Você está na página 1de 21

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Observatório do Valongo

Efemérides dos

Principais
Fenômenos
Astronômicos
2019
OO Obbsseerrvvaattóórriioo ddoo V
Vaalloonnggoo ((O
OVV)) ddaa UUFFRRJJ é sede do primeiro curso
de graduação em Astronomia do Brasil, criado em 1958. Seu campus, localizado no
Morro da Conceição, centro da cidade do Rio de Janeiro, é um espaço promotor de
ensino, educação e cultura e abriga um acervo de enorme riqueza, incluindo a Pazos,
a mais antiga luneta fabricada no Brasil. Além de seus compromissos acadêmicos, o
OV oferece ao público diversas atividades como visitas guiadas às suas instalações,
sessões de observação dos astros com telescópios, palestras, cursos de introdução à
Astronomia, atividades com telescópios e planetário inflável em escolas, eventos
agregando arte e Astronomia, entre outros. Neste calendário de fenômenos
astronômicos para 2019, listamos as datas e os períodos com as melhores
oportunidades para observação dos astros e, indicamos também, alguns de nossos
cursos, eventos e atividades programadas para o público.

Em 2019, venha conhecer o Obser vatório do


Valongo

Ladeira do Pedro Antônio, 43, Morro da Conceição, Saúde, Rio de Janeiro-RJ


Tel. (21) 2263-0685, extensao@astro.ufrj.br

www.ov.ufrj.br

https://www.facebook.com/ValongoUFRJ/
https://www.instagram.com/Valongo_UFRJ/
A primeira imagem acima, feita pelo astrônomo Igor Borgo do Observatório do Valongo em 2018, mostra a região do centro da
nossa galáxia, a Via Láctea, partes das constelações de Escorpião e Sagitário, além do planeta Saturno, objeto mais brilhante na
imagem (Camera Canon 6D e lente Nikon 50mm). A segunda imagem é um registro do fotógrafo Rodrigo S. Coelho (câmera Nikon
D7200) para o eclipse lunar total ocorrido em julho de 2018 no Rio de Janeiro. Em primeiro plano, a enseada de Botafogo. Ao fundo,
os Morros da Urca e do Pão de Açúcar, a Lua e o planeta Marte (ponto brilhante no canto superior direito).
Eventos astronômicos mês a mês
JJaanneeiirroo
01 – Conjunção* entre Vênus e Lua (*todos os termos em asterisco estão explicados no glossário,
na parte final);
02 – Saturno em Conjunção com o Sol;
03 – Terra no periélio (ponto de maior aproximação com o Sol);
03- Chuva de meteoros Quadrantidas;
03 – Lua,Vênus, Júpiter e Mercúrio formaram belo alinhamento antes do
amanhecer na direção leste;
06 – Vênus em máxima elongação* (direção leste, antes do amanhecer)
06 – Eclipse solar* parcial: visível apenas no Japão, Coréias, extremo leste da
Rússia, Mongólia e China, norte do oceano pacífico e trecho oeste do Alaska;
21- Lua Cheia em evento de Superlua*;
21 – Eclipse lunar* total: visível no extremo oeste e norte da Europa e África,
em todas as Américas, incluindo toda a extensão do território brasileiro. No
Rio de Janeiro a faixa de totalidade do eclipse terá início às 01h 34min e
término às 04h 50min;
22- Conjunção entre Vênus e Júpiter: os planetas estarão separados por 2,5º
na constelação de Escorpião antes do amanhecer, à leste;
30 – Conjunção entre Júpiter e Lua;
31 – Conjunção entre Vênus e Lua (neste dia,Vênus, Júpiter, Lua e a estrela
Antares estarão alinhados, formando belo conjunto antes do nascer do Sol);

No OV: A noite do Eclipse da Lua – 20/21 de janeiro

FFeevveerreeiirroo

02 – Conjunção entre Saturno e Lua;


