Você está na página 1de 18

Curso de PHP/Introdução

Pré-requisitos
Este curso pretende ensinar a desenvolver toda a compreensão sobre a linguagem PHP
em pouco tempo (em alguns meses, dependendo do seu empenho, o leitor já será um bom
programador de PHP). Este curso assenta-se numa técnica de aprendizagem denominad
a Padrão Eficaz, conceito desenvolvido no livro Introdução à Programação. Assim sendo, um d
s pré-requisitos é a leitura compreensiva deste livro para poder acompanhar este cur
so com sucesso. Outras fontes externas serão, obviamente, construtivas.
Se o leitor já tiver alguma experiência com outras linguagens de programação, provavelme
nte poderá saltar todos os tópicos do livro de Introdução à Programação, não deixando de le
turalmente, a parte sobre o Padrão Eficaz.
O PHP é uma linguagem que, embora possa ser usada para a construção de aplicações baseadas
em script para funcionamento no computador, é muito mais eficaz para a elaboração de
scripts para uso em páginas dinâmicas na Internet. Se a última opção for o seu objectivo -
e provavelmente o é -, é importante que tenha uma visão geral sobre HTML (tags, meta-
tags, estrutura do documento), assim como uma abordagem sobre o sucessor do HTML
, o XHTML, e sobre a estrutura de folhas de estilo CSS. Referências poderão ser enco
ntradas aqui: Curso de HTML, XHTML e CSS.
É necessária a instalação de um servidor Web com PHP. Para o estudo dos temas relacionad
os com a ligação às bases de dados MySQL, é necessária também a existência de um servidor S
Para facilitar a instalação e configuração destas aplicações, sugerimos aos usuários de Wi
ws (NT series ― NT, 2000 e XP) descarregar a última versão do Wamp e instalá-la em seu a
mbiente. Este pacote inclui o servidor Apache 2, PHP5 e MySQL5 já configurados e p
rontos a arrancar. Usuários de Linux e MacOS possivelmente já têm um servidor Web inst
alado; para informações sobre instalação, se necessário for, e configuração das aplicações,
consultar os seguintes sítios, em inglês: http://www.lampware.org/, http://www.mysql
-apache-php.com/. No caso de o leitor querer saber como se procede para instalar
manualmente todo esse software, poderá ler este pequeno tutorial sobre a instalação d
o PHP (não incluído no curso).
O uso de um editor PHP com realce de sintaxe será importante para a sua aprendizag
em; há vários deles disponíveis gratuitamente na Internet. Para Linux, há muitos editore
s que suportam realce de sintaxe, por exemplo, o Kate, para usuários do KDE; o Vim
, feito originalmente para o terminal, mas que agora conta com versões gráficas também
. No MacOS o Taco é radicalmente a melhor opção.
No Windows, o PHP Editor é uma boa opção, porque já traz o Manual do PHP incluído, um mini
-servidor Web e um interpretador de códigos PHP. No entanto o programa não é atualizad
o há mais de 3 anos, portanto não suportará os recursos introduzidos nas versões mais mo
dernas do PHP. Mas também há vários editores oriundos do Linux que foram portados para
o Windows, por exemplo o Vim. Para Windows, também temos o EasyEclipse for PHP, q
ue auxilia na codificação, apresentando alguns tópicos da documentação do PHP, e autocompl
ete de códigos orientados a objetos.
Estrutura e método de estudo
Como já referido, este curso usa o método Padrão Eficaz como forma de aprendizagem, on
de, em qualquer passo do estudo, será imprescindível a cópia de todos os exemplos exis
tentes neste livro. Modifique-os à vontade sem medo de errar, e corra-os no seu se
rvidor.
Curso de PHP/O PHP
O que é
PHP quer dizer PHP: Hypertext Preprocessor (PHP: Processador de Hipertexto). Est
a linguagem nasceu pela mão de Rasmus Lerdof em 1994, como um CGI escrito em Lingu
agem C que inicialmente interpretava muito facilmente formulários. A primeira desi
gnação dada foi de FI (Form Interpreter) porém, devido à criação de inumeras funções pela c
dade [PHP Team] que se ia desenvolvendo pela internet, a linguagem teve que, em
1997, ser redenominada como PHP.
Utilização
O PHP é uma das mais abrangentes ferramentas que o homem possui atualmente. Por se
r uma linguagem server-side, ou seja roda direto do servidor e só mostra ao usuário
o resultado já processado, o PHP tem poder semelhante ao famoso Perl. É possível a cri
ação de uma grande variedade de coisas com o PHP, tendo em vista que esta é uma lingua
gem que podemos definir como inteligente, pois se não existir uma classe para uma
determinada função podemos criá-la. Porém, ferramentas que rodam do lado do cliente como
a abertura de um pop-up, um mimo de serpentinas a cairem pelo ecrã ou um slidesho
w de imagens não pode ser criado por esta linguagem. Se procura uma boa linguagem
para criar esse tipo de ferramentas procure o Javascript. É por isso que se diz qu
e o PHP e o Javascript são linguagens que se complementam!

