Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA SOCIAL
DAS RELAÇÕES POLÍTICAS

PROGRAMA DE DISCIPLINA

Disciplina: História e Narrativa


Código: HIS 09004
Carga Horária: 60h/ semestral
Professor: Prof. Dr. Julio Bentivoglio
Ano: 2011/1

Ementa: A disciplina tem por finalidade colocar o aluno em contato com um campo de
reflexão cujo debate tem sido intenso na historiografia contemporânea, a fim de analisar o
problema da escrita da história, tema que se inscreve decisivamente no horizonte
epistemológico da constituição deste saber e, no limiar metodológico dos regimes de
escrita e de historicidade. Entendida como uma narração que versa sobre eventos
verdadeiros, delimitadora de um espaço, um tempo e de uma dada ação, a história esteve
confinada como um gênero literário, ao lado da tragédia, da épica, da comédia e da
retórica, dentre outros, até meados do século XVIII, quando passou a ser entendida como
um tipo de narrativa por especificidades definindo um estatuto próprio, algo patente na
leitura de Fenelon ou de Chladenius. Em busca da cientificidade e da autonomização
metodológica, a ciência histórica do século XIX pouco contemplou a factibilidade ou a
complexa relação entre forma e conteúdo em sua gênese, salvo raros momentos como em
Droysen ou em Gervinus. Pretende-se discutir as proposições em torno das aporias da
narrativa desde sua vinculação ao paradigma aristotélico, passando por digressões
pontuais dos antigos, dos modernos até o seu ápice na historiografia contemporânea,
notadamente a partir dos debates travados em torno do pós-modernismo, da filosofia
analítica e da chamada linguistic turn. Serão visitados temas como o da produção de
narrativas, do caráter da referencialidade ao real, da composição do muthos, das
antinomias entre mímesis e poiésis e da possibilidade do estabelecimento de tropos nas
escritas da história. Como índices para a condução das leituras e reflexões estarão as
contribuições de Michel de Certeau em torno da operação historiográfica, de Hayden
White a respeito do constructo narrativo e suas tropologias, de Michel Foucault acerca das
formações discursivas e suas epistémes e de François Hartog no que tange aos regimes de
historicidade.

1. Objetivo geral: Problematizar a questão da narrativa histórica como uma dimensão


essencial da produção e reprodução do conhecimento histórico.

1.1 Objetivos específicos: Reunir alguns dos principais intérpretes a respeito da


questão da narrativa para os estudos históricos.

2. Conteúdos: Unidades
1. A questão da narrativa na Antiguidade: Aristóteles e Luciano de Samósata
2. A escrita da história entre os modernos: Chladenius, Fenelon e Voltaire
3. Primeiras tropologias: Droysen e Gervinus
4. O problema do eclipse da narrativa na historiografia francesa
5. Retorno da narrativa ou dimensão essencial do trabalho historiográfico?
6. História, pós-modernidade e narrativa.

3. Avaliação:
Instrumentos: o aluno será avaliado por meio da apresentação de seminário e de um paper
de no mínimo 10 páginas sobre assunto tratado na disciplina.

4. Orientação bibliográfica

ANKERSMIT, Frank. Historical Representation. Stanford: Stanford University Press,


2004.

ARISTÓTELES. A poética. In: Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1989.

BARTHES, Roland. O discurso da história. In: O rumor da língua. São Paulo:


Brasiliense, 1988.

BENTIVOGLIO, Julio. Gervinus. In: MALERBA, Jurandir. Lições de história. Rio de


Janeiro: FGV, 2010.

BLOCH, Marc. Apologia da história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BURKE, Peter. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Unesp, 1998.

CARDOSO JR., Hélio Rebello. Narrativas e totalidades como problemas na historiografia –


um estudo de dois casos. In: MALERBA, J. (org.). A velha história. Campinas: Papirus,
1996. p. 179-188.

CARDOSO, Ciro F. Crítica de duas questões relativas ao anti-realismo epistemológico


contemporâneo. Diálogos, Maringá, v. 2, n. 2, p. 47-64, 1998.

CARDOSO, Ciro F. Epistemologia pós-moderna, texto e conhecimento: a visão de um


historiador. Diálogos, Maringá, v. 3, n. 3, p, 1-28, 1999.

CARDOSO, Ciro F. Narrativa, sentido, história. Campinas: Papirus, 1997.

CARR, David. La narrativa y el mundo real: un argumento en favor de la continuidad.


