Você está na página 1de 447

Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 1

SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal - Atualização: 26/05/2011

MANUAL DO USUÁRIO

APRESENTAÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

A - Legislação Básica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
A.01 - Funcionalismo no Poder Público. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
A.02 - Condições para provimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
A.03 - Agentes Públicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
A.03.01 - Espécies de agentes públicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
A.04 - Regime Jurídico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
A.05 - Classificação dos agentes públicos de acordo com o regime jurídico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
A.06 - Regime Previdenciário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

B - Cálculos Trabalhistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
B.01 - Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
B.02 - Cálculo do Sistema Remuneratório. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
B.03 - Cálculo da Contribuição Previdenciária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
B.04 - Cálculo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
B.05 - Cálculo do Salário Família.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
B.06 - Cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
B.07 - Obtenção de Avos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
B.08 - Cálculos de Médias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
B.09 - Faltas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

C - Instalação do SIP e Configuração Inicial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35


C.01 - Sistema Recomendável. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

C.02 - Instalação do Setup. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35


C.02.01 - Seleção do Diretório de Destino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
C.02.02 - Seleção de Componentes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
C.02.03 - Grupo de Instalação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
C.02.04 - Pronto para Instalar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
C.02.05 - Instalando. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
C.02.06 - Finalizando a Instalação do Setup do SIP 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
C.02.07 - Primeiro Acesso - Login de Usuário para Acesso ao SIP 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

C.03 - Instalação do Firebird Fiorilli (2.1). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39


C.03.01 - Contrato de Licença de Uso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
C.03.02 - Informação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
C.03.03 - Selecione o Local de Destino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
C.03.04 - Selecionar Componentes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
C.03.05 - Selecionar a Pasta do Menu Iniciar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
C.03.06 - Selecionar Tarefas Adicionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
C.03.07 - Pronto para Instalar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
C.03.08 - Instalando. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
C.03.09 - Informação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
C.03.10 - Finalizando o Assistente de Instalação do Firebird Fiorilli. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

C.04 - SIPCON - Assistente de Configurações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42


C.04.01 - Sistema Operacional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
C.04.02 - Banco de Dados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
C.04.03 - Conexão com Dados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
C.04.03.01 - Preparação para Conexão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
C.04.03.02 - Porta de Comunicação do Firebird. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
C.04.03.03 - Liberação do Firewall para Rede. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
C.04.03.04 - Efetivando a Conexão com o Banco de Dados SIP.FDB. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 2

C.04.03.05 - Conexão com o Banco de Dados da Secretaria SSE.FDB. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44


C.04.03.06 - Conexão com o Banco de Dados CEP.FDB. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
C.04.04 - Servidor de Aplicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
C.04.04.01 - Servidor Cadastro Único. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
C.04.05 - Compartilhamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
C.04.06 - Outras Funções do SIPCon. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

C.05 - Atualização do SIP 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46


C.05.01 - Atualizar Módulos do SIP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
C.05.02 - Atualização do Banco de Dados - SIPDEF. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
C.05.03 - Atualizar SIPDownload. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
C.05.03.01 - Parâmetros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
C.05.03.02 - Sobre. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

C.06 - Backup. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
C.06.01 - Realizar Backup . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
C.06.02 - Restaurar Backup. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
C.06.03 - Agendamento de Backup Automático. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
C.06.04 - Verificar Log. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
C.06.05 - Adicionar outros Arquivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
C.06.06 - Backup / Restauração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
C.06.06.01 - Conversão de Versão de Firebird. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
C.06.07 - Dicas para Restaurar o Backup Rapidamente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
C.06.08 - Apenas Enviar para FTP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

C.07 - Instalação SIPWeb - Módulo de Internet. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54


C.07.01 - Condições gerais para a Instalação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
C.07.02 - Instalando os Componentes de Suporte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
C.07.03 - Preparando o Banco de Dados do Sistema para Uso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
C.07.04 - Criando a Aplicação no IIS e Preparando o SIPWeb para Uso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
C.07.05 - Configurando o IIS para Usar a Porta 5656. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
C.07.06 - Arquivo de Configuração “Fiorilli SIP.XML”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
C.07.06.01 - Conteúdo do arquivo Fiorilli SIP.XML. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
C.07.07 - Testando a Instalação do SIP Web. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

C.08 - Usuários e Log do Sistema. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59


C.08.01 - Inclusão de Usuários. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
C.08.02 - Perfil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
C.08.03 - Permissão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
C.08.04 - Permissão Individual por Usuário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
C.08.05 - Alteração ou Exclusão de um Usuário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

D - Referências Modulares - Módulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

D.01 - Padronizações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
D.01.01 - Barra de Status dos Módulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
D.01.02 - Botões Laterais, Botões de Referência e Campos de Referência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
D.01.03 - Menu de Acesso Padronizado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
D.01.03.01 - Localização do menu de acesso conforme a descrição do título da tela quando
acionado um Botão de Referência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
D.01.04 - Botões de auxílio: atalho para tópico de ajuda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
D.01.05 - Telas de Cadastro Padronizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
D.01.05.01 - Botões das Telas de Cadastro e Teclas de Atalho correspondentes . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
D.01.05.02 - Funções de outras teclas de atalho para uso em cadastro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
D.01.05.03 - Botão “Validação de Campos” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
D.01.05.04 - Botão “Notas e Lembretes de Campos” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
D.01.05.05 - Botões de Navegação da Lista de Dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
D.01.05.06 - Lista de Dados (Grid) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
D.01.05.06.01 - Menu de Contexto da Lista de Dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
D.01.06 - Telas de Relatório Padronizadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
D.01.06.01 - Ordem e Agrupamento por Seleção Simples ou Caixa de Diálogo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 3

D.01.06.02 - Opções de Visualização dos Relatórios .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76


D.01.07 - Filtro de Pesquisa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
D.01.08 - Padronização para Exportações de Arquivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93

D.I - Módulo Principal SIP 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94


D.I.1 - Utilitários. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
D.I.1.1 - Consulta SQL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
D.I.1.2 - Chave de Habilitação do Sistema. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
D.I.1.3 - LOG do Sistema. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
D.I.1.4 - Módulo em 800 x 600. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
D.I.1.5 - Corrigir Código da Cidade para RAIS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
D.I.1.6 - Bloquear Módulo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
D.I.1.7 - Listar Módulos Abertos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
D.I.1.8 - SIP - RPPS - Importação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
D.I.2 - Backup. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
D.I.3 - Atualização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
D.I.3.1 - Acesso www.fiorilli.com.br. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
D.I.3.2 - Novidades. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
D.I.4 - Ajuda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
D.I.4.1 - Tópicos de Ajuda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
D.I.4.2 - Sobre. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102

D.II - Módulo Folha de Pagamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103


D.II.1 - Parâmetros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
D.II.1.1 - Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
D.II.1.1.1 - Endereço da empresa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
D.II.1.1.2 - Dados para RAIS no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
D.II.1.1.3 - Dados para Previdência no Cadastro de Empresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
D.II.1.1.4 - Dados para o FGTS no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
D.II.1.1.5 - Dados para Férias no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
D.II.1.1.6 - Dados para Mensagens no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
D.II.1.1.7 - Dados para o SIPREV no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
D.II.1.1.8 - Dados para Cálculos no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
D.II.1.1.8.1 - Dados para cálculos do Vale Transporte do Trabalhador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
D.II.1.1.8.2 - Dados para cálculos relativos à mudança automática na referência de
salário registrada no Cadastro Trabalhador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
D.II.1.1.8.3 - Dados sobre Frequência de Faltas no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
D.II.1.1.8.4 - Outras Configurações para Cálculos no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . 127
D.II.1.1.8.5 - Cálculo do CNAE Preponderante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
D.II.1.1.8.6 - Cálculo do Tempo de Serviço. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
D.II.1.1.9 - Outros Dados no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
D.II.1.1.9.1 - SIP - RPPS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
D.II.1.1.10 - Assinaturas no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
D.II.1.1.11 - Horistas no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133

D.II.1.1.12 - Configuração do Cálculo de Folha Complementar no Cadastro de Empresas. . . . . . . . 135


D.II.1.1.12.01 - Tipos de Folha Complementar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
D.II.1.1.12.02 - Folha Complementar de Rescisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

D.II.1.1.13 - Dados para o 13º Salário no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140


D.II.1.1.13.01 - Complemento do 13º Salário no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146

D.II.1.1.14 - Dados para Licença Prêmio no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148

D.II.1.1.15 - Opções gerais no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151


D.II.1.1.15.01 - Margem Consignável. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
D.II.1.1.15.02 - Tipo de Exclusão de Evento de Convênio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
D.II.1.1.15.03 - Controle Diário de Horas Extras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
D.II.1.1.15.04 - Renovar opção de adiantamento do 13º salário em janeiro pelo vínculo. . . . . . . . 153
D.II.1.1.15.05 - (Rateio) Informar Unidade de Custeio Alternativa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
D.II.1.1.15.06 - Empresa empenha recibo de férias pelo líquido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 4

D.II.1.1.15.07 - Controlar vagas de acordo com o cargo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

D.II.1.1.16 - SCPI para Autônomos no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155


D.II.1.1.17 - SIP Web no Cadastro de Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

D.II.1.2 - Abrir Empresa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156

D.II.1.3 - Cadastro do Responsável pelas Informações Eletrônicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156

D.II.1.4 - Configurar Integração Contábil SCPI 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156


D.II.1.4.1 - Contabilização da Folha de Pagamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
D.II.1.4.2 - Classificação do evento com relação ao lançamento contábil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
D.II.1.4.3 - Integração das fichas de natureza das despesas no Departamento Pessoal. . . . . . . . 158
D.II.1.4.4 - Configurando uma integração contábil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162

D.II.1.5 - Cadastro de Eventos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163


D.II.1.5.1 - Criando um evento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
D.II.1.5.2 - Configurando uma fórmula de cálculo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
D.II.1.5.3 - Configurando uma remuneração baseada no tempo de serviço. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
D.II.1.5.4 - Opções gerais para um evento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
D.II.1.5.5 - Incidências de eventos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
D.II.1.5.5.1 - Incidências de Previdência, FGTS, Salário Família e IRRF. . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
D.II.1.5.5.2 - Incidências para cálculos do tipo Férias, Licença-Prêmio e 13º salário. . . . . . . . 178
D.II.1.5.5.3 - Incidências para afastamentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
D.II.1.5.5.4 - Incidências para informações anuais (DIRF e RAIS). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
D.II.1.5.6 - Informações para contabilização da remuneração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
D.II.1.5.7 - Classificação no Informe de Rendimentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
D.II.1.5.8 - Informações diversas para o cálculo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
D.II.1.5.9 - Botão “Documentos Legais do Evento”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
D.II.1.5.10 - Botão “Filtros para Cálculos”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182

D.II.1.6 - Tabelas de Previdência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183


D.II.1.6.1 - Cadastro de alíquota do INSS/IRRF Nacional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
D.II.1.6.2 - Cadastro de alíquota da Previdência Municipal (Fundo). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
D.II.1.6.3 - Cadastro de alíquota do INSS/IRRF para aposentados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
D.II.1.6.4 - Tabela de Previdência para Salários Benefícios (aposentados). . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
D.II.1.6.5 - Tabela de Previdência do Usuário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

D.II.1.7 - Cadastro de alíquota do IRRF. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

D.II.1.8 - Salário Família. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186


D.II.1.8.1 - Salário Família Nacional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
D.II.1.8.2 - Salário Família Municipal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186

D.II.1.9 - Cadastro de Cargos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187


D.II.1.10 - Cadastro de Salários. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
D.II.1.11 - Cadastro de Vínculos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193

D.II.1.12 - Contas Bancárias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202


D.II.1.12.1 - Diagrama bancário do SIP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
D.II.1.12.2 - Cadastro de Agências Bancárias da empresa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
D.II.1.12.3 - Cadastro de Contas da empresa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
D.II.1.12.4 - Cadastro de Convênios Bancários da empresa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
D.II.1.12.5 - Cadastro de Layouts Bancários. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
D.II.1.12.5.1 - Configurações para layout do Banco Banespa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
D.II.1.12.5.2 - Configurações para layout do Banco Bradesco. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
D.II.1.12.5.3 - Configurações para layout do Banco do Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
D.II.1.12.5.4 - Configurações para layout da Caixa Econômica Federal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
D.II.1.12.5.5 - Configurações para layout da Nossa Caixa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
D.II.1.12.5.6 - Configurações para layout do Banco HSBC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
D.II.1.12.5.7 - Configurações para layout do Banco da Amazônia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 5

D.II.1.12.5.8 - Configurações para layout do Banco do Estado do Pará. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210


D.II.1.12.5.9 - Configurações para layout do Banco Sicred. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
D.II.1.12.5.10 - Configurações para layout do Banco Real ABN AMRO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
D.II.1.12.5.11 - Configurações para layout do Banco Itaú. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211

D.II.1.13 - Causas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211


D.II.1.13.1 - Abatimentos aonforme afastamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
D.II.1.13.2 - Cód. Saque para afastamento informado na rescisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212

D.II.1.14 - Duração de gozo conforme faltas injustificadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212

D.II.1.15 - Lotação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213


D.II.1.15.1 - Cadastro de Divisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
D.II.1.15.2 - Cadastro de Subdivisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
D.II.1.15.3 - Cadastro de Unidades/Custeio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
D.II.1.15.4 - Cadastro de Local de Trabalho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
D.II.1.15.5 - Cadastro de Arquivo da Ficha do Trabalhador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214

D.II.1.16 - SIPREV - Tabelas Padronizadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214


D.II.1.16.1 - Cadastro de Benefícios do SIPREV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
D.II.1.16.2 - Cadastro de Motivos de Início de Dependência do SIPREV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
D.II.1.16.3 - Cadastro de Motivos de Fim de Dependência do SIPREV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
D.II.1.16.4 - Cadastro de Tipo de Dependência do SIPREV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
D.II.1.16.5 - Cadastro de Situação Previdenciária do SIPREV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
D.II.1.16.6 - Cadastro de Vínculos de Órgãos do SIPREV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
D.II.1.16.7 - Cadastro de Situação Funcional do SIPREV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215

D.II.1.17 - Vale Transporte - Empresas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215

D.II.1.18 - Mais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216


D.II.1.18.1 - Cadastro de Categorias da SEFIP (Parâmetros p/ Autônomos). . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
D.II.1.18.2 - Cadastro de Tipo de Documento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
D.II.1.18.3 - Cadastro de Tipos de Documentos Legais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
D.II.1.18.4 - Cadastro de Conselhos Regionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
D.II.1.18.5 - Cadastro de Médicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
D.II.1.18.6 - Cadastro de Categoria Funcional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
D.II.1.18.7 - Cadastro de Eventos Complementares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
D.II.1.18.8 - Cadastro de Sindicatos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
D.II.1.18.9 - Código de Afastamento Reduzido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219
D.II.1.18.10 - CNAE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220
D.II.1.18.11 - Eventos para efeito de TRCT. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220
D.II.1.18.12 - Banco de Horas - Parâmetros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221

D.II.2 - Manutenção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223


D.II.2.1 - Cadastro de Trabalhadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
D.II.2.1.1 - Iniciando o Cadastro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
D.II.2.1.2 - Botão “Dados Cadastrais” (Guias). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
D.II.2.1.2.1 - Guia “Dados Pessoais”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
D.II.2.1.2.2 - Guia “Admissão / Contrato”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
D.II.2.1.2.3 - Guia “Cartão de Ponto”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
D.II.2.1.2.4 - Guia “Lotação”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
D.II.2.1.2.5 - Guia “Cálculo”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
D.II.2.1.2.6 - Guia “Situação” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
D.II.2.1.2.7 - Guia SEFIP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
D.II.2.1.2.8 - Guia SIPREV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
D.II.2.1.2.9 - Guia “Sindicato”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
D.II.2.1.2.10 - Guia “Tribunal de Contas”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
D.II.2.1.2.11 - Guia “Observações”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
D.II.2.1.2.12 - Guia “Emprego Anterior”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
D.II.2.1.2.13 - Guia “Vale Transporte”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237
D.II.2.1.2.14 - Guia “Férias Coletivas e Desligamento”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 6

D.II.2.1.3 - Botão “Eventos”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237


D.II.2.1.3.1 - Guia “Eventos Fixos”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
D.II.2.1.3.2 - Guia “Diversos”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
D.II.2.1.4 - Botão “Férias”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
D.II.2.1.5 - Botão “Licença Prêmio”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
D.II.2.1.6 - Botão “Dependentes”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
D.II.2.1.7 - Botão “Contas Bancárias”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246
D.II.2.1.8 - Botão “Pensão”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
D.II.2.1.8.1 - Guia “Pensão Alimentícia”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
D.II.2.1.8.2 - Guia “Pensionista”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248
D.II.2.1.9 - Botão “Valores”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248

D.II.2.2 - Afastamento/Licenças. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249


D.II.2.2.1 - Licença-maternidade ou Licença-gestante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
D.II.2.2.2 - Acidentes de trabalho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
D.II.2.2.3 - Auxílio-doença. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
D.II.2.3 - Eventos Fixos - Coletivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254
D.II.2.4 - Eventuais - Coletivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
D.II.2.5 - Lançamento Coletivo de Férias - Desfazer. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257
D.II.2.6 - Eventuais Diversos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257
D.II.2.7 - Eventuais Faltas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
D.II.2.8 - Eventuais Folha Complementar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259
D.II.2.9 - Importar Eventuais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
D.II.2.10 - Autônomo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
D.II.2.10.0 - Imposto sobre serviços de qualquer natureza (ISS ou ISSQN). . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
D.II.2.10.1 - Cadastro de Autônomos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
D.II.2.10.2 - Manutenção dos movimentos de autônomos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
D.II.2.10.3 - Sujeito Passivo do ISS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
D.II.2.10.4 - Base de Cálculo e Alíquota do ISS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
D.II.2.10.5 - Alguns Posicionamentos do Judiciário sobre a Cobrança do ISS. . . . . . . . . . . . . . . . . 264
D.II.2.10.1 - Cadastro de Autônomo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
D.II.2.10.2 - Manutenção dos Movimentos de Autônomos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265

D.II.2.11 - Tomador de Serviço/Obra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266


D.II.2.11.1 - Cadastro de Tomador de Obra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
D.II.2.11.2 - Movimento do Tomador de Obra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267

D.II.2.12 - Previdência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268


D.II.2.12.1 - CAT - Comunicação de Acidente de Trabalho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268
D.II.2.12.2 - Cadastro do P.P.P.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272

D.II.2.13 - Solicitação de adiantamento do 13º salário no aniversário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277


D.II.2.14 - Margem Consignável - Verificar autenticidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278
D.II.2.15 - Manutenção de ações judiciais do trabalhador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278
D.II.2.16 - Criar atos de pessoal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280
D.II.2.16.1 - Visualizar atos de pessoal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
D.II.2.16.2 - Desfazer atos de pessoal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281

D.II.3 - Cálculos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281


D.II.3.0 - Padronizações das telas de cálculos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
D.II.3.1 - Cálculo Mensal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290
D.II.3.2 - Cálculo do Adiantamento Mensal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290
D.II.3.3 - Cálculo da Folha Complementar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291
D.II.3.4 - Cálculo do Adiantamento do 13º Salário (1ª Parcela). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291
D.II.3.5 - Cálculo do Fechamento do 13º Salário (Parcela Final). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291
D.II.3.6 - Cálculo de Férias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291
D.II.3.7 - Cálculo de Rescisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 292
D.II.3.8 - Cálculo da Rescisão Complementar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293
D.II.3.9 - Cálculo da Folha Complementar - Encargos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293
D.II.3.10 - Encerramento e Reabertura de Referência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293
D.II.3.11 - Gerar períodos aquisitivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 296

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 7

D.II.4 - Mensais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297


D.II.4.1 - Impressão do Holerite. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297
D.II.4.2 - Relação para Assinatura. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299
D.II.4.3 - Impressão da Folha de Pagamento Analítica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299
D.II.4.4 - Resumo Contábil da Folha de Pagamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299
D.II.4.4.1 - Impressão do Resumo Contábil da Folha de Pagamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300
D.II.4.4.2 - Geração do Resumo em meio magnético para o SCPI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300

D.II.4.5 - Licença Prêmio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301


D.II.4.5.1 - Recibo do Abono Pecuniário da Licença Prêmio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301
D.II.4.5.2 - Trabalhadores em gozo de Licença Prêmio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301
D.II.4.5.3 - Relação de Licença Prêmio Vencidas e a Vencer. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302

D.II.4.6 - Férias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303


D.II.4.6.1 - Relação de Férias Vencidas e a Vencer. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 304
D.II.4.6.2 - Trabalhadores em gozo de Férias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 304
D.II.4.6.3 - Impressão do Recibo de Férias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 304
D.II.4.6.4 - Relatório de Aviso/Comunicado de Férias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 305

D.II.4.7 - Rescisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 305


D.II.4.7.1 - Termo de Rescisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307
D.II.4.7.2 - Demonstrativo de Liquidação de Direitos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307
D.II.4.7.3 - Manutenção/Impressão da GRRF. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308
D.II.4.7.4 - Formulário de Seguro Desemprego. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 310

D.II.4.8 - Exportações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 310


D.II.4.8.1 - Crédito Bancário em Meio Magnético. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 310
D.II.4.8.2 - Geração de Arquivo texto para SEFIP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 313
D.II.4.8.3 - CAGED. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 316
D.II.4.8.4 - Geração do Arquivo para GRRF. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 317
D.II.4.8.5 - Benefícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 318
D.II.4.8.5.1 - Exportar Ticket alimentação - Modelo Genérico I. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 319
D.II.4.8.5.2 - Exportar Ticket alimentação - Modelo Genérico II. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 319
D.II.4.8.5.3 - Exportar Ticket alimentação - Modelo Genérico III. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 320

D.II.4.8.6 - Previdência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 320


D.II.4.8.6.1 - Gerar Arquivo para SIP RPPS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 320
D.II.4.8.6.2 - Exportação Previdenciária - Modelo SIPREV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 320
D.II.4.8.6.3 - Exportação Previdenciária - Modelo Genérico I. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321
D.II.4.8.6.4 - Exportação Previdenciária - Modelo Genérico II. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321
D.II.4.8.6.4 - Exportação Previdenciária - Modelo Genérico III. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321

D.II.4.9 - Relação de I.R.R.F. a Recolher. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 322


D.II.4.10 - Relação de F.T.G.S. a Recolher. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 322

D.II.4.11 - Previdência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 322


D.II.4.11.1 - Relação de Contribuição Previdenciária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 323
D.II.4.11.2 - Relação da Previdência de Contribuintes Autônomos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 324
D.II.4.11.3 - Contribuição Previdenciária por Vínculo/Situação/Causa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 324

D.II.4.12 - Relação de Valores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 324


D.II.4.13 - Relação de Ponto do Mês. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 325
D.II.4.14 - Relação de Trabalhadores por Eventos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 325
D.II.4.15 - Relatório de Etiquetas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 326
D.II.4.16 - Relação de Afastados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 326
D.II.4.17 - Relação dos Afastados pós-cálculo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328
D.II.4.18 - Folha Pagamento Excel/Calc. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328

D.II.4.19 - Listagem e Planilha de Custo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328


D.II.4.19.1 - Comprovada Necessidade de Aumento do Quadro de Pessoal. . . . . . . . . . . . . . . . . . 329
D.II.4.19.2 - Criação de Cargo ou Emprego Através de Lei. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 8

D.II.4.19.3 - Custo de Pessoal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329


D.II.4.19.4 - Autorização na LDO e Previsão na LOA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 330
D.II.4.19.5 - Observações das vedações e dos limites impostos pela LRF para despesas
com pessoal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 330

D.II.4.20 - Comparativo Mensal do Recibo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 331


D.II.4.21 - Relação dos Beneficiários de Pensão Alimentícia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 331
D.II.4.22 - Relação da Progressão Automática de Salário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332
D.II.4.23 - Relação de Eventos de Convênio Excluídos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332
D.II.4.24 - Relação de Aniversariantes do Mês. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332
D.II.4.25 - Banco de Horas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332

D.II.5 - Eventuais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 333


D.II.5.1 - Relação de Cargos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 333
D.II.5.1.1 - Relação de Cargos, Funções e Empregos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 333
D.II.5.1.2 - Relação de Funcionários por Cargo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 334
D.II.5.1.3 - Relação de Salários por Cargo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 335

D.II.5.2 - Relatórios para Órgãos Públicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 335


D.II.5.2.1 - Relação de Salário de Contribuição (Analítico). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 335
D.II.5.2.2 - Relação de Salários p/ Previdência (Resumo). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337
D.II.5.2.3 - Certidão de Contagem de Tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337
D.II.5.2.4 - Requerimento de Salário Família. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 338
D.II.5.2.5 - Termo de Responsabilidade para Concessão de Salário Família. . . . . . . . . . . . . . . . . . 339
D.II.5.2.6 - Ficha de Salário Família. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 339
D.II.5.2.7 - Declaração de FGTS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 339
D.II.5.2.8 - Declaração de Encargos para Fins de Imposto de Renda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 340

D.II.5.3 - Manutenção dos Saldos de CAGED. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341

D.II.5.4 - Cálculo Atuarial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341


D.II.5.4.1 - Parâmetros de Exportação para Cálculo Atuarial da UFRJ. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341
D.II.5.4.2 - Exportar Dados Atuariais para NAP - UFRJ. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 342
D.II.5.4.3 - Exportar Dados Atuariais - Layout Banco do Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 343
D.II.5.4.4 - Exportar Dados Atuariais - Layout Caixa Econômica Federal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344

D.II.5.5 - Geração do Arquivo MANAD - SRP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344

D.II.5.6 - PIS/PASEP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 346


D.II.5.6.1 - Importar PASEP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 347
D.II.5.6.2 - Exportar PASEP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349
D.II.5.6.3 - Geração do Arquivo FPS para Participantes do PIS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 350
D.II.5.6.4 - PASEP - Inclusão e Alteração de Dados dos Participantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 351

D.II.5.7 - Ficha Cadastral em Branco. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 351


D.II.5.8 - Relação de Médias por Trabalhador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 351
D.II.5.9 - Relação de Eventos Circulares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 352

D.II.5.10 - Abertura de Conta Bancária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353


D.II.5.10.1 - Geração do arquivo para abertura de conta no Bradesco. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353
D.II.5.10.2 - Geração do arquivo para abertura de conta no Banco do Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . 354
D.II.5.10.3 - Geração do arquivo para abertura de conta na Caixa Econômica Federal. . . . . . . . . 355
D.II.5.10.4 - Geração do arquivo para abertura de conta no Banco Itaú. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356

D.II.5.11 - Relação do Histórico de Cargos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356


D.II.5.12 - Estatística - Gráfico de Trabalhadores por Lotação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356
D.II.5.13 - Relatório da Situação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357
D.II.5.14 - Relatório de Margem Consignável. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 358
D.II.5.15 - Análise da Frequência em Régua. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 358
D.II.5.16 - Implantar progressão automática de referência salarial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 360

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 9

D.II.6 - Anuais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 360


D.II.6.1 - Ficha financeira do trabalhador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 360
D.II.6.2 - Ficha financeira da Unidade/Custeio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362
D.II.6.3 - Ficha financeira do autônomo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362
D.II.6.4 - Relação de solicitações de adiantamento de 13º salário para o mês do aniversário. . . . . . 363
D.II.6.5 - DIRF - Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 363
D.II.6.6 - Informe de Rendimentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 366
D.II.6.7 - RAIS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367
D.II.6.7.1 - RAIS - 2009 - Genérico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 368
D.II.6.7.2 - RAIS - 2010 - Atual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369

D.II.7 - Utilitários. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369


D.II.7.1 - Tópicos de Ajuda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369
D.II.7.2 - Versão do Sistema. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369
D.II.7.3 - Consulta SQL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369
D.II.7.4 - Painel de Opções. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 370
D.II.7.5 - Manutenção do controle de mensagens ignoradas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371
D.II.7.6 - Funções pós conversão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371
D.II.7.6.1 - Diferenças de cálculo entre SIP 6 e 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371
D.II.7.6.2 - Recalcular abatimento conforme afastamento para efeito de tempo de serviço. . . . . 372
D.II.7.6.3 - Recalcular Patronal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 372
D.II.7.6.4 - Revisar Causas de Desligamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 372
D.II.7.6.5 - Funções pós Conversão - Calcular Dias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 372
D.II.7.7 - Módulo 800x600. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 373
D.II.7.8 - Calculadora de Datas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 373

D.II.7.9 - Gerador de Relatórios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375


D.II.7.10 - Bloquear Módulo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375
D.II.7.11 - Configurações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375

D.III - Módulo Gerador de Relatórios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 377

D.IV - Módulo Ponto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 386


D.IV.1 - Parâmetros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 386
D.IV.2 - Manutenção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 391
D.IV.3 - Cálculo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 393
D.IV.4 - Relatórios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 394
D.IV.5 - Sistema. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 394

D.V - Módulo Regionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 396


D.V.1 - Tribunal de Contas do Estado da Bahia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 397
D.V.2 - Tribunal de Contas do Estado do Mato Grosso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 398
D.V.3 - Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 402
D.V.4 - Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 405
D.V.5 - Tribunal de Contas do Estado de Roraima. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 406
D.V.6 - Tribunal de Contas do Estado de São Paulo - Audesp. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 407
D.V.7 - Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 411
D.V.8 - Tribunal de Contas do Estado de Pará. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 413
D.V.9 - Tribunal de Contas do Estado do Mato Grosso do Sul. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 418
D.V.10 - Tribunal de Contas do Estado da Paraíba. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 421
D.V.11 - Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 423

D.VI - Módulo Recursos Humanos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 424


D.VI.1 - Atos de Pessoal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 424
D.VI.2 - Cadastros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 424
D.VI.3 - Manutenção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 424
D.VI.3.1 - Concursos e Processo Seletivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 424
D.VI.4 - Trabalhador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 429
D.VI.4.1 - PCMSO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 429
D.VI.5 - Relatórios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 431

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 10

D.VII - Módulo RPPS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 433

D.VIII - Módulo de Internet SIP WEB. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 436


D.VIII.01 - Primeiro acesso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 436
D.VIII.02 - Login de usuário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 437
D.VIII.03 - Solicitações on-line. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 437
D.VIII.04 - Mudança de senha de acesso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 438
D.VIII.05 - Esquecimento de senha. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 438

E - Layout’s. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 439
E.1 - Layout de Arquivos para Remessa à Unidade de Gestão Previdenciária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 439
E.2 - Layout Controle de Administração Previdenciária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 440
E.3 - Layout de Importação de Cartão de Ponto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 444
E.4 - Layout para Envio de Convênios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 445
E.5 - Layout para Holerite Impressão em Gráfica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 446

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 11

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 12

Apresentação
A empresa Fiorilli S/C Ltda. agradece a aquisição do Sistema Integrado de Pessoal e tem a
confiança de que esse produto superará as suas expectativas quanto à praticidade na administração do seu
Departamento Pessoal.
O presente manual foi desenvolvido para auxiliar os usuários em qualquer rotina do sistema. Ao
final da sua leitura, o usuário será capaz de operar, sem maiores dificuldades, uma das melhores
ferramentas já criadas para a administração de departamento pessoal, tanto da área privada, quanto na área
pública.
Este manual destina-se especificamente à informação e ao treinamento do uso do sistema SIP
7 - Sistema Integrado de Pessoal, com a descrição dos procedimentos a serem seguidos para se efetuar os
lançamentos dentro das possibilidades e dos enquadramentos estabelecidos por lei. As informações aqui
reunidas estão divididas em cinco partes:
A. Legislação Básica
B. Cálculos Trabalhistas
C. Instalação do SIP e Configuração Inicial
D. Referências Modulares - Módulos
E. Layouts Utilizados
As duas primeiras partes apresentam, respectivamente, informações sobre a legislação básica
aplicável à relação entre os servidores públicos e as entidades e sobre os cálculos trabalhistas que devem
ser realizados em razão dessa legislação. É importante que o funcionário que trabalha no departamento de
recursos humanos e que manuseia o SIP tenha conhecimento dessas informações, dispostas nos tópicos
das partes A e B deste manual, para realizar o seu trabalho de forma correta e com maior segurança.
Os tópicos elencados na parte C deste manual trazem informações sobre a instalação e a
configuração inicial do sistema. É extremamente importante que essas instruções sejam seguidas para que
o sistema seja instalado corretamente na máquina do usuário, evitando, assim, erros no seu funcionamento.
A parte D, denominada “Referências modulares”, reúne tópicos que cuidam detalhadamente do
funcionamento de cada módulo do programa, descrevendo todas as funções e os recursos disponibilizados
no SIP. É aconselhável que a leitura das explicações sobre o funcionamento de cada um desses recursos
seja acompanhada da execução das ações no próprio programa, o que permite ao usuário visualizar, em
tempo real, os processos e os exemplos descritos.
A última parte deste manual (parte E) traz informações sobre os layouts que foram adequados
pelos programadores da Fiorilli S/C visando estabelecer um padrão para o uso de serviços terceirizados.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 13

A. Legislação Básica

Introdução

Atualmente, possuir um quadro de funcionários qualificados que possam desempenhar suas


funções com eficiência e qualidade tornou-se essencial para alcançar a finalidade primordial da
administração pública, que é a satisfação das necessidades, dos interesses e dos direitos da coletividade.
Para que os agentes públicos possam desempenhar de forma satisfatória seu trabalho, é
primordial que haja capacitação e treinamento do funcionalismo. Nesse contexto, o objetivo deste manual
não é somente tratar de assuntos sobre o funcionamento do software SIP, que visa o controle dos atos da
Administração Pública relacionados aos seus servidores, mas também trazer à tona os principais assuntos
relacionados à execução das rotinas do departamento pessoal junto ao sistema.

A.01 - Funcionalismo no Poder Público

A administração pública utiliza-se de pessoas físicas, às quais são atribuídas funções, para
desempenhar atividades trabalhistas, em caráter definitivo ou transitório. Conforme descrito no Art. 37, II da
Constituição Federal, a contratação de pessoal pelo poder público deve seguir os princípios de igualdade, da
impessoalidade, da publicidade e do pressuposto de que o Estado deve se servir dos mais aptos, o que faz
do concurso público a regra básica para o ingresso no serviço público.
Em determinados casos, é possível realizar, excepcionalmente, a contratação de servidores por
tempo determinado visando, acima de tudo, a satisfação do interesse público, tendo em vista a ocorrência
de fato imprevisível que exija pessoal pronto para execução de ações urgentes, como por exemplo, nos
casos de epidemia ou de vacância de um cargo, cuja função é absolutamente essencial, pela morte do
servidor que o ocupava.
Os cargos ou empregos comissionados, que também dispensam a realização de concurso
público, devem ser atribuídos única e exclusivamente para função de direção e de chefia, seguindo
determinações do Art. 71, III da Constituição Federal.

A.02 - Condições para Provimento

Para a contratação de pessoal na administração pública, devem-se observar os seguintes


requisitos legais, pensando sempre na relação custo/benefício:
A) Comprovada necessidade de aumento do quadro de pessoal;
B) Criação de cargo ou de emprego, através de lei, verificando os seguintes parâmetros:
 Autorização na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e previsão na Lei Orçamentária
Anual (LOA);
 Obediência às vedações previstas na legislação eleitoral (Lei n 9.504/97);
 Observância dos limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal para despesas
de pessoal;
C) Regularidade do Concurso / Processo Seletivo.

A.03 - Agentes Públicos

Agentes públicos são todas as pessoas físicas investidas em função pública, de forma definitiva
ou transitória, mediante remuneração ou não, por qualquer forma de vínculo, através de nomeação,
contratação, designação ou eleição, para atuar nos órgãos e nas entidades da Administração Pública direta
ou indireta.
A.03.01 - Espécies de Agentes Públicos
A) Agentes Políticos

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 14

Agentes políticos são os componentes do governo em seu primeiro escalão, investidos no


serviço público por eleição, nomeação ou designação para o exercício de funções descritas na Constituição.
Esses agentes exercem seus mandatos, cargos ou funções relacionadas a atribuições constitucionais
diretas, com ampla liberdade funcional e mediante remuneração, estando sujeitos a um regime jurídico
peculiar. É o caso, por exemplo, dos Chefes do Poder Executivo e de seus auxiliares diretos, dos membros
das corporações legislativas, do Poder Judiciário, do Ministério Público, do Tribunal de Contas e dos
representantes diplomáticos.
Por serem componentes do primeiro escalão do governo, os agentes políticos estão voltados,
principalmente, à formação da vontade superior da Administração Pública.
O vínculo que os liga à Administração Pública é de natureza política, e não de natureza
profissional. Ou seja, o que o capacita para o desempenho dessas altas funções não é a habilitação
profissional e nem mesmo a aptidão técnica, e sim a qualidade de cidadãos.
B) Agentes Efetivos
É o cargo ocupado por alguém sem transitoriedade, ou seja, é uma ocupação de caráter
permanente.
São cargos ocupados por titulares que não exercem chefia, comando, direção,
assessoramento, nem precisam gozar da confiança da autoridade nomeante para obter a nomeação ou a
permanência no cargo. São cargos cujas atribuições caracterizam-se como serviços comuns, que não
exigem habilitação especial, ou como serviços técnicos profissionais, que exigem habilitação especial, ou
seja, aqueles que só podem ser executados por profissionais legalmente habilitados para as atividades
relacionadas àquele cargo.
Essa ocupação permanente não é absoluta e nem adquirida de imediato. O titular desse cargo
só alcança essa garantia de permanência após o prazo de três anos, chamado de estágio probatório (art. 41
da CF), durante o qual se apura a capacidade do agente para permanecer no cargo. Isso significa que,
durante esse período de três anos, havendo um inquérito que apure a inaptidão do agente para a execução
do serviço público, esse servidor pode ser desligado dos quadros da Administração Pública, ainda que
ocupe cargo de provimento efetivo.
C) Agentes Temporários
São aqueles agentes admitidos para atender a necessidades de excepcional interesse público,
nos termos do que dispõe o art. 37, IX da Constituição Federal:
“Art. 37. (...)
IX - a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a
necessidade temporária de excepcional interesse público.”
Observe-se, portanto, que o retro citado inciso IX do art. 37 da Carta Magna de 1988
estabeleceu uma exceção para a realização de contratação temporária no serviço público, exigindo, para
tanto, o preenchimento de dois requisitos cumulativos, quais sejam:
a) autorização para a contratação temporária expressamente prevista em lei;
b) existência de uma “necessidade temporária de excepcional interesse público”.
O primeiro requisito indica a necessidade de que cada ente da federação crie uma lei
regulamentadora para implementar a contratação temporária. No âmbito da União, os critérios para a
realização da contratação temporária são estabelecidos pela Lei nº. 8.745/93.
Quanto ao segundo requisito, veiculado na expressão “necessidade temporária de excepcional
interesse público”, é imprescindível que a contratação temporária seja realizada de forma eventual, em
casos excepcionais, nos quais a demora na contratação de servidores pode causar danos ao interesse
público. Além disso, a necessidade excepcional que justifica a contratação temporária não deve ter sido
gerada pela inércia do administrador público.
As contratações de servidores temporários devem advir de um recrutamento de pessoal
realizado por meio de um processo seletivo simplificado, como determinado na legislação federal e na
Deliberação TC-A- 15248/026/04, salvo nos casos de comprovada emergência que impeça até mesmo a
realização dessa forma simplificada de processo seletivo.
Portanto, os contratados temporariamente são os servidores que exercem função pública de
forma transitória, para atender a necessidades temporárias e de excepcional interesse público, mediante

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 15

previsão em lei específica. Esses servidores sujeitam-se a um regime jurídico especial; não exercem cargos
ou empregos públicos, embora possam desempenhar funções.
D) Agentes em Comissão
Os cargos em comissão ou cargos de provimento em comissão são aqueles cujo provimento
dispensa concurso público. São ocupados de forma transitória pelo agente, que não tem o direito de
permanecer nesse cargo definitivamente.
Quando o agente público exercer atividade trabalhista junto ao órgão público e for nomeado
para um cargo em comissão, utiliza-se a denominação de “função de confiança”. Diferentemente, nos casos
em que o agente é nomeado para um cargo comissionado, mas não presta atividade trabalhista junto à
entidade, utiliza-se a denominação de “cargo comissionado”.
O art. 37, II da CF qualifica o cargo em comissão como um cargo de livre nomeação e
exoneração. Isso significa que, para a nomeação de seu titular, não se exige concurso público. Nesse
sentido, sendo livre a nomeação para o cargo, também livre será a sua exoneração, exceto quando haja
algum fato que justifique um processo de sindicância para fundamentar essa exoneração. Por isso, a
exoneração de um agente que ocupa um cargo em comissão é classificada como exoneração “ad nutum” da
autoridade competente, isto é, uma exoneração exercida livremente, sem a necessidade de uma justificativa.
Porém, é importante observar que, apesar de os agentes em comissão não possuírem o direito
a permanecer no cargo, esses agentes possuem o direito à aposentadoria, que é concedida nos termos do
regime geral de previdência social (art. 40, § 13 da CF), e também às férias, uma vez satisfeitos os
requisitos para a sua aquisição.
Os cargos de provimento em comissão são próprios para a direção, a chefia ou o comando de
certas funções no órgão, cujo exercício requer a presença de um agente de confiança, como também é o
caso do assessoramento.

A.04 - Regime Jurídico

O regime jurídico do servidor público compreende o conjunto de disposições normativas que


regulam a acessibilidade aos cargos, às funções e aos empregos públicos, a sua forma de provimento, os
requisitos, os direitos e os deveres do servidor, as formas de movimentação funcional (promoção, remoção
etc.), o sistema remuneratório, a responsabilidade administrativa (infrações, sanções e processo) e a
aposentadoria.
Segundo a jurisprudência, “regime jurídico dos servidores públicos” corresponde ao conjunto de
normas que disciplinam os diversos aspectos das relações jurídicas mantidas pelo Estado com os seus
agentes.
A) Regime Jurídico Estatutário
O regime jurídico estatutário é aquele em que as relações de trabalho da Administração Pública
com seus servidores são regidas por um estatuto, um regulamento aprovado por lei. O conteúdo do estatuto
corresponde a um conjunto de regras laborais instituídas unilateralmente pelo poder público através de lei de
abrangência local (municipal, estadual ou federal), as quais estabelecem os direitos, os deveres e as
demais condições de exercício e de afastamento de cargos públicos.
A lei que institui o regime jurídico estatutário denomina-se Estatuto dos Servidores Públicos e
deve fundamentar-se nos princípios, nos conceitos e nas ideias que norteiam as relações de direito público.
O Estatuto dos Servidores Públicos tem natureza impositiva, ou seja, é composto por regras que são
impostas pela Administração Pública, que pode modificá-las a qualquer tempo, bastando apenas respeitar
as condições mínimas estabelecidas pela Constituição Federal e o direito adquirido do servidor.
B) Regime Jurídico Celetista
O regime jurídico celetista é aquele constituído pelas leis que regulam a relação jurídica entre o
ente federativo e seu servidor trabalhista. É aplicável genericamente às relações estabelecidas entre
empregadores e empregados no campo privado e previsto na Consolidação das Leis do Trabalho
(Decreto-lei nº 5.452, de 1/5/1943) e em outras leis esparsas que tratam da atividade trabalhista privada.
No regime jurídico celetista, a natureza da relação jurídica entre o Poder Público e os seus
empregados é contratual e regida basicamente pela Consolidação das Leis do Trabalho. É importante que
as entidades que adotem esse regime jurídico observem o texto da Constituição Federal que, no capítulo

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 16

destinado aos direitos sociais, trata sobre os direitos trabalhistas e introduz algumas particularidades no
regime trabalhista aplicável aos empregados do Poder Público.

A.05 - Classificação dos Agentes Públicos de


acordo com o Regime Jurídico

Os servidores públicos vinculam-se à Administração Pública por meio de cargo, de função ou


de emprego público. O que é interessante salientar é que cada uma dessas espécies de vínculo submete-se
a um regime jurídico diferente.
Dado a este fato, é importante atentar-se para os significados de cargo, função e emprego
expostos abaixo.
A) Cargo Público
Cargo público pode ser conceituado como “o mais simples plexo unitário de competências da
organização central do Estado, autárquica e fundação pública, criada por lei ou por ato próprio de órgãos
legislativos, com denominação própria e número certo, relativos ao exercício de atividades civis
permanentes, a serem desenvolvidas por um agente público efetivo, sob relação de natureza estatutária”.
A Lei Federal nº 3.780/60, que dispõe sobre a classificação de Cargos do Serviço Civil do Poder
Executivo da União, no seu art. 4º, I, define cargo como:
"Art. 4º. (...)
I - Cargo é o conjunto de atribuições e responsabilidades cometidas a um funcionário, mantidas as
características de criação por lei, denominação própria, número certo e pagamento pelos Cofres
da União”.
Ante essa definição legal, é possível dizer que cargo público corresponde à unidade de
atribuições e de responsabilidades cometidas a um agente público.
O cargo público caracteriza-se por possuir natureza de vínculo estatutário, ou seja, o Estado,
ressalvado determinadas garantias constitucionais deferidas, poderá modificar por lei o regime jurídico de
seus servidores, não existindo a garantia de manutenção das condições originárias da época da nomeação.
Assim, vantagens inicialmente previstas podem ser posteriormente retiradas, pois são atos que não se
agregam definitivamente ao patrimônio jurídico dos servidores estatutários.
B) Função Pública
Cargo é o lugar titularizado pelo agente público, enquanto que a função compreende os
encargos ou as atribuições relativas a um cargo. Não há cargo sem função, mas há função sem cargo. Os
cargos públicos devem ser organizados em classes e carreiras que compõe o quadro. Por sua vez, a função
constitui-se nos encargos, nos poderes, nos deveres e nos direitos atribuídos aos órgãos, aos cargos e
também aos agentes públicos.
As funções transitórias ou provisórias, cometidas a servidores temporários (com fundamento no
art. 37, IX da CF), não se vinculam a qualquer cargo. Já as funções que decorrem de cargo público são
sempre permanentes.
Assim, todo cargo implica a existência de uma função pública, porém nem toda função pública
implica a criação de um cargo. Citam-se, como exemplo, as contratações realizadas para atender
excepcional interesse público, com fundamento no art. 37, IX, da CF, que prescindem da criação dos
respectivos cargos.
C) Empregos Públicos
Os empregados públicos são pessoas físicas que se vinculam à Administração Pública
mediante a celebração de contrato de trabalho regido pela Consolidação das Leis do Trabalho. No tocante
ao regime previdenciário, nos termos do art. 40, § 13º, são obrigatoriamente vinculados ao Regime Geral de
Previdência Social.

A.06 - Regime Previdenciário

A Constituição de 1824 foi a primeira Constituição Federal brasileira a veicular a ideia de


Seguridade Social, vinculada à assistência à população carente. Atualmente, a Constituição Federal de
1988, em seu art. 194, trata a Seguridade Social como um conjunto integrado de ações de iniciativa dos
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 17

poderes públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à


assistência social. Já em seu art. 195 determina que a seguridade social deve ser financiada por toda a
sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, além das contribuições sociais que enumera em
seus incisos.
Além disso, a atual Carta Magna, no parágrafo 1º do art. 149, permitiu aos Estados, ao Distrito
Federal e aos Municípios a instituição de contribuição, cobrada de seus servidores, para o custeio, de
sistemas de previdência e assistência social.
A Emenda Constitucional n.° 20, de 15/12/98, veio modificar o sistema de previdência social,
estabelecendo normas de transição e introduzindo importantes alterações nos regimes de previdência,
consolidadas mediante as Emendas Constitucionais nº 41 e 47. Os Regimes Previdenciários ainda podem
sofrer alterações em razão do aprimoramento do Sistema de Gestão Previdenciária no Brasil.
O principal objetivo dos Regimes de Previdência (Entidades ou Fundos de Previdência) é o de
conceder benefícios e de assegurar o pagamento a seus segurados no que diz respeito a recursos de
aposentadoria e de pensão.
Os regimes de previdência podem ser organizados nas formas que se seguem.
I. Regime Geral de Previdência Social - RGPS;
II. Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos - RPPS.
Vale lembrar que é vedada a filiação ao Regime Geral de Previdência Social, na qualidade de
segurado facultativo, de pessoa participante de Regime Próprio de Previdência (art. 201, § 5º da CF).
A) Regime Geral de Previdência Social - RGPS
Conforme disposto no art. 201 da Constituição Federal, o Regime Geral de Previdência Social
será organizado sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados os
critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial.
Participa do RGPS a população economicamente ativa do País, cuja filiação a esse regime é
obrigatória, com exceção dos servidores detentores de cargos efetivos que possuam regime próprio de
previdência.
B) Regime Próprio de Previdência Social - RPPS
A instituição do RPPS está prevista no § 1º do art. 149 da CF, que dispõe:
“Art. 149º. (...)
Parágrafo 1º: Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão contribuição, cobrada de
seus servidores, para o custeio, em benefício destes, do Regime Previdenciário do art. 40, cuja
alíquota não será inferior a contribuição dos servidores titulares de cargos efetivos da União.”
A Lei nº 9.717/98 estabelece regras gerais para a criação, a organização e o funcionamento dos
regimes próprios de previdência social.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 18

B. Cálculos Trabalhistas

B.01 - Introdução

Para que se possa realizar com segurança o pagamento dos trabalhadores de uma entidade e
utilizar todos os recursos disponíveis no sistema para os cálculos da folha de pagamento, é necessário
compreender a sistemática básica de como apurar o cálculo das remunerações e de como conferir os
valores relativos a impostos e contribuições. Por esse motivo, algumas informações sobre cálculos
trabalhistas são disponibilizadas neste tópico do manual do SIP com a finalidade de explicar como são
realizados os cálculos básicos dessas contribuições. São conhecimentos sobre a sistemática básica de
cálculo necessários para o usuário começar a lidar com as opções de configurações do SIP.
Durante a leitura do manual, o usuário observará que os assuntos tratados nesta parte podem
ser abordados novamente de forma mais aprofundada em outros momentos, quando se tratar da explicação
sobre o funcionamento de determinadas configurações do sistema que requeira maior detalhamento sobre o
que está abordado superficialmente nesta parte B.

B.02 - Cálculo do Sistema Remuneratório

A Constituição da República, nos incisos XI e XIII do art. 37 e no § 4º do art. 39, utilizou a


expressão “espécie remuneratória” para generalizar toda paga pecuniária atribuída ao agente público como
contraprestação pelo serviço não voluntário, sendo suas espécies:
a) remuneração: é o gênero no qual se incluem todas as demais espécies remuneratórias. Em
sentido menos abrangente o termo remuneração é o vencimento do cargo, acrescido das vantagens
pecuniárias permanentes estabelecidas em lei;
b) vencimento: é a retribuição pecuniária destinada ao agente público, em razão do vínculo
jurídico estabelecido entre ele e o Estado, com valor fixado em lei. Corresponde a todo direito que é
adquirido pelo trabalhador e que é incorporado à totalização da remuneração que ele recebe mensalmente;
c) vantagens pecuniárias: pode ser dividida em três categorias, que são as indenizações, as
gratificações e os adicionais. É preciso que se diga que nem todas as gratificações e os adicionais
incorporam o vencimento, formando a remuneração, mas somente as gratificações e os adicionais
permanentes, que são aquelas que, uma vez concedidas ao servidor, não podem ser retiradas dele
administrativamente. Dentre as vantagens pecuniárias permanentes, pode-se citar a gratificação natalina e a
gratificação de férias.
Para o regime trabalhista, “compreendem-se na remuneração do empregado, para todos os
efeitos legais, além do salário devido e pago diretamente pelo empregador, como contraprestação do
serviço, as gorjetas que receber”, segundo a exata redação do art. 457 da CLT. Como se vê, também no
regime trabalhista o termo “remuneração” toma um sentido genérico, incluindo o salário.
O salário pode ser composto de partes distintas e classificado em três grupos, que são:
a) celas salariais tipificadas: o salário básico, o 13º salário, os adicionais legais, etc;
b) parcelas salariais não tipificadas: pagas pela vontade do empregador, sem previsão legal,
como o prêmio de produtividade. Estas parcelas salariais não tipificadas inexistem para o empregado
público, já que o administrador público não tem vontade autônoma para criar e conceder parcelas salariais,
em decorrência direta da observação do princípio da indisponibilidade do interesse público e do princípio da
reserva legal na criação e na fixação de parcelas remuneratórias;
c) parcelas salariais dissimuladas: neste grupo encontram-se as remunerações que não foram
criadas com a qualidade original de salário, mas acabam por cumprir esta função, como as diárias de
viagem.
Nos itens a seguir, descreve-se como é realizado o cálculo das remunerações mais utilizadas
na Administração de Pessoal.
A) Salário Básico - Remuneração Básica
Na criação dos processos que envolvem as possibilidades de contratação de um agente
público, é determinado o valor da remuneração que o agente começará a receber após o ato de posse, que
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 19

é a investidura desse agente na função destinada. Essa remuneração pode ser chamada de remuneração
básica.
Para o cálculo da remuneração básica, deve-se considerar a quantidade de dias trabalhados
para a contagem de dias de pagamento. Considere-se o seguinte exemplo:
O funcionário João Carlos Pires Batista foi aprovado em um concurso público para exercer a
função de Agente Administrativo, com remuneração fixa para um mês de trabalho, sem nenhuma falta, no
valor de R$ 1.550,00. A sua admissão foi registrada na data de 05/01/2010. A partir dessas informações, é
possível determinar qual o valor da remuneração a ser recebida ao final do mês de janeiro de 2010.
Primeiramente, é preciso encontrar o valor da remuneração correspondente a um dia de
trabalho a partir do valor total da remuneração desse trabalhador. Para tanto, deve-se dividir o valor da
remuneração (R$ 1.550,00) por 30 dias, que é a quantidade de dias correspondente a um mês. É importante
fixar a ideia de que, para cálculos do departamento pessoal, seja para os meses de 31 dias (como é o caso
dos meses de Janeiro, Março, Maio, Julho, Agosto, Outubro e Dezembro), seja para os de 28 ou 29 dias
(como ocorre com o mês de Fevereiro), sempre deve-se computar somente 30 dias corridos.
Assim, realiza-se a seguinte operação:
R$ 1.550,00 / 30 = R$ 51,66 por dia.
Considerando-se que a admissão ocorreu no dia 05/01/2010, somente deve-se computar para o
cálculo da remuneração de janeiro de 2010 a quantidade de 25 dias trabalhados, portanto:
R$ 51,66 x 25 dias = R$ 1.291,50.
Logo, o valor da remuneração devida ao trabalhador referente ao mês de Janeiro de 2010 é de
R$ 1.291,50.
B) Horas Extras
O trabalhador, exercendo suas funções na Administração Pública, possui um período de
trabalho pré-estabelecido, chamado de “jornada de trabalho”. O tempo durante o qual o trabalhador exerce a
sua atividade de servidor público além dessa jornada diária é chamado de “hora extra”.
Todo funcionário que trabalha em jornada ampliada tem direito a receber um adicional de, no
mínimo, 50% sobre o valor da hora normal, se o trabalho for realizado de segunda a sábado. Esse adicional
será de 100% se a hora extra for trabalhada aos domingos e aos feriados.
O pagamento de horas extras não deve ser influenciado por qualquer proporcionalização em
dias de serviço, pois, independentemente da quantidade de dias trabalhados, o trabalhador deverá receber o
valor correspondente às horas extras trabalhadas.
Descreve-se, abaixo, duas situações para exemplificar um pagamento de horas extras
calculadas com adicional de 50% e outro calculado com o adicional 100%:
O funcionário João Carlos Pires Batista possui uma jornada de trabalho que, para esta
exemplificação, será transformada em uma carga horária definida em 44 horas semanais, 6 dias por
semana e 220 horas no mês. É importante que se saiba que a determinação de uma jornada de trabalho é
bastante complexa e não cabe ser tratada neste tópico do manual; porém, o usuário pode encontrar
explicações detalhadas sobre o funcionamento integral de uma jornada de trabalho, incluindo a
demonstrando de toda a rotina que envolve o cartão de ponto, no tópico D.IV.1.1 deste manual.
A remuneração básica do funcionário citado acima é de R$ 2.423,00. Esse funcionário
trabalhou além da sua jornada de trabalho, numa sexta-feira, dia 14/01/2010, por um período de 2 horas e
também num domingo, dia 24/01/2010, por um período de 5 horas. Tem, portanto, sete horas extras a
receber no final do mês de janeiro.
Primeiramente, porém, é preciso calcular o valor de uma hora normal de trabalho para,
posteriormente, aplicar as porcentagens dos adicionais correspondentes aos dias em que o serviço foi
realizado fora do expediente.
Para determinar o valor de uma hora normal, basta dividir o valor da remuneração básica do
trabalhador (R$ 2.423,00) pelo total de horas trabalhadas no mês (220 horas):
R$ 2.423,00 / 220 horas mês = R$ 11,013 que corresponde a uma hora normal de trabalho
Em seguida, é preciso determinar o valor de cada hora extra. Para tanto, deve-se aplicar, sobre
o valor de uma hora normal, a alíquota correspondente ao tipo de hora extra que está sendo calculada e,

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 20

então, deve-se somar esse resultado ao valor de uma hora normal, obtendo-se, assim, o valor de uma hora
extra pura.
No exemplo em questão, foram trabalhadas duas horas extras numa sexta-feira, dia em que se
calcula a hora extra de 50%, da seguinte forma:
1) R$ 11,013 (valor de uma hora normal) x 50 % (porcentagem da hora extra) = R$ 5,506
(resultado da porcentagem da hora extra)
2) R$ 11,013 (valor de uma hora normal) + R$ 5,506 (resultado da porcentagem da hora extra)
= R$ 16,519 (valor de uma hora extra de 50%)
Logo, o valor de uma hora extra 50% a ser paga para o funcionário João Carlos Pires Batista
por cada hora extra trabalhada na sexta-feira 14/01/2010 é de R$ 16,52.
No mesmo exemplo foi narrado que esse funcionário trabalhou cinco horas num domingo.
Nesse dia, deve-se pagar hora extra de 100%, a ser calculada da seguinte forma:
1) R$ 11,013 (valor de uma hora normal) x 100 % (porcentagem da hora extra) = R$ 11,013
(resultado da porcentagem da hora extra)
2) R$ 11,013 (valor de uma hora normal) + R$ 11,013 (resultado da porcentagem da hora extra)
= R$ 22,026 (valor de uma hora extra de 100%)
Logo, o valor de uma hora extra 100% a ser paga para o funcionário João Carlos Pires Batista
por cada hora extra trabalhada no domingo 24/01/2010 é de R$ 22,03.
Após a obtenção do valor de uma hora extra pura, deve-se multiplicar esse valor pela
quantidade de horas extras trabalhadas pelo funcionário. Como dito anteriormente, o funcionário
exemplificado trabalhou duas horas extras no dia 14/01/2010, correspondente a uma sexta-feira, que
equivalem a duas horas extras de 50% cada uma, e mais cinco horas extras no dia 24/01/2010,
correspondente a um domingo, que equivalem a cinco horas extras de 100% cada. Sendo assim, deve-se
efetuar o seguinte cálculo para obter o valor total a ser pago por essas sete horas extras:
1) 2 horas extras de 50%:
2 x R$ 16,52 (valor de uma hora extra 50% trabalhada) = R$ 33,04 (valor recebido pelas horas
extras de 50%)
2) 5 horas extras de 100%:
5 x R$ 22,03 (valor de uma hora extra 100% trabalhada) = R$ 110,15 (valor recebido pelas
horas extras de 100%)
3) 2 horas extras de 50% + 5 horas extras de 100%:
R$ 33,04 + R$ 110,15 = R$ 143,19
O valor total recebido pelo funcionário João Carlos Pires Batista referente ao pagamento de
sete horas extras trabalhadas no mês de Janeiro de 2010 para o funcionário do João Carlos Pires Batista foi
de R$ 143,19.
C) Adicional Tempo Serviço
O adicional por tempo de serviço é uma vantagem pecuniária que a Administração Pública
concede aos seus servidores em razão do tempo de exercício das atividades públicas; por isso, é possível
declarar que se trata de uma remuneração exclusiva para funcionários de Órgãos Públicos. Geralmente,
esse adicional corresponde a 5% (cinco por cento) do valor da remuneração do funcionário que é acrescido
a essa remuneração para cada 5 (cinco) anos de efetivo serviço do trabalhador.
Observe-se, assim, que o adicional por tempo de serviço é uma contraprestação especial paga
em acréscimo ao vencimento, em razão de um determinado tempo de trabalho já prestado pelo trabalhador
à Administração. Neste sentido, por estar vinculado à situação específica do beneficiário que cumpriu o
período pré-estabelecido para o seu recebimento, respectivo adicional se caracteriza como uma "vantagem
pessoal".
O adicional por tempo de serviço de cada entidade pode ter suas particularidades previstas em
lei. Isso significa que cada entidade pública pode criar, por meio de lei, um padrão para o pagamento do
adicional por tempo de serviço, determinando um período de carência para o pagamento, bem como uma
alíquota que pode ser variável, ou seja, que não precisa ser padronizada em 5%.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 21

