iremos constatar se os deficientes visuais têm de fato acesso
aos softwares livres e se eles atendem as necessidades de dos mesmos de uma forma geral.
Divulgaremos alguns dos softwares citados e exploraremos sua funcionabilidade, fornecendo
assim instruções às ferramentas pesquisadas. Visitaremos instituições de amparo a deficientes
4

visuais para promover uma pequena pesquisa de campo e chegarmos as conclusões


necessárias para a continuação do trabalho.

7. Referencial Teórica

Neste trabalho usaremos como definição de Software Livre criada pela Free Software
Foundation (FSF, na sigla), também reforçada pela organização de software livre do governo
do Brasil [1] que classifica o software livre como o software que pode ser executado, copiado,
distribuído, estudado, modificado e aperfeiçoado com liberdade.
Para ser estudado, modificado e aperfeiçoado, estes softwares devem ser sempre
distribuídos com seu código-fonte abertos para que qualquer interessado no assunto possa
acessá-lo.
É importante ressaltar que software livre não é necessariamente um software grátis. A
empresa ou indivíduo criador do software pode cobrar por sua distribuição, no entanto quem
obter este software também é livre de redistribuí-lo gratuitamente com ou sem alterações.
O usuário que fizer modificações neste software não é obrigado a divulgá-la a
nenhuma entidade nem a ninguém, tão pouco deve reportar qual a finalidade do uso deste
software (seja comercial ou pessoal).
Como deficiência visual, estamos nos guiando pela definição segundo a American
Fundation for the Blind [2] e da Sociedade Brasileira de Visão Subnormal [3].
Segundo esta definição, a deficiência visual é quantitativa. É considerada cegueira a
acuidade visual de 6/60 ou menos no melhor olho com correção apropriada, e uma restrição
do campo visual menor que 20 graus, caracterizando a “visão de túnel” (6/60 significa que a
pessoa precisa de uma distância de seis metros para ler o que normalmente se leria a sessenta
metros).
Uma pessoa com baixa visão é aquela que possui seu funcionamento visual
comprometido, mesmo após tratamento e/ou correção de erros refracionais comuns. Ela tem
acuidade visual inferior a 10 graus de seu ponto de fixação (20/200 a 20/70 pés no melhor
olho após correção máxima), mas apesar disso, utiliza ou é possivelmente capaz de utilizar a
visão para o planejamento e a execução de uma tarefa.
5

8. Metodologia

Faremos uma coleta de dados sobre a utilização de softwares leitores de tela em


instituições e organizações de apoio a deficientes visuais para tirarmos uma conclusão sobre o
uso de softwares de código aberto. Recolheremos dados provenientes de artigos e pesquisas
científicas relativas ao assunto, de manuais e sites oficiais dos softwares. Por fim, faremos
uma compilação dos dados sobre Softwares Livres Leitores de Telas e criaremos tutoriais das
ferramentas gratuitas selecionadas: NVDA, DOSVOX e WebAnywhere.

9. Tutoriais

Os softwares a seguir foram analisados e testados possibilitando assim a formulação de


tutoriais de cada um.

9.1 NVDA

Este software é um leitor de telas, que a partir de uma voz sintética, torna possível a
deficientes visuais acessarem e interagirem com computadores com sistema operacional
Windows.

9.1.1 CARACTERÍSTICAS GERAIS


 Existe a versão Portátil sem a necessidade de instalação.
 Navegar na Internet com o Mozilla Firefox 3.
 Suporte básico para Microsoft Word e Excel
 Suporte para o prompt de comandos do Windows
O NVDA é equipado com o eSpeak, um sintetizador de voz gratuito, mas também pode
ser utilizado alguns outros de acordo com a vontade do usuário.
Foi escrito em linguagem de programação Python, e é construído em módulos, e grande
parte do seu código é facilmente expansível. Podendo assim personalizá-lo para melhor
atender seus clientes.
O software é coberto pela GNU (Licença Pública Geral – Versão 2).
6

O programa esta disponível para download no site: http://www.nvda-


project.org/wiki/Download.
OBS: Os testes deste tutorial foram realizados no sistema operacional “Windows 7
Professional”.

9.1.2 INSTALAÇÃO DO NVDA

Primeiro, faça o download do programa no site http://www.nvda-


project.org/wiki/Download.

Para o download, temos dois link’s “NVDA 0.6p3.2 installer” e “NVDA 0.6p3.2 portable
version”.

A VERSÃO “NVDA 0.6P3.2 INSTALLER” É UM INSTALADOR, SEGUE OS


PASSOS DA INSTALAÇÃO:
7

Pressione o botão “Próximo”

Leia o acordo, e para continuar pressione o botão “Eu concordo”


8

Selecione o local de instalação do programa e clique em “Avançar”.

Selecione o local que o programa ficará no menu iniciar e pressione “Instalar”.


9

Aguarde a realização da instalação.


10

Pronto, o NVDA está instalado, agora é pressione “Terminar” para sair do assistente de
instalação. Obs: caso não queira executar o NVDA imediatamente, é só desmarcar a opção.
“Executar NVDA”.
A VERSÃO “NVDA 0.6P3.2 portable version” É UMA EDIÇÃO QUE NÃO PRECISA
SER INSTALADA, SEGUE OS PASSOS dá descompactação:

Ao clicar no ícone do “NVDA 0.6P3.2 portable version” ,a


seguinte tela aparecerá.

Selecione o local de instalação do programa e clique em “Extract”.

Aguarde o termino da extração. E pronto agora é só abrir o programa, onde você


descompactou.

9.1.3 ABRINDO O NVDA


Existem duas formas para instalar o NVDA, a partir do instalador ou através da versão
portátil. Caso tenha utilizado a versão do instalador, você pode iniciar apertando as teclas
Ctrl+Alt+n ou pelo menu iniciar. Caso contrário, usando a versão portátil, é só abrir o
nvda.exe no local onde foi descompactado.
11

Quando o NVDA terminar de carregar, você deverá ouvir “NVDA Started” (o NVDA
iniciou). Quando o NVDA iniciar pela primeira vez, você será recebido com uma caixa de
diálogo contendo algumas informações básicas sobre as teclas modificadoras e menu do
NVDA.

