Você está na página 1de 4

4º ENCONTRO

ITENS, OBJETOS LITÚRGICOS e POSTURA/COMPORTAMENTO

É toda a Comunidade, o Corpo de Cristo unida à sua cabeça, que celebra.

Na assembléia celebrante, os membros não têm a mesma função. (Rm 12,4). Essas funções são dos
Ministérios não ordenados. Esses ministérios existem no intuito de servir às funções do sacerdócio
comum dos fiéis e cuja função é determinada pelos Bispos, de acordo com as tradições litúrgicas e as
necessidades pastorais, por exemplo: O Ministério Extraordinário da Sagrada Comunhão.

Por isso, “cada qual, ministro ou fiel, ao desempenhar a sua função, faça tudo e só aquilo que pela
natureza da coisa ou pelas normas litúrgicas lhe compete” (SC, 28). (IGMR, 2).

O Presidente da Assembléia, como animador da celebração, tem a tarefa de zelar pelo bom
funcionamento dos ritos, pelo seu dinamismo no conjunto da celebração e em relação à assembléia
concreta; deve também realizar uma mediação entre os textos e os ritos propostos pelo livro litúrgico e
a assembléia celebrante, pois o exercício desse Ministério está ligado a uma multiplicidade de fatores
humanos e técnicos que não devem ser minimizados e que não se improvisam; tudo fica facilitado
pela disposição e pela funcionalidade do ambiente sobretudo no presbitério (altar); zela pelo bom
funcionamento dos ritos, está atento ao dinamismo do conjunto.

Zelar pelo Sagrado, dar real importância ao Presbitério, antes e após a Missa o mais importante na
Igreja é o Sacrário, durante a celebração o mais importante é o altar, o que temos de mais sagrado.

O que não podemos fazer:


• Animar a Missa
• Iniciar alguma oração ou algum texto sem antes o Sacerdote ter analisado e concordado, pois
mesmo um leitor ou Ministro que fizer a leitura, a responsabilidade é total do Presidente da
Assembléia;
• Fazer alguma propaganda ou vender algo durante a Celebração;
• Não podemos pegar o microfone e falar algo, estamos servindo o altar, não somos animadores
ou do Ministério da acolhida, etc;
• Usar as vestes recomendadas pela Diocese, nunca usar TÚNICA, pois a assembléia poderá
confundir como sendo concelebrantes.
• É recomendado que no Presbitério apenas permaneçam o Presidente da Celebração, os
Seminaristas e coroinhas, nós como Ministros EXTRAORDINÁRIOS, devemos permanecer fora
do Presbitério, somente quando devemos executar nossa função é que devemos nos
aproximar;
• Devemos agir discretamente, não conversar na procissão de entrada e saída, não usar roupas
extravagantes, crucifixo no peito (maior que o de D. Nelson), óculos na cabeça, terço na mão,
paninhos na mão, discutir, brigar, COMUNGAR NA FRENTE DO SACERDOTE – NÃO
PODEMOS IR ATÉ A NOSSA POSIÇÃO PARA COMUNGAR, TEMOS QUE DAR O
EXEMPLO;
• NÃO SER MINISTRO SÓ PARA DISTRIBUIR A COMUNHÃO, SE A ASSEMBLÉIA ESTIVER
VAZIA NÃO É NECESSÁRIO VÁRIOS MINISTROS, LEMBRAR QUE SOMOS
EXTRAORDINÁRIOS, CASO NÃO NECESSITEMOS DISTRIBUIR A SAGRADA COMUNHÃO,
FIQUEMOS ATENTOS E DE PRONTIDÃO PARA OUTRAS NECESSIDADES DO
SACERDOTE.
• Não devemos aguardar os músicos encerrarem a canção, pois estamos com o próprio Cristo
nas mãos, e o Padre está aguardando para a purificação, se eles não demonstrarem interesse
em comungar, retornar imediatamente ao altar. NÃO AGUARDAR COM A HÓSTIA NA MÃO.
Agilidade nesta hora.

REGRAS GERAIS:

QUANTIDADE DE MINISTROS – ESCALA

PROCISSÃO DE ENTRADA

POSIÇÃO DOS MINISTROS – ANTES DA COMUNHÃO

DURANTE A COMUNHÃO – DEIXAR O CENTRO PARA O SACERDOTE

MISSAL E EVANGELIÁRIO
Utilizar os novos durante o domingo e festas solenes, deixar os mais velhos para utilização durante a
semana.
Evangeliário já fica sobre o altar, pois quem leva na procissão de entrada é o diácono.

COMPORTAMENTO
Estar de pé revela prontidão, confiança, alegria. “Se estais de pé em oração” (Mc 11,25), é sinal de
reverência.
Estar de joelhos é símbolo de adoração, de humildade e de angústia, de penitência.
Estar sentado significa que se está pronto para receber os ensinamentos da Palavra de Deus (Rito da
Palavra).