12 – Conjunção entre Marte e Urano (os planetas estarão separados por 58’ à
oeste, no começo da noite, na constelação de Peixes);
18 – Conjunção entre Vênus e Saturno (os planetas estarão separados por 1,5 º à
leste, antes do nascer do Sol, logo abaixo de Júpiter);
19- Lua Cheia em evento de Superlua*;
27 – Mercúrio em máxima elongação (direção Oeste, no começo da noite);
27 – Conjunção entre Júpiter e Lua;
M
Maarrççoo
01 - Conjunção entre Saturno e Lua;
01 – Alinhamento quádruplo entre Júpiter, Lua, Saturno e Vênus (antes do nascer do
Sol, à leste);
02 – Conjunção entre Vênus e Lua;
07 – Netuno em Conjunção com o Sol;
20 - Início do Outono às 19h 58 min (horário de Brasília);
29 – Conjunção entre Saturno e Lua;
30 – Conjunção entre Marte e o aglomerado de estrelas Plêiades;

No OV: Início do Ciclo de Palestras Astronomia para Poetas 2018

No OV: IV Curso de Introdução à Astronomia

A
Abbrriill

02 – Conjunção entre Vênus e Lua;


08 – Encontro entre Lua, Marte e o aglomerado de estrelas Plêiades (à oeste, no
começo da noite);
10 – Conjunção entre Vênus e Netuno (os planetas estarão separados por 17’ à
leste, antes do nascer do Sol);
11 – Mercúrio em máxima elongação (direção leste, antes do amanhecer);
16 – Conjunção entre Mercúrio e Vênus ( os planetas estarão separados por 4º à
leste, antes do amanhecer);
22- Chuva de meteoros Liridas;
23 – Urano em Conjunção com o Sol;
23 – Conjunção entre Júpiter e Lua;
25 – Conjunção entre Saturno e Lua;

M
Maaiioo
03 – Conjunção entre Mercúrio e Lua;
06 – Chuva de meteoros Eta-Aquaridas;
07 – Conjunção entre Lua e Marte;
08 – Quatro astros brilhantes em sequência na mesma noite: Júpiter, Saturno, Marte
e Lua (visíveis após as 03h);
19 – Conjunção entre Urano e Vênus (os planetas estarão separados por 1,5º, à
leste, antes do nascer do Sol);
20 – Conjunção entre Lua e Júpiter;
22- Conjunção entre Lua e Saturno;

No OV: II Curso de Introdução à Astrofotografia


JJuunnhhoo
01 – Conjunção entre Vênus e Lua;
05 – Conjunção entre Marte e Lua;
10 – Júpiter em oposição*;
13 – Marte, Mercúrio e as estrelas Pollux e Castor formarão um quadrilátero no
horizonte oeste, na constelação de Gêmeos, no começo da noite;
18 – Conjunção entre Mercúrio e Marte (os planetas estarão separados por 15´
(depois do pôr do Sol, à oeste) na constelação de Gêmeos;
19 – Conjunção entre Lua e Saturno;
21 – Início do inverno às 13h 54min (horário de Brasília);
23 – Mercúrio em máxima elongação (direção oeste, no começo da noite);

No OV: I Curso em Astrobiologia

JJuullhhoo
02 – Eclipse Solar* total: visível na região tropical sul do oceano pacífico, parte da
Oceania, Chile e Argentina. No Brasil, haverá eclipse parcial do Sol, visível nas regiões
Sul, Centro Oeste e parte das regiões Sudeste, Norte e Nordeste. No Rio de
Janeiro, o Sol ficará apenas 8% encoberto; o eclipse parcial terá início às 17h 03min e
término às 18h 42min, quando o Sol já estará abaixo do horizonte;
04 – Terra no afélio (ponto de maior afastamento do Sol);
05 – Conjunção entre Mercúrio e Marte (os planetas estarão separados por 4º, no
horizonte oeste, no começo da noite);
10 – Saturno em oposição;
16 – Eclipse lunar parcial: visível na África, Europa, Ásia, parte da América central e
em toda a América do Sul. No Rio de Janeiro, o eclipse terá início às 17h (quando a
Lua ainda estará abaixo do horizonte) e terá término às 19h 59min;
21 – Mercúrio em conjunção inferior com o Sol;
28 – Chuva de meteoros Delta-Aquaridas.

