Você está na página 1de 40

SUMÁRIO

RESUMO ....................................................................................................................... 03

LISTA DE ANEXOS ....................................................................................................... 04

LISTA DE ILUSTRAÇÕES ............................................................................................ 05

LISTA DE TABELAS ..................................................................................................... 06

LISTA DE GRÁFICOS ................................................................................................... 07

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ........................................................................ 08

CONSIDERAÇÕES INICIAIS ........................................................................................ 10

1. DADOS GERAIS ....................................................................................................... 12

2. PALAVRAS CHAVES ................................................................................................ 16

3. AUTORES ................................................................................................................. 19

3.1 Número de Autores ....................................................................................... 19

3.2 Origem dos Autores ...................................................................................... 21

4. TIPOS DE ARTIGOS ................................................................................................. 26

5. DETALHANDO OS RELATOS DE PESQUISA ......................................................... 29

5.1 Participantes da pesquisa ............................................................................. 29

5.1.1 Quem são os participantes da pesquisa .............................................. 29

5.1.2 Número de Participantes ...................................................................... 30

5.2 Tipos de necessidade/deficiência abordadas .............................................. 31

CONSIDERAÇÕES FINAIS .......................................................................................... 33

REFERÊNCIAS ............................................................................................................. 35

ANEXOS ........................................................................................................................ 36

2
RESUMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA


CENTRO DE EDUCAÇÃO
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

RELATÓRIO: “Contribuições do Rio Grande do Sul para a Validação


da Escala de Intensidade de Suporte – SIS no Brasil”
Acadêmica: Isabelle Camargo de Oliveira Andrade
Professora: Sabrina Fernandes de Castro

O presente relatório tem por objetivo descrever a análise realizada no ano de 2017 que
visou aprimorar o referencial teórico do projeto, sendo assim, foi realizado um
levantamento no portal de periódicos da CAPES a fim de atualizar o número de
pesquisas sobre avaliação de pessoas com Deficiência Intelectual. Para iniciar o
trabalho, foi realizada uma pesquisa nos meses de junho e julho, como filtro foi utilizado
últimos dez anos. Os descritores foram: avaliação e deficiência mental, com um total de
555 trabalhos, e avaliação e deficiência intelectual foram encontrados 333. Após uma
análise dos títulos e palavras-chaves foram encontrados 24 trabalhos que possuem
relação direta com a temática do projeto. Assim com a finalização do trabalho, é
possível conhecer as demais pesquisas que abordam a questão da avaliação de
pessoas com deficiência intelectual, e desta forma relacionar os avanços que se pode
ter a partir da análise dos dados coletados durante o desenvolvimento da pesquisa. Commented [ICdOA1]: Avaliar se está apropriado.

Palavras - Chaves: Educação Especial; Pesquisa; Periódico.

3
LISTA DE ANEXOS

ANEXO 1 - Normatização da Revista Educação Especial ............................................ 37

ANEXO 2 - Tabela 9 com a relação dos artigos analisados por ano e volume ............. 44

4
LISTA DE ILUSTRAÇÕES

FIGURA 1 - Organização de downloads........................................................................ 10

FIGURA 2 – Desaparecimento de destaques ............................................................... 11

FIGURA 3 – AINDA NADA ........................................................................................... XX

FIGURA 4 – AINDA NADA ........................................................................................... XX

FIGURA 5 – AINDA NADA ........................................................................................... XX

5
LISTA DE TABELAS

TABELA 1 - Dados Gerais ............................................................................................. 14

TABELA 2 - Dados Gerais, por ano e por periódico ...................................................... 15

TABELA 3 - Número de autores por artigo .................................................................... 19

TABELA 4 - Origem dos autores (Instituições) .............................................................. 24

TABELA 5 - Tipos de Artigos ......................................................................................... 27

TABELA 6 - Quem são os participantes da pesquisa ................................................... 29

TABELA 7 - Número de participantes ........................................................................... 30

TABELA 8 - Tipos de Necessidades/deficiência ........................................................... 32

TABELA 9 - Relação dos artigos analisados por ano e volume .................................... 45

6
LISTA DE GRÁFICOS

GRÁFICO 1 - Palavras - Chaves ................................................................................... 17

GRÁFICO 2 - Número de autores por artigo ................................................................. 20

GRÁFICO 3 - Origem dos autores (países) .................................................................. 22

GRÁFICO 4 - Origem dos autores (Estados Brasileiros) .............................................. 23

GRÁFICO 5 - Tipos de Artigos ...................................................................................... 28

7
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

BC - Biblioteca Central

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

CE - Centro de Educação

MEC - Ministério de Educação

RS - Rio Grande do Sul

UFSCar - Universidade Federal de São Carlos

UFSM - Universidade Federal de Santa Maria

A + DI – Avaliação e Deficiência Intelectual

A + DM – Avaliação e Deficiência Mental

8
CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O presente relatório contempla todas as atividades desenvolvidas durante o


primeiro e segundo semestre de 2017, de um levantamento bibliográfico que foi
realizado na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) coordenado pela professora
Sabrina Fernandes de Castro, coordenadora do projeto de pesquisa “Contribuições do
Rio Grande do Sul para a Validação da Escala de Intensidade de Suporte – SIS no
Brasil”.

Estudos sobre periódicos (artigos) científicos não são raros na literatura nacional
e, vêm sendo realizadas por diferentes autores e pesquisadores, como CASTRO (2007)
[...] Neste sentido, a pesquisa baseou-se em um levantamento no portal de periódicos Commented [ICdOA2]: Acrescentar citações.

da CAPES, atualizando o número de pesquisas sobre avaliação de pessoas com


Deficiência Intelectual.