Sacristia é lugar de silêncio. Se, estando nela, realmente houver a necessidade de alguma conversa,
então fazê-la em voz baixa.
Durante a celebração, deve-se estar concentrado e não ficar olhando para o povo, fazendo sinais,
conversando etc... A Santa Missa é algo sagrado.

Devemos ser responsáveis , bem arrumados e respeitosos com os materiais, agindo corretamente nos
atos litúrgicos, e após a celebração, guardando cada objeto no seu devido lugar.

“Seja fiel no cumprimento de todos os seus deveres. Execute com capricho e amor todas as tarefas
que recebe, embora pareçam insignificantes. Qualquer coisa que esteja fazendo, por menor que seja,
é um passo à frente em seu progresso. Realiza todas as suas tarefas, como se delas dependesse –
como de fato depende – todo o seu futuro” (Minuto de Sabedoria).

Funções dos Coroinhas


São os ajudantes do altar (servindo o vinho (POUCO VINHO) e a água, etc.); como turiferários
(turíbulo e naveta) ou como ceroferários (levando lanternas com velas acesas na igreja e, para as
procissões) e tocadores das campainhas.
PREPARANDO O ALTAR

CÁLICE
SANGUÍNEO – Verificar a cor litúrgica, não utilizar em outras celebrações o mesmo, sempre trocar
após a missa.
PATENA
HÓSTIA GRANDE
PALA = A palavra significar cobrir, esconder, cortina.
CORPORAL – Simboliza o Santo Sudário (lençol em que foi envolto o corpo morto de Nosso Senhor
Jesus Cristo).
GALHETAS – Colocar pouco vinho...
MANUSTÉRGIO – Acompanha o jarro e a bacia.
NAVETA, TURÍBULO – O turiferário da naveta fica à esquerda do turiferário do turíbulo, sendo que os
dois andam quase juntos.
INCENSO
MISSAL
ATRIL – É a estante de madeira ou de metal , sobre a qual se põe o missal. Pode ser substituído por
uma almofada.
SACRÁRIO
CREDÊNCIA
CRUZ PROCESSIONAL
CALDEIRINHA
HISSOPE OU ASPERSOR
PÚLPITO OU AMBÃO
CAPA PLUVIAL – Manto grande, que chega até os pés, preso ao peito por um broche. É usado nas
bênçãos solenes, procissões, etc.

OSTENSÓRIO
LUNETA – Objeto em forma de meia-lua onde se fixa a Santa Hóstia dentro do ostensório.
VÉU UMERAL OU VÉU DE OMBROS – É colocado sobre os ombros do sacerdote no momento da
Benção do Santíssimo Sacramento, transladações e procissões do mesmo.
VÊNIA
GENUFLEXÃO
ÂMBULA – função dos ministros levarem a âmbula ao sacerdote, e aguardar o padre dar a âmbula
para a distribuição da comunhão, nunca devemos pegar por conta própria no altar.
TECA – TODO MINISTRO DEVE POSSUIR, NÃO UTILIZAR “PANINHOS” PARA LEVAR A
SAGRADA COMUNHÃO PARA ALGUÉM. A SAGRADA COMUNHÃO DEVERÁ SER COLOCADA NA
TECA DURANTE A MISSA, AVISAR AOS MINISTROS A QUANTIDADE, E NÃO ABRIR O
SACRÁRIO APÓS O ENCERRAMENTO DA MISSA PARA PEGAR A COMUNHÃO.
ASPERGES – Objeto metálico ou de vidro onde se coloca a água benta, para bênçãos.
PÁLIO – Pano em forma quadrada, sustentado por 4 varas, sendo levado à mão (uma vara para cada
pessoa). É usado na procissão de Corpus Christi, transladação do Santíssimo na Quinta feira Santa
etc.
UMBELA – Pálio pequeno semelhante ao guarda-sol.
AMITO – É o primeiro indumento que o sacerdote coloca sobre os ombros e ao redor do pescoço.
Simboliza a proteção divina.
ALVA – Túnica branca
CÍNGULO – Cordão que se ata à cintura por cima da alva.
ESTOLA – Faixa comprida que segue a cor litúrgica.
CASULA- Vestimenta que o sacerdote coloca sobre a alva. Segue a cor litúrgica.
SOLIDÉU – Pequeno gorro utilizado pelos Bispos (cor carmim)
MITRA – Chapéu com duas pontas, usada pelos Bispos.
DALMÁTICA – Túnica comprida com mangas curtas e largas, segue a cor litúrgica, é usada pelos
diáconos.
CORES LITÚRGICAS
ROXO: Significa a penitência e a dor
BRANCO: dá o sentido da inocência, pureza, festa, alegria, começo de uma vida nova, luz.
VERDE: simboliza a esperança na vida eterna que todo cristão deve ter.
VERMELHO: significa o sangue derramado dos mártires e o fogo (festa do Espírito Santo).
ROSA: significa a alegria por causa da vinda do Messias (Advento- Domingo de “gaudete”) e a alegria
pela salvação que Cristo realizou pela morte na Cruz (Quaresma - Domingo de “laetare”)
PRETO: significa o luto pela morte de alguém.