Você está na página 1de 61

Na aula passada

Vantagens e desvantagens do uso do aço na construção;

- Processo de fabricação;

- Características do aço: composição química (%


Carbono);

- Nomenclatura ABNT e ASTM;

- Tipos de perfis (neste curso: laminados –


NBR8800:2008).
Tenacidade
- É a capacidade do material absorver energia e se
deformar plasticamente antes da fratura.

- Materiais tenazes frequentemente fraturam depois


que grandes deformações plásticas ocorrem.

https://www.nde-ed.org/EducationResources/CommunityCollege/Materials/Mechanical/
Toughness.htm
Tenacidade
- À medida que a temperatura diminui, os aços perdem
sua tenacidade e tendem a romper de maneira frágil.
Na aula de hoje

- O que é um projeto estrutural;

- Estados limites último e de serviço;

- Ações e combinações de ações.


Projeto estrutural
O que é um projeto de estruturas?

- O projeto de estruturas é a escolha dos arranjos e


dimensões dos elementos estruturais para garantir a
segurança estrutural e o bom desempenho da
estrutura;

- O projetista deve levar em conta a interação do


projeto com as demais disciplinas como o projeto
arquitetônico e de instalações;
- O desenvolvimento do projeto estrutural deverá
obedecer às prescrições da NBR8800:2008.
Fases de um projeto
A elaboração de um projeto de estruturas e sua execução,
em geral, compreendem as seguintes fases:
- O anteprojeto da estrutura: definição do sistema
estrutural, dos materiais e o sistema construtivo;
- Dimensionamento ou cálculo estrutural: definição das
dimensões dos elementos de forma a garantir sua
segurança e durabilidade com custos compatíveis;
- Detalhamento: elaboração dos desenhos executivos da
estrutura contendo a especificação de todos os
elementos.
Projeto de estruturas
Estados limites
Estados limites

Os estados limites a serem considerados no


dimensionamento de uma estrutura, de acordo com a NBR
8800:2008 são:

- Estado Limite Último (ELU);

- Estado Limite de Serviço (ELS).

Nenhum estado limite deve ser excedido para as


combinações de ações apropriadas.
Estado limite último
Estado Limite Último (ELU)
Estado que, por sua ocorrência, pode levar ao colapso total
ou parcial da estrutura. Portanto, está relacionado à
segurança estrutural para as combinações de ações mais
desfavoráveis.

O esgotamento da capacidade portante da estrutura ou de


um componente estrutural pode levar à:

- Ruptura de seções ou ligações;


- Plastificação total de um elemento;
- Perda de estabilidade;
- Ruptura por fadiga.
Verificação para o ELU
Plataforma petrolífera Alexander Kleiland
Mar do Norte
Estruturas sujeitas às solicitações de
fadiga

http://inspecaoequipto.blogspot.com.br/
2013/09/caso-035-e-plataforma-virou-
mar-do.html
Ciclovia no Rio de Janeiro
Desabamento da ciclovia em 2017.
Ciclovia no Rio de Janeiro
- Acidente ocorreu durante a ressaca do mar;

- Duas pessoas morreram;

- Falha na elaboração do projeto: faltaram estudos


preliminares oceanográficos dos efeitos das ondas sobre
a estrutura da ciclovia;

- Foi retirada dos itens do edital de licitação a


comprovação de experiência pelas empresas licitantes de
projeto executivo de obras de arte especiais.
http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-05/crea-rj-falha-de-projeto-foi-
uma-causas-do-desabamento-de-ciclovia-no-rio
Ponte estaiada na Colômbia
Desmoronamento da ponte que ligaria Bogotá a
Villavicencio, no sudeste do país, em janeiro deste ano
(2018), durante sua construção.
Ponte estaiada na Colômbia
-Seria inaugurada em março;

-9 pessoas morreram;

-As causas (do desmoronamento) ainda são tema de


investigação.

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/01/16/internacional/
1516062520_239532.html
Estado limite de serviço
Estado Limite de Serviço (ELS)
- Corresponde à impossibilidade do uso normal da
estrutura estando relacionado à durabilidade das
estruturas, aparência, conforto do usuário e sua boa
utilização funcional, seja em relação aos usuários, às
maquinas e aos equipamentos utilizados.

- Formação/abertura de fissuras;

- Deformações excessivas;

- Vibrações excessivas.
Verificação para o ELS
- Um dos requisitos exigidos no dimensionamento da
estrutura é que esta atenda aos critérios para o ELS.

