Você está na página 1de 22

COMPETÊNCIAS DA ENGENHARIA CLÍNICA I

SEGURANÇA E ASPECTOS OCUPACIONAIS –


PARTE II
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
RESPONSABILIDADES

Cabe ao empregador quanto ao EPI:


a) adquirir o adequado ao risco de cada atividade;
b) exigir seu uso;
c) fornecer ao trabalhador somente o aprovado pelo órgão nacional competente em
matéria de segurança e saúde no trabalho;
d) orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservação;
e) substituir imediatamente, quando danificado ou extraviado;
f) responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica; e,
g) comunicar ao Ministério do Trabalho e Emprego - MTE – qualquer Irregularidade
observada.
h) registrar o seu fornecimento ao trabalhador, podendo ser adotados livros, fichas
ou sistema eletrônico.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS

EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

RESPONSABILIDADES

Cabe ao empregado quanto ao EPI:

a) usar, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina;


b) responsabilizar-se pela guarda e conservação;
c) comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne
impróprio para uso; e,
d) cumprir as determinações do empregador sobre o uso adequado.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS

EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Avental Plumbífero
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
VESTIMENTA INADEQUADA PARA AMBIENTE HOSPITALAR

Jaleco sem
manga Saia

Sapato que não Sapato aberto


Calça tipo pescador Bermuda cobre o peito do pé
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
EPC – Equipamento de Proteção Coletiva
- É todo dispositivo de uso coletivo, destinado a proteger o ambiente, a
saúde e a integridade física dos trabalhadores.

Coletor de material perfuro cortante


Capela de exaustão de gases
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
NR 5 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE
ACIDENTES (CIPA)

A CIPA tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do


trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a
preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador.

Os representantes dos empregadores, titulares e suplentes, serão por eles


designados.
Os representantes dos empregados, titulares e suplentes, serão eleitos em
escrutínio secreto, do qual participem, independentemente de filiação
sindical, exclusivamente os empregados interessados.

O mandato dos membros eleitos da CIPA terá a duração de


um ano, permitida uma reeleição.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
NR 32 – SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

Esta Norma Regulamentadora tem por finalidade estabelecer as diretrizes


básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à
saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que
exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral.

O empregador deve vedar:


a) a utilização de pias de trabalho para fins diversos dos previstos;
b) o ato de fumar, o uso de adornos e o manuseio de lentes de contato nos
postos de trabalho;
c) o consumo de alimentos e bebidas nos postos de trabalho;
d) a guarda de alimentos em locais não destinados para este fim;
e) o uso de calçados abertos.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
NR 32 – SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

O empregador deve fornecer gratuitamente:

a)Vestimentas adequadas a atividade realizada;


b) Vacinas para imunização contra tétano, difteria, hepatite B e os estabelecidos
no Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO;
c)Equipamentos de Proteção Individual – EPI;
d) Garantir a conservação e a higienização dos materiais e
instrumentos de trabalho;
e) Providenciar recipientes e meios de transporte
adequados para materiais infectantes, fluidos e tecidos
orgânicos;
f) Assegurar capacitação aos trabalhadores, antes do início
das atividades e de forma continuada.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
RISCOS E PREVENÇÃO
PROJETO HOSPITAL SENTINELA

O Projeto Hospitais Sentinela prevê constituir uma rede nacional de hospitais


com o objetivo estimular a notificação de eventos adversos (produz, ou
potencialmente pode produzir, resultados inesperados ou indesejados que
afetem a segurança de pacientes, usuários ou outros. Pode ou não causar ou
contribuir para a morte, doença ou lesão séria do paciente) ocorridos em
hospitais e relacionados a produtos para a saúde, enquanto fomenta a auto
identificação de riscos hospitalares, análise de causalidade e tomada de
providências para a correção de processos falhos e/ou inseguros em serviços de
saúde
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
RISCOS E PREVENÇÃO
PROJETO HOSPITAL SENTINELA
Quais os tipos de produtos de saúde contemplados pelo projeto?

- Medicamentos;
- Equipamentos de diagnóstico, de terapia e de apoio
médico-hospitalar;
- Materiais e artigos descartáveis, implantáveis e de
apoio médico-hospitalar;
- Materiais e produtos de diagnóstico de uso in vitro;
- Sangue e seus componentes;
- Saneantes de uso hospitalar.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
RISCOS E PREVENÇÃO
PROJETO HOSPITAL SENTINELA

O Gerenciamento de Riscos é o setor envolvido com a vigilância de medicamentos


(Farmacovigilância), materiais e equipamentos médico-hospitalares
(Tecnovigilância), saneantes (Vigilância de Saneantes), sangue e seus
componentes (Hemovigilância).

