Você está na página 1de 9

VIII SRST – SEMINÁRIO DE REDES E SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES – INATEL


ISSN 2358-1913
SETEMBRO DE 2018

Tendências da Rede de Transporte


Roberto César da Silva¹, André Luis da Rocha Abbade2

Para acomodar tais aplicações, redes públicas de


Abstract — This final paper aims to show the new technologies telecomunicações migraram para redes puras de pacotes, como
in telecommunications networks like DWDM, PTN and the por exemplo Ethernet. A tecnologia Ethernet traz uma
interconnection with in existing networks, such SDH and PDH flexibilidade nas redes de comunicação que permite as
networks, showing its advantages and the technical
characteristics that must be considered in an old network
aplicações mais modernas serem implementadas.
migration to modern networks and with greater capacity of Entretanto, uma tecnologia de comutação de pacotes sem
transmission and support to multi-protocols. orientação a conexão não consegue garantir o mesmo nível de
Index Terms — DWDM, SDH, PTN, Networks. qualidade de serviço em comparação ao SDH e redes
operacionais de aplicações críticas como utilities permanecem
Resumo — Este trabalho de conclusão de curso visa apresentar regidas por altos requisitos em confiabilidade e garantia de
as novas tecnologias em redes de telecomunicações como DWDM, serviço. Estes segmentos têm também otimizado suas
PTN e as interconexões com redes existentes, como redes SDH e
PDH, apresentando as vantagens e as características técnicas que
operações com cada vez mais necessidades de aplicações em
devem ser consideradas em uma migração de uma rede antiga tempo real.
para uma rede moderna com aumento de capacidade de A tendência crescente para as aplicações de Internet das
transmissão e suporte a multiprotocolos. Coisas IoT (Internet of things) reforçou o requisito de
Palavras chave — DWDM, SDH, PTN, Redes. telecomunicações confiáveis nos sistemas digitalizados de
hoje. As redes de comunicação precisam ser cada vez mais
I. INTRODUÇÃO rápidas, eficientes e seguras para garantir a transmissão de
O propósito deste trabalho de conclusão de curso é dados de processos para sistemas de controle e operadores.
demonstrar quais os efeitos de uma integração entre sistemas Com a crescente demanda por aplicações em redes de pacotes,
de transporte de dados de telecomunicações modernos estes segmentos agora enfrentam novos requisitos para suas
sobrepostos a sistemas legados, inclusive com diferentes redes de comunicação. A medida em que a tecnologia de
tecnologias e protocolos que precisam ter interoperabilidade comutação de pacotes está aumentando para suportar as
por questões técnicas ou por questões financeiras das aplicações modernas, está aumentando também o nível de
empresas. ameaças à segurança cibernética. Logo, se adequar para novas
Aplicações industriais e telecomunicações públicas tecnologias e ao mesmo tempo proteger as comunicações de
dependem de redes de comunicação confiáveis. No passado, missão crítica garantindo os requisitos técnicos para uma
WAN (Wide Area Networks) de operadoras de serviços operação segura se torna essencial e desafiador.
públicos e de utilities (empresas do setor elétrico, óleo e gás, Aplicações de missão crítica requerem um desempenho
mineração e ferrovias), se basearam em redes de comutação de distinto, logo redes híbridas TDM/PTN (Time Division
circuitos PDH (Plesiochronous Digital Hierarchy) e SDH Multiplexing / Packet Transport Network) se tornam essenciais
(Synchronous Digital Hierarchy), que proviam desempenho e neste contexto de redes de comunicação. Milhões de
segurança adequados para ambas aplicações. dispositivos como relés digitais, sistemas de controle de
A demanda por tráfego de dados cresceu de forma processos, entre outros, que hoje dependem de interfaces TDM
significativa impulsionada pela mudança na necessidade dos não poderão ser migrados para tecnologia de pacotes de forma
usuários, que era essencialmente comunicação de voz e hoje é imediata. Toda a base instalada requer um processo de
para serviços de tripple play (voz, dados e vídeo). migração suave e transparente que tipicamente começa pelo
backbone. Desta forma, faz-se necessário uma solução que
permita conectar toda a infraestrutura TDM para rede core de
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Instituto Nacional de pacotes da forma mais segura possível.
Telecomunicações, como parte dos requisitos para a obtenção do Certificado
de Pós-Graduação em Engenharia de Redes e Sistemas de Telecomunicações.
Orientador: Prof. André Luis da Rocha Abbade. Trabalho aprovado em
07/2018.
II. CONSIDERAÇÕES GERAIS IV. SISTEMAS DWDM

Durante muitos anos as redes SDH vinham dominando a Os sistemas tradicionais de dados e voz operam utilizando a
rede de transporte de dados, porém com a evolução da frequência e o tempo como parâmetro de transmissão, já o
tecnologia e a demanda crescente por capacidade de sistema DWDM possui um sistema de transmissão baseado em
transmissão e modularidade na utilização de interfaces de comprimento de onda eletromagnética representado por (λ) e
comunicação, surgiram e vem sendo amplamente utilizadas trabalha na faixa de espectro de luz infravermelha variando de
redes modernas e de alta capacidade, como redes DWDM 800nm a 1700nm, como pode ser verificado na Figura 1. [10]
(Dense Wavelength Division Multiplexing), OTN (Optical
Transport Network) e PTN, POTs (Packet Optical Converged
Transport) e SDN (Software Defined Networking).
