Você está na página 1de 10

IPEA

IPEA – Treinamento Ltda

“Engenharia de Processos Químicos, Aplicada a


Projetos de Indústrias”
GRADE DOS CURSOS

(32o Ano consecutivo!)

OBJETIVO

1) Entender e aplicar as técnicas necessárias à Engenharia de Processos Químicos.


2) Implantar no ambiente de trabalho uma metodologia de sucesso comprovada.
3) Conhecer o desenvolvimento de um projeto, suas etapas e sequência.
4) Interpretar, manusear e elaborar os principais documentos utilizados em projeto.
5) Conhecer os equipamentos existentes em cada operação unitária abordada.
6) Estabelecer os critérios para seleção de equipamentos.
7) Aprender a dimensionar equipamentos (excetuando-se trocadores de calor).

No caso de sistemas/equipamentos, visa sempre cobrir em cada tópico: tipos de


equipamentos/sistemas existentes, conceitos operacionais, critérios de seleção e
metodologia de dimensionamento.

PÚBLICO ALVO

Engenheiros químicos, mecânicos e instrumentação, técnicos destas três especialidades,


que atuem em processos e projetos de indústrias químicas, têxteis, farmacêutica, sucro-
alcooleira, petroquímica, papel-celulose, bem como suas utilidades e off-sites.

SEGMENTO EMPRESARIAL

1. Empresas de Engenharia atuantes em projetos industriais e consultoria.


2. Empresas dos ramos: Químico, Farmacêutico, Alcooleiro, Papel e Celulose, Petroquímico
e Têxtil (Departamento de Engenharia, Processos, Manufatura).
3. Indústriais de Bens de Capital.
MATERIAL DIDÁTICO

Curso com farto material de apoio (totalmente apostilado)


DINÂMICA DO CURSO

1. Aspectos conceituais e técnicos.


2. Turma: até 40 participantes
IPEA
IPEA – Treinamento Ltda

ORIENTADOR

Fabio Alessio Romano Dionisi


 Engenheiro Químico - Mestre em Engenharia Química pela EPUSP
 Gerente de Engenharia para a América do Sul (E.I. DuPont) – 2002 a 2008
 Diretor de Engenharia para a America Latinal (E. I. Du Pont) – 2008 a 12/2014
 Docente do PECE – USP (Programa de Educação Continuada em Engenharia)
durante 18 anos (1985 a 2003), com o curso "Engenharia de Processos Químicos
Aplicada a Projetos de Industrias”.
 Diretor-Presidente do IPEA Treinamento Ltda, onde os cursos continuam a serem
ministrados desde 2003.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
MÓDULO 01

1) Introdução: projeto de processos químicos (Desenvolvimento de processos, engenharia


básica e engenharia de detalhamento).
− Introdução
− Desenvolvimento de um projeto
− Fases de um projeto
− Fases de um empreendimento
− Papel da Engenharia de Processos Químicos (etapas e áreas de atuação)
− Interfazes destas etapas com as demais entidades do empreendimento
2) Balanços de massa: conceitos, estequiometria industrial, e confecção de balanços de
matéria.
− Balanços de Massa (Lei da Conservação das Massas, Utilidade do balanço de massas,
Técnicas, Guias: sem e com reação química, Balanços diferenciais: sem e com reação
química
− Técnicas dos balanços de massa (base de cálculo, volume de controle, sistemas,
componente-chave)
− Reações Químicas (grau de complementação, seletividade de reação, rendimento de um
sistema)
− Detalhamento típico
− Cálculo de capacidade de produção (definições, perdas de capacidade, UpTime, InTime)
3) Balanços de energia: termodinâmica, conceitos, e confecção de balanços de energia.
− Conceitos gerais
− Balanços de Energia (princíos, sistema termodinâmico, tipos de energias)
− Equação Geral do 1º Princípio (sistemas fechados, sistemas abertos, transformaçõies
cíclicas e acíclicas)
− Exemplos de Balanços de Energia (isotérmico, isométrico, adiabático, isoentálpico,
isobárico, condensadores, resfriadores, válvulas de controle, bombas, turbinas, caldeiras)
4) Fluxogramas de processo: conceitos e confecção do desenho.
− Dados fornecidos neste tipo de documentos (Checklist)
− Nomenclatura utilizada (simbologia)
− Diagrama de blocos de processo (Block-type process flowsheet)
− Nomenclatura proposta para Fluxograma de Processo
− Fluxograma de processo (exemplos)
− Tag number dos equipamentos
− Simbologia para numeração de equipamentos
IPEA
IPEA – Treinamento Ltda

