Você está na página 1de 3

Marcelo Georgius e Mauricio Lage

Projetos eletrônicos:
Circuito controlador de temperatura para ferro de solda

Centro de Formação Profissional / Pedro Martins Guerra - CFP/PMG


Itabira
Abril/2018
Circuito controlador de temperatura para ferro de solda
Esse documento apresenta uma explicação e análise do circuito que faz o controle de
temperatura de uma estação de solda, proposta de trabalho da aula do dia 20/04/18.
Dentre os diagramas apresentados, este circuito foi escolhido devido a função muito
interessante que ele executa e a praticidade dos dispositivos que o compõem.

Uma breve apresentação...

Img.1.0- Desenho da estação de solda


A imagem acima nos dá uma ideia de como o conjunto deve funcionar após ser
montado, no momento em que está fora do suporte o ferro começa a esquentar
normalmente, de acordo com a sua potência etc. E quando é colocado de volta ocorre o
controle da temperatura do ferro numa faixa de temperatura desejada. Isso é interessante
porque evita o consumo de energia no momento em que não estiver sendo utilizado e
não obstante mantém a uma adequada temperatura no ferro possibilitando com isso o
seu uso rápido durante a execução de uma soldagem. E tudo isso se da de forma
automática, e isso se deve pelos seguintes motivos: No suporte há um sensor térmico do
controlador de temperatura, que mostra em seu display a que temperatura está o ferro de
solda. Por meio de um dimmer pode –se variar a temperatura e ao lado tem um
interruptor on/off. A regulação de temperatura é feita controlando a potência dissipada
no resistor, ou seja, fazendo o controle direto da parcela de cada semiciclo da tensão da
rede que é aplicado ao ferro.
Diagrama interno

Os principais componentes desse circuito são:


 Sensores de temperatura LM 35
 CI 555
 Transformador de pulso
 TRIAC
 Transistores

Para uma compreensão mais fácil vamos analisar esse diagrama em partes de
acordo com os seus componentes principais.

CI 555 e sensores de temperatura


Na primeira parte temos um CI 555 operando em modo estável(oscilador), que gera
um trem pulsos na saída definido pelo estado dos dois termistores associados aos pinos
de threshold e reset. Esses termistores PTC e NTC variam sua resistência em função da
temperatura fazendo o comando de frequência de oscilação, o PTC tem uma variação
diretamente proporcional e o NTC inversamente proporcional a temperatura, ambos
possuem uma amplitude de funcionamento entre -200°C a + 1000°C.
A oscilação do clock na base do transistor Q2 provoca uma certa variação de tensão DC
no Trafo de pulsos que é quem controla o disparo do triac variando seus estados
(condução e cortado) no período da onda da rede determinado pela frequência do clock
do 555, e isso por sua vez é determinado pelos dois termistores PTC e NTC.