9.1.4 TECLAS DE COMANDOS DO NVDA


A maioria dos comandos de teclado específicos do NVDA geralmente consiste em
pressionar a tecla modificadora do NVDA que é o “insert”, (você pode configurar o capslock
para ser a tecla modificadora) juntamente com uma ou mais outras teclas.
A maneira fácil de explorar todas as diferentes teclas de comando é acionar a ajuda do
teclado, para utilizá-la pressione NVDA+1. Enquanto você estiver na ajuda do teclado, ao
pressionar qualquer tecla, será anunciado o que a mesma faz. E não se preocupe, durante o
modo de ajuda do teclado os comandos não vão funcionar efetivamente, sendo assim,
podemos testar todas as teclas possíveis.

9.1.5 ALGUNS COMANDOS ÚTEIS:


Globais:
Control: pausa a fala.
Shift: continua a fala.
NVDA+1: fala janela em foco.
NVDA+b: mostra menu.
NVDA+q: encerra o programa.
12

NVDA+s: alterna entre os três modos de fala: Falar, bipar ou desativado.


NVDA+12: 1x anuncia a hora atual, 2x anuncia a data atual.
NVDA+tab: anuncia foco atual.
NVDA+ seta para baixo: começa a leitura apartir da posição atual.

9.1.6 ACESSANDO O MENU DO NVDA


Para acessar o menu NVDA, enquanto o programa estiver funcionando, pressione
NVDA+N. Aparecerá a janela.

Nela temos: o menu preferências que nós permite configurar o NVDA do jeito que
desejarmos, o menu ferramentas úteis para os programados, o menu ajuda para acessar o
guia do usuário, possui também os itens voltar à configuração salva e o Salvar
configuração , responsáveis por reverter ou salvar sua configuração atual respectivamente, e
a opção sair que fecha o NVDA.
13

9.1.6.1 O MENU DE PREFERÊNCIAS

Nele você tem configurações do programa, como Opções gerais, Sintetizador,


Opções de voz, Opções de braile, Opções teclado, Opções de mouse, Apresentação de
objetos, Exibidores virtuais, Formatação de documentos, Dicionários de fala.
Neste tutorial detalharemos as opções que achamos mais relevantes para utilização do
programa:

9.1.6.1.1 OPÇÕES GERAIS


Você pode alterar as opções gerais entrando nesta opção que se encontra no menu de
preferências. Ao clicar aparecera a tela:

n
Para configurar o idioma:
É só escolher o idioma de sua opção, ele se localiza em uma caixa de dialogo. Para se
mover entre as opções é só ir usando as certas. E a cada opção o NVDA a lerá para você.
14

Outras opções:
Temos mais duas opções com caixa de checagens. Delas podemos escolher que o
NDVA salve as configurações automaticamente ao sair do programa, e que avise antes de sair
do programa.
A última opção, Grau de informações no log, é referente a o que você quer que o
NVDA registre suas atividades em relatórios enquanto utiliza o programa, opção utilizada
com frequência pelos desenvolvedores.

9.1.6.1.2 SINTETIZADOR
Você pode alterar as opções do sintetizador entrando na opção Sintetizador que se
encontra no menu de Preferências. Ao clicar, aparecerá a tela:

Aqui escolhemos o sintetizador que gostaríamos de usar.


A lista atual de sintetizadores que o NVDA suporta é a seguinte: eSpeak, SAPI4,
SAPI5, Adiologic, Display, e Silence.
O NVDA usa como padrão o eSpeak, que funciona em qualquer maquina que
funcione o NVDA.
O Display é uma opção que digitaliza o que o NVDA esta falando.
O Silence faz com que o NVDA não emita som.
A outra opção é que podemos escolher em qual dispositivo de saída o NVDA utilizara.

9.1.6.1.3 OPÇÕES DE VOZ


Você pode alterar as opções de voz entrando nesta opção que se encontra no menu de
preferências. Ao clicar aparecera a tela:
15

Nesta tela, temos opções para alterar, Voz, Variante, Velocidade, Tom, Inflecção,
Volume e algumas outras opções. Sempre usando as setas nas opções o NVDA fará uma
previa de como ficará o resultado.
Para alterar a Voz, temos uma caixa combinada, que lista todas as vozes do atual
sintetizador. Você conseguirá ouvir cada opção usando as setas para se movimentar.
Para alterar a Variante (opção atualmente só para eSpeak), temos também uma caixa
combinada, que lista as possíveis variações de vozes, estas variações são como se diferentes
tipos pessoas possam assumir a voz do NVDA.
Para alterar a Velocidade, esta opção vai de 0 (+lenta) a 100 (+rápido).
Para alterar a Tom, esta opção vai de 0 (+baixo) a 100 (+alto).
Para alterar a Volume, esta opção vai de 0 (+baixo) a 100 (+alto).
Para alterar a Inflecção, aumento e diminuição no tom, esta opção vai de 0 (+fraca) a
100 (+forte).
Temos mais quatro outras opções em caixa de checagem, Falar toda a pontuação,
Aumentar tom para maiúsculas, Dizer cap antes de maiúsculas, Bipar em maiúsculas.
Elas funcionam assim como se auto intitulam.
OBS: Você também pode configurar muitas opções a partir de qualquer local
pressionando NVDA+Control + alguma das setas. As setas de para cima e para baixo permite
16

que alterem o valor (aumentando ou diminuindo) alguma das opções. E as setas de direita e
esquerda alternam as opções possíveis de serem configuradas.