A análise dos artigos seguiu as sugestões e orientações da coordenadora do


projeto que sugeriu os seguintes descritores: Avaliação e deficiência intelectual;
avaliação e deficiência mental, dando seguimento as reuniões semanais que
direcionaram as diretrizes do andamento do estudo, e consequentemente um
acompanhamento do avanço durante toda a realização, desde o levantamento, a leitura
e seleção dos artigos, e por fim na elaboração do protocolo de artigo que foi
devidamente preenchido durante o segundo semestre de 2017. Commented [ICdOA3]: Verificar se está atendendo as
expectativas.
O recorte cronológico do levantamento foi os últimos dez anos, ou seja, de 2007
a 2017. Foram consultados os portais de periódicos da CAPES através da biblioteca Commented [ICdOA4]: Conferir com o Vinicius

digital da UFSM. Para iniciar o trabalho realizou-se um levantamento de todos os


Commented [ICdOA5]: Acrescentar a lista de SIGLAS
artigos disponíveis, inicialmente através dos descritores A + DI, obteve-se um total de
298 artigos, que no decorrer do download aumentaram para um número exato de 333. Commented [ICdOA6]: Acrescentar as SIGLAS

9
Sendo assim, foram baixados todos os 333 artigos. Durante este procedimento, todos
os títulos foram manualmente anotados.

FIGURA 1 – Organização de downloads.

1
Caderno utilizado para anotação de todos os títulos que foram baixados para análise.
10
A anotação manual dos títulos veio a ser útil pois possibilitou a análise dos
artigos em diferentes ambientes, os artigos possuem destaques específicos, onde a
palavra “avaliação” encontra-se destacada na cor rosa, enquanto que “deficiência
intelectual” se destaca na cor verde, e a numeração é salientada pela cor laranja. Pode
ser também um considerável número de títulos destacados no início do levantamento,
que acabou se perdendo no decorrer das análises.

FIGURA 2 – Desaparecimento de destaques Commented [ICdOA7]: Verificar a necessidade desta


imagem

Commented [ICdOA8]: Explicar, como o número de


destaques pode diminuir tanto. Ao ponto de nenhum
descritor ser encontrado nos títulos.

2
Demonstração do quanto os títulos podem se dispersar durante a pesquisa.
11
Observamos que outros estudos trazendo análise e reflexões de periódicos vêm
sendo realizados por diferentes autores, como Jannuzzi (2003), Manzini (2003), Omote
(2003), Hayashi et al (2006).

Destaca-se que no estudo de Hayashi et al (2006), cujo objetivo é “realizar uma


análise dos aspectos formais da comunicação científica na área de Educação Especial
no Brasil” (p. 370), foram avaliadas quatro publicações da área de Educação Especial,
entre elas a Revista Educação Especial. Commented [ICdOA9]: Considerar citações para este
espaço.
Assim, para a apresentação dos resultados da pesquisa, elaboramos este
relatório que está estruturado em [...] Commented [ICdOA10]: Criar uma estrutura.

1. DADOS GERAIS

Foi no século XVII, logo após o início da ciência experimental, que apareceram
os primeiros periódicos científicos. Os cientistas perceberam que o meio de
comunicação até então utilizado para divulgar os resultados de suas pesquisas –
representando pela troca de correspondências – já não se mostrava adequado para a
disseminação das novas descobertas científicas. Em 1665, aparecem simultaneamente
na França e na Inglaterra, as primeiras revistas científicas: o Journal des Sçavants (ou Commented [ICdOA11]: TIRADO DO TEXTO,
REFORMULAR, E CITAR
Journal des Savants, conforme grafia atualizada no começo do século XIX) e o
Philosophical Transactions of the Royal Society of London, ambos ligados às
sociedades científicas da época: a Académie Royale des Sciences de Paris e a Royal
Society of London, conforme assinala Hayashi (2004).

O portal de periódicos CAPES deixa a livre disposição de conteúdo gratuito, no


entanto o conteúdo assinado está disponível para os acessos com IP identificado das
instituições participantes, como a Universidade Federal de Santa Maria. Sendo assim, Commented [ICdOA12]: TEXTO TIRADO DO AVISO
DO SITE DO PERIODICOS CAPES
para realizar a pesquisa, o conteúdo assinado, foi acessado através de um cadastro em
meu nome que me possibilitou ter contato com o material até então restrito. Commented [ICdOA13]: Escrito por mim. Adequar ao
corpo do texto

12
Assim, como informado, foram encontrados 888 artigos, após… 24.

que serão detalhados a seguir

TABELA 1 - Dados Gerais

Número de Número Número Número


Ano
Revistas de artigos de página de autores

2002 2 21 254 41

2003 2 16 202 24

2004 2 21 219 32

2005 2 24 280 35

2006 2 26 366 51

Total 10 108 1321 186

Em relação ao número de artigos publicados ao ano, a Revista de Educação


Especial, vem publicando mais de 20 artigos em seus dois volumes anuais. Apenas, no
ano de 2003, o número de artigos publicados foi inferior, tendo apenas 16 artigos
publicados. Desse modo, de 2002 a 2006 foram encontrados 108 artigos.

2. PALAVRAS - CHAVES

Os resumos apresentados no periódico mostraram uma grande diversidade de


estilos, e muitos, ficaram a quem, em relação a uma estrutura mínima que é necessária
para um trabalho acadêmico.

Assim, como indicativos dos temas abordados nos artigos da revista, realizamos
um levantamento das palavras-chaves. Nos 108 artigos analisados encontramos 348

13
palavras-chaves. Das quais 21 apresentam mais de três incidências, 24 apresentam
duas incidências e 117 apresentam uma incidência. Vejamos, na próxima página, o
gráfico 1 com as palavras-chaves encontradas.

GRÁFICO 1 - Palavras - Chaves

14
Outro tema com grande incidência é Altas Habilidades/Superdotação. Nesse caso,
relacionamos o fato de que a Instituição ligada ao periódico realizou no ano de 2006 um
evento nessa área onde inúmeros palestrantes e conferencistas publicaram suas
produções no periódico. Historicamente sabemos que a questão das Altas
Habilidades/Superdotação não tem muito espaço para pesquisa na área da Educação
Especial em nosso país. Por isso, é importante evidenciar o grande valor para área
dessa incidência temática.

Sendo um periódico na área da Educação as palavras ligadas a essa temática são


em grande número: Educação (18), Escolas (10), Formação de professores (9),
Profissão de Professor (6), demonstra que se vem focado a questão Escolar.

