Você está na página 1de 11

Computacao em Nuvem: Uma abordagem sobre a reducao de ¸˜ ¸˜ custos

Gustavo Quirino1 , Marcelino Oliveira1 , Tarcisio da Rocha1 DCOMP - Universidade Federal de Sergipe (UFS) Caixa Postal 353 – 49.100-000 – S˜ o Crist´ v˜ o – SE – Brasil a o a
{gucefet,marcelinolive,tarcisiorocha}@gmail.com
1

Resumo. Infraestrutura, softwares e plataformas dispon´veis ı de qualquer lugar, em qualquer momento, bastando acesso a internet. A computacao em ¸˜ nuvem j´ e atrativa por oferecer a ´ essas funcionalidades, por´ m e essa tecnologia promete tamb´ m e ser vantajosa economicamente para a maioria das aplicacoes. ¸˜ Este Survey tem como objetivo apresentar o funcionamento da computacao em nuvem, suas ¸˜ vantagens e desafios, com foco na reducao de custos para usu´ rios ¸˜ a finais e desenvolvedores. Por fim, casos de sucesso de quem passou a utilizar essa tecnologia.

1. Introducao ¸˜
Tendo em vista que a maioria dos servicos ¸ que utilizamos em nosso dia a dia como ´ agua, luz, telefone, entre outros, s˜ o taria fados de acordo com o uso, a computacao ¸˜ em nuvem surge com o intuito de ofer´ ecer servicos na area de TI (Tecnolo¸ gia da informacao) sob demanda, com o ¸˜ usu´ rio pagando somente aquilo que utia ´ liza. Computacao em nuvem e descrita ¸˜ por [Etro 2011] como sendo “Uma tecnologia baseada na internet na qual a informacao e armazenada em servidores e ¸˜ ´ oferecida como um servico sob demanda ¸ aos clientes.” Solucoes ¸˜ anteriores visavam resolver problemas de uma classe espec´fica de usu´ rios, conforme descreve ı a [Buyya and Brandic 2009] “Tendˆ ncias e ´ anteriores a computacao em nuvem foram ¸˜

limitadas a uma determinada classe de usu´ rios ou focadas em tornar dispon´vel a ı uma demanda espec´fica de recursos de TI, ı principalmente de inform´ tica”. A indea pendˆ ncia de localizacao permite que essa e ¸˜ nova tecnologia seja utilizada pelos mais variados tipos de clientes, que v˜ o desde a usu´ rios dom´ sticos no armazenamento de a e um arquivo, at´ desenvolvedores de softe ware que tˆ m suas plataformas hospedadas e na nuvem.[Etro 2011] informa que “´ e poss´vel utilizar computacao em nuvem ı ¸˜ ´ em diferentes areas como:infraestrutura como servico (IaaS) alugando m´ quinas ¸ a virtuais, Plataforma como um servico ¸ (PaaS) na qual softwares podem ser executados, ou Software como um servico ¸ (SaaS) alugando um servico completo ¸ como o e-mail.”O uso da computacao ¸˜ na nuvem promete ser vantajoso em termos econˆ micos em grande n´ mero o u de aplicacoes.[Armbrust et al. 2010] diz ¸˜ que “computacao na nuvem permite a ¸˜ uma organizacao pagar pelos recursos ¸˜ utilizados por hora, levando a reducao ¸˜ de custos mesmo que o custo do aluguel de uma m´ quina seja superior a taxa de a manutencao de uma m´ quina local.”Os re¸˜ a cursos de TI tendem a ficar obsoletos muito r´ pido, portanto a utilizacao desse recurso a ¸˜ por meio de ”aluguel”, elimina o problema do usu´ rio ter que comprar equipamentos a novos em curto per´odo de tempo, al´ m de ı e n˜ o ter custos na manutencao e instalacao a ¸˜ ¸˜ ´ de novos sistemas, pois tudo e feito na nuvem, portanto entre outras vantagens, a reducao de custos est´ atraindo cada vez ¸˜ a mais adeptos a essa nova tecnologia. Esse trabalho est´ organizado da seguinte forma: a