Para calcular o adicional por tempo de serviço, basta aplicar a porcentagem estabelecida em lei
sobre os vencimentos do funcionário, quando completado o período de tempo de trabalho. Essa
porcentagem, portanto, deve ser aplicada de tempos em tempos à remuneração do funcionário, sendo
acrescida uma nova alíquota referente ao período que está se completando, sem deixar de lado aquela que
já foi atribuída no período anterior a esse (assim, por exemplo, quando é concedido um adicional de 5% a
cada 5 anos de trabalho, o funcionário que completar 10 anos de serviço receberá um adicional de 5%+5%
sobre a sua remuneração). É importante lembrar também que, no caso em que o funcionário trabalhou uma
quantidade de dias inferiores a 30 dias no mês, o cálculo do adicional correspondente a esses dias deve ser
proporcionalizado.
Considere-se, para melhor entendimento do assunto, o seguinte exemplo:
A prefeitura Municipal de Modelândia, na data de 20/01/2000, promulgou a lei que institui a
concessão do benefício de adicional por tempo de serviço a partir dessa data, prevendo um acréscimo de
5% aos vencimentos de todos os servidores efetivados a cada período de 5 anos de trabalho realizado junto
à Administração Municipal.
O funcionário Modelo 2 iniciou seus serviços nessa prefeitura em 01/01/2000, no dia
31/01/2010, correspondente à data de pagamento da folha dessa entidade, o valor da remuneração base a
ser paga a esse funcionário é de R$ 2.650,00. Esse funcionário é um trabalhador muito assíduo e cuidadoso
em questões de segurança do trabalho e de doenças; essa informação é importante porque os períodos de
afastamento, durante os quais há a necessidade de o trabalhador ausentar-se do serviço, e também as
faltas não justificadas podem retardar a quantidade de dias a ser considerada na contagem para a aquisição
do adicional de tempo de serviço e também para a utilização de uma nova porcentagem para o cálculo
desse acréscimo pecuniário.
A lei que instituiu o adicional por tempo de serviço no município de Modelândia estabeleceu que
a data de início da sua vigência é o dia da sua criação, qual seja, 20/01/2000. Isso significa que a contagem
de tempo de serviço de todos os trabalhadores dessa organização, inclusive daqueles que foram admitidos
antes da publicação dessa lei, terá início na data de 20/01/2000, e não a data da sua admissão que, no caso
do funcionário Modelo 2, por exemplo, é o dia 01/01/2000.
Com base nas informações citadas acima, é possível obter os períodos de vencimento de cada
adicional de tempo de serviço para o funcionário Modelo 2:

Data Admissão Início Adicional Fim Adicional Qt. de Anos Alíquota


01/01/2000 20/01/2000 20/01/2005 5 anos 5%
01/01/2000 20/01/2005 20/01/2010 10 anos 10 %

Observe-se que, como já dito, nesse exemplo a data de início e de término da contagem de um
período para o pagamento do adicional por tempo de serviço não corresponde à data de admissão do
funcionário.
Assim, para calcular o valor do adicional por tempo de serviço a ser pago ao funcionário Modelo
2 em relação ao mês de janeiro de 2010, deve-se aplicar a alíquota de 10%, correspondente ao vencimento
do segundo período de adicional ao total de remunerações do trabalhador, como segue:
R$ 2.650,00 x 10 % (corresponde à alíquota do período de 10 anos de serviço) = R$ 265,00.
Portanto, o valor do adicional de tempo de serviço para o mês de Janeiro de 2010 do
funcionário Modelo 2 é de R$ 265,00.
D) Sexta Parte
A sexta-parte é outra vantagem pecuniária que é concedida ao servidor público com base no
seu tempo de serviço. Consiste em uma gratificação de 16,667% concedida sobre a remuneração do
funcionário público que detém vinte anos de serviço.
O cálculo da sexta parte deve seguir as mesmas regras de cálculo do adicional de tempo de
serviço, como se observa no exemplo descrito abaixo:
A Prefeitura de Modelândia promulgou uma lei de criação de seu adicional de sexta parte que
determina que, após um período de 20 anos de trabalho, contado a partir da data de admissão de qualquer
trabalhador efetivado, será aplicado sobre o valor da remuneração do trabalhador um acréscimo no
percentual correspondente à sexta parte do total de sua remuneração. No cálculo desse tempo de trabalho
para a concessão da sexta parte também se considera a assiduidade do trabalhador.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 22

Para calcular a sexta parte a que tem direito um trabalhador, deve-se aplicar, sobre o valor total
da sua remuneração, a porcentagem correspondente à sexta parte desse valor. Assim, dividindo-se 100%
do valor da remuneração por 6, tem-se uma alíquota de 16,667% que deve ser aplicada a cada novo período
de 20 anos de trabalho completados pelo servidor público. Ou seja,
1) 20 anos de serviço = aplica-se uma alíquota de 16,667%;
2) 40 anos de serviço = aplica-se uma alíquota de 33,334% (que é igual a 2 x 16,667%)
Utilizando novamente como exemplo o funcionário Modelo 2, já citado no tópico destinado ao
adicional por tempo de serviço, considere-se que a sua data de admissão é o dia 01/01/2010 e que, após 20
anos de trabalho, ou seja, em 01/01/2030 a sua remuneração, num sistema monetário em Reais, esteja no
valor de R$ 4.300,00. Para calcular a sexta parte a que tem direito esse trabalhador em janeiro de 2010,
depois de 20 anos de trabalho no serviço público, deve-se multiplicar o valor total da sua remuneração, por
16,667%:
R$ 4.300,00 x 16.667% = R$ 716,68.
Portanto, após 20 anos de serviço, ou seja, no pagamento da folha de Janeiro de 2030, o
funcionário Modelo 2 receberá o valor de sexta parte correspondente a R$ 716,68.
E) Insalubridade e Periculosidade
E.1) Algumas observações sobre os adicionais
As atividades ou operações insalubres, de acordo com a definição do art. 189 da CLT, são
aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes
nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixada em razão da natureza e da intensidade do agente e
do tempo de exposição aos seus efeitos.
A insalubridade inerente a uma atividade pode ser eliminada ou neutralizada com a adoção de
medidas que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância e insalubridade e com a
utilização de equipamentos de proteção coletiva ou individual do trabalhador, que sejam capazes de diminuir
a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância.
Caso o trabalhador desenvolva a sua atividade em condições insalubres, acima dos limites de
tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, terá direito a receber um adicional de insalubridade de
10%, 20% ou 40% do salário mínimo da região, segundo se classifique a insalubridade da atividade nos
graus mínimo, médio e máximo, respectivamente, conforme o enunciado do art. 192 da CLT.
Observe-se que o cálculo do adicional de insalubridade, nos termos do art. 192 da CLT, deve
tomar como base o salário mínimo. Ocorre que o art. 7º, inciso IV da Constituição Federal proíbe a
vinculação do salário mínimo para qualquer fim e, com base nisso, o Supremo Tribunal Federal publicou a
súmula vinculante nº. 4 em 09/05/2008, que assim determina: “Salvo nos casos previstos na Constituição, o
salário mínimo não pode ser usado como indexador de base de cálculo de vantagem de servidor público ou
de empregado, nem ser substituído por decisão judicial”.
Essa súmula vinculante levou à alteração da redação da súmula nº. 228 do TST, publicada em
julho de 2008, que passou a dispor que “a partir de 9 de maio de 2008, data da publicação da Súmula
Vinculante nº. 4 do Supremo Tribunal Federal, o adicional de insalubridade será calculado sobre o salário
básico, salvo critério mais vantajoso fixado em instrumento coletivo”.
Porém, mesmo após a edição da já citada súmula vinculante nº. 4 pelo STF, a Justiça do
Trabalho continua a aplicar o salário mínimo no cálculo do adicional de insalubridade devido. Foi o que
aconteceu na decisão proferida pela Seção II de Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho em
07 de janeiro de 2011, determinando que o adicional de insalubridade a ser pago a uma empresa aos seus
empregados fosse calculado com base no salário mínimo. Para a juíza Maria Doralice Novaes, relatora do
caso, o STF declarou inconstitucional a regra do art. 192 da CLT que determina o uso do salário mínimo
como base de cálculo do adicional de insalubridade, mas impediu que o Poder Judiciário determine outra
base de cálculo a ser seguida, cabendo essa tarefa ao legislador, e, dessa forma, acabou permitindo que a
regra do art. 192 da CLT continue a reger as relações trabalhistas.
Isso significa, no entendimento unânime da SDI-2 do TST, que até que seja editada norma legal
ou convencional estabelecendo parâmetro distinto do salário mínimo para calcular o adicional de
insalubridade, o salário mínimo continuará a ser considerado para o cálculo desse adicional.
Quanto à periculosidade, são consideradas atividades perigosas aquelas que, por sua natureza
ou métodos de trabalho, impliquem contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 23

risco acentuado. Também têm direito a receber o adicional de periculosidade o empregado que tem contato
com energia elétrica (art. 1º da Lei nº. 7.369/85), assim como aqueles que mantêm contato permanente com
inflamáveis ou explosivos (como é o caso, por exemplo, de quem trabalha em posto de gasolina e ou na
fabricação de fogos de artifício) e os cabistas de telecomunicações.
O adicional de periculosidade, segundo o art 1° da Lei nº. 7.369/85 e o art. 193, §1º da CLT,
equivale a 30% do valor da remuneração do trabalhador, não incluindo, na sua base de cálculo, os
acréscimos decorrentes de gratificações, de prêmios ou de participações nos lucros da empresa.
A caracterização da insalubridade e da periculosidade e a identificação dos graus a serem
aplicados em relação à atividade exercida pelo trabalhador devem ser determinadas com base nas normas
de segurança e medicina do trabalho, principalmente através da elaboração do PPP (Perfil Profissiográfico
Previdenciário).
Também é importante mencionar que a realização habitual e permanente de atividades
caracterizadas como insalubres ou perigosas, prejudiciais à saúde ou à integridade física do segurado,
garante ao trabalhador o direito ao benefício da aposentadoria especial, conforme a previsão do art. 57 da
Lei nº. 8.213/91. A concessão de aposentadoria especial depende da comprovação do tempo de trabalho
permanente (que não seja, portanto, ocasional e nem intermitente), durante quinze, vinte ou vinte e cinco
anos em atividade com efetiva exposição a agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou a associações
de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física do trabalhador, observada a carência exigida.
De acordo com o art. 65 do Decreto nº. 3.048/99, que aprova o regulamento da Previdência
Social, considera-se trabalho permanente, para fins de concessão da aposentadoria especial, aquele
trabalho exercido de forma não ocasional nem intermitente, no qual a exposição do empregado, do
trabalhador avulso ou do cooperado ao agente nocivo seja indissociável da produção do bem ou da
prestação do serviço.
O período de carência, ou seja, o número mínimo de contribuições mensais exigido para que o
segurado possa receber a aposentadoria especial é de 180 contribuições mensais para aqueles segurados
inscritos no INSS a partir de 25 de julho de 1991. Por sua vez, a carência a ser respeitada por aqueles que
se inscreveram antes deve seguir a tabela progressiva, prevista no art. 142 da Lei nº. 8.213/91.
A comprovação da efetiva exposição aos agentes nocivos químicos (como poeiras, fumos e
gases), físicos (como ruídos, vibrações e calor), biológicos (como bactérias, fungos e parasitas) ou a
associações de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física do trabalhador deve ser feita por meio
de um formulário denominado Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP), emitido pela empresa ou pelo seu
preposto, com base em laudo técnico de condições ambientais do trabalho (LTCAT) expedido por médico do
trabalho ou engenheiro de segurança do trabalho. O laudo técnico LTCAT, que servirá de base para
formação do PPP, não deverá desprezar as informações do PPRA e PCMSO.
Para fins de concessão de aposentadoria, o exercício de atividades em jornada de trabalho
reduzida por acordo, convenção coletiva ou sentença normativa não implica na descaracterização da
atividade exercida em condições especiais, salvo quando houver deslocamento desses segurados para
outras atividades comum durante a jornada de trabalho, (art. 194 da IN 84/02).
Havendo indicação de uso do EPI (equipamento de proteção individual) ou do EPC
(equipamento de proteção coletivo), deve ser analisada a efetiva utilização desses equipamentos durante a
jornada de trabalho, bem como as condições de conservação, de higienização e de substituições realizadas
em períodos regulares e a vida útil desses equipamentos. Cabe à empresa relatar essas informações no
LTCAT/ PPP. Caso se constate, nesse laudo técnico, a neutralização quanto aos riscos dos agentes nocivos
como consequência do uso e da manutenção do EPI, não haverá o reconhecimento da atividade especial,
em consonância com o art. 194 da CLT. Portanto, é com base nessas informações que o órgão responsável
do Ministério da Previdência Social avalia as condições e concede ou não a aposentadoria especial ao
trabalhador.
O período de férias, os afastamentos por incapacidade acidentária (como auxílio-doença e
aposentadoria por invalidez) e o afastamento por licença maternidade também são considerados como
período de trabalho sob condições especiais para fins de recebimento de aposentadoria especial, conforme
o art. 164 da IN 84/02 do INSS.
E.2) Cálculo do adicional de insalubridade e do adicional de periculosidade
Como dito anteriormente, o cálculo do adicional de insalubridade leva em consideração o grau
de insalubridade (mínimo, médio ou máximo) da atividade exercida pelo trabalhador, aplicando uma alíquota
de 10%, de 20% ou de 40%, respectivamente, sobre o salário mínimo, até que outra base de cálculo não

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 24

seja prescrita em lei, conforme decisão proferida pela SDI-2 do TST em 07/01/2011. Por sua vez, o adicional
de periculosidade sempre é calculado com a aplicação de uma alíquota de 30% sobre a remuneração do
trabalhador que exerce a atividade perigosa.
Em ambos os casos é importante ressaltar que, na situação em que se considera, para o
cálculo do adicional, um período inferior a 30 dias de trabalho, deve-se aplicar a proporcionalização ao
resultado desse cálculo.
Para exemplificar a forma como devem ser realizados esses cálculos, considere-se a situação
de um trabalhador que, em razão das atividades que exerce junto à Administração Pública, tem direito tanto
ao adicional de insalubridade quanto ao de periculosidade. Esse trabalhador possui uma remuneração
básica de R$ 1.850,00 no mês de Janeiro de 2010, mês no qual o valor do salário mínimo nacional era de
R$ 510,00, conforme Medida Provisória 474, de 23/12/2009, convertida na lei nº 12.255, de 15 de Junho de
2010.
Como não há a informação sobre o grau de insalubridade da atividade exercida por esse
funcionário, demonstra-se, abaixo, o cálculo do adicional para os três diferentes graus existentes,
considerando o valor do salário mínimo vigente no mês de janeiro de 2010:
Insalubridade 10%: R$ 510,00 x 10% = R$ 51,00
Insalubridade 20%: R$ 510,00 x 20% = R$ 102,00
Insalubridade 40%: R$ 510,00 x 40% = R$ 204,00
Portanto os valores correspondentes ao pagamento do adicional de insalubridade de 10%, 20%
e 40% para o mês de janeiro de 2010 são, respectivamente, de R$ 51,00, R$ 102,00 e R$ 204,00.
Para calcular o valor do adicional de periculosidade, deve-se aplicar a alíquota de 30% sobre o
valor da remuneração básica do servidor:
R$ 1.850,00 x 30% = R$ 555,00
Portanto o valor devido ao trabalhador referente ao adicional de periculosidade do mês de
janeiro de 2010 é de R$ 555,00.

B.03 - Cálculo da Contribuição Previdenciária

No SIP, o cálculo da contribuição previdenciária é basicamente dividido em duas partes, sendo


uma referente à contribuição previdenciária paga pelo trabalhador e outra àquela paga pela empresa que
contratou esse funcionário.
A contribuição previdenciária do trabalhador está prevista no art. 195, inciso II da Constituição
Federal e geralmente é chamada de “INSS”. É uma contribuição devida pelo trabalhador que estiver
vinculado ao Regime Geral de Previdência Social, sendo calculada sobre o valor total dos proventos
recebidos pelo trabalhador, de acordo com uma tabela padronizada fornecida pelo Ministério da Previdência
Social. Quanto aos funcionários vinculados ao Regime Jurídico Estatutário, a contribuição previdenciária é
recolhida para o Regime Próprio de Previdência Social, sendo o cálculo do seu valor baseado em uma
tabela estipulada pelo próprio Fundo de Previdência.
Por sua vez, a contribuição previdenciária patronal, que deve ser paga pela empresa sobre a
folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física
que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício, está prevista no art. 195, inciso I, alínea “a” da
Constituição Federal. Observe-se que essa contribuição incide sobre o total da remuneração paga aos
trabalhadores que estão vinculados ao Regime Geral de Previdência Social. O cálculo dessa contribuição
depende totalmente do tipo de categoria econômica da empresa, que é denominado de FPAS (Fundo de
Previdência e Assistência Social), conforme o Anexo II da Instrução Normativa SRFB nº 971/2009. Quando a
entidade possuir Regime Previdenciário Próprio, essa alíquota é prevista na própria lei de instituição do
Fundo de Previdência.
Para facilitar o entendimento, observe-se abaixo o cálculo da contribuição previdenciária devida
por um funcionário fictício e daquela prevista pela empresa para a qual ele trabalha:
O funcionário João Carlos Pires Batista ingressou no cargo de lixeiro através de concurso
público realizado pela Prefeitura Municipal de Modelândia na data de 01/01/2010 ciente do recebimento de
uma remuneração de R$ 1.200,00 pelos seus trabalhos. Esse funcionário tem uma filha dependente, de
nome Natália Pires Batista, nascida em 19/06/2000. Conforme a determinação do próprio edital do concurso,

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 25

suas contribuições serão vinculadas ao Regime Geral de Previdência Social e suas rotinas de administração
de pessoal seguirão o Regime Jurídico Celetista.
Para calcular os valores das contribuições previdenciárias, primeiramente é preciso verificar a
tabela para contribuição dos segurados do Regime Geral aplicável ao mês e ano em questão, de acordo
com a Portaria nº 333, de 29 de junho de 2010 do Ministério da Previdência Social, convertida em lei e
demonstrada a seguir:
Ano Mês Faixa De Até Previdência IRRF
2.010 1 1 0,01 1.040,22 8 8
2.010 1 2 1.040,23 1.733,7 9 9
2.010 1 3 1.733,71 3.467,4 11 11
A contribuição previdenciária desse trabalhador deve ser calculada sobre a base de cálculo de
R$ 1.200,00. De acordo com a tabela disponibilizada acima, verifica-se que essa remuneração se encontra
no intervalo de R$1.024.98 a R$ 1.708,27, correspondente à segunda faixa da tabela. Portanto, para o
cálculo dessa contribuição, deve-se aplicar a alíquota de 9%, como segue:
R$ 1.200,00 x 9% = R$ 108,00
O valor que será enviado para o caixa da Previdência Social em nome do funcionário João
Carlos Pires Batista é de R$ 108,00. Esse valor é extraído do total de proventos mensais, restando no seu
holerite o valor líquido de R$ 1.092,00 (R$ 1.200,00 - R$ 108,00).
Por sua vez, a entidade Prefeitura Municipal de Modelândia, por ter João Carlos Pires Batista
como funcionário, deve recolher a contribuição previdenciária patronal sobre a remuneração paga a esse
funcionário. Segundo a Instrução Normativa da SRFB nº 971/2009, o código referente à categoria desta, que
é um órgão público, é o FPAS de nº 582, cuja alíquota para cálculo da contribuição patronal é de 20%.
Portanto o cálculo da contribuição previdenciária patronal é o seguinte:
R$ 1.200,00 x 20% = R$ 240,00
O valor que a entidade deve repassar para o Ministério da Previdência Social é de R$ 240,00;
porém, esse valor não é extraído do total da remuneração do trabalhador, e sim do caixa da própria
Prefeitura. Por esse motivo, a contribuição previdenciária patronal é um custo que, assim como os valores
da remuneração mensal do trabalhador, deve estar previsto em plano de orçamento.

B.04 - Cálculo do Fundo de Garantia por Tempo


de Serviço

O Fundo de Garantia é uma seguridade para o trabalhador, que tem o direito de recebê-lo
quando for demitido sem justa causa. O art.15 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990 - DOU de 14/05/90,
determina que os empregadores devem depositar, até o dia sete de cada mês, em conta vinculada junto a
Caixa Econômica Federal, a importância correspondente a 8% da remuneração paga ou devida, no mês
anterior, a cada trabalhador.
O FTGS pode ser utilizado para diversas ocasiões, como, por exemplo, para financiamento de
casa própria.
Para explicar o cálculo do FGTS, utilizemos, novamente, os dados do trabalhador João Carlos
Pires Batista da Prefeitura Municipal de Modelândia. Sobre a sua remuneração de R$ 1.200,00 deve-se
aplicar a alíquota de 8%, conforme a legislação atual. Assim,
R$ 1.200,00 x 8% = R$ 96,00
Observe-se que o valor de R$ 96,00 não é descontado do total de proventos do trabalhador,
sendo custeado pela própria Prefeitura. Por isso, esse valor, que é depositado em conta junto a Caixa
Econômica Federal, também deve estar previsto em plano de orçamento.

B.05 - Cálculo do Salário Família

A lei nº 8.213 de 24 de julho de 1991 - DOU de 14/08/1991, que dispõe sobre os planos de
benefícios da Previdência Social e dá outras providências, determina em seu art. 65 que é devido o
benefício do salário família ao segurado que recolhe suas contribuições para o Regime Geral de Previdência
Social, na proporção do respectivo número de filhos ou equiparados. O § 2º do art. 16 dessa mesma lei

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 26

prevê que o enteado e o menor tutelado equiparam-se a filho mediante declaração do segurado e desde que
comprovada a dependência econômica.
Vale lembrar que, para os trabalhadores que estão vinculados ao Regime Jurídico Estatutário,
as regras de pagamento do salário família estarão declaradas em lei própria.
O valor do benefício a ser pago na folha de pagamento deve ser calculado conforme a tabela
vigente para o mês e ano referente a esse pagamento. Assim, deve-se verificar a qual faixa da tabela do
benefício do salário família corresponde a remuneração recebida pelo trabalhador. O valor do benefício
indicado na faixa identificada será pago para cada um dos filhos do trabalhador que tenham até 14 anos de
idade ou aos filhos inválidos de qualquer idade, conforme previsão do art. 66 da citada lei nº. 8.213/91.
Para exemplificar este cálculo, utilizemos novamente os dados do funcionário João Carlos Pires
Batista da Prefeitura Municipal de Modelândia e também a tabela em vigência para o mês de janeiro de
2010, que foi determinada pela Portaria Interministerial nº 333, de 29 de Junho de 2010, demonstrada
abaixo:
Ano Mês Faixa De Até Valor
2.010 1 1 0,01 539,03 27,64
2.010 1 2 539,04 810,18 19,48
2.010 1 3 810,19 99.999 0
No dia 30/01/2010, quando a folha de pagamento do mês de Janeiro de 2010 é calculada e
paga, o funcionário João Carlos Pires Batista possui uma filha de 9 anos, 7 meses e 11 dias. Logo, pela
idade de sua única dependente, o funcionário deve receber o benefício do salário família.
A sua remuneração por trabalhar os 30 dias do mês é de R$ 1.200,00, valor correspondente à
faixa 3 da tabela de salário família indicada acima (remunerações de R$ 810,19 a R$ 99.999,00), que indica
o não pagamento desse benefício (“pagamento” no valor de R$ 0,00 para cada dependente). Observe-se,
portanto, que, apesar de ter uma filha dependente menor de 14 anos, esse funcionário não tem direito ao
salário família por receber um valor superior ao previsto na tabela de Previdência Social para a concessão
desse benefício.

B.06 - Cálculo do Imposto de Renda Retido na


Fonte

A lei n° 7.713, de 22 de dezembro de 1988, em seu art. 7º inciso I, determina que a


remuneração de todo trabalhador assalariado está sujeita ao imposto de renda retido na fonte. O cálculo
desse imposto deve ser realizado com base na tabela em vigência para o mês e ano corrente.
Para realizar o cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte dos trabalhadores assalariados,
devem ser observadas as informações contidas na Instrução Normativa da RFB nº 784, de 19 de novembro
de 2007, em especial o art. 13, inciso V e § 2º, que trata das deduções que devem ser feitas na
remuneração do trabalhar para o cálculo do imposto de renda retido na fonte. Essas deduções
correspondem aos valores relativos a dependentes, a contribuições pagas à Previdência Social da União,
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios ou das contribuições para as entidades de previdência
privada e os valores pagos a título de pensão alimentícia.
Novamente utilizemos o funcionário João Carlos Pires Batista como exemplo para a explicação
do cálculo do imposto de renda retido na fonte. Lembre-se, primeiramente, que esse funcionário possui uma
filha dependente, recebe uma remuneração mensal no valor de R$ 1.200,00 e tem descontado da sua
remuneração o valor de R$ 108,00 a título de contribuição previdenciária.
Para realizar o cálculo do imposto a ser retido no momento do pagamento da remuneração do
mês de Janeiro de 2010, deve-se observar a tabela de IRRF vigente para o mês e ano em questão, que foi
instituída pela Medida Provisória nº 451, de 15 de dezembro de 2008, reproduzida abaixo:
Ano Mês Faixa De Até Alíquota Dedução Depend. Aposent.
2.010 1 1 0,01 1.499,15 0 0 150,69 1.499,15
2.010 1 2 1.499,16 2.246,75 7,5 112,43 150,69 1.499,15
2.010 1 3 2.246,76 2.995,7 15 280,94 150,69 1.499,15
2.010 1 4 2.995,71 3.743,19 22,5 505,62 150,69 1.499,15
2.010 1 5 3.743,2 999.999 27,5 692,78 150,69 1.499,15

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 27

Como dito antes, deve-se deduzir, do valor total da remuneração do funcionário (R$ 1.200,00),
o valor da contribuição previdenciária, de dependentes e de pensão alimentícia. Assim:
1) R$ 1.200,00 - R$ 108,00 (Previdência) = R$ 1092,00
2) R$ 1092,00 - R$ 150,69 (valor a ser abatido para um dependente) = R$ 941,31.
Esse resultado corresponde à primeira faixa da tabela de IRRF (remunerações de R$ 0,01 a R$
1.499.15). Conforme essa tabela, nenhuma alíquota deve ser aplicada para o cálculo do imposto, o que
significa que o rendimento obtido pelo funcionário João Carlos Pires Batista no mês de janeiro de 2010 é
isento de IRRF.
Entretanto, visando facilitar o entendimento do cálculo do IRRF, considere-se que o valor da
remuneração mensal desse mesmo trabalhador foi aumentado para R$ 2.995,00. Diante dessa alteração
salarial, é interessante descrever também o cálculo dos valores de Previdência, FGTS, Salário Família e
IRRF desse funcionário, tendo por base as tabelas vigentes no mês 01/2010, indicadas nas páginas
anteriores.
A) Cálculo da Previdência:
A remuneração de R$ 2.995,00 corresponde à terceira faixa da tabela de cálculo da
contribuição previdenciária (remunerações de R$ 1.733,71 a R$ 3.467,40), o que determina a aplicação da
alíquota de 11%. Assim,
R$ 2.995,00 x 11% = R$ 329,45 (valor que será descontado da remuneração do mês 01/2010 e
será recolhido ao INSS em nome do trabalhador)
B) Cálculo do FGTS:
Sobre o valor total da remuneração, deve-se aplicar a alíquota de 8%:
R$ 2.995,00 x 8% = R$ 239,60 (valor a ser depositado em conta vinculada da Caixa Econômica
Federal em nome do trabalhador, mas custeado pelo empregador)
C) Cálculo do Salário Família
A remuneração de R$ 2.995,00 corresponde à terceira faixa da tabela de salário família
(remunerações de R$ 810,18 a R$ 99.999,00), que prevê o não pagamento de salário família,
independentemente do fato de esse funcionário ter uma filha dependente de 14 anos.
D) Cálculo do IRRF.
A partir do valor da remuneração mensal deve-se realizar as deduções dos valores referentes à
contribuição previdenciárias e aos dependentes. Assim:
R$ 2.995,00 (remuneração total) - R$ 329,45 (contribuição previdenciária) = R$ 2.665,55
R$ 2.665,55 - R$ 150,69 (dedução referente a um dependente) = R$ 2.514,86
O valor obtido após as deduções legais (R$ 2.514,86) corresponde à terceira faixa da tabela de
IRRF (remunerações de R$ 2.246,76 a R$ 2.995,70), cuja alíquota é de 15%. Essa alíquota deve ser
aplicada a esse valor e, em seguida, deve-se subtrair, do resultado obtido, o valor que está informado na
coluna “dedução” da terceira faixa, conforme segue:
R$ 2.514,86 x 15% (alíquota) = R$ 377,23
R$ 377,23 - R$ 280,94 (dedução prevista na terceira faixa da tabela de IRRF) = R$ 96,29
Logo, o valor a ser descontado do total de proventos desse funcionário a título de imposto de
renda retido na fonte é de R$ 96,29. Esse valor é repassado à Receita Federal através da DIRF, gerada por
meio do processo descrito no tópico D.II.6.5 deste manual.

B.07 - Obtenção de Avos

O número de dias trabalhados ou não trabalhados por um funcionário deve ser convertido em
contagem de avos, pois, em departamento pessoal para fins de cálculos, principalmente de 13° salário,
somente será considerado como mês válido aquele correspondente a um avo. Nessa contagem, um avo
corresponde a uma quantidade igual ou superior a quinze dias trabalhados durante um mês.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 28

Considere-se, por exemplo, que o já citado funcionário João Carlos Pires Batista foi admitido no
dia 01/01/2010 e foi demitido no dia 30/06/2010, tendo trabalhado todos do dias desse período. A sua
contagem de avos e de meses do tempo em que durou o seu contrato de trabalho é a seguinte:
Janeiro - 30 dias - quantidade superior a 15 dias trabalhados = 1 avo
Fevereiro - 30 dias - quantidade superior a 15 dias trabalhados = 1 avo
Março - 30 dias - quantidade superior a 15 dias trabalhados = 1 avo
Abril - 30 dias - quantidade superior a 15 dias trabalhados = 1 avo
Maio - 30 dias - quantidade superior a 15 dias trabalhados = 1 avo
Junho - 30 dias - quantidade superior a 15 dias trabalhados = 1 avo
Logo, o total de avos para esse período de trabalho desse funcionário é de 6 avos.
Para exemplificar uma situação em que exista uma fracionalidade de dias, considere-se que o
mesmo funcionário João Carlos Pires Batista foi admitido no dia 17/01/2010 e demitido no dia 15/06/2010.
Assim, a contagem de avos passa a ser a seguinte:
Janeiro - 13 dias - quantidade inferior a 15 dias trabalhados = 0 avos (pois só se considera um
avo quando a quantidade de dias trabalhados é igual ou superior a 15 dias)
Fevereiro - 30 dias - quantidade superior a 15 dias trabalhados = 1 avo
Março - 30 dias - quantidade superior a 15 dias trabalhados = 1 avo
Abril - 30 dias - quantidade superior a 15 dias trabalhados = 1 avo
Maio - 30 dias - quantidade superior a 15 dias trabalhados = 1 avo
Junho - 15 dias - quantidade igual a 15 dias trabalhados = 1 avo
Nessa nova situação, a quantidade total de avos passou para 5.
No cálculo de verbas remuneratórias que considerem a contagem de avos, como é o caso do
13º salário, é necessário primeiramente obter a quantidade de avos equivalente ao período considerado para
pagamento da verba em questão e, em seguida, deve-se aplicar as regras específicas do cálculo dessa
verba.

B.08 - Cálculos de Médias

Médias para departamento pessoal são cálculos realizados sobre um período pré-estabelecido.
A utilização desse período ocorre apenas no cálculo de férias e no cálculo do 13º salário.
O período a ser analisado quando houver cálculos de férias deve ser apurado ano a ano, a
partir da data de admissão do trabalhador. No caso do 13º salário, um período sempre será contado de
janeiro ao mês em que está sendo calculado o 13° salário. Um exemplo de utilização do cálculo sobre
médias é sobre o total de horas extras trabalhadas durante um período.
Para facilitar o entendimento da forma como o cálculo de médias é realizado para qualquer
evento que estiver lançado no SIP com a opção “calcular média” selecionada (conforme explicações
reunidas no tópico D.II.1.5, “Tipo de média” deste manual), exemplifica-se um cálculo referente a horas
extras trabalhadas no período entre 01/01/2010 a 30/06/2010, sem determinar se este cálculo é referente a
férias ou a 13º salário.
É importante observar que o objetivo deste exemplo é apenas demonstrar a quantidade de
horas extras e o valor pago ao trabalhador, focando a realização do cálculo de média. A forma como se
realiza o cálculo de horas extras está mais bem detalhado no tópico B.02, item B deste manual.
Para realizar o cálculo de média, consideremos os dados do funcionário João Carlos Pires
Batista, que trabalha 44 horas por semana, 6 dias na semana, com uma carga horária total mensal de 220
horas/mês, recebendo as seguintes remunerações mensais e horas extras no citado período de 01/01/2010
a 30/06/2010:
Janeiro - 30 dias - R$ 2.062,50 e 10 Horas Extras 100% cujo valor é igual a R$ 187,50
Fevereiro - 30 dias - R$ 2.062,50 e 20 Horas Extras 100% cujo valor é igual a R$ 375,00

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 29

Março - 30 dias - R$ 2.062,50 e 12 Horas Extras 100% cujo valor é igual a R$ 225,00
Abril - 30 dias - R$ 2.062,50 e 16 Horas Extras 100% cujo valor é igual a R$ 300,00
Maio - 30 dias - R$ 2.062,50 e 10 Horas Extras 100% cujo valor é igual a R$ 187,50
Junho - 30 dias - R$ 2.494,80 (neste mês o funcionário recebeu um aumento salarial e não
trabalhou nenhuma Hora Extra)
Descreve-se, abaixo, o cálculo da média sobre essas remunerações com base em cada uma
das opções disponibilizadas para configuração de um evento, conforme descrito no tópico “Tipo de média”
do item D.II.1.5 deste manual. Posteriormente, demonstra-se a aplicação dessas regras nos cálculos de
férias e de 13º salário:
A) Média por Hora salário
Este é o tipo de cálculo de média mais complexo a ser utilizado no departamento pessoal. Por
meio desse cálculo, o valor do resultado de um evento que foi pago em um mês e ano referência é
convertido em quantidade de horas com base no valor recebido a título de remuneração base daquele
mesmo mês e ano referência; em seguida, deve-se multiplicar essa quantidade de horas pelo valor de uma
hora de trabalho referente à remuneração recebida atualmente.
Para exemplificar, demonstram-se, abaixo, as etapas do cálculo de média das horas extras
trabalhadas pelo funcionário João Carlos Pires Batista de janeiro a junho de 2010:
1) Primeiramente, deve-se converter em quantidade de horas normais o valor que o trabalhador
recebeu em cada mês a título de horas extras. Para tanto, é necessário obter o valor pago por uma hora
normal de trabalho em cada um dos meses e, em seguida, dividir o valor total pago como horas extras pelo
valor de uma hora normal de trabalho.
Assim, no mês de Janeiro de 2010, quando foi lançada a quantidade de 10 horas extras para o
funcionário em questão, no valor total de R$ 187,50, o valor da remuneração mensal desse trabalhador era
de R$ 2.062,50. Dividindo-se o valor da remuneração mensal por uma carga horária de 220 horas mensais,
obtém-se o valor de R$ 9,375 pago por cada hora normal de trabalho.
Em seguida, como descrito inicialmente, deve-se converter o valor de R$ 187,50, pago pelas
horas extras trabalhadas no mês de janeiro, quantidade de horas normais de trabalho, da seguinte forma:
R$ 187,50 (valor total de horas extras paga em janeiro de 2010) / R$ 9,375 (valor de uma hora
normal de trabalho em janeiro de 2010) = 20 horas normais.
2) Essa quantidade de horas normais (20) equivalente ao valor pago a título de horas extras
deve ser multiplicada pelo valor de uma hora normal trabalhada no mês em que se está realizando o cálculo
de média. Antes disso, porém, é necessário obter o valor dessa hora normal, dividindo-se o valor da
remuneração atual pela carga horária mensal. Assim:
R$ 2.494,80 (valor da remuneração atual) / 220 (carga horária mensal) = R$ 11,34 (valor de
uma hora normal de trabalho)
Multiplicando-se o valor de uma hora atual pela quantidade de horas normais equivalentes às
horas extras trabalhadas no mês de janeiro de 2010, obtém-se o seguinte resultado:
R$ 11,34 (valor de uma hora normal em junho de 2010) x 20 (horas normais equivalentes às
horas extras de janeiro de 2010) = R$ 226,80
O valor de R$ 226,80 corresponde ao valor corrigido das horas extras pagas em janeiro de
2010 ao funcionário em questão.
3) Esse cálculo deve ser realizado para cada um dos meses que fazem parte do intervalo a ser
considerado no cálculo de média (de 01/01/2010 a 30/06/2010), como segue:
3.1) Para Fevereiro de 2010:
R$ 375,00 (valor de horas extras pagas no mês) / R$ 9,375 (valor de uma hora normal de
trabalho em fevereiro) = 40 horas normais
40 (horas normais) x R$ 11,34 (valor da hora normal em junho de 2010) = R$ 453,60 (valor
corrigido das horas extras pagas em Fevereiro de 2010)
3.2) Para Março de 2010:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 30

R$ 225,00 (valor de horas extras pagas no mês) / R$ 9,375 (valor de uma hora normal de
trabalho em março) = 24 horas normais
24 (horas normais) x R$ 11,34 (valor da hora normal em junho de 2010) = R$ 272,16 (valor
corrigido das horas extras pagas em Março de 2010)
3.3) Para Abril de 2010:
R$ 300,00 (valor de horas extras pagas no mês) / R$ 9,375 (valor de uma hora normal de
trabalho em abril) = 32 horas normais
32 (horas normais) x R$ 11,34 (valor da hora normal em junho de 2010) = R$ 362,88 (valor
corrigido das horas extras pagas em Abril de 2010)
3.4) Para Maio de 2010:
R$ 187,00 (valor de horas extras pagas no mês) / R$ 9,375 (valor de uma hora normal de
trabalho em maio) = 20 horas normais
20 (horas normais) x R$ 11,34 (valor da hora normal em maio de 2010) = R$ 226,80 (valor
corrigido das horas extras pagas em Maio de 2010)
3.5) Para Junho de 2010:
Não houve pagamento de horas extras neste mês, portanto não há médias a serem calculadas.
4) Em seguida, deve-se somar os valores corrigidos, pagos a título de horas extras de janeiro a
junho de 2010. Assim:
R$ 226,80 + R$ 453,60 + R$ 272,16 + R$ 362,88 + R$ 226,80 = R$ 1.542,24.
5) Para qualquer tipo de média, deve-se dividir por 12 meses o resultado da soma dos valores
corrigidos, para obter a média para um mês. Assim deve ser feito pois, em qualquer tipo de cálculo de
departamento pessoal que envolva um período, faz-se necessária a obtenção de um valor puro para um
mês fechado, como se o funcionário tivesse trabalhado integralmente aquele mês. Sendo assim, no exemplo
em questão, deve-se proceder á seguinte divisão:
R$ 1.542,24 (soma dos valores corrigidos) / 12 meses = R$ 128,52 (valor da média para o
período em questão)
O valor de R$ 128,52 corresponde à média sobre as horas extras trabalhadas pelo funcionário
durante um ano completo de trabalho.
Quando se tratar de pagamento de médias em caso de admissão contratual e de rescisão
contratual, deve-se considerar o período de meses efetivamente trabalhados. Assim, caso o exemplo acima
tratasse de um funcionário que sofreu uma rescisão contratual após seis meses de trabalho, seria
considerado um período de trabalho de somente 6 meses, devendo-se dividir esse resultado por 12 meses:
R$ 128,52 (média do período) / 12 meses = R$ 10,71 média/mês
Por fim, para obter a proporcionalização dessa média, deve-se multiplicar o valor da média
mensal pelo número de meses do período considerado:
R$ 10,71 (média/mês) x 6 (meses do período) em questão = R$ 64,26.
Portanto, a média de hora salário para o exemplo em questão em que ocorreu rescisão
contratual é de R$ 64,26.
OBSERVAÇÃO: este cálculo de proporcionalização de médias, considerando-se o período
efetivamente trabalhado, é realizado da mesma forma para todos os tipos de média descritos a seguir.

B) Média Aritmética (Acumular/Divide/12)


Este tipo de média consiste em acumular os valores apurados para um evento durante
determinado período e, em seguida, dividir esse resultado por 12, que corresponde à quantidade de meses
de um ano e é o número padronizado para obtenção do todo tipo de média em departamento pessoal,
conforme dito anteriormente. Caso o período considerado seja inferior a 12 meses, deve-se realizar a
proporcionalização da média pelos meses em que foi pago o evento, dividindo-se a média obtida por 12 e
multiplicando-se o novo resultado pelo número de meses trabalhados.
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 31

Considerando-se novamente os dados do funcionário João Carlos Pires Batista, descreve-se


abaixo as etapas para a obtenção da média de horas extras pagas durante esse período de acordo com o
tipo de cálculo “média aritmética (acumular/divide/12)”:
Primeiramente, deve-se somar o valor pago a título de horas extras durante o período em
questão (de 01/01/2010 a 30/06/2010) e, em seguida, deve-se dividir o resultado por 12:
Somando os valores pagos pelas horas extras trabalhadas em cada mês:
R$ 187,50 (janeiro/2010) + R$ 375,00 (fevereiro/2010) + R$ 225,00 (março/2010) + R$ 300,00
(abril/2010) + R$ 187,50 (maio/2010) + R$ 0,00 (junho/2010) = R$ 1.275,00
Obtendo o valor de média:
R$ 1.275,00 / 12 (regra) = R$ 106,25
Portanto, o valor da média aritmética das horas extras trabalhadas por esse funcionário durante
o período de um ano é de R$106,25.
Assim como dito anteriormente no tópico sobre a média por hora salário, caso se trate do
pagamento de médias em razão de admissão e/ou de rescisão contratual, deve-se considerar o período de
meses efetivamente trabalhados. Assim, caso o exemplo aqui considerado tratasse de um funcionário que
sofreu uma rescisão contratual após seis meses de trabalho, seria considerado um período de trabalho de
seis meses. Por isso, o resultado da média aritmética obtido em relação a um ano completo de trabalho
deve ser dividido por 12 meses para se obter a proporcionalização para um mês de trabalho:
R$ 106,25 / 12 = R$ 8,854 (valor da média para um mês)
Em seguida, deve-se multiplicar esse resultado pelo número de meses trabalhados no período
considerado:
R$ 8,854 x 6 meses = R$ 53,12.
Portanto, o valor de média de horas extras obtidos por meio do tipo de cálculo de média
aritmética (acumula/divide/12) para o exemplo em questão é de R$ 53,12.
C) Média Aritmética (Acumular/Divide/Meses)
A média que será obtida por meio deste tipo de cálculo consiste em acumular o total de valores
pagos como remuneração de um evento em cada um dos meses do período considerado e, em seguida,
dividir esse montante pelo número de meses em que esse evento foi registrado no holerite do trabalhador.
Para melhor descrever este tipo de cálculo, considere-se como exemplo, mais uma vez, os
dados do funcionário João Carlos Pires Batista.
Como informado anteriormente, esse trabalhador realizou horas extras somente em 5 dos 6
meses compreendidos no período de 01/01/2010 a 30/06/2010 (ou seja, teve o evento “horas extras”
lançado nos seus holerites de Janeiro, Fevereiro, Março, Abril e Maio). Logo, na aplicação do cálculo para
médias, o divisor será 5.
Primeiramente, somam-se os valores pagos pelo evento “horas extras” em cada um dos meses
do período e, em seguida, divide-se esse resultado pela quantidade de meses em que esse evento foi
verificado. Assim:
Somando os valores:
R$ 187,50 (janeiro/2010) + R$ 375,00 (fevereiro/2010) + R$ 225,00 (março/2010) + R$ 300,00
(abril/2010) + R$ 187,50 (maio/2010) + R$ 0,00 (junho/2010) = R$ 1.275,00
Aplicando a regra do cálculo da média:
R$ 1.275,00 / 5 (meses em que ocorreu o evento considerado na média) = R$ 255,00.
Assim, para um período de 12 meses de trabalho (um ano completo), o valor da média de horas
extras é de R$ 255,00.
Entretanto, caso se trate do pagamento de médias na rescisão contratual de um trabalhador,
deve-se considerar apenas o período de meses efetivamente trabalhados. Assim, se o funcionário
considerado no exemplo estivesse sofrendo uma rescisão contratual após seis meses de trabalho, o valor da
média obtida para o ano todo de trabalho (R$ 255,00) deveria ser dividido por 12 meses para se obter a
proporcionalização da média para um mês de trabalho. Ou seja:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 32

R$ 255,00 / 12 = R$ 21,25 (valor da média para um mês)


Em seguida, deveria-se multiplicar esse resultado pelo número de meses trabalhados no
período considerado:
R$ 21,25 x 6 meses = R$ 127,50.
Logo, o valor de média de horas extras obtido por meio da proporcionalização do tipo de cálculo
de média aritmética (acumula/divide/meses) é de R$ 127,50.
D) Média Aritmética (Acumula/Divide/Avos)
Este tipo de cálculo de médias consiste em acumular o montante pago a título de um evento
durante um período específico de trabalho e, em seguida, dividir esse resultado pelo número de avos
correspondente a esse período.
Utilizando como exemplo, mais uma vez, os dados do funcionário João Carlos Pires Batista,
primeiramente deve-se obter o número de avos correspondente ao trabalho realizado no período de
01/01/2010 a 30/06/2010:
Janeiro - 30 dias - quantidade superior a 15 dias de trabalho = 1 avo
Fevereiro - 30 dias - quantidade superior a 15 dias de trabalho = 1 avo
Março - 30 dias - quantidade superior a 15 dias de trabalho = 1 avo
Abril - 30 dias - quantidade superior a 15 dias de trabalho = 1 avo
Maio - 30 dias - quantidade superior a 15 dias de trabalho = 1 avo
Junho - 30 dias - quantidade superior a 15 dias de trabalho = 1 avo
Logo, o total de avos para esse período é de 6 avos.
Em seguida, deve-se somar os valores pagos pela ocorrência do evento “horas extras” durante
este período e dividir esse resultado pela quantidade de avos indicada acima:
Somando os valores:
R$ 187,50 (janeiro/2010) + R$ 375,00 (fevereiro/2010) + R$ 225,00 (março/2010) + R$ 300,00
(abril/2010) + R$ 187,50 (maio/2010) + R$ 0,00 (junho/2010) = R$ 1.275,00
Aplicando a regra do cálculo de média:
R$ 1.275,00 / 6 avos = R$ 212,50.
Portanto, o valor da média integral desse evento é de R$ 212,50.
Porém, nos casos em que se deve considerar apenas o período efetivamente trabalhado, que,
no caso, é de seis meses, como ocorre na rescisão contratual, esse valor deve ser dividido por 12 meses
para se obter a proporcionalização da média para um mês de trabalho:
R$ 212,50 / 12 = R$ 17,708 (valor da média para um mês)
Em seguida, deve-se multiplicar esse valor pelo número de meses trabalhados no período
considerado:
R$ 17,708 x 6 meses = R$ 106,24.
Portanto, o valor de média de horas extras obtido por meio da proporcionalização do tipo de
cálculo de média aritmética (acumula/divide/avos) é de R$ 106,24.

B.09 - Faltas

Pode-se entender por “falta” todo ato de ausência ao trabalho que não seja enquadrado como
um afastamento por acidente de trabalho, por doença ou por maternidade. O valor correspondente aos dias
de falta somente é abatido da remuneração do trabalhador quando se tratar de faltas injustificadas.
As faltas podem ser classificadas da seguinte forma:
A) Faltas Injustificadas
As faltas realizadas pelo trabalhador que não tenham sido motivadas por alguma das
justificativas previstas em lei não conferem ao trabalhador o direito a salários e às demais conseqüências
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 33

legais correspondentes a esse dia de trabalho e podem, além disso, resultar em falta leve ou grave,
conforme as circunstâncias em que se deram e/ou a sua repetição. Porém, é possível que essas faltas
tenham uma justificativa imperiosa, como nos casos de doença grave sofrida por pessoa da família do
trabalhador ou outra hipótese de força maior, o que evita essa espécie de “punição” ao trabalhador.
Caso o trabalhador não apresente justificativa para a sua falta ao serviço, o valor
correspondente ao dia em que ocorreu essa falta será descontado da sua remuneração, sendo possível
realizar esse abatimento em razão da quantidade de horas trabalhadas, como, por exemplo, nos casos de
professores que trabalham por hora.
Para exemplificar o cálculo do desconto referente à ocorrência de faltas injustificadas,
considere-se a situação de um trabalhador que possui uma carga horária mensal de 44 horas semanais,
divididas em 6 dias da semana, totalizando 220 horas de trabalho em um mês, com uma remuneração
mensal de R$ 480,00. Este trabalhador teve dois dias e três horas de falta não justificada no mês de janeiro
de 2010.
Para calcular o valor que deve ser abatido de sua remuneração em razão dessas faltas,
primeiramente deve-se encontrar o valor correspondente a um dia de trabalho desse funcionário:
R$ 480,00 (remuneração mensal) / 30 dias (quantidade de dias considerada como equivalente
a um mês para cálculos em recursos humanos) = R$ 16,00 (remuneração por dia de trabalho)
Em seguida, deve-se multiplicar esse resultado pela quantidade de dias de ausência (falta
injustificada) que, no caso, são dois dias:
R$ 16,00 (remuneração de um dia de trabalho) x 2 dias = R$ 32,00
Depois disso, deve-se realizar o mesmo procedimento para obter o valor correspondente a uma
hora de trabalho desse funcionário e, em seguida, multiplicar esse resultado pela quantidade de horas não
trabalhadas que, no exemplo citado, são três horas. Assim:
R$ 480,00 (remuneração mensal) / 220 horas (quantidade de horas equivalente a um mês de
trabalho) = R$ 2,181 (remuneração por hora de trabalho)
R$ 2,181 (remuneração de uma hora de trabalho) x 3 horas = R$ 6,543
Por fim, deve-se somar os valores das remunerações correspondentes aos dias e às horas de
falta injustificada para se obter o valor que deve ser abatido da remuneração mensal deste trabalhador:
R$ 32,00 (por dois dias de ausência) + R$ 6,543 (por três horas de ausência) = R$ 38,55 (total
que deve ser abatido da remuneração do mês de janeiro de 2010).
B) Falta Justificada
São faltas justificadas aquelas que foram previstas em lei, em norma coletiva, em regulamento
de empresa ou no contrato de trabalho e que possuem uma justificativa ligada à pessoa do trabalhador ou
aos seus familiares. Essas faltas, quando devidamente comunicadas ao empregador, não constituem
violação do dever de assiduidade do trabalhador e, por isso, não devem ser abatidas da sua remuneração.
Como já dito, a empresa pode considerar determinadas situações como faltas justificadas,
prevendo-as em regulamento próprio ou no contrato de trabalho. Porém, sempre deverá observar e respeitar
as hipóteses de faltas justificadas previstas no art. 473 da CLT, que reúne o conjunto de situações descrito
abaixo:
"Art. 473. O empregado poderá deixar de comparecer ao serviço sem prejuízo do
salário:
I - até 2 (dois) dias consecutivos, em caso de falecimento do cônjuge, ascendente,
descendente, irmão ou pessoa que, declarada em sua Carteira de Trabalho e Previdência Social,
viva sob sua dependência econômica;
II - até 3 (três) dias consecutivos, em virtude de casamento;
III - por 1 (um) dia, em caso de nascimento de filho, no decorrer da primeira
semana;
IV - por 1 (um) dia, em cada 12 (doze) meses de trabalho, em caso de doação
voluntária de sangue devidamente comprovada;
V - até 2 (dois) dias consecutivos ou não, para o fim de se alistar eleitor, nos termos
da lei respectiva;

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 34

VI - no período de tempo em que tiver de cumprir as exigências do Serviço Militar


referidas na letra c do art. 65 da Lei nº 4.375, de 17 de agosto de 1964 (Lei do Serviço Militar).
VII - nos dias em que estiver comprovadamente realizando provas de exame
vestibular para ingresso em estabelecimento de ensino superior.
VIII - pelo tempo que se fizer necessário, quando tiver que comparecer a juízo.
(Acrescentado pela Lei n.º 9.853, de 27-10-99, DOU 28-10-99).
IX - pelo tempo que se fizer necessário, quando, na qualidade de representante de
entidade sindical, estiver participando de reunião oficial de organismo internacional do qual o
Brasil seja membro."
C) Falta Abonada
Falta abonada é aquela correspondente ao número especifico de dias nos quais o empregado
possa faltar sem sofrer quaisquer descontos no valor da sua remuneração, conforme previsão legal. A
utilização do direito à falta abonada deve ser informada pelo empregado, sempre que possível, com
antecedência mínima de 24 horas.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 35

C. Instalação do SIP e Configuração Inicial

C.01 - Sistema Recomendável

O SIP 7 pode ser utilizado em qualquer microcomputador com a configuração igual ou superior
à informada abaixo:
 Processador Intel Pentium 4 ou AMD Athlon 2.8 GHz ou mais veloz;
 512 de RAM ou superior;
 2 GB de espaço livre em disco;
 Monitor 1024x768 com True Color;
Sistemas Operacionais:
 Windows 2000
 Windows 2000 Server
 Microsoft Windows XP
 Microsoft Windows Server
 Windows Vista
 Windows 7

C.02 - Instalação do Setup

Para instalar o SIP 7, deve-se utilizar o instalador (Setup de Instalação) disponível no CD/DVD
de instalação. Esse instalador também pode ser adquirido por meio do seguinte endereço da internet:
“http://www.fiorilli.com.br/sip/instalasip7.exe”
Antes de instalar o SIP 7 em um microcomputador, certifique-se de que o SIP 7 ainda não está
instalado nessa máquina, pois, caso já exista uma instalação prévia, somente uma atualização completa
poderá resolver possíveis problemas ou erros encontrados após a nova instalação do sistema. Se o SIP 7 já
estiver instalado no computador, é importante que se realize um backup de segurança da base de dados
antes de prosseguir com a reinstalação do sistema.
OBSERVAÇÃO: As informações sobre o procedimento para a realização de um backup de
segurança da base de dados do SIP 7 estão disponíveis no tópico C.06.01 e as informações sobre como
realizar uma atualização para correção de possíveis erros estão disponíveis no tópico C.05, ambos deste
manual.
Para instalar o SIP 7 em um novo equipamento, observe-se as seguintes instruções:
Ao inserir o CD/DVD do SIP 7 no drive de CD-ROM/DVD-ROM do computador, a tela do Setup
de instalação será executada automaticamente. Porém, caso o procedimento de execução automática não
ocorra, deve-se clicar no menu “Iniciar” do Windows, acessar o submenu “Executar” e, em seguida, digitar a
linha de comando: “D:\Instalasip7.exe”; observe-se que, em alguns casos, a letra “D” desse comando deve
ser substituída pela letra correspondente ao drive de CD-ROM/DVD-ROM que está sendo utilizado no
momento.
Quando o instalador começa a ser executado, é exibida a mensagem “Bem Vindo ao Aplicativo
de Instalação SIP”, seguida da informação de que o Setup de Instalação é do Sistema SIP 7.0. Conforme as
instruções elencadas na tela do instalador, aconselha-se que todos os programas que estejam abertos no
computador sejam fechados antes do início da instalação do SIP 7.0, a fim de evitar transtornos durante o
processo de instalação. Uma vez encerrados todos os programas, deve-se clicar no botão “Prosseguir” para
iniciar a instalação do sistema.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 36

 Instalador on-line
Além do pacote executável de instalação, o instalador do SIP também está disponível na versão
on-line, podendo ser obtido por meio do seguinte endereço
http://www.fiorilli.com.b/sip/InstalaSIP7Online.exe
Acessando esse link, o usuário poderá baixar um aplicativo executável que, quando executado,
buscará as informações conforme a seleção de componentes descrita no tópico C.02.02 deste manual.
A vantagem de se utilizar este instalador on-line é que ele busca automaticamente, nos
servidores da Fiorilli, as últimas versões disponibilizadas dos módulos do SIP e do Firebird, dispensando a
preocupação de se realizar a atualização após a instalação.
Essa versão do instalador possui as mesmas telas e opções do pacote executável de
instalação, descritas nos tópicos seguintes.
C.02.01 - Seleção do Diretório de Destino
No início do processo de instalação, deve-se determinar o caminho de instalação dos
componentes, dos módulos e dos arquivos de dados (Bancos de Dados utilizados pelo SIP 7.0), de acordo
com as regras do tipo de instalação a ser indicado na próxima etapa. Observe-se que existem inúmeras
possibilidades de instalação do sistema e, de acordo com cada uma delas, serão armazenados, no diretório
selecionado, somente os itens necessários à execução da tarefa solicitada.
C.02.02 - Seleção de Componentes
A etapa de seleção de componentes exige que se tenha em mente como o SIP 7 será utilizado
na organização dos dados da empresa e quais os programas que estão utilizando o Firebird fornecido pela
Fiorilli (Firebird Fiorilli 2.1) pois, se já existir uma execução desse gerenciador de banco de dados, a sua
instalação é dispensada. Além disso, deve-se definir se o SIP 7 será utilizado somente em um computador
local ou se será utilizado em um ambiente de rede, nos casos em que mais de um funcionário do
departamento tenha a necessidade de utilizar o programa.
OBSERVAÇÃO: informações sobre o funcionamento do SIP em local ou em rede estão
disponíveis, neste manual, no tópico C.04.03, itens A e B. Mais informações sobre o Firebird e seu
funcionamento estão disponíveis no tópico C.03.
Cada uma das diferentes opções de seleção de componentes para instalação disponibilizadas
pelo sistema será explicada e exemplificada a seguir:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 37

A) Instalação Completa (Local) com Firebird


Esta opção deve ser utilizada quando o departamento pessoal possuir apenas um
microcomputador e esse não tenha um servidor dedicado.
“Servidor dedicado” é um microcomputador com Windows Server ou Linux que autentica por
domínio e, principalmente, que não é utilizado para trabalhos de departamento. Por isso, caso o
departamento possua mais de um computador, um desses computadores será o Servidor e nele deverá ser
utilizada esta opção de instalação do SIP.
Atenção: uma vez selecionada esta opção de instalação, serão instalados o Firebird Fiorilli
(2.1), todos os arquivos de dados, todos os módulos e todos os atalhos do SIP 7.0.
B) Instalação Completa (Local) sem Firebird
Esta opção também deve ser utilizada quando o departamento pessoal possuir apenas um
microcomputador e esse não tenha um servidor dedicado e, além disso, já possua o Firebird Fiorilli (2.1)
instalado e em execução. É o caso, por exemplo, de um microcomputador que já tenha o SCPI (programa
de contabilidade da Fiorilli) ou qualquer outro sistema da Fiorilli instalado. Por isso, o Firebird Fiorilli não será
instalado novamente.
Uma vez selecionada esta opção de instalação, todos os arquivos de dados, todos os módulos
e todos os atalhos do SIP 7.0 serão instalados.
C) Instalação Completa (Servidor) com Firebird
Utilizar esta opção para instalar o SIP 7.0 num microcomputador que seja o Servidor dedicado e
que não tenha o Firebird instalado. Geralmente, um servidor dedicado é utilizado apenas para
gerenciamento de banco de dados e para controle de backup do sistema, não sendo necessária, portanto, a
execução do programa nesse microcomputador.
Por isso, uma vez selecionada esta opção de instalação, serão instalados apenas o módulo de
backup, o Firebird e os arquivos de dados.
D) Instalação Completa (Servidor) sem Firebird
Esta opção também deve ser utilizada para instalar o SIP 7.0 num microcomputador que seja o
Servidor dedicado e que já possua um Firebird Fiorilli (2.1) instalado e em execução. É o caso, por exemplo,
de um microcomputador que já tenha a instalação do SCPI ou de qualquer outro sistema da Fiorilli
devidamente configurada. Por isso, o Firebird Fiorilli não será instalado novamente.
Uma vez selecionada esta opção, serão instalados apenas o módulo de backup e os arquivos
de dados.
E) Instalação Completa (Estação)
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 38

Esta opção de instalação deve ser utilizada para instalar o SIP 7.0 num microcomputador
denominado de “terminal” ou de “estação de trabalho”. Nessa estação, não será instalado nenhum banco de
dados nem o Firebird, pois esses já estarão instalados no servidor dedicado.
Sendo assim, uma vez selecionada esta opção, serão instalados apenas os módulos e os
atalhos do SIP 7.0. Observe-se que é necessário configurar o SIPCon para conectar ao servidor utilizando a
opção de rede, conforme a explicação detalhada no tópico 04.05.06 deste manual.
F) Apenas Firebird Fiorilli (2.1)
Utilizar esta opção quando se desejar apenas instalar ou reinstalar o Firebird Fiorilli (2.1). Para
maiores informações sobre como proceder com êxito a instalação do aplicativo que gerencia o controle de
acesso ao banco de dados, deve-se consultar o item C.03 deste manual.
G) Apenas Banco de Dados do SIP
Esta opção deve ser utilizada para substituir ou instalar o arquivo principal de dados (base
vazia). Observe-se que este banco de dados não possui nenhum tipo de informação cadastrada e deve ser
utilizado somente quando houver a necessidade de incluir todos os dados por entrada de dados.
Todos os módulos do SIP têm por finalidade incluir, alterar, excluir ou consultar dados desse
arquivo principal, portanto todas as informações manuseadas no sistema são armazenadas nesse arquivo.
H) Apenas Banco de Dados de DEMO
Utilizar esta opção quando se pretender substituir ou instalar o arquivo principal de dados com
dados de demonstração. Observe-se que este banco de dados, com dados de demonstração, é utilizado
para apresentação do funcionamento do SIP 7.0, geralmente quando se tratar de uma empresa que ainda
não é cliente Fiorilli, ou, ainda, quando se tratar de uma empresa que não utiliza o SIP e deseja verificar seu
funcionamento com dados já cadastrados.
É importante observar que este banco de dados não está disponível na versão on-line do
instalador. Caso haja necessidade de adquiri-lo, deve-se solicitá-lo ao departamento de desenvolvimento do
SIP - Sistema Integrado de Pessoal junto à sede da Fiorilli Sociedade Civil Ltda. - Software por meio do
telefone (017) 3264-9000 ou do e-mail: suporte@fiorilli.com.br.
I) Apenas Aplicativos/Módulos
Esta opção deve ser utilizada para substituir ou instalar os módulos e/ou os atalhos do SIP, mas
não deve ser utilizada quando o sistema já foi atualizado. Caso haja necessidade de adquirir novamente os
módulos do sistema, será necessária uma atualização completa do sistema.
OBSERVAÇÃO: Maiores informações sobre como atualizar o sistema estão disponíveis no
tópico C.05 deste manual.
J) Instalação Personalizada
Esta opção de instalação permite que o próprio usuário escolha as melhores opções para a
instalação do SIP 7.0 no microcomputador. Para tanto, basta selecionar as opções desejadas para que o
instalador proceda à instalação do sistema de acordo com as informações elencadas.
C.02.03 - Grupo de Instalação
Após a seleção do tipo de instalação do sistema, são exibidas as informações do nome da
pasta relativa ao SIP 7.0 que será criada no Menu Iniciar do Windows, sendo possível que o usuário
modifique essas informações.
C.02.04 - Pronto para Instalar
Esta nova tela do instalador do SIP 7.0 traz um resumo das opções do sistema que serão
instaladas de acordo com o que foi selecionado na etapa de seleção de componentes descrita no item
C.02.02 logo acima.
C.02.05 - Instalando
Nesta nova etapa do processo, o instalador do SIP salva os arquivos no diretório selecionado
na etapa descrita no item C.02.01 deste manual.
Após a execução completa dessa etapa, o assistente de instalação abrirá automaticamente o
setup de instalação do Firebird Fiorilli, que é de fundamental importância para que o SIP 7.0 funcione

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 39

corretamente. Para realizar a instalação do Firebird, basta seguir passo a passo as instruções descritas no
tópico C.03 deste manual.
C.02.06 - Finalizando a Instalação do Setup do SIP 7
Após o término da instalação do Firebird Fiorilli, o setup de instalação do SIP retornará uma
mensagem indicando que a instalação foi concluída. Nesse momento, basta clicar na opção “concluir”,
localizada logo abaixo dessa mensagem, e, em seguida, já será possível solicitar a abertura do programa
por meio do ícone SIP 7.0, localizado na área de trabalho do computador, ou por meio do “Menu Iniciar” do
Windows.
C.02.07 - Primeiro Acesso - Login de Usuário para Acesso ao SIP 7
Para que seja possível realizar o primeiro acesso ao SIP, é necessário que se crie um novo
usuário do sistema. Essa operação pode ser realizada pelo próprio usuário do sistema, por meio do seguinte
recurso: no campo destinado ao login de acesso, deve-se digitar o usuário “NOVO” e, no campo destinado à
senha, deve-se informar o resultado obtido com a seguinte operação: ANO - MÊS + DIA, onde a data
utilizada para o cálculo deverá ser a data do sistema operacional onde o SIP está instalado.
Assim, por exemplo, se o novo usuário do SIP for cadastrado na data de 05/01/2010, deve-se
realizar a seguinte conta: 2010 - 01 + 05 = 2014; ou seja, para essa data, a senha a ser utilizada no primeiro
acesso ao SIP 7.0 deverá ser “2014”. Em seguida, deve-se clicar no botão “Entrar”.
Uma vez realizado o login de acesso, será aberta a tela de usuários com filtro de pesquisa à
frente e será fornecida uma contagem de tempo de cinco minutos para que possa ser criado um novo
usuário do sistema com os dados do trabalhador do departamento pessoal que estiver executando essa
ação no SIP 7.0. Para tanto, basta clicar no botão “incluir” e seguir as instruções de cadastro de um novo
usuário, conforme descrito no tópico C.08.01 deste manual. Sobre filtros de pesquisa, há uma descrição
mais detalhada no tópico D.01.07 deste manual.
Caso esse procedimento não seja realizado, o usuário não conseguirá acessar o sistema.