3. AUTORES

3.1 Número de Autores

Nas tabela 1 e 2, visualizamos o número de autores por ano no período analisado.


Porém, buscamos nesse estudo verificar também o número de autores em cada artigo,
a origem e instituição de procedência desses autores. Essas categorias, acima citadas,
surgiram com a necessidade de caracterizar como os pesquisadores vêm trabalhando,
individualmente ou em parcerias, e quais Instituições ou locais de maior incidência de
pesquisas publicadas no periódico.

Assim, na tabela 3 visualizamos a maneira como os pesquisadores vem


trabalhando e publicando nesse periódico. Sendo que esta tabela está construída por
ano de análise e pelas categorias: Um autor, dois, três, quatro e cinco autores.

TABELA 3 - Número de autores por artigo:

15
Um Dois Três Quatro Cinco TOTAL de
Ano
autor autores autores autores autores autores

2002 6 10 3 2 X 43

2003 10 5 X 1 X 24

2004 11 9 X 1 X 33

2005 14 9 1 X X 35

2006 9 12 3 1 1 51

TOTAL 50 45 7 5 1 186

Nessa tabela fica vislumbrado que existe uma predominância de artigos


publicados individualmente ou em pequenas parcerias, 95 artigos. Em relação a
publicações individuais surgiram-nos duas inquietações: Será que as imposições, em
relação ao número de publicação, das agências de fomento não leva aos
pesquisadores a realizarem trabalhos que possam ser publicados mais rápido, sendo o
trabalho individual uma maneira mais fácil para isso? Outro fator poderia ser a
valorização, por essas agências, de publicações individuais em detrimento das
parcerias em grupos maiores.

Logo abaixo temos o gráfico 2 que nos apresenta a sistematização do total de


números de autores por artigo durante todo o período pesquisado.

GRÁFICO 2 - Número de autores por artigo

16
No gráfico 2, fica evidenciado, que a produção de artigo, muitas vezes, não
acontece como resultado de investigações que envolvem muitos pesquisadores. Outra
questão desvelada nesse trabalho, em relação aos números de autores é que, muitas
vezes, quando a publicação é realizada por dois autores, são resultantes dos trabalhos
realizados nos Programas de Pós-Graduação.

Assim, do total de 186 autores: Encontramos 50 autores que trabalharam


individualmente, 45 duplas, 7 trios, 5 grupos de quatro e um grupos de cinco.

3.2 Origem dos Autores

Sobre a origem dos artigos, optamos primeiramente por apresentar figura e


gráficos que representem os locais (países e estados) de origem, e posteriormente
dados sobre as Instituições dos autores.

FIGURA 5 - Origem dos autores

17
Assim, a figura 5 mostra o mapa do Brasil com os Estados e as bandeiras dos
países que tiveram autores publicando no periódico de 2002 a 2006.

Neste sentido, o gráfico 3 evidência a presença de artigos oriundos de outros


países, quais sejam: Alemanha, Espanha e Portugal. Ainda assim, o Brasil responde
por 96% dos artigos publicados.

GRÁFICO 3 - Origem dos autores (países)

18
Uma das orientações para publicação nesse periódico permite que os textos sejam
escritos, além do idioma português, em espanhol, francês, inglês, alemão ou italiano.
No período analisado encontramos somente dois textos em espanhol, e nenhum nas
demais línguas estrangeiras.

O gráfico 4, na próxima página, mostra a origem dos autores por Estado no nosso
país. Considerando que a Revista de Educação Especial é ligada diretamente à
Universidade Federal de Santa Maria no Rio Grande do Sul, temos o maior número de
textos publicados por autores (67%) desse estado. O Estado de São Paulo é o segundo
com um índice de publicação de 12%.

Destacamos a inexistência de artigos da região Norte e a baixa incidência da


região Nordeste. Sendo a prevalência da região Sul com 134 autores.

Não podemos pensar que por isso, não se vem realizando estudos e pesquisas na
área nos outros estados e regiões do País. O que devemos é dar atenção à
necessidade de apresentar esse periódico como mais uma possibilidade para a
publicação de trabalhos que sejam importantes para área, independentemente, da
região onde o mesmo se concretizou.

GRÁFICO 4 - Origem dos autores (Estados Brasileiros)

19
1% 1%

3% 3% 1% 1%
3%
4%
4%

12%

68%

Rio Grande do Sul - 121 (68%) São Paulo - 22 (12%) Santa Catarina - 7 (4%)
Rio de Janeiro - 7 (4%) Paraná - 6 (3%) Brasília - 6 (3%)
Mato Grosso do Sul - 6 (3%) Minas Gerais - 2 (1%) Paraíba - 1 (1%)
Bahia - 1 (1%) Não especificado - 1 (1%)

A tabela 4, na página seguinte, apresenta as Instituições de procedência dos


autores. Dos 186 autores, dois não especificaram a instituições de origem. Assim, dos
184 autores que especificaram encontramos 41 instituições diferentes. Mais uma vez
evidência a origem do periódico, a UFSM. Destaca-se que dentre as 41 instituições
temos 2 autores da Secretária de Educação Especial do MEC, e apenas um artigo com
autor proveniente de escola de Educação Básica. O que, a nosso ver, demonstra a
carência de pesquisadores provenientes das Escolas Básicas.