A execucao e ¸˜ lizado para a tecnologia de computador que ´ concorrente e uma caracter´stica ı est´ embutida em diversos dispositivos ina pr´ pria de de um SD.1.No capitulo 2 ser´ discutido sobre os a sistemas distribu´dos e como a computacao ı ¸˜ na nuvem se enquadra nesse conceito. E ı ` a tando um gerenciamento de aplicacoes composta de v´ rias LANs e conectada a in¸˜ ternet por interm´ dio de um roteador. ¸˜ incluindo suas casas. arquivo.utilizacao de v´ rios dispositivos computa¸˜ a partilhada do tempo em que as cionais pequenos e baratos.1. tamb´ m de¸˜ ı e • Inexistˆ ncia de rel´ gio global e o ´ ¸˜ . 2007]. Computacao Ub´qua ¸˜ ı Consequˆ ncias de um Sistemas Dise tribu´do: ı ´ A computacao ub´qua e um termo uti¸˜ ı • Concorrˆ ncia . a ´ construcao de Sistemas Distribu´dos e o ¸˜ ı compartilhamento de recursos. Recurso pode ser um servico.1.3. Sistemas Distribu´dos ı e interligados. etc. 2007]. por´ m e de uso ex¸˜ ´ com caracter´sticas diferentes.1. Exemplos de Sistemas Distribu´do ı 2. Internet ´ A internet e um conjunto de redes de computadores. Intranet si[Coulouris et al.A coordenacao frequentemente nominda de computacao pervasiva. 2. de muitos tipos diferentes interligadas [Coulouris et al. Define-se um Sistema Distribu´do como apresenta-se ao usu´ rio como um unico sisı ´ a sendo aquele no qual os componentes tema. . O conjunto de computadores independentes 2. em que os o cluindo PDAs. e reducao de custos. O capitulo 4 ¸˜ trata dos casos de sucesso de usu´ rios que a passaram a utilizar essa tecnologia. a permite aos usu´ rios utilizarem servicos a ¸ Um dos principais motivos para que s˜ o providos em outras localidades.2.As falhas rua. se comunicam e coordenam suas acoes apenas enviando mensagens entre ¸˜ 2. streaming de v´deo.1. ¸˜ desafios.clusivo de uma determinada organizacao. no capitulo 3 ser´ discutidos aspectos da a computacao na nuvem como estrutura. 2007]. • Falhas independentes. que est˜ o preı a acoes dos programas ocorrem sentes nos ambientes f´sicos dos usu´ rios. o qual e transparente ao usu´ rio. escrit´ rios e at´ na o e [Coulouris et al. banco de da¸ dos. e a ¸˜ ¸˜ a depende de uma nocao com. O termo pervasivo se destina a sugerir na rede. Em um SD o conjunto de unidades de processamento in´ dependentes pode processar uma aplicacao A intranet e uma rede de computadores ¸˜ ` e ´ em diferentes localidades e em sistemas semelhante a Internet. 2007]. aparelhos de celular. de hardware ou software. localizados em computadores interligados em rede. senprocessos disputam pelos recursos sores no corpo humano e outros. apresen. compartilhados A computacao ub´qua. ı 2. compartilhando recursos. nos sistemas ou nos proces. [Coulouris et al.que pequenos equipamentos de cimputacao ¸˜ sos podem acontecer isoladamente e finalmente se tornar˜ o t˜ o entranhados nos a a demoram para serem percebidas no objetos di´ rios que mal ser˜ o notados a a SD.

Tratamento de falhas ´ Diz-se que um sistema computacional e aberto quando ele pode ser estendido e reimplementado de v´ rias maneiras.2. Escalabilidade A proposta de escalabilidade do sistema ´ e garantir o desempenho satisfat´ rio ainda o que haja um aumento no n´ mero de recuru ´ sos e no n´ mero de usu´ rios.2.2. integridade a (protecao contra alteracao ou dano). [Coulouris et al. os programas podem produzir resultados incorretos ou podem parar antes de terem conclu´do a computacao ı ¸˜ pretendida”[Coulouris et al.2. ¸˜ 2.6.2. do hardware.4. enquanto outros continuam funcionando. Recuperacao de falhas e Redundˆ ncia. defini-se uma camada de software intermedi´ ria denominada Middleware. Heterogeneidade Um sistema distribu´do pode possuir diferı entes tipos de redes.2. sistemas operacionais. ”‘Quando ocorrem falhas no hardware ou no software. Sistemas abertos podem ser resolvidos com uso de t´ cnicas e de criptografia. controlar a perda ı de performance. Concorrˆ ncia e Qualquer objeto que represente um recurso compartilhado em um sistema distribu´do ı deve ser respons´ vel por garantir que ele a .5. 2. por´ m. Desafios de seguranca referentes ao envio ¸ de mensagens sigilosas na rede e garantia de entrega ao verdadeiro agente remoto ´ Quando ocorre alguma falha. A cara ´ acter´tica de sistema aberto e obtida a parı tir do momento em que a especificacao e a ¸˜ documentacao das principais interfaces de ¸˜ software dos componentes de um sistema est˜ o dispon´veis para os desenvolvovea ı dores de software. 2007]. 2007] 2. o o 2. 2007]. prevenir esgotamento de recursos e evitar gargalos de performance. a ¸˜ Mascaramento de falhas. Principais desafios para implantacao ¸˜ 2.1. Tolerˆ ncia a fala has.2. ainda existem dee safios que n˜ o foram totalmente resolvidos: a Ataque de negacao de servico e seguranca ¸˜ ¸ ¸ de c´ digo m´ vel.2. a Segundo [Coulouris et al.”Um sistema e u a descrito como escal´ vel se permanece efia ciente quando h´ um aumento significativo a no n´ mero de recursos e no n´ mero de u u usu´ rios”[Coulouris et al. de sistemas operacionais e linguagens de programacao subjacentes. 2007]. assim como o mascaramento ¸˜ da heterogeneidade das redes. e essencial que o sistema seja capaz de gerenciar o problema sem que o mesmo seja repassado.2. ¸˜ a 2. As falhas em um SD s˜ o parciais: alguns compoa nentes falham. linguagens de programacao ¸˜ e diversas formas de implementacao ¸˜ por parte dos desenvolvedores. ¸˜ ¸˜ disponibilidade (protecao contra inter¸˜ ferˆ ncia com os meios de acesso aos e recursos)[Coulouris et al. hardware. Para tentar resolver essa heterogeneidade. Seguranca ¸ A seguranca de recursos de informacao ¸ ¸˜ tem trˆ s componentes: Confidencialie dade (protecao contra exposicao para ¸˜ ¸˜ pessoas n˜ o autorizadas).3. 2007]. de maneira a comprometer o compartilhamento de recursos. Desafios a em projetos de SD escal´ veis: controlar o a custo dos recursos f´sicos. A t´ cnicas atuais para tratae mento de falhas s˜ o: Deteccao de falha. O termo Middleware se aplica a uma camada de software que fornece uma abstracao de ¸˜ programacao.