O objetivo deste trabalho é demonstrar como integrar essas
novas tecnologias às redes legadas existentes SDH e PDH, que
estão obsoletas, avaliando as vantagens e os riscos envolvidos.

III. REDES PDH E SDH

Tecnologias como redes de transporte PDH e SDH, vem se


tornando cada vez mais ineficientes, pela demanda atual por
transporte de dados em alta velocidade e pelo fato do
surgimento de novas tecnologias capazes de atender aos
requisitos mínimos e a demanda cada vez mais crescente para
transporte de dados e escalabilidade de recursos.
Com a evolução tecnológica, transportar dados na rede SDH Figura 1. Espectro Eletromagnético para Transmissão Óptica.
utilizando frames STM-N (Synchronous Transport Module)
com as taxas de bits respectivamente de 155.520 Mbps (STM- Esse sistema permite uma transmissão de dados
1 elétrico ou óptico), 622.080 Mbps (STM-4 óptico), extremamente elevada, porém ao analisarmos a integração de
2,488.320 Mbps ou 2,5 Gbps (STM-16 óptico) e 9,953.280 redes legadas SDH e PDH em novas redes utilizando DWDM,
Mbps ou 10 Gbps (STM-64 óptico) se tornou fator limitante devemos observar as propriedades da fibra óptica. O upgrade
para várias aplicações e necessidades das redes atuais que das redes legadas passa pelas restrições existentes relacionado
precisam de escalabilidade e modularidade. [12] a qualidade da fibra para se obter um perfeito funcionamento
Visando uma melhoria na utilização da rede legada, o SDH da rede óptica, como as atenuações, dispersões e efeitos não-
se transformou no NG-SDH (Next Generation Synchronous lineares. Além das perdas, é necessário deixar uma margem de
Digital Hierarchy), que permite em teoria a transferência e segurança, em média 10% do orçamento total, ou
convivência dos tráfegos TDM e de pacotes, sendo esse último aproximadamente 3 dBs. Esse valor serve de reserva para
baseado no protocolo IP (Internet Protocol). compensar a perda de potência que as fibras podem ter ao
Outra característica que torna esta tecnologia não muito longo de sua vida útil, e ao aumento da atenuação na própria
vantajosa é o fato de trafegar dados de forma determinística fibra causada pelo envelhecimento e exposição ao tempo,
através de circuitos dedicados, desperdiçando assim banda mesmo o cabo possuindo diversas camadas de proteção.
para transmissão de outras aplicações, por apresentarem tais As fibras ópticas não transmitem sinais de uma forma eficaz
características dedicadas. em todos os comprimentos de onda, somente em alguns
As redes PDH que surgiram anteriormente à rede SDH intervalos, também conhecidos como janelas de transmissão.
também apresentam características semelhantes a esta última, Hoje em dia, normalmente a 2ª janela (Original Band ou O-
porém em menor capacidade de transmissão e não possuindo band) aproximadamente em 1300 nm, a 3ª janela
uma boa relação de sincronismo, assim como uma precisão na (Conventional band ou C-band) de 1530 a 1565 nm e a 4ª
transmissão dos sinais de sincronismo, necessitando assim janela (Long band ou L-band) de 1565 a 1620 nm são as mais
recuperar o sinal, daí vem o significado da palavra plesiócrona utilizadas.
que vem do grego Plesíos (Quase) + Kronos (Tempo), em uma O sistema DWDM é uma melhoria da tecnologia WDM que
tradução livre poderia ser considerada “quase síncrono”. tinha uma limitação de canais por janela de transmissão, já o
Não serão detalhadas as características de cada tecnologia DWDM é uma tecnologia que pode combinar dezenas de
PDH e SDH neste trabalho, pois não é o objetivo explanar tais canais em uma única fibra.
conceitos, serão abordadas as dificuldades para integração em Vários comprimentos de onda são combinados em uma
novas redes de transporte e soluções para proporcionar a única fibra utilizando a tecnologia de divisão por comprimento
melhor interoperabilidade com outras tecnologias. de onda WDM ou DWDM onde comprimentos de onda (ou
cores), podem multiplexar sinais, sem a necessidade de
utilização de novas fibras, como apresentado na Figura 2. [02] quando não há taxas a se transmitir no canal de comunicação.
como exemplo, para transportar 100 Mbps ethernet em
sistemas SDH STM-1 se perde 35,699% da banda disponível,
já para se transmitir 1 Gbps ethernet em sistemas SDH STM-
16 o desperdício é ainda maior, em torno de 59,812 %.
O planejamento de rede, provisionamento de circuitos e
reconfiguração podem levar várias semanas, enquanto
equipamentos DWDM podem ser mais simples, apenas
habilitando um novo comprimento de onda em uma fibra
existente.
O que diferencia basicamente WDM de DWDM é que o
Figura 2. Exemplo de multiplexação de 4 comprimentos de onda em uma espaçamento entre os comprimentos de onda é menor,
única fibra. tornando assim o meio mais denso e consequentemente
aumentando a capacidade de transmissão, além de transportar
Os sistemas DWDM utilizam as bandas C e L e podem diferentes velocidades e tipos simultaneamente dentro da
chegar a taxas de transmissão elevadas, hoje fabricantes já mesma fibra, onde o protocolo e as taxas de transmissão são
comercializam produtos com 160 canais a uma taxa de independentes. Os sinais de origem devem ser convertidos de
transmissão por canal de mais de 100 Gbps. elétrico para óptico antes de serem multiplexados.
