Você está na página 1de 145
-DETALHANDO A 4 ARQUITETURA, | APRESENTACAG Todos aqueles que desejam adquirir conhecimentos basicos sobre a representac&o gréfica dos Detalhes para Projetos de Arquitetura, encontraréo neste livo as informages necessérias, nogdes praticas e completas para uma facil, rapida e exata leitura, interpretalgao e execugdo do desenho. Durante todos os meus anos de vida como Pprofissional na area de desenho, pude constatar a caréncia e a necessidade de uma bibliografia especifica que atendesse as necessidades de aprendizagem e consulta por parte dos profissionais da area de desenho de Detalhamento de Arquitetura. Nossa preocupagao fundamental foi suprir a deficiéncia de tais no mercado de livros técnicos. Entendemos que a experiéncia do passado sempre tem utilidade para o futuro e motivados por contetido ideoldgico; nos encorajamos a publicar este trabalho, que é o resultado de 38 anos de vivéncia profissional como Desenhista Projetista. ‘A longa experiéncia, a pesquisa e a dedicagao nos permitiram elaborar esta publicago, reunindo trabalnos com caracteristicas profissionais que, esperamos, facilitem a tarefa de professores e alunos da area de desenho arquitet6nico. Este trabalho nao se limita a simplesmente mostrar exemplos de Detalhamento de Arquitetura e nem téo pouco tem o objetivo de ensinar esta modalidade de desenho. O nosso maior objetivo é transportar para os profissionais da area o prazer de se realizar um bom desenho e ampliar 0 universo de criago que cada um tras dentro de si. ~ "Dentro" deste-espirito"de colaborag4o, aceitamos criticas e sugestdes que possam enriquecer 0 que foi desenvolvido, esperando contribuir, embora modestamente, para o futuro de novas geragSes © Autor es de. pda tpenecles SLA, 2A D8 SOLNG DE 19399 ous. \ cm 2 PERL SAT TTR 909 INTRODUGAO Nenhuma obra Arquitet6nica ‘pode ser concebida sem que por algum momento alguém especifique graficamente o que se planeja executar. Para esta finalidade existem no mercado de trabalho profissionais especificos, so eles os Arquitetos, Engeriheiros, Desenhistas e Projetistas em geral. Estes profissionais, de alguma forma e em graus diferentes, tomaram contato com o Universo da fepresentacao grafica, seja nas Universidades, em Cursos Técnicos, ou mesmo diretamente no mercado de trabalho. Cada um aprendeu a desenvolver, desta forma, as suas aptiddes para o Desenho Técnico e Arquiteténico. Como 0 objetivo desta obra é dar suporte aos profissionais de Arquitetura, faz-se necessdria uma explanacao do que compée um Projeto de Arquitetura. Um Projeto de Arquitetura 6 um conjunto de desenhos onde se traduz graficamente tudo o que se deseja construir. Este Projeto é dividido em varias fases, que apresentam momentos diferentes na concepgao e desenvolvimento da obra a executar. Estas fases so, geralmente, divididas da seguinte forma : ESTUDO PRELIMINAR Esta é a fase inicial de qualquer Projeto de Arquitetura, e é Nela que se fazem os primeiros esbogos das idéias concebidas pelo Projetista. . Estes esbogos sao elaborados de forma simples porém sempre bem apresentada. E nesta fase que serdo dadas as diretrizes iniciais do Projeto, como sua concepcfio arquiteténica, volumetria, ocupagSo dos espagos extemo e intemo, entre outras informagdes. SYRVIID IOI IT IIT DT PITTI TPIT ITY FPP PIP PT III ITT ie) SBP PLT TPH ND PROJETO DE EXECUCAO. Nesta fase sdo apresentados os mesmos desenhos da fase anterior (Ante-Projeto) com varia complementagées obtidas através de exame de Projetos Complementares ao projeto de Arquitetura Destes Projetos