9.1.6.1.4 OPÇÕES DE TECLADO

Você pode alterar as opções do teclado entrando nesta opção que se encontra no menu
de Preferências. Ao clicar aparecera a tela:

A primeira opção é leiaute de teclado, nesta opção nos permite escolher que tipo de
layout de teclado o NVDA usará. Atualmente o padrão é para “desktop” e “laptop”.
Temos mais algumas opções com caixas de checagem. Elas funcionam como estão
nomeadas. Ao marcar são ativadas. Elas são:
 Usar CapsLock como uma tecla modificadora do NVDA
 Usar Insert do teclado numérico como uma tecla modificadora do NVDA
 Usar Insert estendida como uma tecla modificadora do NVDA
 Falar carateres digitados
 Falar palavras digitadas
 Falar teclas de comando
17

9.1.6.1.5 OPÇÕES DE MOUSE


Você pode alterar as opções de mouse entrando nesta opção que se encontra no menu
de preferências. Ao clicar aparecera a tela:

Nesta janela temos 5 opções em caixa de checagem que podem ser modificadas:
Anunciar Mudanças no Formato do Mouse, quando ativa, significa que o NVDA
irá falar o formato do ponteiro do mouse cada vez que ele mudar. Por exemplo, quando algo é
da para fazer uma edição ou quando algum aplicativo está processando, etc.
Anunciar Texto Sob o Mouse, quando ativa, significa que o NVDA irá falar o texto
que está abaixo do ponteiro do mouse no momento, ao ser movido pela tela.
Anunciar Tipo do Objeto Quando o Mouse Entra Nele,quando ativa, significa que
o NVDA irá falar o tipo do objeto, assim que o mouse é passado sobre ele.
Tocar Sons de Coordenada Quando o Mouse é Movido, quando ativa, fará com que
o NVDA toque bips ao mover o mouse, os bips são diferenciados com isto é possível o
usuário se localizar em que direção o mouse esta indo na tela.
Brilho Controla Volume das Coordenadas Sonoras, deixando esta opção ativa, faz
com que os bips mudem de acordo com a intensidade do brilho sob o mouse.
18

9.1.6.1.6 APRESENTAÇÃO DE OBJETOS


Esta opção é encontrada no menu Preferências e contém os seguintes itens:

Anunciar Dicas de Ferramentas, quando ativada, o NVDA irá comunicar as


eventuais dicas de ferramentas conforme elas aparecerem. Um exemplo é quando se move o
mouse sobre alguma ferramenta, e ela exibe uma mensagem ou dica, o NVDA pronunciará tal
mensagem ou dica.
Anunciar Balões de Ajuda, quando ativada, o NVDA irá falar os balões de ajuda
assim que eles aparecerem. Balões de ajuda são como dicas, mas são geralmente maiores em
tamanho, e estão associados a eventos do sistema.
Anunciar Teclas de Atalho dos Objetos, quando ativada, o NVDA irá anunciar um
objeto ou controle, incluindo as teclas de atalho que estão associadas a eles.
Anunciar Descrições dos Objetos, quando ativada, fala a descrição do objeto em
foco. Desative esta opção se você acha que não precisa ouvir a descrição que é falada
juntamente com os objetos.
Dizer Estado do Objeto Primeiro, quando ativada, o NVDA irá falar o estado de um
objeto antes de qualquer outra informação.
Bipar em Barras de Progresso, Uma barra de progresso é um controle que se parece
um pouco com um recipiente graduado que precisa ser preenchido. Enquanto uma tarefa está
lentamente sendo concluída, essa barra vai sendo preenchida. Ela também mostra a
porcentagem para representar numericamente o progresso. Barras de progresso são
apresentadas para situações como quando uma página da Web está abrindo, quando se está
19

fazendo downloads, ou transferindo um arquivo. Se esta caixa estiver ativa, o NVDA usará
bips para informá-lo em que ponto está a barra de progresso conforme ela vai sendo
completada. Algumas vezes, isto é muito mais amigável do que escutar um monte de valores
numéricos.

9.1.6.1.7 EXIBIDORES VIRTUAIS


Esta opção é encontrada no menu Preferências. Note que muitas das opções desta
caixa de diálogo podem afetar apenas os buffers mais antigos (usados para o Internet Explorer
e Adobe Reader). Em versões futuras do NVDA, este problema deverá ser resolvido. Esta
caixa de diálogo contém as seguintes opções:

Máximo de Caracteres Numa Linha


Este campo seta o comprimento máximo de uma linha do buffer virtual (em
caracteres). Não é garantido que TODAS as linhas terão este comprimento máximo, mas a
maioria deverá ter.

Linhas por Página


Apesar de buffers virtuais não possuírem páginas, este campo seta a quantidade de
linhas que serão movidas ao pressionar-se Page Up ou Page Down, quando estiver em um
buffer virtual.
Anunciar Apresentação do Exibidor Virtual Quando o Foco Muda.
20

Quando marcada, esta caixa de diálogo faz com que o NVDA anuncie o texto e
informações de apresentação em um buffer virtual para um controle, conforme for recebendo
foco, ao invés de simplesmente perguntar ao Windows por informações de controle. Por
exemplo, navegando com o Tab por um link chamado “Gatos” será falado “link gatos” ao
invés de “gatos link”, porque em buffers virtuais, quando se movimentando por eles, o tipo é
sempre falado antes do que o texto. Pode ser desejável, em alguns casos, não ter esta opção
marcada, já que isto significa que o controle será anunciado em uma ordem, de certa forma,
melhor. No entanto, para alguns navegadores de internet, você poderá receber informações
mais precisas quando esta opção estiver ativada. Atualizar Conteúdo Dinâmico Quando esta
caixa estiver marcada, buffers virtuais poderão ser atualizados conforme a página muda,
devido ao Java Script. Atualmente, o NVDA suporta apenas atualizador de conteúdo
dinâmico para Mozilla Firefox, mas espera-se que seja suportado também para Internet
Explorer em versões futuras.

Anúncios de Campos Específicos


As outras onze caixas de checagem nesta caixa de diálogo permitem configurar qual o
tipo de informação que será anunciada quando se move por exibidores (buffers) virtuais. Por
exemplo, checar anunciar linques fará com que seja dita a palavra “linque” antes de qualquer
texto que seja um link. Você pode configurar o anúncio de links, cabeçalhos, gráficos, listas,
itens de lista, tabelas, formulários, campos de formulário, blocos de citação, frames e
parágrafos.