Além dos canais úteis, existem comprimentos de onda Provedores já possuem grande quantidade de fibras ópticas
reservados aos canais de supervisão óptica OSC (Optical em redes metropolitanas, facilitando assim a implementação de
Supervisory Channel) em 1510nm, fora da banda C e sistemas DWDM, que permitem grandes vantagens
desacoplado dos amplificadores ópticos EDFA (Erbium- relacionado ao transporte de tráfego IP, exigindo suporte a
Doped Fiber Amplifier - amplificador de fibra dopada a érbio). multiprotocolos, escalabilidade, segurança e disponibilidade,
Os canais de supervisão conectam os elementos da rede gerenciamento de rede, consumo de energia e custo
DWDM e satisfazem aproximadamente as mesmas funções competitivo.
dos cabeçalhos no sistema SDH. Os sinais ópticos são atenuados a medida que viajam pela
Para o sistema DWDM é necessário a utilização de fibras fibra, devem ser periodicamente regenerados, por exemplo em
monomodo, pois possuem uma maior capacidade de transporte redes SDH exige-se regenerador elétrico separado a cada 60 a
de dados, menor atenuação e podem alcançar distâncias 100 Km, sendo assim, os custos dos regeneradores se tornam
maiores em relação às fibras multimodo. elevados, além dos custos de instalação e serviços de
A terceira janela é a mais utilizada para longas distâncias configuração. Já os equipamentos DWDM, por possuírem a
pois oferece algumas vantagens como baixa atenuação e opera capacidade de transportar vários sinais na mesma fibra e
em frequências compatíveis com o EDFA, porém as utilizarem a mesma região de operação do EDFA, podem
características de dispersão são limitadas para as fibras SM amplificar todos os sistemas transportados em apenas uma
(Single Mode), conforme padrão ITU G.652. [15] fibra, reduzindo significativamente os custos de implantação e
O tipo de fibra óptica mais comum de se utilizar em manutenção da rede.
sistemas DWDM é a fibra de dispersão deslocada não-nula A utilização de sistemas DWDM elimina a necessidade de
(NZDSF – non-zero dispersion shifted fiber), pois mantêm a regeneradores conforme Figura 3. [02]
dispersão baixa próximo a 1550 nm, mas não zero, essa
estratégia controla a dispersão em um nível tal que não
aumenta de forma muito significativa os efeitos não-lineares, e
este pequeno valor controlado de dispersão resolve o problema
dos efeitos não-lineares da fibra DSF (dispersion shifted fiber).
Os sistemas que utilizam a tecnologia TDM são utilizados
largamente para taxas de 2,5 Gbps, 10 Gbps e até mesmo 40
Gbps, no entanto é complexo e dispendioso, tanto para
comprar quanto para manter, além disso existem importantes
questões técnicas que podem restringir sua aplicabilidade,
como por exemplo, a transmissão sobre fibra monomodo para Figura 3. Eliminação de regeneradores em sistemas DWDM
taxas de 10 Gbps, é 16 vezes mais afetado pela dispersão por
modo de polarização (PMD – Polarization Mode Dispersion) A Figura 4 apresenta a capacidade de transmissão de vários
do que taxas de 2,5 Gbps. Além disto, transmissão em altas canais com altas taxas simultaneamente através de um sistema
potências introduzem efeitos não-lineares que podem afetar a DWDM. [02]
qualidade da forma de onda.
Outro fator importante sobre as características do TDM é a
ineficiência quando a disponibilização de time-slots reservados
espaçamentos de canal, tolerância de comprimento de onda e
níveis de potência do laser.
Antes da chegada dos amplificadores ópticos havia um
repetidor para cada sinal transmitido, já com o amplificador
óptico tornou-se possível amplificar todos os comprimentos de
onda de uma só vez e sem conversão óptica-elétrica-óptica
(OEO), além disso, sendo utilizados em links ópticos,
amplificadores ópticos também podem aumentar a potência do
sinal após a multiplexação ou antes da demultiplexação.
Os principais parâmetros de desempenho dos
Figura 4. Transmissão de vários canais em um sistema DWDM.
amplificadores ópticos são ganho, nível de ruído e potência de
saída. Os EDFAs são normalmente capazes de altos ganhos e
A questão maior a ser analisada é a abertura dos serviços em potência de saída elevada.
taxas menores, pois algumas empresas, principalmente do Os parâmetros mais significativos ao selecionar um EDFA,
segmento de utilities que utilizam fortemente redes PDH e no entanto, são baixo ruído e ganho linear. O ganho deve ser
SDH legadas, possuem o interesse e a necessidade de se linear porque todos os canais devem ser amplificados
trabalhar com baixas taxas de transmissão em razão de uniformemente, enquanto o ganho de sinal fornecido é
características dos elementos finais, também considerados inerentemente dependente do comprimento de onda, podendo
como elementos de “ponta”. Esses fatores em uma migração ser corrigido com filtros de ganho, já o baixo ruído é um
de serviços devem ser observados para que se possa atender as requisito porque é amplificado juntamente com o sinal, pois
necessidades de cada segmento. esse efeito é cumulativo, e não pode ser filtrado, a relação
Um exemplo prático são empresas do segmento de energia sinal-ruído é um fator limitante no número de amplificadores
elétrica, que possuem a necessidade de operar subestações que podem ser concatenados.