No OV: Eclipse solar parcial – 02 de julho

No OV: Semana dos Planetas Gigantes – 04 a 07 de julho

No OV: A noite do eclipse da Lua – 16 de julho


O objeto mais brilhante desta imagem, de coloração esverdeada, é o cometa Wirtanen (46P/Wirtanen). Em dezembro
de 2018 ele se tornou um dos 10 cometas mais próximos da Terra desde o início da era espacial, passando a apenas 30
vezes a distância Terra-Lua, exibindo a coma (estrutura difusa em torno do ponto central) e uma tênue cauda. A bela
imagem foi registrada (câmera Canon 6D, lente Nikon 180mm f/2.8) durante o I Curso de Extensão de Introdução à
Astrofotografia do Observatório do Valongo da UFRJ, realizado entre novembro e dezembro de 2018. Créditos da
imagem: Igor Borgo e Observatório do Valongo.

O Sol fotografado em dois momentos diferentes: durante a ocorrência de um surto de tempestade solar, em setembro
de 2017 (esquerda), mostrando a presença de diversas manchas escuras em sua superfície e durante o trânsito do
planeta Mercúrio, em maio de 2016 (direita). Mercúrio aparece nessa imagem como um pequeno disco escuro, na
borda esquerda do Sol. As imagens foram registradas no Observatório do Valongo com telescópio refrator Zeiss
(coudé) 150mm f/15. Créditos da imagem: Daniel Mello e Observatório do Valongo da UFRJ.
A
Aggoossttoo

09 – Conjunção entre Júpiter e Lua;


09 – Mercúrio em máxima elongação (à leste, antes do nascer do Sol);
10 – Lua posicionada entre os planetas Júpiter e Saturno no começo da noite;
12 – Chuva de meteoros Perseidas;
12 – Conjunção entre Lua e Saturno;
14- Vênus em conjunção superior com o Sol;

No OV: I Curso de Cosmologia e Galáxias

SSeetteem
mbbrroo
02 – Marte em conjunção com o Sol;
04 – Mercúrio em conjunção superior com o Sol;
08- Conjunção entre Lua e Saturno;
10 – Netuno em oposição;
23 – Início da primavera às 04h 50 min (horário de Brasília);

O
Ouuttuubbrroo
03 – Conjunção entre Júpiter e a Lua;
20 – Mercúrio em máxima elongação (à oeste, ao anoitecer);
21 – Chuva de meteoros Orionidas;
28 – Urano em oposição;
29 – Mercúrio,Vênus e Lua formarão belo triângulo no horizonte oeste logo após o
pôr do Sol;
30 – Conjunção entre Mercúrio e Vênus (os planetas estarão separados por 2º
(horizonte oeste, no começo da noite);
31 – Conjunção entre Lua e Júpiter.
N
Noovveem
mbbrroo
02 – Conjunção entre Lua e Saturno;
05 – Chuva de Meteoros Tauridas;
11- Mercúrio em conjunção inferior com o Sol;
11 – Trânsito* de Mercúrio em frente ao Sol: o trânsito será visível em todas as
Américas, África, Europa e Oriente médio; No Rio de Janeiro o evento terá início às
10h 35min e término às 16h 04 min;
17 – Chuva de meteoros Leonidas;
21- Vênus, Júpiter e Saturno em belo encontro no oeste, no começo da noite;
23 – Conjunção entre Vênus e Júpiter (os planetas estarão separados por 1,8º no
horizonte oeste, no começo da noite);
24 – Conjunção entre Lua e Marte;
28 – Conjunção entre Lua e Júpiter;