Curso de PHP/Instalação
OS PASSOS SEGUINTES DEVEM SER LIDOS ANTES DE SE COMEÇAR A FAZER ALGUMA COISA
Índice
[esconder]
* 1 Em Windows
o 1.1 Download dos itens necessários
o 1.2 Instalação
o 1.3 Configuração do PHP
o 1.4 Configuração do Apache
o 1.5 Configuração do MySQL
o 1.6 Falta pouco!
* 2 Em Linux
Em Windows
Download dos itens necessários
Primeiro, faça o download dos programas a serem usados.
* Apache: http://httpd.apache.org/download.cgi. No nosso exemplo, utilizamos
o Apache 2.2.9
* MySQL: http://dev.mysql.com/downloads/ No nosso exemplo, utilizamos o MySQ
L 5.0.51a
* PHP: http://www.php.net/downloads.php No nosso exemplo, utilizamos o PHP 5
.2.6
Instalação
* Execute a instalação do Apache e instale-o com as configurações padrão. Se quiser, p
ode escolher outro diretório para a instalação.
* Extraia o MySQL em uma pasta qualquer. Recomendo dentro da pasta onde você i
nstalou o Apache. Ex: C:\Arquivos de Programas\Apache Group\Apache\mysql
* Extraia o PHP 5 na pasta C:\php5
* Observações:
1- Existe o arquivo de instalação do PHP (*.msi), porém, o pacote compactado
já vem pré-configurado para que rode mais rápido na máquina na qual está sendo executado.
2- É possível descompactar os arquivos do PHP em outro endereço. Por exemplo
: "C:\Arquivos de programas\PHP5", porém é necessário informar a mudança de endereço ao Ap
ache.
Para maiores detalhes, consulte a seção de configuração do Apache logo abaixo.
Configuração do PHP
* Na pasta aonde se encontra o PHP5, copie os arquivos php5ts.dll e libmysql
.dll para a seguinte pasta, de acordo com o seu Windows:
o C:\windows\system (em Windows 9x/Me)
o C:\windows\system32 (em Windows XP)
o C:\winnt\system32 (para Windows NT/2000)
O arquivo libmysql.dll é necessário para o funcionamento do MySQL no PHP.
* Abra o arquivo php.ini edite a linha extension_dir = "./" alterando-a para
extension_dir = "c:/php5/ext/" — C:/php5/ext/ é o diretório aonde ficam as extensões do
PHP (MySQL, Curl, GD, etc).
Caso não encontre o arquivo php.ini no diretório do PHP5, renomeie o arquivo php
.ini-dist para php.ini
* Agora, localize a linha ;extension=php_mysql.dlle tire o "ponto e vírgula (;
)" de seu início.
o Se quiser também, já aproveite e faça o mesmo na linha ;extension=php_gd2.
dll, caso queira a biblioteca GD para a manipulação de imagens.
* Salve as alterações e mova o arquivo o "php.ini" para a pasta:
o C:\windows (em Windows 9x/Me/XP)
o C:\winnt (para Windows NT/2000)
Configuração do Apache
* Acrescente no final do arquivo httpd.conf no endereço "C:\Arquivos de progra
mas\Apache Software Foundation\Apache2.2\conf" (por exemplo) as seguintes linhas
:
PHPIniDir "C:\Arquivos de programas\PHP5\"
este endereço é aonde se encontram os arquivos PHP
LoadModule php5_module "C:\Arquivos de programas\PHP5\php5apache2_2.dll"
este endereço é aonde se encontra o arquivo referente a versão do apache, dentro d
a pasta PHP
1. Ainda no endereço "C:\Arquivos de programas\Apache Software Foundation\Apach
e2.2\conf" abra o arquivo mime.types (utilize o bloco de notas mesmo ou outro ed
itor de texto disponível) e acrescente as seguintes linhas:
application/x-httpd-php php
application/x-httpd-php-source phps
Configuração do MySQL
* Não há nada para se configurar no MySQL, apenas devemos iniciá-lo caso não tenha s
ido instalado como serviço ("só é possível no Windows NT/2000/XP"). Vá para a pasta na qua
l foi instalado o MySQL e na pasta "bin" execute o arquivo "mysqld.exe", inician
do o servidor do MySQL. Lembre-se: dessa maneira teremos que iniciar o MySQL sem
pre. Se não quisermos ir até a pasta toda vez que iniciarmos o computador, devemos c
riar um atalho para o arquivo "mysqld.exe" na pasta "Inicializar/Iniciar" ("depe
ndendo da versão do Windows") do Menu Iniciar.
Falta pouco!
* Vamos até Iniciar/Programas/Apache HTTP Server/Control Apache Server/Restart
para reinicializar o Apache com as alterações feitas. Pronto! Agora temos PHP5 + My
SQL + Apache no Windows!
* Para efetuar um teste, criaremos um arquivo chamado phpinfo.php, com o con
teúdo
<?php
phpinfo();
?>
o qual colocaremos na pasta htdocs dentro da pasta do Apache. Abra seu navegador
e digite http://localhost/phpinfo.php. Se a página abrir com as informações do PHP, s
ignifica que tudo deu certo.
* Observações: Lembrando que nos caminhos que foram mostrados, o C:\ deve ser su
bstituído pela unidade na qual está seu Windows e que também é aonde estão instalados os p
rogramas. Utilizamos a unidade C:\ no artigo pois é a letra que é normalmente utiliz
ada.
* Caso queira usar register_globals no PHP, abra o arquivo php.ini no endereço
"c:\windows\" e localize a linha register_globals = Off e troque Off por On. Sa
iba mais neste endereço: http://www.php.net/manual/pt_BR/security.registerglobals.
php
Em Linux
Ver instruções em inglês: Setup and Installation (Linux)