Complementares, podemos citar : Projeto De Estrutura E feito por um Engenheiro Calculista e mostra todos os elementos que compéem a estrutura de apoio e sustentagdo da edificagdo, como vigas, pilares, fundagées, etc... Projetos De Instalacdes Sao feitos por Engenheiros instaladores e so compostos por varios Projetos diferentes, entre os quais se destacam : - Projeto de Instalagdes Elétricas - Projeto de Instalagdes Hidraulicas - Projeto de Instalagdes Sanitarias - Projeto de Instalagdes Mecanicas (Ar Condicionado, Exaustao Mecanica, Elevador, Incéndio, Telefone, etc...) DETALHAMENTO © Detalhamento surge com a necessidade de se definir as minicias do projeto de Arquitetura que ndo podem ser representadas no Projeto de Execugo. Esta fase é a mais delicada e talvez a mais complexa do Projeto devido a quantidade de itens envolvidos e a diversidade de solugdes para todas as questées pertinentes a obra a execular. © nimero de desenhos de detalhes varia de acordo com a complexidade do Projeto. Varios tépicos podem fazer parte de um Detalhamento de Projeto de Arquitetura. Estes topicos podem ser agrupados da seguinte forma : 4 VPP V SUV ISPS TS SESIIT 5 5 > Behe a he he ie lee ie hk ie ie lee ee ie ie dd wv ANTE-PROJETO desenhos : no terreno, as suas dimensées logradouro, Planta(s) Baixa(s) > Planta do Pavimento Térreo ~ Planta da Garagem > Planta do Pavimento de Uso Com - Planta do Pavimento Tipo - Planta da Cobertura - Planta do Telhado Cortes S80 a representacgo de cortes perpendiculares @ construgao, nos quais podemos registrar a altura de cada Pavimento (pé direito), a altura das esquadrias, a altura da edificacdo, etc. . Normalmente sdo apresentados um Corte Longitudinal e um Corte Transversal & Planta Baixa. um (PUC) Fachadas Geralmente nado bamento externo especificados pelo Projetista. Detalhes de Execugdo So todos os Detalhes necessarios na execucdo de uma obra e que se referem aos seus compartimentos basicos. Fazem parte destes Detalhes desenhos de Cozinhas, Banheiros, Areas de Servico, entre outros. Detalhes de Esquadrias Representam Detalhes de todos os tipos de portas, janelas, portdes, e demais esquadrias que aparecem no Projeto de Arquitetura. As Esquadrias podem ser executadas de varios materiais, entre os quais se destacam a madeira, o ferro e 0 aluminio. Detalhes Construtivos Neste grupo de Detalhes sdo incluidos todos os desenhos necessarios a execucdo do Projeto e que nao se enquadram nos itens anteriores. So Detalhes Construtivos, por exemplo, os desenhos de telhados, piscinas, escadas, rodapés, etc... O Detalhamento de Arquitetura utiliza-se de Convengées Graficas para simbolizar os diferentes materiais representados (madeira, alvenaria, concreto, argamassa, etc.) e Convengées de Leitura de Desenho para se executar uma boa organizacdo e distribuigao dos desenhos a serem apresentados (linhas de cotas, chamadas, ntimeros e titulos dos desenhos, observagées, etc.). Para se representar um Detalhe especifico, so executados tantos desenhos quanto forem necessarios. Normalmente é feita uma Planta ou Vista do elemento em questéo, onde 40 marcados os Cortes Longitudinal e/ou Transversal e também as chamadas para Detalhes que so seriam possiveis se representar em escalas maiores. Todo desenho de Detalhe é feito em Prancha com Formato Padrio definido pela ABNT (Associagao Brasileira de Normas Técnicas) que estabelece os seguintes Formatos e suas respectivas dimensées : a 210 x 297 AS 297 x 420 A2 420 x 594 Al 594 x 840 AO 840 x 1088 A Prancha de desenho é dividida em duas partes : Area de Desenho e