2010] diz que “computacao na nuvem refere-se tanto ¸˜ as aplicacoes que s˜ o entregues como ¸˜ a servicos. a [Armbrust et al. Neste contexto o simbolo da nuvem representa uma abstracao da ¸˜ infraestrutura do provedor do recurso. tal que este seja visto ı como um sistema centralizado e n˜ o como a componentes independentes. luz e telefone 1 Os usu´ rios a que utilizam ˜ o na nuvem precisam apenas de computaca ¸ um computador com sistema operacional. a Esse beneficio de escalabilidade. sua a ¸˜ presenca ou ausˆ ncia afeta mais fortemente ¸ e a utilizacao de recursos distribu´dos.como uma nuvem. 2007]. Transparˆ ncia e Consiste em ocultar do usu´ rio e do prograa mador a separacao de componentes de um ¸˜ sistema distribu´do. mobilidade. onde recursos novos podem ser adicionados sem prejudicar a comunicacao do sistema ¸˜ atende uma necessidade que importunava tanto empresas como usu´ rios. [Hayes 2008] ´ informa que “O objetivo e concentrar a computacao e armazenamento no n´ cleo.2. replicacao. e um navegador. Formas de transparˆ ncia implemene tadas em sistemas distribu´dos: acesso. 2.”O usu´ rio pode incrementar a a quantidade de recursos a medida que sinta necessidade. Todos os demais recursos tanto f´sicos quanto de software ı s˜ o acessados remotamente. Nuvem como abstracao ¸˜ da complexidade [Velte 2010] 3. Segundo [Coulouris et al. quando a nuvem e disponibilizada 1 no tipo pay-asyou-go ao p´ blico geral u ´ ela e chamada nuvem p´ blica. Em geral m´ quinas de a baixo custo s˜ o utilizadas localmente. 2007]. ı localizacao. Computacao em nuvem ¸˜ O nome computacao em nuvem ou Cloud ¸˜ ´ Computing e uma met´ fora das imagens a em trabalhos cient´ficos que tratavam ı a internet como sendo uma nuvem. fal¸˜ e ¸˜ has. [Armbrust et al.7. ou “Pay & Go”´ o termo utie lizado para servicos pr´ -pagos ¸ e 2 utility-computing: Modelo de pagamento pelos servicos de TI similar ao modelo utilizado por com¸ ´ panhias de agua. De forma pay-asyou-go. ”As duas transparˆ ncias mais importantes e s˜ o a de acesso e a de localizacao. como mostra a Figura 1. isto inclui a espaco em disco. corrente [Coulouris et al. ı o ı que os processos disputem pelos recursos compartilhados. etc. desempenho e escalabilidade. ¸˜ u onde m´ quinas de alto desempenho est˜ o a a ligados por conex˜ es de banda larga. e o servico u ¸ ´ que esta sendo vendido e chamado utilitycomputing2 . e o todos estes recursos s˜ o cuidadosamente a gerenciados. concorrˆ ncia. internet. E ter´stica pr´ pria de um sistema distribu´do.anal´ gica a internet tamb´ m e simbolizada o e ´ ´ carac. 2010] diz que “O hardware e o software do Data Center que ´ provˆ o recurso e o que chamamos de e ´ nuvem.” ¸˜ ı Figura 1. envolvendo software e hardware. pois a o poder computacional est´ na nuvem. sistemas. quanto ao hardware e software ¸ que est˜ o nos datacenters e provˆ m esses a e .opere corretamente em um ambiente con. capacidade de proces¸ samento.