Curso de PHP/Sintaxe básica

Definir o início e o fim do código php


Para que o interpretador PHP reconheça o código que deverá "varrer" é necessário delimitá-l
por tags. Existem três tipo de tags de iniciação e finalização de código: <?php e ?>, <? e
?> e <script language="php"> e </script>. A primeira é usada por omissão, estando se
mpre disponível. O segundo tipo não é aconselhável uma vez que, por ser uma short-tag (b
em à maneira do ASP), poderá não estar activada no ficheiro de configuração do PHP. Neste
caso qualquer utilizador poderá manipular essa activação ou desactivação da short-tags, lo
go, se o leitor criar um script para ser distribuído poderão surgir incompatibilidad
es com a máquina do utilizador final. O terceiro tipo foi criado apenas com o propós
ito de uniformizar as tags de scripting no HTML - como o uso no javascipt -, porém
, por ser de digitação morosa, não é muito usada.
Programa "Hello World":
<?php
echo "Olá mundo";
?>
ou (não recomendado):
<?
echo "Olá mundo";
?>
Para ter uma ideia gráfica sobre o que está a ser explicado, analise o primeiro exem
plo:
<html>
<head>
<title>Meu primeiro script</title>
</head>
<body>
<?php
echo "Olá mundo";
?>
</body>
</html>
A instrução echo(), como pôde analisar, exibe no navegador o texto que se encontra ime
diatamente a seguir a ele. Sobre echo() iremos falar mais tarde.
[editar] Gravar arquivos em php
Para que o interpretador reconheça uma página que contenha código php, qualquer arquiv
o em php deve ser gravado com a extensão .php em vez de .html.
Dependendo da configuração do apache (httpd.conf) poderão ser utilizadas as extensões ph
p3 ou derivações, o que é comumente encontrado em sistemas mais antigos, o número 3 repr
esenta a versão do php, hoje já não é mais feita esta distinção, mas não se assustem ao enc
rar um arquivo com extensão php3.
Por exemplo index.php e não index.html. Se for usada a extensão html o servidor não irá
reconhecer e executar o código. E consequentemente irá mostrar o código que você escreve
u e não o resultado que o código deveria gerar.
[editar] Usar o ponto e vírgula no final de cada comando
Após qualquer instrução, é necessário o uso de um ; para que o interpretador reconheça que
eterminada instrução acaba aí. Após ; o interpretador processa a instrução, exibindo-a na m
mória do computador e, se não houver erros, passa para a próxima instrução.
Exemplo:
<?php
echo "Olá como estás?<br>";
echo "Tudo bem contigo?";
?>
ou
<?php echo "Olá como estás?<br>"; echo "Tudo bem contigo?" ?>
Notem que nesse segundo caso foi retirado a quebra de linhas porque o ponto e vi
rgula (;) é que delimita o comando. E foi retirado o ponto e virgula (;) do último c
omando porque logo após é fechada a tag do php, não é uma boa prática, porém funciona.
<?php echo "Se não usar ';' o interpretador irá exibir um erro"; ?>
NOTA: Repare bem que o uso de ; no meio texto a ser exibido não afecta a instrução.

