P. 1
Cap3c

Cap3c

5.0

|Views: 1.156|Likes:
Publicado pornettoferreira
AUTO CAD
AUTO CAD

More info:

Published by: nettoferreira on Aug 13, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/07/2012

pdf

text

original

Instalações Elétricas Definições, conceitos e arranjos físicos Simbologia gráfica para instalações elétricas prediais 

André e Adriana Ferreira 31

A norma NBR 5444 estabelece os símbolos gráficos referentes às instalações elétricas prediais e se baseia na conceituação simbológica de quatro elementos geométricos básicos: • • Traço: segmento de reta que representa o eletroduto; Círculo: pode representar ponto de luz, interruptor ou indicação de qualquer dispositivo embutido no teto, em que o ponto de luz deve ter um diâmetro maior que o do interruptor. Um elemento qualquer circundado indica que este se localiza no teto. O ponto de luz na parede (arandela) também é representado pelo círculo; • Triângulo eqüilátero: Representa as tomadas em geral. Variações acrescentadas a ela indicam mudança de significado e função (tomadas de luz e telefone, por exemplo), bem como modificações em seus níveis na instalação (baixa, média e alta); • Quadrado: representa qualquer tipo de elemento no piso ou conversor de energia (motor elétrico, por exemplo). Um elemento qualquer envolvido pelo quadrado significa que o dispositivo localiza-se no piso. Nem todos os projetistas de instalações elétricas seguem a simbologia determinada pela norma NBR 5444. Embora a padronização do emprego dos símbolos facilite a compreensão da planta elétrica por um maior número de pessoas, a legenda dos símbolos usados deve ser clara e precisa para evitar possíveis erros de interpretação. Como recomendação geral, nunca usar um símbolo descrito na norma para outro componente da instalação elétrica. Neste documento, para aproveitar os desenhos esquemáticos do material da PRYSMIAN será adotada a mesma simbologia deste material, embora a simbologia adotada para representar os elementos da instala não esteja plenamente de acordo com a NBR 5444.
Quadro de distribuição Ponto de luz no teto Ponto de luz na parede Caixa de saída alta

Símbolo:
100 potência de iluminação 2 número de circuito a comando do circuito

Símbolos:
monofásica

Símbolo:

Símbolo:

bifásica

Adriana Scheffer Quintela Ferreira e André Augusto Ferreira

Instalações Elétricas Definições, conceitos e arranjos físicos
Ponto de tomada baixa Ponto de tomada média Interruptor simples

André e Adriana Ferreira 32
Interruptor paralelo

Símbolos:
monofásica com terra bifásica com terra

Símbolos:
monofásica com terra bifásica com terra

Símbolo:

Símbolo:

Condutor de fase

Condutor neutro

Condutor de retorno

Condutor de proteção

Símbolo:

Símbolo:
Necessariamente azul claro

Símbolo:

Símbolo:
Necessariamente verde ou verde amarelo

Eletroduto embutido na laje

Eletroduto embutido na parede

Eletroduto embutido no piso

Símbolo:

Símbolo:

Símbolo:

Campainha

Botão de Campainha

Símbolo:

Símbolo:

Exercício 06 

Com base na divisão da instalação em circuitos realizada no exercício 05, realizar a locação, na planta baixa, de cada ponto de iluminação e dos pontos de tomada em cada cômodo, com o correspondente número de cada circuito e de acordo com o exemplo mostrado para o dormitório 01. Adriana Scheffer Quintela Ferreira e André Augusto Ferreira

Instalações Elétricas Definições, conceitos e arranjos físicos

André e Adriana Ferreira 33

3 3

160 1 3

3

Dormitório 1

Cozinha

Ponto de luz no teto Ponto de luz na parede

S

Interruptor simples

Ponto de tomada baixa monofásica com terra Ponto de tomada média monofásica com terra

Caixa de saída média bifásica com terra Caixa de saída alta bifásica com terra

Botão de campainha Campainha

S Interruptor paralelo

Adriana Scheffer Quintela Ferreira e André Augusto Ferreira

Instalações Elétricas Definições, conceitos e arranjos físicos

André e Adriana Ferreira 34

Recomendações básicas para o planejamento do caminho dos eletrodutos  De posse da localização prévia do quadro medidor, é necessário determinar a localização do quadro de distribuição, conforme procedimento descrito previamente neste mesmo capítulo. O posicionamento do quadro de distribuição próximo ao quadro medidor é mostrado na Figura 18.