Sser ≤ Slim
- Sser: representa os valores dos efeitos estruturais de
interesse (deslocamentos verticais (flechas) e
horizontais);

- Slim: representa os valores-limites (deslocamentos


máximos) adotados para esses efeitos, fornecidos na
Tabela C.1 do Anexo C da NBR8800:2008.
Ponte do Milênio em Londres
Vibrações excessivas durante a passagem de pedestres na
inauguração. Solução encontrada, preservando-se a
estrutura original da ponte: uso de amortecedores.

https://www.youtube.com/watch?v=eAXVa__XWZ8
Ponte Rio-Niterói
Os ventos que incidiam sobre a ponte Rio-Niterói provocavam
oscilações de até 1,2 m.
Solução encontrada: uso de amortecedores.

https://www.youtube.com/watch?v=VJeUGfVUZt0
Solicitações
Solicitação
Uma solicitação pode ser definida como uma ação capaz
de produzir ou alterar a deformação de um corpo ou o
estado de tensão de seus elementos.

As solicitações consideradas nos projetos de estruturas


civis podem ser:

- Cargas, oriundas da ação da gravidade;


- Vento;
- Variações de temperatura;
- Recalques de apoio;
- Terremotos, ...
Solicitação
- Nas verificações de segurança é mais comum utilizar os
esforços internos (tensões, momentos fletores, forças
normais, forças cortantes, etc) para comparação com as
resistências;

- A verificação da segurança é feita geralmente


comparando-se um esforço interno resistente com um
esforço interno solicitante;

- O esforço interno resistente é obtido a partir das


dimensões da seção e da resistência dos materiais.
Classificação das ações

- Numa análise estrutural deve ser considerada todas as


ações atuantes sobre a estrutura, levando-se em conta
os ELU e ELS;

- As ações são classificadas em permanentes, variáveis


e excepcionais de acordo com a NBR 8800:2008 (pág.
15).

- O critério utilizado para essa classificação é a


variabilidade da ação ao longo do tempo.
Ações permanentes
- Praticamente constantes durante toda a vida útil da
estrutura;

- Podem ser diretas ou indiretas.

- Diretas: peso próprio da estrutura, peso próprio dos


elementos construtivos (revestimentos, pisos, paredes
divisórias) e das instalações permanentes, empuxos
devido ao peso próprio de terras não removíveis.

- Indiretas: deformações impostas por retração e


fluência do concreto, deslocamentos de apoio
(recalques de apoio), imperfeições geométricas.
Recalque de apoio

- A NBR 8800:2008 recomenda que se considerem


recalques de apoio apenas quando esta ação produzir
esforços significativos em comparação com o conjunto
das outras ações.
Prédios na orla de Santos – exemplo de
recalque
- 65 edifícios construídos entre os anos 1950 e 1960
passaram a afundar na orla de Santos tendo suas estruturas
comprometidas por causa de fundações rasas;
- Em 2012 iniciou-se os trabalhos de recuperação,
concluídos em 2014.
Ações variáveis
- São as que ocorrem com valores que apresentam
variações significativas durante a vida útil da construção.

- São as cargas acidentais, decorrentes do uso (pessoas,


móveis, veículos) bem como seus efeitos, tais como
forças de impacto, frenagem e aceleração, por exemplo.

- Há ainda aquelas resultantes de eventos naturais tais


como a variação de temperatura e a ação do vento.
Ações variáveis
Cargas acidentais:

- Decorrentes da utilização da estrutura ou sobrecarga de


utilização.

- Exemplos: sobrecargas em pisos devido ao peso de


pessoas, sobrecargas em coberturas, objetos e materiais
estocados, etc.

- As ações causadas pelo uso e ocupação são fornecidas


no anexo B da NBR 6120 e da NBR 7188.
Ações variáveis
- Sobrecarga na cobertura:

- É uma carga uniformemente distribuída atuando sobre


a projeção horizontal do telhado (acúmulo de pó ou
outros materiais a que um galpão, por exemplo, fica
sujeito);

- Seu valor é função da finalidade e da área em que a


estrutura for construída, podendo atingir valores de 10
kN/m2 ou mais.
Sobrecarga na cobertura
- No item B.5.1 do Anexo B da NBR 8800:2008, nas
coberturas comuns (telhados), na ausência de
especificação, deve ser prevista uma sobrecarga mínima
de 0,25kN/m2, em projeção horizontal.

- Admite-se que essa sobrecarga englobe as cargas


decorrentes de instalações elétricas e hidráulicas, de
isolamento térmico e acústico e de pequenas peças
eventualmente fixadas na cobertura, até um limite
superior de 0,05kN/m2.

