P. 1
Circuitos Lógicos

Circuitos Lógicos

|Views: 12|Likes:
Publicado porVasco Joaquim Mhula

More info:

Published by: Vasco Joaquim Mhula on Aug 18, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/22/2014

pdf

text

original

Circuitos Lógicos

Objetivos de Ensino
1. Rever os conceitos de álgebra booleana, definindo símbolos, tabelas-verdade, formas de onda. 2. Mostrar as operações lógicas fundamentais da conjunção, disjunção e negação, com seus respectivos postulados e teoremas básicos. 3. Simplificar expressões booleanas. 3. Mostrar os símbolos, tabelas-verdade e aplicações práticas das 6 portas lógicas básicas: AND, OR, OR EXCLUSIVO, NOT, NAND, NOR.

1.2. Símbolos
O símbolo serve para representar graficamente as expressões algébricas booleanas. Os símbolos podem ser diretamente relacionados com os circuitos e inversores eletrônicos, para facilitar a pesquisa de defeitos em circuitos. Os símbolos podem também ser usados em diagramas de intertravamento e em circuitos lógicos combinacionais e seqüenciais. Existem vários grupos de símbolos, sugeridos pela ISA, NEMA, norma MIL, IEE. O conjunto mais usado em organizações militares e comerciais é o apresentado pela norma MIL-STD-806B (Graphic Symbols for Logic Diagrams). Nos símbolos das portas lógicas, é assumido que as voltagens de alimentação e o terra estão ligados ao circuito mas, por simplicidade estas ligações não são mostradas. Pode haver pequenos círculos nas entradas e na saída dos símbolos, mas não pode haver estes círculos isolados. O pequeno círculo na entrada de qualquer elemento lógico indica que o sinal relativamente baixo (L) ativa a função. Quando não há o pequeno círculo, assume-se que o sinal relativamente alto (H) ativa a função. O pequeno círculo na saída do símbolo indica que a saída está no estado relativamente baixo (L).

1. Lógica Combinacional
1.1. Introdução
Os equipamentos digitais podem consistir de dois tipos gerais de circuitos lógicos: combinacional e sequencial. Em um circuito combinacional, a saída depende apenas da combinação das entradas presentes. No circuito lógico sequencial há elementos de memória, de modo que a saída depende dos estados da entrada e também da história do circuito. Um sistema lógico completo pode contem ambos tipos de circuitos. Os circuitos combinacionais podem tomar decisões muito simples até muito complexas. Esta capacidade é uma das principais razões para o domínio das técnicas digitais em muitas aplicações da eletrônica que eram inicialmente do domínio analógico. O entendimento das decisões tomadas pelos circuitos digitais lógicos requer o conhecimento da álgebra booleana. Álgebra, trigonometria e cálculo são usados normalmente para analisar circuitos analógicos. Como todas as operações lógicas nos circuitos digitais dependem da existência ou ausência de um sinal, uma variável pode ter somente um de dos valores possíveis. A álgebra booleana foi justamente desenvolvida para manipular estas operações binárias, através de postulados e teoremas, que nem sempre são válidos na álgebra convencional.

1.3. Tabelas Verdade
Na análise de circuitos digitais lógicos é comum o uso de Tabelas Verdade, diagramas de Venn e de Veitch e mapas de Karnaugh. A tabela verdade é uma lista tabular de todas as combinações possíveis das condições de entrada de um equipamento lógico e a saída resultante para cada caso. A tabela serve para condensar todas as informações relacionadas com as características funcionais do dispositivo lógico. As portas podem ter duas ou mais entradas e somente uma saída, exceto a porta NOT que tem somente uma entrada e uma saída. Se uma função possui N entradas, então há 2N entradas possíveis para a sua tabela verdade. Para evitar que uma mesma entrada