Historias, México, n. 14, p. 15-27, 1986.

CERTEAU, Michel de. A operação historiográfica. In: A escrita da história. Rio de


Janeiro: Forense Universitária, 2002.

CHARTIER, R. A histórica cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.


CHARTIER, Roger. A História hoje: dúvidas, desafios, propostas. Estudos Históricos,
Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 97-113, 1994.

CHLADENIUS, Johann Martin. Teoria geral da história. Trad. Sara Baldus. Sapucaia
do Sul, 2009 (impresso).

COLLINGWOOD, R. G. A idéia de história. Lisboa: Presença, 1994.

DECCA, Edgar S. de. O Holocausto: os tênues laços da história e da memória. Temas &
matizes, Cascavel, ano I, n. 1, p. 28-35, jul. 2001.

DOSSE, François. A história à prova do tempo. São Paulo: Edunesp, 2000.

DROYSEN, Johann G. Manual de teoria da história. Trad. Sara Baldus e Julio


Bentivoglio. Petrópolis: Vozes, 2009.

FÉNELON, F. de S. de La Mothe. Duque de. Projet d´un traité d´histoire (1714). In:
DESPOIS, M. E. (Org.) Lettre sur les occupations de l´académie française. Paris:
Delagrave, 1897, p.79-90.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1981.

FREITAS, Marcos (org). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo:


Contexto, 1996.

GAY, Peter. O estilo na história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GERVINUS, G. G. Fundamentos de teoria da história. Tradução Sara Baldus e Julio


Bentivoglio. Petrópolis: Vozes, 2010 (no prelo).

HARLAN, David. Intellectual History and the Return of Literature. American Historical
Review, n.94, p.581-609, jun., 1989.

HARTOG, François. A arte da narrativa histórica. In: BOUTIER & JULIA. Passados
recompostos. Rio de Janeiro: FGV, 1994.

HARTOG, François. Regimes d'historicité: presentisme et experience du temps. Paris:


Editions du Seuil, 2003.

HOBSBAWM, Eric J. The revival of narrative, some comments. Past and Present, n. 85,
p. 3-4, 1979.

HUMBOLDT, Wilhelm von. A tarefa do historiador. Trad. Pedro Caldas. Anima, v.1, n.1,
2001.

HUNT, Lynn (org). A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
HUTCHEN, Linda. Historicizing the postmodern: the problematizing of history. In: A
poetics of Postmodernism: history, theory, fiction. New York and London: Routledge,
1988.

JENKINS, Keith. A reconstrução do passado. São Paulo: Contexto, 2006

JULIA, Dominique & BOUTIER, Jean. Passados recompostos: campos e canteiros da


história. Rio de Janeiro: Ed.UFRJ/ Ed. FGV.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

LANGLOIS, C. & SEIGNOBOS, C. Introdução aos estudos históricos. São Paulo:


Renascença, 1946.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Ed.Unicamp, 1994.

LE GOFF, Jacques. História nova. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

LE GOFF, Jacques. História: novos problemas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

LIMA, Luiz Costa. Aguarrás do tempo. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

LUCIANO DE SAMÓSATA. Como se deve escrever a história. Belo Horizonte:


Tessitura, 2009.

MARROU, Henri-I. Do conhecimento histórico. Lisboa: Aster, s.d.

MOMIGLIANO, Arnaldo. Raízes clássicas da historiografia moderna. Bauru: Educs,


2004.

REIS, José Carlos. História e teoria. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Trad. Constança M. Cesar. Campinas: Papirus,


1994. Tomo I.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica. Brasília: UnB, 2001.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. Trad. Antônio Chelini, José Paes
e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1997.

STONE, Lawrence. The revival of narrative. Past and Present, n. 86, p. 3-24, 1979.

TORSTENDAHL, Rolf. Fact, truth and text: the quest for a firm basis for historical
knowledge around 1900. History and Theory, v.42, 305-331, 2003.

VEYNE, Paul. Como se escreve a história. Trad. António J. da Silva Lisboa. Lisboa:
Edições 70, 1983.
WHITE, Hayden. Meta-história: a imaginação histórica do século XIX. Trad. José L. de
Melo. São Paulo: Edusp, 1995.

WHITE, Hayden. The Content of the Form. Baltimore: The Johns Hopkins University
Press, 1987.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. Trad. Alípio
C. de Franca Neto. São Paulo: Edusp, 1994.
RELAÇÃO DOS TEXTOS PARA AS AULAS