- Estas ações de elementos a serem fixados devem estar


especificados nos desenhos e contrato do projeto.
Ações variáveis
Ação do vento:

- A ação do vento deve ser aplicada conforme a NBR


6123. Inicialmente, define-se em que região do país a
edificação se situa. Com base no gráfico de isopletas da
NBR 6123, pode-se determinar a velocidade básica do
vento a ser considerada no projeto. Segue-se a rotina de
cálculo definida na NBR 6123: determinar a velocidade
característica e os coeficientes de pressão.
Está além dos objetivos deste curso detalhar o
procedimento de cálculo.
Ações variáveis
Ações dinâmicas

- Quando a estrutura, pelas suas condições de uso, está


sujeita a vibrações, seus efeitos devem ser considerados
na determinação das solicitações e a possibilidade de
fadiga deve ser considerada no dimensionamento dos
elementos estruturais, de acordo com o anexo K da NBR
8800:2008.
Ações excepcionais

- Têm duração extremamente curta e probabilidade


muito baixa de ocorrência durante a vida da construção;

- Consideram-se ações excepcionais as decorrentes de


explosões, incêndios, enchentes ou sismos.
Combinação das ações
Combinação das ações
- Ações devem ser combinadas objetivando determinar os
efeitos mais desfavoráveis para a estrutura;

- Combinações Últimas (ELU): normais,


especiais/construção e excepcionais;

- Combinações de utilização ou Serviço (ELS): quase-


permanente, frequente e rara.
Coeficiente das ações
As ações devem ser ponderadas pelo coeficiente a seguir
(pág. 17):
Combinações das ações - ELU

Combinações últimas – item 4.7.7.2


- Normais, especiais/construção e excepcionais;
- As ações permanentes configuram em todas as
combinações.
- Ações variáveis = Variável principal (Fk) e Variáveis
secundárias (Ψ0· Fk).
Combinações últimas normais
- Decorrem do uso previsto da edificação;

Fk: valor característico de uma ação.


(Fsd) ou Fd: valor de cálculo ou projeto.
Combinações últimas – coeficiente de
ponderação : ações variáveis
Ação truncada
- É aquela cuja distribuição de valores máximos é truncada
por um dispositivo físico ou pela impossibilidade de ser
superado tal valor limite.

- Esse tipo de ação é representativo do peso de líquido em


tubulações e reservatórios com controle de nível máximo.

- No projeto estrutural emprega-se o coeficiente de


ponderação dado na Tabela 1.2 multiplicado por esse valor
máximo da ação truncada.
Coeficientes de combinação para
ações variáveis
Pontes rolantes
Galpão com ponte rolante
Pontes rolantes
- A capacidade deve ser especificada em projeto, de acordo
com a necessidade do usuário.
- Nos catálogos fornecidos por fabricantes têm-se os
carregamentos oriundos das pontes rolantes.

http://www.kochmetal.com.br
Pontes rolantes
- A ação proveniente da ponte rolante é dinâmica, logo,
deve-se considerar coeficientes dinâmicos.

https://www.bravometal.com.br/ponte-rolante/

Instalação e teste de carga:


https://www.youtube.com/watch?v=np6uNYmRubQ
Exemplos de combinação última
normal
Combinações últimas normais
Considere os seguintes esforços normais em um elemento
de uma treliça de aço de um edifício comercial:
Combinações últimas normais
Considere agora que a carga permanente produzisse um
esforço normal de compressão no elemento :
Combinações últimas especiais
- Duração muito pequena em relação ao período útil da
estrutura.

- Exemplo: o transporte de um equipamento especial sobre


uma ponte, que supere o carregamento do trem-tipo
considerado.
Combinações últimas excepcionais

- Duração extremamente curta, de algumas horas;

- São as ações decorrentes de causas como: explosões,


choques de veículos, incêndios, enchentes ou sismos
excepcionais.

- Na existência de ações com efeitos catastróficos o


carregamento é definido como excepcional.
Combinações das ações - ELS
Combinações das ações - ELS

- Combinações quase-permanentes, frequentes e raras.

- Os valores das ações Fserv para verificação de ELS são


obtidos com γf = 1,0.

- Devem ser consideradas todas as ações permanentes.


Combinações das ações quase-permanente

- Esta combinação é utilizada no controle usual de


deformações (deslocamentos excessivos) das
estruturas.

- Exemplo: Um valor limite de deslocamento vertical em


viga é aplicado ao deslocamento resultante de uma
combinação quase-permanente de ações para evitar a
ocorrência de deslocamentos excessivos na viga.
Verificação de deformações (flecha) – ELS
Anexo C- tabela C.1

qK

q=

l/350: flecha limite para viga de piso:

𝑙/350
Combinações das ações frequentes
- Combinações utilizadas para estados-limites reversíveis
como os relacionados a vibrações excessivas,
empoçamentos em coberturas.

- Exemplo: As cargas móveis e o vento podem produzir


vibrações nas estruturas e causar desconforto aos
usuários.
Combinações das ações raras
- Combinações utilizadas para os estados-limites
irreversíveis, que causam danos permanentes, e para
aqueles relacionados ao funcionamento adequado da
estrutura como formação de fissuras.

- Exemplo: Uma viga suporta elementos sujeitos à


fissuração, tais como paredes divisórias; então deve-se ter
maior rigor na verificação e restringir o deslocamento
resultante de uma combinação rara de ações em serviço.