remotamente, dentre diversos serviços, entre eles supervisão, Na prática, sinais podem viajar por até 120 km entre
operação e tele proteção, se faz necessário realizar conexões amplificadores, em distâncias maiores de 600 a 1000 km o
remotas a baixas taxas por características dos equipamentos de sinal deve ser regenerado, pois o amplificador óptico apenas
recepção e otimização da banda existente entre as localidades amplifica os sinais e não executa as funções 3R (remodelar,
remotas, normalmente atendidas por enlaces de rádio. retemporizar, retransmitir). [02]
A evolução da capacidade de transporte dos sistemas Entre pontos de multiplexação e demultiplexação em um
DWDM vem crescendo com uma grande velocidade nos sistema DWDM, há uma área na qual existem vários
últimos anos, atendendo a crescente demanda por taxas de comprimentos de onda, onde é desejável poder remover ou
transmissão, se destacando entre as soluções de upgrade de inserir um ou mais comprimentos de onda em um determinado
redes existentes e mantendo a qualidade dos serviços. ponto, similar ao ADD/DROP do sistema SDH, permitindo a
A expectativa é que esta evolução constante permaneça nos utilização de canais ao longo do percurso, característica essa
próximos anos e taxas ainda maiores serão alcançadas, por amplamente utilizada e necessária pelas empresas e fator
esse motivo se torna uma excelente tecnologia e solução para importante para migrações de redes existentes. Um
upgrade de redes existentes, pois possuem a capacidade de multiplexador óptico add/drop (OADM-Optical add-drop
expansão e utilização a longo prazo, justificando investimentos multiplexer) executa esta função, em vez de combinar ou
das empresas em atualização tecnológica dos sistemas separar todos os comprimentos de onda, o OADM pode
existentes. remover alguns canais e permitir a passagem dos demais. Os
O sistema possui algumas características principais, tais OADMs são uma parte fundamental do movimento em direção
como gerar o sinal utilizando uma fonte, um laser de estado ao objetivo de redes totalmente ópticas.
sólido que deve fornecer luz estável dentro de uma largura de A maioria dos sistemas DWDM suportam interfaces ópticas
banda estreita que transporta os dados digitais. SDH de curto alcance, às quais qualquer dispositivo
Os modernos sistemas DWDM utilizam multiplexadores e compatível com SDH pode ser conectado. Nos sistemas
demultiplexadores para combinar e separar os sinais, existe DWDM de longa distância, é mais comum uma interface
alguma perda inerente associada à multiplexação e STM-16 operando no comprimento de onda de 1310nm,
demultiplexação, mas esta perda depende do número de outras interfaces importantes na área metropolitana e redes de
canais, podendo ser mitigado com amplificadores ópticos, que acesso são comumente suportadas: Ethernet (incluindo Fast
impulsionam todos os comprimentos de onda de uma vez sem Ethernet e Gigabit Ethernet).
conversão elétrica. Os transponders são os elementos utilizados para converter
A transmissão dos sinais juntamente com os efeitos da os sinais ópticos entrantes nos comprimentos de onda do
degradação ou perda do sinal óptico devem ser levados em padrão ITU (International Telecommunication Union)
consideração na transmissão de fibra óptica. Esses efeitos precisos para serem multiplexados. Cada transponder dentro
podem ser minimizados pelo controle de variáveis como do sistema converte o sinal do seu cliente para um
comprimento de onda definido e estável, compatível com as confiável de comutação de pacotes entre essas redes e
características do canal que o mesmo estará associado. Já na eliminando elementos que não são necessários em uma rede
direção de recebimento, ocorre o processo inverso, orientada a transporte.
comprimentos de onda individuais são filtrados da fibra O protocolo MPLS-TP permite implementações E2E (End
multiplexada e alimentados a transponders individuais, que to End) mais acessíveis simplificando modelos de operações e
convertem o sinal para elétrico e conduz em uma interface consolidando topologias de rede. Por exemplo, um dos
padrão para o cliente. elementos principais é eliminar os custos associados à
funcionalidade do plano de controle distribuído que está sendo
V. MPLS-TP integrada em cada nó em uma rede baseada em MPLS. Isso é
proporcionado através do uso de uma configuração estática
O serviço ethernet é a tecnologia de LAN (Local Area orientada para o transporte por meio de um NMS (Network
Network) mais proeminente e está se tornando o serviço Management System) de nível de transporte, ajudando a
dominante para redes metro ethernet (WAN - Wide Area reduzir significativamente seu OPEX (Operational
Network). O MPLS (Multi-Protocol Label Switching) é um Expenditure) e a preparar as redes para oferecerem
mecanismo para transportar dados utilizando uma abordagem convergência de serviços.
orientada à conexão. Padronizado pelo IETF (Internet O MPLS-TP como uma camada de transporte para serviços,
Engineering Task Force), o MPLS é um mecanismo aprimora o serviço Ethernet, permitindo que ele atenda a um
escalonável de protocolo projetado para transportar tráfego de padrão completo de classe de operadora, endereçando todos os
dados através de circuitos virtuais conhecidos como LSPs principais atributos definidos pelo MEF (Metro Ethernet
(Label switch path). O MPLS se encaixa na categoria de redes Forum) para Carrier Ethernet.
comutadas por pacotes, ficando entre as definições tradicionais Algumas vantagens podem ser definidas conforme abaixo:
de OSI (Open System Interconnection) da Camada de Enlace [07]
de Dados (Camada 2) e da Camada de Rede (Camada 3). O • Qualidade de Serviço QoS (Quality of Service) com
MPLS toma decisões de encaminhamento de pacotes com base contratos de nível de serviço SLA (Service Level Agreement)
no conteúdo do rótulo sem examinar o pacote em si. [06] end-to-end garantidos para os usuários que permitem
O MPLS fornece um serviço unificado de transporte de serviços diferenciados e eficientes, permitindo que os
dados para dados do cliente de comutação de pacotes tipo provedores de serviços ISPs (Internet Services Providers)
circuito, podendo transportar diferentes tipos de tráfego, ajustem o nível de serviço e desempenho em tempo real e
incluindo pacotes IP, ATM (Asynchronous Transfer Mode) missão crítica, além de assegurar os recursos de rede
nativo e quadros Ethernet. necessários como o CIR (Committed Information Rate).
