Você está na página 1de 26

Profª.

Sabrina Machado

PRINCÍPIOS
 NORMA = PRINCÍPIOS + REGRAS
 Diferenças/Semelhanças
 Surgimentodos princípios
 Estado Democrático de Direito
PRINCÍPIOS CONSTITUCIONALS
PRINCÍPIOS PROC. CIVIS APLICADOS AO PROC.
DO TRAB.
PRINCÍPIOS PECULIARES DO PROC. DO
TRABALHO
 Inspiradora
 Interpretativa
 Suprimento de lacunas
 Dar sentido ao ordenamento
 DEVIDO PROCESSO LEGAL
ART. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de
qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos
estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do
direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à
propriedade, nos termos seguintes:
LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens
sem o devido processo legal;
 JUIZ NATURAL E PROMOTOR NATURAL
Art. 5º (...)
XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção;

 IGUALDADE
Art. 5º (...)
Art. 139. O juiz dirigirá o processo conforme as
disposições deste Código, incumbindo-lhe:
I - assegurar às partes igualdade de tratamento;
 INAFASTABILIDADE DA JURISDIÇÃO
Art. 5º (...)
XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder
Judiciário lesão ou ameaça a direito;
Art. 4º, CPC:
Solução integral do mérito e atividade satisfativa
 CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA
Art. 5º
LV - aos litigantes, em processo judicial ou
administrativo, e aos acusados em geral são assegurados
o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos
a ela inerentes;
Decisões surpresas;
A ampla defesa compõe o contraditório.
 DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO
Tem previsão na CRFB?

 MOTIVAÇÃO DAS DECISÕES JUDICIAIS


Nulidade – art. 93, IX, CF; art. 189, CPC; art. 832, CLT
Art. 832 - Da decisão deverão constar o nome das
partes, o resumo do pedido e da defesa, a apreciação
das provas, os fundamentos da decisão e a respectiva
conclusão.
 PUBLICIDADE
Não é um princípio absoluto (art. 93, IX, CF; art. 5º,
inciso LX, CF, art. 189, CPC).

 VEDAÇÃO DA PROVA ILÍCITA


Proporcionalidade x jurisprudência
 DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO
Art. 5º (...)
LXXVIII - a todos, no âmbito judicial e administrativo,
são assegurados a razoável duração do processo e os
meios que garantam a celeridade de sua tramitação;
Art. 765, CLT - Os Juízos e Tribunais do Trabalho
terão ampla liberdade na direção do processo e velarão
pelo andamento rápido das causas, podendo determinar
qualquer diligência necessária ao esclarecimento delas.
 DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO
- Complexidade da causa;
- Estrutura e quantidade de processos em cada Unidade
Judiciária;
- Comportamento das partes no Processo.
 AÇÃO,
DEMANDA, INÉRCIA DO
JUDICIÁRIO
Art. 2o O processo começa por iniciativa da parte e se
desenvolve por impulso oficial, salvo as exceções
previstas em lei.

 DISPONIBILIDADE OU DISPOSITIVO
Disponibilidade x figura ativa do juiz
 DISPONIBILIDADE OU DISPOSITIVO
Disponibilidade x figura ativa do juiz
Art. 878. A execução será promovida pelas partes,
permitida a execução de ofício pelo juiz ou pelo
Presidente do Tribunal apenas nos casos em que as
partes não estiverem representadas por advogado.

 IMPULSO OFICIAL
Juiz é o diretor do processo (art. 2º, CPC)
 ORALIDADE 
Contato
Decisões mais justas
Decorrem:
- Identidade física do juiz;
- Prevalência da palavra oral sobre a escrita;
- Concentração dos atos processuais em audiência;
- Imediatidade do juiz na colheita da prova;
- Irrecorribilidade das decisões interlocutórias.
 INSTRUMENTALIDADE DAS FORMAS
Interpretado de acordo com a busca de um processo
efetivo
Art. 188, CPC - Os atos e os termos processuais
independem de forma determinada, salvo quando a lei
expressamente a exigir, considerando-se válidos os que,
realizados de outro modo, lhe preencham a finalidade
essencial.
Art. 277, CPC - Quando a lei prescrever determinada
forma, o juiz considerará válido o ato se, realizado de
outro modo, lhe alcançar a finalidade.
 INSTRUMENTALIDADE DAS FORMAS
Art. 794 - Nos processos sujeitos à apreciação da
Justiça do Trabalho só haverá nulidade quando resultar
dos atos inquinados manifesto prejuízo às partes
litigantes.