C.03 - Instalação do Firebird Fiorilli (2.1)

O Firebird, algumas vezes chamado de FirebirdSQL, é um sistema gerenciador de banco de


dados. Isso significa que o Firebird é o responsável pelo armazenamento e pelo gerenciamento das
informações cadastradas no SIP 7. O Firebird é compatível com Linux, Windows, Mac e uma variedade de
plataformas Unix.
Caso seja necessário instalar o Firebird de forma separada do instalador do SIP, é possível
adquirir o Setup de instalação do Firebird acessando o site:
“http://www.fiorilli.com.br/firebird_fiorilli.exe”
Uma observação importante: as organizações que instalarão o SIP em um ambiente de rede
cujo servidor possua o sistema operacional Linux deverão instalar o Firebird Fiorilli específico para essa
plataforma, que está disponível no link abaixo:
“http://www.fiorilli.com.br/firebirdss-fiorilli-2.1.3.18185-0.i686.tar.gz”
A seguir, serão descritas as instruções para a instalação do Firebird em uma plataforma
Windows. Caso seja necessário instalar o Firebird no Linux, o usuário deve entrar em contato com o suporte
da empresa Fiorilli S/C para obter maiores informações sobre esse procedimento.
Como dito no item C.02.05 deste manual, quando o instalador do SIP completar a instalação do
sistema, o setup de instalação do Firebird Fiorilli será aberto automaticamente na tela. Caso o usuário tenha
realizado o download desse aplicativo a partir do site, após o download o aplicativo também será visualizado
na tela. A partir desse momento, basta seguir as instruções do próprio aplicativo para proceder à instalação
do Firebird.
A partir da tela inicial de “boas vindas”, reproduzida abaixo, o usuário deve clicar no botão
“Avançar” para começar a instalar o Firebird.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 40

C.03.01 - Contrato de Licença de Uso


Nesta primeira etapa de instalação do Firebird, será solicitada a confirmação do contrato de
utilização do Firebird. Após a leitura dos termos de utilização do componente, deve-se selecionar a opção
“Eu Aceito os Termos do Contrato”, para que o botão “Avançar” seja habilitado e seja possível prosseguir o
processo de instalação. Porém, caso os termos de utilização não sejam aceitos, não será possível continuar
com a instalação.
C.03.02 - Informação
A próxima tela exibida traz a informação sobre o funcionamento do gerenciador de banco de
dados. Para prosseguir a instalação, basta clicar no botão “Avançar”.
C.03.03 - Selecione o Local de Destino
Neste momento, o aplicativo de instalação indica o local onde será instalado o Firebird.
Aconselha-se que este caminho não seja modificado; porém, caso seja necessário fazê-lo, basta selecionar
o botão “Procurar” e modificar o caminho do diretório de destino.
C.03.04 - Selecionar Componentes
Nesta etapa do processo, deve-se indicar quais componentes do Firebird serão instalados no
microcomputador. Aconselha-se que o usuário deixe selecionada a opção padrão do aplicativo: “Instalação
Completa do Server e Ferramentas de Desenvolvimento” e, em seguida, clique no botão “Avançar”.
C.03.05 - Selecionar a Pasta do Menu Iniciar
Esta tela do aplicativo de instalação do Firebird indica em qual pasta o programa de instalação deve
colocar o atalho do Firebird no Menu Iniciar, sendo possível alterar o nome dessa pasta. Observe-se que,
nesta tela, existe a opção “Não Criar uma Pasta no Menu Iniciar” que, uma vez selecionada, determina que
nenhum atalho para o Firebird seja criado no Menu Iniciar.
C.03.06 - Selecionar Tarefas Adicionais
Nesta tela devem ser selecionadas quais as operações adicionais que serão realizadas pelo
instalador do Firebird enquanto ele executa a instalação dos componentes necessários para o
funcionamento do gerenciador. As operações adicionais são as seguintes:
A) Usar o Guardian para Controlar o Serviço?
O gerenciador de banco de dados Firebird é dividido em duas partes: Firebird Guardian e
Firebird Server. O Firebird Guardian permite que o processo do Firebird fique ativo o tempo todo; ou seja, é
um guardião que fica ativo na memória e faz com que o serviço do Firebird não cesse, proporcionando maior
segurança na manutenção dos dados que estão sendo processados. Assim, caso alguma “pane” aconteça e

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 41

o servidor “caia” abruptamente, o Guardian reinicia o Firebird automaticamente. É recomendável que se


mantenha esta opção ativada.
B) Executar o Servidor Firebird como Serviço ou Aplicação?
A execução do serviço do Firebird como aplicação ou serviço está relacionada ao usuário que
utiliza a máquina onde o Firebird está instalado. Isso porque, quando o computador é iniciado e antes da
informação do usuário e da senha de acesso ao sistema operacional, o sistema executa apenas as
atividades principais, chamadas de “serviços” e, após a informação do login do usuário, o sistema
operacional passa a executar processos que são específicos daquele usuário, chamados de “aplicações”.
Recomenda-se que o Firebird seja utilizado como Serviço, para que o SIP possa ser utilizado
por qualquer usuário que se logar no sistema operacional. Porém, caso o Firebird seja instalado como
aplicação, o SIP funcionará somente quando o usuário que instalou o gerenciador de dados Firebird no
sistema operacional estiver logado.
C) Iniciar o Firebird Automaticamente cada vez que o Sistema Arranca?
Se esta opção estiver selecionada, o Firebird entrará em execução automaticamente quando o
computador for inicializado. É recomendável que esta opção seja selecionada, pois, se o Firebird não estiver
em atividade, o SIP 7 não funcionará.
D) Instalar a Aplicação no Painel de Controle?
Se esta opção for selecionada, será instalado, no painel de controle, um acesso rápido para
controle de execução do Firebird. Com esse acesso rápido, é possível colocar o gerenciador em execução,
controlar a sua execução como serviço ou aplicação e/ou habilitar sua execução como automática ou
manual.
É importante ressaltar que, nos microcomputadores que utilizam sistema operacional Windows
Vista, esta opção deve ser desmarcada, pois, conforme observado em alguns casos, a seleção desta opção
trava o acesso ao painel de controle, o que afeta a funcionalidade do sistema operacional, pois o usuário não
conseguirá acessar esse dispositivo. Por isso, na instalação do Firebird Fiorilli, o próprio instalador verifica
qual o sistema operacional do microcomputador e, trantando-se do Windows Vista, não procede à instalação
do atalho. Porém, caso a instalação tenha sido realizada com esta opção selecionada, para corrigir o
problema, basta acessar a pasta System32 do Sistema Operacional e deletar o arquivo Firebird2Control.cpl.
E) Copiar a Biblioteca do Cliente Firebird para a pasta de <system>?
Esta opção possibilita que as bibliotecas (DLL) a serem utilizadas pelos programas que utilizam
o gerenciador Firebird sejam copiadas para a pasta principal do sistema operacional. No caso do SIP, o
sistema utilizará as bibliotecas disponíveis na própria pasta em que foi instalado o programa.
Observe-se que a Fiorilli segue as recomendações da Microsoft de que, a partir do Windows
2000, as bibliotecas sejam instaladas nos diretórios dos aplicativos, e não mais no diretório do sistema
operacional.
F) Criar a Biblioteca cliente como Gds32.dll para retro-compatibilidade?
Esta opção é de grande importância na instalação do Firebird pelo seguinte motivo: a partir do
Firebird 1.5.2, a biblioteca cliente do banco de dados teve o nome alterado de “gds32.dll” para “fbclient.dll”;
no entanto, essa mudança pode ainda não ter sido registrada em muitos programas, que continuarão a
procurar o arquivo “gds32.dll”. Caso esta opção esteja selecionada, o instalador do Firebird criará uma
biblioteca cliente com o nome de “gds32.dll” dentro do diretório do sistema para questões de
compatibilidade. É uma opção que pode ser acionada ou não, pois não afeta diretamente o funcionamento
do SIP.
C.03.07 - Pronto para Instalar
Neste momento, o assistente de instalação mostrará um resumo de quais os componentes e as
opções do Firebird que serão instaladas no microcomputador de acordo com a seleção de componentes
efetuada na tela descrita no item C.03.04 deste manual, assim como quais são as tarefas adicionais que
serão executadas na instalação do Firebird, conforme determinado na tela descrita no item C.03.06.
C.03.08 - Instalando
Nesta etapa do processo, o instalador do Firebird salva os arquivos no diretório selecionado e
realiza as configurações para que o gerenciador de banco de dados possa ser utilizado.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 42

C.03.09 - Informação
A tela apresentada neste momento informa que o Firebird já foi instalado na máquina e mostra um
resumo das operações realizadas durante o procedimento de instalação.
C.03.10 - Finalizando o Assistente de Instalação do Firebird Fiorilli
A tela de finalização do assistente de instalação informa que o Firebird foi instalado com
sucesso na máquina. Aconselha-se que, neste momento, o computador seja reiniciado para que a execução
do gerenciador de banco de dados Firebird seja realizada com eficiência.

C.04 - SIPCON - Assistente de Configurações

A principal função deste módulo do SIP 7.0 é a definição das configurações do terminal com o
servidor. Também é utilizado para determinar o caminho do diretório do banco de dados, informando ao SIP
onde as atividades realizadas no programa serão armazenadas. As configurações determinadas neste
assistente são armazenadas no arquivo sipcon.ini, ou seja, este módulo acaba sendo apenas um editor
desse arquivo de configurações.
É importante observar que as explicações deste tópico sobre a instalação do SIPCON tratam de
forma mais abrangente sobre a instalação em ambiente de rede, pois, por padrão, o SIP é instalado como
ambiente local. Por isso, na instalação em ambiente local, nenhuma configuração adicional é necessária,
visto que o próprio instalador encarrega-se de configurar as informações do arquivo sipcon.ini.
Para abrir este assistente de configurações, deve-se acessar, no menu iniciar do Windows, a
pasta Programas / Fiorilli Software / SIP Configurações ou, então, acessar a pasta do programa e abrir o
arquivo “SIPCON.exe”. Em seguida, deve-se selecionar a configuração desejada dentre as várias opções
disponibilizadas pelo assistente, como explicado detalhadamente abaixo:

C.04.01 - Sistema Operacional


Inicialmente, deve-se selecionar o Sistema Operacional instalado na máquina que conterá o
banco de dados do sistema SIP 7.
Se o SIP 7 for instalado somente num computador local, deve-se informar o sistema
operacional Windows, visto que o sistema somente pode ser executado em plataforma Windows. Porém,
caso exista uma rede de computadores, deve-se informar o sistema operacional do Servidor. Observe-se
que o banco de dados, diferentemente dos executáveis do programa, pode ficar em um Servidor com
sistema operacional Windows ou Linux, pois o Firebird possui compilações específicas para cada tipo de
plataforma, o que possibilita, por exemplo, que o servidor tenha o sistema operacional Linux e que as
estações de trabalho tenham a plataforma Windows.
C.04.02 - Banco de Dados

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 43

Este segundo parâmetro pode ser ignorado atualmente, pois o SIP ainda não suporta outro
banco de dados que não seja o Firebird. Porém, a empresa Fiorilli está trabalhando para melhor atender às
solicitações de seus clientes e, em um futuro próximo, será possível a utilização do sistema em multi-banco.
C.04.03- Conexão com Dados
Nesta etapa, o SIPCON reconhece se o sistema está sendo instalado ou não em um ambiente
de rede de acordo com o nome do servidor. Assim, tendo sido definido um ambiente de rede, o campo
“nome do servidor” será preenchido com o nome ou com o IP do computador-servidor; diferentemente, se o
ambiente for local, o nome será preenchido obrigatoriamente com a descrição localhost, pois, quando
descrito dessa maneira, o próprio Firebird entenderá que o arquivo de banco de dados encontra-se na
mesma máquina em que está sendo utilizado o SIP.
C.04.03.01 - Preparação para Conexão
Especial atenção deve ser dada neste momento de indicar o caminho para conexão do banco de
dados. Esse caminho deve ser informado na estação como se fosse no próprio servidor, visto que o Firebird
realiza a comunicação com o banco de dados através de portas, e não por compartilhamento. Portanto, na
hipótese de o computador-servidor possuir dois HDs ou duas partições e o SIP.FDB, que é o banco de
dados do SIP, estar instalado sob o HD de rótulo "D:", então deve-se informar na estação o caminho
"D:\Fiorilli\SIP_7\SIP_DADOS\SIP.FDB", mesmo que na estação os módulos estejam instalados em
"C:\Fiorilli\SIP_7".
Outra hipótese que deve ser considerada é a de servidores baseados em Unix, pois neles o caminho
dos arquivos é dado por barras normais e não existe letra rotulando HDs ou partições. Ainda assim, numa
estação que utiliza o sistema operacional Windows e que terá a conexão com um banco de dados em rede
cujo servidor é Linux, o SIPCON deverá ter seu caminho de banco de dados configurado com barras
normais. Assim, por exemplo, se o SIP.FDB estiver alojado em "/home/Fiorilli/SIP_7/SIP_DADOS/SIP.FDB"
no servidor, esse é o caminho que deverá ser informado no SIPCON da estação Windows.
É importante observar que nenhum compartilhamento deve ser criado para a pasta que armazena o
SIP.FDB, pois o Firebird é um serviço residente apenas no servidor e que opera por porta de comunicação.
Essa operação está descrita de forma mais detalhada no tópico C.04.04.04 deste manual,
Vale lembrar também que as permissões de acesso no Firewall deverão ser executadas quando
houver a necessidade de conexão através de rede. As informações detalhadas sobre o procedimento de
liberação do Firewall estão descritas no tópico C.04.04.03 deste manual.
C.04.03.02 - Porta de Comunicação do Firebird
Por padrão, o instalador do Firebird, que é adquirido diretamente do site da Borland, é
configurado com acesso para a porta de comunicação 3050. Os programadores da empresa Fiorilli S/C
alteraram a porta de comunicação desse instalador para a 3055 e também prepararam os sistemas para que
eles realizem conexão através dessa nova porta de comunicação.
Nas estações, a comunicação com o banco de dados Firebird deverá ser realizada através de
porta, e não através de compartilhamento, pois, do contrário, a segurança do arquivo de dados ficaria
comprometida, haja vista que os usuários da rede poderiam, por exemplo, entrar na pasta do banco de
dados do programa e excluí-lo.
É importante observar que nenhum Firebird deverá ser instalado na estação, pois o Firebird é
um serviço que opera através de porta de comunicação para redes. Sendo assim, o Firewall das estações e
do servidor deve fornecer livre passagem de dados por meio dessa porta de comunicação 3055.
C.04.03.03 - Liberação do Firewall para Rede
O Firewall é um recurso cuja função é impedir que toda solicitação entendida pelo sistema
operacional como não sendo uma solicitação benéfica tenha acesso aos dados do computador.
Como o sistema do Firebird é oferecido por outra empresa, é necessário que seja liberada a
comunicação para a porta de comunicação do Firebird. Para tanto, no sistema operacional Windows,
deve-se acessar o menu iniciar e localizar o painel de controle e, posteriormente, acionar o Firewall.
Aconselha-se que o Firewall não seja desabilitado totalmente, e sim que se acesse a aba “Exceções” desse
recurso e se adicione uma exceção de porta clicando no botão “Adicionar Porta” e informando o nome
“Firebird” e o número “3055” no número da porta.
Após a execução desses procedimentos, que deve ser realizada no Servidor de dados, deve-se
confirmar as informações, fechando o Firewall e o painel de controle.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 44

C.04.03.04 - Efetivando a Conexão com o Banco de Dados SIP.FDB


Após a análise das informações configuradas até este momento, para que seja possível realizar
a conexão com o banco de dados com sucesso, deve-se clicar sobre o botão localizado ao lado da
denominação do banco de dados a ser conectado, com a descrição “Clique Aqui para Testar”. Lembre-se
que esta conexão deverá ser realizada nos três bancos de dados listados (SIP.FDB, SSE.FDB e SIPCEP).
Com isso, deve aparecer na tela a informação de que o banco de dados está conectado, juntamente com a
informação de que o procedimento foi concluído com sucesso e, além disso, a indicação da versão do banco
de dados que está sendo utilizado.
Observe-se que, para um processo de reinstalação em que, por exemplo, a versão do banco de
dados pertence ao Firebird 1.5, aconselha-se que seja realizada uma conversão para o Firebird Fiorilli (2.1);
para tanto, deve-se realizar uma conversão do bancos de dados na forma descrita no tópico C.06.06.01
deste manual.
C.04.03.05 - Conexão com o Banco de Dados da Secretaria SSE.FDB
Se no SIPCon existe uma conexão realizada com o banco de dados do programa de Secretaria
(SSE) fornecido pela Fiorilli, será possível consultar os documentos que estão cadastrados junto a esse
programa. Assim, sempre que uma tela de cadastro do SIP solicitar o tipo de documento, ao selecionar-se o
botão de auxílio localizado ao lado desse campo, será mostrada uma listagem com todos os documentos
que foram cadastrados no programa de Secretaria.
Para realizar a conexão com o banco de dados do programa de Secretaria, basta informar o
caminho onde se encontra esse banco de dados, chamado SECRETARIA.FDB, que está disponibilizado na
pasta deste programa. Esse banco de dados geralmente está instalado, por padrão, na pasta
“C:\Fiorilli\Secretaria\Banco\Secretaria.FDB”.
É importante lembrar que este recurso somente poderá ser utilizado quando os bancos de
dados dos dois sistemas (SIP e SSE) estiverem instalados na mesma máquina, que, no caso, deve ser um
servidor dedicado.
C.04.03.06 - Conexão com o Banco de Dados CEP.FDB
O SIP dispõe de um banco de dados exclusivo dos Correios para consultar um endereço a
partir do número do CEP informado pelo usuário. Assim, sempre que uma tela de cadastro solicitar dados de
endereço, o usuário poderá utilizar os mecanismos do SIPCEP para facilitar o preenchimento dessas
informações.
Quando o número do CEP é informado pelo usuário, o SIP realiza a busca do endereço no
banco de dados dos Correios (SIPCEP.FDB). Se o endereço for encontrado, o SIP preencherá os campos
da tela de cadastro com os dados obtidos nesse banco de dados, restando ao usuário selecionar o número
do endereço e o complemento.
Além de encontrar o endereço com base no número do CEP, o SIP também procura o CEP
com base no endereço informado pelo usuário. Para tanto, é necessário que o usuário informe o logradouro,
a cidade e o estado na tela de cadastro e, em seguida, clique no link "Encontrar CEP", localizado acima do
campo “logradouro”.
Caso o SIP encontre um único endereço correspondente ao CEP informado, os dados desse
endereço são preenchidos automaticamente nos campos do cadastro. Porém, quando o SIP encontra mais
de um número de CEP com base nos dados de endereço informados, uma mensagem é exibida para que o
usuário escolha, entre os números listados abaixo do campo “CEP”, a informação correspondente à sua
solicitação, conforme ilustrado na imagem a seguir:

C.04.04 - Servidor de Aplicação


Antes de descrever o processo de conexão com o Servidor de Aplicação do SIP, é importante
discorrer um pouco sobre o funcionamento do seu aplicativo.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 45

O Servidor de Aplicação do SIP é um aplicativo que não demanda interação direta com o usuário.
Ele fica alojado na bandeja do Windows, ao lado do relógio da tela, juntamente com outros ícones, tais como
o controle de volume do som, o antivírus e o Messenger.
Trata-se de um módulo que se destina a intermediar conexões entre os terminais/estações e o
servidor de banco de dados. Ele é fruto de uma iniciativa para diminuir o tempo de resposta do suporte
técnico e permitir que seja possível a utilização do SIP através da internet, evitando, principalmente, o
dispendioso envio de backup dos usuários para os atendentes do suporte técnico.
Este dispositivo também permite que o SIP seja utilizado remotamente, ou seja, que a aplicação (os
executáveis do sistema) fiquem em uma máquina e que o banco de dados fique remotamente instalado em
um servidor em outra rede remota, sendo que nesse servidor deve ser utilizada a internet para realizar a
conexão com o banco de dados; para realizar esta conexão, basta informar o número do IP da máquina de
destino.
Além de possibilitar a conexão pela internet, o SIP-Servidor é o primeiro passo para que o SIP seja
capaz de gravar e trabalhar com dados de outros bancos de dados relacionais, tais como Microsoft TM SQL
Server® e Oracle®.
O SIP Servidor é um projeto a ser futuramente implementado no SIP e, portanto, atualmente não
está sendo utilizado pelo sistema.
C.04.04.01 - Servidor Cadastro Único
Atualmente, quando a opção “SiP Servidor de Aplicação” é acionada, aparece, na tela, a opção
“Servidor Cadastro único”. A função desse cadastro único é melhorar os recursos de utilização do SIP e de
outros sistemas disponibilizados pela Fiorilli Sociedade Civil Ltda. - Software, agilizando os processos de
cadastro de informações. Por isso, sua implementação em todos os sistemas ainda está em curso.
É importante observar que, apesar de a opção “SIP Servidor” estar visível nesta tela, ela não
está disponível para acesso do usuário tendo em vista que o SIP Servidor foi extinto recentemente.
O cadastro único consiste em um banco de dados disponibilizado no Servidor de dados da
organização, contendo as principais informações sobre as pessoas físicas e as pessoas jurídicas que, em
algum momento, tiveram alguma relação com a entidade. Assim, quando um cadastro de pessoa física ou
jurídica for realizado em qualquer um dos sistemas da Fiorilli, a função do cadastro único verificará se esse
registro já consta no banco de dados e, caso ele já exista, o sistema solicitará ao usuário que escolha qual
informação deseja manter: a que está sendo cadastrada naquele momento ou a que já existia
anteriormente.
Da mesma forma, se os dados que estão sendo cadastrados ainda não existiam em nenhum
outro sistema, essas informações serão incluídas no cadastro único e, a partir desse momento, poderá ser
utilizada por qualquer outro sistema da Fiorilli que esteja configurado e utilizando o recurso do Cadastro
Único.
Esse recurso pode ser utilizado em todas as telas de cadastros que contêm campos de CPF ou
CNPJ. Ou seja, somente após a digitação desses números de identificação de pessoa física ou de pessoa
jurídica é que o sistema em uso retornará a informação sobre a existência prévia ou não desses dados no
cadastro único.
C.04.05 - Compartilhamento
O recurso de compartilhamento só estará disponível quando o SIP for utilizado em rede. Esse
recurso foi desenvolvido com o intuito de detectar automaticamente as atualizações baixadas em uma pasta
específica do servidor. Ou seja, quando esta opção estiver configurada, todas as estações que possuem o
SIP detectarão as novas versões baixadas na pasta indicada do servidor e se atualizarão automaticamente.
Portanto, a configuração desta opção será disponibilizada ao usuário pelo assistente do SIPCON somente
se ele foi configurado para ambiente de rede.
Neste caso, recomenda-se que o compartilhamento seja criado no Servidor para a pasta
SIP_ARQ e referenciado no SIPCON das estações. É importante atentar para o fato de que a pasta
SIP_ARQ deverá estar fora da pasta SIP_DADOS, a fim de garantir a segurança do arquivo de banco de
dados, o SIP.FDB.
É necessário observar que, neste campo, deve-se informar o caminho do compartilhamento
como, por exemplo, “\\Servidor\SIP_ARQ”, independentemente de o SIP estar instalado no computador
servidor sob o rótulo "D:" ou em Unix.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 46

Uma vez realizado o compartilhamento, será aberta a tela de atualização de rede nas máquinas
que são estações, informando que há atualização disponível no Servidor. Para realizar essa atualização,
deve-se seguir as instruções descritas no tópico C.05.01 deste manual.
C.04.06 - Outras Funções do SIPCon
Na parte inferior da tela do SIPCon existem alguns botões cujas funções podem auxiliar em
algumas situações do suporte técnico. São eles:
A) Botão Sobre
Este botão possibilita que o suporte técnico verifique a versão do SIPCON que está sendo
utilizada e, consequentemente, se essa está atualizada.
B) Botão Ajuda
Este botão permite a visualização dos tópicos de ajuda sobre o SIPCon, além de disponibilizar o
acesso ao vídeo de auxílio para a visualização de comunicação do SIPCon.

C.05 - Atualização do SIP 7

A atualização acrescenta ao SIP recursos que são implementados no sistema visando a


melhoria da sua qualidade.
Antes de começar a utilizar o sistema, solicita-se que o usuário verifique se o sistema foi
instalado pela primeira vez ou se é uma reinstalação. Se o SIP foi reinstalado na máquina e, antes desse
procedimento, realizou-se um backup do sistema, é necessário que se proceda à restauração desse backup.
O procedimento de restauração de backup deve ser realizado da forma descrita no tópico C.06.02 deste
manual.
Após a restauração do backup e antes do início da utilização do sistema, aconselha-se que o
SIP seja atualizado.
C.05.01 - Atualizar Módulos do SIP
Para Iniciar a atualização do SIP, é possível utilizar uma das seguintes opções: 1) na tela do
módulo principal do SIP, acessar, no menu “3-Atualização”, a opção 03.01-Atualizar módulos do SIP; 2)
acessar o ícone “SIP - Atualizar”, disponível na área de trabalho; 3) acessar, a partir do menu "Iniciar" do
Windows, o seguinte caminho: "Programas" -> "Fiorilli S/C Ltda." -> "SIP" -> "SIP Download"; ou, por fim, 4)
a partir do Windows Explorer, executar o aplicativo SIPDOW.exe, que geralmente está disponível no
diretório "C:\Fiorilli\SIP_7\SIPDOW.exe".

Realizado um dos procedimentos descritos no parágrafo anterior, será aberto, na tela, o


Utilitário de Download para Atualização do SIP 7. Inicialmente, deve-se clicar em “Verificar Atualização” e,
então, o aplicativo verificará automaticamente qual arquivo deverá ser baixado re realizará o download
automaticamente. Essas atualizações serão salvas na pasta indicada no campo “Salvar em”, disponível
quando acionado o botão “Parâmetros”, localizado na parte inferior deste aplicativo.
Observe-se que, se o SIP estiver instalado em um ambiente de rede, esse campo será
preenchido automaticamente com o caminho indicado no SIPCON, nas opções de compartilhamento
(Servidor de Atualizações), como, por exemplo, \\Servidor\SIP_ARQ.Após a conclusão do Download, o
aplicativo de download realizará a descompactação dos módulos e a sua instalação. Em seguida, o usuário
deve abrir novamente o SIP 7 em qualquer estação, ou mesmo no Servidor, para que o sistema verifique e
atualize os módulos e o banco de dados conforme exemplificado na figura abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 47

A tela indicada na figura acima demonstra o progresso da cópia do módulo do servidor de


atualizações para a estação de trabalho. Na próxima vez que o SIP for iniciado, esse processo acontecerá
automaticamente em todos os computadores automaticamente, desde que haja uma atualização disponível
na pasta compartilhada.
C.05.02 - Atualização do Banco de Dados - SIPDEF
Após o download do módulo SIPDEF7.exe, o SIPDown executará a atualização dos módulos
baixados da internet. Caso haja alguma atualização disponível para o banco de dados, o assistente será
aberto automaticamente.
Caso a atualização esteja sendo feita a partir de uma estação de trabalho e o banco de dados
encontre-se em um servidor, deve-se alterar o diretório da tela indicado acima para o caminho de rede
correto, como, por exemplo, \\servidor\SIP_DADOS. Porém, é recomendável que a atualização seja feita no
servidor, a fim de se evitar problemas de segurança, tendo em vista que, para que a atualização seja
realizada a partir de uma estação de trabalho, essa estação deve estar compartilhada.
Atenção: recomenda-se que a pasta compartilhada que contém o banco de dados tenha, no
máximo, um usuário com permissão de rede para acessá-la, pois não é necessário que todos os usuários
tenham permissão de acesso a essa pasta; dessa forma, é possível evitar problemas com segurança.
Depois da indicação do diretório onde devem ser salvas as atualizações, basta seguir os
passos restantes do assistente para concluir a instalação da atualização do banco de dados.
É importante observar que, quando houver uma atualização disponível para o banco de dados,
é necessário que todas as estações de trabalho que utilizam o SIP estejam com o sistema em desuso.
No momento em usuário abrir o SIP em qualquer estação, o próprio sistema verificará
primeiramente quais aplicativos foram modificados e executará, em seguida, as novas alterações a serem
realizadas no banco de dados.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 48

A tela ilustrada na figura acima demonstra a conclusão do processo de atualização do banco de


dados. Deve-se clicar no botão “OK” para que o SIP 7 continue a carregar.
C.05.03 - Atualizar SIP Download
O SIP Download é o módulo que realiza o download das atualizações de todos os módulos do
SIP, exceto as suas próprias atualizações. Para atualizar o SIP Download, o usuário deve acessar a opção
03.04-Atualizar o SIP Download, que está disponível no menu “Atualização” do módulo principal do SIP.
Caso o módulo principal esteja indisponível, o usuário pode acessar, através do Windows
Explorer, o módulo DownloadSIPDOW.exe, localizado na pasta do programa. A partir desse acesso, a
atualização do SIP Download será iniciada imediatamente.
Observe-se, contudo, que esse trabalho manual do usuário de buscar a atualização do SIP
Download só é necessário se alguma adversidade estiver ocorrendo no sistema, pois, em condições
normais, o próprio SIP Download verifica a necessidade de sua atualização e aciona outro módulo do
sistema para que a sua atualização seja realizada, mediante a confirmação do usuário.
C.05.03.01 - Parâmetros
O aplicativo de download disponibiliza, ainda, no botão “Parâmetros”, as opções de seleção de
configuração para Proxy e acionamento do acelerador para download. Essas opções são destinadas
principalmente a usuários cujo ambiente de trabalho possua uma conexão com a internet de baixa
velocidade, pois o acelerador de download agiliza o processo de download, “sugando” toda a conexão de
banda de internet para a execução da atividade de download.
O campo UF, também disponível no botão “Parâmetros”, traz a opção e seleção das
atualizações por Estado. Com isso, será realizado o download apenas do módulo “Regionais” do Tribunal de
Contas do Estado a que pertence o Município que está utilizando o SIP.
C.05.03.02 - Sobre
O botão “sobre” do aplicativo de donwload indica a versão do módulo de atualização do sistema
SIP.

C.06 - Backup

A principal função deste módulo é a realização e a restauração de backup (cópia de segurança)


da base de dados do SIP 7. Porém, este módulo também apresenta outras funções adicionais que são úteis
em outras situações, a serem descritas abaixo.
O Gerenciador de Banco de Dados Firebird não realiza backup em ambiente de rede, portanto
o backup somente deve ser realizado no servidor. Ou seja, mesmo que o backup seja solicitado através de
um terminal, o Firebird salvará o arquivo dentro do servidor, nunca em uma pasta da rede ou no computador
que solicitou o backup.
Para acessar o módulo de backup, deve-se abrir o módulo principal do SIP 7 e acessar a opção
02.01-Utilitário de Backup / Restore no menu “Backup”. Este módulo também pode ser aberto por meio do

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 49

menu ”Iniciar” do Windows ou a partir da pasta do SIP, onde deve-se procurar e executar o aplicativo
“Backup.exe”.
C.06.01 - Realizar Backup
Para realizar um backup manualmente, deve-se selecionar a opção “Realizar Backup” e clicar
em Avançar. Observe-se que este módulo do SIP também possui o recurso de realização de backup
automático, conforme descrito no tópico C.06.03 deste manual.

Quando selecionada a opção “Realizar backup”, o assistente de backup solicitará a pasta ou o


diretório em que a cópia de segurança será salva. Aconselha-se que seja criada uma nova pasta no Servidor
de dados da organização para onde deve ser direcionada a realização do backup.
É importante observar que o nome do arquivo de backup será gerado automaticamente pelo
sistema de acordo com o seguinte padrão:
1. Sigla “BKP” concatenada com:
2. Ano da data atual do computador em que o backup foi gerado,
3. Mês da data atual do computador em que o backup foi gerado,
4. Dia da data atual do computador em que o backup foi gerado,
5. Caractere “_” (underline)
6. Hora registrada no computador no momento em que o backup foi gerado,
7. Minuto registrado no computador no momento em que o backup foi gerado.
A extensão do arquivo de backup será *.FBK (de “Fiorilli Backup”). Caso a opção “compactar”
estiver selecionada, esse arquivo será compactado automaticamente após a realização do backup, como
descrito no tópico C.06.01, item B, deste manual.
Uma vez informada a pasta de destino do backup, o assistente solicitará outras configurações
antes de efetuar definitivamente o backup. Essas configurações, são as seguintes:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 50

A) Acompanhar Andamento
A seleção desta opção determina que, durante o processo de backup, seja mostrado, na tela,
um log detalhado de todas as operações internas ao banco de dados durante (escritas em inglês) que estão
sendo realizadas. A utilização desse recurso torna mais lento o processo de geração do arquivo de backup,
pois o retorno visual dessas mensagens consome maior processamento do computador.
B) Compactar (Zip)
Esta opção, que já está habilitada de forma padrão neste módulo do SIP, determina que seja
efetuada a compressão do arquivo de backup que foi gerado, mantendo as características de nome do
arquivo, alterando apenas a sua extensão de FBK para o formato ZIP.
C) Incluir outros Arquivos
Esta opção permite que outros arquivos, além dos dados do SIP convertidos em backup na
extensão FBK, sejam incluídos na compressão para o formato ZIP. Esses arquivos podem ser documentos
que fazem parte da rotina do departamento, tais como declarações, planilhas, certificados, entre outros.
Para utilizar este recurso, é necessário que, na abertura do módulo de backup, selecione-se a
opção “Adicionar outros Arquivos” e se configure quais os arquivos que deverão ser adicionados a esse
processo de compressão.
Observe-se que é possível incluir arquivos individuais ou uma pasta inteira de arquivos. Para
incluir um arquivo individual, deve-se informar o caminho do diretório completo, contendo o nome desse
arquivo que se deseja incluir; já para incluir uma pasta inteira no backup, deve-se informar o caminho da
pasta adicionado de caracteres curinga e extensões, conforme exemplificado na imagem abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 51

D) Desligar o computador após o término do Backup


A seleção desta opção determina que o computador que está gerando o backup seja desligado
logo após a geração do arquivo de backup. Observe-se que, para a realização desse comando, será
obedecido o tempo informado na opção “Esperar por ’X’ minutos após o Término do Backup”, onde “X”
indica o tempo, em minutos, contado do término do processo de backup e após o qual o computador deverá
ser desligado.
E) Incluir Arquivo de Log
Com a seleção desta opção, determina-se que, além de um backup do arquivo SIP.FDB, o
gerador de backup faça uma a cópia do log de execuções das operações dos usuários, tais como operações
de inclusão, alteração, exclusão, impressão, consultas SQL e respostas a perguntas do sistema. Essas
informações são solicitadas quando há a necessidade de analisar qual execução foi realizada por um
determinado usuário.
F) Enviar direto a Fiorilli (FTP)
Após o término da cópia de segurança, é possível que o gerador de backup envie o arquivo de
backup diretamente a Fiorilli através da internet. Para tanto, é necessário que esta opção esteja selecionada
e que o usuário informe o nome de uma pasta, que, preferencialmente, deve equivaler ao nome da
organização, respeitando o seguinte padrão:
- Nome da organização seguido de Caractere “_” (underline) e Sigla do tipo da entidade. Por
exemplo: Bálsamo_PM
Quando todas as opções de operação do módulo de backup forem configuradas, será realizado
o backup do arquivo de banco de dados e dos outros arquivos que eventualmente foram selecionadas. Em
seguida, será apresentado na tela um resumo das operações do gerador de backup, indicando todas as
opções selecionadas pelo usuário e as principais operações realizadas pelo módulo de backup.
O recurso do backup pode ser utilizado pelo usuário para buscar, junto ao suporte técnico da
Fiorilli, uma solução para um problema verificado no seu sistema. É importante lembrar que, nesse caso, é
extremamente necessário que, além de enviar o backup do seus sistema para o suporte técnico, o usuário
também envie um e-mail para o endereço suporte@fiorilli.com.br, informando qual o possível problema
verificado no seu sistema. A partir desse e-mail e da análise do backup enviado, o suporte técnico da Fiorilli
entrará em contato o mais breve possível com o usuário para tentar resolver o problema.
C.06.02 - Restaurar Backup
Para realizar a restauração do arquivo de backup, que consiste na substituição do arquivo SIP.FDB
pelo conteúdo do arquivo de backup *.FBK, basta selecionar a opção “Restaurar Backup”, na tela do módulo
de Backup, e clicar em “Avançar”, conforme a indicação da figura abaixo.

Em seguida, deve-se informar o arquivo de backup a ser restaurado. Para certificar-se de que o
arquivo selecionado é realmente o arquivo que deve passar pelo processo de restauração e, com isso,
garantir a segurança desse processo, aconselha-se que o usuário observe atentamente o nome do arquivo
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 52

selecionado e as indicações da data e da hora em que foi gerado, de acordo com os parâmetros descritos
no tópico C.06.01 deste manual.
Antes de iniciar o processo de restauração do arquivo de backup, o assistente de backup
disponibiliza algumas opções para a configuração desse processo, tais como a possibilidade de visualizar as
diversas etapas do processo de restauração e de determinar que o computador seja desligado
automaticamente após o término do backup, conforme já descrito no tópico C.06.01, itens A e D,
respectivamente, deste manual.
É importante observar que, na realidade, os arquivos SIP.FDB e de Log não são sobrepostos; o
que ocorre é que o processo de restauração renomeia o arquivo original conforme um padrão do sistema e
cria um novo arquivo SIP.FDB com o conteúdo do arquivo de backup restaurado.
No processo de restauração, é possível determinar que o arquivo de backup seja restaurado
em uma pasta ou em um diretório diferente daquele que está configurado no SIPCON; para tanto, deve-se
utilizar o botão amarelo com um sinal verde de adição localizado ao lado do campo em que está indicado o
arquivo principal que será restaurado e indicar outra pasta ou diretório de destino. Esse procedimento, que
não altera o conteúdo do arquivo SIPCON.INI, geralmente só é utilizado pelo suporte da empresa Fiorilli S/C
para separar os arquivos de backup de cada cliente, criando uma pasta diferente para armazenar o arquivo
de backup de cada entidade.
C.06.03 - Agendamento de Backup Automático
Como dito anteriormente, o módulo de backup do SIP possui o recurso de realização
automática de backup. Para agendar um processo automático de backup, deve-se clicar na opção “Agendar
Backup”, na tela do módulo de backup, e, em seguida, em “Avançar”.
O agendamento de backup é composto por três fases:
A)Tipo de Inicialização
Neste primeiro momento, deve-se definir se o módulo será carregado na memória do
computador no formato de aplicação ou serviço. A execução do módulo de backup como aplicação ou
serviço está relacionada ao usuário que utiliza a máquina onde esse módulo está instalado. Isso porque,
quando o computador é iniciado e antes da informação do usuário e da senha de acesso ao sistema
operacional, o sistema executa somente as atividades principais, chamadas de “serviços” e, após a
informação do login do usuário, o sistema operacional para a executar processos que são específicos
daquele usuário, chamados de “aplicações”.
Atenção: os usuários do Windows Vista e Windows 7 que utilizam UAC devem observar que
será solicitada elevação de privilégios na barra de tarefas do Windows.
Para inicialização automática do módulo de backup, todos os outros parâmetros de
agendamento são gravados no arquivo Backup.ini, localizado na pasta do sistema.
B) Freqüência
Esta segunda etapa do processo de agendamento requer que seja determinada a freqüência de
realização do backup, sendo necessário que se selecione o(s) dia(s) da semana e o(s) horário(s) em que
deve ser feito o backup.
As opções de horário disponíveis na tela do módulo de backup permite que se estabeleça a
realização do backup numa frequência de meia em meia hora, durante as 24 horas do dia, uma vez por dia
em determinados dias da semana ou até mesmo em todos os dias da semana. Aconselha-se que o backup
seja realizado pelo menos uma vez por semana.
C) Pasta Padrão do Backup Automático
Na tela “pasta padrão” do módulo de backup, deve-se determinar o diretório onde serão salvos
os arquivos de backup que serão gerados. Observe-se que estão disponíveis duas opções de diretório: o
diretório oficial, cujo preenchimento é obrigatório, e o diretório opcional, que, uma vez preenchido, direciona
o arquivo de backup para outra máquina, por exemplo. Esse diretório opcional é um recurso de garante a
segurança do arquivo de backup, pois, considerando-se, por exemplo, que o arquivo de backup original não
funcione corretamente na máquina onde ele foi salvo oficialmente, haverá uma cópia desse arquivo em outro
computador, onde poderá ser aberta.
Para concluir a configuração do agendamento, deve-se clicar em “Salvar e Fechar”. É
importante observar que todas as configurações do agendamento serão salvas no arquivo Backup.ini

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 53

presente na pasta de instalação; portanto, se esse arquivo for excluído do computador, o módulo não
realizará o backup automático que havia sido programado.
D) Salvar Backup em FTP
É possível que o arquivo de backup seja enviado diretamente a um FTP, o que aumenta a
segurança dos arquivos de backups gerados por este módulo do SIP, pois é um local a mais para
armazenamento desses arquivos, além das opções de pastas definidas na aba “pasta padrão”, descrita no
item C do tópico C.06.03 deste manual. Para tanto, basta informar os dados do Servidor de destino na aba
“Salvar em FTP”.
C.06.04 - Verificar Log
Esta opção do módulo de backup do SIP traz as informações sobre o início, o término, o local e
a situação de todos os backups automáticos que foram realizados.
C.06.05 - Adicionar outros arquivos
Esta opção permite a inclusão de outros arquivos, além dos dados do SIP convertidos em
backup, no formato ZIP. Esses arquivos podem ser documentos que fazem parte da rotina do departamento,
tais como declarações, planilhas, certificados, entre outros.
Observe-se que é possível incluir arquivos individuais ou uma pasta inteira de arquivos. Para
incluir um arquivo individual, deve-se informar o caminho completo do diretório, contendo o nome do arquivo
que se deseja incluir; já para incluir uma pasta inteira de arquivos, deve-se informar o caminho da pasta
adicionada de caracteres curinga e extensões.
C.06.06 - Backup/Restauração
Esta funcionalidade do módulo de backup somente deve ser utilizada mediante a orientação do
suporte técnico da Fiorilli S/C. Sua finalidade consiste em revitalizar a “saúde” do arquivo de dados (o
SIP.FDB) nos casos em que esse arquivo não está agindo da forma esperada. Esse recurso também pode
ser utilizado quando for necessário alterar a estrutura do banco de dados para outra versão de Firebird.
Para utilizar esse recurso, é necessário que o SIP esteja fechado em todas as máquinas onde
sua instalação foi realizada.
C.06.06.01 - Conversão de Versão de Firebird
Anteriormente, o sistema SIP 7 realizava a conexão com a versão 1.5 do gerenciador de banco
de dados Firebird e utilizava a porta de comunicação 3050 para a tramitação de dados. Porém, atualmente
utiliza-se a versão do Firebird 2.1 com alterações que resultaram no Firebird Fiorilli, o qual opera na porta de
comunicação 3055.
O recurso de Backup / Restauração deve ser utilizado para realizar a conversão entre versões
de Firebird. Portanto, quando houver a necessidade de trocar o Firebird da versão 1.5 para o Firebird Fiorilli
2.1, deve-se instalar a nova versão do Firebird de acordo com as instruções descritas no tópico C.03 deste
manual. Em seguida, deve-se localizar a porta de comunicação no módulo SIPCON, conforme descrito no
tópico C.04.04.01, e realizar a transição da porta 3050 para a porta 3055. Por fim, deve-se utilizar o recurso
de Backup / Restauração do módulo de backup do SIP para realizar a conversão da versão do banco de
dados para o Firebird Fiorilli 2.1, seguindo as instruções do tópico C.06.06 acima.
C.06.07 - Dicas para restaurar o backup rapidamente
A restauração do arquivo de backup pode ser realizada de três formas distintas. A primeira
delas é realizada no próprio módulo de backup, por meio da seleção da opção “Restaurar backup”, conforme
descrito no tópico C.06.02 deste manual. As outras duas formas são realizadas através do sistema
operacional.
Uma dessas formas adicionais de restaurar o arquivo de backup é manter o módulo de backup
do SIP aberto e arrastar esse arquivo da tela onde ele estiver salvo no sistema operacional para cima da tela
desse módulo do SIP. Dessa forma, será dispensada a configuração das etapas preliminares descritas nos
itens A e D do tópico C.06.01 deste manual, sendo solicitada apenas a configuração das opções finais do
processo de restauração. É importante observar que somente arquivos com extensão .zip e .fbk poderão ser
restaurados dessa forma.
Outra forma de restauração do arquivo de backup através do sistema operacional é a partir do
comando “Abrir com” do menu de contexto do Explorer do Windows. Para realizar a restauração, deve-se
clicar com o botão direito do mouse sobre o arquivo de backup do SIP, selecionar a opção “Abrir com” e

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 54

escolher o módulo do Backup localizado dentro da pasta do programa, que geralmente está localizada no
diretório sugerido na instalação em C:\Fiorilli\Sip_7 com o nome Backup.exe.
C.06.08 - Apenas enviar para FTP
Esta opção é muito útil principalmente para as situações de conexões de internet instáveis, pois
permite que o arquivo de backup seja separado em inúmeros outros arquivos através do padrão zip e que
todos sejam incluídos nesta lista para que sejam enviados gradativamente para FTB. Dessa forma, é
possível que, ocorrendo uma queda de conexão durante o processo de envio dos arquivos, não seja
necessário reiniciar o envio do arquivo de backup desde o começo.
Para adicionar os vários arquivos a serem enviados para FTP, deve-se seguir um dos dois
procedimentos: o primeiro dele é clicar no botão “adicionar” da tela do módulo de backup e selecionar os
arquivos desejados dentre os que estarão disponibilizados na tela. O segundo procedimento é manter o
módulo de backup aberto ao lado de uma pasta do Windows que contenha os arquivos que deverão ser
enviados para FTP e, em seguida, selecionar os arquivos desejados e arrastá-los para cima da tela do
módulo de backup.
Após a inclusão dos arquivos, ainda é necessário informar a pasta em que esses arquivos
serão guardados no FTP da empresa Fiorilli S/C. Para nomear essa pasta, sugere-se que seja seguido o
seguinte padrão:
Nome da entidade seguido de Caractere “_” (underline) e Sigla do tipo da entidade. Assim, por
exemplo> Bálsamo_PM

C.07 - Instalação do SIPWeb - Módulo de Internet

O aplicativo de internet SIPWeb, ligado ao sistema de Folha de Pagamento SIP 7 e


desenvolvido pela Fiorilli SC, permite a emissão de informes de rendimentos ou de holerites diretamente por
meio do site da entidade municipal, onde deve haver um link de acesso ao módulo SIPWeb.
Este tópico do manual é destinado à descrição dos procedimentos que devem ser seguidos
para a instalação do aplicativo de Internet SIPWeb.
Os arquivos necessários para a instalação do SIPWeb são fornecidos em um arquivo
compactado no padrão .ZIP; o conteúdo desse arquivo deve ser extraído para que possa ser utilizado na
instalação do aplicativo. O pacote de arquivos do SIPWeb fornecido possui uma pasta com o nome “SIPWeb
Deploy”, que contém todos os arquivos necessários para a instalação do aplicativo, além de um tutorial
sobre o procedimento de instalação.
Para ter acesso a esse arquivo, o usuário do SIP deve entrar em contato com o suporte da
Fiorilli S/C e solicitar um login de usuário e uma senha. Com essas informações, o usuário deverá acessar o
link: “http://201.28.69.146:5659/webinstall2010/”, e, então, realizar o download do arquivo compactado do
SIPWeb.
C.07.01 - Condições gerais para a Instalação
O sistema deverá ser instalado em um computador com o sistema operacional Windows em
uma das seguintes versões:
Windows 2000
Windows XP
Windows Vista
Windows 7
Windows Server
Ao sistema operacional deve ser adicionado o serviço Internet Information Services, o chamado
IIS, oferecido pela Microsoft e instalado a parte no computador por meio do recurso de instalação adicional,
disponível no aplicativo de instalação do Windows. Sugere-se que a instalação desse componente seja
executada por um técnico em informática.
C.07.02 - Instalando os Componentes de Suporte
Alguns componentes devem ser instalados no computador para que o sistema seja executado
corretamente no Windows. São eles:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 55

A) Instalando o NET Framework 4.0


Após certificar-se de que o IIS já está instalado no computador, deve-se proceder à instalação
do .NET framework. Para tanto, deve-se executar o arquivo “dotnetfx.exe” que foi fornecido, aceitando as
configurações padrões apresentadas pelo assistente de instalação e clicando em “avançar” até a conclusão
desse processo.
Nos computadores que possuem um sistema operacional em versão superior à versão do
Windows XP, não há necessidade de que esse componente seja instalado, pois esse componente será
instalado automaticamente no processo de instalação do IIS.
É importante observar que, juntamente com o .NET Framework, é fornecido o arquivo
“langpack.exe”, que traduz as mensagens do .NET framework para a língua portuguesa. A instalação desse
aplicativo é opcional e só deve ser executada quando o Framework estiver em uma língua que não seja a
portuguesa.
B) Instalando o Firebird para .NET
O arquivo “Firebirdclient-4.0.exe” é responsável pela conexão do SIPWeb com o banco de
dados Firebird, utilizado pelo sistema.
O processo de instalação desse aplicativo é igual ao do Framework. Ou seja, deve-se executar
o arquivo de instalação “FirebirdClient-4.0.exe”, aceitando as configurações padronizadas apresentadas pelo
assistente de instalação e clicando em “avançar” até a conclusão desse processo.
Observe-se que, caso o sistema operacional do computador seja o Windows Server 2003, é
necessário que se habilite o .NET framework no IIS. Para tanto, deve-se abrir o console de gerenciamento
do IIS, por meio do caminho Painel de Controle / Ferramentas Administrativas / Internet Information
Services, e habilitar a execução desse componente, selecionando a opção “extensão de serviços da Web”;
em seguida, deve-se selecionar, à direita da tela, o serviço ASP.NET e acionar a opção “Permitir”.

C.07.03 - Preparando o Banco de Dados do Sistema para uso


O aplicativo de Internet SIPWeb usará uma conexão com o arquivo do sistema SIP, o SIP.FDB,
para que sejam consultados os dados do trabalhador que está solicitando as informações a serem
visualizadas na tela do SIPWeb. Portanto, é necessário que o usuário anote o nome completo do caminho
(drive e pasta) onde o arquivo SIP.FDB encontra-se gravado no computador, pois essa informação será
utilizada na configuração do arquivo XML, conforme as instruções detalhadas no tópico C.07.06.01 deste
manual.
Para verificar o caminho onde está gravado o arquivo de banco de dados no computador,
deve-se consultar as informações sobre a conexão com o banco de dados no SIPCON, conforme descrito
no tópico C.04.03 deste manual.
C.07.04 - Criando a aplicação no IIS e preparando o SIPWeb para uso
Na pasta "SIPWeb Deploy", fornecida pela Fiorilli S/C, há a pasta "SIPWeb", que deve ser
copiada para o drive C:\ do microcomputador onde o sistema ISSWeb está sendo instalado.
Em seguida, deve-se indicar o caminho dessa pasta “SIPWeb” no gerenciador de sites IIS. Para
tanto, deve-se abrir o gerenciador do IIS no painel de controle, acessando a opção Ferramentas
Administrativas / Internet Information Services e, no lado esquerdo da tela, desmembrar as opções até
localizar a opção “Site da Web Padrão”, que deve ser selecionada.
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 56

A) Windows 2000 e XP
No computador cujo sistema operacional é o Windows 2000 ou o Windows XP, é necessário
criar um novo diretório virtual. Para tanto, deve-se clicar com o botão direito do mouse sobre a opção “Site
da Web Padrão” e, no menu de contexto que aparecerá, selecionar o submenu “Novo / Diretório Virtual”.
Avançando a primeira tela, será solicitado que, no campo "Aliás", seja informada a descrição do
aplicativo que se deseja instalar para um site da internet; essa descrição é o nome que será digitado como
endereço de acesso no browser, no Internet Explorer ou no Firefox, por exemplo, para a execução do
SIPWeb. Nessa espaço, deve-se digitar “SipWeb” e clicar em “avançar”.
Em seguida, no campo "Diretório", deve-se informar em qual pasta do microcomputador estão
os arquivos que compõem a aplicação SIPWeb. Como a pasta “SIPWeb Deploy” foi copiada para o drive C:\
do computador, deve-se informar a pasta “C:\SIPWeb” nesse campo e confirmar a vinculação.
Na próxima tela, é solicitada a indicação das permissões de acesso ao diretório virtual que está
sendo criado. Deve-se marcar as três primeiras opções, quais sejam: “Leitura”, “Executar Scripts” (ASP, por
exemplo) e “Executar” (aplicativos ISAPI ou CGI, por exemplo) e clicar em “avançar”. Em seguida, deve-se
clicar em “concluir” para finalizar o assistente de criação do diretório virtual e finalizar esta etapa.
B) Windows Vista e Windows 7
Se o sistema operacional do computador onde está sendo instalado o SIPWeb for Windows
Vista ou Windows 7, não deve ser criado um novo diretório virtual, pois essas versões do Windows utilizam
uma nova versão do IIS, que apresenta mudanças internas no funcionamento em relação às anteriores.
Nesse caso, deve-se clicar com o botão direito do mouse sobre a opção “Site da Web Padrão” e, no menu
de contexto que aparecerá, selecionar a opção “Adicionar Aplicativo”.
Na tela de adição de um novo aplicativo, será solicitado que, no campo "Aliás", seja informada a
descrição do aplicativo que se deseja instalar para um site da internet; essa descrição é o nome que será
digitado como endereço de acesso no browser, no Internet Explorer ou no Firefox, por exemplo, para a
execução do SIPWeb. Nesse espaço, deve digitar “SipWeb” e clicar em “avançar”.
Em seguida, no campo "Caminho Físico", deve-se informar em qual pasta do microcomputador
estão os arquivos que compõem a aplicação SIPWeb. Como a pasta “SIPWeb Deploy” foi copiada para o
drive C:\ do computador, deve-se informar a pasta “C:\SIPWeb” nesse campo e confirmar a vinculação.
C.07.05 - Configurando o IIS para usar a Porta 5656
Para flexibilizar o acesso ao sistema SIPWeb, é recomendável que se configure o IIS para
trabalhar em uma porta específica. Por padrão, a porta de uma aplicação no IIS é a porta 80; porém, em
certos casos, o acesso a essa porta está bloqueado (o modem do Speedy da telefônica, por exemplo, não
permite o acesso a essa porta). Portanto, é necessário que se altere, no microcomputador em que está
sendo instalado o SIPWeb, o fornecedor de acesso, pelos usuários do SIPWeb, ao site da organização.
Porém, em casos que apresentem necessidades específicas, como, por exemplo, quando o
Servidor que hospeda o banco de dados do SIP é Linux, é necessário configurar um redirecionamento para
a conexão com o microcomputador onde a aplicação web está instalada e que tenha o Windows como
sistema operacional. É o caso, por exemplo, de usar uma porta específica, configurando o servidor Linux
para “quando você receber uma solicitação na porta 5656”, “redirecione para o IP 192.168.0.10 na porta
5656”.
A) Windows 2000 e XP
Para configurar o IIS e usar a porta 5656, deve-se abrir o gerenciador do IIS no painel de
controle, acessando a opção Ferramentas Administrativas / Internet Information Services e, no lado
esquerdo da tela, desmembrar as opções até localizar a opção “Site da Web Padrão”, que deve ser
selecionada com o botão direito do mouse. Em seguida, no menu de contexto que será habilitado, deve-se
selecionar a opção “Propriedades”.
Na janela de propriedades, deve-se selecionar a aba “Site da Web” e, no campo “Porta TCP”,
informar “5656” e clicar em “OK” para confirmar a operação.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 57

B) Windows Vista e Windows 7


No Windows Vista e Windows 7, esse processo deve ser realizado de um modo diferente. No
lado esquerdo da tela do gerenciador do IIS, deve-se selecionar, com o botão direito do mouse, a opção
“Default Web Site” e, no menu de contexto, selecionar o submenu "Editar Ligações". Será apresentada uma
janela para a informação da porta padrão, onde deve ser selecionado o tipo de host denominado HTTP; em
seguida, deve-se clicar no botão "Editar" para alterar a informação do campo “porta” de 80 para 5656.

C.07.06 - Arquivo de Configuração “Fiorilli SIP.XML”


O aplicativo SIPWeb utiliza um arquivo do tipo .XML que contém as informações de
configuração do sistema. Esse arquivo é fornecido no pacote ZIP que foi descompactado, gerando a pasta
"SIPWeb Deploy", e deverá ser copiado para a pasta system32 do Windows (C:\Windows\System32).
Caso seja necessário alterar alguma informação neste arquivo, deve-se utilizar o programa
Bloco de notas do Windows; para tanto, deve-se clicar com o botão direito do mouse e selecionar a opção
“Abrir com” do Sistema Operacional e, em seguida, acionar o atalho para o programa de Bloco de Notas. È
importante lembrar que, ao salvar a alteração realização nesse arquivo, deve-se manter a extensão XML.
Atenção: não se deve alterar qualquer outro tipo de descrição do arquivo Fiorilli.XML além das
descrições relacionadas abaixo; caso contrário, o sistema não funcionará.
C.07.06.01 - Conteúdo do Arquivo Fiorilli SIP.XML
<DadosConexao
StringConexao="User=DBUsuario;Password=DBSenha;Database=C:\Fiorilli\Sip_7\Sip_dados\SIP.
FDB;
DataSource=localhost; Port=3055;Connection
Lifetime=15;Pooling=true;MinPoolSize=0;MaxPoolSize=50;"

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 58

FlagMetodo="T"
EventoFaltaAbonada="050"
/>
Na linha com a descrição “StringConexao”, indica acima, é possível que se altere apenas três
dados, quais sejam:
A) Data Base
Informar o caminho completo para o arquivo SIP.FDB na máquina onde ele está instalado. No
exemplo utilizado neste manual, deve-se informar: C:\Fiorilli\Sip_7\Sip_dados\SIP.FDB.
B) Data Source
Se o banco SIP.FDB estiver na mesma máquina onde está sendo instalado o sistema SIPWeb,
deve-se informar ”localhost” ou o IP da própria máquina, como, por exemplo, 192.168.0.32.
Porém, se o banco SIP.FDB estiver em uma máquina diferente da máquina onde está sendo
instalado o SIPWeb, deve-se informar o IP da máquina onde o arquivo SIP.FDB está instalado, como, por
exemplo, 192.168.0.1.
C) Port
A porta padrão de conexão de dados do Firebird Fiorilli é a 3055. Se a porta de comunicação da
máquina onde o banco SIP.FDB estiver instalado tiver sido alterada, é necessário informar a nova porta de
comunicação, pois o SIPWeb utiliza o mesmo banco de dados em Firebird do SIP que está sendo utilizado
no departamento de recursos humanos.
D) Evento Falta Abonada
Na linha “Evento Falta Abonada” deve-se informar o código de evento usado pelo sistema para
Abono de Faltas. É importante que se tenha cuidado em informar esse código com três posições e entre
aspas duplas(”). Para saber qual o número do evento correspondente ao abono, deve-se acessar o cadastro
de eventos do SIP, conforme descrito no tópico D.II.1.5 deste manual.
C.07.07 - Testando a Instalação do SIP Web
Uma vez realizados todos os procedimentos descritos neste tópico até este momento, é
possível que se realize um teste para verificar se o sistema está sendo executado corretamente.
Para tanto, deve-se abrir o Internet Explorer no computador em que o aplicativo SIPWeb foi
instalado e digitar uma das seguintes descrições:
Se o IIS foi alterado para usar a porta 5656, deve-se digitar:
Http://localhost:5656/SIPWeb
Se a porta do IISnão foi alterada, ou seja, continua sendo utilizada a porta 80, deve-se digitar:
Http://localhost/SIPWeb
Se a instalação do SIPWeb foi feita da maneira correta, deve ser apresentada a página de
acesso ao sistema como na figura abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 59

Por se tratar de um módulo específico do SIP, os detalhes da utilização do SIP Web serão
relatados no tópico D.VIII deste manual.