TABELA 4 - Origem dos autores (Instituições)

Origem dos autores (Instituições)

Universidade Federal de Santa Maria - UFSM 82

Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS 13

20
Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ 8

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC – RS 7

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS 5

Centro Universitário Franciscano - UNIFRA 5

Universidade Federal de São Carlos - UFSCar 5

Universidade Estadual Paulista - UNESP (Marília) 5

Universidade Estadual Paulista - UNESP (Presidente Prudente) 4

Universidade de Passo Fundo - UPF 3

Faculdades de Palmas - FACEPAL 3

Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ 3

Universidade de Zaragoza (Espanha) 3

Universidade de Brasília - UNB 3

Universidade Comunitária Regional de Chapecó - UNOCHAPECÓ 3

Centro Universitario Salesiano Auxilium 2

Universidade Estadual de Londrina - UEL 2

Martin-Luther-Univesity (Alemanha) 2

Universidade Federal Fluminense - UFF 2

Secretária de Educação Especial (SEESP/MEC) 2

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC 2

As instituições: Escola Estadual de Educação Básica de São Pedro do Sul,


Universidade de Santa Cruz do Sul, Universidade Luterana do Brasil, Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo, Pontifícia Universidade Católica (Campinas),
Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC - Presidente Prudente),
Universidade Estadual de Campinas, Universidade de São Paulo, Universidade São
21
Francisco, Universidade Federal do Paraná, Escola Nacional de Saúde Pública e
Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio e Fundação
Oswaldo Cruz, Universidade de Barcelona (Espanha), Universidade Técnica de Lisboa
(Portugal), Pontifícia Universidade Católica, Universidade Federal de Lavras,
Universidade da Paraíba, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Universidade
Regional de Blumenau e Universidade Estadual de Feira de Santana apareceram uma
vez.

Assim, dos 186 autores que publicaram nesse periódico nos últimos 5 anos
encontramos 41 instituições diferentes, sendo que a grande maioria é dos Estados da
região Sul.

22
4. TIPOS DE ARTIGO

PODE DEIXAR ISSO NO RELATÓRIO: Com a análise dos tipos de artigos


identificamos os seguintes gêneros textuais no periódico: Relato de Pesquisa (RP),
Teóricos, Posicionamento e Aspectos Históricos (AH).

Para um melhor entendimento definimos esses gêneros da seguinte maneira:

 Relato de Pesquisa: trabalhos tanto em nível de graduação, iniciação cientifica,


até teses de doutorado, segundo Günther (2004):

Embora este texto tenha sido concebido de


trabalhos baseados em dados empíricos, aplica-se
igualmente a trabalhos fundamentados em dados
secundários, como arquivos ou resenhas de
literatura. Neste texto, empírico refere-se a
quaisquer trabalhos que colecionem, sistematizem,
analisem, avaliem e sumarizem dados, sejam
coletados pelo autor ou secundários (e.g., de fontes
e arquivos estatísticos públicos) ou trabalhos
empíricos submetidos a uma metaanálise qualitativa
- a revisão de literatura - ou quantitativa (p. 02).

 Teóricos: são textos de análise de construtos teóricos, baseado unicamente em


referências bibliográficos.

 Posicionamento: identifica-se por ser um texto caracterizado como ensaio. O


objetivo desse artigo é instituir debate, discutir, emitir opinião, posicionar-se,
geralmente sobre algum tema polêmico.

 Aspectos históricos: definimos esses artigos como sendo textos que relatam
acontecimentos, que abordam, por exemplo, história de instituições, memórias ou
biografias.

23
Assim, na tabela 5 podemos observar a distribuição dos tipos de artigos por ano
de publicação do periódico.

TABELA 5 - Tipos de Artigos

Tipos de artigos

Relato de Aspectos
Ano Teóricos Posicionamento TOTAL
Pesquisa Históricos

2002 18 2 X 1 21

2003 9 6 1 X 16

2004 11 8 2 X 21

2005 8 12 2 2 24

2006 14 12 X X 26

TOTAL 60 40 5 3 108

Essa tabela desvela que na maioria dos anos estudados o relato de pesquisa foi o
tipo de artigo que apresentou maior incidência, 60 artigos. Talvez, pelo fato, de que
muitas publicações estão relacionadas aos resultados de trabalhos realizados nos
meios acadêmicos, principalmente nos Programas de Pós - Graduação.

Os artigos teóricos, também, apresentam uma grande incidência, 40 artigos. Os


demais, posicionamento e aspectos históricos tiveram uma baixa incidência,
respectivamente, 5 e 3 artigos. Nos anos de 2002 e 2006 não houve artigos
classificados como de posicionamento, bem como nos anos de 2003, 2004 e 2006 não
houve artigos do tipo aspectos históricos.

Neste contexto, o gráfico 5 mostra de forma mais clara os dados apresentados na


tabela 5.

24
GRÁFICO 5 – Tipos de Artigos

Assim, conforme o contexto histórico da revista, ela se propõe a divulgação de


pesquisas acadêmicas na área de Educação Especial, sendo um importante meio
nacional na divulgação e publicação de relatos de pesquisas.

Para uma melhor compreensão do perfil da revista, construímos um tópico


denominado “Detalhando os Relatos de pesquisa” onde apresentamos alguns dados
desse tipo de artigo. Vejamos, pois, a seguir.

25
5. DETALHANDO OS RELATOS DE PESQUISA

Para um melhor entendimento desse tópico, Detalhando os relatos de pesquisa,


dividimos a apresentação em duas partes principais, quais sejam: Participantes da
pesquisa e Tipos de necessidade/deficiência abordadas.

Vejamos, então, os Participantes da pesquisa:

5.1 Participantes da pesquisa

5.1.1 Quem são os participantes da pesquisa

Dos 60 relatos de pesquisa 41 especificam claramente os sujeitos da pesquisa.


Vejamos a tabela 6.

TABELA 6 – Quem são os participantes da pesquisa

Participantes da pesquisa
Alunos 10
Professores 8
Pessoas com deficiência 6
Escolas (Equipe pedagógica,
4
Professores, Alunos e Famílias)
Alunos e professores 3
Crianças 3

26
Famílias 3
Famílias, professores e instrutor de
1
LIBRAS
Professores, educadores especiais e
1
instrutor de LIBRAS
Profissionais, alunos e pais 1
Coordenadores de cursos 1
TOTAL 41

Os alunos são os que mais participaram das pesquisas relatadas no periódico,


estando presente em quatro categorias da tabela: alunos (10), escolas (4), alunos e
professores (3) e profissionais, alunos e pais (1), estando presente assim em 18
pesquisas.

Os professores estão em cinco categorias, totalizando 17 participações:


Professores (8), escolas (4), alunos e professores (3), famílias, professores e instrutor
de LIBRAS (1) e professores, educadores especiais e instrutor de LIBRAS (1).