Curso de PHP/Sintaxe básica/Exercícios 1

Exercício 1: Analise de código


<html>
<head><title>Exercício</title>
</head>
<body>
<?php
$str = array("morango" => "vermelho", "banana" => "amarelo");
/* um exemplo
de como isto vai ficar */
echo "O Morango é ".$str["morango"]"<br>";
$first = $str["banana"];
$first =($strlen($first)-1) = "a";
echo "A banana é ".$first."<br>"; //Uma saída
print_r($str);
echo "<br>";
var_dump($str);
?>
</body>
</html>
1. Tente descobrir onde está o erro neste script.
o erro esta na linha $first =($strlen($first)-1) = "a";
1. Os comentários existentes estão bem integrados (têm a sintaxe correcta)?
não, os comentarios não tem nada a ver com o codigo
[editar] Exercício 2: Perguntas de Verdadeiro e Falso
1. O PHP pode escrever scripts que rodem do lado do cliente?
Verdadeiro.
Falso.
2. Para correr PHP preciso de um servidor Web?
Verdadeiro.
Falso.
3. O uso de short-tags, tais como <? e ?> é mais benéfico do que as outras tags porq
ue assim perco menos tempo a escrever o código.
Verdadeiro.
Falso.
4. O PHP é mantido por uma comunidade de programadores pela internet e está acessível
a toda a gente.
Verdadeiro.
Falso.
5. O PHP é uma linguagem de programação compilada?
Verdadeiro.
Falso.
Pontuação actual: 0 certas em 0

<?php echo "Olá mundo"; ?>


[editar] Exercício 4: Perguntas
1. O php sempre reconhece os campos name do HTML como variáveis?
sim
1. O que faz este script?
<?php
phpinfo()
?>

Curso de PHP/Comandos/Comentários

Como o PHP é baseado no C e no C++, suporta a sintaxe de comentários das duas lingua
gens:
/*
comentário
de múltiplas
linhas
como no C
*/
// Comentário de linha única oriundo do C++
Existe também outro tipo de comentário, igual ao usado no shell do Unix:
# comentário de linha única proveniente do shell
Mas não é recomendado usar este último, pois será descontinuado em versões futuras do PHP.

Curso de PHP/Comandos/Echo

echo é a instrução que envia para a saída qualquer informação, podendo conter texto, número
u variáveis. Deixemos os exemplos com variáveis para quando entendermos o uso das va
riáveis nos capítulos subsequentes.
Exemplo de uso do echo:
<?php
echo "Olá, tenho ";
echo 22;
echo " anos.";
?>
Podemos abreviar essa escrita concatenando os três parâmetros que fornecemos pelo op
erador . (ponto, concatenador de strings):
<?php
echo "Olá, tenho 22 anos.";
?>
Nos dois exemplos acima o resultado obtido é o mesmo.
[editar] Formatação do texto
As strings passadas para a instrução echo também podem conter formatações de texto em HTML
, já que, na maioria dos casos, o PHP é usado para produzir saída em HTML. Por exemplo
:
<?php
echo "<h2> Título em h2 </h2>";
echo "<h3> título em h3 </h3>";
echo "<i> Em itálico </i>";
echo "<b> Em negrito </b>";
echo "<strong> Em negrito </strong>";
?>
[editar] Usando as aspas
Para poder usar as aspas numa frase estas deverão ser precedidas por \ (barra inve
rtida).
<?php
echo "Na frase a seguir o nome xpto virá dentro de aspas: ";
echo "O personagem que eu mais gosto é o \"xpto\", sem dúvida";
?>
As aspas duplas (") podem sempre ser substituídas por apóstrofos/aspas simples (').
Ambas as formas estão correctas. No caso de usar os apóstrofos, deverá usar a expressão
\' para escrever apóstrofos no ecrã. A principal diferença entre os dois tipos de aspa
s é que, com aspas duplas, certas seqüências de caracteres são interpretadas de maneira
especial.