C.08 - Usuários e Log do Sistema

Este recurso diferencia os usuários que têm acesso ao SIP na entidade e, assim, possibilita um
gerenciamento das informações sobre o uso do SIP por cada um dos diferentes usuários.
No chamado “LOG” do sistema, registram-se todas as ações praticadas pelo usuário no
sistema; ou seja, registra-se detalhadamente qual inclusão, alteração e/ou exclusão de dados foi realizada
por qual usuário no sistema. Dessa forma, fornece às pessoas responsáveis pela administração desses
usuários a possibilidade de avaliação sobre os benefícios e os malefícios de cada uma dessas ações.
Além das manipulações de dados realizadas no SIP, o LOG armazena as perguntas feitas ao
usuário, as respostas indicadas por ele e os efeitos dessas ações em todo o sistema.
Para que o gerenciamento dessas informações seja realizado com eficiência, deve-se incluir as
informações de todos os trabalhadores da entidade que têm acesso ao SIP.
C.08.01 - Inclusão de Usuários
Logo após a instalação do SIP, é necessário criar um novo usuário para realizar o primeiro
acesso ao sistema SIP; para tanto, deve-se utilizar o recurso de criação do primeiro usuário do sistema,
conforme as instruções já descritas anteriormente no tópico C.02.07 deste manual. Diferentemente, se o SIP
já estiver sendo utilizado por um usuário e se torne necessária a criação de um novo usuário que terá
acesso ao sistema, a pessoa responsável, que tenha as permissões para o acesso ao cadastro de usuários,
poderá criar um novo usuário conforme as instruções descritas a seguir
Para acessar a tela de cadastros de usuários, o responsável pelo cadastro de novos usuários
deve selecionar a opção “usuários” disposta no lado esquerdo da tela do módulo principal do SIP. Nessa tela
há vários filtros de pesquisa dos cadastros dos usuários; entretanto, para a criação de um novo usuário,
basta selecionar o botão “incluir”, localizado na tela.
A tela de cadastro de um novo usuário é dividida em três abas (“cadastro”, “perfil” e
“permissão”) para facilitar o manuseio das informações que devem ser registradas. Descreve-se, abaixo,
cada uma das informações do usuário que devem ser inseridas em cada uma dessas abas.
Na aba ”Cadastro” deve-se informar os seguintes dados para que o usuário do SIP possa
realizar o login de acesso ao sistema:
 Código do Usuário
Este campo é preenchido automaticamente pelo com um número seqüencial baseado no banco
de dados do sistema, ou seja, é o número imediatamente posterior ao código do último usuário que foi
cadastrado.
 Usuário Ativo?
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 60

A seleção ou não deste campo indica se o usuário em questão está ou não em serviço na
entidade municipal. Sendo assim, na realização do cadastro de um novo usuário do SIP, esta opção deve
ser habilitada; diferentemente, se o trabalhador for exonerado da organização, deve-se desmarcar esta
opção.
É importante observar que, pelo fato de o usuário ter utilizado o SIP e manipulado os dados
registrados nesse sistema, não poderá ser excluído do cadastro de usuários, mesmo após a sua
exoneração.
 Descrição de Login
Neste campo deve ser registrada a palavra ou a combinação de caracteres que deverá ser
informada no campo “usuário” da tela de acesso ao SIP. É importante que se observe a forma como esta
informação é registrada neste cadastro do login ao sistema, pois, no momento em que essa informação for
utilizada no acesso ao sistema, a diferenciação entre caracteres maiúsculos e minúsculos influenciará na
verificação da correspondência entre a informação digitada e a registrada no sistema.
 Política de Senha
Este campo oferece duas possibilidades de controle da validade senha do usuário do SIP,
visando garantir maior segurança no acesso aos dados do sistema. Sendo selecionada a opção “a senha
expira todo mês”, o sistema solicitará mensalmente ao usuário a mudança de sua senha de acesso.
Diferentemente, se for selecionada a opção “a senha nunca expira”, o usuário sempre poderá utilizar a
mesma senha. Nesse último caso, se o usuário desejar alterar a sua senha e não tiver a permissão para
acessar o cadastro de usuários do sistema e realizar a alteração da senha, deverá entrar em contato com o
responsável por essa operação.
 Alterar senha no próximo acesso
Este recurso é utilizado quando o responsável pelo cadastro de novos usuários, ao cadastrar
um novo usuário, registra uma senha temporária para esse novo cadastro e, ao selecionar esta opção,
determina que essa senha deverá ser modificada pelo novo usuário quando ele realizar o primeiro acesso ao
sistema. Ou seja, no momento em que esse novo usuário informar a senha temporária e se logar ao
sistema, será apresentada a seguinte mensagem na tela do SIP: “Foi solicitado que você altere sua senha
neste acesso” e, então, será habilitada uma tela onde deve ser informada a nova senha.
 Vinculação ao Cadastro de Trabalhador
Por meio destes campos, o sistema relaciona o usuário que está sendo cadastrado nesta tela
com o seu registro como trabalhador na folha de pagamento do SIP. Esta informação é solicitada para
aumentar a segurança de informações manipuladas no sistema, pois somente as pessoas que tiverem um
cadastro ativo como trabalhador no SIP poderá ser cadastrado como usuário do sistema; dessa forma,
evita-se que fraudes sejam cometidas por pessoas que pertencem ao grupo de trabalhadores da
organização.
Observe-se que, quando se trata de um novo usuário que está realizando o primeiro acesso ao
sistema por meio do recurso de senha descrito no tópico C.02.07 deste manual, a vinculação do usuário ao
cadastro do trabalhador não é obrigatória, pois pressupõe-se que nenhum trabalhador tenha sido cadastrado
no sistema ainda, vez que as atividades do SIP estão se iniciando nesse momento. Porém, quando o
sistema já está em funcionamento e o cadastro de um novo usuário é realizado por um outro usuário que
tenha permissões para realizar esses novos cadastros, essa a vinculação será obrigatória.
Caso algum dos usuários cadastrados não esteja relacionado com o cadastro de um
trabalhador que conste na folha de pagamento da organização, quando o SIP for aberto ou mesmo quando
forem realizados os cálculos da folha de pagamento, será emitida a seguinte notificação ao usuário:
“Existem usuários que não estão relacionados com o cadastro de trabalhadores do sistema. Por favor, altere
os cadastros desses usuários, vinculando-os aos respectivos registros de trabalhadores, ainda que esses
estejam inativos no sistema. Caso não exista, no SIP, um registro de trabalhador correspondente ao usuário,
tente excluir o cadastro do usuário do sistema; se essa exclusão não for possível, crie um novo cadastro de
trabalhador com cálculo desativado e relacione-o ao usuário. Essa medida visa aumentar a segurança do
SIP. Contamos com sua participação”. Clicando na confirmação da mensagem, o sistema abre
automaticamente a tela de controle de usuários cadastrados, onde estão indicados, em vermelho, os
usuários que não estão configurados corretamente, a fim de que o usuário corrija esses cadastros,
informando os cadastros de trabalhadores correspondentes.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 61

Para realizar um cadastro de trabalhador com a situação desativada, deve-se seguir as


instruções de criação de um novo cadastro de trabalhador descritas no módulo D.II.2.1.1 deste manual.
É importante lembrar que toda alteração realizada no cadastro de um usuário ficará registrada
no Log do sistema, como descrito na introdução deste tópico C.08. Portanto, se, por exemplo, um usuário
alterar o registro de outro usuário para utilizá-lo, essa alteração ficará registrada no log do sistema,
permitindo a constatação de qualquer utilização de má-fé dos seus recursos.

 E-Mail
Neste campo deve-se informar o e-mail mais frequentemente utilizado pelo usuário que está
sendo cadastrado.
 “Senha” e “Confirme Senha”
No campo “senha” deve ser criada uma senha que permitirá o acesso do novo usuário ao SIP.
Essa senha deve ser repetida, de forma idêntica, no campo “confirme senha”. É importante observar que
não será permitido o uso de dados cadastrais do registro do trabalhador na folha de pagamento, tais como
número do CPF ou do RG e, além disso, não serão aceitas senhas constituídas por números sequenciais,
como, por exemplo, “12345678”.
A senha a ser informada nestes dois campos deve conter, no mínimo, 8 dígitos e, no máximo,
14.
 Domínio/Grupo e Usuário/Rede
Estes campos são preenchidos automaticamente pelo sistema com as informações sobre o
Domínio/Grupo e sobre o nome de identificação do usuário nessa rede da qual faz parte o computador que
está sendo utilizado para a realização do cadastro do novo usuário. O registro dessas informações tem a
finalidade de evitar fraudes no sistema, uma vez que permite verificar se o cadastro do usuário foi criado
dentro da organização ou não.
 Definir Permissões por Perfil
Este botão se constitui num atalho para acesso rápido à aba “Perfil”, localizada na parte
superior desta tela, cujas funções serão descritas no tópico C.08.02 deste manual.
 Definir Permissões Individuais
Este botão se constitui num atalho para acesso rápido à aba “Permissões Individuais”,
localizada na parte superior desta tela, cujas funções serão descritas no tópico C.08.03 deste manual.
C.08.02 - Perfil
Nesta aba “Perfil” devem ser preenchidas algumas informações para determinar quais as
atividades que serão executas pelo usuário na entidade e, com isso, definir o seu perfil como usuário.
Assim, por exemplo, em uma entidade onde haja a divisão de serviços de tal forma que haja
uma equipe responsável pelos lançamentos, outra pela conferência de valores da folha de pagamento e
ainda outra responsável pela emissão de relatórios, devem ser criados três tipos de perfil: um perfil de
lançamentos, para o qual haverá apenas permissões para a inclusão de dados, sendo restritos os cálculos e
a emissão de relatórios; um perfil para os responsáveis pela conferência de valores, cujas permissões serão
relacionadas à realização de cálculos e de conferências, com restrição aos lançamentos e à emissão de
relatórios finais; e, por fim, um perfil para a equipe de emissão de relatórios, que contará apenas com as

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 62

permissões para a emissão desses relatórios, com acesso restrito às demais funções disponibilizadas pelo
SIP.
Para criar um novo perfil, deve-se clicar no botão “Parâmetros de perfil de usuários”, localizado
no canto superior direito desta aba “Perfil”. Observe-se que a tela desta aba pode ser acessada por meio do
botão “Definir permissões por perfil”, localizado na parte inferior esquerda da tela da aba “Cadastro”, descrita
acima.
A partir do botão “Parâmetros de perfil de usuários” será aberta uma tela de cadastro de perfil
com um filtro de pesquisa dos perfis já cadastrados. Nessa tela, basta clicar no botão “incluir” para que seja
aberta uma nova tela onde deverão ser configuradas as permissões e as restrições do perfil do usuário que
está sendo cadastrado.
Na citada tela de cadastro de perfil de usuários, deve-se preencher os seguintes campos:
 Código do Perfil
Este campo é preenchido automaticamente pelo sistema com o número seqüencial em relação
aos registros contidos no banco de dados.
 Nome do Perfil
Campo destinado ao registro de um nome para a identificação do perfil..
 Definição de Permissões para o Perfil
Nas abas localizadas na parte inferior da tela de cadastro de perfil devem ser selecionadas
quais as possibilidades de utilização do SIP para o perfil que está sendo criado. Para tanto, deve-se seguir
as regras de permissão de acesso ao sistema, conforme descrito no tópico C.08.03 deste manual.
C.08.03 - Permissão
Nesta aba estão relacionadas todas as possibilidades de utilização de recursos do SIP.
Após a criação do cadastro de um novo usuário, é possível restringir o uso de determinado
recurso do sistema e também habilitar as ações que poderão ser executadas por ele. Para tanto, basta
utilizar as opções disponibilizadas pelo sistema nesta aba e descritas logo a seguir:
 Botões de seleção de permissão
Na parte superior da tela desta aba “Permissão” há dois botões que facilitam o manuseio geral
das permissões: o botão “Selecionar Todos”, que marca todas as permissões disponibilizadas na tela, e o
botão “Limpar Todos”, que desmarca todas as permissões que estavam selecionadas.
 Abas de acesso a permissões
As seis abas dispostas logo abaixo dos dois botões descritos acima trazem um conjunto de
possibilidades de acesso ou de restrição a cada uma das funções oferecidas pelo SIP, estando essas
opções separadas de acordo com a sua freqüência de uso.
 Aba “Empresas”
Nesta aba é possível definir se o usuário terá acesso aos dados da entidade que estiverem
registrados no SIP. Portanto, se o usuário não tiver essa permissão, todas as outras permissões, mesmo
que selecionadas, não poderão ser utilizadas por ele, pois, mesmo que o usuário realize o login de acesso
ao SIP, não poderá acessar os dados relacionados a essa empresa.
 Aba “Telas de Manutenção”
Na tela de manutenção estão disponibilizadas as opções de acesso a diferentes telas do
sistema. Para conceder a permissão de acesso a uma dessas telas, deve-se selecionar a caixa de diálogo
localizada na coluna “permissão”, ao lado esquerdo da opção desejada. Além disso, é possível habilitar o
usuário para incluir, alterar e/ou excluir um lançamento de dados na tela em questão; para tanto, deve-se
marcar a coluna correspondente a uma dessas funções, disposta no lado direito da opção selecionada.
 Aba “Telas de Cálculos”
Nesta aba estão elencadas as telas de cálculo existentes no SIP, permitindo que se selecione
quais dessas telas poderão ser acessadas pelo usuário, conforme as opções que forem marcadas na coluna
“Permissões”, no lado esquerdo da tela. Além disso, na coluna “calcular”, localizada no lado direito da tela,

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 63

deve-se definir se o usuário em questão poderá ou não calcular o tipo de folha informado na tela de cálculo
selecionada.
 Aba “Telas de Relatório”
Nesta tela são elencadas as telas de emissão de relatórios existentes no SIP, permitindo que se
selecione quais desses recursos estarão disponíveis para o acesso do usuário, conforme as opções que
forem marcadas na coluna “Permissões”, no lado esquerdo da tela. Observe-se que, na coluna
”Manutenção”, localizada no lado direito da tela, deve-se determinar se o usuário em questão terá ou não
permissão para alterar o layout dos relatórios, conforme descrito no tópico D.II.7.9 deste manual.
 Aba “Outras Telas/Funções”
Esta tela traz alguns recursos específicos de manutenção que geralmente estão localizados no
menu ”Utilitários” do SIP, cujo acesso por parte do usuário em questão poderá ser permitido ou não, de
acordo com a seleção da coluna “Permissões”, localizada no lado esquerdo da tela. .
 Aba “Eventos”
Nesta aba deve-se determinar quais eventos poderão ser manipulados pelo usuário nos
cadastros do SIP; ou seja, o usuário só poderá efetuar modificações relacionadas aos eventos que
estiverem adicionados na lista criada nesta aba.
Para incluir eventos nessa lista, o usuário deve clicar no botão “incluir”, localizado na lateral
esquerda da tela, e, então, será aberta uma tela com os eventos que estão disponibilizados no cadastro de
eventos, conforme descrito no tópico D.II.1.5 deste manual. É possível que se selecione todos os eventos ou
apenas alguns eventos, individualmente; em seguida, deve-se confirmar a solicitação.
 Solicitar a outro usuário da aba ”Eventos”
Quando um grupo de verbas é adicionado na aba ”Eventos”, indica-se ao sistema que o usuário
em questão possui permissão total para manipulá-lo. Se algum número de código de evento não estiver
nessa listagem e for acionada a opção “Selecionar outro usuário”, localizada na lateral direita da tela, quando
o usuário tentar incluir, alterar ou excluir esse evento, o sistema abrirá a tela de login do SIP para que
somente um usuário que possua permissão de manipulação desse evento possa realizar essa ação.
C.08.04 - Permissão individual por usuário
É importante observar que não é necessário vincular um perfil pré definido, com todas as suas
permissões e restrições, no cadastro de um novo usuário. Para tanto, são disponibilizadas as abas de
permissão individual de acesso aos recursos. Assim, por exemplo, no cadastro de um usuário com o perfil
de lançador, é possível acrescentar a permissão de realização de cálculo, que não faz parte originalmente
desse perfil, devendo ser acionada como particularidade.
O que pode ser utilizado no cadastro de um novo usuário é um perfil pré-definido e, tratando-se
de um usuário especial, acrescentar as permissões de acesso necessárias. Observe-se que não se deve
incluir restrições que não foram configuradas inicialmente no cadastro do perfil; ou seja, para registrar novas
restrições, deve-se modificar o próprio perfil. Outra opção é não utilizar nenhum perfil pré-definido e
estabelecer as permissões e as restrições próprias para aquele usuário específico.
C.08.05 - Alteração ou Exclusão de um usuário
Para realizar uma alteração ou uma exclusão no cadastro de um usuário já existente,
primeiramente deve-se pesquisar o usuário, utilizando o filtro de pesquisa. As informações sobre o
funcionamento do filtro de pesquisa estão descritas no tópico D.01.07 deste manual.
É possível alterar, no cadastro de um usuário, suas informações cadastrais, o perfil ou as
permissões, haja vista que é possível, por exemplo, que o trabalhador tenha mudado de função no
departamento de recursos humanos e seja necessário realizar esta alteração no seu cadastro.
Observe-se que somente será possível excluir o cadastro de um usuário caso não tenha sido
registrado nenhuma informação de registro de LOG. Significa que, se existir algum registro relacionado a
esse usuário, a exclusão não será permitida.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 64

D - Referências Modulares - Módulos


O SIP foi dividido em módulos visando facilitar o acesso aos recursos mais utilizados no
dia-a-dia. O módulo principal do sistema (SIP 7) possibilita o acesso aos outros módulos, que serão
explicados neste manual de acordo com a seguinte ordem.
D.I - Módulo Principal;
D.II- Módulo Folha de Pagamento;
D.III - Módulo Relatórios;
D.IV - Módulo Ponto;
D.V - Módulo Regionais;
D.VI - Módulo Recursos Humanos;
D.VII - Módulo RPPS
D.VIII - Módulo SIPWeb.

D.01 - Padronizações

As instruções específicas do uso de cada módulo serão explicadas nos tópicos respectivos
deste manual. Contudo, antes de abordar as especificidades de cada módulo, é necessário que se exponha,
para o entendimento do usuário, a forma como se dá o funcionamento padronizado do sistema em geral,
quanto à disposição de telas, funções e recursos. Este tópico, portanto, tem a finalidade de facilitar a
acessibilidade ao software por parte dos usuários.
D.01.01 - Barra de Status dos Módulos
Na barra inferior de cada módulo do SIP (barra de status) são disponibilizadas algumas
informações sobre a versão do sistema, a versão do módulo do SIP Servidor que está em execução, a data
atual do computador, o usuário que está utilizando o SIP naquele momento e a versão do gerenciador de
banco de dados Firebird. Essas informações serão úteis para o atendente do Suporte Técnico da empresa
Fiorilli S/C, quando esse for acionado pelo usuário do sistema, tendo em vista que a utilização de um
sistema desatualizado pode gerar problemas na sua execução.
É possível que o usuário compare as versões dos módulos instaladas no seu computador de
trabalho com as versões disponibilizadas no site e listadas no módulo de atualização SIP Download. Ao
clicar na opção “Avançado” da tela do SIPDow, são listadas as versões de cada módulo instaladas
computador, seguidas das versões que estão disponibilizadas no site da empresa Fiorilli, permitindo a
identificação de quais os módulos que devem ser atualizados no computador.
Para efetuar a comparação, observe-se o significado das informações disponibilizadas da
esquerda para a direita na barra de status: o primeiro grupo de números (exemplo: 7.0.1761.812) indica a
versão do módulo do SIP que está em aberto; depois, há uma barra de separação seguida por um segundo
grupo de números que indica a versão do módulo do SIP Servidor que está em execução (exemplo:
7.0.1503.653) - é importante observar que, atualmente, o SIP Servidor está extinto e, por isso, a descrição
apresentada na tela é “Novo sem SVR”. O terceiro grupo de números traz a versão do Script de banco de
dados, que é a atualização do SIPDEF, e, em seguida, é demonstrada a data atual do microcomputador, o
usuário que está logado e a versão do Firebird.
D.01.02 - Botões Laterais, Botões de Referência e Campos de Referência
Na lateral esquerda de cada módulo estão disponibilizados os botões que são utilizados com
maior freqüência pelo usuário. No módulo principal do SIP 7, esses botões laterais também possibilitam o
acesso aos módulos Folha de Pagamento, Relatórios, Ponto, Regionais, Recursos Humanos e RPPS.
O botão de referência é, na verdade, um botão de pesquisa disponibilizado ao lado de alguns
campos das telas de cadastro do sistema. A função do botão de referência é abrir a tela que contenha o
cadastro da informação solicitada no campo a que ele se refere e que já foi registrada anteriormente no
sistema. Nessa nova tela, o usuário poderá escolher uma opção dentre as que estão disponibilizadas ou
cadastrar uma nova opção. O tópico D.01.03.01 deste manual traz maiores informações sobre os botões de
referência.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 65

O campo de referência é a tela aberta pelo sistema quando o botão de referência é


selecionado. Esta tela contém as informações que foram cadastradas anteriormente no sistema e que estão
relacionadas à informação requerida pelo campo a que está ligado o botão de referência acionado.
D.01.03 - Menu de Acesso Padronizado
O Menu de Acesso para os recursos oferecidos pelo SIP foi padronizado, visando agilizar a
comunicação entre o usuário e o suporte técnico da empresa Fiorilli S/C.
Os menus foram numerados em sequência, como exemplificado abaixo:
1 - Parâmetros;
2 - Manutenção;
3 - Cálculos;
4 - Mensais;
5 - Eventuais;
6 - Anuais;
7 - Utilitários.
Cada um desses menus possui diversas opções de acesso a recursos do sistema que também
estão ordenadas em sequência numérica, como demonstram as opções listadas abaixo, contida no menu 1 -
Utilitário do módulo principal:
1.1 - Cadastro de Empresas;
1.2 - Abrir Empresas;
1.3 - Cadastro do Responsável pelas Informações Eletrônicas;
1.4 - Configurar Integração Contábil;
1.5 - ...;
1.6 - ...;
...
Na lateral esquerda desta tela inicial, foram disponibilizados os menus de acesso aos módulos,
separados por abas. Ao lado de cada uma dessas abas há um menu com botões de acesso aos principais
recursos do módulo correspondente.

D.01.03.01 - Localização do Menu de Acesso conforme a descrição do título da tela quando acionado
um botão de referência
O botão de referência é, na verdade, um botão de pesquisa disponibilizado ao lado de alguns
campos das telas de cadastro do sistema. A função do botão de referência é abrir a tela que contenha o
cadastro da informação solicitada no campo ao qual ele está relacionado e que já foi registrada

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 66

anteriormente no sistema. Essa nova tela aberta pelo botão de referência sempre apresentará, na sua lateral
esquerda superior, o número correspondente ao menu do SIP que dá acesso a essa tela de cadastro.
É o caso, por exemplo, da tela de cadastro de trabalhadores (item 02.01 do módulo Folha de
Pagamento). Na inclusão do cadastro de um novo trabalhador, requer-se o preenchimento do campo
“cargo”; ao lado desse campo, há um botão de referência que, quando acionado, abre uma tela com todos
os cargos que estão cadastrados no sistema. Na lateral esquerda superior dessa tela, há a indicação do
item “Cadastro de Cargos”, que é a opção do módulo Folha de Pagamento onde é realizado o cadastro de
cargos e onde é possível obter maiores informações sobre os cargos cadastrados. Observe-se que, para
cadastrar um novo cargo, é possível acessar diretamente esse item “Cadastro de Cargos” (correspondente
ao item 01.09 do módulo Folha de Pagamento) ou utilizar a tela disponibilizada por meio do botão de
referência da tela de cadastro de trabalhadores.

D.01.04 - Botões de Auxílio - Atalho para tópico de ajuda


Na maioria das telas do SIP estão disponibilizados botões de fácil acesso ao tópico de ajuda
sobre os itens aos quais esses botões estiverem relacionados. Ao selecionar um botão de ajuda, será aberto
o módulo de ajuda do SIP com as explicações sobre o tema selecionado.

D.01.05 - Telas de Cadastro Padronizadas


Para facilitar o uso do SIP, todas as telas do sistema são padronizadas. Portanto, entendendo o
funcionamento de uma tela do sistema, o usuário conseguirá utilizar todas as outras.
A exceção à similaridade das telas do sistema está na existência ou não de um Filtro de
Pesquisa, que consiste numa tela “preliminar” apresentada antes da tela da opção selecionada pelo usuário.
O Filtro de Pesquisa geralmente é apresentado nas telas das opções que apresentam grande volume de
dados cadastrados; por isso, o Filtro de Pesquisa é omitido em telas que possuem poucos registros de
dados, tais como o cadastro da empresa ou as faixas de previdência, descritos, respectivamente, nos
tópicos D.II.1.1 e D.II.1.6 deste manual.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 67

O cadastro de trabalhadores, em especial, é programado de uma forma que omite ou apresenta


a tela de filtro com base no tempo de resposta avaliado quando do fechamento da folha mensal. Ou seja, o
sistema verifica se é possível listar todos os registros ativos do cadastro de trabalhadores em menos de
meio segundo e, sendo isso possível, a tela de filtro será omitida e será apresentado um grid (lista de
dados, conforme descrito no tópico D.01.05.06 deste manual) com os registros listados com uma restrição
para somente os funcionários que estão trabalhando. Entretanto, mesmo em casos como este, em que o
filtro de pesquisa é omitido, se necessário, será possível utilizar esses filtros, clicando no botão "Pesquisar"
localizado na parte superior da tela.
Nos casos em que o Filtro de Pesquisa é apresentado, após a sua utilização, apresenta-se a
tela da opção selecionada. Todas essas telas do sistema são iguais e estão divididas em três partes.
Na parte superior da tela estão dispostos os botões “incluir”, “alterar”, “excluir”, “imprimir” e
também os botões de navegação. Na parte central apresenta-se a lista de dados registrados na opção
selecionada (conforme descrito no tópico D.01.05.06 deste manual). Por fim, na parte inferior da tela há a
indicação do total de registros listados acompanhada do botão de Validação de Campos (instruções
específicas descritas no tópico D.01.05.03 deste manual), do botão de notas e de lembretes (explicado
detalhadamente no tópico D.01.05.04 deste manual) e do botão ”Fechar”.

Para incluir informações em uma tela, o usuário poderá utilizar o botão “incluir”, localizado na
própria tela de pesquisa, evitando, assim, a necessidade de consultar os dados já cadastrados e agilizando o
processo de inclusão.
Caso seja necessário alterar ou excluir algum registro já cadastrado, é possível que se utilize o
recurso do filtro de pesquisa para localizar esse registro (conforme as instruções descritas no tópico
D.01.05.01 deste manual) e, em seguida, deve-se utilizar os botões de alteração ou de exclusão disponíveis
na parte superior da tela de cadastro. Lembre-se que toda tela de cadastro que apresenta um filtro de
pesquisa disponibiliza o botão “Voltar”, que possibilita a troca do filtro de pesquisa utilizado depois de se
visualizar o resultado da pesquisa.
D.01.05.01 - Botões das telas de cadastro e teclas de atalho correspondentes
Em todas as telas de cadastro é possível utilizar algumas teclas do teclado para agilizar o
processo de manipulação de dados.
Descreve-se, a seguir, as teclas de atalho que acionam as funções principais das telas de
cadastro:
A) Botão Incluir - Tecla de atalho “Insert”
Quando a tela onde se deseja incluir novos dados estiver aberta, basta clicar no botão “insert”
do teclado para que o SIP abra a tela de inserção de dados.
B) Botão Alterar - Tecla de atalho “F2”
Quando um registro que foi cadastrado anteriormente estiver selecionado na tela, basta acionar
a tecla “F2” do teclado para que o sistema permita a alteração desse registro. Lembre-se que o registro a ser

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 68

alterado poderá ser localizado com o uso das condições de filtro de pesquisa, conforme as instruções
descritas no tópico D.01.05.
C) Botão Excluir - Tecla de atalho “Delete” / “Del”
A tecla “Delete” / “Del”, quando acionada no teclado, permite a exclusão do registro que estiver
selecionado na tela de cadastros do sistema.
É importante observar que sempre que for solicitada a exclusão de um registro, o SIP retornará
uma mensagem solicitando ao usuário a confirmação de que essa operação realmente deve ser realizada.
Portanto, o usuário deve ter a consciência de que, uma vez excluída a informação do sistema, não será
mais possível recuperá-la.
O botão "Excluir" possui uma funcionalidade “oculta” que permite a exclusão de todos os itens
listados na tela em determinado momento. Para utilizar essa função, é necessário que o usuário clique com
o botão direito do mouse sobre o botão "Excluir" e, no pequeno menu de contexto que será exibido na tela,
clique sobre a opção “Excluir todos os itens listados”, conforme demonstrado na figura abaixo:

D.01.05.02 - Funções de outras teclas de atalho para uso em cadastros


Outras teclas de atalho que podem ser utilizadas para agilizar o uso do SIP são as seguintes:
A) Tecla de atalho “ESC”
Se a tela de cadastro estiver posicionada em modo de inclusão ou de alteração e o usuário
acionar a tecla “Esc”, a operação que estiver sendo realizada será cancelada; ou seja, a tecla “Esc” realizará
a mesma função do botão "Cancelar", disposto na parte inferior direita da tela. Diferentemente, se o cadastro
estiver apenas selecionado, a tecla ESC, uma vez acionada, determinará o fechamento da tela de cadastro.
O registro não será incluso ou alterado.
B) Tecla de atalho “Enter”
A tecla “Enter”, assim como a tecla “TAB”, salta o cursor para o campo seguinte aquele onde o
cursor estiver posicionado. Porém, se o usuário estiver manipulando uma lista de dados e pressionar a tecla
“Enter”, esse comando terá o mesmo efeito do botão "Alterar", deixando os campos disponíveis para
alteração..
C) Tecla de atalho “F3”
Quando o cursor estiver posicionado dentro de um campo que esteja acompanhado de um
botão de referência e o usuário não souber qual informação deve registrar nesse campo, basta pressionar a
tecla “F3” para que seja apresentada uma tela contendo todos os dados relativos a essa informação que
estejam cadastrados no sistema. Em muitos casos, a tecla “F3”, assim como o botão de referência, habilita
a tela de cadastro da informação requerida no campo em questão e, dessa forma, permite que o usuário crie
um novo registro de dados e possa utilizá-lo imediatamente.
D) Tecla de atalho “F5”
Caso o filtro de pesquisa de uma tela de cadastro esteja aberto e o usuário acionar a tecla “F5”,
será realizado o mesmo comando emitido pelo botão "Pesquisar".
Diferentemente, se a tela de cadastro estiver na fase de inclusão ou de alteração dos dados de
um cadastro, a tecla “F5” realizará o mesmo comando determinado pelo botão "Gravar" da tela do sistema.
Quando uma tela de cadastro é aberta por meio da tecla “F3” ou de um botão de referência, a
tecla “F5” pode ser utilizada para selecionar um item constante da lista de dados apresentada na tela, tendo,
portanto, o mesmo efeito do botão "Selecionar", localizado na parte inferior da tela.
E) Botão “Imprimir” e opções de impressão do relatório
O botão ”Imprimir”, localizado na tela de cadastro, habilita uma nova tela que apresenta as
opções par a impressão de diversos tipos de relatórios padronizados relativos aos dados constantes na tela
de cadastro selecionada. Essa tela de impressão também apresenta as opções para visualizar a impressão,
para imprimir diretamente na impressora, para controlar os layouts e para voltar à tela de cadastro, opções
essas que serão descritas de forma mais detalhada no tópico D.01.06.02 deste manual.
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 69

D.01.05.03 - Botão “Validação de Campos”


Todas as telas de cadastro do SIP possuem um botão de validação de campos. Esse botão permite
que o usuário personalize as telas do sistema, escolhendo quais os campos que devem ser de
preenchimento obrigatório e quais aqueles cujo preenchimento é recomendado.
É importante observar que a configuração de campos realizada numa tela de cadastro é gravada
para essa tela específica de cadastro, e não para determinada empresa ou usuário do sistema. Ou seja,
essa nova configuração será aplicada a todas as empresas presentes no arquivo de dados do SIP, e não
somente para a empresa cujos dados estavam abertos no momento em que esta configuração foi realizada.
No momento da realização de um novo cadastro, caso os campos de preenchimento obrigatório não
estejam preenchidos, o SIP não permitirá que os demais dados informados sejam gravados no sistema; em
relação aos campos cujo preenchimento é recomendado, na falta do seu preenchimento, o sistema emitirá
uma mensagem de aviso, informando ao usuário que é recomendável preencher esses campos e
questionando-o se solicitação de gravar deve ser confirmada ou não.

D.01.05.04 - Botão “Notas e Lembretes de Campos”


Esta opção é personalizada pelo próprio usuário. Por meio deste botão é possível registrar
determinados lembretes/observações relacionados a determinados campos das telas de cadastro do SIP,
com a finalidade de padronizar a digitação dos dados nesses campos. Esses lembretes serão mostrados ao
usuário quando o campo correspondente for selecionado para o registro de alguma informação no sistema.
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 70

D.01.05.05 - Botões de navegação da Lista de Dados


Este grupo de quatro botões possibilita a navegação entre os registros da lista de dados de uma
tela de cadastro.
O primeiro e o último dos botões desse grupo têm a função de disponibilizar na tela os registros
extremos da lista de dados (o botão mais à esquerda leva ao primeiro registro enquanto que o botão mais à
direita leva ao último registro). Por suas vez, os dois botões localizados ao centro desse grupo permitem a
navegação entre registros que estejam em seqüência na lista de dados, sendo que o botão à esquerda
determina a volta ao registro anterior, enquanto que o botão à direita avança para o próximo registro.
D.01.05.06 - Lista de Dados (Grid)
“Lista de dados”, “tabela” e “grid” são expressões utilizadas como sinônimos para indicar a
demonstração dos dados registrados no banco de dados. Esses dados são apresentados em uma
seqüência, um abaixo do outro, geralmente ordenados de acordo com a maior frequência de uso.
Observe-se que o SIP apresenta a mesma lista de dados em todas as telas do sistema.
Para ordenar os dados em razão da informação contida em determinado campo, basta clicar
sobre o título da coluna correspondente a esse campo. Caso os dados já estejam ordenados na tabela de
acordo com a ordem crescente das informações desse campo, o sistema ordenará os dados de forma
decrescente.
A busca de dados no grid é simples: basta que o usuário digite algum texto em algum campo da
tabela para que o sistema procure localizar os dados correspondentes à informação indicada.
D.01.05.06.01 - Menu de contexto da lista de dados
“Menu de contexto” é a lista de opções apresentada na tela quando o usuário clica com o botão
direito do mouse sobre um item da lista de dados.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 71

O menu de contexto apresentado na figura acima é um exemplo dos menus de contexto que
são habilitados nas telas que têm a opção de Filtro de Pesquisa. Como já dito anteriormente, as telas de
pouco volume de dados não possuem opção de filtragem e, por isso, apresentam menus de contexto que
contêm apenas os itens “incluir”, “alterar”, “excluir” e “atualizar”.
Algumas telas apresentam, além dos itens padrões do menu de contexto, outras opções
adicionais que dinamizam a utilização do SIP. É o caso, por exemplo, da tela de manutenção de lançamento
de eventuais, que apresenta a opção de abrir o cadastro de trabalhadores já com o registro selecionado
filtrado ou de abrir os dados relacionados ao evento selecionado.
A) “Incluir” / “Alterar” e “Excluir” do Menu de Contexto
As opções “Incluir”, “Alterar” e “Excluir” têm as funções, respectivamente, de incluir, alterar e
excluir dados de um cadastro no SIP, conforme já descrito anteriormente no tópico D.01.05.01 deste
manual.
B) “Atualizar” do Menu de Contexto
Esta opção de atualização está disponível apenas no menu de contexto. Deve ser utilizada
quando o usuário tem o conhecimento de que algum dado da tela com a qual ele está trabalhando foi
alterado em outra estação de trabalho. Essa atualização se faz necessária para que os mesmos dados
sejam visualizados, evitando-se, assim, transtornos e divergências de informações cadastrais.
C) “Ir Para” do Menu de Contexto
A opção “Ir para” tem a mesma função que a busca da lista de dados e deve ser utilizada como
sua extensão, pois a lista de dados permite localizar os dados apenas por meio dos campos mostrados na
tela, enquanto que esta opção "Ir para" disponibiliza uma lista com todos os campos disponíveis para
consulta, além dos campos presentes no Filtro de Pesquisa. As informações completas sobre as opções do
filtro de pesquisa estão descritas no tópico D.01.07 deste manual.
D) Opções de SQL
SQL são instruções de programação que buscam o retorno de resultados do banco de dados.
Ou seja, para que o gerenciador de banco de dados Firebird retorne uma informação válida na tela do
sistema para visualização do usuário, o SIP envia uma instrução SQL para o Firebird, que, por sua vez,
busca a informação solicitada no banco de dados SIP.FDB e retorna esse resultado de forma visual na tela
do sistema.
As telas com opções de filtros permitem que um comando SQL seja copiado, modificado e
colado na mesma tela. Isso possibilita que um usuário com conhecimentos avançados d informática faça
modificações de um SQL padrão da tela de acordo com as suas necessidades. Ou seja, o SQL copiado é
enviado para a Área de Transferência do Windows e, em seguida, o usuário pode colar esse comando (por
meio da teclas de atalho “Control+V") em qualquer editor de textos ou até mesmo na tela de consulta SQL.
O comando SQL também pode ser editado pelo usuário e, em seguida, inserido na tela de consulta SQL.
Se o SQL inserido for válido, o SIP apresentará seu resultado na lista de dados. Porém, se o
SQL for inválido, é possível que ocorra duas situações: se o comando for incompatível com a tela, é sinal de
que o usuário alterou os campos ou as tabelas do comando, e, então, o SIP emitirá um aviso ao usuário
para que ele possa refazer a operação. A segunda situação ocorre quando se detecta a existência de um
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 72

comando malicioso, chamado também de SQL Injection, que pode danificar os dados existentes; nesse
caso, o SIP grava as informações sobre o log da operação, contendo o comando, a tela, o usuário e outros
dados importantes para a identificação da inserção desse comando malicioso. Maiores informações sobre o
LOG do SIP estão descritas no tópico D.I.1.3 deste manual.
E) Opções de Ordem
A opção “Ordem”, também do menu de contexto, permite a ordenação dos dados com base em
mais de um campo de informações. Observe-se que a ordenação dos dados a partir da própria grid só pode
ser realizada com base em uma coluna de informações.
F) Opções de Grid
Através desta opção é possível alterar as colunas da lista de dados da grid. A alteração
realizada será salva pelo SIP em nome do usuário que a configurou. Dessa forma, sempre que esse usuário
acessar a tela que foi alterada, o sistema apresentará a lista de dados ordenada de acordo com essa nova
configuração, independentemente da estação de trabalho em que o usuário se encontre.
Essas opções relacionadas ao manuseio da lista de dados têm a finalidade de agilizar o
trabalho do usuário, principalmente no momento da impressão de relatórios rápidos. Com isso, é possível
imprimir a lista que foi personalizada pelo usuário, contendo, por exemplo, apenas as colunas que contêm o
nome e a matrícula dos trabalhadores.
 Alteração de Colunas
A seleção desta opção apresenta uma pequena tela contendo duas listas denominadas
“campos disponíveis” e “campos em ordem”. Na lista da esquerda são relacionados os campos disponíveis,
que equivalem aos campos disponibilizados na tela do Filtro de Pesquisas; na lista da coluna da direita,
denominada “campos em ordem”, são relacionados os campos que compõem a lista de dados atual que
está sendo visualizada pelo usuário.
Observe-se, na figura abaixo, que é possível a personalização das colunas. Ou seja, o usuário
pode selecionar um campo da lista da direita e, por meio do botão “>”, localizado na parte central da tela,
incluí-lo na coluna de “campos em ordem”. Além disso, o usuário pode modificar a ordem de apresentação
na tela dos campos contidos na coluna “campos em ordem”; para tanto, basta utilizar as setas indicando
para cima e para baixo que estão localizadas no lado direito da tela.

 Restaurar Colunas
Caso tenha sido realizada alguma alteração nos campos da grid, esta opção permite o retorno
da lista de dados ao padrão mais utilizado no sistema.
 Operações

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 73

Tratam-se de funções matemáticas que possibilitam ao usuário agregar campos numéricos e


obter dados rápidos.
Quando for solicitada uma alteração de grid que envolva campos com valores numéricos e a
opção de operações for solicitada, o SIP mostrará automaticamente a tela de operações com a função de
soma selecionada, pois essa é a operação mais utilizada. Porém, caso haja a necessidade, o usuário poderá
alterar essa operação para utilizar os recursos de obtenção de valores mínimo, máximo ou até mesmo da
média.
 Imprimir
Quando as colunas estão selecionadas para impressão ou para ordenação de campos, por
exemplo, e o usuário clica sobre a opção de impressão, o sistema disponibiliza as seguintes opções:
 Visualizar Impressão
Quando a opção “visualizar impressão” é selecionada, o SIP retorna uma caixa de diálogo que
solicita o nome do relatório. Observe-se que o nome informado nesse campo é o nome que será visualizado
no título do relatório.
Essa caixa de diálogo é previamente preenchida com o nome da tela atual como sugestão.
Caso o usuário cancele essa informação, o SIP não cancelará a impressão, apenas assumirá o nome do
relatório como sendo o título sugerido.
Para a visualização do relatório, o sistema possui a capacidade de criar vários agrupamentos
dos dados com totalizações individuais e gerais e, além disso, possui autonomia para acomodar os objetos
texto no papel. Essa acomodação é realizada com base no seguinte critério: se a soma das larguras das
colunas for maior que o tamanho de uma folha A4 em posição retrato, a configuração da página é alterada
para paisagem; porém, se a soma dessas larguras for menor, o campo “nome” será expandido, caso ele
exista.
 Salvar layout no gerador de relatórios
O uso desta opção é indicado no caso de relatórios elaborados por meio das telas de cadastro,
utilizando-se os recursos do grid. Quando esta opção é selecionada, o SIP solicita o título do relatório e
segue as mesmas opções descritas no tópico D.01.06 deste manual. Depois disso, o sistema solicita o
nome que será exibido no módulo do Gerador de Relatórios, pois é possível determinar um título mais
“formal” e um nome mais “informal” para facilitar o entendimento do relatório; em seguida, deve-se indicar a
pasta em que o layout será salvo dentro do módulo de relatório; caso não haja nenhuma pasta criada no
módulo, o usuário pode criar uma nova pasta através da própria tela.
As opções de relatórios disponíveis no módulo Gerador de Relatórios estão explicadas
detalhadamente no tópico D.III deste manual.
 Exportar
Quando já houver sido determinado quais as colunas que poderão ser visualizadas na grid, o
SIP disponibiliza o recurso de exportação dessas informações em um arquivo no formato texto (*.TXT).
Nesse arquivo texto, os dados da grid serão separador por um caracter do tipo pipe “I”.
O arquivo texto gerado pode ser utilizado para diversas finalidades de importação, inclusive por
outras empresas que necessitem das informações cadastrais que constem nele.
Para exportar o arquivo, basta acionar a opção “Exportar em TXT”. Então, o sistema solicitará
que o usuário selecione o diretório de destino e informe o nome do arquivo. Em seguida, basta acionar a
uma das opções de exportação disponibilizadas (“Exportar .txt”, “Layout .txt” e “Exportar foto e .txt”).
É interessante mencionar que, caso haja uma foto do trabalhador vinculada na tela do seu
cadastro, essa foto será inserida no arquivo texto juntamente com as informações da grid. Para tanto, é
necessário acionar a opção de exportação “Exportar foto e .txt”.
D.01.06 - Telas de Relatórios Padronizadas
As telas de emissão de relatórios do SIP são padronizadas e se diferem apenas em relação a
alguns parâmetros de filtragem ou algumas opções de visualização do relatório a ser emitido que podem ser
específicos para cada tipo de relatório.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 74

Como exemplo de uma tela de emissão de relatórios, observe-se a imagem abaixo, que
reproduz a tela do item 04.14-Relação de trabalhadores por eventos do menu “Mensais” do módulo “Folha
de Pagamento”:

Na parte superior da tela encontra-se o título do relatório. Em seguida, há uma faixa que indica
a referência dos dados que serão impressos no relatório a ser emitido; é importante observar que esta faixa
é exibida apenas nos relatórios que consideram essa informação, pois existem relatórios que não indicam a
referência a que se referem os dados, como é o caso da ficha financeira do trabalhador.
A parte central da tela traz diversas opções de filtragem e de visualização do relatório.
Observe-se que as opções disponíveis em cada tela do SIP podem ser específicas para o tipo de relatório a
ser emitido. A seguir, descreve-se algumas das funções comuns a todos os relatórios:
D.01.06.01 - Ordem e Agrupamento por seleção simples ou caixa de diálogo
As informações a serem impressas em um relatório podem ser agrupadas de diferentes formas.
As opções descritas abaixo possibilitam esse agrupamento:
 Ordem e agrupamento das informações por seleção simples
Neste espaço denominado “agrupamento/ordem” são disponibilizados os campos mais
utilizados para agrupamento em cada tela de relatório. Para selecionar o(s) tipos de agrupamento
desejado(s), basta clicar nos itens disponibilizados, como, por exemplo, Divisão, Subdivisão, Unidade, Local
de Trabalho, Vínculo e Cargo. Observe-se que este último tipo de agrupamento é substituído, em algumas
telas de emissão de relatório, por um agrupamento com base na referência salarial, na categoria funcional
ou até mesmo em algum tipo de documento.
Algumas telas também apresentam ao usuário a possibilidade de enviar um agrupamento para
ser impresso em uma próxima página; ou seja, é possível imprimir cada agrupamento em uma página
diferente. Para tanto, basta selecionar uma opção de agrupamento, como, por exemplo, a opção “Divisão”,
juntamente com a opção “Nova Página”.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 75

Se o usuário tiver optado por selecionar um agrupamento, o que não é obrigatório, também
poderá selecionar, em seguida, a ordem em que os dados devem ser apresentados dentro de cada
agrupamento selecionado. O sistema disponibiliza as opções de ordenar os dados por registro, por matrícula
ou por ordem alfabética.
Observe-se, abaixo, um exemplo de relatório emitido com base no agrupamento de divisão e
subdivisão, no qual os dados estão ordenados com base na ordenação pela matrícula:

 Ordem e agrupamento das informações por Caixa de Diálogo


O agrupamento de informações por caixa de diálogo possui basicamente a mesma finalidade
do agrupamento simples, descrito anteriormente, diferenciando-se pelo fato de possibilitar a ordenação dos
dados com base em mais de um fator de agrupamento. Ou seja, os dados serão disponibilizados no
relatório seguindo a ordem dos campos estabelecida na coluna da direita (“campos em ordem”) da tela
aberta com a seleção do botão “alteração de colunas”, conforme descrito no item “alteração de colunas” do
tópico D.01.05.01.06.F deste manual; difere-se, assim, do agrupamento simples, que apresenta os dados de
acordo com uma das ordens pré-disponibilizadas pelo sistema.
Para transferir os campos desejados da coluna denominada “campos disponíveis” para a
coluna “campos em ordem”, deve-se clicar em um campo e, em seguida, no botão "Adicionar" (“>”). Para
remover um item ou todos de uma única vez da lista de campos em ordem, basta clicar nos botões
"Remover Item" (“<”) ou "Remover Todos" (”<<”), respectivamente. Observe-se que também é possível
acrescentar e/ou remover um item da coluna “campos em ordem” arrastando e soltando este item de uma
coluna para outra.
Além disso, é possível que o usuário altere a ordem dos campos que fazem parte da coluna de
“campos em ordem”, selecionando um item e clicando nos botões "Trocar Ordem para Cima" e "Trocar
Ordem para Baixo", disponibilizados na lateral direita da tela, conforme demonstrado na figura abaixo.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 76

Lembre-se que os agrupamentos são definidos por meio do botão de checagem que estão
eventualmente disponíveis ao lado dos campos em ordem. A imagem abaixo demonstra um exemplo de
agrupamento determinado com base nos campos Divisão, Subdivisão e Unidade/Custeio:

D.01.06.02 - Opções de visualização dos relatórios


Na parte inferior das telas de emissão dos relatórios estão disponíveis os seguintes botões com
suas respectivas funções:
 "Visualizar”: disponibiliza, na tela, o relatório emitido com base nas opções de filtragem
selecionadas pelo usuário;
 “Imprimir”: emite o relatório diretamente para a impressora;
 "Layouts": dá acesso á tela de criação e de seleção de layouts de relatórios;
 "Exportar": apresenta as diversas opções de exportação;
 "Fechar": encerra a tela de relatório.
A visualização dos relatórios do SIP também é padronizada em todas as telas de emissão de
relatórios do sistema. A imagem abaixo ilustra as opções disponíveis na tela de visualização, que serão
descritas a seguir:

A) Botão “Imprimir”
Quando este botão é acionado, abre-se a tela de envio do documento visualizado para a
impressora. Basta clicar no botão “OK”, localizado na parte inferior direita da tela, para que o documento
seja enviado para impressão. Porém, antes da confirmação da impressão, é possível que o usuário altere
alguns recursos de impressão do relatório, conforme exemplificado abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 77

 Seleção de Impressora - Nome da Impressora


Esta opção permite a seleção da impressora para a qual será enviado o relatório visualizado em
tela. Assim, quando esta tela é aberta, no campo “Nome” é indicada a impressora que está instalada no
computador está instalada com a classificação de impressora padrão, sendo possível escolher outra
impressora caso haja mais de uma impressora instalada para o computador.
 Botão “Propriedades”
Este botão abre uma tela com as configurações do aplicativo que gerencia a impressora
selecionada para a emissão do relatório, apresentando informações específicas de cada modelo e
fabricante.
 Páginas a serem impressas
Neste espaço devem ser indicadas quais as páginas que o usuário deseja imprimir. É possível
enviar para impressão todas as páginas listadas, somente a página em visualização atual ou, ainda, pode-se
informar o número de algumas páginas não sequenciais, separando-os por vírgula (como por exemplo:
“1,5,8”, indicando que devem ser impressas as páginas 1, 5 e 8 do relatório) ou mesmo determinar que
sejam impressas as páginas que fazem parte de um intervalo compreendido entre dois números separados
por um hífen (por exemplo “1-8”, indicando que deverão ser impressas as páginas de 1 a 8).
 “Outras opções de página” - Caixa de seleção “Imprimir”
Neste espaço é possível determinar que sejam enviadas para a impressão todas as páginas
determinadas no espaço anterior, apenas as páginas com numeração ímpar ou apenas as com numeração
par. É interessante utilizar esta ordenação quando o usuário deseja aproveitar a frente e o verso das páginas
brancas, visando economia de papel, pois permite que sejam impressas todas as páginas ímpares de um
lado da folha e, em seguida, sejam utilizados os versos das mesmas folhas para imprimir as páginas pares.
 “Outras opções de página” - Caixa de diálogo “Ordem”
Espaço destinado à determinação da ordem em que as páginas do relatório serão enviadas
para impressão. É possível que as páginas sejam impressas em ordem crescente (ordem direita) ou
decrescente (ordem inversa) de numeração.
 “Outras opções de página” - Caixa de diálogo “Direção”
Neste espaço o usuário pode determinar como as informações do relatório serão enviadas para
impressão e a maneira como a impressora processará esse trabalho.
A seleção da opção horizontal faz com que os registros do relatório sejam impressos em
colunas de forma alternada. Já a seleção da opção vertical determina que os registros do relatório
primeiramente serão impressos na primeira coluna da página e somente após o final dessa primeira coluna
é que os dados serão impressos na segunda coluna.
O recurso a essas duas opções geralmente é utilizado quando se trabalha com impressoras
matriciais, pois a ordem de execução de uma tarefa de impressão pode influenciar no seu resultado final.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 78

Por sua vez, a seleção da opção Simples ou da opção Padrão determina que o próprio sistema
operacional gerencie o tratamento de como os registros serão transportados para a impressão.
 “Opção de Cópias” - “Número de cópias”
Este espaço é destinado às informações sobre o trabalho que a impressora deverá realizar com
as páginas que estão sendo enviadas para a impressão.
Na opção de número de cópias, deve-se indicar o número de cópias do relatório que devem ser
impressas.
 “Opção de Cópias” - “Agrupar páginas”
Esta opção tem a finalidade de facilitar a coleta de folhas impressas quando se determinar um
número extenso de cópias para impressão. Se esta opção estiver selecionada, as páginas serão enviadas
para impressão em seqüência ordenada, ou seja, primeiramente será impressa uma cópia total do
documento e somente quando a última página deste for impressa é que se iniciará a impressão da outra
cópia.
Mas, se esta opção estiver desmarcada, as diversas cópias serão impressas de forma
agrupada com base na numeração das páginas; ou seja, serão impressas todas as cópias da página
número 1, em seguida todas as cópias da página número 2 e assim sucessivamente.
 “Imprimir para Arquivo”
Quando esta opção estiver selecionada, o documento visualizado não será enviado pelo
sistema operacional para impressão. Ao invés disso, o documento será salvo em um arquivo com formato
de extensão PRN. Este recurso geralmente é utilizado quando não há necessidade de que o relatório emitido
seja impresso imediatamente, permitindo que as configurações de impressão sejam salvas para uma
impressão em um momento posterior.
 “Modo Impressora”
Este recurso pode ser utilizado quando as configurações de paginação do relatório visualizado
não forem adequadas ao formato do papel em que ele será impresso. Nesse caso, o usuário poderá
restringir a impressão a uma folha quando a extensão do documento não for maior que uma página (opção
“Juntar páginas pequenas”) ou enviar dados de uma página maior para serem impressos na próxima página
(opção “Repartir páginas grandes”). Observe-se que quando for selecionada essa última opção, o espaço
“cópia de impressão” será habilitado para que se selecione o formato do papel em que esses dados deverão
ser impressos.
B) Botão “Localizar”
O botão “localizar” pode ser utilizado quando houver a necessidade de procurar alguma
informação no relatório que está sendo visualizado. A imagem abaixo reproduz a tela de localização
habilitada por meio deste botão:

 “Texto para localizar”


Este campo deve ser utilizado para se digitar a informação que deverá ser localizada pelo
assistente de localização. Após digitar o conteúdo desejado, o usuário deverá clicar no botão “OK”,
localizado na parte inferior da tela, para que seja realizada a verificação.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 79

Caso seja localizada uma ocorrência da informação solicitada e o usuário deseje que o
assistente continue analisando o resto do documento para verificar se existe algum outro registro dessa
mesma informação, deve-se utilizar a tecla ”F3” do teclado.
 Opções de pesquisa da tela de localização
Estas opções tem a finalidade de facilitar a procura da informação digitada no campo de
localização.
A opção “Pesquisar do início” deve ser utilizada quando a visualização do relatório não estiver
em sua página inicial e o usuário desejar que a busca pela informação digitada seja realizada desde o início
do relatório.
Já a opção “Diferenciar maiúsculas de minúsculas” determina que se localize no relatório
alguma ocorrência que corresponda exatamente à forma como a informação foi digitada no campo “texto
para localizar”. É uma opção que facilita, por exemplo, a pesquisa de nomes.
C) Botão “Atualizar”
Este botão tem a finalidade de atualizar os dados que estão sendo visualizados no relatório,
sendo útil principalmente quando for necessário alterar algum parâmetro de emissão do relatório após a
visualização desse relatório.
O uso deste recurso facilita o trabalho do usuário principalmente quando o sistema está
configurado com as opções de multi-tarefa habilitadas (conforme descrito no tópico D.II.7.11 deste manual),
pois tendo sido realizada a modificação de um parâmetro na tela de geração de relatório depois de esse
relatório já estar sendo visualizado na tela, não será mais necessário clicar no botão “visualizar”, bastando
que se acione o botão “atualizar” para que o relatório seja visualizado com os dados atualizados.
D) Botão “Opções de Página”
Este botão abre uma tela que abriga todas as configurações da página de impressão, como
pode-se observar na imagem abaixo:

 Tamanho do Papel
Esta opção deve ser utilizada para determinar o tipo de papel em que será impresso o relatório.
Observe-se que o sistema disponibiliza todos os tipos de papel padronizados, tais como A4, A5, Ofício entre

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 80

outros. A informação sobre o formato do tipo de papel que será utilizado para a impressão deve ser
verificada na embalagem do o papel.
 Largura e Altura
Nestes campos são informadas, em centímetros e automaticamente, a largura e a altura do
tamanho do tipo de papel que foi selecionado no espaço “tipo de papel”. Essas informações podem ser
modificadas pelo usuário de acordo com as suas necessidades.
 Orientação
Este espaço é destinado à determinação de que o relatório seja emitido na orientação vertical
(retrato) ou na orientação horizontal (paisagem).
 Margens
Neste espaço são determinados os espaçamentos do lado esquerdo, do lado direito, na parte
superior e na parte inferior do papel que devem ser respeitados pela impressora no momento da impressão
do relatório. É possível que o usuário altere essas medidas, em caso de necessidade, devendo-se sempre
manter as medidas informadas em centímetros.
 Outras opções de configuração de página
O usuário deve utilizar estas opções para determinar se as configurações realizadas nesta tela
de “Opções de página” devem ser aplicadas em todas as páginas do relatório ou apenas na página que está
sendo visualizada naquele momento.
E) Botão “Exportar”

É possível exportar os relatórios visualizados para utilizá-los em outros programas ou para


enviá-los por e-mail para outro setor ou usuário.
Para exportar um arquivo, deve-se selecionar o tipo de arquivo a ser exportado e, em seguida,
deve-se configurar as informações específicas de cada tipo de exportação. Clicando no botão “OK”, o
sistema abrirá a opção de escolha do caminho para gravação, exceto no caso de envio do arquivo para
e-mail, quando o arquivo será enviado automaticamente o e-mail para o destinatário.
A seguir, descreve-se algumas informações específicas sobre cada tipo de arquivo a ser
exportado:
E.1) Tabela Excel (XML)
Este recurso permite que os dados visualizados sejam exportados em um arquivo cuja estrutura
permite a sua edição no Excel e também a sua utilização em conjunto com a conexão a um banco de dados.
Descreve-se abaixo as opções da tela de exportação de dados para um arquivo Excel (XML),
com excessão das opções do espaço “intervalo de páginas”, pois essas já estão descritas no item A do
tópico D.01.06.02 deste manual.
 Opções de configuração de exportação - “Contínuo”
A seleção desta opção determina que, no momento da exportação do relatório, os dados de
todo o relatório sejam dispostos de uma forma contínua. Assim, se o relatório possuir mais de uma página, a
separação entre uma página e outra não será mantida, ou seja, as informações da próxima página serão
impressas em sequência às informações da página anterior.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 81

Esta configuração auxilia na economia de papel no momento de imprimir o relatório, porém


pode deixá-lo um pouco confuso, já que a distribuição visual ficará um pouco comprometida Por isso,
aconselha-se que esta opção não seja selecionada.
 Opções de configuração de exportação - “Quebra de Página”
A seleção desta opção determina que seja inserida uma linha no arquivo gerado para indicar
onde ocorre a mudança de uma página para outra. Dessa forma, a visualização dos dados do relatório fica
muito mais clara.
 Opções de configuração de exportação - “WYSIWYG”
A sigla WYSIWYG é a abreviação das letras iniciais da frase em inglês "What You See Is What You
Get", ou seja, "O que você vê é o que você obtém". Isso significa que, quando esta opção é selecionada, o
relatório será exportado com a mesma aparência apresentada na sua visualização em tela.
Se o usuário desejar manipular os dados do relatório no Excel, aconselha-se que esta opção seja
desabilitada para que a exportação seja realizada com menos colunas e linhas e, assim, o manuseio dos
dados seja facilitado.
 Opções de configuração de exportação - “Fundo”
Quando esta opção estiver selecionada, as opções de fundo do relatório serão exportadas
juntamente com os dados do relatório. Assim, se um relatório possuir uma imagem como plano de fundo
colorida, por exemplo, essa imagem também fará parte do arquivo gerado na exportação.
 Opção de configuração para separar em planilhas
Este espaço da tela de exportação para arquivo do Excel permite que, na exportação do
relatório, as páginas que estão sendo visualizadas na tela sejam convertidas de tal forma que os dados
sejam separados em planilhas. Caso não se deseje este tipo de conversão, basta selecionar a opção “Não
Separar”.
 Opção de configuração para separar em planilhas - “Utilizar páginas do relatório”
Com a seleção desta opção, cada página do relatório será separada em uma planilha do Excel
na exportação para arquivo.
 Opção de configuração para separar em planilhas - “Utilizar imprimir página no pai”
Esta opção determina que cada conjunto de informações mostradas seja separada em uma
planilha, o que significa que uma planilha só será finalizada quando todo o conteúdo de dados de
determinado grupo tenha sido exportado para o arquivo do Excel.
Assim, quando se trata de um relatório que contem vários agrupamentos de dados, as
informações desse relatório são mostradas em grupos. Cada um desses grupos, na exportação do arquivo
para o Excel, será dividido em uma planilha.
 Opção de configuração para separar em planilhas - “Quantidade de linhas por
planilha”
Esta opção permite que o usuário limite o número de linhas que cada planilha do arquivo
exportado deve conter. Ou seja, na exportação do relatório para a geração do arquivo para Excel, os dados
do relatório serão disponibilizados em uma planilha até o limite de linhas informado no campo localizado ao
lado direito desta opção; alcançado esse limite, uma nova planilha será criada para a inserção dos dados
restantes.
 “Abrir o Excel depois de Exportar”
Quando esta opção estiver selecionada, assim que terminar a geração do arquivo, será
executado o programa que permite a sua visualização. É importante lembrar que o aplicativo deve estar
instalado no computador para que esta função seja executada com sucesso.
E.2) E-mail - Opções de Mensagem
Este recurso permite que os relatórios visualizados sejam enviados diretamente para uma conta
de e-mail. É necessário que se informe o endereço de e-mail do destinatário do relatório no campo do
“remetente”, o assunto do e-mail que será enviado, bem como as informações sobre o texto que fará parte
do corpo da mensagem. Além disso, é importante que se configure as opções descritas abaixo. Em seguida,
basta confirmar o envio.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 82

