Você está na página 1de 6

O Reino dos céus é

semelhante a um tesouro escondido


num campo que
um homem achou
e escondeu; e,
pelo gozo dele, vai,
vende tudo quanto tem
e compra aquele campo.
Mateus 13:44

Há duas interpretações
Existem diferentes interpretações para essa breve parábola. Pode-se ver
naturalmente o homem como qualquer homem e o tesouro como o reino que ele
descobre.
Contudo, uma interpretação mais cristológica descreve o campo como o mundo,
o tesouro como você (ouvinte) e o homem como Cristo, que abre mão da glória do céu
para conquistar você.

O Reino dos céus é


semelhante ao homem negociante que
busca boas pérolas; e,
encontrando uma pérola de grande valor,
foi,
vendeu tudo quanto tinha e comprou-a. ' Mateus 13:45-46

44-46 Em ambas as parábolas, do tesouro escondido e da pérola, Jesus reforça esta


verdade fundamental: as posses terrenas não podem ser compradas com o imenso valor
e o custo do reino de Deus.
Não devemos pensar que os detalhes dessas parábolas indiquem que alguém
possa comprar sua entrada no reino de Deus ao sacrificar todos os seus bens. Nós
herdamos o reino por graça, por meio da fé em Cristo, que nos comprou e redimiu com
seu precioso sangue.
Beacon

44- Nos tempos antigos, quando em muitos lugares não havia bancos, era costume
esconder tesouros no solo. Jesus falou sobre um homem que inesperadamente
descobriu um “achado”, e vendeu tudo o que tinha para comprar o campo e obter o
tesouro.

As duas parábolas, que só são encontradas em Mateus, ensinam claramente a mesma


lição

Alguns têm interpretado essas duas parábolas como significando que Cristo deu
tudo o que possuía para comprar a igreja. Mas a maioria dos estudiosos as interpreta
como significando que devemos estar dispostos a desistir de tudo o que possuímos para
ganhar a salvação.
Tem sido sugerido que o tesouro escondido tipifica aqueles que de repente e
inesperadamente encontram a Cristo, enquanto a pérola de grande preço simboliza
aqueles que o buscam por muito tempo, antes de encontrá-lo.

Genebra
como o homem que encontra um tesouro ou o comerciante que negocia com
pérolas, aqueles que percebem o valor do reino sacrificarão qualquer coisa
para obtê-lo (Fp 3 8)

Referencias
44 Fp 3:7-8 {Is 55.1 ; Ap 3:18{

46- Pv 2:4 3:14-15 8:10-19

Comentario cultura
44 – Naturalmente, a posse do tesouro também implica amor pela Palavra, mas em vez
de sobrecarregar a parábola com retoques alegóricos subjetivos de detalhes específicos,
devemos captar sua única e importante lição: a incalculável preciosidade da salvação
para os que a descobrem e tomam posse dela, sem sequer haver procurado por ela!

45-46 Na passagem ora em estudo, um atacadista, insatisfeito com as pérolas que havia
adquirido até o momento, sai em busca de algo melhor. E sua busca é bem-sucedida. Ao
ver essa pérola específica, seu coração e mente imediatamente exclamam: “Aqui está
ela!” Não permite qualquer hesitação. Não apenas isso, mas ele a compra, ainda que
como na parábola precedente, para compra-la tenha de vender todas as suas
possessões.
A lição principal é novamente a disposição de entregar tudo em troca do desejável
prêmio do alegre reconhecimento da supremacia de Deus no coração e vida. O dinheiro
não compra salvação. Ela é um dom gratuito de Deus (Is 55:1). Só podemos “compra-la”
no sentido em que obtemos posse lícita dela. Fazemos isso pela graça, mediante a fé no
Senhor Jesus Cristo, compreendendo que até mesmo a fé é dom divino.