2009]: e os prestadores de servicos (SPs. Suas definicoes. j´ que esse servico ser´ feito ¸˜ a ¸ a apenas nas m´ quinas locais de baixo custo. por ¸ sua vez. um editor de planilhas e um editor de ¸˜ formul´ rios a 3 uma empresa adote ou n˜ o uma tecnoloa gia.1. e atualmente comp˜ eo se de um processador de texto. a e atualiza os recursos atrav´ s da internet e quando achar necess´ rio. ı ¸˜ possivelmente espalhados por todo o continente. educacao e u u ¸˜ outros setores do governo. u ¸˜ atributos e caracter´sticas evoluir˜ o com o ı a tempo. e ¸˜ sendo assim um usu´ rio que utiliza a a nuvem para armazenar dados. 2006] diz que “A analogia da ´ Utility Computing e derivado do mundo real. de localizacao desconhecida. chamada de Utility Computing.e os prestadores de infraestrutura (IPs -Infrastructure Providers). problemas.1. facilitando o a uso. Atrav´ s da ¸˜ e compra de servicos sob demanda o usu´ rio ¸ a paga pelo que usa.1. principalmente em empresas que utilizam macicamente a ¸ Tecnologia da Informacao”. a e tecnologia de computacao na nuvem ¸˜ tamb´ m oferece certas peculiaridades. riscos e benef´cios ı ser˜ o redefinidos em debates entre os a setores p´ blico e privado e essas definicoes. KOfı fice e Microsoft Office. 3. a O National Institute of Standards and Technology (NIST) [Mell and Grance 2009] define computacao ¸˜ em nuvem como um paradigma em evolucao. d´ suporte aos SPs que utilizam a essa infraestrutura para instalacao dos seus ¸˜ servicos. n˜ o tem a conhecimento de onde suas informacoes ¸˜ est˜ o sendo guardadas. Para muitos a care a acter´stica mais importante em computacao ı ¸˜ ´ na nuvem e a reducao de custos. Assim como nas imagens de livros que abstraem a complexidade da internet atrav´ s de uma nuvem. um editor de apresentacoes. ¸ . Portanto existe uma transparˆ ncia e de localizacao na computacao em nuvem ¸˜ ¸˜ que torna invis´vel o local onde os recursos ı est˜ o sendo armazenados. A infraestrutura e fornecida na forma de um servico pelos IPs que. onde os provedores de servicos de ¸ manutencao e fornecimento de servicos ¸˜ ¸ de utilidade p´ blica. Os SPs desenvolvem e disponibilizam os servicos ¸ aos usu´ rios atrav´ s de interfaces baseadas a e ´ na Internet. portanto hardware e software ¸ podem ser fornecidos aos clientes atrav´ s e da internet.org/BrOffice. [Yeo et al. tais como energia u ´ el´ trica.”. os usu´ rios dos servicos (Sera ¸ vice Users). como na sa´ de. Funciona totalmente online diretamente no browser. e agua”. os principais componentes do software residem em computadores invis´veis. podendo estar em a qualquer parte do planeta que tenha ligacao ¸˜ com a internet. casos de uso. ¸˜ ´ A computacao em nuvem e uma ¸˜ evolucao do conceito de recurso sob ¸˜ medida. Atores ´ A computacao em nuvem e composta por ¸˜ trˆ s atores principais [Vaquero et al. Os aplicativos s˜ o coma pat´veis com o OpenOffice. pois ¸˜ ´ isso e o principal motivo que faz com que ´ google docs: e um pacote de aplicativos do Google baseado em AJAX. como afirma [Etro 2011] “Computacao ¸˜ na nuvem pode trazer reducao de custos e ¸˜ ´ maior eficiˆ ncia em diversas areas do see tos p´ blico. e ainda reduzir custos na iniciativa privada.servicos”. e como a independˆ ncia de localizacao. neste modelo o usu´ rio paga por um rea curso de TI somente aquilo que utilizou. pois o cliente n˜ o precisa saber a a localizacao exata dos recursos.org. diminui os gastos com manutencao. Estrutura Elementos principais da estrutura sobre a qual a computacao em nuvem se baseia: ¸˜ 3. g´ s.Service ¸ Providers). ¸˜ ¸˜ tecnologias. [Hayes 2008] informa que “quando vocˆ cria uma planilha no e google docs3 .

