Você está na página 1de 2

De escravos a automóveis

A evolução da propaganda, do primeiro anúncio à publicidade de massa.

• 1808
O primeiro anúncio, referente à venda de um imóvel, é publicado na Gazeta do
Rio de Janeiro.
• 1809
A escravidão torna-se tema recorrente na publicidade brasileira.
• 1838
Surgem nos jornais do Rio de Janeiro os anúncios de produtos farmacêuticos
importados, como o Elixir de Boubée e o Elixir do Dr. Guillié. Os laboratórios
se tornariam a partir de então os maiores anunciantes do país.
• 1875
Chegam ao mercado brasileiro — e aos anúncios de jornais — produtos como
Farinha Láctea Nestlé e Emulsão de Scott.
• 1891
É fundada em São Paulo a primeira agência de propaganda do Brasil, a Empresa
de Publicidade e Comércio, que funcionaria até 1915.
• 1900
A indústria gráfica passa a usar novas tecnologias, como litografia e fotogravura,
modernizando a apresentação dos anúncios e abrindo espaço para o lançamento
das revistas ilustradas.
• 1910
Anúncios de marcas como Antarctica, Singer, Brahma, Gillette e Mappin Stores
aparecem em revistas como O Malho, O Tico-Tico e Fon Fon.
• 1920
O escritor Monteiro Lobato cria campanha publicitária com o personagem Jeca
Tatuzinho para o Biotônico Fontoura.
• 1929
A agência americana J.Walter Thompson abre sua filial em São Paulo para
atender à conta da General Motors e inicia um grande processo de modernização
da publicidade brasileira.
• 1935
A McCann Erickson abre seu escritório no Rio de Janeiro para atender à conta
da Standard Oil e sua marca Esso.
• 1945
A publicidade se consolida no país e o primeiro Anuário de Publicidade
contabiliza 32 agências em funcionamento no país. Os maiores anunciantes do
ano são RCA Victor, General Electric, General Motors, Pan American World
Airways, Philips e Ford.
• 1950 - até hoje
Na década de 50, a publicidade reflete a transição do país agrário para o país
urbanizado e industrial. A chegada da televisão e novos meios de comunicação
lançam as bases da propaganda moderna nos padrões como conhecemos hoje.