Você está na página 1de 4

SUMÁRIO

1.RESUMO 1.......................................................................................................... 0
3
2.RESUMO 2.......................................................................................................... 0
4
3.REFERÊNCIAS................................................................................................... 0
5
1.RESUMO 1

BORGES, Mônica E. N.; CARVALHO, Natália de M. Produtos e serviços de


informação para negócios no Brasil: características. Ci. Inf., Brasília, v.27,n. 1, p.
76-81, jah./abr.1998.

Palavras-chave: Ciência da informação; Informação para negócios; Produtos de


informação; Serviços de informação.

Resumo:
O artigo apresentado elucida que a informação possui caráter essencial na estrutura
de uma empresa, afetando de maneira direta atividades econômicas da mesma. As
corporações precisam agir de forma rápida, apresentar grande fluxo de informação
com diversos focos para suprir as necessidades demandadas por um mercado
dinâmico e volátil, para isto, fazem-se necessários produtos e serviços de
informação para negócios. A pesquisa tem a pretensão de analisar de maneira
precisa a atual situação do Brasil no âmbito das informações para negócios. O
levantamento de dados foi realizado sobre diversas categorias de prestadores de
serviço da informação de negócios atuantes no Brasil através de questionário. Os
dados coletados, organizados em tabelas, obtiveram resultados satisfatórios e
propiciaram simples análise. Percebeu-se que os principais características dos
clientes dos serviços e produtos de informação para negócios são pequenas e
micro-empresas, que buscam serviços de consulta rápida e com foco em
informações sobre empresas. As empresas prestadoras destes serviços trabalham
no âmbito estadual, geralmente possuem seus próprios centros de informação e
disponibilizam seus produtos habitualmente em relatórios impressos acessados
através de contatos pessoais. Por fim conclui-se que os serviços de informações
considerados na pesquisa apresentam traços demasiado conservadores para a
velocidade em que são necessários. As grandes empresas provedoras dos serviços
devem aprimorar seus serviços e seu marketing, por outro lado deve haver maior
valorização das informações para negócios no meio empresarial.
2.RESUMO 2

OLETO, Ronaldo R. Percepção da qualidade da informação. Ci. Inf., Brasília,


v.35,n. 1, p. 57-62, jan./abr.2006.

Palavras-chave: Ciência da informação; Qualidade da informação; Percepção da


qualidade da informação.

Resumo:
O artigo apresentado tem o objetivo de avaliar a percepção do da qualidade da
informação. A informação tem inúmeros significados, mas o que prevalece é que o
dado propicia a informação que por sua vez propicia o conhecimento. A qualidade é
um conceito abstrato de difícil entendimento, tida como uma das categorias
fundamentais de pensamento, o que a torna mais difícil de ser definida. No último
século houve um grande aumento na quantidade de informações disponíveis através
de avanços significativos no que diz respeito ao registro e acesso das mesmas.
Dada a enorme quantidade de informações faz-se necessário desenvolver critérios
que possam avaliá-las, mensurar sua qualidade. Abordando a qualidade da
informação baseada no produto, a informação como coisa, pode-se dimensionar
atributos da qualidade como abrangência, acessibilidade, atualidade, confiabilidade,
objetividade, precisão e validade, estas baseadas nos conceitos da gestão da
qualidade total proveniente da administração. Um estudo baseado no usuário, uma
ótica mais atual, e não no produto propicia uma visão inteiramente diferente em que
o lado técnico limitado pela abordagem objetivista é substituídos por conceitos
dessemelhantes como eficácia, eficiência da recuperação, impacto, relevância,
utilidade, valor esperado, valor percebido e valor de uso da informação. Em trabalho
com grupo de discussão de usuários da informação ficou claro que o conceito de
qualidade de informação é de difícil explicação e frequentemente não é sequer
analisado por usuários. Conclui-se que a percepção da qualidade da informação não
é nítida e que a busca por definições claras e definitivas da qualidade de informação
não converge para paradigmas que possam ser recorridos com segurança.
3.REFERÊNCIAS

1. BORGES, Mônica E. N.; CARVALHO, Natália de M. Produtos e serviços de


informação para negócios no Brasil: características. Ci. Inf., Brasília, v.27,n. 1, p.
76-81, jan./abr.1998.

2. OLETO, Ronaldo R. Percepção da qualidade da informação. Ci. Inf., Brasília,


v.35,n. 1, p. 57-62, jan./abr.2006.