5.1.2 Número de Participantes

Dos 60 RP, apenas 22 estudos deixam claro o número de participantes da


pesquisa, vejamos a tabela 7:

TABELA 7 - Número de participantes

Número de Participantes
Número de pessoas Número de artigos
1 1
3 4

27
4 2
5 2
6 1
9 1
11 2
14 2
15 1
18 1
20 1
30 1
102 1
163 1
416 1
TOTAL 22

Podemos observar que a incidência maior é de estudos com um número reduzido


de participantes, apenas três estudos tiveram mais de 100 participantes.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

No primeiro semestre de 2007 nos defrontamos com a atividade de analisar um


periódico na área da Educação Especial, mais que um desafio, tivemos a oportunidade
de conhecer não só a Revista Educação Especial, mas também outros periódico na
área.

28
Nossa tarefa se concentrou na Revista Educação Especial: foram 10 volumes, 41
instituições, 108 artigos, 186 autores, 348 palavras-chaves. Conseguimos ter uma visão
geral da revista nos últimos 5 anos, destacando as tendências de pesquisa e
publicação nesse periódico.

Algumas conclusões:

1) A temática Inclusão é a maior tendência de publicação nesse periódico. Outro


tema muito publicado é Altas Habilidades/Superdotação. As palavras ligadas a
Educação são em grande número: Educação (18), Escolas (10), Formação de
professores (9), Profissão de Professor (6);

2) No periódico há uma predominância de artigos publicados individualmente ou


em pequenas parcerias. De 186 autores: 50 trabalharam individualmente e 90
trabalharam em duplas (45 duplas no total);

3) Além do Brasil, encontramos autores da Alemanha, Espanha e Portugal;

4) Dos 184 autores que especificaram as instituições encontramos 41 instituições


diferentes. Destaca-se que dentre essas 41 instituições temos 2 autores da Secretária
de Educação Especial do MEC, e apenas um artigo com autor proveniente de escola de
Educação Básica;

5) Dos 108 artigos encontrados 60 são relatos de pesquisa, 40 teóricos, 5 de


posicionamento e 3 de aspectos históricos;

6) Dos 60 relatos de pesquisa 41 especificam claramente os sujeitos da pesquisa.


Os alunos são os que mais participaram das pesquisas relatadas no periódico;

7) A incidência maior é de estudos com um número reduzido de participantes,


apenas três estudos tiveram mais de 100 participantes.

Ao finalizarmos essa atividade concluímos que o periódico vem sofrendo inúmeras


mudanças nos últimos anos, desde o designe gráfico, conselho editorial até a
normatização. Possui atualmente uma classificação C-Nacional qualis CAPES, o que
demonstra sua importância no cenário atual da Educação Especial no país.

29
Para concluir, gostaríamos, sobretudo, de destacar a importância dessa atividade
para nossa formação enquanto pesquisadores em Educação Especial, essa tarefa toma
maior relevância quando nos defrontamos com as pesquisas que estão sendo
realizadas e com a possibilidade de conhecermos os diferentes meios de disseminação
das nossas produções.

30
REFERÊNCIAS

FREITAS, S. N. Considerações Acerca da Produção de Artigos Científicos em


Educação Especial: Uma Análise da Revista Educação Especial CE/UFSM. In: II
Congresso Brasileiro de Educação Especial e II Encontro da Associação Brasileira de
Pesquisadores em Educação Especial, dispositivo 7, color, arquivo pessoal, São
Carlos/SP, 2005.

GÜNTHER, H. Como elaborar um relato de pesquisa (Série: Planejamento de


Pesquisa nas Ciências Sociais, Nº 02). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia
Ambiental. Disponível na URL www.unb.br/ip/lpa/pdf/02Sugestoes.pdf, 2004.

HAYASHI M. C. P. I. Et. al. Avaliação de Aspectos Formais em Quatro Periódicos


Científicos na Área de Educação Especial. In: Revista Brasileira de Educação
Especial, Marília, v.12, n.3, Set. - Dez. 2006, p. 369-392.

JANNUZZI, G. S. de. Algumas Reflexões sobre a Revista Brasileira de Educação


Especial. In: Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 09, n. 1, Jan. - Jun.
2003, p. 07 - 12.

MANZINI, E. J. Análise de Artigos da Revista Brasileira De Educação Especial


(1992 - 2002) In: Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 09, n. 1, Jan. -
Jun. 2003, p. 13 - 23.

MARQUEZAN, R. Cadernos de Educação Especial. In: Cadernos Educação Especial,


Santa Maria, v. 02, n. 20, 2002, p. 09 - 11.

OMOTE, S. Algumas tendências (ou modismos?) recentes em Educação Especial


e a Revista Brasileira de Educação Especial. In: Revista Brasileira de Educação
Especial, Marília, v. 09, n. 1, Jan. - Jun. 2003, p. 25 - 38.

31
ANEXOS

32
ANEXOS 1

33
ANEXOS 2

34
TABELA 9 - Relação dos 24 artigos analisados por ano e volume

Ano Volume Artigos

RECHICO, Cinara Franco e MORASTEGA, Vera Lucia. (Re) Pensando o Papel


do Educador Especial no Contexto da Inclusão de Alunos Surdos. p. 05 - 10.

NICOLOSO, Cláudia Maria Ferreira e FREITAS, Soraia Napoleão. A Escola


Atual e o Atendimento aos Portadores de Altas Habilidades. p. 11 - 14.

KRUG, Hugo Noberto. A Inclusão de Pessoas Portadoras de Necessidades


Educativas Especiais na Educação Física Escolar. p. 15 - 24.

ORÚS, Marta Liesa. La Necesidad de Reorientar El Rol del Profesor, para


Mejorar la Calidad Docente en La Educacion Secundaria Obligatoria. p. 25 -
36.

STRAPASSON, Aline Miranda, MARTINS, Sandra Mara de Faria Carvalho e


SCHUTZ, Romeu. A Melhora da Amplitude Articular e/ou Manutenção dos
Movimentos em Pessoas Portadoras de Paralisia Cerebral Espástica Através
da Educação Física Adaptada. p. 37 - 44.

