Você está na página 1de 42

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco

Software Supervisório
Campus Afogados da Ingazeira

Introdução à SCADA
Professor: Diego Lopes

21/08/2018 AFOGADOS DA INGAZEIRA 1/42


Sobre a Disciplina
•Professor: Diego Soares Lopes.
•Carga Horária: 40,5h (3 créditos).
•Horário das aulas:
• Terça-feira das 13h às 15:30h.

•Avaliações (2 unidades):
• Unidade 01:
• Listas de Exercícios – 30% da nota;
• Prova escrita (02/10/2018) – 70% da nota;
• Unidade 02:
• Exercícios práticos – 50% da nota;
• Avaliação dos projetos no labVIEW – 50% da nota .
• Prova final (28/12/2018).

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 2/42


Sobre a Disciplina
•Conteúdo das aulas:
• 01 SEMANA (07/08/2018) – Introdução à SCADA; NÃO SE GUIEM POR
ESTAS DATAS!
• 02 SEMANA (14/08/2018) – Recursos disponíveis na programação
Essas seriam as datas
de um Supervisório; corretas caso
• 03 SEMANA (21/08/2018) – Interação Homem-máquina; A disciplina
• 04 SEMANA (28/08/2018) – Design de interfaces; começasse na data
• 05 SEMANA (04/09/2018) – Usabilidade e Avaliação de Interfaces; certa.
• 06 SEMANA (11/09/2018) – Introdução à Banco de Dados;
As datas das provas de
• 07 SEMANA (18/09/2018) – Modelo Relacional e Comandos DML e DDL;
fato estão no
• 08 SEMANA (24/09/2018) – Aula de revisão para avaliação; Slide anterior. Mesmo
• 09 SEMANA (02/10/2018) – Avaliação da primeira unidade; com o atraso
• 10 SEMANA (09/10/2018) – Recuperação da primeira unidade. O objetivo é cumprir
esta ementa.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 3/42


Sobre a Disciplina
•Conteúdo das aulas:
• 08 SEMANA (25/09/2018) – Apresentando o MySQL;
• 09 SEMANA (02/10/2018) – Aula Prática com MySQL;
• 10 SEMANA (09/10/2018) – Aula Prática com MySQL;
• 11 SEMANA (16/10/2018) – Apresentando o LabVIEW;
• 12 SEMANA (30/10/2018) – Aula prática com LabVIEW 01;
• 13 SEMANA (06/11/2018) – Aula Prática com o LabVIEW 02; O mesmo vale
Para estas datas!
• 14 SEMANA (13/11/2018) – Aula Prática com o LabVIEW 03;
• 15 SEMANA (20/11/2018) – Desenvolvimento do Design 01;
• 16 SEMANA (27/11/2018) – Desenvolvimento do Design 02;
• 17 SEMANA (05/12/2018) – Desenvolvimento do Design 03;
• 18 SEMANA (12/12/2018) – Aula de apresentação dos Designs;
• 19 SEMANA (19/12/2018) – Prazo máximo para entrega dos relatórios;
• 20 SEMANA (28/12/2018) – Prova Final.
21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 4/42
Sobre a Disciplina
•Livros adotados:

Handbook of SCADA/Control
Systems Security MySQL – Casa do Código
Robert Radvanovsky Vinicius Carvalho

Software Supervisório Industrial


SCADA – Supervisory Control LabVIEW Quick Start Guide
Diego Soares Lopes
and Data Acquisition National Instruments
IFPE
Stuart A. Boyer

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 5/42


Introdução à SCADA
•S – Supervisory
•C – Control
•A – and
•D – Data
•A - Acquisition

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 6/42


Introdução à SCADA
•Características do SCADA:
• Proporciona uma interface de alto nível;
• Possibilita a coleta de dados de instalações/dispositivos de maneira remota;
• Possibilita o controle de maneira remota e segura;
• Permite a centralização de um processo amplamente distribuído.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 7/42


Introdução à SCADA
•Algumas atividades que o SCADA permite realização de maneira remota:
• Acompanhamento das variáveis de processo;
• Mudança de set points;
• Abertura e fechamento de válvulas/chaves;
• Monitoramento de alarmes.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 8/42