− Divisão em áreas de uma planta industrial


− Simbologia para as linhas
− Detalhamento típico
5) Fluxogramas de engenharia (P&I Diagrams): conceitos sobre a confecção do desenho.
− Dados fornecidos neste tipo de documentos (Checklist)
− Nomenclatura utilizada (equipamentos, tubulação)
− Tubulações (principais meios de ligação de tubos, válvulas de bloqueio, válvulas de
regulagem, check valves, válvulas que controlam a pressão, gaveta, macho,
globo,angular, tipo Y, agulha, esfera, borboleta, diafragma, retenção)
− Figura “8” (spectable flange) e raquete (paddle blind)
− Filtros provisórios e permanentes
− Purgadores de vapor
− Instrumentação (simbologia e identificação, ISA, exemplos)
− Exemplo de planta de locação geral (Plot Plan)
− Exemplo de fluxograma de engenharia
− Detalhes para confecção de fluxogramas de engenharia (identificação de desenho,
numeração de linhas e instrumentação, etc.)
− Detalhamento típico
6) Documentação típica em projetos industriais: formulários, formatos padrões, templates,
listas (equipamentos, utens especiais, tubulação, instrumentação), folhas de dados
(equipamentos, itens especiais, tubulação, instrumentação), dados gerais do site, dados
climatológicos, listas de condições de operação e projeto, etc.
7) Instrumentação e controle de processo: tipos de instrumentos e controles, conceitos e
critérios de seleção.
− Malhas abertas e fechadas
− Definições (range, span, set point, off set, hysteresis, sensibilidade, repetibilidade)
− Simbologia (ISA)
− Elementos Primários (temperatura, pressão, nivel, vazão)
− Elementos Intermediários (telemetria, transdutores, transmissores, controladores, switchs)
− Ações de controle
− Elementos Finais (vávulas de controle: tipos, curvas características, capacidade de uma
válvula, perda de cálculo)
− Acessórios (posicionadores, etc.)
8) Tubulação para transporte de líquidos e/ou gases: conceitos, especificação, critérios de
projeto e método de dimensionamento.
− Teoria do escoamento (fator de atrito, gradiente de pressão, Reynolds, fluxo laminar e
turbulento, perfis de velocidade)
− Velocidades e perdas de carga recomendadas
− Tubos comerciais (aço carbono e inox)
− Fator de fricção e diagrama de Moody, fator de fanning, diâmetro equivalente)
− Equação de Darcy ou Fanning
− Escoamento nas tubulações (incompressível, comprissível, metodologias de cálculo,
natureza do fluxo, fluxo sônico)
− Perdas de carga localizadas e comprimentos equivalentes)
− Fluxo bifásico *características de fluxo, perdas de carga num sistema)
9) Bombas para transporte de fluídos líquidos: tipos, conceitos, critérios de seleção e
método de dimensionamento.
− Classificação adotada
− Tipos de bombas
− Bombas de ação anternante (recíprocas, diafragma, etc.): tipos, princípio de
funcionamento, componentes, classificação, dimensionamento, potência, NPSH, guia de
aplicação, curvas características, etc.)
− Bombas rotativas de deslocamento positivo (engrenagem, lóbulos, circunferencial, etc.):
IPEA
IPEA – Treinamento Ltda