 Confirmação de Leitura
Se esta opção estiver habilitada, um e-mail com a informação de que a mensagem foi lida será
enviado para a conta do emitente assim que o destinatário da mensagem abrir o e-mail enviado.
 Formato do Anexo
Neste campo deve ser indicado o formato do relatório que será anexado à mensagem a ser
enviada ao destinatário. O formato desse arquivo pode ser Excel XML, HTML, RTF, PDF, Texto, Excel
(OLE) ou Arquivo Fast Report.
Observe-se que, se a opção “Configurações de exportação avançadas” estiver selecionada, o
anexo será exportado de acordo com as regras do tipo de arquivo especificado, conforme descrito em cada
um dos itens E2, E3, E4, E5 e E6 deste tópico D.01.06.02. Porém, se essa opção não estiver selecionada,
será enviado um e-mail simples ao destinatário, sem qualquer anexo.
 Opções de Conta do Emitente
Neste espaço devem ser informados os dados da conta de e-mail de onde será enviada a
mensagem. No campo ‘nome” poderá ser digitalizado o nome do remetente para que o destinatário possa
identificar quem enviou a mensagem no momento em que ele receber esse e-mail.
No campo “endereço”, deve-se informar o endereço de e-mail de onde o usuário enviará a
mensagem com o relatório em anexo. Essa informação é importante principalmente quando a opção de
confirmação de leitura estiver selecionada, já que é necessária a indicação de um endereço de e-mail para o
qual a mensagem de confirmação de leitura seja enviada.
Há ainda os campos “organização” e “assinatura”, onde devem ser informados,
respectivamente, o nome da organização que está emitindo o e-mail com o relatório e a assinatura do
responsável pelo envio da mensagem, que será inserida no da mensagem de e-mail. Observe-se que,
abaixo ao lado do campo destinado à assinatura há um botão com a descrição “Criar”; se esse botão for
acionado, o próprio gerenciador de relatório sugere ao usuário uma mensagem de assinatura com base na
combinação das informações sobre a conta de e-mail do emitente inseridas nos campos “Nome”, “Endereço
de E-mail” e “Organização” .
 Opções de Conexão - Servidor
Neste campo deve-se informar o endereço do servidor de envio de e-mail (SMTP) que
geralmente é fornecido por empresa terceirizada. Por isso, o usuário emitente do e-mail deve entrar em
contato com o fornecedor do serviço de internet para obter esses dados e informá-los neste espaço.
 Opções de Conexão - Login e Senha da conta de e-mail
Estes espaços são destinados à informação dos dados do usuário de acesso à conta de envio e
de recebimento do e-mail (login de acesso) e a senha correspondente.
 Opções de Conexão - Porta
Neste campo deve ser informado o número da porta de conexão com o servidor remoto que
permitirá o envio do e-mail. Por sugestão, o gerenciador do relatório traz a informação previamente
preenchida; porém, é possível alterá-la caso a empresa fornecedora do serviço o solicite a modificação.
 Opções de Conexão - Time Out
O número informado neste campo corresponde ao tempo de resposta em que o servidor de
envio de e-mail deve retornar ao emitente a informação de que o envio foi concluído. Caso este tempo seja
alcançado e o envio não for realizado com sucesso, será retornada uma mensagem do servidor.
 Lembrar Propriedades
Se esta opção for selecionada, todas as informações que foram digitadas para a realização da
exportação deste arquivo por e-mail serão salvas. Com isso, evita-se que o usuário tenha que digitar as
mesmas informações toda vez que for enviar um relatório por e-mail através deste recurso do SIP.
E.3) Arquivo HTML - Configurações de Exportação
Este recurso do SIP permite que o relatório seja exportado para a extensão HTML, e, assim,
possa ser visualizado em um browser para uso na internet.
Descreve-se, abaixo, as configurações específicas que devem ser realizadas para a exportação
do arquivo para HTML. Observe-se que as opções “Intervalo de Páginas”, “Exportar itens do fundo do
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 83

relatório” e “Abrir depois de Exportar” já estão descritas nos itens A e E.1 do tópico D.01.06.02 deste manual
e, por isso, as suas funções não serão mencionadas neste momento.
 Configurações de Exportação - “Estilos”
Os programadores para internet geralmente utilizam o recurso de criar uma linguagem padrão
para facilitar o desenvolvimento de sites, linguagem essa chamada de páginas de estilo (CSS). Essas
páginas contêm as informações de como será o visual da página a ser exibida no navegador de internet.
Assim, por exemplo, quando houver a necessidade de alterar o tamanho de uma fonte, ao invés de colocar
essa formatação dentro do documento, escrevendo-a linha a linha, o desenvolvedor cria uma ligação para o
estilo, o que agiliza o seu trabalho. Ou seja, quando for necessário alterar a aparência do site, basta
modificar a descrição do novo estilo no arquivo CSS.
Quando esta opção de estilo estiver selecionada, essas informações sobre as páginas de
estilos serão indicadas no cabeçalho do arquivo HTML exportado, para que posteriormente possam ser
utilizadas pelo desenvolvedor para publicação em um site, por exemplo.
 Configurações de Exportação - “Arquivos na mesma pasta”
Quando esta opção estiver selecionada, os arquivos auxiliares para visualização do HTML
serão gerados na pasta raiz. Diferentemente, se estiver desmarcada, será criada uma pasta auxiliar com o
mesmo nome do arquivo do relatório exportado, sendo que todos os arquivos auxiliares serão criados nessa
nova pasta.
 Configurações de Exportação - “Navegador de páginas”
A seleção desta opção cria um utilitário de paginação, cuja finalidade é permitir a navegação
entre uma tela (página) e outra do relatório.
 Configurações de Exportação - “Largura fixa”
A seleção desta opção possibilita que o relatório seja fixado em um tamanho de largura fixa,
não permitindo que seja criada a barra de rolagem auxiliar na parte inferior do browser. É uma função muito
útil também para os programadores de internet, pois as informações deste recurso já estão descritas na
folha de estilo CSS.
 Configurações de Exportação - “Multi-página”
Esta opção determina que cada página de visualização do relatório seja criada em um arquivo
de página HTML.
 Configurações de Exportação - “Figura”
Quando o relatório possuir alguma imagem, é possível convertê-la em diferentes formatos de
arquivos. Para tanto, deve-se escolher o formato desejado dentre os disponibilizados pelo sistema, quais
sejam: JPEG - Joint Photographic Experts Group, BMP – Imagem Bitmap e GIF - Graphics Interchange
Format. Também é possível determinar que a imagem não seja exportada, selecionando-se a opção
“nenhum” neste espaço.
E.4) Arquivo RTF - Configurações de Exportação
O arquivo criado por meio deste recurso pode ser utilizado no programa editor de texto Word.
Descreve-se, abaixo, as opções específicas para a exportação desse tipo de arquivo que devem ser
configuradas pelo usuário.
Observe-se que as opções “Intervalo de Página”, “Quebra de Página”, “Wysiwyg”, “Exportação
de figuras” e “Abrir arquivo depois de exportar” já estão descritas nos itens A e E.1 do D.01.06.02 deste
manual e, por isso, suas funções não serão repetidas neste momento para evitar que o manual fique
repetitivo.
 Configurações de exportação - “Contínuo”
A seleção desta opção determina que o relatório seja exportado para o arquivo RTF na forma
de um texto contínuo, ou seja, como um texto sem nenhuma formatação. Dessa forma, toda endentação
executada na elaboração do relatório será eliminada no momento da sua exportação.
 Cabeçalho / Rodapé da Página
Esta configuração está relacionada à geração de cabeçalho e de rodapé para o arquivo durante
a exportação. Sendo selecionada a opção “Cabeçalho / Rodapé”, disponibilizada na caixa de diálogo, o

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 84

cabeçalho e o rodapé do relatório serão exportados para o arquivo RTF; porém, se for selecionada a opção
“Texto” da caixa de diálogo, será transportado para o arquivo somente o corpo do relatório. -
E.5) Arquivo PDF - Configurações de Exportação
Este recurso do SIP permite que, no processo de exportação do relatório visualizado em tela,
seja criado um arquivo no formato PDF que poderá ser visualizado no editor Adobe Acrobat. Descreve-se,
abaixo, as opções específicas que devem ser configuradas pelo usuário para a exportação desse tipo de
arquivo. As opções “Intervalo de Página”, “Impressão do Fundo” e “Abrir arquivo depois de exportar” não
serão descritas neste momento pois suas funções já estão detalhadas nos itens A e E.1 do tópico
D.01.06.02 deste manual.
 Configurações de Exportação - “Compactado”
É possível determinar, por meio da seleção desta opção, que o arquivo que será gerado passe
por uma compressão durante a exportação. Assim, por exemplo, se o relatório possuir uma imagem com
tamanho extenso, no processo de exportação esse arquivo será convertido para um formato que apresente
a mesma qualidade de visualização, porém com uma extensão menor.
 Configurações de Exportação - “Fontes embutidas”
Se esta opção for selecionada, durante o processo de exportação não será realizada a troca de
qualquer tipo de fonte do relatório, ou seja, o conteúdo e a apresentação do relatório serão mantidos no novo
arquivo conforme está sendo visualizado em tela.
É importante observar que, se a fonte original do relatório não estiver instalada no computador,
o relatório pode não ficar visível. Por isso, aconselha-se que esta opção não seja habilitada, a fim de deixar
que, na exportação do relatório para arquivo PDF, o sistema se encarregue de gerar o arquivo com as fontes
mais utilizadas, permitindo a visualização do arquivos em diversas máquinas.
 Configurações de Exportação - “Impressão otimizada”
Esta opção tem a finalidade de diminuir a extensão do arquivo e, assim, facilitar a sua
impressão. Para tanto, no momento da exportação para arquivo PDF, alguns campos visíveis podem ser
reestruturados para outras posições no relatório, o que pode prejudicar o visual do relatório. Sendo assim,
aconselha-se que esta opção não seja habilitada.
 Configurações de Exportação - “Índice”
Se esta opção estiver selecionada e o relatório a ser exportado possuir opções de agrupamento
de páginas, serão enviadas para a exportação todas as informações sobre o tipo de seleção para a
visualização que foi selecionada.
 Informações do documento enviadas na exportação
Nesta aba “informações” estão disponíveis os campos “Título”, “Autor”, “Assunto”, “Palavra
Chave”, “Criador” e “Produtor” para serem preenchidos com informações sobre o relatório que será
exportado para o arquivo em PDF. O preenchimento desses campos carregará, para as propriedades do
arquivo, as informações sobre o proprietário que está solicitando a exportação.
 Informações de segurança de manuseio do arquivo
As opções desta aba “Segurança” permitem a criação de duas senhas de acesso para que se
possa manipular posteriormente o arquivo gerado. Uma dessas senhas, que deve ser utilizada pelo
proprietário do arquivo, permite a alteração da estrutura total do documento. A outra senha deve ser utilizada
pelo usuário do sistema, que poderá realizar no arquivo apenas as operações habilitadas nas opções de
permissão, conforme descrito no tópico C.08.03 deste manual
Com o cadastro dessas duas senhas, toda vez que for solicitada a abertura do arquivo, será
necessário informar a senha do proprietário ou do usuário para que seja possível visualizar o documento.
 Informações de Segurança - Senha do Proprietário e Senha do Usuário
Como já dito acima, nestes espaços devem ser registradas uma senha para o proprietário do
documento e uma senha para o usuário do sistema. É importante lembrar que o proprietário do arquivo
possui habilidades para a manipulação total do arquivo, enquanto que o usuário poderá agir somente de
acordo com as permissões que forem selecionadas dentre as descritas abaixo.
 Usuário Senha - Permissões

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 85

Estas opções têm a função de limitar as ações que poderão ser executadas pelo usuário no
arquivo exportado.
É importante observar que as permissões gerais não exigem a informação de uma senha de
usuário para a manipulação dos recursos do sistema. Ou seja, são permissões que podem ser executadas
por qualquer usuário do sistema, sem a necessidade de uma senha que o identifique.
A seleção da opção “imprimir o documento” permite ao usuário realizar a impressão do arquivo
que será exportado. Por sua vez, a opção ”modificar o documento” possibilita limitar a impressão do arquivo
que será visualizado após a exportação.
A função da opção “Copiar Textos e Gráficos” é permitir a seleção de partes do documento e a
utilização dos recursos de copiar essas partes, através da opção Editar / Copiar (Ctrl + C), e de colá-las (Ctrl
+ V) em outro documento, por exemplo.
Por fim, a opção “Adicionar ou modificar anotações de texto” está relacionada à possibilidade
de adicionar informações ou de modificar o documento que será exportado.
 Visualizador - Preferências do Visualizador
Esta aba traz as opções para se determinar as configurações de visualização do documento, ou
seja, a estética de apresentação do documento em tela.
Quando habilitada a opção de “esconder a barra de ferramentas”, será omitida a barra de
ferramentas do leitor de PDF. Nessa barra estão dispostas as opções de impressão e de navegação de
páginas do documento, dentre outras funções.
Por sua vez, a opção “Esconder Barra de Menu” permite omitir o Menu de ações para
manipulação do documento. Esse menu possui as opções de Arquivo, de Edição e de Visualização, dentre
outras.
A opção “Esconder interface do usuário” tem a finalidade de omitir todas as opções de acesso
que possibilitem a navegação no documento, como, por exemplo, a barra de rolagem que aparece à
esquerda da tela.
As opções “ajustar janela”, “centralizar janela” e “escala de impressão” determinam que a tela
do programa de leitura do PDF não seja aberta de forma maximizada. Além disso, se a resolução das
configurações de vídeo do computador estiverem baixas, essas opções determinam como os dados do
relatório exportado serão visualizados na tela: a opção “ajustar janela” determina que o relatório seja
ajustado automaticamente ao tamanho da tela de acordo com a sua resolução; por sua vez, a opção
“centralizar janela” faz com o que o relatório seja aberto sempre ao centro do monitor e, por fim, a opção
“escala de impressão” determina que o arquivo seja aberto em escala de visualização de impressão,
utilizando as configurações da impressora padrão do computador.
E.6) Arquivo Texto - Configurações de Exportação
Este recurso do SIP permite que, no processo de exportação do relatório visualizado em tela,
seja criado um arquivo na extensão TXT. Descreve-se, abaixo, as configurações específicas a serem
determinadas para a exportação do documento texto. Observe-se que as opções “Quebra de Página” e
“Abrir o documento depois de exportar” já estão descritas no item E.1 do tópico D.01.06.02 deste manual e,
para evitar que o manual se torne repetitivo, suas funções não serão mencionadas neste momento.
 Configurações de Exportação - “Bordas”
Se o relatório possuir tabelas e esta opção for selecionada, as informações sobre as bordas do
relatório serão enviadas para o arquivo texto no momento da exportação.
 Configurações de Exportação - “Linhas vazias”
Se esta opção for selecionada e o relatório possuir linhas que não tenham sido preenchidas,
essas linhas serão mantidas no arquivo texto gerado no processo de exportação, mantendo-se, assim, a
identificação original do relatório.
 Configurações de Exportação - “Páginas de código OEM”
“Páginas de Código” é um conjunto de caracteres que pode incluir números, sinais de
pontuação e outros grifos. Diferentes idiomas e localidades podem usar diferentes páginas de código.
Tome-se como exemplo a página de código 1252 ANSI, que é usada para o inglês e os demais idiomas da
Europa, e a página de código OEM 932, que é usada para japonês kanji.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 86

Para que os diferentes códigos OEM existentes no mesmo tipo de relatório sejam exportados
no mesmo formato em que estão sendo visualizados na tela, esta opção deve ser selecionada.
E.7) Arquivo Excel (OLE) - Configurações de Exportação
Este recurso permite que, na exportação do relatório, seja criado um arquivo na extensão XLS
que poderá ser utilizado no programa do Excel. Descreve-se, a seguir, as configurações específicas da
exportação desse tipo de documento. Todavia, não serão descritas as funções das opções “Contínuo”,
“WYSIWYG”, “Fundo”, “Quebra de Página” e “Abrir o documento depois de exportar”, tendo em vista que já
estão descritas no item E.1 do tópico D.01.06.02 deste manual.
 Configurações de Exportação - “Figuras”
A seleção desta opção determina que as imagens presentes no relatório sejam enviadas para o
arquivo que será gerado na exportação.
 Configurações de Exportação - “Como texto”
Se um relatório possuir informações monetárias, datas ou outras informações numéricas e esta
opção não for selecionada, no processo de exportação será enviada a categoria correspondente ao tipo de
caractere visualizado para a formatação das células que conterão esses dados.
Assim, por exemplo, se existir uma informação de data no texto, a célula de destino será
configurada com as características utilizadas para a visualização com base nas configurações regionais de
idioma do sistema operacional do computador. Significa que, o dado referente à data 01/01/2010 será
demonstrada na tela como “sexta-feira, 1 de janeiro de 2010”.
Porém, se esta opção for selecionada, a formatação da célula não será realizada, ou seja, será
enviada apenas a informação digitada como um texto padronizado.
 Configurações de Exportação - “Exportação rápida”
Esta opção determina ao processador do computador que o trabalho seja realizado com maior
agilidade. É um recurso de grande utilidade para ser utilizado quando o relatório possuir um grande número
de informações para serem processadas na exportação.
 Configurações de Exportação - “Mesclar células”
A seleção desta opção faz com que o relatório seja ordenado em células de acordo com a
visualização aparente do relatório. Se esta opção estiver desabilitada, o relatório será exportado de uma
maneira desordenada.
F) Opções de Zoom
Esta opção permite que se modifique o tamanho da visualização do relatório. É possível
aproximar ou distanciar a visualização num intervalo sugerido de 25 a 200% ou, caso seja necessário, o
próprio usuário pode digitar, no campo numérico, o valor correspondente à porcentagem do zoom em que
deseja visualizar a imagem.
Também são disponibilizadas outras três opções de visualização do relatório que facilitam o
ajuste automático da página na tela do computador, quais sejam: “largura da página”, que determina o ajuste
automático da página do relatório de um canto a outro da tela; ”páginas inteiras”, que possibilita a
visualização de uma página inteira do relatório, enquadrando-a do início ao fim na tela do computador, opção
essa que permite também a visualização de mais de uma página do relatório ao mesmo tempo, a depender
da resolução da tela do computador; e, por fim, a opção “várias páginas”, que demonstram várias páginas ao
mesmo tempo na tela, caso o relatório possua mais de uma página.
G) Navegação entre Páginas
Este grupo de botões, possibilita a navegação entre as páginas do relatório visualizado em tela,
assim como o campo destinado à digitação do número da página para a qual o usuário deseja deslocar a
visualização.
O primeiro e o último dos botões desse grupo têm a função de direcionar a visualização em tela
para as páginas extremas do relatório: o botão mais à esquerda leva à primeira página do relatório e o botão
mais à direita leva à última página. Por sua vez, os dois botões localizados ao centro desse grupo permitem
a navegação entre páginas que estejam dispostas em seqüência no relatório, sendo que o botão à esquerda
determina a volta à página anterior, enquanto que o botão à direita avança para a próxima página.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 87

Ao centro dos botões existe uma caixa de digitação onde é possível digitar o número da página
que se deseja visualizar. Ou seja, basta digitar o número da página de destino e clicar na tecla “enter” para
que a visualização do relatório seja direcionada para essa página.
H) Botão Layout - Alteração de layout de relatórios do SIP
O SIP possui incluso em sua estrutura um gerenciador de relatórios chamado “Fast Report”,
que é fornecido pela empresa terceirizada Fast Reports Inc. Todo relatório que for criado no SIP com esse
aplicativo pode ser alterado pelo usuário por meio deste botão “layout”.
A alteração de layout é, na verdade, uma inclusão de layout com base no padrão fornecido pelo
SIP, que permite que o usuário realize no layout quantas alterações forem necessárias sem que se perca o
layout original padrão.
Para alterar os campos de um relatório já existente, aconselha-se que o usuário possua um
bom conhecimento sobre o processo de criação de um relatório no módulo Gerenciador de Relatórios,
conforme as instruções descritas no tópico D.III deste manual, pois todos os relatórios gerados no SIP são
baseados no padrão do Gerador de Relatórios.
O botão “layout” é disponibilizado junto aos botões de visualização de relatório, como indicado
na figura inicial deste item D.01.06.02, e também nas telas de cadastro e de elaboração de relatório.
Observe-se que, logo abaixo dos botões de auxílio da visualização do relatório, indica-se o nome do layout
que está sendo utilizado.
Descreve-se, a seguir, todos os botões e suas respectivas funções que estão disponibilizados
na tela de Layout.

 Botão “Incluir” - Padrão original do SIP


O botão “incluir” abre algumas opções para que os relatórios do SIP possam ser manuseados
pelo usuário. Quando uma das opções é selecionada, o sistema abre o gerenciador de Relatório Fast Report
com as informações do relatório que foi solicitado e então qualquer campo que estiver disponibilizado poderá
ser modificado.
Conforme dito anteriormente, é importante que o usuário tome conhecimento das instruções
descritas no tópico D.III deste relatório, que trata sobre o módulo Gerador de Relatórios, para que possa
executar as alterações no layout com eficiência.
 Botão “Incluir” - Importar arquivo de layout FR3
Esta opção possibilita a importação de um arquivo que contenha um relatório pronto.
O uso desta opção geralmente se faz necessário quando o usuário aciona o Suporte Técnico
da empresa Fiorilli S/C para solicitar a elaboração de um relatório específico para atender a alguma
particularidade da sua organização. Nesse caso, o departamento do suporte providencia a alteração do
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 88

layout do relatório e envia o arquivo com esse relatório para o e-mail do usuário. Ao receber esse arquivo, o
usuário deve salvá-lo em um diretório e, em seguida, deve clicar nesta opção de importar arquivo de layout
para procurá-lo no local onde foi salvo e abri-lo na tela do sistema.
 Botão “Incluir” - Selecionado
Por meio desta opção é possível derivar outro layout a partir de um já layout criado pelo usuário.
Observe-se que as alterações realizadas nos relatórios padronizados do SIP são salvas no
sistema e indicadas numa listagem no início da tela aberta com a seleção do botão “incluir”, conforme
demonstrado na imagem acima. Caso seja necessário modificar um relatório que não seja o layout de
relatório padrão disponibilizado pelo SIP, basta selecionar essa alteração que está salva no sistema para
que o relatório seja aberto e o usuário possa alterá-lo.
Após o término da modificação, o usuário deve clicar no botão “sair do Fast Report” e, então,
será solicitado que essa modificação seja salva, criando-se, assim, uma nova opção de relatório.
 Botão “Incluir” - Modelo do Gerador de Relatórios
Esta opção do sistema cria um novo layout a partir dos modelos disponíveis no Gerador de
Relatórios.
Quando acionada, abre na tela uma janela com modelos de layouts previamente elaborados
pela Fiorilli S/C. Basta que o usuário selecione o modelo que deseja manipular e, então, esse modelo será
aberto em modo de alteração no Fast Report para que o usuário possa realizar as alterações desejadas.
 Botão “Incluir” - Laser Padrão do SIP
Esta opção apresenta um novo layout de relatório contendo apenas o cabeçalho e o rodapé
padrão do SIP formatados no padrão de impressão de relatórios para impressoras do tipo Jato de Tinta /
Laser.
 Botão “Incluir” - Matricial Padrão do SIP
Esta opção apresenta um novo layout de relatório contendo apenas o cabeçalho e i rodapé
padrão do SIP formatados no padrão de impressão de relatórios para impressoras do tipo matricial.
 Botão “Alterar” e “Excluir”
A opção ”alterar” permite que o relatório que foi confeccionado anteriormente e que está sendo
selecionado pelo usuário seja alterada. Essa opção também pode ser utilizada para alterar a descrição do
nome de uma linha de relatório.
Por sua vez, a opção ”excluir” retira do relatório a informação que está selecionada.
 Botão “Padrão” ou “Opção de seleção para padrão”
Este botão de seleção do layout padrão não está disponível nas telas de Cadastro do SIP, nas
quais basta que o usuário selecione, na coluna à esquerda da tela, qual será o novo relatório padrão a ser
utilizado. Já nas telas de emissão de relatórios, esse botão está disponível e, então, caso o usuário deseje
utilizar o padrão de layout fornecido pelo SIP, deverá clicar neste botão e acionar a opção “Manter Original”.
Também na tela de missão de relatório, o usuário pode clicar no botão “Selecionar layout
original” para recuperar o layout padrão do relatório, conforme será descrito logo abaixo.
 Botão “Exportar”
O layout que foi modificado pelo usuário pode ser exportado para que, posteriormente, possa
ser importado num outro programa SIP que esteja instalado em outra localidade, por exemplo.
Este recurso é muito utilizado pelo suporte técnico da empresa Fiorilli S/C quando, em um
atendimento, o usuário solicita uma alteração em um layout padrão do SIP. O atendente, então, executa a
modificação solicitada, salva-a e, em seguida, por meio deste botão “exportar”, o atendente salva o arquivo
de relatório com a extensão FR3 em um diretório do computador e anexa esse arquivo em um e-mail para o
usuário que solicitou a modificação. Ao receber o e-mail com o arquivo do relatório em anexo, o usuário
deverá realizar o processo de importação, conforme descrito no tópico D.III deste manual.
 Selecionar layout original
O layout padrão original fornecido pelo SIP pode ser recuperado pelo usuário por meio deste
botão.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 89

Dica: uma alteração de layout interessante que pode ser feita em telas que utilizam o Filtro de
Pesquisa é incluir um objeto texto com o campo "Parâmetros Selecionados" do objeto de dados
"frdsCabecalho" no cabeçalho do relatório. Isso fará com que a descrição detalhada dos parâmetros
selecionados seja impressa no início do relatório.

I) Botão “Árvore de Dados”


Este botão tem a função de criar, do lado esquerdo da visualização do relatório selecionado,
uma coluna com as informações contidas no relatório, facilitando, assim, a navegabilidade entre uma
informação e outra e o acesso à informação desejada.
J) Botão “Miniaturas”
Assim como a função do botão “árvore de dados”, a função deste botão é criar imagens em
miniaturas do relatório que está sendo visualizado em tela em uma coluna que ficará disponível à esquerda
da visualização e, dessa forma, facilitar a navegabilidade e o acesso às informações do relatório.
D.01.07 - Filtro de Pesquisa
Filtro é uma condição de restrição aos dados a serem consultados na tela e impressos em
relatórios. Isso significa que um filtro de pesquisa deve ser utilizado quando o usuário desejar obter um
subgrupo do conjunto de dados disponíveis para telas de cadastro ou relatórios. Assim, por exemplo, se
existirem mil trabalhadores cadastrados e o usuário desejar listar apenas os trabalhadores que estejam com
o cadastro ativo no sistema, deverá utilizar o Filtro de Pesquisa para impor essa condição de restrição no
campo “Situação”.
A) Funcionamento do Filtro de Pesquisas
O Filtro de Pesquisa é separado em campos disponíveis e campos escolhidos. Uma vez
indicado o conteúdo para um campo disponível, esse campo deverá ser transportado para a lista de campos
escolhidos, clicando no botão “Adicionar” (representado por uma seta direcionada para a esquerda, na cor
verde). Em seguida, deve-se informar a síntese da condição que sofrerá restrição no campo “conteúdo”.
Observe-se que, clicando-se no botão “Excluir”, o campo escolhido que estiver selecionado
será devolvido à lista de campos disponíveis. Por sua vez, o botão “Limpar”, quando acionado, devolve todos
os campos escolhidos à lista de campos disponíveis.
É possível transportar para a lista de campos escolhidos quantos campos forem necessários
para atender aos objetivos do usuário. Dessa forma, o sistema permite a realização de diferentes e infinitas

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 90

pesquisas, pois é a lista de campos escolhidos que determina a condição de restrição da exibição dos dados
registrados no sistema.

Após a seleção dos campos necessários, deve-se clicar no botão “Filtrar”. É esse botão que
determina que as restrições impostas pelo usuário sejam utilizadas na pesquisa dos dados do sistema.
O botão “Listar Todos”, localizado ao lado do botão “Filtrar”, tem a função de não executar uma
restrição imposta pela seleção de um filtro de pesquisa; ou seja, se este botão for acionado, as informações
sobre todos os dados já cadastrados no SIP serão listadas para o usuário.
Por sua vez, o botão “Incluir” abre uma tela de cadastro para a inclusão das informações.
B) Facilidade para o Filtro de Pesquisa
O Filtro de Pesquisa auxilia o usuário na digitação de vários tipos de dados, tais como campos
com zeros à esquerda, datas e valores monetários.
Em campos com zeros à esquerda, como, por exemplo, o registro do trabalhador, o usuário
pode digitar apenas os números válidos, pois o SIP preencherá automaticamente o restante do campo com
os zeros necessários.
Já a facilidade dos campos de valor monetário está no fato de que os valores digitados são
alinhados à direita e, além disso, o programa disponibiliza um botão de acesso a uma calculadora para a
realização de contas que se façam necessárias no preenchimento desses campos.
Por fim, os campos destinados à informação de datas podem ser preenchidos parcialmente,
pois o SIP completa automaticamente esses campos com os dados relativos à data do computador. Assim,
por exemplo, se o usuário digitar apenas um número de dois dígitos, o SIP entenderá que se trata da
informação sobre o dia e completará o campo com o mês e o ano atual do computador; num outro exemplo,
se o usuário digitar quatro dígitos indicando o dia e o mês, o SIP preencherá automaticamente o campo com
o ano atual.
Na tela do Filtro de Pesquisa, ao lado do espaço “conteúdo”, há um botão denominado “lista de
seleção”, que apresenta uma lista com os dados registrados para a condição que se pretende estabelecer. É
o caso, por exemplo, do código do cargo atual, da unidade de custeio, da referência salarial e do código do
evento, para os quais são disponibilizadas as listas de seleção para facilitar e dinamizar a operação do Filtro
de Pesquisa.

Portanto, a lista de seleção fornece aos usuários os itens a serem selecionados e enviados ao
Filtro de Pesquisa. Note-se que é possível selecionar mais de um item da lista; nesse caso, o próprio Filtro
de Pesquisa transforma a condição em uma "Seqüência".
Na tela do filtro de pesquisa também está presente o botão “Salvar”, que tem a função de salvar
as configurações de filtro realizadas pelo usuário no sistema. Esta função do sistema é útil pelo fato de o
usuário pode executar a mesma pesquisa várias vezes ao dia, por diversos motivos, tendo a necessidade de
utilizar as mesmas condições de pesquisa. Nesse caso, quando basta que o usuário clique no botão “salvar”
e, então, as configurações do filtro de pesquisa poderão ser utilizadas sempre que necessário, pois o SIP
disponibilizará o filtro salvo na tela em questão independentemente da estação de trabalho em que o usuário
estiver logado ao SIP.
Observe-se que a operação de salvar um filtro é muito simples e não requer informações
complementares, sendo que o sistema apenas emite ao usuário um aviso de que o filtro foi salvo.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 91

O botão “Abrir/Selecionar”, indicado na figura acima, abre uma lista na qual pode ser
selecionado e aberto um filtro de pesquisa que tenha sido salvo no sistema, como ilustra a figura abaixo:

Por fim, a tela do filtro de pesquisa também disponibiliza um menu de contexto que permite a
localização mais rápida dos campos disponíveis para a filtragem de dados. Esse menu deve ser utilizado
caso o usuário tenha dificuldades em localizar o nome do filtro desejado na lista de campos disponíveis, pois
esses campos estão ordenados de acordo com a maior freqüência de uso. Quando o menu de contexto é
utilizado ou quando a combinação das teclas de atalho "Contrl + F" é pressionada, apresenta-se, na tela,
uma tabela numerada contendo os dados a serem utilizados na pesquisa, a serem descritas a seguir.

C) Exemplos de utilização do filtro de pesquisa


Apresenta-se, abaixo, algumas tabelas que exemplificam o uso de filtros de pesquisa.
A primeira dessas tabelas traz as diversas condições de pesquisa disponibilizadas pelo sistema.
Em seguida, encontra-se a segunda tabela, com exemplos de campos e conteúdos utilizados de forma
coordenada com as condições que foram elencadas na primeira tabela. Observe-se que as informações
utilizadas como exemplo nessas tabelas correspondem às informações do cadastro do trabalhador.
Tabela de Condições de Pesquisa

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 92

1 Igual 11 Preenchido
2 Maior 12 Preenchido (Não)
3 Maior/Igual 13 Seqüência
4 Menor 14 Intervalo (Não)
5 Menor/Igual 15 que Comece (Não)
6 Diferente 16 que Contenha (Não)
7 Intervalo 17 que Termine (Não)
8 que Comece 18 Sequência (Não)
9 que Contenha 19 Mês Igual
10 que Termine 20 Ano Igual
Tabela de Exemplos de Condições de Pesquisa

Item Campo Condição Conteúdo


1 Situação Igual 1
2 Data de Admissão Maior 31/12/2008
3 Data de Desligamento Maior/Igual 01/01/2009
4 Data de Admissão Menor 01/01/2009
5 Data de Desligamento Menor/Igual 31/12/2008
6 Situação Diferente 6
7 Nome que Comece João
8 Nome que Contenha Aparecida
9 Nome que Termine Silva
10 Data de Desligamento Preenchido Conteúdo
Indisponível
11 PIS Preenchido (Não) Conteúdo
Indisponível
12 PIS Igual
13 Matricula Sequência 100\209\1569
14 Data de Nascimento Mês Igual 08
15 Data de Admissão Ano Igual 2009
16 Nome que Contenha (Não) Aparecida

As condições "Preenchido" e "Preenchido (não)", correspondentes aos itens 10 e 11 da tabela,


tornam indisponível a opção "Conteúdo", pois não é necessário o preenchimento de qualquer informação
adicional. Isso se afirma pois, no exemplo em questão, a utilização da condição “preenchido” para a data de
desligamento indica a intenção de que sejam listados apenas os cadastros dos trabalhadores que
contenham a informação sobre a data de desligamento, enquanto que a utilização da condição “preenchido
(não)” para o PIS indica que devem ser listados apenas os cadastros em que o PIS não esteja preenchido.
Observe-se que a condição “seqüência” deve ser preenchida com as opções separadas por
barras contrárias. O exemplo 13 da segunda tabela indica a intenção de listar apenas as matrículas
aleatórias de números 100, 209 e 1569.
Por sua vez, as condições "Mês Igual" e "Ano Igual" estão disponíveis apenas para a utilização
dos campos do tipo “Data”, como “data de nascimento” e “data de adminissão”, utilizados na tabela acima.
 Exemplos de utilização de condições especiais:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 93

Note-se que todas as condições que apresentam com a palavra "Não" entre parênteses (como,
por exemplo, “preenchido (não)”) indicam a intenção de negação. Assim, com a utilização do exemplo 16 da
segunda tabela, em que o campo “Nome” está combinado com a condição “que contenha (não)” para o
conteúdo “Aparecida”, o usuário indica ao sistema que devem ser listados os trabalhadores que não
possuem a palavra "Aparecida" em seus nomes
D.01.08 - Padronizações para exportações de arquivo
Nas opções de exportações de arquivos, o SIP disponibiliza, no canto inferior de tela, alguns
botões e campos que possuem funções particulares para a geração dos arquivos. Descreve-se, abaixo,
essas opções de uso mais comum para a exportação de arquivo:
 Progresso
A barra de progresso informa ao usuário, durante o processo de exportação, que o sistema está
gerando o arquivo especificado. Além disso, quando esse processo é finalizado, esta barra traz a mensagem
informando que o arquivo foi gerado com sucesso.
 Salvar em
Este campo informa o endereço em que o arquivo gerado no processo de exportação será
salvo. Geralmente, este campo é preenchido previamente com um endereço especificado, que poderá ser
alterado de acordo com o desejo do usuário do sistema. Para tanto, deve-se clicar na pasta que se encontra
no final do campo do endereço e selecionar a pasta desejada.
 Pastas Automáticas
Se estas opções forem selecionadas pelo usuário, o SIP criará automaticamente pastas com o
nome da empresa, o ano e o mês de geração do arquivo, onde o arquivo gerado será salvo. Porém, se estas
opções estiverem desmarcadas, não serão criadas novas pastas e o arquivo será salvo diretamente no
caminho especificado no campo “salvar em”.
 Botão “Processar”
Este botão tem a função de processar os arquivos com informações sobre os funcionários
cadastrados no SIP que devem ser exportados para órgãos específicos.
Ao lado do botão “processar” encontra-se um outro botão que tem a finalidade de abrir o
programa específico para o tipo de exportação que o sistema está efetuando.
.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 94

D.I Módulo Principal SIP 7


O módulo principal do SIP 7 é o módulo de abertura do sistema onde se encontram as opções
de acesso aos demais módulos do sistema e aos recursos mais utilizados no dia-a-dia. Neste módulo
também estão disponibilizados os recursos para suporte e o acesso aos dispositivos de backup e de
atualização do sistema.
Descreve-se, neste tópico do manual, cada um dos menus de acesso presentes na parte
superior da tela deste módulo principal do SIP 7.

D.I - 1 - Utilitários

D.I - 1.1 - Consulta SQL


A consulta SQL é um utilitário para uso emergencial.
Somente os usuários com permissão de acesso a esta tela podem utilizá-la sempre sob
orientação do suporte técnico da Fiorilli S/C.

Na tela deste item existe um navegador do histórico de comandos SQL, por meio do qual o
usuário tem a possibilidade de voltar e executar comandos já digitados. Observe-se que esse histórico traz,
além dos comandos digitados nesta tela, os arquivos textos carregados no computador; ou seja, quando um
arquivo que contém comandos SQL é carregado no computador, o SIP também o armazena neste histórico
como um novo item. Também é possível que o sistema salve o novo comando SQL como um arquivo texto.
É possível excluir um item deste histórico, acionando-se o botão localizado no lado direito da
tela, quando, por exemplo, esse item estiver incorreto. Observe-se, porém, que todo comando executado
com sucesso é armazenado no LOG do SIP, independentemente do histórico de execução, que, como já
dito, pode ser excluído.
Os comandos SQL que retornam dados podem ser impressos pelo relatório automático do SIP,
bastando, para tanto, que se clique no botão "Visualizar", localizado na parte inferior esquerda da tela. Caso
seja necessário realizar alguns ajustes no relatório, o usuário pode alterar o layout do relatório por meio do
botão "Layout", também localizado na parte inferior da tela, sendo importante observar as informações sobre
o módulo “gerador de relatórios” descritas no tópico D.III deste manual.
Também é possível imprimir a instrução do comando SQL junto com o relatório dos comandos
SQL, para tanto, basta selecionar a opção "Imprimir SQL", localizado na parte inferior da tela.
Quando executa-se SQLs que retornam dados, o SIP apresenta novos botões (“Incluir”,
“Alterar” e “Excluir”), como é possível observar na imagem abaixo.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 95

Os botões “incluir”, “alterar” e “excluir”, com as mesmas funções de manutenção com que estão
presentes nas telas de Cadastro Padronizadas, são disponibilizados nesta tela do SIP para que o resultado
possa ser manipulado pelo usuário através da lista de dados.
Quando algum SQL é executado, o botão “funções” é habilitado na parte inferior da tela, que
oferece as funções de importação e de exportação de arquivos XML. A importação de arquivo XML é
realizada exclusivamente pelo suporte técnico, mas o trabalho com esse arquivo importado é muito simples.
Tome-se, por exemplo, um arquivo XML enviado pelo suporte ao usuário que corresponde a
uma lista numerada do tribunal de contas que teve seu módulo recentemente criado no sistema. Se esta
tabela chamar LISTA_TRIBUNAL_UF, basta digitar o seguinte comando SQL, que também será enviado
pelo suporte ao usuário:
Select * From LISTA_TRIBUNAL_UF
Em seguida, o usuário deve executar esse comando e acionar a opção de importação de
arquivo XML. Se o arquivo for exatamente igual ao resultado do comando executado, o SIP importará o
conteúdo do arquivo para o banco de dados.
Observe-se que, além de importar arquivos, também é possível exportar o resultado dos
comandos SQL em arquivos XML por meio do SIP.
Outra função disponibilizada no botão “Funções” é a de gerar seqüências para filtro SIP e para
filtro SQL. A opção “Gerar sequência para filtro SIP” permite que o usuário obtenha, por exemplo, uma lista
de registros de trabalhadores através de um SQL complexo para utilizar em telas de cadastro, através do
Filtro de Pesquisa. Por sua vez, a opção “Gerar sequência para filtro SQL” gera outro comando SQL para o
usuário, de forma a simplificar a operação.
Observe-se que os dados gerados pelo SIP para o Filtro de Pesquisa são separados por barras
contrárias, enquanto que os dados gerados para serem utilizados em outro SQL são separados por vírgula,
conforme demonstram os exemplos abaixo:
Exemplo "Gerar Seqüência para Filtro SIP":
000001\000002\000003\000059\000258\025896\000009
Exemplo "Gerar Seqüência para Filtro SQL":
’000001','000002','000003','000059','000258','025896','000009'
Ambos os resultados gerados por essas opções são enviados à Área de Transferência do
Windows. Portanto, para visualizá-los, basta utilizar o comando "Colar: Control+V" em qualquer ambiente de
texto, assim como na própria área de escrita de comandos SQL.
D.I - 1.2 - Chave de Habilitação do Sistema
A chave de habilitação do sistema é a forma de proteger o Programa contra ações de pirataria.
Essa chave é fornecida mensalmente ao cliente em razão da realização do pagamento. Mantendo-se a
chave de habilitação sempre atualizada, não haverá impedimentos para a utilização do sistema pelo usuário.
Por meio do botão ”Chave On-line”, localizado na lateral direita desta tela, o usuário pode obter
a chave de habilitação automaticamente a partir das informações do banco de dados dos clientes da Fiorilli,
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 96

através da internet. Portanto, para que essa função esta habilitada, é necessário que o computador onde o
SIP está sendo utilizado tenha acesso à internet.
Caso esse botão não esteja disponibilizado na tela do SIP, a chave de habilitação será
fornecida ao usuário em nota fiscal enviada mensalmente por correspondência pela empresa Fiorilli. Além
disso, o usuário poderá entrar em contato com o seu representante ou com a empresa Fiorilli para obter
essa chave.

D.I - 1.3 - LOG do Sistema


Esta opção abre o módulo de LOG do sistema que possibilita consultas ao LOG de uso do
sistema. O módulo é dividido em duas partes: a aba de filtro de pesquisa e a aba onde os resultados das
pesquisas são mostrados.
A tela de resultados da pesquisa, por sua vez, também é dividida em duas partes: no lado
esquerdo da tela é disposta a lista dos registros de log, enquanto que do lado direito é demonstrado o
conteúdo do registro de log selecionado da lista de registros. A localização de um desses registros também
pode ser feita por meio do campo “localizar”, disposto na parte superior direita da tela, onde deve ser
digitado o texto correspondente ao registro que se pretende obter e, em seguida, deve-se clicar no botão
“localizar”.

Este módulo também disponibiliza a opção de impressão dos resultados da pesquisa. A


impressão menciona o texto descritivo do filtro e é baseada no Gerador de Relatórios, permitindo todas as
formas de exportação e de visualização de relatório, conforme descrito no tópico D.III deste manual.
D.I - 1.4 - Módulo em 800 x 600
Esta opção é disponibilizada quando o SIP identifica que a definição de vídeo do computador é
superior a 800x600. Com essa opção, o SIP procura satisfazer os usuários que gostam de trabalhar
visualizando o papel de parede. Quando essa opção é ativado, o SIP salva, na estação de trabalho em
questão, o tamanho e a posição do módulo.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 97

É interessante notar que o SIP se comporta de maneira diferente de acordo a versão do


Windows utilizada no computador. Caso o SIP identifique que o sistema operacional é superior ao Windows
XP, a tela do sistema não é maximizada a tela, tendo apenas o seu tamanho ajustado à resolução do vídeo,
considerando-se o espaço da barra do menu iniciar. Dessa forma, o SIP procura manter o visual agradável
de versões como a do Vista, por exemplo, pois se o SIP maximizasse o módulo nessas versões, a barra do
menu iniciar ficaria totalmente preta na tela.
D.I - 1.5 - Corrigir Código da Cidade para RAIS
A função dessa tela é possibilitar que o usuário corrija o código da cidade para a exportação do
arquivo a ser importado na RAIS. Esse código é indicado no cadastro da empresa, na aba “Rais”, no campo
“Código do Município”, conforme descrito no tópico D.II.1.1.2 deste manual.
O SIP identifica automaticamente o código RAIS quando o nome da cidade é incluído no
sistema, porém existem casos de divergência de informações, como na realização de conversão ou mesmo
na digitação equivocada de uma informação pelo usuário do SIP no cadastramento, sendo necessária a
correção do código.
A inicialização do SIP tenta identificar alguma divergência entre o nome da cidade fornecido no
endereço da empresa e o nome da cidade indicada na RAIS. Caso exista alguma divergência, o SIP
apresenta esta tela para que o código RAIS seja corrigido. Observe-se que essa checagem é realizada
apenas entre os meses de janeiro e março, pois é esse o período de entrega das informações da RAIS.
D.I - 1.6 - Bloquear Módulo
A opção de bloquear o módulo é útil para empresas que implementam normas de segurança de
informações, tais como a ISO/IEC 17799. Geralmente as políticas de mesa limpa e de tela limpa estão
contidas nessas normas.
A política de mesa limpa deve ser considerada para os departamentos e utilizada pelos
funcionários, de modo que papéis e mídias removíveis não fiquem expostos a acessos não autorizados. A
política de tela limpa deve considerar que, se o usuário não estiver utilizando a informação, ela não deve
ficar exposta, reduzindo o risco de acesso não autorizado e evitando perdas e danos à informação.
Para auxiliar os departamentos de recursos humanos na efetivação dessas políticas de
segurança de informações, o SIP fornece esta opção de bloqueio do módulo. Quando esta opção é
acionada, o SIP encobre toda a tela do módulo com um fundo negro e sobre esta tela disponibiliza a tela de
Login do sistema, atendendo, assim, à política de tela limpa.
É importante observar que a tela de Login que o SIP disponibiliza quando o módulo está
bloqueado aceita apenas a senha de confirmação do usuário que já estava logado; portanto, não é possível
trocar de usuário através dessa tela.
Caso a senha informada esteja incorreta, a tela é cancelada e o SIP será fechado
imediatamente. Nesse caso, se alguma tela de cadastro estava aberta e não havia sido salva, os seus dados
serão perdidos. Além disso, um log contendo a invalidade do acesso será gravado no sistema.
D.I - 1.7 - Listar Módulos Abertos
O módulo principal do SIP controla todos os módulos abertos a partir dele. Esta opção permite
que o usuário obtenha uma lista dos módulos que estão abertos naquele momento.
Esse controle que o módulo principal exerce sobre os demais módulos faz com que, caso o
usuário tente fechar o módulo principal sem antes fechar os outros módulos que estão abertos, o SIP emita
um aviso indicando os módulos abertos. Com esse aviso, o usuário tem a opção de encerrar todos os
módulos antes de fechar o módulo principal.
O usuário deve ter cuidado quando a estação de trabalho está lenta, pois é possível que o
usuário já tenha solicitado o encerramento do módulo que estava aberto e, ao fechar o módulo principal,
esse módulo ainda esteja sendo encerrado. Nesse caso, o SIP emitirá o aviso de que esse módulo ainda
está em execução, sendo aconselhável que o usuário espere mais alguns segundos para solicitar o
encerramento do módulo principal. No entanto, se o usuário já realizou esse procedimento e a mensagem
persistir, o usuário pode confirmar a mensagem de encerramento. Se essa situação ocorrer com freqüência,
o usuário deve entrar em contato com o suporte técnico da empresa Fiorilli.
D.I - 1.8 - SIP - RPPS - Importação

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 98

A função do SIP-RPPS é auxiliar no trâmite de informações entre uma folha de pagamento


normal, em que há todo e qualquer tipo de agente público, e uma folha de pagamento de um instituto de
previdência que controla a seguridade dos trabalhadores pertencente a esse órgão.
Na elaboração da lei previdenciária de um ente federado, são previstas as regras de concessão
para aposentadoria e outros benefícios aos trabalhadores. Trata-se, na verdade, da elaboração de um plano
de previdência, onde também devem estar previstas as regras de funcionamento do instituto de previdência.
De acordo com as regras estabelecidas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), no caso
de afastamentos por doença ou por acidente, a entidade para a qual o trabalhador presta serviços é
responsável pelo pagamento da remuneração referente aos 15 primeiros dias de afastamento, cabendo à
Previdência Social o pagamento dos dias restantes. Entretanto, no momento da elaboração de um plano de
previdência de um instituto que controlará a seguridade dos servidores civis de uma entidade municipal, por
exemplo, é possível determinar diferentes regras do controle do pagamento de afastamentos em geral, de
aposentadoria e de pensões.
Nesse contexto, o a função do SIP-RPPS é enviar as informações dos trabalhadores que são
gerenciadas no SIP utilizado pela Prefeitura para o SIP que é utilizado pelo Instituto de Previdência para
controlar as informações sobre a seguridade dos trabalhadores que estão vinculados transitoriamente no
instituto. Com isso, o trabalho do funcionário do Instituto de Previdência de realizar o lançamento desses
dados no SIP é dispensável, pois esse processo passa a ser efetuado de forma automática através de
importação de arquivos XML no SIP do Instituto de Previdência.
Para ilustrar esse processo, considere-se o seguinte exemplo:
João Carlos Pires Batista é funcionário estatutário da Prefeitura Municipal Modelo e recebe uma
remuneração mensal no valor de R$ 2.062,50. Sua seguridade é controlada pelo Instituto de Previdência da
Prefeitura Modelo, cujo plano de previdência determina que a o benefício de seguridade referente a qualquer
tipo de afastamento (seja por doença, acidente de trabalho ou mesmo maternidade) será pago integralmente
por esse instituto.
Na data de 01/01/2010, o funcionário João afastou-se do trabalho por motivo de doença grave,
sem previsão de retorno. Diante disso, foi cadastrado no SIP da Prefeitura Modelo um afastamento de
auxílio doença para o funcionário João a partir dessa data de 01/01/2010. Para cadastrar esse afastamento,
deve-se seguir o processo descrito no tópico D.II-2.2 deste manual.
De acordo com a lei que institui o plano de previdência do Instituto de Previdência da Prefeitura
Modelo, o auxílio doença será pago integralmente pelo Instituto a partir do afastamento do funcionário;
entretanto, é importante salientar que, se esse trabalhador estivesse vinculado ao Regime Geral de
Previdência Social, a remuneração referente aos primeiros 15 dias desse benefício seriam pagos pela
entidade e o período restante seria custeado pelo Ministério da Previdência Social.
Após a realização do cadastro do afastamento no SIP da Prefeitura Municipal Modelo, o usuário
desse sistema deve gerar os arquivos XML com as informações sobre esse afastamento que devem ser
enviadas ao Instituto de Previdência da Prefeitura Modelo. Para gerar e exportar esse arquivo, o usuário
deve acessar o módulo Folha de Pagamento, menu 4-Mensais, item 4.8-Exportações, subitem
4.8.6-Previdência, subitem 4.8.6.1-Gerar Arquivos para o SIP-RPPS e proceder conforme as instruções
previstas no tópico D.II-4.8.6.1 deste manual.
Depois de exportado o arquivo, o usuário do SIP que está instalado no Instituto de Previdência
da Prefeitura Modelo deverá acessar, na tela do do módulo principal do SIP 7, o menu 1-Utilitários e, em
seguida, o item 1.8-SIP-RPPS Importação. Na tela que será aberta, deverá acessar a opção “importação” e
localizar os arquivos XML que foram repassados pela Prefeitura Municipal Modelo.
Como se pode observar, o recurso do SIP-RPPS permite a automatização da integração de
informações entre os sistemas de diferentes órgãos públicos.
A) Importar Dados Previdenciários da Folha de Pagamento
Após a geração dos arquivos conforme o processo descrito no tópico D.II.4.8.6 deste manual,
as informações contidas nos arquivos XML gerados pelo SIP de um órgão público poderão ser repassados
através de mídias, e-mail ou mesmo de uma rede corporativa para outro órgão, onde serão importadas. No
exemplo que demonstrado anteriormente, os dados dos trabalhadores registrados no SIP da Prefeitura
Municipal Modelo foram repassados ao Instituto de Previdência da Prefeitura Modelo.
Para alimentar e atualizar o SIP do órgão que receberá as informações (no caso, o Instituto de
Previdência Modelo), basta direcionar o caminho de importação do SIP-RPPS para o diretório onde estão

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 99

salvos os arquivos enviados pelo órgão de origem das informações (no exemplo, a Prefeitura Municipal), e
clicar no botão "Processar", localizado no canto inferior direito da tela.
 Importar - Caixas de Seleção de Botões de Agilização
A tela de importação de arquivos disponibiliza várias caixas de seleção que podem ser
utilizadas para determinar quais informações obtidas no SIP de origem devem ser alimentadas no SIP de
destino. Portanto, para que um tipo de informação seja importado no SIP de destino, basta selecionar a
opção correspondente ou, caso contrário, deixá-la sem seleção.
Abaixo das opções de importação há dois botões, destinados a agilizar o processo de seleção
dos tipos de informações a serem importadas no SIP de destino. O botão à esquerda, com a descrição
"Selecionar Todos", tem a função de acionar todas as caixas de seleção disponibilizadas na tela, enquanto
que o botão à direita, com a denominação "Limpar Todos", desabilita todas as caixas de seleção que
eventualmente estavam selecionadas.
 Rotina
Este espaço deve ser utilizado pelo usuário para identificar qual o tipo de carga que deverá ser
realizada no ato de importação de dados do SIP de origem para o SIP de destino. A seleção da opção
“Importação Mensal” indica que se trata de uma importação mensal, relacionada às informações dos
trabalhadores referentes ao mês e ano referência atual.
Por sua vez, a seleção da opção "Carga Inicial" indica que o usuário deseja carregar as
informações dos meses anteriores ao da referência atual. Para tanto, é necessário que o campo "Mês / Ano
Inicial", habilitado na tela com a seleção dessa opção, seja preenchido com o mesmo mês e ano que foi
informado no SIP de origem no ato da exportação. Lembre-se que essa data deve ter sido informada no ato
de exportação se a opção "Enviar Individualizações de Períodos Anteriores" tiver sido selecionada. Essa
opção está disponível no módulo Folha de Pagamento, menu 4-Mensais, item 4.8-Exportações, subitem
4.8.6-Previdência, subitem 4.8.6.1-Gerar Arquivos para o SIP-RPPS (maiores informações sobre essa
configuração do arquivo XML no SIP de origem estão reunidas no tópico D.II.4.8.6.1 deste manual).
B) Relação das Maiores Remunerações
Esta opção do SIP-RPPS permite a emissão de um relatório destinado ao cálculo do valor dos
benefícios de aposentadoria dos trabalhadores que estão vinculados ao Regime Próprio de Previdência.
É importante observar a Lei nº. 10.887, de 18 de Junho de 2004, que dispõe sobre as regras a
serem utilizadas no cálculo do valor desse benefício para aposentadoria. Algumas dessas regras são as
seguintes:
" Art. 1º. No cálculo dos proventos de aposentadoria dos servidores titulares
de cargo efetivo de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e
dos Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, previsto no § 3º do Art. 40 da
Constituição Federal e no Art 2º da Emenda Constitucional nº 41, de 19 de dezembro de
2003, será considerada a média aritmética simples das maiores remunerações, utilizadas
como base para as contribuições do servidor aos regimes de previdência a que esteve
vinculado, correspondentes a 80% (oitenta por cento) de todo o período contributivo
desde a competência julho de 1994 ou desde a do início da contribuição, se posterior
àquela competência.
§ 1º. As remunerações consideradas no cálculo do valor inicial dos
proventos terão os seus valores atualizados mês a mês de acordo com a variação
integral do índice fixado para a atualização dos salários-de-contribuição considerados no
cálculo dos benefícios do regime geral de previdência social.
§ 2º. A base de cálculo dos proventos será a remuneração do servidor no
cargo efetivo nas competências a partir de julho de 1994 em que não tenha havido
contribuição para regime próprio.
§ 3º. Os valores das remunerações a serem utilizadas no cálculo de que
trata este artigo serão comprovados mediante documento fornecido pelos órgãos e
entidades gestoras dos regimes de previdência aos quais o servidor esteve vinculado ou
por outro documento público, na forma do regulamento."
Observe-se que, de acordo com o art. 1º da Lei nº. 10.887/2004, no cálculo dos proventos de
aposentadoria deve ser considerada a média aritmética simples das maiores remunerações dos servidores.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 100

Por isso se faz necessária a emissão deste relatório com as maiores remunerações dos trabalhadores que
servirão de parâmetro para o cálculo de suas aposentadorias.
 Parâmetros para Tabela de Salários Benefícios
Para emitir o relatório que trará os valores das maiores contribuições recolhidas em relação aos
trabalhadores da entidade, é necessário que a Tabela de Previdência para Salário Benefício (Aposentados)
esteja atualizada no sistema, pois é através dessa que são corrigidos os valores para os
salários-contribuição. Lembre-se que essa tabela deve ser cadastrada no módulo Folha de Pagamento, por
meio do menu 1-Parâmetros, item 1.6-Tabela de Previdência, subitem 1.6.2-Cadastro de Alíquota para
Previdência Municipal, conforme descrito no tópico D.II-1.6.2 deste manual.
O decreto n° 3.048, de 06 de maio de 1999, que aprova o Regulamento da Providência Social,
é republicado todo mês para trazer os índices de correção desses valores atualizados, como se observa no
enunciado no seu art. 33, transcrito abaixo. Por isso, deve-se acompanhar constantemente o seu anexo
para se ter ciência dessas alterações.
"Art. 33. Todos os salários-de-contribuição utilizados no cálculo do
salário-de-benefício serão corrigidos, mês a mês, de acordo com a variação integral do
Índice Nacional de Preço ao Consumidor - INPC, referente ao período decorrido a partir
da primeira competência do salário-de-contribuição que compõe o período básico de
cálculo até o mês anterior ao do início do benefício, de modo a preservar o seu valor
real."
 Mês / Ano
Na emissão do relatório, o SIP realizará a correção automática dos salários-contribuição de
acordo com a tabela de salários benefícios em vigência para o mês e ano referência informados nestes
campos.
 Trabalhador
Deve-se informar, neste campo, o trabalhador em relação ao qual se deseja emitir o relatório
que demonstrará a relação das maiores remunerações recebidas por ele.
 % das Maiores Remunerações
Este campo é preenchido automaticamente com a porcentagem de 80% do período contributivo
dos servidores, prevista no art. 1º da lei nº. 10.887/2004 para ser utilizada no cálculo dos proventos de
aposentadoria. Caso essa porcentagem seja alterada por disposição legal posterior, o usuário deve informar
a nova porcentagem neste campo para que o cálculo dos proventos seja feito corretamente.

D.I - 2 - Backup

Esta opção dá acesso ao módulo de backup do SIP. As funções desse módulo estão descritas
detalhadamente no tópico C.06 - Backup deste manual e não serão repetidas neste tópico a fim de evitar
que a leitura deste manual se torne repetitiva e cansativa.

D.I - 3 - Atualização

Este menu do módulo principal traz opções de atualização do sistema. Observe-se que as
opções 03.01-Atualizar Módulos do SIP e 03.04-Atualização do SIP Download já estão descritas,
respectivamente, nos tópicos C.05.01 e C.05.03 deste manual, e, por isso, não serão descritas novamente
neste momento.
As outras opções contidas no menu “atualização” são as seguintes:
D.I - 3.1 - Acesso www.fiorilli.com.br
Através desta opção o usuário tem acesso direto ao site oficial da Fiorilli S/C Ltda. - Software
em seu navegador padrão.
D.I - 3.2 - Novidades
Nesta tela são listadas todas as novidades do SIP. Esta opção não utiliza informações de algum
arquivo local ou do banco de dados do sistema. Na verdade, tratam-se de informações que estão

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 101

disponíveis na internet e que são acessadas com exclusividade pelo módulo principal. Portanto, o é
necessário que o computador esteja conectado à internet para que este recurso possa ser utilizado.
Também estão disponibilizados nesta opção do sistema alguns botões de acesso rápido aos
sites de maior freqüência de uso pelo departamento de recursos humanos.

D.I - 4 - Ajuda

Este menu de acesso do módulo principal permite o acesso às informações de ajuda para a
melhor utilização de recursos do sistema, além de disponibilizar informações sobre a versão do sistema.
D.I - 4.1 - Tópicos de Ajuda
Esta opção abre o módulo de ajuda do SIP 7, onde estão descritas todas as informações
contidas neste manual, além de informações complementares. Lembre-se que, nas telas do SIP, existe o
botão de acesso a esse módulo de Ajuda, conforme foi descrito anteriormente no tópico D.01.04 deste
manual.