implementadas e mantidas no ambiente da nuvem pelos prestadores de servicos. a e um mesmo software pode ser utilizado por m´ ltiplos usu´ rios. Com a IaaS. ´ PaaS e um tipo de servico que ¸ procura prover a estrutura necess´ ria para a os desenvolvedores de software. ı Infra-estrutura como Servico ¸ (IaaS)´ respons´ vel pelos servicos oferee a ¸ cidos na camada de infraestrutura [Sun ]. a atrav´ s da virtualizacao. A camada ´ de infraestrutura e a camada mais baixa. serve de plataforma ¸ para que servicos de mais alto n´vel possam ¸ ı ser desenvolvidos [Sun ]. Esse tipo de servico e ex¸ ´ ecutado e disponibilizado por servidores em Data Centers de responsabilidade de uma empresa desenvolvedora. Modelos de Servicos ¸ Como a computacao em nuvem distribui ¸˜ os recursos na forma de servicos. Fazem parte dela servidores. s˜ o ala guns exemplos de SaaS. e aquela que ı ¸˜ oferece diversas aplicacoes como servicos ¸˜ ¸ para os usu´ rios. Dikaiakos 2011]. ou seja. Softwares de aplicacao. ao inv´ s de e comprar novos servidores e equipamentos de rede para a ampliacao de servicos. Esta ¸ infraestrutura pode aumentar ou diminuir os recursos de acordo com as necessidades da SaaS e PaaS.switchs. disponibiliza-o a um custo . sistemas ¸ de armazenamento. Plataforma como Servico (PaaS) ¸ encapsula uma camada de software e a disponibiliza como um servico. por sua vez.2. Esses servicos incluem servidores. sistemas de armazenamento. como pro¸˜ cessadores de texto e planilhas (GoogleDocs) e sistemas de banco de dados. podendo ı ` acrescentar novos servidores virtuais a infraestrutura existente.3. 2009]. podemos ¸ dividi-la em trˆ s cen´ rios: Software como e a Servico. A camada de aplicacao e a de ¸ ¸˜ ´ mais alto n´vel de abstracao. 3. o soft´ ware e desenvolvido por uma empresa que O Amazon Elastic Cloud Computao inv´ s de vendˆ -lo ou us´ -lo para ben. ¸ Este servico. podendo distribu´-las de forma simplificada. ı de processamento em lote e aumento de armazenamento durante picos de cargas. ¸ Software as a Service(SaaS) proporciona sistemas de software com prop´ sitos espec´ficos que est˜ o dispon´veis o ı a ı para os usu´ rios atrav´ s da Internet. permitindo que e desenvolvedores construam suas aplicacoes ¸˜ sem a necessidade de instalar qualquer ferramenta no computador local.3. roteadores e outros sistemas espec´ficos de carga de trabalho. tornando dispon´vel uma plataforma computacional ı completa. oferecem esses e ¸˜ servicos por demanda aos prestadores ¸ de servicos [Vaquero et al. ¸˜ testadas. Camadas A arquitetura da computacao em nuvem ¸˜ pode ser dividida em trˆ s camadas abstratas e [Marios D. A camada de plataforma possui uma abstracao ¸˜ mais elevada e provˆ servicos para que e ¸ as aplicacoes possam ser desenvolvidas.1.ing (EC2) e o Elastic Utility Computing Are e a eficio exclusivo. sejam pesu a soas ou empresas. S˜ o os prestadores de infraestrutura que. roteadores e outros sistemas que s˜ o agrupados e padronizados a a fim de serem disponibilizados pela rede. 2009]. a baixo a uma grande quantidade de usu´ rios a [Aulbach et al. Plataforma como Servico e Infra¸ ¸ estrutura como Servico.1. ´ atrav´ s dela que os prestadores de inE e fraestrutura disponibilizam os servicos de ¸ rede e armazenamento da nuvem. ¸˜ ¸ utiliza-se os recursos dispon´veis. A plataforma como servico ¸ disponibiliza o ambiente de desenvolvimento atrav´ s da nuvem.

3. Seguranca ¸ venha a falhar a outra pode assumir. 2001] destaca que “A seguranca de recursos de computacao ¸ ¸˜ tˆ m trˆ s componentes: confidencialidade e e (protecao contra exposicao para pessoas ¸˜ ¸˜ n˜ o autorizadas). e disponibilidade ¸˜ ( protecao contra interferˆ ncia com os ¸˜ e meios de acesso ao recurso)”. por´ m pode ´ e volvem este conceito. Disponibilidade de Servico ¸ ful Systems (Eucalyptus) s˜ o exemplos de a IaaS. a pazes de entregar os recursos independente ı tecnologia de computacao na nuvem car.2. a a ¸ N˜ o e poss´vel prover 100% de seguranca a ´ ı ¸ em um ambiente totalmente desconhecido por onde os dados trafegam da origem ao destino. Desafios como do momento em que deseja acessar os recursos. como mostra a Figura 2. Todo recurso acessado por meio da internet est´ vulner´ vel a falhas de seguranca. 3.de local e e hor´ rio de acesso por parte ¸˜ a rega grande parte dos desafios que en. V´ rias solucoes de seguranca a ¸˜ ¸ para proteger nuvens de ameacas externas ¸ ˜ es utilizadas s˜ o semelhantes as soluco a ¸ para proteger um Data Center4 ”. ¸ [Coulouris et al.2. 2010] diz ¸˜ que “Na nuvem os usu´ rios enfrentam a ameacas de seguranca tanto de fora quanto ¸ ¸ dentro. portanto apesar das limitacoes da a ¸˜ 4 ´ Data Center: e o local onde s˜ o concentrados os rede. A disponibilidade de servico trata da inde¸ pendˆ ncia de localizacao do usu´ rio. [Armbrust et al. caso uma 3. ¸˜ . Figura 2. Os provedores devem ser caPor se tratar de um sistema distribu´do. O armazenamento de dados valiosos para os usu´ rios requer que alguns parˆ metros a a sejam levados em consideracao por meio ¸˜ do provedor do servico sob demanda.2. [Velte 2010] Escalabilidade [Coulouris et al. 2001] define um sistema como escal´ vel quando “permanece a eficiente quando h´ um aumento significaa tivo no n´ mero de recursos e no n´ mero de u u usu´ rios”. sendo assim.1. os provedores devem ser capazes de a ¸ e equipamentos de processamento e armazenamento oferecer o servico com eficiˆ ncia.3. disponibilidade dos servicos. mesmo de dados de uma empresa ou organizacao ¸˜ com aumento na quantidade de requisicoes. Uma poss´vel ¸ ı solucao seria a replicacao da nuvem por ¸˜ ¸˜ parte do provedor. Escalabilidade A escalabilidade diz respeito a capacidade de um sistema atender novas requisicoes ¸˜ sem comprometer seu funcionamento. Isto parece obvio. Este capitulo trata n˜ o ser t˜ o simples de ser implementado. bem e ¸˜ a 3.2. integridade ( protecao a ¸˜ contra alteracao ou dano).do cliente. ou mesmo in¸˜ ¸˜ nuvem. em algum mopara a perfeita utilizacao da computacao em mento podem ocorrer atrasos.chitecture Linking Your Programs To Use. a a dos principais desafios a serem superados pois ao utilizar a internet. por´ m deve-se fazer e o m´ ximo de esforco para dificultar que a ¸ tais falhas acontecam entre a troca de ¸ informacoes.2.

