Você está na página 1de 29

Família e Proteção Social

Família e Proteção Social Prof. Daniel Campos Agosto/ 2016

Prof. Daniel Campos Agosto/ 2016

Família - Definição

“Pode ser definida como um núcleo de pessoas que convivem em determinado lugar, durante um lapso de tempo mais ou menos longo e que se acham unidas (ou não) por laços consanguíneos. Ele tem como tarefa primordial o cuidado e a proteção de seus membros, e se encontram dialeticamente articulado com a estrutura social na qual está inserido.” (Mioto, 2010).

Família e suas Mutações

Pensar família hoje pressupõe seu entendimento enquanto um fenômeno que abrange as mais diferentes realidades. O indivíduo está constantemente envolvido em redes de significado (GEERTZ, 1997). A vida social é organizada a partir de modelos, de regras culturalmente elaboradas; é a partir desses modelos, dessas regras que os indivíduos vivem sua vida cotidianamente e se relacionam uns com os outros. Mas esses modelos não são estáticos.

Família e suas Mutações

Todos nós temos uma imagem ideal de família. Esta família ideal, descrita por Goldani (2002), é formada por um casal heterossexual (ou seja, por um homem e uma mulher), legalmente casados, com dois filhos (um de cada sexo).

Família e suas Mutações

As transformações na família não

se limitam

ao âmbito

da

estrutura. Modificam-se também papeis e relações familiares, que se tornam menos hierarquizados e mais flexíveis. Isto não quer

dizer ausência de conflitos e disputa de poder

Família e suas Mutações

Esse modelo de família que conhecemos tem uma história recente. Conforme Aries (1981), no início do século XVIII, com o surgimento da escola, da preocupação com a privacidade e igualdade entre os filhos, da manutenção das crianças junto aos pais e o sentimento da família sendo valorizado pelas instituições sociais (como a igreja ou a medicina), é que começou a se desenhar o perfil de família que hoje conhecemos e aprendemos a compreendê-la como universal, sem atentar para a sua construção social.

Família e suas Mutações

É importante perceber que a constituição dessa família respondia às necessidades de um dado momento histórico. A importância dada à criança e a constituição de um novo papel para a mulher, dando- lhe um certo poder, são as molas mestras para a construção desses novos sujeitos.

Família e suas Mutações

Além de refletirem alterações na divisão sexual do trabalho, as transformações nas relações de autoridade e poder na família expressam uma tendência social mais abrangente, relativas às relações de gênero e gerações na sociedade contemporânea:

Família e suas Mutações

voltando-se para a realidade brasileira, os indicadores sociodemográficos mais recentes confirmam claramente estas novas tendências. Entre estes indicadores , destacam-se: a multiplicação de arranjos que fogem ao padrão da típica família nuclear simples (pai, mãe e filhos) -

Família e seus Novos Modelos

Monoparental Simples: família em que apenas a mãe/ou o pai está presente no domicílio vivendo com seus filhos e, eventualmente, com outras crianças e adolescentes sob sua responsabilidade. Não há mais nenhuma pessoa maior de 18 anos, que não seja filho, morando no domicilio.

Família e seus Novos Modelos

Monoparental extensa: família em que apenas a mãe/ou pai está presente no domicílio vivendo com seus filhos e ainda com outras crianças e adolescentes sob sua responsabilidade e outros adultos sem filhos menores de 18 anos, parentes ou não.

Família e seus Novos Modelos

Nuclear extensa: família em que o pai e a mãe estão presentes no domicilio vivendo com seus filhos e outras crianças e adolescentes sob sua responsabilidade, além de outros adultos, parentes ou não do pai e/ou da mãe.

Família e seus Novos Modelos

Família convivente: famílias que moram juntas no mesmo domicílio, sendo ou não parentes entre si. Cada família pode ser constituída por “pais-mãe-filhos”, por “pai-filhos”, ou por “mãe-filhos”. Outros adultos sem filhos, parentes ou não, podem também viver no domicílio.

Família e seus Novos Modelos

Família nuclear reconstituída: família em que o pai e/ou a mãe estão vivendo uma nova união, legal ou consensualmente, podendo também a companheira ou o companheiro ter filhos com idade até 18 anos, vivendo ou não no domicilio. Outros adultos podem viver no domicilio.

Família e seus Novos Modelos

Família de genitores ausentes: família em que nem o pai nem a mãe estão presentes, mas na qual existem outros adultos (tais como avós, tios) que são responsáveis pelos menores de 18 anos.

Família e seus Novos Modelos

Família colateral: aquela composta por irmãos e irmãs maiores e/ou menores de 18 anos, sem a presença dos pais, de qualquer outro parente ou adulto não parente.

Família e seus Novos Modelos

Família homoparental: aquela composta por um casal formado de pessoas do mesmo sexo, com os filhos nascidos de uniões anteriores, de um ou de ambos os parceiros, ou com filhos adotados menores de 18 anos.

Família e seus Novos Modelos

As transformações referidas repercutiram também no plano legal, ainda que com certo atraso. A variedade de formas e modelos familiares exigiu mudanças conceituais e jurídicas na Constituição e no Código Civil brasileiro no tocante à qualificação de “família legítima”. Se antes o casamento representava o eixo central do direito de família, na legislação atual abrange diversos arranjos: a união formada por casamento, a união estável e os contratos de união.

Família e seus Novos Modelos

Estes modelos não são definitivos, porque, como já vimos, as famílias são dinâmicas e se transformam ao longo da história. O objetivo desta lista é mostrar a diversidade de organização e dinâmica familiar. Esta diversidade traz enormes desafios para todos nós, Assistentes Sociais que trabalhamos diretamente com as famílias.

Considerações Finais

Apesar das mudanças na estrutura familiar, mantém-se a expectativa social relacionada às suas tarefas e obrigações. A permanência da centralidade feminina no cuidado no âmbito doméstico corrobora com esta afirmação. As transformações na família não se processam com a mesma intensidade ou têm o mesmo padrão em todos os contextos sociais. No contexto brasileiro, pode-se constatar facilmente a existência de padrões tradicionais e modernos de família. Os desafios que o objeto família impõe, seja na construção de modelos teóricos ou no plano metodológico, nos incitam a defender perspectivas flexíveis de análise desta categoria.

Considerações Finais – Dados do Censo

Considerações Finais – Dados do Censo IBGE, 2010

IBGE, 2010

A Representação da Família na Mídia

A Representação da Família na Mídia

A família

como

Referência

Nas

Políticas Tendências

Públicas:

Dilemas

e

Continua ...

Obrigado.

danie.ufano@gmail.com