Carimbo. Na Area de Desenho sao incluidos os varios desenhos que compdem o Detalhe representado (Planta, Vistas, Cortes, Detalhes, Observagées, etc.). No Carimbo sdo incluidas uma série de informagées esclarecedoras do desenho, como’ - Titulo do desenho - Escala (s) de execugao do desenho - Numeragao da Prancha - Data - Nome do Desenhista Outras informagées também podem constar do carimbo, caso sejam necessdrias. A sua dimensdo pode variar e a sua localizago geralmente é no canto inferior direito da Prancha. ‘A escolha da escala utilizada para se representar_ cada desenho é feita de acordo com a necessidade de visualizacao do mesmo, de forma que fique clara e objetiva a sua leitura e o seu entendimento. Geralmente sdo utilizadas as seguintes escalas : + 1/508 1/25 para Plantas - 1/25 e 1120 para Vistas -1M0, 175 e 1/5 para Cortes - 1/75, 1/5, 1/2 1/1 para Detalhes Cada item do Projeto a ser Detalhado teré uma necessidade diferente de escala de representagéo. Por exemplo, em um Detalhe de Esquadria, normalmente é desenhada a Vista na escala 1/25, os Cortes Horizontal e Vertical na escala 1/5 e os Detalhes na escala 1/2. Ja no Detalhamento de um Banheiro poderiamos representar a Planta e um Corte na escala 1/50 e os Detalhes na escala 1/10. Em todos Os casos, 0 que vale é o bom censo de quem faz o desenho. 9999 SPPPSIVISOHNS| 9999999999I999999 210 x 297 AB 297 x 420 A2 420 x 594 Al 594 x B40 AG 840 x 1088 ‘A Prancha de desenho é dividida em duas partes Area de Desenho e Carimbo. Na "Area de Desenho so incluidos os varios desenhos que compoem o Detalhe representado (Planta, Vistas. corres, Detalhes, Observagies, etc.). No Carimbo so incluidas uma oie de informagées esciarecedoras do desenho, como: - Titulo do desenho 7 Escala (s) de execugao do desenho - Numeragao da Prancha - Data = Nome do Desenhista Cutras informagées também podem constar do carimbo, caso sejam necessarias. A sua dimensao pode variar e a sua TGcatizagao geraimente & ro canto inferior direito da Prancha. ‘A escolha da escala utiizada para S° representar cada desenho 6 feita de acordo com a necessidade de visualizaco do mesmo, de forma que fique clara e objetiva a sua leitura € 0 Seu Satendimento. Geralmente sao utilizadas 5 seguintes escalas ° = 110'e 1/25 para Plantas - 1125 ¢. 1/20 para Vistas “410, 175 e 1/5 para Cortes 74/78/15, 112. 1/1 para Detalhes Cada item do Projeto a ser Detalhado tera uma necessidade diferente de escala de representacao. Por exemplo, em um Detalhe de Esquadria, normalmente & desenhada a Vista na escala 1/25, oS Cortes Horizontal e Vertical na escala 1/5 € 0s Detalhes na escala 1/2. Ja no Detalhamento de um Banheiro poderiamos representar a Planta e um Corte na escala 4/50 e os Detalhes na escala 1/10. Em todos os casos, o que vale 60 bom censo de quem faz 0 desenho. InDice PAGINAS 1 INFORMAGOES DIVERSAS waa 2 DETALHES DE EXECUGAO _—_——___—_- 22 a4l 3. ESQUADRIAS DE MADEIRA __— — —.____.___- 42. A 6 4 ESQUADRIAS DE FERRO. an 62 A 70 & DETALHES CONSTRUTIVOS ______._____ -----____ 71. A #0 1 - INFORMAGOES DIVERSAS — —..-——_______-—___"! 1 = TABELA E RELAGAO DE EQUIPAMENTOS wz 2 - QUADRO E INFORMAGOES: ‘SOBRE, TELHAS 13 3 2 Sista be aLInDex’e oaoos TECNICOS "4 4 = RELAGAO COM LEGENDAS DE INSTALAGOES ELETAICAS E HIORO- SANI- TARIOS,QUADROS ESPECIFICACOES, NIVES, LEGENDAS, ETC... 6 68 - MODELOS PARA QUADROS DE ESQUADRIAS 7 6 ~ CORTES ESQUEMATICO$ P/ COZINHA, A. —BANHEIROS 18 7 - TABELAS DE CONVERZOES DE POLEGADAS MILIMETROS 19 3 — TABELAS DE TELHAS DE FIBRO CIMENTO, QUANTIOADES DE CHAPAS P/ FIADAS, INCLINAGAO ‘5°, 10°, 1s* 2. 