P. 1
aulas Máquinas CC 2012

aulas Máquinas CC 2012

|Views: 2|Likes:

More info:

Published by: Diego Vinícius Lopes on Jul 03, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/15/2015

pdf

text

original

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO • Máquinas de corrente contínua

Máquinas Eléctricas

GERADOR ELEMENTAR

Máquinas Eléctricas

GERADOR ELEMENTAR

Máquinas Eléctricas

Regra da Mão Direita e = Blv Máquinas Eléctricas F = Bli .

Bornes das Máquinas de Corrente Contínua • Nomenclatura a utilizar nos enrolamentos de máquinas de corrente continua segundo a norma CEI 60034-8 Induzido A1 – A2 Pólos auxiliares B1 – B2 ou de comutação Enrolamento de C1 – C2 compensação Indutor série D1 – D2 Indutor paralelo E1 – E2 Máquinas Eléctricas .

GERADOR DC Máquinas Eléctricas .

PRODUÇÃO DE FEM ALTERNADA
• A fem induzida é por natureza alternada, só ficando continua após rectificação • Gerador elementar AC (alternador) consistindo numa espira no rótor e 1 par de pólos no estátor
– 1 par de anéis deslizantes onde encostam 2 escovas estacionárias permite um circuito fechado de corrente para o exterior – Pode-se ligar uma carga entre as escovas

Máquinas Eléctricas

Diferenças entre Dínamos e Alternadores • Os elementos dos Dínamos e Alternadores são semelhantes e montados da mesma forma
– o principio básico de operação é também o mesmo dado que temos um enrolamento a girar no meio de um campo magnético, e que produz uma fem alternada.

• As máquinas apenas diferem na forma como os enrolamentos estão ligados ao exterior
– um alternador utiliza anéis deslizantes – um dínamo utiliza um comutador
Máquinas Eléctricas

Melhoria da forma de onda

Máquinas Eléctricas

melhora-se a forma da onda produzida – A tensão varia mas nunca se anula – As 4 bobinas são idênticas Máquinas Eléctricas .Melhoria da forma de onda • Ao utilizarmos 4 bobinas. desfasadas fisicamente de 90º (4 ranhuras). e dividindo o comutador em 4 segmentos.

Melhoria da forma de onda • As bobinas A e C (e de igual modo B e D) cortam as linhas de fluxo em sentidos contrários.posição da figura ao lado) Máquinas Eléctricas . Anterior) e ea+ ed (a 45º .fig. – As polaridades de ea e ec (eb e ed) são portanto opostas – Em todos os instantes temos: ea+eb+ec+ed= 0 o que significa que não temos corrente de circulação no enrolamento – A fem captada nas escovas varia entre ea (a 0º.

a fem E depende da posição das bobinas em cada instante Máquinas Eléctricas .FEM Induzida (E) • Aumentando o nº de bobinas e de laminas. a fem “E” da máquina terá uma ondulação menor (< ripple). • A fem induzida em cada condutor “e” depende da indução B e da velocidade de rotação e = Blv – Como a densidade de fluxo cortado varia de ponto para ponto.

Reacção do Induzido e Comutação Luis Pestana .Linha Neutra.

• As escovas. e quando em contacto com as laminas da uma mesma bobina que passa na zona neutra: – curto-circuitam a bobina – Mas não há fem induzida na bobina dado que não corta linhas de fluxo (nesse instante).Zonas Neutras • São zonas à superfície do rótor onde a Indução é nula B=0 – Nas zonas neutras. pressionam o colector. não há fem induzida – As espiras são atravessadas por um máximo de fluxo. – Não há circulação de corrente no curto-circuito “bobina-escovas” Máquinas Eléctricas . mas a variação de fluxo a que estão sujeitas é nula.

Zonas Neutras • Se as escovas forem colocadas fora das zonas neutras – A fem induzida será menor – As escovas serão percorridas por elevadas correntes de curto-circuito. causando chispas (faíscas) • As escovas têm de ser colocadas nas zonas neutras. porque: – O curto-circuito ocorre quando a fem induzida nas espiras é nula – É nas zonas neutras que se capta + fem Máquinas Eléctricas .

• O deslocamento “α” é função da corrente no rótor Máquinas Eléctricas .Zonas Neutras • Em vazio – A linha neutra magnética está coincidente com a linha neutra geométrica (a meio caminho entre os pólos) • Em carga – A reacção do induzido desloca a linha neutra magnética.