19 ALMEIDA, Damiana Machado de e CASARIN, Melânia de Melo. A Importância


do Brincar para a Construção do Conhecimento na Educação Infantil. p. 45 -
54.

CARDOSO Rozane Silva, NUNES, Odila Mara Barcelos e ANDRADE, Carmen


Maria. O jogo Clownesco e sua Dimensão para a Educação dos Portadores
2002 de Necessidades especiais - PNES. p. 55 - 62.

SALLA, Lilian Fenalti e QUINTANA, Alberto Manuel. A Sexualidade Enquanto


Tema Transversal Educadores e Suas Representações. p. 63 - 72.

FACCO, Sonia de Fatima Thomasi, MARQUEZAN, Lorena Inês Peterini e


DUTRA, Claudio Emelson Guimarains. A Pintura e Outras Modalidades
Expressivas, como Facilitadoras do Desenvolvimento Potencial dos
Educandos. p. 73 - 80.

MARQUEZAN, Reinoldo. Relações da sala de Aula. p. 81 - 94.

GUTERRES, Clovis Renan Jacques. A Faculdade Interamericana de


Educação. p. 95 - 113.
SANTAROSA, Lucila Maria Costi. Inclusão Digital: Espaço Possível para
Pessoas com Necessidades Educativas Especiais. p. 13 - 30.

BARBOSA, Maria Vera Lúcia e DEL PRETTE, Zilda Aparecida. Habilidades


Sociais em Alunos com Retardo Mental: análise de necessidades e
20 condições. p. 31 - 54.

PEREIRA, Michele Quinhones e MAROSTEGA, Vera Lucia. Perspectivas


Pedagógicas na Escola de Surdos de Santa Maria. p. 55 - 64.

CARRÃO, Jocimari e JAEGER, Angelita Alice. A Corporeidade de Crianças


com Síndrome de Down Segundo as Representações de seus Pais e Mães.

35
p. 65 - 74.

ALCANTARA GIL, João Pedro, SCHEEREN, Carine, LEMOS, Helen Denise


Daneres e FERREIRA, Simone De Mamann. O Significado do Jogo e do
Brinquedo no Processo Inclusivo: conhecendo novas metodologias no
cotidiano escolar. p. 75 - 88.

OLIVEIRA, Liliane de, ZANCAN, Rubiane Falkenberg, KRUG, Marilia de Rosso e


BATISTELLA, Pedro Antônio. Dança e o Desenvolvimento Motor de
Portadores de Necessidades Educativas Especiais – PNEEs. p. 89 - 96.

ORTIZ, Leodi Conceição Meireles e FREITAS, Soraia Napoleão. Considerações


Acerca da Inclusão Escolar de Crianças Pós-Hospitalizadas. p. 97 - 104.

ZIMMERMANN, Vanusa e CUNHA, Jorge Luiz da. Reinterpretando a Trajetória


da Educação Especial no Rio Grande do Sul, A Partir de suas Memórias. p.
105 - 116.

NAUJORKS, Maria Inês. Stress e Inclusão: indicadores de stress em


professores frente a inclusão de alunos com necessidades educacionais
especiais. p. 117 - 126.

ORUS, Marta Liesa e PIEDRAFITA, Pilar Otal. Proyecto MMM (Miniweb,


Multilingüe, Maxiaprendizaje) Intercambio y Comunicación entre Centros
Educativos de Diferentes Países Vía Internet. p. 127 - 137.
VIEIRA, Nara Joyce Wellausen. A Escola e a Inclusão dos alunos portadores
de altas habilidades. p. 07 - 22.

RODRIGUES, Graciela e ANTUNES, Helenise Sangoi. Alfabetização de Surdos.


p. 23 - 30.

MACHADO, Fabiane Arruda e MARQUEZAN, Reinoldo. O Texto Jornalístico:


desencadeador do desenvolvimento da leitura e escrita da pessoa com
deficiência mental. p. 31 - 38.

TAVARES, Júlio Emerson Baumart e KRUG, Hugo Norberto. Formação do


profissional em Educação Física: um olhar para o processo de inclusão e
21 inserção social. p. 39 - 52.

BARCELOS, Valdo e LEÃO, Débora Ortiz de. Sobre a tolerância e a diferença:


2003 contribuições epistemológicas para o trabalho com pessoas que necessitam
de atenções especiais. p. 53 - 62.

TREVISAN, Neiva Viera e LAMEIRA, Leocadio J. C. R. Formação do educador


para pedagogia nas empresas. p. 63 - 70.

RAYS, Oswaldo Alonso. Ensino - Pesquisa - Extensão: notas para pensar a


indossociabilidade. p. 71 - 86.

AYALA, Eduardo J. Z. Universalismo epistemólogico e pesquisa em


educação. p. 87 - 96.
COLL, César. Atenção à diversidade e qualidade do ensino. p. 07 - 18.

22 COSTA, Valdelúcia Alves da. Educação Escolar Inclusiva: demanda por uma
sociedade democrática. p. 19 - 32.

36
BEYER, Hugo Otto. A Educação Inclusiva: incompletudes escolares e
perspectivas de ação. p. 33 - 44.

PÉREZ, Susana Graciela Pérez Barrera. Mitos e crenças sobre as pessoas


com Altas Habilidades: alguns aspectos que dificultam o seu atendimento.
p. 45 - 60.

MARQUEZAN, Reinoldo, MELO, Angela Meincke, RODRIGUES, Graciela F. e


NOAL, Daniele. Dinâmica de Sala de Aula: uma variável na aprendizagem. p.
61 - 68.

NOGUEIRA, Mário Lúcio de Lima. A cidadania e o desperdício da


inteligência. p. 69 - 80.

NAUJORKS, Maria Inês. Burnout docente no trabalho com a inclusão de


alunos com necessidades educativas especiais. p. 81 - 88.