Curso de PHP/Comandos/Strings

Uma string é uma cadeia de caracteres. Geralmente são frases, textos ou linhas de co
mando.
Algo importante que deve ser considerado é o seguinte: Todas as strings devem ser
declaradas entre aspas simples (') ou aspas duplas (").
[editar] Aspas simples e Aspas duplas
Existe uma diferença básica entre aspas simples e aspas duplas.
Aspas simples: Com aspas simples, você têm uma string realmente como ela foi declara
da, independente de qualquer caratere especial (com exceção do caractere de escape -
\). Se você deseja inserir uma aspa simples dentro de uma string declarada com a
mesma, deve, então, "escapá-la".
<?php
print 'Preciso beber um copo d\'água';
// Imprime: Preciso beber um copo d'água
?>
Aspas duplas: Aspas duplas são exatamente iguais as aspas simples, exceto no quesi
to da interpretação e da velocidade. As aspas duplas interpretam qualquer variável, ma
triz (quando estiver entre {}) e comandos de texto (\n (quebra de linha), \t (ta
bulação), \r (retorno de carro). Como o interpretador tem que percorrer toda a strin
g em busca de variáveis, matriz e comandos de texto, a impressão de uma string decla
rada com aspas duplas pode ser um pouco mais demorada que a de aspas simples.
<?php
$variavel = 'uma frase';
print "Esta é $variavel bem simples";
// Imprime: Esta é uma frase bem simples
?>
[editar] Concatenando strings
A concatenação nada mais é do que a junção de duas ou mais strings. Isso pode se dar também
com variáveis, matrizes, constantes e qualquer outro parâmetro que não puder ser passa
do (ou que talvez você não queira passar) dentro de uma string.
O operador de concatenação é o ponto (.).
<?php
print 'Estou concatenando '.'duas strings';
// Imprime: Estou concatenando duas strings
?>
Podemos também concatenar com variáveis.
<?php
$variavel = 'mar';
print 'O '.$variavel.' é azul';
// Imprime: O mar é azul
?>

Curso de PHP/Comandos/Variáveis
Sobre as variáveis
* Começam sempre pelo símbolo $ seguido de uma letra
* Podem conter símbolos numéricos (0 - 9) alfanuméricos minúsculos (a - z) e alfanumér
icos maíusculos
* Não podem conter espaços! Se tiverem mais do que uma palavra deverão ser interli
gadas por um underscore _
Por exemplo: $total_variavel
[editar] Alguns exemplos de variáveis
<?php
$minha_variavel=4;
$minha_string="super ";
echo "$minha_string "." $minha_variavel";
?>
O ponto "." após a variável $minha_string concatena as variáveis.
Deverá escrever na tela do navegador:
super 4
Curso de PHP/Comandos/Include
O comando PHP include é muito útil porque permite incluir dinamicamente o conteúdo de
um ficheiro PHP dentro de outro.
Uma das utilizações mais simples é criar menus para um site que depois podem ser utili
zados em outras páginas. No exemplo a seguir criaríamos um ficheiro chamado navegar.
inc que poderia ser incluído em qualquer página do site.
Em cada ficheiro em que se quisesse incluir o ficheiro "navegar.inc", escreveríamo
s:
<?php include("navegar.inc"); ?>
Poderiamos ter o menu do ficheiro navegar.inc em qualquer página. Bastava alterar
o menu em navegar.inc para o alterar em qualquer página.
Observação: Evite utilizar arquivos (ficheiros) em PHP que não terminem com a extensão P
HP. Dizemos isso por motivos de segurança, já que, tendo a URL de um arquivo de exte
nsão como .inc ou .class, o browser exibirá todo o seu conteúdo (código, senhas, usuários,
etc), pois esse tipo de arquivo não é interpretado pelo servidor.
Então devemos usar algo como pagina.inc.php ou pagina.class.php, etc.

Curso de PHP/Comandos/If...Else

Se..então é traduzido para o português como if.. do.. Muito utilizado com o Senão, else.

Pela lógica: Se ocorrer a condição A, então faça uma condição X.


Senão, else, ocorrer a condição A, faça uma condição Y.
Sintaxe
if( condição )
{ comando;
...
comando;
}
else
{ comando;
...
comando;
}
por exemplo:

$a=10;
$b=15;

if($a<$b)
echo "Variável A é menor que B";
else // '''Senão'''
echo "Variável B é menor que A";
Exemplo de uso do if...else if...else:
$x=3;
if ($x==2){
echo "x vale 2";
} else if ($x==3){
echo "x vale 3";
}else{
echo "x é diferente de 2 e de 3";
}
Lembrando que no if para testar o valor de uma variável usamos == e não apenas =.

Curso de PHP/Comandos/Classes
Classes são tipos predeterminados que contém atributos e métodos.

[editar] Objetos
O objeto é o resultado da união entre uma estrutura de dados e todas as operações associ
adas a ela.

