INSTALAÇÃO PREDIAL A GÁS

PROJETO E EXECUÇÃO

CONSIDERAÇÕES GERAIS
De acordo com as características arquitetônicas da edificação e os usos pretendidos, o projeto deve estabelecer a tipologia construtiva mais adequada para a rede de distribuição interna de gás natural, as pressões da rede e os materiais das tubulações.

CONSIDERAÇÕES GERAIS
A escolha da tipologia construtiva deve ser feita em função da finalidade do imóvel (edifícios, casas e comércios) e das características locais.

CONSIDERAÇÕES GERAIS • A tubulação da rede de distribuição interna pode ser instalada das seguintes formas: – aparente (imobilizada com elementos de fixação adequados). . – embutida em paredes ou muros. – enterrada.

TUBULAÇÃO APARENTE • A tubulação aparente não pode passar por espaços fechados que possibilitem o acúmulo de gás em caso de vazamento. ou que dificultem inspeção e manutenção. .

evitando-se a transmissão de energia elétrica para o tubo de gás. . sendo envolta com revestimento maciço. • A tubulação embutida deve manter afastamentos mínimos de modo que garanta as seguintes condições para a tubulação de gás: – espaço suficiente para permitir a manutenção. – espaço suficiente para que não haja propagação de calor. – espaço suficiente para garantir que não haja contato.TUBULAÇÃO EMBUTIDA • A tubulação embutida deve ser instalada sem vazios.

• Quando os tubos forem assentados diretamente no solo. tubulações e estruturas suficiente para permitir sua manutenção. o fundo da vala deve ser plano e o reaterro deve ser feito de modo a não prejudicar o revestimento da tubulação.TUBULAÇÃO ENTERRADA • A tubulação enterrada deve manter um afastamento de outras utilidades. .

água pluvial. as tubulações de gás não podem passar em: – Dutos de ar condicionado. – Compartimentos destinados a dormitórios.CONSIDERAÇÕES GERAIS • Segundo a norma NBR 14570. esgoto e chaminés. – dutos de ventilação de ar condicionado (aquecimento e resfriamento). . – Poços de elevadores. – dutos de compartimentos de lixo ou de produtos residuais em atividade.

vigas). – locais que contenham recipientes ou depósitos de combustíveis líquidos.CONSIDERAÇÕES GERAIS – dutos de exaustão de produtos da combustão ou chaminés. – Poços de ventilação capaz de confinar o gás proveniente de eventual vazamento. pilares. – cisternas e reservatórios de águas. – compartimentos de equipamento ou dispositivo elétrico (painéis elétricos. quando consolidada a estes. – elementos estruturais (lajes. . subestação).

compartimentos destinados exclusivamente a equipamentos e aparelhos elétricos. .CONSIDERAÇÕES GERAIS Recomenda-se que as instalações não passem por forros falsos. compartimentos inadequadamente ventilados e poços de ventilação.

as tubulações deverão ser envolvidas por dutos ou tubos-luva. .CONSIDERAÇÕES GERAIS Nos casos em que alguma dessas condições seja inevitável.

2. Em quais locais não se devem passar as tubulações de gás? 3. Por que devemos utilizar tubos-luvas? . Fale um pouco sobre tubulação aparente.ATIVIDADE DE REVISÃO 1. embutida e enterrada.

VENTILAÇÃO DO AMBIENTE .

. O ar utilizado é o próprio oxigênio do ambiente.VENTILAÇÃO • A ventilação do ambiente é um aspecto muito importante na instalação de aparelhos a gás. • A chama do queimador necessita de ar para combustão. • Se não houver ventilação. que pode ficar asfixiado. a queima vai utilizar o oxigênio do ambiente e colocar em risco o eventual ocupante.

. – Ventilação inferior permanente. – Ventilações inferior e superior permanentes.INTRODUÇÃO A ventilação do ambiente está relacionada ao(s) tipo(s) do(s) aparelho(s) a gás instalado(s) ou que será(ão) instalado(s) em um determinado ambiente e podem ser: – Sem ventilação permanente.

devendo atender aos seguintes requisitos: • Localizada a uma altura mínima de 1. . ou local considerado como área externa. • A área especificada deve corresponder no mínimo à área livre de passagem de saída do ar. ou prisma de ventilação.VENTILAÇÃO SUPERIOR Utilizada para a saída do ar ambiente propiciando a sua renovação. • Deve comunicar-se com o exterior da edificação.50 m do piso acabado. diretamente por meio de uma parede ou indiretamente por meio de um duto exclusivo.

deve estar conforme a tabela abaixo.40 m de qualquer abertura de entrada de ar.40 m de quaisquer portas. – Uma distância mínima de 0. . janelas ou vitral de local que não seja o ambiente do motivo da ventilação. – A saída de ventilação.VENTILAÇÃO SUPERIOR • A área da saída de ventilação deve estar localizada a: – Uma distância mínima de 0. caso seja realizada por meio de duto.