O módulo é dividido em duas partes: na parte esquerda da tela disponibiliza-se o acesso aos
tópicos com os assuntos relacionados ao SIP 7. Quando selecionado um desses tópicos, a explicação sobre
o assunto selecionado é demonstrada na parte direita da tela.
 Botões Auxiliares
Na parte superior da tela deste módulo há um grupo de botões que auxiliam na realização da
pesquisa dos diversos assuntos do SIP. O botão “Ocultar” permite a visualização ou a omissão do acesso
aos tópicos. Por sua vez, os botões “Voltar” e “Encaminhar” permitem avançar ou retroceder para um tópico
diferente do módulo de ajuda.
O botão “Imprimir” habilita os recursos para impressão das informações selecionadas. Por fim,
o botão ”Opções” habilita os recursos específicos de exibição dos assuntos pesquisados neste módulo.
 Abas de Recursos
As três abas disponibilizadas na parte esquerda da tela (“sumário”, “índice” e “pesquisar’)
permitem o acesso aos tópicos de ajuda que são mostrados também nessa parte da tela. A aba ”Sumário”
mostra o grupo de tópicos relacionados a um assunto específico, sendo que cada tópico é seguido de um
ícone em forma de livro e de uma opção de desmembramento em forma do sinal de adição (+) que, quando
selecionado, detalha os assuntos relacionados àquele tópico.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 102

A aba ”Índice” traz o título de cada assunto do sistema, visando facilitar o acesso a um assunto
específico. Por fim, a aba ”Pesquisar” permite localizar uma palavra na relação dos assuntos disponíveis;
para tanto, basta digitar a palavra desejada e clicar no botão “listar tópicos” para que a busca seja realizada.
D.I - 4.2 - Sobre
Nesta opção é informada a versão dos Módulos do Sistema SIP e também a atualização do
Banco de Dados.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 103

D.II Módulo Folha de Pagamento


No módulo Folha de Pagamento estão disponibilizados todos os recursos para o registro e a
manipulação das informações para que a folha de pagamento possa ser calculada e paga.
O procedimento geral de manuseio de uma folha de pagamento consiste basicamente nas
seguintes etapas: a realização de configuração do módulo de acordo com as leis vigentes, lançamento das
informações relativas aos funcionários, cálculo da folha de pagamento e emissão do pagamento dos
trabalhadores.
As rotinas a serem realizadas diariamente no manuseio das informações da folha de
pagamento são tratadas de forma detalhada neste tópico do manual.
As tabelas demonstradas a seguir são aquelas que devem ser utilizadas na realização dos
cálculos relativos à folha de pagamento. Para tanto, informa-se aqui os valores das tabelas que utilizadas
nos cálculos das contribuições previdenciárias, do salário família e do imposto de renda retido na fonte
relativos ao mês de 01/2010, também utilizados nos meses posteriores de 2010.
É importante atentar para o fato de que as tabelas seguintes são exemplificativas, construídas
com os valores relativos ao ano de 2010. Portanto, para conferir os valores a serem aplicados nos cálculos
atuais de contribuições previdenciárias, de salário família e de imposto de renda retido na fonte, o usuário
deve utilizar os valores previstos nas tabelas atualmente vigentes.

Tabela de INSS (Portaria Interministerial MPS/MF nº 333/2010)


Ano Mês Faixa De Até Previdência IRRF
2.010 1 1 0,01 1.040,22 8 8
2.010 1 2 1.040,23 1.733,7 9 9
2.010 1 3 1.733,71 3.467,4 11 11

Tabela de Salário Família (Portaria Interministerial MPS/MF nº 333/2010)


Ano Mês Faixa De Até Valor
2.010 1 1 0,01 539,03 27,64
2.010 1 2 539,04 810,18 19,48
2.010 1 3 810,19 99.999 0

Tabela de IRRF (Instrução Normativa RFB nº 1.117/2010)


Ano Mês Faixa De Até Alíquota Dedução Depend. Aposent.
2.010 1 1 0,01 1.499,15 0 0 150,69 1.499,15
2.010 1 2 1.499,16 2.246,75 7,5 112,43 150,69 1.499,15
2.010 1 3 2.246,76 2.995,7 15 280,94 150,69 1.499,15
2.010 1 4 2.995,71 3.743,19 22,5 505,62 150,69 1.499,15
2.010 1 5 3.743,2 999.999 27,5 692,78 150,69 1.499,15

D.II - 1 - Parâmetros

Neste menu “Parâmetros” devem ser cadastradas as informações essenciais para a realização
dos cálculos da folha de pagamento, bem as como informações complementares sobre o assunto, previstas
nas leis vigentes naquele momento.

D.II - 1.1 - Cadastro de Empresas

Esta opção é destinada ao registro das informações gerais que constituirão o cadastro da
empresa no sistema. Por meio dela também devem ser cadastrados os parâmetros para que o SIP efetue
os cálculos e as rotinas relacionadas à folha de pagamento de acordo com as leis vigentes no Município da
entidade.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 104

A tela inicial desta opção contém, na parte superior, os botões “incluir”, “alterar”, “excluir” e
“imprimir”, cujas funções estão descritas no tópico D.01.05.01 deste manual. Na parte central da tela, por
sua vez, estão listadas as empresas que já estejam cadastradas no sistema.
Para criar um novo cadastro de empresa, deve-se clicar no botão “incluir” para abrir a tela de
cadastro propriamente dita. Na parte superior dessa tela há os campos “código da empresa” e “nome da
empresa”, que devem ser preenchidos da seguinte forma: Código da Empresa
Neste campo é indicado um código de identificação da empresa que corresponde a um registro
seqüencial informado automaticamente pelo sistema com base na ordem crescente dos cadastros das
empresas existentes no banco de dados do SIP.

 Nome da Empresa
Deve-se informar o nome da organização que utilizará o SIP.
 Tipo de Identificador
Neste campo deve-se selecionar uma das três opções de tipo de identificador para a
informação que foi registrada no campo nome da empresa. Os tipos de identificador disponibilizados pelo
sistema são:
a) CNPJ
É o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica administrado pela Receita Federal do Brasil que
registra as informações cadastrais das pessoas jurídicas. É um cadastro essencial para que a pessoa
jurídica possa emitir notas fiscais e celebrar contratos em geral, por exemplo.
b) CEI
É o Cadastro Específico ao INSS que é destinado à identificação de pessoas físicas como
sendo profissionais liberais, como é o caso, por exemplo, dos tomadores de serviços de construção civil.
Esse cadastro permite que esses profissionais tenham funcionários e recolham o INSS e o FGTS sobre o
salário pago aos seus colaboradores.
c) CPF
É o registro de um cidadão junto à Receita Federal do Brasil. Devem se inscrever nesse banco
de dados todos os contribuintes pessoas físicas, sejam pessoas físicas brasileiras ou estrangeiras que
tenham negócios no Brasil.
Cada contribuinte inscrito nesse banco de dados da Receita Federal do Brasil possui o cartão
CPF, que comprova esse cadastro. Sua posse não é obrigatória, mas é necessária para a realização da
maior parte das operações financeiras no país, como, por exemplo, a abertura de uma conta bancária.

 Número do identificador
Deve-se digitar o número do tipo de identificador selecionado na opção anterior. Lembre-se que
o número do CNPJ é composto por quatorze dígitos, o do CEI doze dígitos e o do CPF onze.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 105

A parte inferior da tela de cadastro da empresa é subdividida em várias abas com o objetivo de
agrupar as informações sobre a empresa de acordo com a sua utilização nas rotinas de trabalho do
departamento de pessoal. Cada uma dessas abas será descrita a seguir na sequência em que estão
dispostas na tela:
D.II - 1.1.1 - Endereço da empresa
Nesta aba devem ser registradas as informações necessárias para que qualquer tipo de
comunicação seja enviada à empresa por meio do serviço de endereçamento postal, que, no Brasil, é
realizado pelos Correios.
 CEP
Informar o número do Código de Endereçamento Postal da cidade onde está localizada a
empresa que está sendo cadastrada. Quando o número do CEP é inserido neste campo, o SIP sugere uma
informação complementar para o endereço da empresa, que poderá ser alterada livremente pelo usuário.
Observe-se que, caso o número digitado não corresponda a um CEP válido, o recurso de sugestão de
preenchimento do endereço não funcionará; porém o SIP permitirá que esse número inválido seja gravado.
Outro recurso disponibilizado no ato do cadastramento de um CEP é o preenchimento
automático do campo “Código do Município” com o código do município correspondente ao CEP informado.
Esse campo está presente na aba “Rais” da tela de cadastro da empresa; que está descrita detalhadamente
no tópico D.II.1.1.2 deste manual.
 Logradouro
Neste campo deve-se informar o nome da rua ou da avenida correspondente ao local onde está
localizada a empresa que está sendo cadastrada no sistema.
 Número do Logradouro
Informar o número do logradouro correspondente ao local onde está instalada a empresa que
está sendo cadastrada. No caso de uma empresa que esteja localizada na zona rural do Município ou em
qualquer outro logradouro onde não exista um número de identificação, este campo poderá ficar em branco.
 Complemento
Complemento de endereço é uma indicação que visa facilitar a localização de um endereço,
principalmente para a finalidade de entrega de correspondência. Portanto, neste campo pode ser indicada
alguma referência que possa facilitar a localização da empresa que está sendo cadastrada, como o número
do apartamento num edifício ou o número de uma caixa postal.
 Bairro
Neste campo deve-se informar o nome do bairro correspondente ao local onde está instalada a
empresa que está sendo cadastrada.
 Cidade
Cidade é um termo utilizado para designar uma região com aglomerado populacional de
localização fixa e especialização própria, no qual foi desenvolvido uma política administrativa com fins
urbanísticos, visando principalmente um bem generalizado entre os indivíduos que a compõem.
Deve-se informar, neste campo, o nome da cidade onde está instalada a empresa que está
sendo cadastrada.
 U.F.
As Unidades Federativas do Brasil são entidades subnacionais que possuem autogoverno,
auto-legislação e auto-arrecadação, atualmente divididas em vinte e sete, sendo vinte e seis estados e um
Distrito Federal. O nome de cada estado possui uma abreviação para facilitar, principalmente, a sua
indicação nos em cadastros em geral.
Neste campo, deve-se informar a unidade federativa correspondente ao Município onde está
instalada a empresa.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 106

D.II - 1.1.2 - Dados para RAIS


Para entender as informações que devem ser cadastradas nesta aba, é necessário que,
primeiramente, o usuário compreenda o que é a RAIS - Relação Anual de Informações Sociais.
O programa “Relação Anual de Informações Sociais” foi instituído pelo Decreto nº. 76.900/75
com a finalidade de suprir as necessidades de controle da atividade trabalhista no país, de dar provimento
de dados para a elaboração de estatísticas do trabalho e de disponibilizar informações sobre o mercado de
trabalho aos órgãos governamentais.
A declaração da RAIS contém os dados dos trabalhadores referentes ao período do ano
corrente imediatamente anterior àquele em que a declaração deve ser apresentada. Nela devem ser
relatados dados sobre vencimentos, afastamentos, rescisões de contrato, férias e 13º salário. Essas
informações são enviadas em meio magnético através de um aplicativo chamado RAIS que é fornecido pelo
Ministério do Trabalho. As informações detalhadas sobre a geração e o manuseio da RAIS estão no tópico
D.II.6.5 deste manual.
A presença desses dados da RAIS no cadastro da empresa tem a finalidade de levar para o
arquivo que será importado no aplicativo RAIS um resumo das informações cadastrais desta empresa. Ou
seja, ao invés de enviar uma informação extensa em texto sobre a empresa, o sistema envia somente um
código, visando agilizar o trabalho de importação.
Para realizar o download do programa de importação das informações da RAIS e também para
obter outras informações sobre esse programa, deve-se acessar o site:
"http://www.rais.gov.br"
 “Código da atividade econômica” e “Nome da atividade econômica”
Nestes campos devem ser informados o código e o nome da atividade econômica que seja
realizada pela empresa e que esteja prevista na tabela CNAE. A CNAE - Classificação Nacional de
Atividades Econômicas é uma padronização desenvolvida sob a coordenação do IBGE com a finalidade de
identificar as unidades econômicas produtivas do país nos cadastros e nos registros da administração
pública nas três esferas de governo (Federal, Estadual e Municipal), em especial para a área tributária,
visando principalmente uma melhoria na qualidade dos sistemas de informação que dão suporte às decisões
do Estado, possiblitando, ainda, uma maior articulação entre esses sistemas.
Assim, o usuário deve informar, nesses campos, qual o tipo de atividade principal oferecido pela
empresa que está sendo cadastrada. Observe-se que, ao lado do campo “código da atividade” existe um
botão de referência que, quando acionado, traz as informações da tabela Nacional de Atividades
Econômicas (CNAE) de acordo com versão 2.0, publicada na Resolução CONCLA nº 01, de 4 de setembro
de 2006 - DOU de 05.09.2006. Essa tabela teve sua implantação iniciada em 2007 e foi alterada pelas
Resoluções CONCLA nº 02 de 15 de dezembro de 2006 e nº 1 de 16 de maio de 2007. Uma vez aberta esta
tabela, o usuário deve selecionar o código da atividade econômica desenvolvida pela empresa. Após essa

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 107

seleção, o sistema preencherá automaticamente o campo “nome da atividade econômica” com a descrição
da atividade selecionada.
Em caso de dúvida sobre os códigos de atividades CNAE disponibilizados, o usuário poderá
recorrer à Central de Dúvidas da Comissão Nacional de Classificação (CONCLA) por meio do e-mail:
CNAE@ibge.gov.br.
 “Código do Município” e “Nome do Município”
O código do município onde está localizada a empresa pode ser selecionado na tabela
disponibilizada por meio do botão de referência, localizado ao lado do campo “código do município”. Esta
tabela traz uma codificação dos municípios brasileiros adotada pelo IBGE. Uma vez selecionado esse
código, o sistema preencherá automaticamente o campo “Nome do Município”.
 “Código da Natureza Jurídica” e “Nome da Natureza Jurídica”
Nestes campos deve ser informada a natureza jurídica da empresa que está sendo cadastrada,
como, por exemplo, “órgão público do poder legislativo municipal” ou “autarquia municipal”.
Para tanto, deve-se selecionar o código da natureza jurídica na tabela de códigos aprovada pela
Comissão Nacional de Classificação (CONCLA) na resolução nº 2, de 14 de novembro de 2008. Essa tabela
é disponibilizada ao usuário por meio do botão de referência localizado ao lado do campo “código da
natureza jurídica”. Quando esse código for selecionado, o sistema preencherá automaticamente o campo
“Nome da natureza jurídica” com a descrição correspondente.
 ‘Número de proprietários do estabelecimento”
Deve-se informar, neste campo, a quantidade de proprietários e/ou de sócios que respondem
juridicamente pela empresa ou pela instituição.
Observe-se que este campo possui um navegador que tem a finalidade de auxiliar o usuário no
preenchimento dessa informação: acionando-se a seta “para cima”, será apresentada a numeração em
ordem crescente, porém, se a seta “para baixo” for acionada, será apresentada a numeração em ordem
decrescente.
 “Mês do dissídio” ou “Data Base”
Neste campo deve-se informar o mês de realização de reajuste salarial, tomando-se por base o
mês em que foi realizado o reajuste do salário do maior número de empregados da entidade. Esta
informação será enviada para o arquivo a ser importado na RAIS.
D.II - 1.1.3 - Dados para Previdência no Cadastro de Empresas
Na aba da tela de cadastro da empresa denominada “Previdência” devem ser registradas as
informações que serão utilizadas principalmente no envio de arquivos para o Ministério da Previdência
Social. Diante disso, é importante que o usuário conheça algumas informações sobre esse órgão.
A Previdência Social é um seguro social pago à pessoa que contribui mensalmente para o
Instituto Nacional da Seguridade Social (INSS). É uma instituição pública que tem como objetivo reconhecer
e conceder direitos aos seus segurados.
A renda paga pelo segurado na forma de contribuição à Previdência Social é revertida em
benefício que lhe é repassado quando o segurado sofrer perda da capacidade de trabalho, seja por doença,
por invalidez, por idade avançada, por morte e por desemprego involuntário, e também quando o segurado
se encontrar em situação de maternidade e/ou de reclusão. Portanto, é possível entender a Previdência
Social, como um órgão que transfere ao segurado uma renda com o objetivo de auxiliá-lo nos momentos de
maior precisão.
As informações sobre os valores de contribuição social recolhidos pela empresa são enviadas
para a Previdência Social através da internet em meio magnético, por um recurso denominado conectividade
social. Porém, antes de serem enviados, esses dados são tratados em um programa denominado SEFIP
que analisa a consistência das informações registradas e emite a guia de pagamento à previdência,
denominada GPS (Guia da Previdência Social).
O procedimento para gerar o arquivo com as informações que devem ser enviadas para a
Previdência Social está descrito no tópico D.II.4.8.6.1 deste manual. No tópico atual (D.II.1.1.3) descreve-se
apenas os códigos que serão informados no programa SEFIP para que esse programa possa receber
corretamente as informações da empresa, analisá-las e aplicar seus cálculos sobre elas.
 Código de Pagamento da GPS
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 108

O código de pagamento de GPS (Guia da Previdência Social) deve ser preenchido conforme a
relação constante dos anexos I e II da Instrução Normativa INSS/DC nº 89 - de 11 de Junho de 2003 - DOU
de 13/06/2003, que dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das
contribuições sociais administradas pela Previdência Social. Esse código é utilizado pelo programa da SEFIP
para carregar a informação correspondente ao tipo de pagamento de contribuição social que será realizado
pela empresa que está sendo cadastrada.
As contribuições a serem recolhidas à previdência social em razão da existência de uma
relação de trabalho onerosa são divididas em duas espécies: uma delas é denominada de contribuição
patronal e deve ser recolhida pela empresa ou pela pessoa física empregadora sobre a remuneração paga
ao funcionário e/ou ao trabalhador avulso contratado de acordo com o tipo de categoria que ele se enquadra
e de acordo com as suas regras de contratação, conforme determina o art. 195, inciso I, alínea “a” da
Constituição Federal. A outra espécie é denominada de contribuição do segurado e é calculada sobre a
remuneração total recebida em razão do seu trabalho, de acordo com o art. 195, inciso II da CF, cabendo ao
empregador descontar o valor dessa contribuição da remuneração do trabalhador, retê-lo e repassá-lo à
Previdência Social, com base numa tabela padronizada de alíquotas instituida pelo Ministério do Trabalho.
O recolhimento do valor dessas contribuições é efetuado através do pagamento da guia da
previdência social (GPS).
 Código de Recolhimento SEFIP
O código de recolhimento SEFIP carrega, no programa da SEFIP, um resumo de informações
relativas ao tipo de recolhimento que a empresa realiza. Este código pode ser utilizado pela empresa
somente para o recolhimento da contribuição previdenciária, mas também pode ser utilizado para o
recolhimento dos valores de FGTS e/ou para o envio de declarações de FGTS, que é controlado pelo
Ministério da Ação Social, cabendo à Caixa Econômica Federal (CEF) o papel de operador dessas
informações e desses valores. Portanto, a Previdência Social pode controlar a realização de recolhimento do
FGTS por meio desse código de recolhimento SEFIP.
É importante que o usuário tenha muita atenção na escolha do código de recolhimento SEFIP
para a entidade que está sendo cadastrada, pois o registro de uma informação adversa pode gerar a
cobrança de uma contribuição que não deveria ser recolhida por essa entidade.
D.II - 1.1.4 - Dados para o FGTS no Cadastro de Empresas
Na aba denominada FGTS, localizada na tela do cadastro da empresa, devem ser informados
os dados para o recolhimento ao FGTS.
O FGTS é um valor depositado em uma conta aberta Caixa Econômica Federal pela empresa
em nome do trabalhador e que funciona como uma garantia para proteger esse trabalhador em caso de
demissão. Os valores do FGTS pertencem exclusivamente ao trabalhador e, em algumas situações
especiais, pode ser sacado sem que o trabalhador tenha deixado o emprego.
Todos os trabalhadores com Carteira de Trabalho assinada têm direito ao FGTS, desde que a
lei que rege a sua contratação estabeleça esse direito, pois regimes estatutários com recolhimento para
fundo de previdência próprio, por exemplo, geralmente não tem esse direito reservado. É importante
observar que o valor do FGTS é uma obrigação do empregador e, por isso, não deve ser descontado do
salário do trabalhador.
O empregador deve depositar mensalmente em uma conta bancária aberta em nome do
trabalhador através do PIS, na Caixa Econômica Federal, um valor correspondente a 8% do valor de sua
remuneração. O valor das informações individualizadas para cada contribuinte em favor do qual a empresa
recolheu o FGT será enviado para o programa da SEFIP.
Têm direito ao depósito do FGTS os trabalhadores urbanos e rurais regidos pela Consolidação
das Leis do Trabalho – CLT, que tenham sido contratados a partir de 05/10/1988, pois a opção pelo FGTS
era facultativa antes dessa data. O diretor não empregado, ou seja, aquele que não pertence ao quadro de
pessoal da empresa, mas que tenha sido equiparado a empregado, os trabalhadores avulsos, como
estivadores, conferentes, vigias portuários, os atletas profissionais, entre outros, também têm direito ao
FGTS. Os empregados domésticos cujos empregadores optaram pelo recolhimento do FGTS também têm
direito ao FGTS enquanto durar o vínculo empregatício.
Não têm direito ao FGTS os trabalhadores eventuais que prestam serviços provisórios, não
estando sujeitos a ordem e a horário, e que não exerçam tarefas ligadas à atividade principal do tomador de
serviços, assim como os trabalhadores autônomos e os servidores públicos civis e militares, sujeitos ao
regime trabalhista próprio.
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 109

Quando o trabalhador é demitido sem justa causa, o empregador é obrigado a fazer o depósito
da multa rescisória na conta do trabalhador. Essa multa corresponde a 50% do valor do somatório dos
depósitos efetuados na conta do trabalhador, devidamente corrigidos, dos quais 40% são creditados na
conta vinculada do trabalhador e 10% refere-se à contribuição social a ser recolhida na rede bancária e
transferida à Caixa Econômica Federal. As informações relativas a esse depósito são enviadas para a Caixa
através da GRRF por meio do procedimento descrito no tópico D.II.4.8.4 deste manual.
É importante dizer que não é necessário que o trabalhador tenha sido dispensado do seu
serviço para que possa efetuar o saque do valor depositado. O resgate desse dinheiro pode ser feito no caso
de doença grave, para a aquisição de casa própria, no caso aposentadoria ou quando se trata de um
trabalhador com mais de 70 anos que ainda esteja em atividade.
Observe-se, abaixo, os campos que estão disponibilizados nesta aba “FGTS” , que são
utilizados para enviar as informações aqui vinculadas para o programa da SEFIP.
 Código do Banco e Descrição do Banco
O cadastro das informações bancárias é importante para que se possa realizar depósitos
automáticos em uma conta junto ao banco que está sendo cadastrado. Isso significa que, se a entidade
possuir uma conta bancária em determinado banco onde ela deposita os seus lucros, quando o banco
recebe as informações transmitidas no arquivo da SEFIP, os valores devidos são automaticamente
transferidos da conta corrente da empresa para a conta de depósito do FGTS existente no mesmo banco
em nome do funcionário dessa entidade. Este recurso ainda está sendo adaptado pelos responsáveis da
SEFIP, mas o SIP encontra-se preparado para quando o recurso for implementado.
Ao acessar o botão de referência localizado ao lado deste campo, o usuário deve selecionar o
número do banco ao qual pertence a conta da empresa de onde será transferido o valor do depósito do
FGTS e da contribuição previdenciária; esse número deve ser informado conforme a codificação do Banco
Central. Com a seleção do código do banco, o sistema exibe o nome do banco no campo de referência
localizado ao lado do campo onde foi informado o código.
 Agência e DV da Agência / Conta e DV da Conta
Nos campos “Agência” e “DV da Agência” deve-se informar o número da agência,
acompanhado do seu dígito verificador, à qual pertence a conta bancária em que será utilizado o recurso de
transferência dos valores do FGTS para a Caixa Econômica Federal, conforme mencionado acima.
Por sua vez, os campos “Conta” e “DV da Conta” devem ser preenchidos com o número da
conta bancária e seu respectivo dígito verificador, que será utilizada para a transferência dos valores do
FGTS. Observe-se que o usuário deve solicitar à agência bancária, mediante Ofício, as informações que
serão registradas nestes espaço e utilizadas pelos desenvolvedores da SEFIP, a fim de evitar divergências
de informações nos cadastros.
 Tipo de Conta Bancária
O campo “Tipo” é utilizado para informar a modalidade da conta da empresa que foi indicada
nos campos anteriores. Esta informação pode variar de acordo com o tipo de banco que está sendo
cadastrado. Alguns bancos utilizam esta classificação para diferenciar, por exemplo, uma conta corrente de
uma conta poupança; porém, há outros bancos que não a utilizam, caso em que este campo do cadastro da
empresa deve ser deixado em branco. Por isso, quando se solicitar as informações sobre a conta bancária
junto à agência por meio de Ofício, deve-se questionar sobre a utilização ou não da classificação por meio
de tipo de conta bancária.
 Código da Empresa
O preenchimento deste campo é importante especialmente para a utilização do recurso de
transferência de valores da conta bancária da empresa para o caixa da Previdência Social, a título de
contribuição social, e para o Ministério da Ação Social, a título de FGTS, quando essa transferência for
realizada pelo banco Caixa Econômica Federal, que, atualmente, é responsável pelo controle da tramitação
de processos envolvidos. Portanto, é necessário que se solicite à Caixa Econômica Federal, através de
Ofício, o número do código de cadastro da empresa junto à Caixa para que se possa informá-lo no cadastro
do SIP.
Observe-se que, pelo fato de o recurso de transferência ainda encontrar-se em processo de
implementação, atualmente esse código cadastral da empresa junto à Caixa Econômica Federal somente é
enviado para a SEFIP como uma informação de alteração cadastral, acompanhando as informações do
trabalhador. Dessa forma, esse código pode ser utilizado pelos órgãos competentes para identificar a

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 110

empresa para a qual o trabalhador está prestando serviço e se esse trabalhador foi transferido de uma
empresa para outra, por exemplo.
 Contato
Neste campo deve ser informado o nome do funcionário da entidade que está sendo
cadastrada que é responsável pelo registro das informações sobre o FGTS e o INSS que serão enviadas
aos órgão competentes.
Uma observação importante a se fazer diz respeito aos casos em que há uma terceirização dos
serviços de envio e de conferência dos documentos relativos ao FGTS e às contribuições previdenciárias,
sendo que, nesse caso, também deve-se informar o nome da pessoa contratada para realizar este serviço.
 Simples
O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado aplicável às microempresas e às
empresas de pequeno porte, que resulta na redução dos impostos a serem pagos por essas empresas.
O preenchimento do campo “Simples” indica que a empresa que está sendo cadastrada é
optante pelo Simples Federal, de acordo com a Lei nº 9.317, de 05/12/96, até a competência 06/2007, ou
pelo Simples Nacional (LC nº 123, de 14/12/2006), a partir da competência 07/2007. Nesse campo, pode-se
selecionar uma das seguintes opções de faturamento em que se enquadre a empresa:
1 - Não Optante;
2 - Optante - Faturamento Anual até 1.200.000,00;
3 - Optante – faturamento anual superior a R$ 1.200.000,00;
4 - Não optante – produtor rural pessoa física (matrícula CEI e FPAS 604); com faturamento
anual superior a R$ 1.200.000,00;
5 - Não optante – empresas com liminar para não recolhimento da Contribuição Social – LC n°
110/2001;
6 - Optante – faturamento anual superior a R$ 1.200.000,00 – empresas com liminar para não
recolhimento da Contribuição Social – LC n° 110/2001.
 % Contribuição Social FGTS Lei Complementar 110
Em 29 de Junho de 2001 foi promulgada a lei complementar nº 110, que instituiu contribuições
sociais, autorizando créditos de complementos de atualização monetária em contas vinculadas ao FGTS. O
art. 2º dessa lei determina que o empregador, que, no caso, é a empresa que está sendo cadastrada,
deverá contribuir com cinco décimos por cento (meio por cento) sobre a remuneração total de cada
trabalhador que possui o FGTS. Portanto, deve-se informar essa alíquota de 0,5% neste campo.
As informações necessárias ao recolhimento dessa contribuição, depois de realizados os
cálculos necessários, são enviadas automaticamente para a SEFIP para que, posteriormente, seja feito o
recolhimento de acordo com as regras especificadas previstas no art. 3, §1° da mesma lei. O procedimento
para a geração do arquivo da SEFIP está descrito no tópico D.II.4.8.2 deste manual.
Outra informação importante a ser destacada nessa lei complementar é a prescrição do seu art.
1º, de acordo com o qual o empregador deve recolher uma contribuição calculada com uma alíquota de dez
por cento sobre o montante de todos os depósitos de FGTS devidos, caso promova a despedida do
empregado sem justa causa. Essa contribuição é conhecida como “multa rescisória”, equivalente a quarenta
por cento mais dez por cento sobre o valor do montante de FGTS devido, sendo que essa última alíquota
deve seguir as regras estabelecidas na lei complementar 110/2001. As informações sobre essa contribuição
são enviadas aos órgãos competentes através do programa da GRRF, por meio de um arquivo gerado de
acordo com o procedimento descrito no tópico D.II.4.8.4 deste manual.
Portanto, neste campo basta preencher a alíquota informada nesta lei, que é de 5%, caso a
empresa que está sendo cadastrada deva recolher essa contribuição.
 Informar Empresa para SEFIP?
A seleção ou não desta opção determina se a empresa que está sendo cadastrada enviará
suas informações para a SEFIP. Observe-se que a geração do arquivo para a SEFIP, conforme descrito no
tópico D.II.4.8.2 deste manual, só poderá ser realizada se esta opção estiver habilitada.
Este recurso é de muita utilidade quando, por exemplo, várias empresas estão cadastradas no
banco de dados do SIP, pois há um campo denominado “Todas as empresas” na tela de geração da SEFIP,
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 111

campo esse que, quando acionado, faz com que sejam agrupadas em um único arquivo todas as
informações sobre as contribuições ao INSS e sobre o FGTS relativas às empresas que estiverem com o
campo “Informar Empresa para a SEFIP?” selecionado.
D.II - 1.1.5 - Dados para Férias no Cadastro de Empresas
De acordo com o art. 129 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), todo empregado terá
direito anualmente ao gozo de um período de férias, sem prejuízo da remuneração. Isso significado que,
após um ano de trabalho, contado da data de sua admissão, e subseqüentemente, de ano em ano, será
concedido a todo trabalhador um período de descanso. O direito às férias é previsto também na Constituição
Federal, que, em seu art. 7º, inciso XVII estabelece:
Art. 7º. São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem á melhoria de
sua condição social: (...)
XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário
normal.
Como pode-se verificar no enunciado do texto constitucional, durante essas férias, o
trabalhador tem direito a receber a remuneração que lhe for devida na data da sua concessão, acrescida de
uma remuneração de, pelo menos, um terço do salário normal. É o que também prescreve o art. 142 da
CLT. Assim, basicamente, no pagamento de um período de férias em que não há a opção pelo abono
pecuniário, deverá ser calculado o total das remunerações do mês acrescido de 1/3 (um terço) sobre esse
total.
O abono pecuniário de férias é a faculdade que o trabalhador tem de converter 1/3 (um terço)
do período de férias a que tem direito em abono pecuniário, no valor da remuneração que lhe seria devida
nos dias correspondentes, como garante o art. 143 da CLT, desde que a opção por esse abono seja feita
com a concordância do empregador.
É importante observar que, conforme o art. 130, §2º da CLT, o período de férias deve ser
computado como tempo de serviço do trabalhador.
As férias devem ser tratadas com atenção nos casos de rescisão do contrato de trabalho,
quando é possível ocorrer duas situações distintas: férias proporcionais e férias indenizadas. As férias
proporcionais correspondem à remuneração relativa ao período de férias a que teria direito o trabalhador
pela quantidade de meses trabalhados até a rescisão contratual; essa remuneração deve ser paga na
proporção de 1/12 (um doze avos) por mês de serviço ou fração superior a 14 (quatorze) dias (igual ou
superior a 15 dias), segundo o enunciado do parágrafo único do art. 146 da CLT.
Sobre as férias proporcionais, é importante observar a súmula 171 do Tribunal Superior do
Trabalho (TST): “Salvo na hipótese de dispensa do empregado por justa causa, a extinção do contrato de
trabalho sujeita o empregador ao pagamento da remuneração das férias proporcionais, ainda que
incompleto o período aquisitivo de 12 (doze) meses (art. 147 da CLT)”.
As férias indenizadas, por sua vez, são aquelas correspondentes ao período aquisitivo completo
de 12 meses que não foram concedidas no prazo legal, ou seja, que não foram concedidas nos 12 meses
subsequentes à data em que o empregado tiver adquirido o direito às férias, como estabelece o art. 134 da
CLT. Nesse caso, o empregador deverá pagar em dobro a remuneração correspondente a esse período,
conforme a prescrição do art. 137 da CLT.
É importante salientar que, apesar das regras sobre o direito a férias previstas na CLT, os
órgãos públicos que possuem estatutos próprios destinados a regulamentar o vínculo jurídico estabelecido
com os seus servidores devem observar as particularidades previstas nesses estatutos sobre esse direito do
trabalhador.
Esta aba da tela de cadastro da empresa é destinada ao registro das regras que serão
adotadas pela empresa para o pagamento das férias de seus empregados. É importante observar que as
regras selecionadas para a empresa nesta tela valerão para todos os tipos de folha de pagamento (mensal
com férias e/ou rescisão com férias).
A) Tipo de Pagamento de Férias
O pagamento da remuneração de férias pode ser discriminado no próprio recibo de pagamento
mensal (holerite) e realizado na data de pagamento de salários determinada pela entidade ou ainda pode ser
efetuado de forma antecipada, antes da data costumeira de pagamento, por meio de um recibo de férias. É
importante observar que, de acordo com o art. 145 da CLT, o pagamento da remuneração das férias e, se

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 112

for o caso, do abono pecuniário de férias, deve ser efetuado em até dois dias antes do início do período de
férias.
 Pagamento através do Recibo de Férias
A seleção desta opção no cadastro da empresa determina que o pagamento de férias de todos
os funcionários seja realizada por meio de recibo de férias, em data não coincidente com a data do
pagamento do salário mensal. Esse tipo de pagamento de férias envolve uma série de implicações nos
cálculos a serem realizados no SIP, principalmente quanto aos cálculos dos encargos para a previdência
social e do imposto de renda.
Para melhor explicar o funcionamento do SIP diante de um pagamento de férias através do
recibo de férias, descreve-se, abaixo, a simulação de um pagamento de férias realizado nesses moldes:
Ao efetuar o lançamento das férias por meio do procedimento descrito no tópico D.II.2.1.4 deste
manual, deve-se calcular o recibo de férias através da opção D.II.3.6. Desse modo, o SIP realizará esse
cálculo e, em seguida, demonstrará o resultado acumulando o valor da remuneração do trabalhador em um
código de evento denominado “férias”, com a numeração 905, e então aplicará 1/3 sobre o valor desse
evento e demonstrará esse resultado no evento 908. Além disso, o sistema calculará os valores da
contribuição previdenciária, do FGTS (desde que o trabalhador seja optante por isso), do salário família e do
imposto de renda.
Observe-se o exemplo prático abaixo:

O Funcionário João Carlos Pires Batista, cujo cálculo do recibo de férias está exemplificado
acima, solicitou o pagamento de suas férias ao setor de Recursos Humanos da empresa onde trabalha na
data de 31 de Maio de 2010, pois pretendia viajar no dia 03 de Junho de 2010. A empresa onde João Carlos
trabalha realiza o pagamento de salários no dia 30 de cada mês e, por isso, precisa utilizar do recurso de
antecipação do pagamento de férias para realizá-lo antes do início das férias do funcionário. Assim, a
empresa utilizará o recurso de antecipação do pagamento das férias no dia 31 de maio de 2010 e, com isso,
o funcionário João Carlos receberá os seguintes valores: a remuneração de férias no valor de sua
remuneração mensal de R$ 2.062,50, acumulada no evento 905, e o valor relativo ao acréscimo de 1/3
sobre o valor da remuneração de férias, discriminada no evento 908, valor esse que, neste exemplo,
equivale a R$ 687,50 (R$ 2.062,50 / 3 = R$ 687,50). Além disso, serão discriminados nesse recibo os
cálculos de Previdência, FGTS e IRRF, conforme tabelas em vigência para o mês em questão, valores
esses que, descontados do valor bruto da remuneração de férias, levam a um valor líquido de R$ 2.361,31.
Após o cálculo desses valores, deve-se emitir o recibo de férias para que o pagamento possa
ser realizado de imediato. Para tanto, basta realizar o procedimento descrito no tópico D.II.4.6.3 deste
manual.
Sendo assim, na data do dia 30 de Junho de 2010, data de realização do cálculo de fechamento
da folha de pagamento do mês, o recibo de pagamento mensal (holerite) desse funcionário ficará da
seguinte forma:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 113

Observe-se que os valores da remuneração de férias são demonstrados novamente neste


recibo de pagamento mensal, no qual também está discriminado o evento 927, que determina o desconto do
valor que foi pago anteriormente. Sendo assim, é importante notar que o valor líquido a ser pago no final do
mês de junho de 2010 a esse funcionário será R$ 0,00, pois todos os valores de remuneração referentes a
esse mês foram pagos através do recibo de férias exemplificado anteriormente.
O pagamento antecipado de férias através do recibo de férias é vantajoso para o trabalhador,
mas pode gerar certa confusão, pois geralmente o trabalhador imagina que, além da remuneração
antecipada paga através do recibo de férias, ele receberá novamente o valor do seu salário ao final do mês,
o que não deve ocorrer, como demonstrado anteriormente.
 Pagamento efetuado com o Fechamento Mensal
Quando esta opção for selecionada no cadastro da empresa, o pagamento das férias somente
será realizado na data de pagamento do salário mensal estipulado pela empresa, não havendo a
possibilidade de se realizar o pagamento antecipado desses valores.
Sabe-se que, em regra, o valor da remuneração de férias é o valor da remuneração recebida
mensalmente pelo trabalhador acrescido de um 1/3 desse valor, exceto se a entidade possuir uma lei
estatutária que traga disposição diversa sobre o pagamento de férias. Sendo assim, no recibo do
fechamento mensal (holerite), será demonstrada a remuneração salarial normal (evento 001) e um evento
de férias separado (evento 908), indicando o valor do acréscimo de 1/3 de férias.
Observe-se, abaixo, a exemplificação de uma situação como esta, utilizando-se os mesmos
dados do funcionário João Carlos Pires Batista, citado no item anterior:

Observe-se que, no holerite exemplificado acima, a discriminação de eventos é diferente


daquela constante no recibo de férias exemplificado anteriormente, pois no holerite não há o evento 905 -
Férias, e sim o evento 001 - Salário Base, que foi criado pelo usuário e lançado nos eventos fixos do
funcionário, conforme descrito no tópico D.II.2.1.3.1 deste manual.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 114

B) I.R.R.F. Separado?
 Não
A opção pela não realização do cálculo do IRRF em separado somente está disponível para a
realização do pagamento das férias junto com o fechamento mensal da folha de pagamento, pois, nesse
caso, a entidade pode desejar que as bases de cálculo do imposto de renda sejam discriminadas em
separado, devendo, para tanto, selecionar a opção “sim” deste item.
Observe-se, abaixo, o exemplo da não discriminação do IRRF com base nos dados do
funcionário João Carlos Pires Batista, que recebe remuneração mensal no valor de R$ 2.062,50.
Com a opção de cálculo do IRRF em separado desabilitada, o SIP soma os valores das bases
de cálculo do IRRF, ou seja, o valor do evento 001-Salário Base juntamente com o valor equivalente a 1/3 de
férias, correspondente ao no evento 908; em seguida, aplica sobre esse resultado as alíquotas específicas
para o cálculo do IRRF. Esse cálculo esta detalhado a seguir:
1) para obter o valor das férias:
Sobre o valor total da remuneração (R$ 2.062,50) deve-se calcular o acréscimo de 1/2; para
tanto, basta dividir o valor da remuneração por 3 (R$ 2.062,50 / 3 = R$ 687,50) e discriminar o resultado
como o evento 908. Em seguida, deve-se efetuar o cálculo da previdência conforme a tabela mencionada
anteriormente no tópico D.II.1.6, da seguinte forma:
2) para obter o valor de Previdência (contribuição social do empregado):
Deve-se somar o valor da remuneração integral de férias e o valor do adicional de 1/3 (R$
2.062,50 + 687,50 = R$ 2.750,00) e, sobre o valor total, aplicar a alíquota correspondente à faixa da tabela
de previdência em que se encontra esse valor. No exemplo, o valor de R$ 2.750,00 corresponde à terceira
faixa, que abrange os valores de R$ 1.733,71 até R$ 3.467,40, determinando a aplicação da alíquota de
11%. Sendo assim:
R$ 2.750,00 x 11% = R$ 302,50 (valor descontado para a Previdência).
3) para obter o valor do IRRF:
Do valor total da remuneração, ou seja, o resultado da soma do salário e do acréscimo 1/3 de
férias, deve-se subtrair o valor calculado da previdência e o valor do desconto concedido para cada
dependente do funcionário e, sobre o valor resultante, aplica-se a alíquota e o valor da dedução
determinados para a faixa correspondente da tabela de IRRF em vigência.
No exemplo em questão, considere-se que o funcionário João Carlos Pires Batista não possui
dependentes. Sendo assim, subtrai-se inicialmente o valor da previdência do valor total da remuneração:
R$ 2.750,00 - R$ 302,50 (previdência) = R$ 2.447,50
Em seguida, verifica-se que o valor de R$ 2.447,50 corresponde à terceira faixa da tabela do
IRRF, que abrange os valores de R$ 2.246,76 até R$ 2.995,70, para os quais deve ser aplicada uma
alíquota de 15% e uma dedução no valor de R$ 280,94. Portanto, realiza-se o seguinte cálculo:
R$ 2.447,50 x 15% = 367,13
R$ 367,13 - R$ 280,94 (dedução) = R$ 86,19.
Portanto, para o exemplo descrito acima, se a opção de cálculo do IRRF em separado estiver
desmarcada, o valor de IRRF a ser descontado da remuneração de férias é igual a R$ 86,19, conforme
ilustra a figura abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 115

 Sim
Quando a opção “IRRF Separado” estiver selecionada, o SIP calcula o imposto de renda
separadamente sobre os diferentes valores pagos como remuneração de férias. Ou seja, utilizando-se como
exemplo o mesmo funcionário João Carlos Pires Batista mencionado acima, será realizado um cálculo de
IRRF sobre a base de cálculo de R$ 2.062,50, correspondente a saldos de salários, e outro cálculo de IRRF
sobre a base de cálculo de R$ 687,50, correspondente ao adicional de 1/3 de férias.
Deve-se seguir a mesma ordem de cálculo descrita anteriormente na opção “não”, como
demonstrado abaixo. Observe-se que o valor da previdência deve ser calculado sobre o valor total das
remunerações de férias (salário + 1/3 de férias):
1) cálculo do IRRF sobre os saldos de salário:
R$ 2.062,50 (remuneração base) - R$ 302,50 (valor da previdência calculado sobre o valor total
das remunerações) = R$ 1.760,00
Sobre esse resultado, aplica-se a alíquota correspondente à segunda faixa da tabela de IRRF,
que é de 7,50%, aplicando-se, em seguida, a dedução de R$ 112,43:
R$ 1.760,00 x 7,50% = R$ 132,00
R$ 132,00 - R$ 112,43 = R$ 19,57
Portanto, o valor do IRRF calculado sobre os saldos de salários e que será descontado da
remuneração de férias desse trabalhador é de R$ 19,57.
2) cálculo do IRRF sobre o valor de 1/3 do adicional de férias:
Sobre o resultado de férias indicado como evento 908 (R$ 687,50) deve-se aplicar diretamente
a alíquota prevista na tabela de IRRF.
O valor de R$ 687,50 desse exemplo está localizado na primeira faixa da tabela de IRRF, que
abrange os valores de R$ 0,01 até R$ 1.499,15. Essa faixa é a faixa de isenção, sobre a qual aplica-se uma
alíquota de 0% e nenhuma dedução. Por isso, não haverá retenção de imposto de renda na fonte em
relação a esse valor. Porém, caso houvesse essa retenção, esse valor deveria ser demonstrado no holerite
no evento 921 - IRRF sobre férias.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 116

C) Padrão do Lançamento de Férias


Neste espaço da aba “Férias” existe a opção “Apenas 1/3”. A habilitação dessa opção tem a
finalidade de facilitar o lançamento de férias no cadastro do funcionário, pois determina que o SIP selecione
automaticamente a opção “1/3 de férias” no cadastro do trabalhador no momento da realização do
lançamento de férias. Observe-se que esta opção não padroniza o pagamento de apenas 1/3 de férias, mas
somente sugere o pagamento desse evento no resultado do cálculo.
Esta opção é válida para tanto para o pagamento de férias por meio de recibo de férias quanto
para o pagamento realizado junto com o pagamento mensal. Para visualizar o funcionamento do SIP com
esta opção selecionada, basta acessar o cadastro do trabalhador, clicar no botão das férias, conforme
descrito no tópico D.II.2.1.2.14 deste manual, e observar que a opção “1/3 de férias” estará automaticamente
habilitada.

D) Calcular Média de Férias


Neste espaço são disponibilizadas três opções para a configuração do cálculo de média de
férias. A primeira dessas opções (“calcular média de férias?”) indica se esse recurso deve ser utilizado ou
não. Quando essa opção não está acionada, o SIP efetua um cálculo normal da remuneração de um período
aquisitivo de férias, que consiste em aplicar 1/3 sobre o total de remuneração fixada para o mês e ano
corrente, conforme exemplificado anteriormente nos subitens A e B deste mesmo tópico com os dados do
funcionário João Carlos Pires Batista.
A segunda opção deste espaço (“Calcular 1/3?”) determina se deve ser calculado o 1/3,
enquanto que a última (“Mostrar separado?”) permite que o resultado da média seja mostrado em separado.
O funcionamento dessas duas últimas funções será exemplificado abaixo. Observe-se que essas duas
opções só podem ser utilizadas quando a opção “Calcular média de férias?” estiver selecionada.
Entretanto, para o entendimento dos exemplos abaixo, é necessário que o usuário entenda o
que é o cálculo das médias. As regras desse cálculo estão descritas detalhadamente no tópico B.08 deste
manual.
 Calcular Média de Férias - Mostrar em Separado
Como dito anteriormente, esta opção somente poderá ser utilizada quando a opção “calcular
média de férias?” estiver selecionada.
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 117

Quando acionado este recurso, o SIP efetuará o cálculo de média sobre eventos pertencentes
ao período aquisitivo e que estão selecionados com a opção de cálculo de média no cadastro de eventos. O
valor resultante desse cálculo será demonstrado no evento 929 - Variável Para Férias.
Observe-se, na figura abaixo, um exemplo de como será feita a demonstração do resultado do
cálculo de férias com a utilização desse recurso:

Quando esta opção não for selecionada, ou seja, quando o usuário não solicitar a
demonstração em separado do cálculo da média de férias, o valor da média que seria demonstrada em
separado no evento 929-Variável Para Férias (no exemplo, R$ 106,25) será somado ao valor do evento
908-1/3 Férias (totalizando R$ 793,75, neste exemplo), como demonstra a figura abaixo:

 Calcular Média de Férias - Calcular 1/3 sobre a média


Assim como a opção anterior, esta opção somente poderá ser utilizada quando a opção
“calcular média de férias?” estiver selecionada.
Este recurso efetua o cálculo de 1/3 sobre o resultado do cálculo de médias de férias. Se esta
opção for selecionada juntamente com a opção “mostrar em separado”, descrita logo acima, poderá gerar
diferenças na demonstração dos resultados, conforme se exemplifica a seguir:
Quando ambas as opções “Mostrar em separado” e “Calcular 1/3 sobre a média” estiverem
selecionadas, o valor do cálculo das médias será demonstrado no evento 929-Variável para Férias e, ao
resultado desse evento, será aplicado 1/3; o resultado desse novo cálculo será acrescido ao valor original do
evento 908-1/3 de Férias.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 118

1) ao resultado do cálculo da média de férias (R$ 106,25), lançado no evento 929 - Variável
para Férias, foi aplicado 1/3 (ou seja, dividiu-se aquele valor por três):
R$ 106,25 / 3 = R$ 35,416 (valor de 1/3 sobre a média de férias)
2) ao valor do cálculo do 1/3 de Férias, demonstrado no evento 908, somou-se o valor de 1/3
sobre a média:
R$ 687,50 + R$ 35,416 = R$ 722,92
3) esse resultado (R$ 722,92) foi lançado no evento 908, como indicado na figura acima.
Porém, caso se acione apenas a opção “calcular 1/3 sobre a média”, sem habilitar a opção
“mostrar em separado”, tanto o valor de média de férias quanto o resultado do cálculo de 1/3 sobre esse
valor serão somados ao valor do adicional de 1/3 de férias e lançados no evento 908 - 1/3 de férias. É o que
indica a figura abaixo:

Observe-se que, no evento 908 - 1/3 de férias, estão compreendidos os valores do adicional de
1/3 de férias (R$ 687,50), do resultado da média de férias (R$ 106,25) e do cálculo de 1/3 sobre o valor
dessa média (R$ 35,416):
R$ 687,50 + R$ 106,25 + R$ 35,416 = R$ 829,16, conforme demonstrando no exemplo acima.
E) Interações entre abono pecuniário e 1/3 de férias gozadas
O art. 143 da CLT possibilita ao trabalhador a conversão de 1/3 (um terço) do período de férias
a que tem direito em abono pecuniário, no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias
correspondentes. Isso significa que, se o trabalhador ter direito a 30 dias de descanso (gozo de férias),
poderá converter 10 dias em remuneração indenizatória na forma de Abono Pecuniário.

Quando há a opção pelo abono pecuniário, o pagamento dessa remuneração deve ser
demonstrado no evento 909 - Abono Pecuniário. Além disso, deve-se aplicar 1/3 sobre o valor dessa
remuneração, conforme previsto no art. 7º, inciso XVII da Constituição Federal, sendo que o resultado desse
cálculo deve ser demonstrado no evento 910.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 119

Observe-se, abaixo, a demonstração de um período de férias em que há a opção pelo abono


pecuniário (o empregado “vendeu” 10 dias do seu período de gozo ao seu empregador):

No exemplo acima, o valor do abono pecuniário, lançado no evento 909, corresponde a 1/3 do
valor da remuneração total de férias desse empregado:
R$ 2.062,5 / 3 = R$ 687,50
Esse resultado foi dividido por três para se obter o valor do adicional de 1/3, lançado no evento
910:
R$ 687,50 / 3 = R$ 229,17
O art. 7º, inciso XVII da Constituição Federal, já citado anteriormente, faz parte do capítulo
destinado à previsão dos direitos sociais e determina que a remuneração recebida pelo trabalhador em
razão do gozo de férias deve ser acrescida de pelo menos um terço. Esse acréscimo sobre a remuneração
de férias deve ser pago independentemente de o trabalhador ter optado ou não por converter parte desse
período em abono pecuniário.
Com base nessa previsão constitucional, alguns órgãos públicos têm criado leis trabalhistas na
forma de um estatuto (as chamadas leis estatutárias) e têm incluído a disposição sobre o terço
constitucional na previsão das situações de pagamento de férias. Tendo como base principal essas leis
estatutárias, o SIP disponibilizadas as opções que serão tratadas em seguida.
 Acumular 1/3 de férias gozadas na base do abono pecuniário
Quando esse tipo de interação é solicitado ao SIP, será realizado o seguinte cálculo: sobre a
base de cálculo original do abono pecuniário, que corresponde à remuneração do período integral de férias a
que tem direito o empregado, acrescenta-se o valor resultante do cálculo do adicional de 1/3 sobre o período
de férias gozadas, que é o valor do evento 908 - 1/3 de férias.
Assim, considerando os mesmos dados utilizados no exemplo acima, tem-se o seguinte
cálculo, cujos resultados estão demonstrados na figura a seguir:
1) base de cálculo original do abono pecuniário: R$ 2.062,50 (equivalente a 30 dias de férias);
2) para obter o valor do adicional de 1/3 sobre o período de férias gozadas deve-se dividir o
valor da remuneração total do período de 30 dias, multiplicar o resultado por 20 dias de férias gozadas e
dividir o resultado por três:
R$ 2.062,50 / 30 dias = R$ 68,75 remuneração por dia
R$ 68,75 x 20 dias de férias gozadas = R$ 1.375,00 remuneração para o período de férias
gozadas
R$ 1.375,00 / 3 = R$ 458,33 valor do adicional de 1/3 sobre o período de férias gozadas
3) para obter a nova base de cálculo do abono pecuniário deve-se somar o valor do adicional de
1/3 de férias ao valor da remuneração total do período de férias:
R$ 2.062,50 + R$ 458,33 = R$ 2.520,83
4) para calcular o valor do abono pecuniário sobre essa base de cálculo, divide-se o valor da
base de cálculo (equivalente a 30 dias de férias) por três:
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 120

R$ 2,520,83 / 3 = R$ 840,28 (valor referente a 10 dias de abono pecuniário, lançado no evento


909);
5) para obter o valor do adicional de 1/3 sobre o abono pecuniário, divide-se o valor do abono
por três:
R$ 840,28 / 3 = R$ 289,33 (valor referente a 1/3 do abono, lançado no evento 910).

 Acumular o abono pecuniário na base do adicional de 1/3 de férias gozadas


Neste tipo de interação, o SIP acumula o valor do abono pecuniário na base de cálculo do valor
do 1/3 de férias gozadas. Observe-se a descrição do cálculo abaixo, utilizando-se os mesmos dados do
exemplo anterior:
1) base de cálculo original do adicional de 1/3 de férias: R$ 2.062,50 (equivalente a 30 dias de
férias)
2) para obter o valor do abono pecuniário equivalente a 10 dias de férias, divide-se por três o
valor da remuneração total, equivalente a 30 dias:
R$ 2.062,50 / 3 = R$ 687,50
3) para obter a nova base de cálculo do adicional de 1/3 de férias deve-se somar o valor do
abono pecuniário à base de cálculo original do 1/3 de férias:
R$ 2.062,50 + R$ 687,50 = R$ 2.750,00
4) o valor do adicional de 1/3 de férias gozadas corresponde ao pagamento de 20 dias, pois 10
dias são referentes ao abono pecuniário, e sobre eles já foi calculado o adicional de 1/3 no valor de R$
229,17, lançado no evento 910. Sendo assim, deve-se dividir a nova base de cálculo do adicional de 1/3 por
30 dias, multiplicar o valor obtido por 20 dias e dividir este resultado por três:
R$ 2.750,00 / 30 dias = R$ 91,666 para um dia de férias gozadas
R$ 91,666 x 20 dias = R$ 1.833,34 (base de cálculo para a aplicação do adicional de 1/3
referente aos 20 dias de férias gozadas)
R$ 1.833,34 / 3 = R$ 611,11 (corresponde ao novo valor do adicional de 1/3 de férias, lançado
no evento 908).

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 121

 Somar valor do 1/3 de férias gozadas com 1/3 do abono pecuniário


Quando este tipo de interação é solicitado, o SIP soma o valor do 1/3 de férias calculado sobre
o abono ao adicional de 1/3 de férias gozadas para obter o valor do adicional de 1/3 sobre o abono
pecuniário. Assim, utilizando-se novamente dos mesmos dados dos exemplos anteriores, tem-se o seguinte
cálculo:
1) valor do adicional de 1/3 de férias lançado no evento 908, obtido com a divisão do valor da
remuneração total do período de 30 dias, multiplicando-se o resultado por 20 dias de férias gozadas e
dividindo-se esse valor por três:
R$ 2.062,50 (remuneração total) / 30 dias = R$ 68,75 por dia x 20 dias de férias gozadas = R$
1.375,00 / 3 = R$ 458,33
2) valor do abono pecuniário equivalente a 10 dias de férias, lançado no evento 909, obtido com
a divisão do valor da remuneração do período de 30 dias por três:
R$ 2.062,50 / 3 = R$ 687,50
3) valor do adicional de 1/3 calculado sobre o valor do abono pecuniário:
R$ 687,50 / 3 = R$ 229,17
4) base de cálculo para o adicional de 1/3 a ser lançado no evento 910: soma do adicional de
1/3 sobre as férias gozadas (valor do evento 908) com o cálculo de 1/3 sobre o adicional:
R$ 458,33 + R$ 229,17 = R$ 687,50
5) sobre esse valor, aplica-se o adicional de 1/3 constitucional:
R$ 687,50 / 3 = R$ 229,17 corresponde a 1/3 do Abono Pecuniário, lançado no evento 910.