H L H L H L Fig. A2. A3... mas se o presidente votar NÃO.). 5. calcula-se a saída C. Pela tabela verdade. selecionar uma variável como 0 e listála em uma coluna de 1 e 0 alternados (01010101. álgebra booleana e métodos gráficos. todos os outros 3 votos devem ser SIM para o contrato ser aceito. 16. 32 . P 0 0 0 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 1 1 Tabela Verdade A1 A2 A3 0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 1 1 0 1 1 1 0 1 1 1 0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 1 1 0 0 1 0 1 1 1 0 1 1 1 C 0 0 0 0 0 0 1 0 1 1 1 1 1 1 1 1.4. listar as variáveis adicionais em grupos alternados de 8. A saída deve ser determinada pela função envolvida e o valor de cada entrada. Por exemplo. Assim. colocam-se alternadamente 4 linhas com 0 e 4 linhas com 1 na segunda coluna. os sinais estão constantemente mudando de ALTO para BAIXO e de BAIXO para ALTO. fazer a tabela verdade do seguinte problema: o presidente de uma companhia e 3 vice-presidentes estão votando a aceitação de um contrato. então 2 votos SIM (incluindo o do presidente) são suficientes. a partir das entradas e da função assumida. listar a saída correspondente a cada combinação de entradas. selecionar uma segunda variável como 0 e listá-la na segunda coluna como pares alternados de 1 e 0 (00110011. 4.. A 1. pode-se ver se o contrato é aceito (1) ou rejeitado (0).). Formas de onda de um circuito digital 50 . Solução Há 4 entradas e portanto há 2 4 = 16 saídas e a tabela verdade terá então 4 colunas e 16 linhas.seja usada duas vezes ou seja omitida. listar a terceira variável em uma coluna de grupos alternados de 4 (000011110000. a menos significativa.. Formas de Onda Dentro dos equipamentos digitais. para a análise de circuito digitais.). onde se pode ver as formas de onda do circuito. 4. 2. 2. colocam-se alternadamente 2 linhas com 0 e 2 linhas com 1 na terceira coluna. colocam-se alternadamente linhas com 0 e 1 na quarta coluna.. é comum o uso de osciloscópio. As formas de onda podem ser usadas em conjunto com os diagramas lógicos. até que todas as combinações possíveis tenham sido usadas. Arbitrariamente escolhe-se a entrada do presidente P como a mais significativa e a entrada V3 como a menos significativa. colocam-se 8 primeiras linhas de P como 0 e 8 linhas seguintes como 1... Se o presidente vota SIM. para todas as combinações possíveis de votação. 3. recomenda-se fazer o seguinte: 1. Constroe-se a tabela verdade: 1.. de modo sequenciado.. 3. 5.