Reacção do Induzido Máquinas Eléctricas .

Reacção do Induzido • Enrolamentos de compensação e pólos auxiliares de comutação Máquinas Eléctricas .

A REACÇÃO DO INDUZIDO • A reacção do induzido provoca: – Saturação magnética em certas zonas – Menor indução noutras – Em média a Indução B é menor =>Menor fem induzida total Máquinas Eléctricas .

EFEITO DO CAMPO NA FEM INDUZIDA • fem induzida mais forte em certas zonas de influência dos pólos (fluxo aditivo) do que noutras (fluxos opostos) • A fem máxima da máquina deixa de ser na linha neutra geométrica e passa a ser na linha neutra magnética Máquinas Eléctricas .

Reacção do induzido • Consequências – Se a máquina não está saturada (zona linear da curva de magnetização) => A fem não se altera porque o fluxo é constante (Ф = c.te) – Com saturação => menor B => efeito desmagnetizante => menor fem gerada – Elevação da tensão em laminas consecutivas do colector junto das zonas dos pólos em que há reforço do campo => chispas no colector – Deslocamento da linha neutra: avanço (gerador)/ atraso (motor) => chispas no colector devido a curto-circuito de comutação – Solução 1: deslocar as escovas da linha neutra geométrica para a linha neutra real (operação complexa – manobra correctiva) Máquinas Eléctricas .

Formas de compensação da reacção do induzido • Solução 2: neutralizar a reacção do induzido com enrolamentos de compensação – Condutores alojados em ranhuras nos pólos e ligados em série com o circuito exterior – A corrente circula no enrolamento de compensação em sentido oposto ao induzido provocando um campo de sentido oposto – Solução cara e aumenta as perdas no cobre => máquinas de elevada potência • Solução 3: Pólos auxiliares de comutação – Melhoram a comutação e eliminam o deslocamento da linha neutra – São colocados na linha neutra geométrica e ligados em série com o induzido – Produzem campo magnético oposto ao do induzido Máquinas Eléctricas .

• O efeito de auto indução atrasa o processo e provoca: – arco eléctrico (má comutação) proporcional à corrente do induzido – Deterioração de escovas e laminas do colector • Solução: Pólos auxiliares de comutação – Induz na espira uma fem contrária à de auto-indução tornando a inversão da corrente + linear => não há arco Máquinas Eléctricas .Comutação • É a troca de polaridade das espiras (em comutação) relativamente aos terminais da máquina – Ocorre no momento em que as escovas tocam em duas laminas consecutivas -> espiras em curto-circuito – Há inversão do sentido da corrente nas espiras (passagem das espiras de 1 via ou caminho para a via seguinte).

Tipos de Excitação Magnética Classificação Luis Pestana .

Excitação de máquinas de Corrente Contínua •Tipos de excitação •Auto-excitação •Excitação Separada •Shunt •Série •Compound •Fonte externa •Imanes permanentes •aditiva •Hiper-compound •Isso-compound •Hipo-compound •diferencial Máquinas Eléctricas .

Excitação de máquinas de Corrente Contínua Máquinas Eléctricas .

a que se dá o nome de excitação separada ou independente (baterias ou outro gerador) E0 Rx – reostato de campo Máquinas Eléctricas . – É necessária uma fonte externa de alimentação.Geradores de Excitação Separada • Utilizam-se electroímanes em vez de imanes permanentes para criar o campo magnético.

rótor a velocidade constante • É uma medida do acoplamento magnético entre o estátor e o rótor • Idêntica à curva de magnetização – Histerese – Saturação magnética – Magnetismo remanescente Máquinas Eléctricas .Geradores de Excitação Separada caracteristica interna (ou de vazio) • Gerador em vazio.

saída tensão do dínamo Máquinas Eléctricas .Geradores de Excitação Separada Aplicações típicas •Tacógrafos •Tensão proporcional à velocidade de rotação •Amplificador (ampli-dínamo) •Entrada – tensão de excitação.

queda de tensão por escova.Característica externa Excitação separada Queda devido à reacção do induzido ε Queda devido às resistências do induzido e de contacto das escovas com o colector U U=E-ri. na resistência de contacto escova-colector ε – queda de tensão devido à reacção do induzido Máquinas Eléctricas .I-ε-2ue E – força electromotriz induzida U – tensão aos terminais ri – resistência do induzido ue.

excitação) – elimina a necessidade de fonte externa. cria uma fmm e reforça o fluxo remanescente (aumenta) •O fluxo aumentado. Processo (cumulativo) de auto – excitação •O fluxo remanescente induz uma pequena fem no induzido enquanto este roda •A fem produz uma pequena corrente de excitação (Ix – na figura) •Esta. e logo + corrente •A fem cresce até estabilizar limitada pela saturação magnética e pelo valor do reóstato de campo Máquinas Eléctricas .Gerador Shunt Indutor em paralelo com o induzido (auto . cria + fem.