Figura 18: Posicionamento do quadro de distribuição na planta baixa. Do quadro de medição partem os eletrodutos em direção aos pontos de iluminação e pontos de tomada, em que se deve buscar reduzir o comprimento dos eletrodutos e evitar, sempre que possível, seu cruzamento com tubulações. Deste modo, determinado o local do quadro de distribuição, inicia-se o caminhamento partindo dele com um eletroduto em direção ao ponto de luz no teto (eletroduto embutido no teto) do cômodo mais próximo e daí para os interruptores e pontos de tomadas (eletrodutos embutidos nas paredes) do mesmo cômodo. Deve-se evitar que as caixas embutidas no teto interliguem mais de cinco (recomendável quatro, na prática) eletrodutos e que as caixas embutidas nas paredes se conectem a mais de quatro eletrodutos, pois um grande número de conexões resultaria em uma grande ocupação das caixas com emendas e passagens de condutores. Nesta fase, também é adequado representar também o eletroduto que vai conter o circuito de distribuição, a partir do quadro de medição. Na Figura 19 é mostrado o exemplo da passagem de eletrodutos na planta baixa e sua respectiva visualização em três dimensões (perspectiva cavaleira).

Adriana Scheffer Quintela Ferreira e André Augusto Ferreira

Instalações Elétricas Definições, conceitos e arranjos físicos

André e Adriana Ferreira 35

Figura 19: Representação da passagem de eletrodutos na sala: planta baixa (esquerda) e respectiva visualização em três dimensões (direita). Do quadro de distribuição podem partir circuitos terminais que compartilhem o mesmo eletroduto. Por exemplo, um eletroduto parte do quadro distribuição, vai para o ponto de luz no teto da copa e, daí, para o interruptor do mesmo ambiente. Deste mesmo ponto de luz na copa sai um eletroduto, também embutido no teto, para o ponto de luz no teto da cozinha de onde partem outros eletrodutos para outros pontos de iluminação, pontos de tomadas e interruptores, como mostrado na Figura 20. Na Figura 21 é mostrado o desenho em perspectiva da planta baixa. Em algumas ocasiões é mais conveniente e recomendável o uso de tubulações embutidos no piso, para atender a circuitos de tomadas baixas e médias. Deve-se evitar que em cada trecho do eletroduto passe uma quantidade exagerada de circuitos terminais, em virtude das implicações no diâmetro dos eletrodutos e das dificuldades relativas a enfiação e/ou retirada dos condutores. E ainda, na prática, não se recomenda instalar mais do que 6 ou 7 condutores por eletroduto.

Figura 20: Representação da passagem de eletrodutos em três cômodos da residência.

Adriana Scheffer Quintela Ferreira e André Augusto Ferreira

Instalações Elétricas Definições, conceitos e arranjos físicos

André e Adriana Ferreira 36

Figura 21: Representação tridimensional dos eletrodutos em 3 cômodos da residência.
Exercício 07 

Traçar o caminho que os eletrodutos irão percorrer dentro da planta baixa usando a legenda no rodapé da figura abaixo.

Adriana Scheffer Quintela Ferreira e André Augusto Ferreira

Instalações Elétricas Definições, conceitos e arranjos físicos

André e Adriana Ferreira 37

Adriana Scheffer Quintela Ferreira e André Augusto Ferreira

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->