2- DETALHES DE EXECUCAO — 22 1 = VISTAS DEARMARIOS [AS BANCAS DOS BANHEIROS, PLANTAS, CORTES HORIZONTAIS , VERTICAIS... « 23 2 PLANTA, CORTES HORIZONTAIS E VERTICAL ~ LAVATGRIC 8 ze } — PLANTA, CORTES HORIZONTAL E VERTICAL — LAVATORIO 27 4 — BANCAS DE LAVATORIOS E DETALNES DIYVERSOS 28 6 — VISTAS DE ESPELHOS COM OU SEM ARMARIOS_E CORTES 30 § | PLANTA, VISTA, DETALHES -BALCEO-CORTES HORIZONTAL EVERTICAL-COZINA 32 9 — PLANTA, CORTE, VISTA E DETALHES DE BANCA= COZINHA 33 IH BLANTAS BAIXAS "DE BANHEIRO — FEFORMA, CORTES E DETALHES 36 9 — PLANTAS BAIXAS E CORTES DE BANHEIRO — REFORWA 30 {O— PLANTA’ BAIXA , VISTA, CORTES E DETALHES =DIVISORIA= BANHEIRO A 2» I1— PLANTA BAIXA, VISTA, CORTES E DETALHES DIVISORIA- BANHEIRO B 40 12— PLANTA BAIXA,, VISTA , DETALHES ~ DIVISORIAS ~ BANHEIRO C ay 3- ESQUADRIAS DE MADEIRA ——-— -—- 1 = PORTAS SOCIAIS DE MADERA - PAM 1 A PAM 4,CORTES HORIZDNTAIS © VERTICAIS E ADUELAS. «6 2- PORTAS INTERNAS — PAM 7 E PAM 8: VISTAS, CORTES HORIZONTAIS/VERTICAIS 47 3 — VISTA, CORTES HORIZONTAL/ VERTICAL E DETALHE - PAM 9 “8 S— VISTA, CORTES HORIZONTAL VERTICAL ~ PAM Ub 50 ST VISTA, COMES NONIZDNTAIS/ VERTICAIS E DETALHES = PAM 2 PAM LS 52 T= VISTA, CORTES HORIZONTAIS/ VERTICAL ~ PAM 14 63 EE yyy) ED 23> A111 4A EA 8 ~ VISTAS, CORTES HORIZONTAIS/ VERTICAIS - Pie PAM 16 9 ~ VISTAS, CORTES HORIZONTAIS/VERTICAIS - PAM I7 e PAM 18 %~ VISTAS, CORTES HORIZONTAS/VERTICAIS E DETALHES - PCM le POM 2 M~ VISTAS, CORTES HORIZONTAIS/ VERTICAIS E DETALHES JCM 1,uCM2 eJAM? T= VISTAS, CORTES HORIZONTAIS/ VERTICAIS JBM 1 e JEM 2 4-ESQUADRIAS DE FERRO, 1 ~ VISTAS EXTERNAS, CORTES HORIZONTAIS/VERTICAIS PF1a PF 4 2 ~ VISTAS,CORTES HORIZON TAL/VERTICAIS DE PORTA € JANELA PANTOGRAFICA 3 ~ VISTAS,CORTES HORIZONTAIS/ VERTICAIS PF5.@ PF6 4 ~ VISTAS, CORTES HORIZONTAIS/VERTICAIS JF 1, JF2, JCF) ¢ JGF1 5-DETALHES CONSTRUTIVOS 1.~ VISTAS © CORTES DE PUXADORES P/ BLINOEX 2 ~ FLANTAS, CORTES, DETALHES DE REBAIXCS 3~ VISTAS,CORTES E DETALHES ~ AR CONDICIONADO 4~ DETALHES DIVERSOS DE ADUELAS S- DETALHES DE ROOAPES E CORRIMADS: 5 - PLANTAS, CORTES E DETALHES DE JAROINEIRAS J7~ PLANTAS, CORTES E DETALHES DAS FERGOLAS '- PLANTAS, CORTES E DETALHE DE SAUNA 9.~ VISTAS E DETALHES DE GUARDA-CORPO 30- PLANTAS BAIXAS, CORTES , FACHADAS E DETALHES - PORTOES, MUROS E GUARITAS P/CONDOMINIOS E RESIDENCIAS . 11- PLANTA, CORTES, DETALHES DE VISITA A GX. DAGUA T2- PLANTAS, CORTES, DETALHES DIVERSOS DE TELHADO 13 VISTAS, CORTES, DETALHES DE MARQUIZES Wd- PLANTAS,CORTES e DETALHES DE PISOS P/LOJAS/HALLS SOCIAIS/RESIDEN- CIAS/ BANDS, ETC. 18- PLANTAS, ELEVAGAO E DETALHES DE ESCADA DE CARACOL. 1g DETALHES DE SOLEIRAS ¢ TABEIRAS 17~ PLANTAS, CORTES, DETALHES 00 LAVAPES - PISCINA 18- PLANTAS, DETALHES DE ESCADAS 19- PLANTAS, CORTES, DETALHES DE CLARABOIAS 20- PLANTAS, CORTES e VISTAS DE CHURRASQUEIRAS 21- PLANTAS, CORTES e VISTAS, DETALHES O£ CARAMANCHAO 22- PLANTA E VISTA DE BEBEDOURO PARA JARDIM 23- PLANTAS, CORTES E VISTAS DE BAR 24. PLANTAS, CORTES , DETALHES DE PISCINA FYRESIDENCIAS. 25- PLANTAS, CORTES, DETALHES DE LAREIRAS 54 55 37 8 BIge 1m 102 108 0 ns ns, ne ur 120 123 129 133 134 137 148, vag AAAAAAR Cerrar eeeeeeeereereeeeaeageeeetttt 1909, F79 999999999999 9999993999099 ee 9999999990909 93993999999 01 - INFORMAGOES DIVERSAS vamos apresentar diversas _informagies Arquitetético que servem de suporte ou de assim como também quadros e legendas que Neste Capitulo concerentes ao Desenho Spoio para. a execugso de _detalhes, apresentaremos alguns modelos de tabelas, poderdo ser iniseridos no Projeto Executivo. série de equipamentos