Você está na página 1de 7

Configuração do sistema e atualizações

No Ubuntu 12.04, as opções de configuração do sistema, dentro do Unity ficam concentradas nos applets da área de
notificação e no "Configurações do sistema" (o gnome-control-center) que vem fixo na barra lateral por default. Ele
oferece um conjunto relativamente modesto de opções, que abrangem apenas as áreas mais comuns. Apesar disso, ele
esconde vários segredos que iremos ver nas sessões seguintes.

Tudo começa com as seções "Aparência" e "Brilho e bloqueio", que incluem opções básicas relacionadas ao lançados
do Unity (o ajuste da largura da barra e a opção de ocultá-la automaticamente) e as configurações de brilho e
esmaecimento da tela (que acaba por economizar uma boa dose de energia em notebooks, mas que muitos preferem
desativar) bem como o bloqueio automático.
O Ubuntu oferece uma configuração central para a linguagem do sistema, bem como para a instalação de novas línguas,
localizado no "Suporte a idiomas". Este é um ponto em que o Linux está à frente do Windows em termos de facilidade
de configuração. Ao instalar uma nova linguagem, o sistema verifica os pacotes instalados e instala os pacotes de
internacionalização para os diferentes componentes (Gnome, KDE, LibreOffice, etc.) automaticamente, tornando muito
simples manter um sistema com várias linguagens instaladas e alternar entre elas conforme desejado.
Já a várias versões, a Canonical oferece o Ubuntu One, um serviço de armazenamento nas nuvens, que oferece 5 GB de
espaço gratuito e um plano pago que dá direito a 20 GB. Além de se integrar bem ao sistema, oferecendo sincronização
automática de pastas selecionadas, ele oferece também clientes para Windows e Android, oferecendo recursos bem
similares ao Dropbox. Embora já tenha apresentado problemas de disponibilidade no passado, um dos atrativos do
serviço é que o preço do plano pago é mais baixo que os oferecidos pelo Dropbox. Enquanto escrevo, o plano de 20 GB
custa apenas US$ 30 anuais, contra os US$ 99 anuais do plano de 50 GB do Dropbox. Como ele já vêm pré-instalado no
sistema, vale à pena fazer um teste com a versão gratuita.
Continuando, uma área em que o Linux avançou bastante na última década é o suporte aimpressão, que deixou de ser
algo complicado, que envolvia baixar arquivos .ppd e fazer a configuração manualmente através da interface do Cups.
Como os drivers de impressão já vêm incluídos diretamente no Cups, a configuração é bem simples, envolvendo apenas
indicar o fabricante e o modelo da impressora (no caso de modelos recentes, que ainda não tenham um driver específico,
vale a velha dica de escolher um modelo similar) e na maioria dos casos o sistema é capaz de detectar a impressora
automaticamente durante o boot. O mesmo vale para as impressoras de rede, que podem ser instaladas indicando o
endereço na rede e o protocolo usado, ou usando a detecção automática no "Impressora de rede > Localizar impressora
de rede".
O "Rede" oferece algumas opções básicas relacionadas à configuração das interfaces uma opção e um modo de voo, que
desabilita todos os transmissores de rádio. Estes são na verdade apenas um subconjunto das opções disponíveis no
NetworkManager, que veremos a seguir.

o método de suspensão usado pelo sistema pode casar problemas. alterar o layout do teclado numérico. uma opção seria primeiro abrir as permissões do arquivo e em seguida executar o comando como usuário normal.sh: Coloca o sistema para dormir sudo chmod 666 /sys/power/state echo mem >/sys/power/state As configurações de teclado escondem alguns segredos. incluindo opções para desativar ou mudar o comportamento do Caps Lock (você pode usá-lo como uma segunda tecla Super. diretamente em arquivos do sistema. você pode configurar o sistema para dormir automaticamente quando a tampa é fechada. e até mesmo ativar o uso do Ctrl+Alt+Backspace para reiniciar o X. como em: #!/bin/sh # dormir. Este é um truque que ajuda bastante no caso de notebooks com speakers baixos: Nas opções de energia.As configurações de som permitem fazer um "overdrive" no volume. por exemplo). trocá-lo de posição com a tecla Ctrl. o que é a melhor opção no caso dos notebooks. Usando o sudo o sistema não dá permissão para escrita usando o echo. Em algumas configurações. sem precisar desligar cada vez que for se deslocar. cat. que vem desativado no Ubuntu: . Uma solução nesses casos é suspender manualmente alterando o estado no próprio kernel. você tem acesso à uma série de opções ocultas para o comportamento do teclado. usando amplificação via software para ir até os 150% no volume de saída. etc. fazendo com que o comando não funciona. Clicando no "Configurações de layout > Opções". Se você quiser usá-lo em algum script onde prefira usar o sudo. travando o ambiente gráfico ou mesmo todo o sistema ao abrir novamente a tampa. para que você tenha uma plataforma de trabalho mais móvel. usando o comando: # echo mem >/sys/power/state Este comando só funciona se executado diretamente como root (use "sudo su" para logar-se como root no Ubuntu).

