P. 1
Apresentacao E-Commerce SI Fabrai

Apresentacao E-Commerce SI Fabrai

4.63

|Views: 3.418|Likes:
Trabalho comércio eletrônico(e-commerce) apresentado na faculdade fabrai
Trabalho comércio eletrônico(e-commerce) apresentado na faculdade fabrai

More info:

Published by: Sinésio Dourado de Oliveira on Apr 12, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/09/2014

pdf

text

original

ecommerce

Comércio nas Terras dos Bits…

TGS (Teoria Geral de Sistemas) Pof(a).:Tânia Mara Paiva de Oliveira
Fabiano, Thiago, Reinaldo, Sinésio, Breno.

e-commerce {o que é?}
Uma definição possível para comércio eletrônico seria: “Pode ser definido com a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores suportado por uma infra-estrutura digital.”

e-commerce {Onde Tudo Começou?}
1. Internet com fins acadêmicos; 2. Internet com fins informativo (sites estáticos); 3. Internet com desenvolvimento ferramentas para fins comerciais; 4. Potêncial publicitário na rede; 5. E-commerce.

e-commerce {Os tipos?}
Existem 5 tipos básicos de comércio eletrônico: • Business-to-Business (B2B); • Business-to-Consumer (B2C); • Business-to-Administration (B2A); • Consumer-to-Administration (C2A); • Consumer-to-Consumer (C2C).

e-commerce {os tipos?}
• Business-to-Business (B2B); • Business-to-Consumer (B2C); • Business-to-Administration (B2A); • Consumer-to-Administration Engloba (C2A); as transações eletrônicas bens ou todas serviços efetuadas entre empresas. • Consumer-to-Consumer (C2C).

Bons exemplos desta realidade já não faltam: Usiminas, AmBev, Gerdau...

e-commerce {os tipos?}
B2B ( Case USIMINAS):

e-commerce {os tipos?}
• Business-to-Business (B2B); • Business-to-Consumer (B2C); • Business-to-Administration (B2A); • Consumer-to-Administration
Distingue-se pelo estabelecimento de relações comerciais (C2A); eletrônicas entre as empresas e os consumidores finais.
Pertencem ao varejo off-line: • Consumer-to-Consumer (C2C). Americanas, Saraiva, Ponto Frio, Shop Time, Pão de Açúcar, Som Livre, Livraria Cultura. Puras de Internet:

e-commerce {os tipos?}
• Business-to-Business (B2B); • Business-to-Consumer (B2C); • Business-to-Administration (B2A); • Consumer-to-Administration
Esta parte do comércio eletrônico engloba todas as transações realizadas on-line (C2A); entre as empresas e a Administração Pública. Esta é uma área que envolve uma grande quantidade e diversidade de serviços, designadamente nas áreas fiscal, da • Consumer-to-Consumer (C2C). segurança social, do emprego, dos registros e notariado, etc. O tipo de serviços tem vindo a aumentar consideravelmente nos últimos anos com os investimentos feitos em e-government.

e-commerce {os tipos?}
• Business-to-Business (B2B); • Business-to-Consumer (B2C); • Business-to-Administration (B2A); • Consumer-to-Administration
Engloba todas as transacções electrónicas efectuadas entre os indivíduos e a (C2A); Administração Pública. Exemplos• Consumer-to-Consumer (C2C). de aplicações: • Educação - divulgação de informação, formação à distância. • Impostos - entrega das declarações, pagamentos, etc. • Saúde - marcação de consultas, informação sobre doenças, etc.

e-commerce {os tipos?}
• Business-to-Business (B2B); • Business-to-Consumer (B2C); • Business-to-Administration (B2A); • Consumer-to-Administration
Os negócios C2C são realizados por meio de uma plataforma eletrônica na Internet (C2A); e intermediados por uma empresa que oferece a infra-estrutura tecnológica e administrativa. Tanto o comprador quanto o vendedor devem estar cadastrados no sistema e• Consumer-to-Consumer (C2C). podem ser avaliados por todos os membros da comunidade de negócios pela quantidade de transações que já realizaram e pelas notas que receberam em cada transação, numa espécie de ranking dos bons negociadores. Ex.: Mercado Livre

e-commerce {No Brasil}
O comércio pela internet já se consagrou como um canal alternativo de vendas, caracterizado pela facilidade e conveniência da compra. É também uma forma barata de aumentar a exposição de marca e suas vendas. Em alguns casos, pode ser o único canal de vendas. Ex.: Submarino. Em 2007 9,5 milhões de brasileiros compraram pela internet pelo menos uma vez, resultando no volume de R$ 6,4 bilhões em faturamento.O tíquete médio no período foi de R$ 302,00, sendo o Natal a data comemorativa de maior destaque para o comércio eletrônico, com faturamento de R$ 1,081 bilhão e tíquete médio de R$ 308,00.

e-commerce {No Brasil}

Fonte: Revista Veja

e-commerce {No Brasil}

e-commerce {No Brasil}

e-commerce {No Brasil}
Evolução do varejo on-line

e-commerce {No Brasil}
Evolução do varejo on-line

e-commerce {No Brasil}
Quem compra online? Público predominantemente masculino, adulto e afluente. Público com idade superior a 50 anos já é significativo representando 16%.