às vezes. então a é verdadeiro se b for falso e a é falso se b for verdadeiro.2. subtração. as variáveis podem assumir somente um destes dois valores. A álgebra booleana se aplica a constantes e variáveis. pulso ou não-pulso. a operação lógica OR é também chamada de adição lógica. de modo que a operação lógica é escrita como A = B ou A = B e se lê: A é igual a NOT B ou NOT A é igual a B. A variável é uma quantidade que pode assumir o valor de qualquer constante em qualquer tempo.1. C é falso. a adição é um conceito primitivo. a operação AND é. Existem outras operações lógicas. . O símbolo + tem um significado da ação de somar. verdadeiro ou falso. Na lógica positiva. disjunção e negação. como na álgebra convencional. A constante é algo (valor. Por causa da semelhança com a adição algébrica convencional. O símbolo de negação é uma barra colocada sobre a variável ( A ). 2. Todo operador algébrico indica o que deve ser feito e o seu significado é estritamente uma questão de definição. Y e Z. Conjunção A conjunção é uma operação lógica.2. Como há somente duas constantes na álgebra booleana. C é falso (0). A álgebra booleana utiliza os princípios da lógica simbólica e possui as três operações básicas: conjunção. suficientes para resolver a maioria dos problemas diários. A álgebra booleana contem somente duas constantes possíveis: 1 e 0. de modo que a função lógica é escrita como A . é descrita em termos do efeito que ela produz quando usada com variáveis e constantes específicas. O símbolo para a conjunção é um ponto (. O nome matemático da disjunção é OR (OU) e o seu símbolo é (+). O operador algébrico indica o que deve ser feito. N.4. Cada uma dessas operações. Operações Lógicas Básicas 2. quantidade) que tem um significado fixo. Introdução As operações lógicas são muito parecidas com as operações algébricas. multiplicação. Assim. B.3. ou seja. 2. Negação A negação é a terceira e última operação lógica e é definida como se b é a negação de a. X. Na álgebra há seis operações básicas: soma. O nome matemático mais usado para a conjunção é a operação lógica AND (E). B = C ou AB = C e se lê: A AND (E ) B é igual a C.). Por exemplo. definida como: C é verdadeiro se A FOR verdadeiro ou B for verdadeiro ou se ambos A e B forem verdadeiros simultaneamente. Quando A e B forem falsos simultaneamente. Devido à semelhança com a multiplicação algébrica convencional. definida como: C é verdadeiro (1) somente quando A e B forem simultaneamente verdadeiros (1). divisão. exponenciação e extração da raiz. Disjunção Disjunção é a segunda operação lógica. 1 e 0. de modo que a função lógica é escrita como A+B=C e se lê: A OU B é igual a C. voltagem positiva ou voltagem negativa. que combina dois ou mais números para obter um novo número. 2. que podem ser derivadas destas três fundamentais. A. em todos os outros casos. As variáveis são geralmente denotadas por maiúsculas. C. Alguns autores usam A' em vez de A para denotar o inverso ou a negação de A. chamado de soma. 3+5=8 significa que 5 deve ser somado a 3 para se obter 8. ligado ou desligado. verdadeiro = 1 e falso = 0. sendo expressas como 1 ou 0. chamada de multiplicação lógica. As variáveis são sempre binárias.

Na lógica booleana é também comum se falar de complementação. Negação (NOT) 0=1 1= 0 (P9) (P10) 4.1.A=A (T1) (T2) (T3) (T4) 3. A porta lógica eletrônica cuja função é mudar a lógica 1 em 0 e vice-versa é o inversor. A negação é também chamada de inversão.0=0 0. 1 e 0. em vez de negação. o inverso de 1 é 0.1=1 (P3) (P4) 3. a multiplicação por 0 dá 0 e 2. Não existe nenhuma correlação direta da negação na álgebra convencional.5. se x = 1. associados às operações de conjunção. a partir dos quais podem ser desenvolvidos vários teoremas básicos.0=0 1. O inverso é também chamado de complemento.3. Teoremas da Multiplicação A. Postulados Básicos 3.4. Disjunção (OR) 0+0=0 0+1=1 1+0=1 1+1=1 (P5) (P6) (P7) (P8) 3. Teoremas da Adição A+0=A 0+A=A A+1=1 1+A=1 (T7) (T8) (T9) (T10) 3. Assim. 4.1=A 1. 50 .Circuitos Lógicos A operação NOT nunca pode aparecer sozinha. O complemento de uma variável é o seu inverso ou a sua negação. não se pode dividir ambos os lados de uma equação por uma variável comum.2. se x = 0.0=0 0. Também. Teoremas Básicos Os teoremas servem principalmente para simplificar as expressões e equações. minimizando o número de portas lógicas necessárias para a realização prática do sistema lógico.1. os termos não podem ser cancelados por subtração. Frações com A/B ou x/y não podem ocorrer em álgebra booleana. Os dez postulados básicos são os seguintes. 1.A=0 A. como na álgebra convencional. Operações proibidas As operações de subtração e divisão não são permitidas na álgebra booleana. A partir dos postulados ou axiomas. x = 1. pois existem apenas dois valores possíveis para as variáveis. A vantagem da álgebra booleana sobre a convencional é a facilidade das provas dos teoremas. Introdução Podem ser enunciados dez postulados básicos da álgebra booleana. mas sempre deve estar ligada a um outro símbolo. O inverso de 0 é 1.1=0 (P1) (P2) Estes teoremas mostram que 1. 4. disjunção e negação: Estes teoremas mostram que 1. Como consequência. enquanto na álgebra convencional há infinitos valores possíveis. podem ser desenvolvidos os seguintes teoremas: 2. a multiplicação de uma variável por 1 não afeta o valor da variável. somar 0 a uma variável não altera o valor da variável.2. x = 0 e analogamente. se aparecem termos iguais em ambos os lados de uma equação booleana. Conjunção (AND) 0.