tipos, princípio de funcionamento, componentes, classificação, dimensionamento,


potência, NPSH, guia de aplicação, curvas características, etc.)
− Bombas centrífugas (centrífufgs, axiais, auto-escorvantes, chem pump, verticais, multiplo
estágio): tipos, princípio de funcionamento, componentes, classificação, rotores,
dimensionamento, potência, NPSH, uso de dupla voluta, guia de aplicação, curvas
características, vazão mínima, etc.)
− Dicas de projeto: tubulação de sucção e de descarga (todos os tipos de bombas)
− Estudo das curvas características versus curvas do sistema
− Centrífugas: Associação em Série e em paralelo
− Estudo e cálculo de NPSH
− Causas de cavitação
− Critério de cálculo para perda de carga para válvulas de controle
− Gaxetas e selos mecânicos
− Detalhamento típico
10) Sistemas de ventilação e de exaustão industrial: tipos, conceitos, critérios de
seleção e método de dimensionamento.
− Sistema de ventilação geral e de ventilação local exaustora
− Ventilação industrial: valores limites máximos para poeiras, fumaças e neblinas tóxicas
(ACGIH), valor do limiar de tolerância (VLT)
− Perfil de pressão num duto
− Dimensionamento dos dutos: perda de carga, métodos de cálculo (velocity pressure “VP”,
comprimento equivalente), perdas de pressão ao longo do duto, velocidade mínima nos
dutos, aceleração do ar e perdas de entrada na captação)
− Projeto: procedimento de projeto, tipo de sistema de transporte, métodos de cálculo, etc.)
− Projeto do ventilador: método de cálculo
− Tipos de ventiladores: fluxo axial, centrífugos, especiais (tipos, princípio de
funcionamento, características de funcionamento, curvas características)
− Guia de seleção de ventiladores
− Instalação: recomendações
− Sistema de ventiladores
− Leis do ventilador
− Dicas de projeto: ruído, velocidade, trocas de ar, fatores de correção
11) Compressores de gás: tipos, conceitos, critérios de seleção e método de
dimensionamento.
− Unidades Usuais, Ar Atmosférico, pressão atmosférica 9
− Considerações de processo: condições de operação, propriedade dos fluidos,
compressibilidade, corrosividade, umidade, condições especiais, ponto de orvalho,
compressores não lubrificados, local de trabalho
− Tipos de compressores e bombas de vácuo: classificação e tipos
− Compressores volumétricos (Deslocamento Positivo): alternante ou recíproco, rotativos
(princípio de funcionamento) – pistão, rocking pistão, palhetas, lóbulos, parafuso, anel
líquido, etc.
− Compressor tipo dinâmico (princípio de funcionamento, turbo-compressor, ejetor) -
centrífugo e axiais
− Guia de seleção: ranges gerais de operação, geração de vácuo, faixas de aplicação, com
paração entre os tipos)
− Aplicação de equipamentos para a obtenção de vácuo
− Tubulação de sucção e descarga: dimensionamento
− Dimensionamento de compressores: fundamentos teóricos, processo politrópico de
compressor, tipos de processos: isoentrópica, isotérmica, politrópica)
− Rendimentos e eficiencias: mecânica, compressão, volumétrica, etc.
− Aumento de temperatura
− Trabalho em processo isotérmico, politrópico, isoentrópico
IPEA
IPEA – Treinamento Ltda