e-commerce {No Brasil}
Quem compra online? Público predominantemente masculino, adulto e afluente. Público com idade superior a 50 anos já é significativo representando 16%.

e-commerce {No Brasil}
Quem compra online? Público predominantemente masculino, adulto e afluente. Público com idade superior a 50 anos já é significativo representando 16%.

e-commerce {No Brasil}
Quem compra online? Público predominantemente masculino, adulto e afluente. Público com idade superior a 50 anos já é significativo representando 16%. Objetivos das Compras Virtuais?

e-commerce {No Brasil}
Quem compra online? Público predominantemente masculino, adulto e afluente. Público com idade superior a 50 anos já é significativo representando 16%.

e-commerce {No Brasil}
Quem compra online? Público predominantemente masculino, adulto e afluente. Público com idade superior a 50 anos já é significativo representando 16%. Navegação?

e-commerce {No Brasil}
Quem compra online? Público predominantemente masculino, adulto e afluente. Público com idade superior a 50 anos já é significativo representando 16%. Satisfação dos Clientes quanto ao atendimento?

e-commerce {Vantagens}
• Possibilidade de comprar a qualquer hora do dia, a qualquer dia da semana, de qualquer lugar, sem sequer precisar sair de casa; • Redução de custos para o fornecedor, que não precisa arcar com os altos custos da manutenção de lojas físicas, vendedores, etc, e para o consumidor também, já que o barateamento dos custos costuma chegar até ele no preço dos produtos e serviços adquiridos; • Mais opções e melhor acesso à informação, pois com poucos cliques na grande rede o consumidor é capaz de comparar preços, funcionalidades dos diferentes produtos de diferentes fabricantes e optar de forma consciente pelo que atende melhor suas necessidades; • Rapidez. Tudo é realizado de forma instantânea, sem barreiras impeditivas, sem burocracia; • Ampliação relevante do mercado, pois pessoas que, seja por questões geográficas, seja por questões econômicas ou

e-commerce {Desvantagens}
• Dificuldades naturais para identificar as partes. Tanto comprador quanto vendedor podem estar maquiando sua real identidade, escorados na virtualidade do meio em que se contrata, o que demanda cautelas especiais no momento de encetar um negócio; • Ausência de contato interpessoal direto, o que pode levar a uma justificável insegurança. Trata-se, na verdade, de uma contratação bastante impessoal, em que o elemento confiança adquire um peso ainda maior do que na contratação tradicional, presencial; • Impossibilidade de manipulação dos bens comercializados, um critério até então importante para a decisão do consumidor. Contudo, a sociedade de consumo massificou os bens de consumo, fazendo com que esse contato direto perca sua relevância paulatinamente; • Riscos de segurança, associados aos dois primeiros itens acima;

e-commerce {Segurança!}
Principal desafio na popularização do ecommerce: •38% dos internautas já foram vítimas de golpes; •19 dos 20 principais grupos de Crackers do mundo estão no Brasil; •Mercado de segurança eletrônica deve crescer 23% nos próximos dois anos ; •Certificação digital; •www.internetsegura.org;

e-commerce {Segurança}
Membros do movimento internet segura:

e-commerce {Segurança}
Câmera brasileira de comercio eletrônico:

•Criada em maio de 2007, é a principal entidade multi-setorial da economia digital no Brasil e na América Latina. •São 150 grandes empresas líderes dos principais setores da economia que discutem, propõem, formulam e monitoram políticas públicas regulatoriais e de mercado.

e-commerce {Segurança}
Estudo de cases. Mercado Livre.

Portal de Segurança: Além de grande competência em segurança de dados o Mercado Livre possui um portal para orientar o usuário em procedimentos que visam a segurança e minimização de fraudes.

e-commerce {Segurança}
Estudo de cases. Submarino.

•Compra segura:
O Submarino investe em tecnologias avançadas de proteção de dados para confortar e tranqüilizar você. Todas as informações são codificadas pelo software SSL e arquivadas em um ambiente interno próprio, e de acesso exclusivo do Submarino. Isso significa que nenhuma informação trafega pela rede sem ser criptografada (codificada) utilizando os melhores algoritmos disponíveis no mercado. A proteção é absoluta.

e-commerce { Legislação }
A criação de uma lei específica para e-commerce tornaria o Brasil uma referência Mundial no setor:

• Necessidade da criação de uma “Nova Lei Comercial”: • Os desafios da Legislação; • American Bar Association (Ordem dos Advogados), objetivando a elaboração da “Lei para uniformização das transações por computadores”.

e-commerce {Base Tecnológica}
Desenvolvimento em 3 camadas

e-commerce {Base Tecnológica}
Tecnologias Utilizadas em Cada Camada Presentation Business Logic Data

-

HTML JavaScript Flash, Flex Java Fx Silverlight

- Java EE - C# - EJB - Php - Asp - WebServices - Segurança

-

Oracle SqlServer Postgre MySql

- Hibernate - Linq

e-commerce {Base Tecnológica}
Os donos da terceirização

IDCs e ASPs: Eles fazem parte de uma tendência cada vez mais nítida entre as empresas que possuem grande parte de suas atividades atrelada a soluções com infra-estruturas tecnológicas. São os Internet Data Centers (IDCs) e os Application Service Providers (ASPs), prestadores de serviços que têm surgido como opção interessante àqueles que não pretendem criar ou mesmo manter um arsenal de equipamentos e processos dentro de casa. IDCs – Internet Data Centers. ASPs – Application Service Providers.

e-commerce {Base Tecnológica}
IDCs – Internet Data Centers.