9.1.6.1.8 FORMATAÇÃO DE DOCUMENTOS


Esta caixa de diálogo é encontrada no menu Preferências. Todas as caixas de
checagem desta caixa de diálogo têm o propósito de configurar qual tipo de formatação você
deseja ouvir automaticamente, conforme você mover o cursor por documentos como o
Wordpad ou o Microsoft Word.
21

A tela que aparecerá será:

Por exemplo, se você checar a caixa “anunciar nome da fonte”, cada vez que você navegar
com as setas por um texto com uma fonte diferente, o nome da fonte será anunciado. Você
pode configurar o NVDA para anunciar o nome da fonte, o tamanho da fonte, atributos da
fonte, alinhamento do texto, estilo do texto, tabelas, números de páginas e números das linhas.
Obs: Para conseguir o original do manual acima, que está em inglês, é só acessar o
menu do NVDA (Insert + n), e clicar em Ajuda – Guia do usuário.
22

9.1.6.2 O MENU DE FERRAMENTAS

Nele você tem as ferramentas do programa, estas opções são utilizadas principalmente
pelos desenvolvedores deste software.

9.1.6.3 O MENU DE AJUDA

Nele você tem Ajuda do programa, como Guia do usuário, Guia rápido de teclas de
atalho, Novidades, página na Internet, licença, Colaboradores, Bem-vindo, Sobre...;

9.1.7 MODOS DE NAVEGAÇÃO NO NVDA

No NVDA há duas formas básicas de navegação na tela, por teclado e por mouse. Na
maioria dos sistemas leitores de tela só é possível navegar por teclado, já o NVDA
23

implementa uma forma inovadora de navegação por mouse acessível. Claro que essa
novidade não elimina a forma natural de navegação, porque não é 100% acessível, porém
auxilia em algumas tarefas que só é possível a utilização de mouse.

9.1.7.1 TECLADO
Há várias formas de navegação do teclado, dependendo da parte que o usuário se
encontra. É indispensável que o usuário tenha domínio do teclado, saiba onde cada tecla se
encontra inclusive o teclado numérico, que é usado como funções especiais.

Dos tipos de navegação, temos a navegação por foco, que é a navegação padrão do
sistema operacional, a navegação por objeto e navegação por cursor de edição, que é quando
você está numa caixa de edição de texto e pode navegar entre o texto editável.

9.1.7.1.1 NAVEGAÇÃO POR FOCO


Normalmente a navegação por foco em objetos dá-se pressionando a tecla Tab (para
frente) e Shift + Tab (para trás), Alt para navegação entre menus (Alt + A letra selecionada
para cada menu, ou simplesmente Alt para ir à barra de menus e as setas direcionais para
interagir com os menus) e Alt + Tab para a navegação entre janelas de programas abertos.

O NVDA fala as propriedades do objeto que está sendo focado no momento da troca,
entretanto, ele também tem uma combinação de teclas especiais para dizer qual é o foco atual,
que é NVDA + Tab. Tem também outras combinações de teclas especiais para a janela atual,
que é NVDA + T, que fala o título da janela atual, e NVDA + B, que fala todo o conteúdo da
janela atual.
24

9.1.7.1.2 NAVEGAÇÃO POR OBJETOS

O NVDA define tudo como um objeto. Há consequentemente, uma árvore de objetos.


Começando pela Área de Trabalho do Windows, depois as aplicações que estão rodando e
então os objetos de cada aplicação. Com o modo de navegação por objetos, é mais fácil você
acessar os objetos de cada aplicação.

Vale a pena lembrar que a árvore dos objetos não tem nada a ver com a ordem deles
visualmente na tela, pois o NVDA não trabalha diretamente com a tela por não ter um
interceptador de vídeo. Infelizmente nem todas as aplicações tem uma árvore de objetos bem
estruturada.
25

9.1.7.1.2.1 A seguir está a lista de operações para a navegação por objetos:

 NVDA+numpad5: Fala o objeto atual;


 NVDA+numpad8: Move ao objeto superior na árvore;
 NVDA+numpad4: Move ao objeto anterior ao atual no mesmo nível da árvore;
 NVDA+numpad6: Move ao próximo objeto no mesmo nível da árvore;
 NVDA+numpad2: Move ao primeiro filho depois do objeto atual;
 NVDA+numpadMenos: Move ao foco;
 NVDA+numpadEnter: Ativa o objeto atual (por exemplo: pressionar enter / clicar /
clicar duas vezes);
 NVDA+numpadBarra: Move o mouse até o objeto atual;
 NVDA+numpadAsterísco: Move ao mouse;
 NVDA+shift+numpad5: Fala as dimensões do objeto atual na tela;
 NVDA+numpadPlus: Fala todos os objetos em sequência começando pelo objeto
atual;
26

Lembrando que é necessário que NumLock esteja desativado para que esses comandos
funcionem.

Para revisar o texto no objeto atual, utilize os seguintes comandos, tirados do manual
oficial do NVDA:

 Shift+Numpad7: Primeira linha;


 Numpad7: Linha anterior;
 Numpad8: Linha atual;
 Numpad9: Próxima linha;
 Shift+Numpad9: Última linha;
 Numpad4: Palavra anterior;
 Numpad5: Palavra atual;
 Numpad6: Próxima palavra;
 Shift+Numpad1: Início da linha;
 Numpad1: Caracter anterior;
 Numpad2: Caracter actual;
 Numpad3: Caracter seguinte;
 Shift+Numpad3: Fim da linha;
 NumpadMais: Leitura contínua de todo o texto;

9.1.7.1.3 NAVEGAÇÃO POR CURSOR DE EDIÇÃO


É como a navegação normal num campo de texto editável. Você navega com as setas
entre os caracteres, palavras e linhas, e o NVDA irá falar a cada letra que você passa, ou
digita, incluse falará a palavra a cada vez que você digitá-la e der um espaço. Ele irá ler o
texto que você selecionar, e caso queira, pode pressioanar NVDA + Seta para baixo que ele
lerá todo o texto dentro dessa caixa de edição.

