Você está na página 1de 1

Poema Invictus, do britnico William Ernest Henle.

Invictus
Dentro da noite que me rodeia

Negra como um poo de lado a lado


Agradeo aos deuses que existem
por minha alma indomvel

Sob as garras cruis das circunstncias

eu no tremo e nem me desespero


Sob os duros golpes do acaso
Minha cabea sangra, mas continua erguida

Mais alm deste lugar de lgrimas e ira,


Jazem os horrores da sombra.
Mas a ameaa dos anos,
Me encontra e me encontrar, sem medo.

No importa quo estreito o porto


Quo repleta de castigo a sentena,
Eu sou o senhor de meu destino
Eu sou o capito de minha alma.