− Cálculo de head, potência, BHP


− Compressão em estágios
− Problema de surge em compressores centrífugos e axiais
− Detalhamento típico
12) Tanques e Vasos de Pressão para estocagem de fluídos: tipos, conceitos,
critérios do selecionamento e método de dimensionamento.
− Seleção do tipo de estocagem (pressão, pressão de vapor, toxidez, flamabilidade, normas)
− Posição do tanque
− Tanques API: classificação, fundo, costado, teto, sustentação de teto, capacidade de um
tanque, dimensionamento, espessura de chapas, geometria ótima, diques, detalhamento
típico, etc.
− Vasos de pressão (tipo ASME): tipos de tampos, tipos de bocais, detalhamento típico,
dimensionamento, chapas, detalhamento típico, etc.)
− Vasos acumuladores de processo: tempo de residência, dimensionamento,
instrumentação)
− Quebra vórtices
− Itens gerais: geometria econômica do vaso,, bocais, vaso ASME, tanque API, sobre
espessura de corrosão.
13) Vasos Decantadores para Separação de Fases: duas fases (liquido/liquido e
vapor/liquido), e três fases (liquido/liquido/vapor) - tipos, conceitos, criterios de
selecionamento e metodo de dimensionamento.
− Vasos decantadores
− Separação líquido-líquido: tipos (horizontal e vertical), teoria da decantação,
dimensionamento, bocais, controle de processo, vel. de sedimentação terminal, usos mais
comuns, tempos de residência, interface, diâmetro ótimo do vaso, detalhamento
− Separador vapor-líquido: tipos (hoprizontal e vertical), tempo de retenção, velocidade,
máxima do vapor, locação dos níveis, eliminação do arraste, dimensionamento, velocidade
de sedimentação,
− Separação de três fases: tipos (horizontal e vertical), dimensionamento, bocais,
detalhamento, etc.
− Demister (eliminador de névoa)

MÓDULO 02
14) Trocadores de calor: tipos, conceitos, princípio de funcionamento, e critérios de
seleção.
− Tipos de fluxos envolvidos: contra corrente, paralelo, cruzado; para que servem
− Tipos de trocadores: feixe-tubular, duplo tubo, placa espiral, de placas, air coolers
− Trocador feixe tubular: Tema, normas de projeto, chicanas, arranjo de tubos, geometria
− Condições de projeto: temperatura e pressão
− Guia de seleção: fluidos envolvidos, fatores de escolha, seleção do tipo
− Refervedores: tipos, circulação natural, forçada, interno, etc.
15) Dispositivos de segurança (válvulas de segurança, discos de ruptura,
vents/respiros, abafadores de chama, purga com gas inerte, segurança em
tancagem, alarmes) - tipos, conceitos, instalação, critérios de selecionamento e método de
dimensionamento.
− Válvulas de alívio/segurança: nomenclatura, set pressure, acumulação, overpressure,
blow down, contra pressão, sobrepressão, tipos de vávulas, vávulas convencionais e
balanceadas, normas aplicaveis, critérios de projeto, determinação de vazão, escolha do
orifício, dicas de projeto, instalação (entrada e saída)
− Disco de ruptura: definições, suporte, disco não fragmentável, burst pressure, tolerância
de abertura, suporte para vácuo, tipos de discos de ruptura, instalação de disco antes e
depois de vávulas de segurança/alivio, dimensionamento, dicas de instalação
IPEA
IPEA – Treinamento Ltda

− Deluge valve (válvula dilúvio)