No OV: O trânsito de Mercúrio – 11 de Novembro

D
Deezzeem
mbbrroo

10 – Conjunção entre Vênus e Saturno (os planetas estarão separados por 2º no


horizonte oeste, no começo da noite);
14 – Chuva de meteoros Geminidas;
22 – Início do verão às 02h 19min (horário de Brasília)
26 – Eclipse solar anular: A faixa de totalidade será visível no oriente médio, Índia,
sudeste asiático e Oceania; Invisível no Brasil;
27 - Júpiter em conjunção;
27 – Lua posicionada entre os planetas Vênus e Saturno no horizonte oeste, no
começo da noite;
29 – Conjunção entre Lua e Vênus;
As imagens deste painel ilustram a riqueza paisagística do campus do Observatório do Valongo da UFRJ e de seu
acervo astronômico, único na astronomia brasileira. Este acervo inclui a Luneta Pazos (canto superior direito), o
telescópio Zeiss (coudé) 150mm (canto superior esquerdo), o telescópio Cooke & Sons 300mm (canto inferior
central). Créditos: Daniel Mello e Observatório do Valongo da UFRJ.
O céu de cada estação
Nesta seção, reproduzimos, para o período médio de cada estação, os mapas do céu
para observação dos astros na cidade do Rio de Janeiro, às 20h. Para cada mapa,
indicamos os pontos cardeais para correta orientação dos mesmos e, indicamos
também, através da legenda, os astros em destaque para observação em cada
período ou estação, sempre no horário de 20h. Sugerimos ainda, para cada mapa, o
modo mais satisfatório para observação desses astros, seja através da observação a
olho nu, por meio de binóculos ou telescópios.

Alguns fenômenos, por serem variáveis, não estão indicados nos mapas como as
posições da Lua durante o mês, a posição dos cometas e asteroides e a ocorrência
de chuvas de meteoros. Para estas últimas, recomenda-se a visualização a olho nu.
Por outro lado, para ver detalhes na superfície da Lua como montanhas e crateras, e
para observação de cometas e asteroides, sugerimos o uso de binóculos e
telescópios.

A legenda abaixo contém a caracterização dos símbolos que serão utilizados em


cada mapa.

Para utilizar o mapa, coloque-o acima da cabeça e oriente a borda direita na direção
do horizonte do pôr do sol (horizonte Oeste, O). Créditos dos mapas: Chris Peat e
Heavens-Above.com. Adaptação e legenda: Daniel Mello e Observatório do Valongo.
Verão

Marte, constelações de Órion, Touro (Taurus), Gemêos (Gemini), Pégaso (Pegasus), Cão Maior
(Canis Major), Carina, Grou (Grus), Vela, Baleia (Cetus) e Andrômeda;

Marte, Galáxia* de Andrômeda, aglomerado* Plêiades e Nebulosa* de Órion.


Outono

Júpiter, Constelações de Órion, Gemêos (Gemini), Leão (Leo), Cão Maior (Canis Major),
Carina, Centauro, Cruzeiro do Sul (Crux), Vela, Virgem (Virgo), Ursa Maior e Boieiro (Bootes);

Nebulosa de Órion, Aglomerado Caixinha de Jóias, nuvens e luas de Júpiter, aglomerado


Ômega Centauri.
Inverno

Júpiter, Saturno, constelações de Centaurus, Cruzeiro do Sul (Crux), Virgem (Virgo), Boieiro
(Bootes), Libra, Hercules, Escorpião (Scorpius), Sagitário (Sagitarius), Pavão (Pavo), Águia (Aquila),
Corvo, Lyra e Cisne (Cygnus);

Aglomerado Caixinha de Jóias, nuvens e luas de Júpiter, aglomerado Ômega Centauri,


luas e anéis de Saturno e aglomerado M7.
Primavera

Vênus, Júpiter, Saturno, constelações de Centaurus, Escorpião (Scorpius), Sagitário (Sagitarius),


Águia (Aquila), Lyra, Cisne (Cygnus), Baleia (Cetus), Pégaso (Pegasus), Áries, Andrômeda e Grou
(Grus);

Nuvens e luas de Júpiter, luas e anéis de Saturno, aglomerado M7, fases de Vênus e galáxia
de Andrômeda.
Mapa lunar
Este mapa, recomendado para observações com binóculos e telescópios, contém as
principais regiões, vales, montanhas e crateras do lado visível da Lua. Para a correta
utilização do mapa, sugerimos que seja feita uma rotação de 180º para habitantes do
hemisfério sul da Terra. Créditos: Ralph Aeschliman.