A Figura 5 apresenta como é realizado transporte de pacotes • Confiabilidade com uma rede robusta e resiliente que
IP na rede MPLS. [01] pode fornecer serviço ininterrupto em cada caminho. Isso
inclui a proteção de rede.
• Escalabilidade de serviços e largura de banda, variando
de megabits a gigabytes com granularidade variável e fluxos
que suportam o controle para o número de elementos e o
número de serviços na rede.
• Gerenciamento de serviços de ponta a ponta através de
um único e abrangente sistema de gerenciamento de rede
(NMS) que provisiona, monitora e controla várias camadas
de rede simultaneamente.
Figura 5. Transporte de dados na nuvem MPLS • Segurança com um ambiente que protege clientes,
servidores e dispositivos de rede, bloqueando usuários mal-
Devido a necessidade de atender as demandas de redes intencionados com negação de serviço DoS (Denial of
TDM legadas nas migrações e upgrade de redes existentes, se service) e outros tipos de ataques. O uso de restrições de
fez necessário a evolução de um protocolo com características rede, bem como a completa segregação de tráfego, garante o
similares ao TDM, a evolução do protocolo MPLS com perfil mais alto nível de segurança e privacidade até mesmo para as
de transporte, o MPLS-TP (MPLS-Transport Profile) que veio transmissões de dados mais confidenciais.
atender a essa necessidade, pois é uma aplicação de comutação O MPLS-TP é um subconjunto e uma extensão do MPLS, já
de pacotes orientado a conexão CO-PS (connection-oriented amplamente utilizado, ele preenche a lacuna entre os mundos
packet-switched) para tecnologia de rede de transporte de de pacotes e de transporte ao combinar a eficiência das redes
camada 2 que incorpora elementos de arquiteturas. de pacotes com a confiabilidade, os recursos de classe de
O MPLS-TP é baseado nos mesmos princípios da rede em operadora e as ferramentas OAM tradicionalmente
camadas utilizada em tecnologias de rede de transporte, como encontradas nas redes de transporte SDH.
SDH e OTN. O MPLS-TP estende o IP/MPLS além da rede Para reforçar a funcionalidade de transporte e
principal para a rede metropolitana, fornecendo transporte
gerenciamento, o MPLS-TP exclui certas funções do serviços existentes, substituindo ou incrementando uma rede
IP/MPLS, como LSP, PHP (Penultimate Hop Popping) e de transporte baseada em SDH existente. Outra questão na
ECMP (Equal Cost Multi Path) que melhoram o desempenho implantação de uma rede de transporte de pacotes é a
e tornam mais eficiente a utilização deste protocolo e flexibilidade na introdução de novas tecnologias emergentes,
acrescenta funções adicionais de tecnologias de transporte, como redes definidas por software (SDN).
como SDH. O mecanismo principal de proteção da rede é a comutação
automática, que envolve a reserva de um canal de proteção
VI. PTN (PACKET TRANSPORT NETWORK) com a mesma capacidade que o canal principal. Os
mecanismos de proteção são categorizados por topologia
As redes de transporte possibilitam transmissão transparente (linear ou anel), recurso de proteção (dedicado ou
do tráfego de dados entre o cliente e dispositivos conectados, compartilhado), direção (unidirecional de bidirecional). O nó
estabelecendo e mantendo conexões ponto a ponto ou da rede que detecta a condição de falha inicia a ação de
multiponto entre esses dispositivos. A rede é basicamente comutação de proteção. Em SDH ou OTN, as informações de
independente de qualquer rede de camada superior que possa sinalização são comunicadas em bytes de sobrecarga
existir entre os clientes, além do tráfego do cliente, uma rede reservados para a implementação da função de proteção. Em
de transporte deve transportar tráfego para facilitar sua própria MPLS-TP, informações específicas semelhantes podem ser
operação que é necessária para funções de controle de transmitidas dentro de campos específicos definidos como
conexão, operação, administração e manutenção (OAM), quatro octetos no pacote MPLS-TP OAM, bem como a
sistemas de gerenciamento de rede (NMSs) e proteção, como proteção linear Ethernet apresentada na Figura 7 e descrita na
as tradicionais tecnologias de transporte baseadas em circuitos. ITU-T G. 8031. [02]
Uma tecnologia de comutação de pacotes sem orientação a
conexão não consegue garantir o mesmo nível de qualidade de
serviço em comparação ao SDH e redes operacionais de
aplicações críticas.
A tecnologia de rede de pacotes, incluindo o ethernet e o
MPLS foram introduzidas em resposta a tal demanda, no
entanto, estes não tinham capacidade de manutenção suficiente
conforme exigido por uma tecnologia de transporte de pacotes
para redes de telecomunicações. Uma migração de uma rede
Figura 7. Proteção linear Ethernet
legada para uma nova rede de transporte de pacotes, conforme
apresentada na Figura 6, é um dos grandes desafios para as
Os comandos iniciados automaticamente desencadeados
operadoras e empresas de grande porte.
pela detecção de uma falha incluem falha de sinal (SF-Sinal
Fail) causado por uma perda de sinal (LOS-Loss of Signal),
perda de enquadramento (LOF- Loss of Frame), ou uma taxa
de erro excessiva de bits (BER-Bit Error Rate).