. disfarçado agora de applet do Unity: O NetworkManager surgiu ainda na década passada. As versões recentes do Ubuntu incluem também um utilitário de privacidade. como um utilitário de configuração de rede de "nova geração". FTP ou em um compartilhamento do Windows. permitindo que você elimine o registro de atividades para os arquivos de vídeo e áudio exibidos. bem como em um outro HD ou partição ou no Ubuntu One. que permite salvar pastas específicas em um servidor SSH. por exemplo) está escondida na seção "Detalhes". O "Cópia de segurança" oferece um gerenciador de backup. levando o "apagar o histórico" do navegador a um outro nível. oferecendo um menu de opções que permite que você se conecte a redes wireless. por exemplo. redes cabeadas e até mesmo a conexões 3G ou ADSL/PPPoE. Ele também oferece um ajuste detalhado das atividades que serão logadas. As cópias de segurança são realizadas dentro de um período especificado e cópias antigas são automaticamente deletadas conforme não existe mais espaço disponível no destino. que lista também detalhes básicos sobre o sistema. englobando agora todo o sistema. que permite apagar de uma vez os registros de atividade e logs da maioria dos aplicativos. alternando entre as redes disponíveis de maneira bastante prática.A configuração dos aplicativos padrão e das ações para a inserção de diferentes tipos de mídia (abrir na pasta ou abrir com um aplicativo. que utiliza as informações coletadas pelo HAL para detectar as interfaces que estão disponíveis. Configuração da rede A configuração da rede continua sendo feita através do bom e velho NetworkManager. WebDAV.

ele volta a tentar se conectar a uma das redes wireless disponíveis. passando a se conectar à rede automaticamente quando você estiver dentro da área de cobertura. ele chaveia automaticamente da rede wireless para a rede cabeada. Ao plugar um cabo de rede. a maior parte dos modems USB (com exceção de alguns modelos recentes) e também celulares da Nokia (conectados ao PC em modo PC Suite) e outros que suportam o uso como modem USB são diretamente suportados pelo sistema. Desconectando o cabo de rede. Atualmente. através do módulo usbserial. acessando as propriedades da interface. ele tenta configurar todas as conexões via DHCP (e desativa a conexão caso o DHCP não esteja disponível.Ao ativar o transmissor da rede wireless.10. A questão central é que o modem usado precisa ter suporte no Linux. oferecendo uma solução de conectividade bastante completa. ele oferece também suporte a modems ADSL configurados em modo bridge (conexão via PPPoE) e até mesmo a conexão com VPNs. Ao se conectar a uma rede protegida. mas ainda existem casos em que você . assim como seria de se esperar. Está disponível também o suporte a conexões 3G. Existem valores padronizados para cada operadora. e assim por diante. por isso o assistente não tem problemas em configurar a conexão a partir da indicação da operadora usada. obtendo a configuração via DHCP. que é o mesmo assistente de configuração usado em outras distribuições derivadas do Debian. No caso das conexões ADSL. Por default. ele se oferece para salvar a passphrase e guarda a configuração. clicando com o botão direito sobre o applet e acessando o "Editar conexões": Desde o Ubuntu 8. existe também a opção de usar o clássico pppoeconf ("sudo pppoeconf" no terminal). mas você pode também configurar os endereços manualmente. ou o servidor esteja fora do ar). login de usuário e APN (que funciona como uma espécie de gateway padrão). que podem ser configuradas manualmente ou através de um assistente: As conexões 3G se comportam de forma muito similar às antigas conexões dial-up. incluindo um número de discagem. ele detecta as redes disponíveis e mostra a lista através do applet ao lado do relógio.

usando o wpa_passphrase. desativando o uso do NetworkManager. permitindo que o NetworkManager monitore as demais interfaces: auto lo iface lo inet loopback Ao adicionar uma configuração manual de rede dentro do arquivo.168. De qualquer forma.1. falta apenas a configuração no arquivo "/etc/network/interfaces".0 network 192.255 gateway 192. devido a problemas diversos. o sistema passa a usar a configuração especificada.255.1. No caso dos mobile hotspots.1 . não com o sudo.168.0 broadcast 192. especificando o nome da rede (ex: rede) e a passphrase de acesso (ex: 123456).168.168. como em: # wpa_passphrase rede 123456 > /etc/wpa_supplicant. a configuração manual é feita em dois passos.168. O primeiro é gerar o arquivo de configuração do wpa_supplicant.23 netmask 255.conf Assim como em outros comandos que escrevem diretamente em arquivos.255.255.0 network 192.1.1. Com o arquivo de configuração gerado. com a adição de duas novas linhas.168. ele precisa ser executado diretamente como root. o uso do NetworkManager não impede que você configure a rede manualmente caso desejado. como em: auto lo wlan0 iface lo inet loopback iface wlan0 inet static address 192. Por padrão. Vale notar que esta opção se destina apenas a modems USB e telefones ligados através da porta USB. basta adicionar a configuração da rede no arquivo "/etc/network/interfaces".1. já que eles se comportam como pontos de acesso Wi-Fi Embora tenha sido criticado em suas primeiras versões.1.1 Se você estiver usando uma placa wireless. A configuração é a mesma que usamos para placas cabeadas.168.255 gateway 192. Um exemplo de configuração seria: auto lo eth0 iface lo inet loopback iface eth0 inet static address 192.1. que ativam o uso do wpa_supplicant e indicam o arquivo de configuração que será usado. ou mesmo instalar algum módulo ou utilitário para ativar o suporte.1. Essa é uma boa solução se você usa um desktop conectado a uma rede cabeada e não tem necessidade de ficar alternando entre várias redes. o NetworkManager cresceu e se tornou uma solução bastante estável.255.168. o arquivo inclui referência apenas à interface de loopback. a conexão é feita diretamente. O NetworkManager monitora a configuração do arquivo e deixa de monitorar interfaces especificadas manualmente nele.0 broadcast 192.precisa adicionar uma regra específica. Para isso.23 netmask 255.