Introdução à SCADA
•Objetivos do SCADA:
• Monitoração do chão de fábrica em tempo real;
• Redução de custos;
• Auxilio na tomada de decisão imediata, de curto, médio ou longo prazo.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 9/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•São melhor aplicados em processos que:
• Estão espalhados em grandes áreas;
• São relativamente fáceis de controlar;
• Requerem intervenção regular ou imediata;
• Põe em risco a vida do operador.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 10/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCH’s):
• São grupos que são acionados ou desacionados de acordo com a demanda;
• Normalmente localizados em lugares remotos;
• Controlados de maneira simples (abertura e fechamento de válvulas);
• Precisam ser controlados continuamente;
• Devem responder de maneira relativamente rápida.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 11/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCH’s):

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 12/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCH’s):

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 13/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCH’s):

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 14/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCH’s):

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 15/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Instalações de produção de óleo e gás:
• Normalmente localizados em lugares remotos e de difícil acesso;
• Controlados de maneira simples (ligar/desligar motores, abrir/fechar válvulas);
• Precisam ser controlados continuamente;
• Devem responder de maneira rápida a solicitações.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 16/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Instalações de produção de óleo e gás:

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 17/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Instalações de produção de óleo e gás:

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 18/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Instalações de produção de óleo e gás:

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 19/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Instalações de produção de óleo e gás:

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 20/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Sistemas de tubulação:
• Localizados normalmente por vários kilometros longe do ponto de controle central;
• Controlados de maneira simples (ligar/desligar bombas, abrir/fechar válvulas);
• Precisam ser controlados continuamente;
• Devem responder de maneira rápida a solicitações de fornecimento, bem como a vazamentos de
materias tóxicos ao meio ambiente.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 21/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Sistemas de tubulação:

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 22/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Sistemas de transmissão de energia elétrica:
• Podem cobrir uma área de centenas ou até milhares de kilômetros quadrados;
• Podem ser controlados através da abertura e fechamento de chaves inserindo ou retirando elementos
do sistema;
• Precisam ser controlados continuamente;
• Devem responder de maneira rápida a solicitações das cargas, bem como o surgimento de emergências.
De tal forma a garantir o suprimento de energia.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 23/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Sistemas de transmissão de energia elétrica:

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 24/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Sistemas de transmissão de energia elétrica:

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 25/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Sistemas de transmissão de energia elétrica:

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 26/42


Processos em que o SCADA é aplicável
•Os exemplos citados podem dar a falsa impressão de que o SCADA não é aplicável em processos
mais complexos. Porém com o avanço tecnológico atual isto já é possível.
•Devido a baixa relação custo-benefício na implantação do SCADA até sistemas menores utilizam
tal tecnologia pois:
• Facilidade na monitoração e controle do processo;
• Redução de custos;
• Segurança do operador;
• Segurança da planta;
• Qualidade do produto final.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 27/42


Gestão de produção
•Um sistema SCADA auxilia na gestão de produção por possibilitarem:
• Melhor comunicação entre as áreas da operação;
• Melhor planejamento de produção;
• Melhor rastreamento de ordens de produção;
• Melhor administração do plano de produção;
• Acompanhamento mais preciso dos estoques de insumos, matérias-primas e produtos acabados;
• Melhor administração e manutenção dos equipamentos da planta.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 28/42


Arquitetura de um sistema SCADA
•Um sistema SCADA pode ser subdivididos em:
• Sensores e Atuadores;
• Estações remotas;
• Redes de comunicação;
• Estações de monitoramento central.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 29/42


Arquitetura de um sistema SCADA
•Sensores e Atuadores:
• Sensores são dispositivos que convertem parâmetros físicos (velocidade, temperatura, vazão dentre
outros), em sinais analógicos ou digitais legíveis pela unidade terminal remota (UTR);
• Atuadores são dispositivos usados para atuar no sistema, ligando e desligando determinados
equipamentos com objetivo de realizar o controle.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 30/42