9.1.7.2 MOUSE
Aqui entra a inovação do software NVDA. Ele dispara beeps a cada vez que o mouse é
mexido. Supondo que o usuário tenha duas caixas de som, ele toca os sons em estéreo,
27

conforme a posição do mouse. Além disso, ele vai falar qualquer texto que tiver sobre o
ponteiro do mouse.
Como o comum não é o uso do mouse, e muitos usuários não estão acostumados com
isso, essa opção não está ativa por padrão, basta você ir no menu Preferências e Opções do
Mouse.

9.2 Tutorial DOSVOX

9.2.1 INTRODUÇÃO

O DOSVOX é um sistema que utiliza o chamado sintetizador de voz no qual realiza a


comunicação a partir do sistema computacional com o usuário portador de deficiência visual
atendendo, assim as suas necessidades ao acesso de microcomputadores. Pelo uso da interface
da programação das aplicações de voz, Speech Application Programming Interface (SAPI)
do Windows. O sintetizador usado no DOSVOX é compatível com grande parte dos
sintetizadores de vozes existentes.
28

9.2.2 REQUISITOS PARA A INSTALAÇÃO

O DOSVOX não requer muito recurso da máquina. É possível realizar a sua instalação
em um microcomputador com plataforma Windows 95 ou superior, um processador Pentium
133 MHz, 256 MB de memória RAM, 300 MB de espaço livre no HD e uma placa de som.

9.2.3 PROCESSOS PARA A INSTALAÇÃO

Testamos e realizamos o tutorial baseado na versão 4.1 do DOSVOX.ha.

É possível realizar o download gratuito pelo site do próprio criador


(http://intervox.nce.ufrj.br/dosvox/download.htm) que contém apenas o instalador com 112 MB.

Clique no ícone para realizar a instalação.

A seguinte tela será apresentada:

Clique em Avançar.
29

Selecione o local de instalação do programa e clique em Avançar.

Aguarde enquanto o programa está sendo extraído.


30

Clique em Sim para dar continuidade.

Clique em Next para instalar a ferramenta Mbrola.


31

Selecione o I accept the agreement e clique em Next.

Selecione o caminho para realizar a instalação e clique em Next.


32

Selecione o Typical Instaltion e clique em Next.

Clique em Next.
33

Clique em Install.

Ao término da instalação, clique em Finish.


34

9.2.4 INICIALIZAÇÃO

Após realizar a sua instalação, podemos inicializar com a tecla de atalho: CTRL +
ALT + D ou clicar no ícone que foi criado na área de trabalho caso tenha sido selecionado no
ato da instalação. Quando inicializado, o DOSVOX faz a seguinte pergunta: “DOSVOX: O
que você deseja fazer?”, no qual a resposta é baseada em uma das letras que determinará uma
função.

As opções de cada utilitário podem ser acessadas apertando a tecla “↓” sempre no
início de cada ferramenta.

9.2.5 TECLAS FUNÇÕES

 Caso não sejam conhecidas as teclas funções, aperte “F1” ou “↓” para serem
apresentadas as opções das funções. A tecla “ESC” sempre é utilizada para cancelar
alguma função.
35

T – testar teclado

 Essa opção é utilizada para que o usuário se acostume com a localização de cada tecla
do teclado. Ao apertar uma tecla, uma voz reproduz a leitura desse caractere. A voz
masculina representa que a letra está em maiúsculo e a voz feminina as letras em
minúsculos.

E – editar texto

 É um programa de editor de texto denominado EDIVOX é utilizado para gravação ou


impressão. Cada tecla digitada é reproduzida pelo DOSVOX e representada na tela do
monitor para que uma pessoa não portadora de deficiência visual possa visualizá-lo
também.

 Na sua inicialização, o EDIVOX reproduz a seguinte frase: “Edivox: qual o nome do


arquivo?”. Até a versão 3.0, o arquivo possuía uma limitação de apenas 8 caracteres.
A partir da versão 3.1, é possível escrever arquivos com número de caracteres
maiores. Após o seu nome, devemos definir o tipo de extensão do arquivo digitando
um ponto e o seu tipo.

 Após esse processo, o EDIVOX reproduzirá a seguinte a frase: “Arquivo novo”, caso
seja um arquivo criado no momento ou “Arquivo carregado”, caso seja um arquivo já
existente.
36

L – ler texto

 Essa opção fornece ao usuário a leitura de um arquivo de texto. O nome do arquivo


deve ser informado pelo usuário. A tecla F1 lhe fornece ajuda, F3 troca de arquivo, F4
altera parâmetro de síntese, F5 a busca de um arquivo, F7 pula algumas linhas,
ENTER pausa ou continua a leitura, ESC termina a leitura

I – Imprimir

 Procede a impressão de um documento através do nome do arquivo. O sistema


também irá questionar o tipo de impressora: comum, braile ou formatada.

A – Arquivos

 Informa o número de arquivos no diretório e permite a seleção dos mesmos através das
setas para a sua manipulação. Pressionando a tecla F1 você tem as opções do que fazer
com o arquivo a ser manipulado.

D – Discos

 Discos são os drives ou unidades que o DOSVOX usa para trabalho. Com essa
ferramenta você pode selecionar o disco desejado para trabalhar, obter informações ou
até formatar um disquete.
37

T- escolher diretório de trabalho


Escolhe o diretório em que se deseja trabalhar

D- escolher disco para trabalho


Escolhe o disco em que se quer trabalhar. Normalmente, o Disco A se refere ao
disquete, Disco C ao HD e Disco D ao CD-ROM.

V- Voltar ao ultimo diretório


Volta ao diretório anterior

E- Verificar o espaço do disco de trabalho


Informa o tamanho do disco e o espaço livre no mesmo.

F- Formatar um disquete
Formata um disquete (Unidade A:)

I- Informar diretório de trabalho


Informa diretório atual (Padrão é C:)

C- Criar novo subdiretório


Cria um novo subdiretório. O DOSVOX perguntará o nome do diretório, e se ele será
o novo diretório de trabalho.