A =0 A+A=A A+ A =1 A =A (T6) (T11) (T12) (T13) 4.B).C. A lei Acumulativa não é limitada a duas variáveis. a versão conjuntiva de um postulado. o resultado é o dual do postulado. teorema ou lei é o dual da versão disjuntiva e a versão disjuntiva é o dual da conjuntiva. A .C = A.A.6.A + A.B 4.A = C. A(A + B) = A. Um par está usualmente na forma conjuntiva (AND) e o outro par. 1 = A (c.) 4. Leis Acumulativas A. A + A.3. 4. Leis Associativas A lei Associativa estabelece que não faz diferença em que ordem as entradas de uma expressão AND ou OR são combinadas. (A.B = B. Por isso. Em álgebra booleana : A=A A= A Outros exemplos: B = B. número ou expressão é igual a si mesma. B. mas quando a versão conjuntiva é comprovada.B = A + AB + A B = A + AB Como (A + A ) = 1. Esta dualidade ou simetria da álgebra booleana pode ser formalmente estabelecida como: Dado qualquer postulado.C.B.B. A. Dualidade As leis da álgebra booleana sempre aparecem em pares. Isto permite apagar algumas variáveis de uma expressão. então é claro que (A + A )(A + B) = A + B então (A + A B) = A + B AB + B C + AC = AB + B C Demonstração Expandindo o lado direito da equação AB + B C = AB(1 + C) + B C(1 + A) = AB + ABC + B C +A B C = AB + B C + AC(B + B ) = AB + B C + AC (c.(B. = C.B + A .C.Circuitos Lógicos 2.q. 1 = 1 4. 0 = 0.C) = A . cada 1 por 0.A=A (T5) A. A + AB = A A+ B=A+B Demonstração Seja a expressão (A + A )(A + B) (A + A )(A + B) = A. = B. na forma disjuntiva (OR). C 51 . Lei da Identidade A lei da identidade estabelece que qualquer letra. a versão disjuntiva também é válida e vice-versa. se cada 0 for substituído por 1.4.A.A A+B = B+A A primeira parte da Lei Acumulativa estabelece que não importa a ordem em as entradas de uma porta lógica AND são escritas.C = A.B=B.5. A ordem das entradas na porta AND não afeta a sua saída.d. cada OR por AND e cada AND por OR.d.7. C) na porta AND. Teoremas com mais de uma variável A + AB = A Demonstração Fatorando a expressão A + AB tem-se A + AB = A(1 + B) Como 1 + B = 1.B = A + AB que é justamente o lado esquerdo do teorema anterior.q. a saída seria escrita como A. AB = AB. B. A segunda parte da lei Acumulativa estabelece que não importa a ordem em que as entradas de uma porta lógica OR são escritas.A.) A(A + B) = A Demonstração Efetuando a multiplicação do primeiro termo.A + A . teorema ou lei. As duas formas podem ser provadas separadamente. teorema ou lei da álgebra booleana. somar 1 a uma variável ou combinação de muitas variáveis dá sempre 1. Com três entradas (A.