que pode ser quantidade de dados transferidos. Modelo Econˆ mico o No modelo de computacao na nuvem ¸˜ o usu´ rio paga pelo recurso que foi a utilizado. o usu´ rio paga pelo recurso a que utilizou.”No preco diferenciado ¸ a ¸ as tarifas podem ser atribu´das de acordo ı com o hor´ rio de utilizacao do recurso. Reducao de Custos ¸˜ obrigando o cliente a realizar duas compras. a [Shen and Henderson 2008] A computacao evolui de forma r´ pida. precos por unidade e assinatura ¸ de servicos b´ sicos. sendo estes ¸ organizados em trˆ s grupos: preco difere ¸ enciado. ou quantidade de mem´ ria alocada. O modelo de assinatura o de servicos e semelhante ao modelo pr´ ¸ ´ e pago onde o usu´ rio tem uma previs˜ o a a da quantidade de recursos que ir´ utilizar.Moreira L. Esses mecanismos s˜ o a a importante para regular a demanda e oferta dos recursos pelos provedores. principalmente utilizar servicos de v´ rias fontes. por´ m existe um desafio e de como quantificar este recurso para que a relacao recurso/valor seja exata. Neste contexto quesitos como: valor da aquisicao dos dispositivos ¸˜ f´sicos. a e compra um pacote de servicos. valor de aquisicao dos softwares. ] diz que “Embora pesquisas em computacao tenham ¸˜ investigado v´ rios modelos econˆ micos a o de infraestrutura computacional durante a ´ ultima d´ cada. a computacao em nuvem apresenta ¸˜ diversos modelos de preco.3. Se uma empresa decide adquirir um servidor pr´ prio e deix´ -lo ligado o a o tempo todo.. o a em vez um custo est´ tico na compra de a tecnologias ou contratacao de pessoal para ¸˜ gerenciar operacoes”. A prin´ cipal despesa nesse caso e o sal´ rio do a profissional que ir´ fazer a manutencao a ¸˜ desse recurso. a Computacao em ¸˜ ` Nuvem gera uma grande economia as empresas. a computacao em nuvem e ¸˜ tem uma abordagem mais aplicada aos neg´ cios e relacionada ao custo. Muitos deı Por´ m. re¸˜ a cursos de software e hardware est˜ o sempre a em atualizacao. Na maioria dos casos e mais vantajoso comprar o servico sob demanda ¸ do que comprar esse dispositivo ou software. principalmente servidores de grandes empresas. e . ı ¸˜ manutencao.2.4. a ¸˜ portanto precos menores em hor´ rios de ¸ a baixa utilizacao da nuvem.3. ¸˜ A computacao na nuvem surge ¸˜ como alternativa para empresas e usu´ rios a que tˆ m alto custo mantendo seus recursos e ´ localmente. que tem que manter o servico o m´ ximo ¸ a de tempo em funcionamento. otimizando o seu uso. Al´ m disso a manutencao de equipae ¸˜ mentos pode ter um alto custo. Sua utilizacao n˜ o gera ociosi¸˜ a dade nos servidores.Machado J. por´ m n˜ o sendo utie a lizado integralmente. est´ fazendo um desa perd´cio. Na tarifacao ¸˜ ¸˜ por unidade. N˜ o e poss´vel armazenar a ı a ´ ı capacidade do sistema depois reutiliz´ -la. Uma ¸ ´ ´ desvantagem deste ultimo modelo e que o usu´ rio pode pagar por aquilo que efetivaa mente n˜ o utilizou. Aso sim. 3.. [Yeo et al. ¸˜ [Souza F. a medida que vocˆ passe a e e senvolvedores de software. o usu´ rio ¸ a a os propriet´ rios desenvolvem seus sistemas paga pelos recursos de cada uma dessas a com pr´ -requisitos de hardware elevados. muitas vezes um sistema ¸˜ novo requer um computador mais potente e sobra para o usu´ rio ter que investir tamb´ m a e em novos dispositivos f´sicos. Despesas agora podem ser modelados como um custo vari´ vel de a acordo com os padr˜ es de uso dos usu´ rios. e energia devem ser consid¸˜ erados quando o usu´ rio optar por mana ter um servico local. 2006] ¸ informa que atrav´ s de servicos sob dee ¸ manda “Usu´ rios n˜ o precisam mais invea a stir fortemente ou se deparar com dificuldades na construcao e manutencao de infra¸˜ ¸˜ estruturas para TI. Financeiramente.