comumente. utitzados para elaborago de projelos residenciais. come : geladeiras, Heezrs, fogses, etc., com discrminagso de suet & dimensdes pasicas (DES. 1) e também um esquema vertical da todos os pontos de equipamentos utilizados_ em cozinhas, banheiros e dreas de servigo, com suas alluras basicas para instalagéio (DES 6). to de Execugéo, normalmente encontram-se alguns quadros 08 quais ilustramos 1 desenhos deste Capitulo. No DES 4A epresentamos um modelo de Quadro de Eepecificagso de Materials, onde podemos listar os compartimento que compéem a Planta de Arquitetura @ 0 seus respectivos materiais Ge piso, paredes e toto, assim como seus rodapés, soleiras e peitoris. No DES 4 mostramos um modelo de Legenda para convengao de NP poles de represantagSo grdtica e uma oulrs PAS 8 os simbolos Ulllizados em instalagdes elétrica @ hidro-sanitarias. No DES 5 compomos 2 exemplos de Quadro Ge Esquadrias, onde listamos Togas as esquadrias existentes na Planta om questéo, com suas dimensdes (em osso @ acabada), suas quantidades, materiais que as compédem. Relacionamos aqui uma Nas Plantas de um Proje quadros com informagées basicas ‘igis (DES 2. 8, 8a e 8b), onde tidades por m2 entre Podemos ver também sobré ‘telhas de diversos_mate' seeontramos suas inclinagdes minimas @ quan outras informagées- o o e ia ai RELAGAO DE DIMENSOES DE EQUIPAMENTOS 3 EQUIPAMENTO MARCA: OBSERVAGOES DIMENSCE tAR@. Tenor. [Acruna @ | GcELADEIRA ConsuL J 70 7 | ser ad SRASTEMP TWIN SISTEM 75 7 [170 ad BRASTEMP FROST FREE 7 es faz Waite WEST, _ {| 7 | are PADRAO 78 7 [ze FREEZER ‘CONSUL o 65 [uae PRosoSGMO 34 6 [ver BRASTEMP ez ez | naa paorio ez 6s Ler Foefo 6 BOCAS | GRASTEMP 76 62 87 CONTINENTAL 76 60 aa 87 SEMER 76 se | es ". PADRAO 76 62 ev MAQ, LAVAR Loupa | ENxuTA P/CIMA DA BANCA 43 3 su - CONTINENTAL 60 62 87 BRASTEMP 6 os | se RASTENP P/CMA OA Banca | 40 34 59 PADRKO . es | ae FORNO MICRO OND] ‘PROSOdscMo _. 58 * aa WHITE WEST. 0 a9 [40 ‘SANYO = a5 “40 PADRAO 60 “ 40 méQ.L.ROUPAS [_FRIGOARE ACESSO_ FRENTE 0 53 8s ‘ENXUTA ACESSO FRENTE 50 “a 86 WHITE. WEST: C/TAPA_ABERTA ea | 947130 ~ TaRNo st 43 94 i BRASTEMP. C7 TAMPA ABERTA a ez | si/ 1.26 PADRAO ae 63 | 94/1.20] - SECAR ROUPAS| prastemp 60 2 78 ENXUTA Cf SACO a7 Paro 60 AR CONDICIONADXY senwoer [ae c ‘CONSUL 4 c eS SPRINGER Lae | ea . r CONSUL an s6 rr ‘SPRINGER 3 HP 755 r coNsuL, ae “Tv wwararororerssmagrercnannng ete te talatalallalalalelalalelelelellidlcice, 1 F avatars Stem TWINBIN 0. utiy'o 30, vung - , ““WUNLWN OINANED OUBLA WG *UeE2 nO SUZ 20 OLNSPINANCD 2 wz2"t NO WoR'o 3a VUNOWT MKD *LITIBVEa va" XaLOueN wares = %Oz OVSYMITON “WOO'2i ¥ OFZ 3d VIVA. 32ND CUNaWHSAROD 3 VUNEHVT 30 WeEL “VUNLWN OINJNNT HG NVOTW vO SYOVIMGNO Sy -¢0) OANANIKINCD Wp y'2 x WIS VUNEUYT ‘NOIWN 30) Sold 3 Cavésouay waLsanod wa ‘NoROUL YI3d yoYoINeWs ‘saH0D » We vOVIMONG Tiree << %) “GUNGMIANCD 30 Woo'zt Vv wos'o * xazLL vunsuvn ‘oydyinaws WAGs] Noo OMNYNCTIY BO SOV RO “NASW cee we owe “vanew 30 wig 3 OLNAWIuAWOD 30 WOl LAG VOIGAN VN ‘OYSyXis Vive Sound NOD ‘SauOD Na “LINEZIT vO vWaNval Viriss =P 2 AIRANOD 20 WOR"e Y WEE"I Xwow'o VUNeW"* LINUALS WO OLNGHI9 Ousis ved Yio wy ye 02 © OLNAINAHO Hoora, x woz’ YUNOUY “ONVLBUNIIOA 3a WOIOIN VtaiSa ae AN oy VOvNvO WAL 3 TURIN ONIN 30 SvOvId WoO viIad ‘ODINEBL CINAMY-WS| NOD WHEE =P) (2 OdeniToM WOd ‘wos’ ¥ Woo's 3a TEA) QINMIUANOD 3 VANE 30 W801 Woo ‘OLNSKID CUBE WE LITIsvU va STERN Wein A “OLNBWIdROD BO Woo'zL Z vunew 30 80"t cama °% czoyévurion! ‘veo va “wuniyn OMINAW Ha -NESSRU TN 2 > OOeEMEI'LY UoO'e K W901 30 SYOMEN SIDE {02 OySYNITON “sawco SwiuyA ‘ouaIn 30 wuHld 3 waLgarod a0 vMIESU AG BOIL vO "WORST ee a SuavuRl “xvusOuld VTad SvaVOIUBY OYS OMGIA 30 sual sy |S “BANVOEY 00 ARON 0.3 Vv: x ‘Wav wuotiaa va gybnusnoo a vanuasineU viSiAaY Wn commeTNe % sa J 22 ‘se (ompR) Nvie] 00S © Coe at ‘%001¥ Sov veanonr] = coz ez ai Yeo vase | TouGA) wo] ~, Sdlz P opt oo PSeaT aL ow vy %se WSaONVas sSol2 © oft 002 SOOT a Ov ¥ %oz VNYNON ¥ ‘Sole Pelt | coz Post eI ‘%0v V %OE Cong) MS ¥ Sel2 © eit | 002 001} a % Ov Koz veanoniuod| I a ‘ow ¥ oz (oun) Wig | Uy 1SolZ O oi 002 8 oo! 1 Kw v %oz (OWGIA) TWwNvavo a 13012? oot | ogee set or Rov V sz (OWOIA) WS30NvEs | Sabb cos | 3 ‘%001 vispauy . Sole? ov | coz osay Oo Mor ¥ %se VSaHTasuyW ) ‘Sopp Oo OF ‘% oi t ‘VoINYWURD ) snvue “RUNES | aR 7 4 i PRLLN: 2 / unvoo | “% oySeRmom | eying | . wa ae. feo eh eee Falv2,. AG ESEQVATNY OU SEI AK MOLA 1 a LICae -1) NISTA DO_BLINDEX ( RES! IDENCIAL - EDIFIC1OS- COMERCIAL) DIMENSOES MAXIMAS DE FABRICAGAO TIPOS DE VIDROS fripo DE ViDRO fesressural 0 DIMENSOES MAXIMAS | [_VIDRO FLOAT “CRISTAL (mm) (Cristo) 5 ima) _[ebeees: | fete _| [yeotor 3,0__{1.00x2.00,, VERDE e 3,5 | GINZA 4,0] BRONZE VIDRO REFLETIVO FLOAT “CRISTAI INCOLOR. 4e6 Bi 400 VERDE 6 a 12,0 rer SINZA —-§ : * [BRONZE 8 ATENGHO + TA: OS FUXADORES PODFM SER OE DIVERSOS NATFRIAIS, FORMS & DIMENSOES. QUANDO 0 VIDRO FOR COLORIDO, DEVE-SE USAR UMA FOLGA DE 8mm ENTRE 0 VIDRO E 0 CAIXI~ LHo: > 399 LEGENDA (EEREF] - esTRUTURA DE coNcRETO — ALVENARIA COUT - A vemouir Js. ~ SUBIDA DE EscaDA Je - pescioa ve Escapa ~O80 - NIVEL Dos COMPARTIMENTOS == NP DA ESQUADRIA ~~ N® DA SOLEIRA — N° DA PRANCHA EM QUE ESTA’O. DETALHE INSTALAGAO ELETRICA <} —Tomaba Baixa H= 0.15 < -TOMADA MEDIA H= 0, 95 i sq -ToMADA ALTA He 1.80 | i oT [ La = Tenond rico me) al i) 44 wf Sal rel arin 4 . a | t Twénone, ora at + ; ieee Hap shia [oom quiver. +—2—} te ; ou BANCA_LAVATORIO BANCA LAVATORIO : emis @Qmu vs — DETALHE AS @ ESCALA —1/2,5 (A+ AUMIO 00S ARREWATES, DAS, PEDRAS SPUR Con GOLA FORNECIOA PELAS (o’ DETALHE = B 4444444 HEHFHFEHHHHHHHHHHHHHTHTHTHTDIVIIG g/1_wivosa_( ») @@ 31u09 fee penleeeee _98/1_vivosa ZN7V/5 OHTadS3 OG WISIA - a/1_viosa “ww s1u0o 2} 7 0% “Zn /9 Ol 1adS4 00 VISIA\.. onuynt v CPR Ae / PSSA STITT TTT TTT II TTF 20 |e r , f PUIIITII TTT TTT TTT ITTT4 \ | Jesca 20 De DO ESPELHO COM LAMPADAS 8 Aten BM acntico BRANES LE = |_peauogo EM MADEIRA Pl ECRTA Eh VIORO FUME PUKADOR EM METAL. |_ARMARIO G/ PRATELEIRAS| [| “viono sm [Lt | VISTA DE ARMARIO COM ESPELHO (a ee (4 Yescaa veo RMARIO GOM ESPELHO CORTE _B.B + 5 yese. 720 a8 7 DETALHE B_ ESCALA 1/5 PeEPLLLTT Pree? re ° 9, TIPE Tree ere rt ree +-— 7 _ — OLINVED TO SUORIVN Wa OaWy: eG CEPI 8G BBQ ge 8-¥ aiWwi30 —___! _vwosa VONVE VO Vxive wana i | & OLINVED No BxONUYN Wa OYE Lf nef MNP OO J 6 = ~~ Se ERELELEELLELEOLDEEDDEERRDALSEESSESITIST TITS 33999 ¥ SBS TES SERIES a | Th PEPPEPEPPEEEEE th EEECECEE EEE Na REECE E TIM Lot \" perc 1% Le LL -@ Soe VERTICAL A SCALA 1/25 ESCALA 1/25 AZULEJOS 15 x15 Ou FORMICA FRONT! SPICIO 7x2 MORE OD GRANITO\ AZULEYOS 15x15 (= \DETALHE B (@)PETALHE _A ESCALA i785 THT CC THLE TTI ITT * eee , qe. A AS PLANTAS AQUI APRESENTADAS SAO UM EXEMPLO DE UMA REFORMA DE UM TERRAGZ > \CEERTO E QUE FOI TRANSFORMADO EM UMA SUITE. Peo TeRRago FoI GEM APROVEITADO EM UM BATIKEIRO COM BARRERA OE HOR! EM PARA @ CASAL E UM BOX QUE E COBERTC NA PARTE SUPFRICR COM BLINZEX BFF MansroRMAR EW sabia, VER DETALHES NAS PREXIMAAS FOLHAS, 1 . OBSERVE NUS DETALHES, QUE A BANCA 00 LAVATORIO EM UM MOMENTO A UMA sicLiercac Dak BYE ENVOLVE TODA A BANHEIRA DE HIDROMASSAGEM, GUE ESTA A O47em, ACINA "OC Beso ncanvo. : Dolid UM ALGAPAC C€ 50x50, COM © MESMO MATERIAL 00 PISO, EM VOLTA 00 GRANITO, GUE € pct REGUAS DE C10 ems DE MADEIRA, COM AGABAMENTD EM VERNIZ FOSCO. Pt r tT -PPPPpPPPr \ és Be * — |e be somoo 2 |cAdft eoe amens 9 al de —t-- _ : oe del] mu HST -———7 | g é ole al & Wel ala at al cH Hol Ko ole! —_— ee EP : oe ‘| #8 | |_| snows a el ; ‘it 3 TERRAGO & + DESCOBERTO Pi rl inate ED Lee ae is all gar | ol _.