J – Jogos
38

 Visando o entretenimento e o aperfeiçoamento do uso do teclado o DOSVOX


disponibiliza jogos de raciocínio lógico, memória e noções de direito.

U – Utilitários falados

 Uma porção de utilitários para os usuários de DOSVOX. Segue a relação abaixo das
principais.
39

L- leitor de tela Monitox

C-Calculadora Vocal

Calculadora que permite fazer as quatro operações básicas além de porcentagem e


raízes.

T- Caderno de Telefones

Chamado de Televox, é o sistemas de armazenamento de telefones pessoais com


sistema de busca versátil.
40

A – Agenda de compromissos

Com 80 caracteres, o usuário armazena compromissos podendo marcá-lo como


especial ou não.

S – Exibidor de apresentações interativas

Gera apresentações automaticamente de arquivos no formato .PPX. Possibilita a


criação e a exibição das apresentações.

R – Relógio Despertador

Programa eventos e seus horários para que o sistema desperte.


41

M – Manual de instruções

Ajuda falada sobre o sistema DOSVOX, porém precisa do CD do DOSVOX ou de


arquivos de som disponíveis no computador.

R – Acesso a Internet

 Permite ao usuário o acesso a internet e vários outros recursos ligados a internet.

A – Acesso dial up ao provedor


Conecta o usuário utilizando uma conexão discada a um servidor de internet.

C – Correio Eletrônico
Correio eletrônico que permite o envio e recebimento de cartas através da internet
(Cartavox).

D – Discavox
Através de fax-modem recebem e enviam cartas, recebem o jornal diário, e tem acesso
a diversas facilidades da Internet.

F – Transferência de arquivos via FTP


Transfere arquivos através da rede FTP por dois usuários (File Transfer Protocol).

H – Acesso a home pages


Permite a visualização de páginas na internet através da captura da parte textual de
homepages. Esse browser do DOSVOX infelizmente não consegue captar 100% do
conteúdo das páginas, não interpretando códigos Java nem Javascript.
42

I – Gerador de homepages (Intervox)


Permite a criação de páginas na internet simples e com pouco trabalho porém de boa
qualidade, podendo ser visualizadas nos browsers padrões do mercado hoje em dia
(Internet Explore, FireFox, GoogleChrome).

K – Acesso sonoro ao IRC


Permite ao usuário que acesse o IRC (Internet Relay Chat), um protocolo de
comunicação bem utilizado na internet.

L – Preparador de cartas para listas de pessoas


Mala direta do DOSVOX para o disparo de emails a varias pessoas.

M – Mini servidor de homepages

P – Bate-papo sonoro pela Internet


Chamado de (PapoVox), essa opção permite a conversação de usuários do DOSVOX
através da digitação ou da fala em tempo real.

S – Servidor de Bate-Papo pela internet (SitioVOX)


Permite a hospedagem de um servidor criado pelo usuário para conversação. Sistemas
parceiro do Papovox.

T – Telnet Falado
Através de comunicação sonora, comunica-se com maquinas que utilizam sistema
Unix através de comunicação em rede.

U – Conversores UUEncode e UUDecode


Conversores de transmissores Unix, codificando um texto assim gerando outro
arquivo codificado.

W – Gerador de homepages – versão antiga (WWWvox)


Programa de simples utilização para criação de homepages. Essa ferramenta está
sendo substituída pelo Intervox.
43

9.2.6 COMANDOS BÁSICOS

 ↑ - Sobe uma linha e faz a leitura da linha.

 ↓ - Desce uma linha e faz a leitura da linha.

 CTRL + G – Posiciona o cursor em uma linha específica no qual deverá ser digitado
número do mesmo.

 TAB – equivalente a digitar quatro espaços.

 CTRL + D – Apaga os caracteres ao lado direito do cursor.

 CTRL + S - Apaga os caracteres ao lado esquerdo do cursor.

9.2.7 MULTIMÍDIA

 O acesso à função multimídia possibilita editar vários recursos relacionados com o


som do computador, assim como a sua reprodução. Ao apertar a tecla “↓” na tela
inicial do DOSVOX, será apresentado as diversas opções que essa ferramenta possui.
44

S – Configurador da fala SAPI

 Selecionar o tipo da fala SAPI- Este é item possibilita a configuração do tipo de voz.

 Saber o número de vozes instaladas – Informa quantas vozes estão instaladas.

 Informações sobre a voz atual – Informa a configuração atual da voz selecionada


relacionado ao nome da voz, velocidade e tonalidade.

 Detalhes da voz atual – Informações relacionadas à língua, dialeto, fabricante e


estilo.
45

 Configurar a voz atual – Permiti ao usuário configurar a voz, velocidade (definido


entre -10 e 10) e a tonalidade (-10 e 10).

 Folhear as vozes instaladas – Permiti ao usuário escutar as vozes disponíveis no


programa.

 Guarda novo padrão de voz – Caso haja um novo padrão de voz, este será guardado.

 Usa uma voz anterior – Restaura a voz anterior configurada.

 Testar o sintetizador SAPI – Utilitário para testar as configurações atualizadas.

M – Processador Multimídia

 Toca um arquivo Multimídia – Possibilita a reprodução da música no qual deverá


ser informado o nome do arquivo no diretório decorrente.

 Aciona CD Player – Este utilitário possibilita a reprodução das músicas contidas em


um CD (não será possível reproduzir as músicas caso o Windows inicialize
automaticamente).

 Toca arquivo atual – O arquivo poderá ser reproduzido a partir do diretório do


Winvox.

 Fim do Midiavox – Término do utilitário.

G – Gravador de som

 Utilitário que possibilita a gravação de voz ou de qualquer outro dispositivo conectado


na placa de som do computador.

 É possível realizar edições nos sons gravados adicionando diversos efeitos no som.

C – Controle de Volume

 Permiti configurar o volume.


46

T – teste do Microfone

 Permiti realizar teste com o microfone conectado no computador.

3 – Conversor de Texto para MP3

 Esse utilitário permite converter textos ou músicas para o formato MP3.

A – Afinador para violão com metrônomo

 Permite ao usuário que use metrônomo através do uso de batidas por minuto e
compasso. Também é possível usar um afinador digital do mesmo.