Definição: local dotado de servidores, conexões de rede e demais equipamentos capacitados para manter a operação ininterrupta de empresas com sistemas baseados em Web. Seu surgimento está atrelado a diversos fatores proporcionados pela popularização da rede mundial de computadores.

e-commerce {Base Tecnológica}
IDCs – Internet Data Centers.

Definição: local dotado de servidores, conexões de rede e demais equipamentos capacitados para manter a operação ininterrupta de empresas com sistemas baseados em Web. Seu surgimento está atrelado a diversos fatores proporcionados pela popularização da rede mundial de computadores.

e-commerce {Base Tecnológica}
IDCs – Internet Data Centers.

Definição: local dotado de servidores, conexões de rede e demais equipamentos capacitados para manter a operação ininterrupta de empresas com sistemas baseados em Web. Seu surgimento está atrelado a diversos fatores proporcionados pela popularização da rede mundial de computadores.

e-commerce {Base Tecnológica}
IDCs – Internet Data Centers.

Modalidade: Hosting Hosting é caracterizado pela utilização da infra-estrutura do próprio IDC são disponibilizadas aplicações como backup; monitoramento de hardware, sistema operacional e aplicativos; estatísticas de equipamentos, tráfego e integração de soluções.

e-commerce {Base Tecnológica}
IDCs – Internet Data Centers.

Modalidade: Colocation o data center faz a locação de seu espaço para os equipamentos do cliente. Aqui, podem ser contratadas diversas modalidades, como o aluguel de um espaço físico separado ou junto a demais servidores do IDC.

e-commerce {Base Tecnológica}
IDCs – Internet Data Centers.

e-commerce {Base Tecnológica}
ASPs – Application Service Providers.

Definição: Provedores de Serviço de aplicação
surgiu da necessidade das empresas em reduzir custos internos para manutenção de aplicações. O que essas companhias fazem hoje é a hospedagem, gerenciamento e aluguel de aplicativos de negócios, serviços muitas vezes utilizados por empresas de pequeno e médio portes. O regime de ASP, muitas vezes, substitui a maneira tradicional de aquisição de licenças para utilização de software, tornando o orçamento mais barato às empresas.

e-commerce {Base Tecnológica}
ASPs – Application Service Providers.

Definição: Provedores de Serviço de aplicação
surgiu da necessidade das empresas em reduzir custos internos para manutenção de aplicações. O que essas companhias fazem hoje é a hospedagem, gerenciamento e aluguel de aplicativos de negócios, serviços muitas vezes utilizados por empresas de pequeno e médio portes. O regime de ASP, muitas vezes, substitui a maneira tradicional de aquisição de licenças para utilização de software, tornando o orçamento mais barato às empresas.

e-commerce {Base Tecnológica}
ASPs – Application Service Providers.

Definição: Provedores de Serviço de aplicação
surgiu da necessidade das empresas em reduzir custos internos para manutenção de aplicações. O que essas companhias fazem hoje é a hospedagem, gerenciamento e aluguel de aplicativos de negócios, serviços muitas vezes utilizados por empresas de pequeno e médio portes. O regime de ASP, muitas vezes, substitui a maneira tradicional de aquisição de licenças para utilização de software, tornando o orçamento mais barato às empresas.

e-commerce {Base Tecnológica}
ASPs – Application Service Providers.

e-commerce {Conclusão}
Desafios – Perspectivas Futuras

Fusões:
Canal de TV e e-commerce Shoptime.

AMERICANAS

B2W

SUBMARINO

Ingresso.com

Travel Web

e-commerce {Conclusão}
Desafios – Perspectivas Futuras

Estratégias: • Encontrar meios de economizar, agilizar e facilitar transações para, em um estágio mais evoluído, atingirem o Comércio Colaborativo, envolvendo toda a cadeia de valor da companhia; • A terceirização ganhará cada vez mais espaço; • Opções como ASPs e IDCs crecerão ainda mais;

e-commerce {Conclusão}
Desafios – Perspectivas Futuras

Novas Tecnologias: • Soluções RIA(aplicações ricas para Internet) • Silverlight; • Java Flex • Adobe Flex

e-commerce {Fim.}
{ Obrigado!!! }

Breno de Paulo Fabiano Augusto Alves Muniz Reinaldo Barcelos Mendes Sinésio Dourado de Oliveira Thiago Cassimiro Gonçalves Vieira

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->