11.10. trocando os AND por OR e os OR por AND. B = A + B Deve-se notar que a expressão A + B é diferente de A + B . A segunda identidade da lei da Absorção é: A(A + B) = A 4. as entradas A e B são negadas e depois aplicadas a um OR. 4. Lei da Expansão As leis da Expansão são: AB = A B = A (A + B)(A + B ) = A 52 . Lei de DeMorgan A lei ou teorema de DeMorgan expressa relações entre as operações OR e AND. o símbolo lógico ligando as portas deve ser trocada. Lei da Absorção A primeira identidade da lei da Absorção vale A+A. As expressões booleanas são: A. A lei de DeMorgan estabelece que a inversão ou negação de uma expressão booleana pode ser obtida pela negação de cada variável. Leis Distributivas A lei da distribuição é o fatoramento. que é análoga à multiplicação algébrica.B=A Esta identidade é óbvia. Pelas tabelas verdade isso fica evidente. mas não é válida em álgebra comum A lei Distributiva é aplicada para simplificar as operações. a expressão ( A + B + C )D pode ser simplificada para ( ABC )D pela lei de DeMorgan. As leis de DeMorgan são ferramentas importantes para simplificar expressões booleanas e para minimizar o número de portas lógicas necessárias para executar determinada função.A=A A+A=A 4.11. Na primeira expressão. Por exemplo. pois basta aplicar a "multiplicação lógica" (aplicar AND ao OR dentro dos parêntesis).Circuitos Lógicos (A+B)+C = A+(B+C) = A + B + C Outra conclusão prática da lei de DeMorgan é que uma única função NOT pode ser usada para converter uma função AND para OR ou vice versa. de modo que o circuito final tenha apenas portas NOR (método NOR) ou NAND (método NAND). ou A+ B = A . Independente dos valores de A e B juntos.9. Os teoremas de DeMorgan mostram também que qualquer equação lógica pode ser resumida em portas NAND ou NOR Pelo teorema de DeMorgan. reduzir os circuitos e aumentar a capacidade de análise. Fig. Resumo de funções lógicas negativas (a) Função negada (b) Símbolo básico (c) Equivalente DeMorgan 4. 4. a saída será igual à entrada. Lei da Idempotência A lei da Idempotência estabelece que se uma variável binária é associada consigo mesma em uma porta AND ou OR.8. A + BC = (A + B)(A + C) A segunda parte da Lei Distributiva é válida em álgebra booleana.12. A e B são combinados em um OR e a saída é negada. o valor da expressão é determinado apenas pelo valor de A sozinho. quando a função NOT é aplicado em duas portas lógicas. B A. Na outra expressão. A(B+C) = AB + AC Esta primeira lei distributiva é mais evidente.