− Explosion venting
− Respiros de alívio (vent): flamabilidade, critérios de perda de carga, dimensionamento,
válvula de alívio para tanques, válvula de alívio de emergência, etc.
− Abafador de chama: conceitos, tipos, seleção
− Purga com gás inerte
− Segurança em tancagem: líquidos inflamáveis, armazenamento de líquidos, normas NBR
17505, NR-20.
16) Materiais de Construção - tipos, conceitos, dicas de projeto, e critérios de
selecionamento.
− Tipos de materiais
− Fatores gerais de escolha/trabalho: condições de serviço, propriedades dos fluidos, nivel
de tensão no material, natureza dos esforços mecânicos, custo, segurança, vida últil, etc.
− Metalurgia: imperfeições, estrutura cristalina, tipos de metais e ligas, química dos metais:
aço carbono e aços ligas, Diagrama de equilíbrio Fe-Fe3C
− Resistência dos materiais: deformação linear, diagrama tensão-deformação, material
ductil e frágil, Lei de Hooke, propriedades mecânicas
− Testes e medidas
− Endurecimento dos aços
− Tratamento térmico: propósito dos tratamentos, tipos, recozimento, normalizaçã e o
temperado-revenido, alívio térmico, preaquecimento
− Influência da temperatura nos metais (altas e baixas temperaturas)
− Normas de projeto: conceitos, tensões admissíveis das normas de projeto
− Processos de manufatura: fundição, laminação, forjamento
− Nomenclatura dos aços
− Aços carbono: classificação, composição química, efeitos da temperatura, tipos de aços
carbono, especificação
− Aço-liga: classificação, emprego, tipos de aços-liga
− Aços inoxidáveis: classificação, aço inox austenítico, ferrítico e martensítico, e os especiais
− Metais ferrosos: tipos, ferro fundido cinzento, maleável, nodular, forjado, ligados
− Metais não ferrosos: tipos, cobre e ligas, , bronze, cupro-níquel, latões, níquel e ligas,
metal monel, inconel, incoloy e hastelloy
− Galvanização: tipos e utilidade
− Custo dos materiais
17) Corrosão Química e Eletroquímica - conceitos, tipos, sistemas de proteção, dicas
de projeto.
− Conceito, oxirredução, agentes oxidantes, agentes redutores
− Mecanismos da corrosão: químico e eletroquímico
− Formas de corrosão: uniforme, alveolar, sob tensão, seletiva, galvânica, sob contato,
intergranular, etc.
− Corrosão nos aços carbono, nos aços liga, e nos aços inoxidáveis
− Dicas para projeto e construção: tubulação, equipamentos, e especificamente para
trocadores de calor
− Recomendações de materiais para alguns serviços típicos
18) Água Bruta e seu Tratamento – conceitos, critérios de projeto, critério de
selecionamento, metodologia de dimensionamento.
− Águas naturais:concentração do íon hidrogênio e pH 10, pH e condutividade na tecnologia
do tratamento de água, soluções iônicas ou eletrolíticas, impurezas presentes, dureza
total, alcalinidade total, sulfatos, sílica solúvel, cloretos, gás carbônico, oxigênio
dissolvido, amoníaco, gás sulfídrico, ferro, manganês, acidez, turbidez, matéria em
suspensão e matéria coloidal, sólidos totais dissolvidos (STD)
− Tipos de água desejados: água potável ideal, água para produção de vapor
− Organismos vivos encontrados na água: bactérias (de ferro e de enxofre), índice E.
IPEA
IPEA – Treinamento Ltda

Coli,organismos microscópicos, Organismos macroscópicos


− Tratamento de água bruta: introdução, conceitos
− Clarificação de água: material em suspensão, colóides, coagulantes, auziliares de
coagulação, mecanismos de coagulação, polieletrólitos, Jar Test, projetos das estações,
tipos (tanques de mistura, floculação e sedimentação; misturador rápido; floculador
mecânico, clarificador de lençol de lodo, tipo Erdlator
− Filtração da água: conceitos, filtragem por gravidade, filtragem sob pressão
− Cloração da água: teoria, fatores que afetam a cloração, definições, cloro residual e cloro
adicionado, pontos de adição do cloro, produtos alternativos oxidantes, cloradores ou
dosadores de cloro, raio ultravioleta (Uv), ozônio, ultravioleta com ozônio.
− Remoção de: amônia, ferro e manganês
− Abrandamento de água: conceitos, finalidade, processos, estações de abrandamento, por
troca iônica
− Filtro de carvão ativado
19) Utilidades: Água de resfriamento/Torres de resfriamento, Tratamento de
Água e Sistemas de Distribuição de Água - conceitos, critério de projeto, critério de
selecionamento, metodologia de dimensionamento, e tratamento de água de torre.
− Torre de resfriamento: tipos de fluxo ar-água, tipos de tiragem do ar
− Torres de resfriamento: tiragem natural, tiragem forçada, tiragem induzida, acessórios,
materiais de construção
− Processo – operação unitária: CTI, processo envolvido, purga (blowdown), água de
reposiçã, temperatura de bulbo seco e de bulbo úmido, approach e range, carta
psicométrica, ponto de orvalho, umidade absoluta e relativa, tonelada de refrigeração,
entalpia ou calor total ou entalpia de saturação, calor retirado da água, entalpia, etc.
− Projeto de sistema de resfriamento: definições, water loading, unidade de torre, área
efetiva da torre, curvas de desempenho, etc.
− Dimensionamento do sistema (projeto): temperatura de bulbo úmido, condições
climatológicas, approach, range.
− Cálculo: água de reposição (make-up water), ciclos de concentração, purga (blowdown),
balanço entre purga de uma torre e número de concentrações, arraste (drift) e perdas por
evaporação
− Efeito da recirculação do ar de saída
− Seleção do tipo de torre: tipo spray – atmosférica, de tiragem mecânica, torre hiperbólica,
fluxo cruzado e fluxo contracorrente
− Sistemas: aberto (sem torre e sem recirculação de água), aberto (com torre e sem
recirculação de água), fechado (com torre e recirculação de água)
− Tratamento de água de resfriamento: programa de tratamento de água de resfriamento,
controle de corrosão, controle dos depósitos e incrustações, controle biológico (fungos,
algas e bactérias)
− Filtros: conceito e dimensionamento
− Seleção de dados meteorológicos
− Nível de ruído (NR-15)
− Acessórios: aspersão de água numa torre de resfriamento, tipos de enchimento,
distribuidores de água, eliminadores de gotas
20) Utilidades: Ar comprimido / Compressores de Ar, Vaso Pulmão e Sistemas de
Distribuição de Ar - conceitos, critério de projeto, metodologia de dimensionamento.
− Seeleção dos dados climatológicos
− Dimensionamento do compressor de ar: conceitos e cálculo
− Separação do condensado: conceitos e cálculo
− Separação da umidade do ar
− Vaso pulmão de ar: conceito, vantagens, dimensionamento do reservatório de ar, critérios
usados pelos fabricantes
− Instalação de ar comprimido: componentes, diagrama típico, tomada de ar (air intake),
IPEA
IPEA – Treinamento Ltda