Machado J. CEO da SambaTech.1.10 por quilowatt-hora. ] aborda um exemplo pr´ tico de como a a alocacao de um servico na nuvem deve ser ¸˜ ¸ ponderada ”Suponha que vocˆ tenha um e requisito para operar 100 servidores por trˆ s anos.140 4.140 e a opcao de comprar ¸˜ e administra-los custaria aproximadamente 100 servidores * $ 750 + 3 anos * $ 13. O Departamento de TI do jornal New York times conseguiu cumprir (usando um software Sambatech: Maiores www.com 5 informacoes ¸˜ em: . [Souza F. ¸ Apesar do exemplo utilizar n´ meros u estimados. Uma opcao seria alugar estes e ¸˜ servidores por $0.´ fontes. a opcao de alugar um ¸˜ servico seria mais interessante. New York Times Descrito em [Gottfrid 2007]. como $ 100. distribuidora de conte´ dos digitais. Em alguns casos e melhor coma prar o equipamento ou software e mante-lo ´ localmente. se a utilizacao dos servidores fosse ¸˜ de 68% ou menos. diz Gustavo Caetano.051.e nem todos os custos terem sido considerados na maioria dos casos a computacao em nuvem gera reducao de ¸˜ ¸˜ ´ custos. a Isso custaria aproximadamente 100 servidores * $0.40 por instˆ ncia/horas * 3 anos a * 8760 horas/ano = $1.40 por instˆ ncia/horas. Figura 3. Requisicao de recursos ¸˜ ´ de varias fontes [Velte 2010] 4. em outros o melhor a fazer e ”alugar”um recurso na nuvem. Seus sistemas rodam em equipamentos alugados nos Estados Unidos e que em menos de 1 minuto preparam os v´deos que ser˜ o enviados aos ı a celulares e ao YouTube. Suponha que o custo para a comprar cada servidor seja de $ 750 e que sejam necess´ rios dois funcion´ rios a a para administra-los pagando $ 100. A empresa trafega o u equivalente a quase 5 000 DVDs por mˆ s na e rede e n˜ o comprou nenhum dos cerca de 40 a servidores de que precisaria. como e o caso 5 da brasileira SambaTech . “O que permite ´ hoje nosso neg´ cio e o amadurecimento da o internet para entregar servicos.sambatech. Outra opcao seria comprar os servidores e ad¸˜ ministr´ -los.000 sal´ rios/ano = $ 714. Assim.2. H´ cerca de ¸ a cinco anos nossa empresa certamente n˜ o a existiria“.420.. Sambatech A facilidade do aluguel dos servidores virtuais permite a criacao de companhias que ¸˜ ´ existem apenas na internet. O fato e que cada usu´ rio deve mena ´ surar se a utilizacao da nuvem e vantajosa ¸˜ ´ ou n˜ o. Por outro lado.[Exame ] 4. Casos de Sucesso [Velte 2010] diz que “Se vocˆ ese tiver fazendo um download de um v´deo ı de alta definicao com mais de 100 fontes. ¸˜ a mostra a Figura 3. neste caso e preciso mensurar se eletricidade/ano + 3 anos * 2 funcion´ rios * a ´ a utilizacao de nuvem e vantajosa. Suponha ainda que os servidores consomem 150 watts cada e o custo da eletrici´ dade e de $ 0. ¸˜ seus custos ir˜ o registrar subidas acentua adas”. o custo anual para operar os 100 servidores seria de $ 13.Moreira L.. se a utilizacao dos servi¸˜ dores fosse de 100%. Portanto.000 por ano. a opcao de comprar ¸˜ 100 servidores seria mais barato.200.