67. usando o comando "stop network-manager " e em seguida editar ou remover o arquivo "/etc/init/network-manager. o comando era o "/etc/dbus1/event.9" é o número da versão.d/25NetworkManager stop". e não como um aplicativo. isso é desnecessário na maior parte dos casos.222. você pode baixar os pacotes "ndiswrapper-common".9" (o "1. você precisar baixar os pacotes a partir de outro PC (afinal. ainda é necessário para ativar algumas placas wireless. o Ndiswrapper é um software derivado do Wine. . Para usá-lo. modems 3G e VPNs ainda não estavam disponíveis. temos também a questão do Ndiswrapper que. apesar da evolução dos drivers open-source. juntamente com o ndisgtk. para que ele deixe de ser inicializado automaticamente durante o boot (veja mais detalhes no tópico sobre a configuração do Upstart mais adiante). anteriores ao 7. Se você está chegando agora. que permite ativar placas wireless que não possuem drivers para Linux.conf". O ícone que aparece ao lado do relógio é na verdade uma instância do "nm-applet".inf") dentro da pasta com os drivers do Windows. É por isso que você não consegue desabilitá-lo diretamente através do ambiente gráfico.conf Edite também o arquivo "/etc/resolv. uma vez que você pode desativá-lo simplesmente especificando a configuração de rede no "/etc/network/interfaces". basta desfazer as alterações e o NetworkManager voltará a gerenciar as interfaces. adicionando os endereços dos servidores DNS (um por linha). fazendo com que ele deixe de ser carregado durante o boot). sem uma conexão de rede.conf". um pequeno utilitário destinado apenas a mostrar as redes disponíveis e permitir que você altere a configuração. Ele trabalha convertendo as chamadas NDIS (a interface para drivers de rede utilizada pelo Windows) em chamadas entendidas pelo kernel Linux.67. Em versões antigas do Ubuntu. que ainda não utilizavam o Upstart.9 ndisgtk Se. Em versões muito antigas. Depois de instalados os pacotes. Para realmente desativar o NetworkManager. a interface de configuração manual era também bem diferente e as opções para configurar conexões ADSL.d/NetworkManager stop" (para o serviço temporariamente) ou o "updaterc. Dentro dele.220 Se mudar de ideia. basta clicar no "Instalar novo driver" e indicar a localização do arquivo . "ndiswrapper-utils-1. de maneira que a placa possa ser usada pelo sistema. o comando para desativar o NetworkManager era o "/etc/init.ubuntu.220. como em: nameserver 208.d NetworkManager remove" (para desativar em definitivo. é necessário parar diretamente o serviço.wpa-driver wext wpa-conf /etc/wpa_supplicant.04.9" e "ndisgtk" referentes à versão do Ubuntu em uso no http://packages.222 nameserver 208. é necessário instalar o pacote "ndiswrapper-utils-1. que é a interface para gerenciar os drivers: $ sudo apt-get install ndiswrapper-utils-1. que devem ter sido previamente descompactados.inf (como em "neti2220. você não tem como instalar os pacotes via apt-get). utilizando os drivers do Windows XP. que pode eventualmente mudar em edições futuras do Ubuntu). Entretanto. por acaso. Nelas. Concluindo. O NetworkManager roda como um serviço de sistema. é criado o "Sistema > Administração > Drivers Windows para placas de rede sem fio".com/ e instalá-los usando o "dpkg -i".

a placa wireless é vista pelo sistema como "wlan0".net/mediawiki/ e veja se não existe uma versão do driver recomendada para a sua placa. experimente configurá-la da forma usual. No terminal: $ sudo passwd root password: (digite a senha criada na instalação) New Password Unix: (digite a senha que será do root) Repeat Password Unix: (repita a senha que será do root) Prontinho. Acesse o http://ndiswrapper. Mas precisa ter permissão de usá-lo. teste com uma versão diferente do driver for Windows. para acessar o root. Para desativar o firewall baseado ufw. digite: $ Sudo ufw disable Ativar ROOT O usuário root já existe. digite: $ su password: (digite a senha do root) .Se o led da placa acendeu ao carregar o driver.sourceforge. Se não funcionar. utilizando o NetworkManager. Agora. Ao ser ativada através do Ndiswrapper. você acaba de criar senha para o root.