J – Juntador de arquivos WAV

 Junta vários arquivos em um só, desde que os mesmo sejam compatíveis.

F – Conversor de formatos de sons

 Converte o formado para melhoria ou diminuição do tamanho de arquivos de sons.


São conassificados como 0-micro, 1-compacto, 2-telefone, 3-rádio.
47

P - Executar um Programa do Windows

 Esse utilitário permite executar um programa com extensão “.exe” utilizando linhas de
comando.

S - Subdiretórios

 Este utilitário irá mostrar todos os subdiretórios contidos na pasta padrão do DOSVOX
denominado Winvox.

V - Vai para a outra Janela

 Utilitário que permiti abrir outra janela minimizada.

C - Configura DOSVOX

 Utilitário para configuração geral do DOSVOX no qual é possível definir o tipo de


Vox, velocidade da Vox, tonalidade SAPI e Diretório de trabalho.

* - Configuração Avançada DOSVOX

 Utilitário para usuário avançados no qual é possível atualizar a versão do DOSVOX


ou editar macro comandos
48

Q - Informa a quem pertence este DOSVOX

 Informações da sua versão e da instituição responsável pela sua criação.

9.3 WEBANYWHRE

9.3.1 INTRODUÇÃO

Este artigo introduz o WebAnywhere, um leitor de tela baseado em web que pode ser
usado por pessoas portadoras de deficiência visual para acessar a internet de praticamente
qualquer computador com conexão a internet e saída de áudio. Usuários com deficiência
visual fazem necessidade de softwares chamados de leitores de tela para converter textos e
informações da tela em áudio. Esses softwares provêm teclas de atalho para facilitar o acesso
ao computador sem o mouse (rato).

Leitores de tela são em sua maioria caros, custando em média 1000 dólares como o
JAWS e o VIRTUAL VISION. Devido ao seu alto custo, leitores de tela não são encontrado
facilmente em computadores públicos em bibliotecas e lan houses. Outros tipos de leitores de
tela são os portáteis, porém, normalmente exige permissão para instalação, o que não é
permitido em terminais públicos.

9.3.2 EXPECIFICAÇÕES SOBRE O WEBANYWHERE

O WebAnywhere informa quando tem imagens e fala o nome da imagem, mas se o


nome da imagem existente no site não condizer com aquilo que está sendo mostrado na
imagem ou for apenas siglas ou números, não será possível entender esta parte.

O WebAnywhere não funciona em Sites feitos em Flash, se você entrar em um site


que for feito em Flash ou tiver uma parte em flash, o programa irá pular esta parte.
49

Caso o site tenha algum tipo de campo de formulário como o selection group (Campo
para você selecionar um dos itens da lista), ele vai falar o nome do selection group, mas você
não poderá escolher alguma opção pelo teclado, terá que ser feito pelo mouse.

Comandos Java Script não funcionam e sua grande maioria, então se a página for
redirecionada através de java script, só será possível acessar o site do link se você tiver a
URL.

9.3.3 ACESSANDO O WEBANYWHERE

Os procedimentos a seguir descritos foram feitos na versão alfa do WebAnywhere. Os


mesmos passos podem ser utilizados para a versão beta
(http://webanywhere.cs.washington.edu/beta/), porém erros podem ocorrer durante a utilização da
mesma. Neste caso, deve-se utilizar a versão alfa.

9.3.3.1 WINDOWS

Para utilizar o WebAnywhere o deficiente visual deve apertar as teclas

( ) WIN + R para abrir a janela de execução do Windows.

Então deve ser digitado o site do WebAnywhere http://wa.cs.washington.edu/ para fazer


acesso ao programa e clicar ENTER.
50

Uma confirmação de voz ira soar informando o usuário de que a pagina foi
aberta.

Caso essa confirmação não ocorra após um tempo, o usuário deve apertar as teclas
ALT+F4 para fechar a janela e repetir o processo inicial.

Uma vez na pagina do WebAnywhere, o usuário utiliza os comandos CTRL+L para


o cursor ir à caixa de navegação. Após esse passo o portador de deficiência visual pode digitar
o endereço de qualquer pagina disponível na internet.
51

Utilizando os comandos disponíveis, o usuário pode navegar pela pagina inteira. Cada
item da pagina é lido e assim a pessoa utilizando o WebAnywhere consegue acessar caixas de
login e senha para acessar emails, ou fazer pesquisas no Google, dentre outras coisas.
52

9.3.3.2 MAC OS X.

Para utilizar o WebAnywhere o deficiente visual deve apertar as teclas

Command + espaço, digitar “terminal” e apertar enter para abrir o terminal do MAC:

Ao abrir o Terminal, digitar “open http://wa.cs.washington.edu/” e apertar enter


novamente que o Sistema Operacional abrirá o Browser já na página da web.

Uma confirmação de voz ira soar informando o usuário de que a pagina foi aberta.
53

Caso essa confirmação não ocorra após um tempo, o usuário deve apertar as teclas
ALT+F4 para fechar a janela e repetir o processo inicial. Uma vez na pagina do
WebAnywhere, o usuário utiliza os comandos Command + L para o cursor ir à caixa de
navegação. Após esse passo o portador de deficiência visual pode digitar o endereço de
qualquer pagina disponível na internet.

9.3.3.3 UBUNTU.

Para utilizar o WebAnywhere o deficiente visual deve apertar as teclas ALT+ F2 para
abrir a janela de execução do Ubuntu.
54

Digite Firefox e então clique em ENTER. O Firefox é o navegador padrão do Ubuntu.


Uma vez aberto aperte as teclas CTRL+L para ir a caixa de navegação do Firefox. Em
seguida, digite o site do WebAnywhere http://wa.cs.washington.edu/.

Uma vez na pagina do WebAnywhere, o usuário utiliza os comandos CTRL+L para


o cursor ir na caixa de navegação. Após esse passo o portador de deficiência visual pode
digitar o endereço de qualquer pagina disponível na internet.
55

Utilizando os comandos disponíveis, o usuário pode navegar pela pagina inteira. Cada
item da pagina é lido e assim a pessoa utilizando o WebAnywhere consegue acessar caixas de
login e senha.