Os Estados da função de comutação de proteção incluem
(WTR-wait-to-restore) e (RR- Revert Request). Estes critérios
formam uma hierarquia de prioridades quando vários canais ou
condições competem pelo acesso aos recursos de proteção.
SF-P (Signal fail for protection) tem uma prioridade maior
do que qualquer defeito que causaria um sinal de tráfego
normal ser comutado a partir do caminho de proteção, no
entanto, um comando de bloqueio tem maior prioridade do que
SF-P porque o status de bloqueio deve ser mantido ativo
durante uma falha.
Existem algumas diferenças nos conceitos de duas
organizações de padronização, o objetivo da ITU-T
Figura 6 – Migração de rede legada SDH para redes PTN. [01]
(Telecommunication Standardization Sector) era desenvolver
a tecnologia de transporte de pacotes com a alta confiabilidade
O desenvolvimento da tecnologia de rede de transporte de
de uma rede tradicional de transporte SDH ou OTN, criando
pacotes tem sido orientado a obter funcionalidades
um novo mecanismo na arquitetura de encaminhamento do
semelhantes às das redes de transportes tradicionais como
MPLS, independentemente das implementações existentes, em
redes SDH ou OTN.
contrapartida, a IETF tem preferido as implementações MPLS
A rede de transporte de pacotes deve ser capaz de operar de
atuais em seu objetivo de desenvolver uma tecnologia MPLS-
forma eficiente os serviços orientados por IP, mantendo os
TP com alterações mínimas implementadas.
A tecnologia de rede de transporte de pacotes foi
desenvolvida com o objetivo de alcançar a funcionalidade
semelhante à do transporte tradicional de redes como SDH ou
OTN, que são baseadas em tecnologia de comutação de
circuitos dedicados, e que acomoda serviços legados, já o sinal
IP é transmitido por pacotes que passam pela rede somente
durante um determinado intervalo de tempo e nem sempre
ocupam um caminho de transporte.
O recurso de vários serviços é alcançado transportando
redes Ethernet, SDH, PDH e redes ATM podendo ser
aplicados em qualquer parte de uma rede a partir do acesso,
metro/agregação e áreas centrais. Além dos requisitos acima
descritos, a redução do CAPEX (Capital Expenditure), do
OPEX e o consumo de energia são questões importantes. Além Figura 9. Evolução para redes convergentes POT [09]
dos serviços de emulação de circuitos, as redes de transporte
de pacotes são necessárias para reter os caminhos de sinal de O switching de pacotes baseado em MPLS-TP resultará em
clock para sincronização de rede. A rede MPLS-TP, em serviços de caminho flexíveis e de largura de banda eficientes
particular, baseada em G.8118.1 é adequada para essa com recursos de manutenção altamente confiáveis usando
migração de rede legada, pois foi criada para ser compatível funções OAM muito substanciais, o mesmo que SDH ou OTN.
com redes de transporte legadas, ou Ethernet. [13] A redução de custos adicional também será esperada por
MPLS-TP pode ser uma tecnologia útil para redes reduzir substancialmente o número de roteadores de
convergentes de transporte óptico de pacotes (POT- packet retransmissão.
optical converged transport) que podem atingir o menor custo Outra função de comutação flexível das redes POT funciona
do equipamento e consumo de energia e simples operação de na camada fotônica, ou seja, comutação de comprimentos de
multicamadas, conforme apresentado na Figura 8. onda. Esta função incluída em redes POTs pode de forma
eficiente e econômica redirecionar o tráfego de grande
capacidade em uma unidade de comprimento de onda para
muitas rotas, enquanto uma rede fotônica legada utiliza um
OADM com direção fixa e posição de comprimento de onda
em uma porta. Esta configuração exige uma força de trabalho
local para fazer tais tarefas como a montagem do pacote e
jumper quando mudamos o sentido ou o comprimento de onda
da transmissão do sinal. Pode haver tempo suficiente para isso
em operações planejadas normais, mas talvez haja a
necessidade de alterar rapidamente os caminhos de
recuperação de uma falha ou desastre, em vez disso, redes
POT introduzem comutação incolor e direcionada, bem como
transponders ajustáveis de comprimento de onda para eliminar
Figura 8. Redes de Transporte Convergente [14] esses tipos de restrições na configuração de caminhos ópticos,
sendo assim, não precisa de uma força de trabalho local,
As redes atuais ou legadas possuem uma mistura de anéis porque o interruptor fotônico pode mudar livremente a direção
simples consistindo de multiplexadores, de Add/drop ópticos e a cor do comprimento de onda de sinal em qualquer nó. Um
(OADMs) ou de uma plataforma de provisão de vários sistema de operação mais inteligente conectado facilitará a
serviços MSPP (Multiservice Provisioning Platform), e uma operação de rede mesmo durante várias falhas.