ROSA, Luiz Carlos N. da. O trabalho e a Formação do Ser Social: tópicos


filosóficos sobre a teoria Histórico-Cultural. p. 89 - 102.
RODRIGUES, David. A Inclusão na Universidade: limites e possibilidades da
construção de uma Universidade Inclusiva. p. 09 - 16.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. O direito à diferença nas escolas – questão


sobre a inclusão escolar de pessoas com e sem deficiências. p. 17 - 24.

SILVA, Fabiany de Cássia Tavares. A Educação Inclusiva: A Educação


Especial em foco. p. 25 - 34.

PEREIRA, Eliana da Costa e FREITAS, Soraia Napoleão. Informática e


Educação Inclusiva: desafios para a qualidade na educação. p. 35 - 44.

THOMA, Adriana da Silva. Sobre a proposta de Educação Inclusiva: notas


para ampliar o debate. p. 45 - 52.

23 KRAUSE, Renate F. Hans Eberwein: críticas ao conceito de educação


especial e integração como uma tarefa do sistema de ensino e da escola. p.
53 - 60.
2004
KRUG, Marilia de Rosso, CASARIN, Juciele Copetti, SOMAVILLA, Lucimara e
BATISTELLA, Pedro Antônio. Estrutura motoras e conduta escolar dos
portadores de deficiência mental - PDMs. p. 61 - 68.

SOUZA, Maria de Lourdes Lunkes de e FREITAS, Soraia Napoleão.


Atendimento do Portador de Altas Habilidades. p. 69 - 76.

LIBERALESSO, Rita de Cacia Borges e GRABAUSKA, Claiton José. Educação


popular e educação social de rua: construindo aproximações. p. 77 - 84.

AYALA, Eduardo J. Z. Temas sobre ciências e pesquisa: seleção de algumas


unidades textuais básicas. p. 85 - 96.
OSÓRIO, Antonio Carlos do Nascimento e OSÓRIO, Alda Maria do Nascimento.
O Direito a educação: os desafios da diversidade social. p. 09 - 22.
24
ALMEIDA, Maria Amélia. Formação do professor para a educação especial:
história, legislação e competências. p. 23 - 32.

37
GLAT, Rosana e PLETSCH, Márcia Denise. Orientação familiar como
estratégia facilitadora do desenvolvimento e inclusão de pessoas com
necessidades especiais. p. 33 - 40.

GOLIN, Andréa Feller e BASTOS, Lia Caetano. Por uma educação inclusiva
para portadores de deficiência visual: um novo olhar. p. 41 - 52.

RAMPELOTTO, Elisane Maria. A invenção da educação especial. p. 53 - 64.

COSTA, Marco Antonio F. e COSTA, Maria de Fátima Barrozo da. Práticas


educativas para o ensino de biossegurança: uma experiência com alunos
surdos. p. 65 - 70.

CARNEIRO, Relma Urel Carbone. O desenvolvimento da noção temporal em


crianças deficientes auditivas. p. 71 - 76.

DORZIAT, Ana. Educação de surdos no ensino regular: inclusão ou


segregação? p. 77 - 86.

ZARDO, Sinara Pollon e FREITAS, Soraia Napoleão. Literatura infantil e


pessoas com necessidades educacionais especiais: estratégias e ações
pedagógicas em discussão. p. 87 - 96.

NAUJORKS, Maria Inês e BARASUOL, Evandir Bueno. Burnout docente no


trabalho com a inclusão de alunos com necessidades educacionais
especiais. p. 97 - 104.

BENETTI, Téoura. A identidade em construção no ensino médio: uma


necessidade e uma possibilidade para o ensino da arte. p. 105 - 112.
BEYER, Hugo Otto. O pionerismo da escola flämming na proposta de
integração (inclusão) escolar na Alemanha: aspectos pedagógicos
decorrentes. p. 09 - 24.

SOUZA, Daniela Cristina Barros de, SANTOS, Danielle Aparecida do


Nascimento dos e SCLÜNZEN, Elisa Tomoe Morija. Uso das tecnologias de
informação e comunicação para pessoas com necessidades educacionais
especiais como contribuição para inclusão social, educacional e digital. p.
25 - 36.

MOREIRA, Laura Ceretta. In(ex)clusão na Universidade: o aluno com


necessidades educacionais especiais em questão. p. 37 - 48.

2005 25 DUEK, Viviane Preichardt e OLIVEIRA, Valeska Fortes de. Inclusão de alunos
com necessidades educacionais especiais no ensino regular:
ressignificando a formação pessoal e profissional da educadora infantil. p.
49 - 58.

RECH, Andréia Jaqueline Devalle e FREITAS, Soraia Napoleão. O papel do


professor junto ao aluno com altas habilidades. p. 59 - 72.

PÉREZ, Susana Graciela Pérez Barrera e STOBÄUS, Claus Dieter. Alberto: um


professor do ensino regular e seu ‘algo mais’ para tender alunos com altas
habilidades/superdotação. p. 73 - 84.

BENISTERRO, Renata Hernandes e JUNIOR, Klaus Schlünzen. A Formação


Continuada de Educadores e as TIC na Profissionalização de Pessoas com

38
Deficiência Visual. p. 85 - 96.

MARQUEZAN, Reinoldo. O outro na relação. p. 97 - 104.

CARVALHO, Sérgio. Família, atendimento especializado e inserção social. p.


105 - 116.

PUCCETTI, Roberta. Articulando: arte, ensino e produção para uma


educação especial. p. 117 - 126.
DUTRA, Claudia Pereira e GRIBOSKI, Claudia Maffini. Gestão para a inclusão.
p. 09 - 18.

CARVALHO, Rosita Edler. Educação Inclusiva: do que estamos falando? p. 19


- 30.

MARQUEZAM, Reinoldo. A inclusão na perspectiva do novo paradigma da


ciência. p. 31 - 42.

HINZ, Andréas e BOBAN, Inês. Da integração para a inclusão? p. 43 - 48.

GUASSELLI, Maristela Ferrari Ruy. Inclusão escolar: um diálogo polifônico. p.


49 - 60.

TONINI, Andréa e COSTAS, Fabiane Adela Tonetto. Escola Inclusiva: o


desvelar de um espaço multifacetado. p. 61 - 74.