Para uma versão em melhor resolução, acesse http://ralphaeschliman.com/linked/lnslamasm.jpg.


Imagem da Lua realizada em outubro de 2016 com telescópio refrator Zeiss (coudé) 150mm f/15 e câmera Nikon
D3200 no Observatório do Valongo. Créditos: Daniel Mello e Observatório do Valongo da UFRJ.

Fases da Lua em 2019


Lua Nova Quarto Crescente Lua Cheia Quarto Minguante

05 Jan 23:28 14 Jan 04:45 21 Jan 03:16 27 Jan 19:10


04 Fev 19:04 12 Fev 19:26 19 Fev 12:53 26 Fev 08:28
06 Mar 13:04 14 Mar 07:27 20 Mar 22:43 28 Mar 01:10
05 Abr 05:50 12 Abr 16:06 19 Abr 08:12 26 Abr 19:18
03 Mai 23:45 11 Mai 22:12 18 Mai 18:12 26 Mai 13:33
03 Jun 07:02 10 Jun 02:59 17 Jun 05:31 25 Jun 06:46
02 Jul 16:16 09 Jul 07:55 16 Jul 18:38 24 Jul 22:18
01 Ago 00:12 07 Ago 14:31 15 Ago 09:29 23 Ago 11:56
30 Ago 07:37 06 Set 00:10 14 Set 01:33 21 Set 23:41
28 Set 15:26 05 Out 13:47 13 Out 18:08 21 Out 10:39
28 Out 01:38 04 Nov 08:23 12 Nov 11:34 19 Nov 19:11
26 Nov 13:06 04 Dez 04:58 12 Dez 03:12 19 Dez 02:57
26 Dez 03:13
Horário de Brasília (DF); datas e horários já corrigidos para períodos com vigência do horário de verão.
Fonte: IMCCE, Bureau des longitudes.
A imagem acima, à esquerda, mostra um brilhante meteoro fotografado no Observatório do Valongo da UFRJ em abril
de 2018. A imagem da direita, feita pelo fotógrafo Eduardo P. Santiago em setembro de 2017, mostra outro belo
meteoro contra o fundo das constelações de Centauro e Cruzeiro do Sul, na cidade de São Sebastião (SP). Créditos:
EXOSS.ORG e Observatório do Valongo (esquerda) e EXOSS.ORG e Eduardo P. Santiago (direita).

Estes belos registros foram realizados pelo fotógrafo Leonardo Froes no radiotelescópio do Museu Aberto de
Astronomia - MAAS (esquerda, com câmera Canon 6D) e no Observatório Municipal de Campinas Jean Nicolini
(direita, com câmera Nikon D610), ambos em Campinas (SP). Eles mostram dois meteoros capturados contra o
magnífico fundo estrelado, contendo a Via Láctea (direita) e a galáxia de Andrômeda (esquerda).

Principais chuvas de meteoros em 2019


Nome da Chuva Período de vigência Máximo Taxa* Brilho
Liridas 16 Abr – 25 Abr 22 de Abril 18 Intenso
Eta Aquaridas 19 Abr – 28 Mai 6 de Maio 40 Intenso
Delta Aquaridas 12 Jul – 23 Ago 28 de Julho 25 Intenso
Perseidas 17 Jul – 24 Ago 12 de Agosto 110 Intenso
Orionidas 2 Out – 7 Nov 21 de Outubro 20 Intenso
Leonidas 6 Nov – 30 Nov 17 de Novembro 15 Intenso
Geminidas 4 Dez – 17 Dez 14 de Dezembro 140 médio
* A taxa se refere ao número médio de meteoros observados durante o período de 60 minutos, na situação hipotética do
radiante (local aparente de origem dos meteoros) se encontrar exatamente no ponto mais alto do céu. Fonte: IMO.
Glossário

Conjunção: Instante em que dois astros aparecem alinhados ou bem próximos um ao outro, do ponto de vista da Terra.
Uma conjunção pode ocorrer, por exemplo, entre um planeta e o Sol, um planeta e a Lua ou entre dois planetas.