F) Calcular avos dentro do período aquisitivo


Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 122

Quando está opção é acionada, o SIP realiza a contagem de avos de forma diferente, por
exemplo, da contagem de avos realizada para o cálculo do 13º salário, descrita no tópico B.07 deste manual.
Esse recurso está disponível no sistema pelo fato de que algumas leis específicas prevêem que a contagem
de avo para o cálculo do período aquisitivo de férias não deve ser baseada apenas em um mês, e sim em
determinado período.
Nesse caso, somam-se os dias trabalhados dentro do período aquisitivo de férias e, desse
resultado, extrai-se o número de avos devidamente trabalhados. A quantidade de avos obtida é transforada
em avos inteiros para pagamento.
Para facilitar o entendimento desse cálculo, observe-se o seguinte exemplo: considere-se um
período aquisitivo de férias com início em 01/01/2009 e fim em 31/12/2009. Tendo sido registrados 20 dias
de faltas injustificadas para esse funcionário no mês de janeiro e mais 20 dias de faltas injustificadas no mês
de fevereiro, pela regra normal de contagem de avos descrita no tópico B.07, esse funcionário teria 2 avos
ausentes, contabilizando 10 avos para a contagem das férias.
Entretanto, com esta opção acionada, os dias trabalhados por esse funcionário nos meses de
janeiro e fevereiro são somados para se realizar, novamente, a contagem de avos. Assim, somam-se os 10
dias trabalhados em janeiro com os 10 dias trabalhados em fevereiro, totalizando-se 20 dias. Sendo 20 dias
uma quantidade maior que 15 dias, considera-se um avo para o pagamento de férias. Com isso, essa nova
forma de contagem de avos faz com que esse funcionário contabilize 11 avos no período aquisitivo de férias.
D.II - 1.1.6 - Dados para Mensagens no Cadastro de Empresas
Esta aba da tela do cadastro de empresas é utilizada para cadastrar mensagens a serem
impressas no holerite (contracheque) e no rodapé de relatórios.
 Hollerith Linhas Um, Dois e Três
As informações cadastradas neste campos serão impressas em sequência nos campos de
referência disponibilizados para impressão no corpo do contracheque.
 Hollerith Aniversário
No contracheque emitido no mês de aniversário do trabalhador será impressa a mensagem que
estiver informada neste campo. Por isso, sugere-se o cadastro de uma mensagem como "Feliz Aniversário".
 Holerith Mensagem Cesta Básica
A mensagem que é informada neste campo será impressa no hollerith do trabalhador quando
estiver selecionada a opção de "Cesta Básica" no cadastro do trabalhador.
A configuração dessa opção é realizada no cadastro do trabalhador por meio do seguinte
processo: deve-se clicar no botão “Dados Cadastrais” e, em seguida, no item “Cálculo”. No lado direito da
tela que será aberta estará disponível, no espaço “outras opções”, a caixa de seleção “Cesta Básica”. Este
procedimento está descrito detalhadamente no tópico D.II.2.1.2 deste manual..
 Mensagem do Rodapé de Relatórios
A mensagem que for digitada neste campo será impressa em todos os relatórios padronizados
que estão disponíveis no SIP.
D.II - 1.1.7 - Dados para o SIPREV no Cadastro de Empresas
O SIPREV - Sistema Integrado de Informações Previdenciárias cuida das informações
atualizadas dos trabalhadores municipais para atender as regras de reformas previdenciárias.
O Ministério da Previdência, em parceria com o Banco Mundial, decidiu investir na construção
de um poderoso sistema de informações que, ao mesmo tempo, consolidasse dados previdenciários da
União, dos Estados e dos Municípios e servisse de instrumento de trabalho para o gestor local, como
ferramenta gerencial de controle, planejamento e transparência do sistema previdenciário, além de auxiliar
no combate à fraude.
Surgiu, assim, o Sistema de Informações Previdenciárias – SIPREV, cujo objetivo é servir de
elo entre os regimes próprios da União, dos Estados e dos Municípios, uma vez que permite a troca on-line
de informações relativas à vida laboral dos servidores, à ocorrência de óbitos, ao tempo e ao valor da
contribuição para regimes distintos, a compensações previdenciárias e a certidões comprobatórias de tempo
de contribuição.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 123

O SIPREV também pode ser utilizado para a realização de cálculos atuariais, para a emissão
dos demonstrativos previdenciários, para consultas gerenciais e para a concessão de benefícios. As
informações cadastradas no SIP podem ser importadas diretamente no programa do SIPREV, que é
disponibilizado no site:
"http://www.softwarepublico.gov.br"
Nesta aba do cadastro da empresa no SIP devem ser cadastradas as informações que
posteriormente serão exportadas para o programa do SIPREV. O processo de exportação dessas
informações é realizado através do menu 4-Mensais, item 4.8-Exportações, subitem 4.8.6-Previdência,
opção 4.8.6.2-Exportação Previdência Modelo SIPREV, conforme descrito no tópico D.II.4.8.6.2 deste
manual.
As empresas terceirizadas que trabalham com as informações baseadas no SIPREV também
podem utilizar as informações da exportação disponibilizadas no SIP, bastando visualizar o layout do
SIPREV.
 Código SIAFI
Neste campo deve-se informar o código do município correspondente à entidade que está
sendo cadastrada no SIP.
O código SIAFI é o número correspondente ao código de identificação do município no
programa Sistema Integrado de Informações Previdenciárias. É utilizado pela Secretaria do Tesouro
Nacional para realizar o repasse do dinheiro do Fundo de Participação dos Municípios - FPM ou do FPE -
Fundo de Participação dos Estados. Optou-se pela utilização desse mesmo número para evitar a criação de
mais um número de identificação de Estados ou Municípios.
 Data de Início da Vinculação
Neste campo deve-se informar a data de início da vigência do plano, ou seja, a data em que a
entidade que está sendo cadastrada no SIP aderiu ao programa do SIPREV. Para o registro dessa
informação, é necessário que se verifique a legislação previdenciária que se aplica a essa entidade.
 Abreviação da Atividade
Campo destinado à indicação do nome da atividade exercida pelo ente que está sendo
cadastrado no SIP.
 Código do Plano e Nome do Plano Previdenciário
A lei previdenciária criada por um ente federado deve prever regras para a concessão de
aposentadoria e de outros benefícios aos trabalhadores. Essa previsão corresponde a um plano de
previdência, que pode ser separado seguindo critérios pré-estabelecidos, tais como idade, sexo,
remuneração mensal, tempo de serviço público ou algum outro critério que a entidade queira adotar.
Embora o SIPREV permita que um mesmo ente federado tenha mais de um plano
previdenciário em vigência, são poucos os entes que se encontram nessa situação. Porém, caso a entidade
que está sendo cadastrada possua mais de um plano previdenciário, deve-se informar o número do código
do plano em vigor no campo “código do plano” e, no campo de referência à sua direita, informar o nome do
plano de previdência correspondente ao código que foi informado.
 Situação do Plano
Neste campo, localizado no lado direito da tela, estão disponibilizadas três opções que indicam
a situação atual do plano de previdenciário que foi informado nos campos “código do plano” e “nome do
plano previdenciário”. Estas opções são as seguintes:
1 - Em manutenção: indica que o plano está vigente e, por isso, pode pagar novos benefícios e
admitir a inscrição de novos segurados;
2 - Em extinção: indica que o plano ainda paga benefícios, mas não admite a inscrição de
novos segurados;
3 - Extinto: significa que o plano não paga mais benefícios, nem admite a inscrição de novos
segurados, porém permanece indicado no SIPREV para fins de histórico.
 Código do Regime Previdenciário

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 124

Regime Previdenciário é o conjunto de normas que regulamentam como um trabalhador deve


contribuir para o sistema previdenciário e quais os benefícios que poderão ser concedidos a ele.
Este espaço é destinado à indicação de qual o regime previdenciário que regulamenta as
informações sobre os trabalhadores da entidade que está sendo cadastrada e que serão enviadas para o
SIPREV.
Existem três tipos de regimes previdenciários cadastrados no SIPREV, que são eles:
1 - Regime Próprio dos Servidores Públicos Civis: de acordo com o art. 10, § 3º do
Regulamento da Previdência Social - RPS (Decreto nº. 3.048/99), o servidor civil ocupante de cargo efetivo
ou o militar da União, Estado, Distrito Federal ou Município, bem como o das respectivas autarquias e
fundações, são excluídos do Regime Geral de Previdência Social, desde que amparados por regime próprio
de previdência social. Ou seja, todos órgão público pode criar um Regime de Previdência Próprio para os
seus servidores, sendo necessário que esses regime assegure, pelo menos, os requisitos descritos no art.
40 da Constituição Federal;
2 - Regime Próprio dos Servidores Públicos Militares: como dito anterior, o art. 10, § 3º do
Regulamento da Previdência Social, prevê a possibilidade de que os entes federados criem regime próprio
de previdência social para os militares. De acordo com o art. 42 da Constituição Federal, são servidores
militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios todos os membros das Policias Militares e Corpos
de Bombeiros Militares, instituições organizadas com base na hierarquia e disciplina;
3 - Regime Geral de Previdência Social: A Constituição de 1988 reformulou por completo o
sistema previdenciário brasileiro, unificando os regimes urbano e rural e consagrando os direitos
previdenciários sob uma nova dimensão, a da seguridade social. Essas mudanças, como previsto no art.
201 do texto constitucional, determinaram que a previdência social seja organizada sob a forma de regime
geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observadores os critérios que preservem o equilíbrio
financeiro e atuarial. Tais disposições deram origem às duas leis básicas da Previdência Social: as Leis nº.
8.212 e 8.213, ambas de 24 de julho de 1991, que tratam, respectivamente, do Plano de Custeio e do Plano
de Benefício da Previdência Social.
D.II - 1.1.8 - Dados para Cálculos no Cadastro de Empresas
Para que os cálculos relativos à folha de pagamento possam ser efetuados em coerência com
as leis vigentes, é necessário realizar as parametrizações dos valores e das alíquotas vigentes e também
incrementar os recursos adicionais que são oferecidos pelo SIP para facilitar a administração do setor de
recursos humanos.
Observe-se, primeiramente, quais os valores e as alíquotas que deverão ser informados nesta
aba para que os cálculos que utilizam esses índices sejam efetuados corretamente.
 Salário Mínimo Nacional e Municipal
Neste espaço estão disponibilizados dois campos para que sejam informados os valores que
correspondem à faixa salarial mínima em vigência no país e/ou no município para que esses valores sejam
utilizados nos cálculos atuais da Folha de Pagamento. O salário mínimo nacional é determinado por lei
nacional, enquanto que o salário mínimo municipal é determinado por lei local e só tem vigência no território
desse município.
Os valores indicados nestes campos poderão ser utilizados para os cálculos da folha de
pagamento quando acionado um evento cuja fórmula de cálculo possua o salário mínimo nacional ou
municipal na base de cálculo. Esta configuração deve ser determinada no módulo Folha de Pagamento,
menu 1.5-Cadastro de Eventos, onde deve-se selecionar a opção “sim” no espaço “Fórmula de Cálculo do
Evento”, localizado na parte direita da tela e, em seguida, clicar no botão com um calculadora deste mesmo
espaço; depois disso, na tela de fórmula de cálculo aberta, deve-se selecionar a opção “Salário Mínimo
Nacional” ou “Salário Mínimo Municipal” no espaço “Bases de Cálculo”.
 Bases de Cálculo do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Vereadores
Assim como nas opções relativas ao salário mínimo, os valores informados nestes campos
serão utilizados na realização dos cálculos do SIP em conjunto com as configurações determinadas para um
evento no módulo Folha de Pagamento, menu 1.5-Cadastro de Eventos, onde deve-se selecionar a opção
“sim” no espaço “Fórmula de Cálculo do Evento” e, em seguida, ao abrir a tela de fórmulas de cálculo,
selecionar a opção “Base de Cálculo Prefeito/Vice” ou “Base de Cálculo Vereadores” no espaço “Bases de
Cálculo”.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 125

Descreve-se, a seguir, as configurações dos outros recursos disponibilizados nesta aba da tela
de cadastro da empresa que poderão ser utilizados no SIP para facilitar os cálculos de Folha de Pagamento.
D.II - 1.1.8.1 - Dados para Cálculos do Vale Transporte do Trabalhador
O Vale Transporte é um benefício que a empresa antecipará para seus funcionários para que
este possa se deslocar da sua residência até o seu local trabalho e vice-versa. De acordo com o art. 2º,
parágrafo único do decreto nº. 95.247/1987, que dita regras sobre o vale transporte, entende-se como
deslocamento a soma dos segmentos componentes da viagem que o trabalhador realiza por um ou mais
meios de transporte entre a sua residência e o seu local de trabalho.
Conforme determinação do art. 9º do citado Decreto nº 95.247/1987, o vale transporte será
custeado pelo trabalhador numa parcela correspondente a 6 % (seis por cento) de seu vencimento (salário
básico), excluídos quaisquer adicionais ou vantagens. Portanto, esse valor será descontado do vencimento
do trabalhador e será demonstrado na Folha de Pagamento. Já o valor do vale transporte que ultrapassar o
mencionado teto para desconto desse benefício será custeado pelo empregador e, por isso, não deve ser
demonstrado na Folha de Pagamento, e sim ser indicado diretamente na contabilidade, sempre observando
as questões previstas no citado Decreto quanto à disponibilidade de transporte para o trabalhador.
Para que o SIP realize automaticamente essa verificação de valores e realize corretamente o
cálculo do benefício do vale transporte, deve-se fazer a seguinte configuração:
 Vale Transporte - Teto para desconto de Salário Base
Primeiramente, deve-se indicar, no campo “Teto para desconto do salário base” da tela de
cadastro da empresa, a porcentagem de 6% determinada pelo art. 9º do Decreto n° 95.247/87, já
mencionado anteriormente.
Após indicação dessa alíquota correspondente ao desconto, deve-se cadastrar no SIP a(s)
empresa(s) que oferece(m) os serviços de transportes aos trabalhadores. Esse procedimento deve ser
realizado conforme descrito no tópico D.II - 1.17 - Vale Transporte - Empresas deste manual.
Depois de realizados esses dois cadastros (a informação sobre o desconto no cadastro da
empresa e o registro das empresas de transporte), deve-se vincular, ao cadastro do trabalhador, as linhas
de transporte que ele utiliza em seu trajeto em um dia serviço. Esse cadastro deve ser realizado no módulo
Folha de Pagamento, menu 2-Manutenção, item 2.1-Cadastro de Trabalhadores; nessa nova tela deve-se
clicar no botão “Dados Cadastrais” e, em seguida, na opção “Vale Transporte”, conforme as informações
presentes no tópico D.II.2.1.2.12 deste manual.
Porém, para que o SIP possa realizar o cálculo do vale transporte de um trabalhador, não basta
que haja no seu cadastro o registro da informação sobre as linhas de transporte coletivo que ele utiliza
diariamente; também é necessário que o evento que contém a fórmula para o desconto do vale transporte
seja adicionado aos seus eventos fixos. Portanto, é necessário que esse evento seja criado no SIP antes de
sua inclusão no cadastro do trabalhador.
Para criar o evento do vale transporte deve-se realizar o processo de criação de eventos
descrito no tópico D.II.1.5 deste manual. Na criação desse evento deve-se realizar a seguinte configuração:
selecionar, no campo “Natureza”, a opção “Desconto”, e, no campo “Fórmula de Cálculo”, a opção “sim”,
abrindo-se, em seguida, o botão com a calculadora para acessar a tela de fórmulas de cálculo. Nessa nova
dela, deve-se selecionar a opção “Vale Transporte” no espaço “Base de cálculo” e a opção “(%) do Valor x
Qtde” no espaço “Tipo de operação”. Após a criação desse evento, deve-se lançá-lo nos eventos fixos do
trabalhador, conforme descrito no tópico D.II.2.1.3.1 deste manual.
Para o cálculo do vale transporte de um trabalhador, o SIP leva em consideração a quantidade
de dias úteis de serviço efetivo. Por isso, é necessário que o cadastro de feriados do Módulo de Ponto esteja
com as informações corretas, conforme descrito no tópico D.IV.1 deste manual. Além disso, quando
acionada a opção “Calcular Vale Transporte” da tela do Cadastro do Trabalhador, o SIP verificará se o
trabalhador compareceu ao local de trabalho no dia útil de trabalho e caso, não tenha realizado o serviço por
falta ou por afastamento, esse dia não será computado para o cálculo do vale transporte.
A determinação para que o vale transporte seja calculado deve ser registrada no módulo Folha
de Pagamento, meu 2-Manutenção, item 2.1-Cadastro de Trabalhadores; nessa tela de cadastro, deve-se
acionar o botão “Dados Cadastrais” e, em seguida, a guia “Cartão de Ponto”; na parte inferior dessa tela há
a opção “Calcular Vale Transporte”. Caso essa opção não seja acionada, o SIP verificará a quantidade de
dias trabalhados tomando como baseados no lançamento de faltas ou afastamentos.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 126

D.II - 1.1.8.2 - Dados para cálculo relativos à mudança automática na referência de salário registrada
no Cadastro do Trabalhador
Algumas empresas adotam um plano de carreira para avaliar o rendimento de seus
funcionários e, a partir disso, poder remanejá-los em diferentes cargos e/ou em maiores ou menores níveis
de remuneração salarial. O incremento de mudança de faixa salarial do colaborador após o transcurso de
determinado período de tempo de trabalho pré-fixado é uma das diretrizes que podem ser adotadas em
planos de carreira ou em qualquer outro tipo de promoção dos trabalhadores de uma empresa.
Para esses casos, o SIP disponibiliza o recurso de mudança de salário automático, que permite
que o sistema realize automaticamente o trabalho de alterar essas informações no cadastro dos
trabalhadores, evitando que os usuários do SIP necessitem fazer essa alteração manualmente após o
vencimento desses períodos de tempo. As informações sobre essas mudanças de salário ficam registradas
no campo “Referência Salarial Atual” da tela “Admissão e Contrato” acessada por meio do botão “Dados
Cadastrais” da tela do item 2.1-Cadastro de Trabalhadores do menu 2-Manutenção do módulo Folha de
Pagamento. Por sua vez, o histórico das alterações realizadas pelo SIP são armazenadas no cadastro de
históricos de salários, que pode ser acessado por meio do botão “Histórico de Salários”, da mesma tela
descrita acima.
Para que o SIP altere a referência salarial automaticamente, é necessário que a opção “mudar
referência de salário automaticamente?” seja acionada na aba “Cálculo” da tela de cadastro da empresa.
Essa configuração indica ao sistema que, independente dos demais dados cadastrados nessa tela, deve-se
considerar que a empresa utiliza um plano de carreira e que a progressão salarial deverá ser realizada no
período indicado no campo “tempo (anos)”.
Porém, além da configuração no cadastro da empresa, é necessário que se acione outras
opções no SIP para que o sistema realize esse tipo de ação, como no cadastro de vínculos, no cadastro de
unidade/custeio, no cadastro de cargos e no cadastro do trabalhador, conforme descrito abaixo.
A primeira configuração deve ser realizada na tela do cadastro de cargos (Módulo Folha de
Pagamento, menu 1.9-Cadastro de Cargos, onde deve-se selecionar a opção “Mudar Ref. Salarial
Automaticamente”. Essa configuração somente deve ser realizada nos cargos que correspondem ao
conjunto de trabalhadores em cujos cadastros deve ser modificada a Referência Salarial.
Também na tela de cadastro de cargos deve-se observar a disposição das referências salariais
atribuídas ao cargo em questão na aba “referências salariais”; essas referências devem ser cadastradas em
ordem crescente, pois, quando um período de tempo determinado no cadastro da empresa for completado,
o SIP enviará a próxima referência cadastrada nesse controle para o campo “Referência Salarial Atual do
Trabalhador” da tela de cadastro do trabalhador, gerando também um histórico de troca de referência
salarial. Assim, no exemplo ilustrado na figura abaixo, se a referência salarial inicial para o cargo de
assistente parlamentar é de R$ 2.066,25, quando for atingido o período para alterar essa referência, o
sistema adotará como nova referência salarial o valor de R$ 2.453,50.

Na aba “Página 3” da tela de cadastro de vínculos, acessada no módulo Folha de Pagamento,


item 1-Parâmetros, opção 1.11-Cadastro de Vínculos, pode-se acionar qual o tipo de Regime Jurídico (tipo
de vínculo) que sofrerá as regras de mudança de salário, quando for acionada a opção “Mudar Referência
Salarial Automática”. Observe-se que, nesta tela, não é necessário informar a quantidade de anos que deve
ser completada para que o salário seja alterado, pois essa informação já deve estar registrada no cadastro
de cargos ou no cadastro da empresa.
A opção “mudar referência salarial automaticamente” também deve ser selecionada na tela de
cadastro de Unidades Orçamentárias, acionada no módulo Folha de Pagamento, menu 1-Parâmetros, item
1.15-Cadastro de Lotação, subitem 1.15.3-Cadastro de Unidades/Custeio. Assim como na tela de cadastro
de Vínculos, não é necessário determinar a quantidade de anos que deve ser respeitada para que se realize
a alteração salarial.
Uma última configuração deve ser realizada na tela de cadastro do trabalhador, onde deve-se
informar a data para controle de progressão salarial automática no campo “Dt. Ctrl. Ref. Sal.” da tela
acessada por meio da guia “cálculo” do botão “Dados cadastrais” da tela do item 2.1-Cadastro de

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 127

Trabalhadores, do menu 2-Manutenção do módulo Folha de Pagamento. Se, após o preenchimento das
configurações descritas acima nos cadastros da Empresa, dos Cargos, das Unidades e/ou dos Vínculos, for
realizado um cálculo de folha de pagamento, essa data será apurada e preenchida automaticamente pelo
sistema e equivalerá à última data em que o SIP realizou a alteração de salário para o trabalhador.
Observe-se que, em se tratando de um novo cadastro de trabalhador, basta que o usuário
clique no botão com uma seta negra localizada ao lado direito do campo “Dt. Ctrl. Ref. Sal.” para que o SIP
preencha automaticamente esse campo com base na data de admissão e na quantidade de anos para
progressão salarial configurada no cadastro da empresa e dos cargos.
Para as entidades que possuíam versão anterior ao SIP 7 ou que estão em processo de
transição de outro sistema terceirizado para o sistema da Fiorilli S/C, aconselha-se que, antes da realização
do cálculo, utilize-se o recurso de Funções pós-conversão para apurar a data para o controle de referência
salarial, conforme o procedimento descrito no tópico D.II - 7.6.6 deste manual.
Para obter a relação dos funcionário para os quais a referência de salário foi alterada, basta
acessar o relatório de progressão automática de salário, no módulo Folha de Pagamento, menu 4-Mensais,
item 4.22-Relação da Progressão Automática de Salário. Essa função do SIP está descrita no tópico D.II -
4.22 deste manual.
D.II - 1.1.8.3 - Dados sobre frequência de faltas no cadastro de empresas
Os campos do espaço “frequência” da aba “cálculos” são utilizados para registrar o período do
mês durante o qual serão consideradas as faltas para o cálculo do mês.
Essa configuração pode ser utilizada, por exemplo, quando o departamento de RH da empresa
informa aos demais departamentos ou secretarias que somente aceitará a lista de freqüência dos
trabalhadores até o dia 20 de cada mês, a fim de que os apontadores tenham tempo para digitar e processar
todos esses dados e para calcular a folha de pagamento em tempo hábil. Nesse caso, deve-se indicar o
número 20 no campo "Dia Inicial" e o número 21 no campo "Dia Final".
Assim, no momento do lançamento da falta de um trabalhador no item 2.7-Eventuais Faltas do
menu 2-Manutenção do módulo Folha de Pagamento, se essa falta for lançada com data do dia 03/01/2010,
ela será descontada do trabalhador no mês de Janeiro; porém, se ela for lançada com data do dia
25/01/2010, ela será descontada no mês de Fevereiro, pois qualquer falta lançada em uma data
compreendida no período entre o dia 21 e o fim do mês será processada no mês seguinte, pois a folha de
pagamento do mês de Janeiro encontra-se em fechamento. É devido a isso que, como se pode observar,
existem os campos “Mês Referência” e “Ano Referência” na tela de lançamento das faltas, que realiza o
controle da referência em que a falta será descontada; assim, diante de um lançamento de falta em data
superior ao dia 20 de um mês, o SIP preenche automaticamente esses campos com a informação do
próximo mês e ano referência.
ATENÇÃO: este recurso geralmente é utilizado por empresas que processam os dados dos
funcionários com um mês de folga, pois a quantidade de lançamentos a serem processados é muito grande
ou maior que a capacidade de trabalho do departamento. Por isso, caso a empresa não realize esse tipo de
controle de lançamento baseado em frequência, esses campos (“dia inicial” e “dia final”) devem ser deixados
em branco, indicando ao sistema que o controle de lançamento de faltas será realizado somente com base
no mês e no ano que está indicado no controle de referências localizado no canto superior direito da tela do
módulo Folha de Pagamento. Ou seja, inexistindo esse tipo de controle na empresa, o usuário não deve
informar o número 1 no campo "Dia inicial" e o número 30 no campo "Dia final", pois essa configuração fará
com que um lançamento de falta do dia 01/01/2010 seja processado apenas no mês de Fevereiro.
D.II - 1.1.8.4 - Outras Configurações para Cálculos no Cadastro de Empresas
Na lateral direita da aba “Cálculos” da tela de cadastro da empresa estão disponíveis algumas
opções que, quando selecionadas, modificam a situação geral dos cálculos para Folha de Pagamento,
conforme descreve-se a seguir.
 Descontar I.R.R.F. de valor igual ou inferior a R$ 10,00?
O art. 68, caput e § 1º da Lei nº. 9.430/96 veda a utilização de Documento de Arrecadação de
Receitas Federais (DARF) para o pagamento de tributos e de contribuições de valor inferior a R$10,00 (dez
reais). Por isso, o valor do imposto de renda apurado como devido que seja inferior a essa quantia deve ser
adicionado ao imposto de mesmo código apurado em relação a períodos subseqüentes, até que o total
acumulado seja igual ou superior a R$10,00 (dez reais), quando, então, deve ser pago ou recolhido o
imposto no prazo estabelecido na legislação para esse último período de apuração.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 128

Observe-se que não se trata de uma dispensa do recolhimento do imposto de renda, e sim de
uma prorrogação do momento do seu recolhimento.
Para esse cenário, se esta opção não estiver selecionada, o SIP realizará o acúmulo do total de
IRRF de um mês e ano de referência cujo valor foi menor ou igual a R$ 10,00 (dez reais) e acrescentará
esse valor no cálculo do IRRF daquele mesmo funcionário relativo ao próximo mês, até que se alcance um
valor mínimo de R$ 10,00 de imposto de renda a ser retido na fonte. Isso significa que o IRRF apurado em
valor inferior a R$ 10,00 não será descontado da remuneração do funcionário, sendo descontado o valor
total no mês em que se atingir o valor mínimo para o pagamento da DARF.
Porém, caso esta opção for selecionada, o IRRF, ainda que em valor inferior a R$ 10,00, será
descontado da remuneração do funcionário, mas ficará retido com a empresa, que só o repassará à União
quando atingir o valor mínimo de imposto para o mesmo funcionário.
 Permite Holerite Negativo?
É possível que, no cálculo mensal de um trabalhador, a somatória dos descontos tenha valor
superior ao total de proventos a serem recebidos, levando a um resultado negativo. Nesse caso, o SIP pode
tratar as remunerações de duas formas distintas: ou mantém o resultado negativo no holerite ou realiza uma
espécie de compensação do valor negativo, zerando o valor final do holerite.
Assim, se esta opção “Permite holerite negativo?” for selecionada, o SIP permitirá que o holerite
seja gerado com um valor líquido do pagamento negativo.
Diferentemente, quando esta opção não é acionada, o SIP realiza uma compensação de
valores, o que é recomendado para não descompensar a contabilização de valores. Nesse caso, havendo
um desconto maior que o saldo de proventos, o SIP lança uma remuneração de provento no evento 918,
denominada “Estouro do Mês”, no valor exato da diferença entre o valor dos Descontos e dos Proventos (ou
seja, Proventos - Descontos = diferença a ser lançada no evento 918). Então, no próximo mês e ano de
referência, o SIP lançará esse valor que foi utilizado para balancear o holerite anterior em uma remuneração
denominada “Estouro do Mês Anterior” sob o código de evento 928.
Descreve-se, abaixo, um exemplo dessa compensação de valores, realizada quando a opção
“Permitir holerite negativo” não está selecionada:
O funcionário João Carlos Pires Batista, que tem vencimentos no valor de R$ 2.062,50, possui
um empréstimo em seu nome, cuja última parcela deve ser paga no mês 06/2010 no valor de R$ 2.000,00.
O valor desse empréstimo deve ser lançado no evento 130-Empréstimo, como um desconto no seu holerite.
Ao realizar os cálculos dos proventos e dos descontos do mês 06/2010, se o SIP verificar que,
subtraindo-se o valor dos descontos do valor dos proventos, encontra-se um saldo líquido negativo, essa
diferença deve ser lançada no evento 918 como provento. Assim, no exemplo em questão, calcula-se:
Proventos: evento 001-Salário Base = R$ 2.062,50
Descontos: (evento 130-Empréstimo = R$ 2.000,00) + (evento 919-Previdência = R$ 226,87) +
(evento 920-IRRF sobre Salário = R$ 25,24) = R$ 2.252,11 Líquido
Proventos - Descontos = R$ 2.062,50 - R$ 2.252,11 = - R$ 189,61
Como o valor total dos descontos é maior que o valor total de proventos, o SIP lança o valor da
diferença de R$ 189,61 como um provento no evento 918-Estouro do Mês para equilibrar o holerite do mês
06/2010, obtendo-se R$ 0,00 como resultado líquido, como é possível observar na figura abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 129

Posteriormente, no cálculo no mês 07/2010 deste mesmo funcionário, o SIP realizará o


abatimento do valor que foi compensado no mês 06/2010, lançando no evento 928-Estouro do Mês Anterior
o mesmo valor lançado no evento 918-Estouro do mês no holerite do mês 06/10.
Antes disso, porém, o SIP verifica novamente se, subtraindo-se o valor dos descontos originais
do valor dos proventos originais, haverá ou não saldo líquido positivo. Caso não exista novamente saldo
positivo, o SIP realizará o mesmo procedimento realizado no mês 06/2010, ou seja, lançará a diferença de
saldo negativo como no evento 918-Estouro do mês. Porém, se houver saldo positivo, o cálculo do mês
07/2010 será realizado da seguinte forma:
Proventos: evento 001-Salário Base = R$ 2.062,50
Descontos: (evento 919-Previdência = R$ 226,87) + (evento 920-IRRF sobre Salário = R$
30,08) = R$ 256,95
Proventos - Descontos = R$ 1.805,55 Líquido.
Como o valor total de proventos é maior que o valor total dos descontos, gerando um saldo
líquido positivo de R$ 1.805.55, o valor da diferença lançada no evento 918 no mês 06/2010 para balancear
o respectivo holerite será lançado, neste mês 07/2010, no evento 928-Estouro do Mês Anterior como um
desconto, como segue:
Proventos: evento 001-Salário Base = R$ 2.062,50
Descontos: (evento 919-Previdência = R$ 226,87) + (evento 920-IRRF sobre Salário = R$
30,08) + (evento 928-Estouro do mês anterior = R$ 189,61) = R$ 446,56
Proventos - Descontos = R$ 1.615,94 Líquido.
Obteve-se, assim, um novo saldo líquido positivo para o mês 07/2010, como ilustrado na figura
abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 130

 Gerar Adiantamento Mensal para Admitidos no Mês?


É possível que a empresa opte por realizar o pagamento adiantado de parte da remuneração
mensal dos funcionários por volta do 15º dia do mês. Como está detalhadamente descrito no tópico D.II - 3.2
deste manual, o cálculo do Adiantamento Mensal pode ser configurado de duas maneiras no SIP: a primeira
opção é lançar o evento 933-Adiantamento Quinzenal nos lançamentos de eventuais, por meio do item
2.4-Eventuais Coletivos do menu 2-Manutenção do módulo Folha de Pagamento, sendo possível atribuir
uma fórmula de cálculo a esse evento. Outra opção é simplesmente lançar esse valor e calcular a folha do
adiantamento mensal, por meio do item 3.2-Cálculo do Adiantamento Mensal do menu 3-Cálculos do módulo
Folha de Pagamento.
Geralmente as empresas não concedem adiantamento mensal aos funcionários admitidos no
mês em questão por se tratar do primeiro período de trabalho. Para tanto, é necessário que esta opção
“Gerar adiantamento mensal para admitidos no mês” não seja selecionada.
Porém, caso esta opção seja acionada, será realizado o pagamento do adiantamento mensal
também para aqueles trabalhadores admitidos no mês em que está sendo calculada a folha de pagamento.
 Pagar Avos de Afastamento
Conforme as informações sobre cálculo trabalhistas reunidas no tópico B.07, para a contagem
de um avo de mês ou de ano trabalhado somente será considerado o somatório de dias trabalhados que
seja superior a 14 dias para um mês e ano referência. Essa informação é importante para os casos de
afastamento do funcionário.
Quando há afastamentos do tipo auxílio doença ou acidente de trabalho, principalmente para os
trabalhadores cuja contratação é regida pela CLT, a empresa é responsável pelo pagamento dos 15
primeiros dias corridos desse afastamento, sendo que a remuneração do tempo restante é de
responsabilidade do Ministério da Previdência Social. Esses primeiros dias de afastamento poderão ser
considerados para a contagem de avos, ou seja, para a contagem de dias trabalhados se esta opção “Pagar
Avos de Afastamento” estiver acionada. Logo, se essa opção estiver desmarcada, o somatório de dias de
afastamento de um mês referência ou o intervalo entre as datas de saída e de retorno do afastamento não
será contado como dias de trabalho para aquele funcionário.
A contagem de avos de afastamento, quando acionada, funciona como se o trabalhador
estivesse na entidade, realizando as suas funções, durante os primeiros 15 dias do período de afastamento
e, por isso, esse período deve ser contado como dias trabalhados. Diferentemente, a não seleção desta
opção faz com o que o sistema considere que o funcionário realmente não está mesmo na empresa e, por
isso, esses 15 dias não devem ser considerados como dias trabalhados.
É importante observar que a configuração desta opção afeta os cálculos que se baseiam na
contagem de dias efetivamente trabalhados, como o cálculo de 13º salário e de Férias.
D.II - 1.1.8.5 - Cálculo do CNAE Preponderante
O cálculo do CNAE preponderante é utilizado principalmente por empresas que possuem
setores relacionados a outros tipos de atividades, tais como educação, saúde, turismo e meio ambiente,
entre outros, e cada uma dessas atividades possui uma alíquota para cálculo e recolhimento da contribuição
patronal referente aos índices de acidente de trabalho da atividade primordial. Assim, por meio desse
cálculo, avalia-se qual a alíquota a ser aplicada no cálculo da contribuição previdenciária em razão dos
riscos envolvidos na atividade econômica preponderante desenvolvida pela entidade.
Todo ano o Ministério da Previdência Social publica no Diário Oficial da União os róis dos
percentuais de frequência, de gravidade e de custo por Subclasse da Classificação Nacional de Atividades
Econômicas - CNAE, elementos esses que permitem que a empresa verifique o seu desempenho no
exercício da atividade compreendida na Subclasse CNAE, conforme Anexo V do Decreto 6.957, de 2009.
A configuração do SIP para a realização desse cálculo deve ser feita da seguinte forma:
primeiramente, deve-se selecionar, na aba ”Cálculos” da tela de cadastro da empresa, a opção “Calcular
CNAE Preponderante”. Em seguida, deve-se atribuir o código CNAE da atividade corresponde a cada cargo
cadastrado na aba “Classificações” do item 1.9-Cadastro de cargos do menu 1-Parâmetros do módulo Folha
de Pagamento. Por fim, no cadastro de Atividades Econômicas disponível no menu 1-Parâmetros, item
1.18-Mais..., subitem 18.10-CNAE, deve-se preencher a alíquota que corresponde ao índice de gravidade
(grau de risco) daquelas atividades que foram atribuídas aos cargos cadastrados no SIP, de acordo com a
previsão do Decreto 6.957/2009.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 131

Após realizar o cálculo da Folha de Pagamento, o SIP analisará o conjunto de cargos que
correspondem ao maior número de trabalhadores vinculados a uma mesma atividade econômica, que será
considerada a atividade econômica preponderante (CNAE), e aplicará as alíquotas para obter o valor da
contribuição patronal devida. O cálculo da contribuição previdenciária patronal é realizado da seguinte forma:
Alíquota para FPAS x (RAT x FAP).
O FPAS (Fundo de Previdência e Assistência Social) é o código de classificação da atividade
principal desenvolvida pela empresa que deve ser utilizado no recolhimento das contribuições previstas nos
arts. 2º e 3º da Lei 11.457/97.
O RAT (Riscos Ambientais do Trabalho) consiste em um percentual que mede o risco da
atividade econômica desenvolvida pela empresa, com base no qual é cobrada a contribuição para financiar
os benefícios previdenciários decorrentes do grau de incidência de incapacidade laborativa. A alíquota do
RAT a ser aplicada está relacionada ao índice para seguridade de acidentes de trabalho e corresponde à
alíquota da atividade CNAE preponderante da empresa; ou seja, após verificar a qual cargo está atribuído o
maior número de trabalhadores da empresa, o SIP verificará qual a atividade econômica que está vinculada
a esse cargo e determinará que, no cálculo acima descrito, seja utilizado o índice correspondente a essa
atividade.
O FAP (Fator Acidentário de Prevenção) é determinado pelo Conselho Nacional de Previdência
Social e indica, a partir de uma análise coletiva de eventos advindos dos riscos ambientais do trabalho
(acidentes e doenças do trabalho, assim como aposentadorias especiais), o desempenho da empresa em
relação aos acidentes de trabalho ocorridos no exercício da atividade econômica em determinado período. O
multiplicador FAP atribuído à entidade e obtido diretamente no site do Ministério da Previdência Social pode
reduzir pela metade ou elevar ao dobro o coeficiente geral para aplicação de uma taxa para o acidente de
trabalho.
O FAP é um fator que pode variar de 0,5 a 2% e que deve ser aplicado sobre a alíquota RAT,
determinada de acordo com a avaliação da atividade CNAE preponderante (entre 1 e 3%), podendo
aumentar ou diminuir o valor da contribuição patronal total.
ATENÇÃO: o cálculo do SIP relativo ao CNAE preponderante deve ser realizado por completo,
utilizando os dados do primeiro ao último trabalhador cadastrado no sistema. Quando o cálculo não for
realizado por completo, o SIP avisa o usuário para que realize o procedimento novamente.
Observe-se que, nos relatórios de contribuição previdenciária e nos resumos para o SEFIP, os
índices aplicados serão demonstrados.
É importante atentar para o fato de que, caso a entidade tenha relação com trabalhadores
autônomos que lhe prestam serviços e que contribuem para a Previdência Social de forma individual, as
atividades desenvolvidas por esses prestadores de serviços não serão consideradas na determinação do
fator FAP.
D.II - 1.1.8.6 - Cálculo do Tempo de Serviço
Estão diretamente relacionadas à configuração do tempo de serviço aquelas remunerações em
cuja fórmula de cálculo está ativada a opção para progressão de tempos em tempos; ou seja, são aqueles
eventos que, quando cadastrados no módulo Folha de Pagamento, menu 1-Parâmetros, item 1.5-Cadastro
de Eventos, tiveram a opção “Tempo de Serviço” selecionada.
Para realizar o cálculo do evento configurado com a opção de tempo de serviço, o SIP
baseia-se em duas configurações determinadas na tela “informações para cálculo de tempo de serviço”,
aberta quando se aciona o botão de referência localizado ao lado da opção “tempo de serviço” da tela de
cadastro de eventos. Essas configurações são a quantidade de anos para progressão e a data base para
cálculo.
No momento do cálculo da Folha de Pagamento de determinado mês, o SIP analisa a
configuração do tipo de data que está configurada no espaço “tempo de serviço” da tela de cadastro da
empresa, tipo de data esse que determina a progressão de um adicional. Com base nessa informação, o
sistema poderá mudar a alíquota a ser aplicada com base nas datas do mês e do ano de referência ou
mesmo na data de pagamento da folha.
Para exemplificar as diferentes opções de tipo de data a ser configurada no espaço “tempo de
serviço” da tela de cadastro da empresa, considere-se a situação abaixo:
O funcionário João Carlos Pires Batista possui, além de seu vencimento mensal, um adicional
por tempo de serviço que está configurado em seu cadastro com o dia 20/06/2005 como sendo a data base
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 132

para o cálculo do tempo de serviço. A alíquota desse adicional por tempo de serviço poderá ser modificada
na execução do cálculo da Folha de Pagamento do mês 06/2010 se as informações para o cálculo estiverem
coerentes com a configuração do campo “Tempo de Serviço” no cadastro da empresa, conforme descrito a
seguir:
 Tempo de Serviço - Último Dia
Com esta opção selecionada, o SIP toma o último dia do mês como parâmetro para mudar para
a regra seguinte àquela que está sendo utilizada para o cálculo do adicional. Ou seja, no exemplo citado
acima, o sistema terá como dia de parâmetro para a mudança do adicional de tempo de serviço o dia
31/06/2010; assim, considerando-se que a data base para cômputo do tempo de serviço configurada para
esse funcionário é o dia 20/06, e considerando-se também que o dia 31/06 é posterior ao dia 20/06, o
período de tempo de serviço já estará completo na data de parâmetro para a mudança da regra do adicional
e, por isso, o SIP passará a aplicar a próxima regra no cálculo desse adicional.
 Tempo de Serviço - Primeiro Dia
Neste caso, o SIP toma o primeiro dia do mês como parâmetro para mudar para a regra
seguinte àquela que está sendo utilizada para o cálculo do adicional. Ou seja, no exemplo citado
anteriormente, o sistema terá como dia de parâmetro para a mudança do adicional de tempo de serviço o
dia 01/06/2010; assim, considerando-se que a data base para cômputo do tempo de serviço está
configurada como sendo o dia 20/06, e considerando-se que o dia 01/06 é anterior ao dia 20/06, o período
de tempo de serviço não estará completo na data de parâmetro para a mudança da regra do adicional e, por
isso, o SIP não passará a aplicar a próxima regra no cálculo desse adicional.
 Tempo de Serviço - Data de Pagamento
A seleção desta opção faz com que o SIP tome a data do pagamento da Folha de Pagamento
da empresa como parâmetro para mudar para a regra seguinte àquela que está sendo utilizada para o
cálculo do adicional. Ou seja, no exemplo já citado, o sistema terá como dia de parâmetro para a mudança
do adicional de tempo de serviço o dia que está informado no campo “Data de Pagamento” nas telas de
configuração do cálculo da Folha de Pagamento. Assim, se essa data for posterior ao dia 20/06, o SIP
efetuará a mudança de regra para o cálculo do adicional; porém, se for uma data anterior ao dia 20/06, essa
mudança não será realizada.
D.II - 1.1.9 - Outros Dados no Cadastro de Empresas
Esta aba da tela de cadastro da empresa agrupa informações gerais sobre a empresa que
serão utilizadas na exportação dos arquivos que serão gerados através das opções do item 4.8-Exportações
do menu 4-Mensais do módulo Folha de Pagamento. Algumas dessas informações são usadas para
simples controle do cadastro da empresa.
 Brasão
O brasão da entidade que está utilizando o SIP pode ser incluso neste espaço para que ser
impresso nos relatórios emitidos pelo SIP. Ao clicar sobre o espaço destinado à inclusão da imagem do
brasão, são disponibilizadas as opções para incluir uma imagem, limpar uma imagem já existente ou salvar
a imagem que tenha sido adicionada.
 Telefone e Fax
Estes campos são destinados à informação do número do telefone e do fax da empresa que é
responsável pelo envio das informações eletrônicas para os órgãos competentes. É necessário disponibilizar
estes campos, além dos que existem na aba “endereço” da tela de cadastro da empresa, pois a empresa
que é responsável pela manutenção e controle da Folha de Pagamento pode não ser a mesma empresa que
é responsável pelas informações do envio de informações por meio de exportação.
 Site e E-mail
Deve-se informar, nestes campos, o site da entidade que utiliza o SIP e o principal e-mail para
contato.
 Nome Abreviado
O nome abreviado da empresa que é responsável pelo envio das informações eletrônicas deve
ser registrado neste campo, pois essa informação fará parte dos arquivos que serão enviados para o crédito
bancário dos trabalhadores.
 Data de Encerramento das Atividades

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 133

Este campo somente deverá ser preenchido quando a empresa não desenvolver mais qualquer
atividade pelo fato de ter sido encerrada perante a Receita Federal. Observe-se que a data a ser informada
neste campo deve ser a mesma data constante no documento de baixa da empresa.
 Tipo de Empresa
Selecionar o tipo de empresa correspondente à entidade que está sendo cadastrada. Neste
campo estão disponibilizadas as opções de tipo de empresa mais utilizadas no SIP.
D.II - 1.1.9.1 - SIP RPPS
O SIP RPPS é um meio de controle das informações que são transferidas para os órgãos públicos
que possuem agentes públicos cujos benefícios ligados à seguridade social são controlados por um instituto
de previdência. Maiores informações sobre o funcionamento deste processo estão descrita no tópico D.VII -
Módulo SIP RPPS deste manual.
 Tipo de empresa perante o SIP e o SIP RPPS
No cadastro de empresas, solicita-se, para envio ao SIP RPPS, somente a informação sobre
qual o tipo de Folha de Pagamento que é calculada no órgão de origem ou no órgão de destino.
Considere-se, por exemplo, que as informações de origem são de uma prefeitura; no SIP que
controla estas informações deve ser selecionada a opção “Prefeitura Municipal”, enquanto que, no SIP do
Instituto de Previdência dessa entidade municipal que recebe os arquivos que são exportados do SIP de
origem, deve ser acionada a opção “Previdência Municipal”. É importante observar que o SIP de destino
realiza os cálculos para a Folha diferentemente da forma como o SIP de origem realiza, pois o instituto de
previdência somente efetua o pagamento do benefício durante o período em que o agente público está
afastado da prefeitura.
Por fim, se o órgão de previdência possuir trabalhadores na sua folha de pagamento, além dos
beneficiários, deve-se acionar a opção 3-Folha de Pagamento do RPPS no SIP dessa instituição.
 Código da empresa no SIP RPPS
Este campo é destinado à informação do código da empresa de origem, que, no exemplo
acima, é a prefeitura, para que o SIP de destino possa realizar a importação dos dados exportados do SIP
de origem.
É importante observar que o processo de importação dos dados da empresa de origem para a
empresa de destino deve ser realizado por meio do módulo principal do SIP, menu 1-Utilitários, item 1.8 -
SIP RPPS Importação, conforme descrito no tópico D.I.1.8 deste manual.
D.II - 1.1.10 - Assinaturas no Cadastro de Empresas
Esta aba do cadastro de empresas é destinada ao registro da assinatura de pessoas
responsáveis pela empresa. Observe-se que o sistema permite a inclusão de cinco pessoas que serão
responsáveis pela assinatura dos documentos sa empresa.
Os nomes e as funções registrados nesta aba são utilizados nos relatórios emitidos pelo
programa.
D.II - 1.1.11 - Horistas no Cadastro de Empresas
Esta aba agrupa configurações específicas para o cálculo dos trabalhadores que possuem Tipo
de Salário Contratual/Carga horária configurado. Essa configuração é determinada no módulo “Folha de
Pagamento”, menu 2-“Manutenção”, item 2.1-Cadastro de Trabalhadores, botão “Dados Cadastrais”, guia
“Admissão e Contrato”, campo “Tipo de Salário Contratual”, onde seleciona-se a opção “5-Horário”.
 Incorporar hora extra no salário de horistas?
As horas extras calculadas para um mês referência de um trabalhador cadastrado como horista
podem ser incorporadas ao seu vencimento.
Se esta opção não for selecionada, as horas extras do horista não serão acrescidas às horas
normais trabalhadas, determinando-se, assim, que o cálculo das horas extras seja realizado de forma
separada das horas normais, de forma não-acumulada, como demonstrado na figura abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 134

Diferentemente, caso esta opção seja selecionada, as horas extras do horista serão
acumuladas com as horas normais trabalhadas, sendo realizado um único cálculo, como indicado na figura
seguinte:

 Horistas - Horas Trabalhadas?


Na contratação de um horista, determina-se em seu cadastro uma carga horária fixa mensal.
Quando esta opção “horistas - horas trabalhadas” não estiver acionada, o SIP realizará os cálculos relativos
a esse trabalhador com base nessa carga horária mensal estipulada em seu cadastro. Porém, se esta opção
estiver selecionada, o sistema verificará a quantidade de horas realmente trabalhadas, conforme lançado
para aquele mês e ano referência, e realizará os cálculos com base nessa quantidade.
 Calcular Média de Férias (905)?
Quando o pagamento de Férias para os trabalhadores for realizado por meio do Recibo de
Férias (ver o tópico D.II.4.6.3 deste manual), é possível determinar que o SIP realize o cálculo de média
sobre o evento 905, que acumula os resultados de férias.
Observe-se que, caso esta opção seja selecionada, o tipo de média que será aplicado sobre o
evento 905 é aquele que está selecionado nas opções de Tipo de Média que estão configuradas no evento
905. Essa configuração deve ser determinada no módulo “Folha de Pagamento”, menu 1-“Parâmetros”, item
1.5-Cadastro de Eventos, Evento 905, campo “Tipo de Média”.
Outra configuração que deve ser realizada nesse sentido está relacionada aos parâmetros para
configuração do cargo, a ser determinada no módulo “Folha de Pagamento”, menu 1-“Parâmetros”, item
1.9-Cadastro de Cargos, tela “Cadastro de cargos”, campo “calcular média de férias - 905?”.
Portanto, para que o cálculo da média sobre o evento 905 seja realizada pelo SIP para
determinado trabalhador, é necessário que esta opção esteja selecionada no cadastro do cargo desse
trabalhador e também na aba “horistas” da tela de cadastro da empresa.
D.II - 1.1.12 - Configuração do Cálculo de Folha Complementar no Cadastro de Empresas

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 135

O cálculo de folha complementar é realizado quando, por exemplo, determinadas


remunerações deixaram de ser lançadas ou quando houve um erro na apuração do cartão de ponto e, em
consequência, os trabalhadores não receberam os valores referentes às horas-extras trabalhadas.
Em situações como essas, o usuário deve utilizar o cálculo da folha complementar para pagar
imediatamente o valor devido em atraso ao trabalhador. Observe-se que esse tipo de cálculo possui o seu
próprio crédito bancário e o seu próprio resumo contábil, podendo ser realizado não por mês, mas por data.
Recomenda-se, para a emissão do recibo desse tipo de pagamento, a utilização do modelo administrativo
descrito no tópico D.II.4.1 deste manual.
É importante atentar para o fato de que nenhum encargo (IRRF, Previdência, FGTS) será
calculado em relação aos provimentos pagos na folha complementar, pois esses encargos serão apurados
apenas no cálculo mensal posterior. O cálculo deve ser realizado dessa maneira por conta dos prazos
estabelecidos pelos órgãos governamentais para o recebimento de informações, como é o caso, por
exemplo, da obrigação de enviar informações da folha de pagamento para o SEFIP. Em razão disso, é
necessário configurar alguns eventos para que sejam pagos na Folha Complementar e, posteriormente,
sejam demonstrados na folha de pagamento do próximo mês e ano referência.
Existem dois tipos de demonstração, na folha posterior, dos eventos já lançados na folha
complementar: no primeiro tipo são exibidos evento por evento no cálculo mensal posterior, enquanto que no
segundo tipo é exibido apenas um evento que agrupa todos as diferenças e os valores pagos na folha
complementar.
Há, também, dois tipos de cálculo da folha COMPLEMENTAR OU POSTERIOR??, quais
sejam, aquele em que o usuário indica ao sistema qual(is) o(s) evento(s) que deve(m) ser pago(s) e aquele
em que o usuário determina que o sistema pague a diferença de qualquer evento.
As especificidades de cada tipo de demonstração e de cada tipo de cálculo são descritas a
seguir.
 Discriminar Eventos da Folha Complementar na Folha Posterior
Esta opção tem a finalidade de suprir a ausência do cálculo dos encargos de IRRF, FGTS e
Previdência na Folha complementar, acrescentando esses valores na folha mensal do mês posterior ao
cálculo da folha complementar.
Considere-se, como exemplo, uma Folha de Pagamento Mensal que foi paga no dia 29/01/2010
sem a realização dos lançamentos de horas extras. Essas horas extras podem ser lançadas numa Folha
Complementar para o mês de Janeiro de 2010, na data do dia 30/01/2010. No cálculo dessa folha
complementar, o SIP demonstra somente o valor das horas extras trabalhadas como remuneração, sem
calcular os encargos incidentes sobre esse valor.
Posteriormente, no cálculo da Folha Mensal da referência 02/2010, se esta opção “discriminar
eventos da folha complementar na folha posterior” estiver acionada, a hora extra calculada na folha
complementar será lançada novamente na lista das remunerações referentes ao mês 02/2010 e o SIP
calculará o valor dos encargos da Folha Mensal de fevereiro sobre o valor total dessas remunerações
(incluindo, portanto, o valor das horas extras). Todavia, deve-se observar que o valor das horas extras não é
pago novamente ao trabalhador, sendo utilizado apenas para o cálculo dos encargos que não foram
calculados na folha complementar.
Contudo, se esta opção não estiver acionada, o pagamento da hora extra será informado
apenas na Folha Complementar, não sendo descrito no cálculo da folha mensal da referência posterior.
Dessa forma, o pagamento das horas extras é omitido aos órgãos governamentais competentes e as
contribuições incidentes sobre essa remuneração não são calculadas e, consequentemente, deixam de ser
recolhidas.
 Configuração de Eventos de Demonstração
Na parte inferior esquerda da tela há um botão denominado “Eventos demonst.”, utilizados para
demonstrar os eventos de folha complementar. Quando esse botão é acionado, abre-se a tela de cadastro
de eventos complementares, que corresponde à mesma tela que está descrita no tópico D.II.1.18.7 deste
manual.
Acionando-se o botão “inserir” desta tela, o sistema solicita ao usuário a informação de três
tipos de eventos, nos três campos disponibilizados, para a realização dos cálculos.
Para facilitar o entendimento dessa tela, nomeiam-se, abaixo, três eventos para serem usados
em todas as situações:
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 136

X - Evento de Provento, a ser informado no campo “Evento Normal” como sendo “Evento da
Folha Complementar”: este evento é pago na folha complementar, independentemente da incidência de
encargos, pois o cálculo da Folha Complementar ignora qualquer tipo de configuração nesse sentido;
Y - Evento de Provento, a ser informado no campo “Evento de demonstração em
VENCIMENTOS” como sendo “Evento de Demonstração na Folha Mensal Posterior”: este evento repete o
valor do evento X, lançado na folha complementar, e será acumulado na base de cálculo da Folha Posterior
para que sobre ele incidam os encargos devidos (caso a lei que criou essa remuneração preveja a incidência
de encargos sociais sobre o seu valor);
Z - Evento de Desconto, a ser informado no campo “Evento de demonstração em
DESCONTOS” como sendo “Evento de Demonstração na Folha Mensal Posterior”: este evento repete o
valor do evento X, lançado na folha complementar, e, sendo lançado como desconto na Folha de pagamento
do mês posterior, tem a finalidade de abater o valor que já foi pago na Folha Complementar e que foi
acrescentado nos vencimentos desta folha posterior para o cálculo dos encargos, a fim de não gerar novo
pagamento para o trabalhador. Observe-se que os encargos sociais são incidem sobre esse evento.
É importante atentar para o fato de que o valor das remunerações pagas na folha
complementar só é lançado novamente na folha de pagamento posterior para o cálculo dos encargos
devidos.
A figura abaixo demonstra o preenchimento dos campos da tela de cadastro de eventos
complementares com os eventos exemplificados acima:

Para melhor explicar o lançamento dos eventos acima numa folha complementar e numa folha
mensal posterior, utiliza-se o seguinte exemplo: uma entidade necessita lançar, em folha complementar para
o mês de Janeiro de 2010, o valor de R$ 50,00 referente às horas extras devidas a um trabalhador. Nessa
situação, o SIP realiza o seguinte cálculo:
1) Folha Complementar de 01/2010:
Lançamento apenas do evento X - Evento de Provento, no valor de R$ 50,00, sem a aplicação
de encargos, como ilustra a figura abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 137

2) Folha Mensal de 02/2010:


Para que o valor líquido deste exemplo não seja negativo, assume-se que o trabalhador em
questão também possui um vencimento de R$ 1.158,00 a ser lançado neste mês de fevereiro. Assim, nessa
referência, seria demonstrado:
Salário Base = R$ 1.158,00, sobre o qual incidem os encargos;
Evento Y = R$ 50,00, lançado como provento, repetindo o valor das horas extras lançadas na
folha complementar como evento X, sobre o qual serão calculados os encargos que não foram calculados
na Folha Complementar;
Evento Z = R$ 50,00, lançado como desconto, a fim de abater, do valor dos vencimentos desta
folha mensal posterior, o valor que a ela foi acrescentado pelo evento Y e que já foi pago ao trabalhador por
meio da Folha Complementar de 01/2010;
Encargos de Previdência, conforme tabela em vigência no mês e ano referência = (evento
salário base R$ 1.158,00 + evento Y R$ 50,00) = R$ 1.208,00 x 9% = R$ 108,72.
Valor líquido da folha mensal 02/2010: proventos (salário base R$ 1.158,00 + evento Y R$
50,00) - descontos (evento Z R$ 50,00 + previdência R$ 108,72) = R$ 1.208,00 - R$ 158,72 = R$ 1.049,28.
Observe-se, na demonstração do cálculo acima e na figura da folha mensal abaixo, que o valor
das horas extras já pago na folha complementar de 01/2010 não foi pago novamente na folha mensal de
02/2010, pois o valor acrescido na folha 02/2010 pelo evento Y foi descontado pelo evento Z:

É importante lembrar que, para fins contábeis a remuneração abatida no evento Z já foi
contabilizada quando do pagamento da folha complementar. Portanto, a configuração desse evento no menu
1..5 deve ser acionada a opção “descontar do total a empenhar” do espaço “diversos”. Logo, no resumo
contábil da folha de pagamento, esse valor já está abatido do total bruto.
D.II - 1.1.12.1 - Tipos de Folha Complementar

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 138

O lançamento mais comum de folha complementar é aquele realizado eventualmente pelo fato
de alguma remuneração devida não ter sido lançada na folha de pagamento mensal. Porém, no caso, por
exemplo, de uma alteração de salário retroativa, em que há a necessidade de se comparar os valores atuais
com os valores de meses anteriores, também é possível que se utilize a folha complementar.
Diante dessa possibilidade de se utilizar a folha complementar para mais de uma finalidade, o
SIP disponibiliza três tipos de cálculos de folha complementar, conforme descrito a seguir:
 Tipo de Folha Complementar 1 - Somente Eventuais
Este tipo de folha complementar é o mesmo descrito no tópico ”Configuração de evento de
demonstração”. Para fazer um lançamento deste tipo de Folha de Complementar, deve-se realizar o
seguinte procedimento:
Na aba “Folha complementar” da tela de cadastro da empresa, deve-se selecionar, no espaço
“Tipo de folha complementar”, o tipo “1-Somente eventuais” e selecionar a opção ”discriminar eventos da
folha complementar na folha posterior”. Os eventos a serem lançados na folha complementar devem ter sido
criados no cadastro de eventos, por meio do item 1.5-Cadastro de Eventos do menu 1-Parâmetros do
módulo Folha de Pagamento.
Para que os eventos que serão lançados na folha complementar sejam demonstrados na folha
mensal posterior, deve-se acessar a tela para lançamentos dos eventos para folha complementar, por meio
do item 2.8-Eventuais Folha Complementar do menu 2-Manutenção do módulo Folha de Pagamento, e
efetuar o lançamento do evento de provento para demonstração na Folha complementar; no exemplo
descrito no tópico acima, esse evento é o Evento X, equivalente ao lançamento de horas extras.
No lançamento da folha complementar, deve-se indicar a referência que será complementada;
no exemplo em questão, essa referência é a Folha mensal de Janeiro de 2010. Também deve-se informar o
trabalhador que receberá essa remuneração complementar.
Na folha complementar é lançada a quantidade, o valor ou a porcentagem do evento de acordo
com o tipo de configuração criada no cadastro do evento que está sendo lançado, tendo em vista que o SIP
utiliza, no cálculo da folha complementar, as mesmas configurações dos eventos utilizadas para o cálculo de
uma folha normal.
Para que a Folha Complementar possa ser calculada com sucesso, a data de pagamento do
lançamento eventual e a data de pagamento que será informada no momento do cálculo, na tela para
cálculo da Folha Complementar (acessada por meio do item 3.3-Cálculo da Folha Complementar do menu
3-Cálculos do módulo Folha de Pagamento), devem ser obrigatoriamente a mesma.
Na tela de cálculo da Folha Complementar também deve-se observar o campo para
demonstração de folha posterior, que, no exemplo utilizado, deve corresponder a Fevereiro de 2010.
Depois que a folha complementar tenha sido calculada, conferida e paga, aconselha-se que a
folha de pagamento do próximo mês e ano referência seja calculada para que se verifique se o provento e o
desconto da Folha Complementar foram lançados.
Diferentemente do exemplo citado anteriormente, o SIP também disponibiliza a possibilidade de
gerar uma folha de pagamento complementar das remunerações atrasadas e de realizar o pagamento dos
encargos incidentes sobre elas sem que esses encargos sejam demonstrados em referência posterior.
Entretanto, esse recurso somente pode ser utilizado quando o mês e o ano referência ainda não foi fechado
contabilmente.
O cálculo dessa folha complementar com encargos será realizado somando-se as bases de
cálculo de FGTS, de contribuições previdenciárias e de IRRF utilizadas nos cálculos realizados nos meses
anteriores ao mês referência. Observe-se que o cálculo realizado para a folha complementar com encargos
é o mesmo cálculo que o SIP realizada no recibo de férias; ou seja, o FGTS, as contribuições
previdenciárias e o IRRF são calculados de forma proporcional sobre os valores das remunerações
atrasadas, que correspondem a uma base suplementar desses encargos em relação aos valores que já
tenham sido recolhidos anteriormente ao mês referência.
Assim como nos outros tipos de folha complementar, o lançamento dos eventos que compõem
a folha complementar de encargos deve ser realizado por meio do menu 2-Manutenção, item 2.8-Eventuais
Folha Complementar.
 Tipo de Folha Complementar 2 - Geral Evento / Evento e Tipo de Folha Complementar
3 - Geral um Evento

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 139

O tipo de folha complementar “2-Geral Evento/Evento” pode ser usado quando acontece, por
exemplo a seguinte situação: uma nova vantagem foi adicionada aos trabalhadores de determinada
categoria, porém houve uma falha no cálculo da folha de pagamento mensal, pois não foi indicado que esse
novo evento faria parte da base de cálculo das horas-extras e, em razão dessa folha, todos os trabalhadores
receberam um saldo menor de horas extras em relação ao valor que lhes era devido..
Depois que a configuração desse evento for corrigida, a folha complementar poderá ser
calculada, de tal forma que se calcule novamente o valor do evento já lançado na folha mensal e, em
seguida, comparem-se esses novos valores com os valores lançados anteriormente e, assim, apenas a
diferença entre eles seja lançado a título desse mesmo evento na folha complementar.
Assim, considere-se, por exemplo, que a entidade concedeu um aumento de salário aos seus
funcionários no dia 27 de fevereiro, sendo que a folha de pagamento foi encerrada no dia 25 de fevereiro.
Nesse caso, o usuário deve cadastrar o aumento de salário no SIP e escolher esta opção de folha
complementar 2; com isso, o próprio sistema verificará que houve aumento de salário e lançara
automaticamente esta diferença de salário de fevereiro em folha complementar, para ser paga de forma
retroativa.
Para utilizar esse recurso, a configuração dos eventos de demonstração deve ser realizada
previamente, indicando quais os eventos devem ser pagos na folha complementar e quais devem ser
mostrados na próxima referência. Além disso, para que esses eventos sejam demonstrados separadamente
na folha complementar, deve-se configurá-los linha a linha no momento da inclusão de eventos.
Por sua vez, para utilizar o tipo de folha complementar “3-Geral um evento”, basta configurar
um evento só para demonstração na folha complementar e na folha mensal posterior e outro evento para ser
demonstrado como desconto na folha mensal da próxima referência. Dessa forma, o SIP acumulará todas
as diferenças analisadas nele e demonstrará no cálculo da Folha Complementar.
Para os tipos de Folha Complementar “2-Geral Evento/Evento” e “3-Geral um Evento” não é
necessário lançar eventos no controle de lançamentos eventuais para folha complementar, pois o sistema
simplesmente verificará o cálculo realizado na folha da mesma referência para a qual está sendo calculada a
folha complementar e, havendo diferença, essa será lançada na Folha Complementar.
 Eventos Checar
Quando solicitado o pagamento de uma folha complementar do tipo “2-Geral Evento/Evento” ou
do tipo “3-Geral um Evento”, pode-se determinar, através desse cadastro, quais os eventos que devem ser
verificados para que sejam lançados na folha complementar. Sendo assim, somente os eventos que
estiverem adicionados na lista apresentada quando se aciona o botão “eventos checar” serão analisados e,
sendo constatada alguma diferença desse valor, essa diferença será lançada nona Folha Complementar.
 Comparar apenas eventos que existem nos dois cálculos
Considere-se, por exemplo, uma situação em que houve a inclusão, na folha complementar, de
uma nova remuneração que deveria ter sido calculada em uma referência anterior, mas que não o foi. Nesse
caso, se a opção “comparar apenas eventos que existem nos dois cálculos” for selecionada, o SIP, ao
realizar os cálculos de uma folha complementar do tipo “2-Geral Evento/Evento” ou do tipo “3-Geral um
Evento”, fará a comparação apenas entre os valores dos eventos que já haviam sido lançados na referência
anterior, e lançará apenas a diferença observada entre esses valores.
Diferentemente, se esta opção não for acionada, o SIP realizará o pagamento integral desse
novo evento incluso na Folha de Pagamento, pois ele não havia sido lançado na folha de pagamento do mês
e ano de referência anterior.
 Considerar Salário
Na situação em que forem utilizados os tipos de Folha Complementar “2-Geral Evento/Evento”
e/ou “3-Geral um Evento”, o SIP poderá recalcular os eventos utilizando, na fórmula de cálculo, a referência
salarial que consta no cadastro do trabalhador na data de cálculo da folha complementar ou a referência
salarial considerada no lançamento da folha mensal da referência que está sendo complementada. Ou seja,
determina se o evento a ser utilizado na fórmula de cálculo deve ser o salário anterior, sem o valor do
aumento, ou o salário que foi considerado na folha complementar, com o valor do aumento concedido. Essa
última opção é muito útil quando o aumento de salário a ser lançado na folha complementar é retroativo.
D.II - 1.1.12.2 - Folha Complementar de Rescisão
Folha complementar de Rescisão é uma folha complementar que representa um tipo de cálculo
especial que pode e deve ser pago e empenhado imediatamente. É utilizado quando, por exemplo, for
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 140

necessário pagar verbas indenizatórias que não foram pagas no momento da rescisão do contrato de
trabalho.
Diferentemente da Folha Complementar Mensal, os encargos incidentes sobre as
remunerações pagas por meio da folha complementar de rescisão serão calculados nesta própria folha
complementar, pois não há configuração de demonstração posterior, tendo em vista que, rescindido o
contrato de trabalho, não haverá pagamento de folha mensal posterior.
Para questões de cálculos da folha complementar de rescisão, deve ser selecionado o tipo de
folha complementar “1-Somente Eventuais”.
O lançamento da folha complementar de rescisão deve ser realizado conforme as instruções
descritas no tópico D.II.3.8 deste manual. É importante observar, no momento da sua realização, que, no
controle de referência localizado no canto superior direito do módulo Folha, esteja indicado o mês e o ano de
referência correspondentes ao da rescisão que deve ser complementada. Porém, a data informada na tela
de cálculo da folha complementar de rescisão como sendo a data de pagamento das verbas lançadas nessa
folha complementar deve corresponder à data em que essas verbas serão indicadas como pagas na
contabilidade da entidade.
Outro detalhe que deve ser observado no lançamento de eventos para a folha complementar de
rescisão é a necessidade de se selecionar a opção “lançar contrato inativo” quando o trabalhador estiver
demitido.
D.II - 1.1.13 - Dados para o 13º Salário no Cadastro de Empresas
Esta aba da tela de cadastro da empresa é destinada às configurações gerais para o
pagamento do décimo terceiro salário aos empregados da empresa que está sendo cadastrada.
O décimo terceiro salário é um direito garantido aos trabalhadores pelo art. 7º, inciso VIII da
Constituição Federal de 1988. Originalmente chamado de “gratificação de Natal”, o décimo terceiro salário
consiste no pagamento de um salário extra ao trabalhador no mês de dezembro de cada ano,
independentemente da remuneração a que fizer jus pelo mês de trabalho, conforme determina o art. 1º da
Lei nº. 4.090/62.
O §1º do art. 1º da mesma lei determina que o valor do décimo terceiro salário deve
corresponder a 1/12 avos da remuneração devida em dezembro, por mês de serviço, do ano
correspondente. Para o cálculo dessa remuneração, considera-se como um mês integral de serviço a fração
igual ou superior a 15 (quinze) dias de trabalho, por determinação do §2º do mesmo dispositivo legal. Sendo
assim, o trabalhador deixa de ter direito a 1/12 avos relativos a um mês de trabalho quando tiver mais de 15
faltas não justificadas em um mesmo mês.
Portanto, o décimo terceiro salário é calculado a partir da seguinte fórmula:
(valor do salário de dezembro / 12) x nº de meses (avos) trabalhados durante o ano
As médias dos demais rendimentos, como hora extra e comissões adicionais, também são
somadas ao valor do salário usado como base para o cálculo do décimo terceiro.
A Lei nº. 4.749/65 determina que o décimo terceiro seja pago em duas parcelas, da seguinte
forma:
a) a primeira deve ser paga entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano, na forma de
um adiantamento do 13º salário. Esse adiantamento corresponde à metade do salário recebido pelo
trabalhador no mês anterior ao do pagamento; assim, por exemplo, se o adiantamento é pago em
novembro, deve corresponder à metade do valor do salário do mês de outubro.. O prazo máximo para a
realização desse adiantamento é o dia 30 de novembro. O pagamento dessa primeira parcela também pode
ocorrer por ocasião das férias do empregado, desde que o empregado o requeira no mês de janeiro do ano
correspondente, conforme previsão do art. 2º, §2º da Lei nº. 4.749/65.
Observe-se que o §1º do art. 2º da mesma lei prescreve que o empregador não está obrigado a
pagar o adiantamento do 13º salário a todos os seus empregados no mesmo mês. Ressalta-se, ainda, que a
inflação ou o aumento de salário não incidem na parcela já antecipada do décimo terceiro salário. O valor da
antecipação, para efeito de compensação futura, se manterá fixo em reais, não podendo ser atualizado
monetariamente;