é determinada pela curva de magnetização e pela resistência do circuito indutor Máquinas Eléctricas .Gerador Shunt Controlo de Tensão Obtém-se por regulação do reóstato de campo Controlo da fem E0 do gerador Shunt • A fem E0 em vazio.

Processo Cumulativo da auto .excitação CONDIÇÕES DE EXCITABILIDADE • Magnetismo remanescente • 1as correntes induzidas têm de reforçar magnetismo remanescente – Ligações (bem efectuadas. não interrompidas) – Sentido de rotação • Resistência de carga – Shunt (> que valor critico) – Série (< que valor critico) Máquinas Eléctricas .

num gerador de excitação separada não chega a 10% da tensão nominal . de exc.Gerador Shunt Característica externa • Num gerador Shunt a tensão aos terminais “cai” mais rapidamente que num gerador de excitação separada – A corrente de excitação na maq. Separada permanece constante e independente da carga – A corrente de excitação numa máquina shunt é função da tensão aos terminais – Cargas crescentes => U baixa => i excitação decresce (iexc decresce com a carga) Máquinas Eléctricas – Para um gerador em auto-excitação. a queda de tensão interna é cerca de 15%.

– O indutor série é composto por poucas espiras de fio grosso. mas compensa a queda de tensão interna com a utilização de um indutor série. dado que vai ser percorrido pela corrente do Induzido – A resistência do indutor série é assim muito baixa Máquinas Eléctricas .Gerador Compound • O gerador compound é similar ao Shunt.

• O fluxo aumenta com o aumento de carga Máquinas Eléctricas . Com o aumento de carga – A tensão aos terminais desce.Gerador Compound Circuito equivalente • • Em vazio. a corrente no indutor série é zero – Apenas o indutor shunt produz fmm e fluxo. mas como agora a corrente de carga atravessa o indutor série: • Este produz + fmm e com o mesmo sentido do indutor Shunt.

o campo criado pelo indutor série é de oposição ao do indutor shunt – Em carga. a tensão desce drasticamente. relativamente ao valor de vazio – Aplicações típicas – soldadura – Limita a corrente de curto-circuito Máquinas Eléctricas .Gerador Compound Diferencial • No gerador compound diferencial.

Máquinas Eléctricas .Comparação de Características • Característica externa das várias configurações de geradores de corrente continua.

Associação de Geradores • Em série (para obter + tensão) • Em paralelo (para obter + corrente) Máquinas Eléctricas .

– Para se poder efectuar o paralelo é necessário utilizar uma barra de equilíbrio (compensação) • Esta barra tem de ser ligada do lado dos 2 indutores série (ver figura à direita).Associação de Geradores Paralelo de Dínamos tipo Série • O paralelo de Dínamos de tipo série é instável. em caso de falha momentânea Máquinas Eléctricas . de modo a que dê um reforço de corrente no indutor.

Associação de Geradores Paralelo de Dínamos tipo Shunt • Internamente Estável • Distribuição de carga – O de menor “queda interna” suporta + carga Máquinas Eléctricas .

Associação de Geradores Paralelo de Dínamos tipo Compound • A associação em paralelo de geradores de tipo compound. que traz instabilidade ao conjunto. pela presença do indutor série. necessita de barra de equilíbrio para se poder pôr a funcionar Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua Considerações Gerais Luis Pestana .

– Em declínio a favor de VEV’s (ASD’s) associados a máquinas AC Máquinas Eléctricas .Motores de Corrente Continua Características principais • Máquinas versáteis na conversão electromecânica de energia • Custos de aquisição e manutenção + elevados do que máquinas equivalentes AC – Têm especial aplicação quando se requer uma característica Binário – velocidade de qualidade superior e com elevada eficiência numa gama alargada de velocidades.