Oposição: ocorre quando um planeta está em posição oposta ao Sol, quando observado da Terra. Em outras palavras,
indica que o planeta está a 180º da posição do Sol. Os instantes de oposição são os mais indicados para observação
dos planetas externos à órbita da Terra.

Máxima elongação: refere-se a uma posição especial para os planetas Mercúrio e Vênus, quando vistos da Terra. Nessa
configuração, esses planetas encontram-se em suas melhores posições para observação, tanto a leste (antes do
amanhecer), quanto a oeste (no começo da noite).

Eclipse lunar: Momento em que Sol, Terra e Lua estão perfeitamente alinhados, com a Terra posicionada entre o Sol e a
Lua. Nessa situação, os raios solares são interceptados pela Terra, que projeta na Lua sua sombra, produzindo o eclipse.
Os eclipses lunares podem ser totais, quando a Lua é completamente encoberta pela sombra da Terra ou parciais,
quando apenas parte da sombra terrestre é projetada na Lua.

Eclipse solar: Momento em que Sol, Terra e Lua estão perfeitamente alinhados, com a Lua posicionada entre a Terra e o
Sol. Nessa situação, os raios solares são interceptados pela Lua que projeta na Terra sua sombra, produzindo o eclipse.
Tais como os eclipses lunares, os solares podem ser totais ou parciais.

Superlua: Fenômeno que ocorre quando a Lua, na fase nova ou cheia, está em seu ponto de menor distância com a
Terra. Geralmente o termo superlua é mais utilizado para a Lua cheia que, devido ao fato de estar, nessa ocasião, mais
próxima da Terra, tem brilho geralmente maior que as outras Luas cheias ocorrentes durante o ano.

Trânsito: Em Astronomia, o trânsito se refere ao instante em que um astro, de menores dimensões, passa em frente a
um outro, de tamanho maior. Com relação aos planetas do Sistema Solar, para um observador na Terra, ocorrem
apenas os trânsitos dos planetas Mercúrio e Vênus em frente ao Sol, embora estes sejam eventos raros.

Aglomerado estelar: Refere-se a um conjunto de estrelas que, em geral, possuem propriedades similares como idade,
distância e brilho de suas componentes.

Nebulosa: região difusa formada, basicamente, por gás e poeira interestelar. Embora algumas nebulosas possam ser
restos de estrelas mortas, as maiores nebulosas conhecidas são regiões onde novas estrelas estão sendo formadas.

Galáxia: Enorme conjunto ou sistema contendo estrelas, planetas, nebulosas e poeira interestelar. Uma galáxia típica
como a Via Láctea ou Andrômeda pode conter até 200 bilhões de estrelas.

A figura e a legenda abaixo ilustram, para os planetas A e B, as configurações planetárias


mencionadas acima, conjunção, oposição e elongação, com base na órbita e posição da
Terra. Nessa figura, as dimensões das órbitas, do Sol e dos planetas não estão em escala.
Visitas guiadas ao Observatório do Valongo
Terças às sextas-feiras – 11 às 16h

Sessão de observação dos astros com telescópios


Todas as quartas-feiras – período noturno

Contato
extensao@astro.ufrj.br, tel. (21) 2263-0685, r. 236.

Pesquisa e edição: Daniel R. C. Mello


Revisão: Rundsthen Vasques de Nader
Referências e efemérides: JPL Center – https://ssd.jpl.nasa.gov/?ephemerides
(https://eclipse.gsfc.nasa.gov)
IMCCE, Bureau des longitudes – https://site.bdlg.fr/
International Meteor Organization IMO – https://www.imo.net/
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza
Observatório do Valongo

Roberto Leher
Reitor

Cássia Curan Turci


Decana do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza

Hélio Jaques Rocha Pinto


Diretor do Observatório do Valongo

Rundsthen Vasques de Nader


Vice-diretor do Observatório do Valongo

Daniel Rodrigues Costa Mello


Coordenador de extensão do Observatório do Valongo

www.ov.ufrj.br