[editar] Inicialização de objetos


Para inicializar um objeto, você usa a instrução new, criando uma instancia do objeto
em variável. Conforme a figura abaixo:
Sintaxe de como utilizar objetos em PHP:
<?php
class Primeira
{
runction mostrar()
{
echo “mostrando na tela”;
}
}
$frase = new Primeira();
$frase->mostrar();
?>

Curso de PHP/Referência à linguagem


Categorias
* Sintaxe da linguagem (Tipos, Variáveis, Constantes, Expressões)
* Operadores
* Estruturas de controle
* Funções
* Classes e Objetos
* Excepções
* Referências

Curso de PHP/Referência à linguagem/Sintaxe da linguagem


Índice
[esconder]
* 1 Comentários
* 2 Tipos
o 2.1 Boolean
o 2.2 Inteiros
o 2.3 Números de ponto flutuante
o 2.4 Strings
o 2.5 Arrays
* 3 Manipulação de Tipos
* 4 Variáveis
o 4.1 Variáveis predefinidas
+ 4.1.1 $GLOBALS
+ 4.1.2 $_SERVER
+ 4.1.3 $_GET
+ 4.1.4 $_POST
+ 4.1.5 $_COOKIE
+ 4.1.6 $_FILES
+ 4.1.7 $_ENV
+ 4.1.8 $_REQUEST
+ 4.1.9 $_SESSION
* 5 Escopo de Variáveis
[editar] Comentários
Comentários são tudo aquilo que descrevemos no PHP, sem que o interpretador as varre
. Os comentários aceites pelo PHP podem ser de duas formas:
<?php
/* Isto é um comentário
de várias linhas no PHP */
echo "Comentário acima!";
?>
<?php
echo "Outro comentário!"; //Comentário de um linha só
?>
O Leitor pode escrever tudo o que quiser dentro dos comentários sem se importar co
m o tamanho ou o conteúdo escrito.
[editar] Tipos
O PHP suporta todos os oito tipos primitivos.
[editar] Boolean
O boolean é um valor lógico que pode assumir ou TRUE ou FALSE.
Neste exemplo o valor boleano é nos dado a conhecer pela função ''gettype()'':
<?php
echo gettype((bool) ""); // bool(false)
echo gettype((bool) 1); // bool(true)
echo gettype((bool) "foo"); // bool(true)
?>
Aqui apresentamos duas variáveis coom valores lógicos:
<?php
$foo = TRUE;
$foo = FALSE;
?>
Como podemos ver no exemplo acima, uma expressão tem um valor boleano TRUE se ela
contiver alguma coisa, e FALSE se o seu conteúdo for nulo.
[editar] Inteiros
Um inteiro é um número do conjunto Z = { ...,-3,-2,-1,0,1,2,3,... } Pode-se especifi
car através de notação decimal (de base 10), hexadecimal (base 16) ou octal (base 8),
opcionalmente precedido de sinal (- ou +).
Representação de inteiros:
<?php
$a = 1234; # número decimal
$a = -123; # número negativo
$a = 0123; # número octal - precedido de um 0 - equivalente a 83 em decimal
$a = 0X1A; # número hexadecimal - precedido de um 0 e um X - equivalente a 26 em d
ecimal
Se você especifica um inteiro além dos limites de um inteiro, o PHP lê-o como um ponto
flutuante:
<?php
$num = 2147483647;
var_dump($num); // Saída: int(2147483647)
?>
<?php
$num = 2147483648;
var_dump($num); // Saída: float(2147483648)
<?
É necessário ter em atenção que na saída de uma fracção para um inteiro, os arredondamentos
seguem a regra matemática, sendo assim é necessário o uso da função round():
<?php
var_dump(25/7); //float(3.5714285714286)
var_dump((int) 25/7); //int(3)
var_dump(round(25/7)); //float(4)
Evite transformar uma fracção de valor desconhecido para inteiro.
[editar] Números de ponto flutuante
Os números de ponto flutuante (floats e doubles) são números com casas decimais, onde,
aqui, a vírgula é substituída por um ponto:
<?php
$a = 1.234;
$b = 1.3e4;
$c = 25.4E-10;
?>
Aqui também é necessário ter em atenção os arredondamentos.
[editar] Strings
Uma string é uma série de caracteres sem limites de comprimento. Ela é delimitada, no
PHP, por Aspas, apóstrofo ou pela nova sintaxe heredoc:
<?php
echo 'string delimitada por apóstrofos!';
echo "string delimitada por Aspas";
echo <<<EOF
String delimitada por um heredoc
EOF;
?>
A inclusão de variáveis funciona aqui de várias maneiras. Vamos ver:
<?php
$carro = "Mercedes";
echo "Ele comprou um bonito $carro"; // funciona
echo "Eles compraram vários {$carro}s"; // funciona