resfriador intermediário (intercooler), resfriador posterior (aftercooler), monitoramento e


dispositivos de controle
− Ar para instrumentação: qualidade, pressão, capacidade, riscos, back-up para o ar de
instrumentação, secadores de ar comprimido, critérios de projeto, etc.
− Ar para respiração: segurança, qualidade do ar respirável, instalação, estação de máscara
do tipo por demanda, instalação para estação de máscara, ou roupa, do tipo vazão
constante.
− Estimativa de consumo de ar: consumo em ferramentas, motores pneumáticos, perdas
em vazamentos, ar para instrumentação, ar respirável, ar de serviço
− Sistema de distribuição: critérios gerais de projeto, dimensionamento da tubulação,
sistemas de ar para instrumentação, sistema de distribuição, acessórios, estação de
mangueira (estação de utilidades)
21) Utilidades: Vapor / Caldeiras, Desaeradores, Tratamento de Água e Sistemas
de Distribuição de Vapor - conceitos, critérios de projeto, critérios de selecionamento,
metodologia de dimensionamento, e tratamento de água de alimentação e de caldeira.
− Conceitos básicos
− Gerador de vapor, turbina a vapor, propriedades do vapor, ábaoc de termodinâmica, tipos
de vapor empregados
− Combustíveis: definições, querosene, óleo diesel, óleo combustível, gás natural, bagaço
de cana
− Fluxograma típico de uma instalação de óleo combistível
− Processo de combustão: teoria, ar necessário, excesso de ar, controle da combustão,
método de determinação de eficiencia de caldeira, viscosidade do óleo para a queima
− Dicas para se economizar combustível: água de alimentação, economizadores ou
preaquecedores de água, recuperadores ou regeneradores, tubulações e acessórios
− Emissões atmosféricas de uma caldeira: emissões, controle dos gases poluentes,
− Chaminé: temperatura dos gases de combustão
− Recuperação do calor dos gases de combustão: economizadores e recuperadores
− Tipos de caldeiras: tipos, componentes do sistema, tipo fogo-tubular, tipo aquo-tubular,
tipo fluido térmico
− Superaquecedor e dessuperaquecedor de vapor: conceitos, dimensionamento, instalação
− Queimadores: conceitos, princípio de funcionamento, etc.
− Desaerador: conceitos, princípio de funcionamento, tipos, dimensionamento (balanço de
energia), diagrama esquemático de instalação
− Tratamento de água de alimentação: conceitos, controle da corrosão, controle da
incrustação, controle dos depósitos, controle do arraste
− Tratamento da água de caldeira: tipos de tratamento usados
− Distribuição de vapor e retorno do condensado: dimensionamento, distribuição, tubulação,
isolament6o térmico, redução de pressão, erosão, purgadores, etc.
22) Utilidades: Água Desmineralizada/Desmineralizadores (troca iônica e
osmose reversa) e Sistemas de Distribuição de Água – conceitos, tipos, critérios de
projeto, selecionamento.
− Troca iônica: conceitos, escape e condutividade, polimento, tipos de resina, arranjos de
colunas, leito misto, combinação de colunas, degaseificador/desaerador, filtros de carvão
ativado, qualidade da água após a catiônica, e após a aniônica, controle da qualidade da
água, remoção de colóides, regeneração das resinas, vida útil, projeto
− Osmose reversa: conceitos, processo, membrana semipermeável, dessalinizadores,
aplicações, unidade típica, lay-out típico, limpeza química de membranas (CIP), anti
incrustantes, pH, etc.
IPEA
IPEA – Treinamento Ltda