9.3.4 COMANDOS NO TECLADO PARA O WEBANYWHERE

CTRL-L – move o cursor para o caixa de endereço (URL) onde você digita o site desejado.
Seta para baixo – Lê o próximo elemento da página.
Seta para cima – Lê o elemento anterior da página.
TAB – Pula para o próximo link da página.
CTRL-H – Pula para o próximo cabeçalho.
CTRL-I – Pula para o próximo elemento de entrada.
CTRL-R – Pula para a próxima linha por célula quando em uma tabela.
CTRL-D – Pula para a próxima coluna por célula quando em uma tabela.
Page Down – Lê continuamente a partir da posição atual.
Home – Lê continuamente a partir do começo da pagina.
CTRL – silencia o WebAnywhere e pausa o programa.
56

11. Avaliação dos softwares livres

Em pesquisa de campo realizada em instituições e organização, obtivemos poucas


conclusões com relação aos softwares livres. O Instituto Padre Chico contém uma
infraestrutura de informática muito boa e possibilita que seus freqüentadores aprendam a
utilizar-se desta ferramenta. Através de um convênio com a empresa Micro Power [10], o
instituto tem acesso ao software comercial Virtual Vision sem custos. A má fama dos
softwares livres de serem ruins e o desconhecimento de alguns destes softwares, fez com que
esta instituição optasse pelo Virtual Vision. Sendo assim, a necessidade de outra forma de
avaliação destes softwares foi necessária.

Uma pesquisa feita com cinco portadores de deficiência visual foi realizada com este
intuito por pesquisadores do Centro Universitário Feevale do Rio Grande do Sul [11]. Nesta
pesquisa foram realizadas comparações entre os softwares comerciais Jaws 8 e Virtual Vision
5 em relação ao NVDA. Nesta avaliação foram comparados itens como usabilidade,
funcionalidade e eficiência. Através desta pesquisa pode-se concluir que a disparidade entre
estes software é muito pequena podendo assim, concluir que o NVDA é suficiente para as
necessidades dos portadores de deficiência visual.

12. Conclusão

Os softwares analisados demonstraram perfeita eficiência no qual qualquer pessoa


poderia utilizar sem nenhuma dificuldade. O NVDA foi o maior foco para as nossas
conclusões, visto que é um software livre atual que engloba diversas funções e facilidades no
seu manuseio e compreensão do leitor de tela.

As pesquisas informaram que as instituições tendem a utilizar softwares de terceiros


devido à falta de conhecimento em relação à existência de softwares livres e, também, o tipo
de acordo que as empresas oferecem para a utilização de seus programas facilitando o seu
ingresso no mercado, assim como a sua divulgação.

Quando analisamos a situação de software para uso pessoal percebemos o quanto seria
difícil para uma grande parcela dessa população a aquisição do mesmo devido ao seu elevado
custo de venda. Devido a falta de informação em relação aos softwares livres, as pessoas
57

acabam sendo obrigados a adquirir os softwares pagos ou ficar sem a utilização dessa
ferramenta em computadores dificultando o seu cotidiano e limitando suas capacidades no
mercado de trabalho.

Com base nos dados arrecadados em pesquisas e na análise feita nos softwares livres
apresentados nesse artigo, podemos concluir que os softwares livres são suficientes para
suprir a necessidade de um portador de deficiência visual perfeitamente quanto um software
não livre.

10. Referências

[1] Software livre no governo do Brasil. Disponível em: <www.softwarelivre.gov.br>


Acessado em: 27/09/2009.

[2] AFB American Foundation for the Blind. Disponível em: <www.afb.org> Acessado em:
27/09/2009.

[3] Sociedade brasileira de visão subnormal. Disponível em: <www.cbo.com.br/subnorma>

Acessado em: 27/09/2009.

[4] Lei Ordinária - LEI N.º 7.853, de 24 de outubro de 1989. Brasília, 1989. Disponível em
<www.planalto.gov.br/ccivil/LEIS/L7853.htm> Acessado em 29/09/2009.

[5] Software leitor de telas Jaws. Disponível em:


http://www.freedomscientific.com/products/fs/jaws-product-page.asp> Acessado em
28/09/2009.
[6] Software leitor de telas NVDA. Disponível em: <http://www.nvda-project.org/> Acessado

em: 28/09/2009.

[7] Software leitor de telas DosVox. Disponível em: < http://intervox.nce.ufrj.br/dosvox/ >
Acessado em: 28/09/2009.

[8] LDB (Lei de Diretrizes e Bases) 96 – Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.


Brasília, 2002. Disponível em <http://www.mec.gov.br/ibc/hist.htm> Acesso em:
28/09/2009.
58

[9] Micro Power Technologies. Disponível em:


<http://www.micropower.com.br/v3/pt/acessibilidade/vv5/index.asp> Acessado em:
25/10/2009.

[10] Leitor de tela WebAnywhere. Disponível em: <webanywhere.cs.washington.edu>


Acessado em: 22/10/2009.

[11] Silveira, Clóvis; Heidrich, Regina O.; Bassani, Patrícia B. S.. Avaliação das
tecnologias de softwares existentes para a Inclusão Digital de dEficientes visuais através
da utilização de Requisitos de qualidade. Disponível em:
<http://www.cinted.ufrgs.br/ciclo9/artigos/10bClovis.pdf > Citado em: 3/12/2009.

[12] BORGES, José Antônio. Manual do Dosvox. Núcleo de Computação Eletrônica da


UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. <http://www.nce.ufrj.br>.

[13] BORGES, José Antônio. Dosvox – um novo acesso dos cegos à cultura e ao trabalho.
Revista Benjamin Constant, n° 3 – maio de 1996. (IBCENTRO/MEC).

[14] Borges, José Antonio dos Santos. Do Braille ao DOSVOX – diferenças nas vidas dos
cegos brasileiros – Rio de Janeiro: UFRJ/COPPE, 2009.