Exemplos concretos,
Parábola da pérola de grande preço, isto é, a descoberta depois da busca:
Cléopas e seu companheiro (Lc 24:29)
O eunuco etíope (At 8:26-38)
Cornélio (At 10:1-8; 30-33)
Lídia (At 16:14)
O carcereiro (At 16:29-34)
Bereanos (17:10-12)

Moody
44. O Tesouro Oculto. Embora o tesouro costume ser explicado como
sendo Cristo, o Evangelho, a salvação, ou a Igreja, pelo que o pecador
deveria estar pronto a sacrificar tudo,
o uso consistente da palavra homem nesta série refere-se a Cristo, e o
ato de esconder novamente depois de encontrar toma os quadros diferentes.
Antes, o tesouro oculto num campo descreve o lugar ocupado pela
nação de Israel durante o interregno (Êx. 19:5; Sl. 135:4).
Cristo veio para essa nação obscura. A nação, entretanto, rejeitou-o, e
assim, com propósito divino, foi privada de sua importância financeira; anda
hoje continua obscura no seu aspecto externo quanto ao seu relacionamento
com o reino messiânico (Mt. 21:43).
Mas Cristo deu a sua própria vida (tudo quanto tem) para comprar todo
o campo (o mundo, l Co. 5:19; I Jo. 2:2), e assim conseguiu plena posse de
direito por descobrimento e redenção.
Quando ele voltar, o tesouro será desenterrado e totalmente revelado
(Zc. 12,13).
45,46. A Pérola. Esta parábola, parecida no seu desenvolvimento com
a do Tesouro Escondido, costuma ser explicada da mesma maneira;
mas essas explicações são vulneráveis diante de algumas das mesmas
objeções.
É consistente, entretanto, que se considere Cristo o negociante, que
veio buscar homens e mulheres (boas pérolas) que lhe correspondessem e
à sua mensagem. Finalmente deu a sua vida (tudo o que possuía) para
comprar uma pérola de grande valor (I Co. 6:20). Essa uma pérola
representa a Igreja, essa outra grande sociedade dentro do Reino,
composta de homens e mulheres que foram feitos um só na Igreja (I Co.
10:17; 12:12, 13).

Pentecostal – bíblia
13.44-46 O REINO... SEMELHANTE A UM TESOURO. As parábolas do Tesouro e da Pérola
(vv. 44-46) ensinam duas grandes verdades. (1) O reino dos céus é um tesouro de valor
incalculável, que deve ser buscado acima de tudo. (2) É obtido quando renunciamos a tudo que
nos impede de ser parte dele. Vender tudo significa que de todo nosso coração devemos abdicar
de todos os demais interesses, por um único interesse supremo, que é Cristo (Rm 12.1).

Mateey
44
1. Jesus Cristo é o verdadeiro tesouro; nele há uma abundância de tudo que é rico e útil,
e haverá uma parte para nós: toda a plenitude (Cl 1.19; Jo 1.16). Estes são tesouros de sabedoria,
conhecimento (Cl 2.3), justiça, graça, e paz; tudo isto está reservado para nós em Cristo; e, se
nos interessarmos pelo Senhor, todas estas bênçãos serão nossas.
2. O Evangelho é o campo no qual o tesouro está escondido: está escondido na Palavra
do Evangelho, tanto no Antigo Testamento como no Evangelho que está expresso no Novo
Testamento. Nas ordenanças do Evangelho, esse tesouro está escondido como o leite no peito,
como a medula nos ossos, como o maná no orvalho, como a água no poço (Is 12.3), e como o
mel no favo. Ele está escondido, não em um jardim cercado, nem em uma fonte que foi fechada,
mas em um campo, em um campo aberto; quem quiser pode vir e buscá-lo nas Escrituras. Todos
podem cavar nesse campo (Pv 2.4); e quaisquer minas valiosas que achemos serão nossas, desde
que tomemos o caminho certo.
3 aqueles que têm pesquisado as Escrituras com a finalidade de encontrar nelas Cristo e
a vida eterna (Jo 5.39), descobriram um tesouro nesse campo que o torna infinitamente mais
valioso do que qualquer outro.

45-46
1. Todos os filhos dos homens estão ocupados, buscando boas pérolas: um quer ser rico,
outro quer ter honras, outro quer ser sábio; mas a maioria sofre imposições, e se afeiçoa a
pérolas falsificadas.
2. Jesus Cristo é a pérola de grande valor, a jóia de valor inestimável, que fará os que a
possuem ricos, verdadeiramente ricos, ricos em relação a Deus; se o tivermos, teremos o
suficiente para sermos felizes aqui e na eternidade, para sempre.