 COOPERAÇÃO
Art. 6º, CPC - Todos os sujeitos do processo devem
cooperar entre si para que se obtenha, em tempo
razoável, decisão de mérito justa e efetiva.
 OBSERVÂNCIADA ORDEM CRONOLÓGICA
DAS DECISÕES
Art. 12. Os juízes e os tribunais atenderão,
preferencialmente, à ordem cronológica de conclusão
para proferir sentença ou acórdão.

 COOPERAÇÃO
Art. 6º, CPC - Todos os sujeitos do processo devem
cooperar entre si para que se obtenha, em tempo
razoável, decisão de mérito justa e efetiva.
 PROTECIONISMO TEMPERADO
Ideia de igualdade substancial
Exemplos:
Art. 844, CLT - O não-comparecimento do reclamante à
audiência importa o arquivamento da reclamação, e o
não-comparecimento do reclamado importa revelia, além
de confissão quanto à matéria de fato.
Art. 878. A execução será promovida pelas partes,
permitida a execução de ofício pelo juiz ou pelo
Presidente do Tribunal apenas nos casos em que as
partes não estiverem representadas por advogado
 INFORMALIDADE
Art. 840 - A reclamação poderá ser escrita ou verbal.
Art. 825 - As testemunhas comparecerão a audiência
independentemente de notificação ou intimação.
Art. 841 - Recebida e protocolada a reclamação, o
escrivão ou secretário, dentro de 48 (quarenta e oito)
horas, remeterá a segunda via da petição, ou do termo,
ao reclamado, notificando-o ao mesmo tempo, para
comparecer à audiência do julgamento, que será a
primeira desimpedida, depois de 5 (cinco) dias.
 INFORMALIDADE
Art. 840 - A reclamação poderá ser escrita ou verbal.
Art. 825 - As testemunhas comparecerão a audiência
independentemente de notificação ou intimação.
Art. 841 - Recebida e protocolada a reclamação, o
escrivão ou secretário, dentro de 48 (quarenta e oito)
horas, remeterá a segunda via da petição, ou do termo,
ao reclamado, notificando-o ao mesmo tempo, para
comparecer à audiência do julgamento, que será a
primeira desimpedida, depois de 5 (cinco) dias.
 CONCILIAÇÃO
Art. 846, CLT - Aberta a audiência, o juiz ou presidente
proporá a conciliação.
Art. 850, CLT - Terminada a instrução, poderão as partes
aduzir razões finais, em prazo não excedente de 10 (dez)
minutos para cada uma. Em seguida, o juiz ou presidente
renovará a proposta de conciliação, e não se realizando
esta, será proferida a decisão.
 SIMPLICIDADE
Mesmas razões que justificam a informalidade
 ORALIDADE
- Identidade física do juiz;
- Prevalência da palavra oral sobre a escrita;
- Concentração dos atos processuais em
audiência;
- Imediatidade do juiz na colheita da prova;
- Irrecorribilidade das decisões interlocutórias.
 MAJORAÇÃO DOS PODERES DO JUIZ DO
TRABALHO NA DIREÇÃO DO PROCESSO
Juiz ativo
participativo
Art. 765 e 878, CLT
 SUBSIDIARIEDADE
Art. 769 - Nos casos omissos, o direito processual
comum será fonte subsidiária do direito processual do
trabalho, exceto naquilo em que for incompatível com as
normas deste Título.
Art. 889 - Aos trâmites e incidentes do processo da
execução são aplicáveis, naquilo em que não
contravierem ao presente Título, os preceitos que
regem o processo dos executivos fiscais para a
cobrança judicial da dívida ativa da Fazenda Pública
Federal.
 FUNÇÃO SOCIAL DO PROCESSO DO
TRABALHO
Função social da propriedade
Função democrática do processo