CARGAS HORÁRIAS

MÓDULO I UNIDADES HORAS/AULA TOTAL DE HORAS

Introdução 1 3,5 3,5


Balanço de massa 1 3,5 3,5
Balanço de energia 1 3,5 3,5
Fluxograma de processo 1 3,5 3,5
Fluxograma de engenharia 2 3,5 7
Documentação típica em projetos 0,5 3,5 1,75
Instrumentação 3 3,5 10,5
Tubulação 2 3,5 7
Bombas 2 3,5 7
Sistemas de ventilação 2 3,5 7
Compressores 2 3,5 7
Tanques e Vasos 1 3,5 3,5
Separadores de fase 1,5 3,5 5,25
TOTAIS 20 70

MÓDULO II UNIDADES HORAS/AULA TOTAL DE HORAS

Trocadores de calor 1,5 3,5 5,25


Dispositivos de segurança 3 3,5 10,5
Materiais de construção 3 3,5 10,5
Corrosão química 2,5 3,5 8,75
Tratamento de água bruta 2,5 3,5 8,75
Sistema de água de resfriamento 1,5 3,5 5,25
Sistema de ar comprimido 1 3,5 3,5
Sistema de água desmineralizada 2 3,5 7
Sistema de steam 3 3,5 10,5
TOTAIS 20 70

ESCOPO DE SERVIÇO
a) Ministrar o curso Engenharia de Processos Químicos Aplicados em Projetos
Industriais
b) Providenciar os Certificados de Conclusão (presença mínima de 80%)
ESCOPO DO CLIENTE
a) Local para as aulas, nas instalações do cliente
b) Impressão dos originais das apostilas
c) Equipamentos: projetor, telão e flip chart.
d) Coffee-break (se assim o cliente desejar)
e) Almoço, nos dias de aula
f) Estacionamento no local, nos horários das aulas
IPEA
IPEA – Treinamento Ltda

OBSERVAÇÕES
a) A carga horária de cada módulo é de 70 horas

INVESTIMENTO
 Duas formas de pagamento: à vista ou parcelado (três vezes)
 Caso o cliente prefira que o IPEA prepare o material, o valor das apostilas por
participante (para cada módulo) é de: (R$ 350,00/aluno)
 São emitidos boletos e Nfe.
 Data dos boletos:
o Caso à vista: 30 dias [após recebimento do pedido (cliente) e nossa
emissão de Nfe e boleto]
o Caso parcelado: 30/60/90 [após recebimento do pedido (cliente) e
nossa emissão de Nfe e boletos]

Ribeirão Pires, 02 de dezembro de 2016

____________________________________

Fabio Alessio Romano Dionisi


Diretor-Presidente
IPEA Treinamento Ltda
CNPJ: 18.036.267/0001-02
(11) 4828-2923 | (11) 9.8463-5051
ipea@ipeasp.com.br
www.ipeasp.com.br