echo "Eu faço um ${carro}"; // funciona
?>
As saídas serão:
* Ele comprou um bonito Mercedes
* Eles compraram vários Mercedes
* Eu faço um Mercedes
Podemos também modificar strings:
<?php
$str = "Olha que alí há mal"; // Apresenta "Olha que alí há mal"
$str{strlen($str)-1} = "r"; // Apresenta "Olha que alí á mar"
?>
<?php
$str = "Pegue isto"; // Apresenta "Pegue isto"
$str{strlen($str)-10} = "S"; // Apresenta "Segue isto"
?>
Cabe à função strlen() essa tarefa.
[editar] Arrays
Um array é um mapa ordenado, com chaves e valores. Vejamos um exemplo:
<?php
$arr = array(1 => "um", 2 => "dois", 3 => TRUE);
echo $arr[1]; // Imprime "um"
echo $arr[3]; // Imprime TRUE"
?>
Aqui nos é apresentado 3 chaves (1,2 e 3) e 3 valores ("um", "dois" e TRUE). Então p
odemos pegar uma chave de um array para imprimir-mos o valor correspondente. Pod
emos também definir um array como vários array:
<?php
$arr = array("versão" => array ("beta" => 0.5x,
"alpha" => 0.1x,
"release" => 0.8x,
"final" => 1.x
),
"nome" => "PHP software",
"SO" => array("win" => "Windows",
"lin" => "Linux",
"mac" => "MacOS"
)
);
// Vamos agora remover um elemento do array, visto que o nosso software já passou
a fase alpha
unset($arr["versão"]["alpha"]);
// Também podemos apagar o array inteiro. Já não vamos disponibilizar o nosso software
unset($arr);
?>
Podemos especificar apenas valores num array, sendo que o interpretador irá tornar
cada um dos valores com uma chave a partir do zero.
<?php
$arr = array(1,45,23,68);
echo $arr[1]; // imprime 45
// Vamos agora apagar um valor e reindexar o nosso array:
unset($arr[1]);
$array = array_values($array);
// Não podemos imprimir o nosso array através de echo. Temos que fazer isso com prin
t_r():
print_r($arr);
?>
[editar] Manipulação de Tipos
No PHP não é necessário definir-se o tipo que queremos usar, ou seja, este é determinado
pelo contexto em que é usado. Por exemplo: $var = "string" >> É uma string; $var =
12 >> É um inteiro;
Para alternarmos entre os tipos usamos uma sintaxe de moldagens:
<?php
$foo = 5; // $foo é um inteiro
$bar = (boolean) $foo; // $bar é um boleano
<?
Moldagens permitidas:
* (int) ou (integer) - Moldar para inteiro
* (bool) ou (boolean) - Moldar para booleano
* (float), (double) ou (real) - Moldar para número de ponto flutuante
* (string) - moldar para string
* (array) - moldar para array
* (object) - Moldar para objecto
Exemplos de moldes:
<?php
$str = "Eu sou string";
$int = 12;
$num = 25/85;
$a = (boolean) $str;
$b = (string) $int;
$c = (int) $num;
echo $a . $b . $c;
?>
[editar] Variáveis
As variáveis são no PHP representadas por um $ seguido do nome a ela atribuído. É necessár
io ter em conta alguns cuidados quando criamos variáveis:
<?php
$var = "Bom ";
$Var = "dia!";
echo $var . $Var; // Exibe "Bom dia!"
$25arrobas = "Ainda por cumprir!"; // INVÁLIDO - Nenhum nome de variável pode
começar por uma expressão numérica
$_25arrobas = "Quase na linha!"; // VÁLIDO - Nome começa por _
<?
É possível escrever-se qualquer um dos 8 tipo primitivos numa variável. As variáveis são u
sadas para se atribuir um valor e guardá-lo na memória do computador para execução poste
rior:
<?php
$var = "Ganhou um prémio!";
if ($count < 5){
echo $var;
}
<?
O script acima exibirá "Ganhou um prémio!" se o valor da variável $count for menor que
5.
[editar] Variáveis predefinidas
O PHP oferece variáveis predefinidas de informações vindas do servidor e do navegador,
que podem ser usadas pelo programador. são as chamadas superglobais.
[editar] $GLOBALS
Contém referências para todas as variáveis que estão disponíveis dentro do script.
[editar] $_SERVER
Variáveis criadas pelo servidor web e relacionadas com o ambiente de execução.
[editar] $_GET
Variáveis enviadas por script para o servidor via método HTTP GET. O que é enviado pel