-b30 22.4 pe sod, (WARTO CASAL y, QUARTO CASAL 3% PLANTA BAIXA (ANTES) + PLANTA BAIXA (DEPOIS) EScALA VEO 2 FESCALA™ 780 a a. a x cL) ) 2 cy a a » a a a a a a a a a a a a a a a a a a a ia a « a a ” a” « “ a a a Vanosvs orzyn VuisieTRWw 30 visuMM — 00,01, Watsne.a voisawa a0 sw33q 82 /L_viwosa, @@ 31u00 (es “aLinio Wa “Si5|dsaTAmT sixst orainzy 997 Lay 16] cPso Bu CERpMICA i © YDETALHE,@ 6 Wescaus 1G ! 9 CORTE EE = 19 Jescaca We in ct NE EEE TLS EERE t {' CECLEETT PLLTTE. Pee. LERCH LCCC Le REPeree r ’ © BANHEIHO soak. : Poser ) + Ea] Sees. + PORTAS DE —p-p— a PLANTA BAIXA BA <— TESCALA 1/50 2 )P BAIXA BANI -ESCALA 1/50 ~ IHEIROS _( DEPOIS ) NHEIRO (ANTES } anne "€CRCECKCC CCRC LCCC CR e teem aA tararnaae PHB MMH MMB HID fea ENCHINENTO C/CASCALI @ CORTE AA 2) CORTE 8.8 ESCALA 1/50 NOTAS + PARA DeTALiAR PORTAS DE connER - VER ASWNAS 4443 ~ DES 10 + 104 PARA DETALHAR REBAIXO EM GESSO. S2e2e PARA DETAUHAR = "Rega PARA DETALHAR once =. g4- "weir PARA DETALHAR ARMARIO. 570 7 12a LECLLLL t. Tre ree Peery ia i A TCPERCECEEEECCeL eee eee! DIVISGRIAS PARA SANITARIOS (A) J PLANTA BAIXA + UY escaca 1725 at “hes 2], gastro. winwone ou wanwon Te, /p)yISTA,__ an ESCALA 1/25 _~.. BATENTE, 4g) DETALHE. AL ESCALA 1/2,6 of 3 -' -pontas or pucruna ov “wma feveshgg cow tanouse i ! ii] Awtnc cal . DETALHE AS } estan 72,8 = NI SAAN ths an TECTHEECTCETECE ETT ECTETTITETTCTTVUUUTALAULALLLY or VISORIAS Pt CECETCOCCLEL ECCT IIe T Cece cece ete e ee ctr ttt yy Pe PAAAHHNEM TMM MDT DIVISORIAS PARA SANITARIOS © ‘> VISTA_LATERAL { ESCALATE Y GUIA 004 D(WALL) (7 eet 2,5 TENTE gum 03 - ESQUADRIAS DE MADEIRA Chamamos de Esquadrias os elementos destinados a se guarnecer os vaos de abertura nas construgées, sejam estes vaos de passagem, ventilago e/ou iluminacdo, islo ¢, esquadrias sdo as portas, janelas, portées e grades. O Detalhamento de esquadrias é um item de extrema importancia em um Projeto de Arquitetura, visto que uma boa Porcentagem do aspecto final da obra construida esta intimamente ligada beleza e qualidade de suas esquadrias. Todo o Detalhamento de Esquadrias resume-se em apresentar as seguintes informagées : + Sua Vista, que pode ser interna e externa (caso sejam diferentes) + Seu funcionamento, isto é, se ela é de abrir, de correr, de bascular, pivotante ou fixa + Seus materiais ( madeira, ferro, alumi acabamentos (pintada ou encerada) + Seus componentes, isto é, se tem vidro, basculas, postigos, almofadas e que tipo de ferragens sao utilizadas (fechaduras, dobradigas, trilhos, roldanas, contrapesos, etc.) + Seus arremates : alisares, aduelas, marcos vidro, etc.) e seus Usamos nos nossos exemplos uma nomenciatura especial para as Esquadrias que esta relacionada com o seu material e seu funcionamento, o que torna o detalhamento ainda mais claro. PAM foi usado para nomear as portas de abrir em madeira, PCM so portas de correr em madeira, JAM sao janelas de abrir em madeira, JCM so janelas de correr em madeira, JEM so janelas basculantes em madeira e JGM so janelas de guilhotina em madeira. Normalmente para o Detalhe de uma determinada esquadria, so apresentadas sua (s) Vista (s), um Corte Vertical, Um Corte Horizontal e seus Detalhes de arremates e componentes. Neste Capitulo apresentamos somente exemplos de Esquadrias de madeira 12 » 1.00 PAM_1 @ PAM 2. 