5. Vision.. a aplicacao ¸˜ ¸˜ do conceito de Cloud trata do rearranjo e Buyya... ano XVI. por´ m Coulouris. and Kinda a e com o aumento da banda larga. milh˜ es de servidores. M. Seibold. and Ag. mas gigantes como Google. V.. (2009). M. e geram reducao de ¸˜ custos a seus usu´ rios. E poss´vel que futuramente com a ı padronizacao da tecnologia e barateamento ¸˜ da hospedagem de recursos esse c´ lculo n˜ o a a precise mais ser feito. A. Griffith. Fox. T. vice-presidente associado Armbrust. Joseph. Conclus˜ o a Coulouris.. and Kindberg. em cada caso deve ser mensurado a quantidade de tempo que o recurso ir´ ser a utilizado.. G. Dollimore. da Nasdaq.de processamento em alto desempenho baseado no Hadoop executado sobre a plataforma de nuvem da Amazon EC2 [Ec2 ] uma tarefa de converter parte do seu acervo de reportagens digitalizadas em imagens em formato escaneado ”. Dollimore.Alguns desafios dea vem ser superados para o avanco da tec¸ nologia. J. ainda e cedo conceitos e projeto. produto no mercado. (2001). Above the custos e riscos de lancamento de um novo ¸ Clouds: A View of Cloud Computing. hype. S. e da quanberg.tiff”para formato PDF. e portanto ser´ mais a rent´ vel manter todos os recursos nas nua vens. Data Center nas Nuvens. presas de busca na Internet tenham ao todo A. ¸˜ ` A contratacao do servico permitiu a bolsa ¸˜ ¸ americana lancar o servico sem investir um ¸ ¸ e centavo na compra de storage. Y. N˜ o existe f´ rmula correta para afira o ´ mar que computacao na nuvem e mais ¸˜ econˆ mica que manter os recursos localo mente. Nasdaq ´ Outro cliente da Amazon e a bolsa de valores eletrˆ nica Nasdaq. a alternativa ajudou a reduzir A. uma nova ferramenta para analisar montanhas de dados de acoes de mercado.. and Katz. S. A palavra delivering computing as the 5th utility. R. Tendo este poder o Acme. (2007). ` computacional a disposicao. S. B.. Microsoft. 4. para afirmar se a computacao em nuvem ¸˜ ir´ se transformar em um padr˜ o. A tarefa foi cumprida em menos de 24 horas e custou milhares de d´ lares a menos (e precisou o de muito menos tempo) do que custaria se o desenvolvimento fosse feito internamente no seu departamento de TI. parece imposs´vel fugir dos modelos que ı utilizam a grande rede. ´ chave para isso e gerenciamento. (2009). P. gar e nem pertencer˜ o as mesmas empresas a ` Computerworld. pages 881–888.. (2010). que usou seus Web o Services para lancar o Nasdaq Market Re¸ play. T. and reality for para atender novas demandas. R. redirecionamento dos recursos j´ existentes a I. para que fosse integrado e disponibilizado no seu web site. Segundo Referˆ ncias Claude Courbois. Sistemas distribu´dosı ´ Como toda nova tecnologia. G. Bookman. a . R. Estima-se que as cinco maiores emAulbach. tidade de usu´ rios conectados a internet.[Terzian ] Computing. o custo de manutencao. C.3. (February).. IDG Partner Computerworld. A Comparison of Flexium parque computacional de cerca de 2 ble Schemas for Software as a Service. S. e IBM dificilmente investem em solucoes que n˜ o ir˜ o ter sucesso no fu¸˜ a a turo. energia ¸˜ que gastar´ mantendo localmente e coma parar com a hospedagem do recurso na nu´ vem.. J. and Brandic. uma vez Cloud computing and emerging it platque estes recursos n˜ o estar˜ o no mesmo lua a forms. Sistemas distribu´dosı conceitos e projeto. Bookman. [Computerworld ]. J.

br/. Aplicacoes e Desafios. A. D. Caceres. The Economics of Cloud 1–23.abril. and Henderson. Futuro do Armazenamento de Dados. M. M.. tio.Ec2. and Lindner. Cloud COmputing Distributed Intenert Computing for IT and Scientific Research. Dispon´vel em: ı ing: A pratical Aproach. booktitle = Computacao em Nuvem .clubedoscontadores. B. George Pallis. T. D. E. Draft NIST Working Definition of Cloud Computing. (2008). M. f. J.. and Grance. ¸˜ Tecnologias.Machado J.br/corporate/infraestrutura/tiem-nuvem.NYTimes. (2011). D. Cloud computing. Cloud Computing: The Evolution of Software-as-a-Service. V. volume 129. M. Utility computing and global grids. Gottfrid. (2009). white Paper. . (2010). (February). T. (2007). P. and Sulisem: 28 de junho de 2011.. K. y. . The IUP Journal of Managerial Economics. ¸˜ h. pages Etro..amazon.com/ec2/.Moreira L. Self-Service. L. . Sun. Hayes. 39(1):50–55. t. Exame. M. M.com. V.. Acesso em: 28 de junho de 2011 . C.. Cloud Comput(Amazon EC2). A. . Amazon Elastic Compute Cloud Velte.. Revista Exame. C. Shen. Revista Exame.shtml?7 Acesso em: 25 de junho de 2011. Terzian. P. L. p. Assuncao.Conceitos. Dispon´vel em: ı http://www. J. Mell. Yu. TI em nuvem: Dispon´vel ı em:http://info. Vaquero. Arxiv preprint cs/. Souza F. Acesso Yeo.. A Break in the Clouds: Towards a Cloud Definition. Communications of the ACM. . (2011). ACM SIGCOMM Computer Communication Review. Prorated Supercomputing Fun! . F.com. Marios D. (2008). Computing. Indroduction to Cloud Computing Architecture.. A. http://aws. a. (2009). 51(7):9. (2006). Rodero-merino. quiz 44. Sun. . Guest Editors’ Introduction. J. Dikaiakos. T. 82(4):36–7.