As entradas são designadas por A. Porem. é caracterizada pela voltagem de operação de 5 V. 5.. Os CIs são menores. duas combinadas ou as três simultaneamente forem iguais a 0. ausência do material (0) 2. A expressão para o AND é: A . Os relés são usados para chavear circuitos de alta potência. NOT ou INVERSOR 5. As portas lógicas básicas são: 1. freio acionado (0) 4. Um dos primeiros tipos que apareceu foi a lógica RTL. ele é muito sensível à voltagem. como +9 V para o valor lógico 1 e +1. Diodo-Transistor-Lógica e TTL. OR EXCLUSIVO 4. Um circuito integrado típico é composto de várias portas lógicas dentro de um único invólucro. em portas lógicas TTL. por níveis de voltagem ou de corrente elétrica. 0 ou 1. sua tabela-verdade e aplicações específicas. temperatura acima de 100 oC (0) deve desligar o motor. As entradas e saídas das portas lógicas são definidas com dois níveis. o binário 1 é considerado a condição "ligado" (on) e o binário 0 representa a condição "desligada" (off).. conhecidos como portas. Introdução As expressões booleanas podem ser implementadas fisicamente usando portas lógicas ou relés. Circuitos Lógicos 5. Assim. O motor só opera (1) quando todas as três entradas forem verdadeiras (1). NAND 6. danificado pela voltagem estática e suas entradas não-usadas devem ser deixadas em estados determinados.. Outros valores de voltagem podem ser encontrados.. os números binários 0 e 1. Quando qualquer uma das entradas isoladamente.3. Os circuitos eletrônicos a semicondutor são disponíveis para manipular sinais digitais para executar várias funções lógicas. Atualmente um dos tipos mais usados é a lógica CMOS (Complementar-Metal-Oxido-Semicondutor). AND 2. Embora as chaves e os relés sejam dispositivos digitais. As entradas podem assumir só 0 ou 1. a porta AND pode monitorar um motor que opere somente quando os três eventos ocorrerem simultaneamente: 1. A saída é sempre uma função lógica específica das entradas. com vantagens. que são realizados. o termo lógica digital é reservado para circuitos que usam componentes a estado sólido. OR 3. . mais baratos. temperatura abaixo de 100 oC (1) A falta de qualquer uma das condições 1. as três entradas vão para uma porta AND. Expressões lógicas para a porta AND são. para Transistor-Transistor-Lógica. Porta AND Na porta lógica AND todas as entradas devem ser o 1 lógico para a saída ser o lógico 1. na prática.88 V para o binário 0.. N = Z A porta AND é usada em controle para indicar que todos os passos de uma operação específica foram completados. ABC = (AB)C = A(BC) AB = BA AA = A 5. presença do material (1) 2. A lógica TTL ainda é bastante utilizada.1. que significa Resistor-Transistor-Lógica.8 V. mais confiáveis e consomem menos potência que os relés.2. N e a saída por Z. B. NOR Cada porta lógica possui seu símbolo. Ela foi seguida pela DTL. Em circuitos de baixa potência os relés são substituídos.0 a 5. Há diferentes modos e componentes para se realizar eletricamente a lógica.. B .. Na lógica positiva. mais rápidos. em todos os outros casos a saída é sempre igual ao binário lógico 0. podendo ser 53 . Uma porta eletrônica é um circuito que tem uma ou mais entradas e somente uma saída. Portas Lógicas Uma porta lógica é projetada para ter uma saída específica somente se certas condições estão presentes na sua entrada. Todas as entradas e a saída são voltagens. Por exemplo.Circuitos Lógicos 5. o motor desliga (0).0 V e o binário 0 é representado por voltagem variando de 0 a 0. o binário 1 é representado por voltagem variando de 2. por circuitos integrados (CIs). Os componentes a CMOS possuem altíssima impedância de entrada e requerem baixíssima potência para sua operação. freio desligado (1) 3. Por exemplo.

entrada de alguém 4. a saída é o 1 lógico.. B. NEMA ou ANSI Tabela Verdade AND (2 entradas) A 0 0 1 1 B 0 1 0 1 Z 0 0 0 1 Fig. quando qualquer uma das entradas for o 1 lógico.+ N = Z Um uso comum das portas OR em controle de processo é monitorar condições que requerem ação de emergência.11. o sistema lógico deve desligar o aquecedor. N e a saída por Z.. (A+B) (A+C) = A+BC (A+B)(A+C) requer 3 portas: 2 OR e 1 AND A + BC requer 2 portas: 1 OR e 1 AND 5.11. As entradas podem assumir só 0 ou 1. a ausência significa 0. Uma outra aplicação do OR em controle de processo é para monitorar uma sala. Fig. falta de energia 3. a saída também será 0. Por exemplo. Por exemplo. A presença de uma ou mais destas condições faz a porta OR gerar uma saída que aciona um alarme. As entradas são designadas por A. se o nível da água quente do aquecedor for baixo ou a temperatura no tanque for muito alta. temperatura excessiva. A expressão para o OR é: A + B +. Todos estes quatro sinais entram em uma porta OR.Circuitos Lógicos A1 = A A0 = 0 Algumas identidades auxiliares usadas são: A + AB = A A + AB = A + B (A+B) (A+C) = A+BC Estas identidades são importantes porque elas reduzem o número de portas lógicas necessárias para sintetizar uma função lógica. soando um alarme quando ocorrer um dos seguintes eventos: 1. presença de fumaça 2. Símbolos MIL (IEEE). Símbolos NEMA e USISA do OR Tabela Verdade OR (2 entradas) A 0 0 1 1 B 0 1 0 1 Z 0 1 1 1 Circuito equivalente da porta AND com relés 54 .4.. . Porta OR Na porta OR. quando todas as entradas forem 0.. A presença de qualquer uma condição na entrada significa 1..