2 Om EscaLA n @ PAM 3 SCALA 1725, MADEIRAS +~ IPE ~ CEREJEIRA - MOGNO~ LOURO~ FREIJO™- IMBUIA- CEDRO- ETC. es ee LEREEEEEELELEEELEEALER TIAL UATILULEULLL TALL z ORO L180 4m tH. +S - CORTE HORIZONTAL 8 ESCALA 175 LRELTELCEEECELEECTCEETECTERTETRETSTESCSTTTET ITE WIBPIBPIETR f(T). CORTE VERTICAL 7 /—\ CORTE VERTICAL. 9 = \ corTF vertical a ‘~=<—— a _ w 2.10 Liz 20 G VIORO E~ VENEZIANA ESCALA 1/25 a ae 48 CORTE __HORIZ( owt § -poguzontat! 1 75 ALVENARIAL ata b FSrat a 775 iE © 2 | PAMS-VISTA_EXTERNA ESCALA 1/25 — VENEZIANA 4 I A ESCALA (4)- SORT VERTICAL S ELTA ETILSESTITTTTITIGTUTIVUA oa eo OGG aRtecrre AdAAIIAI IAA a Delalalalatelgial a p Fa} o} alatslalstalaisiararorguzrorgrs* erence EN i l TIGA, SOBRE ISOPR ga Soar R BUSS piace oe out 130Pa) 4 i | 2) SRIF VERTICAL, ESCALA 175 \ A me 1 1.200 2.00 1725 DETALHE, La VISTA EXTERNA PAM 9 [AR CCNIDICIONADO) <0) & VIORO LIso CECE EE CCEECEEECECETCECEEEEEEEETIITTTTUTUEVVTUWLE | os ~¢ t Ooe oT f CFE SOT cover Toor corso [oot ox EULER CRI ULLOCCOLOCCOCLRCORCEE 3 3 ah REBAIXO VERGA 10x10 7] WWISTA_EXTERNA- PAM 14 EScaLA 728 CORTE HORIZONTAL 1 4 ‘4 CORTE HORIZONTAL 2 a3} vs 1 re NTA 2 Postico Em vioRo FANTASIA ‘wore cots ofous com ESCALA 175 ) SORTE HORIZONTAL 1 \ivione_eota_ofaua_ =I ; @ CORTE VERTICAL 5,67 ta x 17 tit = 5 )-QORTE HORIZONTAL 203, * 5 escaa vs TENN CUTLET {tC TULte Ltt THEET Tt Tree ee 7 a 1.00 co eS Uy escaa” 728 6 TE HORIZONTH \Sescaca v6 Al ost 2 ——+ > DAE 399999 99D pCVISTA_EXTERNA (AR CONDICIWONADO) - CORTE VERTICAL A.A eo a { 2) ESCALA 7/20 2 7 momar aH 1 * Bs DETALHE A a ala aisle Ee mi \ sev avez FOScO | PRE -MOLOADO DE CONCRETO APARENTE P/PINTURA COMPENSADO DE MADEIRA TOmm P/PINTURA MARCO DE MADEIRA P/PINTURA fo *| DETALHE A _| @eo mz es TALEC ELE EEE ELLE ECL EEE EEECELE PECL 99939 () VISTA _EXTERNA ~ CAIMONETE PYAR CONDI. (2) 998TE 8,8 _/ ESCALA 1/75 EScALA 1/25 x ALISAR MADEIRA 5x 1° P/PINTURA MARCO DE MADEIRA P/PIN- TURA RETO | APARENTE gl OU PINTURA _ SOMPENSADO MADEIRA Wm “FY/PINTURA i 3, EMBOgO & REBOCO_Pp/ ; a PINTURA a ETAL A RWC EDGHGGGEGGGHC6BGHG6G66E55566 66565 55599 oy TT ey ce : CLERRVALLLALLEL TTT TVVVRTR TEED TTT TVVRUU VR [PF FFI I5F VII IF — TTT EE Crd Vin a > MSTA E EXTERNA (AR CONDIC,) 9 ‘s 8 a? @ NE 99099 CORTE A.A escaa 1/20 D0 _DE_CONCRETO ~ PER C/VERNTE FOSOO ALISAR O€ MADEIRA 8 7PINTORA- COMPENSADO MADEIRA _lOmm 29 RAPr7>> F/PINTURA MARCO OE_MADEIRA_P/PINTURA , _. ROOAPE 7x2 p/PINTURA, DETAL ESCALA 172,58 PASM S PPE PEER EYEE Pr ErEPerPrerret ETALHE DE ADUELA Escala” Ws DETALHE_P/ELEVADOR SOCIAL STescata 1 DETALHE P/ELEVA- DOR SOCIAL (7 SeseALK 178 FEETCLC LTT LTTE LTT IGITTETTIIL TIFT TET ELEEELEYV dddddddddddddaladalatelelslatalatelelale ddddddddde A ab ouiwyus 00 ouinvuo auonuyn "VuBovR no avonuyn ‘VuIgaY Ww a anise (2 ee 6) nn vw ag aHqwiaa soomiT Sa ee @ anwisa v aH Wa \ : ' = % % © ater e =“ a2x0u0 10 oe une no 3 zimyan 99 s-wunavy oovziee” -ontyA SeeSomn } vig‘ venaniasd VuOWR OININAY 30 "H3 osnavuva 3 volusyid vuona wo ovSvxtd 3az¥va YN 20V8 4 Mwave 9/1 Fal OMNES 10, (urar n0 sw goorya¥e Suiaw SOT So “Ye VaalazNows no olgva i ‘€ Awundvn one 3a Voae a ° ft OMU3E ¢ Pa . 0 ompate' 30s SERBS twa no vs oon) ny 3yiva UaAT 3zniows no oLaud zinwan® Swunien onywny 30 Nava fo wuaa/a ura ais OL — edhe ez) T vuIZOVA VN vOvEnS . cmuvay .B/1 St OWS 1 giaig * wunwwn oovzig OIMWaW 30 VAVHD VuUWW 9/7 : Ow Oimypirw da stig > S oud MEN ss zinuaa 00 vuaa74 vurzawn” SOSUIAIG SoyWIUDD " on