VENTILAÇÃO SUPERIOR .

VENTILAÇÃO SUPERIOR .

• A área especificada deve corresponder no mínimo à área livre de passagem de entrada de ar. • No caso de ventilação direta.VENTILAÇÃO INFERIOR Utilizada para fornecer ar para o ambiente propiciando sua renovação.40 m de quaisquer portas. . deve ser realizada através de passagem pela parede (ar do exterior) e a entrada da • ventilação deve estar sempre localizada a: – Uma distância mínima de 0. – Uma distância mínima de 0. janelas ou vitral de local que não seja o ambiente do motivo da ventilação. devendo atender aos seguintes requisitos: • Estar localizada a uma altura máxima de 0.80 m do piso acabado.40 m de qualquer abertura.

– Duto coletivo. deve ser realizada através de uma das alternativas: – Duto individual. . – Entrada de ar proveniente de outros ambientes. É necessário que estes ambientes também possuam ventilação permanente sempre que tiverem volume inferior a 30 m³. que propicie renovação do ar. exceto de dormitórios.VENTILAÇÃO INFERIOR No caso de ventilação indireta.

VENTILAÇÃO INFERIOR .

VENTILAÇÃO .

VENTILAÇÃO .

garantindo a renovação do ar em seu interior. utilizados para promover a ventilação nos locais onde existam aparelhos a gás instalados. este deve possuir conexão na parte inferior com a área externa da edificação. devendo atender aos requisitos estabelecidos no Código de Obras do Município. .PRISMAS DE VENTILAÇÃO Os prismas de ventilação são os espaços situados no interior do volume da edificação. em comunicação direta com o exterior. Quando os produtos de combustão forem conduzidos para o prisma de ventilação (através de chaminés de aparelhos a gás).

PRISMAS DE VENTILAÇÃO .

.ALERTA • As referidas aberturas terão que estar permanentemente abertas. qualquer centelhamento provoca sua combustão. como para o funcionamento do aquecedor. pois por ser altamente inflamável. • O gás é nocivo ao ser humano se for inalado diretamente durante um intervalor de tempo. Sendo invisível. isto é importante não apenas para a segurança. torna-se perigoso mediante algum escapamento no interior das dependências desprovidas de ventilação permanente. Recomende ao usuário para que não feche ou obstrua.

ALERTA • Quando inalado por pessoas ou animais. . provocando desta forma a morte por envenenamento. dependendo da concentração dos mesmos. • Na queima incompleta ocorre a liberação tanto do CO como também do CO² causando uma asfixia e/ou intoxicação. entorpece os sentidos. deixando-os sem poder de reação. devido ao monóxido de carbono. • Na queima completa do gás é liberado o CO² que causa asfixia.

ALERTA • O gás metano (CH4) também causa asfixia. . de forma a garantir a permanente segurança dos usuários de compartimentos providos de instalações de gás. a CEG / GÁS NATURAL determina que: – Não poderão ser instalados aparelhos a gás em dependências com cubagem (volume ambiente) inferior a 6m³. • Assim sendo.

em comunicação direta com o ar livre ou prima de ventilação e acima de 1. abaixo de 0. – A ventilação superior. e a inferior. conforme as figuras 8.80m de altura e em direção oposta (quando possível) com seção entre 200 e 400 cm².3.50m de altura. de forma a permitir a circulação do ar ambiente. .2 e 8.ALERTA – Todo ambiente provido de aparelhos permanente de seção mínima igual a 600 cm² na parte superior em cozinhas e banheiro e de 200 cm² de ventilação permanente inferior.

ALERTA .

. a área mínima de ventilação inferior deverá ser de 600cm².ALERTA No ambiente onde a renovação do ar se fizer valer através de exaustão mecânica.