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 141

b) a segunda metade do valor do 13º salário deve ser paga até o dia 20 de dezembro de cada
ano, compensando-se a importância que já foi paga a título de adiantamento, sem nenhuma correção
monetária, de acordo com a prescrição do art. 1º da Lei nº. 4.749/65.
Caso as datas máximas estipuladas em lei para o pagamento das parcelas do 13º salário
correspondam a domingos ou feriados, esses pagamentos devem ser antecipados para o último dia útil
anterior a essas datas.
Para o trabalhador que, no mês de dezembro, ainda não tiver completado mais de um ano de
contratação, o décimo terceiro salário será pago na proporção de 1/12 avos por mês de serviço trabalhado
ou por fração de mês igual ou superior a 15 dias, contados, retroativamente, a partir do dia 31 de dezembro
do ano em curso. Da mesma forma, para o trabalhador cujo contrato de trabalho for extinto antes do mês de
dezembro, o décimo terceiro salário será pago de forma proporcional, conforme determina o art. 1º, §3º,
inciso I da Lei nº. 4.090/62.
Feitas essas considerações iniciais, passa-se a descrever, a seguir, as opções disponibilizadas
pelo sistema na aba “13º salário” da tela de cadastro da empresa para a configuração do pagamento dessa
verba trabalhista.
A) Adiantamento 13º Salário (1ª Parcela)
O 13º salário em determinadas entidades pode ser pago em duas parcelas, sendo a primeira
denominada adiantamento do 13º salário, podendo ser realizada do mês de fevereiro até o dia trinta de
novembro de um exercício (ano referência) .
 Calcular médias no adiantamento do 13º salário
Assim como foi explicado no tópico destinado às informações sobre os cálculos de férias, o SIP
pode realizar várias ações com as médias dos trabalhadores.
A seleção desta opção “calcular médias no adiantamento do 13º salário” solicita ao sistema que
o cálculo de médias seja efetuado para os eventos que pertencem ao ano corrente e que estão cadastrados
no sistema com as opções de média configuradas, conforme o procedimento descrito no tópico D.II.1.5
deste manual. O valor resultante desse cálculo de média pode ser demonstrado de diferentes maneiras,
conforme as opções determinadas na caixa de seleção para amostragem da média.
A.1) Amostragem das Médias
Quando a média é calcula, é possível demonstrá-las de duas formas distintas: podem ser
indicadas nos eventos automáticos do SIP ou nos eventos, de forma separada, com a descrição de média à
frente de seu nome.
Os tipos de média disponibilizados pelo sistema necessita que um item seja utilizado em
conjunto com outros. Por isso, descreve-se primeiramente algumas opções, cuja atuação é importante na
demonstração média do 13º, para que se possa compreender melhor as outras opções da tela do 13º
salário.
 Acumular 13º Salário em um evento (13º Salário Geral)
A amostragem “1-Não Mostrar Média (acumular)” trabalha em conjunto com a opção “Acumular
13º Salário em um Evento”, que é acionada nas opções para configuração do Fechamento do 13º salário,
descrita no item B-13º Salário Geral deste mesmo tópico..
Quando se solicita ao SIP que acumule o 13º Salário nos eventos do sistema, o evento que foi
padronizado na elaboração do SIP será demonstrado nos cálculos. Esse evento pode ser:
* evento 911 - 13º salário (utilizado no cálculo do fechamento do 13º salário);
* evento 912 - 13º Salário Adiantado (utilizado no cálculo do adiantamento do 13º Salário);
* evento 913 - 13º Salário Proporcional (utilizado nos cálculos de rescisão de contrato);
* evento 914 - 13º Salário Maternidade (utilizado para separar o período em que a trabalhadora
estava de licença maternidade, para fins de encargos com a previdência).
 1 - Não mostrar média (acumular)
Se esta opção for selecionada em conjunto com a opção “acumular 13º salário em um evento”,
o valor resultante do cálculo de média será demonstrando com o resultado da soma do 13º salário e do valor
da média.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 142

Observe-se o exemplo descrito abaixo:


João Carlos Pires Batista recebe seu adiantamento de 13º salário em novembro, cujo valor é
calculado sobre o seu vencimento mensal de R$ 2.062,50. Além disso, o SIP apurou, para esse funcionário,
de acordo com as suas configurações, um valor sobre médias de R$ 53,13. Considerando-se que o cálculo
desse adiantamento será feito de acordo com a configuração das opções “acumular 13º salário em um
evento” e “não mostra média (acumular)”, esse cálculo é realizado da seguinte forma:
1) o adiantamento do 13º salário corresponde a 50 % do valor do salário mensal do funcionário:
R$ 2.062,50 x 50% = R$ 1.031,25
2) ao valor do adiantamento do 13º salário, soma-se o resultado da média:
R$ 1.031,25 (adiantamento) + R$ 53,13 (média apurada) = R$ 1.084,38
O valor apurado é demonstrado nos eventos automáticos do SIP. Nesse exemplo, por se tratar
de informações sobre o adiantamento do 13º salário, esse valor será demonstrado no evento 912 - 13º
Salário Adiantado, como ilustra a figura abaixo:

 2 - Mostrar média conforme eventos do usuário


Com a seleção desta opção, o SIP realizará o mesmo cálculo do adiantamento do 13º salário
acrescido da média, conforme descrito no item anterior. Porém, neste caso, o valor da média será
demonstrado no evento ao qual essa média corresponde. No exemplo em questão, essa média se refere às
horas extras 100% pagas ao funcionário.
Logo, se, no cadastro do funcionário, existir mais de um evento que esteja configurado para o
cálculo de médias e que influenciem no cálculo do 13º salário, cada um desses eventos serão discriminados
individualmente no recibo do adiantamento, como indicado na figura abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 143

 3 - Mostrar média conforme eventos do sistema


Esta opção determina que o valor da média seja acumulado nos eventos para média do SIP,
quais sejam: evento 931 - Média para o adiantamento do 13º Salário e evento 935 - Média para o
fechamento do 13º Salário.
Na figura abaixo, pode-se observar o lançamento do adiantamento do 13º salário no evento 912
e, separadamente, o lançamento do valor da média no evento 931. Caso este cálculo fosse referente ao
fechamento do 13º salário, o valor da média seria demonstrado no evento 935.

 Calcular para remanescentes até novembro


Como já dito anteriormente, o empregador não está obrigado a pagar o adiantamento do 13º
salário a todos os funcionários no mesmo mês (art. 2º, §1º da Lei nº. 4.749/65). Ou seja, o adiantamento do
13º salário pode ser calculado separadamente para qualquer funcionário ou mesmo em conjunto para vários
trabalhadores que possuam critérios iguais de cálculo no seu cadastro, sendo possível que o pagamento
desse valor seja efetuado entre o dia 1º de janeiro e o dia 30 de novembro de um ano referência. Diante
dessa faculdade, algumas entidades costumam pagar o adiantamento do 13º salário junto com o
fechamento da folha mensal do mês de aniversário do trabalhador.
Portanto, considerando-se, como exemplo, uma entidade que tenha realizado os pagamentos
dos adiantamentos do 13º salário em diferentes meses, se esta opção “calcular para remanescentes até
novembro” estiver selecionada e se realizar o cálculo da Folha do Adiantamento do 13º Salário através do
item 3.4-Cálculo do Adto do 13º Salário do menu 3-Cálculo, o SIP verificará quais os trabalhadores que já
receberam esse adiantamento e, então, lançará o pagamento do adiantamento para todos os trabalhadores
que ainda não receberam essa primeira parcela do 13º salário.
 Porcentagem do adiantamento do 13º Salário
Neste campo deve ser indicada a porcentagem a ser aplicada no cálculo do adiantamento do
13º salário, sendo possível alterar a porcentagem padrão de 50% informada pelo sistema.
B) 13º Salário Geral
Como dito anteriormente, a segunda metade do valor do 13º salário, chamada de “Fechamento
do 13º salário”, deve ser paga até o dia 20 de dezembro de cada ano, compensando-se a importância que já
foi paga a título de adiantamento, sem nenhuma correção monetária.
O cálculo do 13º Salário é realizado na tela de cálculo disponível no módulo Folha de
Pagamento, menu 3-Cálculos, item 3.5-Cálculo do Fechamento do 13º Salário Parcela Final.
Assim com no cálculo do adiantamento do 13º salário, poderão ser realizadas algumas
configurações que influenciarão neste cálculo, conforme descrito abaixo:
 Acumular 13º Salário em um evento
Esta opção modifica a demonstração dos valores do 13º salário tanto para a primeira parcela
quanto para a parcela final.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 144

Quando acionada, o SIP mostra o valor do 13º salário de forma acumulada no evento 911 - 13º
salário, caso se trate da parcela final, ou no evento 912 - 13º salário adiantado, no caso de ser o primeiro
pagamento. Observe-se que a seleção desta opção “acumular” alterada a denominação do evento de
“salário base” para “13º salário”.

Se esta opção não estiver selecionada, o SIP não acumula o valor em um evento, e passar a
mostrar o valor do cálculo do 13º salário separadamente, de acordo com cada evento utilizado nos cálculos
da folha mensal, como se verifica na figura abaixo.

 Divisor do 13º Salário é o Mês do Cálculo


Esta opção determina se, no cálculo do 13º salário, deve-se realizar uma projeção para todo o
ano referência, considerando-se que o trabalhador não incorrerá em nenhum abatimento para contagem de
avos nos meses seguintes até o mês de dezembro (ou seja, meses posteriores à data do cálculo e não
calculados), ou se o 13º salário será pago proporcionalmente até o mês em que essa remuneração está
sendo calculada.
Para melhor entender esta função, adote-se o seguinte cenário: o pagamento do 13º salário do
funcionário João Carlos Pires Batista será realizado em agosto de 2010. Esse funcionário não possui, em
sua ficha financeira, faltas ou qualquer evento de abatimento para contagem de avos em relação aos meses
de Janeiro a Agosto.
Quando esta opção “Divisor do 13º salário é o mês do cálculo” é selecionada (“sim”), o SIP
realiza o cálculo do 13º salário em forma de projeção; ou seja, no cálculo dessa remuneração será
considerado que o funcionário trabalhará até o dia 31 de dezembro do ano referência, e que, dessa forma,
deve ser pago o valor integral do 13° salário, como demonstrado na figura abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 145

Diferentemente, se esta opção estiver desmarcada (“não”), o SIP realizará o cálculo do 13º
salário proporcionalmente ao avo do mês em que está sendo realizado o cálculo da Folha de Pagamento do
13º salário. Isso significa que o sistema não considerará se o funcionário trabalhará ou não até 31 de
dezembro; ao invés disso, tomará como base os meses efetivamente trabalhados até o momento do
pagamento do 13º salário. Assim, considerando-se o exemplo citado acima, em que o funcionário trabalhou
de janeiro a agosto de 2010, o 13º salário será calculado proporcionalmente em relação aos oito meses
trabalhados, como demonstrado a seguir:

1) salário mensal (base de cálculo para o 13º salário): R$ 2.062,50


2) valor do 13º salário relativo a um mês de trabalho (um avo): R$ 2.062,50 / 12 meses =
R$171,88
3) valor do 13º salário correspondente a oito meses de trabalho: R$ 171,88 x 8 meses =
R$1.375,00
Para melhor esclarecer o funcionamento deste recurso do SIP, observe-se um segundo
exemplo envolvendo o mesmo funcionário João Carlos Pires Batista. Considere-se que esse funcionário
trabalhou integralmente os meses de janeiro e fevereiro de um ano referência, mas que, no mês de março,
teve faltas suficientes para abater o avo referente ao mês de março do cálculo do 13º salário e que a
entidade optou por pagar o 13º salário desse funcionário nesse mesmo mês de março.
Se esta opção “Divisor do 13º salário é o mês do cálculo” estiver selecionada (“sim”), o sistema
considerará o ano inteiro de trabalho, ou seja, 12 avos, abatendo-se o avo referente ao mês de março. Ou
seja, o 13º salário pago em março será calculado com base em 11 avos de trabalho. Assim, caso o contrato
de trabalho desse funcionário venha a ser rescindido em setembro desse mesmo ano, a entidade deverá
lançar, na folha de pagamento da sua rescisão, um evento de desconto referente aos três meses de trabalho
que foram considerados no cálculo do 13º salário, mas que não foram efetivamente trabalhados (outubro,
novembro e dezembro).
Diferentemente, se esta opção não estiver selecionada (“não”), o sistema considerará apenas
os avos efetivamente trabalhados até o momento do pagamento do 13º salário. Ou seja, se o pagamento,
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 146

vai ser efetuado em março e o avo desse mês de março não será considerado em razão das faltas do
funcionário, o cálculo do 13º terá como base apenas os avos dos meses de janeiro e de fevereiro. Assim,
caso esse funcionário venha a ser demitido em setembro desse mesmo ano, na folha de pagamento da sua
rescisão deve ser lançado o pagamento do 13º salário referente aos meses de abril a setembro.
 Calcular média no fechamento
As opções descritas anteriormente sobre a utilização da média do 13º salário no cálculo do
adiantamento do 13º salário também podem ser utilizadas no cálculo da última parcela do 13º salário.
Entretanto, é importante lembrar que, nesse caso, a média mostrada no evento do sistema será acumulada
pelo sistema no evento 935 - Média do Fechamento do 13º salário.
 Incluir eventuais lançados no mensal
Se esta opção estiver selecionada, os eventuais diversos lançados no módulo Folha de
Pagamento, menu 2-Manutenção, item 2.6-Eventuais Diversos para o tipo de folha de pagamento mensal
podem ser inclusos nos cálculos o 13º salário, desde que esses eventos estejam configurados para o
pagamento do 13º salário. Ou seja, não são todos os eventos que estão cadastrados em eventuais diversos
que serão incluídos na base de cálculo do 13º salário.
D.II - 1.1.13.1 - Complemento do 13º Salário
Geralmente, a Folha de pagamento do 13º salário é calculada antes da Folha Mensal de
dezembro e, por conta disso, as remunerações relativas a lançamentos eventuais, como as horas extras, por
exemplo, não são inclusas na base de cálculo do 13º salário. Por isso, logo após o cálculo dessas duas
folhas, é possível que se realize o complemento do 13º salário, que nada mais é do que uma Folha
Complementar que analisa cada um dos eventos que deveriam ter feito parte da base de cálculo do 13º
salário e mostra, como resultado, os valores que devem ser lançados para o funcionário de forma
complementar.
Portanto, o recurso de “complemento do 13º salário” deve ser utilizado para calcular a diferença
entre as remunerações que foram consideradas no cálculo do 13º salário já pago ao funcionário e as
remunerações que deveriam ter feito parte dessa base de cálculo se o 13º salário fosse pago no dia 20 de
dezembro do ano referência, com a folha mensal de dezembro já calculada.
Considere-se, assim, o seguinte exemplo:
Primeiramente, é calculada a Folha do 13º salário no dia 20 de dezembro de 2010, anterior a
Folha de Pagamento do mês de dezembro, tendo como base de cálculo apenas o salário base de R$
2.062,50, conforme ilustrado abaixo:

Em seguida, quando a folha de pagamento da referência mensal 12/2010 é calculada,


realiza-se um lançamento de horas extras no valor de R$ 187,50, como indicado a seguir:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 147

Acionando-se a opção “complemento do 13º salário”, no cadastro da empresa, o SIP realizará a


comparação dos valores que foram calculados na folha mensal de dezembro, posteriormente ao fechamento
do 13º salário, e demonstrará esse resultado na forma do evento 938-Complemento do 13º Salário. No
exemplo utilizado, esse evento 938 corresponderá ao valor das horas extras lançadas na referência 12/2010.
Observe-se, na figura abaixo, que o lançamento desse complemento do 13º salário gera reflexos no valor da
Previdência e do IRRF calculados:

Na aba “13º salário” da tela de cadastro da empresa há algumas opções para configurar o
lançamento do complemento do 13º salário.
 Tipo de Complemento do 13º Salário
Este espaço tem a função de determinar em qual mês será demonstrado o complemento do
13º salário, conforme as opções descritas a seguir. Porém, note-se que, caso não se deseje utilizar esse
recurso do sistema, basta selecionar a opção “0-Não Calcular”, deste campo.
1 - Calcular na folha mensal do mesmo mês
Esta configuração é a que foi utilizada no exemplo mencionado logo acima; ou seja, a sua
seleção determina que o pagamento do 13º salário seja realizado no mês de dezembro e que o
complemento do 13º salário seja lançado na Folha Mensal do mês de dezembro. Verifica-se, portanto, que
todo o processo (pagamento do 13º salário, cálculo da folha mensal e lançamento do complemento do 13º
salário) é realizado em um mesmo mês e ano referência.
2 - Calcular na folha mensal de ano posterior
Quando esta opção é selecionada, o complemento do 13º salário será discriminado na primeira
referência que for calculada no ano seguinte ao do pagamento do 13º salário. Assim, se, por exemplo, o 13º
salário foi pago em dezembro de 2010, o seu complemento será lançado na folha mensal de janeiro de
2011.
3 - Calcular na folha mensal dos meses posteriores

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 148

O complemento do 13° salário será realizado mês a mês quando o fechamento da folha do 13º
salário foi realizado antes do mês de dezembro. Portanto, o SIP calculará o complemento em cada uma das
referências até o final do ano corrente.
Assim, por exemplo, se o Fechamento do 13º Salário for realizado no mês de agosto e esta
opção “calcular na folha mensal dos meses posteriores” estiver selecionada, o SIP efetuará o pagamento do
complemento em todas as folhas que forem calculadas de agosto a dezembro, de forma proporcional a cada
mês.
 Demonstração do Complemento do 13º Salário
O complemento do 13º salário pode ser demonstrado de duas formas na folha de pagamento,
dependendo da opção selecionada no campo “Demonstrar”: a opção “Provento ou Desconto” faz com que o
complemento seja demonstrado como um evento de Provento, correspondente ao evento 938-Complemento
do 13º Salário; já a opção “Provento e Desconto” faz com que seja informado o evento 938-Complemento do
13º Salário como provento e o evento 939-Fechamento do 13º Salário como desconto.
 Não pagar valor inferior a:
Neste campo é possível determinar qual o valor mínimo que o sistema deve considerar para
lançar o complemento de 13º salário na referência mensal indicada pelas configurações anteriores. Assim,
quando o cálculo do Complemento para o 13º Salário é realizado, o SIP analisa os valores já pagos e os que
devem ser complementados e, caso o valor do complemento seja inferior ao informado neste campo, o
sistema acumula esse valor para ser demonstrado em uma referência posterior.
D.II - 1.1.14 - Dados para Licença Prêmio no Cadastro de Empresas
A licença prêmio é o período de descanso remunerado a que tem direito o servidor público em
razão da sua assiduidade ao trabalho durante certo período de tempo. Esse direito era regulado nos arts. 87
e 88 da Lei nº. 8.112/90, que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das
autarquias e das fundações públicas federais, porém foi extinta pela Lei nº. 9.527/97.
Sendo assim, atualmente, cabe a cada órgão público estadual ou municipal prever e
regulamentar, em suas leis estatutárias, a licença prêmio que será concedida aos seus servidores. Por tal
motivo, as disposições gerais sobre a licença prêmio descritas abaixo podem não se aplicar a todas as
entidades, haja vista que cada órgão prevê o direito á licença prêmio com diferentes particularidades.
O servidor público efetivo, o ocupante de cargo em comissão e o extranumerário terão direito,
como prêmio de assiduidade, a 90 (noventa) dias de licença a cada período ininterrupto de 5 (cinco) anos de
exercício e desde que não tenham sofrido qualquer penalidade administrativa. Nesse período, deve ser paga
ao trabalhador a remuneração paga em condições normais para o seu cargo.
O período de gozo da licença-prêmio é considerado como um período de efetivo exercício para
todos os efeitos legais.
O período quinquenal para fins de licença prêmio é interrompido quando houver alguma falta
injustificada por parte do servidor ou quando a ele for aplicada alguma das seguintes penalidades
administrativas:
a) repreensão;
b) suspensão;
c) multa;
d) exoneração;
e) exoneração a bem do serviço público; e
f) cassação de aposentadoria ou disponibilidade.
Não terão direito a licença-prêmio se, no período de 5 anos, forem computados mais de 30 dias
de ausência e ultrapassado esse limite, será interrompido o período qüinqüenal, sendo consideradas:
a) faltas abonadas;
b) faltas justificadas;
c) licença para tratamento de saúde;
d) licença por motivo de doença em pessoa da família.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 149

Descreve-se, abaixo, as opções existentes nesta aba do cadastro da empresa para a


configuração do cálculo da licença prêmio.
A) Calcular média da licença prêmio
Esta opção determina se a média da licença prêmio será avaliada de acordo com a
classificação dos eventos que estão configurados com esta opção. Isso significa que há eventos, como, por
exemplo, horas extras, que podem ser configurados para realizar cálculo de média e para serem
considerados no cálculo da licença prêmio (configuração que é realizada no módulo Folha de Pagamento,
menu 1-Parâmetros, item 1.5-Cadastro de eventos, espaço “Incidências”, opções “Licença Prêmio” e
“Calcula Média” acionadas com “sim”). Para que esses eventos sejam considerados no cálculo da licença
prêmio, é necessário que esta opção “Calcular média de licença prêmio” seja selecionada, pois, ainda que o
evento esteja considerado para realizar cálculo de média, se esta opção não estiver selecionada (“não”),
será realizado apenas o cálculo da licença prêmio, sem a média.
B) Considerar para apuração do gozo
Este espaço possui opções que devem ser utilizada para determinar quais os tipos de faltas
que serão consideradas para o abatimento da quantidade de dias de gozo da licença prêmio.
Observe-se que o SIP disponibiliza uma tabela auxiliar para preenchimento dos dias de falta e a
sua relação com as questões de gozo de licença prêmio, conforme a determinação da lei estatutária. Essa
tabela está disponível no menu 1-Parâmetros, item 1.14-Duração de Gozo conforme Faltas Injustificadas do
módulo Folha de pagamento.
Assim, no momento de realizar o cálculo da licença prêmio, o SIP analisa as configurações do
tipo de falta que deve ser considerado para o abatimento dos dias de gozo e verifica, na tabela auxiliar
citada, qual o número de dias de descanso a que o trabalhador tem direito.
Para que a licença prêmio seja calculada corretamente, é necessário que as informações do
cadastro de vínculo sejam preenchidas nas informações de licença prêmio, por meio do módulo Folha de
pagamento, menu 1-Parâmetros, item 1.11-Cadastro de Vínculos, aba “Página 4”, conforme descrito no
tópico D.II.1.11 deste manual.
Além disso, deve-se preencher as informações relativas à licença prêmio no cadastro do
trabalhador, por meio do menu 2-Manutenção, item 2.1-Cadastro do Trabalhador, de acordo com o
procedimento descrito no tópico D.II.2.1.5 deste manual.
É importante atentar para o fato de que o SIP não possui um tipo de folha ou de cálculo
separado para a licença prêmio como há para as férias. Por isso, a licença prêmio deve ser calculada por
meio do item 3.1-Cálculo Mensal do menu 3-Cálculos.
C) Demonstração do Cálculo da Licença-Prêmio
A licença prêmio é uma remuneração a que tem direito o trabalhador (vantagens fixas), que é
demonstrada no resultado do cálculo da folha de pagamento de forma discriminada ou acumulada, conforme
as configurações dos eventos.
No cadastro dos eventos que farão parte da base de cálculo da licença prêmio deve estar
selecionada a opção incidência para licença prêmio (no menu 1-Parâmetros, item 1.5 - Cadastro de Eventos,
no espaço “Incidências”, acionar a opção “Licença Prêmio” para “sim”). Observe-se que, no cálculo da
licença prêmio, o SIP demonstra os mesmos eventos a serem lançados na referência de um mês de
trabalho.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 150

Se a opção “acumula”, disponível à direita da opção “Licença prêmio”, na tela de cadastro do


evento (item 1.5-Cadastro de Eventos do menu 1-Parâmetros), também estiver acionada, o SIP cálculará o
valor da licença e o resultado será demonstrado nos eventos automáticos do SIP, quais sejam:
evento 954 - Licença Prêmio
evento 955 - Licença Prêmio (Pecúnia - Provento)
evento 957 - Licença Prêmio (Pecúnia - Desconto)
Quando essas opções forem acionadas em conjunto com as classificações descritas para
média de licença prêmio, serão demonstrados os seguintes eventos:
evento 956 - Licença Prêmio (Média)
evento 958 - licença Prêmio (Média-Pecúnia).
A “Pecúnia de Licença Prêmio” é a conversão de dias de descanso a que tem direito o
trabalhador em remuneração. Essa remuneração sempre será demonstrada nos eventos automáticos do
sistema.

É possível determinar que o SIP emita o recibo de pecúnia da licença-prêmio para que o valor
correspondente possa ser empenhado antes da data em que o trabalhador iniciar o seu período de
descanso. Para tanto, basta acionar, no cadastro de movimentações de licença-prêmio, a caixa de seleção
“Adiantamento - Gerar Recibo”, acessada por meio do botão “Licença Prêmio” disponível na tela do item
2.1-Cadastro de Trabalhadores do menu 2-Manutenção.
Com essa configuração, o SIP efetua o cálculo das remunerações e demonstra um desconto no
evento 957-Licença Prêmio (Pecúnia - Desconto) com o mesmo valor do provento da pecúnia lançado no
evento 955-Licença Prêmio (Pecúnia - Provento) que será empenhado através do Recibo, como demonstra

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 151

a figura a seguir. Lembre-se que, no Resumo Geral da Folha Mensal de Pagamento, este desconto é
abatido do total a empenhar, justamente para indicar que o valor já está quitado.
O recibo de pecúnia da licença prêmio pode ser impresso por meio do menu 4-Mensais, item
4.5-Licença-Prêmio, subitem 4.5.1-Recibo de Abono Pecuniário da Licença-Prêmio.

D.II - 1.1.15 - Opções Gerais no Cadastro de Empresas


Esta aba da tela de cadastro da empresa disponibiliza opções para cálculos e algumas funções
adicionais que o SIP pode realizar.
A) Evento teto para desconto de convênio (Base de Cálculo)
Determinados cálculos de uma folha de pagamento necessitam de uma base de cálculo
formada a partir de outra base de cálculo relativa a outro evento que tenha sido calculado anteriormente.
Essa peculiaridade deve ser configurada por meio da classificação de “08-Base de cálculo”, a ser indicada
no espaço “Classificação” da tela do item 1.5-Cadastro de Eventos do menu 1-Parâmetros.
Quando um evento é acionado para ser base de cálculo, ele não aparece nas remunerações
resultantes de um cálculo (ainda que ele deva ser lançado para um trabalhador nos lançamentos fixos ou
eventuais); o que ocorre é que o seu valor é utilizado para realizar outras atividades, como, por exemplo, a
emissão de margem consignável e o controle de eventos excluídos.
Essas atividades, a serem selecionadas nas opções disponibilizadas na lateral direita da tela do
SIP, estão descritas a seguir:
D.II - 1.1.15.1 - Margem Consignável
Trata-se da emissão de uma declaração que atesta que o trabalhador possui determinada
capacidade financeira disponível no seu holerite. Esta declaração é destinada a entidades financeiras ou
comerciais que desejam garantias do trabalhador para a abertura de crédito ou para a concessão de
empréstimo.
Para determinar a capacidade financeira do trabalhador, o usuário do SIP deve criar um evento
classificado como base de cálculo, selecionando a opção “base de cálculo” no espaço “Classificação” da tela
do item 1.5-Cadastro de Eventos do menu 1-Parâmetros. Em seguida, deve montar a fórmula necessária
para o cálculo da capacidade financeira, que geralmente corresponde a 30% das vantagens fixas recebidas
pelo trabalhador.
Esse evento criado como base de cálculo deve ser lançado no controle de eventos fixos do
trabalhador, por meio da tela de “Eventos fixos” habilitada com a seleção desse item no menu aberto pelo
botão “eventos” da tela do item 2.1-Cadastro de Trabalhadores do menu 2-Manutenção. Além disso, esse
evento deve ser vinculado às opções de Teto para Desconto, conforme explicado no item A deste tópico.
Por fim, basta calcular a Folha de pagamento dos trabalhadores e emitir a declaração de
margem consignável disponível no eventuais, por meio do item 5.14-Relatório de Margem Consignável do
menu 5-Eventuais, conforme as informações reunidas no tópico D.II.5.14 deste manual.
D.II - 1.1.15.2 - Tipo de exclusão de evento de convênio

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 152

Esta configuração atua em conjunto com a opção descrita no item A) Evento para desconto de
convênio.
A concessão de débitos está prevista no art. 1º da Lei n.º 10.820/2003, que trata sobre a
autorização para desconto de prestações em folha, descrito a seguir:
art. 1o Os empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada
pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, poderão autorizar, de forma irrevogável
e irretratável, o desconto em folha de pagamento dos valores referentes ao pagamento
de empréstimos, financiamentos e operações de arrendamento mercantil concedidos por
instituições financeiras e sociedades de arrendamento mercantil, quando previsto nos
respectivos contratos.
Outra indicação determinada nessa lei é quanto aos limites estabelecidos na concessão de
empréstimo, que não devem ultrapassar o limite de 30% da remuneração do trabalhador, como se pode
observar:
Art. 1º(...)
§ 1º O desconto mencionado neste artigo também poderá incidir sobre verbas rescisórias devidas
pelo empregador, se assim previsto no respectivo contrato de empréstimo, financiamento ou
arrendamento mercantil, até o limite de trinta por cento.
Essa mesma lei determina ainda que somente os trabalhadores celetistas têm direito a esses
descontos; portanto, as entidades que adotam o regime jurídico celetista devem prever em lei essa
concessão.
É importante observar essas determinações de percentual também são utilizadas para fins de
margem consignável.
O recurso de exclusão de um evento pode ser utilizado para evitar que ocorra um estouro na
folha de pagamento, ou seja, quando o valor a ser descontado da remuneração do trabalhador ultrapassar o
limite permitido em lei, esse valor poderá ser excluído do resultado do cálculo de maneira proporcional ou
integral.
Para configurar este recurso, deve-se vincular o evento para teto de desconto do convênio e,
além disso, deve-se indicar ao SIP quais os eventos que são considerados como consignações; para tanto,
basta classificá-los com o código 14, no espaço “Classificação” da tela do item 1.5-Cadastro de Eventos do
menu 1-Parâmetros, e selecionar a opção “excluir se saldo insuficiente”, localizada no espaço “Diversos”
dessa mesma tela de cadastro de eventos.
No momento do cálculo, o SIP efetua a determinação do evento que está configurado como
base de cálculo e compara com o valor resultante do evento classificado como consignação. Se o valor
desse evento for maior que o limite legal e, no cadastro da empresa, estiver configurada a exclusão
proporcional desse resultado, o SIP lança esse evento com o valor limite estipulado na fórmula de cálculo do
evento base de cálculo; porém, se a configuração realizada no sistema determinar a exclusão integral desse
valor, esse evento de consignação não será lançado.
Os valores da diferença do evento de base de cálculo que não foi descontada da remuneração
do trabalhador por ultrapassar o limite legal e que, por isso, precisa ser apurada são mostrados no relatório
de convênios excluídos disponíveis no menu 4-Mensais, item 4.23-Relação de Eventos de Convênio
Excluídos.
Observe-se, abaixo, um exemplo de exclusão proporcional:
O funcionário João Carlos Pires Batista possui um vencimento de R$ 2.062,50 e uma
consignação de R$ 700,00. Nos eventos fixos adicionados ao seu cadastro há um evento configurado como
base de cálculo de 30% de sua remuneração. Diante disso, no momento do cálculo da folha de pagamento
mensal, o SIP obtém o valor do evento de base de cálculo da seguinte forma:
R$ 2.062,50 x 30% = R$ 618,75 (limite de 30% prescrito pela Lei nº. 10.820/2003)
Como já dito, o valor do evento de consignação a ser lançado é de R$ 700,00, ultrapassando,
portanto, o valor correspondente ao limite legal. Sendo assim, o SIP lança a consignação como evento de
desconto no valor do limite legal (R$ 618,75) e a diferença restante em relação ao valor total da consignação
(R$ 81,25) é demonstrada no relatório de convênio excluídos, conforme ilustrado abaixo:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 153

Caso, na situação exemplificada acima, o SIP esteja configurado para realizar a exclusão do
valor total da consignação quando esse ultrapassar o limite legal, esse valor total será demonstrado no
relatório de convênios excluídos, como indicado na figura a seguir:

D.II - 1.1.15.3 - Controle Diário de Horas Extras


Quando esta opção estiver acionada, o SIP controlará o lançamento de horas extras que serão
realizadas para um evento de horas extras; ou seja, o sistema não permitirá a gravação de um lançamento
de horas extras quando houver, no mesmo período, o registro de afastamento, férias, licença prêmio ou
outro evento que demonstre que o trabalhador está fora do serviço, o que torna incompatível o lançamento
de uma remuneração extra.
Caso essa opção fique desmarcada, o SIP aceitará o lançamento dessa remuneração extra,
ainda que incompatível com os outros eventos já registrados no sistema.
D.II - 1.1.15.4 - Renovar opção de adiantamento do 13º Salário em janeiro pelo vínculo
Esta opção determina que, quando for solicitado o primeiro cálculo de Folha de Pagamento de
um novo ano, o SIP renove a seleção da opção “Adiantamento do 13º Salário automático no mensal” da tela
de cadastro de trabalhadores (menu 2-Manutenção, 2.1-Cadastro de Trabalhadores, Guia “Cálculos”), de
acordo com a opção “Adiantamento do 13º Salário padrão automático no mês” que está acionada na aba
“Página 1” da tela do item 1.11-Cadastro de vínculos do menu 1-Parâmetros.
Observe-se que ainda que esta opção já esteja acionada no cadastro da empresa, o SIP
solicitará a execução dessa operação no momento da realização do primeiro cálculo da folha de pagamento
de Janeiro.
D.II - 1.1.15.5 - (Rateio) Informar unidade de custeio alternativa
Este recurso possibilita que, para o valor total de remuneração de um trabalhador, sejam
divididos os valores de acordo com as remunerações pertencentes a cada setor de empenho. Para o SIP, a
demonstração de resultados para o pagamento do trabalhador será igual a um cálculo normal de folha,

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 154

porém os resumos terão os valores separados de acordo com cada lançamento que foi determinado para
aquela unidade orçamentária.
Para configurar este recurso, deve-se acionar a opção “(rateio) informar unidade de custeio
alternativa” na tela de cadastro da empresa e, em seguida, acessar a tela de cadastro de eventos, por meio
do menu 1-Parâmetros, item 1.5-Cadastro de Eventos, onde terá sido habilitado um agrupamento disponível
para seleção com a descrição “Rateio”.
Nas opções para seleção desse agrupamento, deve-se configurar os eventos da seguinte
maneira:
 Base para rateio
Uma remuneração base para rateio geralmente é um evento que possui caráter definitivo,
correspondente a um direito adquirido do trabalhador. São os eventos que, nas determinações da
contratação do trabalhador, foram estipulados como remunerações que fazem parte do seu mês e ano
referência.
 Ratear
As verbas a serem rateadas geralmente são aquelas verbas esporádicas que precisam ser
divididas na contabilização do seu pagamento por questões de controle de orçamento.
Observe-se que, com a configuração desta opção no cadastro da empresa, o campo "Ratear"
ficará habilitado também na tela do Cadastro do Trabalhador (menu 2-Manutenção, item 2.1-Cadastro do
Trabalhador, Guia “Cálculo”, item “Outras Opções”). Por meio desse campo, deve-se informar se as
remunerações do trabalhador serão rateadas no cálculo mensal.
Para que o rateio seja realizado no momento do lançamento dos eventos, o SIP mostrará, tanto
no cadastro dos eventos fixos quanto no cadastro de eventuais, um campo para determinar qual a unidade
de custeio para o evento, localizado abaixo da inclusão do evento, como ilustrado abaixo:

Portanto, para eventos configurados para nenhum rateio a informação da unidade é


desnecessária.
Após a realização das configurações e dos lançamentos, o SIP calcula o rateio dos eventos
durante o próprio cálculo normal de uma referência. Isso significa que nenhuma tela especial é necessária
para a realização do cálculo do rateio.
A imagem abaixo ilustra um exemplo de lançamentos de eventos fixos realizados para um
professor e as unidades de custeio de cada remuneração:

O exemplo trata de um professor que ministra aulas de matemática em três cursos diferentes.
Observe-se que a unidade de custeio matemática foi indicada de forma arbitrária no cadastro do trabalhador
como sendo a unidade de custeio principal, pois não há qualquer relação entre essa configuração e o fato de
o evento 001 ser o salário das aulas ministradas no curso de matemática. É importante observar que, por se
tratar do evento que está relacionado à unidade de custeio principal, esse evento não é rateado.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 155

Esse professor ministra aulas de matemática nos cursos de graduação em matemática, em


computação e em engenharia, trabalhando em cada curso, respectivamente, 90, 100 e 30 horas mensais.
Somente os vencimentos desse professor relacionados às aulas de computação e de engenharia estão
configurados para serem base de cálculo para rateio, por isso que suas unidades de custeio estão
informadas no cadastro de eventos fixos. Diferentemente, o evento de insalubridade está configurado para
ratear e, por isso, a informação da unidade de custeio desse evento é desnecessária.
Ao realizar o cálculo da referência mensal, o SIP produzirá o rateio da insalubridade entre as
unidades indicadas. Porém, a forma como esse cálculo é realizado não tem relação direta com o cadastro
de eventos fixos, pois não importa onde o evento está lançado, e sim a forma como ele está configurado.
Portanto, se, para esse mesmo exemplo, houvesse outro evento lançado nos eventuais diversos como base
de cálculo de rateio na unidade "Manutenção", a insalubridade também seria rateada para esta unidade.
É interessante observar que a tela do resultado do cálculo disponibiliza um extrato específico
para trabalhadores que possuem verbas a serem calculadas por meio de rateio. Por meio desse extrato, é
possível que o usuário realize os cálculos necessários para a checagem dos resultados obtidos pelo SIP,
resultados esses que podem ser acessados através do botão “imprimir”.
Além disso, o resumo contábil (disponível no menu 4-Mensais, item 4.4-Resumo Contábil da
Folha de Pagamento, 4.4.1-Resumo Contábil da Folha de Pagamento) permitirá a emissão do agrupamento
de unidades de custeio rateadas quando acionada na padronização de ordem e agrupamento por seleção
simples por unidade. Quando acionada o SIP mostrará automaticamente outra caixa de seleção com a
opção “Ratear”.
D.II - 1.1.15.6 - Empresa empenha recibo de férias pelo líquido
Primeiramente, é importante observar que a utilização deste recurso só é válida quando a
empresa realizar a integração de informações do SIP de forma automática com o SCPI, conforme descrito
no tópico D.II.1.4 deste manual.
Geralmente, quando a empresa realiza os cálculos de férias através do recibo para férias,
conforme descrito no tópico D.II.3.6 deste manual, esse recibo é empenhado antes do fechamento da folha
mensal. Porém, se esta opção for acionada, o SIP enviará as informações sobre a folha de pagamento de
férias e sobre a folha do mês em um único arquivo para a contabilização. Diferentemente, se esta opção não
é selecionada, o SIP gera, no final do mês, um arquivo com os valores de férias e outro arquivo com os
valores da folha mensal e, então, os dois arquivos são enviados para a contabilidade.
D.II - 1.1.15.7 - Controlar vagas de acordo com o cargo
Esta opção deve ser utilizada quando o setor de recursos humanos da entidade desejar
controlar, com eficiência, o número de vagas disponíveis para determinado cargo.
No momento em que um cargo é criado na entidade, determina-se o número de vagas
disponíveis para esse cargo. Essas vagas podem ter caráter de emprego, cargo ou somente função. Caso
esta opção seja selecionada, o sistema exercerá um controle das vagas disponíveis para determinado cargo
com base nos cadastros dos trabalhadores.
Assim, quando é informado, no cadastro do trabalhador, a vinculação a determinado cargo
(configuração realizada por meio do módulo Folha de Pagamento, menu 2-Manutenção, item 2.1-Cadastro
de Trabalhadores, botão “Dados cadastrais”, guia “Admissão/Contrato”, aba “Cargo Atual/Provisão” ou
“Admissão”, campo “tipo”), o sistema verificará o número de vagas disponíveis para esse cargo conforme as
informações registradas no cadastro de cargos do sistema (módulo Folha de Pagamento, menu
1-Parâmetros, item 1-Cadastro de cargos). Caso o número de vagas disponíveis para esse cargo já tenha
sido alcançado, o SIP não permitirá que esse trabalhador seja vinculado a esse cargo, retornando a usuário
uma mensagem informando que a quantidade de vagas do cargo não permite a inclusão desse trabalhador,
vez que a quantidade de vagas é menor que a quantidade de trabalhadores no cargo.
D.II - 1.1.16 - SCPI para Autônomos
Esta aba disponibiliza apenas um campo destinado à indicação do número da entidade que
está cadastrada no SCPI para que seja realizada uma troca de informações entre o SIP e o SCPI quanto a
questões de Autônomos. Esse recurso permite que os dados dos autônomos que são pagos na
Contabilidade-Tesouraria sejam enviados para a SEFIP e para a Dirf, pois permite que o SIP conecte-se ao
SCPI para colher automaticamente as informações necessárias.
D.II - 1.1.17 - SIP Web

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 156

Nesta tela está disponível um campo para inserção de texto, onde poderão ser escritas as
informações que serão impressas na margem consignada que será emitida pelo sistema on-line SIP Web. O
usuário poderá alterar as informações de exibição, desde que não altere as informações que estão entre os
sinais de menor e maior, chamadas de tags (<Tag>).

D.II - 1.2 - Abrir Empresas

Quando o SIP é utilizado em um sistema multi-empresa, este menu tem a finalidade de permitir
a consulta das empresas cadastradas no sistema. Uma vez acionado esse menu, é disponibilizada uma tela
com todas as empresas que estão cadastradas no SIP, bastando selecionar uma delas para que se tenha
acesso aos seus dados.

D.II - 1.3 - Cadastro do responsável pelas


informações eletrônicas

O cadastro do responsável pelas informações eletrônicas existe para que sejam registradas as
informações relativas ao usuário responsável pelas informações que serão enviadas para terceiros ou para
outras empresas, como os arquivos de RAIS, DIRF, SEFIP, entres outros.
Nesta tela devem ser incluídos alguns dados semelhantes aos informados no cadastro de
empresas, mas, logicamente, nesses campos devem ser incluídas as informações relativas ao usuário
responsável pelos arquivos a serem enviados para outros órgãos. Sendo assim, deve-se observar os tópicos
D.II.1.1 e D.II.1.1.1 deste manual para maiores explicações sobre esses campos.
Descreve-se, abaixo, os campos de preenchimento obrigatório que não estão descritos nos
tópicos deste manual mencionados logo acima:
 E-mail do Responsável
Deve-se informar, neste campo, o endereço principal de e-mail do responsável pelas
informações eletrônicas que serão enviadas nos arquivos para outros órgãos.
 Nome do Responsável e Contato
Este campo é destinação à informação do nome do responsável pelo envio das informações
eletrônicas e a pessoa com a qual aquele que receber essas informações poderá entrar em contato para
tratar sobre essas informações. O SIP disponibiliza estes dois campos para preenchimento pelo fato de que
determinadas organizações possuem uma pessoa responsável pela conferência dos dados que serão
enviados e outra pessoa que envia os dados, sem analisas consistência dessas informações.
 Telefone
Informar, neste campo, o número de telefone para que o órgão de destino possa entrar em
contato para obter mais informações relativas aos dados que são enviados nos arquivos de exportação.

D.II - 1.4 - Configurar Integração Contábil SCPI 8

ATENÇÃO: embora alguns assuntos comentados neste tópico não correspondam a atribuições
do Departamento Pessoal, é extremamente necessário que os usuários do SIP tenham conhecimento sobre
o funcionamento desses recursos.
D.II - 1.4.1 - Contabilização da Folha de Pagamento
Os municípios brasileiros devem agir de acordo com as prescrições dos arts. 165 e 166 da
Constituição Federal, que, ao tratar do sistema orçamentário, prevê a edição de uma lei do plano plurianual,
de uma lei de diretrizes orçamentárias e de uma lei do orçamento anual que, em conjunto, tornam mais
racional o processo de planejamento orçamentário de qualquer esfera do governo.
Todo ano, por meio de uma audiência pública, a população do município e os funcionários da
Secretaria de Planejamento do órgão executivo fazem um levantamento das necessidades prioritárias do
Município para o ano seguinte. Com esse levantamento, a Secretaria de Planejamento, juntamente com o
Prefeito, elabora o Projeto da Lei do Orçamento Anual (LOA), que é um instrumento de previsão de receitas
e de fixação das despesas para o próximo exercício. A LOA deve estar de acordo com a Lei de Diretrizes
Orçamentárias (LDO) e com o Plano Plurianual (PPA).
Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal
Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 157

Durante esse planejamento, o chefe do Executivo, juntamente com sua equipe de trabalho,
pode, por exemplo, conceder um aumento salarial com base em determinado índice a ser aplicado no
exercício seguinte, assim como pode discutir a possibilidade de contratação de novos funcionários. Ambas
as situações só podem ser concretizadas se houver disponibilidade de receita no orçamento do próximo ano
e também se o valor utilizado para pagar as despesas com os servidores públicos municipais não exceder
ao limite de 60% da receita corrente líquida do Município, conforme previsto no art. 19, inciso III da Lei
Complementar n.º 101/2.000, que cuida de normas de finanças públicas voltadas à responsabilidade na
gestão fiscal. Além disso, como determina o art. 20, inciso III do mesmo diploma legal, a repartição dos
gastos com pessoal no limite global de 60% da receita corrente líquida deve ser feita, no máximo, em 6%
para o poder Legislativo e 54% para o poder Executivo.
Para que o Executivo possa conceder um aumento na remuneração dos servidores municipais,
é necessário que se realize um levantamento, com base no próprio balancete da Prefeitura Municipal, da
despesa atual com pessoal e com os seus respectivos encargos. Em seguida, deve-se multiplicar esses
valores pelo índice de aumento que se pretende conceder, sendo que o resultado dessa operação será
equivalente ao gasto a ser acrescido na folha mensal em razão do aumento na remuneração dos servidores.
É necessário, então, analisar o quanto essa nova despesa representa na receita líquida mensal do
Município, haja vista que o valor total das despesas com funcionários, como já dito, não pode exceder a 60%
da receita corrente líquida.
Em caso de contratação de novos servidores, é imprescindível que se comprove a necessidade
de aumento do quadro de pessoal, que o cargo ou o emprego seja criado através de lei que tenha sido
elaborada dentro dos parâmetros e das vedações estabelecidas na legislação eleitoral (art. 73, inciso V da
Lei n.º 9.504/97), e que haja regularidade do concurso ou processo seletivo. Além disso, também devem ser
observados os limites impostos pela LC nº 101/2000 quanto às despesas com pessoal.
Após a realização de todos os levantamentos e planejamentos necessários para que o
orçamento municipal esteja adequado às exigências legais, deve-se elaborar o projeto do orçamento do
próximo ano e enviá-lo à Câmara Municipal. Caberá, então, ao Legislativo Municipal analisar e aprovar esse
orçamento como programa de trabalho do exercício seguinte.
Suponha-se que, no decorrer do exercício para o qual foi aprovado o orçamento, surja a
necessidade de uma contratação que não havia sido prevista. Nesse caso, é necessário realizar uma
Emenda na LOA, pois a administração pública não pode incorrer em despesas que não estejam previstas na
Lei Orçamentária Anual..
É importante lembrar que emenda é um instrumento legal utilizado pelos membros do Poder
Legislativo para alterar a Lei do Orçamento, incluindo, na maioria das vezes, por meio de crédito especial,
uma receita ou uma despesa destinada a atender às necessidades do Poder Executivo.
D.II - 1.4.2 - Classificação do evento com relação ao lançamento contábil
Ao cadastrar um evento no SIP, é necessário indicar a classificação do evento no campo
“Descrição para Lançamento Contábil” da tela do item 1.5-Cadastro de Eventos do menu 1-Parâmetros.
Nesse momento, sugere-se que o contador da entidade seja convidado a auxiliar nessa classificação, pois
essa é uma informação importante para a geração dos empenhos, podendo acarretar problemas se
realizada erroneamente.
Devido à importância da classificação dos eventos, elaborou-se uma síntese sobre o significado
de receitas, despesas, empenho ordinário e empenho extra-orçamentário para que o usuário do SIP possa
entender melhor a classificação de cada evento cadastrado nesse sistema. É importante mencionar que
essa classificação foi elaborada com base no plano de contas do Tribunal de Contas do Estado de São
Paulo.
 Receita Orçamentária
É todo valor previsto para a cobertura das despesas orçamentárias (aquelas previstas no
orçamento anual), classificadas como receitas correntes e receitas de capital, conforme o art. 11 da Lei nº
4.320/64.
 Despesa Orçamentária
É a despesa fixada que depende de autorização do Legislativo para ser realizada e que não
pode ser efetivada sem a existência de crédito orçamentário (receita orçamentária); ou seja, é uma despesa
que deve estar aprovada na Lei de Orçamento Anual (LOA). As despesas orçamentárias são subdivididas
em despesas correntes e despesas de capital.

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 158

 Receita Extra-orçamentária
É o valor proveniente de toda e qualquer arrecadação que não figure no orçamento municipal.
Seu caráter é de transitoriedade, pois não é utilizado para finalidade pública pelo próprio órgão, que age
apenas como um intermediário desse dinheiro.
A receita extra-orçamentária tem três classificações: Consignação, Depósito de diversas
origens e Créditos a receber. Desses três tipos, o departamento pessoal trabalha apenas com consignação
e créditos a receber, que corresponde às seguintes receitas:
Consignações: correspondem aos registros dos débitos provenientes de descontos em folha
dos trabalhadores ou sobre valores pagos a terceiros, como, por exemplo, contribuições previdenciárias
(INSS), empréstimos bancários, convênios com farmácias, entre outros. Essas consignações são
descontadas das remunerações dos trabalhadores e, posteriormente, são repassados para os respectivos
credores (Instituto de Previdência, bancos, farmácias, etc.).
Créditos a receber: correspondem aos créditos provenientes dos pagamentos em folha dos
trabalhadores, como, por exemplo, o salário família, o salário maternidade, entre outros. Esses valores são
pagos pela entidade aos trabalhadores e, posteriormente, são reembolsados à entidade pelos órgãos
devedores desses benefícios, geralmente por meio de dedução dos valores que a entidade deve a esses
mesmos órgãos.
 Despesa Extra-orçamentária
É a despesa oriunda de uma receita extra-orçamentária, pois corresponde à restituição ou à
entrega de valores recebidos como cauções, depósitos ou consignações, entre outros. É o caso, por
exemplo, do pagamento das contribuições previdenciárias ao INSS que foram descontadas da remuneração
mensal do trabalhador.
Empenho Ordinário: são os empenhos utilizados para satisfazer as despesas fixadas pelo
orçamento.
Empenho Extra-Orçamento: são os empenhos das despesas extra-orçamentárias,
correspondentes aos valores que foram descontados da folha de pagamento e que devem ser transferidos a
quem de direito for.
D.II - 1.4.3 - Integração das fichas de natureza das despesas no Departamento Pessoal
Neste tópico, pretende-se oferecer ao usuário, por meio de um breve resumo, uma noção da
classificação orçamentária das despesas.
As despesas são divididas por categorias econômicas e por natureza. Essa classificação,
juntamente com as fichas da despesa, tem o intuito de agilizar o processo de contabilização durante a
integração dos proventos e dos descontos no empenho. São informações que devem ser utilizadas para
configurar a classificação orçamentária na tela de integração contábil.
Todo provento possui uma classificação orçamentária que tem, em sua estrutura, a Categoria
Econômica, o Grupo de Natureza, a Modalidade de Aplicação e os Elementos. Essa classificação é
padronizada de acordo com a Portaria Interministerial STN/SOF n.° 163 de 04/05/2001.
O Desdobramento, ou sub-elemento econômico da despesa, cuja indicação na classificação
orçamentária é facultado pela Portaria no163, de 04/05/2001, corresponde a um desdobramento do elemento
da despesa que define um nível de especificação da despesa mais detalhado. Apesar de sua utilização não
ser obrigatória, alguns entes fazem uso desse elemento classificatório para obter um controle mais
específico da despesa. Além disso, na maioria dos estados, os Tribunais de Contas passaram a codificar e a
exigir este nível de detalhamento da despesa. Sendo assim, no sistema daquelas entidade municipal que
não utilizarem esse elemento classificatório, o campo destinado a essa informação deve ser preenchido com
“00”.
A estrutura de programas e o número de ficha são determinados pela codificação do orçamento
municipal.
Observe-se, abaixo, a análise de dois exemplos de Classificações Orçamentárias: uma
despesa intitulada “Vencimentos e Vantagens Fixas - Pessoal Civil” e outro intitulada “Obrigações Patronais”.
3.1.90.11.01 - pertence à seguinte classificação:
3. corresponde à Categoria econômica - “Despesas Correntes”;

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 159

1. corresponde ao Grupo de natureza da despesa - “Pessoal e Encargos Sociais”;


90. corresponde à Modalidade de aplicação - “Aplicações Diretas”;
11. corresponde ao Elemento de despesa - “Venc. e Vantagens Fixas – Pessoa Civil” e
01. corresponde ao “Desdobro/Sub-elemento” - “Vencimentos e Salários”.

3.1.90.13.02 - pertence à seguinte classificação:


3. corresponde à Categoria econômica - “Despesas Correntes”;
1. corresponde ao Grupo de natureza da despesa - “Pessoal e Encargos Sociais”;
90. corresponde à Modalidade de aplicação “Aplicações Diretas”;
13. corresponde ao Elemento de despesa - “Obrigações Patronais” e
02. corresponde ao “Desdobro/sub-elemento” - “INSS”.
Com base nesses exemplos, é possível concluir que todo provento que estiver classificado com
3.1.90.11.XX será um lançamento referente aos Vencimentos e Vantagens Fixas, sendo que o elemento que
diferenciará o tipo de vencimento a que corresponde essa despesa é o desdobro (XX), como, por exemplo, o
desdobro 01 indicando Vencimentos, o desdobro 02 indicando Férias e o desdobro 37 indicando Gratificação
por tempo de Serviços.
Conclusão semelhante pode ser feita em relação aos proventos que estiverem classificados
com 3.1.90.13.XX que, conforme o exemplo acima, serão lançamentos referentes a Obrigações Patronais,
ficando a diferenciação entre os tipos de obrigações a cargo do desdobro (XX). Assim, por exemplo, o
desdobro 01 pode indicar FGTS e o desdobro 02 pode indicar INSS.
É importante saber que, para a contabilidade, essas classificações são extremamente
importantes, pois é através delas que a entidade faz seus planejamentos e suas prestações de contas. Por
esse motivo, a Contabilidade e o Departamento Pessoal devem utilizar os mesmos
desdobros/sub-elementos na classificação de despesas.
Para exemplificar o que foi dito acima, apresenta-se, a seguir, o Resumo da Folha de
Pagamento do Setor da Saúde de uma entidade, acompanhado dos valores dos empenhos gerados por
esse resumo..
As três primeiras imagens mostram o valor total dos vencimentos que fazem parte do resumo
do fechamento mensal do departamento pessoal. Por sua vez, a quarta imagem traz o valor da integração
dessas despesas realizada pela Contabilidade.
Resumo da Folha de Pagamento:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 160

Tela de Visualização dos Empenhos Realizados:

Fiorilli Soc. Civil Ltda.-Software - Assistência e Consultoria Municipal


Boletim de Administração Pública Municipal Parte:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manual Sip 7
Assunto: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manual - SIP 7 - Sistema Integrado de Pessoal
Atualização: Original. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Página: 161

Note-se que o valor total dos vencimentos indicado na parte superior da primeira imagem é
exatamente igual ao valor total empenhado indicado na quarta imagem. Caso haja alguma diferença entre
esses valores, é necessário verificar qual vencimento não foi classificado ou qual vencimento foi classificado
erroneamente.
Diante dessas imagens, é possível que se questione o motivo pelo qual, ao invés de se realizar
apenas um empenho com o valor total dos vencimentos e salários, foram feitos vários empenhos, cuja soma
totaliza o valor dos vencimentos do resumo do departamento. Ocorre que, para atender às exigências das
classificações de despesas de acordo com o plano de contas, é necessário realizar vários empenhos.
Observe-se que todos os empenhos indicados na imagem anterior e descritos a seguir
possuem uma classificação comum até o elemento da despesa, indicada pelos dígitos 3.1.90.11, que
indicam:
3. corresponde à Categoria econômica - “Despesas Correntes”;
1. corresponde ao Grupo de natureza da despesa - “Pessoal e Encargos Sociais”;
90. corresponde à Modalidade de aplicação - “Aplicações Diretas”;
11. corresponde ao Elemento de despesa - “Vencimentos e Vantagens Fixas – Pessoa Civil”
O elemento classificatório que diferencia esses empenhos são os desdobros ou os
sub-elementos, indicando diferentes tipos de despesas, como se pode observar na especificação, logo a
seguir, de cada um dos empenhos ilustrados na quarta figura:
Vencimentos e Salário (vermelho) - 3.1.90.11.01 = R$ 31.526,81;
Vencimentos sem classificações específicas (azul) 3.1.90.11.99 = R$2.800,00;
13° Salários (telha) - 3.1.90.11.43 = R$ 2.511,18;
Gratificação por Tempo de Serviço(verde) - 3.1.90.11.37 = R$ 2.385,18;
Férias Abono Constitucional (bege) - 3.1.90.11.02 = R$ 1.791,59;
Férias Convertidas em Pecúnia (amarela) - 3.1.90.11.43 = R$ 712,34;
Remuneração dos Agentes Políticos (lilás) - 3.1.90.11.60 = R$ 604,03.
Da mesma forma, os empenhos dos descontos das Obrigações Patronais devem ser realizados
de acordo com a classificação orçamentária da Secretaria do Tesouro Nacional.
Na tela do item 1.4-Configurar integração contábil SCPI 8, acessado por meio do menu
1-Parâmetros do módulo Folha de pagamento, há uma aba denominada “Deduz Guia”, onde deve-se
informar