Você está na página 1de 3

O projeto foi escolhido mediante um concurso idealizado pelo então presidente da França

(1969-74) Georges Pompidou. O impacto sobre a população foi tremendo, tanto pelo desenho
e decisões projetuais quanto pelos próprios arquitetos, Renzo Piano e Richard Rogers, ambos
quase desconhecidos na época.

Era um modelo baseado nas possibilidades da alta tecnologia, estruturado com um sistema de
conexões, tubos e cabos de aço. O conceito mais perceptível do projeto era externalizar toda a
infraestrutura do edifício, tornando-a um componente do aspecto visual do edifício. Esse
exoesqueleto estrutural e infraestrutural permite, por um lado, identificar claramente a função
de cada elemento do edifício, e, por outro, que o interior seja completamente livre e
desobstruído.

A identificação da função dos componentes do edifício se dá através da utilização de cores


específicas. A estrutura e os maiores componentes de ventilação estão pintados em branco;
estruturas de escadas e elevadores, em prateado; elementos de ventilação, em azul; instalações
hidráulicas e de incêndio, em verde; elementos do sistema elétrico são amarelos e laranjas; e
os elementos relacionados com a circulação pelo edifício estão pintados de vermelho. O
principal deles é a escada externa da fachada oeste, pintada de vermelho nos seus planos
inclinados inferiores, que possibilita uma surpreendente vista de Paris.

O Centro Pompidou abriga o Museu Nacional de Arte Moderna, que é o maior museu europeu
do tipo. Localizada no grande espaço aberto interior está a Bibliothèque Publique
d’Information e um centro para música e investigações acústicas conhecido como IRCAM. O
espaço exterior, uma praça plana e livre, é constantemente utilizada para eventos urbanos.

O Centro Georges Pompidou foi inaugurado oficialmente em 31 de janeiro de 1977 e desde


então recebe anualmente cerca de 6 milhões de visitantes, sendo uma das obras mais visitadas
na França.

Ficha técnica:
 Arquitetos:Renzo Piano + Richard Rogers
 Ano: 1977
 Endereço: Beaubourg Paris França
 Tipo de projeto: Institucional
 Status:Construído
 Materialidade: Metal
 Estrutura: Metal
 Localização: Beaubourg, Paris, França
 Implantação no terreno: Isolado

Equipe:
1. Arquitetos: Renzo Piano + Richard Rogers
2. Engenharia estrutural: Ove Arup & Partners

Inserido em um momento de crise da arquitetura moderna, na década de 70, surgiu, apesar de


bastante criticado, um dos marcos do início da pós-modernidade das artes.

O Centro Cultural Georges Pompidou (Centre national d’art et de culture Georges-Pompidou)


é um complexo cultural fundado em 1977 na praça Beaubourg, no coração da cidade de Paris.
Foi desenhado pelo renomado arquiteto italiano Renzo Piano e pelo arquiteto também italiano
naturalizado britânico Richard Rogers.

O Centro Pompidou reúne em um só lugar um dos maiores museus do mundo, com a primeira
coleção de arte moderna e contemporânea da Europa, uma grande biblioteca pública com mais
de 2000 postos de trabalho, uma documentação completa sobre a arte do século XX, salas de
cinema e shows, um instituto de pesquisa musical, áreas de atividades educativas, livrarias, um
restaurante e um café.

Um dos símbolos da Paris contemporânea, o Centro Pompidou, um edifício tecnicista, aparenta


ser uma “gigante e musculosa fábrica de cultura”.

Tecnologicamente avançado, o edifício resume-se a uma megaestrutura à qual foram


acrescentados diversos módulos transparentes. Sua expressividade e tipologia referem-se à
arquitetura industrial tanto nos espaços internos, que se assemelham a fábricas urbanas, quantos
nos externos, cuja fachada lembra uma refinaria de petróleo, ou uma fábrica de produtos
químicos.

O Centro Pompidou é um dos principais exemplos da arquitetura high-tech, uma tendência dos
anos 70 e que continua a ser explorada até hoje.
A arquitetura high-tech utiliza os elementos tecnológicos como objetos estéticos, isto pode ser
observado nas grandes tubulações aparentes (dutos de ar condicionado e outros serviços
prediais) e no sistema estrutural em aço por sua semelhança aos sistemas industriais.

O Centro de Artes e Cultura, dividido em cinco níveis, foi projetado originalmente para receber
6000 visitantes por dia. Em 1997, foi feito um plano de ampliação dos espaços de exposições,
além de mudanças estéticas.

Hoje o Centro tem cerca de 14 mil metros quadrados cobertos e um melhor fluxo de visitantes:
cerca de 25.000 pessoas por dia.

Se você tem Iphone e/ou Ipad pode se preparar para a visita baixando na App Store o aplicativo
gratuito e oficial do Centre Pompidou . O Centro Pompidou está aberto de quarta-feira a
segunda-feira. O horário da exibição é das 11h00 às 21h00 e os ingressos para adultos variam
de €12 a €10 dependendo do período e está próximo das estações do Metro: Rambuteau,
Châtelet, Hotel de Ville e RER Châtelet-Les-Halles.

UM POUCO DE HISTÓRIA...

Herdeiro das coleções do Museu do Luxemburgo, criado em 1818 para receber as obras
compradas pelo Estado a artistas franceses vivos, o Museu Nacional de Arte Moderna – centro
de criação industrial – acolhe a maior coleção de arte moderna e contemporânea da Europa, e
uma das duas primeiras do mundo, com mais de 100 000 obras que datam desde 1905 até aos
dias de hoje.

É com a abertura do Centro Pompidou em 1977, criado pelos arquitetos Renzo Piano e Richard
Rogers, que o enriquecimento das coleções toma outro rumo. A vocação pluridisciplinar da
instituição, decididamente virada para as criações mais atuais, marca profundamente a política
de aquisições do Centro Pompidou ao apresentar artistas contemporâneos e abrindo-se à arte
internacional. Desde então, as suas coleções não param de crescer, nomeadamente graças à
generosidade dos seus doadores, e de se abrir a novas cenas artísticas.