configuração ponto a ponto conectada por divisão de Em configurações legadas, vários NMSs e EMS (Element
comprimento de onda densa de 10 Gbps ou 40 Gbps linhas de Management Systems) foram implementados em várias
multiplexação DWDM para cobrir grandes áreas de rede. camadas e domínios, por outro lado, os operadores de rede
Sem a mudança básica da configuração da rede, as redes podem de forma eficiente e simples, definir um caminho para
(POTs) substituirão estes sistemas DWDM, MSPP e OADM o equipamento do cliente ou da empresa e utilizar uma
com uma rede convergente, permitindo uma redução localização de falhas eficiente em tais redes convergentes de
significativa no custo do equipamento devido ao número várias camadas, pois o gerenciamento é feito através da rede
decrescente de placas de interface conectando esses diferentes de transporte unificada e sem NMS, embora o grau de
tipos de NEs (Network Elements), simplificando os sistemas melhoria possa depender da estrutura de rede atual de cada
de operação e uma redução de alguns roteadores operador. A relação inter-camadas (ou inter-protocolos) de
intermediários, conforme ilustrado na Figura 9. OAM é também importante na redução da detecção de falhas,
localização e tempo de correção por meio de ações que em contraste, uma rede de transporte de pacotes baseada em
incluem a inibição de tempestades de alarmes e a rápida MPLS-TP possui uma arquitetura de camada que separa
recuperação de AISs (Alarm Indication Signal) eficiente. completamente o plano de dados do plano de controle e
A Figura 10 apresenta uma comparação entre a facilita a introdução da tecnologia SDN em qualquer camada
configuração e operação em rede legada e em redes de independentemente, por exemplo, na camada 3 e na camada de
transporte óptica de pacotes. transporte inferior. [01]
A Figura 11 mostra que a separação da camada IP também
nos permite introduzir os switches L3 de clustering que foram
desenvolvidos recentemente para comutação L3 em redes de
data center a um custo drasticamente menor.

Figura 11. Evolução da arquitetura de camadas [01]

Figura 10 – Configuração e Operação em rede legada e em redes de transporte Transporte SDN ou SDTN (Software Defined Transport
óptica de pacotes. [01] Networking) é um subconjunto de funções de arquitetura SDN
que compreende os componentes de arquitetura SDN
VII. SDN (REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE) relevantes - o plano de dados, planos de controle e
gerenciamento. O objetivo da aplicação de SDN para redes de
A crescente demanda por redes de telecomunicações que transporte é: [01]
podem oferecer, de maneira flexível, tráfego de grande • Fornecer suporte aprimorado para controle de conexão em
capacidade para as necessidades de negócios em constante redes de transporte de vários domínios, multitecnologia,
mudança, a um custo fixo ou reduzido, resultou na necessidade multicamadas e de vários fornecedores, incluindo virtualização
de uma nova tecnologia de rede. O conceito de rede definida de rede e otimização de rede;
por software (SDN) é baseado em uma rede tão flexível que é • Possibilita o controle de conectividade independente de
programável por software e pode virtualmente criar qualquer tecnologia e as funções de suporte necessárias em redes de
função de rede de forma flexível sob demanda. Os principais transporte multicamadas, facilitando a otimização em camadas
pontos da arquitetura SDN incluem: de circuitos e pacotes;
• Controle de rede centralizado • Suportar a capacidade de implantar aplicativos de terceiros.
• Desacoplamento dos planos de controle e dados
• Abstração da infraestrutura de rede subjacente para os A ITU-T e outras organizações de padronização estão
aplicativos agora procedendo com o desenvolvimento da padronização
• Conexão de interface aberta dos componentes da SDTN.
infraestrutura de rede de vários fornecedores, como “fluxo
aberto”. VIII. CONCLUSÃO
As redes SDNs foram desenvolvidas para aplicativos
corporativos e instaladas com sucesso em redes de data center Diante dos temas abordados neste trabalho e a explanação
para acomodar o rápido aumento do tráfego de dados para de diversas tecnologias legadas como SDH e PDH, suas
serviços em nuvem. características e usabilidade nas redes atuais, é possível notar a
Um problema em implantar essa tecnologia SDN em uma real necessidade de evolução da tecnologia atual empregada,
rede de operadoras de telecomunicações é a diferença na assim como do protocolo TDM, pois a demanda que é gerada
escala da rede, incluindo o número de nós, de links e a nos dias de hoje pelos usuários, empresas e operadoras, já não
distância entre os componentes da rede, outra é a migração da é suportada pela infraestrutura implantada legada atual, sendo
configuração de rede atual para uma rede baseada em SDN. necessário uma evolução no processo de transporte dos dados.
Uma rede baseada em IP/MPLS possui um plano de A demanda por alto tráfego de dados impulsiona migração
controle distribuído que controla as camadas IP, MPLS e desta rede legada para novas tecnologias que é um grande
MPLS-TP e contribui com sucesso para a operação da rede IP desafio para as empresas e fornecedores, pois dependem de
através de seus recursos de engenharia de tráfego e muitos uma interoperabilidade de novos equipamentos e protocolos
outros recursos. No entanto, a integração do plano de controle com os existentes, que por muitas vezes não possuem módulos
e plano de dados depende fortemente das especificações do sobressalentes para recomposição dos sistemas. Outro ponto a
fornecedor e pode dificultar a implantação da tecnologia SDN, se observar é a dificuldade de gerenciamento na unificação de
redes legadas com novas tecnologias, causando assim diversos [11] Multiservice Platform, disponível na Internet:
http://new.abb.com/network-management/communication-
sistemas de gerenciamento para se obter um resultado networks/optical-networks/fox615, 2018
otimizado na configuração. [12] Canalização PDH/SDH disponível na internet:
Com a disponibilidade de equipamentos com matrizes http://www.teleco.com.br/canalizacaopdh.asp, 2018
híbridas, o problema da migração é amenizado, pois em um [13] ITU-T Recommendation G8118.1 “Architecture of the Multi-Protocol
Label Switching transport profile layer network”
primeiro momento poderá ser utilizado a matriz TDM e [14] Converged Transport disponível na Internet:
posteriormente de forma mais suave a migração poderá ser https://www.cisco.com/c/en/us/products/collateral/routers/carrier-
realizada através da matriz MPLS-TP que conforme abordado routing-system/white_paper_c11-728242.html, 2018
[15] ITU-T Recommendation G 652 “Characteristics of a single-mode
neste trabalho, poderá atender a demanda TDM através do optical fibre and cable”
perfil de transporte característico do protocolo assim como o
tráfego ethernet.