Arquitetura de um sistema SCADA
•Unidades de Terminal Remota:
• Responsáveis pelo recebimento das informações dos sensores e o envio dos comandos aos atuadores
próximo ao processo;
• Usualmente as UTR’s fornecem a potência elétrica para os sensores e atuadores que requerem baixa
potencia em sua utilização;
• A depender do nível de confiabilidade requerida pelo processo é necessário uma alimentação das
remotas via uma UPS (uninterruptible power supply);
• A estação remota pode ser um equipamento dedicado, um PC ou um CLP.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 31/42


Arquitetura de um sistema SCADA
•Redes de comunicação:
• É a plataforma através da qual a informação de um sistema SCADA é transferido;
• Tendo em consideração os requisitos do sistema, as redes de comunicação podem ser implementadas
através de várias tecnologias:
• Profibus;
• Modbus;
• Devicenet;
• Controlnet;
• Ethernet;
• Hart;
• Dentre outras.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 32/42


Arquitetura de um sistema SCADA

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 33/42


Origem do Sistema SCADA
•Pesquisas aeroespaciais:
• Foguetes sem espaço suficiente para levar alguém para coletar informações;
• Praticamente um suicídio se dispor a viajar em um foguete nos dois primeiros terços do século 20;
• Havia a necessidade da coleta de informações ainda que o vôo estivesse disponível.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 34/42


Origem do Sistema SCADA
•Sistemas de previsão do tempo:
• Necessitava de uma atividade massiva de dados para realização desta atividade com precisão;
• Os dados não estavam em lugares normalmente habitados;
• Postos remotos, faróis, estações climáticas e navios poderiam ser tripulados para coleta de dados,
porém era arriscado e só podiam adquirir dados na superfície terrestre;
• Era necessário a aquisição de dados na atmosfera.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 35/42


Origem do Sistema SCADA
•Para solucionar esses problemas surgiu uma tecnologia que estava sendo utilizada na indústria
ferroviária.
• Monitoramento da posição dos trens e dos estados das chaves passou a ser através de comunicação
cabeada;
• Para maiores distâncias repetidores de sinais eram utilizados;
• A tal sistema deu-se o nome de telemetria.

•Dentre as vantagens da telemetria tem-se:


• Melhor agendamento dos trens;
• Possibilidade da mudança das chaves através de telégrafos.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 36/42


Origem do Sistema SCADA

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 37/42


Origem do Sistema SCADA
•A telemetria utilizada em sistemas ferroviários era limitado a instalações fixas nas quais os cabos
poderiam ser implantados entre a fonte do sinal e o local do monitoramento;
•Com o avanço da tecnologia a rádio surgiu então a telemetria a rádio;
• Se as informações fossem simples o rádio podia ser utilizado;
• Devido a não-necessidade de funcionar por muito tempo os rádios poderiam ter baterias reduzidas e
pesar menos tornando sua aplicação viável.
• Era possível agora a colocação de rádios em balões para medição de dados na atmosfera.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 38/42


Origem do Sistema SCADA

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 39/42


Origem do Sistema SCADA
•Evoluções na telemetria via rádio ocorreram, tais como:
• Aumento na confiabilidade;
• Surgimento de códigos detectores e corretores de erro;
• Aumento da capacidade de envio dos dados;
• Miniaturização de equipamentos.

•Porém a tecnologia a rádio ainda era do tipo “one-way”.


•Surgiu então na comunicação cabeada a chamada comunicação de “two-ways”
• Permitiu o controle dos trilhos do trem a distância;
• No começo dos anos 60 esta já era uma tecnologia em desenvolvimento.

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 40/42


Origem do Sistema SCADA
•Ao mesmo tempo que o rádio entrava em ascensão, outra tecnologia surgia: Os computadores
digitais, com diversas vantagens:
• Aumento na flexibilidade;
• Possibilidade no aumento do nível de complexidade dos sistemas;
• Centralização do controle através do computador médio.

•No começo dos anos 70 o termo “telemetria” começou a cair em desuso e o termo SCADA foi
criado para indicação de sistemas de “duas-vias”.
•O barateamento dos computadores tornou possível a descentralização do sistema
• Efetividade operacional levada em conta no lugar de custos de hardware;

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 41/42


Dúvidas?

21/08/2018 INTRODUÇÃO A SCADA 42/42