BEYER, Hugo Otto. Por que Lev Vygotski quando se propõe uma educação
inclusiva? p. 75 - 82.

26 BITTENCOUR, Ricardo Luiz de. Inclusão de alunos portadores de


necessidades educativas especiais na rede regular de ensino: primeiras
aproximações a partir de Michel Foucault. p. 83 - 90.

EIDELWEIN, Mônica Pagel. Pedagogia universitária voltada à formação de


professores na temática da inclusão. p. 91 - 98.

DAL-FORNO, Josiane Pozzatti e OLIVEIRA, Valeska Fortes de. Ultrapassando


barreiras: professoras diante da inclusão. p. 99 - 106.

SILVA, Karla Fernanda Wunder da e MACIEL, Rosângela Von Mühlen. Inclusão


escolar e a necessidade de serviços de apoio: como fazer? p. 107 - 116.

LUNARDI, Márcia Lise. Surdez: tratar de incluir, tratar de normalizar. p. 117 -


130.

DUBOC, Maria José de Oliveira. A formação do professor e a inclusão


educativa: uma reflexão centrada no aluno surdo. p. 131 - 140.

RAMOS, Daniela Karine. Integrando as diferenças: crianças com


necessidades especiais no ensino regular. p. 141 - 150.
COSTA, Valdelúcia Alves da. A formação do indivíduo com deficiência pela
educação e pelo trabalho. p. 09 - 18.
2006 27
CARVALHO, Sérgio e CARVALHO, Thanon Allebrand. Isenção de Tributos
Estaduais para aquisição de veículo automotor para portador (es) de
deficiência (s): Proposta de um novo olhar e nova redação sobre a

39
legislação vigente. p. 19 - 34.

CARVALHO, Renata Corcini e NAUJORKS, Maria Inês. Representações


sociais: dos modelos de deficiência a leitura de paradigmas educacionais. p.
35 - 50.

ALENCAR, Eunice M. L. Soriano de e FLEITH, Denise de Souza. A atenção ao


aluno que se destaca por um Potencial Superior. p. 51 - 60.

OLIVEIRA, Cyntia Garcia e ANACHE, Alexandra Ayach. A Identificação e o


encaminhamento dos alunos com Altas habilidades/Superdotação em
Campo Grande - MS. p. 61 - 84.

CASTANHO, Denise Molon e FREITAS, Soraia Napoleão. Inclusão e prática


docente no ensino superior. p. 85 - 92.

COSTA, Janaína Cardoso e OLIVEIRA, Sheila Gemelli de. Os principais


obstáculos para integração dos portadores de necessidades especiais nas
escolas de Rede Pública Estadual da cidade de Passo Fundo. p. 93 - 100.

PIECZKOWKI, Tania Mara Zancanaro, LIMA, Abegair Farias de e RUHOFT,


Tatiane. Estimulação Essencial em crianças com necessidades especiais de
zero a três anos. p. 101 - 118.

REGEN, Mina. A instituição família e sua relação com a deficiência. p. 119 -


132.

BRANCHER, Vantoir Roberto, CHENET, Neocleisa e OLIVEIRA, Valeska Fortes


de. O lúdico na Aprendizagem Infantil. p. 133 - 140.

MARQUEZAN, Reinoldo. Aprendizagem: explicações para as dificuldades. p.


141 - 150.

PACHECO, Renata Vaz e COSTAS, Fabiane Adela Tonetto. O Processo de


inclusão de acadêmicos com necessidades educacionais especiais na
Universidade Federal de Santa Maria. p. 151 - 169.
SAHB, Warlley Ferreira. Educação Especial: a Constituição Federal de 1988 e
a Constituição Mineira de 1989. p. 183 - 194.

GUENTHER, Zenita C. Dotação e talento: reconhecimento e identificação. p.


195 - 208.

GERMANI, Larice Bonatto, COSTA, Mara Regina Nieckel da e VIEIRA, Nara


Joyce Wellausen. Proposta de política pública educacional para os alunos
com altas habilidades/superdotação no Estado do Rio Grande do Sul. p. 209
28 - 218.

FLEITH, Denise de Souza. Criatividade e altas habilidades/superdotação. p. 219 -


232.

MOSQUERA, Juan José Mouriño e STOBÄUS, Claus Dieter. Vida adulta:


superdotação e motivação. p. 233 - 246.

CAPOVILLA, Fernando C. e CAPOVILLA Alessandra G. S. Memória em dislexia


do desenvolvimento e surdez congênita: comparando arquiteturas
cognitivas. p. 247 - 264.

40
MAROSTEGA, Vera Lúcia e SANTOS, Angela Nediane dos. A influência da
comunicação que envolve família-filho-escola no processo de
desenvolvimento e aprendizagem do sujeito surdo. p. 265 - 274.

ORMEZZANO, Graciela. A linguagem visual na educação especial. p. 275 -


286.

MARQUEZAN, Reinoldo. Enfoque psicopedagógico na relação família e


escola. p. 287 - 296.

MOLON, Karina Silva e SMEHA, Luciane Najar. Grupo com irmãos de pessoas
com necessidades especiais. p. 297 - 306.

DOMINGUES, Taciano Luiz Coimbra e CAVALLI, Mariana Rosa. Inclusão


escolar, subjetividade e docência. p. 307 - 318.

FURINI, Anselmo Barce. Processo de inclusão na escola regular: panorama


de percepções. p. 319 - 328.

VIEIRA, Camila Mugnai, CORDEIRO, Mariana Prioli, SCOPONI, Renata de Souza


e FERREIRA, Solange Leme. Deficiência mental e autonomia: análise do
discurso de jovens em um grupo de teatro. p. 329 - 340.

MANZINI, Eduardo José, PAULINO, Vanessa Cristina, CORRÊA, Priscila Moreira,


SILVA, Michele Oliveira da e LOPES, Mara Aparecida de Castilho. Análise de
dissertações e teses em educação especial produzidas no Programa de Pós-
Graduação em Educação da UNESP - Marília (1993-2004). p. 341 - 364.

41