As redes POTs que integram MPLS, OTN e WDM em uma Roberto César da Silva¹ nasceu em Governador Valadares, MG, em 03 de
mesma camada convergente é a grande solução para as redes fevereiro de 1982. Possui os títulos: Técnico em Telecomunicações (ETE
atuais e está sendo utilizada para atender e integrar redes Getúlio Vargas, 2002), Engenheiro Eletricista (Universidade São Judas
Tadeu, 2014). Desde o ano de 2017 atua como Engenheiro de
legadas sem causar grande impacto no upgrade do sistema. Telecomunicações na empresa ISA CTEEP, Companhia de Transmissão de
O grande desafio é quebrar o paradigma de empresas do Energia Elétrica Paulista na área de projetos de telecomunicações para
setor de utilities, transporte, petróleo e gás no que tange a operação de subestações de energia elétrica remotamente, atuando com
segurança da informação, por possuírem comunicação em diversas tecnologias como rádio enlaces, redes SDH, PDH, DWDM e Metro
Ethernet. Possui experiência atuando em operadoras de telecomunicações
grande parte através de canais dedicados TDM, a aceitarem desde a formação técnica em 2002, trabalhando majoritariamente em sistemas
uma migração para outros protocolos como MPLS-TP, que de transporte de dados e voz.
apesar das melhorias para atender ao perfil de transporte, se
tornam expostos a problemas de segurança cibernética e por André Luís da Rocha Abbade² Mestre em Telecomunicações pelo Inatel em
2008. Em 1990 e 2002, obteve respectivamente os títulos de Engenheiro
essa exposição causam certa resistência em serem utilizadas Eletricista e Especialista em Engenharia de Redes e Sistemas de
para segmentos específicos. Telecomunicações pelo Inatel. Em 2012 concluiu o curso de Pós-Graduação
É notável a preocupação dos fabricantes quanto ao tema em em Gestão Empresarial pela FGV. Atuou como engenheiro da Telemig/Oi no
período de 1994 a 2001, ocupando diversos cargos nas áreas de engenharia de
questão, pois disponibilizam módulos específicos em seus provisionamento de redes até 1998 e de operação e manutenção de rede de
equipamentos híbridos para tratar problemas de ataques, como acesso e de transporte até 2001. É Prof. no Inatel desde 1999, tendo
criptografia de dados e monitoramento de ameaças através de ministrado as disciplinas “Técnicas de Atendimento a Terminais”,
“Comunicações Ópticas”, “Empreendedorismo e Inovação”; “Engenharia
sistemas de logs de monitoramento e se mostram como Econômica” e “Matemática Financeira”. Atualmente ocupa também os cargos
alternativa para atender as demandas atuais e ao mesmo tempo de: Coordenador do curso de Engenharia de Produção, Coordenador do
proporcionar uma infraestrutura preparada para receber a MBA, Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de
Telecomunicações e Gerente de Educação Continuada no Inatel Competence
tecnologia mais proeminente que vem se apresentando para um
Center. Sócio fundador da empresa V2Tech Soluções de Monitoramento e
futuro próximo, as redes SDN. Rastreamento Veicular. Principais áreas de atuação: Comunicações Ópticas e
Empreendedorismo.

REFERÊNCIAS
[1] Asia-pacific telecommunity 2nd APT/ITU Conformance and
Interoperability Workshop (C&I-2) Document: C&I-2/ INP-09 26,
Bangkok, Thailand; 2014.
[2] Cisco Systems, Inc., Introduction to DWDM Technology, San Jose, CA,
2000
[3] Goff, David R. Fiber Optic Reference Guide, 2nd edition. Boston: Focal
Press; 1999.
[4] Rochol, Juergen. Comunicação de dados. Porto Alegre: Bookman, 2012.
[5] Redes PDH e SDH Disponível na internet:
http://www.sj.ifsc.edu.br/~fabiosouza/SDHSlides.pdf, 2018.
[6] Redes de Transporte: Packet Transport Networks, disponível na internet:
http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialredetransp/pagina_4.asp, 2018
[7] Evolução das Redes de Transporte: Packet Transport Networks e MPLS-
TP disponível na Internet:
http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialredetransp/pagina_5.asp,2018.
[8] Dutton, Harry J. R. Understanding Optical Communications. Research
Triangle Park: IBM Corporation; 1998.
[9] Packet/Optical Convergence disponível na Internet:
https://www.infinera.com/wp-content/uploads/2015/07/2013-Infinera-
LRPOT-
Architecture_Choices_for_theNext_Generation_100G_Core.pdf , 2018
[10] Sistemas DWDM disponível na internet:
http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialsdwdm/pagina_1.asp, 2018