O inversor. e C podem tomar só o valor 0 ou 1 1 0 Fig. A porta NOT é também chamada de inversora. a saída é o 0 lógico. 2. a saída é o 1 lógico. Fig. Porta OR EXCLUSIVO O OR exclusivo é uma porta com duas entradas. Símbolos do OR EXCLUSIVO Tabela Verdade OR EXCLUSIVO (2 entradas) A 0 0 1 B 0 1 0 Z 0 1 1 Fig. diferente das outras portas lógicas que possuem duas ou mais entradas e uma saída. quando a entrada for o 0 lógico.11. a lâmpada está acesa (1). pois a saída é sempre o inverso ou oposto da entrada. (Usa-se uma resistência em série para evitar um curto circuito na alimentação.Circuitos Lógicos 1 As seguintes identidades valem para a OR: A + B + C = (A+B)+C A+B=B+A A+A=A A+1=1 A+0=A onde A. Uma chave em paralelo com uma lâmpada funciona como uma chave inversora: 1. Circuito OR EXCLUSIVO com dois relés 5. só possui uma entrada e uma saída.11. quando a chave estiver fechada. B. Circuito OR com dois relés 5. Símbolo do Inversor ou NOT Tabela Verdade NOT A Z 0 1 1 0 55 . quando a chave está desligada (0). quando a chave está ligada (1) a lâmpada está apagada (0). Fig. Porta NOT A lei da operação da porta NOT é: quando a entrada for o 1 lógico.6. cuja saída é 1 se e somente se os sinais de entrada forem diferentes. a saída é zero. Quando as entradas forem iguais.11.5.

a saída é zero. NAND é a porta oposta à AND. Porta NOR NOR é a porta oposta à OR. Porta NAND As três portas lógicas básicas AND.7.11.Circuitos Lógicos A 0 0 1 1 (a) Representação com relé Tabela Verdade NAND B AND 0 0 1 0 0 0 1 1 Z 1 1 1 0 (b) Representação em diagrama ladder (a) Representação com relé Fig. As tabelas verdades de NAND e NOR podem ser obtidas pela negação das tabelas verdades de AND e OR. de duas portas NOT nas entradas de OR (b) Representação em diagrama ladder Fig. Circuito equivalente NAND com relés 5. a saída é zero A porta NAND é o resultado da combinação 1. Símbolos do NOR Tabela Verdade NOR 56 . a saída é zero A porta NOR é o resultado da combinação 1. Circuito equivalente NOT com relés 5. da porta NOT na saída de OR (mais simples) 2. que são condicionadas em um único circuito. da porta NOT na saída de AND (mais simples) 2. OR e NOT podem ser combinadas para formar duas outras portas lógicas importantes. NAND e NOR. Quando todas as entradas da NAND forem 1.11.8. a saída é 1.11.11. em todos os outros casos. Quando todas as entradas da NOR forem 0. Símbolos do NAND: Fig. em todas as outras configurações. de duas portas NOT nas entradas de AND Fig.

Circuitos Lógicos A 0 0 1 1 B 0 1 0 1 AND 0 1 1 1 Z 1 0 0 0 (a) Representação com relé (b) Representação em diagrama ladder Fig.11. Circuito equivalente do NOR com relés   APOSTILA\CPCURSOS DIGITAL.DOC 03 FEV 94 57 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->