– Momentaneamente operados como geradores para frenagem eléctrica. Máquinas Eléctricas . onde a capacidade de controlar a velocidade e o posicionamento são importantes • Aplicações em tracção.Motores de Corrente Continua Aplicações principais • Velocidade variável. no fabrico do aço (laminadoras) e do papel (tracção). ex: comboios eléctricos.

Motores de Corrente Continua U > E’ E>U (E) (U) • No funcionamento como Motor. o sentido das correntes é contrário ao sentido como gerador Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua Características mecânicas Luis Pestana .

e são alimentados por fontes distintas – Permite o controlo total da corrente de excitação e da corrente da armadura Máquinas Eléctricas .Motores de Corrente Continua Excitação Separada • Os enrolamentos da armadura (induzido) e de campo (excitação) estão electricamente separados.

separada Motor exc. Separada (ou shunt) Máquinas Eléctricas .Motores de Corrente Continua Excitação Separada – característica de Binário .velocidade • As características do motor shunt e de exc. (apenas se poupa 1 fonte com a máquina shunt) Motor exc. Separada são idênticas se supusermos tensão de alimentação constante. Shunt Caracteristica mecânica de um motor de exc.

I n= Kφ Ù U • Velocidade “n” do motor: • Proporcional à tensão aplicada • Inversamente proporcional ao fluxo por pólo Máquinas Eléctricas .n.I + ε U = k.I + ε U − Ri.Ф + Ri.Motores de Corrente Continua Força Contra Electromotriz (E’) U = E’ + Ri.

ω C e Ω J K .I C r T= k’.Motores de Corrente Continua Potência Transformada e Binário desenvolvido A potência eléctrica é i ie R transformada em mecânica U L no Induzido E Peléctrica = E’.φ .φ .n 2.I T= = = = K '.n.I = Pmecânica = T.φ .π ω E '.Ф.π .I K .I Máquinas Eléctricas .I 2.

Motores de Corrente Continua Caracteristica mecânica de Podemos obter: T = K ' .I n= U − Ri .φ .T ' ' 2 K φ (K φ ) Originando uma característica mecânica linear Máquinas Eléctricas . I Kφ ω = U − ' Kφ Ri . T K 'φ K 'φ = U Ri − .

te). => (Ф= c.Ф.te.I Máquinas Eléctricas . então a velocidade apenas depende da corrente no Induzido • O Binário Máximo é controlado limitando a corrente no Induzido T=k’.Motores de Corrente Continua • As Características Binário – Velocidade formam uma série de linhas direitas – Aumento de binário faz descer a velocidade – Se Iexc= c.

constante na região de enfraquecimento de campo – A queda de tensão na resistência do induzido torna-se mais significativa (pq há menos E’) Máquinas Eléctricas .Motores de Corrente Continua Enfraquecimento de campo • Os variadores de velocidade operam na zona de Indução B nominal (joelho da curva de magnetização) – A Velocidade máxima obtém-se por redução de fluxo • Reduz o binário – A potência mecânica útil é aprox.

Motores de Corrente Continua Enfraquecimento de campo • A velocidade máxima é limitada por considerações mecânicas – E também por uma maior dificuldade de comutação sem faíscas • Usado com frequência em tracção eléctrica. consegue-se o máximo de aceleração e de frenagem – a alta velocidade • Reduz-se o fluxo. em que: – A baixa velocidade • O fluxo é mantido constante (elevado) e controla-se a tensão no induzido. com tensão de alimentação constante (com consequente redução de binário) Máquinas Eléctricas . para binário máximo.

Motores de Corrente Continua Curvas características Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua Inversão do sentido de rotação Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua Formas de variação de velocidade • • • Por variação de tensão Por variação da resistência do induzido Por variação de fluxo Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua • Sistema de variação de velocidade Ward-Leonard Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua • Controlo de velocidade Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua Característica real binário-velocidade Problemas de ventilação Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua Regimes de operação Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua Frenagem Funcionamento normal Frenagem reostática (ou dinâmica) Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua Frenagem Funcionamento normal Frenagem por Contra Corrente Máquinas Eléctricas .

Motores de Corrente Continua Frenagem • A contra – corrente é mais eficaz (menor tempo de paragem) • Reostática – mais utilizada. devido à simplicidade Máquinas Eléctricas .

Motores especiais • Motor universal Máquinas Eléctricas .

Motores especiais .Motor PCB Espiras do rótor escovas electroímanes Máquinas Eléctricas .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->