Qualquer evento adverso deve ser notificado ao Gerenciamento de Risco. Para


notificar não é necessário ter a certeza da relação de causa e efeito entre o evento
adverso ocorrido e o uso do produto em questão. A suspeita dessa associação é
razão suficiente para uma notificação.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
RISCOS E PREVENÇÃO

FARMACOVIGILÂNCIA
De acordo com o conceito da Organização Mundial de Saúde (OMS), a
farmacovigilância é definida como “a ciência e atividades relativas à
identificação, avaliação, compreensão e prevenção de efeitos adversos
ou quaisquer problemas relacionados ao uso de medicamentos”. 

Cabe à farmacovigilância identificar, avaliar e monitorar a ocorrência


dos eventos adversos relacionados ao uso dos medicamentos
comercializados no mercado brasileiro, com o objetivo de garantir que
os benefícios relacionados ao uso desses produtos sejam maiores que
os riscos por eles causados.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
RISCOS E PREVENÇÃO
TECNOVIGILÂNCIA
Tecnovigilância é o sistema de vigilância de eventos adversos e
queixas técnicas de produtos para a saúde na fase de pós-
comercialização, com vistas a recomendar a adoção de medidas
que garantam a proteção e a promoção da saúde da população.

A Tecnovigilância visa à segurança sanitária de produtos para


saúde pós-comercialização (Equipamentos, Materiais, Artigos
Médico-Hospitalares, Implantes e Produtos para Diagnóstico de
Uso "in-vitro").
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
RISCOS E PREVENÇÃO
VIGILÂNCIA DE SANEANTES
É a detecção, avaliação, compreensão e prevenção das queixas
técnicas e acidentes ocorridos com produtos saneantes tais como:

DETERGENTES E ALVEJANTES DESODORIZANTES


SEUS CONGÊNERES

ÁGUA SANITÁRIA 
DESINFETANTES PRODUTOS BIOLÓGICOS 

REPELENTES
RATICIDAS
INSETICIDAS
FUNGICIDAS PARA PISCINAS
ALGICIDAS PARA PISCINAS
JARDINAGEM AMADORA

DESINFETANTE DE ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO


SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
RISCOS E PREVENÇÃO
HEMOVIGILÂNCIA
Hemovigilância é o conjunto de procedimentos de vigilância que abrange todo
o ciclo do sangue, com o objetivo de obter e disponibilizar informações sobre
os eventos adversos ocorridos nas suas diferentes etapas para prevenir seu
aparecimento ou recorrência, melhorar a qualidade dos processos e produtos
e aumentar a segurança do doador e receptor.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS

O NOTIVISA é um sistema informatizado na plataforma web,


desenvolvido para receber as notificações de incidentes, )
eventos adversos (EA) e  queixas técnicas (QT) relacionadas
ao uso  de produtos e de serviços sob vigilância sanitária

As notificações enviadas são mantidas sob sigilo. Caso seja


necessário o notificador será contatado para esclarecer
dúvidas, fornecer informações adicionais ou acompanhar os
desdobramentos do caso notificado.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
CONCEITOS DE EVENTOS

Eventos Adversos (EA): Entendido como qualquer efeito não desejado,


em humanos, decorrente do uso de produtos sob vigilância sanitária.

Queixas Técnicas (QT): Entendida como qualquer notificação de


suspeita de alteração/irregularidade de um produto/empresa
relacionada a aspectos técnicos ou legais, e que poderá ou não causar
dano à saúde individual e coletiva.
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS

Exemplos de notificações de eventos adversos que podem ser feitas no Notivisa:

• Incidente / evento adverso durante procedimento cirúrgico; ;


• Inefetividade terapêutica de algum medicamento;
• Queda do paciente
• Úlcera por pressão
• Reação adversa ao uso de medicamentos
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS

Exemplos de notificações de eventos adversos que podem ser feitas no Notivisa:

• Reação transfusional decorrente de uma transfusão sanguínea;


• Evento adverso decorrente do uso de um produto cosmético;

• Evento adverso decorrente do uso de um produto saneante;

• Evento adverso decorrente do uso de artigo médico-hospitalar


ou equipamento médico-hospitalar;
SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS

Exemplos de notificações de eventos adversos que podem ser feitas no Notivisa:

• Produtos listados na notificação de Evento Adverso, exceto


sangue e componentes, com suspeita de desvio da qualidade;
• Produto com suspeita de estar sem registro;
• Suspeita de produto falsificado;

• Suspeita de empresa sem autorização de funcionamento (AFE).


SEGURANÇA HOSPITALAR E ASPECTOS OCUPACIONAIS
PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO

Ações que ajudam a evitar acidentes no trabalho:

1- Promover treinamentos e palestras com vistas a


conscientizar o trabalhador sobre os riscos envolvidos no
desempenho de suas atividades;

2- Observar falhas na ergonomia do ambiente de trabalho.


Ex.: Cadeiras mal posicionadas, mesas muito altas ou baixas,
iluminação fraca, etc.

3- Valorizar o uso do Equipamento de Proteção Individual - EPI