o formulário é mostrado na barra de endereço.
[editar] $_POST
Variáveis enviadas por script para o servidor via método HTTP POST. O que é enviado pe
lo formulário não é mostrado na barra de endereço do navegador.
[editar] $_COOKIE
Variáveis enviadas por script para o servidor via cookies HTTP.
[editar] $_FILES
Variáveis enviadas para o script com todas as informações relativas aos arquivos envia
dos via HTTP.
[editar] $_ENV
Variáveis disponíveis no script do ambiente em execução. Em Web é igual ao $_SERVER.
[editar] $_REQUEST
Possuí todas as variáveis englobadas em $_GET, $_POST e $_COOKIE. Em desuso devido à d
emora na realização do script!
[editar] $_SESSION
Variáveis que estão directamente relacionadas no registo da sessão no script.
[editar] Escopo de Variáveis
Curso de PHP/Referência à linguagem/Operadores
Existem vários operadores usados no PHP.
[editar] Operadores aritméticos
Nome Exemplo Significado
Adição $a + $b Soma de $a e $b
Subtração $a - $b Diferença entre $a e $b
Multiplicação $a * $b Produto de $a e $b
Divisão $a / $b Quociente de $a por $b (divisão de ponto flutuante)
Módulo $a % $b Resto da divisão de $a por $b
Exemplo:
<?php
$a = 2;
$b = 15.5;
echo $a + $b;
?>
[editar] Operadores Bit-a-Bit
Os operadores Bit-a-Bit permitem a manipulação de bits específicos dentro das expressões
.
Nome Exemplo Significado
AND $a & $b Os bits que estão ativos tanto em $a quanto em $b são ativad
os.
OR $b Os bits que estão ativos em $a ou em $b são ativados.
XOR $a ^ $b Os bits que estão ativos em $a ou em $b, mas não em ambos, são
ativados.
NOT ~$a Os bits que estão ativos em $a não são ativados, e vice-versa.
Deslocamento à esquerda $a << $b Desloca os bits de $a $b passos para a e
squerda (cada passo significa "multiplica por dois")
Deslocamento à direita $a >> $b Desloca os bits de $a $b passos para a d
ireita (cada passo significa "divide por dois")
Exemplo:
<?php
echo 12 ^ 9;
echo "12" ^ "9";
echo "hallo" ^ "hello";
?>
[editar] Operadores de Comparação
Os Operadores de comparação permitem a comparação de dois valores.
Nome Exemplo Significado
Igual $a == $b Verdadeiro se $a é igual a $b
Idêntico $a === $b Verdadeiro se $a igual a $b e do mesmo tipo
Diferente $a != $b Verdadeiro se $a diferente de $b
Diferente $a <> $b Verdadeiro se $a diferente de $b
Não idêntico $a !== $b Verdadeiro se $a diferente de $b, ou não são do mesm
o tipo
Menor que $a < $b Verdadeiro se $a menor que $b
Maior que $a > $b Verdadeiro se $a maior que $b
Menor ou igual $a <= $b Verdadeiro se $a menor ou igual a $b
Maior ou igual $a >= $b Verdadeiro se $a maior ou igual a $b
Exemplo:
<?php
$a = 5;
$b = 4;
if ($a > $b) {
echo "$a é maior que $b";
}
?>

Curso de PHP/Referência à linguagem/Funções

Funções no PHP ajudam muito no desenvolvimento de codigos, reaproveitar codigos é exce


ncial para a produtividade em um sistema, mostro abaixo um exemplo simples para
uma função de conectar ao banco de dados indiferente do banco do usuario e senha que
for usar.
<?php
public function conectar($usuario, $senha, $banco){
$con = mysql_connect("localhost", $usuario, $senha) or die (mysql_error());
mysql_select_db($banco, $con)or die (mysql_error());
}
?>
para se chamar a função no mesmo arquivo apenas fazemos isso
<?php
// função
//....
//
conectar("root", "******", "banco_dados");
?>
Para se chamar de outra classe utilizando Orientação Objetos utilizamos dessa forma
<?php
class Config{
public function conectar($usuario, $senha, $banco){
$con = mysql_connect("localhost", $usuario, $senha) or die (mysql_error());
mysql_select_db($banco, $con)or die (mysql_error());
}
}
?>
Chamada para a classe externa
<?php
include = 'Config.php';
$con = new Config();
$con->conectar("root", "******", "banco_dados");
?>
Prontinho, esse é um exemplo simples de como usuar funcoes em PHP.